MODELAGEM, CONTROLE E SIMULAÇÃO DA DINÂMICA ELETROMECÂNICA DE UMA MICRO USINA HIDRELÉTRICA NA AMAZÔNIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MODELAGEM, CONTROLE E SIMULAÇÃO DA DINÂMICA ELETROMECÂNICA DE UMA MICRO USINA HIDRELÉTRICA NA AMAZÔNIA"

Transcrição

1 INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA 1 Ō TEN JOSÉ CARLOS LEÃO VELOSO SILVA MODELAGEM, CONTROLE E SIMULAÇÃO DA DINÂMICA ELETROMECÂNICA DE UMA MICRO USINA HIDRELÉTRICA NA AMAZÔNIA Dissertação de Mestrado apresentada ao Curso de Mestrado em Engenharia Elétrica do Instituto Militar de Engenharia, como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Ciências em Engenharia Elétrica. Orientador: Paulo César Pellanda, Dr. ENSAE, Maj QEM Co-orientador: José Carlos Cesar Amorim, Dr. INPG Rio de Janeiro 2003

2 c2003 INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA Praça General Tibúrcio, 80-Praia Vermelha Rio de Janeiro-RJ CEP Este exemplar é de propriedade do Instituto Militar de Engenharia, que poderá incluílo em base de dados, armazenar em computador, microfilmar ou adotar qualquer forma de arquivamento. É permitida a menção, reprodução parcial ou integral e a transmissão entre bibliotecas deste trabalho, sem modificação de seu texto, em qualquer meio que esteja ou venha a ser fixado, para peqsquisa acadêmica, comentários e citações, desde que sem finalidade comercial e que seja feita a referência bibliográfica completa. Os conceitos expressos neste trabalho são de responsabilidade do(s) autor(es) e do(s) orientador(es). S586 Silva, José Carlos L.V. Modelagem, Controle e Simulação da Dinâmica Eletromecânica de Uma Micro Usina Hidrelétrica na Amazônia. / José Carlos Leão Veloso Silva. - Rio de Janeiro : Instituto Militar de Engenharia, p. : il., graf., tab. Dissertação (mestrado) - Instituto Militar de Engenharia - Rio de Janeiro, Modelagem Matemática de SEP. 2. Projeto de reguladores de tensão e de velocidade. 3. Simulação não-linear. I. Instituto Militar de Engenharia. II. Título. CDD

3 INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA 1 Ō TEN JOSÉ CARLOS LEÃO VELOSO SILVA MODELAGEM, CONTROLE E SIMULAÇÃO DA DINÂMICA ELETROMECÂNICA DE UMA MICRO USINA HIDRELÉTRICA NA AMAZÔNIA Dissertação de Mestrado apresentada ao Curso de Mestrado em Engenharia Elétrica do Instituto Militar de Engenharia, como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Ciências em Engenharia Elétrica. Orientador: Paulo César Pellanda, Dr. ENSAE, Maj QEM Co-orientador: José Carlos Cesar Amorim, Dr. INPG Aprovada em 19 de dezembro de 2003 pela seguinte Banca Examinadora: Paulo César Pellanda, Dr. ENSAE, Maj QEM do IME - Presidente José Carlos Cesar Amorim, Dr. INPG do IME Mário Cesar Mello Massa de Campos, Dr. ECP do CENPES Antonio Eduardo Carrilho da Cunha, Dr. Eng do IME Rio de Janeiro

4 A meus pais, Paulo e Vera; a meus irmãos, Ana Paula e José Paulo; a minha avó Dulce; e a meus familiares e amigos, por me mostrarem que "Vale a Pena...". "Os que lançam as sementes entre lágrimas, ceifarão com alegria. Chorando de tristeza sairão, espalhando suas sementes; cantando de alegria voltarão, carregando os seus feixes!" (Sl. 125) 4

5 AGRADECIMENTOS Ao Exército Brasileiro, ao Instituto Militar de Engenharia, e em especial ao Departamento de Engenharia Elétrica, pela oportunidade que me deram de realizar este curso de Mestrado. Aos professores do Grupo de Sistemas de Controle deste Instituto, e de modo todo especial aos professores Coronel Geraldo Magela Pinheiro Gomes e Major Roberto Ades, pelos ensinamentos, paciência, compreensão e amizade. Ao Coronel Pinheiro e ao Major Ades a minha mais sincera gratidão. Ao professor Glauco Nery Taranto (COPPE/UFRJ) pelo conhecimento transmitido, pelas sugestões e esclarecimentos fundamentais dados em relação a sistemas de potência. Ao professor e membro da banca examinadora, Capitão Antônio Eduardo Carrilho da Cunha (IME), pelas diversas dúvidas que me sanou, por sua solicitude e pela valiosa contribuição dada a este trabalho. Ao professor Mário Cesar Mello Massa de Campos (CENPES) pelos conhecimentos transmitidos na cadeira de Introdução à Neuro-Computação e durante a confecção desta dissertação, sobretudo com relação à lógica fuzzy, tópico fundamental deste trabalho. Por sua amizade e gentileza em aceitar participar da banca, contribuindo em muito para o aprimoramento desta dissertação. Aos companheiros de mestrado, e em particular a meus caros amigos 1 0 Ten Trajano Alencar de Araújo Costa, do Departamento de Engenharia Mecânica, pelas mais variadas explicações e conselhos, e por seu apoio; 1 0 Ten José Julimá Bezerra Júnior e 1 0 Ten Alberto Mota Simões, ambos do Grupo de Sistemas de Controle do Departamento de Engenharia Elétrica, pelo enorme privilégio que me deram de suas amizades. Aos meus familiares, por me fazerem prosseguir, mesmo quando tudo parece concorrer para que eu pare. Ao professor José Carlos Cesar Amorim (IME), por sua co-orientação, sobretudo nos assuntos relativos ao sistema hidráulico, e por ter acreditado em mim sendo um grande incentivador deste trabalho. Ao professor Major Paulo César Pellanda (IME), pela confiança em mim depositada ao aceitar orientar esta dissertação, e pela forma como a conduziu, estando sempre ao meu lado nos momentos mais difíceis, sacrificando, inclusive, horas de descanso com sua família. Ao Major Pellanda o meu mais profundo respeito, admiração e agradecimento. 5

6 SUMÁRIO LISTA DE ILUSTRAÇÕES LISTA DE TABELAS LISTA DE SÍMBOLOS E ABREVIATURAS INTRODUÇÃO Posicionamento e Motivação Objetivos Organização CONFIGURAÇÃO DO SEP EM ESTUDO E SUA MODELAGEM MATEMÁTICA Configuração do SEP Comentários sobre a Carga Modelagem do Sistema Elétrico Modelo do Gerador Elétrico Modelo da Rede Elétrica Modelagem do Sistema Hidráulico Valores Base, Especificação de Materiais e Dados de Parâmetros Sistema Elétrico Sistema Hidráulico MODELO LINEARIZADO DO SISTEMA ELÉTRICO - REGU- LADORES DE TENSÃO E SIMULAÇÕES Linearização das Equações do Sistema Elétrico Os Pontos de Operação do SEP e a Solução da Equação de Rede As Formulações Aumentada (ou Implícita) e em Espaço de Estados Projeto de Reguladores de Tensão e Simulações Comparações Interpolação de Ganhos dos RAT via Lógica Difusa Estrutura de Controle com Tabelamento de Ganhos Montagem da Lógica Fuzzy e Obtenção do Regulador Final

7 4 MODELAGEM E SIMULAÇÃO DO SISTEMA HIDRÁULICO E DO REGULADOR VELOCIDADE Modelo da Turbina Hidráulica e dos Atuadores Modelo do Regulador de Velocidade Partida do Sistema e Simulações MODELO NÃO-LINEAR DO SEP E SIMULAÇÕES O Sistema Elétrico e a Solução das EAD Modelo Completo do SEP e Simulações Linearização do Modelo Matemático do Sistema Elétrico por Perturbação Numérica CONCLUSÃO Resumo e Análise dos Principais Resultados Alcançados Resumo da Contribuição Críticas e Perspectivas REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICES APÊNDICE 1: Programas Matlab Definição dos Pontos de Operação e Parâmetros do Sistema Elétrico- Solução da Equação de Rede Formulação Aumentada - Obtenção das Matrizes ABCD (Espaço de Estados) Programa S-Function para o Modelo Não-Linear do Sistema Elétrico Programa S-Function para o Modelo do Sistema Elétrico Empregado na Linearização por Perturbação Numérica Cálculo dos Valores das Variáveis do Sistema Elétrico nos Pontos de Operação considerados e Validação da Linerização Analítica

8 LISTA DE ILUSTRAÇÕES FIG.2.1 Diagrama unifilar do sistema elétrico em estudo FIG.3.1 FIG.3.2 FIG.3.3 Diagrama de pólos e zeros da FT V 1 (s) E fd, do SEP. Primeiro ponto (s) de operação Diagrama de pólos e zeros da FT V 1 (s) E fd, do SEP- ampliação da (s) região do gráfico próxima à origem. Primeiro ponto de operação Diagrama em blocos de malha fechada da planta elétrica com o RAT, mostrando os sinais da tensão de referência ( V ref ), da tensão de campo ( E fd ) e da tensão terminal do gerador ( V t ) FIG.3.4 Modelo em Simulink do sistema elétrico em malha fechada FIG.3.5 FIG.3.6 FIG.3.7 FIG.3.8 FIG.3.9 FIG.3.10 FIG.3.11 FIG.3.12 Resposta de V 1 para uma entrada ao degrau de 0,05 pu em V ref, com um regulador tipo I (integrador)- primeiro ponto de operação Resposta de V 1 para uma entrada ao degrau de 0,05 pu em V ref, com um regulador tipo PI (proporcional - integral)- primeiro ponto de operação Resposta de V 1 para uma entrada tipo pulso de 0,05 pu e duração de 1 segundo em V ref, com um regulador tipo PI (proporcional - integral)- primeiro ponto de operação Resposta de V 1 para uma entrada tipo pulso de 0,05 pu e duração de 1 segundo em V ref, com um regulador tipo PI (proporcional - integral)- segundo ponto de operação Resposta de V 1 para uma entrada tipo pulso de 0,05 pu e duração de 1 segundo em V ref, com um regulador tipo PI (proporcional - integral)- terceiro ponto de operação Resposta de V 1 para uma entrada tipo pulso de 0,05 pu e duração de 1 segundo em V ref, com um regulador tipo PI (proporcional - integral)- quarto ponto de operação Resposta de V 1 para uma entrada tipo pulso de 0,05 pu e duração de 1 segundo em V ref, com um regulador tipo PI (proporcional - integral)- quinto ponto de operação Resposta de V 1 para uma entrada tipo pulso de 0,05 pu e duração de 1 segundo em V ref, com um regulador tipo PI (propor- 8

9 FIG.3.13 FIG.3.14 FIG.3.15 FIG.3.16 FIG.3.17 FIG.3.18 FIG.3.19 FIG.3.20 FIG.3.21 FIG.3.22 cional - integral)- sexto ponto de operação Resposta de V 1 para uma entrada tipo pulso de 0,05 pu e duração de 1 segundo em V ref, com um regulador tipo PI (proporcional - integral)- sétimo ponto de operação Resposta de V 1 para uma entrada tipo pulso de 0,05 pu e duração de 1 segundo em V ref, com um regulador tipo PI (proporcional - integral)- oitavo ponto de operação Resposta de V 1 para uma entrada tipo pulso de 0,05 pu e duração de 1 segundo em V ref, com um regulador tipo PI (proporcional - integral)- nono ponto de operação Resposta de V 1 para uma entrada tipo pulso de 0,05 pu e duração de 1 segundo em V ref, com um regulador tipo PI (proporcional - integral)- décimo primeiro ponto de operação Resposta de V 1 para uma entrada tipo pulso de 0,05 pu e duração de 1 segundo em V ref, com um regulador tipo PI (proporcional - integral)- décimo segundo ponto de operação Resposta de V 1 para uma entrada tipo pulso de 0,05 pu e duração de 1 segundo em V ref, com um regulador tipo PI (proporcional - integral)- décimo quarto ponto de operação Resposta de V 1 para uma entrada tipo pulso de 0,05 pu e duração de 1 segundo em V ref, com um regulador tipo PI (proporcional - integral)- décimo quinto ponto de operação Respostas de V 1 para uma entrada tipo pulso de 0,05 pu e duração de 1 segundo em V ref, com um regulador sintonizado no terceiro e outro no décimo quinto ponto de operação- sistema linearizado no terceiro ponto de operação Respostas de V 1 para uma entrada tipo pulso de 0,05 pu e duração de 1 segundo em V ref, com um regulador sintonizado no terceiro e outro no décimo quinto ponto de operação- sistema linearizado no décimo quinto ponto de operação Evolução temporal do erro percentual de V 1 em relação à entrada de referência ( V ref ), com o regulador sintonizado para o terceiro ponto de operação e o sistema linearizado no décimo quinto

10 FIG.3.23 Diagrama esquemático da estrutura de controle com tabelamentos de ganhos via lógica fuzzy FIG.3.24 Função de pertinência para a variável de entrada potência ativa (P a ) FIG.3.25 Função de pertinência para a variável de entrada fator de potência (F P ) FIG.3.26 Função de pertinência para a variável de saída ganho 1 (g 1 ) FIG.3.27 Superfície de variação do ganho g FIG.3.28 Diagrama em Simulink do regulador de tensão final obtido por técnica de tabelamento de ganhos via lógica fuzzy FIG.3.29 Diagrama do subsistema Reguladores FIG.4.1 Diagrama em blocos da turbina hidráulica FIG.4.2 Diagrama em blocos dos atuadores da turbina hidráulica FIG.4.3 Diagrama em blocos do regulador de velocidade em conjunto com os atuadores da turbina hidráulica FIG.4.4 Diagrama em blocos da nova configuração do regulador de velocidade (na malha direta) em conjunto com os atuadores da turbina hidráulica FIG.4.5 Diagrama em blocos responsável pela simulação da abertura inicial do distribuidor da turbina FIG.4.6 Resposta da abertura inicial g i da turbina em pu FIG.4.7 Diagrama em blocos da EQ. 2.4 substituindo-se os parâmetros relativos à potência pelos respectivos torques FIG.4.8 Diagrama do subsistema entitulado partida FIG.4.9 Diagrama do subsistema contr-servo FIG.4.10 Diagrama em blocos completo do sistema hidráulico FIG.4.11 Resposta da velocidade de rotação da turbina (em pu) para uma abertura inicial do distribuidor de 0,32 pu FIG.4.12 Resposta da abertura do distribuidor da turbina (em pu) ao longo da partida do sistema hidráulico FIG.4.13 Resposta da potência mecânica de saída da turbina (em pu) ao longo da partida do sistema hidráulico FIG.4.14 Ampliação de P mec em torno de 15,5 segundos

11 FIG.4.15 Resposta da velocidade da água no conduto forçado (em pu) ao longo da partida do sistema hidráulico FIG.5.1 Diagrama em Simulink mostrando as saídas e as entradas (com a realimentação das variáveis algébricas) do bloco S-Function FIG.5.2 Diagrama em Simulink proposto em SHAMPINE (1999) para a solução de EAD FIG.5.3 Modelo completo, em diagrama de blocos, do SEP em estudo FIG.5.4 Diagrama em blocos do sistema hidráulico FIG.5.5 Diagrama em blocos do subsistema reg-tensao FIG.5.6 Diagrama em blocos usado para a definição das potências ativa e reativa do consumidor- caso do quartel FIG.5.7 Resposta da freqüência de saída do gerador, ω (em pu)- variações de carga a cada 45 segundos FIG.5.8 Resposta da tensão de saída do gerador, V t (em pu)- variações de carga a cada 45 segundos FIG.5.9 Resposta da abertura do distribuidor, g (em pu)- variações de carga a cada 45 segundos FIG.5.10 Resposta da freqüência de saída do gerador, ω (em pu)- variações de carga a cada 60 segundos FIG.5.11 Resposta da tensão de saída do gerador, V t (em pu)- variações de carga a cada 60 segundos FIG.5.12 Resposta da abertura do distribuidor, g (em pu)- variações de carga a cada 60 segundos FIG.5.13 Resposta da tensão de saída do gerador, V t (em pu)- utilização do RAT projetado para o sétimo ponto de operação (variações de carga a cada 45 segundos) FIG.5.14 Comparação das respostas da tensão de saída do gerador, V t (em pu), obtidas com o regulador fuzzy e com o RAT do sétimo ponto de operação- início da operação do SEP FIG.5.15 Comparação das respostas da tensão de saída do gerador, V t (em pu), obtidas com o regulador fuzzy e com o RAT do sétimo ponto de operação- primeira variação de carga (45 segundos) FIG.5.16 Comparação das respostas da tensão de saída do gerador, V t (em pu), obtidas com o regulador fuzzy e com o RAT do sétimo ponto 11

12 FIG.5.17 FIG.5.18 FIG.5.19 FIG.5.20 FIG.5.21 FIG.5.22 de operação- segunda variação de carga (90 segundos) Comparação das respostas da tensão de saída do gerador, V t (em pu), obtidas com o regulador fuzzy e com o RAT do sétimo ponto de operação- terceira variação de carga (135 segundos) Comparação das respostas da tensão de saída do gerador, V t (em pu), obtidas com o regulador fuzzy e com o RAT do sétimo ponto de operação- quarta variação de carga (180 segundos) Diagrama em blocos do sistema elétrico utilizado para linearização por perturbação numérica Diagrama em blocos do subsistema sist-ele utilizado para a linearização do sistema elétrico via perturbação numérica Janela de diálogo do bloco S-Function. Inicialização das variáveis do sistema elétrico Gráfico de σ m para G a (jω) G p (jω), em todos os quinze pontos de operação

13 LISTA DE TABELAS TAB.2.1 TAB.2.2 TAB.2.3 Valores dos parâmetros do gerador elétrico. As grandezas em pu estão na base 480V/105 KW Valores dos parâmetros do gerador elétrico com as grandezas em pu na base 179,6V/100 KW Valores dos parâmetros de interesse da rede elétrica com as grandezas em pu na base KV/100KW TAB.2.4 Parâmetros de interesse da planta hidráulica TAB.3.1 Pólos e zeros da FT V 1 (s) E fd nos pontos de operação analisados (s) TAB.3.2 Valores dos parâmetros dos reguladores TAB.3.3 Reguladores a serem usados no tabelamento de ganhos e sua representação

14 LISTA DE SÍMBOLOS E ABREVIATURAS ABREVIATURAS SEP RAT FT EAD Sistema Elétrico de Potência Regulador Automático de Tensão Função de Transferência Equações Algébrico-Diferenciais SÍMBOLOS R + Conjunto dos Números Reais Não-Negativos 14

15 RESUMO Esta dissertação descreve a modelagem da dinâmica eletromecânica de um Sistema Elétrico de Potência (SEP) de geração isolada, tendo-se como referência uma Micro Usina Hidrelétrica pertencente ao Exército Brasileiro instalada na Amazônia. O projeto de reguladores de tensão e de velocidade também é abordado neste trabalho, sendo o desempenho de ambos avaliado por intermédio de simulações computacionais realizadas com base nos modelos não-lineares das plantas elétrica e hidráulica. Os desenvolvimentos relacionados ao regulador de tensão dividem-se em três partes principais: a linearização analítica do sistema elétrico em diferentes pontos de operação; a obtenção de reguladores para os modelos linearizados do sistema a partir de técnicas de controle linear; e o emprego de um método de interpolação (ou tabelamento) dos ganhos desses reguladores via lógica fuzzy. O projeto do regulador de velocidade envolve a implementação de vários diagramas de bloco e de metodologias que permitem a execução das simulações desejadas. A simulação não-linear de toda a dinâmica do SEP é baseada no uso do pacote S- Function do programa Matlab/Simulink, responsável por resolver as Equações Algébrico- Diferenciais (EAD) que modelam esse sistema. A S-Function é ainda aplicada na linearização do sistema elétrico via perturbação numérica. Esse resultado é comparado, com base na teoria referente a valores singulares de matrizes e sistemas, com o obtido analiticamente. É constatada a equivalência dos dois métodos. Com relação ao controle das oscilações eletromecânicas em sistemas elétricos isolados, os resultados deste trabalho mostram claramente que a abordagem normalmente adotada na prática pode não proporcionar a melhor qualidade da energia gerada. 15

16 ABSTRACT This dissertation describes the electromechanical dynamics modelling of an Islanding Power System. A Micro Hydroelectric Station belonging to the Brazilian Army installed in the Amazon Forest is used as a reference. The design of voltage and frequency regulators is also exploited in this work. Their performance are evaluated through computacional simulations that are based on the nonlinear models of the electric and hydraulic plants. The development related to the voltage regulator is threefold: the analytical linearization of the electric system at different operating conditions; the design of a set of regulators corresponding to the set of linearized models through linear control techniques; and the application of a gain scheduling control method to these regulators that is based on a fuzzy logic approach. The design of the frequency regulator involve the implementation of several block diagrams and methodologies that allow the running of the desired simulations. The nonlinear simulation of the overall Power System dynamic is performed by using the S-Function package, which is responsible for solving the Differential Algebraic Equations (DAE) that model the system. The S-Function is also used to linearize the electrical system model via a numerical perturbation strategy. Through the use of singular value concept applied to matrices and systems, this result is compared with that obtained by the analytical method. The equivalency of both methods is verified. Regarding to the control of electromechanical oscillations in Islanding Power System, the results of this work clearly show that the approach normally adopted in practice may not provide the best quality of the generated energy. 16

17 1 INTRODUÇÃO 1.1 POSICIONAMENTO E MOTIVAÇÃO Um sistema elétrico de potência (SEP) pode ser resumidamente definido como sendo aquele cuja função essencial é converter uma dada modalidade energética, obtida a partir de uma fonte primária (que pode ser hidráulica, nuclear, fóssil, etc.), em energia elétrica, transportando-a ao consumidor. Para tanto, uma quantidade significativa de dispositivos, dinâmicos ou estáticos, são necessários, dentre os quais: turbinas, geradores elétricos, transformadores, linhas de transmissão e/ou de distribuição. A diversidade destes elementos e a natureza não linear de alguns deles tornam a modelagem e o controle tarefas complexas. Esta complexidade, quando se trata de SEP de grande porte com várias unidades geradoras interligadas entre si, é ainda mais crítica. Vastos são os estudos e trabalhos desenvolvidos e publicados no campo do controle aplicado à estabilidade de sistemas elétricos de potência interligados, os quais estão presentes, possivelmente, em quase todos os países do mundo, sendo os responsáveis por levar energia elétrica aos mais variados tipos de consumidores, movimentando economias e proporcionando desenvolvimento e conforto a seus povos. Por estes fatos, compreendese facilmente porque este tipo de sistema tem sido alvo de tanta pesquisa. Na área de controle ela se volta, entre outras direções, ao desenvolvimento de teorias, técnicas e componentes que estabilizem o SEP. A estabilidade pode ser vista como a manutenção do sincronismo entre máquinas e de níveis de tensão e freqüência próximos a valores nominais, em situação normal ou não de operação 1. Há casos, contudo, como o brasileiro, em que o sistema interligado não abrange a totalidade do território. Povoados ou comunidades são privados de energia elétrica e de suas benécies e uma fonte local de eletricidade deve ser provida. Muitas vezes, estes sistemas locais são de pequeno porte e não estão conectados a nenhum outro, sendo então denominados isolados ou tipo "ilha". As publicações disponíveis referentes a este tipo de sistema elétrico com geração isolada, particularmente no que se refere ao seu controle, 1 Naturalmente, dependendo da natureza e da intensidade do distúrbio ou da anormalidade, a desejada estabilidade pode não ser conseguida, a não ser através de medidas mais drásticas como, por exemplo, o corte de cargas. 17

18 são bem menos pródigas. Se por um lado a questão do sincronismo entre máquinas passa a não mais existir, por outro, o problema do controle de tensão e de freqüência em níveis compatíveis permanece. No contexto acima descrito se insere a presente dissertação: um estudo mais detalhado de sistemas elétricos de potência isolados, passando desde sua modelagem matemática até o projeto de sistemas de controle de tensão e de freqüência, tomando-se como base um SEP real pertencente ao Exército Brasileiro e instalado na Amazônia. Em alguns casos não basta uma aplicação direta ou uma mera adaptação ou simplificação das técnicas de controle utilizadas em sistemas interligados. Para estes sistemas, por exemplo, trabalha-se muito com a chamada estabilidade a pequenos sinais ou pequenos distúrbios, situação em que parte-se para uma linearização dos modelos matemáticos em torno de um determinado número de pontos de operação; o mesmo, entretanto pode não ser conveniente para SEP isolados, onde grandes distúrbios são mais comumente encontrados, já que uma única usina geradora terá que "absorver" toda e qualquer variação na operação, como perdas de cargas, de linhas, faltas, etc. Em virtude disto, para sistemas com geração isolada, simulações do modelo não-linear são, certamente, mais representativas dos fenômenos reais. Técnicas de controle aplicáveis em sistemas Lineares Invariantes no Tempo (LIT) são válidas apenas para pequenas perturbações em torno de pontos de operação. Para sistemas não-lineares, dois recursos têm sido utilizados: as simulação no domínio do tempo através de métodos de integração numérica, e os chamados métodos diretos, que se valem de funções de energia, estas sendo um tipo possível de função de Lyapunov (ver KUN- DUR (1994)). Enquanto os métodos diretos oferecem condições de se chegar a modelos de controladores que atendam aos requisitos estabelecidos para a operação de um SEP, as simulações constituem-se, apenas, em resultados gráficos, em sua maioria, da resposta de um sistema. Sua importância, então, está em constatar se determinados controladores projetados responderam ou não de maneira eficiente. Em caso negativo, ajustes tem que ser feitos no controle até que as simulações apresentem resultados satisfatórios. Métodos baseados em funções de energia, apesar de suas vantagens evidentes, ainda são muito conservativos. A tendência atual tem sido buscar um método híbrido que mescle os benefícios dos dois acima citados. Neste trabalho os métodos diretos não-lineares não foram tratados, sendo os controladores obtidos por métodos lineares e testados em simulações. Esta dissertação, como já dito, está pautada em um sistema de potência do Exército 18

19 Brasileiro, uma micro usina hidrelétrica (MUH) 2 (ver ELETROBRÁS (2000), HARVEY (1993)) situada na localidade de Pari-Cachoeira, no extremo oeste do estado do Amazonas, próxima à fronteira com a Colômbia. Ela possui uma capacidade de geração de, aproximadamente, 100KVA e foi construída com o objetivo de oferecer aos militares e seus familiares, que lá vivem, um mínimo de infra-estrutura, antes inexistente. Vale ressaltar que esta usina, a exemplo das demais existentes, a maioria em regiões isoladas de fronteira da Amazônia, abastece, também, e gratuitamente, comunidades locais, o que tem provocado, inclusive, um fluxo migratório para esta região, dadas as potencialidades trazidas com a chegada da energia elétrica. Outro fato relevante foram as análises e experiências feitas pelo Exército com outras fontes de energia locais, como: painéis fotovoltaicos, grupo-geradores a diesel e usinas termelétricas a lenha, conforme relatado em HUSS (1994). De todas elas, seja por motivos econômicos e/ou ambientais, a que se mostrou mais promissora foi a MUH. Embora o provimento de energia elétrica em regiões tão distantes e carentes já tenha sido um enorme e importante avanço, isto não impede que melhorias na qualidade desta tensão gerada sejam buscadas. Sabe-se que em algumas usinas, pelo menos, nas mais antigas, e portanto, mais rústicas, o sinal elétrico possui oscilações de tensão e freqüência indesejadas. Isto pode ser explicado pelo fato de parâmetros dos reguladores de tensão, ou Reguladores Automáticos de Tensão (RAT), ou AVR (Automatic Voltage Regulator), e dos reguladores de velocidade serem ajustados para, apenas, um determinado ponto de operação. Ao se afastar deste ponto, o desempenho dos controladores sofre normalmente um declínio, prejudicando a qualidade dos sinais de saída do gerador elétrico. Assim, a possibilidade de o estudo desenvolvido nesta dissertação contribuir para um aprimoramento da qualidade da energia fornecida, mediante o projeto de controles mais eficientes, se tornou um importante agente motivador. 1.2 OBJETIVOS O presente trabalho tem por objetivo modelar e simular o comportamento dinâmico de um SEP isolado, com vistas ao projeto de reguladores de velocidade e de tensão que favoreçam a estabilidade e o desempenho do sistema para variadas condições de operação. Espera-se, também, que os conhecimentos adquiridos possam auxiliar em 2 A denominação micro central hidrelétrica (MCH) é equivalentemente adotada em diversas literaturas referentes a este tema. 19

Estabilidade Transitória

Estabilidade Transitória Estabilidade Transitória Revisão em janeiro 003. 1 Introdução A geração de energia elétrica dos sistemas de potência é constituída de máquinas síncronas. que operam com uma determinada freqüência. O sistema

Leia mais

Geração de Energia Elétrica

Geração de Energia Elétrica Geração de Energia Elétrica Aspectos Dinâmicos da Geração Hidroelétrica Joinville, 21 de Março de 2012 Escopo dos Tópicos Abordados Controle de Carga-Frequência Regulação Primária Modelo do Sistema de

Leia mais

Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência. Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva

Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência. Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva Florianópolis, agosto de 2000 Capítulo 1 Introdução 1.1 Controle de Freqüência e Tensão na Operação

Leia mais

Simulação e Avaliação dos Esquemas de Proteção de Geradores Síncronos Contra Perda de Sincronismo

Simulação e Avaliação dos Esquemas de Proteção de Geradores Síncronos Contra Perda de Sincronismo 1 Simulação e Avaliação dos Esquemas de Proteção de Geradores Síncronos Contra Perda de Sincronismo Bernardo R. Bordeira e Sebastião E. M. de Oliveira Resumo--O presente trabalho avalia os principais esquemas

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 20 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Seja um circuito RLC série alimentado por uma fonte de tensão e sem energia inicialmente armazenada.

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão.0 a 5 Novembro de 009 Recife - PE GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO GRUPO DE ESTUDO ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA -

Leia mais

Introdução à Máquina Síncrona

Introdução à Máquina Síncrona Apostila 2 Disciplina de Conversão de Energia B 1. Introdução Introdução à Máquina Síncrona Esta apostila descreve resumidamente as principais características construtivas e tecnológicas das máquinas síncronas.

Leia mais

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios ET720 Sistemas de Energia Elétrica I Capítulo 3: Gerador síncrono Exercícios 3.1 Dois geradores síncronos estão montados no mesmo eixo e devem fornecer tensões em 60 Hz e 50 Hz, respectivamente. Determinar

Leia mais

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples CONCURSO DE ADMISSÃ ÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2009 1 a QUESTÃO Valor: 1,0 3m 02 g 3m 3m 4m 3m e 6m 4m 6m 6m d 4m 4m 02 02 02 4m 02 S g f 4m S S f e 4m c S d WS ab

Leia mais

Controle do motor de indução

Controle do motor de indução CONTROLE Fundação Universidade DO MOTOR DE Federal de Mato Grosso do Sul 1 Acionamentos Eletrônicos de Motores Controle do motor de indução Prof. Márcio Kimpara Prof. João Onofre. P. Pinto FAENG Faculdade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA - CT DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO - DELC PROJETO REENGE - ENG.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA - CT DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO - DELC PROJETO REENGE - ENG. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA - CT DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO - DELC PROJETO REENGE - ENG. ELÉTRICA CADERNO DIDÁTICO DE SISTEMAS DE CONTROLE 1 ELABORAÇÃO:

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

V SBQEE COMPORTAMENTO DE GERADORES SÍNCRONOS TRIFÁSICOS ALIMENTANDO CARGAS NÃO LINEARES E DESEQUILIBRADAS. UMA ABORDAGEM ANALÍTICA E EXPERIMENTAL

V SBQEE COMPORTAMENTO DE GERADORES SÍNCRONOS TRIFÁSICOS ALIMENTANDO CARGAS NÃO LINEARES E DESEQUILIBRADAS. UMA ABORDAGEM ANALÍTICA E EXPERIMENTAL V SBQEE Seminário Brasileiro sobre Qualidade da Energia Elétrica 17 a 20 de Agosto de 2003 Aracaju Sergipe Brasil Código: AJU 03 091 Tópico: Modelagens e Simulações COMPORTAMENTO DE GERADORES SÍNCRONOS

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO 9: Acionamento de Motores Assíncronos Trifásicos e Monofásicos Objetivo: Verificar alguns tipos de acionamento de motores elétricos de indução trifásicos e monofásicos. Teoria: Os motores elétricos,

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila.

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila. Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila. Ex. 0) Resolver todos os exercícios do Capítulo 7 (Máquinas

Leia mais

1 Controle da Potência Ativa e da Freqüência

1 Controle da Potência Ativa e da Freqüência 1 Controle da Potência Ativa e da Freqüência 1.1 Introdução Em sistemas de potência, as unidades geradoras compreendem os equipamentos conectados ao sistema capazes de transformar vários tipos de energia

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 27 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 41 De acordo com a NBR 5410, em algumas situações é recomendada a omissão da proteção contra sobrecargas. Dentre estas situações estão, EXCETO: a) Circuitos de comando.

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS ENG JR ELETRON 2005 29 O gráfico mostrado na figura acima ilustra o diagrama do Lugar das Raízes de um sistema de 3ª ordem, com três pólos, nenhum zero finito e com realimentação de saída. Com base nas

Leia mais

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Filippe Pereira Dolgoff Engenheiro de Aplicação Produtos e Sistema de Baixa Tensão ABB 1 INTRODUÇÃO Um sistema elétrico

Leia mais

Modelagem do Controle de Tensão por Geradores e de Múltiplas Barras Swing na Avaliação das Condições de Estabilidade de Tensão

Modelagem do Controle de Tensão por Geradores e de Múltiplas Barras Swing na Avaliação das Condições de Estabilidade de Tensão Marcel René Vasconcelos de Castro Modelagem do Controle de Tensão por Geradores e de Múltiplas Barras Swing na Avaliação das Condições de Estabilidade de Tensão Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA - Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 2 1. Condutores e Dispositivos de Proteção 2. Fornecimento

Leia mais

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 1 Componente Curricular: Práticas de Acionamentos Eletrônicos PAE 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 OBJETIVO: 1) Efetuar a programação por meio de comandos de parametrização para

Leia mais

COMPENSAÇÃO DE REATIVOS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO UTILIZANDO COMPENSADORES ESTÁTICOS FIXOS

COMPENSAÇÃO DE REATIVOS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO UTILIZANDO COMPENSADORES ESTÁTICOS FIXOS COMPENSAÇÃO DE REATIVOS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO TILIZANDO COMPENSADORES ESTÁTICOS FIXOS Paulo H. O. Rezende, Fabrício P. Santilho, Lucas E. Vasconcelos, Thiago V. Silva Faculdade de Engenharia Elétrica,

Leia mais

MÁQUINAS 1 CAPÍTULO 9

MÁQUINAS 1 CAPÍTULO 9 MÁQUA 1 CAÍTULO 9 TRAFORMADOR O transformador é um componente utilizado para converter o valor da amplitude da tensão de uma corrente alternada. O transformador é uma máquina elétrica que transfere energia

Leia mais

Potência Instalada (GW)

Potência Instalada (GW) Modelagem e simulação de um aerogerador a velocidade constante Marcelo Henrique Granza (UTFPR) Email: marcelo.granza@hotmail.com Bruno Sanways dos Santos (UTFPR) Email: sir_yoshi7@hotmail.com Eduardo Miara

Leia mais

MODELAGEM COMPUTACIONAL DE MÉTODOS DE PARTIDA DE UM MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO NO SIMULINK/MATLAB

MODELAGEM COMPUTACIONAL DE MÉTODOS DE PARTIDA DE UM MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO NO SIMULINK/MATLAB MODELAGEM COMPUTACIONAL DE MÉTODOS DE PARTIDA DE UM MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO NO SIMULINK/MATLAB Claudio Marzo Cavalcanti de BRITO Núcleo de Pesquisa em Eletromecânica e Qualidade de Energia NUPEQ CEFET-PI

Leia mais

APOSTILA DE USO DO SOFTWARE COMPUTACIONAL ModSym

APOSTILA DE USO DO SOFTWARE COMPUTACIONAL ModSym UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO E AUTOMAÇÃO APOSTILA DE USO DO SOFTWARE COMPUTACIONAL ModSym Prof. André Laurindo Maitelli 28 de

Leia mais

LINHA DE EQUIPAMENTOS DIDÁTICOS PARA ÁREA DE ELETROTÉCNICA: DESCRIÇÃO ETC S

LINHA DE EQUIPAMENTOS DIDÁTICOS PARA ÁREA DE ELETROTÉCNICA: DESCRIÇÃO ETC S EQUACIONAL ELÉTRICA E MECÂNICA LTDA. RUA SECUNDINO DOMINGUES 787, JARDIM INDEPENDÊNCIA, SÃO PAULO, SP TELEFONE (011) 2100-0777 - FAX (011) 2100-0779 - CEP 03223-110 INTERNET: http://www.equacional.com.br

Leia mais

CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO

CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO 3.1 Introdução. 3.1.1 Estator e Rotor. As máquinas elétricas girantes normalmente são constituídas por duas partes básicas: o estator e o rotor.

Leia mais

Palavras-chave: turbina eólica, gerador eólico, energia sustentável.

Palavras-chave: turbina eólica, gerador eólico, energia sustentável. Implementação do modelo de uma turbina eólica baseado no controle de torque do motor cc utilizando ambiente matlab/simulink via arduino Vítor Trannin Vinholi Moreira (UTFPR) E-mail: vitor_tvm@hotmail.com

Leia mais

Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores

Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores 22 Capítulo I Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Novo! As retiradas de geradores do sistema de potência devido a curto-circuitos, operação anormal ou

Leia mais

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação 24 Capítulo III Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Faltas à terra no rotor A função primária do sistema de excitação de um gerador síncrono é regular a tensão

Leia mais

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS 2.1 INTRODUÇÃO O objetivo do presente trabalho é estudar o funcionamento em regime permanente e em regime dinâmico da Máquina Assíncrona Trifásica

Leia mais

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua Experiência IV Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua 1. Introdução A máquina de corrente contínua de fabricação ANEL que será usada nesta experiência é a mostrada

Leia mais

ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS

ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS Autores : Marina PADILHA, Tiago DEQUIGIOVANI. Identificação autores: Engenharia de Controle e Automação - Bolsista Interno; Orientador IFC - Campus

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito de sistemas de distribuição de energia elétrica, julgue os itens a seguir. 4 Ao operar em tensão secundária, um sistema de distribuição de energia elétrica funciona

Leia mais

Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante. Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante

Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante. Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SISTEMAS ELÉTRICOS - CESE - ÊNFASE GERAÇÃO 2013 - www.cese.unifei.edu.br CALENDÁRIO CESE GERAÇÃO 1 MÉTODOS COMPUTACIONAIS APLICADOS A SISTEMAS ELÉTRICOS 11/03/13 a 15/03/13 2

Leia mais

Figura 1 - Diagrama de Bloco de um Inversor Típico

Figura 1 - Diagrama de Bloco de um Inversor Típico Guia de Aplicação de Partida Suave e Inversores CA Walter J Lukitsch PE Gary Woltersdorf John Streicher Allen-Bradley Company Milwaukee, WI Resumo: Normalmente, existem várias opções para partidas de motores.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. Eletricidade

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. Eletricidade UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Eletricidade Análise de Circuitos alimentados por fontes constantes Prof. Ilha Solteira,

Leia mais

Utilização de Circuitos Elétricos Equivalentes na Avaliação das Condições de Estabilidade de Tensão

Utilização de Circuitos Elétricos Equivalentes na Avaliação das Condições de Estabilidade de Tensão Laura Cristina Paniagua Palacio Utilização de Circuitos Elétricos Equivalentes na Avaliação das Condições de Estabilidade de Tensão Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial

Leia mais

CÁLCULO DO CURTO CIRCUITO PELO MÉTODO KVA

CÁLCULO DO CURTO CIRCUITO PELO MÉTODO KVA CÁLCULO DO CURTO CIRCUITO PELO MÉTODO KVA Paulo Eduardo Mota Pellegrino Introdução Este método permite calcular os valores de curto circuito em cada ponto do Sistema de energia elétrica (SEE). Enquanto

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO ENGENHARIA ELÉTRICA NOTAS DE AULA PROF. LUCIANO VITORIA BARBOZA SUMÁRIO Capítulo 1. Faltas Trifásicas Simétricas... 1 1.1. Introdução... 1 1.. Transitórios

Leia mais

Estudos Pré-Operacionais do Controle de Corrente para Geradores Eólicos

Estudos Pré-Operacionais do Controle de Corrente para Geradores Eólicos Estudos Pré-Operacionais do Controle de Corrente para Geradores Eólicos Camila M. V. Barros 1, Luciano S. Barros 2, Aislânia A. Araújo 1, Iguatemi E. Fonseca 2 1 Mestrado em Ciência da Computação Universidade

Leia mais

REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS

REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS Neste capítulo será apresentada uma prática ferramenta gráfica e matemática que permitirá e facilitará as operações algébricas necessárias à aplicação dos métodos

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA Nome dos autores: Halison Helder Falcão Lopes 1 ; Sergio Manuel Rivera Sanhueza 2 ; 1 Aluno do Curso de Engenharia Elétrica; Campus

Leia mais

APÊNDICE B. Ensaio da Performance do Protótipo. MATRBDA-HAW560-75kW

APÊNDICE B. Ensaio da Performance do Protótipo. MATRBDA-HAW560-75kW APÊNDICE B Ensaio da Performance do Protótipo MATRBDA-HAW560-75kW 282 LABORATÓRIO DE ENSAIOS ELÉTRICOS - BAIXA TENSÃO WEG MÁQUINAS RELATÓRIO DE ENSAIO DE PROTÓTIPO MATRBDA 560 POTÊNCIA: 75KW / 25KW TENSÃO

Leia mais

Resistência dos Materiais. Prof. Carmos Antônio Gandra, M. Sc.

Resistência dos Materiais. Prof. Carmos Antônio Gandra, M. Sc. Resistência dos Materiais Prof. Carmos Antônio Gandra, M. Sc. Unidade 01 Conceitos Fundamentais Objetivo da unidade Estabelecer um embasamento conceitual, de modo que o aluno possa prosseguir ao longo

Leia mais

Processos em Engenharia: Introdução a Servomecanismos

Processos em Engenharia: Introdução a Servomecanismos Processos em Engenharia: Introdução a Servomecanismos Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101 - Aula 7 p.1/47

Leia mais

PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA AVALIAÇÃO DA ESTABILIDADE ANGULAR DE GERADORES SÍNCRONOS. Rafael Mendes Matos

PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA AVALIAÇÃO DA ESTABILIDADE ANGULAR DE GERADORES SÍNCRONOS. Rafael Mendes Matos PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA AVALIAÇÃO DA ESTABILIDADE ANGULAR DE GERADORES SÍNCRONOS Rafael Mendes Matos Projeto de Graduação apresentado ao Curso de Engenharia Elétrica da Escola Politécnica, Universidade

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA - SEP PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA Visão global de um sistema

Leia mais

11/07/2012. Professor Leonardo Gonsioroski FUNDAÇÃO EDSON QUEIROZ UNIVERSIDADE DE FORTALEZA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA.

11/07/2012. Professor Leonardo Gonsioroski FUNDAÇÃO EDSON QUEIROZ UNIVERSIDADE DE FORTALEZA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. FUNDAÇÃO EDSON QUEIROZ UNIVERSIDADE DE FORTALEZA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Aulas anteriores Tipos de Sinais (degrau, rampa, exponencial, contínuos, discretos) Transformadas de Fourier e suas

Leia mais

Caracterização temporal de circuitos: análise de transientes e regime permanente. Condições iniciais e finais e resolução de exercícios.

Caracterização temporal de circuitos: análise de transientes e regime permanente. Condições iniciais e finais e resolução de exercícios. Conteúdo programático: Elementos armazenadores de energia: capacitores e indutores. Revisão de características técnicas e relações V x I. Caracterização de regime permanente. Caracterização temporal de

Leia mais

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Prof a. Katia C. de Almeida 1 Obtenção Experimental dos Parâmetros do Circuito Equivalente do Motor de Indução Monofásico 1.1 Introdução 1.1.1 Motores

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL420 Módulo 2 Thévenin Norton Helmholtz Mayer Ohm Galvani Conteúdo 2 Elementos básicos de circuito e suas associações...1 2.1 Resistores lineares

Leia mais

LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA FAN Faculdade Nobre As linhas de transmissão são os equipamentos empregados para transportar grandes blocos de energia por grandes distâncias, entre os centros

Leia mais

Aula 7 Reatância e Impedância Prof. Marcio Kimpara

Aula 7 Reatância e Impedância Prof. Marcio Kimpara ELETRIIDADE Aula 7 Reatância e Impedância Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul 2 Parâmetros da forma de onda senoidal Vp iclo Vpp omo representar o gráfico por uma equação matemática?

Leia mais

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A V01R12 Atenção: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Akiyama Tecnologia se reserva no direito de fazer alterações sem aviso

Leia mais

Aula 19. Modelagem de geradores síncronos trifásicos

Aula 19. Modelagem de geradores síncronos trifásicos Aula 19 Modelagem de geradores síncronos trifásicos Geradores Em problemas de fluxo de potência normalmente são especificadas as tensões desejadas para a operação do gerador e calculadas as injeções de

Leia mais

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA PROFESSOR: LUCIANO CAVALCANTI SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE ILHAMENTO ELÉTRICO EM REDES DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA

IDENTIFICAÇÃO DE ILHAMENTO ELÉTRICO EM REDES DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA ELETROTÉCNICA ANA CARLA CORDEIRO MICHEL ADOLPHO SLEDER ROSS IDENTIFICAÇÃO DE ILHAMENTO

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público PR CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 ÁREA / SUBÁREA: ELETROTÉCNICA GABARITO MÁQUINAS ELÉTRICAS

Leia mais

ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA

ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA Temática Energias Renováveis Capítulo Energia Eólica Secção ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA INTRODUÇÃO Nesta exposição apresentam-se as equações e os conhecimentos necessários para a resolução dos exercícios.

Leia mais

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A V01R12 Atenção: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Akiyama Tecnologia se reserva no direito de fazer alterações sem aviso

Leia mais

1 a Lista de Exercícios Exercícios para a Primeira Prova

1 a Lista de Exercícios Exercícios para a Primeira Prova EE.UFMG - ESCOLA DE ENGENHARIA DA UFMG CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA ELE 0 - CIRCUITOS POLIFÁSICOS E MAGNÉTICOS PROF: CLEVER PEREIRA 1 a Lista de Exercícios Exercícios para a Primeira Prova

Leia mais

Nota Técnica 003/2010

Nota Técnica 003/2010 Nota Técnica 003/2010 Produto: Crowbar Aplicação: Acionamento da resistência de descarga em motores síncronos Serão discutidos os tópicos a seguir: 1) Conceito de Motores Síncronos 2) Determinação da Resistência

Leia mais

Equivalentes Dinâmicos de Redes Elétricas Multi-conectadas Utilizando Análise Modal

Equivalentes Dinâmicos de Redes Elétricas Multi-conectadas Utilizando Análise Modal Artigo GDS-31 apresentado no XX SNPTEE (22 a 25 de Novembro de 2009 - Recife - PE) Equivalentes Dinâmicos de Redes Elétricas Multi-conectadas Utilizando Análise Modal Franklin Clement Véliz Sergio Luis

Leia mais

20 m. 20 m. 12. Seja L a indutância de uma linha de transmissão e C a capacitância entre esta linha e a terra, conforme modelo abaixo:

20 m. 20 m. 12. Seja L a indutância de uma linha de transmissão e C a capacitância entre esta linha e a terra, conforme modelo abaixo: ENGENHEIRO ELETRICISTA 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Um sistema de proteção contra descargas atmosféricas do tipo Franklin foi concebido para prover a segurança de uma edificação

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

AS DIFERENTES TECNOLOGIAS

AS DIFERENTES TECNOLOGIAS Temática Energias Renováveis Capítulo Energia Eólica Secção AS DIFERENTES TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Nesta secção apresentam-se as diferentes tecnologias usadas nos sistemas eólicos, nomeadamente, na exploração

Leia mais

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Laboratório da Disciplina CTA-147 Controle I Análise da Resposta Transitória (Este laboratório foi uma adaptação

Leia mais

1- INTRODUÇÃO... 130 2 - OPERAÇÃO DO GERADOR SÍNCRONO INTERLIGADO AO SISTEMA ELÉTRICO... 131 2.1-GERADOR SÍNCRONO DURANTE DISTÚRBIOS NO SISTEMA

1- INTRODUÇÃO... 130 2 - OPERAÇÃO DO GERADOR SÍNCRONO INTERLIGADO AO SISTEMA ELÉTRICO... 131 2.1-GERADOR SÍNCRONO DURANTE DISTÚRBIOS NO SISTEMA 1- INTRODUÇÃO... 130 2 - OPERAÇÃO DO GERADOR SÍNCRONO INTERLIGADO AO SISTEMA ELÉTRICO... 131 2.1-GERADOR SÍNCRONO DURANTE DISTÚRBIOS NO SISTEMA ELÉTRICO - INFLUÊNCIA DOS REGULADORES E CONTRIBUIÇÃO PARA

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS DE VENTILAÇÃO AXIAL

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS DE VENTILAÇÃO AXIAL EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS DE VENTILAÇÃO AXIAL Adson Bezerra Moreira, Ricardo Silva Thé Pontes, Davi Nunes Oliveira, Vanessa Siqueira de Castro Teixeira, Victor de Paula Brandão Aguiar 3. Curso

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2014 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A figura acima apresenta o circuito equivalente monofásico de um motor de indução trifásico

Leia mais

25 de Janeiro de 2009

25 de Janeiro de 2009 Pontifícia Universidade Católica do Paraná Concurso Público COPEL Edital 0/2008 Formação de Cadastro de Reserva 25 de Janeiro de 2009 PROVA: Função: ENGENHEIRO ELETRICISTA PLENO Eng. Planejamento Sistemas

Leia mais

PLANTA DA ULBRA USINA DE CANOAS /RS ESTUDO DE CURTO E SELETIVIDADE ORDEM DE COMPRA 210779

PLANTA DA ULBRA USINA DE CANOAS /RS ESTUDO DE CURTO E SELETIVIDADE ORDEM DE COMPRA 210779 RELATÓRIO DO ESTUDO DE CURTO CIRCUITO E DA PLANTA DA ULBRA - PARTE 1 CONFORME SOLICITAÇÃO DA ORDEM DE COMPRA STEMAC - 210779 EMITIDA EM 01/03/2007. REVISÃO 1 19/04/2007 Introdução. O presente documento

Leia mais

4 Impedância de Transferência entre Geradores e Carga

4 Impedância de Transferência entre Geradores e Carga 50 4 Impedância de Transferência entre Geradores e Carga 4.1. O procedimento nesta seção é baseado no cálculo de correntes de curtocircuito, comumente encontrado em livros de análise de sistemas de potência

Leia mais

Capítulo XI. Análise de partida de motores Parte 1 Dinâmica de rotação e análise do sistema elétrico

Capítulo XI. Análise de partida de motores Parte 1 Dinâmica de rotação e análise do sistema elétrico 52 Capítulo XI Análise de partida de motores Parte 1 Dinâmica de rotação e análise do sistema elétrico Por Edson Bittar Henriques* Introdução Analisar a partida (fase de aceleração) de um motor elétrico

Leia mais

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101

Leia mais

Mecânica: processos industriais: usinagem, laminação, fundição, solda, prensagem, vapor, gás. Automóveis, suspensão, motor, câmbio.

Mecânica: processos industriais: usinagem, laminação, fundição, solda, prensagem, vapor, gás. Automóveis, suspensão, motor, câmbio. 1 Disciplina de Sistemas de Controle Prof. Luciano Menegaldo e-mail: lmeneg@ime.eb.br home-page: http://lmeneg-aulas.tripod.com Aula 1 Introdução 1. Idéias gerais e exemplos de sistemas de controle - Assunto

Leia mais

Questão 3: Três capacitores são associados em paralelo. Sabendo-se que suas capacitâncias são 50μF,100μF e 200μF, o resultado da associação é:

Questão 3: Três capacitores são associados em paralelo. Sabendo-se que suas capacitâncias são 50μF,100μF e 200μF, o resultado da associação é: Questão 1: A tensão E no circuito abaixo vale: a) 0,5 V b) 1,0 V c) 2,0 V d) 5,0 V e) 10,0 V Questão 2: A resistência equivalente entre os pontos A e B na associação abaixo é de: a) 5 Ohms b) 10 Ohms c)

Leia mais

Introdução à Máquina Síncrona

Introdução à Máquina Síncrona Apostila 2 Disciplina de Conversão de Energia B 1. Introdução Introdução à Máquina Síncrona Esta apostila descreve resumidamente as principais características construtivas e tecnológicas das máquinas síncronas.

Leia mais

EMULAÇÃO DE UMA TURBINA EÓLICA E CONTROLE VETORIAL DO GERADOR DE INDUÇÃO ROTOR GAIOLA DE ESQUILO PARA UM SISTEMA EÓLICO. Renato Ferreira Silva

EMULAÇÃO DE UMA TURBINA EÓLICA E CONTROLE VETORIAL DO GERADOR DE INDUÇÃO ROTOR GAIOLA DE ESQUILO PARA UM SISTEMA EÓLICO. Renato Ferreira Silva EMULAÇÃO DE UMA TURBINA EÓLICA E CONTROLE VETORIAL DO GERADOR DE INDUÇÃO ROTOR GAIOLA DE ESQUILO PARA UM SISTEMA EÓLICO Renato Ferreira Silva PROJETO SUBMETIDO AO CORPO DOCENTE DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA

Leia mais

Transformadores trifásicos

Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Por que precisamos usar transformadores trifásicos Os sistemas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica

Leia mais

LABORATÓRIO DE CONTROLE I ESTUDO DE COMPENSADORES DE FASE

LABORATÓRIO DE CONTROLE I ESTUDO DE COMPENSADORES DE FASE UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE CONTROLE I Experimento 4: ESTUDO DE COMPENSADORES DE FASE COLEGIADO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DISCENTES: Lucas

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4 Universidade Federal do Rio de Janeiro Princípios de Instrumentação Biomédica Módulo 4 Faraday Lenz Henry Weber Maxwell Oersted Conteúdo 4 - Capacitores e Indutores...1 4.1 - Capacitores...1 4.2 - Capacitor

Leia mais

FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua. Circuitos Elétricos em Corrente Contínua

FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua. Circuitos Elétricos em Corrente Contínua FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba EMENTA Carga Elétrica Campo Elétrico Lei de Gauss Potencial Elétrico Capacitância Corrente e resistência

Leia mais

Controle de vibração significa a eliminação ou a redução da vibração.

Controle de vibração significa a eliminação ou a redução da vibração. Quais são os métodos mais utilizados para controle de vibrações? Defina um absorvedor de vibração? Qual é função de um isolador de vibração? Por que um eixo rotativo sempre vibra? Qual é a fonte da força

Leia mais

ANÁLISE E DETERMINAÇÃO DAS PERDAS NO FERRO DO ESTATOR EM MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS

ANÁLISE E DETERMINAÇÃO DAS PERDAS NO FERRO DO ESTATOR EM MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS ART458-07 - CD - 6-07 - ÁG.: 1 ANÁLISE E DETERMINAÇÃO DAS ERDAS NO FERRO DO ESTATOR EM MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS João Roberto Cogo*, Ângelo Stano Júnior* Evandro Santos onzetto** Artigo publicado na

Leia mais

FAPERJ & PIUES/PUC-Rio FÍSICA E MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO APLICADAS A SISTEMAS DE ENGENHARIA

FAPERJ & PIUES/PUC-Rio FÍSICA E MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO APLICADAS A SISTEMAS DE ENGENHARIA FAPERJ & PIUES/PUC-Rio FÍSICA E MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO APLICADAS A SISTEMAS DE ENGENHARIA 1) INTRODUÇÃO Rio de Janeiro, 05 de Maio de 2015. A equipe desenvolvedora deste projeto conta com: - Prof.

Leia mais

Resolução O período de oscilação do sistema proposto é dado por: m T = 2π k Sendo m = 250 g = 0,25 kg e k = 100 N/m, vem:

Resolução O período de oscilação do sistema proposto é dado por: m T = 2π k Sendo m = 250 g = 0,25 kg e k = 100 N/m, vem: 46 c FÍSICA Um corpo de 250 g de massa encontra-se em equilíbrio, preso a uma mola helicoidal de massa desprezível e constante elástica k igual a 100 N/m, como mostra a figura abaixo. O atrito entre as

Leia mais

Revisão. Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator

Revisão. Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator Revisão Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator Revisão Motor de Indução Geração do campo girante do estator Revisão Motor de Indução Velocidade de rotação do campo girante do estator

Leia mais

Capítulo VII. Sistema de manutenção planejada e em motores elétricos. Manutenção elétrica industrial. Características. Conceitos. Organização do SMP

Capítulo VII. Sistema de manutenção planejada e em motores elétricos. Manutenção elétrica industrial. Características. Conceitos. Organização do SMP 50 Capítulo VII Sistema de manutenção planejada e em motores elétricos Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* O Sistema de Manutenção Planejada (SMP) é formado por instruções, listas e detalhamento

Leia mais

Carga dos alimentadores

Carga dos alimentadores 50 Análise de consumo de energia e aplicações Capítulo V Carga dos alimentadores Por Manuel Luís Barreira Martinez* Em continuidade ao capítulo anterior, Locação de cargas métodos para a locação de carga

Leia mais

Modelagem no Domínio da Frequência. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1

Modelagem no Domínio da Frequência. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Modelagem no Domínio da Frequência Carlos Alexandre Mello 1 Transformada de Laplace O que são Transformadas? Quais as mais comuns: Laplace Fourier Cosseno Wavelet... 2 Transformada de Laplace A transf.

Leia mais

Curso de Introdução ao SIMULINK

Curso de Introdução ao SIMULINK 4.3 - Modelando Sistemas Não Lineares O SIMULINK fornece uma variedade de blocos para a modelagem de sistemas não lineares. Esses blocos estão na biblioteca Nonlinear. O comportamento destes blocos não

Leia mais

MANUAL. - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

MANUAL. - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 1 P/N: AKDMP16-4.2A DRIVER PARA MOTOR DE PASSO MANUAL ATENÇÃO: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

Leia mais

5. CONVERSORES QUASE-RESSONANTES

5. CONVERSORES QUASE-RESSONANTES Fontes Chaveadas - Cap. 5 CONVRSORS QUAS-RSSONANTS J. A. Pomilio 5. CONVRSORS QUAS-RSSONANTS Os conversores quase-ressonantes procuram associar as técnicas de comutação suave presentes nos conversores

Leia mais

Laboratórios de CONTROLO (LEE) 2 o Trabalho Motor DC Controlo de Velocidade

Laboratórios de CONTROLO (LEE) 2 o Trabalho Motor DC Controlo de Velocidade Laboratórios de CONTROLO (LEE) 2 o Trabalho Motor DC Controlo de Velocidade Baseado no trabalho Controlo de Velocidade de um motor DC de E. Morgado, F. Garcia e J. Gaspar João Miguel Raposo Sanches 1 o

Leia mais