ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Geradores síncronos. Gerador síncrono: conversor de potência mecânica em potência elétrica: P m

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Geradores síncronos. Gerador síncrono: conversor de potência mecânica em potência elétrica: P m"

Transcrição

1 ET720 Sistemas de Energia Elétrica I Capítulo 3: Geradores síncronos 3.1 Introdução Gerador síncrono: conversor de potência mecânica em potência elétrica: frag replacements água, vapor Turbina P m Máquina Síncrona (Alternador) P e Turbogerador com excitatriz 1

2 No problema de fluxo de carga apresentado no capítulo anterior considerou-se: placements Gerador Transformador P g, Q g Barramento da usina modelo Há modelos mais completos, a serem aplicados em várias análises de sistemas elétricos de potência. Exemplo: estudos de estabilidade. Somente será estudada a operação da máquina síncrona em regime permanente. Fenômenos transitórios são estudados em cursos mais avançados. Máquina síncrona funcionando como gerador barra PV será discutida com detalhe Motor síncrono com carga mecânica acoplada ao eixo é uma carga é modelado como tal e não será discutido nesse capítulo. 2

3 Motores síncronos conectados à rede sem carga mecânica no eixo fornecimento de potência reativa à rede condensador síncrono Exemplo: lado inversor de um link CC consome muitos reativos coloca-se um condensador síncrono: é mais barato que um banco de capacitores de potência equivalente devido ao nível de isolação exigido. permite um controle contínuo de fornecimento de reativos (bancos de capacitores têm controle discreto). CA CC CA g replacements Retificador Inversor Condensador síncrono 3

4 Descrição básica da máquina síncrona: g replacements eixo fase b c a eixo rotor rotor (pólos salientes) enrolamento de campo gap (entreferro) b I f c b eixo fase a armadura (estator) a eixo fase c Armadura (estator) parte fixa bobinas ficam acomodadas em ranhuras. Campo (rotor) parte móvel bobina enrolada no rotor por onde circula corrente contínua criação de um campo magnético. Entreferro (gap) espaço entre estator e rotor implica em uma relutância magnética. 4

5 x Estator de um hidrogerador Rotor de um hidrogerador 5

6 Pólos lisos pólos salientes no rotor: N N PSfrag replacements S S S pólos lisos (2 pólos) turbogerador N pólos salientes (4 pólos) hidrogerador Pólos salientes: hidrogeradores turbina hidroelétrica: peça grande, pesada grande volume de água grande número de pólos Pólos lisos (rotor ciĺındrico): turbogeradores (vapor) eficiência das turbinas a vapor aumenta a altas velocidades pequeno número de pólos 6

7 Exemplo Sistema de geração da usina de Itaipu: turbina Francis/gerador com velocidade de 92,3 rpm a 60 Hz (lado brasileiro) e 90,9 rpm a 50 Hz (lado paraguaio). Determine o número de pólos das máquinas. A expressão que relaciona o número de pólos (p), a velocidade em rpm (n) e a freqüência da tensão gerada em Hertz (f) é: Os respectivos números de pólos são: p = 120 f n p Br = p P a = , ,9 = 78 pólos lado brasileiro = 66 pólos lado paraguaio Máquinas grandes ( 20 metros de diâmetro) e baixa velocidade eixo na vertical (em geral hidrogeradores). Máquinas menores e altas velocidades eixo na horizontal (em geral turbogeradores). 7

8 eplacements Excitação de campo: Piloto Gerador CC Gerador Síncrono Turbina campo GS GS controle manual + campo gcc campo GCC GS reostato GS CC Controle eletrônico Controle Eletro-mecânico Campo gerado pela própria rede através de um gerador CC auto-excitado Piloto gerador de imã permanente Controle eletrônico mais rápido 8

9 3.2 Modelo da máquina síncrona de pólos lisos É possível obter um circuito elétrico equivalente para a máquina síncrona de pólos lisos. O circuito equivalente é obtido através da análise: do comportamento da máquina em vazio do comportamento da máquina sob carga das perdas Máquina operando em vazio Considerar uma máquina trifásica em que somente o enrolamento da fase a é representado para facilitar a análise. rotor eixo do estator θ = 0 eixo do rotor θ = ω t 0 PSfrag replacements a φ a φ M a estator 9

10 Máquina é acionada (pela turbina) com velocidade angular constante ω. A posição instantânea do rotor é: θ = ω t onde o ângulo θ é medido a partir do eixo do estator (referência angular). Corrente CC (i f ) é aplicada no enrolamento de campo e gera um campo magnético (H), que depende da intensidade da corrente e do caminho magnético: i f H A indução magnética (B) depende do meio no qual H existe: H B O fluxo magnético é proporcional à própria indução e à área onde ela existe: B φ φ é máximo sobre o eixo do rotor (φ M ). 10

11 A máquina é construída de forma que o fluxo magnético tenha uma forma senoidal no espaço. eixo do estator φ φ M φa PSfrag replacements ω t 0 θ eixo do rotor O fluxo sobre o eixo da fase a do estator é: φ a (θ) = φ M cos θ ou, em função do tempo: φ a (t) = φ M cos ωt 11

12 Pela lei de Faraday a tensão induzida no enrolamento da fase a do estator é: e f (t) = N d dt φ a (t) Na realidade há dispersão de fluxo: fluxo enlaçado pelas bobinas do estator fluxo disperso PSfrag replacements Considerando que φ f seja o fluxo enlaçado pelas bobinas do estator: e f (t) = N d dt φ f (t) = N φ M ω sen ωt = V p sen ωt 12

13 x φ f (t) e f (t) PSfrag replacements t Tanto o fluxo concatenado como a tensão induzida são senoidais. Chamando de: Φ f fasor associado a φ f (t) E f fasor associado a e f (t) Força eletromotriz interna da máquina tem-se um diagrama de fluxos e tensões em que a tensão está atrasada de 90 em relação ao fluxo: Φ f PSfrag replacements E f 13

14 3.2.2 Máquina operando sob carga Carga conectada ao estator da máquina correntes de armadura (fases a, b e c). Considere que a carga é equilibrada. As correntes são: i a (t) = I p cos (ωt) i b (t) = I p cos (ωt 120 ) i c (t) = I p cos (ωt ) São criadas 3 forças magnetomotrizes senoidais com mesmo valor máximo e defasadas de 120 : F a (t) = F p cos (ωt) F b (t) = F p cos (ωt 120 ) F c (t) = F p cos (ωt ) PSfrag replacements a Considere o instante ωt = 0: F a = F p F b = F p 2 F c = F p F ra = F p c F c F a b A força magnetomotriz resultante é: F b F ra F ra = 3 2 F p b c a 14

15 A força magnetomotriz total (resultante das três fmm das fases) é: F ra (t) = 3 2 F p cos (ωt) F ra é a força magnetomotriz de reação de armadura 1 resultado da circulação de corrente de armadura. F ra corresponde a um campo girante no entreferro. A velocidade de giro de F ra é igual à velocidade do campo do rotor os dois campos são estacionários um em relação ao outro. O campo girante de reação de armadura combinado com o campo de excitação resultam em um campo total de entreferro, que determinará a tensão terminal do gerador Diagrama fasorial Considere que o gerador alimenta diretamente uma carga indutiva corrente atrasada em relação à tensão aplicada (tensão terminal do gerador). A seqüência de raciocínio é a seguinte: A corrente de campo produz um Φ f campo Φ f. PSfrag replacements 1 Ver apêndice no final do capítulo. 15

16 Φ f induz uma tensão PSfrag E f (atrasada de 90 f replacements Φ ). E f Φ ra PSfrag replacementsφ f A corrente de carga I a produz um campo de reação de armadura Φ ra (em fase). E f I a Φ ra PSfrag replacements φ ra induz uma tensão E ra (atrasada de 90 ). Φ f E f E ra I a PSfrag replacements Φ ra A soma de Φ f e Φ ra resulta no campo total de entreferro Φ t. Φ f Φ t E f E ra I a 16

17 PSfrag replacements Φ ra A soma de E f e E ra resulta na tensão terminal do gerador E t. Φ f Φ t E f E ra I a E t Consideração das perdas As principais causas de perdas são: Perdas ôhmicas nos enrolamento modeladas como uma resistência r a resistência de armadura. Dispersão de fluxo de armadura modelada como uma reatância indutiva x l reatância de dispersão da armadura. (*) l leakage eplacements armadura 1 2 condutor 1 linhas de campo que passam pelo entreferro 2 linhas de campo que não passam pelo entreferro 17

18 3.2.5 Circuito equivalente Em termos das tensões pode-se escrever: E t = E f + E ra Verifica-se que: a corrente de armadura I a está adiantada de 90 em relação à tensão E ra. ou I a está atrasada de 90 em relação E ra. é como se a tensão E ra fosse aplicada sobre uma reatância e I a fosse a corrente pela reatância. efeito da reação de armadura modelada como uma reatância de reação de armadura ou reatância magnetizante. Assim: E t = E f ( E ra ) = E f jx ra I a Semelhança com a expressão obtida para uma fonte de tensão real composta por uma fonte de tensão ideal e uma impedância interna. 18

19 Incluindo os efeitos das perdas tem-se o circuito equivalente da máquina síncrona de pólos lisos: eplacements perdas r a x l x ra I a r a I a + E f + E t + E f + E t O diagrama fasorial e a equação básica são: cements E f ϕ E t r a I a I a δ j I a E t = E f (r a + j ) I a V t = V f δ (r a + j ) I a ϕ Este é o chamado modelo clássico e é adequado para análises de regime permanente senoidal. Existem modelos mais elaborados para aplicações específicas. 19

20 3.2.6 Característica potência-ângulo Considerar o diagrama fasorial da máquina síncrona mostrado acima. A tensão terminal E t foi tomada como a referência angular. O ângulo de desfasagem entre E t e E f é chamado de ângulo de potência. Da equação da máquina tem-se: E t = E f (r a + j ) I a = E f r a I a j I a Escrevendo os fasores de tensão e corrente em termos de seus módulos e ângulos: V t = V f δ r a I a ( ϕ) I a (90 ϕ) = V f cos δ + jv f sen δ r a I a cos ϕ + jr a I a sen ϕ (1) I a cos (90 ϕ) j I a sen (90 ϕ) Tomando as partes imaginárias de (1) e considerando que r a (desprezando a resistência): 0 = V f sen δ I a sen (90 ϕ) I a cos ϕ = V f sen δ 20

21 Multiplicando os dois lados da equação por V t : PSfrag replacements I a V t I a cos ϕ = P = V tv f sen δ P g, Q g E t onde P é a potência ativa fornecida pelo gerador ao restante do circuito. A curva [P δ] (potência-ângulo) mostra que existe um limite para a potência ativa fornecida pela máquina limite estático de estabilidade: P P max P = V tv f sen δ cements P max = V tv f δ lim = δ (*) V t, V f e constantes Tomando agora as partes reais de (1) e desprezando a resistência: V t = V f cos δ I a cos (90 ϕ) I a sen ϕ = V f cos δ V t V t I a sen ϕ = V tv f cos δ V t 2 } {{ } Q Q = V tv f cos δ V t 2 = V t (V f cos δ V t ) 21

22 Em geral os geradores operam de forma que os ângulos de potência sejam de no máximo 30 (típico). Exemplo Obtenha as curvas [P δ] e [Q δ] de um gerador síncrono para: V f = 1,2 pu, V t = 1,0 pu e = 1,0 pu. A resistência de armadura do gerador é desprezada. Para essas condições tem-se: P max P PSfrag replacements Sobrexcitada Subexcitada Q δ [ ] A potência ativa máxima (para δ = 90 ) é: P max = V fv t = 1,2 pu A potência reativa é nula para: V f cos δ V t = 0 δ = 33,6 22

23 Note que: (V f cos δ V t ) > 0 Q > 0 máquina sobreexcitada, fornece potência reativa (V f cos δ V t ) < 0 Q < 0 máquina subexcitada, consome potência reativa Controles da máquina O gerador síncrono faz parte de um grande sistema de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica. PSfrag replacements G SISTEMA ELÉTRICO A tensão terminal (magnitude, ângulo de fase e freqüência) é determinada pela interação entre G e o restante da rede. Redes de grande porte são compostas por várias unidades geradoras. Cada gerador individualmente é em geral mais fraco que o conjunto dos demais. 23

24 No caso de G, a tensão terminal será imposta pelo sistema, que é mais forte do que ele. As seguintes ações de controle podem ser realizadas em G: Abertura ou fechamento da válvula de água (hidro) ou vapor (turbo) que aciona a turbina. Variação da corrente de campo do gerador. Se o sistema for suficientemente forte, as ações de controle terão um impacto muito pequeno (desprezível) sobre a tensão terminal do gerador, que manterá a mesma magnitude, ângulo de fase e freqüência. Diz-se então que G está conectado a um barramento infinito. PSfrag replacements G barramento infinito O circuito equivalente de G fica: Sfrag replacements perdas + + I f E f I a E t constante 24

25 Dependento do fator de potência visto pelo gerador pode-se ter: E f δ j Ia carga indutiva E t frag replacements I a perdas I a E f δ j Ia carga capacitiva constante E t Para uma máquina de pólos lisos as potências entregues são: P G = V tv f sen δ Q G = V tv f cos δ V t 2 Pode-se fazer uma simplificação que facilita as análises posteriores. As funções seno e cosseno de ângulos pequenos (próximos a zero) podem ser escritas como (decomposição em série de Taylor): sen x = x x3 6 + x cos x = 1 x

26 e as expressões das potências ficam: P G = V tv f δ Q G = V tv f V t 2 Esta aproximação é tanto melhor quanto menor for o valor de δ: P P max PSfrag replacements trecho da curva pode ser representado por uma reta 90 δ δ pequeno Controle de conjugado do eixo A potência elétrica entregue pelo gerador é o resultado de uma conversão de potência mecânica fornecida ao seu eixo conjugado de eixo. O conjugado de eixo é controlado pela válvula de controle de fluxo da turbina (água, vapor). Variação do conjugado de eixo variação da potência mecânica variação da potência elétrica. 26

27 Equações completas ANTES Pg 0 = V tv f sen δ 0 } x {{ s } const. Q 0 g = V tv f cos δ 0 V t 2 DEPOIS P g = P 0 g + P g = V tv f sen ( δ 0 + δ ) P g varia δ varia Q g = Q 0 g + Q g = V tv f cos ( δ 0 + δ ) V t 2 P g varia δ varia Q g varia Equações simplificadas ANTES DEPOIS P 0 g = V tv f δ 0 P g = P 0 g + P g = V tv f ( δ 0 + δ ) P g varia δ varia Q 0 g = V tv f V t 2 Q g = Q 0 g + Q g = V tv f V t 2 Q g = 0 P g varia δ varia Q g não varia! Conclusão sobre as relações de sensibilidade dos controles e potências: conjugado / potência ativa sensibilidade forte conjugado / potência reativa sensibilidade fraca 27

28 Controle da excitação de campo A potência reativa do gerador é: Q g = V tv f cos δ V t 2 = V t (V f cos δ V t ) } {{ } ( ) (*) termo pode ser > 0 ou < 0 Equação para o gerador síncrono de pólos lisos: E f = E t + j I a (r a desprezado) Para carga indutiva tem-se: E f PSfrag replacements I a ϕ δ E t j Ia 28

29 V f cos δ projeção de E f sobre o eixo de E t V f cos δ > V t V f cos δ V t > 0 Q g > 0 máquina fornece potência reativa para a rede V f grande I f grande máquina sobreexcitada PSfrag replacements Para carga capacitiva tem-se: I a ϕ E f δ j Ia E t V t e I a mantidos constantes (iguais ao caso anterior) V f cos δ < V t V f cos δ V t < 0 Q g < 0 máquina consome potência reativa da rede V f pequeno I f pequeno máquina subexcitada Para carga resistiva tem-se: PSfrag replacements E f δ j Ia I a E t V f cos δ = V t V f cos δ V t = 0 Q g = 0 máquina opera com fator de potência unitário Controle de excitação de campo: I f varia V f varia. 29

30 Equações completas ANTES DEPOIS Pg 0 = V tvf 0 sen δ 0 Pg 0 x = V ( ) t V 0 f + V f sen ( δ 0 + δ ) s como não se alterou o conjugado P g constante Q 0 g = V tvf 0 cos δ 0 V t 2 V f varia δ varia P g constante Q g = Q 0 g + Q g = V ( ) t V 0 f + V f cos ( δ 0 + δ ) V t 2 V f varia δ varia Q g varia Conclusão sobre as relações de sensibilidade dos controles e potências: excitação de campo / potência ativa sensibilidade nula excitação de campo / potência reativa sensibilidade forte Exercício proposto na lista ilustra as sensibilidades. 30

31 3.3 Modelo da máquina síncrona de pólos salientes Diagrama fasorial Efeito da saliência dos pólos relutâncias diferentes devido a variações de entreferro. O modelo da máquina é obtido através da decomposição nos eixos direto d e quadratura q. eixo direto d I f PSfrag replacements eixo de quadratura q O efeito da saliência pode ser representado pela decomposição da corrente de armadura I a em duas componentes nos eixos direto (I d ) e de quadratura (I q ). Como as relutâncias nos eixos d e q são diferentes define-se reatâncias diferentes x d e x q para cada eixo. Relutância do eixo de quadratura > relutância do eixo direto x q < x d. 31

32 Equação básica: E f = E t + r a I a + jx d I d + jx q I q Sfrag replacements Diagrama fasorial: E f d I q E q E f q E d ϕ δ Et jx q I q I d I a raia jx d I d Não é possível obter um circuito elétrico equivalente para a máquina de pólos salientes. 32

33 Alguns valores típicos de reatâncias: Local Tipo x d [pu] x q [pu] Ilha Solteira Hidro 0,88 0,69 Henry Borden Hidro 1,27 0,76 Cubatão Santo Ângelo Cond. Síncr. 1,30 0,90 perto de São Paulo Santa Cruz Turbo 1,86 1,86 pólos lisos Característica potência-ângulo Considere novamente o diagrama fasorial da máquina de pólos salientes, agora desprezando as perdas ôhmicas (r a ): ag replacements E f I d I q E q E f q ϕ δ r a I a E d Et jx d I d jx q I q I d I a R 33

34 Agora aparecem também os eixos real (R) e imaginário (I), considerando a tensão terminal E t como referência angular. Logo: E t = V t 0 E f = E f δ I a = I a ϕ Em termos fasoriais: Logo: I a = I d + I q R{I a } = R{I d } + R{I q } ou seja, trabalha-se aqui com as projeções das correntes no eixo real. De acordo com o diagrama: I a cos ϕ = I d sen δ + I q cos δ (2) Desprezando a resistência r a tem-se: ou: V t sen δ = x q I q V f V t cos δ = x d I d I q = V t x q sen δ I d = V f x d V t x d cos δ 34

35 Substituindo as expressões de I d e I q na equação das projeções das correntes (2): I a cos ϕ = V f x d sen δ V t x d cos δ sen δ + V t x q sen δ cos δ ( V t ) V t I a cos ϕ = V tv f sen δ V t 2 cos δ sen δ + V t 2 sen δ cos δ } {{ } x d x d x q P P = V ( tv f 1 sen δ + Vt 2 x d = V tv f sen δ + Vt 2 x d P = V tv f sen δ } x d {{ } pólos lisos + V t x q x d ( xd x q x d x q ( xd x q ) sen δ cos δ ) ( 1 sen 2δ 2 ) sen 2δ } x d x {{ q } saliência ) Aparece agora um termo adicional na equação da potência, referente ao efeito da saliência dos pólos. 35

36 Curva [P δ] para a máquina de pólos salientes: P k 1 sen δ + k 2 sen 2δ P max Sfrag replacements k 1 sen δ limite estático de estabilidade (< 90 ) δ k 2 sen 2δ Através de processo semelhante chega-se a uma expressão para a potência reativa: I a sen ϕ = I d cos δ I q sen δ = V f x d cos δ V t x d cos 2 δ V t x q sen 2 δ ( V t ) V t I a sen ϕ = V ( tv f cos cos δ V } {{ } 2 2 δ t x d x d Q Q = V ( tv f cos cos δ Vt 2 2 δ x d x d ) + sen2 δ x q ) + sen2 δ x q 36

37 Exemplo Obtenha as curvas [P δ] e [Q δ] de um gerador síncrono para: V f = 1,2 pu, V t = 1,0 pu, x d = 1,0 pu e x q = 0,7 pu. A resistência de armadura do gerador é desprezada. Para essas condições tem-se: P max P PSfrag replacements Q δ [ ] 3.4 Valores nominais de uma máquina síncrona Tensão terminal 15 kv Potência aparente 100 MVA Reatâncias x d, x q (pu), na base 100 MVA / 15 kv 1,5 pu e 1,0 pu Fator de potência nominal 95% 37

38 3.5 Curvas de capacidade (capability) Definição É o contorno de uma superfície no plano [P Q] dentro do qual o carregamento da máquina síncrona pode ser feito de acordo com as suas limitações de operação em regime contínuo. Curva de capacidade típica: S 3 P S 1 PSfrag replacements S S S 2 Q capacitivo indutivo Área mais escura pontos de operação permissíveis. A curva é composta por diversos trechos existem diversos fatores que limitam a operação da máquina. S, S pontos permitidos máquina não está plenamente utilizada. 38

39 S 2, S 3 pontos não satisfatórios limites violados. Tais pontos podem resultar na operação com sobrecarga em alguns casos pode-se operar com sobrecarga durante um certo intervalo de tempo. Alguns desses pontos podem nunca ser atingidos os limites da máquina são tais que é impossível atingí-los. S 1 ponto permitido máquina plenamente utilizada. Curvas de capacidade podem ser traçadas para motores e geradores. Atenção será dada aos geradores. Cada gerador possui uma família de curvas de capacidade, para diferentes tensões terminais de operação. A tensão terminal varia pouco, em torno do valor nominal. Típico: 3 curvas, para 0, 95, 1, 1, 05 pu Fatores que limitam a capacidade de um gerador Fatores gerais: Perdas de potência no ferro. Perdas de potência no cobre. 39

40 Fatores específicos: tensão terminal (V t ) V t aumenta fluxo no ferro aumenta perdas no ferro aumentam. V t é usado como parâmetro família de curvas corrente de armadura (I a ) I a aumenta r a I 2 a aumenta perdas cobre no estator aumentam. há um I max a dado indiretamente pela potência aparente máxima. corrente de campo (I f ) I f cria E f (força eletromotriz induzida) para uma tensão terminal constante quanto mais indutiva for a carga maior deve ser E f e, portanto, maior o I f (para que se tenha maior fluxo): eplacements E f I f ~ + E f I a + E t E t j I a E f j I a I a E f = E t + j I a I a E f > E f 40

41 limitação das perdas no cobre do campo limitação de I f. considere a seguinte situação: V t fixo, a carga é tal que I a é o máximo permitido (perdas cobre na armadura). como existe um I f máximo, também existe um E f máximo, E max f. o ângulo φ de defasagem entre V t e Ia max pode ser no máximo tal que a queda em x a, jx a Ia max, caia sobre o lugar geométrico de E max f : E max f E 1 f E 2 f frag replacements E 3 f I max a ϕ 3 ϕ 2 ϕ 1 I 1 a E t I 2 a I 3 a 41

42 nota-se na figura que para ϕ 1, Ef 1 ϕ 2 Ef 2 cai sobre o lugar geométrico. cai dentro do lugar geométrico e para ϕ 3 não é um ângulo admissível pois E 3 f cai fora do lugar geométrico. conclusão: existe um fator de potência mínimo (ϕ máximo) de operação do gerador, para o qual E f é máximo cos ϕ 2. se o gerador operar abaixo deste valor de fator de potência sobreaquecimento do circuito de campo. limite de estabilidade estática curvas [P δ] valores de P maiores que o máximo não podem ser convertidos perda de sincronismo. excitação mínima permissível carga fortemente capacitiva E f muito baixo δ aumenta para manter P pode-se atingir o limite de estabilidade (δ = 90 ) e perde-se o controle da máquina. existe uma excitação mínima permitida. limite da máquina primária a potência convertida pelo gerador pode ser limitada pela potência mecânica máxima que pode ser fornecida pela máquina primária (turbina hidráulica, a vapor, gás etc.) Perdas rotacionais (perdas mecânicas nos mancais) não são diretamente relacionadas com o carregamento da máquina não afetam a curva de capacidade. 42

43 lacements Levando em consideração todos os fatores obtém-se a curva de capacidade da máquina para um certo V t : D P C B AB Limitação por I f BC Limitação por I a CD Limitação pela máquina primária DE Limitação por I a EF Limitação por estabilidade FG Limitação por excitação mínima E F φ G O A Q (ind) 43

44 3.5.3 Traçado da curva de capacidade Máquina de pólos lisos Para uma máquina de pólos lisos tem-se a seguinte relação fasorial: E f = E t + j I a PSfrag replacements E f O ϕ δ E t O I a I a Considere que E t é a tensão normal de trabalho e deve ser mantida constante. Considere que I a está no seu valor máximo (limite de perdas cobre na armadura). Considere que E f está no seu valor máximo (limite de perdas cobre no campo). Nestas condições a máquina opera com fator de potência nominal. 44

45 Mantendo as condições anteriores, a carga pode variar de puramente indutiva (I a 90 atrasada em relação a V t ) a puramente capacitiva (I a 90 adiantada em relação a V t ). j I a está 90 adiantada em relação a I a e acompanha a sua variação. O lugar geométrico da extremidade de j I a é a semi-circunferência BAC (centro em O): Sfrag replacements E f A O ϕ δ C E t O I a B I a pontos externos a BAC não são permitidos (corresponderiam a correntes maiores que a máxima). pontos sobre BAC (operação limite) e pontos internos a BAC são permitidos. 45

46 A extremidade de E f se encontra com a extremidade de j I a. como E f também está no seu valor máximo o lugar geométrico de sua extremidade está sobre a circunferência DA (centro em O ): acements E f A O ϕ δ C E t O I a D B I a 46

47 A fim de satisfazer ao mesmo tempo as duas limitações (E f e I a dois lugares Sfrag replacements geométricos) delimita-se a área de operação permitida pelo contorno DAC: E f A O ϕ δ C E t O I a D B I a arco DA limite de campo. arco AC limite de armadura. DAC poderia ser considerada a curva de capacidade da máquina. deve-se transformá-la em uma curva no plano [P Q] e acrescentar outros limites. Retomando a relação fasorial de tensões: ( E f = E t + j I a V ) t V t E f = V te t + ji a V t 47

48 Redesenhando o diagrama fasorial tem-se: cements P D a δ = 90 P V t V f ϕ A δ V t I a O ϕ C V 2 t O Q D B Q (ind) I a o eixo vertical de P é colocado com origem no ponto O. o fasor ji a V t (segmento OA) tem módulo V t I a, que é a potência aparente S fornecida pelo gerador. V t I a faz um ângulo φ com o eixo vertical. As projeções de V t I a nos eixos vertical e horizontal são: OP V t I a cos ϕ potência ativa OQ V t I a sen ϕ potência reativa 48

49 agora o contorno DAC representa a curva de capacidade do gerador. esta curva, em sua forma mais simples, representa somente as limitações devido ao aquecimento dos enrolamentos de campo (DA) e armadura (AC). deve-se incluir outros efeitos. 49

50 Incluindo o limite de estabilidade: o limite teórico de estabilidade ocorre para δ = 90 : em que E f é perpendicular a E t : cements P max = V tv f P V t V f, para δ = 90 D P V t V f ϕ A O δ C ϕ V 2 t O V t I a Q D B Q (ind) I a linha tracejada vertical partindo de O lugar geométrico das potências máximas para diferentes valores de V f. 50

51 no caso da máquina exemplo, P max cai fora da região permitida. neste caso, outros fatores limitantes entram em consideração antes que o limite de estabilidade seja atingido o limite de estabilidade não precisa ser considerado. lacements para um caso geral, deve-se considerá-lo ponto O situa-se à direita do ponto C: P V t V f, para δ = 90 V t V f A D E ϕ V t I a P Q C O δ ϕ I a V 2 t O D B Q (ind) para carregamentos com fator de potência capacitivo (I a adiantado em relação a E t ), pode-se atingir o limite de estabilidade. segmento EO substitui o trecho EC na curva de capacidade pontos à esquerda de EO resultam em δ >

52 deve-se trabalhar sempre com uma margem de segurança para evitar que o limite de estabilidade seja atingido define-se então o limite prático de estabilidade. cements para cada valor de V f a nova potência máxima será limitada ao valor resultante da diferença entre a potência máxima teórica para este valor de V f e 10% da potência nominal da máquina. 0,1P n S S P D V t V f, para δ = 90 V t V f A E P Q C O δ ϕ I a V 2 t ϕ O V t I a D B Q (ind) 52

53 cements e a curva de capacidade fica então: 0,1P n S S P D V t V f, para δ = 90 N V t V f A P Q E ϕ V t I a C O F δ ϕ I a V 2 t O D B Q (ind) 53

54 É possível também considerar o limite prático de estabilidade através de um ângulo δ max, por exemplo: cements δ max = 75 Neste caso, a inclusão desse limite no diagrama de capacidade é trivial e resulta em: P D V t V f, para δ = 90 N V t V f A P Q S S C E O F δ ϕ δ max I a V 2 t ϕ O V t I a D B Q (ind) 54

55 deve também haver um limite inferior de excitação da máquina o controle fica muito difícil o limite é: cements P min = V tvf min traça-se um círculo de raio P min com centro em O determina-se o trecho F G. 0,1P n S S P D V t V f, para δ = 90 N V t V f A P Q E ϕ V t I a C O F G δ ϕ I a V 2 t O D B Q (ind) 55

56 finalmente, deve-se levar em conta a limitação da máquina primária (turbina) linha horizontal, correspondente à máxima potência permissível lacements da máquina primária. Forma geral da curva de capacidade: D P C B AB Limitação por I f BC Limitação por I a CD Limitação pela máquina primária DE Limitação por I a EF Limitação por estabilidade FG Limitação por excitação mínima E F φ G O A Q (ind) Exemplo Traçe o diagrama de capacidade de uma máquina síncrona para as seguintes condições indicadas a seguir. Potência aparente nominal S 1,11 pu Tensão terminal V t 1,0 pu Tensão de campo máxima Vf max 2,6 pu Tensão de campo mínima Vf min 0,3 pu Reatância síncrona 1,67 pu Potência máxima da máquina primária 1,0 pu P max prim 56

57 A corrente nominal da máquina é: I a = S V t = 1,11 pu Da equação da máquina síncrona tem-se: V t E f = V t E t + jv t I a 1,0 1,0 2,6 δ = 1,67 1,67 1,0 0 + } 90 {{ } 1,5569 δ = 0, ,11 (90 ϕ) j 1,0 1,11 ϕ (E t é referência angular) os 3 termos da equação formam o triângulo que compõem o diagrama fasorial. é possível (mas não necessário) resolver a equação, obtendo δ = 33,75 e ϕ = 38,81. Seqüência para o traçado do diagrama de capacidade: (1) Traçar 0,5988 0, que corresponde a V 2 t / O O. PSfrag replacements O V 2 t / O 57

58 (2) Com centro em O, traçar círculo com raio 1,5569, que corresponde a V t Vf max / (limitação de campo, lugar geométrico de Vf max ) D. Com centro em O, traçar círculo com raio 1,11, que corresponde a V t I a (limitação de armadura, lugar geométrico de Ia max ) BAC. A ag replacements C O V 2 O t / D B 58

59 (3) Traçar os eixos P e Q. Os círculos traçados no passo (2) correspondem aos lugares geométricos para Vf max (perdas ferro) e Ia max (perdas cobre), e já definem o diagrama de capacidade básico para a máquina DAC. P cements A V t V f / V t I a C O V 2 O t / D B Q 59

60 (4) Traçar linha paralela ao eixo P passando por O linha tracejada O E corresponde a δ = 90 limite de estabilidade estática diagrama de capacidade agora é DAEO. P cements E A V t V f / V t I a C O V 2 O t / D B Q 60

61 (5) O ângulo ϕ foi obtido anteriormente. Ele também pode ser obtido a partir do próprio diagrama de capacidade, como sendo o ângulo entre o eixo P e a linha OA, que corresponde à potência aparente V t I a. Desta forma, a potência ativa nominal da máquina é calculada por: P n = V t I a cos ϕ = S cos ϕ = 1,11 cos 38,81 = 0,8650 pu 10% deste valor, ou seja, 0,0865 pu deve ser descontado para a obtenção da curva prática do limite de estabilidade. Para cada valor de V f, traçar um círculo com centro em O e raio V t V f /. A partir do cruzamento do círculo com a linha O E, desconta 0,1 P n = 0,0865 pu traçar linha horizontal. A intersecção do círculo com a linha horizontal define o ponto prático de limite de estabilidade da máquina para o valor escolhido de V f. O novo diagrama de capacidade é DASX. 61

62 x P S E A lacements V t V f / V t I a C O X V 2 O t / D B Q 62

63 (6) Excitação mínima: P min = V tvf min = 1,0 0,3 1,67 = 0,1796 pu Traçar círculo com centro em O e raio 0,1796, correspondente à excitação mínima. O novo diagrama de capacidade é DASF G. P cements S E A V t V f / V t I a C F O X G Vt 2 / O D B Q 63

64 (7) Incluir a limitação da máquina primária linha paralela ao eixo Q para P = 1,0 pu. PSfrag replacements O diagrama de capacidade final da máquina é dado pelo contorno DACHF G. V 2 t / B P C H C A S X E V t I a V t E f / O F G O D Q Trecho DA AC CH HF F G Limite campo (perdas ferro) armadura (perdas cobre) máquina primária (turbina) estabilidade excitação mínima 64

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios ET720 Sistemas de Energia Elétrica I Capítulo 3: Gerador síncrono Exercícios 3.1 Dois geradores síncronos estão montados no mesmo eixo e devem fornecer tensões em 60 Hz e 50 Hz, respectivamente. Determinar

Leia mais

Aula 19. Modelagem de geradores síncronos trifásicos

Aula 19. Modelagem de geradores síncronos trifásicos Aula 19 Modelagem de geradores síncronos trifásicos Geradores Em problemas de fluxo de potência normalmente são especificadas as tensões desejadas para a operação do gerador e calculadas as injeções de

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito de sistemas de distribuição de energia elétrica, julgue os itens a seguir. 4 Ao operar em tensão secundária, um sistema de distribuição de energia elétrica funciona

Leia mais

CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO

CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO 3.1 Introdução. 3.1.1 Estator e Rotor. As máquinas elétricas girantes normalmente são constituídas por duas partes básicas: o estator e o rotor.

Leia mais

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Prof a. Katia C. de Almeida 1 Obtenção Experimental dos Parâmetros do Circuito Equivalente do Motor de Indução Monofásico 1.1 Introdução 1.1.1 Motores

Leia mais

GLOSSÁRIO MÁQUINAS ELÉTRICAS

GLOSSÁRIO MÁQUINAS ELÉTRICAS GLOSSÁRIO MÁQUINAS ELÉTRICAS Motor Elétrico: É um tipo de máquina elétrica que converte energia elétrica em energia mecânica quando um grupo de bobinas que conduz corrente é obrigado a girar por um campo

Leia mais

Introdução à Máquina Síncrona

Introdução à Máquina Síncrona Apostila 2 Disciplina de Conversão de Energia B 1. Introdução Introdução à Máquina Síncrona Esta apostila descreve resumidamente as principais características construtivas e tecnológicas das máquinas síncronas.

Leia mais

Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores

Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores 22 Capítulo I Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Novo! As retiradas de geradores do sistema de potência devido a curto-circuitos, operação anormal ou

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila.

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila. Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila. Ex. 0) Resolver todos os exercícios do Capítulo 7 (Máquinas

Leia mais

RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA

RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA A tensão alternada senoidal é a qual utilizamos em nossos lares, na indústria e no comércio. Dentre as vantagens, destacamos: Facilidade de geração em larga escala; Facilidade

Leia mais

Revisão. Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator

Revisão. Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator Revisão Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator Revisão Motor de Indução Geração do campo girante do estator Revisão Motor de Indução Velocidade de rotação do campo girante do estator

Leia mais

Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais

Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais 01) Considerando a figura abaixo, determine: a) Tensão de pico; b) Tensão pico a pico; c) Período; d) Freqüência. 02) Considerando a

Leia mais

Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA

Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA Introdução Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA Alessandro L. Koerich Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) Potência é a quantidade de maior importância em

Leia mais

DESTAQUE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA

DESTAQUE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA Capítulo 0 Transformadores DESTAQE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA Os geradores elétricos, que fornecem tensões relativamente baixas (da ordem de 5 a 5 kv), são ligados

Leia mais

Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA

Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA Motores Síncronos Possuem velocidade fixa e são utilizados para grandes cargas, (em função do seu alto custo que faz com que ele não seja viável para aparelhos menores)

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO ENGENHARIA ELÉTRICA NOTAS DE AULA PROF. LUCIANO VITORIA BARBOZA SUMÁRIO Capítulo 1. Faltas Trifásicas Simétricas... 1 1.1. Introdução... 1 1.. Transitórios

Leia mais

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua Experiência IV Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua 1. Introdução A máquina de corrente contínua de fabricação ANEL que será usada nesta experiência é a mostrada

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA. Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica. Prof.

DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA. Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica. Prof. DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica Prof.: Hélio Henrique INTRODUÇÃO IFRN - Campus Mossoró 2 MOTORES TRIFÁSICOS CA Os motores

Leia mais

Figura 3.17: Campo girante obtido por rotação mecânica das estruturas.

Figura 3.17: Campo girante obtido por rotação mecânica das estruturas. 3.3 Motores de Indução Trifásicos. 3.3.1 Campo Girante Trifásico. A Figura 3.17 apresenta o campo girante produzido por uma estrutura de dois e quatro pólos magnéticos. A Figura também destaca um núcleo

Leia mais

Estabilidade Transitória

Estabilidade Transitória Estabilidade Transitória Revisão em janeiro 003. 1 Introdução A geração de energia elétrica dos sistemas de potência é constituída de máquinas síncronas. que operam com uma determinada freqüência. O sistema

Leia mais

Nota Técnica 003/2010

Nota Técnica 003/2010 Nota Técnica 003/2010 Produto: Crowbar Aplicação: Acionamento da resistência de descarga em motores síncronos Serão discutidos os tópicos a seguir: 1) Conceito de Motores Síncronos 2) Determinação da Resistência

Leia mais

Máquinas Eléctricas I

Máquinas Eléctricas I I Máquinas Síncronas Luis Pestana Resumo Máquinas Síncronas Generalidades Principio de funcionamento Aspectos construtivos O gerador síncrono em carga com cargas isoladas Curvas de regulação ligado a um

Leia mais

PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS

PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS 1. Um dinamo octopolar de 600 r.p.m. com enrolamento em série de 300 condutores activos tem um fluxo por pólo de 5x10 6 Maxwell. Calcule a força electromotriz produzida.

Leia mais

Princípios de Corrente Alternada

Princípios de Corrente Alternada Capítulo 2 Princípios de Corrente Alternada 2.1 Porque corrente alternada? No final do séc. XIX com o crescimento econômico e as novas invenções em máquinas elétricas, foram propostas duas formas de distribuição

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 27 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 41 De acordo com a NBR 5410, em algumas situações é recomendada a omissão da proteção contra sobrecargas. Dentre estas situações estão, EXCETO: a) Circuitos de comando.

Leia mais

Máquinas Elétricas e Acionamento

Máquinas Elétricas e Acionamento Faculdade de Engenharia Elétrica e Computação Máquinas Elétricas e Acionamento uma introdução Edson Bim Sumário 4 Regime Permanente de Máquinas de Corrente Contínua 1 4.1 Estrutura geométrica e aspectos

Leia mais

Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA

Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Alternadores Um gerador é qualquer máquina que transforma energia mecânica em elétrica por meio da indução magnética. Um gerador de corrente

Leia mais

Capítulo 3. Máquinas de corrente contínua. Introdução

Capítulo 3. Máquinas de corrente contínua. Introdução Capítulo 3 Máquinas de corrente contínua Introdução A máquina de corrente contínua foi, durante muito tempo, a solução mais natural para problemas em que era imprescindível variar a velocidade durante

Leia mais

Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL. Introdução

Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL. Introdução Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL Esta aula apresenta o princípio de funcionamento dos motores elétricos de corrente contínua, o papel do comutador, as características e relações

Leia mais

Geradores de Corrente Contínua UNIDADE 2 Prof. Adrielle de Carvalho Santana

Geradores de Corrente Contínua UNIDADE 2 Prof. Adrielle de Carvalho Santana Geradores de Corrente Contínua UNIDADE 2 Prof. Adrielle de Carvalho Santana INTRODUÇÃO Um gerador de corrente continua é uma máquina elétrica capaz de converter energia mecânica em energia elétrica. Também

Leia mais

Eletrotécnica. Comandos Elétricos

Eletrotécnica. Comandos Elétricos Eletrotécnica Comandos Elétricos Teoria e Aplicações Escola Técnica de Brasília - ETB Prof. Roberto Leal Ligação de Motores 1 Motor Elétrico Transformar energia elétrica em energia mecânica Motores de

Leia mais

V SBQEE COMPORTAMENTO DE GERADORES SÍNCRONOS TRIFÁSICOS ALIMENTANDO CARGAS NÃO LINEARES E DESEQUILIBRADAS. UMA ABORDAGEM ANALÍTICA E EXPERIMENTAL

V SBQEE COMPORTAMENTO DE GERADORES SÍNCRONOS TRIFÁSICOS ALIMENTANDO CARGAS NÃO LINEARES E DESEQUILIBRADAS. UMA ABORDAGEM ANALÍTICA E EXPERIMENTAL V SBQEE Seminário Brasileiro sobre Qualidade da Energia Elétrica 17 a 20 de Agosto de 2003 Aracaju Sergipe Brasil Código: AJU 03 091 Tópico: Modelagens e Simulações COMPORTAMENTO DE GERADORES SÍNCRONOS

Leia mais

LINHA DE EQUIPAMENTOS DIDÁTICOS PARA ÁREA DE ELETROTÉCNICA: DESCRIÇÃO ETC S

LINHA DE EQUIPAMENTOS DIDÁTICOS PARA ÁREA DE ELETROTÉCNICA: DESCRIÇÃO ETC S EQUACIONAL ELÉTRICA E MECÂNICA LTDA. RUA SECUNDINO DOMINGUES 787, JARDIM INDEPENDÊNCIA, SÃO PAULO, SP TELEFONE (011) 2100-0777 - FAX (011) 2100-0779 - CEP 03223-110 INTERNET: http://www.equacional.com.br

Leia mais

Aula 7 Reatância e Impedância Prof. Marcio Kimpara

Aula 7 Reatância e Impedância Prof. Marcio Kimpara ELETRIIDADE Aula 7 Reatância e Impedância Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul 2 Parâmetros da forma de onda senoidal Vp iclo Vpp omo representar o gráfico por uma equação matemática?

Leia mais

Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada

Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada ELETRICIDADE Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Associação de impedâncias As impedâncias

Leia mais

REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS

REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS Neste capítulo será apresentada uma prática ferramenta gráfica e matemática que permitirá e facilitará as operações algébricas necessárias à aplicação dos métodos

Leia mais

Introdução à Máquina de Indução

Introdução à Máquina de Indução Introdução à Máquina de Indução 1. Introdução Nesta apostila são abordados os aspectos básicos das máquinas de indução. A abordagem tem um caráter introdutório; os conceitos abordados serão aprofundados

Leia mais

Introdução à Máquina Síncrona

Introdução à Máquina Síncrona Apostila 2 Disciplina de Conversão de Energia B 1. Introdução Introdução à Máquina Síncrona Esta apostila descreve resumidamente as principais características construtivas e tecnológicas das máquinas síncronas.

Leia mais

Professor Mário Henrique Farias Santos dee2mhfs@joinville.udesc.br

Professor Mário Henrique Farias Santos dee2mhfs@joinville.udesc.br Professor Mário Henrique Farias Santos dee2mhfs@joinville.udesc.br Conceitos preliminares Introdução às máquinas CA e CC Força Magnetomotriz (FMM) de enrolamentos concentrados e de enrolamentos distribuídos

Leia mais

EEE462 LABORATÓRIO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS. GUIA DO ALUNO (Edição 2 Setembro 2013)

EEE462 LABORATÓRIO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS. GUIA DO ALUNO (Edição 2 Setembro 2013) EEE462 LABORATÓRIO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS GUIA DO ALUNO (Edição 2 Setembro 2013) Revisado por: Prof. Juan Carlos Mateus Sánchez, DSc. Prof. Juan Carlos Mateus Sánchez, DSc. 1 1. OBJETIVOS EEE462 LABORATÓRIO

Leia mais

3 Faltas Desbalanceadas

3 Faltas Desbalanceadas UFSM Prof. Ghendy Cardoso Junior 2012 1 3 Faltas Desbalanceadas 3.1 Introdução Neste capítulo são estudados os curtos-circuitos do tipo monofásico, bifásico e bifase-terra. Durante o estudo será utilizado

Leia mais

Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana

Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana Aplicações dos Geradores CC Atualmente com o uso de inversores de frequência e transformadores, tornou-se fácil a manipulação da Corrente Alternada. Como os geradores

Leia mais

Máquinas e Equipamentos Elétricos e Mecânicos

Máquinas e Equipamentos Elétricos e Mecânicos Indicação de ícones Os ícones são elementos gráficos utilizados para ampliar as formas de linguagem e facilitar a organização e a leitura hipertextual. Atenção: indica pontos de maior relevância no texto.

Leia mais

1- INTRODUÇÃO... 130 2 - OPERAÇÃO DO GERADOR SÍNCRONO INTERLIGADO AO SISTEMA ELÉTRICO... 131 2.1-GERADOR SÍNCRONO DURANTE DISTÚRBIOS NO SISTEMA

1- INTRODUÇÃO... 130 2 - OPERAÇÃO DO GERADOR SÍNCRONO INTERLIGADO AO SISTEMA ELÉTRICO... 131 2.1-GERADOR SÍNCRONO DURANTE DISTÚRBIOS NO SISTEMA 1- INTRODUÇÃO... 130 2 - OPERAÇÃO DO GERADOR SÍNCRONO INTERLIGADO AO SISTEMA ELÉTRICO... 131 2.1-GERADOR SÍNCRONO DURANTE DISTÚRBIOS NO SISTEMA ELÉTRICO - INFLUÊNCIA DOS REGULADORES E CONTRIBUIÇÃO PARA

Leia mais

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples CONCURSO DE ADMISSÃ ÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2009 1 a QUESTÃO Valor: 1,0 3m 02 g 3m 3m 4m 3m e 6m 4m 6m 6m d 4m 4m 02 02 02 4m 02 S g f 4m S S f e 4m c S d WS ab

Leia mais

Finalmente, para adaptar o nível de tensão às necessidades de consumo, são necessários outros transformadores (de distribuição).

Finalmente, para adaptar o nível de tensão às necessidades de consumo, são necessários outros transformadores (de distribuição). TRASFORMADORES TRFÁSCOS van Camargo Março de 007 ) ntrodução e Aspectos Construtivos Os transformadores trifásicos são equipamentos indispensáveis para o funcionamento de um sistema elétrico. O transformador

Leia mais

CRITÉRIOS COMPARATIVOS PARA CLASSIFICAR MODELOS DE GERADORES EÓLICOS QUANTO A SUA APLICAÇÃO EM SISTEMAS DE POTÊNCIA

CRITÉRIOS COMPARATIVOS PARA CLASSIFICAR MODELOS DE GERADORES EÓLICOS QUANTO A SUA APLICAÇÃO EM SISTEMAS DE POTÊNCIA CRITÉRIOS COMPARATIVOS PARA CLASSIFICAR MODELOS DE GERADORES EÓLICOS QUANTO A SUA APLICAÇÃO EM SISTEMAS DE POTÊNCIA DANUSIA DE OLIVEIRA DE LIMA Rio Grande Energia RGE Departamento de Engenharia e Construções

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO 9: Acionamento de Motores Assíncronos Trifásicos e Monofásicos Objetivo: Verificar alguns tipos de acionamento de motores elétricos de indução trifásicos e monofásicos. Teoria: Os motores elétricos,

Leia mais

Capítulo 9 TRANSFORMADORES

Capítulo 9 TRANSFORMADORES Capítulo 9 TRANSFORMADORES Esta aula apresenta o princípio de funcionamento dos transformadores com base nas leis de Faraday e Lenz, mostra o papel dos transformadores em um sistema elétrico de corrente

Leia mais

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS 8.1 - Motores de Corrente Contínua 8.2 - Motores de Corrente Alternada 8.3 - Motores Especiais 8.4 - Exercícios Propostos Na natureza a energia se encontra distribuída sob

Leia mais

EQUACIONAL ELÉTRICA E MECÂNICA LTDA

EQUACIONAL ELÉTRICA E MECÂNICA LTDA ELETROTÉCNICA 1. INTRODUÇÃO : Este texto foi preparado procurando uma exposição na forma mais simples, apenas com a intenção de relembrar alguns conceitos fundamentais da eletricidade e do eletromagnetismo

Leia mais

Atividade prática Partida estrela + cálculos para motores. Medições preliminares bancada R S R T S T R N S N T N

Atividade prática Partida estrela + cálculos para motores. Medições preliminares bancada R S R T S T R N S N T N Atividade prática Partida estrela + cálculos para motores Objetivos da aula Partir motores de indução trifásicos; Entender a ligação estrela e seus conceitos básicos; e Cálculos úteis para motores. Medições

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais

Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG) Departamento de Ensino de II Grau Coordenação do Curso Técnico de Eletrotécnica e Automação Industrial Disciplina: Prática de Laboratório

Leia mais

Capítulo 8 Fluxo de carga c.a/c.c.

Capítulo 8 Fluxo de carga c.a/c.c. Capítulo 8 Fluxo de carga c.a/c.c. 8.1 Introdução Um sistema de transmissão em corrente contínua (c.c.) que interliga dois sistemas de corrente alternada () é chamado de elo de corrente contínua (elo c.c.,

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 20 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Seja um circuito RLC série alimentado por uma fonte de tensão e sem energia inicialmente armazenada.

Leia mais

Motores de Indução ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA

Motores de Indução ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Motores CA Os motores CA são classificados em: -> Motores Síncronos; -> Motores Assíncronos (Motor de Indução) O motor de indução é o motor CA mais usado, por causa de sua

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO 6: Máquina Síncrona em Barramento Infinito Objetivo: Verificar, experimentalmente, como é feita a ligação de um gerador síncrono no barramento infinito. Teoria: As necessidades de energia elétrica

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE UM MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO COM ROTOR GAIOLA DE ESQUILO MONTADO PARA FINS DIDÁTICOS.

CONSTRUÇÃO DE UM MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO COM ROTOR GAIOLA DE ESQUILO MONTADO PARA FINS DIDÁTICOS. CONSTRUÇÃO DE UM MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO COM ROTOR GAIOLA DE ESQUILO MONTADO PARA FINS DIDÁTICOS. Arnaldo Lopes Leite¹, José Vinicius Wunderlich¹, Luiz Roberto Nogueira². UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBA

Leia mais

Controle do motor de indução

Controle do motor de indução CONTROLE Fundação Universidade DO MOTOR DE Federal de Mato Grosso do Sul 1 Acionamentos Eletrônicos de Motores Controle do motor de indução Prof. Márcio Kimpara Prof. João Onofre. P. Pinto FAENG Faculdade

Leia mais

CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA - lista de exercícios sobre transformadores antonioflavio@ieee.org

CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA - lista de exercícios sobre transformadores antonioflavio@ieee.org 1ª. Questão Considere as seguintes impedâncias e tensões de um transformador cuja potência nominal é S N. Z AT : impedância de dispersão, referida à alta tensão, em ohms; Z BT : impedância de dispersão,

Leia mais

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I QUALIDADE DE ENERGIA 1-Introdução ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Desde o princípio do método de transmissão de energia elétrica utilizando CA, ou ondas senoidais, o aparecimento de componentes harmônicas é um

Leia mais

1 a Lista de Exercícios Exercícios para a Primeira Prova

1 a Lista de Exercícios Exercícios para a Primeira Prova EE.UFMG - ESCOLA DE ENGENHARIA DA UFMG CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA ELE 0 - CIRCUITOS POLIFÁSICOS E MAGNÉTICOS PROF: CLEVER PEREIRA 1 a Lista de Exercícios Exercícios para a Primeira Prova

Leia mais

PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA AVALIAÇÃO DA ESTABILIDADE ANGULAR DE GERADORES SÍNCRONOS. Rafael Mendes Matos

PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA AVALIAÇÃO DA ESTABILIDADE ANGULAR DE GERADORES SÍNCRONOS. Rafael Mendes Matos PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA AVALIAÇÃO DA ESTABILIDADE ANGULAR DE GERADORES SÍNCRONOS Rafael Mendes Matos Projeto de Graduação apresentado ao Curso de Engenharia Elétrica da Escola Politécnica, Universidade

Leia mais

Simulação e Avaliação dos Esquemas de Proteção de Geradores Síncronos Contra Perda de Sincronismo

Simulação e Avaliação dos Esquemas de Proteção de Geradores Síncronos Contra Perda de Sincronismo 1 Simulação e Avaliação dos Esquemas de Proteção de Geradores Síncronos Contra Perda de Sincronismo Bernardo R. Bordeira e Sebastião E. M. de Oliveira Resumo--O presente trabalho avalia os principais esquemas

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público PR CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 ÁREA / SUBÁREA: ELETROTÉCNICA GABARITO MÁQUINAS ELÉTRICAS

Leia mais

Conhecer as características de conjugado mecânico

Conhecer as características de conjugado mecânico H4- Conhecer as características da velocidade síncrona e do escorregamento em um motor trifásico; H5- Conhecer as características do fator de potência de um motor de indução; Conhecer as características

Leia mais

EQUACIONAL ELÉTRICA E MECÂNICA LTDA CIRCUITO EQUIVALENTE PARA REGULADOR DE TENSÃO TIPO INDUÇÃO

EQUACIONAL ELÉTRICA E MECÂNICA LTDA CIRCUITO EQUIVALENTE PARA REGULADOR DE TENSÃO TIPO INDUÇÃO TELEFONE () 00-0777 - FAX () 00-0779 - CEP 033-0 CIRCUITO EQUIVALENTE PARA REGULADOR DE TENSÃO TIPO INDUÇÃO O artigo a seguir propõe um circuito equivalente para regulador de tensão, simples e prático,

Leia mais

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação 24 Capítulo III Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Faltas à terra no rotor A função primária do sistema de excitação de um gerador síncrono é regular a tensão

Leia mais

ANÁLISE E DETERMINAÇÃO DAS PERDAS NO FERRO DO ESTATOR EM MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS

ANÁLISE E DETERMINAÇÃO DAS PERDAS NO FERRO DO ESTATOR EM MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS ART458-07 - CD - 6-07 - ÁG.: 1 ANÁLISE E DETERMINAÇÃO DAS ERDAS NO FERRO DO ESTATOR EM MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS João Roberto Cogo*, Ângelo Stano Júnior* Evandro Santos onzetto** Artigo publicado na

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4 Universidade Federal do Rio de Janeiro Princípios de Instrumentação Biomédica Módulo 4 Faraday Lenz Henry Weber Maxwell Oersted Conteúdo 4 - Capacitores e Indutores...1 4.1 - Capacitores...1 4.2 - Capacitor

Leia mais

Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência. Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva

Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência. Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva Florianópolis, agosto de 2000 Capítulo 1 Introdução 1.1 Controle de Freqüência e Tensão na Operação

Leia mais

EESC-USP LABORATÓRIO DE CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA

EESC-USP LABORATÓRIO DE CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA LABORATÓRIO DE CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA Professores: Eduardo Nobuhiro Asada Luís Fernando Costa Alberto Colaborador: Elmer Pablo Tito Cari LABORATÓRIO N 9: MAQUINA SÍNCRONA: (ângulo de carga,

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA - ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA - ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA - ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA RELATÓRIO - NOTA... Grupo:............ Professor:...Data:... Objetivo:............ 1 - Considerações gerais A parte

Leia mais

Geradores de corrente alternada

Geradores de corrente alternada Geradores de corrente alternada Introdução: A função do gerador elétrico é bastante conhecida, converter energia mecânica em energia elétrica podendo esta ser alternada ou contínua. Um gerador de corrente

Leia mais

Pós-graduação 4. MODELAGEM DA CARGA. Modelagem da Carga. Análise de Redes Elétricas no Domínio da Freqüência LRC / UFMG

Pós-graduação 4. MODELAGEM DA CARGA. Modelagem da Carga. Análise de Redes Elétricas no Domínio da Freqüência LRC / UFMG Pós-graduação LRC / UFMG 4. MODELAGEM DA CARGA Modelagem da Carga 4.1. Considerações 4.2. Modelagens Modelo ZIP - Polinomial Análise de Redes Elétricas no Domínio da Freqüência Maria Helena Murta Vale

Leia mais

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48)

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores CA-CC Monofásicos Controlados Prof.: Eduardo Simas eduardo.simas@ufba.br

Leia mais

Circuitos Elétricos Senoides e Fasores

Circuitos Elétricos Senoides e Fasores Circuitos Elétricos Senoides e Fasores Alessandro L. Koerich Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) Introdução Corrente contínua x corrente alternada. Ver War of Currentes

Leia mais

Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica

Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Existem diversas maneiras de se gerar energia elétrica. No mundo todo, as três formas mais comuns são por queda d água (hidroelétrica), pela queima

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos

MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos 1 Classificação 2 3 Estator O estator do motor e também constituido por um núcleo ferromagnético laminado, nas cavas do qual são colocados os enrolamentos alimentados

Leia mais

Sistemas de Força Motriz

Sistemas de Força Motriz Sistemas de Força Motriz Introdução; Os Dados de Placa; Rendimentos e Perdas; Motor de Alto Rendimento; Partidas de Motores; Técnicas de Variação de Velocidade; Exemplos; Dicas CONSUMO DE ENERGIA POR RAMO

Leia mais

. analogamente. Np Ns. a = Ns

. analogamente. Np Ns. a = Ns - Transformadores O transformador é um equipamento elétrico formado por bobinas isoladas eletricamente em torno de um núcleo comum. A bobina que recebe energia de uma fonte ca é chamada de primário. A

Leia mais

ESTUDO DO AUTOTRANSFORMADOR

ESTUDO DO AUTOTRANSFORMADOR ESTUDO DO UTOTRNSFORMDOR. onceito. O autotransformador é um equipamento semelhante ao transformador, possuindo a mesma finalidade. única diferença é que existe apenas um único enrolamento.. Estudo do utotransformador

Leia mais

Potência e Fator de Potência. Fernando Soares dos Reis, Dr. Eng.

Potência e Fator de Potência. Fernando Soares dos Reis, Dr. Eng. Potência e Fator de Potência, Dr. Eng. Sumário Introdução; Objetivos; Revisão de Conceitos Fundamentais de Potência C.C. Potência Instantânea; Potência Média ou Ativa; Transferência Máxima de Potência

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA - Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 2 1. Condutores e Dispositivos de Proteção 2. Fornecimento

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS PATO BRANCO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO DE TECNOLOGIA EMMANUTENÇÃO INDUSTRIAL

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS PATO BRANCO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO DE TECNOLOGIA EMMANUTENÇÃO INDUSTRIAL UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS PATO BRANCO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO DE TECNOLOGIA EMMANUTENÇÃO INDUSTRIAL Paulo dos Santos CARACTERIZAÇÃO ELÉTRICA DE UM TRANSFORMADOR

Leia mais

Modelos de Geradores e cargas

Modelos de Geradores e cargas Modelos de Geradores e cargas Conteúdo Modelos de geradores Modelos para representação da carga Cargas de corrente constante com a tensão Cargas de potência constante com a tensão Cargas de impedância

Leia mais

APOSTILA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS. Elaborado por: Professor Luiz Sérgio B Marques Ana Barbara K. Sambaqui Janderson Duarte

APOSTILA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS. Elaborado por: Professor Luiz Sérgio B Marques Ana Barbara K. Sambaqui Janderson Duarte APOSTILA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS Elaborado por: Professor Luiz Sérgio B Marques Ana Barbara K. Sambaqui Janderson Duarte Instituto Federal de Santa Catarina-Campus Joinville, Julho 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...

Leia mais

Capítulo V. Máquinas Síncronas

Capítulo V. Máquinas Síncronas Capítulo V Máquinas Síncronas 5 MÁQUINAS SINCRONAS Regime Permanente... 05 5.1 CLASSIFICAÇAO E CARACTERÍSTICAS... 05 5.1.1 CLASSIFICAÇÃO... 05 5.1. Características gerais... 05 5.1.3 Características a

Leia mais

Motores de Corrente Contínua:

Motores de Corrente Contínua: p. 1/2 Motores de Corrente Contínua: I F R F I A R A I L V F N F E A ω mec T mec T ele CARGA Máquina CC operando como MOTOR: 1. Inicialmente a máquina se encontra em repouso (ω m = 0); 2. Alimenta-se o

Leia mais

Questão 3: Um resistor de 10Ω é alimentado por uma tensão contínua de 50V. A potência dissipada pelo resistor é:

Questão 3: Um resistor de 10Ω é alimentado por uma tensão contínua de 50V. A potência dissipada pelo resistor é: Questão 1: Dois resistores de 1Ω e 2Ω, conectados em série, são alimentados por uma fonte de tensão contínua de 6V. A tensão sobre o resistor de 2Ω é: a) 15V. b) 2V. c) 4V. d) 5V. e) 55V. Questão 2:A resistência

Leia mais

Trabalho Prático Nº 6.

Trabalho Prático Nº 6. Trabalho Prático Nº 6. Título: Carga Predominantemente Resistiva, Carga Predominantemente Indutiva e Carga Resistiva e Indutiva em paralelo. Objetivo: Este trabalho prático teve como objetivo montar três

Leia mais

ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS

ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS Autores : Marina PADILHA, Tiago DEQUIGIOVANI. Identificação autores: Engenharia de Controle e Automação - Bolsista Interno; Orientador IFC - Campus

Leia mais

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS 2.1 INTRODUÇÃO O objetivo do presente trabalho é estudar o funcionamento em regime permanente e em regime dinâmico da Máquina Assíncrona Trifásica

Leia mais

MÁQUINAS 1 CAPÍTULO 9

MÁQUINAS 1 CAPÍTULO 9 MÁQUA 1 CAÍTULO 9 TRAFORMADOR O transformador é um componente utilizado para converter o valor da amplitude da tensão de uma corrente alternada. O transformador é uma máquina elétrica que transfere energia

Leia mais

Fundamentos de Máquinas Elétricas

Fundamentos de Máquinas Elétricas Universidade Federal do C Engenharia de nstrumentação, utomação e Robótica Fundamentos de Máquinas Elétricas rof. Dr. José Luis zcue uma Regulação de tensão Rendimento Ensaios de curto-circuito e circuito

Leia mais

Números Complexos. Note com especial atenção o sinal "-" associado com X C. Se escrevermos a expressão em sua forma mais básica, temos: = 1

Números Complexos. Note com especial atenção o sinal - associado com X C. Se escrevermos a expressão em sua forma mais básica, temos: = 1 1 Números Complexos. Se tivermos um circuito contendo uma multiplicidade de capacitores e resistores, se torna necessário lidar com resistências e reatâncias de uma maneira mais complicada. Por exemplo,

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2014 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A figura acima apresenta o circuito equivalente monofásico de um motor de indução trifásico

Leia mais

Laboratório de Circuitos Elétricos II

Laboratório de Circuitos Elétricos II PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ ESCOLA POLITÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO DISCIPLINA DE CIRCUITOS ELÉTRICOS II NOME DO ALUNO: Laboratório de Circuitos Elétricos II Prof. Alessandro

Leia mais