COMITÊ DE SERVIÇOS DA REGIÃO BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMITÊ DE SERVIÇOS DA REGIÃO BRASIL"

Transcrição

1 Este guia tem o intuito de auxiliar os trabalhos desenvolvidos pelo Comitê de Serviço da Região (CSR) Brasil. Nele você encontrará diretrizes para os procedimentos estabelecidos dentro deste comitê de serviço. Sendo assim, leia-o atentamente e caso haja alguma dúvida, não hesite em perguntar aos membros servidores do CSR Brasil. Lembre-se que qualquer procedimento aqui estabelecido pode ser alterado, desde que sejam seguidas as diretrizes para tal, e que estes procedimentos em nenhum momento estejam acima de nossos 36 princípios.

2 1. Estruturas de Serviços em Narcóticos Anônimos (NA) Segue uma breve descrição das unidades de serviço em Narcóticos Anônimos. Uma descrição mais completa de serviço em nível local, incluindo grupos, áreas, serviços metropolitanos, etc. encontra-se no Guia de Serviços Locais em NA e livreto do novo sistema de serviços de NA. O Grupo de NA Grupos de NA são associações locais, informais, de adictos em recuperação. Formam a base da estrutura de serviço de NA. Grupos são criados com o propósito primordial de levar a mensagem de recuperação de NA e todas suas atividades devem refletir esse propósito. Conduzir reuniões de NA é a atividade principal de um grupo. Em relação às tarefas de NA como um todo, os grupos delegam para os CSA s, CSN s, CSR s, Fóruns Zonais e NAWS a responsabilidade do cumprimento dos serviços. RSG s (Representantes de Serviço de Grupo) são eleitos para participarem, em nome dos grupos, dos comitês de áreas, e quando necessário se reportam diretamente ao CSN ou CSR, no caso de Grupos Isolados. O Comitê de Serviço de Área (CSA) O comitê de área é o meio principal pelo qual os serviços de uma comunidade local de NA são administrados. O comitê de área é composto de RSG s, servidores da mesa (coordenador, vice-coordenador, secretário, tesoureiro), servidores dos subcomitês (coordenadores, vice-coordenadores e secretários) e pelos representantes de serviços de área (RSA s/mcr s). O CSA elege seus próprios servidores, coordenadores dos subcomitês e representantes de serviço de área (RSA s/mcr s). Um CSA também pode funcionar em regime de Quadro Único, tendo apenas algumas funções específicas e os demais integrantes desta forma de servir podem desempenhar várias funções (HI, IP, LA, etc.). O Comitê de Serviço Metropolitano Um comitê de serviço metropolitano administra um único grupo de subcomitês numa cidade que tem mais de um CSA, eliminando duplicação de serviços (esta duplicação de serviços pode ser citada da seguinte forma, dois subcomitês atuando em seus devidos CSA s que ficam entre as cidades centrais de áreas urbanas em uma metrópole por cidades ligadas entre si fisicamente, o que se define por metrópole) e tornando mais eficaz a forma de levar a mensagem de NA. Com serviços diretos na cidade consolidados pelo comitê metropolitano, os CSA s das comunidades estão mais livres para apoiar os grupos.

3 O Comitê de Serviço de Núcleo Um comitê de serviços de núcleo administra os serviços de várias áreas e/ou grupos filiados. Pode ser formado pelos RSA s/mcr s, mesa (coordenador, vicecoordenador, secretário e tesoureiro) e pelos coordenadores, vice-coordenadores e secretários dos subcomitês se os tiver. O comitê de núcleo elege seus servidores em suas reuniões de serviços e enviam representantes de serviços de núcleos (RSN s) para participarem da reunião do regional. O núcleo também pode funcionar em regime de Quadro Único, tendo apenas algumas funções específicas e os demais integrantes podem desempenhar várias funções. O núcleo deve ser formado no máximo por dez CSA s e no mínimo por três CSA s. O Comitê de Serviço Regional Brasil Comitês de serviços regionais servem para juntar a experiência e os recursos dos núcleos, áreas e dos grupos aos quais servem. O CSR é composto pelos representantes de serviços dos núcleos (RSN s), pelos representantes de serviços de área (RSA s/mcr s), pelos representantes de serviços de grupos (RSG s) distantes e pelos servidores de mesa da Região. Os CSR s organizam reuniões de serviços nas quais RSN s, RSA s/mcr s e RSG s de grupos distantes debatem uma variedade de assuntos, incluindo aqueles mais prováveis a serem colocados em pauta na Conferência de Serviços Mundiais. O delegado regional ou o suplente serve como representante na conferência mundial e são eleitos pelos RSN s, RSA s(mcr s) e RSG s de grupos distantes na assembléia regional, quando são eleitos todos os demais servidores da mesa do CSR. A Unidade de Apoio ao Grupo Levando a Mensagem Focado no Grupo: A unidade de apoio ao grupo (UAG) em cada modelo foca em ajudar o grupo em seus esforços para levar a nossa mensagem. O grupo de NA será sempre o meio mais eficaz que temos como irmandade de levar a mensagem. Muitos dos nossos temas de discussão na irmandade ao longo dos últimos ciclos de conferências estão centradas em reforçar os grupos. Muito freqüentemente em nossa estrutura de serviço atual, entretanto, os grupos se sentem sem apoio, como se eles não têm para onde ir para falar sobre as questões que mais imediatamente os afetam. A UAG destina-se a ajudar os grupos a melhor levar a mensagem dentro de suas reuniões, separando a função de apoio ao grupo dos "negócios" de NA. A UAG dá aos grupos a oportunidade de partilhar problemas que eles podem estar encontrando e buscar soluções entre eles, evitando a distração das discussões sobre serviços complexos prestados fora do grupo. Funcionando com base em uma reunião de discussão local da comunidade de NA, a UAG vai oferecer uma alternativa atraente, que complementa a outra reunião de serviço mais orientada aos negócios. A UAG pode ou não enviar um representante para a USL, dependendo da opção estrutural que funciona melhor para os grupos na comunidade local de NA. Um tamanho não serve a todos e estas propostas se destinam a ser flexíveis para melhor atender as necessidades de uma determinada comunidade. A secção abaixo intitulada "lineares e duas vias, oferece mais idéias sobre estas opções.

4 Independentemente da opção escolhida a UAG não se destina a ser outro nível de serviço. Alguns tipos de coisas que acontecem em reuniões de UAG s incluem: Treinamento informal e tutoria Discussão de questões de grupo, partilha de grupo nenhum negócio Acolhida e Longo Alcance para novos grupos e membros Orientação e introdução aos serviços (literatura de recuperação e literatura de serviço, tradições, conceitos, etc.) Compartilhamento de informações informal (por exemplo, próximos eventos, atividades USL, novos itens de literatura, tópicos e questões do NAWS) Em alguns casos ou circunstâncias, UAGs podem ser solicitadas a envolver-se em alguma prestação de serviços (por exemplo, a colocação de panfletos de IP na comunidade). A Unidade de Serviço Local Prestação Efetiva de Serviço Dirigido por propósito: Cada uma das unidades do sistema de serviço proposto foi projetada para atender uma necessidade específica ou conjunto de necessidades e as responsabilidades de cada unidade devem ser claramente definidas e entendidas. A USL é o "burro de carga" do sistema de serviço com a responsabilidade de levar a mensagem fora das reuniões de NA. O maior número de membros de NA está envolvida em serviços neste nível. A USL terá a responsabilidade de prestar a maior parte dos serviços locais, e os grupos se manterão responsáveis pelo financiamento de serviços através de contribuições para a USL. A USL iria utilizar um processo de planejamento estratégico, e serviços seriam prestados através de uma mistura de grupos de trabalho baseados em projetos, e serviços permanentes ou de rotina (veja abaixo alguns exemplos), forma deve seguir a função. Onde possível, as decisões na USL serão feitas através de um processo baseado em consenso em vez de moções, tornando-se um corpo de serviço mais inclusivo e atraente. (Para uma lista de funções da USL, consulte Apêndice 1.) Corpos Intermediários Um dos itens de comentários que ouvimos mais consistentemente sobre a primeira versão do projeto é que era difícil entender o que era pretendido pelos corpos intermediários": por que eles foram propostos e que função eles preenchem? Flexível: As propostas contêm uma idéia para corpos de serviço opcionais, ou "corpos intermediários", para responder a necessidades específicas, se o modelo geral UAG USL estado / país / província não pode acomodar a densidade, a distância, ou as necessidades lingüísticas de uma dada comunidade. De um modo geral, sentimos fortemente que forma deve seguir a função e desejamos encontrar uma maneira de assegurar que as comunidades têm a flexibilidade de criar uma estrutura que funcione melhor para eles. Serviços Estatais / Nacionais / Provinciais Um corpo de serviço deste nível pode consistir de um reconhecido estado, país, província (ou vários desses agrupados) seguindo os limites geográficos que já estão estabelecidas na sociedade. Para muitas comunidades, isso não irá alterar nada, enquanto para outras isso representará uma mudança fundamental. Definido por limites geográficos: Seguindo limites geográficos estabelecidos para nossos corpos de serviço, sempre que possível, nos permitiria uma melhor interface

5 com as organizações profissionais e legislativas, tornando mais fácil para os profissionais e o público em geral para encontrar e se comunicar conosco. Associação Para Comitê de Serviço (ACS) A Associação para Comitês de Serviços ACS, é o escritório que faz a distribuição de literatura de Narcóticos Anônimos no Brasil, ou seja, é uma entidade sem fins lucrativos num intuito político, criada por tempo indeterminado, tendo como sede atual o escritório localizado na Av. Beira Mar 216, sala 603 Centro, Rio de Janeiro. Finalidade A finalidade dos serviços da Associação é tornar disponível o programa de recuperação que vem sendo desenvolvido pela Irmandade de Narcóticos Anônimos, através da venda e distribuição de toda a sua literatura aprovada pela conferencia Mundial dos serviços de Narcóticos Anônimos, em todo o território Nacional Fóruns Zonais Fóruns Zonais são partilhas sobre serviço e/ou sessões de serviços que proporcionam os meios através dos quais as comunidades de NA se comunicam, cooperam e crescem em conjunto. Apesar de não fazer parte do sistema formal de tomada de decisões de NA, os serviços mundiais e os fóruns zonais interagem de várias formas. Fóruns zonais são chamados para apresentar relatórios nas conferências mundiais e, quando requisitados, respondem questões específicas. Para melhorar as comunicações são fornecidas correspondências para participantes da conferência e estes mandam suas atas para os serviços mundiais. Serviços mundiais geralmente participam de reuniões do fórum zonal, e podem prover fundos para a participação de alguns membros nos fóruns zonais. Manter uma comunicação eficaz entre serviços mundiais e os fóruns zonais é uma prioridade. Para servir a irmandade com maior eficácia, os fóruns zonais e os serviços mundiais devem desenvolver uma parceria para o planejamento e execução do sistema mundial de workshops e ajudar um ao outro na coordenação de serviços variados, como eventos profissionais e desenvolvimento das atividades da irmandade. Fórum Zonal Brasileiro (FZB) Declaração de Missão do FZB A missão do Fórum Zonal Brasileiro é o de reunir todas as comunidades de NA do Brasil para promover a visão do futuro de NA, promovendo o bem-estar comum em toda a Unidade; troca de experiências, força, esperança e desenvolvimento de recursos para os serviços de nossas comunidades podem receber a mensagem de recuperação e de serviço de Narcóticos Anônimos na nossa própria língua e culturas; descobrir juntos a possibilidade de uma nova maneira de viver, com um espírito de unidade e de cooperação com os Serviços Mundiais e Fórum Zonais, para levar a nossa mensagem recuperação ao adicto que ainda sofre. Declaração de Visão do futuro do FZB Todos os esforços do Fórum Zonal Brasileiro de Narcóticos Anônimos devem ser inspirados pelo o principal objetivo dos grupos das Regiões do Brasil, a quem servimos.

6 Este objetivo comum define o nosso compromisso: o crescimento das bases (nosso crescimento em Unidade, em numero e em espírito de companheirismo) sobre a qual repousa nosso simples símbolo. A nossa visão é contribuir para que um dia: todos os adictos do Brasil tenham a oportunidade de receber a mensagem de recuperação e serviço de Narcóticos Anônimos em nossas próprias línguas e culturas, e descubramos em conjunto a possibilidade de uma nova maneira de viver. Que as comunidades brasileiras de NA e o Fórum Zonal Brasileiro trabalhem em conjunto com os serviços mundiais e com os fóruns zonais em um espírito de unidade e cooperação para levar a nossa mensagem de recuperação e de serviço. NA tenha reconhecimento e seja respeitada em toda a comunidade Brasileira como um programa eficaz de recuperação. A nossa visão é de contribuir ativamente com a visão do futuro de NA, deve ser o ponto de referencia que define nosso rumo através da definição de objetivos claros de compromisso e responsabilidade da comunidade brasileira em uma atmosfera de comunicação aberta, franca e direta entre todas as partes envolvidas. Os princípios espirituais do nosso programa são à base destes ideais. Dependendo sempre de um Poder Superior bondoso que nos guie. Definição e objetivo O Fórum Zonal Brasileiro foi criado pelas comunidades de NA do Brasil, para reunir e desenvolver recursos de serviço para uso dos membros das suas comunidades. O principal objetivo da FZB é contribuir para o crescimento contínuo de Narcóticos Anônimos, apoiarem a unidade, a cooperação, a comunicação e servir como um recurso para o serviço da irmandade de NA das comunidades de origem brasileiras em: A- Apoiar os esforços de Longo Alcance, H&I, IP, RP, tradução de literatura,política de procedimentos e eventos nas comunidades brasileiras. B- Trabalhar em conjunto com os Serviços Mundiais em nossos esforços. C- Realizar a CBNA (Convenção Brasileira de NA) e a conferência brasileira de literatura. D- Promover a Unidade dessas comunidades. E- Minimizar os custos de NA no envio de representantes ao mundial, se for o caso. F- Realizar fóruns de serviços nacionais. Fórum Zonal Latino Americano (FZLA) Em 29 de abril de 1993, representantes das comunidades de origem latinoamericana, com ajuda dos serviços mundiais em reunião realizada pelo CSM de 1993, que foi apresentado aprovou a proposta de incluir fóruns de zona, incluindo a América Latina. Como até mesmo as instituições NA não fazem parte da estrutura formal do serviço (ainda) de NA como um todo, acordado realizar a primeira Conferência Latino - Americana Convenção, durante os dias 12,13 e 14 de novembro do mesmo ano, participou de apenas 5 (cinco) regiões, e os serviços mundiais. Atualmente a Região Brasil não é filiada ao FZLA. Serviços Mundiais de NA Serviços Mundiais são aqueles serviços que trabalham com os problemas e necessidades de NA como um todo,ao redor do mundo, e os serviços que NA oferece

7 aos seus membros, grupos e à sociedade. Os propósitos básicos dos nossos serviços mundiais são comunicação, coordenação, informação e orientação. São oferecidos esses serviços para que nossos grupos e membros possam levar a mensagem de recuperação com mais sucesso e para que nosso programa de recuperação possa estar disponível a mais adictos em todos os lugares do mundo. Apesar de todas as partes de nossa estrutura de serviço afetar e serem afetadas por NA como um todo, é somente nesse nível que encontramos corpos de serviços criados para trabalhar com problemas envolvendo toda a irmandade mundial. Conferência de Serviços Mundiais - CSM ( WSC-World Service Conference, em inglês) A parte final de nossa estrutura de serviço é a Conferência de Serviços Mundiais (CSM). É o sistema central de nossa irmandade. Nossa conferência é o único momento e lugar no qual todos os nossos serviços mundiais se unem. Diferente de outros corpos de serviço, a Conferência não é uma entidade, é um evento, é a união. A cada dois anos, delegados regionais, membros do Quadro Mundial e o Diretor Executivo do Escritório Mundial de Serviços (NAWS) se juntam para debater questões de importância para a Irmandade de Narcóticos Anônimos como um todo ao redor do mundo. O propósito da Conferência de Serviços Mundiais é o de apoiar a irmandade como um todo, definir e agir de acordo com a consciência coletiva dos grupos de NA. O Quadro Mundial de Serviços ( World Board, em inglês) O propósito do Quadro Mundial de NA é contribuir para a continuação e crescimento de Narcóticos Anônimos. O Quadro serve como um recurso primário da irmandade, dando o apoio necessário para levar nossa mensagem, ao mesmo tempo assegurando que o serviço e apoio dados são da mais alta qualidade possível. O Quadro Mundial administra todas as atividades de serviços mundiais, incluindo supervisão das operações do centro primário de serviços, o NAWS. O Escritório Mundial de Serviços (Narcotics Anonymous World Service NAWS, em inglês) O propósito do NAWS, nosso centro primário de serviço, é de executar as decisões da Conferência Mundial em assuntos relacionados à comunicação e informação da Irmandade de NA, seus serviços, grupos e membros. O NAWS realiza seu propósito mantendo correspondência com grupos de NA e comitês de serviço, imprimindo e distribuindo literatura aprovada pela conferência mundial e mantendo os arquivos de NA.. Trabalha da finalização da tradução de literatura, dando om parecer final de todas as traduções em todas as línguas ao redor do mundo. Publicações periódicas da Conferência Mundial de Serviços NAWS (Serviços Mundiais de NA) produz algumas publicações periódicas diferentes, num esforço para distribuir comunicações escritas regulares. Apesar de cada publicação ter sua própria lista específica de distribuição, cópias estão sempre disponíveis para qualquer membro no NAWS e freqüentemente no site NAWS News NAWS News é um boletim informativo com noticias do NAWS/WB curto e facilmente traduzido, publicado várias vezes anualmente. Foi criado para permitir que o

8 Quadro Mundial informe a irmandade regularmente, principalmente após suas reuniões. É distribuído para áreas, regiões e participantes da conferência em várias línguas. NA World Services, Inc. - Relatório Anual do NAWS É um resumo das atividades dos serviços mundiais para o ano fiscal anterior, que no caso é de 01 de Julho a 30 de Junho de cada ano, distribuído até o final de setembro para regiões e participantes da CSM. Material de Aprovação da Conferência ( Conference Approval Track, em inglês) Este material, distribuído a todos os participantes da CSM com três meses de antecedência à ela, contem todos os assuntos que serão debatidos na conferência, com a íntegra de cada relatório de cada projeto e assunto em andamento. Relatório da Conferência O Relatório da Conferência é uma publicação periódica da WSC que evoluiu como um meio de colocar à disposição informação contínua para participantes da CSM sobre as atividades de serviço mundial. Esses relatórios contêm informações sobre o andamento dos projetos, sugestões para novos trabalhos e relato dos problemas encontrados. A freqüência de publicação é de um mês de antecedência à CSM. O Relatório da Conferência é distribuído para todos os participantes da CSM. Relatórios regionais e zonais Relatórios regionais são distribuídos no último Relatório antes de cada WSC. Esses relatórios são entregues pelos delegados e contêm informações sobre sua região como número de reuniões, grupos e painéis de H&I, atividades de serviço sendo conduzidas pela região e/ou áreas, desafios que a região está enfrentando, e outras experiências que podem beneficiar outras regiões e/ou serviços mundiais. Essa informação é essencial para o propósito geral e missão da WSC e todos delegados são encorajados a submeter seus relatórios antes do final do prazo declarado. Relatórios de fóruns zonais são bem-vindos também. Relatório da Agenda da Conferência ( CAR, em inglês) O Relatório da Programação da Conferência é distribuído com um mínimo de cento e cinqüenta (150) dias de antecedência ao dia de abertura da conferência, com versões traduzidas circulando com um mínimo de cento e vinte (120) dias de antecedência. A quantidade de material traduzido pode variar, mas essencialmente a primeira parte do CAR* (contendo relatórios, propostas e moções antes da conferência) é traduzida para quantas línguas for possível. O CAR contém as propostas e moções que a irmandade irá considerar e criar uma consciência coletiva. Uma cópia é enviada para cada participante com um voto, cada delegado regional e suplente e para o endereço de correspondência para cada região(caso haja). Membros podem comprar cópias adicionais do NAWS. O preço estabelecido pode variar de acordo com custo de produção e distribuição. Contém, também, um glossário de termos facilmente legíveis. Este relatório contém notícias, propostas e moções do Quadro Mundial e quaisquer propostas e moções apresentadas pelas regiões (moções regionais serão incluídas em suas próprias seções e terão o mesmo número quando forem apresentadas na conferência). Moções regionais devem ser entregues duzentos e quarenta (240) dias antes da abertura da conferência. Todas as moções são feitas, obrigatoriamente, por escrito. Às Regiões são permitidas até 150 palavras para descrever a intenção e conseqüências de suas moções. O Quadro Mundial inclui,

9 também, uma recomendação que se dê a maior quantia de informação possível quando considerando a idéia. Declarações de impacto financeiro de cada moção aparecendo no Relatório serão incluídas pelo Quadro Mundial. Relatórios podem incluir um resumo dos eventos que antecedem a apresentação das propostas. Material apresentado à irmandade para aprovação será redigido numa forma que permita um voto de sim/não e especifica mudanças conceituais envolvidas para afirmar e apoiar este processo. Somente material aprovado pelo Quadro Mundial é distribuído para a irmandade como sendo aprovado pela conferência. Todas as moções apresentadas para aparecerem no Relatório da Agenda da Conferência que propõem mudanças, adendos ou supressão de diretrizes da WSC deverão incluir essas diretrizes, ou as partes delas, que cada moção pretende modificar. Será, adicionalmente, responsabilidade do autor da moção providenciar tal informação anexada à moção. 2.Declaração Da Visão Dos Serviços do CSR Brasil de NA Todos os esforços dos Serviços do CSR Brasil de Narcóticos Anônimos são inspirados pelo propósito primordial de nossos grupos. E sobre essa base comum permanecemos comprometidos. Nossa Visão é que um dia: Todos os adictos no Brasil possam vivenciar nossa mensagem em seu próprio idioma, cultura e região e encontrar uma nova maneira de viver. Todos os membros, inspirados pela dádiva da recuperação, experimentem o crescimento espiritual e a realização através do serviço; Comunidades locais de NA e serviços regionais trabalhem juntos no espírito de unidade e cooperação para dar suporte aos grupos na propagação de nossa mensagem; Narcóticos Anônimos obtenha reconhecimento nacional e respeito como um programa viável de recuperação. Honestidade, mente aberta e boa-vontade são os fundamentos das nossas atividades do serviço, todas elas baseadas na orientação de um Poder Superior amoroso. 3.Declaração Da Missão Do CSR Brasil de N.A. As reuniões do CSR Brasil unem os corpos de serviço de NA que dela fazem parte em prol do bem-estar comum de NA. A missão do CSR é unificar NA, providenciando uma reunião na qual: -Participantes propõem e encontram consenso em iniciativas que beneficiam a visão dos serviços do CSR Brasil de NA; -A irmandade, através de troca de experiência, força, fé e esperança, se expressa coletivamente em assuntos que afetam NA como um todo; -Grupos de NA têm uma forma para guiar e direcionar as atividades dos serviços do CSR Brasil de NA; -Participantes asseguram que os variados elementos de serviços do CSR Brasil de NA são responsáveis perante aqueles a quem servem. 4.Declaração de Responsabilidade

10 O CSR Brasil é uma junta do Comitê de Serviços Regionais. Portanto, é responsável perante ela e, enfim, à autoridade final dentro de nossa estrutura de serviço, como descrita no Segundo Conceito os grupos, que detêm a responsabilidade e autoridade final em todos os serviços de NA. De acordo com o princípio de delegação descrita no nosso Terceiro Conceito, o Comitê de Serviços da Região Brasil, como representante dos grupos, delega ao CSR Brasil a autoridade de prestar serviços efetivos. 5.Propósitos do CSR Brasil - Levar a mensagem de recuperação aos adictos que ainda sofrem. - Dar apoio à Irmandade de Narcóticos Anônimos em seus esforços para abrir oportunidades para recuperação da adicção. - Administrar todas as atividades do serviço regional. Prestar serviço a indivíduos ou grupos de adictos em busca de recuperação da adicção e auxiliar o público na compreensão da adicção e o programa de recuperação de Narcóticos Anônimos. Esse auxílio pode incluir comunicação direta e indireta com adictos, organizações, agências, governos e o público. - Garantir e administrar, em confiança, a renda gerada através de atividades dos serviços regionais, de uma maneira concordante com o espírito dos Doze Passos, Doze Tradições e Doze Conceitos de Narcóticos Anônimos. 6.Obrigações Gerais As obrigações do CSR Brasil devem ser entendidas como sendo de natureza administrativa. Para que ele possa cumprir sua missão e a vontade do CSR, os deveres gerais do CSR Brasil são de: - Comunicar todas as atividades de serviços regionais e mundiais para nossos membros, de acordo com os princípios incorporados no nosso Oitavo Conceito. - Supervisionar as operações do escritório de serviços da irmandade, a ACS e dar Suporte ao Fórum Zonal Brasileiro. - Administrar as atividades necessárias para operação bem-sucedida da Convenção Regional. - Dar apoio e administração para todas as reuniões de serviço regional. - Planejar e fazer orçamento para provisão básica de serviço e desenvolvimento de projetos. - Ser responsável pelas obrigações de orçamento de serviço regional. - Selecionar membros do comitê para desenvolvimento e realização de projetos. - Supervisionar atividades associadas com a forma em que nossa irmandade interage com a sociedade. - Supervisionar desenvolvimento de publicações periódicas e traduções. - Lidar com questões filosóficas e perguntas sobre nossas Tradições e Conceitos, desenvolvendo trabalhos que expliquem nossa posição quando necessários. - Tomar decisões necessárias, afetando serviços regionais e NA, quando o CSR não estiver em sessão, tendo sempre em mente prioridades previamente estabelecidos pelo CSR.

11 - O CSR tem como finalidade proporcionar a troca de experiência entre os grupos e áreas isoladas, promovendo a unidade. - Promover as convenções regionais de 2 em 2 anos, que ocorrerão em anos pares. As comissões de Convenção, formadas por Coordenador, Vice-Coordenador e Tesoureiro, serão eleitos em Reuniões Regionais para as convenções específicas. - Planejar e coordenar o desenvolvimento dos grupos isolados para áreas, e das áreas para núcleos, minimizando as visitas e priorizando o subsidio de material e literatura. - Traduzir literatura para a língua portuguesa. - Buscar alternativas (dentro dos princípios das 12 tradições e dos 12 conceitos) de tornar nossa literatura mais acessível a um maior número possível de pessoas. - Planejar esforços de H&I, IP, LDA e L.A no Brasil como um todo. 7.Grupo de do CSR Brasil ( ). O CSR tem um grupo de para troca de experiência, prestação de contas, divulgação de eventos e apadrinhamento no serviço, no qual a inclusão é somente para Servidores da Mesa do CSR, Servidores da Mesa da CRNA, Servidores da Mesa de G.T/Fóruns, RSN s e RSN s Suplentes, RSA s e RSA s Suplentes, RSA s e RSA s de Núcleos filiados ao CSR, RSG de Grupos Isolados e Representantes escolhido pelo CSN/CSA s quando não houver RSN/RSA s eleitos, todos tem direito de ler e se expressar no grupo de . O Moderador do Grupo de tem responsabilidade de: - Incluir e Excluir membros. - Manter organizada e arquivada as Atas e Arquivos do Termo atual no grupo de . - Manter a unidade do grupo num ambiente saudável para a recuperação e troca de experiências. - Moderar s de membros que estejam afetando o bem estar comum do grupo. - Prestar relatório na reunião do CSR da movimentação do grupo de . 8.Membros do Comitê Regional, Requisitos e Funções São os membros responsáveis pela administração geral do CSR e por isso mesmo é muito importante que sua seleção seja cuidadosa (4º Conceito). Uma quantidade substancial de tempo limpo e maturidade pessoal devem ser as primeiras considerações, em conjunto com a experiência com os 12 Passos, 12 Tradições, 12 Conceitos, com o Guia para Serviços Locais em NA e com o Manual de Procedimentos do CSR Brasil. Devem demonstrar a estabilidade e o bom senso pessoal, que servem como exemplo para os outros. Devem ser capazes de servir e liderar sem tentar governar ou controlar. Devem conciliar, com equilíbrio, o pulso firme com o principio espiritual da rendição. Sobretudo, devem ter consciência pratica que tudo funciona em torno da 5ª Tradição. Um histórico significativo de serviço prestado nos Grupos, nos CSA s e CSN s geralmente produz servidores Regionais mais eficazes. Mais considerações no 4º Conceito. Nossa experiência indica que, para manter a nossa comunicação (oitavo conceito) estes servidores terão que se reunir em reuniões do CSR e também em uma pré-pauta (essa pode ser presencial ou virtual), que antecede a reunião do CSR. A Mesa Regional consiste em treze (13) membros eleitos nas Reuniões do CSR (essa Reunião pode ser Assembléia ou Reunião Normal do CSR, basta somente o encargo está vago). Os membros eleitos assumiram suas responsabilidades ao término

12 da reunião em que foram eleitos e a conclusão de seus encargos será na Assembléia seguinte, com a apresentação do relatório anual. Servidores da Mesa: - Coordenador (a) do CSR - Vice-coordenador (a) do CSR - Delegado (a) Regional - Delegado (a) Regional Suplente - Secretário (a) - Tesoureiro (a) - Coordenador (a) de Longo Alcance - Coordenador (a) de Linha de Ajuda - Coordenador (a) de Hospitais e Instituições - Coordenador (a) de Informação ao Público - Coordenador de STRL - Coordenador (a) da CRNA - Webmaster OBS: Para cada Subcomitê teremos um vice-coordenador também eleito pela plenária do CSR Brasil. Os vice- coordenadores só serão reconhecidos como membros votantes e só terão direito a custeio na ausência do coordenador. COORDENADOR (A) Requisitos ação nos Serviços Regionais -coordenador Regional. serviço ou experiência de vida pessoal. de Funções reparação da agenda e pautas das reuniões em conjunto com os demais servidores da estrutura da CSR. -signatários da conta bancária do CSR. demais servidores da estrutura CSR.

13 mail dos servidores da mesa, unidade Brasil, ACS e FZB. Participar ativamente das reuniões virtuais, podendo justificar sua ausência,caso necessário. da mesa em modo virtual. Brasil. VICE-COORDENADOR (A) Requisitos encargos. serviço ou experiência de vida pessoal. Funções na sua ausência. È responsável por estar acompanhando o andamento de todos os subcomitês do CSR Brasil. Participação efetiva nas reuniões virtuais dos subcomitês que acontecem semanalmente. È de sua responsabilidade a criação do boletim informativo. /MCR s e RSN s, mantendo integra e eficiente à comunicação entre os mesmos (8º Conceito). dentro da estrutura, entre os CSA s e CSN s para com a mesa. subcomitê coordena o subcomitê por um determinado tempo estipulado pelo o CSR; a preparação dos relatórios anuais e propostas orçamentárias. mail dos servidores da mesa, unidade Brasil, ACS e FZB. Participar ativamente das reuniões virtuais, podendo justificar sua ausência,caso necessário. Brasil. Observação: Caso ocorra de o Coordenador do CSR entregar o encargo ou ser destituído deve-se ter uma ratificação do Vice-Coordenador para Coordenador, caso não seja da vontade do Vice-Coordenador se indicar para Coordenador, o mesmo pode concluir seu encargo.

14 Só será aberto para auto-indações para o encargo de Vice-Coordenador com um Coordenador eleito. SECRETÁRIO (A) Requisitos encargos. em informática (Internet e Editor de Texto). serviço ou experiência de vida pessoal. üência regular em reuniões de Narcóticos Anônimos. Funções as e extraordinárias, a após revisão do Coordenador (a) distribui atas para todos os RSA s/mcr s e RSN s. Nossa experiência demonstra que um período de 15 dias é o suficiente para o envio das mesmas. A s e CSN s que o compõe. -mails de servidores dos CSA s, CSN s e da estrutura Regional. bcomitês e oficinas, (endereço completo, dias e horários de reuniões), junto aos CSAs e CSN s que compõe a Região, quando o encargo de Webmaster não estiver preenchido. s comitês de serviço e no NAWS, quando o encargo de Webmaster não estiver preenchido. mail dos servidores da mesa, unidade Brasil, ACS e FZB. SR. Participar ativamente das reuniões virtuais, podendo justificar sua ausência,caso necessário. Brasil. TESOUREIRO (A) Requisitos nco) anos limpo.

15 os respectivos encargos. comunicação. serviço ou experiência de vida pessoal. o a um correio eletrônico. Funções ntação nas reuniões do CSR, após o término de cada reunião este deverá ser atualizado com os novos lançamentos e anexo a ata. (Proposta Orçamentária) mudança que se fizer necessária em função de alterações no cronograma ou outras eventualidades, o mesmo deverá obter endosso dos Servidores Administrativos do CSR. -signatários da conta bancária do CSR. É responsável por enviar juntamente com seu relatório, os extratos bancários com todas as movimentações bancárias desde a última reunião do CSR. Passar extratos semanais no Unidade Brasil. Distribuir cópia impressa de seu relatório na reunião do CSR Brasil para cada representante. sponsável por estar sempre enfatizando nas reuniões do CSR, a importância da 7ª Tradição para se realizar qualquer serviço na Irmandade, lembrando que a execução de muitos deles dependerá não só de Boa Vontade, mas também de nossa Saúde Financeira. cipar das Reuniões do CSR e da Mesa do CSR. mail dos servidores da mesa, unidade Brasil, ACS e FZB. Participar ativamente das reuniões virtuais, podendo justificar sua ausência,caso necessário. Brasil. DELEGADO (A) REGIONAL (DR) Requisitos inguagem. se tenha fluência verbal (inglês e/ou espanhol).

16 Zonal, ACS e NAWS. Procedimentos do CSR,Manual de Procedimentos da ACS, Manual de Procedimentos do Fórum Zonal que estivermos assentado, Guia Para Serviços Mundiais e o Guia Para Serviços Locais. serviço ou experiência de vida pessoal. álido e visto de entrada, também válido para os Estados Unidos da América. OBS: Após receber a carta de referencia do NAWS, e mesmo assim o visto for negado o Delegado estará automaticamente destituído do seu encargo. Funções l entre os serviços mundiais de NA e a comunidade local, mantendo a Região informada dos projetos mundiais, bem como as experiências a nível mundial, dentro de uma perspectiva local. O DR é custeado pela Região para participar das Reuniões da ACS e FZB onde ele se familiariza com os procedimentos para assumir a responsabilidade da representatividade. voto, nas moções previamente apresentadas no CAR (Relatório da Pauta da Conferência). WSC e FZB, para que haja uma participação mais profunda por parte do CSR. de Comitês de Serviço Mundiais, o DR deve levar a experiência do CSR, bem como nossas dúvidas para retornar com esclarecimentos. servidores do CSR e enviado ao WSO para poder constar no Relatório de Março da Conferência Mundial. Comunicação constante e contínua com outros membros de outros CSRs e Servidores do FZB, ACS e NAWS ajuda a manter o fluxo de informações, ao alinhamento de idéias (unidade) e contribui para o processo de tomada de decisões, entre reuniões. especialmente ao DR: A liderança efetiva é altamente valorizada em Narcóticos Anônimos. Qualidades de liderança devem ser cuidadosamente consideradas da seleção de servidores de confiança. A WSC serve com o entendimento de que os DRs estão entre as pessoas com conhecimento e experiência que cada CSR tem para oferecer. Fóruns Regionais, dias de aprendizado e eventos relacionados aos CSR. estudo do CAR.

17 -Coordenador, assume a Coordenação do CSR. mail dos servidores da mesa, unidade Brasil, ACS e FZB. Participar ativamente das reuniões virtuais, podendo justificar sua ausência,caso necessário. Brasil. DELEGADO (A) REGIONAL SUPLENTE Requisitos s organizacionais e de comunicação. Zonal, ACS e NAWS. tos, do Manual de Procedimentos do CSR,Manual de Procedimentos da ACS, Manual de Procedimentos do Fórum Zonal que estivermos assentado, Guia Para Serviços Mundiais e o Guia Para Serviços Locais. t e Editor de Texto). Habilidade organizacional. Unidos da América. serviço ou experiência de vida pessoal. OBS: Após receber a carta de referencia do NAWS, e mesmo assim o visto for negado o Delegado suplente estará automaticamente destituído do seu encargo. Funções consulta o Suplente, convocando diferentes perspectivas sobre as questões dos serviços mundiais e nacionais, envolvendo o Suplente na distribuição do trabalho. e FZB onde ele se familiariza com os procedimentos para assumir a responsabilidade da representatividade. rência o Suplente só é reconhecido como representante do CSR (com direito a voz e voto) quando o DR está ausente da reunião.

18 seguinte para DR, é necessário que passe pelo processo eletivo do CSR. entre os CSA s e CSN s para estudo do CAR. es do CSR e da Mesa do CSR. Comunicação constante e contínua com outros e com as estruturas assentadas no CSR ajuda a manter o fluxo de informações, ao alinhamento de idéias (unidade) e contribui para o processo de tomada de decisões, entre reuniões. -Coordenador e DR, assume a Coordenação do CSR. mail dos servidores da mesa, unidade Brasil, ACS e FZB. Participar ativamente das reuniões virtuais, podendo justificar sua ausência,caso necessário. atório com 10 dias de antecedência à reunião do CSR no Unidade Brasil. COORDENADOR (A) DE INFORMAÇÃO AO PÚBLICO Requisitos sponibilidade para atendimento em eventuais contatos pessoais, em horários flexíveis. CSR, Manual de Informação ao Público, Relações Públicas e Guia Para Serviços Locais. serviço ou experiência de vida pessoal. eletrônico. Funções em que NA existe, muitas vezes em lugares que seria impossível para nós mesmos e torná-los cientes do que é Narcóticos Anônimos, o que podemos fazer e aonde nossos grupos se localizam. e CSN s através de orientações, documentos e troca de experiências, a base necessária para realizar tais trabalhos.

19 e CSN s, materiais de divulgação visando sempre melhor informar a comunidade como um todo, não se esquecendo de acompanhar a evolução de um mundo globalizado, onde algumas tecnologias criadas para divulgação em massa estão sempre sendo renovadas. resolver através de troca de experiências destes serviços as dificuldades que os subcomitês tenham em comum. termo de serviço. do CSR. Publico do CSR. mesmos. -se informado dos projetos e dificuldades dos mail dos servidores da mesa, unidade Brasil, ACS e FZB. manter todo o território nacional informado de nossa irmandade. Participar ativamente das reuniões virtuais, podendo justificar sua ausência,caso necessário. Brasil. COORDENADOR DE LINHA DE AJUDA Requisitos serviço ou experiência de vida pessoal. se tenha acesso a um correio eletrônico. flexíveis. tradições, 12 conceitos, manual de procedimento do CSR, Manual de Linha de Ajuda.e Guia Para Serviços Locais. Funções e CSN s através de orientações, documentos e troca de experiências, a base necessária para realizar tais trabalhos. resolver através de troca de experiências destes serviços as dificuldades que os subcomitês tenham em comum.

20 termo de serviço. utado durante o CSR. LDA, para manter-se informado dos projetos e dificuldades dos mesmos. mail dos servidores da mesa, unidade Brasil, ACS e FZB. de LDA dos CSR s nacionais, a fim de manter todo o território nacional informado de nossa irmandade. Participar ativamente das reuniões virtuais, podendo justificar sua ausência,caso necessário. reunião do CSR no Unidade Brasil. COORDENADOR (A) DE H&I Requisitos do CSR, Manual de H&I e Guia Para Serviços Locais. Manual de Procedimentos serviço ou experiência de vida pessoal. através de Funções e CSN s através de orientações, documentos e troca de experiências, a base necessária para realizar tais trabalhos. resolver através de troca de experiências destes serviços as dificuldades que os subcomitês tenham em comum. termo de serviço. CSR e da Mesa do CSR. Instituições do CSR. dos mesmos. H&I, para manter-se informado dos projetos e dificuldades

QUESTIONÁRIO FORUM DE DISCUSSÃO SUGESTÃO DE TEMA PARA O PRÓXIMO FORUN. (Quais as dificuldades de servir NA?) GRUPO DE ESCOLHA: CSA: ENCARGO:

QUESTIONÁRIO FORUM DE DISCUSSÃO SUGESTÃO DE TEMA PARA O PRÓXIMO FORUN. (Quais as dificuldades de servir NA?) GRUPO DE ESCOLHA: CSA: ENCARGO: QUESTIONÁRIO GRUPO DE ESCOLHA: CSA: ENCARGO: NÃO SERVE (O POR QUÊ?) : O QUE ACHOU DO FORUN: SUGESTÃO DE TEMA PARA O PRÓXIMO FORUN FORUM DE DISCUSSÃO (Quais as dificuldades de servir NA?) Manual de Tesoureiro

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO CSA SÃO PAULO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO CSA SÃO PAULO MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO CSA SÃO PAULO Manual de Procedimentos do CSA São Paulo Este Manual de Procedimentos foi feito para ser usado e compreendido por todos os RSG s e servidores do Comitê de Serviço

Leia mais

CSA SP NORTE ATA Setembro 2006 www.na.org.br/csaspnorte

CSA SP NORTE ATA Setembro 2006 www.na.org.br/csaspnorte CSA SP NORTE ATA Setembro 2006 www.na.org.br/csaspnorte Dados Gerais Da Reunião Data da Reunião 16/Setembro 2006 Local da Reunião GRUPO Vitória Inicio da Reunião 09:30 horas Termino da Reunião 17:40 horas

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Procedimentos CSA SP NORTE MAIO 2008 1 INTRODUÇÃO: Este Manual tem a intenção de ser um instrumento que nos dê direção em assuntos que venham a ser decididos ou que precisem da opinião do CSA

Leia mais

CSA SP NORTE ATA Junho - 2006

CSA SP NORTE ATA Junho - 2006 Dados Gerais Da Reunião CSA SP NORTE ATA Junho - 2006 Data da Reunião 12 de agosto de 2006 Local da Reunião Grupo Redenção Inicio da Reunião 9:20 hs Termino da Reunião 17:00 hs Total de Grupos do CSA 15

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS ÍNDICE Prefácio...pg. 03 Histórico de Narcóticos Anônimos no Paraná...pg. 04 CAPITULO 01 As Doze Tradições de N.A...pg. 05 Os Doze Conceitos para Serviço em N.A...pg. 06 CAPITULO 02 Comitê de Serviço de

Leia mais

REUNIÃO DE SERVIÇO MAIO 2011

REUNIÃO DE SERVIÇO MAIO 2011 Linha de Ajuda Cearense - (85) 9115-4664/8535-6628 23 de Maio de 2011 REUNIÃO DE SERVIÇO MAIO 2011 PROXIMA REUNIÃO 18/07/2011 ASSEMBLEIA Numero: (85) 9115-4664 / 8535-6628 Grupo de Email: linhadeajuda-ce@yahoogrupos.com.br

Leia mais

ATA da reunião de Fevereiro de 2014

ATA da reunião de Fevereiro de 2014 Comitê de Serviço de Área -CSA SP NORTE Rua Gabriel Piza, 487 Santana São Paulo - SP www.na.org.br/csaspnorte Linha de 3101-9626 ATA da reunião de Fevereiro de 2014 DADOS GERAIS Data 08/02/2014 Local Rua

Leia mais

Chamada das Áreas, Servidores da Mesa e RSG s, para verificação de quórum Estiveram presentes 09 membros, sendo 06 os membros votantes:

Chamada das Áreas, Servidores da Mesa e RSG s, para verificação de quórum Estiveram presentes 09 membros, sendo 06 os membros votantes: CSR - Comitê de Serviço Regional Rio Grande do Sul Ata 06 16 de junho de 2012 Data: 16/06/2012 - Sábado Local: Sede do CSA Porto Alegre Início: 20:00h Término: 00:00h Abertura com a Oração da Serenidade

Leia mais

PARA A JUNTA DE CURADORES DOS GRUPOS FAMILIARES AL-ANON DO BRASIL

PARA A JUNTA DE CURADORES DOS GRUPOS FAMILIARES AL-ANON DO BRASIL Guia do Al-Anon C-12 PARA A JUNTA DE CURADORES DOS GRUPOS FAMILIARES AL-ANON DO BRASIL Este Guia define as funções e responsabilidades da Junta de Curadores dos Grupos Familiares Al-Anon do Brasil, bem

Leia mais

Associação para Comitês de Serviços

Associação para Comitês de Serviços ATA DA REUNIÃO DA ACS EM 02 DE MARÇO DE 2013 Copacabana Praia Hotel Rua Francisco Otaviano, 30 - Copacabana Rio de Janeiro - RJ Início: 08:30 h Término: 15:30 h Presenças: Membros: Gilberto (ACS), Tuninho

Leia mais

...Totalmente auto-sustentável recusando contribuições de fora sétima tradição

...Totalmente auto-sustentável recusando contribuições de fora sétima tradição FOLHETO DE SERVIÇO - TRADUÇÃO NÃO-APROVADA 26/08/10 VERSÃO A ESTE MATERIAL NÃO PODE SER VENDIDO, MAS PODE SER DIVULGADO E COPIADO, SEGUNDO ORIENTAÇÕES DO MANUAL DE TRADUÇÕES ( BASIC TRANSLATIONS ) DA IRMANDADE

Leia mais

Guia do Al-Anon G-4 PARA UM SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AL-ANON

Guia do Al-Anon G-4 PARA UM SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AL-ANON Guia do Al-Anon G-4 PARA UM SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AL-ANON HISTÓRICO E UTILIDADE DOS SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO AL-ANON Foi em New York que se criou o primeiro Intergrupo (Serviço de Informação Al-Anon atual),

Leia mais

Processo para Candidatura, Recrutamento, Revisão e Avaliação dos Candidatos (as) Indicados (as) para o Cargo de Moderador(a)

Processo para Candidatura, Recrutamento, Revisão e Avaliação dos Candidatos (as) Indicados (as) para o Cargo de Moderador(a) Processo para Candidatura, Recrutamento, Revisão e Avaliação dos Candidatos (as) Indicados (as) para o Cargo de Moderador(a) Emitido pelo Comitê de Nomeação de Moderador(a) Março de 2014 Aprovado pela

Leia mais

PARA REUNIÕES AL-ANON ON-LINE

PARA REUNIÕES AL-ANON ON-LINE Guia do Al-Anon PARA REUNIÕES AL-ANON ON-LINE Introdução Os Grupos Familiares Al-Anon reconhecem o potencial e o valor da internet para comunicar informações sobre o Al-Anon/Alateen, oferecendo esperança

Leia mais

PARA REUNIÕES AL-ANON ON-LINE

PARA REUNIÕES AL-ANON ON-LINE Guias do Al-Anon G-39/S-60 PARA REUNIÕES AL-ANON ON-LINE Os Grupos Familiares Al-Anon reconhecem o potencial e o valor da Internet para comunicar informações sobre o Al-Anon/Alateen, oferecendo esperança

Leia mais

PARA REUNIÕES AL-ANON ON-LINE

PARA REUNIÕES AL-ANON ON-LINE PARA REUNIÕES AL-ANON ON-LINE S-60 Os Grupos Familiares Al-Anon reconhecem o potencial e o valor da Internet para comunicar informações sobre o Al-Anon/Alateen, oferecendo esperança e alívio a familiares

Leia mais

IP Nº 24. Importância do Dinheiro Autossustento em NA

IP Nº 24. Importância do Dinheiro Autossustento em NA IP Nº 24 Importância do Dinheiro Autossustento em NA ...totalmente autossustentado, recusando contribuições de fora. Sétima Tradição Uma história tem sido contada a respeito dos primórdios de Narcóticos

Leia mais

PARA INICIAR UM GRUPO AL-ANON

PARA INICIAR UM GRUPO AL-ANON Guia do Al-Anon G-12 PARA INICIAR UM GRUPO AL-ANON Se não houver nenhum Grupo Al-Anon em sua comunidade, você pode iniciar um, junto com uma ou duas outras pessoas que precisam e querem a ajuda do Al-Anon.

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DAS MULHERES REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE

CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DAS MULHERES REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DAS MULHERES REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE Art.1º _ O Conselho Nacional dos Direitos da Mulher CNDM, é órgão colegiado de natureza consultiva e deliberativa,

Leia mais

Comitê de Serviço de Área -CSA SP NORTE Rua Gabriel Pizza, 487 Santana - SP www.na.org.br/csaspnorte Linha de Ajuda 3101-9626 Linha de 3101-9626

Comitê de Serviço de Área -CSA SP NORTE Rua Gabriel Pizza, 487 Santana - SP www.na.org.br/csaspnorte Linha de Ajuda 3101-9626 Linha de 3101-9626 Ata da Reunião de Junho de 2014 DADOS GERAIS Data 14/06/2014 Local Rua Gabriel Pizza, 487 Santana. Inicio 09:00h Almoço 12:00 às 13:30 Termino 17H30 Total de Grupos do CSA 30 Grupos Representados Nesta

Leia mais

Narcotics Anonymous Narcóticos Anônimos. Livreto do Grupo. Revisado

Narcotics Anonymous Narcóticos Anônimos. Livreto do Grupo. Revisado Narcotics Anonymous Narcóticos Anônimos Livreto do Grupo Revisado Os Doze Passos de Narcóticos Anônimos 1. Admitimos que éramos impotentes perante a nossa adicção, que nossas vidas tinham se tornado incontroláveis.

Leia mais

Manter se limpo na rua

Manter se limpo na rua Manter se limpo na rua Tradução de literatura aprovada pela Irmandade de NA. Copyright 1993 by Narcotics Anonymous World Services, Inc. Todos os direitos reservados Muitos de nós tiveram o primeiro contato

Leia mais

União dos Escoteiros do Brasil Região do Rio Grande do Sul O Ramo Pioneiro em 1º lugar

União dos Escoteiros do Brasil Região do Rio Grande do Sul O Ramo Pioneiro em 1º lugar União dos Escoteiros do Brasil Região do Rio Grande do Sul O Ramo Pioneiro em 1º lugar Regulamento do Ramo Pioneiro no Rio Grande do Sul TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INTRODUTÓRIAS CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO

Leia mais

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DA GOVERNANÇA

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DA GOVERNANÇA CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DA GOVERNANÇA Versão 1.0 Setembro/2014 Página2 2014 Programa de Desenvolvimento Econômico do Território Oeste do Paraná Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada

Leia mais

Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs

Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs Preâmbulo O Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs (FIP) foi criado em outubro de 2008, em Paris, pelo conjunto de 82 plataformas

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem TelEduc GUIA DO FORMADOR. Curso de Especialização em Educação Profissional e Tecnológica Inclusiva

Ambiente Virtual de Aprendizagem TelEduc GUIA DO FORMADOR. Curso de Especialização em Educação Profissional e Tecnológica Inclusiva Ambiente Virtual de Aprendizagem TelEduc GUIA DO FORMADOR Curso de Especialização em Educação Profissional e Tecnológica Inclusiva http://teleduc.cefetmt.br Edição 2006/2 Curso de Especialização em Educação

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO DO M3

MANUAL DO USUÁRIO DO M3 MANUAL DO USUÁRIO DO M3 1 CADASTROS 1.1 Clientes Abre uma tela de busca na qual o usuário poderá localizar o cadastro dos clientes da empresa. Preencha o campo de busca com o nome, ou parte do nome, e

Leia mais

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos Art.1º A Diretoria Regional (DR) da SBEM-RN é órgão executivo

Leia mais

ICC 110-13 Rev. 1. 23 março 2015 Original: inglês. Termos de referência para Comitês e órgãos consultivos. Antecedentes

ICC 110-13 Rev. 1. 23 março 2015 Original: inglês. Termos de referência para Comitês e órgãos consultivos. Antecedentes ICC 110-13 Rev. 1 23 março 2015 Original: inglês P Termos de referência para Comitês e órgãos consultivos Antecedentes O presente documento contém os termos de referência atualizados para os seguintes

Leia mais

PARA O COMITÊ DE CONFERÊNCIA DE SERVIÇOS GERAIS (CSG) 1 A Conferência de Serviços Gerais, do ponto de vista estatutário.

PARA O COMITÊ DE CONFERÊNCIA DE SERVIÇOS GERAIS (CSG) 1 A Conferência de Serviços Gerais, do ponto de vista estatutário. 29GE PARA O COMITÊ DE CONFERÊNCIA DE SERVIÇOS GERAIS (CSG) 1 A Conferência de Serviços Gerais, do ponto de vista estatutário. A Conferência de Serviços Gerais é o corpo permanente autorizado a expressar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA Campus Bagé Curso de Engenharia de Computação. Regulamento de Trabalho de Conclusão de Curso

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA Campus Bagé Curso de Engenharia de Computação. Regulamento de Trabalho de Conclusão de Curso UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA Campus Bagé Curso de Engenharia de Computação Regulamento de Trabalho de Conclusão de Curso Capítulo I Da Caracterização e dos Objetivos Art. 1 o O Trabalho de Conclusão de

Leia mais

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 CENTRO DA QUALIDADE, SEGURANÇA E PRODUTIVIDADE PARA O BRASIL E AMÉRICA LATINA PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 Diretrizes para auditorias de sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Relatório de atividades desenvolvidas - FSM 2005 Marcelo Daniliauskas Atividades desenvolvidas antes

Leia mais

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO Caro(a) aluno(a), seja bem-vindo às Disciplinas Online da Faculdade Presidente Antônio Carlos de Bom Despacho e Faculdade de Educação de Bom Despacho. Em pleno século 21, na era digital, não poderíamos

Leia mais

COLEGIADO DE FISCAIS DE TRIBUTOS, AUDITORES FISCAIS E TÉCNICOS DA TRIBUTAÇÃO DA AMOSC REGIMENTO INTERNO

COLEGIADO DE FISCAIS DE TRIBUTOS, AUDITORES FISCAIS E TÉCNICOS DA TRIBUTAÇÃO DA AMOSC REGIMENTO INTERNO COLEGIADO DE FISCAIS DE TRIBUTOS, AUDITORES FISCAIS E TÉCNICOS DA TRIBUTAÇÃO DA AMOSC REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º O Colegiado de Fiscais de Tributos, Auditores

Leia mais

810 CONSTITUIÇÃO DA JUVENTUDE NAZARENA INTERNACIONAL

810 CONSTITUIÇÃO DA JUVENTUDE NAZARENA INTERNACIONAL 810 CONSTITUIÇÃO DA JUVENTUDE NAZARENA INTERNACIONAL Ninguém despreze a tua mocidade; pelo contrário, torna-te padrão dos fiéis, na palavra, no procedimento, no amor, na fé,na pureza. I Timóteo 4:12 810.1.

Leia mais

O Comitê Gestor da CEIHC é composto por postos deliberativos e postos consultivos.

O Comitê Gestor da CEIHC é composto por postos deliberativos e postos consultivos. REGIMENTO DA COMISSÃO ESPECIAL DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE COMPUTAÇÃO (CEIHC-SBC) Data de Aprovação em Assembléia: 26 de outubro de 2011 1 Objetivo A Comissão Especial de

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS SEÇÃO 7 Desenvolvimento de É importante pensar sobre como desenvolver os funcionários a fim de melhorar o trabalho da organização. O desenvolvimento de poderia consistir em ensino, oportunidades para adquirir

Leia mais

Jovens ADICTOS, para. Jovens ADICTOS

Jovens ADICTOS, para. Jovens ADICTOS [ De ADICTOS, para Jovens Jovens ADICTOS ] [viver] Este folheto foi escrito por jovens membros de Narcóticos Anônimos que ficaram limpos e descobriram uma nova maneira de viver. Jovens adictos em todo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. - Associação Brasileira de Energia Nuclear - (Aben)

REGIMENTO INTERNO. - Associação Brasileira de Energia Nuclear - (Aben) REGIMENTO INTERNO - Associação Brasileira de Energia Nuclear - (Aben) Este Regimento Interno, aprovado na Assembléia Geral Ordinária da Associação Brasileira de Energia Nuclear (ABEN), realizada em 29

Leia mais

SUGESTÕES PARA O DEBATE SOBRE O REGIMENTO INTERNO

SUGESTÕES PARA O DEBATE SOBRE O REGIMENTO INTERNO SUGESTÕES PARA O DEBATE SOBRE O REGIMENTO INTERNO Os Fóruns estão começando a rever seus Regimentos Internos e conferindo se estes estão colaborando da melhor forma possível para seu funcionamento. Este

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DO CONSELHO, ATRIBUIÇÕES E SUA COMPOSIÇÃO Art. 1.º- O Conselho Municipal de Educação de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº1.176 de

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA

REGULAMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA PROPÓSITO E AUTORIDADE QUEPASA CORPORATION REGULAMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA O comitê de auditoria da mesa diretiva do Quepasa Corporation (a Companhia ) se apresenta diante das responsabilidades

Leia mais

FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO. CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições:

FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO. CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições: FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições: Artigo I: O Fórum Permanente da Agenda 21 de Saquarema, criado pelo

Leia mais

ATA DA REUNIÃO DA DIRETORIA JANEIRO DE 2014 15 de janeiro de 2014

ATA DA REUNIÃO DA DIRETORIA JANEIRO DE 2014 15 de janeiro de 2014 Associação para Comitês de Serviços Avenida Beira Mar, 216 Sala 603 Centro Rio de Janeiro RJ - Brazil ZIP/CEP: 20021-060 Phone: (55 21) 2532-1580 ATA DA REUNIÃO DA DIRETORIA JANEIRO DE 2014 15 de janeiro

Leia mais

160945 Agrupamento de Escolas de Esgueira ÍNDICE

160945 Agrupamento de Escolas de Esgueira ÍNDICE ÍNDICE Artigo 1.... 4 Finalidades... 4 Artigo 2.... 4 Composição... 4 Artigo 3.... 4 Competências do Conselho Geral... 4 Artigo 4º... 5 Duração do Mandato... 5 Artigo 5º... 5 Perda do Mandato... 5 Artigo

Leia mais

Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade

Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade Art. 1º - O Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI- possui atribuições de caráter propositivo

Leia mais

COMISSÃO ESTADUAL DA AGENDA TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE ALFABETIZAÇÃO E DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO ESPÍRITO SANTO

COMISSÃO ESTADUAL DA AGENDA TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE ALFABETIZAÇÃO E DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO ESPÍRITO SANTO COMISSÃO ESTADUAL DA AGENDA TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE ALFABETIZAÇÃO E DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO ESPÍRITO SANTO REGIMENTO INTERNO SUMÁRIO CAPITULO I Do fundamento legal CAPITULO

Leia mais

Programa EAD-EJEF. Manual do Estudante

Programa EAD-EJEF. Manual do Estudante Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais - TJMG Escola Judicial Desembargador Edésio Fernandes - EJEF Programa de Educação a Distância do TJMG EAD-EJEF Programa EAD-EJEF Manual do Estudante Versão

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO - CTIC

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO - CTIC REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO - CTIC APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 110/2013, de 08/07/2013 REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES CONSELHO DIRETOR RESOLUÇÃO No- 623, DE 18 DE OUTUBRO DE 2013 Aprova o Regulamento de Conselho de Usuários. O CONSELHO DIRETOR DA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES,

Leia mais

RELATÓRIO DA AGENDA DA CONFERÊNCIA

RELATÓRIO DA AGENDA DA CONFERÊNCIA O IMPORTANTE É LEVAR A MENSAGEM RELATÓRIO DA AGENDA DA CONFERÊNCIA 23 29 DE ABRIL DE 2006 Declaração de Missão da Conferência Mundial de Serviço A Conferência Mundial de Serviço reúne todos os e- lementos

Leia mais

Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

V - Modelo de Gestão, Planejamento e Acompanhamento

V - Modelo de Gestão, Planejamento e Acompanhamento 24 V - Modelo de Gestão, Planejamento e Acompanhamento Orçamento Participativo e demais fóruns de planejamento e gestão O Planejamento e a Gestão do município do Recife estão hoje apoiados por um sistema

Leia mais

REGULAMENTO E NORMAS DE PROCEDIMENTO 1/ CAPÍTULO I ALCANCE DO REGULAMENTO E NORMAS DE PROCEDIMENTO

REGULAMENTO E NORMAS DE PROCEDIMENTO 1/ CAPÍTULO I ALCANCE DO REGULAMENTO E NORMAS DE PROCEDIMENTO MECANISMO DE ACOMPANHAMENTO DA OEA/Ser.L IMPLEMENTAÇÃO DA CONVENÇÃO SG/MESICIC/doc.9/04 rev. 5 INTERAMERICANA CONTRA A CORRUPÇÃO 12 setembro 2014 Original: espanhol Comissão de Peritos REGULAMENTO E NORMAS

Leia mais

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 490, DE 24 DE JANEIRO DE 2008 REGULAMENTO DE CONSELHO DE USUÁRIOS DO STFC CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Este Regulamento estabelece as regras básicas para implantação,

Leia mais

PROGRAMA DE MENTOR DO LIONS

PROGRAMA DE MENTOR DO LIONS PROGRAMA DE MENTOR DO LIONS Guia Básico de Mentoreamento ÍNDICE Introdução Para o mentoreado 3 Para o mentor 4 Programa de Mentor do Lions Programa Básico de Mentor 5 Programa Avançado de Mentor 5 Sobre

Leia mais

CARTILHA A.B.F. CANAIS DE RELACIONAMENTO NO SISTEMA DE FRANQUIA

CARTILHA A.B.F. CANAIS DE RELACIONAMENTO NO SISTEMA DE FRANQUIA CARTILHA A.B.F. CANAIS DE RELACIONAMENTO NO SISTEMA DE FRANQUIA 1. INTRODUÇÃO O Sistema de Franquia pressupõe uma parceria entre Franqueador e sua rede de Franqueados, visando benefícios recíprocos. Nesta

Leia mais

Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS

Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS TERMOS DE REFERÊNCIA Versão 17/07/2012 No âmbito de um processo

Leia mais

Guia do Tutor de EaD

Guia do Tutor de EaD Guia do Tutor de EaD Cursos na modalidade a distância NEAD Núcleo de Educação a Distância Bento Gonçalves, Novembro de 2008. Apresentação Olá! Seja bem vindo(a) ao Curso de Formação de Tutores para EaD

Leia mais

MINUTA DE REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DE CÂMPUS

MINUTA DE REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DE CÂMPUS MINUTA DE REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DE CÂMPUS CAPÍTULO I Das Disposições Iniciais, Categoria e Finalidades Art. 1º - O Conselho de Câmpus do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 1. ANTECEDENTES:

TERMO DE REFERÊNCIA 1. ANTECEDENTES: TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA OU PROFISSIONAL CONSULTOR PARA O DESENHO, HABILITAÇÃO E MANUTENÇÃO DO PORTAL NA WEB DO INSTITUTO SOCIAL DO MERCOSUL. 1. ANTECEDENTES: Atualmente o site do Instituto

Leia mais

PADRÃO DO SISTEMA DE GESTÃO

PADRÃO DO SISTEMA DE GESTÃO Emitente QUALIDADE E GESTÃO Revisão: 00 Pág. 1/5 Nome Data Elaboração Verificação Aprovação Núcleo de Gestão e Qualidade. Núcleo de Gestão e Qualidade Alta Direção (subprefeito, coordenadores, chefe de

Leia mais

2. Princípios fundamentais. 3. Objetivos

2. Princípios fundamentais. 3. Objetivos CARTA DE PRINCÍPIOS DO FÓRUM NACIONAL DOS TRABALHADORES DO SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL FTSUAS. Princípios norteadores de funcionamento do Fórum 1. Natureza O Fórum Nacional dos Trabalhadores do

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

PEN - Processo de Entendimento das Necessidades de Negócio Versão 1.4.0

PEN - Processo de Entendimento das Necessidades de Negócio Versão 1.4.0 PEN - Processo de Entendimento das Necessidades de Negócio Versão 1.4.0 Banco Central do Brasil, 2015 Página 1 de 14 Índice 1. FLUXO DO PEN - PROCESSO DE ENTENDIMENTO DAS NECESSIDADES DE NEGÓCIO... 3 2.

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM REGIMEN TO INTERNO CAPÍTULO I Das finalidades e objetivos Art. 1º A 9ª JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA doravante denominado (9ª. JBEGG), acontecerá na cidade de Fortaleza, de

Leia mais

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos

Leia mais

Instruções sobre a Bolsa do Programa DSD

Instruções sobre a Bolsa do Programa DSD Instruções sobre a Bolsa do Programa DSD Este documento contém as instruções para a inscrição no processo seletivo da bolsa do Programa Drogas, Segurança e Democracia (DSD). Por favor, imprima-o e consulte-o

Leia mais

Regimento Interno da Associação Ambientalista Pimentão

Regimento Interno da Associação Ambientalista Pimentão Regimento Interno da Associação Ambientalista Pimentão página 1-4 Regimento Interno da Associação Ambientalista Pimentão CAPÍTULO I Da Regulamentação do Regimento Interno Art. 1º - O presente Regimento

Leia mais

CURSO: DIREITO MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PROJETO INTERDISCIPLINAR. TEMA: (definido pela coordenação de pesquisa) SUBTEMA (escolha do grupo)

CURSO: DIREITO MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PROJETO INTERDISCIPLINAR. TEMA: (definido pela coordenação de pesquisa) SUBTEMA (escolha do grupo) CURSO: DIREITO MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PROJETO INTERDISCIPLINAR TEMA: (definido pela coordenação de pesquisa) SUBTEMA (escolha do grupo) Coordenador de Pesquisa: Prof. Charley Teixeira Chaves Piumhi, Agosto

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Er REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Art 1º O Fórum da Agenda 21 Local Regional de Rio Bonito formulará propostas de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sustentável local, através

Leia mais

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA 11 PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA O PVANet é o ambiente virtual de aprendizagem (AVA) de uso exclusivo da UFV. Os AVAs apresentam diferenças de layout, forma de acesso, funcionamento,

Leia mais

GRUPO SCHEILLA REGIMENTO INTERNO Título: Conselho de Administração - CAD Revisão: 0

GRUPO SCHEILLA REGIMENTO INTERNO Título: Conselho de Administração - CAD Revisão: 0 Aprovação CAD: Data: 29-11-08 Aprovação CRA: Data: 11-01-09 1. FINALIDADE DO REGIMENTO INTERNO Regulamentar o funcionamento do Conselho de Administração (CAD), previsto no Artigo 20 do Estatuto Social.

Leia mais

Apresentação. Grupo de Trabalho Lívia Pommerening (Anauê 174/RS) Marjorie Friedrich (Guia Lopes 002/RS) Rebeca Pizzi Rodrigues (Novo Horizonte 137/RS)

Apresentação. Grupo de Trabalho Lívia Pommerening (Anauê 174/RS) Marjorie Friedrich (Guia Lopes 002/RS) Rebeca Pizzi Rodrigues (Novo Horizonte 137/RS) Apresentação Com o crescimento despontado da rede a cada ano, e havendo práticas já rotineiras, consolidadas em cima dos parâmetros nacionais, regimentos da UEB e as características fortes dos escoteiros

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO DAS SESSÕES TÉCNICAS

MANUAL DE OPERAÇÃO DAS SESSÕES TÉCNICAS SNPTEE Documento Permanente SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E Abril de 2010 TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA MANUAL DE OPERAÇÃO DAS SESSÕES TÉCNICAS 1.0 INTRODUÇÃO Este Manual de Operação das Sessões Técnicas

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE CUIDADOS PALIATIVOS. Núcleo da Região Autónoma dos Açores Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos NRA - APCP

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE CUIDADOS PALIATIVOS. Núcleo da Região Autónoma dos Açores Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos NRA - APCP ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE CUIDADOS PALIATIVOS Núcleo da Região Autónoma dos Açores Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos NRA - APCP abril de 2012 Núcleo Regional dos Açores da Associação Portuguesa

Leia mais

www.siteware.com.br Versão 2.6

www.siteware.com.br Versão 2.6 www.siteware.com.br Versão 2.6 Sumário Apresentação... 4 Login no PortalSIM... 4 Manutenção... 5 Unidades... 5 Unidades... 5 Grupos de CCQ... 5 Grupos de unidades... 6 Tipos de unidades... 6 Sistema de

Leia mais

A.A. Guidelines Comitê de Finanças

A.A. Guidelines Comitê de Finanças A.A. Guidelines Comitê de Finanças from G.S.O., Box 459, Grand Central Station, New York, NY 10163 Os Guias são compilados a partir da experiência compartilhada dos membros de A.A. em várias áreas de serviço.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1.º - O Conselho Fiscal do Fundo de Aposentadoria e Pensão do Servidor- FAPS, criado

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA FAZENDA. Nota Fiscal Paulista. Manual da Entidade Social

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA FAZENDA. Nota Fiscal Paulista. Manual da Entidade Social GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA FAZENDA Nota Fiscal Paulista Manual da Entidade Social V.2 28.07.2009 Índice Analítico 1. Considerações Gerais 3 1.1 Definição 3 1.2

Leia mais

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS GESTÃO DE PROJETOS Prof. Me. Luís Felipe Schilling "Escolha batalhas suficientemente grandes para importar, suficientemente pequenas para VENCER." Jonathan Kozol GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK 1 GERÊNCIA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º O Colegiado Estadual de Procuradores e Advogados Municipais de Santa Catarina, que passará a utilizar com exclusividade a denominação

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO ANEEL Nº 138, DE 10 DE MAIO DE 2000

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO ANEEL Nº 138, DE 10 DE MAIO DE 2000 Acesso ao Texto Original AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO ANEEL Nº 138, DE 10 DE MAIO DE 2000 Estabelece as condições gerais para a formação, funcionamento e operacionalização dos

Leia mais

REGRAS DE PROCEDIMENTO DA CONFEDERAÇÃO PARLAMENTAR DAS AMÉRICAS

REGRAS DE PROCEDIMENTO DA CONFEDERAÇÃO PARLAMENTAR DAS AMÉRICAS REGRAS DE PROCEDIMENTO DA CONFEDERAÇÃO PARLAMENTAR DAS AMÉRICAS REGRAS DE PROCEDIMENTO DA CONFEDERAÇÃO PARLAMENTAR DAS AMÉRICAS 1. Desenvolvimento das reuniões do Comitê Executivo 1.1 Ordem do dia 1.2

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Direito

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Direito ATO DE DELIBERAÇÃO Nº 007/2009 1 PROCEDIMENTOS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO O Diretor da (FADIR) da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), no uso

Leia mais

Sugestão de Planejamento da Semana Pedagógica

Sugestão de Planejamento da Semana Pedagógica GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA EDUCAÇÃO E CULTURA DIRETORIA REGIONAL DE ENSINO DE ARAGUAINA SETOR REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO E ENSINO INTEGRAL Sugestão de Planejamento da Semana

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão

Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão 1 ARTIGO Artigo 1º - NATUREZA, OBJETO E APROVAÇÃO DO REGIMENTO INTERNO Artigo 2º - COMPOSIÇÂO, CARGOS E MANDATOS Artigo 3º - DA PRESIDÊNCIA E SECRETARIADO

Leia mais

Art. 2 A Liga possui estatuto, gestão e gerenciamento próprios, tendo a sua Diretoria direitos e deveres para exercer suas funções em estatuto.

Art. 2 A Liga possui estatuto, gestão e gerenciamento próprios, tendo a sua Diretoria direitos e deveres para exercer suas funções em estatuto. Estatuto da Liga de Cirurgia da Universidade Federal de São Carlos. 08/05/2013 Da Disposição Geral Sobre a Liga de Cirurgia da UFSCar Art. 1 - A Liga de Cirurgia da UFSCar é uma instituição acadêmica,

Leia mais

Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte

Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte Sumário Apresentação O papel do Aluno Ambiente Virtual de Aprendizagem Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte Dúvidas 3 5 6 9 10 11 14

Leia mais

ESTATUTOS DO AMERICAN CLUB OF LISBON. (Escriturados em 2014) CAPÍTULO I. Denominação, sede, duração e objectivos. Artigo Primeiro

ESTATUTOS DO AMERICAN CLUB OF LISBON. (Escriturados em 2014) CAPÍTULO I. Denominação, sede, duração e objectivos. Artigo Primeiro 1 ESTATUTOS DO AMERICAN CLUB OF LISBON (Escriturados em 2014) CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objectivos Artigo Primeiro Denominação, duração e sede 1. É constituído o AMERICAN CLUB OF LISBON,

Leia mais

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br MANUAL DO ALUNO Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA http://www.fgf.edu.br Sala Virtual TelEduc O TelEduc é um ambiente virtual desenvolvido Unicamp para apoiar professores

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes pág. 1 PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes MISSÃO Somos uma rede nacional escoteira de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS. Capítulo I Da denominação e sede

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS. Capítulo I Da denominação e sede REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS Capítulo I Da denominação e sede Art. 1º A Associação dos Amigos do Hospital Materno-Infantil Presidente Vargas,

Leia mais

Processo Único de Federação- PUF

Processo Único de Federação- PUF Processo Único de Federação- PUF 1 1. O que é a FEJEPAR? A Federação das Empresas Juniores do Estado do Paraná FEJEPAR, fundada no ano de 1996 na cidade de Curitiba, é uma instituição sem fins lucrativos,

Leia mais

PROCEDIMENTO DE RESOLUÇÃO DE DISPUTAS PÓS- DELEGAÇÃO DE MARCAS (PDDRP DE MARCAS) 4 DE JUNHO DE 2012

PROCEDIMENTO DE RESOLUÇÃO DE DISPUTAS PÓS- DELEGAÇÃO DE MARCAS (PDDRP DE MARCAS) 4 DE JUNHO DE 2012 PROCEDIMENTO DE RESOLUÇÃO DE DISPUTAS PÓS- DELEGAÇÃO DE MARCAS (PDDRP DE MARCAS) 4 DE JUNHO DE 2012 1. Partes da disputa As partes da disputa serão o titular da marca e o operador de registro do gtld.

Leia mais