UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ GESTÃO Reitor Prof. Dr. Zaki Akel Sobrinho. Vice-Reitor Prof. Dr. Rogério Andrade Mulinari

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ GESTÃO 2008-2012. Reitor Prof. Dr. Zaki Akel Sobrinho. Vice-Reitor Prof. Dr. Rogério Andrade Mulinari"

Transcrição

1

2 COMO PROCEDER Manual de Orientações sobre Compras, Importações, Patrimônio, SCDP, Dispensa e Inexigibilidade de Licitação, Normas Internas, no âmbito da UFPR CURITIBA 2013

3 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ GESTÃO Reitor Prof. Dr. Zaki Akel Sobrinho Vice-Reitor Prof. Dr. Rogério Andrade Mulinari Pró-Reitor de Administração Prof. Paulo Roberto Rocha Krüger Diretora do DSG/Central de Compras, Contratos e Patrimônio Sônia Maria da Silva Rocha Elaboração Direção e Colaboradores das Equipes do DSG/CECOM Impressão e Acabamento Imprensa Universitária da UFPR

4 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 1 PARTE 1 - COMPRAS PREPARAÇÃO DO PROCESSO DE COMPRA OU CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO... 4 MODELOS PARA OS DOCUMENTOS CITADOS NO OFÍCIO CIRCULAR 166/ PLANILHA DE NECESSIDADES: DECLARAÇÃO DE BENS/SERVIÇOS COMUNS: PLANILHA DE CÁLCULO DO CUSTO MÉDIO: DECLARAÇÃO DE PESQUISA DE MERCADO INFORMAÇÃO SOBRE ELEMENTO DE DESPESA: TERMO DE RESPONSABILIDADE PATRIMONIAL DECLARAÇÃO DE FISCAL DE CONTRATO TERMO DE REFERÊNCIA CONSIDERAÇÕES IMPORTANTES A IMPORTÂNCIA DA REALIZAÇÃO DE PESQUISA DE MERCADO A IMPORTÂNCIA DO TERMO DE REFERÊNCIA SOLICITAÇÕES DE AMOSTRAS A IMPORTÂNCIA DO PARECER TÉCNICO FASE INTERNA DA LICITAÇÃO O QUE É PREGÃO?... 26

5 2 O QUE É REGISTRO DE PREÇOS? INSTAURAÇÃO DA LICITAÇÃO DO PLANEJAMENTO E DOS PRAZOS FASE EXTERNA DA LICITAÇÃO PUBLICIDADE COMPETIÇÃO (VIA ELETRÔNICA) HABILITAÇÃO ADJUDICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO PROCEDIMENTOS APÓS A HOMOLOGAÇÃO DO PREGÃO DISPONIBILIZAÇÃO DOS PREGÕES VIGENTES DO RECEBIMENTO E DAS PENALIZAÇÕES PARTE 2 - IMPORTAÇÃO SOLICITAÇÃO DE IMPORTAÇÃO ANEXOS CITADOS NOS OFÍCIOS 247 E 296/ ANEXO I - SOLICITAÇÃO DE IMPORTAÇÃO ANEXO II: PROFORMA INVOICE ANEXO III: SOLICITAÇÃO DE REGISTRO E LANÇAMENTO NO CPR ANEXO IV: PEDIDO DE DISPENSA DE LICITAÇÃO ANEXO V: FICHA DE IDENTIFICAÇÃO DA COMPRA ANEXO VI: CONSULTA À DIVISÃO DE PATRIMÔNIO PARTE 3 - SITUAÇÕES ESPECIAIS PEDIDOS DE PASSAGENS NO SISTEMA SCDP... 62

6 PREPARAÇÃO DO PROCESSO DE COMPRA OU SERVIÇO DE FORMA EMERGENCIAL PROCEDIMENTOS PREPARAÇÃO DO PROCESSO POR INEXIGIBILIDADE DE LICITAÇÃO QUANDO O FORNECEDOR É EXCLUSIVO REQUISITOS PARA A CONTRATAÇÃO Encaminhamentos: PREPARAÇÃO DO PROCESSO POR INEXIGIBILIDADE DE LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE NOTÓRIO SABER REQUISITOS PARA A CONTRATAÇÃO MODELOS DE DOCUMENTOS PARA DISPENSA E INEXIGIBILIDADE DE LICITAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE DISPENSA DE LICITAÇÃO TERMO DE INEXIGIBILIDADE DE LICITAÇÃO (FORNECEDOR EXCLUSIVO) 82 4 TERMO DE INEXIGIBILIDADE DE LICITAÇÃO (NOTÓRIO SABER) PARTE 4 - NORMAS E REGULAMENTOS ORDEM DE SERVIÇO N 06/2009-PRA RESOLUÇÃO Nº 51/09-COPLAD GUIA DE TRANSFERÊNCIA DE BENS MÓVEIS FORMULÁRIO PARA RECOLHIMENTO DE BENS SUBMETIDOS A AGENTES CONTAMINANTES RESOLUÇÃO N 55/09-COPLAD

7 ORDEM DE SERVIÇO N 001/2010-PRA ORDEM DE SERVIÇO N 02/2011-PRA ORDEM DE SERVIÇO Nº 006/2011-PRA ANEXO 1 TERMO DE ENCERRAMENTO DE VOLUME PROCESSUAL ANEXO 2 TERMO DE ABERTURA DE VOLUME PROCESSUAL ORDEM DE SERVIÇO Nº 08/2011-PRA ORDEM DE SERVIÇO N 02/2012-PRA ANEXOS FASES DA LICITAÇÃO CONTATOS

8

9 INTRODUÇÃO A Pró-Reitoria de Administração, através do DSG/Central de Compras, Contratos e Patrimônio, apresenta a segunda edição do Manual de Compras e Importações na UFPR. O objetivo é colaborar com as diversas Unidades e Setores da UFPR, esclarecendo os procedimentos licitatórios a fim de tornar mais ágeis e eficientes as aquisições e contratações desta Universidade. A principal função do manual é informar, basicamente, quais os procedimentos adotados para realização de Pregão Eletrônico, modalidade de licitação adotada pela Administração Pública Federal para realizar suas compras e contratações de serviços. O Pregão foi instituído pela Medida Provisória 2.026, de 04 de maio de 2000, convertida na Lei nº de 17 de julho de 2002, sendo regulamentado pelo Decreto nº 3.555, de 08 de agosto de 2000, cujo Anexo II apresenta o rol de classificação de bens e serviços comuns. O Pregão, na forma eletrônica, recebeu regulamentação em 31 de maio de 2005, através do Decreto nº O manual traz, de maneira clara e objetiva, orientações sobre a instrução dos processos licitatórios em sua fase preparatória, enfocando a descrição do objeto, a justificativa da aquisição e a realização de pesquisa de preços de mercado. Ainda, há uma detalhada orientação para a elaboração do Termo de Referência, documento primordial que embasará o edital de Pregão e o futuro contrato. A fase externa do Pregão também é apresentada, esclarecendo sobre sua realização e os prazos de cada etapa, culminando com a contratação e procedimentos posteriores. 1

10 Espera-se colaborar para o trabalho conjunto dos Servidores em prol da Administração Pública, estabelecendo contratações vantajosas e de qualidade para o bom desempenho das atividades da Universidade Federal do Paraná, visando o bem comum. SOMOS TODOS UFPR! 2

11 PARTE 1: COMPRAS

12 PREPARAÇÃO DO PROCESSO DE COMPRA OU CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO Todo processo licitatório parte da motivação de uma unidade interessada na aquisição de algum bem ou contratação de algum serviço, a qual gera um Processo Administrativo que, por sua vez, deve ser instruído de acordo com o Ofício Circular nº 166/2012-DSG/CECOM/PRA: Ofício Circular nº 166/2012-DSG/CECOM Curitiba, 20 de julho de Da Direção do DSG/Central de Compras, Contratos e Patrimônio Às Direções de Setores, Pró-Reitorias e demais unidades da UFPR A Central de Compras tem ampliado seu atendimento ao longo dos anos, o que proporcionou maior agilidade e presteza nos serviços de solicitações de compras. O Ofício 340/2010 representou importante avanço neste processo, ao uniformizar os procedimentos para as diversas instâncias de análise dos processos de compras, norteando o trabalho das unidades solicitantes. 4

13 Entretanto, com o passar do tempo, alguns procedimentos foram revistos e aprimorados, de tal maneira que se tornou necessário, também, atualizar o documento de referência para os processos de compras por licitação. A seguir, apresentamos a sequência de documentos do processo, lembrando que modelos dos documentos estão disponíveis em nosso site na internet: Não será possível tramitar processos com falta e/ou insuficiência das informações abaixo: 1. Capa: conforme modelo padrão em uso. a. Os documentos deverão estar em ordem cronológica, com suas páginas numeradas e rubricadas. b. deverão ser montados processos, separadamente, para material e para serviços. Quando se tratar de serviço com fornecimento de materiais, o que prevalece é o serviço (inclusive para emissão do empenho e para o tipo de nota fiscal a ser emitido pelo fornecedor). c. Especificamente para materiais, sugerimos o agrupamento de itens semelhantes em um mesmo processo, que respeitem uma mesma linha de fornecimento, por exemplo: material químico, móveis, equipamentos de áudio e vídeo, equipamentos de laboratório, itens de almoxarifado, microcomputadores, etc. 2. Ofício da unidade: documento em que se solicita o material ou serviço, por iniciativa do ordenador de despesa ou com sua anuência; 5

14 3. Justificativa de aquisição: documento informando detalhadamente sobre a necessidade do material ou serviço, mencionando, ainda, quais os danos causados à unidade pela sua não aquisição. Este documento deve estar datado e assinado; 4. Planilha de necessidades: relação dos materiais ou serviços, com suas especificações técnicas detalhadas e respectivas quantidades; a. Sobre a descrição dos itens, é importante observar o disposto no art. 3º, parágrafo I, inciso I da Lei 8666/1993, que afirma ser vedado aos agentes públicos: admitir, prever, incluir ou tolerar, nos atos de convocação, cláusulas ou condições que comprometam, restrinjam ou frustrem o seu caráter competitivo, inclusive nos casos de sociedades cooperativas, e estabeleçam preferências ou distinções em razão da naturalidade, da sede ou domicílio dos licitantes ou de qualquer outra circunstância impertinente ou irrelevante para o específico objeto do contrato, (...) ; b. Ainda, o art. 8º, inciso I do Anexo I do Decreto nº 3.555/2000, segundo o qual a definição do objeto deverá ser precisa, suficiente e clara, vedadas especificações que, por excessivas, irrelevantes ou desnecessárias, limitem ou frustrem a competição ou realização do fornecimento, devendo estar refletida no termo de referência ; 5. Declaração de bens e serviços comuns: documento informando que o objeto solicitado está em conformidade com a definição dada pelo Decreto nº 3.555/2000, Anexo I, art. 3º, parágrafo 2º. Deverá estar datado e assinado; 6 6. Pesquisa de mercado: deverão ser incluídos no processo três orçamentos que permitam identificar o fornecedor e o valor do item. a. Sugerimos que os preços apresentados estejam dentro da margem de variação de 30% entre si;

15 b. Para pregão eletrônico, de aquisição imediata, com informação de dotação orçamentária, a validade dos orçamentos deve ser, no mínimo, de sessenta dias. Dentro desse prazo, o processo deverá tramitar no DSG/CECOM e na Procuradoria Federal, e deverá chegar com os orçamentos válidos no momento do agendamento do pregão. Se, neste momento, as propostas já estiverem vencidas, será solicitado que a unidade de origem atualize os valores, providenciando novos orçamentos. c. Para pregão pelo Sistema de Registro de Preços (nesse caso, não necessita de dotação orçamentária prévia), os orçamentos deverão ter validade de cento e vinte dias; os processos deverão tramitar no DSG/CECOM e Procuradoria Federal, dentro desse prazo, e a tempo de lançar no sistema o agendamento de abertura do pregão, dentro da validade da proposta; d. Poderão ser usados pregões de outros órgãos (desde que dentro de seu período de vigência) para comprovação de preço de mercado, o que poderá ser consultado no site comprasnet.gov.br; e. Se os orçamentos forem obtidos através de sites da internet, é importante que a página seja impressa com o cabeçalho do navegador, no qual seja possível identificar o endereço eletrônico de onde foi retirado e a data do acesso. Esses orçamentos deverão estar carimbados e assinados pelo servidor responsável pela pesquisa; 7. Planilha de cálculo do custo médio: esta planilha deverá reunir: a. a lista de itens; b. três preços de referência ; c. os fornecedores responsáveis por cada oferta; d. Deverá trazer, também, o valor médio de cada item (preço1+preço2+preço3/3) e o valor total médio de cada item (valor médio x quantidade). 7

16 e. É obrigatório que seja informado, pelo menos, o CNPJ de um fornecedor para cada item pesquisado; 8. Declaração de pesquisa de mercado: documento em que o servidor responsável pela elaboração da planilha de custo médio, atesta a veracidade dos orçamentos e dos cálculos apresentados na planilha; 9. Elemento de despesa: informar elemento e subelemento da despesa, a partir do plano de contas disponibilizado no site do Departamento de Contabilidade e Finanças (DCF/PROPLAN). Em caso de dúvida sobre o elemento adequado para material permanente, consultar a Divisão de Patrimônio do DSG/CECOM (ramal 5171 ou 10. Declaração de patrimônio foi substituído pelo Termo de Patrimônio (Ordem de Serviço nº 08/2011-PRA) que será obrigatório no processo financeiro de aquisição de material permanente. No licitatório não haverá necessidade deste documento. 11. Declaração de fiscal de contrato (obrigatório para licitação que gere contrato): a unidade deverá informar nome, cargo ou função, matrícula SIAPE e lotação, ramal e do servidor designado para ser o responsável pela fiscalização do serviço. Este documento deve ter a ciência do servidor que está sendo designado fiscal de contrato; Termo de referência: este é o documento mais importante do processo, pois servirá de base para a elaboração do Edital da licitação, do contrato, assim como, será parte integrante do Edital. Nele deverão constar todas as informações necessárias a uma boa contratação: descrição técnica, justificativas, valores de referência

17 de mercado, prazos de entrega, condições de recebimento, obrigações da contratada e contratante. Deverá estar datado e assinado pelo responsável por sua elaboração e também pelo Diretor do Setor, Unidade ou Pró-Reitoria; 13. Dotação orçamentária: solicitar à PROPLAN a devida dotação. a. Quando se tratar de pregão pelo Sistema de Registro de Preços, este documento não é necessário, uma vez que a dotação acontecerá no momento do registro do empenho para a aquisição. A PRA informará no processo a dispensa dessa dotação prévia. Vencidas todas as etapas descritas, o processo deverá ser encaminhado ao DSG/CECOM/Central Compras, para conferência e encaminhamento à Comissão de Licitação. A Central de Compras está à disposição para maiores informações, através dos telefones (41) e , ou diretamente com a equipe, por Evani Aquino da Silva Paula A. Nieviadonski Spisila Valéria Jacobs Bruno Gonçalves da Silva Adélia de Araújo Atenciosamente, 9

18 O solicitante deve ficar atento no momento da entrega dos produtos adquiridos: se correspondem ao que foi licitado As Atas de Registros de Preço prevêem prazos para troca de mercadorias com defeito e prazos de garantia. Observando estes prazos, também estamos zelando pela qualidade das contratações. A PRA tem instrumentos para penalização de maus fornecedores: informe-se! Importante! 10

19 MODELOS PARA OS DOCUMENTOS CITADOS NO OFÍCIO CIRCULAR 166/ PLANILHA DE NECESSIDADES: Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná (Identificação do Setor e Unidade solicitante) PLANILHA DE NECESSIDADES ITEM CÓD. SIDEC* DESCRIÇÃO UNID. QUANT * O campo Código SIDEC será preenchido pela CECOM, a partir de informações do Catálogo de Materiais do Sistema SIASG. Curitiba, de de. Assinatura e Carimbo 11

20 2 DECLARAÇÃO DE BENS/SERVIÇOS COMUNS: Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná (Identificação do Setor e Unidade solicitante) Processo nº Objeto: DECLARAÇÃO Declaro que o objeto a ser licitado, nos termos do Art. 1.º da Lei n.º /02, trata-se de Bens (ou Serviços) Comuns. Curitiba, de de. Assinatura e Carimbo 12

21 3 PLANILHA DE CÁLCULO DO CUSTO MÉDIO: Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná (Identificação do Setor e Unidade solicitante) PLANILHA DE CÁLCULO DO CUSTO MÉDIO Item Descrição Un. Quant. 1 A Fornecedor (CNPJ) Preço B C D Valor Médio Unitário E Valor Médio Total F 2 3 CUSTO TOTAL DA PROPOSTA G Fórmulas para programação da planilha: 1) Para cálculo do valor médio unitário (E): média dos valores B, C e D. No Excel, digite =(F1+F2+F3)/3 2) Para cálculo do valor médio total (F): produto da quantidade pelo valor médio unitário. No Excel, digite =G1*D1 3) Para cálculo do custo total da proposta (G): somatório de todos os valores médios totais. No Excel, digite =SOMA(H1:H30) Curitiba, de de. Assinatura e Carimbo 13

22 4 DECLARAÇÃO DE PESQUISA DE MERCADO Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná (Identificação do Setor e Unidade solicitante) Processo nº Objeto: DECLARAÇÃO Declaro que os preços descritos na planilha comparativa de custos, anexos ao processo, estão conforme preços praticados no mercado. Os cálculos das médias e seus totais estão corretos. Curitiba, de de. Assinatura e Carimbo 14

23 5 INFORMAÇÃO SOBRE ELEMENTO DE DESPESA: Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná (Identificação do Setor e Unidade solicitante) Processo nº Objeto: INFORMAÇÃO ELEMENTO DE DESPESA Informamos que os itens a serem licitados se enquadram nos seguintes elementos de despesa, conforme tabela de elementos de despesa disponível no site do Departamento de Contabilidade e Finanças desta UFPR: Exemplos: material de expediente; material de limpeza e produtos de higienização; serviços técnicos profissionais. Curitiba, de de. Assinatura e Carimbo OBS: para material permanente, consultar a Divisão de Patrimônio do DSG. 15

24 6 TERMO DE RESPONSABILIDADE PATRIMONIAL Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná (Identificação do Setor e Unidade solicitante) TERMO DE RESPONSABILIDADE Número: (uso exclusivo do DPA/DSG/CECOM) Processo nº Empenho nº Local onde se encontra o bem permanente: De acordo com a instrução normativa 205/88-SEDAP/PR, declaro pelo presente documento que ficou sob minha inteira responsabilidade o material descrito neste Termo de Responsabilidade. Item Descrição do bem Quant. Valor (R$) Curitiba, de de. Carimbo e Assinatura OBS: Conforme Ordem de Serviço nº 08/2011-PRA, este documento deve constar obrigatoriamente no processo financeiro, mas não é obrigatório no processo licitatório. 16

25 7 DECLARAÇÃO DE FISCAL DE CONTRATO Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná (Identificação do Setor e Unidade solicitante) Processo nº Objeto: FISCALIZAÇÃO DO CONTRATO Declaro que serei responsável pela fiscalização do contrato originado por este processo, acompanhando sua execução e adotando os procedimentos que se fizerem necessários para exigir seu fiel cumprimento, de acordo com as cláusulas do instrumento e disposições legais que regulam a matéria. Unidade: Endereço: Servidor Responsável: Cargo/Função: Matrícula SIAPE: Matrícula UFPR: Fone para contato: (XX) Fax: (XX) Curitiba, de de. Assinatura e Carimbo OBS: este documento deve constar obrigatoriamente do processo licitatório quando este gerar contrato. 17

26 8 TERMO DE REFERÊNCIA Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná (Identificação do Setor e Unidade solicitante) Processo nº Setor/Unidade requisitante: TERMO DE REFERÊNCIA 1. Da Justificativa de aquisição Deve ser feita justificativa da necessidade da aquisição do bem ou da contratação do serviço, fundamentadamente, demonstrando, inclusive, a demanda e o benefício da contratação. 2. Da Especificação Detalhar a descrição dos itens a serem licitados, bem como as respectivas quantidades, unidades de medidas, dimensões, capacidades, composições etc. A descrição do objeto deverá ser clara e precisa, com informações suficientes para que seja perfeitamente identificado o que se deseja contratar ou adquirir. Por outro lado, o artigo 3º, inciso I da Lei 8666/1993, determina expressamente que sejam evitadas as especificações excessivas, irrelevantes ou desnecessárias, que possam limitar ou frustrar a competição. Portanto, não se deve mencionar marcas ou modelos que configurem direcionamento de fornecimento. É de vital importância que a Unidade Solicitante saiba exatamente o que atenderá suas necessidades para que possa especificar o objeto da licitação, evitando adquirir ou contratar bens ou serviços que não supram suas carências e que ainda importem em gravames e prejuízos financeiros à Administração Pública. 18

27 3. Dos Prazos e da Entrega Informar prazos para: entregas, realização de serviços, garantias, apresentação de amostras, de provas, trocas, execução de serviços, etc. Determinar a pessoa responsável pelo recebimento do material ou controle de execução de serviços, quando for o caso, indicando nome, matrícula (servidor), endereço, telefone e para contato. Especificar formas (se em única vez, ou quantas parcelas e como estas ocorrerão) e locais de entregas, com endereços detalhados. 4. Documentos a serem apresentados juntamente com a proposta de preços: Para a habilitação da empresa, normalmente são solicitados os seguintes documentos: Aqueles exigidos pela Lei 8666/1993; Uma Declaração/Atestado de Capacidade Técnica, emitido por pessoa jurídica de direito público ou privado, que comprove o fornecimento do produto relacionado com o objeto da presente licitação, no qual deverá constar, também, se o produto foi fornecido ou está sendo fornecido de modo satisfatório; Poderá constar, além dos documentos habitualmente exigidos, se a empresa deverá apresentar outros, de caráter técnico, que se relacionem especificamente ao objeto a ser contratado ou adquirido, tais como Certificação do INMETRO (desde que estejam entre os produtos cuja certificação é compulsória), registro na Vigilância Sanitária (ANVISA), normas da ABNT ou demais licenças necessárias, por exemplo, para transporte, certificação de madeiras e normas de segurança, dentre outros. 5. Deveres do Contratado Devem ser detalhadas as obrigações a serem cumpridas pela Contratada, como formas de execuções dos serviços, entregas, manutenções, garantias, assistência técnica, trocas, etc. 6. Deveres da Contratante A Unidade Solicitante (Contratante) deverá detalhar os seus deveres e obrigações 19

28 perante o Contratado. Por exemplo: o acompanhamento dos serviços, o atestado da fatura, a fiscalização, o gerenciamento e demais apontamentos que julgar convenientes. 7. Procedimentos de Fiscalização e Gerenciamento do Contrato Indicar nome e matrícula do servidor que será responsável pela fiscalização dos serviços. Essa informação constará do instrumento contratual e de Portaria emitida pela Pró-Reitoria de Administração (PRA). 8. Critérios de Aceitação do Objeto Além do menor preço, outros critérios de aceitabilidade técnica do material ou serviço que a Unidade Requisitante queira especificar para constar do Edital. Essas exigências devem ser tecnicamente aceitáveis e defensáveis por ocasião de emissão de parecer técnico. 9. Orçamento Estimado Fazer constar a planilha de custos, com o valor médio unitário e o total por item, de acordo com os orçamentos apresentados. Item Descrição Quant. Valor Médio Unitário TOTAL R$ Valor Médio Total 20

29 10. Valor Global Estimado da Compra/Serviço R$ (discriminar também o valor por extenso). Curitiba, de de. Responsável da Unidade (assinatura e carimbo) Diretor do Setor/Pró-Reitor (assinatura e carimbo) O valor total informado no item 10 do Termo de Referência deverá ser igual ao valor total apurado na planilha de custos, e será o teto máximo que a Administração considerará para efetivar a contratação. Importante! 21

30 CONSIDERAÇÕES IMPORTANTES 1 A IMPORTÂNCIA DA REALIZAÇÃO DE PESQUISA DE MERCADO A Unidade Solicitante deve pesquisar os preços praticados no mercado para o objeto a ser licitado, considerando, inclusive as condições de fornecimento. O preço final deve considerar fretes e outras despesas da empresa. Deve-se conseguir, no mínimo, três orçamentos, desde que estes apresentem diferenças de valores aceitáveis (aproximadamente 30% entre si). Caso os valores sejam muito discrepantes (ou muito altos ou demasiadamente baixos) comparativamente aos preços médios, estes extremos deverão ser descartados, procurando-se outros fornecedores que apresentem preços mais próximos dos médios. Esta medida é imprescindível, pois o preço de referência para a contratação é informação fundamental para orientação do Pregoeiro quando da análise e julgamento das propostas. Uma variação extrema dos preços não representaria a realidade dos valores praticados no mercado, prejudicando a efetividade desta avaliação. Ressalta-se que o valor estimado correspondente à média dos valores praticados no mercado é a referência de valor máximo da contratação que o Pregoeiro deve adotar quando da realização da sessão do Pregão, constituindo parâmetro para analisar a aceitabilidade das propostas. Há possibilidade de se conseguir as cotações através de solicitação de orçamentos diretamente de fornecedores, listas de preços oficiais ou 22

31 veiculadas em publicações especializadas, preços pagos pelo mesmo objeto por outros órgãos da Administração Pública e até mesmo em sites específicos (alertando-se para o fato de que em muitos são veiculadas promoções que não condizem com o valor real de mercado). Quando o documento for obtido através da Internet, a respectiva cotação deverá ser rubricada com identificação do servidor responsável pela pesquisa (carimbo). 2 A IMPORTÂNCIA DO TERMO DE REFERÊNCIA O Termo de Referência é o documento assinado pelo responsável pela Unidade Solicitante e pela Direção do Setor (duas assinaturas), através do qual o requisitante esclarece e detalha o que realmente precisa adquirir ou contratar, trazendo informações como: a definição do objeto, a justificativa da necessidade, o orçamento detalhado de acordo com os preços de mercado, métodos e estratégias de suprimentos e cronograma. O Termo de Referência retrata o planejamento inicial da licitação e da futura contratação, definindo os elementos básicos e essenciais a uma compra segura e eficiente. É através dos dados constantes do Termo de Referência que se elaborará o Edital de Licitação e, consequentemente, é através dele que o licitante ficará informado sobre o que a Administração pretende contratar. Cabe ressaltar que o sucesso da licitação depende da fase interna na qual ocorre a elaboração do instrumento convocatório (edital) pois é aí que são definidas todas as condições a serem atendidas pelo licitante vencedor. 23

32 Para aquisição de um produto, material ou serviço de qualidade, é de extrema relevância a descrição do objeto. No momento da elaboração do Termo de Referência, essa descrição deve ser precisa, de modo a informar ao licitante o que se pretende adquirir. Cabe observar, ainda, que nessas especificações, devem ser tomados os cuidados de não direcionar a nenhuma marca de mercado. A Unidade solicitante deverá expor no Termo de Referência a definição do objeto da contratação de forma clara, precisa e detalhada, a estrutura de custos, os preços praticados no mercado, a forma e prazo para entrega do bem ou realização do serviço contratado, bem como as condições de sua aceitação, deveres do contratado e da contratante, os mecanismos e procedimentos de fiscalização do serviço prestado, quando for o caso. 3 SOLICITAÇÕES DE AMOSTRAS Se a unidade requisitante incluir no Termo de Referência a solicitação de amostras, estará obrigada a indicar quais critérios técnicos serão analisados no produto ofertado. As regras deverão ser previamente definidas no Edital, para deixar claro aos fornecedores o que se pretende avaliar nas amostras solicitadas. 24

33 4 A IMPORTÂNCIA DO PARECER TÉCNICO Será convocado a emitir o parecer técnico o servidor responsável pela solicitação do bem ou serviço. Este momento é de suma importância para o sucesso da aquisição, pois é quando se verifica o que o fornecedor está oferecendo em contrapartida ao que se espera adquirir e, mais ainda, se é o que foi solicitado no Edital do Pregão. O responsável pelo parecer técnico, para que possa analisar e avaliar a proposta do fornecedor, deve conhecer a especificação do bem ou serviço constante do Edital, a fim de aferir se a proposta apresentada atende ou não ao especificado, cabendo, fundamentadamente, aprovar ou não a referida proposta. 25

34 FASE INTERNA DA LICITAÇÃO 1 O QUE É PREGÃO? Pregão é uma modalidade de licitação, adotada para aquisição de bens e serviços comuns, em que a disputa pelo fornecimento é feita em sessão pública, por meio de propostas e lances, para classificação e habilitação do licitante com a proposta de menor preço. Bem ou serviço comum, para fins de Pregão, é aquele que pode ser adquirido no mercado sem maior dificuldade, havendo multiplicidade de fornecedores e de simples especificação, cujos padrões de qualidade e desempenho possam ser objetivamente definidos. BASE LEGAL: O Pregão foi instituído pela Medida Provisória nº 2.026, de 04 de maio de 2000, convertida na Lei nº de 17 de julho de 2002, sendo regulamentado pelo Decreto nº 3.555, de 08 de agosto de 2000, cujo Anexo II apresenta o rol de classificação de bens e serviços comuns, não sendo este limitador para estas definições. O Pregão Eletrônico recebeu regulamentação em 31 de maio de 2005, através do Decreto nº 5.450, cuja utilização passou a ser obrigatória para os órgãos do poder executivo, para as aquisições de bens e serviços considerados comuns. 26

35 2 O QUE É REGISTRO DE PREÇOS? O Sistema de Registro de Preços, regulamentado pelo Decreto nº 7892/2013, é o conjunto de procedimentos para registro formal de preços relativos à prestação de serviços e aquisição de bens, para contratações futuras. O registro de preços é precedido de licitação e, na UFPR, é realizado através de Pregão Eletrônico, com critério de julgamento pelo menor preço. Após a realização da licitação, os preços e as condições de contratação ficam registrados na Ata de Registro de Preços ARP. O Registro de Preços deve ter prévia e ampla pesquisa de mercado. O preço registrado na ARP e a indicação dos respectivos fornecedores serão divulgados pela Central de Compras, no site Durante a vigência da Ata, que poderá ser de até doze meses, havendo necessidade do objeto registrado, basta à unidade administrativa solicitar autorização através dos s ou para emitir o empenho. Dessa forma, os procedimentos de contratação se tornam mais ágeis. Com o Sistema de Registro de Preços, evita-se o fracionamento da despesa, pois a escolha da proposta mais vantajosa já foi precedida de licitação e não há restrição de valores para a contratação. A existência de preços registrados não obriga a unidade a firmar as contratações, ficando-lhe facultada a utilização total ou parcial dos itens registrados, de acordo com sua disponibilidade orçamentária e financeira. 27

36 Outra vantagem do Sistema de Registro de Preços é de não haver a necessidade de informação prévia de dotação orçamentária, para abrir o pregão. Desta maneira, as unidades podem planejar a licitação das suas necessidades para futuras aquisições. Principalmente as unidades que tem a expectativa de receber recursos de diversas fontes (convênios, emendas parlamentares, duodécimos, suplementação orçamentária, FDA, Edital PROGRAD), podem planejar antecipadamente sua demanda, deixando os itens em registro de preços, para aquisições de acordo com a entrada dos recursos orçamentários e financeiros. 3 INSTAURAÇÃO DA LICITAÇÃO A instauração de procedimento licitatório na modalidade pregão se dá por ato da Autoridade Competente. Para tanto, é necessário que haja um processo administrativo devidamente instruído, composto por vários documentos elaborados pela Unidade Administrativa ou área que demanda a realização da licitação e que, portanto, conhece detalhadamente os bens ou serviços a serem adquiridos. Tais documentos (apresentados na seção sobre a preparação do processo para compra/serviço) servirão de base para elaboração do Edital, instrumento convocatório que dá publicidade às regras da licitação e convoca os interessados para dela participarem apresentando suas propostas. 28

SUMÁRIO INTRODUÇÃO...

SUMÁRIO INTRODUÇÃO... SUMÁRIO INTRODUÇÃO... FASE I PREPARAÇÃO DO PROCESSO DE COMPRA OU SERVIÇO... ANEXO I MODELO DE DECLARAÇÃO DE BENS/SERVIÇOS COMUNS... ANEXO II MODELO DE DECLARAÇÃO DE PESQUISA DE MERCADO... ANEXO III MODELO

Leia mais

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993.

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. DECRETO N.º 7.892, DE 23 DE JANEIRO DE 2013. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que

Leia mais

NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI

NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI Dispõe sobre as atribuições dos agentes de compras

Leia mais

ORIENTAÇÕES IMPORTAÇÃO Versão nº 01 (21/10/2010)

ORIENTAÇÕES IMPORTAÇÃO Versão nº 01 (21/10/2010) ORIENTAÇÕES IMPORTAÇÃO Versão nº 01 (21/10/2010) 1) O servidor interessado na aquisição de bens importados deverá encaminhar ao Setor de Compras do Centro a seguinte documentação: a) A solicitação de compra

Leia mais

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015.

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. EMENTA: Regulamenta o Sistema de Registro de Preços SRP previsto no art. 15 da Lei nº 8.666/93, no âmbito do Município de Central Bahia. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

MUNICÍPIO DE SENGÉS CNPJ/MF 76.911.676/0001-07 TRAVESSA SENADOR SOUZA NAVES N. 95 SENGÉS PARANÁ

MUNICÍPIO DE SENGÉS CNPJ/MF 76.911.676/0001-07 TRAVESSA SENADOR SOUZA NAVES N. 95 SENGÉS PARANÁ DECRETO Nº 600/2014 Súmula:- Regulamenta a aquisição de Bens Permanentes, de Consumo e Serviços destinados a Administração Direta, Indireta e Fundacional do Município de Sengés, através de Pregão, tendo

Leia mais

G E S T Ã O D E C O M P R A S P O R R E G I S T R O D E P R E Ç O S. VALDIR AUGUSTO DA SILVA Gestão Estratégica de Compras Portal de Compras

G E S T Ã O D E C O M P R A S P O R R E G I S T R O D E P R E Ç O S. VALDIR AUGUSTO DA SILVA Gestão Estratégica de Compras Portal de Compras G E S T Ã O D E C O M P R A S P O R R E G I S T R O D E P R E Ç O S VALDIR AUGUSTO DA SILVA Gestão Estratégica de Compras Portal de Compras SUMÁRIO O Sistema de Registro de Preços do Governo do Estado

Leia mais

INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*)

INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*) INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*) Disciplina no âmbito do IFPR as Orientações acerca da Execução Orçamentária e Financeira, relativas à Concessão de Suprimentos

Leia mais

Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional

Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional Unidade Universidade Federal da Bahia Pró-Reitoria de Administração Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional Processo 1 de 10 Glossário de Termos e Siglas CATMAT Sistema de

Leia mais

DECRETO Nº 7.622, DE 20 DE MAIO DE 2005.

DECRETO Nº 7.622, DE 20 DE MAIO DE 2005. DECRETO Nº 7.622, DE 20 DE MAIO DE 2005. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no artigo 15, 3º da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993 e artigo 11 da Lei Federal nº 10.520, de 17 de julho

Leia mais

PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015.

PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015. PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015. Aprova a Instrução Normativa nº 06, de 31 de agosto de 2015, que regulamenta os trâmites administrativos dos Contratos no âmbito do Conselho de Arquitetura

Leia mais

EMPENHO. O pagamento de despesas através de empenho é composto de etapas esplanadas no fluxograma anexo.

EMPENHO. O pagamento de despesas através de empenho é composto de etapas esplanadas no fluxograma anexo. EMPENHO O empenho da despesa é o ato emanado de autoridade competente que cria para o Estado obrigação de pagamento pendente ou não de implemento de condição (Art 58 da Lei 4.320/64). Nos comentários à

Leia mais

DECRETO Nº. 6.204, DE 5 DE SETEMBRO DE 2007 DOU 06.09.2007

DECRETO Nº. 6.204, DE 5 DE SETEMBRO DE 2007 DOU 06.09.2007 DECRETO Nº. 6.204, DE 5 DE SETEMBRO DE 2007 DOU 06.09.2007 Regulamenta o tratamento favorecido, diferenciado e simplificado para as microempresas e empresas de pequeno porte nas contratações públicas de

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES Sistemática de Registro de Preços Versão: 06/12/2013

PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES Sistemática de Registro de Preços Versão: 06/12/2013 1. O que é Registro de Preços? PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES Sistemática de Registro de Preços Versão: 06/12/2013 O Sistema de Registro de Preços é "o conjunto de procedimentos para seleção de proposta

Leia mais

ÍNDICE. Manual do COMPRASNET Versão 1 Jan/2002 2

ÍNDICE. Manual do COMPRASNET Versão 1 Jan/2002 2 ÍNDICE ÍNDICE...2 1. Introdução...3 2. Navegando pela área de livre acesso...4 3. Navegando pela área de ACESSO SEGURO...6 A. Instalando o Certificado de Segurança...6 B. Fazendo Cadastramento nos Serviços

Leia mais

ROTEIRO PARA CRIAÇÃO DE CURSO E OFERTA DE TURMA DE ESPECIALIZAÇÃO

ROTEIRO PARA CRIAÇÃO DE CURSO E OFERTA DE TURMA DE ESPECIALIZAÇÃO ROTEIRO PARA CRIAÇÃO DE CURSO E OFERTA DE TURMA DE ESPECIALIZAÇÃO (Conforme a Resolução 42/03-COUN, de 05 de novembro de 2003 e suas alterações). I. PROCEDIMENTO PARA CRIAÇÃO DE NOVO CURSO: A. ABERTURA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SISTEMA DE BIBLIOTECAS PROCEDIMENTOS PARA COMPRA DE MATERIAL BIBLIOGRÁFICO NA UFPR

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SISTEMA DE BIBLIOTECAS PROCEDIMENTOS PARA COMPRA DE MATERIAL BIBLIOGRÁFICO NA UFPR UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SISTEMA DE BIBLIOTECAS PROCEDIMENTOS PARA COMPRA DE MATERIAL BIBLIOGRÁFICO NA UFPR Para a compra de materiais bibliográficos, primeiramente o solicitante deve possuir o recurso

Leia mais

Ferramentas do Sistema de Registro de Preços. Intenção de Registro de Preços - IRP e Adesão

Ferramentas do Sistema de Registro de Preços. Intenção de Registro de Preços - IRP e Adesão Ferramentas do Sistema de Registro de Preços Intenção de Registro de Preços - IRP e Adesão OBJETIVO Divulgar ferramentas e alternativas que auxiliam os gestores no planejamento e execução das despesas:

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 3.931, DE 19 DE SETEMBRO DE 2001. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21

Leia mais

CARTA CONVITE Nº 005/2008 M I N U T A

CARTA CONVITE Nº 005/2008 M I N U T A IMPORTANTE : PARA PARTICIPAR DA LICITAÇÃO O INTERESSADO DEVERÁ RETIRAR O EDITAL SOB PROTOCOLO COM ATÉ 24 HORAS DE ANTECEDÊNCIA DO CERTAME NA SEDE DO CONSELHO SITUADO À RUA PAMPLONA, 1200 JD PAULISTA CEP:

Leia mais

MANUAL PARA PADRONIZAÇÃO DE PROCESSOS

MANUAL PARA PADRONIZAÇÃO DE PROCESSOS MANUAL PARA PADRONIZAÇÃO DE PROCESSOS Elaboração: Rainer de Paula Coordenador de Monitoramento e controle PROPLAN/IFMG Dezembro de 2013 SUMÁRIO 1 SOLICITAÇÃO DE COMPRA... 3 2 ESTIMATIVA DE PREÇOS E PROPOSTAS...

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE FRANCA Secretaria de Planejamento e Gestão Econômica Divisão de Licitações e Compras Convite nº 081/2007 Fls.

PREFEITURA MUNICIPAL DE FRANCA Secretaria de Planejamento e Gestão Econômica Divisão de Licitações e Compras Convite nº 081/2007 Fls. Convite nº 081/2007 Fls. 1 CARTA CONVITE Processo nº 11784/05 Convite nº 081/2007 Entrega Envelopes até o dia: 15 de junho de 2007, às 14h00. Abertura Envelopes dia: 15 de junho de 2007, às 14h30. A COMISSÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 7 DE 23 DE ABRIL DE 2010

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 7 DE 23 DE ABRIL DE 2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 7 DE 23 DE ABRIL DE 2010 Estabelece as normas para que os Municípios, Estados e o Distrito Federal

Leia mais

DECRETO nº. 11.698, de 16 de janeiro de 2009. O PREFEITO MUNICIPAL DE ANANINDEUA, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, e ainda:

DECRETO nº. 11.698, de 16 de janeiro de 2009. O PREFEITO MUNICIPAL DE ANANINDEUA, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, e ainda: 1 DECRETO nº. 11.698, de 16 de janeiro de 2009 Regulamenta, no âmbito da Administração pública municipal, o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº. 8.666, de 21 de junho de 1993, e

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 007/2009

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 007/2009 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 007/2009 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROPPG PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO PROPLAN Disciplina no âmbito da UDESC os procedimentos

Leia mais

EDITAL 02/2015 EDITAL DE CONCESSÃO DO AUXÍLIO EVENTOS

EDITAL 02/2015 EDITAL DE CONCESSÃO DO AUXÍLIO EVENTOS EDITAL 02/2015 EDITAL DE CONCESSÃO DO AUXÍLIO EVENTOS A Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB), por meio da Pró-Reitoria de Sustentabilidade e Integração Social (PROSIS) torna público o presente EDITAL

Leia mais

PASSO A PASSO PARA CREDENCIAMENTO DE DOCENTES PARA INGRESSO E ATUAÇÃO NOS PROGRAMAS DA COPPE 1 PROFESSOR PLENO

PASSO A PASSO PARA CREDENCIAMENTO DE DOCENTES PARA INGRESSO E ATUAÇÃO NOS PROGRAMAS DA COPPE 1 PROFESSOR PLENO PASSO A PASSO PARA CREDENCIAMENTO DE DOCENTES PARA INGRESSO E ATUAÇÃO NOS PROGRAMAS DA COPPE 1 O candidato deve: PROFESSOR PLENO A Preparar Plano de Ensino e Pesquisa; B - Curriculum Vitae do docente anexando

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL PORTARIA Nº 1.382 DE 23 DE OUTUBRO DE 2012

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL PORTARIA Nº 1.382 DE 23 DE OUTUBRO DE 2012 PORTARIA Nº 1.382 DE 23 DE OUTUBRO DE 2012 O Reitor da Universidade Federal de UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições vem, nos termos do inciso XI do art. 26 do Regimento Geral da UNIFAL-MG e do art. 119

Leia mais

UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS

UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS 2015 1) DOS OBJETIVOS O Programa de Monitoria de Graduação visa dar suporte às atividades acadêmicas

Leia mais

RETIFICAÇÃO EDITAL Nº 17/2015 AUXÍLIO DE DIÁRIAS PARA PUBLICAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS INTERNACIONAIS

RETIFICAÇÃO EDITAL Nº 17/2015 AUXÍLIO DE DIÁRIAS PARA PUBLICAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS INTERNACIONAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS RETIFICAÇÃO EDITAL Nº 17/2015 AUXÍLIO DE DIÁRIAS PARA

Leia mais

PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 612, DE 16 DE MARÇO DE 2007. Dispõe sobre a implantação do Sistema de Registro de Preços nas compras, obras e serviços contratados pelos órgãos da

Leia mais

2014 MANUAL DE COMPRAS CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ PÁG. 1

2014 MANUAL DE COMPRAS CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ PÁG. 1 2014 MANUAL DE COMPRAS CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ PÁG. 1 2014 MANUAL DE COMPRAS CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ PÁG. 2 COLABORADORES: Profa. Dra. Katia Cruzes Jorge Luiz Camaforto

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS EDITAL Nº 09/2014 AUXÍLIO PARA PUBLICAÇÃO EM EVENTOS

Leia mais

Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional

Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional Unidade Universidade Federal da Bahia Pró-Reitoria de Ensino e Pós-Graduação Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional Processo 1 de 6 Glossário de Termos: AGU Advocacia Geral

Leia mais

Art. 3º A diária será devida pela metade nos seguintes casos:

Art. 3º A diária será devida pela metade nos seguintes casos: Orientações para Solicitação e Prestação de Contas de Diárias de acordo com o Decreto nº 3328-R, de 17 de junho de 2013. DIÁRIAS Diárias são indenizações pagas antecipadamente para cobrir despesas com

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA N 06/2013 de 16 DE DEZEMBRO de 2013

PORTARIA NORMATIVA N 06/2013 de 16 DE DEZEMBRO de 2013 PORTARIA NORMATIVA N 06/2013 de 16 DE DEZEMBRO de 2013 Dispõe sobre a concessão, aplicação e prestação de contas de suprimento de fundos no âmbito do Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Santa Catarina

Leia mais

Ref. Assunto: Elaboração do Plano para a Implantação da Descentralização da Execução Orçamentária e Financeira na UNIR

Ref. Assunto: Elaboração do Plano para a Implantação da Descentralização da Execução Orçamentária e Financeira na UNIR MEMORANDO CIRCULAR Nº 06/2015/PROPLAN Porto Velho, 27 de Maio de 2015. Para: CÂMPUS E NÚCLEOS Ref. Assunto: Elaboração do Plano para a Implantação da Descentralização da Execução Orçamentária e Financeira

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA DECRETO N.º 2356/2013 Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, e dá outras providências. Rosane Minetto Selig, Prefeita Municipal de Ouro

Leia mais

Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso

Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso QUESTIONAMENTO 01 BRUNA APARECIDA SOUZA AO SR. PREGOEIRO RESPONSÁVEL PELO CERTAME DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO, PREGÃO ELETRÔNICO Nº 100/2015 - SRP, MANUTENÇÃO DE VEÍCULOS. Prezados, bom dia! A

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004

DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004 DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004 GABINETE DO GOVERNADOR D E C R E T O Nº 1.093, DE 29 DE JUNHO DE 2004 Institui, no âmbito da Administração Pública Estadual, o Sistema de Registro de Preços

Leia mais

EDITAL Nº 14, DE 02 DE SETEMBRO DE 2015. Edital para Auxílio à Tradução e Publicação de Artigo Científico, Campus Ariquemes

EDITAL Nº 14, DE 02 DE SETEMBRO DE 2015. Edital para Auxílio à Tradução e Publicação de Artigo Científico, Campus Ariquemes MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA DEPARTAMENTO DE PESQUISA, INOVAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO - CAMPUS ARIQUEMES

Leia mais

ESTADO DO ACRE DECRETO Nº 5.966 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010

ESTADO DO ACRE DECRETO Nº 5.966 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010 Regulamenta o tratamento favorecido, diferenciado e simplificado para as microempresas, empresas de pequeno porte e equiparadas nas contratações de bens, prestação de serviços e execução de obras, no âmbito

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, no uso da atribuição que lhe confere o art. 82, incisos V e VII, da Constituição do Estado,

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, no uso da atribuição que lhe confere o art. 82, incisos V e VII, da Constituição do Estado, DECRETO N 42.434, DE 09 DE SETEMBRO DE 2003, DOERS. Regulamenta, no âmbito do Estado do Rio Grande do Sul, a modalidade de licitação denominada pregão, por meio eletrônico, para a aquisição de bens e serviços

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS

GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS ABORDAGEM Conceitos relacionados ao tema; Legislação aplicável à execução; Modelo de gestão e processo adotado pela Fundep. O que é o SICONV? CONCEITOS

Leia mais

CLÁUSULA SEGUNDA - DA VINCULAÇÃO AO EDITAL

CLÁUSULA SEGUNDA - DA VINCULAÇÃO AO EDITAL PROCESSO Nº 01550.000345/2009-46. PREGÃO Nº 26/2009. ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 1/2010. A FUNDAÇÃO CASA DE RUI BARBOSA, pessoa jurídica de direito público vinculada a Ministério da Cultura, com sede

Leia mais

CARTA CONVITE Nº 002/2010

CARTA CONVITE Nº 002/2010 IMPORTANTE: PARA PARTICIPAR DA LICITAÇÃO O INTERESSADO DEVERÁ RETIRAR O EDITAL SOB PROTOCOLO COM ATÉ 24 HORAS DE ANTECEDENCIA DO CERTAME NA SEDE DO CONSELHO SITUADO À RUA PAMPLONA, 1200 JD PAULISTA CEP:

Leia mais

EDITAL 03/2008 - FAPESQ/PB MCT/FINEP

EDITAL 03/2008 - FAPESQ/PB MCT/FINEP EDITAL 03/2008 - FAPESQ/PB MCT/FINEP A FUNDAÇÃO DE APOIO À PESQUISA DO ESTADO DA PARAÍBA FAPESQ e a Financiadora de Estudos e Projetos FINEP, tornam público e convocam os interessados a apresentarem propostas

Leia mais

Edital 01/2013 PRPPG/Unespar Apoio à publicação de artigos em periódicos científicos

Edital 01/2013 PRPPG/Unespar Apoio à publicação de artigos em periódicos científicos Edital 01/2013 PRPPG/Unespar Apoio à publicação de artigos em periódicos científicos A Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade Estadual do Paraná PRPPG/Unespar torna pública a seleção

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS ANEXO I AO DECRETO Nº 732, DE 6 DE MARÇO DE 2014. PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS Data: / / Nº: SECRETARIA MUNICIPAL DE SOLICITAÇÃO DE COMPRAS DE BENS E SERVIÇOS / TERMO DE REFERÊNCIA (art. 14 da Lei nº

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS N 001/2013 REFERENTE AO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 037/2013

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS N 001/2013 REFERENTE AO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 037/2013 ATA DE REGISTRO DE PREÇOS N 001/2013 REFERENTE AO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 037/2013 Pelo presente instrumento, a SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO, órgão gerenciador do Registro de Preços, localizada na

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES E CONTRATOS Nº 001/2015.

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES E CONTRATOS Nº 001/2015. INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES E CONTRATOS Nº 001/2015. DISPÕE SOBRE OS PROCEDIMENTOS PARA A AQUISIÇÃO DE BENS E SERVIÇOS MEDIANTE LICITAÇÃO, INCLUSIVE DISPENSA E INEXIGIBILIDADE,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA DE GESTÃO E PLANEJAMENTO DIRETORIA DE COMPRAS E LICITAÇÕES

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA DE GESTÃO E PLANEJAMENTO DIRETORIA DE COMPRAS E LICITAÇÕES ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 002/2013 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 193/2012 Órgão Processo SECRETARIA DE INFRAESTRUTURA 2012007522 Modalidade Nº Data Tipo PREGAO ELETRONICO 193/2012 18/07/2012 MENOR PREÇO POR

Leia mais

BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 020 DE 12 a 16/05/14

BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 020 DE 12 a 16/05/14 Leia-se:...Art. 1º DELEGAR COMPETÊNCIA e as responsabilidades decorrentes ao Superintendente Regional do DNIT nos estados de Goiás e Distrito Federal para Lavrar o Termo Aditivo de Prorrogação de prazo,

Leia mais

MANUAL DE PADRONIZAÇÃO DE SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO PARA AFASTAMENTO DO PAÍS

MANUAL DE PADRONIZAÇÃO DE SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO PARA AFASTAMENTO DO PAÍS Aplicação MANUAL DE PADRONIZAÇÃO DE SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO PARA AFASTAMENTO DO PAÍS Este manual disciplina as rotinas administrativas para solicitações de Afastamento do País para os Servidores da

Leia mais

ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 05/2015 CREMEB

ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 05/2015 CREMEB ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 05/2015 CREMEB 1 -DO OBJETO O objeto do Pregão Presencial é a contratação de empresa especializada para prestação de serviços de rádio-táxi

Leia mais

I - LOCAL DE ENTREGA DOS ENVELOPES:

I - LOCAL DE ENTREGA DOS ENVELOPES: EDITAL de LICITAÇÃO MODALIDADE: CARTA CONVITE N.º 17/2013 Data da abertura dos envelopes: Dia: 25/10/2013 Horário: 13:00 horas Data limite para entrega dos envelopes: Dia: 25/10/2013 Horário: 13:00 horas

Leia mais

INSTRUÇÃO DGA Nº 81, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014

INSTRUÇÃO DGA Nº 81, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014 INSTRUÇÃO DGA Nº 81, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014 #Estabelece procedimentos para registro, no SICONV, de informações referentes a Convênios com OBTV. O Coordenador da Administração Geral, no uso de suas atribuições,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 002, de 12 de março de 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 002, de 12 de março de 2014. INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 002, de 12 de março de 2014. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO - PROAD Disciplina no âmbito da UDESC os procedimentos

Leia mais

2. CONSIDERAÇÕES INICIAIS

2. CONSIDERAÇÕES INICIAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA CHAMADA INTERNA DA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA 001/2015 A Pró-Reitoria de Pesquisa da Universidade Federal de Mato Grosso

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI)

RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI) RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI) Dispõe sobre as normas que regulamentam as relações

Leia mais

CARTA CONVITE Nº 013/2007 PROCESSO N.º 1.612/2007

CARTA CONVITE Nº 013/2007 PROCESSO N.º 1.612/2007 IMPORTANTE: PARA PARTICIPAR DA LICITAÇÃO O INTERESSADO DEVERÁ RETIRAR O EDITAL SOB PROTOCOLO NA SEDE DO CONSELHO SITUADO À RUA PAMPLONA, 1200 JD PAULISTA CEP: 01405-001 - DEPTO DE COMPRAS - 8º ANDAR. Regime

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC nº 6, de 2 de janeiro de 2001(*).

RESOLUÇÃO - RDC nº 6, de 2 de janeiro de 2001(*). RESOLUÇÃO - RDC nº 6, de 2 de janeiro de 2001(*). Dispõe sobre o sistema de Recolhimento da Arrecadação de Taxas de Fiscalização de Vigilância Sanitária e dá outras providências. A Diretoria Colegiada

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA (RN) RN - 006/01

RESOLUÇÃO NORMATIVA (RN) RN - 006/01 RESOLUÇÃO NORMATIVA (RN) RN - 006/01 EMITENTE Presidência Aprovada pela Diretoria REUNIÃO DE 01/06/2005 Revisão Nº 01 Aprovada pela Diretoria REUNIÃO DE 10/01/2007 ASSUNTO Contratação de Prestação de Serviços

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986.

INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986. INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986. Regulamenta a concessão de financiamento para compra de ações pelas Sociedades Corretoras e Distribuidoras. O Presidente da Comissão de Valores Mobiliários

Leia mais

CONTAGEM DO PRAZO LEGAL

CONTAGEM DO PRAZO LEGAL Curso de Licitação. Pregão Presencial e Pregão Eletrônico Professor: Antônio Noronha Os 3 Caminhos Possíveis para Aquisição/ Serviços, etc... Licitação; Dispensa de Licitação; Inexigibilidade de Licitação.

Leia mais

FAQ SIDEC (perguntas mais freqüentes)

FAQ SIDEC (perguntas mais freqüentes) FAQ SIDEC (perguntas mais freqüentes) 1 - Como proceder para lançar um Aviso de Licitação? 2 - Como proceder quando um Aviso de Licitação está na situação de Pendente? 3 - Como proceder para incluir ou

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 1. DO OBJETO

TERMO DE REFERÊNCIA 1. DO OBJETO TERMO DE REFERÊNCIA 1. DO OBJETO 1.1 Contratação de serviço de fornecimento de assinatura de jornais impressos e revistas, assim como acesso às matérias on line dos respectivos jornais e revistas para

Leia mais

EDITAL Nº 56/2012 - PROENS/IFPR APOIO A PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS DESPORTIVOS E OLIMPÍADAS DE CONHECIMENTO 1

EDITAL Nº 56/2012 - PROENS/IFPR APOIO A PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS DESPORTIVOS E OLIMPÍADAS DE CONHECIMENTO 1 EDITAL Nº 56/2012 - PROENS/IFPR APOIO A PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS DESPORTIVOS E OLIMPÍADAS DE CONHECIMENTO 1 A PRÓ-REITORIA DE ENSINO (PROENS) DO INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ (IFPR), por intermédio da Diretoria

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 Versão: 01 Data de aprovação: 7 de outubro de 2014. Ato de aprovação: Resolução n.º 112 /2014 Unidade

Leia mais

QUESTIONAMENTOS ACERCA DO EDITAL DO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 42/2012 - BNDES. Em resposta aos questionamentos formulados, o BNDES esclarece:

QUESTIONAMENTOS ACERCA DO EDITAL DO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 42/2012 - BNDES. Em resposta aos questionamentos formulados, o BNDES esclarece: QUESTIONAMENTOS ACERCA DO EDITAL DO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 42/2012 - BNDES Prezada Senhora, Em resposta aos questionamentos formulados, o BNDES esclarece: 1. EDITAL - Item 4.12.4 inciso I - Qual documento

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS N 039/2014 REFERENTE AO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 096/2013

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS N 039/2014 REFERENTE AO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 096/2013 ATA DE REGISTRO DE PREÇOS N 039/2014 REFERENTE AO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 096/2013 Pelo presente instrumento, a SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO, órgão gerenciador do Registro de Preços, localizada na

Leia mais

RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES CONTROLE INTERNO

RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES CONTROLE INTERNO 01/06 1 DOS OBJETIVOS 1.1 Definir normas para elaboração dos contratos de aquisição de materiais, prestação de serviços gerais e prestação de serviços e obras de engenharia. 1.2 Normatizar os procedimentos

Leia mais

Sumário 1. INTRODUÇÃO

Sumário 1. INTRODUÇÃO Registro profissional dos contabilistas Em face da publicação da Resolução CFC nº 1.461/2014 - DOU 1 de 17.02.2014, este procedimento foi atualizado. Tópico atualizado: 1.1 Sujeição e aprovação em exame

Leia mais

Volume V. Suprimento de Fundos MACONFI. Manual de Procedimentos da Coordenadoria de Contabilidade e Finanças. 1ª Edição Janeiro / 2013

Volume V. Suprimento de Fundos MACONFI. Manual de Procedimentos da Coordenadoria de Contabilidade e Finanças. 1ª Edição Janeiro / 2013 Volume V Suprimento de Fundos MACONFI Manual de Procedimentos da Coordenadoria de Contabilidade e Finanças 1ª Edição Janeiro / 2013 Sumário 1. Conteúdo... 3 2. Conceitos... 3 3. Restrições à concessão

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE FRANCA Secretaria de Planejamento e Gestão Econômica Divisão de Compras e Licitações Contrato nº /08

PREFEITURA MUNICIPAL DE FRANCA Secretaria de Planejamento e Gestão Econômica Divisão de Compras e Licitações Contrato nº /08 MINUTA 1 1 TERMO DE CONTRATO Tomada de Preços nº 019/08 Processo nº 5935/0/ Contratante: Prefeitura Municipal de Franca Contratada: Valor: R$ ( ) OBJETO: AQUISIÇÃO DE TERMINAIS DE AUTO ATENDIMENTO Pelo

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO Manual do Fornecedor

PREGÃO ELETRÔNICO Manual do Fornecedor MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS PREGÃO ELETRÔNICO Manual do Fornecedor Brasília Julho/2006

Leia mais

CIRCULAR Nº 1.539. 2. Em anexo, encontram-se as folhas necessárias à atualização do Regulamento, contemplando:

CIRCULAR Nº 1.539. 2. Em anexo, encontram-se as folhas necessárias à atualização do Regulamento, contemplando: 1 CIRCULAR Nº 1.539 Documento normativo revogado pela Circular 2393, de 22/12/1993. Regulamento do Mercado de Câmbio de Taxas Administradas - Viagens Internacionais - Atualização n 1. Levamos ao conhecimento

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861

MANUAL DO USUÁRIO. Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861 MANUAL DO USUÁRIO Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861 Rio de Janeiro INPI/CEDIN 2014 BIBLIOTECA DO INPI Vinculada ao Centro de Disseminação da Informação Tecnológica (CEDIN),

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal da Integração Latino-Americana

Ministério da Educação Universidade Federal da Integração Latino-Americana Ministério da Educação Universidade Federal da Integração Latino-Americana EDITAL PROEX 10/2014, de 05 de agosto de 2014 PROFIEX 2014 A Comissão Superior de Extensão e a Pró-Reitora de Extensão da Universidade

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS PREGÃO Nº.../20... PROCESSO Nº 1.00.000.003689/2013-00 VALIDADE: 12 (DOZE) MESES ATA Nº.../20...

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS PREGÃO Nº.../20... PROCESSO Nº 1.00.000.003689/2013-00 VALIDADE: 12 (DOZE) MESES ATA Nº.../20... ATA DE REGISTRO DE PREÇOS PREGÃO Nº.../20... PROCESSO Nº 1.00.000.003689/2013-00 VALIDADE: 12 (DOZE) MESES ATA Nº.../20... Ao...do dia do mês de... do ano de 20..., na PROCURADORIA GERAL DA REPÚBLICA PGR,

Leia mais

GRUPO. CEP: 57020-670 - Cel. 8830-6001. WAPPE PUBLICIDADE E EVENTOS LTDA Unidade de Cursos www.wap.com.br CNPJ: 05.823.069/0001-39

GRUPO. CEP: 57020-670 - Cel. 8830-6001. WAPPE PUBLICIDADE E EVENTOS LTDA Unidade de Cursos www.wap.com.br CNPJ: 05.823.069/0001-39 Curso de Licitações, Contratos e Sistema de Registro de Preços (SRP) - 20 e 21 de Março Módulo i- licitação Definição O dever de licitar Quem pode licitar Pressuposto Natureza jurídica e fundamentos Legislação

Leia mais

ccmed@sms.prefpoa.com.br COM O ENVIO DO PREENCHIMENTO DO ANEXO 1.

ccmed@sms.prefpoa.com.br COM O ENVIO DO PREENCHIMENTO DO ANEXO 1. CADASTRO DE MARCAS DE MEDICAMENTOS HUMANOS DA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE/PMPA A PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE / PMPA, ATRAVÉS DA ÁREA DE AQUISIÇÕES E MATERIAIS DA SECRETARIA MUNICIPAL

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS EDITAL 05/2014

PERGUNTAS E RESPOSTAS EDITAL 05/2014 PERGUNTAS E RESPOSTAS EDITAL 05/2014 Atualizado em 10/11/2014 Esta nota tem o objetivo de esclarecer as instituições que pretendam apresentar propostas de projetos ao Edital 05/2014. 1. No que se refere

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília EDITAL Nº 007/RIFB, DE 28 DE ABRIL DE 2015.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília EDITAL Nº 007/RIFB, DE 28 DE ABRIL DE 2015. EDITAL Nº 007/RIFB, DE 28 DE ABRIL DE 2015. SELEÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS E VOLUNTARIADO EM INICIAÇÃO CIENTÍFICA NAS AÇÕES AFIRMATIVAS (ENSINO

Leia mais

Considerando a necessidade de se buscar a redução de custos, em função do aumento da competitividade; e

Considerando a necessidade de se buscar a redução de custos, em função do aumento da competitividade; e Página 1 de 5 PORTARIA Nº 306, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2001 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO GABINETE DO MINISTRO O MINISTRO DE ESTADO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO, no uso das atribuições

Leia mais

CURSO Elaboração de Especificações de Itens para o Catálogo de bens, materiais e serviços.

CURSO Elaboração de Especificações de Itens para o Catálogo de bens, materiais e serviços. CURSO Elaboração de Especificações de Itens para o Catálogo de bens, materiais e serviços. FRANCISCO JOSÉ COELHO BEZERRA Gestor de Registro de Preços Fortaleza 26 a 28/11/2014 SORAYA QUIXADÁ BEZERRA Gestora

Leia mais

DECRETO Nº 11.319, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2004

DECRETO Nº 11.319, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2004 DECRETO Nº 11.319, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2004 PUBLICADO NO DIÁRIO OFICIAL Nº 032, DE 17-02-2004 Regulamenta o Sistema de Registro de Preços SRP, previsto no art. 15, da Lei nº 8.666, de 21 de junho de

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO À PUBLICAÇÃO QUALIFICADA - PAPQ

PROGRAMA DE APOIO À PUBLICAÇÃO QUALIFICADA - PAPQ EDITAL 01/2016 PROPESP PROGRAMA DE APOIO À PUBLICAÇÃO QUALIFICADA - PAPQ A Pró- Reitoria de Pesquisa e Pós- Graduação (PROPESP) torna pública a seleção de propostas no âmbito do Programa de Apoio à Publicação

Leia mais

Apresentação PostgreSQL 8.2/ 8.3 Domingos Martins ES

Apresentação PostgreSQL 8.2/ 8.3 Domingos Martins ES Apresentação 1 PostgreSQL 8.2/ 8.3 Domingos Martins ES v. 1.0 2 Introdução: O foi desenvolvido com o objetivo de simplificar e agilizar o processo de aquisição de materiais e serviços, atendendo as exigências

Leia mais

REITORIA EDITAL Nº 27/2015

REITORIA EDITAL Nº 27/2015 REITORIA EDITAL Nº 27/2015 O Reitor da Universidade Vila Velha UVV torna público a todos os interessados que estão abertas, de 29 de setembro até 10 de outubro de 2015, as inscrições de propostas provenientes

Leia mais

NORMAS DE DILIGÊNCIA TÉCNICA DE VERIFICAÇÃO:

NORMAS DE DILIGÊNCIA TÉCNICA DE VERIFICAÇÃO: NORMAS DE DILIGÊNCIA TÉCNICA DE VERIFICAÇÃO: NORMAS DE DILIGÊNCIA TÉCNICA DE VERIFICAÇÃO: Considerando: - A Lei nº 12.232/10 estabelece no seu art. 4º que, para participar de licitações públicas, as agências

Leia mais

CONVITE Nº 0002/2011 OBJETO: AQUISIÇÃO DE TINTAS DATA DA REALIZAÇÃO: 31/01/11 HORA: 11:00 HORAS

CONVITE Nº 0002/2011 OBJETO: AQUISIÇÃO DE TINTAS DATA DA REALIZAÇÃO: 31/01/11 HORA: 11:00 HORAS AVISO CONVITE Nº 0002/2011 OBJETO: AQUISIÇÃO DE TINTAS DATA DA REALIZAÇÃO: 31/01/11 HORA: 11:00 HORAS LOCAL: RUA VISC. DE SEPETIBA, 987 11ºANDAR NITERÓI- RJ. 1/6 A FIRMA: ENDEREÇO: Prezados Senhores, CONVITE

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças TERMO DE REFERÊNCIA

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA Código de Classificação: 13.02.01.15 1 DO OBJETO: A presente licitação tem por objeto a contratação de empresa para prestação dos serviços de cobertura securitária (seguro) para assegurar

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010.

INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010. AUDITORIA GERAL DO ESTADO ATOS DO AUDITOR-GERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010. Estabelece normas de organização e apresentação das prestações de contas de convênios que impliquem

Leia mais

Guia para Comprovação de Investimentos

Guia para Comprovação de Investimentos Guia para Comprovação de Investimentos 1 2 4 5 Introdução Acompanhamento na Fase de Análise ETAPA 1 Comprovação Financeira ETAPA 2 Comprovação Física ETAPA Comprovação Jurídica ETAPA 4 Liberação Penalidades

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ALMOXARIFADO 1 SOLICITAÇÃO DE INCLUSÃO DE NOVOS ITENS NO CADASTRO DE MATERIAIS NO SISERGE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ALMOXARIFADO 1 SOLICITAÇÃO DE INCLUSÃO DE NOVOS ITENS NO CADASTRO DE MATERIAIS NO SISERGE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI - UFSJ INSTITUÍDA PELA LEI N O 10.425, DE 19/04/2002 D.O.U. DE 22/04/2002 PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO - PROAD DIVISÃO DE MATERIAS E PATRIMÔNIO DIMAP MANUAL DE

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO - ANEXOS - ANEXO I - PROCEDIMENTOS PARA CAPACITAÇÃO INTERNA DO REQUERIMENTO Art. 1º - A capacitação interna poderá ser proposta pela Reitoria, Pró-Reitorias ou Diretorias

Leia mais

Instruções para Cotação Eletrônica 152/2014

Instruções para Cotação Eletrônica 152/2014 Instruções para Cotação Eletrônica 152/2014 (Inciso II do Art. 24 da Lei nº 8.666/93 c/c Portaria nº 306, de 13 de dezembro de 2001). A União, por intermédio do Instituto Nacional de Câncer José Alencar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE SERVIÇOS GERAIS - DSG

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE SERVIÇOS GERAIS - DSG Of. n 1216/2008 Dicomp/DSG Belo Horizonte, 01 de outubro de 2008 Aos Dirigentes das Unidades Acadêmicas e Órgãos Administrativos UFMG Assunto: Procedimentos para importação - detalhamento Senhor Dirigente.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARAÇU ESTADO DE MINAS GERAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARAÇU ESTADO DE MINAS GERAIS ATA DE REGISTRO DE PREÇOS/CONTRATO Nº004-B/2016 PROCESSO LICITATÓRIO Nº018/2016 MODALIDADE: PREGÃO PRESENCIAL N 006/2016 VALIDADE: 12 (doze) meses O Município de Jaguaraçu, neste ato representado por seu

Leia mais