Edinaldo Marques de Oliveira. Brasília, janeiro/2009.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Edinaldo Marques de Oliveira. Brasília, janeiro/2009."

Transcrição

1 Coordenação de Pós-Graduação, Extensão e Pesquisa Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Direito Administrativo com ênfase em Gestão Pública CULTURA DO REAPROVEITAMENTO NO SERVIÇO PÚBLICO: UM ESTUDO SOBRE O DESPERDÍCIO DE RECURSOS MATERIAIS NA SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS DO SENADO FEDERAL Edinaldo Marques de Oliveira Brasília, janeiro/2009.

2 Edinaldo Marques de Oliveira CULTURA DO REAPROVEITAMENTO NO SERVIÇO PÚBLICO: UM ESTUDO SOBRE O DESPERDÍCIO DE RECURSOS MATERIAIS NA SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS DO SENADO FEDERAL Monografia apresentada à Faculdade Albert Einstein, como requisito para a obtenção do grau de especialista em Direito Administrativo com ênfase em Gestão Pública. Orientadora: Prof.ª Dr.ª Patrícia Cristiane Gama da Costa Brasília, janeiro/2009.

3 "Muitas das coisas mais importantes do mundo foram conseguidas por pessoas que continuaram tentando quando parecia não haver mais nenhuma esperança de sucesso." Dale Carnegie "Nós somos o que fazemos repetidamente; a excelência não é um feito, e sim, um hábito." Aristóteles

4 Agradeço a Professora Patrícia Gama, pelo trabalho exaustivo e competente de orientação da monografia; aos servidores da Secretaria de Recursos Humanos do Senado Federal SERH que responderam ao questionário e deram importantes sugestões; e a todos que, de alguma forma, contribuíram para a consecução do presente trabalho. Muito obrigado!

5 LISTA DE ABREVIATURAS BAPs Boletins de Acompanhamento de Processo PIB Produto Interno Bruto SERH Secretaria de Recursos Humanos do Senado Federal SF Senado Federal

6 LISTA DE QUADROS Quadro 1 Significado dos 5S...26 Quadro 2 Definição, aplicação e acrônimo dos 5S em português...27 Quadro 3 Sugestões apresentadas para um melhor aproveitamento dos recursos materiais do Senado...45 Quadro 4 Opiniões apresentadas sobre a importância do reaproveitamento dos recursos materiais no Senado...52

7 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Quantitativo de copos descartáveis utilizados por dia...34 Tabela 2 Quantitativo de servidores que utilizam o verso da folha de papel...36 Tabela 3 Quantitativo de servidores que apagam as luzes quando não há pessoas na sala...37 Tabela 4 Quantitativo de servidores que desligam o ar-condicionado quando não há ninguém na sala...38 Tabela 5 Quantitativo de servidores que desligam o computador quando vão embora...39 Tabela 6 Quantitativo de servidores que utilizam o telefone do setor para resolver assuntos pessoais...40 Tabela 7 Quantitativo de folhas de toalha de papel utilizadas por servidor cada vez que enxuga as mãos...41 Tabela 8 Quantitativo de servidores que imprimem o texto para conferir...42 Tabela 9 Quantitativo de servidores que consideram fazer utilização racional do material de escritório...43 Tabela 10 Quantitativo de servidores que fecham a torneira enquanto escovam os dentes...44

8 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 Demonstrativo das quantidades de copos descartáveis utilizados por dia...34 Gráfico 2 Demonstrativo das quantidades de servidores que utilizam o verso da folha de papel...36 Gráfico 3 Demonstrativo das quantidades de servidores que apagam as luzes quando não há pessoas na sala...37 Gráfico 4 Demonstrativo das quantidades de servidores que desligam o arcondicionado quando não há ninguém na sala...38 Gráfico 5 Demonstrativo das quantidades de servidores que desligam o computador quando vão embora...39 Gráfico 6 Demonstrativo das quantidades de servidores que utilizam o telefone do setor para resolver assuntos pessoais...40 Gráfico 7 Demonstrativo das quantidades de folhas de toalha de papel utilizadas por servidor cada vez que enxuga as mãos...41 Gráfico 8 Demonstrativo das quantidades de servidores que imprimem o texto para conferir...42 Gráfico 9 Demonstrativo das quantidades de servidores que consideram fazer utilização racional do material de escritório...43 Gráfico 10 Demonstrativo das quantidades de servidores que fecham a torneira enquanto escovam os dentes...44

9 SUMÁRIO RESUMO...9 INTRODUÇÃO SOBRE O DESPERDÍCIO COMO SURGE O DESPERDÍCIO TIPOS DE DESPERDÍCIO O PDSA COMO EVITAR O DESPERDÍCIO AFINAL, O QUE É O DESPERDÍCIO OS 3R SOBRE O SERVIÇO PÚBLICO O QUE É SERVIÇO PÚBLICO OS 5S Benefícios dos 5S O MODELO 7S O significado dos 7S SOBRE A CONSCIENTIZAÇÃO MAS, AFINAL, O QUE É CONSCIENTIZAÇÃO METODOLOGIA MÉTODOS DE ABORDAGEM TÉCNICAS UTILIZADAS DELIMITAÇÃO DO UNIVERSO RESULTADOS...34 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES...59 REFERÊNCIAS...63 ANEXO...66

10 RESUMO O desperdício no serviço público é algo muito presente na vida da população brasileira e, principalmente, no serviço público: são obras inacabadas, estradas começadas e não terminadas, caminhões que perdem seu carregamento durante o percurso entre a produção e a entrega etc. Desperdício é o recurso que se gasta, além do que é necessário, na execução de um produto ou serviço. É algo que não agrega valor aos produtos e serviços finais. É, portanto, sinônimo de aumento de custos, improdutividade, falta de qualidade, entre outros. Escolheu-se analisar o desperdício de recursos materiais no serviço público porque esse é um assunto que está muito em voga no momento por que o Brasil está passando, quando se tornou premente e absolutamente necessária uma ação mais efetiva contra o desperdício de recursos, principalmente materiais e financeiros. O objetivo geral da presente monografia é propor formas de se evitar o desperdício de recursos materiais no serviço público; e os específicos são: levantar as formas de desperdício de recursos materiais no serviço público; identificar formas de se evitarem desperdícios no serviço público; incentivar os servidores a evitarem o desperdício; evidenciar que a economia de recursos materiais pode retornar aos servidores em forma de incentivos; e mostrar as vantagens de se economizar no serviço público. Para se abordar o tema, após se pesquisar sobre ele na literatura selecionada, utilizou-se o recurso da aplicação de questionário aos servidores da Secretaria de Recursos Humanos do Senado Federal SERH. O questionário foi encaminhado aos servidores desse Órgão, via , e 62 (sessenta e duas) respostas foram devolvidas ao pesquisador, também via ou impressas; as respostas obtidas foram tabuladas e analisadas, para se apontarem as devidas conclusões. Chegou-se à conclusão de que a maioria dos servidores da SERH está preocupada com o problema do desperdício e espera soluções urgentes por parte da administração para minimizá-lo. É de notar-se que a pesquisa demonstrou, de modo geral, que o nível de desperdício de recursos materiais na SERH é relativamente alto, o que pode, obviamente, ser estendido ao Senado Federal e ao serviço público; entretanto, mostrou também que os servidores estão preocupados em reduzi-lo. Das diversas sugestões dadas para essa redução, a que mais ocorreu foi levar a efeito uma campanha de conscientização. Concluiu-se que é necessário criar uma política de incentivo para que os servidores evitem desperdiçar materiais. Além disso, poderia ser criada uma campanha para conscientizar os servidores e, além disso, mostrar-lhes para onde iriam os recursos por eles economizados, ou seja, mostrar em que o Brasil melhoraria com a economia feita pelo órgão. PALAVRAS-CHAVE: Recursos materiais, desperdício, campanha, conscientizar, servidores, economia.

11 INTRODUÇÃO O desperdício é uma situação absolutamente entranhada no dia-a-dia das pessoas; até mesmo nas classes mais baixas da população, podem-se identificar diversas situações em que ele é evidenciado. O presente trabalho tem como finalidade principal identificar o desperdício de recursos materiais no serviço público, analisando-se a Secretaria de Recursos Humanos do Senado Federal SERH, bem como apontar algumas opções para melhorar a situação. Escolheu-se analisar o desperdício de recursos materiais no serviço público porque esse é um assunto que está muito em voga no momento por que o Brasil está passando, quando se tornou premente e absolutamente necessária uma ação mais efetiva contra o desperdício de recursos, principalmente materiais e financeiros. O desperdício é o gasto sem proveito e a utilização incorreta ou incompleta de bens de consumo ou recursos (BARSA, 1998). No presente trabalho, foi tratada a questão do desperdício no serviço público, que faz com que boa parte de nossas riquezas e produção seja jogada no lixo regularmente. Apenas para se ter uma idéia da quantidade de desperdício, o que é desperdiçado, no Brasil, somente em gêneros alimentícios impediria a morte de 200 mil crianças por subnutrição ao final de cada ano (JORNAL DO BRASIL de 18/07/1993, apud EIGENHEER, 1993). O desperdício no serviço público é algo tão presente que pode ser facilmente verificado pelo cidadão brasileiro; são obras inacabadas, estradas começadas e não terminadas, caminhões que vão perdendo seu carregamento durante o percurso entre a produção e a entrega, devido a estradas esburacadas e mal sinalizadas; governos que se recusam a terminar uma obra começada em governos anteriores e tantos outros desperdícios que se presenciam ou de que se têm notícia pelos meios de comunicação. A preocupação com o desperdício, não só no serviço público, mas em todas as áreas da vida, vem tomando volume nos meios de comunicação e até nas conversas entre amigos. Isso se dá por motivo justificado, haja vista que, em 1993, já era veiculado que o Brasil desperdiçava US$ 40 bilhões por ano em diversas

12 11 áreas da produção e do comércio, como, por exemplo, produção de hortifrutigranjeiros, construção civil, armazenamento inadequado, vazamentos de água etc. (Soraya de Alencar, O GLOBO de 07/09/1993 apud EIGENHEER, 1993). Esses dados referem-se aos bens de consumo antes que cheguem ao consumidor; este, por sua vez, ao consumir, joga fora outra infinidade de coisas que poderiam ser mais bem utilizadas ou até reaproveitadas. No serviço público, a situação não é diferente. É grande o desperdício de recursos materiais, seja por descaso dos servidores, seja por desconhecimento das rotinas de trabalho e/ou de como utilizar melhor os recursos. Segundo Wahba (1993 apud EIGENHEER, 1993), se o operário desperdiça solda e o contínuo estraga papéis, a culpa pode ser [...] de seus impulsos destrutivos, que não acham outra via para serem canalizados. Por analogia, pode-se dizer que, se o servidor público desperdiça, subutiliza ou utiliza mal os recursos disponíveis, isso pode ser motivado pelo fato de que ele não tem conhecimento da importância de seu trabalho para a contenção dos custos de manutenção da máquina administrativa e, por conseguinte, para o desenvolvimento do País. É necessário, portanto, um trabalho de conscientização, uma política de valorização e treinamento dos servidores públicos, visando ao seu melhor desempenho pela internalização da sua importância na economia e no desenvolvimento do Brasil. A questão do desperdício no Brasil é muito mais ampla e complexa; envolve outras nuances que não somente o serviço público. Não obstante, o melhor aproveitamento dos recursos materiais no serviço público é um grande passo para que o País possa diminuir seu endividamento público externo e interno e tornar-se, assim, menos dependente de empréstimos externos; com isso, poderia aumentar os investimentos para tornar melhores os serviços públicos e, por conseguinte, melhorar a vida do povo brasileiro. Não se abordaram, no presente trabalho, esses grandes desperdícios que ocorrem diuturnamente no País. Abordaram-se somente os pequenos desperdícios havidos dentro das repartições públicas, como, por exemplo: ligações telefônicas desnecessárias e intermináveis, uso de vários copos descartáveis por dia por uma mesma pessoa, manutenção do ar-condicionado ligado quando não há ninguém na

13 sala; manutenção de lâmpadas acesas sem pessoas na sala etc. 12 Este trabalho vem esclarecer o que realmente ocorre no serviço público, no tocante ao desperdício de recursos materiais, mormente no Senado Federal; como essa questão é vista pelos servidores e como se pode desenvolver uma conscientização quanto aos riscos que o desperdício traz para o País. Para tanto, foram abordados os conceitos de desperdício, de serviço público, de conscientização e outros associados ao tema. Este tema Cultura do reaproveitamento no serviço público: um estudo sobre o desperdício de recursos materiais na Secretaria de Recursos Humanos do Senado Federal foi escolhido porque se julgou que o presente trabalho pode contribuir, sobremaneira, para a redução desse desperdício, com a conseqüente economia e o melhor uso dos recursos. Foi nesse contexto, portanto, que o desperdício foi abordado, convocando a comunidade do Senado Federal e, por extensão, a comunidade brasileira para uma participação mais ativa, consciente e responsável no sentido de se economizarem os recursos disponíveis, pois é com pequenas ações que se começa a mudar a cultura arraigada do desperdício. Dessarte, após analisarem-se a literatura e as iniciativas de redução do desperdício, fez-se a seguinte indagação: como transformar a cultura do desperdício, vigente no serviço público, em cultura do reaproveitamento, melhor utilização dos recursos e, por conseguinte, em economia? Para se responder a essa indagação, foi determinado como objetivo geral: propor formas de se evitar o desperdício de recursos materiais no serviço público; já como objetivos específicos, foram determinados os seguintes: levantar as formas de desperdício de recursos materiais no serviço público; identificar formas de se evitarem desperdícios no serviço público; incentivar os servidores a evitarem o desperdício; evidenciar que a economia de recursos materiais pode retornar aos servidores em forma de incentivos; e mostrar as vantagens de se economizar no serviço público.

14 13 Para se atingirem esses objetivos, utilizaram-se, segundo os ensinamentos de Vergara (2003), a pesquisa aplicada, na medida em que foi feita uma proposta de mecanismos que diminuam o desperdício de recursos materiais no âmbito do Senado Federal; a de campo, pois se buscaram respostas para a situação-problema a partir de questionário aplicado aos servidores da SERH; e a bibliográfica, devido à busca dos conceitos e teorias sobre o assunto na literatura existente. Foi utilizado, neste trabalho, o processo de amostragem não-probabilística, com amostras intencionais, conforme a definição de Moura e Ferreira (2005), em que se aplicou questionário aos servidores e gerentes da SERH. O questionário foi encaminhado via , e 62 (sessenta e duas) respostas foram devolvidas ao pesquisador também via ou impressas, conforme opção dos respondentes. As respostas obtidas foram digitadas e tabuladas, utilizando-se a ferramenta Excel, e mostradas em tabelas e gráficos para facilitar a visualização. Foi, então, realizada a análise dos dados obtidos, a fim de se apontar a devida conclusão. Assim, após análise da bibliografia encontrada sobre o desperdício e a aplicação de questionários aos servidores da SERH, analisaram-se os resultados obtidos e apresentaram-se a conclusão e as sugestões para a contenção do desperdício de recursos materiais no serviço público, principalmente na Secretaria de Recursos Humanos do Senado Federal. Dessarte, a presente monografia encontra sua principal justificação em destrinçar o desperdício no serviço público, fornecendo dados para análise crítica por parte dos leitores em geral e dos servidores públicos em sentido lato, para que engendrem ações visando à diminuição do desperdício de recursos materiais no serviço público; será, portanto, particularmente importante para dar embasamento às pessoas que já estão bem conscientizadas quanto à necessidade de promoverem essa diminuição ou, quiçá, abolição desse entrave ao desenvolvimento econômico do País.

15 1. SOBRE O DESPERDÍCIO Para Moraes (1968, p. 5), no Brasil, adotamos o desperdício como regra, sem atentarmos para o fato de que, se ele é nocivo lá fora, aqui se afigura um crime contra nós mesmos. No serviço público, o desperdício é verificado em todos os setores de atuação do Estado, seja na forma de administração, seja na execução das obras públicas. Nós, infelizmente, nos notabilizamos pela vocação improvisadora. O desperdício, então, reponta em setores diferentes e têm formas as mais diversas. O esbanjamento nosso está na má administração da coisa, a tendência paternalista influindo na organização de equipes e a falta absoluta de senso prático na montagem dos sistemas de trabalho. No serviço público, principalmente, é doloroso o que ocorre. A máquina funciona em torno de si mesma, atendo-se ao ramerrão da burocracia, preocupada com as emulações vazias defluentes dos despachos e do vaivém do papelório. O sistema burocrático dá poderes plenos a Sua Majestade O PAPEL, sem ater-se aos objetivos de rendimento. (...) O serviço público, descoroçoado e mal pago é apenas um regimento de dedicações, porque o sistema arcaico lhe impõe a rotina e o desperdício (MORAES, 1968, p. 6). O problema do desperdício está nas pequenas coisas. Segundo Falconi (2006, p. 4), há milhares de pequenos desperdícios e desvios que ninguém vê, mas fazem um rombo muito grande. São, por exemplo, ligações telefônicas infindáveis ou desnecessárias, lâmpadas acesas sem necessidade, folhas de papel usadas pela metade ou apenas de um lado, porções de legumes e frutas jogadas fora juntamente com a casca, apenas para citar alguns tipos de pequenos desperdícios. É, portanto, necessária uma grande mudança para se alterar a cultura do desperdício vigente no País. Os servidores públicos, por exemplo, precisam conscientizar-se de que o desperdício a que dão causa faz com que o País cresça menos e perca uma vultosa quantidade de recursos que poderiam ser utilizados em outros setores. É preciso que se mude a velha idéia de que o ônus dos desperdícios e utilizações desnecessárias de recursos públicos não é dos servidores, mas do País. É necessário enxergar que o País são todas as pessoas, inclusive, obviamente, os servidores públicos, e que os recursos são finitos e precisam, portanto, ser bem aplicados e bem administrados.

16 O melhoramento da qualidade de vida, em particular no ambiente de trabalho, exige, necessariamente, de cada um, uma mudança radical no mau costume do desperdício, já tão arraigado nos brasileiros e que se transformou como que num fator cultural, tornando-se imperceptível às suas consciências. A cultura do desperdício leva as pessoas a uma atitude de indiferença cujos resultados, muitas vezes, são encobertos pelo suprimento excessivo de recursos financeiros, econômicos e humanos (SILVA, 1996, p. 4-6). 15 À medida que os recursos tornam-se escassos, o desperdício aparece como um inimigo mortal, do qual é muito difícil livrar-se. Portanto, a mudança cultural depende da vontade humana de se desprender de valores e procedimentos inadequados, do conhecimento e da prudência, visando a um contínuo aperfeiçoamento, e da perseverança na manutenção dos propósitos estabelecidos (SILVA, 1996, p. 6). O Brasil é um dos países com mais alto grau de desperdício do mundo. Cerca de 5% do PIB nacional são literalmente jogados fora (CAVALCANTI, 1993). Note-se que o País desperdiça anualmente US$ 40 bilhões na agricultura, nas indústrias, na construção civil e no setor de energia, sem contar o desperdício doméstico (GIBSON, 1993), pois, a cada ano, o Brasil joga no lixo comida suficiente para alimentar boa parte de sua população de famintos (REVISTA ABRAVA, 1993, p ). O Brasil não pode mais aceitar o desperdício como ocorre hoje. Com medidas simples e baratas, é possível conscientizar a população para se evitá-lo (FERRARI, 1993). Eis, portanto, a palavra-chave na luta contra esse mal na sociedade brasileira: conscientização. As pessoas precisam perceber que o desperdício não é bom para o País e, por conseguinte, não é bom para elas; precisam atentar para o fato de que os recursos materiais são esgotáveis se não houver uso adequado e racional. Para se coletarem dados sobre as causas do desperdício, é necessário concentrar a atenção naquilo que precisa ser mudado para eliminá-lo (CONWAY QUALITY, 1996, p. 23). Por exemplo: se você eliminar o desperdício do trabalho, quase todo o trabalho restante terá valor para o seu cliente e será, portanto, trabalho com valor agregado real. (CONWAY QUALITY, 1996, p. 5). Portanto, para se

17 16 identificarem essas causas devem-se procurar desperdícios em todos os passos de um processo, tais como demoras e etapas desnecessárias, e tentar descobrir uma maneira para reduzi-los ou eliminá-los, mudando, rearrumando, combinando ou simplificando etapas para melhorar o processo (CONWAY QUALITY, 1996, p. 36). É preciso entender qual trabalho está sendo realizado e como isso está ocorrendo. O desperdício ocorre por trabalhar nas coisas erradas e por não usar os melhores processos quando se trabalha nas coisas certas. (CONWAY QUALITY, 1996, p. 78). É necessário também identificar se, no desperdício, não há nenhuma motivação interna da pessoa que está desperdiçando, como a inveja de alguém, a raiva ou outro sentimento destrutivo, pois, se o funcionário desperdiça material, a culpa pode ser da inveja que sente do patrão ou pode ser devida aos seus impulsos destrutivos, que não encontram outra forma de serem canalizados (WAHBA, 1993, p. 21). Assim, se não parece existir uma relação entre países desenvolvidos e desperdício, isso é mais evidente entre a educação/hábito e o desperdício (BALLARIN, 1985, p. 13). Como foi dito algures do presente trabalho, é preciso mudar a cultura da sociedade brasileira, pois o desperdício está muito entranhado na vida das pessoas. Até pessoas com baixo poder aquisitivo têm os seus desperdícios, mesmo que imperceptíveis sem uma análise mais acurada. O desperdício existe em toda parte, em todas as áreas de atuação do ser humano e isso deveria incomodar a todos, embora não o faça totalmente. As pessoas normalmente consideram que os outros é que estão desperdiçando, mas raramente percebem a sua própria cultura de desperdício. Mais do que agredir a sensibilidade ética ordinária, o fenômeno do desperdício nos incomoda pelo seu caráter ubíquo. Por toda a parte, e em todas as dimensões da vida, a fenomenologia do desperdício parece ter poderes imperiais. Sua incidência desconhece as fronteiras entre o público e o privado. (...) Não há como evitar a impressão de que desperdiçar é um hábito essencialmente humano (LESSA, 1993, p. 45). Não se podem ignorar as causas verdadeiras do desperdício; é preciso, ao contrário, agir pontualmente nas áreas em que estiver havendo utilização indevida

18 17 de recursos materiais. Segundo o Jornal do Brasil (02/06/1993), se o Brasil investisse por ano o equivalente a US$ 300 milhões no combate ao desperdício, poderia, em seis anos, aumentar em 50% o Produto Interno Bruto (PIB). Cerca de US$ 64,5 bilhões (15% do PIB) são desperdiçados a cada ano; 33% do material de construção deixam as obras em forma de entulho; na agricultura é onde há mais desperdício (25% a 30% da safra de grãos e 40% da produção de frutas). Por sua vez, o que o País desperdiça em alimentos, cerca de US$ 4 bilhões por ano, daria para matar a fome dos famintos no país e impedir a morte de 200 mil crianças por subnutrição (JORNAL DO BRASIL, 18/07/1993) COMO SURGE O DESPERDÍCIO O desperdício surge da necessidade desenfreada de consumo da sociedade moderna. A população, em busca de bens cada vez mais modernos e com mais recursos de usabilidade, vai deixando atrás de si um grande rastro de desperdício. Assim, o senso de economia, de preservação dos objetos é totalmente ignorado pelos esbanjadores (CONWAY QUALITY, 1996, p. 4). O desperdício verificado nas instituições públicas origina-se, em última análise, nos processos de trabalho, ou seja, naquilo em que as organizações trabalham e na forma como o fazem. Convém, entretanto, lembrar que todas as formas de trabalho geram desperdício, seja ele realizado por máquinas, processos químicos, computadores, energia ou pessoas. Entretanto, a maior parte do desperdício tem origem no trabalho realizado na coisa errada (CONWAY QUALITY, 1996, p. 79). Outra fonte de desperdício é o uso inadequado do tempo, seja utilizando-o mal, com tarefas desnecessárias, seja não fazendo nada. Assim, Uma organização típica gasta cerca de 40% de seu tempo com tarefas desnecessárias, de 5% a 15% com trabalho necessário, mas que não agrega valor, e 25% sem trabalhar. Isso deixa apenas de 20% a 30% do tempo para a produção com valor agregado. É por

19 18 isso que analisar o trabalho é tão eficaz para eliminar o desperdício (CONWAY QUALITY, 1996, p. 80). Se se analisar o desperdício de tempo com trabalho desnecessário, pode-se verificar que o retrabalho é o principal vilão. Não obstante, outros tipos de trabalhos desnecessários, como o tempo gasto lendo ou preparando relatórios que não são usados, exercendo funções que não são mais necessárias ou trabalhando em coisas que não agregam valor para o cliente ou para a organização, também devem ser considerados, pois traduzem um enorme desperdício (CONWAY QUALITY, 1996, p. 81). É necessário estar sempre atento para o fato de que as pessoas geralmente não gostam sequer de imaginar que seu trabalho é inócuo, pois querem realizar trabalho significativo e não gostam de pensar que seus esforços são desperdiçados; querem, portanto, sentir-se produtivas (CONWAY QUALITY, 1996, p. 91). O substrato de quase todas as causas de desperdício é a falta de educação, de percepção. Ballarin (1985, p. 149) ensina que muitos adultos interpretam os conselhos para evitar desperdício como inspirados pelo desejo de fazer economia de palito. Assim, o melhor caminho é dar prioridade ao ensinamento das crianças e dos jovens, incutindo-lhes uma mentalidade e uma atitude de antidesperdício, criando-se uma nova conscientização TIPOS DE DESPERDÍCIO Segundo Conway Quality (1996, p. 4), há quatro formas de desperdício: de material, de capital, de tempo e de vendas ou oportunidades perdidas. Cada uma delas é, obviamente, autoexplicativa. Já segundo Ballarin (1985, p. 15), há os desperdícios inevitáveis, os evitáveis, os de compensação, os de proteção e os recuperáveis. Haja vista os objetivos do presente trabalho, concentrou-se apenas nos prejuízos evitáveis de material e tempo. Um desperdício muito comum na sociedade brasileira é o consumo de

20 19 eletricidade além do que seria necessário, ao se deixarem luzes desnecessariamente acesas, seja em casa, seja em locais públicos. Quem não viu todos os edifícios públicos de Brasília iluminados noite adentro sem que ninguém estivesse trabalhando? (BALLARIN, 1985, p. 19) Embora seja de fundamental importância para as realizações humanas, o tempo muitas vezes não recebe a devida análise, quando se trata de examinar o assunto desperdício (SILVA, 1993, p. 59). Desperdiça-se tempo quando se faz uma pessoa aguardar na sala de espera, por não se prever corretamente o tempo que durará uma audiência anterior ou por não se saber lidar com um visitante que não vai embora. Da mesma forma, desperdiça-se tempo quando se adota uma atitude displicente sem se preocupar com as pessoas que estão na fila, ao se manter uma conversa particular ou uma discussão interminável (BALLARIN, 1985, p. 139). Gerações de brasileiros estão sendo condenadas a toda sorte de problemas, como a fome, a miséria, o subdesenvolvimento, porque os nossos administradores não conseguem acabar com o desperdício de tempo, e talvez nem percebam a necessidade disso, o que acaba atingindo, de alguma forma, a todos nós, cidadãos (SILVA, 1993, p. 62) O PDSA Para qualquer redução do desperdício, é necessário observarem-se os processos de planejar, fazer, estudar e agir (PDSA do inglês Plan, Do, Study, Act); se qualquer dessas fases deixar de ser executada, a probabilidade de sucesso é remota. Portanto, o PDSA, proposto por Walter Shewhart, é a chave para qualquer mudança ou inovação do processo. Esse recurso, cujas ações estão definidas a seguir, deve ser utilizado em qualquer mudança de processo, depois que um desperdício ou uma oportunidade é identificada (CONWAY QUALITY, 1996, p. 10):

21 20 PLANEJAR identificar a situação atual; coletar dados; imaginar como o processo poderia ou deveria ser. Imaginar, enfim, tanto as mudanças nos passos do processo como o quadro geral mudanças no sistema do processo ou no negócio. FAZER Fazer os aperfeiçoamentos, as mudanças. Fazer acontecer! ESTUDAR Estudar o efeito das mudanças e das ações tomadas. Aconteceu o que se imaginou? Está OK, melhor ou pior? AGIR Se tiver dado certo, padronizar o aperfeiçoamento. Planejar outros aperfeiçoamentos; se não se estiver satisfeito com os resultados, planejar outras providências COMO EVITAR O DESPERDÍCIO Como se disse alhures, uma das formas de desperdício é de tempo. Para se reduzir esse tipo de desperdício, pode-se, por exemplo, reduzir o tempo de ciclo das atividades (CONWAY QUALITY, 1996, p. 91). Assim, reduzindo-se processos, aproximando-se a execução da coordenação e esta da decisão, haverá boa redução do tempo gasto na estrutura organizacional. De outro modo, cada servidor pode procurar a sua própria forma de reduzir o desperdício de tempo. Cada pessoa pode tornar-se um facilitador em sua área de atuação pessoal ou profissional, ou seja, alguém que esteja sempre atento para fazer diminuir o desperdício do principal fator presente em cada um dos momentos da vida das pessoas, das empresas, das sociedades e das nações: o tempo (SILVA, 1993, p. 63). Convém salientar que é preciso identificar os focos de desperdício e reeducar

22 21 as pessoas, os servidores para que se reduzam os desperdícios existentes atualmente, pois... identificando a causa, fica mais fácil corrigir e combater o desperdício. Mas uma conclusão parece delinear-se: o substrato de todas, ou de quase todas as causas, é a falta de educação, de bons hábitos. (BALLARIN, 1985, p. 20). Em um plano incontaminadamente lógico, é possível supor que a erradicação do desperdício tenha como condição necessária o ajuste entre a escala de necessidade e a escala de provisão de bens, em uma dada sociedade (LESSA, 1993, p. 45). A coleta seletiva do lixo é um bom exemplo de reeducação das pessoas, pois é a ordenação dos materiais descartados, para melhorar e aprimorar a reutilização e a reciclagem dos que possam ser reutilizados ou reciclados (EIGENHEER, 1993, p. 28). As empresas privadas, que visam essencialmente ao lucro, estão mais atentas à diminuição do desperdício do que os órgãos públicos, pressionadas principalmente pela necessidade de pelo menos manter custos. Por outro lado, no setor público, pouca ou nenhuma atenção tem sido dada a essa questão, o que a faz assumir grandes proporções de difícil solução (AUGUSTO, 1993, p. 68). Dessarte, pode-se concluir que uma maneira fundamental para lidar com o desperdício é o investimento em tecnologia, que terá, entretanto, que considerar o conceito abstrato de desperdício como parte dos custos da atividade. Só assim desligar-se-ão máquinas para que se evite transformar algo em nada (BONDER, 1993, p. 35). Convém destacar, não obstante, que, relativamente ao desperdício, o êxito obtido por pessoas, empresas, países, só aconteceu porque se tomaram as providências corretas de maneira eficaz e eficiente no momento certo (SILVA, 1993, p. 59) AFINAL, O QUE É O DESPERDÍCIO

Origem do nome do programa 5S

Origem do nome do programa 5S Os Cinco Sensos PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Origem do nome do programa 5S 5S s vem de cinco palavras japonesas que começam por S : SEIRI senso de utilização, seleção, descarte. SEITON senso de

Leia mais

Eliminação de desperdícios Otimização do espaço Facilidade no acesso a materiais de trabalho Prevenção de quebras e acidentes Redução ou eliminação

Eliminação de desperdícios Otimização do espaço Facilidade no acesso a materiais de trabalho Prevenção de quebras e acidentes Redução ou eliminação Benefícios! Quais são? Eliminação de desperdícios Otimização do espaço Facilidade no acesso a materiais de trabalho Prevenção de quebras e acidentes Redução ou eliminação de condições e atos inseguros

Leia mais

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve?

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve? HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S Introdução Basicamente consiste na determinação de organizar o local de trabalho, mantêlo arrumado e em ordem, limpo, mantendo as condições padronizadas e a disciplina necessárias

Leia mais

Apresentação do programa 5S

Apresentação do programa 5S Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência PIBID 2011 Ciências da Natureza Apresentação do programa 5S Dia 04 de janeiro de 2012 Local: Escola Elisa Ferrari Valls Horário: 09h O "Programa

Leia mais

5Ss: Aplicação em Bibliotecas e Centros de Informação

5Ss: Aplicação em Bibliotecas e Centros de Informação 5Ss: Aplicação em Bibliotecas e Centros de Informação Introdução Década de 50 Japão tenta se reerguer da derrota sofrida na Segunda Grande. Profissionais dos Estados Unidos vão ao Japão a ensinar como

Leia mais

Sensibilizando para Organização e Limpeza

Sensibilizando para Organização e Limpeza Sensibilizando para Organização e Limpeza Engº JULIO TADEU ALENCAR e-mail: jtalencar@sebraesp.com. @sebraesp.com.br Ver-03/04 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo O QUE PODEMOS FAZER

Leia mais

Edição 01/08. Apresentações: Nome Atividade desenvolvida Tempo de experiência profissional Nome do Hospital Cidade

Edição 01/08. Apresentações: Nome Atividade desenvolvida Tempo de experiência profissional Nome do Hospital Cidade Edição 01/08 MÓDULO 5S`s Apresentações: Nome Atividade desenvolvida Tempo de experiência profissional Nome do Hospital Cidade 1 Conteúdo Programático do Módulo 5S Conteúdo Origem do 5S Objetivos do 5S

Leia mais

Guia básico para implementação da PRODUÇÃO ENXUTA. Reduza suas perdas e melhore seus resultados.

Guia básico para implementação da PRODUÇÃO ENXUTA. Reduza suas perdas e melhore seus resultados. Guia básico para implementação da PRODUÇÃO ENXUTA Reduza suas perdas e melhore seus resultados. INSTITUCIONAL A Consustec é uma empresa com menos de um ano de mercado, com espírito jovem e um time extremamente

Leia mais

Programa 5 S. A partir de agora, conheça o programa que mudará para melhor a sua vida no trabalho.

Programa 5 S. A partir de agora, conheça o programa que mudará para melhor a sua vida no trabalho. Programa 5 S A partir de agora, conheça o programa que mudará para melhor a sua vida no trabalho. Com este programa, a qualidade e a segurança será colocada em prática e seu ambiente vai ficar mais alegre

Leia mais

NOÇÕES E CONCEITOS BÁSICOS DE 5 S/HOUSEKEEPING

NOÇÕES E CONCEITOS BÁSICOS DE 5 S/HOUSEKEEPING NOÇÕES E CONCEITOS BÁSICOS DE 5 S/HOUSEKEEPING Há quem diga que praticar o 5S é praticar "bons hábitos" ou "Bom senso". Apesar da simplicidade dos conceitos e da facilidade de aplicação na prática, a sua

Leia mais

SISTEMA 5S PRATICANDO OS 5S NO SEU LOCAL DE TRABALHO

SISTEMA 5S PRATICANDO OS 5S NO SEU LOCAL DE TRABALHO PRATICANDO OS 5S NO SEU LOCAL DE TRABALHO APRESENTANDO OS 5S s VOCÊ ESTÁ ENTRANDO EM CONTATO COM UM SISTEMA DE EDUCAÇÃO E TREINAMENTO, CRIADO NO JAPÃO POR TAKASHI OSDA, QUE BUSCA A QUALIDADE TOTAL DE UMA

Leia mais

Gestão Aplicada I. Professor: Venicio Paulo Mourão Saldanha E-mail: veniciopaulo@gmail.com / Site: www.veniciopaulo.com

Gestão Aplicada I. Professor: Venicio Paulo Mourão Saldanha E-mail: veniciopaulo@gmail.com / Site: www.veniciopaulo.com Gestão Aplicada I Professor: Venicio Paulo Mourão Saldanha E-mail: veniciopaulo@gmail.com / Site: www.veniciopaulo.com Formação e ficha profissional: Graduado em Analises e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

Programa. 5S Housekeeping

Programa. 5S Housekeeping Programa 5S Housekeeping Verdadeiro sentido do 5S É a porta de entrada para qualquer Programa da Qualidade; É o ambiente da qualidade; A maior virtude do programa não é alcançada pela maioria das pessoas;

Leia mais

PROGRAMA 5S: Parceiro na administração do tempo

PROGRAMA 5S: Parceiro na administração do tempo PROGRAMA 5S: Parceiro na administração do tempo Aliny MALAGUTI¹ - RGM 070591 Carolina Stoze NARDY¹ - RGM 070498 Lidiane Aparecida Dias COSTA¹ - RGM 067031 Renato Francisco Saldanha SILVA² Elcio Aloísio

Leia mais

A Base para a Qualidade Total

A Base para a Qualidade Total A Base para a Qualidade Total 1 HISTÓRIA Foi concebido por Kaoru Ishikawa em 1950, no Japão pós-guerra; Surgiu com a necessidade de por ordem na grande confusão a que ficou reduzido o país após a derrota

Leia mais

Analista de Sistemas S. J. Rio Preto SP 2009

Analista de Sistemas S. J. Rio Preto SP 2009 O que é o Programa 5Ss? O Programa 5Ss é uma filosofia de trabalho que busca promover a disciplina na empresa através de consciência e responsabilidade de todos, de forma a tornar o ambiente de trabalho

Leia mais

Projeto SeparAção INTRODUÇÃO OBJETIVO GERAL Objetivos específicos

Projeto SeparAção INTRODUÇÃO OBJETIVO GERAL Objetivos específicos Projeto SeparAção INTRODUÇÃO Há muito tempo o homem vem utilizando os recursos naturais que ele encontra em seu habitat e a cada ano que passa, novas formas de uso são descobertas. O maior problema dessa

Leia mais

Aplicação dos 5S em uma empresa de confecção de roupas da cidade de Brusque SC

Aplicação dos 5S em uma empresa de confecção de roupas da cidade de Brusque SC Aplicação dos 5S em uma empresa de confecção de roupas da cidade de Brusque SC Marcio Fernando, MAFFEZZOLLI, marcio9191@hotmail.com 1 André Luis Almeida, BASTOS, prof.abastos@gmail.com 2 Centro Universitário

Leia mais

Jardim Escola Aladdin

Jardim Escola Aladdin Jardim Escola Aladdin Os 4 Rs da Sustentabilidade Rio de janeiro 2016 Objetivo geral Esse projeto tem como objetivo promover o envolvimento dos alunos, professores, pais e comunidade em defesa à sustentabilidade

Leia mais

5S EM ESCRITÓRIOS E NA VIDA PESSOAL

5S EM ESCRITÓRIOS E NA VIDA PESSOAL Cópia não controlada 5S EM ESCRITÓRIOS E NA VIDA PESSOAL Nos ambientes administrativos, como escritórios, ainda há uma resistência das pessoas em praticar o 5S por desconhecimento da metodologia e dos

Leia mais

ANALISE DO COMPORTAMENTO SOCIOAMBIENTAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PALMAS

ANALISE DO COMPORTAMENTO SOCIOAMBIENTAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PALMAS ANALISE DO COMPORTAMENTO SOCIOAMBIENTAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PALMAS XAVIER, Patrícia Alves Santana LIMA, Suzany Saraiva GOMES, Alan Rios RESUMO O presente estudo teve como objetivo analisar

Leia mais

1.Maior produtividade pela redução da perda de tempo procurando por objetos. - Só ficam no ambiente os objetos necessários e ao alcance da mão;

1.Maior produtividade pela redução da perda de tempo procurando por objetos. - Só ficam no ambiente os objetos necessários e ao alcance da mão; Sistema 5 S's Conceito: O Método "5S" foi a base da implantação do Sistema de Qualidade Total nas empresas. Surgiu no Japão, nas décadas de 50 e 60, após a Segunda Guerra Mundial, quando o país vivia a

Leia mais

FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013

FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013 FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013 DISCIPLINA - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Integrantes: Adriano de Oliveira RA: 14759 Karina

Leia mais

Diretrizes de Sustentabilidade Carelink

Diretrizes de Sustentabilidade Carelink 1 Para a, o que é sustentabilidade? É a forma mais eficaz para alcançarmos resultados consistentes, buscando soluções integradas que envolvam aspectos sociais, tecnológicos, econômicos e ambientais, de

Leia mais

O R I G E N S JAPÃO DO PÓS-GUERRA KAORU ISHIKAWA. Treinamento

O R I G E N S JAPÃO DO PÓS-GUERRA KAORU ISHIKAWA. Treinamento O R I G E N S 1 9 5 0 JAPÃO DO PÓS-GUERRA KAORU ISHIKAWA O B J E T I V O S Preparar uma empresa, ou qualquer espaço físico para uma intervenção de melhoria no ambiente. OBJETIVOS ESPECÍFICOS ü Melhorar

Leia mais

Programa de qualidade 5s 5 Sensos

Programa de qualidade 5s 5 Sensos Programa de qualidade 5s 5 Sensos 5s no Brasil No Brasil foi lançado em1991.o Brasil é o país campeão mundial de desperdícios,estatísticas comprovam que o desperdício está incorporado na cultura nacional.

Leia mais

Programa 5S s UDESC/CCT/GQL

Programa 5S s UDESC/CCT/GQL Programa 5S s UDESC/CCT/GQL Prof. Alan Schmitt 1 Estágios de LIMPEZA Limpeza pode ser entendida como inspeção, para encontrar e eliminar problemas que possam se apresentar Limpeza Geral Limpar tudo Varrer

Leia mais

MÓDULO 16 Programa 5S da Qualidade

MÓDULO 16 Programa 5S da Qualidade MÓDULO 16 Programa 5S da Qualidade Desenvolvido no Japão, pós Segunda Guerra Mundial, o Programa 5S (conhecido também como Housekeeping) era um método utilizado pelos pais para ensinar a seus filhos os

Leia mais

Escritório Verde. Dicas práticas para tornar seu escritório sustentável

Escritório Verde. Dicas práticas para tornar seu escritório sustentável Escritório Verde Dicas práticas para tornar seu escritório sustentável Use a criatividade e o bom senso para gerar conscientização ecológica e economia Escritório Verde Dicas práticas para tornar seu escritório

Leia mais

Projeto interdisciplinar para a eficiência - 5S APAE. Programa de Qualidade Total. "O 5S é uma atividade para ser praticada eternamente por todos"

Projeto interdisciplinar para a eficiência - 5S APAE. Programa de Qualidade Total. O 5S é uma atividade para ser praticada eternamente por todos Projeto interdisciplinar para a eficiência - 5S 5 S APAE Programa de Qualidade Total "O 5S é uma atividade para ser praticada eternamente por todos" APRESENTAÇÃO O mundo do trabalho se apresenta cada vez

Leia mais

DNOCS PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL DO DNOCS

DNOCS PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL DO DNOCS PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL DO COORDENAÇÃO DE RECURSOS LOGÍSTICOS Paulo César Lopes Barsi Comissão de Elaboração do Plano de Logística Sustentável (PLS) Carlos Henrique Feitosa Soares Fábio

Leia mais

MÉTODO 5S: UMA ABORDAGEM INTRODUTÓRIA

MÉTODO 5S: UMA ABORDAGEM INTRODUTÓRIA MÉTODO 5S: UMA ABORDAGEM INTRODUTÓRIA ARENA, Karina de Oliveira 1 ; BUGLIA, Patrícia Rodrigues 1 ; PEREIRA, Mariane Francine Pereira 1 ; TAMAE, Rodrigo Yoshio 2 1-Acadêmicos do curso de Administração de

Leia mais

Esplanada sem desperdício: preservando o meio ambiente.

Esplanada sem desperdício: preservando o meio ambiente. Implementar ações voltadas ao uso racional de recursos sustentabilidade naturais para promover a ambiental e socioeconômica na Administração Pública Federal. A Esplanada terá metas de racionalização do

Leia mais

Motivos Causadores de Falhas de Comunicação dentro das Empresas

Motivos Causadores de Falhas de Comunicação dentro das Empresas Motivos Causadores de Falhas de Comunicação dentro das Empresas Franci Daniele Prochnow (CEFET-PR) francidaniele@yahoo.com Dr. Magda Lauri Gomes Leite (CEFET-PR) magda@pg.cefetpr.br Dr. Luiz Alberto Pilatti

Leia mais

Estabelecimento da Diretriz Organizacional

Estabelecimento da Diretriz Organizacional Estabelecimento da Diretriz Organizacional AULA 3 Bibliografia: Administração Estratégica: Planejamento e Implantação da Estratégia SAMUEL C. CERTO & J. P. PETERTO ASSUNTO: Três importantes considerações

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A COLETA SELETIVA DO LIXO E DICAS DE CONSUMO CONSCIENTE

INSTRUÇÕES PARA A COLETA SELETIVA DO LIXO E DICAS DE CONSUMO CONSCIENTE 12:43 Page 1 INSTRUÇÕES PARA A COLETA SELETIVA DO LIXO E DICAS DE CONSUMO CONSCIENTE Jardins é Page 2 LIXO UM PROBLEMA DE TODOS Reduzir a quantidade de lixo é um compromisso de todos. Uma pessoa é capaz

Leia mais

Elaboração de propostas para minimizar o risco de acidentes em altura na fase final de uma obra: estudo de caso em uma empresa da construção civil

Elaboração de propostas para minimizar o risco de acidentes em altura na fase final de uma obra: estudo de caso em uma empresa da construção civil Elaboração de propostas para minimizar o risco de acidentes em altura na fase final de uma obra: estudo de caso em uma empresa da construção civil ADRIANO AZEVEDO MOURA (FEAMIG) adriano.moura85@hotmail.com

Leia mais

Data do início da implementação da experiência: fevereiro de 1997

Data do início da implementação da experiência: fevereiro de 1997 Experiência: PROJETO DE RECICLAGEM DE PAPEL DE ESCRITÓRIO Ministério da Previdência e Assistência Social INSS/Superintendência Estadual em São Paulo Coordenação de Recursos Humanos Responsável: Marli Penteado

Leia mais

FACULDADE PEDRO II INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA

FACULDADE PEDRO II INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA FACULDADE PEDRO II INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA 5S ADRIANA VIEIRA ARCANJO ANDRADE GIOVANE DA SILVA GUILHERME CHAVES KENYA OLIVEIRA WEVERTON DE OLIVEIRA Professor: Elielson

Leia mais

CENTREIND CENTRO DE TREINAMENTO INDUSTRIAL

CENTREIND CENTRO DE TREINAMENTO INDUSTRIAL Programa 5S Base da implantação da qualidade total nas organizações. Introdução: É possível eliminar o desperdício (tudo que gera custo extra), em cinco fases, com base no programa 5S, surgido no Japão

Leia mais

CURSO ONLINE OS 8S s ADMINISTRATIVOS

CURSO ONLINE OS 8S s ADMINISTRATIVOS 1 CURSO ONLINE OS 8S s ADMINISTRATIVOS 2 ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO Todos os Direitos Reservados 3 Bem Vindo ao Curso! _Seiri _Seiton _Seiso _Seiketsu _Shitsuke _Shido _Sitsuyaki

Leia mais

5S - 5 sensos da qualidade

5S - 5 sensos da qualidade 5S - 5 sensos da qualidade É um processo com cinco grandes passos que ajudam a organizar melhor trabalho. É um programa que busca tornar o dia a dia na empresa mais tranqüilo, através de : cuidados com

Leia mais

PROGRAMA NO AMBIENTE DA QUALIDADE

PROGRAMA NO AMBIENTE DA QUALIDADE PROGRAMA NO AMBIENTE DA QUALIDADE QUALIDADE COMEÇA COM 5S 5S = Filosofia de mudança comportamental baseada em cinco princípios básicos, cujas palavras sinônimas (em Japonês) se pronunciam com o som de

Leia mais

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Comunicação empresarial eficiente: Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Sumário 01 Introdução 02 02 03 A comunicação dentro das empresas nos dias de hoje Como garantir uma comunicação

Leia mais

Disciplina: Gestão da Qualidade Prof. Patricio Vasconcelos. Curso de Administração 5º periodo - Turmas A e B 2º Bimestre

Disciplina: Gestão da Qualidade Prof. Patricio Vasconcelos. Curso de Administração 5º periodo - Turmas A e B 2º Bimestre Disciplina: Gestão da Qualidade Prof. Patricio Vasconcelos Curso de Administração 5º periodo - Turmas A e B 2º Bimestre Pode-se criar um ambiente de qualidade em torno de si, usando as mãos para agir,

Leia mais

Apostila elaborada por: Teorema Consultoria e Assessoria - São Paulo

Apostila elaborada por: Teorema Consultoria e Assessoria - São Paulo Apostila elaborada por: Teorema Consultoria e Assessoria São Paulo Assunto Assunto Página Página Introdução Introdução...... 01 01 Os Os Cinco Cinco s s...... 02 02 Seiri Seiri Utilização Utilização......

Leia mais

3 Metodologia. 3.1. Introdução

3 Metodologia. 3.1. Introdução 3 Metodologia 3.1. Introdução Este capítulo é dedicado à forma de desenvolvimento da pesquisa. Visa permitir, através da exposição detalhada dos passos seguidos quando da formulação e desenvolvimento do

Leia mais

Implementação da Produção mais Limpa Apoiada pela Metodologia 5S. Uma Proposta Metodológica.

Implementação da Produção mais Limpa Apoiada pela Metodologia 5S. Uma Proposta Metodológica. 1 Implementação da Produção mais Limpa Apoiada pela Metodologia 5S. Uma Proposta Metodológica. Sérgio Azevedo Sampaio - Bacharel em Ciências Econômicas - PUC-MG; Pós-graduado em Gestão Empresarial - FGV;

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

CARTILHA 5 S DELFIN IMAGEM

CARTILHA 5 S DELFIN IMAGEM CARTILHA 5 S DELFIN IMAGEM Realização: NGQ - Núcleo de Gestão da Qualidade dezembro 2014 SUMÁRIO Sumário Apresentação 1 Objetivos 1 O programa 5S 2 Os 5 sensos 2 Conclusões 8 Anotações 9 Anexo 10 Apresentaça

Leia mais

CAMINHADA PARA A EXCELÊNCIA

CAMINHADA PARA A EXCELÊNCIA CAMINHADA PARA A EXCELÊNCIA 1ª FASE ENTENDENDO O SEU TRABALHO 2ª FASE ARRUMANDO A CASA 3ª FASE AJUSTANDO A MÁQUINA 4ª FASE CAMINHANDO PARA O FUTURO ENTENDA O SEU TRABALHO ARRUME A CASA PADRONIZE ELIMINE

Leia mais

PROJETO DE ECONOMIA ECONOMIA DE CONSUMO ÁGUA E ENERGIA EM CASA, RUA, TRABALHO, ESCOLA...

PROJETO DE ECONOMIA ECONOMIA DE CONSUMO ÁGUA E ENERGIA EM CASA, RUA, TRABALHO, ESCOLA... 1 PROJETO DE ECONOMIA ECONOMIA DE CONSUMO ÁGUA E ENERGIA EM CASA, RUA, TRABALHO, ESCOLA... Risco de racionamento de energia existe para 2015, alertaram em 2014 os economistas Treze anos após o apagão que

Leia mais

TPM Planejamento, organização, administração

TPM Planejamento, organização, administração TPM Planejamento, organização, administração A UU L AL A Durante muito tempo as indústrias funcionaram com o sistema de manutenção corretiva. Com isso, ocorriam desperdícios, retrabalhos, perda de tempo

Leia mais

APLICAÇÃO DOS 5 S EM OPERADORES LOGÍSTICOS

APLICAÇÃO DOS 5 S EM OPERADORES LOGÍSTICOS APLICAÇÃO DOS 5 S EM OPERADORES LOGÍSTICOS RESUMO Williana de Souza Costa 1 Bruno de Araújo Santos 2 Carlos Alberto dos Santos Júnior 3 Jean Karlos Gouveia Januário 4 Natália dos Santos Pessoa 5 Osmar

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO COLABORADOR www.simplessolucoes.com.br

MATERIAL DE APOIO PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO COLABORADOR www.simplessolucoes.com.br Folha 1 de 6 O que é uma avaliação de desempenho? Avaliação de desempenho é um processo contínuo de análise da atuação do colaborador frente às tarefas, responsabilidades e comportamentos da função, contribuindo

Leia mais

Projeto ANTT Sustentável

Projeto ANTT Sustentável PROGRAMA DE MELHORIA DE GESTÃO DA ANTT - PROMEG/ANTT Projeto ANTT Sustentável SENSIBILIZAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE & DESENVOLVIMENTO DOS 5 S Nenhum vento sopra a favor de quem não sabe aonde ir. Sêneca

Leia mais

Segundo Maluche [1], a melhoria contínua é

Segundo Maluche [1], a melhoria contínua é Identificação de problemas em seu sistema da gestão A melhoria contínua deve ser vista como uma atividade constante que tem como objetivos aumentar o envolvimento de todos da equipe, o aperfeiçoamento

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Equipe UNAFIN

APRESENTAÇÃO. Equipe UNAFIN APRESENTAÇÃO O Programa 8 S, Mudança e Qualidade de Vida, está sendo implantado na Secretaria da Fazenda do Estado do Piauí, pela UNAFIN (Unidade Administrativa Financeira) para aumentar a qualidade e

Leia mais

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Projeto de Supervisão Escolar Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Justificativa O plano de ação do professor pedagogo é um guia de orientação e estabelece as diretrizes e os meios de realização

Leia mais

Sumário. 1. Visão Geral do EcoLega 3. 2. Alinhamento Estratégico 3. 3. Orientações essenciais 4. 4. Oficinas e Formação 5

Sumário. 1. Visão Geral do EcoLega 3. 2. Alinhamento Estratégico 3. 3. Orientações essenciais 4. 4. Oficinas e Formação 5 2 Para acessar cada item do Sumário, clique nele. Para retornar ao sumário, clique na logo do ecolega em qualquer página. Sumário 1. Visão Geral do EcoLega 3 2. Alinhamento Estratégico 3 3. Orientações

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO MANUAL 5 SENSOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO MANUAL 5 SENSOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO MANUAL 5 SENSOS MANUAL 5 SENSOS Ref.: MSGQ-001/09-0 Revisão: 00 Emissão: Setembro Qtde. Pág.: 09 1. INTRODUÇÃO O programa 5S tem como principais objetivos mudar comportamentos,

Leia mais

PROGRAMA 5S: COMBINAÇÕES FUNDAMENTAIS PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES RESUMO

PROGRAMA 5S: COMBINAÇÕES FUNDAMENTAIS PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES RESUMO PROGRAMA 5S: COMBINAÇÕES FUNDAMENTAIS PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES Francislaine Pereira de Souza, Unisalesiano de Lins, e-mail: francislaine_ps@hotmail.com Janaina Fanali Daniel, Unisalesiano de Lins,

Leia mais

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING 1 ÍNDICE 03 04 06 07 09 Introdução Menos custos e mais controle Operação customizada à necessidade da empresa Atendimento: o grande diferencial Conclusão Quando

Leia mais

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A visão dos brasileiros O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água Dezembro, 2006 METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para

Leia mais

dicas sustentáveis Como crescer com práticas responsáveis

dicas sustentáveis Como crescer com práticas responsáveis dicas sustentáveis Como crescer com práticas responsáveis Um desafio que envolve você! Compartilhamos os mesmos espaços e problemas, mas também as soluções. É fundamental ter atitudes responsáveis, suprindo

Leia mais

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Práticas de sustentabilidade Ações que tenham como objetivo a construção de um novo modelo de cultura institucional visando a inserção de critérios de sustentabilidade

Leia mais

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para Política Nacional de Resíduos Sólidos Agora é lei Novos desafios para poder público, empresas, catadores e população Marco histórico da gestão ambiental no Brasil, a lei que estabelece a Política Nacional

Leia mais

PROGRAMA 5S. Programa 58: qualidade nao FL - FOL. 0571 \ \11\1\ \\11\ 1\\\\ 1\1\1 \1\1\ 1\\\ \\11I\ \\1\ \11\ 15495-1

PROGRAMA 5S. Programa 58: qualidade nao FL - FOL. 0571 \ \11\1\ \\11\ 1\\\\ 1\1\1 \1\1\ 1\\\ \\11I\ \\1\ \11\ 15495-1 FOl. 0571 t.~empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária-EMBRAPA Centro Nacional de Pesquisa de Milho e Sorgo-CNPMS PROGRAMA 5S Programa 58: qualidade nao FL - FOL. 0571 \ \11\1\ \\11\ 1\\\\ 1\1\1 \1\1\

Leia mais

* Método: não podemos deixar nos levar pelo entusiasmo inicial e fazer os 5S de qualquer maneira.

* Método: não podemos deixar nos levar pelo entusiasmo inicial e fazer os 5S de qualquer maneira. Artigo - Sustentabilidade 1 5S (*) Os cinco sensos, comumente chamados de 5S, são por assim dizer a porta de entrada de um Programa de Qualidade Total. Isto porque tem um grande efeito sobre a motivação

Leia mais

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA W.L.MOURA 1 ; L.FILIPETTO 2 ; C.SOAVE 3 RESUMO O assunto sobre inovação

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS SEÇÃO 7 Desenvolvimento de É importante pensar sobre como desenvolver os funcionários a fim de melhorar o trabalho da organização. O desenvolvimento de poderia consistir em ensino, oportunidades para adquirir

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

A ENERGIA NUCLEAR, A OPINIÃO PÚBLICA E O TRABALHO DE CONSCIENTIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES NUCLEARES

A ENERGIA NUCLEAR, A OPINIÃO PÚBLICA E O TRABALHO DE CONSCIENTIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES NUCLEARES A ENERGIA NUCLEAR, A OPINIÃO PÚBLICA E O TRABALHO DE CONSCIENTIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES NUCLEARES Valéria Pastura 1, Antônio Carlos de A. Mól 1,2,3, Ana Paula Legey 1,2,3, e Celso Marcelo F. Lapa 1,2,3 Instituto

Leia mais

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 CENTRO DA QUALIDADE, SEGURANÇA E PRODUTIVIDADE PARA O BRASIL E AMÉRICA LATINA PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 Diretrizes para auditorias de sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental

Leia mais

TPM. Manutenção Produtiva Total ou Total Productive Maintenance

TPM. Manutenção Produtiva Total ou Total Productive Maintenance TPM Manutenção Produtiva Total ou Total Productive Maintenance ORIGEM DA TPM Durante muito tempo as indústrias funcionaram com o sistema de manutenção corretiva. Com isso, ocorriam: Desperdícios; Retrabalhos;

Leia mais

Poder Judiciário Justiça Federal de Primeiro Grau em Santa Catarina. Projeto

Poder Judiciário Justiça Federal de Primeiro Grau em Santa Catarina. Projeto Poder Judiciário Justiça Federal de Primeiro Grau em Santa Catarina Projeto Florianópolis, 2006 ÍNDICE 1. OBJETIVO...5 2. APRESENTAÇÃO...5 3. JUSTIFICATIVAS...5 4. AÇÕES CONCRETAS...7 4.1. REDUÇÃO...

Leia mais

PROJETO TEMÁTICO Campanha de divulgação Do Programa de Responsabilidade Socioambiental do TJDFT VIVER DIREITO

PROJETO TEMÁTICO Campanha de divulgação Do Programa de Responsabilidade Socioambiental do TJDFT VIVER DIREITO PROJETO TEMÁTICO Campanha de divulgação Do Programa de Responsabilidade Socioambiental do TJDFT VIVER DIREITO OBJETIVO A campanha teve por objetivo implantar na Instituição a cultura da responsabilidade

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE LIXO O CASO DE IJUÍ/RS 1

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE LIXO O CASO DE IJUÍ/RS 1 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE LIXO O CASO DE IJUÍ/RS 1 Juliana Carla Persich 2, Sérgio Luís Allebrandt 3. 1 Estudo

Leia mais

Estel Serviços Industriais Ltda Av. Presidente Castelo Branco, S/N Centro Empresarial - Aracruz - ES CEP: 29192-503 www.estel.com.br / Tel.

Estel Serviços Industriais Ltda Av. Presidente Castelo Branco, S/N Centro Empresarial - Aracruz - ES CEP: 29192-503 www.estel.com.br / Tel. Estel Serviços Industriais Ltda Av. Presidente Castelo Branco, S/N Centro Empresarial - Aracruz - ES CEP: 29192-503 www.estel.com.br / Tel.: (27) 3256 9393 1 - Objetivo 2 - Documentos de Referência 3 -

Leia mais

Administração da Qualidade e o Modelo Japonês

Administração da Qualidade e o Modelo Japonês Administração da Qualidade e o Modelo Japonês Fonte: Maximiano Autores Principais Idéias e Contribuições Shewhart, Dodge e Romig Cartas de Controle. Controle estatístico da qualidade e controle estatístico

Leia mais

UVV POST Nº82 23 a 28/02 de 2015 UVV. Publicação semanal interna Universidade Vila Velha - ES. Produto da Comunicação Institucional

UVV POST Nº82 23 a 28/02 de 2015 UVV. Publicação semanal interna Universidade Vila Velha - ES. Produto da Comunicação Institucional UVV POST Publicação semanal interna Universidade Vila Velha - ES Produto da Comunicação Institucional USO CONSCIENTE Para que nossos recursos naturais não desapareçam, cada um precisa fazer a sua parte

Leia mais

COMPROMISSO COM O FUTURO

COMPROMISSO COM O FUTURO Editora Artecétera apresenta: COMPROMISSO COM O FUTURO Papel Reciclado com a Família Qualidade Família Qualidade em: toda forma de vida no planeta obedece às leis naturais, agindo no meio ambiente e sendo

Leia mais

INOVAR e AGIR. O 5s na Seção de Comunicações

INOVAR e AGIR. O 5s na Seção de Comunicações INOVAR e AGIR O 5s na Seção de Comunicações Karina Ferreira Rocha Castilho maio /2010 De tudo, ficaram três coisas: A certeza de que estamos sempre começando... A certeza de que precisamos continuar...

Leia mais

Vamos arrumar a casa?

Vamos arrumar a casa? A U A UL LA Vamos arrumar a casa? Você se considera uma pessoa ligada e organizada? Muitas pessoas responderiam sim a essa pergunta. Outras diriam mais ou menos. Umas poucas teriam coragem de confessar

Leia mais

5 motivos para gerenciar sua frota na nuvem

5 motivos para gerenciar sua frota na nuvem 5 motivos para gerenciar sua frota na nuvem 2 ÍNDICE >> Introdução... 3 >> O que é software na nuvem... 6 >> Vantagens do software na nuvem... 8 >> Conclusão... 13 >> Sobre a Frota Control... 15 3 Introdução

Leia mais

MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL

MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL Introdução: O marketing verde já não é tendência. Ele se tornou uma realidade e as empresas o enxergam como uma oportunidade para atrair

Leia mais

UBQ União Brasileira para Qualidade

UBQ União Brasileira para Qualidade UBQ União Brasileira para Qualidade Quem somos A UBQ é uma entidade civil, para fins não econômicos, que trabalha para difundir os conceitos e as práticas da Qualidade com o objetivo de ajudar as organizações

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Matheus Castro de Carvalho (matheus_c_carvalho@hotmail.com / CESUPA) Resumo: A aplicação dos conceitos

Leia mais

FERRAMENTA PARA GERAÇÃO DE IDÉIAS E SOLUÇÕES.

FERRAMENTA PARA GERAÇÃO DE IDÉIAS E SOLUÇÕES. Prof. Edson Costa Aildefonso FERRAMENTA PARA GERAÇÃO DE IDÉIAS E SOLUÇÕES. Qualquer um de nós que possua alguma experiência em trabalho de grupo sabe como é difícil desenvolver maneiras criativas para

Leia mais

Práticas Verdes Para Condomínios

Práticas Verdes Para Condomínios Guia de Práticas Verdes Para Condomínios A economia que faz bem para o seu bolso e para o meio ambiente Com o objetivo de incentivar e disseminar práticas sustentáveis em condomínios, o Secovi Rio criou

Leia mais

A GESTÃO DA PRODUÇÃO EM UM ALMOXARIFADO DE UM CANTEIRO DE OBRAS.

A GESTÃO DA PRODUÇÃO EM UM ALMOXARIFADO DE UM CANTEIRO DE OBRAS. A GESTÃO DA PRODUÇÃO EM UM ALMOXARIFADO DE UM CANTEIRO DE OBRAS. Marcelo ARAUJO (1); Luís Felipe SANTOS (2); Diego SOUSA (3); Wemerton Luis EVANGELISTA (4). 1Graduando do Curso Superior Tecnológico em

Leia mais

FACULDADE DE TÉCNOLOGIA SENAC CHAPECÓ-SC MÉTODOS E FERRAMENTAS DA QUALIDADE: IMPLANTAÇÃO PRÁTICA EM UMA EMPRESA DE CHAPECÓ-SC

FACULDADE DE TÉCNOLOGIA SENAC CHAPECÓ-SC MÉTODOS E FERRAMENTAS DA QUALIDADE: IMPLANTAÇÃO PRÁTICA EM UMA EMPRESA DE CHAPECÓ-SC FACULDADE DE TÉCNOLOGIA SENAC CHAPECÓ-SC MÉTODOS E FERRAMENTAS DA QUALIDADE: IMPLANTAÇÃO PRÁTICA EM UMA EMPRESA DE CHAPECÓ-SC Acadêmicas 083.332.599-01 052.762.169-24 Gean Paulo Pacheco de Oliveira 893.054.429-00

Leia mais

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções.

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções. Uma publicação: Estratégias para aumentar a rentabilidade 04 Indicadores importantes 06 Controle a produção 08 Reduza filas 09 Trabalhe com promoções 10 Conclusões 11 Introdução Dinheiro em caixa. Em qualquer

Leia mais

SIMULADO DO TESTE DE RACIOCÍNIO GLOBAL

SIMULADO DO TESTE DE RACIOCÍNIO GLOBAL SIMULADO DO TESTE DE RACIOCÍNIO GLOBAL COPYRIGHT 2008 PROCTER & GAMBLE CINCINNATI, OH 45202 U.S.A. ATENÇÃO: Todos os direitos são reservados. Nenhuma parte deste teste pode ser reproduzida por meio algum

Leia mais

Capítulo V. Planejamento e organização da manutenção Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* Manutenção elétrica industrial

Capítulo V. Planejamento e organização da manutenção Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* Manutenção elétrica industrial 46 Capítulo V Planejamento e organização da manutenção Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* A busca incessante do lucro pelas empresas, focada relegando-a a uma posição secundária ou a ser vista

Leia mais

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Gestão da Qualidade Aula 5 O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Objetivo: Compreender os requisitos para obtenção de Certificados no Sistema Brasileiro de Certificação

Leia mais

PDF created with pdffactory trial version www.pdffactory.com

PDF created with pdffactory trial version www.pdffactory.com Programa 8S Promovendo a Qualidade de Vida O R I G E N S 1 9 5 0 JAPÃO DO PÓS GUERRA KAORU ISHIKAWA O B J E T I V O S melhorar a qualidade de vida dos funcionários, transformando o ambiente da empresa,

Leia mais

Gerenciamento da Qualidade

Gerenciamento da Qualidade Gerenciamento da Qualidade Processos da Qualidade (JURAN) Planejamento Execução Monitoramento e Controle Planejar a qualidade Realizar a garantia da qualidade Realizar o controle da qualidade Inclui os

Leia mais