JULHO DE 2009 JAIME LERNER

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "JULHO DE 2009 JAIME LERNER"

Transcrição

1 JULHO DE 2009 JAIME LERNER Arquitetos Associados

2

3 Apresentação O presente trabalho, elaborado pela por solicitação da Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU), apresenta um estudo comparativo entre as várias modalidades de transporte público, principalmente aquelas de maior capacidade, visando subsidiar ações e políticas a serem adotadas pelas autoridades governamentais relativas a melhorias da mobilidade nas cidades brasileiras. Curitiba, 25 de junho de 2009.

4

5 SUMÁRIO 1. Introdução Planejamento Urbano e Transporte O Transporte Urbano como uma Rede Integrada Espaço Físico O Metrô como Panaceia Os Sistemas de Transporte Rápido por Ônibus: BRT O Modelo Brasileiro: Planejamento Público + Operação Privada Os Benefícios do BRT BRT e a Indústria Nacional de Ônibus BRT Dois Eixos por Cidade Um Projeto para o Brasil Definições e Breve Histórico das Modalidades de Transporte Público Metrô VLT (Light Rail) BRT (Bus Rapid Transit) Faixas Exclusivas para Ônibus (Corredores) Características Comparativas das Modalidades Capacidade Flexibilidade Atendimento de Eventos Especiais Prazos e Custos Velocidade e Tempo de Acesso Conforto Área de influência dos sistemas em termos de captação de demanda potencial Estruturação Urbana Inserção Urbana A questão de Subsídios no Transporte Urbano Subsídios Diretos Subsídios Indiretos Subsídios Internos (Gratuidades) Saúde e Meio Ambiente Quadro Resumo de Comparação de Modalidades Conclusões Anexos Escala das Cidades Transporte Público e a Copa da África do Sul A Experiência de Sistemas de Metrô no Brasil Faixas Prioritárias para Ônibus Convencionais e as Diferenças em Relação de BRT de Alta Capacidade Problemas Conceituais de Planejamento e Implantação de BRT... 79

6 lista de figuras Figura 1 Consequências da Ineficiência do Transporte Público...8 Figura 2 Captação de Demanda Potencial...9 Figura 3 Relação entre Frota e Velocidade...10 Figura 4 Opções de Vias Exclusivas...11 Figura 5 Instalação de Tração Elétrica Metrô de Londres...23 Figura 6 Primeiro Metrô Londres...23 Figura 7 Metrô de Paris...24 Figura 8 Metrô de Budapeste...24 Figura 9 VLT em Paris...25 Figura 10 VLT em Dublin Irlanda...25 Figura 11 Ônibus Expresso Curitiba...26 Figura 12 Via Exclusiva Curitiba...26 Figura 13 BRT Istambul...28 Figura 14 BRT Bogotá...28 Figura 15 BRT Curitiba...28 Figura 16 Corredor de Ônibus em Londres...29 Figura 17 Corredor de Ônibus em São Paulo...29 Figura 18 Corredor de Ônibus em Santiago...29 Figura 19 Corredor de Ônibus em Beijing...29 Figura 20 Projeto BRT em Recife...36 Figura 21 Projeto BRT Cidade do México...36 Figura 22 Projeto BRT Rio de Janeiro...36 Figura 23 BRT em Curitiba...37 Figura 24 Corredor em São Paulo...37 Figura 25 Efeitos dos Subsídios Internos...40 Figura 26 Evolução dos Preços e Insumos do Transporte...42 Figura 27 Escala das Áreas Ocupadas pelo Tecido Urbano das Maiores Cidades do Brasil...54 Figura 28 Cidades-Sede Copa da África do Sul Figura 29 Rea Vaya Sistema de BRT Johannesburg...59 Figura 30 Sistema Completo de Johannesburg Linhas Troncais de BRT...60 Figura 31 Localização das Estações e Linhas Troncais do Sistema de BRT de Durban: Fase Figuira 32 Mapa das Linhas Integradas de BRT da Cidade do Cabo (Superfície)...62 Figura 33 Proposta Sistema BRT de Polokwane...63 Figura 34 Corredor de Ônibus Congestionado em Seoul...74 Figura 35 Corredor Central Ônibus na Gangnam Road em Figura 36 Corredor de Ônibus Congestionado em Kunming Figura 37 O Corredor da Avenida 9 de Julho (2007)...77 Figura 38 Corredor de Ônibus Congestionado em Taipei...78 Figura 39 Corredor Nordeste em Teerã...79 Figura 40 Área de Espera do Ponto Final da Linha 1 do BRT de Beijing Centro...84 Figura 41 - Trecho de Pavimentação Danificada da Linha BRT 1 (Sul) em Beijing...85 Figura 42 Trecho Congestionado do BRT de Hangzhou junto à Estação Rodoviária...86 Figura 43 Terminal de Integração no Ponto Final (Leste) da Linha BRT 1 de Hangzhou...87 lista de tabelas Tabela 1 Tempo Gasto em Deslocamento...14 Tabela 2 Análise Comparativa de Modalidades sobre Pneus...20 Tabela 3 Custos Operacionais das Modalidades...21 Tabela 4 Capacidades do BRT...27 Tabela 5 Capacidades por Modalidades...31 Tabela 6 Prazos de Execução e Custos de Implantação...32 Tabela 7 Tempo Gasto em Deslocamento...33 Tabela 8 Arrecadação e Custos dos Sistemas Metroferroviários...39 Tabela 9 Relação de Gratuidades em Cidades Brasileiras...41 Tabela 10 Indicadores Comparativos entre Ônibus, Motocicletas e Automóveis...43 Tabela 11 África do Sul Sistemas de Transporte Público Copa do Mundo Tabela 12 Sistema de Fortaleza...65 Tabela 13 Sistema de Salvador...66 Tabela 14 Sistema de Recife...67 Tabela 15 Sistema de Porto Alegre...68 Tabela 16 Sistema de Belo Horizonte...69 Tabela 17 Sistema do Rio de Janeiro...70 Tabela 18 Sistema de São Paulo...71 Tabela 19 Síntese do Fluxo Máximo de Passageiros em Faixas Exclusivas de Ônibus

7 1. Introdução 1.1 Planejamento Urbano e Transporte O ano de 2008 assinalou a transição para um mundo majoritariamente urbano, com mais de 50% da sua população morando em cidades, acompanhado por todas as vantagens e oportunidades bem como os problemas e desafios que a vida urbana e comunitária traz. Em 1970 o Brasil tinha 90 milhões de habitantes, dos quais cerca de 60% nas zonas rurais. Hoje somos quase 200 milhões, dos quais 80% morando em cidades. Em apenas uma geração, 140 milhões de pessoas foram adicionadas às cidades, criando o maior movimento migratório da humanidade pelo menos até os anos 90, quando o mesmo processo se iniciou na China e na Índia. Esta expansão aconteceu de modo acelerado, em grande parte das vezes com ocupações irregulares, avanço sobre áreas de risco e invasões de áreas públicas, onde o poder público se mantém ausente. Em muitas cidades, houve também especulação predatória sobre as zonas consolidadas. Em poucas cidades esse processo foi bem conduzido e monitorado de modo a garantir melhor qualidade. Embora as atuais taxas de crescimento urbano tenham diminuído em relação às décadas de 70 e 80, muitas cidades ainda não conseguem organizar e atualizar suas redes de serviços públicos essenciais, entre eles o transporte público. A maioria das cidades no Brasil tem crescido de forma desordenada e explosiva, e o resultado, no que se refere ao transporte público, tem sido a formação de um emaranhado de linhas de ônibus operando com grande desperdício de tempo e de custos. Diariamente acontecem cerca de 200 milhões de deslocamentos motorizados nas cidades brasileiras. O custo desses deslocamentos em termos de tempo, poluição, acidentes e investimento é gigantesco e, em geral, desfavorável à mobilidade da população. E este problema tende a se agravar, com reflexos negativos na produtividade, no meio ambiente urbano e na qualidade de vida. Ninguém produz bem depois de desperdiçar tempo e energia para chegar ao trabalho. INTRODUÇÃO 7

8 Figura 1 Consequências da Ineficiência do Transporte Público usuário migrado ao transporte individual transporte público mais lento e desconfortável aumento da quantidade de automóveis aumenta o congestionamento, poluiçãoeaineficiência mais investimentos usuários descontentes transferência solução exigida prioridade de circulação edeinvestimento ao automóvel inviabilidade de expansão contínua do sistema viário violência no trânsito O perfil dos deslocamentos tem se modificado significativamente nos últimos anos: antes havia uma grande concentração de locais de trabalho e estudo nas zonas centrais; hoje há uma grande dispersão. Mesmo assim, o ônibus é, e continuará sendo por muito tempo ainda, o principal senão o único viável meio de transporte público para a maioria da população de nossas cidades. Os índices de qualidade de vida, hoje insatisfatórios, podem começar a mudar a partir da melhoria do transporte. Havendo decisão política, é possível iniciar um rápido processo de reorganização do transporte público, visando a uma acentuada economia de tempo de viagem para as pessoas, e de custo operacional (ou seja, a tarifa) para o sistema. Cresce a busca por alternativas mais simples, eficientes e adequadas às realidades econômicas e possibilidades locais, com baixo investimento e implantação rápida, mesmo que sejam soluções temporárias, adequadas para os próximos 15 ou 20 anos. Uma solução de curto prazo é melhor para os passageiros do transporte público do que uma proposta definitiva que nunca se materialize. 8 AVALIAÇÃO COMPARATIVA DAS MODALIDADES DE TRANSPORTE PÚBLICO URBANO

9 1.2 O Transporte Urbano como uma Rede Integrada Para as cidades com mais de meio milhão de habitantes, a questão de modalidade nos eixos principais é tão importante quanto a operação em forma de rede integrada, onde o passageiro pode escolher o trajeto (ou até modalidade) e realizar transbordos em ambientes confortáveis e seguros, com o menor custo possível. Qualquer sistema que ofereça linhas isoladas restringe seu mercado aos passageiros cujos destinos e origens estão na faixa servida. Para garantir a acessibilidade da população ao sistema é necessário que as linhas de ônibus, de metrô, de ferry, de trem suburbano operem como uma Rede Integrada de Transporte. Cresce a cada dia a quantidade de veículos no mesmo espaço viário, prevendo-se dificuldades cada vez maiores para a fluidez da circulação. É hora de adotar inovações que proporcionem mais eficiência e qualidade para o transporte público por ônibus. Reservar espaço viário para o transporte público, investir em vias exclusivas, reestruturar as atuais linhas de modo a concentrar demandas em terminais de integração para, então, interligá-los através de eixos de transporte de superfície bem equipados (canaletas exclusivas, ônibus maiores, integração físico-tarifária, embarque em nível pré-pago, etc.), são medidas necessárias e que se mostram eficientes e viáveis em curto prazo. Nossas cidades podem se beneficiar dessas soluções rápidas e de baixo custo, que podem contribuir significativamente para a melhoria da mobilidade, componente fundamental da qualidade de vida da população. Figura 2 Captação de Demanda Potencial INTRODUÇÃO 9

10 1.3 Espaço Físico O espaço físico é, talvez, o fator mais importante para o transporte público. Num mundo urbano, o espaço disponível se torna cada vez mais caro e disputado. Se o transporte tem que enfrentar as mesmas condições de congestionamento das vias que os automóveis e motos, o tempo de viagem não apenas aumenta para os passageiros, mas o custo operacional também aumenta. O público não percebe que o número de ônibus necessários para transportar passageiros a 20kph é metade do número necessário quando a velocidade comercial é apenas 10kph. Ou seja, criar as condições para aumentar a fluidez do transporte público é essencial também para conter as tarifas. Figura 3 Relação entre Frota e Velocidade No entanto, a simples colocação de ônibus convencionais em faixas exclusivas pode não surtir o efeito desejado. Quando muitas linhas compartilham as mesmas plataformas de embarque, com passageiros forçados a procurar o local certo para embarcar, subir escadas e ainda passar por uma catraca, os atrasos são inevitáveis. Mesmo em sistemas apresentados como BRT como em Santiago os erros conceituais de projeto impõem velocidades operacionais baixas, anulando o ganho potencial de ônibus grandes e faixas exclusivas. A mesma criatividade que fez surgir os conceitos de BRT (Bus Rapid Transit) passa a ser fundamental no desenho de novas soluções, aptas a conviver com o ambiente urbano pré-existente. Não é difícil encontrar em cada cidade uma rua ou avenida onde seja possível implantar uma via exclusiva de 7 metros de largura, exclusiva para ônibus. As paradas, a cada 500 ou 600 metros, podem aproveitar espaços um pouco mais amplos, tais como pequenos alargamentos, jardinetes, recuos de alinhamento, ou ruas sem importância viária. 10 AVALIAÇÃO COMPARATIVA DAS MODALIDADES DE TRANSPORTE PÚBLICO URBANO

11 a) Figura 4 Opções de Vias Exclusivas b) INTRODUÇÃO 11

12 c) d) 12 AVALIAÇÃO COMPARATIVA DAS MODALIDADES DE TRANSPORTE PÚBLICO URBANO

13 e) 1.4 O Metrô como Panaceia Um dos grandes equívocos na discussão dos problemas das grandes cidades em todo o mundo é a polarização entre a opção pelo carro ou pelo metrô no enfrentamento dos desafios da mobilidade urbana. Com o crescimento do número de carros nas ruas, alimenta-se o imaginário popular com a ideia de que a solução seria a ampliação da infraestrutura viária, como viadutos e vias expressas, e o consequente aumento de grandes estacionamentos subterrâneos ou não e a adoção de todo o aparato que acompanha a opção pelo automóvel, com as metodologias de engenharia de trânsito. Para contrabalançar isso, vende-se a ideia de que só o metrô poderia resolver essa confusão fenomenal. E aí aparecem os vendedores de sistemas enterrados a abastecer a mente dos gestores públicos com essa solução. Nada como um metrô para se prometer ao cidadão, já que esse veículo parece o ideal: é rápido, viaja pelo subsolo, longe do trânsito caótico, e leva as pessoas confortável e rapidamente ao seu destino. Porém, se o metrô em si é rápido, o tempo de deslocamento total necessariamente não é. E por quê? Porque as estações são mais espaçadas, portanto há que se caminhar mais para alcançá-las. Depois, descer (e subir) por escadarias imensas nem sempre automatizadas e percorrer longos corredores até se chegar à plataforma desejada, onde se aguarda cada comboio em média de 2 a 5 minutos. Caso haja a necessidade de se fazer uma transferência para outra linha, repete-se o INTRODUÇÃO 13

14 processo anterior, consumindo outros 15 ou 20 minutos preciosos. Resultado: o tempo de viagem aumenta e a corrida de obstáculos que esses percursos representam principalmente para idosos e adultos acompanhados de crianças ou bagagens (e, claro, pessoas com limitações de mobilidade) consome muita esforço e paciência. Tabela 1 Tempo Gasto em Deslocamento Deslocamento Metrô BRT VLT Ônibus Acesso à estação Distância 500 m 250 m 250 m 200 m Tempo 7,5 3,9 3,9 3,0 Acesso à plataforma Distância 200 m Tempo 3,0 Pagamento 0,1 0,1 0,1 0,1 Viagem (10 km) Velocidade 40 km/h 27,5 km/h 20 km/h 17 km/h Tempo 15,0 22,0 30,0 35,3 Acesso à rua Distância 200 m Tempo 3,0 Tempo total 28,6 26,0 34,0 38,4 Notas: distâncias em metros / tempo em minutos = 4 km/h (pessoa caminhando) Metrô é obviamente um ótimo meio de transporte, mas não se pode esquecer que construir uma nova rede completa de metrô talvez não seja mais possível hoje para muitas das cidades que servem como exemplo. Londres, Paris, Moscou, Nova York possuem redes extensas, mas que tiveram sua construção iniciada há 100, 120 anos, quando os custos de se trabalhar no subsolo eram mais baratos. Mesmo a cidade com a rede de metrô mais antigo do mundo, Londres, transporta mais passageiros por ônibus na superfície que por baixo da terra. Hoje, uma metrópole como São Paulo, por exemplo, tem quatro linhas, mas 84% dos deslocamentos por transporte público são realizados na superfície. Cada cidade precisa extrair o melhor de cada modo de transporte que tenha, seja na superfície, seja subterrâneo. A chave reside em não se ter sistemas competindo no mesmo espaço e utilizar tudo aquilo que a cidade tem da forma mais efetiva. 1.5 Os Sistemas de Transporte Rápido por Ônibus: BRT BRT é um termo geral utilizado para sistemas de transporte urbano com ônibus, onde melhorias significativas de infraestrutura, veículos e medidas operacionais resultam em uma qualidade de serviço mais atrativa. 14 AVALIAÇÃO COMPARATIVA DAS MODALIDADES DE TRANSPORTE PÚBLICO URBANO

15 O termo BRT foi adotado nos anos 90 na América do Norte. Porém, a associação das palavras Rapid Transit (Transporte Rápido) com os custos da tecnologia de ônibus implícitos no termo Bus criou uma referência e imagem mundial que substitui os termos mais antigos como express buses, busways ou até BHNS (Bus à Haut Niveau de Service) na França. Conhecido internacionalmente, esse sistema oferece as vantagens de linhas troncais de alta capacidade aliadas à flexibilidade oferecida pela integração em terminais especiais, e a rapidez e baixo custo da construção para a tecnologia de ônibus. Praticamente todos os componentes de BRT foram desenvolvidos na cidade de Curitiba durante os anos 70, 80 e começo dos anos 90, embora ninguém usasse nessa época a expressão Bus Rapid Transit. O processo consistia simplesmente na aplicação de novas ideias para melhorar a eficiência e a qualidade dos eixos de Ônibus Expressos e da RIT (Rede Integrada de Transporte) de Curitiba. Essa tecnologia, hoje bastante difundida, vem sendo adotada por grandes cidades em todo o mundo, como Londres, Johanesburgo, Istambul, Teerã, Nova Dehli, Beijing, Los Angeles, Cidade do México, Bogotá e São Paulo, entre outras. Entre essas novas ideias destacam-se, além das vias exclusivas: O uso de Terminais de Integração fechados para permitir a operação ordenada de poucas linhas de alta frequência na via exclusiva (operação tronco-alimentadora). A oferta nesses terminais de novas opções de viagem, tais como linhas diretas e linhas interbairros que evitem o centro mais congestionado, criando o conceito de Rede Integrada. A criação de uma Rede Integrada que permita a captação da demanda reprimida não atendida pelo sistema convencional (restrita à demanda servida entre origens e destinos ao longo de cada linha convencional). O uso de veículos maiores, aumentando a capacidade da operação da via exclusiva com veículos de alta capacidade chegando ao ônibus biarticulado de 25 m (270 passageiros). O uso das estações tubo para realizar o embarque pré-pago e em nível dos passageiros por portas múltiplas, aumentando o conforto e segurança e reduzindo o tempo médio das paradas. A adoção de linhas diretas (ligeirinhos) entre terminais de integração, e pontos de grande concentração de destinos, aumentando a velocidade comercial do sistema. O uso de portas na esquerda (o lado errado ) para facilitar a integração e operação com estações centrais. A prioridade nos cruzamentos controlados por semáforos. Os conceitos de integração e serviços racionalizados (linhas tronco-alimentadoras) foram adotados por dezenas de cidades no Brasil na década de 90 embora na maioria dos casos sem todas as características de BRT, ou seja, as vias exclusivas e estações com pré-embarque. INTRODUÇÃO 15

16 Projetos mais recentes, permitindo a ultrapassagem segura de linhas diretas sobre as linhas paradoras, permitem alcançar capacidades semelhantes aos sistemas de metrô, e com velocidades operacionais excelentes. Com a adoção dessa tecnologia, o transporte pode evoluir com dignidade, acompanhando passo a passo o desenvolvimento das cidades, sem deixar que os problemas da mobilidade simplesmente cresçam sem providências governamentais. 1.6 O Modelo Brasileiro: Planejamento Público + Operação Privada A livre concorrência promovida pela desregulamentação tem sido improdutiva para o transporte urbano. Num mercado relativamente inelástico, a competição pelo mesmo passageiro gera condições de insegurança, um excesso de oferta em algumas vias provocando mais congestionamento e uma falta de serviços em outras áreas da cidade. A ineficiência do conjunto acaba resultando em queda da qualidade do serviço, aumento de tarifas ou subsídios à operação. Após anos de experiências com frotas públicas, empresas estatais e desregulamentação, há consenso no Brasil que as regras gerais de operação devam ser estabelecidas pelo Poder Público por uma legislação de permissão ou concessão que ofereça a empresas operadoras privadas garantia de equilíbrio financeiro. Um bom e eficiente modelo é a reorganização dos serviços por área de operação ou eixo de transporte, oferecendo concessão por empresa ou consórcio, permitindo a racionalização interna dos serviços estimulada ou não pela área de operação, devendo evoluir para a operação em rede integrada. Uma vez estabelecidas as regras do jogo, a racionalização dentro das concessões pode e deve permitir a definição de sistemas operacionais que, mesmo com investimentos significativos em infraestrutura, ofereçam a qualidade e prioridade necessárias ao transporte coletivo. A indústria de transporte urbano sobre pneus não pensa como a indústria de transporte urbano sobre trilhos. Este sim, parte do princípio que qualquer solução envolverá somas vultosas de investimentos em obras, desapropriações e uma estrutura institucional estatal. É importante que a indústria de transporte sobre pneus incluindo empresas de projetos, de construção, de fabricação e as operadoras tenha objetivos e metas claros e a visão de como alcançá-los. 1.7 Os Benefícios do BRT Entre as grandes vantagens dos sistemas de BRT destacam-se seu custo relativamente baixo e a rapidez de implantação. No entanto, há outros benefícios adicionais dos sistemas de BRT: 16 AVALIAÇÃO COMPARATIVA DAS MODALIDADES DE TRANSPORTE PÚBLICO URBANO

17 Economia de Tempo de Viagem. As canaletas exclusivas e as estações com embarque em nível e prépago levam a um considerável ganho de tempo. Nas cidades onde a velocidade comercial aumentasse 50%, o ganho de tempo por dia por pessoa seria em torno de uma hora. Economia de Custo Operacional. A velocidade comercial da frota aumenta para cerca de 20 km/h (nas linhas paradoras), podendo chegar a 35 km/h nas linhas diretas. Os reflexos são imediatos com maior produtividade por unidade; menos capital em frota a remunerar, menor quantidade de pessoal, menor consumo de combustível. Atração de novos passageiros. Todo novo serviço de qualidade atrai uma demanda reprimida e de outras modalidades, com consequente redução do uso do automóvel e da motocicleta. Meio ambiente. Um transporte mais eficiente e com menor quantidade de ônibus nas ruas produz menos emissões, e uma frota renovada significa tecnologia mais moderna e com menor emissão de poluentes. Fontes Alternativas de Energia. A concentração de demanda em eixos preferenciais permite o uso por parte da frota de alta capacidade de fontes alternativas de energia. Há décadas experiências vêm sendo feitas com gás natural, que, embora seja mais limpo, apresenta problemas de transporte e estocagem, além de representar um peso adicional para o ônibus. Desde 2005, nas grandes metrópoles brasileiras, o Diesel Metropolitano passou a ser comercializado adequando-se às recomendações internacionais de redução da emissão de enxofre na atmosfera. Esse Diesel tem no máximo 0,05% de enxofre. O passo seguinte na busca de uma fonte de energia renovável e de baixo nível de emissões foi a adoção no Rio de Janeiro do B5 em 2006, quando parte da frota passou a circular com a adição de 5% de biodiesel, antecipando lei federal que tornará obrigatória, em janeiro de 2013, a utilização do B5. O biodiesel 100% está sendo utilizado em Curitiba, na Linha Verde, em 18 veículos da frota de articulados. Para o setor de biocombustíveis, um evento como a Copa de 2014 representa uma vitrine mundial para mostrar um transporte moderno com veículos fabricados no Brasil, operando com tecnologia desenvolvida no Brasil e consumindo uma energia limpa e renovável obtida da terra do Brasil. 1.8 BRT e a Indústria Nacional de Ônibus A aplicabilidade de BRT é amplamente demonstrada pela expansão do número de sistemas atualmente em construção no mundo. É um mercado potencial enorme, considerando que há mais de 400 cidades com população superior a um milhão de habitantes, das quais somente 140 delas têm linhas ou redes de metrô. Contudo, todas têm urgência na implantação de sistemas de transporte público eficazes em movimentar milhões de passageiros. INTRODUÇÃO 17

18 E este é um mercado que interessa ao Brasil como grande fabricante de ônibus: os ônibus que vão transportar os passageiros da Copa de Mundo na África do Sul nos seis sistemas de BRT serão, em grande parte, Made in Brazil. (Anexo 7.2 Transporte Público e a Copa da África do Sul 2010). 1.9 BRT Dois Eixos por Cidade Um Projeto para o Brasil O Brasil possui 40 cidades com mais de habitantes (Anexo 7.1 Escala das Cidades). Na grande maioria dessas cidades, a mobilidade poderia ser sensivelmente melhorada com a implantação de pelo menos dois eixos de 10 km de BRT. Os dados a seguir representam uma simulação dos custos e dos benefícios resultantes da implantação de dois eixos de BRT, em relação a um sistema convencional de linhas de ônibus. (Dados médios de projetos de BRT elaborados pela equipe na última década). A partir da análise destes custos foi possível esboçar um Projeto do uso de BRT nas maiores cidades brasileiras, estimando: os custos deste Projeto, o seu alcance em termos de pessoas beneficiadas e de como financiar a sua construção e operação. Dois Eixos de BRT Custos e Benefícios a) Investimentos 20 km de via (concreto) R$ 60 milhões 6 terminais de integração R$ 60 milhões 30 estações intermediárias R$ 16 milhões Controle e sinalização R$ 4 milhões Total do investimento público R$ 140 milhões Total do investimento privado R$ 80 milhões (80 biarticulados ou 134 articulados) b) Benefícios Passageiros beneficiados ( pessoas) Capacidade inicial por eixo pass/h Intervalo 2 minutos (parador), 2 minutos (direto) Velocidade Operacional 20 km/h (parador), 35 km/h (direto) média de 27,5 km/h Velocidade sistema convencional 17 km/h, tendendo a diminuir pelo crescente congestionamento das vias Benefícios Ganho de 26 minutos por dia por pessoa = 65 mil h/dia Ganho custo operacional R$ ,00/dia, em relação a um sistema convencional (conforme Tabela 2 Análise Comparativa de Modalidades sobre Pneus) 18 AVALIAÇÃO COMPARATIVA DAS MODALIDADES DE TRANSPORTE PÚBLICO URBANO

19 c) Resumo para 40 cidades: 6 milhões de pessoas beneficiadas (12 milhões de pass/dia) Investimento público R$ 5,6 bilhões Investimento privado R$ 3,2 bilhões Economia de tempo horas por dia Economia operacional R$ 11,2 milhões por dia Comparação entre BRT e Metrô a) Investimentos equivalentes Usando valores médios de construção de metrô relacionados no item 3.4, os mesmos R$ 140 milhões de investimento público por cidade para construir 20 km de BRT seria equivalente a 0,7 km de Metrô. b) Custo Operacional Uma linha troncal de BRT tem um custo/pass de R$ 0,69 (biarticulado, Linha Norte-Sul de Curitiba) considerando inclusos, neste caso, os custos de capital operacional (conforme a Tabela 2 Análise Comparativa de Modalidades sobre Pneus). Conforme os dados constantes da Tabela 3 Custos Operacionais das Modalidades (ANTP) a seguir, os sistemas metroviários ali enumerados têm um custo/pass (média ponderada) de R$ 3,19 sem considerar os custos de capital (veículos, oficinas e garagem) e integrações com outras modalidades. Segundo estudo preliminar realizado pela CBTU para o Metrô de Curitiba, o custo operacional do Sistema BRT Curitiba, incluso o capital, seria R$ 63,2 milhões/ano superior ao custo do sistema de BRT atual, o que corresponderia a um aumento de 45% na tarifa da linha. c) Comparação de Custos para pass/dia Para demandas equivalentes de pass/dia, portanto, os custos operacionais seriam: METRÔ: pass X R$ 3,19 = R$ BRT: pass X R$ 0,69 = R$ Conclui-se que uma cidade com 20 km de metrô, transportando pass/dia requereria um subsídio de R$ /dia. INTRODUÇÃO 19

20 Tabela 2 Análise Comparativa de Modalidades sobre Pneus tipo de operação Ônibus Sistema brt Componentes tarifários Convencional Articulado Biarticulado Diesel (R$ 1,9025/l) 0,6709 1,4333 1,4497 Lubrificantes 0,0201 0,0427 0,0447 Rodagem 0,0883 0,1255 0,1482 Peças e acessórios 0,3261 0,7410 1,2559 Pessoal (salário + encargos) 1,5556 1,5556 1,5556 Custo administrativo (12%) 0,1326 0,4678 0,5345 Outros (cesta, seguro, etc.) 0,1628 0,1628 0,1628 FROTA (depreciação) 0,3546 0,6923 1,1538 FROTA (remuneração) 0,2364 0,4615 0,7692 SUBTOTAL 3,5474 5,6826 7,0745 Tributos (5,75%) 0,2040 0,3267 0,4068 CUSTO / km / Ônibus (R$) 3,7514 6,0093 7,4813 IPK 2,62 8,46 14,28 CUSTO / Pass / Viagem (R$) 1,4344 0,7102 0,5239 CUSTO / Dia Frota , , ,1 CUSTO OPERAÇÃO / Dia (R$) , , ,25 ÔNIBUS (Capacidade / Pass) FROTA OPERACIONAL CUSTO ÔNIBUS (R$ mil) 230,0 600, ,0 INVESTIMENTO (R$ mil) , , ,0 EIXO ESTRUTURAL 10,0 km, passageiros/dia, 17 km/h (convencional), 27,5 km/h (BRT) Fonte: Preços e parâmetros adotados pela URBS (jan/2009) 20 AVALIAÇÃO COMPARATIVA DAS MODALIDADES DE TRANSPORTE PÚBLICO URBANO

21 Tabela 3 Custos Operacionais das Modalidades Modalidade cidade receitas despesas diferença pass/ano km/ano custo/ quilômetro custo/ passageiro subsídio Metrô São Paulo 923, ,2 (317,5) 401,6 99,5 12,47 3,09 (0,79) Metrô Porto Alegre 52,9 134,4 (81,5) 30,2 11,5 11,69 4,45 (2,70) Metrô Belo Horizonte 50,7 92,2 (41,5) 28,2 2,3 40,09 3,27 (1,47) Metrô Média ponderada 3,19 BRT curitiba (*) 244,8 77,3 167,5 111,0 10,3 7,48 0,69 1,51 Notas: Valores anuais (em R$ milhões) / Passageiros e Km anual (em milhões) / (*) Eixos BRT (fonte: URBS) Fonte: ANTP. Relatório, 2007 Para viabilização dos recursos para esses projetos de mobilidade com BRT (Dois Eixos por Cidade, cada um com 10 km), não há necessidade de subsídios ou criação de novos impostos. A CIDE (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico), que está sendo cobrada desde 2003, arrecadará em 2009 cerca de R$ 6 bilhões. Para sua aplicação adequada ao bem-estar da maioria basta direcionar e priorizar esses recursos, conforme preconiza a lei. Dentro de cinco anos, as 40 cidades com populações maiores que meio milhão serão 50 ou 60. Em dez anos, o número poderá passar de 80. E com cada vez mais gente na faixa etária adulta e optando para uso do transporte individual. As cidades ficarão maiores e mais congestionadas. E as frotas de ônibus convencionais serão forçadas a andar com velocidades cada vez menores. INTRODUÇÃO 21

Transporte e Planejamento Urbano

Transporte e Planejamento Urbano Transporte e Planejamento Urbano para o Desenvolvimento da RMRJ Julho/2014 Cidades a maior invenção humana As cidades induzem a produção conjunta de conhecimentos que é a criação mais importante da raça

Leia mais

Evolução do congestionamento

Evolução do congestionamento Evolução do congestionamento Crescimento populacional estável Taxa de motorização crescente 2025 2005 Surgimento de novos pólos de atração de viagens Deslocamentos na cidade Rede de transporte para 2016

Leia mais

Programa de Integração e Mobilidade Urbana da Região Metropolitana do Rio de Janeiro

Programa de Integração e Mobilidade Urbana da Região Metropolitana do Rio de Janeiro Programa de Integração e Mobilidade Urbana da Região Metropolitana do Rio de Janeiro Waldir Peres Superintendente Agência Metropolitana de Transportes Urbanos São Paulo Setembro de 2011 Plano Geral Rio

Leia mais

BRT Transoeste: transformando o conceito de transporte público no Rio de Janeiro

BRT Transoeste: transformando o conceito de transporte público no Rio de Janeiro BRT Transoeste: transformando o conceito de transporte público no Rio de Janeiro Richele Cabral 1 ; Eunice Horácio S. B. Teixeira 1 ; Milena S. Borges 1 ; Miguel Ângelo A. F. de Paula 1 ; Pedro Paulo S.

Leia mais

Transporte e Infraestrutura: Perspectivas para o Transporte Público Urbano

Transporte e Infraestrutura: Perspectivas para o Transporte Público Urbano Transporte e Infraestrutura: Perspectivas para o Transporte Público Urbano Otávio Vieira da Cunha Filho Presidente da Diretoria Executiva NTU Rio de Janeiro, 17/08/2012 1 Estrutura 1. Contexto; 2. O que

Leia mais

METRÔ CURITIBANO. LINHA AZUL Santa Cândida / CIC Sul. Engº Cléver Ubiratan Teixeira de Almeida Presidente do IPPUC

METRÔ CURITIBANO. LINHA AZUL Santa Cândida / CIC Sul. Engº Cléver Ubiratan Teixeira de Almeida Presidente do IPPUC METRÔ CURITIBANO LINHA AZUL Santa Cândida / CIC Sul Engº Cléver Ubiratan Teixeira de Almeida Presidente do IPPUC PLANO DIRETOR LEI 11.266/2004 Diretrizes de Mobilidade Urbana e Transporte Capítulo II Da

Leia mais

BRT MANAUS TRANSPORTE PÚBLICO MASSIVO: BRT MANAUS

BRT MANAUS TRANSPORTE PÚBLICO MASSIVO: BRT MANAUS TRANSPORTE PÚBLICO MASSIVO: BRT MANAUS CLAUDEMIR JOSÉ ANDRADE Arquiteto e Urbanista Membro da Comissão Executiva de Planejamento e Gestão de Projetos Manaus Sede da Copa do Mundo de 2014. BUS RAPID TRANSIT?

Leia mais

Políticas de integração para mobilidade urbana em cidades coordenadas por diferente modais Wagner Colombini Martins 20/09/2013

Políticas de integração para mobilidade urbana em cidades coordenadas por diferente modais Wagner Colombini Martins 20/09/2013 Políticas de integração para mobilidade urbana em cidades coordenadas por diferente modais Wagner Colombini Martins 20/09/2013 A gestão pública brasileira é marcada pela atuação setorial, com graves dificuldades

Leia mais

Segurança Viária em Corredores de Ônibus e BRT. Luis Antonio Lindau, PhD Presidente

Segurança Viária em Corredores de Ônibus e BRT. Luis Antonio Lindau, PhD Presidente Segurança Viária em Corredores de Ônibus e BRT Luis Antonio Lindau, PhD Presidente Afinal: queremos mover gente ou veículos? Então, por que construímos isso? Quem afetamos com as decisões? Automóveis Automóveis

Leia mais

CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MOBILIDADE URBANA. Lúcia Maria Mendonça Santos Ministério das Cidades

CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MOBILIDADE URBANA. Lúcia Maria Mendonça Santos Ministério das Cidades CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MOBILIDADE URBANA Lúcia Maria Mendonça Santos S e m i n á r i o M o b i l i d a d e U r b a n a S u s t e n t á v e l : P r á t i c a s e T e n d ê n c

Leia mais

TREM DE GUARULHOS EXPRESSO AEROPORTO

TREM DE GUARULHOS EXPRESSO AEROPORTO TREM DE GUARULHOS EXPRESSO AEROPORTO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2 Municípios Habitantes PIB (Regional) Comércio e Serviços 39 18,6 milhões 10,5% população Brasileira R$ 244 Bilhões 15,7% PIB Brasileiro

Leia mais

Boas práticas para Mobilidade Urbana

Boas práticas para Mobilidade Urbana Boas práticas para Mobilidade Urbana PAC para Mobilidade - EMBARQ Otávio Vieira Cunha, Presidente da Diretoria Executiva Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos NTU Brasília, 28 de Novembro

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº,de 2012 (Dos Sr. José de Filippi Júnior e Carlos Zarattini)

PROJETO DE LEI Nº,de 2012 (Dos Sr. José de Filippi Júnior e Carlos Zarattini) PROJETO DE LEI Nº,de 2012 (Dos Sr. José de Filippi Júnior e Carlos Zarattini) Institui as diretrizes da Política Metropolitana de Mobilidade Urbana (PMMU), cria o Pacto Metropolitano da Mobilidade Urbana

Leia mais

TRANSPORTE COLETIVO SISTEMAS INTEGRADOS DE TRANSPORTE URBANO

TRANSPORTE COLETIVO SISTEMAS INTEGRADOS DE TRANSPORTE URBANO SISTEMAS INTEGRADOS DE TRANSPORTE URBANO TRANSPORTE COLETIVO M. Eng. André Cademartori Jacobsen Especialista em Benchmarking Associação Latino-americana de Sistemas Integrados e BRT (SIBRT) 28/Nov/2012

Leia mais

Redução dos tempos de viagens e custos operacionais com a implantação da Linha Direta Ligeirão Boqueirão na cidade de Curitiba.

Redução dos tempos de viagens e custos operacionais com a implantação da Linha Direta Ligeirão Boqueirão na cidade de Curitiba. Redução dos tempos de viagens e custos operacionais com a implantação da Linha Direta Ligeirão Boqueirão na cidade de Curitiba. Astrid Cristianne Dilger Sanches¹; Olga Mara Prestes² 1 Engenheira Civil

Leia mais

Obras de Mobilidade Urbana no Município da Cidade do Rio de Janeiro. Alexandre Pinto Secretario Municipal de Obras

Obras de Mobilidade Urbana no Município da Cidade do Rio de Janeiro. Alexandre Pinto Secretario Municipal de Obras Obras de Mobilidade Urbana no Município da Cidade do Rio de Janeiro Alexandre Pinto Secretario Municipal de Obras BRTs Criado no Brasil e exportado para diversas cidades, tais como Bogotá, Pequim e Johanesburgo,

Leia mais

Sistema de Transporte Coletivo de Curitiba

Sistema de Transporte Coletivo de Curitiba Comissão de Análise da Tarifa - Decreto nº. 358/2013 Sistema de Transporte Coletivo de Curitiba Resumo Mar/13 URBS Urbanização de Curitiba S/A A URBS foi criada através de Lei Municipal, em Agosto de 1963

Leia mais

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS ESPELHO DE 001 - Construção do Contorno Ferroviário de Curitiba AUTOR DA Luciano Ducci 37050001 539 0141 - Promover a expansão da malha ferroviária federal

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA

GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA DESENVOLVIMENTO DE LAY-OUT DE PROPOSTA ALTERNATIVA PARA O SISTEMA G DE TRANSPORTE PÚBLICO MULTIMODAL PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA GRANDE VITÓRIA GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA

Leia mais

CIDADE DO CIDADE PARA AUTOMÓVEL PESSOAS

CIDADE DO CIDADE PARA AUTOMÓVEL PESSOAS MOBILIDADE URBANA Na região Metropolitana de Florianópolis e o PLAMUS Superintendência da Região Metropolitana da Grande Florianópolis CIDADE DO AUTOMÓVEL CIDADE PARA PESSOAS RACIONALIZAÇÃO DO ESPAÇO Espaço

Leia mais

SITUAÇÃO ENCONTRADA NO DF EM 2007

SITUAÇÃO ENCONTRADA NO DF EM 2007 SITUAÇÃO ENCONTRADA NO DF EM 2007 Frota antiga e tecnologia obsoleta; Serviço irregular de vans operando em todo o DF 850 veículos; Ausência de integração entre os modos e serviços; Dispersão das linhas;

Leia mais

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014 Mobilidade Urbana VASCONCELOS, Eduardo Alcântara de. Mobilidade urbana e cidadania. Rio de Janeiro: SENAC NACIONAL, 2012. PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL LUCIANE TASCA COMO SE FORMAM AS CIDADES? Como um

Leia mais

Encaminho-vos meus pitacos e sugestões sobre o transporte na cidade do Rio de Janeiro. De um paranaense, casado com uma carioca, que chegou ao Rio em

Encaminho-vos meus pitacos e sugestões sobre o transporte na cidade do Rio de Janeiro. De um paranaense, casado com uma carioca, que chegou ao Rio em Encaminho-vos meus pitacos e sugestões sobre o transporte na cidade do Rio de Janeiro. De um paranaense, casado com uma carioca, que chegou ao Rio em 1.966, onde morou até 1.970, depois em 1.975 e em 1.985,

Leia mais

TRANSPORTE PÚBLICO. Novos conceitos para o transporte de passageiros

TRANSPORTE PÚBLICO. Novos conceitos para o transporte de passageiros TRANSPORTE PÚBLICO Novos conceitos para o transporte de passageiros A história do transporte O Começo... o... Caminhos a pé e por animais Os caminhos eram percorridos a pé ou em lombos de cavalos, carroças

Leia mais

O Problema dos Transportes Urbanos de Passageiros no Brasil

O Problema dos Transportes Urbanos de Passageiros no Brasil O Problema dos Transportes Urbanos de Passageiros no Brasil Uma Contribuição para as Discuções sobre o Tema. O crescimento da urbanização da população brasileira, os incentivos generosos do governo federal

Leia mais

Mobilidade Urbana em Belo Horizonte

Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Mobilidade Urbana em Belo Horizonte BHTRANS Marcelo Cintra do Amaral Gerente de Coordenação de Mobilidade Urbana - COMU PREFEITURA BH Belo Horizonte 1ª capital planejada do país - 12/12/1897 Previsão inicial

Leia mais

BRT, BRS, Corredores e Faixas Exclusivas de Ônibus

BRT, BRS, Corredores e Faixas Exclusivas de Ônibus BRT, BRS, Corredores e Faixas Exclusivas de Ônibus Marcos Bicalho dos Santos Diretor Institucional e Administrativo da NTU Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Públicos de Transporte Urbano e Trânsito

Leia mais

Como transformar o direito à mobilidade em indicadores de políticas públicas?

Como transformar o direito à mobilidade em indicadores de políticas públicas? Como transformar o direito à mobilidade em indicadores de políticas públicas? Uma contribuição - INCT Observatório das Metrópoles - Projeto: Metropolização e Mega-eventos: os impactos da Copa do Mundo/2014

Leia mais

MOBILIDADE URBANA EM SÃO PAULO APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES IMEDIATAS E EFICAZES

MOBILIDADE URBANA EM SÃO PAULO APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES IMEDIATAS E EFICAZES MOBILIDADE URBANA EM SÃO PAULO APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES IMEDIATAS E EFICAZES JULHO 2015 SÃO PAULO UMA CIDADE A CAMINHO DO CAOS URBANO Fonte: Pesquisa de mobilidade 2012 SÃO PAULO UMA CIDADE A CAMINHO DO CAOS

Leia mais

Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal

Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal Audiências Públicas Investimento e Gestão: Desatando o Nó Logístico do Pais 2º Ciclo Financiamento e Gestão da Infraestrutura de Transportes no

Leia mais

Mobilidade Urbana: Esse Problema tem Solução? Ronaldo Balassiano Programa de Engenharia de Transportes PET/COPPE/UFRJ

Mobilidade Urbana: Esse Problema tem Solução? Ronaldo Balassiano Programa de Engenharia de Transportes PET/COPPE/UFRJ Mobilidade Urbana: Esse Problema tem Solução? Ronaldo Balassiano Programa de Engenharia de Transportes PET/COPPE/UFRJ 1 1 Introdução Sustentabilidade Mudança nos atuais modelos de produção e consumo Alternativas

Leia mais

Paulo Sergio Custodio Outubro 2013

Paulo Sergio Custodio Outubro 2013 Paulo Sergio Custodio Outubro 2013 Mobilidade significa liberdade de participação do mercado, de ser consumidor em uma sociedade capitalista pura. A quantidade de viagens realizadas (consumidas) pelas

Leia mais

Plano de Mobilidade Sustentável. Por uma cidade amiga da bicicleta Abril 2011

Plano de Mobilidade Sustentável. Por uma cidade amiga da bicicleta Abril 2011 Plano de Mobilidade Sustentável. Por uma cidade amiga da bicicleta Abril 2011 Cronograma Índice Apresentação da TC Urbes Objetivos do Plano de Mobilidade Sustentável Cidade e Mobilidade Diagnóstico Planejamento

Leia mais

Modelos de Concessão do Transporte Urbano por Ônibus Práticas e Tendências. Belo Horizonte: Verificação Independente dos Contratos de Concessão

Modelos de Concessão do Transporte Urbano por Ônibus Práticas e Tendências. Belo Horizonte: Verificação Independente dos Contratos de Concessão Modelos de Concessão do Transporte Urbano por Ônibus Práticas e Tendências Belo Horizonte: Verificação Independente dos Contratos de Concessão São Paulo, 15 de agosto de 2014 Agenda 1. Introdução - Belo

Leia mais

Perspectivas para o Setor

Perspectivas para o Setor Perspectivas para o Setor André Dantas Diretor Técnico São Paulo, 05 de dezembro de 2013 Estrutura da apresentação Contexto; Dados do setor; e Perspectivas. CONTEXTO (O que está acontecendo ao nosso redor?)

Leia mais

Programa Estadual de Mobilidade Urbana PROMOB PROGRAMA ESTADUAL DE MOBILIDADE URBANA PROMOB

Programa Estadual de Mobilidade Urbana PROMOB PROGRAMA ESTADUAL DE MOBILIDADE URBANA PROMOB PROGRAMA ESTADUAL DE MOBILIDADE URBANA PROMOB ARAÇOIABA 15.108 90 IGARASSU 82.277 323 ITAPISSUMA 20.116 74 ITAMARACÁ 15.858 65 PRAIA DE MARIA FARINHA A REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE Municípios: 14 População:

Leia mais

BALANÇO DO SETOR METROFERROVIÁRIO 2012/2013

BALANÇO DO SETOR METROFERROVIÁRIO 2012/2013 BALANÇO DO SETOR METROFERROVIÁRIO 2012/2013 O setor se reúne para divulgar seus números, que refletem a importância dos trilhos para a mobilidade dos brasileiros Aumento de 8% no número de passageiros

Leia mais

Extensão Norte Linha 1 - TRENSURB São Leopoldo - Novo Hamburgo

Extensão Norte Linha 1 - TRENSURB São Leopoldo - Novo Hamburgo Extensão Norte Linha 1 - TRENSURB São Leopoldo - Novo Hamburgo Metrô em elevado com extensão de 9,3 Km com rede elétrica aérea, sinalização, bilhetagem eletrônica, escadas rolantes Quatro Estações de Passageiros

Leia mais

Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos NTU

Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos NTU Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos NTU DESONERAÇÃO DOS CUSTOS DAS TARIFAS DO TRANSPORTE PÚBLICO URBANO E DE CARACTERÍSTICA URBANA Abril/2009 1. APRESENTAÇÃO O setor de transporte público

Leia mais

DRAFT. PROJETO DE MOBILIDADE URBANA DE MANAUS 6 de outubro de 2009

DRAFT. PROJETO DE MOBILIDADE URBANA DE MANAUS 6 de outubro de 2009 PROJETO DE MOBILIDADE URBANA DE MANAUS 6 de outubro de 2009 Agenda Crescimento de Manaus Solução de mobilidade urbana Resumo do projeto do monotrilho Resumo do projeto do BRT Quadro 2 Agenda Crescimento

Leia mais

Transporte público no Rio de Janeiro: encontrando soluções para uma mobilidade sustentável.

Transporte público no Rio de Janeiro: encontrando soluções para uma mobilidade sustentável. Transporte público no Rio de Janeiro: encontrando soluções para uma mobilidade sustentável. Richele Cabral 1 ; Eunice Horácio S. B. Teixeira 1 ; Milena S. Borges 1 ; Miguel Ângelo A. F. de Paula 1 ; Pedro

Leia mais

Qualidade e Desempenho do Transporte Público por Ônibus. Marcos Bicalho dos Santos Diretor Institucional e Administrativo da NTU

Qualidade e Desempenho do Transporte Público por Ônibus. Marcos Bicalho dos Santos Diretor Institucional e Administrativo da NTU Qualidade e Desempenho do Transporte Público por Ônibus Marcos Bicalho dos Santos Diretor Institucional e Administrativo da NTU Qualidade e Desempenho do Transporte Público por Ônibus Marcos Bicalho dos

Leia mais

Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte

Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Seminário de Mobilidade Urbana Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Celio Bouzada 23 de Setembro de 2015 Belo Horizonte População de Belo Horizonte: 2,4 milhões de habitantes População da

Leia mais

O Processo de Adensamento de Corredores de Transporte. Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba

O Processo de Adensamento de Corredores de Transporte. Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba O Processo de Adensamento de Corredores de Transporte Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba Curitiba SÃO PAULO População: 1.828.092 hab. Taxa de crescimento pop. 2000-2009: 1,71% 2008-2009:

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana de BH

Plano de Mobilidade Urbana de BH 4 a 7 de junho de 2013 Hotel Ouro Minas Plano de Mobilidade Urbana de BH Ramon Victor Cesar Presidente de BHTRANS Contexto do PlanMob-BH: Cenários, diagnóstico e prognósticos Desafio 1: como articular

Leia mais

Diretoria de Planejamento de Transporte e de Gestão Corporativa APRESENTAÇÃO SMT 09 02 2012 RT DT/SPT 09/12

Diretoria de Planejamento de Transporte e de Gestão Corporativa APRESENTAÇÃO SMT 09 02 2012 RT DT/SPT 09/12 MOBILIDADE (e ACESSIBILIDADE) URBANA NO CONTEXTO DO PLANO ESTRATÉGICO SP2040 Superintendência de Planejamento de Transporte Diretoria de Planejamento de Transporte e de Gestão Corporativa planejamento@sptrans.com.br

Leia mais

Mobilidade Carioca. BRTs e a rede integrada de transportes de alta capacidade da cidade

Mobilidade Carioca. BRTs e a rede integrada de transportes de alta capacidade da cidade Mobilidade Carioca Mobilidade Carioca BRTs e a rede integrada de transportes de alta capacidade da cidade Rede de Transporte em 2010 trem metrô Rede de Transporte em 2012 trem metrô BRT Rede de Transporte

Leia mais

CORREDOR GUARULHOS-SÃO PAULO CORREDOR METROPOLITANO GUARULHOS - SÃO PAULO

CORREDOR GUARULHOS-SÃO PAULO CORREDOR METROPOLITANO GUARULHOS - SÃO PAULO CORREDOR METROPOLITANO GUARULHOS - SÃO PAULO ACE Associação Comercial Empresarial de Guarulhos 25/Outubro/2013 MISSÃO: Promover e gerir o transporte intermunicipal de baixa e média capacidades para passageiros

Leia mais

Sistema de Informações da Mobilidade Urbana. Relatório Geral 2011

Sistema de Informações da Mobilidade Urbana. Relatório Geral 2011 Sistema de Informações da Mobilidade Urbana Relatório Geral 2011 Dezembro/2012 Relatório Geral 2011 1 Sumário executivo... 3 2 Mobilidade... 28 2.1 Valores para Brasil (municípios acima de 60 mil habitantes)...

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis Plamus. Guilherme Medeiros SC Participações e Parcerias S.A. Governo de Santa Catarina

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis Plamus. Guilherme Medeiros SC Participações e Parcerias S.A. Governo de Santa Catarina Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis Plamus Guilherme Medeiros SC Participações e Parcerias S.A. Governo de Santa Catarina Introdução PLAMUS e status do projeto Diagnóstico: qual

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH. Marcelo Cintra do Amaral. 20 de novembro de 2012

Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH. Marcelo Cintra do Amaral. 20 de novembro de 2012 Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH Marcelo Cintra do Amaral 20 de novembro de 2012 Roteiro da apresentação: Contexto do PlanMob-BH: prognóstico, caráter de plano diretor, etapas

Leia mais

Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos

Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos 7º Encontro de Logística e Transporte FIESP maio/2012 Conrado Grava de Souza Conselheiro ANPTrilhos Apoio: ANPTrilhos Objetivo

Leia mais

MOBILIDADE URBANA DESAFIOS E PERSPECTIVAS MARCILIO CUNHA

MOBILIDADE URBANA DESAFIOS E PERSPECTIVAS MARCILIO CUNHA MOBILIDADE URBANA DESAFIOS E PERSPECTIVAS MOBILIDADE URBANA Determina a adoção de uma visãosistêmica sobre toda a movimentação de bens e pessoas. MOBILIDADE URBANA Envolvemtodososmodoseelementosque produzem

Leia mais

INVESTIMENTOS NO METRÔ DE SÃO PAULO

INVESTIMENTOS NO METRÔ DE SÃO PAULO INVESTIMENTOS NO METRÔ DE SÃO PAULO Fonte: Relatório 2001 do Governo do Estado de SP O sistema metroviário de São Paulo paga suas operações e ainda devolve aos cofres do Estado os investimentos realizados.

Leia mais

Depto. Engenharia Industrial Estudo sobre a Mobilidade Sustentável Diretrizes para o Município do Dr. Madiagne Diallo, Prof. Coordenador do Laboratório de Apoio à Decisão Coordenador de Assessoria Técnica

Leia mais

Sistema Metro-Ferroviário e a Integração Metropolitana do Transporte na RMPA

Sistema Metro-Ferroviário e a Integração Metropolitana do Transporte na RMPA MOBILIDADE URBANA EM REGIÕES METROPOLITANAS Sistema Metro-Ferroviário e a Integração Metropolitana do Transporte na RMPA Marco Aurélio Spall Maia Diretor Presidente TRENSURB-Porto Alegre Região Metropolitana

Leia mais

Luiz Carlos Bueno de Lima

Luiz Carlos Bueno de Lima A política nacional de transporte t e da mobilidade urbana Luiz Carlos Bueno de Lima Secretário Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Transporte e

Leia mais

ESTRATÉGICO DO SP2040

ESTRATÉGICO DO SP2040 MOBILIDADE URBANA NO CONTEXTO DO PLANO ESTRATÉGICO DO SP2040 A Implantação de Veículo Leve sobre Trilhos e sua Contribuição para a Mobilidade e Revitalização Urbana Vicente Abate - Presidente da ABIFER

Leia mais

Investimento do Governo Federal em Mobilidade Urbana

Investimento do Governo Federal em Mobilidade Urbana Investimento do Governo Federal em Mobilidade Urbana PAC 2 SÃO PAULO R$ 241,5 bilhões R$ milhões Eixo 2011-2014 Pós 2014 TOTAL Transportes 55.427 2.169 57.596 Energia 57.578 77.936 135.513 Cidade Melhor

Leia mais

UGP COPA Unidade Gestora do Projeto da Copa

UGP COPA Unidade Gestora do Projeto da Copa Organização da Copa 2014 PORTFÓLIOS UGPCOPA ARENA E ENTORNO INFRAESTRUTURA TURÍSTICA FAN PARKS LOC COPA DESPORTIVA EVENTOS DA FIFA GERENCIAMENTO DE PROJETOS OBRIGAÇÕES GOVERNAMENTAIS SUPRIMENTOS COPA TURÍSTICA

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO. Infraestrutura necessária para realização da Copa do Mundo FIFA 2014

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO. Infraestrutura necessária para realização da Copa do Mundo FIFA 2014 TM GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO Infraestrutura necessária para realização da Copa do Mundo FIFA 2014 SOLUÇÕES ENCAMINHADAS Constituição do COMITÊ PAULISTA (Grupo Executivo

Leia mais

I. O QUE ENTENDEMOS POR MELHOR MOBILIDADE, MENOS TRÁFEGO

I. O QUE ENTENDEMOS POR MELHOR MOBILIDADE, MENOS TRÁFEGO Melhor Mobilidade, Menos tráfego I. O QUE ENTENDEMOS POR MELHOR MOBILIDADE, MENOS TRÁFEGO O conceito de melhor mobilidade e menos No Brasil, o Plano Nacional de Mobilidade tráfego significa a busca de

Leia mais

Mobilidade Urbana e Direitos Humanos Maria Rosa Ravelli Abreu Universidade de Brasília/DEX/FE/CidadeVerde

Mobilidade Urbana e Direitos Humanos Maria Rosa Ravelli Abreu Universidade de Brasília/DEX/FE/CidadeVerde Senado Federal Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa CDH ---------------------------------------------------------------------------------- Mobilidade Urbana e Direitos Humanos Maria

Leia mais

Projetos de Melhoria da Mobilidade Urbana até 2014

Projetos de Melhoria da Mobilidade Urbana até 2014 Projetos de Melhoria da Mobilidade Urbana até 2014 Melhoria da Infraestrutura Viária e Transporte na Capital Abril/2011 Mobilidade Urbana em Belo Horizonte BRT Antônio Carlos/Pedro I Meta 1 VIADUTOS DE

Leia mais

Mobilidade com produtividade

Mobilidade com produtividade Curitiba Maio, 2015 > > > > > > > > > > > > > > > > > > > > > Mobilidade com produtividade Wagner Colombini Martins Logit Engenharia Documento confidencial para uso e informação do cliente > > > > > >

Leia mais

COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL. Oportunidades e Desafios

COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL. Oportunidades e Desafios COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL Oportunidades e Desafios COPA DO MUNDO - OPORTUNIDADES Um evento esportivo do porte de uma Copa do Mundo é como uma grande vitrine do país no exterior e corresponde a um

Leia mais

www.supervia.com.br 1

www.supervia.com.br 1 www.supervia.com.br 1 Trens Urbanos no Rio de Janeiro Histórico Antes da privatização, sob condições de transporte inadequadas, o número de passageiros caiu consistentemente Média de passageiros dias úteis

Leia mais

SISTEMA DE TRANSPORTE ELETRIFICADO, BASEADO EM VEÍCULOS TIPO TRÓLEBUS (BRT s) QUE DISPENSAM A REDE AÉREA.

SISTEMA DE TRANSPORTE ELETRIFICADO, BASEADO EM VEÍCULOS TIPO TRÓLEBUS (BRT s) QUE DISPENSAM A REDE AÉREA. SISTEMA DE TRANSPORTE ELETRIFICADO, BASEADO EM VEÍCULOS TIPO TRÓLEBUS (BRT s) QUE DISPENSAM A REDE AÉREA. SUMÁRIO Nesta apresentação discute-se um novo sistema de transporte eletrificado (poluição zero)

Leia mais

Unidade Gestora do Projeto da Copa. Unidade d Gestora do Projeto da Copa MOBILIDADE URBANA

Unidade Gestora do Projeto da Copa. Unidade d Gestora do Projeto da Copa MOBILIDADE URBANA Unidade d Gestora do Projeto da Copa MOBILIDADE URBANA PLANO DE GOVERNANÇA POPULAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MANAUS 1.802.014 Hab População/ bairros de Manaus DISTRIBUIÇÃO DA FROTA DE VEÍCULOS EM MANAUS Automóveis

Leia mais

Emissões e Consumo do Veículo Convencional e VEH: Resultados Medidos

Emissões e Consumo do Veículo Convencional e VEH: Resultados Medidos Emissões e Consumo do Veículo Convencional e VEH: Resultados Medidos Suzana Kahn Ribeiro Programa de Engenharia de Transportes COPPE/UFRJ IVIG Instituto Virtual Internacional de Mudanças Climáticas Estrutura

Leia mais

NOVAS OBRAS DE MOBILIDADE. Menos tempo no trânsito. Mais tempo com a família.

NOVAS OBRAS DE MOBILIDADE. Menos tempo no trânsito. Mais tempo com a família. NOVAS OBRAS DE MOBILIDADE Menos tempo no trânsito. Mais tempo com a família. NOVAS OBRAS DE MOBILIDADE BRT Cristiano Machado Empreendimento BRT Antônio Carlos / Pedro I -Meta 4A Trecho Centro - Pampulha

Leia mais

MOBILIDADE CENÁRIOS E TENDÊNCIAS DO SETOR DE TRANSPORTES EM SALVADOR. Palestrante: Horácio Brasil

MOBILIDADE CENÁRIOS E TENDÊNCIAS DO SETOR DE TRANSPORTES EM SALVADOR. Palestrante: Horácio Brasil MOBILIDADE CENÁRIOS E TENDÊNCIAS DO SETOR DE TRANSPORTES EM SALVADOR Palestrante: Horácio Brasil MAIO 2013 Var% 2011/2001 CRESCIMENTO POPULACIONAL 20,00 15,00 14,72 16,07 11,60 10,00 8,36 6,69 5,00 3,77

Leia mais

Seminário: Mobilidade Urbana e Transportes Públicos no Estado de São Paulo

Seminário: Mobilidade Urbana e Transportes Públicos no Estado de São Paulo : Mobilidade Urbana e Transportes Públicos no Estado de São Paulo Tema: Uma Agenda para a Mobilidade Urbana da Metrópole Planejamento Urbano, Mobilidade e Modos Alternativos de Deslocamento Engº Jaime

Leia mais

Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras

Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras nº 342 outubro 2014 Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras Odebrecht 70 anos: projetos que contribuem para melhorar as opções de mobilidade urbana das comunidades Odebrecht Infraestrutura Brasil

Leia mais

PROPOSTA DE EXPANSÃO DA PONTE ORCA: ENTRE O MUSEU DO IPIRANGA E A ESTAÇÃO ALTO DO IPIRANGA DO METRÔ RESUMO

PROPOSTA DE EXPANSÃO DA PONTE ORCA: ENTRE O MUSEU DO IPIRANGA E A ESTAÇÃO ALTO DO IPIRANGA DO METRÔ RESUMO PROPOSTA DE EXPANSÃO DA PONTE ORCA: ENTRE O MUSEU DO IPIRANGA E A ESTAÇÃO ALTO DO IPIRANGA DO METRÔ RESUMO Utilizando um modelo de transporte público existente, denominado Ponte Orca, gerenciado pela EMTU,

Leia mais

DEFESA DE DISSERTAÇÃO

DEFESA DE DISSERTAÇÃO Programa de Pós Graduação em Engenharia Elétrica Mestrado DEFESA DE DISSERTAÇÃO Jilmar Augustinho Tatto jilmar.tatto@uol.com.br COMISSÃO JULGADORA Professor Dr. Eduardo Mário Dias (Orientador) Professor

Leia mais

Eng. Peter L. Alouche. SEESP 09 de Fevereiro de 2012 São Paulo

Eng. Peter L. Alouche. SEESP 09 de Fevereiro de 2012 São Paulo VLT - TRANSPORTE DE MÉDIA CAPACIDADE PARA SÃO PAULO Eng. Peter L. Alouche Consultor SEESP 09 de Fevereiro de 2012 São Paulo OS DESAFIOS URBANOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Crescimento desordenado

Leia mais

Princípios de mobilidade para cidades inclusivas e sustentáveis

Princípios de mobilidade para cidades inclusivas e sustentáveis Princípios de mobilidade para cidades inclusivas e sustentáveis Ana Nassar, ITDP Brasil Seminário Aspectos da Mobilidade Urbana SEMOB - GDF Brasília, 24 de setembro de 2015 Sobre o ITDP Organização social

Leia mais

BRT MOVE TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O

BRT MOVE TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O TUO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O BRT MOVE PERSPECTIVA A de integração TRANSPORTE PÚBLICO E QUALIAE NAS RUAS E BH PERSPECTIVA E UMA E TRANSFERÊNCIA NA ÁREA CENTRAL BH vai ter um sistema de transporte

Leia mais

Engenharia de Segurança Viária

Engenharia de Segurança Viária Engenharia de Segurança Viária Transporte sustentável salva vidas Através da promoção do transporte sustentável, a EMBARQ Brasil está trabalhando para reduzir a poluição, melhorar a saúde pública e criar

Leia mais

Prefeitura Municipal do Natal

Prefeitura Municipal do Natal Prefeitura Municipal do Natal Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Finanças Plano Plurianual 2010/2013 Programa Horizonte Público Objetivo: 8 Mobilidade e Cidadania Contínuo População do município

Leia mais

Audiência Pública. Corredores de Transporte. 8h30 Assinatura da lista de presença. Apresentação da mesa e abertura dos trabalhos

Audiência Pública. Corredores de Transporte. 8h30 Assinatura da lista de presença. Apresentação da mesa e abertura dos trabalhos Audiência Pública Corredores de Transporte 8h30 Assinatura da lista de presença 9h00 9h30 10h30 11h40 12h00 Apresentação da mesa e abertura dos trabalhos Apresentação do projeto Esclarecimentos das questões

Leia mais

METRÔ DE SÃO PAULO Gerência de Planejamento e Integração de Transportes Metropolitanos GPI / DM

METRÔ DE SÃO PAULO Gerência de Planejamento e Integração de Transportes Metropolitanos GPI / DM METRÔ DE SÃO PAULO Gerência de Planejamento e Integração de Transportes Metropolitanos GPI / DM Sistemas Estruturais de Transporte Alta e Média Capacidade Alberto Epifani Gerente de Planejamento e Integração

Leia mais

OS ENTRAVES DA MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL: UMA CARACTERIZAÇÃO DOS MODAIS DE TRANSPORTE PÚBLICO

OS ENTRAVES DA MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL: UMA CARACTERIZAÇÃO DOS MODAIS DE TRANSPORTE PÚBLICO OS ENTRAVES DA MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL: UMA CARACTERIZAÇÃO DOS MODAIS DE TRANSPORTE PÚBLICO Nivaldo Gerôncio da Silva Filho 1 RESUMO: A mobilidade urbana sustentável começa a definir novos conceitos

Leia mais

Obras de mobilidade urbana de BH

Obras de mobilidade urbana de BH Obras de mobilidade urbana de BH Belo Horizonte foi a primeira cidade sede da Copa do Mundo Fifa 2014 a assinar os contratos de financiamentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) da Mobilidade,

Leia mais

Metrô Leve de Goiânia. Clique para editar o estilo do subtítulo mestre

Metrô Leve de Goiânia. Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Metrô Leve de Goiânia Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Novembro 2011 Agenda Escolha do modal Requisitos para o projeto Referências internacionais Desenvolvimento urbano de Goiânia Estudo

Leia mais

3ª Conferência de Logística Brasil - Alemanha

3ª Conferência de Logística Brasil - Alemanha 3ª Conferência de Logística Brasil - Alemanha Henrique Futuro Assessor Agência Metropolitana de Transportes Urbanos Rio Setembro de 2011 Panorama Location: southeast of Brazil (57% of the GNP); Area: 43.910

Leia mais

As condições de acessibilidade e mobilidade nas cidades receptoras. Diretoria de Engenharia - DE

As condições de acessibilidade e mobilidade nas cidades receptoras. Diretoria de Engenharia - DE As condições de acessibilidade e mobilidade nas cidades receptoras Diretoria de Engenharia - DE Cidades candidatas e seus aeroportos Aeroportos da INFRAERO primeira e última imagem que o turista estrangeiro

Leia mais

A rede cicloviária do D.F.: um avanço na mobilidade urbana ou iniciativa para inglês ver?

A rede cicloviária do D.F.: um avanço na mobilidade urbana ou iniciativa para inglês ver? A rede cicloviária do D.F.: um avanço na mobilidade urbana ou iniciativa para inglês ver? Eliezé Bulhões de Carvalho 1, 2 Michelle Andrade 1 1 - Programa de Pós Graduação em Transportes UnB 2 - GPIT Grupo

Leia mais

Estudo, Análise e Proposta de Soluções Para Melhoria da Mobilidade Urbana na Região Metropolitana de Florianópolis

Estudo, Análise e Proposta de Soluções Para Melhoria da Mobilidade Urbana na Região Metropolitana de Florianópolis Documento confidencial para uso e informação do cliente Estudo, Análise e Proposta de Soluções Para Melhoria da Mobilidade Urbana na Região Metropolitana de Florianópolis Apresentação Florianópolis Dezembro

Leia mais

Transporte coletivo integrado e bem planejado é prioridade

Transporte coletivo integrado e bem planejado é prioridade o Plano Diretor de Transportes Urbanos, chamado de Via Metrópole Paulo Ribeiro, coordenador do Via Metrópole, projeto do governo de reorganização do trânsito da RMB. Elaborado por técnicos da Secretaria

Leia mais

11 ideias para ciclovias mais seguras

11 ideias para ciclovias mais seguras 11 ideias para ciclovias mais seguras Legislação Política Nacional de Mobilidade Urbana A Política Nacional de Mobilidade Urbana é orientada pelas seguintes diretrizes: II prioridade dos modos de transportes

Leia mais

MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL

MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL O FUTURO DAS CIDADES A MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL É FUNDAMENTAL PARA EVITAR O CAOS MOBILIDADE - CENÁRIO NO BRASIL Aumento da população urbana Tráfego intenso nas grandes

Leia mais

ANEXO III DIRETRIZES BÁSICAS DO PROJETO

ANEXO III DIRETRIZES BÁSICAS DO PROJETO ANEXO III DIRETRIZES BÁSICAS DO PROJETO VOLUME IV - PROJETO DE ENGENHARIA E MATERIAL RODANTE PROJETOS ARQUITETÔNICOS E DEMAIS PROJETOS TÉCNICOS PREDIAIS PROJETO URBANÍSTICO 1 3.2.6.11. Projeto Urbanístico

Leia mais

MANEJO DE LA CALIDAD EN EL SISTEMA DE TRANSPORTE PUBLICO DE SAO PAULO

MANEJO DE LA CALIDAD EN EL SISTEMA DE TRANSPORTE PUBLICO DE SAO PAULO MANEJO DE LA CALIDAD EN EL SISTEMA DE TRANSPORTE PUBLICO DE SAO PAULO III Congreso Las Mejores Prácticas SIBRT en America Latina Ciro Biderman - SPTrans Junio, 2013 Cenário 2012 Sistema de transporte urbano

Leia mais

Pesquisa sobre Transporte Não-Motorizado Realizado por Bicicleta na Cidade de Londrina

Pesquisa sobre Transporte Não-Motorizado Realizado por Bicicleta na Cidade de Londrina Pesquisa sobre Transporte Não-Motorizado Realizado por Bicicleta na Cidade de Londrina Cristiane Biazzono Dutra¹ 1) Prefeitura do Município de Londrina; Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Londrina

Leia mais

Estudos de BRT no Brasil 2ª EDIÇÃO - REVISADA

Estudos de BRT no Brasil 2ª EDIÇÃO - REVISADA Estudos de BRT no Brasil 2ª EDIÇÃO - REVISADA Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU) Março / 2012 2 Estudos de BRT no Brasil Mensagem Felizmente o tema mobilidade urbana ganhou espaço

Leia mais

Bus Rapid Transit. Possui desempenho e conforto semelhante aos sistemas sobre trilhos, mas com custo entre 4 a 20 vezes. menor;

Bus Rapid Transit. Possui desempenho e conforto semelhante aos sistemas sobre trilhos, mas com custo entre 4 a 20 vezes. menor; 1 BRT MANAUS 2 Bus Rapid Transit O BRT é um sistema de transporte com alta capacidade e baixo custo que utiliza parte segregada da infraestrutura viária existente e opera por controle centralizado, permitindo

Leia mais

TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O BRT MOVE PERSPECTIVA DE ESTAÇÃO DE TRANSFERÊNCIA NA ÁREA CENTRAL

TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O BRT MOVE PERSPECTIVA DE ESTAÇÃO DE TRANSFERÊNCIA NA ÁREA CENTRAL TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O BRT MOVE PERSPECTIVA DE ESTAÇÃO DE TRANSFERÊNCIA NA ÁREA CENTRAL Neste guia você vai encontrar as principais informações que precisa para embarcar no novo sistema

Leia mais

DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA.

DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA. DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA. Caro participante, Agradecemos a sua presença no III Megacity Logistics Workshop. Você é parte importante para o aprimoramento

Leia mais