Palavras-chave: Evidenciação. Disclosure. Ambiental. Contabilidade. 1 INTRODUÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavras-chave: Evidenciação. Disclosure. Ambiental. Contabilidade. 1 INTRODUÇÃO"

Transcrição

1 EVIDENCIAÇÃO DE INFORMAÇÕES AMBIENTAIS PELA CONTABILIDADE: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE AS NORMAS INTERNANCIONAIS (ISAR/UNCTAD), NORTE-AMERICANAS E BRASILEIRAS Ângela Rozane de Souza Lindstaedt Mestranda do Curso de Pós-graduação em Ciências Contábeis - UNISINOS Endereço: Rua Botafogo, 105, 5º andar Bairro Menino Deus Porto Alegre-RS Fone: (51) Ernani Ott Doutor em Ciências Contábeis Professor e Coordenador do Curso de Pós-graduação em Ciências Contábeis - UNISINOS Endereço: Av. Unisinos, Bairro Cristo Rei - CEP São Leopoldo - RS Fone: (51) , ramal RESUMO Este estudo investiga os aspectos convergentes e divergentes entre as normas e recomendações de evidenciação de informações de natureza ambiental emitidas no âmbito norte-americano e brasileiro, em relação ao modelo de disclosure ambiental proposto internacionalmente pelo ISAR/UNCTAD. Este modelo foi tomado como parâmetro, tendo em vista a amplitude do detalhamento de suas recomendações de disclosure ambiental nas demonstrações contábeis, nas notas explicativas, em relatório ambiental e das evidenciações específicas nos relatórios da presidência, administração e financeiro/operacional. Para atingir o objetivo proposto, buscou-se o aprofundamento do conhecimento sobre as normas e recomendações de disclosure ambiental nos três âmbitos, procedendo-se, então, a uma análise comparativa, com abordagem descritiva. Os resultados indicam que as normas norte-americanas emitidas pela SEC, FASB e AICPA, apresentam uma exigência de disclosure nos relatórios anuais limitada à divulgação de informações sobre fatos que possam impactar na situação econômico-financeira das companhias, tendo como foco principal à proteção do investidor. Não contemplam, todavia, informações mais abrangentes relativas a sustentabilidade ambiental empresarial, como ocorre no modelo proposto pelo ISAR/UNCTAD. No âmbito brasileiro, além da legislação societária não determinar disclosure ambiental nos relatórios anuais, as normas emitidas pelo CFC e pelo IBRACON apresentam um nível de detalhamento muito inferior ao recomendado pelo ISAR/UNCTAD, sendo necessárias amplas melhorias para que atinjam o padrão internacional. Palavras-chave: Evidenciação. Disclosure. Ambiental. Contabilidade. 1 INTRODUÇÃO O agravamento dos problemas ecológicos, as legislações ambientais e a conscientização da sociedade com relação às responsabilidades das empresas na preservação do meio ambiente,

2 ampliam as exigências relativas à transparência e a transformação de seus papéis na sociedade atual, em consonância com essa responsabilidade. Alguns organismos internacionais ligados à área contábil, tais como o Intergovernmental Working Group of Experts on International Standards of Accounting and Reporting (ISAR/UNCTAD), têm dedicado atenção às informações contábeis relativas ao disclosure ambiental. Da mesma forma, nos Estados Unidos da América e no Brasil, diversos organismos têm emitido normativas relacionadas ao registro contábil e à publicação de informes ambientais. Tais normativas estão relacionadas tanto com a identificação quanto a evidenciação das informações de natureza ambiental nos relatórios anuais das companhias. Tendo presente este fato, nesse estudo objetiva-se efetuar uma comparação das normas e recomendações de disclosure ambiental emitidas por organismos ligados à área contábil no âmbito norte-americano e brasileiro, com o modelo de disclosure ambiental proposto pelo ISAR/UNCTAD, identificando as convergências e divergências existentes, contribuindo, assim, para a discussão das melhores práticas de disclosure ambiental. Para atingir este objetivo, inicialmente, abordam-se os principais elementos das normas e recomendações de tais organismos, utilizando-se, posteriormente, do método comparativo para proceder à análise. Para tanto, são destacadas três dimensões: (a) Dimensão 1 - Disclosure nas demonstrações contábeis e notas explicativas; (b) Dimensão 2 - Disclosure no relatório ambiental ou de sustentabilidade; (c) Dimensão 3 - Disclosure específico da presidência, administração, por segmento de negócios e financeiro/operacional. Desta forma, este estudo insere-se no âmbito das informações contábeis para os usuários externos, pretendendo contribui para as discussões relativas a temática do disclosure ambiental. 2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 Evidenciação de Informações Ambientais pela Contabilidade Os estudos relativos ao disclosure ambiental nos relatórios das companhias iniciaram-se na década de 1990, embora nos Estados Unidos da América o tema já venha sendo discutido há mais tempo, como no estudo de Igram e Frazier (1980), em que os autores buscaram examinar o nível de disclosure ambiental contido nos relatórios anuais de 50 companhias americanas do segmento siderúrgico, petroquímico, papel e celulose e eletrônico, no período compreendido entre 1970 e Das 50 companhias analisadas, 40 possuíam relatórios anuais de disclosure ambiental, porém, ao final do estudo, os autores evidenciaram o baixo índice de informações quantitativas divulgadas nesses relatórios. Observaram também que a baixa qualidade das informações não permitia a sua utilização pelos stakeholders, sendo que a confiabilidade delas também ficava prejudicada, tendo em vista que as informações ambientais evidenciadas eram selecionadas pelos gestores da empresa. No Brasil, as pesquisas relativas à temática ambiental na área contábil tiveram início com o estudo de Ribeiro (1992), a qual examina a tendência de divulgação das informações ambientais pela contabilidade tanto no Brasil, quanto em nível mundial, expondo que, infelizmente, as questões ambientais só se tornaram objeto de preocupação dos empreendedores de atividades econômicas poluentes quando os níveis de poluição da água, do solo e do ar atingiram patamares elevados. A autora alerta para a necessidade da busca de alternativas para adequar o desenvolvimento econômico às limitações da natureza, cabendo à contabilidade empenhar-se para ser um instrumento de informação que reflita fidedignamente o valor do

3 patrimônio das empresas, inclusive sob o aspecto ambiental. A KPMG (1999) identificou que as grandes companhias com potencial impacto ambiental divulgaram relatórios ambientais, em caráter voluntário ou obrigatório, não se observando, porém, uma padronização para a evidenciação das informações. No ano seguinte disponibilizou outra pesquisa sobre relatórios financeiros divulgados por uma amostra de companhias da Austrália, Canadá, África do Sul, Reino Unido e Estados Unidos da América, comprovando que 98% destas divulgaram sua relação com o meio ambiente nos relatórios anuais, e 38% disponibilizaram relatórios ambientais e sociais separados. Somente 40% dos relatórios ambientais sofreram auditoria externa, fato que pode prejudicar a confiabilidade nas informações (KPMG, 2000). Em 2003, a KPMG identificou níveis diferenciados de informações relativas ao meio ambiente em 92% das empresas incluídas na amostra. Algumas continham apenas informações declarativas, enquanto outras divulgaram informações mais detalhadas (KPMG, 2003). Em 2005 a KPMG publicou mais uma pesquisa analisando os relatórios anuais de companhias com atuação internacional, comparando-as com pesquisas anteriores. Constataram que a divulgação relativa à responsabilidade social corporativa tem aumentado continuamente desde 1993, crescendo substancialmente nos últimos três anos. Em 2005, 52% de grandes companhias e 33% de médias companhias emitiram relatórios sociais, contra 45% e 23%, respectivamente, em Porém, a partir de 1999 os relatórios passaram a abordar a sustentabilidade de forma ampla (social, ambiental e econômica). Nossa (2002, p.86) destaca que, geralmente, no disclosure voluntário é exposto apenas o que a companhia apresenta de positivo. Tal fato também foi constatado nos estudos desenvolvidos por Deegan e Raking (1996), Hackston e Milne (1996) e Deegan et al. (2002), que identificaram uma tendência maior de divulgação de informações favoráveis à imagem da empresa, quando se trata do disclosure ambiental voluntário. Em 1993, o Canadian Institute of Chartered Accountants (CICA) realizou um estudo das necessidades informativas de diferentes grupos de usuários, relacionadas com o impacto ambiental das empresas. O estudo compreendeu também a normatização das informações contábeis ambientais como subsidio aos usuários dessas informações. O resultado foi publicado sob o título Environmental Costs and Liabilities: Accounting and Financial Reporting (CICA, 1993), sendo uma importante referência para a contabilidade financeira ambiental, tendo em vista a aprofundada investigação das questões ambientais. Na Europa é cada vez maior a quantidade de evidenciação das estratégias de responsabilidade ambiental, atendendo pressões da sociedade européia relativas a essa temática. No ano de 2000, a Comissão das Comunidades Européias divulgou o Livro Branco sobre a responsabilidade social e ambiental, onde são encontrados conceitos relativos à questão ambiental empresarial. Em 2001 publicou o Livro Verde da responsabilidade ambiental, considerado um marco europeu relativo à temática (COMISSÃO EUROPÉIA, 2000, 2001a, 2001b). Em outros países também se observa uma crescente preocupação com a evidenciação de informações de natureza ambiental. Por exemplo, novas regras introduzidas no disclosure ambiental no Japão, requerem que as companhias informem os riscos materiais ambientais que poderão vir a causar a descontinuidade da empresa. De acordo com Kawamura apud CHAN- FISHEL (2003, p. 5), as regras novas exigem não só informações financeiras diretas, mas incluem também a provável deterioração de imagem da marca da companhia. Isto porque se a impropriedade de uma companhia afeta seu Corporate Social Responsibility (CSR), esta

4 enfrenta o risco não só de sanções legais, mas de sanções do mercado e da sociedade; quer dizer, de uma reação adversa dos parceiros empresariais e consumidores. 2.2 Modelo de Evidenciação Ambiental Proposto pelo ISAR/UNCTAD Nesse estudo utiliza-se como parâmetro de disclosure ambiental as recomendações do ISAR/UNCTAD, um grupo de trabalho intergovernamental de especialistas em contabilidade, que realiza estudos no sentido de estabelecer a padronização das práticas contábeis em nível corporativo (ISAR/UNCTAD, 2005). Para o ISAR/UNCTAD, as organizações, de grande, médio e pequeno porte, devem evidenciar em seus relatórios financeiros anuais as informações relativas às atividades econômicas que afetam o meio ambiente. Desta forma, o ISAR dedicou grande atenção à contabilidade ambiental, no sentido de determinar diretrizes metodológicas mais apropriadas ao disclosure ambiental (ISAR/UNCTAD, 1998). Segundo o ISAR/UNCTAD (1998b, p.13), uma estrutura de legislação ambiental cada vez mais apertada leva os stakeholders a exigirem melhores níveis de informações ambientais para seus diversos propósitos que podem ser: reduzir a sua própria exposição ao risco de crédito; julgar a própria exposição da entidade ao risco; interpretar a habilidade da gestão corporativa na administração de questões ambientais e a integração de assuntos ambientais em assuntos estratégicos de longo prazo; comparar o progresso entre as companhias e ao longo do tempo. O modelo proposto por este organismo tem por objetivo promover a adoção das melhores técnicas de divulgação de informações ambientais, tanto qualitativas como quantitativas, e contempla informações de natureza ambiental nas demonstrações contábeis e notas explicativas, nos relatórios da presidência, nos relatórios de administração, no relatório por segmento de negócios, no relatório financeiro/operacional, além de informações detalhadas em relatório específico ambiental. Nas demonstrações contábeis, o ISAR/UNCTAD estabelece a evidenciação dos custos ambientais no resultado do exercício ou a sua ativação, caso estejam relacionados, direta ou indiretamente, a benefícios futuros de melhoria ambiental. Requer também a evidenciação de passivos ambientais tais como: provisões relacionadas a indenizações e multas ambientais, correção e eliminação de ativos fixos e a recuperação ambiental esperada. Nas notas explicativas estabelece a necessidade de explicações sobre os passivos ambientais contingentes, reconhecimento de danos ambientais e explicitação dos critérios utilizados para calcular as provisões ambientais. No relatório da presidência, o modelo do ISAR/UNCTAD requer a evidenciação do compromisso da companhia com a melhoria ambiental contínua e das melhorias significativas desde o último relatório. A política ambiental, caso não fornecida em outro relatório, deve ser divulgada no relatório de administração. As informações relativas a questões ambientais-chave de curto e médio prazo, o plano de tratamento dessas questões, o nível atual e projetado dos gastos ambientais e os problemas legais pendentes, devem ser evidenciados no relatório financeiro/operacional. Além dessas evidenciações, os dados do desempenho ambiental segmentado e as melhorias desde o último relatório devem constar no relatório por segmento de negócios. As informações a serem evidenciadas no relatório ambiental, devem contemplar a demonstração da política ambiental da companhia, a extensão da aderência às normas estabelecidas em nível mundial, às questões ambientais-chave e responsabilidade organizacional,

5 a descrição do sistema de gerenciamento ambiental e padrões internacionais e dados de desempenho ambiental físico e financeiro relativos, por exemplo, ao uso de energia, materiais e destinação de resíduos. Também requer a evidenciação, nesse relatório, de estimativas financeiras de recursos econômicos e benefícios relacionados aos esforços para com o meio ambiente. Tais informações devem sofrer auditoria ambiental independente. O modelo proposto pelo ISAR/UNCTAD (1998) ainda não completou uma década. Na vigésima sessão anual desse organismo constatou-se que as pressões por melhores informações sociais e ambientais vêm aumentando, e que as empresas estão produzindo mais informações sobre esse tópico, destacando-se dentre outras iniciativas, as diretrizes da Global Reporting Initiative (GRI) que encorajam a evidenciação do desempenho social e ambiental (ISAR/UNCTAD, 2006). O GRI propõe diretrizes para um amplo disclosure contemplando os aspectos sociais, econômicos e ambientais, requerendo a evidenciação de políticas, estratégias, sistemas de gestão e indicadores de desempenho sob esses três aspectos. 2.3 Disclosure Ambiental no Âmbito Norte-americano No âmbito norte-americano, alguns organismos têm se pronunciado a respeito da normatização do disclosure de informações ambientais, tendo emitido diversas regulamentações, visando determinar e orientar as companhias no sentido de que estas evidenciem informações relativas ao seu relacionamento com o meio ambiente. a) Securities and Exchange Commission (SEC) A partir de 1982 a SEC passou a solicitar a divulgação de itens específicos do disclosure ambiental através do Regulation S-K, emitindo, também, em 1993, a norma Staff Accounting Bulletin 92 (SAB-92, 1993), ambos descritos no resumo exposto no Quadro 1. Exigências Regulation S-K Item 101 Regulation S-K Item 103 Regulation S-K Item 303 SEC - Staff Accounting Bulletin 92 Resumo Requer que as companhias divulguem os efeitos materiais de conformidade com as legislações ambientais em níveis federal, estadual e local que regulamentam as descargas de poluentes no ambiente e os investimentos em proteção do ambiente, da companhia e suas subsidiárias. Ações ambientais administrativas ou judiciais, sob quaisquer das condições qualitativas: 1. materialidade; 2. multas ambientais, dispêndios de capital e outros encargos que excedem 10% do ativo circulante; ou 3. obrigação provável maior ou superior que US$ Embora não trate especificamente de matéria ambiental, exige o relato da administração e análise das condições financeiras e resultado das operações, incluindo tendências e incertezas ambientais. Determina como devem ser quantificadas as provisões para perdas ambientais, para que seja possível visualizar seus efeitos sobre a situação financeira da empresa. Quadro 1: Resumo do Disclosure Ambiental de acordo com a SEC Fonte: SEC (2003, p e 19-24). Conforme exposto no Quadro 1: (a) o item 101 do Regulation S-K requer a revelação dos efeitos materiais de conformidades com leis ambientais; (b) o item 103 requer a divulgação de

6 qualquer litígio de ordem administrativa ou legal material, da parte e de suas subsidiárias; (c) o item 303 exige que a companhia divulgue qualquer risco conhecido ou incerteza provável que possa vir a afetar seu desempenho financeiro futuro. A SEC editou, também, a norma Staff Accounting Bulletin (SAB) - nº 92, objetivando que as provisões ambientais sejam valoradas e evidenciadas aos usuários das informações. Quando o passivo ambiental não é conhecido, as obrigações devem ser calculadas com base em estimativas respaldadas por laudos técnicos. Segundo o Government Accountability Office (GAO), os stakeholders discordam sobre adequações das exigências de divulgações de informações ambientais pela SEC. Alguns stakeholders que usam os arquivamentos das companhias como as organizações dos investidores, acreditam que as exigências permitem demasiada flexibilidade e são deficientes para capturar informações ambientais importantes. Outros stakeholders consideram que as exigências e as orientações atuais são adequadas e que as companhias necessitam de flexibilidade para se adequarem às normativas de acordo com suas circunstâncias individuais (GAO, 2004). Conforme Sutherland (2002), as normas do item 103 do Regulation S-K foram criticadas por organizações ambientalistas por permitirem muita flexibilidade de interpretação às corporações, no que se refere à avaliação do que seja financeiramente material por ocasião do disclosure ambiental obrigatório, visto que este objetiva possibilitar uma visão da situação ambiental da companhia aos shareholders. Mais de 60 organizações iniciaram um movimento para que a SEC melhore e exija o cumprimento das regras de disclosure ambiental pelas companhias que requerem arquivamento junto a esse órgão. No Capitol Hill Symposium 2003, foi destacada a necessidade de a SEC melhorar as informações do Corporate Social Responsibility (CSR), por meio de um disclosure mais detalhado das questões ambientais e sociais. Foi sugerido que a SEC criasse uma Blue Ribbon Task Force para estudar e fazer recomendações relativas à questão (CHAN-FISHEL, 2003). Pleva e Gilbertson (2006) identificaram que a adequação de esforços da SEC em monitorar e reforçar a conformidade com exigências ambientais de divulgação, não pode ser determinada sem a informação da extensão da divulgação ambiental. A análise da freqüência dos problemas que envolvem as divulgações ambientais requer, por exemplo, a identificação do disclosure de segmentos específicos; a identificação de tendências no decorrer do tempo; a identificação de necessidades de orientações adicionais relativas a determinadas normas editadas. Bewley (2003) investigou a relação entre regras da SEC e o disclosure ambiental das indústrias químicas. Constatou que há uma associação positiva entre as regras da SEC e disclosure financeiro ambiental, mas não com a informação ambiental não-financeira. Os resultados também sugerem que as diferenças dos métodos de disclosure podem afetar a avaliação dos resultados que são relevantes para estudos futuros do disclosure ambiental. b) Financial Accounting Standards Board (FASB) As edições de normas pelo FASB para a elaboração das demonstrações financeiras são autorizadas e reconhecidas oficialmente pela SEC, sendo consideradas como essenciais para o eficiente funcionamento da economia, visto que investidores, credores, auditores e outras partes interessadas necessitam informações financeiras que tenham credibilidade, transparência e comparabilidade (FASB, 2006). Os Statements of Financial Accounting Standards (SFAS) n. os 5 e 143 tratam das normas contábeis norte-americanas em questões ambientais, e os pronunciamentos Emerging Issues Task Force (EITF) e 90-8 versam sobre os aspectos ambientais com maior especificidade.

7 O SFAS 5 (1975) estabelece padrões de contabilidade relativos às contingências. Embora não trate especificamente de contingências de natureza ambiental, os conceitos inseridos podem ser estendidos à matéria ambiental no que se refere a fatos como: litígios ambientais pendentes, riscos para cobrir perdas por catástrofes ambientais provocadas pela empresa, etc. Em 1989 o FASB emitiu o pronunciamento EITF Accounting for the Cost of Asbestos Removal, recomendando a capitalização dos custos incorridos por uma entidade para tratar de área contaminada por asbesto (sinônimo do nome comercial amianto) e sua eliminação das instalações (FASB, 1989). Quando um bem que tenha um histórico de contaminação por asbesto é adquirido, os custos incorridos para tratar esta contaminação devem ser capitalizados como parte do custo desse bem, tendo como base o período de tempo estimável de sua vida útil. Quando existirem custos para tratar a contaminação por asbesto dos bens de propriedade da empresa, estes poderão ser capitalizados como uma melhoria do bem. Em 1990 o FASB emitiu o EITF Capitalization of Costs to Treat Environmental Contamination, definindo custos do tratamento da contaminação ambiental como os incorridos por uma entidade para conter, neutralizar, prevenir ou remover a contaminação ambiental atual ou futura. Esses custos podem ser incorridos por ações voluntárias ou por força de lei (FASB, 1990), e incluem uma gama extensa de itens, desde custos com multas por descumprimento de leis ambientais, até custos para prevenir a contaminação ambiental: custos de equipamentos para controle da poluição do ar, custos com estudos ambientais, etc. Dando seguimento aos seus pronunciamentos, em 1993 o FASB emitiu o pronunciamento EITF Accounting for Environmental Liabilities, que se referia à contabilização de provisões ambientais, porém ele foi anulado e incorporado pelo Statement of Position 96-1, Environmental Remediation Liabilities do AICPA, descrito no item c a seguir. Em 2001 o FASB emitiu o SFAS 143, que passou a vigorar a partir do ano fiscal iniciado em 15 de junho de 2002, estabelecendo padrões de contabilidade para reconhecimento e mensuração de obrigações no encerramento de unidades da empresa ou no desuso de um ativo tangível. Os custos para remediações ambientais, eventualmente incorridos, devem ser levantados caso o ativo seja vendido, abandonado ou cessadas suas operações (FASB, 2001). O SFAS 143 exige das entidades o reconhecimento das Asset Retirement Obligations - AROs (Obrigações por Baixas de Ativos) quando os custos das baixas de ativos, legalmente exigidos, puderem ser razoavelmente calculados. Assim, as empresas devem primeiramente identificar os ativos imobilizados que legalmente incorrerem em obrigações relativas à baixa e, quando possível, informar o valor justo dessas obrigações (FASB, 2001). Em junho de 2004 o FASB colocou em discussão pública uma minuta de interpretação da contabilização das obrigações por baixa de ativos exigida no SFAS 143. Como resultado, foi emitido, em março de 2005, o FASB Interpretation 47 - Accounting for Conditional Asset Retirement Obligations (FIN 47), visando sanar os questionamentos que surgiram a respeito de quando uma entidade teria informação suficiente para calcular razoavelmente o valor justo das obrigações contingenciais relacionadas com a baixa de ativos. c) American Institute of Certified Public Accountants (AICPA) Em 1996, o AICPA emitiu o Statement of Position 96-1 (SOP 96-1) - Environmental Remediation Liabilities, com o objetivo de ressaltar às companhias e aos contadores a magnitude da responsabilidade associada à reparação de danos ambientais (AICPA, 1996). O SOP 96-1 orienta as companhias a respeito dos registros das obrigações associadas às

8 responsabilidades com o meio ambiente, substituindo as providências do pronunciamento EITF 93-5 (1993), ampliando os tipos de custos que podem ser acumulados e a capacidade para considerar, nesse cálculo, as tecnologias desenvolvidas, visando a mensuração dos custos necessários para as remediações com maior precisão. Embora possam ser consideradas as tecnologias existentes, o SOP estabelece que as obrigações de remediações ambientais devam observar as legislações e regulamentações atuais, e as políticas adotadas pela empresa. Além disso, qualquer mudança na legislação deverá ser considerada. 2.4 Disclosure Ambiental no Brasil No âmbito brasileiro, embora sem caráter coercitivo de lei, o Conselho Federal de Contabilidade (CFC) e o Instituto Brasileiro de Auditores Independentes (IBRACON) estabeleceram normas de evidenciação ambiental, como segue: a) CFC - Resolução 1.003/04 A Resolução do Conselho Federal de Contabilidade - CFC n /04 aprovou a NBC T 15, instituindo a Demonstração de Informação de Natureza Social e Ambiental, que entrou em vigor a partir de 1.º de janeiro de Essa norma estabelece procedimentos para a evidenciação de natureza social e ambiental, com o objetivo de demonstrar à sociedade a participação e a responsabilidade social da entidade, definindo que a Demonstração de Informações de Natureza Social e Ambiental deve ser apresentada com informações do exercício atual e anterior, para que seja possível realizar uma comparação entre os exercícios (CFC, 2004, p.3). As informações de natureza social e ambiental, segundo a NBC T 15, são: a geração e a distribuição de riqueza; os recursos humanos; a interação da entidade com o ambiente externo; a interação com o meio ambiente. Conforme a NBC T 15 (CFC, 2004, p.7), as informações a serem divulgadas na interação com o meio ambiente são: investimentos e gastos com manutenção nos processos operacionais para a melhoria do meio ambiente; investimentos e gastos com a preservação e/ou recuperação de ambientes degradados; investimentos e gastos com a educação ambiental para empregados, terceirizados, autônomos e administradores da entidade; investimentos e gastos com educação ambiental para a comunidade; investimentos e gastos com outros projetos ambientais; quantidade de processos ambientais, administrativos e judiciais movidos contra a entidade; valor das multas e das indenizações relativas à matéria ambiental, determinadas administrativa e/ou judicialmente; passivos e contingências ambientais. Nas suas disposições finais, é destacado que a empresa poderá acrescentar e detalhar outras informações ao seu critério e que as informações contábeis contidas nessa demonstração são de responsabilidade técnica do contabilista, e as informações não-contábeis podem ser compartilhadas com outros especialistas. Finaliza, assinalando que a Demonstração de Informações de Natureza Social e Ambiental deve ser objeto de auditoria independente.

9 b) IBRACON - NPA 11 - Balanço e Ecologia A Norma de Procedimento de Auditoria Ambiental n.º 11 (NPA 11), de agosto de 1996 (IBRACON, 1996), estabelece liames entre a contabilidade e o meio ambiente, visando participar dos esforços em favor da defesa e proteção contra a poluição e as agressões à vida humana e à natureza (IBRACON, 1996, p.1). Na NPA 11, o IBRACON ressalta a crescente evolução da conscientização da sociedade, os debates, as análises e as diretrizes relacionadas ao meio ambiente, salientando que tais evoluções devem estar refletidas nas demonstrações contábeis e relatórios de administração das empresas. Destaca, ainda, que o crescente conhecimento da abrangência e da extensão das agressões ao meio ambiente e à vida humana, impõem às empresas a necessidade de avaliar o seu comportamento ambiental com vistas a se resguardarem dos efeitos potenciais de pedidos de indenização judiciais relacionados aos efeitos danosos de suas atividades operacionais com relação ao ar, à água e ao solo (IBRACON, 1996 p.1). Em um primeiro momento, o documento apresenta uma conceituação de ativos ambientais e de passivos ambientais e aborda diversos aspectos positivos relacionados com o retorno do investimento ambiental. Em um segundo momento, a NPA 11 (IBRACON, 1996, p.4) trata da apresentação das demonstrações contábeis, enfatizando: A apresentação dos ativos e passivos ambientais deverá ser registrada [...] nas Demonstrações Contábeis das empresas e recomenda que os ativos e passivos ambientais sejam apresentados em títulos específicos, identificando, numa segmentação adequada, o ativo imobilizado ambiental, estoques ambientais, diferidos ambientais, etc., bem como os passivos ambientais (financiamentos específicos, contingências ambientais definidas, etc.). Com relação à posição ambiental da empresa, a NPA 11 (IBRACON, 1996, p.4) menciona que esta deverá ser evidenciada mediante apresentação de notas explicativas informando: a política ambiental adotada; o valor dos investimentos em ativos fixos e diferidos ambientais; os critérios de amortizações / depreciações; as despesas ambientais; o passivo contingente e cobertura, se houver, de seguros; o plano diretor de meio ambiente. Quanto aos procedimentos da auditoria independente, a NPA 11 estabelece: ao auditor independente competirá examinar as revelações contidas nas demonstrações contábeis e notas explicativas sobre a situação ambiental da empresa, devendo aprofundar seus procedimentos de auditoria caso as empresas estejam relacionadas às atividades mais poluidoras (ex.: petroquímica, papel e celulose, minerações, etc.). Ainda com relação ao auditor independente, a NPA 11 determina que o mesmo requeira a execução de uma auditoria ambiental no caso de aquisições, fusões e incorporações de empresas e estabelece que este apresente um parágrafo em ênfase, ou parecer com ressalva ou até mesmo adverso, pela omissão ou inadequação da divulgação, se seus aspectos forem relevantes (IBRACON, 1996, p. 5).

10 3 METODOLOGIA Quanto à natureza, esta pesquisa classifica-se como descritiva. As pesquisas descritivas, segundo Gil (1999), têm por objetivo primordial a descrição de características de determinada população ou fenômeno ou, o estabelecimento relações entre variáveis e esta pesquisa descreve as características do disclosure ambiental em nível internacional, norte-americano e brasileiro, comparando as normas dos países em pauta com o modelo internacionalmente proposto pelo ISAR/UNCTAD. Tomou-se o modelo de disclosure ambiental do ISAR/UNCTAD como parâmetro de comparação, pelo fato deste ter sido estabelecido com o objetivo de promover a adoção das melhores práticas de divulgação de informações de natureza ambiental que integrem informações qualitativas e quantitativas. A comparação das normas brasileiras e norte-americanas ao modelo internacional, justifica-se pelas seguintes premissas: (a) a legislação societária brasileira apresenta forte influência da escola norte-americana; (b) este estudo pretende contribuir para o aprofundamento das discussões relativas à temática no Brasil. Assim, para atingir o objetivo indicado utiliza-se o método comparativo, pois este estudo visa a verificar as semelhanças e as divergências entre as normas e recomendações de disclosure ambiental e, segundo Gil (1999), este método propicia a investigação de classes, fenômenos e fatos com vistas a ressaltar diferenças e similaridades entre eles. Além disso, a comparação pode ser considerada intrínseca ao processo de construção do conhecimento. Através do método comparativo é possível descobrir regularidades, perceber deslocamentos e transformações, construir modelos, identificar semelhanças e diferenças, e explicitar as determinações gerais que regem os fenômenos (SCHNEIDER; SCHIMITT, 1998). Desta forma, após a descrição das normas e recomendações ambientais nos âmbitos propostos, este estudo apresenta uma análise comparativa entre as normas e recomendações internacionais, norte-americanas e brasileiras segmentando-as em três dimensões: a) Dimensão 1: Disclosure nas demonstrações contábeis e notas explicativas; b) Dimensão 2: Disclosure no relatório ambiental ou de sustentabilidade; c) Dimensão 3: Disclosure específico da presidência, administração, por segmento de negócios e financeiro/operacional. 4 ANÁLISE COMPARATIVA DAS NORMAS E RECOMENDAÇÕES INTERNACIONAIS COM AS NORTE-AMERICANAS E BRASILEIRAS Nesse tópico apresenta-se uma análise comparativa do disclosure proposto pelo ISAR/UNCTAD, com os disclosures ambientais estabelecidos nos âmbitos norte-americano e brasileiro, todos tratados no referencial teórico, efetuando-se a análise segmentada sob as três dimensões propostas na metodologia.

11 O Quadro 2 destaca os disclosures previstos pelos organismos em estudo, sob a Dimensão 1 - Disclosure nas Demonstrações Contábeis e Notas Explicativas. Exigências de Disclosure Ambiental Internacionaamericanas Norte- Brasileiras Dimensão Tipo de ISAR / FASB / Descrição das evidenciações SEC Evid. UNCTAD AICPA CFC IBRACON Ativos / Investimentos Ambientais. - Passivos / Provisões ambientais (indenizações, multas, etc.) ou plano - diretor do meio ambiente. Recuperação Esperada. Evidenciação de valores relacionados à correção ou eliminação de ativos Custos / despesas ambientais do exercício Receitas ambientais. Posição ambiental da empresa Ações ambientais materiais, administrativas e judiciais Contingências ambientais. - Explicitações de critérios utilizados para calcular as provisões. - - Retornos de investimentos ambientais Quadro 2: Dimensão 1 - Comparação do Disclosure Ambiental nas Demonstrações Contábeis e Notas Explicativas Dimensão 1 Demonstrações Contábeis e Notas Explicativas Balanço patrimonial DRE Notas Explicativas Verifica-se que o modelo de disclosure ambiental do ISAR/UNCTAD estabelece evidenciações detalhadas no Balanço Patrimonial, na DRE e nas Notas Explicativas. Não contempla, porém, a evidenciação dos valores relacionados à eliminação de ativos, prevista nas normas norte-americanas (FASB) e no IBRACON, e a divulgação dos retornos sobre os investimentos ambientais e posição ambiental da empresa, requerida pelo IBRACON. Nas normas norte-americanas, consideradas em seu conjunto (SEC, FASB e AICPA), pode-se observar uma semelhança com o disclosure proposto pelo ISAR nesta dimensão (Dimensão 1). Porém, no âmbito brasileiro, constata-se que o CFC não estabelece disclosure ambiental específico para as demonstrações contábeis. Quanto ao IBRACON, suas normas não contemplam informações de custos, despesas e receitas ambientais na DRE, estabelecendo somente algumas evidenciações no Balanço Patrimonial e nas Notas Explicativas. De uma maneira geral, com exceção do CFC que não estabelece disclosure nessa dimensão, observa-se que as normas e recomendações do ISAR/UNCTAD, norte-americanas e do IBRACON apresentam similaridade na maioria dos itens de evidenciação requeridos, embora o nível de detalhamento requerido pelo IBRACON seja um pouco inferior. Dando seguimento à comparação das normas e recomendações internacionais, norteamericanas e brasileiras, o Quadro 3 apresenta um comparativo das exigências de disclosure ambiental sob a Dimensão 2 - Disclosure no relatório ambiental ou de sustentabilidade.

12 2 Dimensão Tipo de Evid. sustentabilidade Relatório ambiental ou de Exigências de Disclosure Ambiental Descrição das Evidenciações ISAR / UNCTAD Internacional Norteamericanas SEC FASB / AICPA Brasileiras CFC IBRACON Escopo do relatório. Política ambiental da empresa. Extensão da aderência às normas estabelecidas em nível mundial. Questões ambientais-chave. Descrição dos sistemas de gerenciamento ambiental e padrões internacionais. Dados de desempenho segmentado: uso de energia,água, material; emissão de poluentes, destinação de resíduos, etc. Dados do setor específico, incluindo indicadores de desempenho ambiental. Dados financeiros de custos ambientais Dados financ. de passivos/provisões ambientais Investimentos ambientais (de capital), de recuperação do meio ambiente, em educação ambiental e projetos ambientais. Quantidade de processos ambientais administrativos ou judiciais. Estimativas de recursos econômicos e benefícios decorrentes dos esforços com o meio ambiente. Verificação dos auditores contábeis / relatório de auditoria ambiental independente. - - Quadro 3: Dimensão 2 Comparação do Disclosure Ambiental em Relatório Específico Na Dimensão 2, relacionada ao disclosure ambiental em relatório específico, há um maior detalhamento do modelo proposto pelo ISAR/UNCTAD. No âmbito norte-americano não há exigência de relatório ambiental específico por parte dos organismos ligados à área contábil, e no Brasil o CFC requer evidenciações de custos, passivos, provisões e investimentos ambientais em relatório de sustentabilidade específico, estabelecendo a divulgação da quantidade de processos ambientais existentes. O IBRACON se refere ao relatório de auditoria ambiental, porém nas normas deste instituto esta somente é requerida nos casos de aquisições, fusões e incorporações. O disclosure ambiental proposto pelo CFC está direcionado somente as evidenciações financeiras e aos fatos ambientais que possam impactar negativamente na situação financeira das empresas, enquanto que o modelo do ISAR/UNCTAD, além de informações financeiras, requer evidenciações de políticas ambientais, de sistemas de gestão ambiental e de indicadores de desempenho, relativos à empresa e ao segmento em que esta atua, ou seja, é mais abrangente. De forma geral, na Dimensão 2 podem ser observadas grandes diferenças no conjunto de normas e recomendações propostas pelos organismos. Enquanto que o ISAR/UNCTAD e o CFC (embora com detalhamento inferior) propõem a evidenciação de informações em relatórios específicos, o IBRACON, no âmbito brasileiro, a SEC, o FASB e o AICPA, no contexto norte-

13 americano, não o fazem. O Quadro 4 apresenta uma comparação sob a Dimensão 3 - Disclosure específico da presidência, administração, por segmento de negócios e financeiro/operacional. Dimensão Evidenciação Dimensão 3 Disclosures Específicos da Presidência, Administração e Finanças Exigências de Disclosure Ambiental Relatório do Presidente Relatório por Segmento de Negócios Relatório da Administração ou Diretoria Relatório Financeiro e Operacional Internacionaamericanas Norte- Brasileiras Descrição das Evidenciações ISAR / UNCTAD SEC FASB / AICPA CFC IBRACON Melhorias significativas desde o último relatório. Compromisso da companhia com a melhoria ambiental contínua. Dados segmentados do desempenho das questões do meio ambiente. Melhorias nas áreas-chave desde o último relatório. Efeitos materiais de conformidade com as legislações federais, estaduais e locais. Relato da administração sobre a posição da empresa com referência às tendências e incertezas ambientais (plano de tratamento das questões ambientais-chaves). Declaração da política ambiental. Processo de mudança de tratamento requerido por exigência legal futura. Nível atual e projetado dos gastos ambientais. Quadro 4: Dimensão 3 - Comparação do Disclosure Ambiental da Presidência, Administração, por Segmento de Negócios e Financeiro/Operacional No Quadro 4 observa-se, que no âmbito brasileiro, nenhum dos organismos (CFC/IBRACON) requer evidenciações de natureza ambiental nos relatórios da presidência, de administração, financeiro/operacional e por segmento de negócios (Dimensão 3). Nesta dimensão, o disclosure ambiental proposto pelo ISAR/UNCTAD requer divulgações específicas nos diversos tipos de relatórios disponibilizados pelas companhias. Na esfera norte-americana, a SEC requer disclosure ambiental no relatório de administração, que se relaciona aos efeitos materiais de conformidades com as legislações e da posição da companhia frente às tendências e incertezas ambientais. Constata-se, assim, que o disclosure ambiental norte-americano e brasileiro ainda tem muito a melhorar para que se assemelhe ao modelo proposto pelo ISAR/UNCTAD. 5 CONCLUSÃO Os profissionais contábeis, os órgãos reguladores da profissão contábil, entidades educacionais e de pesquisa devem estar atentos às novas preocupações e alterações das necessidades informativas dos stakeholders que passam a incorporar, além de elementos econômicos, informações de natureza social e ambiental.

14 Desta forma, nesse estudo descritivo e comparativo se constata que há necessidade de melhoria no disclosure ambiental norte-americano e brasileiro em relação ao modelo proposto internacionalmente pelo ISAR/UNCTAD, nas três dimensões estudadas. Embora sob a Dimensão 1 - Disclosure nas demonstrações contábeis e notas explicativas haja convergência na maioria dos itens requeridos, mesmo assim há possibilidades de aprimoramento do disclosure ambiental, tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos. Nessa dimensão, no âmbito brasileiro somente o IBRACON estabelece normas de evidenciações no Balanço Patrimonial e Notas Explicativas, porém não estabelece disclosures de custos e receitas ambientais na Demonstração do Resultado do Exercício, divergindo das recomendações internacionais. As principais diferenças nas normas e recomendações de disclosure foram constatadas sob as dimensões 2 e 3. Na Dimensão 2 - disclosure no relatório ambiental ou de sustentabilidade pode-se observar a inexistência de exigência de divulgação de informações em relatório ambiental específico no âmbito norte-americano. No Brasil, as normas de evidenciação emitidas pelo CFC são incipientes, contemplando apenas alguns dados financeiros de custos, passivos e investimentos de natureza ambiental, porém num detalhamento bem inferior ao proposto pelo ISAR/UNCTAD. Sob a Dimensão 3 há uma significativa omissão dos organismos norte-americanos e brasileiros de evidenciações nos relatórios da presidência, administração, por segmento de negócios e financeiro/operacional. No Brasil não há a normatização de disclosure nessa dimensão, enquanto que nos Estados Unidos a SEC exige que o relatório de administração evidencie os efeitos materiais de conformidade com as legislações ambientais e o relato da administração sobre a posição ambiental da empresa. Por fim, constata-se que não obstante existam pontos em comum, ainda persistem muitas diferenças entre as normas e recomendações de disclosure ambiental brasileiras e norteamericanas em relação às recomendações propostas no modelo internacional do ISAR/UNCTAD, sendo necessário um aprofundamento das discussões dessas questões pelos profissionais e pesquisadores da contabilidade. REFERÊNCIAS AICPA. Statement of Position 96-1 (SOP 96-1): Environmental Remediation Liabilities Disponível em <http://www.aicpa.org/states/stmap.htm>. Acesso em: 16 maio American Institute of Certified Public Accountants. Institucional. Disponível em: <http://www.aicpa.org/states/stmap.htm>. Acesso em: 16 maio BEWLEY, Kathryn. SEC regs and environmental disclosure. In: Proceedings of the Annual Conference of the Administrative Sciences Association of Canada. June 14-17, CFC. Conselho Federal de Contabilidade. Resolução n /04 - Aprova a NBC T 15 - Dispõe sobre Informações de Natureza Social e Ambiental. Brasília: CFC, CICA - Canadian Institute of Chartered Accountants. Environmental cost and liabilities: Accounting and Financial Reporting Disponível em: <http://www.cica.ca/index.cfm/ci_id/8277/la_id/1.htm>. Acesso em: 8 nov

15 CHAN-FISHEL, Michelle. SEC and social/environmental accounting. Corporate Sunshine Working Group Bulletin, set Disponível em: <http://www.corporatesunshine.org/ research/cswgbulletin09-06.pdf>. Acesso em: 12 out COMISSÃO EUROPÉIA. Comisión de Las Comunidades Europeas. Libro Blanco de La Responsabilidad Social. Bruxelas, Recomendación de la Comisión relativa al reconocimiento, la medición y la publicación de las cuestiones medioambientales en las cuentas anuales y los informes anuales de las empresas. Diario Oficial de las Comunidades Europeas, 13 jun. 2001a. Disponível em: <http://europa.eu/eur-lex/es/com/gpr/2001/com2001_0366es01.pdf>. Acesso em: 30 abr Libro Verde. Fomentar un marco europeo para la responsabilidad social de las empresas. 18 jul Bruxelas. 2001b DEEGAN, Craig; RANKING, Michaela. Do Australian companies report environmental news objectively? An analysis of environmental disclosures by firms prosecuted successfully by the environmental protection authority. Accounting, Auditing & Accountability Journal, v.9, n.2, p.50-67, DEEGAN, Craig; RANKING, Michaela; TOBIN, John. An examination of the corporate social and environmental disclosures of BHP from Accounting, Auditing & Accountability Journal, v.15, n.3, p , FASB - Financial Accounting Standards Board. SFAS 5 - Statement N.º5: Accounting for contingencies. Mar Disponível em: <http://www.fasb.org/pdf/fas5.pdf>. Acesso em: 21 out EITF 89-13: Accounting for the cost of asbestos removal. 26 out Disponível em: <http://www.fasb.org/pdf/abs89-13.pdf>. Acesso em: 21 out EITF 90-8: Capitalization of costs to treat environmental contamination. Maio/jul Disponível em: <http://www.fasb.org/pdf/abs90-8.pdf>. Acesso em: 15 out Institucional. Disponível em: <http://www.fasb.org/>. Acesso em: 20 abr SFAS Statement N.º143: Accounting for asset retirement obligations. Jun Disponível em: <http://www.fasb.org/pdf/fas143.pdf>. Acesso em: 21. out HACKSTON, David; MILNE, Markus J. Some determinants of social and environmental disclosures in New Zealand companies. Accounting, Auditing & Accountability Journal, v.9, n.1, p , GAO. U. S. - Government Accountability Office. Environmental disclosure: SEC should explore ways to improve tracking and transparency of information. Jul p. Disponível em: <http://www.gao.gov/new.items/d04808.pdf>. Acesso em: 4 out

16 GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, GONZÁLEZ, Carlos Larrinaga; MONEVA, José Mariano Abadía; MARACULLÁ, Fernando Llena; FENECH, Francisco Carrasco; RUIZ, Carmen Correa. Regulación contable de la información medioambiental. Normativa española e internacional. Madrid: AECA, IBRACON. NPA 11 - Normas e procedimentos de auditoria - Balanço e ecologia. São Paulo: Ibracon, Disponível em: <http://www.ibracon.com.br/>. Acesso em: 18 abr IGRAM, Robert. W.; FRAZIER, Katherine Beal. Environmental performance and corporate disclosure. Journal of Accounting Research, v.18, n.2, p , ISAR/UNCTAD. Accounting and financial reporting for environmental costs and liabilities. 1998a. Disponível em: <http://www.unctad.org/templates/&lang=1>. Acesso em: 21 out Statements by the Secretary-General of UNCTAD: Intergovernmental Working Group of Experts on International Standards of Accounting and Reporting. United Nations: Geneva, 21 nov Disponível em: <http://www.unctad.org/templates/ webflyer.asp?docid=6530&intitemid=3549&lang=1>. Acesso em: 18 maio Guidance on Good Practices in Corporate Governance Disclosure. United Nations: Geneva, 13 jun. 06. Disponível em: <http://www.unctad.org/en/docs/iteteb2006 3_en.pdf>. Acesso em: 15 jan KPMG. Internacional Survey of Environmental Reporting, Disponível em: <http://www.wimm.nl/publicaties/kpmg1999.pdf> Acesso em: 28 out Mining: a survey of global reporting trends Disponível em: <http://www. wimm.nl/publicaties/kpmg1999.pdf> Acesso em: 8 dez Mining survey of global reporting trends África do Sul, 97p. Disponível em: <http://www.kpmg.ca/en/industries/enr/mining/documents/miningsurvey.pdf>. Acesso em: 4 maio Internacional survey of corporate responsibility reporting, Disponível em: <http://www.eldis.org/static/doc18813.htm> Acesso em: 2 abr NOSSA, Valcemiro. Disclosure ambiental: uma análise do conteúdo dos relatórios ambientais de empresas do setor de papel e celulose em nível internacional. São Paulo: USP, Tese (Doutorado em Controladoria e Contabilidade), FEA/USP, Universidade de São Paulo, SP, PLEVA, Eileen; GILBERTSON, Peter. Reconciling environmental disclosure with environmental exposure in an evolving regulatory climate. AIG Environmental Disponível em: <http://www.erraonline.org/spring2003sec.htm>. Acesso em: 15 out RIBEIRO, Maisa de Souza. Contabilidade e meio ambiente. São Paulo: USP, Dissertação

17 (Mestrado em Controladoria e Contabilidade), Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, FEA/USP, Universidade de São Paulo, SEC - U.S. Securities and Exchange Commission. Regulation S-K Disponível em: <http://www.law.uc.edu/ccl/regs-k/index.html>. Acesso em: 15 set SCHNEIDER, S., SCHIMITT, C. J. O uso do método comparativo nas ciências sociais. Cadernos de Sociologia. v.9, p.49-87, UFRGS, Porto Alegre, SUTHERLAND, Donald. EPA reveals U.S. publicly traded corporations hide billions in environmental debt. 9 abr Disponível em: <http://www.riskworld.com/news/02q2 /nw02a096.htm>. Acesso em: 15 out

Palavras-chave: contabilidade ambiental; evidenciação ambiental.

Palavras-chave: contabilidade ambiental; evidenciação ambiental. RGSA Revista de Gestão Social e Ambiental Jan. - Abr. 2007, V. 1, Nº. 1, pp. 102-115 www.rgsa.com.br ANÁLISE DE RELATÓRIOS DE SUSTENTABILIDADE, COM ÊNFASE NA GRI: COMPARAÇÃO ENTRE EMPRESAS DO SETOR DE

Leia mais

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Conhecimento essencial em Gestão de Controladoria Depois de sucessivas crises econômicas, os investidores pressionam cada vez mais pela

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 820/97. Aprova a NBC T 11 Normas de Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis com alterações e dá outras providências.

RESOLUÇÃO CFC N.º 820/97. Aprova a NBC T 11 Normas de Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis com alterações e dá outras providências. RESOLUÇÃO CFC N.º 820/97 Aprova a NBC T 11 Normas de Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis com alterações e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas

Leia mais

Disciplina Auditoria Concurso para auditor-fiscal da Receita Federal do Brasil 2014

Disciplina Auditoria Concurso para auditor-fiscal da Receita Federal do Brasil 2014 Disciplina Auditoria Concurso para auditor-fiscal da Receita Federal do Brasil 2014 Estimados amigos concurseiros! É sabido que foi publicado o Edital ESAF nº 18, de 07 de março de 2014, do concurso para

Leia mais

ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) DAS EMPRESAS DE PAPEL E CELULOSE POR MEIO DE INDICADORES

ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) DAS EMPRESAS DE PAPEL E CELULOSE POR MEIO DE INDICADORES ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) DAS EMPRESAS DE PAPEL E CELULOSE POR MEIO DE INDICADORES RESUMO O presente estudo aborda a importância da DFC para a organização, pois além de ser uma

Leia mais

DISCLOSURE AMBIENTAL: UM ESTUDO NAS MAIORES SOCIEDADES ANÔNIMAS DO ESPÍRITO SANTO

DISCLOSURE AMBIENTAL: UM ESTUDO NAS MAIORES SOCIEDADES ANÔNIMAS DO ESPÍRITO SANTO 1 DISCLOSURE AMBIENTAL: UM ESTUDO NAS MAIORES SOCIEDADES ANÔNIMAS DO ESPÍRITO SANTO INTRODUÇÃO. Cintia Regina Gomes Silva FACULDADE PITÁGORAS Robson de Souza Linhares FACULDADE PITÁGORAS Com a crescente

Leia mais

CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA. ESTRAGEIRA: FASB nº 8 e FASB nº 52

CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA. ESTRAGEIRA: FASB nº 8 e FASB nº 52 CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA Evolução das Normas de Contabilidade aplicadas no EUA Critérios Contábeis brasileiros e americanos (USGAAP) Objetivos da conversão de demonstrações contábeis

Leia mais

CONTABILIDADE AMBIENTAL: UM ESTUDO SOBRE A EVIDENCIAÇÃO DAS INFORMAÇÕES AMBIENTAIS NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS GRANDES EMPRESAS BRASILEIRAS

CONTABILIDADE AMBIENTAL: UM ESTUDO SOBRE A EVIDENCIAÇÃO DAS INFORMAÇÕES AMBIENTAIS NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS GRANDES EMPRESAS BRASILEIRAS CONTABILIDADE AMBIENTAL: UM ESTUDO SOBRE A EVIDENCIAÇÃO DAS INFORMAÇÕES AMBIENTAIS NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS GRANDES EMPRESAS BRASILEIRAS Karla Priscilla Sales de LIMA Universidade Federal do Maranhão

Leia mais

Harmonização contábil internacional. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua

Harmonização contábil internacional. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua Harmonização contábil internacional Autor: Ader Fernando Alves de Pádua RESUMO O presente artigo tem por objetivo abordar o conceito e os aspectos formais e legais das Normas Brasileiras de Contabilidade

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.137/08 Aprova a NBC T 16.10 Avaliação e Mensuração de Ativos e Passivos em Entidades do Setor Público. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e

Leia mais

MAISA DE SOUZA RIBEIRO

MAISA DE SOUZA RIBEIRO 1 Evidenciação Ambiental: Comparação entre empresas do setor de papel e celulose dos Estados Unidos e Brasil Autoras MAISA DE SOUZA RIBEIRO Universidade de São Paulo MARCELA FERNANDES GASPARINO Universidade

Leia mais

Então... Estrutura do Relatório. Estrutura do Relatório Compõe-se, basicamente, de quatro partes: Estrutura do Relatório

Então... Estrutura do Relatório. Estrutura do Relatório Compõe-se, basicamente, de quatro partes: Estrutura do Relatório Objetivos do Auditor Independente: Formar uma opinião sobre as demonstrações contábeis com base na avaliação das conclusões atingidas pela evidência de auditoria obtida; e Expressar claramente essa opinião

Leia mais

Faz saber que foi aprovada em seu Plenário a seguinte Norma Brasileira de Contabilidade (NBC), que tem por base o CT 04/2010 (R2) do Ibracon:

Faz saber que foi aprovada em seu Plenário a seguinte Norma Brasileira de Contabilidade (NBC), que tem por base o CT 04/2010 (R2) do Ibracon: Norma Brasileira de Contabilidade CFC/CTA Nº 2 DE 27/02/2015 Publicado no DO em 9 mar 2015 Dá nova redação ao CTA 02 que trata da emissão do relatório do auditor independente sobre demonstrações contábeis

Leia mais

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 15/2009. Prazo: 15 de junho de 2009

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 15/2009. Prazo: 15 de junho de 2009 Prazo: 15 de junho de 2009 A Comissão de Valores Mobiliários CVM, em conjunto com o Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC), submete à Audiência Pública, nos termos do art. 8º, 3º, I, da Lei nº 6.385,

Leia mais

CONTABILIDADE AMBIENTAL

CONTABILIDADE AMBIENTAL CONTABILIDADE AMBIENTAL Modelos de Contabilidade Ambiental para Passivos (Seguro e Garantias) Prof. MSc. Fábio da S. e Almeida CEA Centro de Economia, Administração Agenda da Apresentação 1) Ambiente Atual

Leia mais

Método Direto ou Método Indireto?

Método Direto ou Método Indireto? Método Direto ou Método Indireto? Nova legislação brasileira muda perfil do profissional contábil e valoriza quem, conhece as normas internacionais. demonstrativos oficiais : Já a partir dos primeiros

Leia mais

A contabilidade ambiental nas organizações

A contabilidade ambiental nas organizações A contabilidade ambiental nas organizações Karine Matuchevski (UFSM) kmatu@bol.com.br Drª. Janis Elisa Ruppenthal (UFSM) Dr. João Helvio Righi de Oliveira (UFSM) jholive@terra.com.br RESUMO O mercado está,

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CONTABILIDADE INTERNACIONAL FINANCIAL REPORTING

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CONTABILIDADE INTERNACIONAL FINANCIAL REPORTING Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CONTABILIDADE INTERNACIONAL FINANCIAL REPORTING Belo Horizonte 2012 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CONTABILIDADE INTERNACIONAL FINANCIAL

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS GERÊNCIAIS E ECONÔMICAS Ciências Contábeis Contabilidade em moeda constante e conversão de demonstrações contábeis para moeda estrangeira

Leia mais

International Financial Reporting Standards Mudança de Paradigma na Divulgação das Informações Financeiras D.J. Gannon

International Financial Reporting Standards Mudança de Paradigma na Divulgação das Informações Financeiras D.J. Gannon Julho de 2007 Volume 11 / Número 7 International Financial Reporting Standards Mudança de Paradigma na Divulgação das Informações Financeiras D.J. Gannon D.J. Gannon é sócio da Deloitte & Touche LLP, onde

Leia mais

JOSÉ APARECIDO MAION jmaion@maioncia.com.br. IRINEU DE MULA idemula@amcham.com.br. DELIBERAÇÃO CVM N o 539, DE 14/03/2008

JOSÉ APARECIDO MAION jmaion@maioncia.com.br. IRINEU DE MULA idemula@amcham.com.br. DELIBERAÇÃO CVM N o 539, DE 14/03/2008 DELIBERAÇÃO CVM N o 539, DE 14/03/2008 Aprova o Pronunciamento Conceitual Básico do CPC que dispõe sobre a Estrutura Conceitual para a Elaboração e Apresentação das Demonstrações Contábeis. JOSÉ APARECIDO

Leia mais

MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS Visando a redução de riscos nos investimentos internacionais, além de ter mais facilidade de comunicação internacional no mundo dos negócios, com o uso de

Leia mais

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL.

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL. CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL. Autores: Marcus Vinicius Passos de Oliveira Elisangela Fernandes dos Santos Esaú Fagundes Simões Resumo Esta pesquisa tem

Leia mais

Copyright 2003 - Todos os Direitos Reservados a Prof. Arievaldo Alves de Lima CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES SOBRE O FLUXO DE CAIXA

Copyright 2003 - Todos os Direitos Reservados a Prof. Arievaldo Alves de Lima CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES SOBRE O FLUXO DE CAIXA ANÁLISE DE BALANÇOS CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES SOBRE O FLUXO DE CAIXA O fluxo de caixa constitui-se no instrumento prático, por excelência, do administrador financeiro, e pode ser comparado a outras denominações

Leia mais

CONVERSÃO DE DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA PARA MOEDA ESTRANGEIRA: UM ESTUDO COMPARATIVO

CONVERSÃO DE DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA PARA MOEDA ESTRANGEIRA: UM ESTUDO COMPARATIVO CONVERSÃO DE DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA PARA MOEDA ESTRANGEIRA: UM ESTUDO COMPARATIVO FREDERICO MENDES CARLA CRISTINA FERNANDES DE QUEIROZ Resumo: Muitas empresas no Brasil estão realizando negócios

Leia mais

UNIP Ciências Contábeis. Contabilidade Internacional e Teoria da Contabilidade Prof. MS Celso Marini E-mail: prof.marini@acharyabrasil.com.

UNIP Ciências Contábeis. Contabilidade Internacional e Teoria da Contabilidade Prof. MS Celso Marini E-mail: prof.marini@acharyabrasil.com. UNIP Ciências Contábeis Contabilidade Internacional e Teoria da Contabilidade Prof. MS Celso Marini E-mail: prof.marini@acharyabrasil.com.br AMERICAN INSTITUTE OF CERTIFIED PUBLIC ACCOUNTANTS (AICPA) 1939/1959

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.315/10

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.315/10 NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Norma de NBC T 19.40 para NBC TG 43 e de outras normas citadas: de NBC T 1 para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL; de NBC T 19.18 para

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

C o n s o l i d a ç ã o

C o n s o l i d a ç ã o Comparações entre Práticas Contábeis IAS 22 e 27 SIC 12 e 33 Pontos-chave para comparar diferenças ARB 51, APB 18, SFAS 94, 125 e 140 EITFs 90-15, 96-16, 96-20, Topic D-14, 96-21, 97-2, C51 FIN 46R D i

Leia mais

Disclosure de Informações Socioambientais pelas maiores empresas do segmento químico e petroquímico no Brasil, a partir da NBC T -15

Disclosure de Informações Socioambientais pelas maiores empresas do segmento químico e petroquímico no Brasil, a partir da NBC T -15 Disclosure de Informações Socioambientais pelas maiores empresas do segmento químico e petroquímico no Brasil, a partir da NBC T -15 Autoria: Ana Cristina de Faria, Raquel da Silva Pereira RESUMO O objetivo

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 1 Objetivos e considerações gerais sobre as Demonstrações Financeiras Conteúdo

Leia mais

A CONTABILIDADE NAS EMPRESAS PRODUTORAS DE PROJETOS CULTURAIS FACE AO NOVO PADRÃO CONTÁBIL

A CONTABILIDADE NAS EMPRESAS PRODUTORAS DE PROJETOS CULTURAIS FACE AO NOVO PADRÃO CONTÁBIL A CONTABILIDADE NAS EMPRESAS PRODUTORAS DE PROJETOS CULTURAIS FACE AO NOVO PADRÃO CONTÁBIL Já tivemos oportunidade de abordar a importância da contabilidade para as pequenas empresas produtoras de projetos

Leia mais

AUDITORIA EXTERNA PARECERES

AUDITORIA EXTERNA PARECERES 1 AUDITORIA EXTERNA PARECERES Breve conceito Auditoria externa é uma ramificação da contabilidade que dentre seus objetivos esta a análise das demonstrações contábeis/financeiras da empresa auditada. Por

Leia mais

INSTITUTO IBEROAMERICANO DE MERCADOS DE VALORES REUNIÃO DO GRUPO DE ESPECIALISTAS CONTÁBEIS Buenos Aires, Argentina, 19 a 20 de março de 2003.

INSTITUTO IBEROAMERICANO DE MERCADOS DE VALORES REUNIÃO DO GRUPO DE ESPECIALISTAS CONTÁBEIS Buenos Aires, Argentina, 19 a 20 de março de 2003. INSTITUTO IBEROAMERICANO DE MERCADOS DE VALORES REUNIÃO DO GRUPO DE ESPECIALISTAS CONTÁBEIS Buenos Aires, Argentina, 19 a 20 de março de 2003. CVM BRASIL O modelo capitalista baseado na economia de mercado

Leia mais

Sinopse Contábil. Editorial. Nesta Edição. Nº 11 abr/2006. Normas Nacionais 2 CFC 3 IBRACON 4 CVM. Normas Internacionais 7 IASB.

Sinopse Contábil. Editorial. Nesta Edição. Nº 11 abr/2006. Normas Nacionais 2 CFC 3 IBRACON 4 CVM. Normas Internacionais 7 IASB. AUDIT RELATED SERVICES Sinopse Contábil Nº 11 abr/2006 AUDITORIA Editorial Nesta Edição Normas Nacionais 2 CFC 3 IBRACON 4 CVM Normas Internacionais 7 IASB Normas Americanas 10 FASB 12 PCAOB Esta edição

Leia mais

Demonstrativo do Fluxo de Caixa

Demonstrativo do Fluxo de Caixa Demonstrativo do Fluxo de Caixa Congresso Nacional aprova alteração na Lei das Sociedades por Ações 6404/76, muda perfil do profissional contábil e valoriza quem conhece as normas internacionais. demonstrativos

Leia mais

Bússola Governança Consultoria & Treinamento. EAC0558 Relato Integrado e Sustentabilidade (Turma 2015114) Ciências Contábeis FEA/NECMA/USP

Bússola Governança Consultoria & Treinamento. EAC0558 Relato Integrado e Sustentabilidade (Turma 2015114) Ciências Contábeis FEA/NECMA/USP Bússola Governança Consultoria & Treinamento EAC0558 Relato Integrado e Sustentabilidade (Turma 2015114) Ciências Contábeis FEA/NECMA/USP Consultoria de Relato Integrado/Cases Roberto S Gonzalez roberto@bussolagovernanca.com.br

Leia mais

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE 546 A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE Irene Caires da Silva 1, Ana Carlina Toni Pereira 2, Carlile Serafim Pestana 2, Fernando Henrique Grigoletto dos Santos 2, Henrique

Leia mais

HARMONIZAÇÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL IAS

HARMONIZAÇÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL IAS Instituto de Ciências Econômicas e Gerenciais Curso de Ciências Contábeis Contabilidade em Moeda Constante e Conversão de Demonstrações Contábeis para Moeda Estrangeira HARMONIZAÇÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL

Leia mais

ANEXO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS

ANEXO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ANEXO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 37 (R) Adoção Inicial das Normas Internacionais de Contabilidade Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade - IFRS (BV200)

Leia mais

Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores;

Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores; ESTRUTURA CONCEITUAL BÁSICA DA CONTABILIDADE Prof. Francisco Marcelo Avelino Junior, MsC. EVOLUÇÃO HISTÓRICA Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores; Princípios Contábeis representam

Leia mais

Relatório da Administração Dommo 2014

Relatório da Administração Dommo 2014 Relatório da Administração Dommo 2014 A Administração da Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A. apresenta o Relatório da Administração e as correspondentes Demonstrações Financeiras referentes aos exercícios

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - Encalso Participações em Concessões S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - Encalso Participações em Concessões S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 610, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009

DELIBERAÇÃO CVM Nº 610, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009 Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 43 do Comitê de Pronunciamentos Contábeis, que trata da adoção inicial dos pronunciamentos técnicos CPC 15 a 40. A PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.321/11

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.321/11 NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração deste Comunicado de CT 08 para CTA 03; e de outras normas citadas: de NBC T 19.10 para NBC TG 01; de NBC T 3.8 para NBC TG 03; de NBC T

Leia mais

LEI 11.638/2007 E A CONVERGÊNCIA ÀS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE

LEI 11.638/2007 E A CONVERGÊNCIA ÀS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE LEI 11.638/2007 E A CONVERGÊNCIA ÀS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE Daniela Berta Locatelli 1 Isair Cardoso 2 Resumo A Contabilidade evolui constantemente, acompanhando o mundo dos negócios e dos

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.265/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.265/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Interpretação de IT 12 para ITG 12 e de outras normas citadas: de NBC T 19.1 para NBC TG 27; de NBC T 19.7 para NBC TG 25; de NBC

Leia mais

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Responsabilidade da administração sobre as demonstrações contábeis

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Responsabilidade da administração sobre as demonstrações contábeis RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aos Diretores e Mantenedores da FUNDAÇÃO PRÓ RIM JOINVILLE SC Examinamos as demonstrações financeiras da Fundação Pró Rim, que compreendem

Leia mais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais Conteúdo 1 Introdução... 1 2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais... 1 3 Questão 32 Natureza das contas... 3 4 Questão 33 Lançamentos - Operações de captação de recursos... 4 5 Questão

Leia mais

Palavras-chave: normas internacionais, seguradoras, contabilidade.

Palavras-chave: normas internacionais, seguradoras, contabilidade. Normas Contábeis para Seguradoras versus Padrões Internacionais de Contabilidade: uma análise a luz das IFRS. Resumo Jefferson Ricardo do Amaral Melo 1 O mercado segurador cresce a cada dia com uma diversidade

Leia mais

Palavra-Chave: Contabilidade Internacional, Adoção as Normas Internacionais de Contabilidade, CPC-PMEs.

Palavra-Chave: Contabilidade Internacional, Adoção as Normas Internacionais de Contabilidade, CPC-PMEs. CONTABILIDADE INTERNACIONAL: a convergência das Normas Internacionais da Contabilidade aplicada às micros e pequenas empresas no município de Barreiras-BA. Acadêmica: Luana Alves Souza 1 E-mail: Lua.luana23@hotmail.com

Leia mais

Auditoria de Sistemas FATEC 2011

Auditoria de Sistemas FATEC 2011 Auditoria de Sistemas FATEC 2011 Histórico 3.000 a.c. - Antropologistas encontraram registros de atividades de auditoria de origem babilônica ~2.000 a.c - No antigo Egito havia a necessidade de se ratificar

Leia mais

Pontuação homologada para o PEPC - 2014

Pontuação homologada para o PEPC - 2014 100 PORCENTO AUDIT 100 PORCENTO AUDIT AGF CONSULT. E TREIN. EMPRESARIAL AGF CONSULT. E TREIN. EMPRESARIAL AGF CONSULT. E TREIN. EMPRESARIAL AGF CONSULT. E TREIN. EMPRESARIAL AGF CONSULT. E TREIN. EMPRESARIAL

Leia mais

ATIVOS INTANGÍVEIS NAS NORMAS INTERNACIONAIS IASB

ATIVOS INTANGÍVEIS NAS NORMAS INTERNACIONAIS IASB 1 ATIVOS INTANGÍVEIS NAS NORMAS INTERNACIONAIS IASB Paulo Schmidt * José Luiz dos Santos ** Luciane Alves Fernandes *** Resumo: A cada dia que passa, maior se torna a dependência entre mercados e países,

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.150/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.150/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Norma de NBC T 19.16 para NBC TG 11 e de outras normas citadas: de NBC T 11 para NBC TG 23; de NBC T 19.7 para NBC TG 25; de NBC

Leia mais

Aprovada a NBC T 19.18 Adoção Inicial da Lei n. 11.638/07 e da Medida Provisória n. 449/08

Aprovada a NBC T 19.18 Adoção Inicial da Lei n. 11.638/07 e da Medida Provisória n. 449/08 Aprovada a NBC T 19.18 Adoção Inicial da Lei n. 11.638/07 e da Medida Provisória n. 449/08 O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que o

Leia mais

A Demonstração no Brasil A Demonstração do Fluxo de Caixa - DFC

A Demonstração no Brasil A Demonstração do Fluxo de Caixa - DFC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI CAMPUS MINISTRO REIS VELLOSO CMRV DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E JURÍDICAS DCCJ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CCC EMPRESA JUNIOR DE CONTABILDIADE CONAC JUNIOR CURSO

Leia mais

AS ALTERAÇÕES NAS NORMAS DE AUDITORIA INDEPENDENTE VIGENTES NO BRASIL (2) O RELATÓRIO DO AUDITOR INDEPENDENTE

AS ALTERAÇÕES NAS NORMAS DE AUDITORIA INDEPENDENTE VIGENTES NO BRASIL (2) O RELATÓRIO DO AUDITOR INDEPENDENTE AS ALTERAÇÕES NAS NORMAS DE AUDITORIA INDEPENDENTE VIGENTES NO BRASIL (2) O RELATÓRIO DO AUDITOR INDEPENDENTE Um dos pontos mais polêmicos e de maior impacto nestas alterações das normas de auditoria independente

Leia mais

PONTOS CRÍTICOS NA AVALIAÇÃO DAS AUDITORIAS EM RELAÇÃO À CONTABILIDADE DE SEUS CLIENTES

PONTOS CRÍTICOS NA AVALIAÇÃO DAS AUDITORIAS EM RELAÇÃO À CONTABILIDADE DE SEUS CLIENTES PONTOS CRÍTICOS NA AVALIAÇÃO DAS AUDITORIAS EM RELAÇÃO À CONTABILIDADE DE SEUS CLIENTES Claudio de Souza Miranda Doutor em Controladoria e Contabilidade Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade

Leia mais

A CONTABILIDADE E SUA RESPONSABILIDADE SOCIAL

A CONTABILIDADE E SUA RESPONSABILIDADE SOCIAL A CONTABILIDADE E SUA RESPONSABILIDADE SOCIAL Larissa de Lima Trindade 1 Gilberto Brondani 2 RESUMO A sociedade atualmente tem estado muito preocupada no que diz respeito ao meio ambiente, exigindo das

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO IBRACON Nº 01/2015

COMUNICADO TÉCNICO IBRACON Nº 01/2015 COMUNICADO TÉCNICO IBRACON Nº 01/2015 Orientação aos auditores independentes sobre os procedimentos que devem ser observados quando o auditor independente for contratado para emitir cartaconforto em conexão

Leia mais

DEPARTAMENTO DE PRÁTICAS PROFISSIONAIS. DPP News

DEPARTAMENTO DE PRÁTICAS PROFISSIONAIS. DPP News DEPARTAMENTO DE PRÁTICAS PROFISSIONAIS DPP News Nº 9 nov/2004 AUDITORIA Editorial Nesta Edição Normas Nacionais 2 IBRACON 3 CVM 4 CFC Normas Internacionais 7 IASB Normas Americanas 10 SEC 11 FASB 11 PCAOB

Leia mais

1. Esta Norma deve ser aplicada na contabilização dos custos dos empréstimos.

1. Esta Norma deve ser aplicada na contabilização dos custos dos empréstimos. NBC TSP 5 Custos de Empréstimos Objetivo Esta Norma indica o tratamento contábil dos custos dos empréstimos. Esta Norma geralmente exige o reconhecimento imediato no resultado do exercício dos custos dos

Leia mais

IFRS A nova realidade de fazer Contabilidade no Brasil

IFRS A nova realidade de fazer Contabilidade no Brasil Ano X - Nº 77 - Julho/Agosto de 2014 IFRS A nova realidade de fazer Contabilidade no Brasil Profissionais da Contabilidade deverão assinar prestações de contas das eleições Ampliação do Simples Nacional

Leia mais

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 e 2009

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 e 2009 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 e 2009 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 e 2009 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3-4

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA 001/2011. Sistema de Controle Patrimonial

INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA 001/2011. Sistema de Controle Patrimonial INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA 001/2011 Versão: 01 Aprovação em: 22/12/2011 Unidade Responsável: Coordenadoria de Finanças e Patrimônio - CFP SPA: Sistema de Controle Patrimonial I FINALIDADE Estabelecer as diretrizes,

Leia mais

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015.

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. Estabelece os procedimentos e as normas a serem adotados pelos órgãos e entidades da administração pública estadual direta e indireta, para o encerramento anual

Leia mais

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Objetivos da aula: Nesta aula veremos como cada empresa deve fazer pela primeira vez a adoção do IFRS. Como ela

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO IBRACON Nº XX/2012. Relatórios de sustentabilidade emitidos por auditores independentes INTRODUÇÃO E OBJETIVOS

COMUNICADO TÉCNICO IBRACON Nº XX/2012. Relatórios de sustentabilidade emitidos por auditores independentes INTRODUÇÃO E OBJETIVOS COMUNICADO TÉCNICO IBRACON Nº XX/2012 Relatórios de sustentabilidade emitidos por auditores independentes INTRODUÇÃO E OBJETIVOS Nos últimos anos tem havido evolução dos conceitos econômicos, sociais e

Leia mais

2 Noções de Direito Público e Privado - Paulo César de Melo Mendes, 88 Objetivos, 88

2 Noções de Direito Público e Privado - Paulo César de Melo Mendes, 88 Objetivos, 88 Apresentação 1 Contabilidade Geral - Rodrigo de Souza Gonçalves e Fernanda Fernandes Rodrigues, 1 Objetivos, 1 Introdução, 1 1 Plano de contas - elaboração e utilização, 2 2 Balanço patrimonial - estrutura

Leia mais

Abril S.A. e empresas controladas

Abril S.A. e empresas controladas Abril S.A. e empresas controladas DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2010 e Relatório dos Auditores Independentes 1 Abril S.A. e empresas controladas

Leia mais

NBC TSP 8 - Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Alcance

NBC TSP 8 - Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Alcance NBC TSP 8 - Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Alcance 1. Uma entidade que prepare e apresente demonstrações contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma na contabilização

Leia mais

IFRS em Destaque Agosto 2011. Destaques. Modelo único de controle introduzido para avaliar quando uma investida deve ser consolidada.

IFRS em Destaque Agosto 2011. Destaques. Modelo único de controle introduzido para avaliar quando uma investida deve ser consolidada. IFRS em Destaque Agosto 2011 Consolidação: um novo modelo de controle único Departamento de Práticas Profissionais - DPP Destaques Modelo único de controle introduzido para avaliar quando uma investida

Leia mais

PROPOSTA DE MODELOS DE CONTABILIZAÇÃO GERENCIAL PARA MEDIDAS DE GESTÃO AMBIENTAL

PROPOSTA DE MODELOS DE CONTABILIZAÇÃO GERENCIAL PARA MEDIDAS DE GESTÃO AMBIENTAL 1 PROPOSTA DE MODELOS DE CONTABILIZAÇÃO GERENCIAL PARA MEDIDAS DE GESTÃO AMBIENTAL UHLMANN, V. O. 1 ROSSATO, M. V. 2 RESUMO Acredita-se que a adoção de medidas de gestão ambiental por parte das empresas

Leia mais

Informações sobre as novas Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público Mudanças e Desafios para a contabilidade pública

Informações sobre as novas Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público Mudanças e Desafios para a contabilidade pública Informações sobre as novas Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público Mudanças e Desafios para a contabilidade pública Marcus Vinicius P. de Oliveira Contador, Administrador, Especialista

Leia mais

FAS 109, FIN 48, FAS 5, CPC 25 e IAS 37

FAS 109, FIN 48, FAS 5, CPC 25 e IAS 37 FAS 109, FIN 48, FAS 5, CPC 25 e IAS 37 Thais R. Bandeira de Mello Rodrigues Associada 55 21 2127-4236 trodrigues@mayerbrown.com Março, 2015 Tauil & Chequer Advogados is associated with Mayer Brown LLP,

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 37 (R1) Adoção Inicial das Normas Internacionais de Contabilidade

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 37 (R1) Adoção Inicial das Normas Internacionais de Contabilidade COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 37 (R1) Adoção Inicial das Normas Internacionais de Contabilidade Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 1 (BV2010) Índice

Leia mais

ANEXO 1 INSTRUÇÕES ÀS FIRMAS PARA EXECUÇÃO DA REVISÃO EXTERNA PELOS PARES. Introdução.27. Independência e Conflito de Interesses.

ANEXO 1 INSTRUÇÕES ÀS FIRMAS PARA EXECUÇÃO DA REVISÃO EXTERNA PELOS PARES. Introdução.27. Independência e Conflito de Interesses. ANEXO 1 INSTRUÇÕES ÀS FIRMAS PARA EXECUÇÃO DA REVISÃO EXTERNA PELOS PARES ÍNDICE Seção Parágrafo II Instrução às Equipes Revisoras Introdução.27 Independência e Conflito de Interesses.29 Organização da

Leia mais

Relatório dos Auditores Independentes... 3. Relatório do Comitê de Auditoria... 4. Demonstração Consolidada do Resultado... 5

Relatório dos Auditores Independentes... 3. Relatório do Comitê de Auditoria... 4. Demonstração Consolidada do Resultado... 5 Demonstrações Contábeis Consolidadas de acordo com as Normas internacionais de relatório financeiro (IFRS) emitidas pelo International Accounting Standards Board - IASB 2014 Bradesco 1 Sumário oação de

Leia mais

IFRS em Destaque Dezembro 2011. Destaques. Valor justo definido como preço de saída.

IFRS em Destaque Dezembro 2011. Destaques. Valor justo definido como preço de saída. IFRS em Destaque Dezembro 2011 Orientação unificada para mensuração e divulgação do valor justo para IFRS Departamento de Práticas Profissionais - DPP Destaques Valor justo definido como preço de saída.

Leia mais

Instrumentos financeiros - A norma completa

Instrumentos financeiros - A norma completa Instrumentos financeiros - A norma completa Mudanças nos fundamentos requerem planejamento cuidadoso Setembro de 2014, Edição 04/2014 IFRS EM DESTAQUE kpmg.com/br A nova norma irá ter um impacto significativo

Leia mais

CONTABILIDADE AMBIENTAL COMO FONTE DE INFORMAÇÃO

CONTABILIDADE AMBIENTAL COMO FONTE DE INFORMAÇÃO CONTABILIDADE AMBIENTAL COMO FONTE DE INFORMAÇÃO MARIA ROSANA DANTAS LOPES RESUMO Este trabalho teve como objetivo mostrar a importância da contabilidade como fonte de informação de uma empresa, e o seu

Leia mais

NCIA O NOVO PROFISSIONAL CONTÁBIL

NCIA O NOVO PROFISSIONAL CONTÁBIL 12ª SEMANA DE CONTABILIDADE DO BANCO CENTRAL PAINEL 6: O PROCESSO DE CONVERGÊNCIA NCIA O NOVO PROFISSIONAL CONTÁBIL PROF. DR. JORGE KATSUMI NIYAMA, UnB Maio/2007 O QUE É CONTABILIDADE INTERNACIONAL? 1.

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 962/03

RESOLUÇÃO CFC Nº 962/03 RESOLUÇÃO CFC Nº 962/03 Aprova a NBC T 11 - IT - 09 - Estimativas Contábeis. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que as Normas Brasileiras

Leia mais

Demonstrações Contábeis Obrigatórias

Demonstrações Contábeis Obrigatórias Demonstrações Contábeis Obrigatórias 1.Introdução As demonstrações contábeis são os meios pelos quais as empresas e as demais entidades informam à sociedade as condições de seu patrimônio. A legislação

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010 KPMG Assurance Services Ltda. Agosto de 2012 KPDS 41367 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010 Conteúdo Relatório dos auditores

Leia mais

REDUÇÃO AO VALOR RECUPERAVEL DE ATIVOS - CONCEITO E IMPACTO NA EMPRESA GERDAU S/A. Amanda Caroline Diniz Pereira¹, José César de Faria²

REDUÇÃO AO VALOR RECUPERAVEL DE ATIVOS - CONCEITO E IMPACTO NA EMPRESA GERDAU S/A. Amanda Caroline Diniz Pereira¹, José César de Faria² REDUÇÃO AO VALOR RECUPERAVEL DE ATIVOS - CONCEITO E IMPACTO NA EMPRESA GERDAU S/A Amanda Caroline Diniz Pereira¹, José César de Faria² ¹Universidade do Vale do Paraíba/Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ALCANCE 1.... estabelece critérios e procedimentos específicos a serem observados pelas entidades

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014 Aprova o Documento de Revisão de Pronunciamentos Técnicos nº 06 referente aos Pronunciamentos CPC 04, CPC 05, CPC 10, CPC 15, CPC 22, CPC 25, CPC 26, CPC 27, CPC 28, CPC 33, CPC 38, CPC 39 e CPC 46 emitidos

Leia mais

AUDITORIA DO BALANÇO SOCIAL DAS EMPRESAS CATARINENSES DO NOVO MERCADO DA BOVESPA SEGUNDO A NORMATIZAÇÃO CONTÁBIL BRASILEIRA

AUDITORIA DO BALANÇO SOCIAL DAS EMPRESAS CATARINENSES DO NOVO MERCADO DA BOVESPA SEGUNDO A NORMATIZAÇÃO CONTÁBIL BRASILEIRA AUDITORIA DO BALANÇO SOCIAL DAS EMPRESAS CATARINENSES DO NOVO MERCADO DA BOVESPA SEGUNDO A NORMATIZAÇÃO CONTÁBIL BRASILEIRA RESUMO Este artigo busca analisar se as companhias catarinenses componentes do

Leia mais

Senhores Diretor de Relações com Investidores e Auditores Independentes,

Senhores Diretor de Relações com Investidores e Auditores Independentes, Ofício-Circular CVM/SNC/SEP nº 002/2011 Rio de Janeiro, 04 de março de 2011. ASSUNTO: Orientação quanto a aspectos relevantes a serem observados na elaboração das demonstrações financeiras relativas ao

Leia mais

ATIVOS INTANGÍVEIS NAS NORMAS INTERNACIONAIS IASB

ATIVOS INTANGÍVEIS NAS NORMAS INTERNACIONAIS IASB IX CONVENÇÃO DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL 13 a 15 de agosto de 2003 Gramado RS ATIVOS INTANGÍVEIS NAS NORMAS INTERNACIONAIS IASB PAULO SCHMIDT Contador CRCRS 45.222 Rua Mariland, 1002, 30 Porto

Leia mais

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES DURATEX COMERCIAL EXPORTADORA S.A. AVALIAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO CONTÁBIL APURADO POR MEIO DOS LIVROS CONTÁBEIS EM 31 DE AGOSTO DE 2015 Escritório Central: Rua Laplace, 96-10 andar - Brooklin - CEP 04622-000

Leia mais

Contabilidade Geral ICMS-RJ/2010

Contabilidade Geral ICMS-RJ/2010 Elias Cruz Toque de Mestre www.editoraferreira.com.br Temos destacado a importância das atualizações normativas na Contabilidade (Geral e Pública), pois em Concurso, ter o estudo desatualizado é o mesmo

Leia mais

Consolidação de Demonstrações Contábeis: Erro na Contabilização Quando Existem Lucros Não Realizados

Consolidação de Demonstrações Contábeis: Erro na Contabilização Quando Existem Lucros Não Realizados Consolidação de Demonstrações Contábeis: Erro na Contabilização Quando Existem Lucros Não Realizados Autoria: Itamar Miranda Machado, Ariovaldo dos Santos Resumo Sempre que há transações comerciais envolvendo

Leia mais

Instituto Hernandez de Desenvolvimento Profissional

Instituto Hernandez de Desenvolvimento Profissional AS IFRS COMO FATOR IMPULSIONADOR DA ECONOMIA E DA PROFISSÃO CONTÁBIL NO BRASIL JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR José Hernandez Perez Junior 1 PALESTRANTE JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR PhD Doctor of Philosophy

Leia mais

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS Apresentação O ano de 2009 encerrou pautado de novas mudanças nos conceitos e nas práticas a serem adotadas progressivamente na contabilidade dos entes públicos de todas as esferas do Governo brasileiro.

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.220/09 Aprova a NBC TA 510 Trabalhos Iniciais Saldos Iniciais. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO o processo de

Leia mais

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 03/2014 ICPC 19 TRIBUTOS. Prazo: 15 de setembro de 2014

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 03/2014 ICPC 19 TRIBUTOS. Prazo: 15 de setembro de 2014 EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 03/2014 ICPC 19 TRIBUTOS Prazo: 15 de setembro de 2014 O Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC), a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e o Conselho Federal de Contabilidade

Leia mais