FINANÇAS IMOBILIÁRIAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FINANÇAS IMOBILIÁRIAS"

Transcrição

1 FINANÇAS IMOBILIÁRIAS Avaliação Imobiliária e Análise de Investimentos Inês Pinto Ano Lectivo 2007/2008

2 Programa 1. Introdução 1.1 Caracterização dos Mercados Imobiliários 1.2 A Eficiência dos Mercados Imobiliários 1.3 Os Mercados Imobiliários e suas Interligações ao Mercado Financeiro 1.4 Hierarquia Urbana e Rede Urbana 1.5 Renda Fundiária e Uso do Solo Urbano 1.6 Análise de Mercado 2. Avaliação Imobiliária e Análise de Investimentos 2.1 Custo de Capital 2.2 Métodos de Avaliação 2.3 Projecção de Fluxos de Caixa 3. Financiamento com Capital Alheio e Investimento Imobiliário 3.1 Implicações Fiscais 3.2 Estrutura de Financiamento

3 Programa 4. Hipotecas Imobiliárias 4.1 Aspectos Institucionais 3.2 Mecânica de Funcionamento, Rendibilidade e Avaliação 5. Índices Imobiliários 5.1 Introdução aos Índices de Preços 5.2 Índices baseados em Avaliações 5.3 Índices Hedónicos 5.4 Índices Híbridos 5.5 Índices baseados em Investimentos Indirectos 5.6 Técnicas de Minimização dos Efeitos de Alisamento 5. Gestão de Carteiras Imobiliárias 6.1 Teoria da Carteira 6.2 Razões para o Investiemento em Activos Imobiliários 6.3 Activos Imobiliários em Carteiras Multi-Classe 6.4 Diversificação Imobiliária Internacional 6.5 Diversificação Imobiliária Regional e por Segmento 6.6 Medição da Performance da Carteira 6.7 Market Research e a Gestão de Carteiras Imobiliárias

4 Avaliação Imobiliária e Análise de Investimentos 1. Instrumentos e Conceitos Básicos de Finanças Imobiliárias a) O Imobiliáro como Investimento: Mercado de Arrendamento: mercado para a utilização (ou direito de utilização) de uma propriedade imobiliária. Do lado da procura, temos os indivíduos ou instituições que pretendem utilizar um determinado espaço. Do lado da oferta, temos os proprietários que pretendem alugar o espaço. O preço para o direito de utilização Renda. Mercado segmentado Mercado de Activos/ Investimento: mercado do investimento em activos imobiliários. De um ponto de vista económico, tais activos consistem principalmente em direitos sobre futuros Cash Flows Integração com o mercado de capitais.

5 Avaliação Imobiliária e Análise de Investimentos Major Types of Capital Asset Markets and Investment Products: Equity Assets Debt Assets Public Markets Stocks REITs Mutual Funds Bonds MBS Money instruments Private Markets Real property Private firms Oil and gas partnerships Bank loans Whole mortgages Venture debt Fonte: Geltner &Miller (2001)

6 Avaliação Imobiliária e Análise de Investimentos No lado da oferta, temos investidores que querem vender ou reduzir a sua participação no mercado imobiliário, enquanto que do lado da procura, temos outros investidores que pretendem aumentar os seus activos. O valor destes activos é influenciado pela percepção por parte dos investidores do nível e risco dos cash flows futuros. Capitalization rate (cap rate) = Capitalization rate (cap rate) = Property earnings Property asset price

7 Avaliação Imobiliária e Análise de Investimentos Custo de oportunidade; Taxa de crescimento esperada; Risco. Maior integração neste mercado Objectivo dos investidores: Crescimento Rendimento Para além destes objectivos, alguns factores deverão ser tidos em conta pelos investidores: Risco Liquidez Horizonte temporal Experiência do investidor Montante de capital Restrições de capital

8 Avaliação Imobiliária e Análise de Investimentos O Investimento em imobiliário visto como uma classe de activos Tradicionalmente, existem quatro classes de activos: Bilhetes do Tesouro (Cash) Acções Obrigações Investimento em imobiliário Cada um destes investimentos apresenta características diferentes a nível de risco, rendibilidade e crescimento: Investment Real Long Term Cash Concern Stocks Estate Bonds T-Bills Risk High Moderate to low Moderate to low Lowest Total Return High Moderate Moderate Lowest Current Yield Low High Highest Moderate Growth High Low None None Fonte: Geltner &Miller (2001)

9 Avaliação Imobiliária e Análise de Investimentos b) Medir a Performance do Investimento O Conceito de Rendibilidade O conceito de rendibilidade: Rendibilidade: A medida de rendibilidade permite avaliar/quantificar a performance de um determinado investimento. Rendibilidade Periódica Rendibilidade Multi-periódica Rendibilidade periódica: mede o crescimento de um investimento para um determinado período, assumindo que todos os cash flows (ou avaliação do activo) ocorrem apenas no início e final do período (não há cash flows intermédios). Rendibilidade multi-periódica (IRR-Internal Rate of Return): rendibilidade para o período relativamente longo durante o qual podem verificar-se cash flows em períodos intermédios.

10 Avaliação Imobiliária e Análise de Investimentos Vantagens e Desvantagens das Medidades de Rendibilidade: Rendibilidade periódica mais utilizada a nível macro e na análise de gestão de carteiras. É particularmente útil para realizar um historial sobre a evolução dos mercados de capitais. A rendibilidade periódica é mais apropriada para comparar e avaliar a performance dos gestores de carteiras. A taxa de rendibilidade multi-periódica (IRR) é a medida clássica utilizada para avaliar os projectos de investimento a nível individual (nível micro). A IRR não exige o conhecimento dos valores de mercado do investimento em pontos intermédios no tempo. A IRR é influenciada pelo efeito do timing dos fluxos.

11 Avaliação Imobiliária e Análise de Investimentos c) Rendibilidade Periódica Periodic returns for real estate are necessary to elevate real estate to the status of an investment asset class that can compete in the multiasset institutional portfolio. (Geltner and Miller, 2001). Rendibilidade total: Current Yield Capital Return

12 CF i Avaliação Imobiliária e Análise de Investimentos Atenção à terminologia: Current Yield or Dividend Yield; Yield total yield or yield to maturity; Cap rate. Time-Weighted Investment: r = V V + CF t t 1 i V w CF t 1 i i Em que CF i representa o somatório dos Cash flows que ocorreram no período e w i é a proporção do tempo em falta até t na altura em que o cash flow é recebido pelo investidor.

13 Avaliação Imobiliária e Análise de Investimentos Exemplo: Um activo vale 100 no início do trimestre t, valendo os mesmos 100 no final desse mesmo período. Este activo pagou um dividendo de 10 ao investidor no final do primeiro mês desse trimestre. Estime a rendibilidade períodica para este trimestre. Calcule esta mesmo taxa de rendibilidade, considerando o período em que o dividendo foi pago.

14 Avaliação Imobiliária e Análise de Investimentos Renbilidades Nominais vs Reais: r real (1 + r ) (1 + I ) no min al = 1 Exemplo: Valor do imóvel em finais de 2006: Valor do Cash Flow distribuído em 2007: Valor do imóvel em finais de 2007: Taxa de Inflação em 2007: 3,33% Determine a rendibilidade real auferida neste investimento.

15 Avaliação Imobiliária e Análise de Investimentos Risco e Rendibilidade: Risco pode ser visto como o desvio ou dispersão em relação à rendibilidade esperada (ex-ante). Volatilidade Desvio Padrão 100% 75% A Probability 50% 25% B C 0% -10% -5% 0% 5% 10% 15% 20% 25% 30% Figure 1 Returns Fonte: Geltner & Miller, 2001

16 Avaliação Imobiliária e Análise de Investimentos Rendibilidade Esperada: média da distribuição Risco: desvio-padrão Exemplo: Suponha que existem apenas dois cenários possíveis, com igual probabilidade de ocorrência, para um determinado investimento. A rendibilidade poderá ser de +20% ou -10%. Estime o desviopadrão deste investimento. Desvio-padrão histórico: T T = 1 σ = ( r r) T t 1 2 O risco e o investimento imobiliário...

17 Avaliação Imobiliária e Análise de Investimentos Rendibilidade e Risco: Expected Returns are (and should be) greater for more risky assets E Rt = R + E RP f, t t E R t - rendibilidade esperada para um activo no período t; R f,t - rendibilidade esperada para o activo sem risco no período t; [ ] E RPt - Prémio de Risco esperado; Expected Return r f Fonte: Geltner & Miller, 2001 Risk

18 Avaliação Imobiliária e Análise de Investimentos d) Rendibilidade Multi-períodica (IRR-Internal rate of Return)-Taxa Interna de Rendibilidade A IRR reflecte o efeito da dimensão do investimento em cada período (dollar-weighted average), incluindo o efeito do período em que o cash flow é liberto. PV CF CF CFn... 2 (1 + IRR) (1 + IRR) (1 + IRR) 1 2 = Exemplo: Vamos supor que um determinado investimento produz uma rendibilidade periódica nos próximos 3 anos de 10%, 10% e 13% respectivamente. No primeiro ano, vamos investir 100. No final do segundo ano vamos investir mais 200 neste mesmo activo. Determine a IRR deste investimento. n

19 Conceitos Básicos de Avaliação Imobiliária 2. Conceitos Básicos de Avaliação Imobiliária a) Noções de Valor O objectivo da avaliação imobiliária é estimar um valor para um determinado activo imobiliário. Há diferentes noções de valor: Valor de Mercado ( Market Value ) 1 : Valor de Mercado é o montante estimado pelo qual um activo pode ser transaccionado à data de avaliação entre um comprador interessado e um vendedor interessado numa transacção imparcial após promoção adequada em que as partes tenham agido com conhecimento, prudentemente e sem constrangimentos. (A definição de RICS-Royal Institute of Charters Surveyors) 1 Avaliação de Activos Imobiliários para Fundos de Investimento em Portugal,CMVM

20 Conceitos Básicos de Avaliação Imobiliária Esta definição de valor de mercado combina com os padrões europeus promovidos pelo IVSC (International Valuation Standards Committee) e TEGoVA (European Group of Valuers' Associations) nos Approved European Property Valuation Standards the estimated amount for which a property should exchange on the date of valuation between a willing buyer and a willing seller in an arm s length transaction after proper marketing wherein the parties had acted knowledgeably, prudently and without compulsion IVSC 2007

21 Conceitos Básicos de Avaliação Imobiliária Atenção o Market Value (Red Book): ignora hipotecas, obrigações e outros encargos; Exclui circunstâncias excepcionais; É específico num tempo e momento; Existe um período de marketing da propriedade adequado a esta; Deve ignorar cusos de compra e venda (exepto nos casos em que a metodologia assim o prescrever)

22 Conceitos Básicos de Avaliação Imobiliária Outras Definições (RICS Portugal Red Book) Justo Valor ( Fair Value ) : The amount for which an asset could be exchanged or a liability settled between knowledgeable, willing parties in an arm s length transaction. É um conceito de natureza contabilística, tendo um significado muito semelhante ao de valor de mercado. IAS 16 e Directriz Contabilística nº 13. Valor do Investimento ( Investment Value ): The value of a property to a particular investor, or a class of investors, for identified investment objectives. Valor da Renda ( Market rent ): The estimated amount for which a property, or space within a property, should lease on the date of valuation between a willing lessor and a willing lessee on appropriate lease terms, in an arm s length transaction, after proper marketing wherein the parties had each acted knowledgeably, prudently and without compulsion.

23 Conceitos Básicos de Avaliação Imobiliária Valor da Renda ( Market rent ):The estimated amount for which a property, or space within a property, should lease on the date of valuation between a willing lessor and a willing lessee on appropriate lease terms, in an arm s length transaction, after proper marketing wherein the parties had each acted knowledgeably, prudently and without compulsion. Valor para efeitos de Hipoteca ( Mortagage Lending Value ): The value of the property as determined by a valuer making a prudent assessment of the future marketability of the property by taking into account the long-term, sustainable aspects of the property, the normal and local market conditions, as well as the current use and alternative possible uses of the property. Speculative elements should not be taken into account in the assessment of Mortgage Lending Value.

24 Conceitos Básicos de Avaliação Imobiliária Custo de Reposição ( Depreciated Replacement Cost ): The current cost of reproduction or replacement of an asset less deductions for physical deterioration and all relevant forms of obsolescence and optimization. Valor de Sinergia ( Synergistic Value ):an additional element of value created by the combination of two or more interests where the value combined is more than the sum of the interests (marriage value). Valor que é incluído no valor de mercado. Preço: Quantia pela qual se realizou a transacção Valor :Quantia que se está disposto a dar pelo activo

25 Conceitos Básicos de Avaliação Imobiliária b) As avaliações Imobiliárias Uma avaliação Imobiliária pode ser solicitada por diferentes entidades com diferentes objectivos: Empresas/Investidores (Avaliação para negociação de activos, avaliações para fins contabilísticos, reestruturação de empresas...) Instituições de Crédito (Crédito à habitação, crédito à construção ou outros) Promotores Imobiliários (Estudo de viabilidade de investimentos imobiliários) Fundos de Investimento Imobiliário (valorização do património, avaliação dos activos) Seguradoras (valorização dos activos) Entidades Judiciais (Processos de reestruturação de empresas e de falência, avaliação para expropriação) Entidades Fiscais (Processos fiscais).

26 Conceitos Básicos de Avaliação Imobiliária Avaliador externo: Um Avaliador que, junto com os seus associados não tem vínculos materiais com o cliente, agentes que actuam em nome do cliente ou o sujeito da instrução. Avaliador Independente: Um Avaliador que reúne as condições estipuladas de independência conforme aparecem na legislação de alguns países ou estados. Avaliador Interno: Um Avaliador empregado seja pela companhia que possui os activos ou a firma responsável por preparar as contas.

27 Conceitos Básicos de Avaliação Imobiliária Em diversos países a actividade está regulamentada/normalizada: RICS Appraisal and Valuation Manual (UK) European Valuation Standards (TEGoVA) Uniform Standards of Professional Appraisal Practice (The Appraisal Foudationm USA) International Standard Valuation Committee (IVSC) Harmonização internacional dos standards.

28 Métodos de Avaliação Imobiliária 3. Métodos de Avaliação Imobiliária Os passos a seguir num processo de avaliação podem resumir-se da seguinte forma: Definição do Problema Identificação do imóvel e objectivo Pressupostos e condicionantes Análise Preliminar Recolha de dados Dados específicos do mercado Dados específicos do imóvel

29 Métodos de Avaliação Imobiliária Processo de Avaliação (continuação): Análise do melhor uso ( Highest and Best Use Analysis Escolha e Aplicação do método de Avaliação Método do Rendimento Método Comparativo Método do custo Análise do valor e Estimativa do Valor Análise e avaliação dos valores indicativos Estimativa do valor final Fonte: Adaptado de Ling e Archer, 2007) Relatório Final Estimativa do valor final Data utilizada na avaliação Cálculos utilizados na avaliação

30 Métodos de Avaliação Imobiliária Métodos de Avaliação: Método Comparativo ( Sales Comparison Approach ): pode aplicar-se tanto a propriedades residenciais como também em situações de arrendamento. É uma metodologia facilmente compreendida por vendedores e compradores. Método do Rendimento ( Income Approach ): É a metodologia mais utilizada no caso de investimentos de rendimento. Determina que o valor do imóvel é determinado pelo valor esperado dos cash flows futuros. Neste sentido este método é menos utilizado no caso do valor da propriedade depender mais de benefícios não monetários. Método do Custo ( Cost Approach ): É o método mais utilizado para avaliar activos específicos, tais como monumentos, pontes, propriedades do Estado etc...

31 Métodos de Avaliação Imobiliária Atenção! Antes de iniciar uma avaliação, qualquer que seja o método, importa realçar que a análise de mercado é uma das fases mais importantes do processo de avaliação. A procura dos dados deverá ter em conta a natureza do local, o tipo de propriedade a avaliar, a demografia local e regional. Qual o tipo de propriedade (escritórios, residencial,armazém...)? Quem é o cliente? Qual é o local? Quais os factores com maior impacto na avaliação? Quais os locais de maior valor?

32 Método Comparativo 3.1 Método Comparativo: O método comparativo é um método utilizado para avaliar qualquer tipo de propriedade ou de arrendamento e consiste em comparar o imóvel em estudo com propriedades comparáveis. Não há duas propriedades iguais, logo será necessário realizar ajustamentos ao preço de venda de propriedades semelhantes.

33 Método Comparativo Processo de avaliação pelo método comparativo: Identificar elementos de comparação&ajus tamentos Selectionar vendas comparáveis Ajustar preços de vendas comparáveis Reconciliaçar valores; Obter valor indicativo Fonte: Adaptado de Ling e Archer, 2007)

34 Método Comparativo O Objectivo é identificar uma propriedade vendida que seja similar à propriedade a avaliar. No entanto, é necessário ter em conta que o valor de cada propriedade é influenciada por factores económicos, demográficos, geográficos e legais. Dados de Mercado: Trabalho de Campo Dados de mercado credíveis inexistentes

35 Método Comparativo Ajustamentos a realizar: Converter cada comparativo numa aproximação ao imóvel a ser avaliado. Estes ajustamentos podem ser divididos em : (1) Ajustamentos das características de transacção e (2) Ajustamentos das características do imóvel. Ajustamentos Transacção Condições de Venda Condições de Financiamento Condições de Mercado Ajustamentos Imóvel Localização Características Físicas Finalidade

36 Método Comparativo Condições de Venda: É necessário verificar se a venda é realizada em condiçoes imparciais de transação. A relação pessoal entre vendedor e comprador pode levar a que o preço de transacção seja inferior ao valor de mercado. Condições de Financiamento: Por vezes pode acontecer que condições especiais de financiamento influenciem o preço de transacção. Condições de Mercado: O preço de transação é um valor histórico pelo que poderá ser necessário fazer alterações tendo em conta mudanças nas condições de mercado resultantes da inflação ou das condições da oferta e procura (repeat-sale analysis).

37 Método Comparativo Local:No caso de os preços de transacção serem obtidos em locais diferentes, pode ser necessário fazer um ajustamento que vai exigir do avaliador um conhecimento do mercado imobiliário local. Características Físicas: Os ajustamentos relativos às características físicas pretendem considerar as diferenças físicas existentes entre a propriedade comparável e o imóvel a avaliar. Isto inclui caracetrísticas tais como a dimensão, estilo de construção, infraestuturas, acessos, tipo de materiais, idade e outros (garagem, condomínio, jardins, vista...). Estes ajustamentos também exigem muita experiência e conhecimentos por parte do avaliador. Finalidade: Dois imóveis localizados no mesmo sítio podem ser iguais em termos físicos, mas podem estar a ser utilizados para fins diferentes. Por exemplo um andar pode estar a ser utilizado como residência de uma família, enquanto que outro pode estar a ser utilizado como escritório de uma determinada empresa.

38 Método Comparativo A sequência de ajustamentos pode seguir os seguintes passos: Preço de Transacção do Imóvel Comparável 1. +/- Condições de Venda 2. +/- Condições de Financiamento = Preço Normal de Venda 3. +/- Condições de Mercado = Preço Normal de Venda Ajustado ao Mercado 4. +/- Localização 5. +/- Características Físicas 6. +/- Finalidade 7. +/- outros = Preço Final de Venda do Comparável Ajustado Fonte: Adaptado de Ling e Archer, 2007)

39 Método Comparativo Exemplo (adaptado de Ling & Archer, 2007, 2ª Edição): Vamos supor que pretende avaliar um andar (Habitação) localizado no centro da cidade pelo método comparativo. Conseguiu obter informação sobre três vendas recentes que podem ser considerados imóveis comparáveis. O valor dos andares comparáveis oscilam entre e Note-se que as condições de venda, as condições de financiamento e algumas características físicas são semelhantes. O avaliador estimou, no entanto, alguns ajustamentos a realizar: Condições de Mercado: 0,3% mês Qualidade de Construção: Não tem ajustamento se for betão e ajustamento de no caso de tijolo. Idade: por ano Área: 400 por m 2 Pátio/Varanda:150 por m 2 Áreas Comuns: Casas de Banho: 4.000

40 Método Comparativo Atenção! Estes ajustamentos são de alguma forma subjectivos, exigindo experiência significativa, assim como uma atenção constante às transacções de mercado, tendências e condições. Reconciliação e Valor Estimado Final: Valor Final Estimado ( Indicated Value Estimated ) = Média poderada dos Valores ajustados dos imóveis comparáveis No exemplo vamos assumir que o avaliador considera que o imóvel 1 é muito semelhante ao imóvel em avaliação pelo que lhe atribui um peso de 60%. O peso para os restantes comparáveis é de 20%/cada.

41 Método Comparativo No caso de existirem um número elevado de transacções de propriedades semelhantes e de ser possível obter informação sobre as características dos imóveis vendidos, seria possível aplicar o método de Regressão Linear Múltipla para estimar o valor de mercado de uma propriedade: Y = β + βx + β x β x + e o em que Y representa a variável dependente (valor de mercado) e os x s representam as variáveis independentes tais como área, nº de quartos, nº de casas de banho etc... O erro vai incluir a variância do valor de mercado que não é explicada pelas variáveis independentes. n n

42 Método do Custo 3.2 Método do Custo: O método do custo é geralmente utilizado para estimar o valor de mercado de propriedades muito específicas e outros imóveis que raramente ou nunca são transacionados. Assim, geralmente só se aplica em casos específicos, quando não é possível aplicar o método comparativo ou de rendimento. O valor/custo é obtido a partir do custo de reprodução, o qual é depois depreciado por obsolescência. O valor do terreno é estimado separadamente e é depois acrescido ao valor do custo depreciado.

43 Método do Custo Os passos a seguir numa avaliação pelo método do custo são os seguintes: Estimativa do Custo Bruto de Reprodução - Depreciação = Custo de Reprodução após Depreciação + Valor do Terreno = Valor de Mercado Estimado pelo Método do Custo

44 Método do Custo Estimativa do custo bruto de Reprodução do edifício: Neste caso, existem dois tipos de custos de construção: Custo de Reprodução ( Reproduction cost ): É o custo de construir hoje o edifício, utilizando materiais e técnicas iguais à do imóvel em avaliação. Se o imóvel for recente pode ser fácil estimar o custo de construção actual. Custo de Substituição ( Replacement Cost ): É o custo de construir um edifício de igual utilidade. Neste caso, utilizam-se materiais e técnicas construtivas actuais, uma vez que os valores para o custo de reprodução são por vezes difíceis de obter.

45 Método do Custo Se existir um edifício semelhante na mesma localização, então podemos utilizar o seu custo como base para a avaliação; Se o imóvel for de construção recente, então podemos utilizar como ponto de partida, o custo da sua construção com eventuais ajustamentos. Podemos ainda recorrer a técnicas de orçamentação para estimar o custo de construção. Custo por unidade de área (Método Comparativo Unitário)

46 Método do Custo Depreciação: A depreciação corresponde à diferença entre o valor de mercado do edifício e o custo total de o construir de novo. Esta diferença ocorre ao longo do tempo e geralmente é atribuída a três elementos: Deterioração Física:perda de valor do edifício ao longo do tempo associada com a idade e desgaste pelo uso físico do edifício. Obsolescência Funcional: perda de valor associada com uma redução da utilidade/funcionalidade do edifício. Pode ser uma perda de valor associada com alterações no gosto, em inovações tecnológicas, referências de mercado... Por exemplo, um prédio de escritórios sem persianas automáticas ou um prédio sem elevador. Obsolescência Externa (Económica e Ambiental): perda de valor devido a condições externas desfavoráveis: dificuldades comerciais da zona, alterações da vizinhança, aumento do tráfico, odores nocivos...

47 Método do Custo... Normalmente o valor do terreno aprecia-se, logo o seu valor é calculado separadamente: Valor =Custo de Reprodução Depreciação + Valor do Terreno Como calcular a depreciação física? Depreciação Linear: N=vida útil total do imóvel = a + b a= idade do imóvel b= vida útil restante

48 Método do Custo Exemplo: Determine o valor de um imóvel daqui a 10 anos, cujo valor actual de avaliação é de , sabendo a seguinte informação: Valor Terreno ; Valor Edifício ; Vida útil total do imóvel de 50 anos; Valorização estimada para o terreno: 2%/ano; Taxa de inflação nula. Mas atenção, o avaliador deverá sempre fazer um juízo de valor sobre a depreciação, uma vez que a depreciação linear pode não representar o movimento real da depreciação.

49 Método do Custo Estimativa do Valor do Terreno: Existem dois métodos para determinar o valor do terreno: Método Comparativo de Venda: Utilizar preços de vendas de terrenos similares com eventuais ajustamentos; Método do Investimento: Neste caso, o valor do terreno é determinado a partir do rendimento por ele gerado. É necessário ter informação sobre o NOI, Cap Rate ou eventualmente o valor da renda do terreno. Exemplo: Avaliação de uma moradia antiga com 15 anos com garagem com os seguintes dados: Área: 250 m 2 a moradia + 100m2 de garagem; Preço de construção imóvel: 350 /m2; Preço de construção garagem: 150 /m2 Preço de Venda de Terreno similar: ; Custos do Projecto: 3% do custo de construção; Depreciação Física: 5% do valor de reprodução;

50 Método do Rendimento Método do Rendimento: O método do rendimento baseia-se na ideia de que o valor de um activo é função dos fluxos de rendimento que tal activo consegue gerar. Neste sentido, este método será utilizado principalmente no caso de propriedades comerciais, propriedades de rendimento. Os passos a seguir no processo de avaliação pelo método do rendimento são os seguintes: Estimativa do NOI (Cash Flow) Converter a estimativa do NOI na estimativa do valor da propriedade Capitalização Directa Duas técnicas Desconto dos Fluxos (DCF)

51 Método do Rendimento Estimar o NOI ( Net Operating Income) 1: O NOI representa o rendimento obtido pela propriedade depois das despesas operacionais, mas antes dos encargos financeiros e pagamento de impostos. Para estimar o NOI, os avaliadores e analistas podem basear-se : (1) na experiência de propriedades semelhantes no mercado ou (2) no histórico do imóvel em avaliação. O avaliador deverá considerar todos os rendimentos e despesas, tendo em conta as condições actuais de mercado. Desta forma, deverá elaborar uma Demonstração de Fluxos de Caixa estimada ajustada às rendas actuais de mercado, taxa de ocupação e despesas gerais de funcionamento e de investimento adequadas à propriedade em avaliação e localização da mesma. 1 ou EBITDA Earnings before interest, taxes, depreciation and Amortization

52 Método do Rendimento Net Operating Income/Fluxo de Caixa PGI Potential Gross Income/Renda Bruta Potencial - VC Vacancy & Collection Loss/Desocupação e incobráveis + MI Miscellaneous Income/Rendimentos diversos = EGI Efective Gross Income/Rendimento Efectivo Bruto - OE Operating Expenses/Despesas Operacionais - CAPEX Capital Expenditures/Despesas de Investimento = NOI Net Operating Income / Fluxo de Caixa Operacional Fonte: Adaptado de Ling e Archer, 2007)

53 Método do Rendimento Potential Gross Income: Corresponde ao rendimento bruto anual das rendas, assumindo uma taxa de ocupação de 100% e sem considerar os valores incobráveis. Normalmente, os valores são considerados numa base anual. Effective Gross Income: Com base em valores históricos ou em valores de propriedades comparáveis, o avaliador deverá estimar a taxa de desocupação e o valor dos incobráveis. Para além disso, deverá ainda considerar-se a obtenção de outros rendimentos para além das rendas, tais como renda de garagens, taxas de estacionamento, aluguer de máquinas etc... Operating Expenses: As despesas operacionais incluem todas as despesas necessárias ao longo do ano que não acrescentam valor à propriedade, mas que permitem a manutenção desta em condições normais de funcionamento.

54 Método do Rendimento Despesas fixas: impostos, taxas, seguros Despesas variáveis: manutenção, gestão do imóvel, pequenas reparações, materiais etc... Capital Expenditures: representam alterações/melhorias que vão permitir um aumento de valor e podem prolongar a vida útil do imovel. Arranjos ao telhado, pinturas, garagens entre outros são exemplos deste tipo de despesa. Na prática, o CAPEX corresponde ao valor estimado para mais tarde repôr os activos imobilizados. Logo, muitas vezes considera-se uma despesa constante anual.

55 Método do Rendimento Exemplo:Considere os seguintes dados relativos a um edifício de escritórios (Edifício CBR) com 4 andares de 250 m 2 cada. Os valores representam estimativas para o próximo ano: Renda mensal Bruta Potencial em 1: 25 /m2; Taxa de Actualização da Renda: 3%/ano Taxa de desocupação e incobráveis:10%/ano; Taxas, Impostos e Seguros: 3% da Renda Potencial Bruta anual; Manutenção e Gestão: 3% da Renda Efectiva Bruta anual; Outras Despesas Operacionais: 30% da Renda Efectiva Bruta anual; Investimentos de substituição e melhoramentos: 5% da Renda Efectiva Bruta anual. Determine o NOI Net Operating Cash Flow para o próximo ano.

56 Método do Rendimento Capitalização Directa ( Direct Capitalization ): Técnica através da qual se estima o valor de mercado da propriedade, dividindo o valor do NOI de um ano pela Cap-rate. A relação entre o valor de mercado e o fluxo operacional é dado por: V = NOI R o 1 em que V representa o valor do imóvel, O NOI o valor estimado do fluxo operacional para o próximo ano e R 0, a Cap Rate.

57 Método do Rendimento Cap Rates de Mercado: A Cap rate de mercado pode ser obtida através de valores de imóveis comparáveis, no caso de se saber o NOI e o seu preço de venda. Exemplo: Os dados sobre 5 imóveis comparáveis são os seguintes: Imóvel Preço Venda NOI 1 R0 P/NOI A ,097 10,31 B ,095 10,53 C ,103 9,71 D ,101 9,90 E ,099 10,11 Média 0,099 10,11 Atenção é necessário ter alguns cuidados na escolha dos imóveis comparáveis.

AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS PELO MÉTODO DA CAP RATE OU YIELD (II)

AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS PELO MÉTODO DA CAP RATE OU YIELD (II) AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS PELO MÉTODO DA CAP RATE OU YIELD (II) Publicado no Confidencial Imobiliário, Abril de 2007 AMARO NAVES LAIA Director da Pós-Graduação de Gestão e Avaliação Imobiliária do ISEG. Docente

Leia mais

CONFERÊNCIA Reabilitação Urbana e Arrendamento: oportunidades do novo regime jurídico. 07 de Março de 2013

CONFERÊNCIA Reabilitação Urbana e Arrendamento: oportunidades do novo regime jurídico. 07 de Março de 2013 CONFERÊNCIA Reabilitação Urbana e Arrendamento: oportunidades do novo regime jurídico. 07 de Março de 2013 Avaliação Económica e Financeira do Investimento na Reabilitação Urbana Amaro Naves Laia Email:amaro.laia@gmail.com

Leia mais

Capítulo 9: Análise de Projectos de Investimento. 9.1. A dimensão temporal e o cálculo financeiro

Capítulo 9: Análise de Projectos de Investimento. 9.1. A dimensão temporal e o cálculo financeiro Capítulo 9: Análise de Projectos de Investimento Conteúdo Temático 1. A dimensão temporal e o cálculo financeiro 2. Critérios de análise da rendibilidade de projectos de investimento 9.1. A dimensão temporal

Leia mais

Filosofia e Conceitos

Filosofia e Conceitos Filosofia e Conceitos Objetivo confiabilidade para o usuário das avaliações. 1. Princípios e definições de aceitação genérica. 2. Comentários explicativos sem incluir orientações em técnicas de avaliação.

Leia mais

Avaliação Imobiliária

Avaliação Imobiliária Avaliação Imobiliária!" ###$% $% '()**)) Relatório de Avaliação Imobiliária /.$!/5/01+'/$/!!/3 //.$!. //'3. '.5.*!.$./+ 3/ /!.$!.( 3/+ +** *,** ** '() 6 /.$!/5/01+++. + 7 ' $4 5 5# %! '% ()# * 5 +,. /01+.

Leia mais

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R AVALIAÇÃO DOS TERRENOS E EDIFÍCIOS DAS EMPRESAS DE SEGUROS E DOS FUNDOS DE PENSÕES Considerando que, de acordo com a regulamentação

Leia mais

VAL- 1 VALOR EM FINANÇAS

VAL- 1 VALOR EM FINANÇAS VAL- 1 VALOR EM FINANÇAS VAL- 2! Objectivo: " Identificação de uma teoria do valor (ainda rudimentar)! Caso os mercados funcionem bem os preços igualarão o valor dos diferentes produtos e serviços.! Qual

Leia mais

O valor do dinheiro varia ao longo do tempo, ou seja, não é indiferente dispor hoje ou daqui a um ano de uma dada quantia em dinheiro.

O valor do dinheiro varia ao longo do tempo, ou seja, não é indiferente dispor hoje ou daqui a um ano de uma dada quantia em dinheiro. Tópico complementar 5. Valor temporal do dinheiro Objectivo específico: No final deste capítulo, o leitor deverá estar apto a: - Conhecer o significado e o modo de utilização da taxa de actualização (medida

Leia mais

Apresentamos de seguida os principais conceitos a que a NCRF -12 Imparidade de Activos, faz referência. Ambiente tecnológico, económico, legal,...

Apresentamos de seguida os principais conceitos a que a NCRF -12 Imparidade de Activos, faz referência. Ambiente tecnológico, económico, legal,... A!lert: SNC Justo Valor e Imparidade de Activos Your Brand of Choice December 2010 Justo Valor e Imparidade de Activos: Tangíveis Baker Tilly Corporate Governance Intangíveis Investimentos financeiros

Leia mais

Através da sua rede de Balcões do Banco Espírito Santo, S.A.. Instituto de Seguros de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

Através da sua rede de Balcões do Banco Espírito Santo, S.A.. Instituto de Seguros de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários. Mod. Versão 91-60 Informação actualizada a: 19/04/2011 Designação Comercial: Operação de Capitalização T- 1ª Série (ICAE- Não Normalizado) Período de Comercialização: de17/12/2008 a 17/12/20 Empresa de

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

ANEXO III EXPOSIÇÕES ANALISADAS INDIVIDUALMENTE. Parte 1 Valor Recuperável do Crédito

ANEXO III EXPOSIÇÕES ANALISADAS INDIVIDUALMENTE. Parte 1 Valor Recuperável do Crédito ANEXO III EXPOSIÇÕES ANALISADAS INDIVIDUALMENTE Parte 1 Valor Recuperável do Crédito O cálculo do valor recuperável do crédito deverá atender aos aspectos que caracterizam cada exposição creditícia e/ou

Leia mais

PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO

PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO Título do projecto: Nome do responsável: Contacto telefónico Email: 1.1. Descrição sumária da Ideia de Negócio e suas características inovadoras (Descreva

Leia mais

Comprar: Deixe-se guiar!

Comprar: Deixe-se guiar! Está prestes a comprar um imóvel e tem numerosas perguntas bem legítimas. Quais as diferentes etapas e as formalidades a efetuar, antes, durante e após a compra? Siga o guia! Antes da compra Se está a

Leia mais

AVALIAÇÃO E CONSULTORIA IMOBILIÁRIA (VALUATION & ADVISORY)

AVALIAÇÃO E CONSULTORIA IMOBILIÁRIA (VALUATION & ADVISORY) Valuation & Advisory América do sul A Cushman & Wakefield é a maior empresa privada de serviços imobiliários comerciais do mundo. Fundada em Nova York, em 1917, tem 250 escritórios em 60 países e 16.000

Leia mais

ESTRUTURA DE FINANCIAMENTO UMA PANORÂMICA GERAL DAS ALTERNATIVAS DE FINANCIAMENTO

ESTRUTURA DE FINANCIAMENTO UMA PANORÂMICA GERAL DAS ALTERNATIVAS DE FINANCIAMENTO AF- 1 ESTRUTURA DE FINANCIAMENTO UMA PANORÂMICA GERAL DAS ALTERNATIVAS DE FINANCIAMENTO 1. TIPOS DE FINANCIAMENTO AF- 2 Introdução: Capital alheio Capital Próprio Títulos Híbridos Diferenças CA/CP: Tipo

Leia mais

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação;

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação; 14.5 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS I - Informações relativas às empresas incluídas na consolidação e a outras 1. Relativamente às empresas incluídas na consolidação a)

Leia mais

Regras de utilização. Principais regras de utilização:

Regras de utilização. Principais regras de utilização: Regras de utilização Para a melhor utilização do presente modelo o empreendedor deverá dominar conceitos básicos de análise económica e financeira ou, não sendo esse o caso, deve explorar as potencialidades

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA II INTRODUÇÃO

GESTÃO FINANCEIRA II INTRODUÇÃO VAL- 1 GESTÃO FINANCEIRA II INTRODUÇÃO FINANÇAS EMPRESARIAIS VAL- 2! Objectivos do curso! Programa! Material de estudo / Grupos! Avaliação! Bibliografia! Contactos OBJECTIVOS VAL- 3 " Fornecer aos alunos

Leia mais

A POLITICA DE DIVIDENDOS E OUTROS PAYOUTS ESTV-IPV

A POLITICA DE DIVIDENDOS E OUTROS PAYOUTS ESTV-IPV A POLITICA DE DIVIDENDOS E OUTROS PAYOUTS ESTV-IPV Sumário Diferentes Tipos de Dividendos O Modelo de Distribuição de Dividendos O caso da Irrelevância da Política de Dividendos Recompra de Acções e Ampliações

Leia mais

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão A Análise das Demonstrações Financeiras Este artigo pretende apoiar o jovem empreendedor, informando-o de como utilizar os

Leia mais

Curso de Economia (2º semestre 2004) ISEG. Princípios básicos da teoria financeira na avaliação de empresas

Curso de Economia (2º semestre 2004) ISEG. Princípios básicos da teoria financeira na avaliação de empresas Análise Financeira Curso de Economia (2º semestre 2004) ISEG Princípios básicos da teoria financeira na avaliação de empresas Lisboa, Abril de 2004 Preparado por: Filipe de Almeida Pereira (filipepereira.iseg@iol.pt)

Leia mais

Planificação Anual. Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS GERAIS

Planificação Anual. Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS GERAIS Planificação Anual Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência Direcção Regional de Educação do Centro Equipa de Apoio às Escolas - Leiria ANO LECTIVO - 2010/ 2011 ÁREA DISCIPLINAR DE ECONOMIA E

Leia mais

ANÁLISE DOS INVESTIMENTOS

ANÁLISE DOS INVESTIMENTOS ANÁLISE DOS S O PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA EMPRESA Alexandra Cardoso 1 O PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA EMPRESA DECISÃO DE EM CAPITAL FIXO (CF) DEVE INSERIR-SE NO QUADRO DO PLANEAMENTO GLOBAL DA EMPRESA,

Leia mais

CAPI CANISM TAL DE O DE C RISCO APIT AL DE RISCO

CAPI CANISM TAL DE O DE C RISCO APIT AL DE RISCO MECANISMO CAPITAL DE CAPITAL DE RISCO DE RISCO António Carvalho A Portugal Ventures InovCapital AICEP Capital Global Turismo Capital Clarificação de objectivos estratégicos e concentração de meios para

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO JUNHO DE 2005

PROSPECTO SIMPLIFICADO JUNHO DE 2005 PARVEST Absolute Return Plus (Euro) Sub-fundo da PARVEST, Sociedade Luxemburguesa de Investimento de Capital Variável (a seguir designada por "SICAV") Constituída no dia 27 de Março de 1990 PROSPECTO SIMPLIFICADO

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

2 Referencial Teórico

2 Referencial Teórico 2 Referencial Teórico Baseado na revisão da literatura, o propósito deste capítulo é apresentar a estrutura conceitual do tema de Avaliação de Investimentos, sendo dividido em diversas seções. Cada seção

Leia mais

Imobiliário: estudo conclui que é preciso apostar em novos segmentos

Imobiliário: estudo conclui que é preciso apostar em novos segmentos Re-Search Angola Imobiliário: estudo conclui que é preciso apostar em novos segmentos Está a emergir em Angola uma classe média, com maior poder de compra e interesse em adquirir casa própria. Esta é uma

Leia mais

1. FINANCIAMENTO A MÉDIO E LONGO PRAZO

1. FINANCIAMENTO A MÉDIO E LONGO PRAZO 1. FINANCIAMENTO A MÉDIO E LONGO PRAZO Finanças II Ano Lectivo 2005/06 Turma TP1 Ricardo Valente 1 Introdução Decisões de financiamento Captação de fundos para financiar actividade corrente, projectos

Leia mais

VALOR EM TEMPOS DE CRISE

VALOR EM TEMPOS DE CRISE IPD PORTUGAL 2008 AGOSTO 2009 1 Introdução 2 IPD 2008 - Retorno Total - Retorno das Rendas - Valorização do Capital 7 Análise A evolução do Índice Imobiliário Anual Português Imométrica/IPD (Investment

Leia mais

Instituto de Seguros de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

Instituto de Seguros de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários. Mod. Versão 65.01 Informação actualizada a: 04/04/2011 Designação Comercial: Fidelity Poupança Data de início de Comercialização: 01/02/2007 Empresa de Seguros Entidade Comercializadora Autoridades de

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 97/11 Critérios de Avaliação e Peritos Avaliadores dos Imóveis dos Fundos de Investimento Imobiliário

Regulamento da CMVM n.º 97/11 Critérios de Avaliação e Peritos Avaliadores dos Imóveis dos Fundos de Investimento Imobiliário Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República Regulamento da CMVM n.º 97/11 Critérios de Avaliação e Peritos Avaliadores dos Imóveis dos Fundos de Investimento Imobiliário O Decreto

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais

FERRAMENTAS DE ANÁLISE FINANCEIRA & COMO ESTRUTURAR UM PLANO DE NEGÓCIOS. Docente: António Gaspar e Rui Ferreira

FERRAMENTAS DE ANÁLISE FINANCEIRA & COMO ESTRUTURAR UM PLANO DE NEGÓCIOS. Docente: António Gaspar e Rui Ferreira FERRAMENTAS DE ANÁLISE FINANCEIRA & COMO ESTRUTURAR UM PLANO DE NEGÓCIOS Docente: António Gaspar e Rui Ferreira FERRAMENTAS DE ANÁLISE FINANCEIRA As finanças e a empresa Quais são os objetivos de uma empresa?

Leia mais

Veículos de investimento imobiliário

Veículos de investimento imobiliário CONFERÊNCIA NOVOS VEÍCULOS DE INVESTIMENTO NO SECTOR IMOBILIÁRIO EM ANGOLA Local: Tenda de Eventos na Baía de Luanda Data: 19 de Junho de 2014 Veículos de investimento imobiliário António Raposo Subtil

Leia mais

GESTÃO BANCÁRIA (NOTAS DAS AULAS)

GESTÃO BANCÁRIA (NOTAS DAS AULAS) GESTÃO BANCÁRIA (NOTAS DAS AULAS) ANEXO 3 E S DAS SOCIEDADES FINANCEIRAS Fernando Félix Cardoso Ano Lectivo 2004-05 SOCIEDADES CORRETORAS E FINANCEIRAS DE CORRETAGEM Compra e venda de valores mobiliários

Leia mais

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 1 Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade APOTEC Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade 1.2 Sede Rua Rodrigues Sampaio, 50-3º-Esq. 1169-029

Leia mais

FUNDOS IMOBILIARIOS O GUIA DEFINITIVO

FUNDOS IMOBILIARIOS O GUIA DEFINITIVO 1 FUNDOS IMOBILIARIOS O GUIA DEFINITIVO Autor: Jonatam César Gebing Abril de 2015 2 FUNDOS IMOBILIÁRIOS: O GUIA DEFINITIVO MODULO 02 FUNDOS IMOBILIÁRIOS: PORQUE INVESTIR Fundos Imobiliários, o Guia Definitivo.

Leia mais

DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO

DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO N. o 035/B/2010-DBS/AMCM Data: 05/10/2010 DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO A Autoridade Monetária de Macau (AMCM), no exercício das competências que

Leia mais

Avaliação. As avaliações são realizadas, de acordo com os métodos que melhor se adequam ao imóveis em causa.

Avaliação. As avaliações são realizadas, de acordo com os métodos que melhor se adequam ao imóveis em causa. Apresentação A Real Consul uma empresa portuguesa, com uma estrutura de capital inteiramente nacional, que se dedica à consultoria e avaliação imobiliária desde 1995. A empresa combina um alto nível de

Leia mais

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas II Situação Económico-Financeira Balanço e Contas Esta parte do Relatório respeita à situação económico-financeira da Instituição, através da publicação dos respectivos Balanço e Contas e do Relatório

Leia mais

2. O que representa e como é calculado o valor de uma empresa na Teoria Financeira? Exemplifique.

2. O que representa e como é calculado o valor de uma empresa na Teoria Financeira? Exemplifique. Prova Parcial Malvessi Questão 1 (15%) 1. A teoria moderna de administração financeira consagra 3 decisões estratégicas básicas para a tomada de decisão do administrador financeiro. Conceitue-as claramente.

Leia mais

Fundamentos do Cálculo Financeiro. 1. Introdução: o valor temporal do dinheiro 27

Fundamentos do Cálculo Financeiro. 1. Introdução: o valor temporal do dinheiro 27 Índice Índice de casos propostos 13 Prefácio 17 Apresentação 19 Considerações e abreviaturas 23 Capítulo 1 Fundamentos do Cálculo Financeiro 1. Introdução: o valor temporal do dinheiro 27 2. Conceitos

Leia mais

AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS APÓS A SUA REALIZAÇÃO* Carlos Videira Martins Economista Mestre em Finanças Professor Adjunto da ESTV

AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS APÓS A SUA REALIZAÇÃO* Carlos Videira Martins Economista Mestre em Finanças Professor Adjunto da ESTV AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS APÓS A SUA REALIZAÇÃO* Carlos Videira Martins Economista Mestre em Finanças Professor Adjunto da ESTV O trabalho da Avaliação de Investimentos limita-se quase sempre a uma análise

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI)

Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI) Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI) O presente documento fornece as informações fundamentais destinadas aos investidores sobre este Fundo. Não é material promocional. Estas informações

Leia mais

Mercados e Investimentos Financeiros. Introdução aos mercados acionistas. DOCENTE : Luís Fernandes Rodrigues

Mercados e Investimentos Financeiros. Introdução aos mercados acionistas. DOCENTE : Luís Fernandes Rodrigues Introdução aos mercados acionistas DOCENTE : Luís Fernandes Rodrigues O Mercado Financeiro O Mercado Monetário Interbancário (MMI) é um mercado organizado, onde as instituições participantes trocam entre

Leia mais

Apontamentos de Contabilidade Nacional

Apontamentos de Contabilidade Nacional Apontamentos de Contabilidade Nacional Nuno Cancelo :: 31401 :: ISEL :: Semestre Verão :: Ano Lectivo 2009/2010 1/8 Índice Índices de Preços...3 Produto, Rendimento e Despesa...3 Produto...3 O Produto

Leia mais

C O N T A B I L I D A D E

C O N T A B I L I D A D E Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos ISCSP (UTL), Lisboa C O N T A B I L I D A D E Pedro V Matos ISEG-UTL 1 Análise Financeira e Contabilidade 2 1 Função Financeira O que é a Função Financeira? Consiste

Leia mais

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira 18 de Maio de 2011 1 Modelo de análise económico-financeira 2 Modelo de análise económico-financeira

Leia mais

1. Funções do gestor financeiro

1. Funções do gestor financeiro 1. Funções do gestor financeiro Depois de termos identificado as principais funções do Gestor em sentido amplo, vamo-nos agora restringir às funções do Gestor Financeiro. Uma abordagem possível é centrarmo-nos

Leia mais

Relatório de Avaliação Imobiliária

Relatório de Avaliação Imobiliária Relatório de Avaliação Imobiliária 2013 Câmara Municipal de Lisboa Direção Municipal de Planeamento, Reabilitação e Gestão Urbanística Departamento de Política e Valorização dos Solos Divisão de Operações

Leia mais

Custos e benefícios. Custos a longo prazo tipos de custos contigência benefícios e teste de benefícios avaliação de investimentos

Custos e benefícios. Custos a longo prazo tipos de custos contigência benefícios e teste de benefícios avaliação de investimentos Custos e benefícios Custos a longo prazo tipos de custos contigência benefícios e teste de benefícios avaliação de investimentos Os verdadeiros custos da informação são raramente estudados....para fazer

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 705

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 705 Directriz de Revisão/Auditoria 705 FUNDOS DE INVESTIMENTO ÍNDICE Agosto de 2006 Parágrafos Introdução 1-3 Objectivo 4-5 Particularidades e Procedimentos de Validação 6-25 Outros Deveres e Competências

Leia mais

Pós-Graduação em Gestão de Carteiras

Pós-Graduação em Gestão de Carteiras 4. A Decisão de Alocação de Investimentos Ricardo Valente 1 Ricardo Valente 1 PONTOS A ANALISAR Introdução O ciclo de vida do investidor O processo de gestão de activos Conclusões Ricardo Valente 2 Ricardo

Leia mais

2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP

2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP 2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP São Paulo, 21 de Agosto de 2013 Hotel Caesar Park Patrocínio CONFERÊNCIA FCE - INVESTIMENTOS ALTERNATIVOS: FIDC, FII e FIP Fundos de Investimento

Leia mais

Fiscalidade no Sector da Construção

Fiscalidade no Sector da Construção Fiscalidade no Sector da Construção Conferência AICCOPN Os Fundos de Investimento Imobiliário para Arrendamento Habitacional Lisboa, 26 de Março de 2009 Paulo Alexandre de Sousa Director de Financiamento

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo. Metodologia de Análise Os rácios Financeiros Qualidade dos Indicadores Sinais de Perigo METODOLOGIA DE ANÁLISE

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo. Metodologia de Análise Os rácios Financeiros Qualidade dos Indicadores Sinais de Perigo METODOLOGIA DE ANÁLISE GESTÃO FINANCEIRA MÓDULO III Objectivo Metodologia de Análise Os rácios Financeiros Qualidade dos Indicadores Sinais de Perigo METODOLOGIA DE ANÁLISE ASPECTOS A NÃO ESQUECER o todo não é igual à soma das

Leia mais

Capítulo 3. Taxas de câmbio e mercados de divisas. Objectivos do capítulo

Capítulo 3. Taxas de câmbio e mercados de divisas. Objectivos do capítulo Capítulo 3 Taxas de câmbio e mercados de divisas Objectivos do capítulo A função das taxas de câmbio no comércio internacional; Como se determinam as taxas de câmbio? Preços e decisões dos agentes económicos

Leia mais

CONTABILIDADE ANALÍTICA

CONTABILIDADE ANALÍTICA CONTABILIDADE ANALÍTICA Apresentação e Capítulo I I A ou ou Interna como Instrumento de de Gestão Apresentação Objectivos da disciplina Programa Metodologia / Método de Estudo Avaliação Bibliografia -2-

Leia mais

Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI

Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Diversos veículos podem ser utilizados para securitizar recebíveis imobiliários, entretanto o uso dos Certificados de Recebíveis Imobiliários -CRI- vem caminhando

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 28. Propriedade para Investimento

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 28. Propriedade para Investimento COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 28 Propriedade para Investimento Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 40 Índice OBJETIVO 1 Item ALCANCE 2 4 DEFINIÇÕES

Leia mais

Anexo à Política de Investimentos 2010 a 2014

Anexo à Política de Investimentos 2010 a 2014 Anexo à Política de Investimentos 2010 a 2014 Diretrizes para Investimentos em Imóveis (aprovadas pelo CDE em sua 18ª reunião realizada nos dias 14 a 16 de dezembro de 2009 Índice Anexo à Política de Investimentos...1

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

Âmbito. Objetivos. Destinatários. Preço. Carga Horária. Consulte os nossos protocolos para saber os descontos que pode usufruir!

Âmbito. Objetivos. Destinatários. Preço. Carga Horária. Consulte os nossos protocolos para saber os descontos que pode usufruir! Âmbito O Curso foi especialmente concebido para todos os avaliadores que desejem obter a certificação de peritos avaliadores de imóveis de Fundos de Investimento Imobiliário, bem como para todos aqueles

Leia mais

Anexo à Política de Investimentos 2009 a 2013

Anexo à Política de Investimentos 2009 a 2013 Anexo à Política de Investimentos 2009 a 2013 Diretrizes para Investimentos em Imóveis Índice 1. Contratação de Corretores, Avaliadores e Consultores Imobiliários... 3 2. Critérios para Aquisições e Alienações...

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais.

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais. Norma contabilística e de relato financeiro 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 Locações, adoptada pelo texto original

Leia mais

(c) Activos biológicos relacionados com a actividade agrícola e produto agrícola na altura da colheita (ver a NCRF 17 - Agricultura).

(c) Activos biológicos relacionados com a actividade agrícola e produto agrícola na altura da colheita (ver a NCRF 17 - Agricultura). NCRF 18 Inventários Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 2 - Inventários, adoptada pelo texto original do Regulamento (CE) n.º 1126/2008

Leia mais

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES 1. INTRODUÇÃO Referente à elaboração e divulgação de informações pelas instituições administradoras dos Fundos de Investimento Imobiliário, para o mercado de valores mobiliários e encaminhamento à Comissão

Leia mais

Programas das Unidades Curriculares Mestrado em Contabilidade

Programas das Unidades Curriculares Mestrado em Contabilidade Programas das Unidades Curriculares Mestrado em Contabilidade Contabilidade de Gestão Avançada O papel da Contabilidade de Gestão nas organizações; Introdução aos conceitos e objectivos dos custos; Imputação

Leia mais

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES Crescimento de volume de negócios: + 5.1% a valores e taxas

Leia mais

(a) Data de autorização do Organismo de Investimento Colectivo no Estado-Membro de Origem e data de início da comercialização em Portugal:

(a) Data de autorização do Organismo de Investimento Colectivo no Estado-Membro de Origem e data de início da comercialização em Portugal: CONDIÇÕES PARTICULARES DO DISTRIBUIDOR referente à comercialização em Portugal, pelo Deutsche Bank AG - Sucursal em Portugal de acções da PIONEER FUNDS (a) Data de autorização do Organismo de Investimento

Leia mais

USO DO MÉTODO DA RENDA PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS POR REGIÕES UMA APLICAÇÃO NAS CIDADES DO RIO DE JANEIRO E SÃO PAULO

USO DO MÉTODO DA RENDA PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS POR REGIÕES UMA APLICAÇÃO NAS CIDADES DO RIO DE JANEIRO E SÃO PAULO USO DO MÉTODO DA RENDA PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS POR REGIÕES UMA APLICAÇÃO NAS CIDADES DO RIO DE JANEIRO E SÃO PAULO Abstract: This paper discusses a Real Estate valuation method in which the value is

Leia mais

I - Introdução à Contabilidade de Gestão 1.5 REVISÃO DE ALGUNS CONCEITOS FUNDAMENTAIS RECLASSIFICAÇÃO DE CUSTOS

I - Introdução à Contabilidade de Gestão 1.5 REVISÃO DE ALGUNS CONCEITOS FUNDAMENTAIS RECLASSIFICAÇÃO DE CUSTOS I - Introdução à Contabilidade de Gestão 1.5 REVISÃO DE ALGUNS CONCEITOS FUNDAMENTAIS RECLASSIFICAÇÃO DE CUSTOS Custos Industriais e Custos Não Industriais Custos controláveis e não controláveis Custos

Leia mais

(a) Propriedade detida por locatários que seja contabilizada como propriedade de investimento (ver NCRF 11 - Propriedades de Investimento);

(a) Propriedade detida por locatários que seja contabilizada como propriedade de investimento (ver NCRF 11 - Propriedades de Investimento); NCRF 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 - Locações, adoptada pelo texto original do Regulamento (CE) n.º 1126/2008 da

Leia mais

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N. o 14 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N. o 14 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N. o 14 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA 1 Introdução: A adaptação do Plano Oficial de Contabilidade à Directiva n. o 78/660/CEE (4. a Directiva do Conselho, de 25-7-78), consubstanciada

Leia mais

RELATÓRIO RESUMO DE AVALIAÇÃO Avaliação do portfolio Imobiliário da Sonae Capital. À data de 31 de Dezembro de 2009

RELATÓRIO RESUMO DE AVALIAÇÃO Avaliação do portfolio Imobiliário da Sonae Capital. À data de 31 de Dezembro de 2009 1 Relatório Resumo de Avaliação para: Sonae Capital, SGPS, SA Avaliação do portfolio de imóveis da Sonae Capital. 31 DE DEZEMBRO DE 2009 PREPARADO POR: Cushman & Wakefield Avenida da Liberdade131 2º Esq

Leia mais

a) Quanto, quando e a que título o investidor paga ou pode pagar? b) Quanto, quando e a que título o investidor recebe ou pode receber?

a) Quanto, quando e a que título o investidor paga ou pode pagar? b) Quanto, quando e a que título o investidor recebe ou pode receber? Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las PFC Valorização Retalho Entidade

Leia mais

FUNÇÃO FINANCEIRA DAS SEGURADORAS 3.1. A Gestão da Tesouraria. Autor: Prof. Doutor Carlos Pereira da Silva. Ano Lectivo 2007/2008

FUNÇÃO FINANCEIRA DAS SEGURADORAS 3.1. A Gestão da Tesouraria. Autor: Prof. Doutor Carlos Pereira da Silva. Ano Lectivo 2007/2008 Mestrado em Ciências Actuarias FUNÇÃO FINANCEIRA DAS SEGURADORAS 3.1. A Gestão da Tesouraria Autor: Prof. Doutor Carlos Pereira da Silva Ano Lectivo 2007/2008 1 3. A FUNÇÃO FINANCEIRA DAS SEGURADORAS 3.1.

Leia mais

DC14 - Demonstração dos Fluxos de Caixa (1) Directriz Contabilística nº 14

DC14 - Demonstração dos Fluxos de Caixa (1) Directriz Contabilística nº 14 DC14 Demonstração dos Fluos de Caia (1) Directriz Contabilística nº 14 Julho de 1993 Índice 1. Introdução 2. Objectivos 3. Definições 4. Componentes da Demonstração dos Fluos de Caia 4.1. Actividades operacionais

Leia mais

Formulário de Projecto de Investimento

Formulário de Projecto de Investimento Formulário de Projecto de Investimento 1. Identificação do Projecto Título do projecto: Nome do responsável: Contacto Telefónico: Email: 1.1. Descrição sumária da Ideia de Negócio e suas características

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO CURSO

FICHA TÉCNICA DO CURSO FICHA TÉCNICA DO CURSO AVALIAÇÃO DE BENS IMOBILIÁRIOS EDIÇÃO Nº01/2013 1. DESIGNAÇÃO DO CURSO Avaliação de Bens Imobiliários. 2. COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER No final da formação, os participantes deverão

Leia mais

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 4. RECLAMAÇÕES 5. DURAÇÃO DO CONTRATO 6. RISCO DE 7. PRINCIPAIS RISCOS DO PRODUTO PROSPECTO SIMPLIFICADO

Leia mais

RENTABILIDADE E RISCO NOS MERCADOS FINANCEIROS. Série Estudos nº10

RENTABILIDADE E RISCO NOS MERCADOS FINANCEIROS. Série Estudos nº10 RENTABILIDADE E RISCO NOS MERCADOS FINANCEIROS Luís Portugal Série Estudos nº10 2 de Março de 2010 Actuarial - Consultadoria 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. EVOLUÇÃO DOS ÍNDICES... 3 3. RENTABILIDADE E

Leia mais

a dinheiro deve ser reconhecida como um juro de acordo com a NCP 13, refletindo o rendimento efetivo sobre a conta a receber.

a dinheiro deve ser reconhecida como um juro de acordo com a NCP 13, refletindo o rendimento efetivo sobre a conta a receber. compensações por terceiros, e qualquer compra ou construção subsequente de ativos de substituição, constituem acontecimentos económicos separados e devem ser contabilizados da seguinte forma: (a) A imparidade

Leia mais

Relatório Tipo Dezembro de 20XX

Relatório Tipo Dezembro de 20XX Relatório Tipo Dezembro de 20XX Alvim & Rocha Consultoria de Gestão, Lda. Tel.: 22 831 70 05; Fax: 22 833 12 34 Rua do Monte dos Burgos, 848 Email: mail@alvimrocha.com 4250-313 Porto www.alvimrocha.com

Leia mais

Prospecto Informativo Invest Oportunidades Mundiais (Ser. 11/1)

Prospecto Informativo Invest Oportunidades Mundiais (Ser. 11/1) Prospecto Informativo Invest Oportunidades Mundiais (Ser. 11/1) Março de 2011 Designação: Invest Oportunidades Mundiais (Ser. 11/1). Classificação: Caracterização do Produto: Garantia de Capital: Garantia

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

METODOLOGIAS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS PROJETOS DE INVESTIMENTO NAS INFRAESTRUTURAS DE ELETRICIDADE E DE GÁS NATURAL

METODOLOGIAS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS PROJETOS DE INVESTIMENTO NAS INFRAESTRUTURAS DE ELETRICIDADE E DE GÁS NATURAL METODOLOGIAS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS PROJETOS DE INVESTIMENTO NAS INFRAESTRUTURAS DE ELETRICIDADE E DE GÁS NATURAL (ARTIGO 13(6) DO REGULAMENTO 347/2013 1 ) Setembro 2015 1 Regulamento (UE) N.º 347/2013

Leia mais

Banking. Estudos de Remuneração 2012

Banking. Estudos de Remuneração 2012 Estudos de 2012 Estudos de Banking 2012 2 Nota preliminar pág. 3 Técnico de Tesouraria pág. 4 Banking Técnico de Controlo de Crédito pág. 5 Analista de Crédito Técnico de Back-Office Técnico de Derivados

Leia mais

IFRS 13 Mensuração do Valor Justo

IFRS 13 Mensuração do Valor Justo IFRS 13 Mensuração do Valor Justo Determinação do Valor Justo Ativos Intangiveis 16 setembro 2013 Adoção do Valor Justo/Avaliação de Intangíveis EUA 2001 -FAS 141, Business Combinations (agora ASC 805)

Leia mais

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31 Índice LISTA DE SÍMBOLOS 17 PREFÁCIO 23 INTRODUÇÃO 25 Capítulo 1 O processo de criação de moeda 1. Conceitos básicos 31 1.1. Moeda e outros activos de uma economia 31 1.2. Sector monetário de uma economia

Leia mais

INVESTIMENTO EM MOÇAMBIQUE SUMÁRIO

INVESTIMENTO EM MOÇAMBIQUE SUMÁRIO INVESTIMENTO EM MOÇAMBIQUE 1 SUMÁRIO 1. O sistema financeiro em geral 2. O sistema financeiro de Moçambique 2.1 Termo comparativo (Moçambique/Portugal) 3. Os Fundos de Investimento em geral 3.1 Esboço

Leia mais

Diretrizes para Investimentos em Imóveis

Diretrizes para Investimentos em Imóveis Diretrizes para Investimentos em Imóveis 21ª reunião do CAP - 15/12/2010 11ª reunião ordinária do CDE - 16/12/2010 Anexo à Política de Investimentos 2011 a 2015 Índice 1. Contratação de Corretores, Avaliadores

Leia mais

Estimação do Fluxo de Caixa Livre para a Empresa

Estimação do Fluxo de Caixa Livre para a Empresa Estimação do Fluxo de Caixa Livre para a! Principais passos! O efeito da depreciação! Outros fatores que geram obrigações ou direitos para a empresa Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

Parte 1 Risco e Retorno

Parte 1 Risco e Retorno TÓPICOSESPECIAIS EM FINANÇAS: AVALIAÇÃO DE PROJETOS E OPÇÕES REAIS. AGENDA 1. RISCO E RETORNO 2. CUSTO DE CAPITAL PROF. LUIZ E. BRANDÃO 3. CUSTO MÉDIO PONDERADO DE CAPITAL (WACC) RAFAEL IGREJAS Parte 1

Leia mais

Matemática Financeira e Instrumentos de Gestão [2] 2007/2008

Matemática Financeira e Instrumentos de Gestão [2] 2007/2008 Licenciatura em Gestão Matemática Financeira e Instrumentos de Gestão [2] 2007/2008 Noções Fundamentais Rendimento = Consumo + Poupança [Aforro] Aforro = Entesouramento + Investimento Financeiro Entesouramento

Leia mais

Contabilidade Gerencial PROFESSOR: Salomão Soares VPL E TIR

Contabilidade Gerencial PROFESSOR: Salomão Soares VPL E TIR Contabilidade Gerencial PROFESSOR: Salomão Soares VPL E TIR Data: VPL(VAL) Valor Presente Líquido ou Valor Atual Líquido O valor presente líquido (VPL), também conhecido como valor atual líquido (VAL)

Leia mais