ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O MÉTODO DAS TENSÕES ADMISSÍVEIS E O MÉTODO DOS ESTADOS LIMITES PARA ESTRUTURAS METÁLICAS TRELIÇADAS DE PERFIS TUBULARES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O MÉTODO DAS TENSÕES ADMISSÍVEIS E O MÉTODO DOS ESTADOS LIMITES PARA ESTRUTURAS METÁLICAS TRELIÇADAS DE PERFIS TUBULARES"

Transcrição

1 Proceedings of the XXVI Iberian Latin-American Congress on Computational Methods in Engineering CILAMCE 2005 Brazilian Assoc. for Comp. Mechanics (ABMEC) & Latin American Assoc. of Comp. Methods in Engineering (AMC), Guarapari, Espírito Santo, Brazil, 19 th 21 st October 2005 Paper CIL ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O MÉTODO DAS TENSÕES ADMISSÍVEIS E O MÉTODO DOS ESTADOS LIMITES PARA ESTRUTURAS METÁLICAS TRELIÇADAS DE PERFIS TUBULARES Fábio Aurélio Samarra Maurício Dario João Alberto Venegas Requena Departamento de Estruturas - Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo Universidade Estadual de Campinas UNICAMP. Av. Albert Einstein, 951, Cidade Universitária Zeferino Vaz, Caixa Postal 6021, CEP , Campinas SP Brasil. Resumo. Este trabalho tem como objetivo analisar a segurança das estruturas através dos esforços que atuam em estruturas metálicas treliçadas de perfil tubular quando dimensionadas pelo Método das Tensões Admissíveis e pelo Método dos Estados Limites. Para esta finalidade utilizou-se a AISC (Tensões Admissíveis ASD e Estados Limites - LRFD), Eurocode 3 (Estados Limites) e NBR 8800 (Estados Limites), sendo o modelo analisado uma estrutura real, do edifício RK300 da Vallourec & Mannesmann Tubes do Brasil, composto por tesouras treliçadas de perfil tubular de aço. Serão abordados os métodos e critérios adotados para a determinação dos coeficientes de majoração das Normas e Especificações. O Fator de Segurança varia de acordo com cada Norma Técnica, e este foi um dos itens discutidos e que gerou resultados diferentes de acordo com cada análise. Com esse estudo, foram verificadas as diferenças entre a segurança e a economia das estruturas tubulares quando dimensionadas pelo Método das Tensões Admissíveis e pelo Método dos Estados Limites. Conclui-se que em casos onde o carregamento permanente e a sobrecarga somada são maiores que o carregamento de vento de sucção o dimensionamento pela ASD apresenta resultados mais conservadores e seguros. Tem-se também, que esta estrutura, quando dimensionada pela ASD, seguindo as novas recomendações da ASCE 7-98, onde não se deve acrescer 1/3 na tensão admissível, resulta em porcentagens de utilização maior do que a LRFD, com diferença de 6,95 % na compressão e 6,67% na tração. Comparando com a NBR, tem-se uma diferença de 7,06% na compressão e 3,50% na tração, sendo as porcentagens maiores obtidas pela ASD. Vê-se que a ASD resultou em porcentagens maiores de utilização em todos os casos. Keywords: Estruturas Metálicas, Projeto Estrutural, Normas Técnicas, Perfis Tubulares, Segurança das Estruturas.

2 1. INTRODUÇÃO O objetivo de tal estudo é verificar se estruturas dimensionadas pelo Método das Tensões Admissíveis realmente oferecem a segurança quando comparada com o Método dos Estados Limites. O dimensionamento pelos métodos já descritos será feito utilizando o Software SAP2000, que possibilita o dimensionamento de estruturas planas e espaciais. O Método das Tensões Admissíveis seria o Método tradicional para projetos de estruturas metálicas, onde todas as ações são consideradas com a mesma variabilidade, independente de sua natureza. Utiliza critérios determinísticos, ou seja, os parâmetros que servem de base de cálculo possuem valores fixos. As cargas máximas de serviço provocam tensões que são comparadas com as tensões admissíveis. No Método das Tensões Admissíveis, consideram os valores nominais, fixos, os parâmetros de cálculo e o coeficiente de segurança como razão entre tensões e solicitações. Utiliza também um coeficiente interno de segurança γ i > 1,0. Para este Método, a equação da condição de segurança é dada por : σ rup σ adm = A maior tensão de utilização que possa aparecer na estrutura não deve ultrapassar a tensão admissível. O coeficiente interno de segurança γ int deve levar em conta a variabilidade da resistência dos materiais, a variabilidade da intensidade das ações, responsabilidade da estrutura. A determinação desses coeficientes é empírica. O Método dos Estados Limites se baseia no conceito de Estado Limite, ou seja, a estrutura atinge uma condição que deixa de satisfazer as funções a que se destina. O enfoque atual para um método simplificado para os Estados Limites, considera a segurança da estrutura sob ponto de vista probabilístico, baseados em momentos de primeira e segunda ordem. A expressão para segurança estrutural pode ser escrita como : γ int φ R n γi Q i Onde do lado esquerdo tem-se a resistência do elemento e do lado direito tem-se a carga prevista a ser suportada Q i. O valor R n é a resistência nominal, minorada por um fator φ, obtendo-se a resistência de projeto. Os vários efeitos de cargas Q i são majorados por fatores γ i. A segurança de uma estrutura está relacionada com os Estados Limites Últimos, ou seja, com a ruína. No Método dos Estados Limites tem-se coeficiente de segurança externo, que deve ser multiplicado pelo carregamento atuante, obtendo um novo valor. Este coeficiente deve levar em conta as origens das ações, a variabilidade da intensidade e a responsabilidade da estrutura. No Método dos Estados Limites cada ação é tratada de acordo com sua natureza, ao invés de tratá-las como de mesma natureza, como no Método das Tensões Admissíveis. Com isso, o Método dos Estados Limites torna-se mais racional, podendo gerar mais economia e maior segurança.

3 2. DESENVOLVIMENTO 2.1 Modelo Analisado Para realizar a comparação entre as Normas AISC/LRFD, AISC/ASD, Eurocode 3 e NBR 8800, foi escolhido como modelo o Galpão RK 300 da Vallourec & Mannesman, construído em Belo Horizonte. Tal edifício já foi dimensionado e verificado pela AISC ASD. Utilizou-se o programa SAP 2000 Versão para a geração da estrutura e dimensionamento da mesma. Descrição do Galpão A estrutura do Galpão foi considerada como pórtico espacial, com as colunas engastadas na base. As colunas são compostas por dois tubos ligados entre si através de chapa contínua. Longitudinalmente essas colunas foram ligadas por cintas e contraventamentos verticais. As vigas da cobertura foram projetadas com as diagonais e montantes engastados nos banzos. O eixo frontal foi fechado com telhas até o nível do topo das colunas e para resistir a ação do vento frontal, foi colocada uma treliça horizontal de vento. No lado oposto, o montante central da viga da cobertura foi preparado para receber as vigas radiais da parte curva. No lado externo a esse eixo foram colocadas colunas radiais que recebem essas vigas em forma de treliça. Abaixo, nas figuras 1 e 2, tem-se algumas perspectivas do Galpão RK300 : Figura 1: Perspectiva I Figura 2: Perspectiva II

4 Tem-se então, nas figuras 3 e 4, as seguintes geometrias: (medidas em mm) Figura 3: Cotas do galpão Figura 4: Cotas do galpão 2.2 Combinações As normas americanas AISC ( American Institue of Steel Construction) para construções em aço, baseiam-se nas recomendações da ASCE 7 (American Society of Civil Engineers)- Minimum Design Loads for Buildings and Other Structures para a consideração dos coeficientes de segurança nas combinações das ações. A Norma ASD de 1989 baseia-se na ASCE 7 antiga, que considera a acréscimo de 1/3 na tensão admissível nas combinações onde entra o vento. Esta ASCE 7 utiliza um fator 1,0 para o carregamento permanente quando há vento de inversão (sucção), além de considerar o acréscimo de 1/3. A partir de 1998, houve uma alteração nas considerações da ASCE com relação ao vento. A ASCE 7-98, e ASCE 7-02 aplicam um fator do 0,6 no carregamento permanente e removeram o acréscimo de 1/3. A maioria das Normas internacionais adotaram esta consideração, mas permitem ainda as combinações antigas, com o acréscimo de 1/3 nas combinações em que ocorre o vento, desde que salientado essa consideração no projeto. Será demonstrado nos resultados que não é aconselhável fazer esse acréscimo.. Ressalta-se aqui o fato do Software SAP 2000 ainda considerar este acréscimo de 1/3 na tensão admissível nas hipóteses acima citadas. Apenas como exemplo, outras Normas Internacionais que utilizavam o critério de acréscimo de 1/3 nas combinações com vento, fizeram alterações suprimindo esta modificação. Determinadas combinações permissíveis de carregamento no IBC 2000 (International Building Code) permitem um aumento de 1/3 para o aço pela referência a AISC-ASD; entretanto, na revisão de 2003, o IBC não permite mais esse aumento de 1/3.

5 De acordo com as modificações feitas pelo ASCE, na consideração da forma de atuação do vento na estrutura, usar combinações das Tensões Admissíveis, com um aumento de 1/3 seria não conservador. As especificações da ASCE 7 foram sofrendo algumas modificações nos últimos anos. Tem-se publicações em 1995, 1998 e Por exemplo, o centro dos Estados Unidos teve a velocidade do vento alterada de 70 mph (milhas por hora), para 90 mph, com a intenção de modernizar e quantificar melhor a pressão do vento. O valor do carregamento devido ao vento atuando num edifício não sofreu alterações significativas, mas a alteração se deu principalmente nas equações de cálculo da pressão de vento. ASCE 7-98 introduziu um fator de direcionalidade Kd, wind directionality factor, na equação da pressão do vento e alterou o coeficiente de 1,3 para 1,6. Cada tipo de estrutura tem um valor de Kd tabelado, porém, usualmente se considera o valor de 0,85 para a maioria. Tem-se como alternativa quando na utilização do LRFD no software SAP 2000 multiplicar o coeficiente 1,6 que multiplica o vento, pelo valor de Kd de 0,85, resultando num coeficente 1,36. Porém, deve-se ter cautela para não utilizar o coefiente Kd duas vezes, na equação do vento e no coeficiente de segurança. Devido a isto, foi montado duas tabelas para os resultados do LRFD, uma com o coeficiente Kd e outra sem. Considerando as Normas Allowable Stress Design (ASD) e Load and Resistance Factor Design (LRFD) tem-se que, a princípio, os coeficientes do LRFD foram calibrados para se obter resultados semelhantes ao ASD. 2.3 Procedimentos da Verificação Após o lançamento da estrutura e dos carregamentos, no Programa SAP 2000, foi selecionada a Norma AISC/ASD Após o dimensionamento foram coletadas as porcentagens de utilização das barras mais solicitadas, sendo essas : uma barra do banzo superior, uma do banzo inferior, montante principal, montante mais solicitado, diagonal mais solicitada e primeira diagonal. Ressalta-se que esta estrutura real sofre ação apenas de vento de sucção, sendo assim m As combinações foram chamadas de tipo 1 e 2, conforme mostrado nas tabelas a seguir, onde: CP: carregamento permanente SC: sobrecarga V: vento de sucção Tipo 1 CP+SC 2 CP+V As porcentagens de utilização foram separadas em porcentagem de utilização devido ao esforço axial apenas e porcentagem de utilização total, ou seja, que leva em conta a parcela devida ao momento, que é bem pequena. Foram comparadas as Normas AISC/ASD com a AISC/LRFD, por serem ambas americanas, porém com critérios de segurança diferentes. Posteriormente, foi comparado o Eurocode 3 com a NBR 8800/1986. Por fim, foram comparadas as Normas AISC/ASD com a NBR 8800/1986. Foi feito o dimensionamento e a verificação das porcentagens de utilização das barras pré selecionadas. Vale ressaltar aqui, que os resultados obtidos referem-se a esta estrutura, com essas características de carregamento.

6 2.4 Normas AISC/ ASD Foi selecionado no programa SAP 2000 a Norma AISC/ASD Considerações: baseia-se nas combinações fornecidas pelo ANSI A58.1 e ASCE 7. Em ambas todos os coeficientes ficam multiplicados por 1,0. Ressalta-se aqui que foram feitas duas análises: uma, utilizado o ASD de 1989, que considera o acréscimo de 1/3; e outra, com as combinações onde entra o carregamento do vento multiplicadas por 1,3333 para tornar a tensão admissível multiplicada por 1 (conforme ASCE 7/02), ao invés de 1,333 conforme a norma de Montou-se então as seguintes combinações: 1,0 CP + 1,0 SC 1,0 CP + 1,0 SC 1,0 CP + 1,0 V * 1 0,6 CP + 1,0 V * 2 * 1 : considerando 1/3 de acréscimo na tensão admissível. * 2 : sem considerar acréscimo AISC/LRFD Foi selecionado no programa SAP 2000 a Norma AISC/LRFD Considerações: a LRFD baseia-se nas combinações fornecidas pela ASCE 7/98. Ressaltase aqui a mudança do coeficiente de 1,3 nos casos de vento para 1,6, além da introdução do coeficiente de direcionalidade Kd. Montou-se então as seguintes combinações: 1,4 CP 1,2 CP + 1,6 SC 0,9 CP + 1,6 V 0,9 CP + 1,6*(0,85) V ( Considerando o coeficiente Kd) Eurocode 3 Foi selecionado no programa SAP 2000 a Norma Eurocode 3. Considerações: o Eurocode 3 assemelha- se muito à Norma NBR 8800/2003, utilizando coeficientes de ponderação quando ocorrem duas ou mais ações variáveis. Para a Sobrecarga e Vento utiliza-se como coeficiente de ponderação ψ 0 = 0,7, γ g = 1,35 e γ q = 1,5. Montou-se então as seguintes combinações: 1,35 CP + 1,5 SC 1,0 CP + 1,5 V NBR 8800/1986 Foi selecionado no programa SAP 2000 a Norma Eurocode 3. O programa SAP2000 não possui a Norma brasileira. Sendo assim, dimensiona-se pelo Eurocode, que é a Norma que mais se assemelha a Norma brasileira, com ajustes de coeficientes. Considerações: A NBR 8800/1986 considera os seguintes coeficientes de ponderação: Sobrecarga ψ 0 = 0,7 ; Vento ψ 0 = 0,6 ; γ g = 1,4 e γ q = 1,4. Montou-se então as seguintes combinações: 1,4 CP + 1,4 SC 0,9 CP + 1,4 V

7 3. RESULTADOS 3.1 Tabelas comparativas entre as Normas Foram geradas diversas tabelas com as barras pré selecionadas e analisadas as diferenças entre as porcentagens de utilização devido a esforço axial. ASD e LRFD BANZO SUPERIOR Axial Tabela 1. Barra do banzo superior, utilizando o acréscimo de 1/3 ASD 1989 com 1/3 de LRFD (ASCE 7/98) LRFD (ASCE 7/98) acrescimo na tensão adm. com coeficiente Kd BARRA 849 Coef. De utilização Coef. De utilização Variação Coef. De utilização Variação Tipo da Num. Da Esforco Axial Esforco Axial Esforco Axial Combin. Combin. Tração Compressão Tração Compressão Diferença Tração Compressão Diferença 1 CP+SC - 63, ,9122-0, ,9122-0,3696 Diferença Máxima de -0,3696-0,3696 Compressão 2 CP+V3 2,7329-6, ,6348 4, ,8264 Diferença Máx. de Tração -3,6348-1,8264 BANZO INFERIOR Axial Tabela 2. Barra do banzo inferior, utilizando o acréscimo de 1/3 ASD 1989 com 1/3 de LRFD (ASCE 7/98) LRFD (ASCE 7/98) acrescimo na tensão adm. com coeficiente Kd BARRA 852 Coef. De utilização Coef. De utilização Variação Coef. De utilização Variação Tipo da Num. Da Esforco Axial Esforco Axial Esforco Axial Combin. Combin. Tração Compressão Tração Compressão Diferença Tração Compressão Diferença 1 CP+SC 46, ,9384-2, ,9384-2,1971 Diferença Máxima de Tração 2,1971 2, CP+V3-0,5841-7,1751-6,591 4, ,2179 Diferença Máx. de Compressão -6,591-4,2179 BANZO SUPERIOR Axial Tabela 3. Barra do banzo superior, sem utilizar acréscimo ASD 1989 sem acréscimo LRFD (ASCE 7/98) LRFD (ASCE 7/98) com coeficiente Kd BARRA 849 Coef. De utilização Coef. De utilização Variação Coef. De utilização Variação Tipo da Num. Da Esforco Axial Esforco Axial Esforco Axial Combin. Combin. Tração Compressão Tração Compressão Diferença Tração Compressão Diferença 1 CP+SC 63, ,9122-0, ,9122-0,3696 Diferença Máxima de -0,3696-0,3696 Compressão 2 CP+V3 11,2307-6,3677-4,863 4,5593-6,6714 Diferença Máx. de Tração 4,863 6,6714

8 BANZO INFERIOR Axial Tabela 4. Barra do banzo inferior, sem utilizar acréscimo ASD 1989 sem acréscimo LRFD (ASCE 7/98) LRFD (ASCE 7/98) com coeficiente Kd BARRA 852 Coef. De utilização Coef. De utilização Variação Coef. De utilização Variação Tipo da Num. Da Esforco Axial Esforco Axial Esforco Axial Combin. Combin. Tração Compressão Tração Compressão Diferença Tração Compressão Diferença 1 CP+SC 46, ,9384-2, ,9384-2,1971 Diferença Máxima de Tração 2,1971 2, CP+V3-11,7603-7,1751 4,5852 4,802-6,9583 Diferença Máx. de Compressão 4,5852 6,9583 ASD e NBR Tabela 5. Barra do banzo superior utilizando o acréscimo de 1/3 BANZO SUPERIOR Axial ASD 1989 com 1/3 de NBR 1986 acrescimo na tensão adm. BARRA 849 Coef. De utilização Coef. De utilização Variação Tipo da Num. Da Esforco Axial Esforco Axial Combin. Combin. Tração Compressão Tração Compressão Diferença 1 CP+SC - 63, ,4737 7,0689 Diferença Máxima de Compressão 7, CP+V3 2,7329-9, ,8913 Diferença Máx. de Tração -6,8913 Tabela 6. Barra do banzo inferior utilizando o acréscimo de 1/3 BANZO INFERIOR Axial ASD 1989 com 1/3 de acrescimo na tensão adm. NBR 1986 BARRA 852 Coef. De utilização Coef. De utilização Variação Tipo da Num. Da Esforco Axial Esforco Axial Combin. Combin. Tração Compressão Tração Compressão Diferença 1 CP+SC 46, ,6292-3,5063 Diferença Máxima de Tração 3, CP+V3-0,5841-9,4036-8,8195 Diferença Máx. de Compressão -8,8195 Tabela 7. Barra do banzo superior sem utilizar acréscimo BANZO ASD 1989 sem acréscimo NBR 1986 SUPERIOR Axial BARRA 849 Coef. De utilização Coef. De utilização Variação Tipo da Num. Da Esforco Axial Esforco Axial Combin. Combin. Tração Compressão Tração Compressão Diferença 1 CP+SC - 63, ,4737 7,0689 Diferença Máxima de Compressão 7, CP+V3 11,23-9,6242-1,6058 Diferença Máx. de Tração 1,6058

9 Tabela 8. Barra do banzo inferior sem utilizar acréscimo BANZO INFERIOR ASD 1989 sem acréscimo NBR 1986 Axial BARRA 852 Coef. De utilização Coef. De utilização Variação Tipo da Num. Da Esforco Axial Esforco Axial Combin. Combin. Tração Compressão Tração Compressão Diferença 1 CP+SC 46, ,6292-3,5063 Diferença Máxima de Tração 3, CP+V3-11,7603-9,4036 2,3567 Diferença Máx. de Compressão 2, CONCLUSÃO Análise dos resultados na comparação da ASD com LRFD Vale ressaltar aqui, que os resultados obtidos referem-se a esta estrutura, com essas características de carregamento. Aqui, a sobrecarga é alta, com valor de 50 kgf/m 2. Esta, quando somada ao carregamento permanente, resulta em valores maiores do que o carregamento de vento. Isso pode ser observado pelo fato da combinação tipo 1, carregamento permanente mais sobrecarga, obter as maiores porcentagens de utilização. Se for considerado agora a equação proposta por C.G. Salmon, Steel Structures Design and Behavior, 1971: LRFD ASD 1,33CP + 1,78SC 0,8 + 1,07( SC / CP) = = (1) 1,67CP + 1,67 SC 1+ ( SC / CP) Analisando o banzo inferior, que resultou em esforços de tração, chega-se, através de valores fornecidos pelo programa SAP 2000, numa relação SC/CP=1, Tal resultado, substituído na equação (1) obtém-se: LRFD 0,8 + 1,07(1,33323) = = 0,9542 ASD 1 + (1,33323) ou seja, o ASD é 4,57 % maior que o LRFD. Porém, considerando apenas o esforço axial, tem-se uma diferença real de 2,197%, menor que o valor proposto por Salmon (1971). Isto indica que o modelo teórico está a favor da segurança quando comparado com o modelo real, porém essa diferença é pequena (2,373%). A primeira observação sobre os resultados a ser feita é que o acréscimo de 1/3 na tensão admissível em combinações em que há vento, conforme a ASD 1989, resulta em valores bem abaixo do que quando não se considera este acréscimo, chegando a 11%. Isso confirma que a utilização deste acréscimo não é conservador e pode levar a erros no dimensionamento. Quando a hipótese acima é considerada, na combinação de carregamento permanente e sobrecarga, o dimensionamento pelos dois métodos resulta em porcentagens de utilização muito próximas, com uma diferença de 0,36% na tração e 2,19% na compressão, sem considerar o coeficiente de direcionalidade do vento, que só entra na equação nas

10 combinações com vento. Para as combinações de inversão, ou seja, vento de sucção com carga permanente, a norma LRFD resulta em porcentagens maiores de utilização, chegando a 6,59% na compressão e 3,63% na tração, sem considerar o coeficiente de direcionalidade do vento, e 4,21% na compressão e 1,82% na tração quando se utiliza o coeficiente Kd. Nota-se que este coeficiente aproximou os resultados obtidos. Considerando as recomendações atuais para utilização do Método das Tensões Admissíveis, que não considera o acréscimo de 1/3 na tensão admissível, temos uma mudança nos resultados obtidos, pois antes tinha-se a LRFD resultando em porcentagens de utilização maiores do que a ASD. Com essas novas recomendações, as porcentagens de utilização pela ASD resultaram em valores maiores do que a LRFD. Para as combinações de carregamento permanente e sobrecarga, o dimensionamento pelos dois métodos resulta em porcentagens de utilização muito próximas, com uma diferença de 0,36% na tração e 2,19% na compressão. Para os casos de carregamento permanente e vento de sucção, o ASD resultou em porcentagens de utilização maiores do que a LRFD, com uma diferença de 4,86% na tração e 4,58% na compressão, isso sem considerar o coeficiente de direcionalidade do vento. Ao se considerar o coeficiente Kd, tem-se uma diferença de 6,67% na tração e 6,95% na compressão. Nota-se que para a combinação que inclui vento, a diferença entre as normas torna-se maior. Comparando agora a norma ASD com a NBR, temos na hipótese de acréscimo da tensão admissível, na combinação de carregamento permanente e sobrecarga, uma diferença de porcentagem de utilização de 3,50% a mais na ASD na tração. Para compressão tem-se 7,06% a mais de utilização pela ASD. Na combinação de carregamento permanente e vento de sucção, a NBR resultou em porcentagens de utilização maiores, chegando a 6,89% na tração e 8,81% na compressão. Considerando as recomendações atuais para utilização do Método das Tensões Admissíveis, que não considera o acréscimo de 1/3 na tensão admissível, temos resultados semelhantes aos obtidos quando se comparou ASD e LRFD. Novamente a norma ASD resultou em porcentagens maiores de utilização. Na combinação de carregamento permanente e sobrecarga, temos a mesma diferença de porcentagem de utilização para o caso com acréscimo de um terço. Na combinação de carregamento permanente e vento de sucção, a ASD resultou em porcentagens de utilização maiores, chegando a 1,6% na tração e 2,35% na compressão. Conclui-se então, que esta estrutura, quando dimensionada pela ASD, seguindo as novas recomendações da ASCE 7-98, onde não se deve acrescer 1/3 na tensão admissível, resulta em porcentagens de utilização maior do que a LRFD, com diferença de 6,95 % na compressão e 6,67% na tração. Comparando com a NBR, tem-se uma diferença de 7,06% na compressão e 3,50% na tração, sendo as porcentagens maiores obtidas pela ASD. Vê-se que a ASD resultou em porcentagens maiores de utilização em todos os casos. Verifica-se então que deve-se evitar utilizar o acréscimo de 1/3 na tensão admissível quando o dimensionamento for feito pela ASD com a presença de ação do vento, visto que resulta em valores não conservadores. Estar atualizado com relação as normas técnicas, principalmente quando se utiliza normas internacionais, é de grande valia aos projetistas. Recomenda-se então, que o projetista, ao optar pelo dimensionamento pelo Método das Tensões Admissíveis, verifique as diferenças do comportamento da estrutura quando comparado com o Método dos Estados Limites, para certificar-se se está atende aos requisitos de segurança ou não está anti-econômico.

11 5. AGRADECIMENTOS Agradeço a Vallourec & Mannesmann do Brasil S.A. e a UNICAMP pelo incentivo e apoio ao desenvolvimento da pesquisa. 6. BIBLIOGRAFIA American Institute of Steel Construction, Load and Resistance Factor Design, American Institute of Steel Construction, Allowable Stress Design, American Institute of Steel Construction, Errata List, September 4, American Society of Civil Engineers, ASCE 7/02 - Minimum Design Loads for Buildings and Other Structures, American Society of Civil Engineers, ASCE 7/98 - Minimum Design Loads for Buildings and Other Structures, Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT, Forças Devidas ao Vento em Edificações, NBR6123/88, Rio de Janeiro. Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT, Projeto e Execução de Estruturas de Aço de Edifícios, NBR8800/86, Rio de Janeiro. Bellei, Ildony ; Pinho, Fernando ; Pinho, Mauro Edificios Industriais EM AÇO PINI, São Paulo, C.G. Salmon, J.E. Johnson, Steel Structures Desing and Behavior, European Comitee of Standardization, Eurocode 3: Design of Steel Structures, Gilson,F. Notas de Aula Parte I e Parte II, UNICAMP. Structure Magazine, Codes and Standards, Setembro, 2004.

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE TERÇAS DE AÇO CONVENCIONAIS EM VIGAS, EM TRELIÇAS PLANAS E EM TRELIÇAS MULTIPLANARES

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE TERÇAS DE AÇO CONVENCIONAIS EM VIGAS, EM TRELIÇAS PLANAS E EM TRELIÇAS MULTIPLANARES ESTUDO COMPARATIVO ENTRE TERÇAS DE AÇO CONVENCIONAIS EM VIGAS, EM TRELIÇAS PLANAS E EM TRELIÇAS MULTIPLANARES Rodrigo Cuberos Vieira Prof. Dr. João Alberto Venegas Requena rocv@hotmail.com requena@fec.unicamp.br

Leia mais

PARECER TÉCNICO. O referido parecer técnico toma como base o laudo técnico contiguo e reforça:

PARECER TÉCNICO. O referido parecer técnico toma como base o laudo técnico contiguo e reforça: PARECER TÉCNICO O referido parecer técnico toma como base o laudo técnico contiguo e reforça: Conforme o resultado apresentado pela simulação no software AutoMETAL 4.1, a atual configuração presente nas

Leia mais

Rua Dianópolis, 122-1º andar CEP: 03125-100 - Parque da Mooca - São Paulo / SP - Brasil Telefone: 55 (11) 2066-3350 / Fax: 55 (11) 2065-3398

Rua Dianópolis, 122-1º andar CEP: 03125-100 - Parque da Mooca - São Paulo / SP - Brasil Telefone: 55 (11) 2066-3350 / Fax: 55 (11) 2065-3398 Frefer System Estruturas Metálicas Rua Dianópolis, 122-1º andar CEP: 03125-100 - Parque da Mooca - São Paulo / SP - Brasil Telefone: 55 (11) 2066-3350 / Fax: 55 (11) 2065-3398 www.frefersystem.com.br A

Leia mais

2. O Programa. Figura 1 : Janela Principal do Programa

2. O Programa. Figura 1 : Janela Principal do Programa AUTOMAÇÃO DE PROJETOS DE TRELIÇAS METÁLICAS PLANAS Nilto Calixto Silva Aluno de Graduação ncalixto@fec.unicamp.br http://www.fec.unicamp.br/~ncalixto João Alberto Venegas Requena Professor Assistente Doutor

Leia mais

A ATUAL NORMA DE PROJETO DE ESTRUTURAS DE AÇO E MISTAS, A ABNT NBR 8800:2008

A ATUAL NORMA DE PROJETO DE ESTRUTURAS DE AÇO E MISTAS, A ABNT NBR 8800:2008 A ATUAL NORMA DE PROJETO DE ESTRUTURAS DE AÇO E MISTAS, A ABNT NBR 8800:2008 EM 2001,, UM GRUPO DE TRABALHO, FORMADO POR PESQUISADORES DE UNIVERSIDADES BRASILEIRAS E POR PROFISSIONAIS RECONHECIDOS, SOB

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS 3 Solicitações de cálculo

ESTRUTURAS METÁLICAS 3 Solicitações de cálculo PUC Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Civil ESTRUTURAS METÁLICAS 3 Solicitações de cálculo Professor Juliano Geraldo Ribeiro Neto, MSc. Goiânia, março de 2014. 3.1 PROJETO

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE ESTRUTURA DE AÇO USANDO ANÁLISE ESTRUTURAL EM DUAS E TRÊS DIMENSÕES

AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE ESTRUTURA DE AÇO USANDO ANÁLISE ESTRUTURAL EM DUAS E TRÊS DIMENSÕES AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE ESTRUTURA DE AÇO USANDO ANÁLISE ESTRUTURAL EM DUAS E TRÊS DIMENSÕES EVALUATION OF STRUCTURAL STEEL DESIGN USING STRUCTURAL ANALYSIS IN TWO AND THREE DIMENSIONS Ricardo Fabeane

Leia mais

AUTOMAÇÃO E OTIMIZAÇÃO CAD/CAE NO PROJETO DE ESTRUTURAS METÁLICAS PLANAS, UTILIZANDO PERFIS TUBULARES

AUTOMAÇÃO E OTIMIZAÇÃO CAD/CAE NO PROJETO DE ESTRUTURAS METÁLICAS PLANAS, UTILIZANDO PERFIS TUBULARES AUTOMAÇÃO E OTIMIZAÇÃO CAD/CAE NO PROJETO DE ESTRUTURAS METÁLICAS PLANAS, UTILIZANDO PERFIS TUBULARES Maurício Guilherme Quilez Souza Renato Henrique Ferreira Branco João Alberto Venegas Requena maurigq@yahoo.com

Leia mais

Gisele S. Novo Possato et al. Análise teórico-experimental de placas de base de colunas metálicas tubulares

Gisele S. Novo Possato et al. Análise teórico-experimental de placas de base de colunas metálicas tubulares Engenharia Civil Gisele S. Novo Possato et al. Análise teórico-experimental de placas de base de colunas metálicas tubulares Gisele S. Novo Possato Engenheira, M.Sc., Doutoranda, Programa de Pós-Graduação

Leia mais

AUTOMAÇÃO DE PROJETO ESTRUTURAL DE COBERTURAS EM AÇO

AUTOMAÇÃO DE PROJETO ESTRUTURAL DE COBERTURAS EM AÇO AUTOMAÇÃO DE PROJETO ESTRUTURAL DE COBERTURAS EM AÇO Tiago L. D. Forti Gustavo C. Longhin forti@simworx.com.br longhin@simworx.com.br SimWorx Eng. Pesq. Desenv., R. Hermínio Humberto Bertani, 597, 13092-340,

Leia mais

PROGRAMA AUTOTRUSS 2.0

PROGRAMA AUTOTRUSS 2.0 PROGRAMA AUTOTRUSS 2.0 Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo Departamento de Estruturas LabMeC Autores: Prof. Dr. João Alberto Venegas Requena requena@fec.unicamp.br

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS Leandro de Faria Contadini 1, Renato Bertolino Junior 2 1 Eng. Civil, UNESP-Campus de Ilha Solteira 2 Prof. Titular, Depto de Engenharia

Leia mais

26/05/2010. Ricardo Hallal Fakury Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) João Alberto Venegas Requena Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

26/05/2010. Ricardo Hallal Fakury Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) João Alberto Venegas Requena Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) 26/05/2010 1. BREVE HISTÓRICO 2. ESCOPO 3. TAMANHO E FORMATO 4. DIMENSIONAMENTO DE BARRAS TRACIONADAS 5. DIMENSIONAMENTO DE BARRAS COMPRIMIDAS 6. ANÁLISE ESTRUTURAL DE TRELIÇAS 7. LIGAÇÕES METÁLICAS 8.

Leia mais

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados Projeto e Dimensionamento de de Estruturas metálicas e mistas de de aço e concreto MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados 1 Sistemas estruturais: coberturas

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS LIGAÇÕES K NO DIMENSIONAMENTO DAS ESTRUTURAS DE AÇO TUBULARES CIRCULARES TRELIÇADAS

INFLUÊNCIA DAS LIGAÇÕES K NO DIMENSIONAMENTO DAS ESTRUTURAS DE AÇO TUBULARES CIRCULARES TRELIÇADAS INFLUÊNCIA DAS LIGAÇÕES K NO DIMENSIONAMENTO DAS ESTRUTURAS DE AÇO TUBULARES CIRCULARES TRELIÇADAS Bárbara Daniela Giorgini Sepúlveda, M.Sc. João Alberto Venegas Requena, Ph.D. barbgiorgini@yahoo.com.br

Leia mais

AUTOMAÇÃO DO PROJETO DE TRELIÇAS METÁLICAS PLANAS CONSTITUÍDAS DE BARRAS TUBULARES (1)

AUTOMAÇÃO DO PROJETO DE TRELIÇAS METÁLICAS PLANAS CONSTITUÍDAS DE BARRAS TUBULARES (1) AUTOMAÇÃO DO PROJETO DE TRELIÇAS METÁLICAS PLANAS CONSTITUÍDAS DE BARRAS TUBULARES (1) AUTOMATION OF THE DESIGN OF STEEL PLANE TRUSSES CONSTITUTED OF CIRCULAR HOLLOW SECTIONS MEMBERS João Alberto Venegas

Leia mais

4 Estudo Paramétrico. 4.1.Descrição do estudo

4 Estudo Paramétrico. 4.1.Descrição do estudo 76 4 Estudo Paramétrico 4.1.Descrição do estudo Neste capítulo é desenvolvido estudo paramétrico dos galpões industriais considerados, com os objetivos de avaliar a consideração ou não dos efeitos de segunda

Leia mais

GALPÃO. Figura 87 instabilidade lateral

GALPÃO. Figura 87 instabilidade lateral 9 CONTRAVENTAMENTO DE ESTRUTURAS DE MADEIIRA 9..1 Generalliidades 11 As estruturas reticuladas são normalmente constituídas por elementos planos. Quando são estruturas espaciais (não planas), tendem a

Leia mais

O CONTROLE DA RESISTÊNCIA DO CONCRETO E A TEORIA DA CONFIABILIDADE

O CONTROLE DA RESISTÊNCIA DO CONCRETO E A TEORIA DA CONFIABILIDADE O CONTROLE DA RESISTÊNCIA DO CONCRETO E A TEORIA DA CONFIABILIDADE Fernando Rebouças Stucchi São Paulo,Outubro/2010 Resumo 1. Segurança estrutural 2. Teoria da Confiabilidade e as variabilidades 3. Método

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL E DIMENSIONAMENTO DE VIGAS DE ROLAMENTO DE AÇO DE ACORDO COM A NBR 8800:2008

ANÁLISE ESTRUTURAL E DIMENSIONAMENTO DE VIGAS DE ROLAMENTO DE AÇO DE ACORDO COM A NBR 8800:2008 ANÁLISE ESTRUTURAL E DIMENSIONAMENTO DE VIGAS DE ROLAMENTO DE AÇO DE ACORDO COM A NBR 8800:2008 Rafael de Amorim Salgado Profa. Dra. Adenilcia Fernanda Grobério Calenzani Prof. Dr. Walnório Graça Ferreira

Leia mais

CEMEF ENGENHARIA S/C LTDA. RELATÓRIO RT2142-15 ANALISE ESTRUTURAL DE JANELA DE INSPEÇÃO. Cliente: INFRARED

CEMEF ENGENHARIA S/C LTDA. RELATÓRIO RT2142-15 ANALISE ESTRUTURAL DE JANELA DE INSPEÇÃO. Cliente: INFRARED CEMEF ENGENHARIA S/C LTDA. RELATÓRIO RT2142-15 ANALISE ESTRUTURAL DE JANELA DE INSPEÇÃO Cliente: INFRARED Data: 06 de maio de 2015 REVISÃO: 00 DATA: 06 de maio de 2015 Identificação DESCRIÇÃO: Esta análise

Leia mais

X X X I J O R N A D A S S U D - A M E R I C A N A S D E I N G E N I E R Í A E S T R U C T U R A L

X X X I J O R N A D A S S U D - A M E R I C A N A S D E I N G E N I E R Í A E S T R U C T U R A L X X X I J O R N A D A S S U D - A M E R I C A N A S D E I N G E N I E R Í A E S T R U C T U R A L Engenheiro Civil Graduado pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Mestrando em Engenharia de Estruturas

Leia mais

TESOURAS DE MADEIRA. GRADUAÇÃO 3º Florestal AULA 05. Disciplina: Prop. mecânicas e fundamentos das estrut. madeira. Prof. Adriano Wagner Ballarin

TESOURAS DE MADEIRA. GRADUAÇÃO 3º Florestal AULA 05. Disciplina: Prop. mecânicas e fundamentos das estrut. madeira. Prof. Adriano Wagner Ballarin Aula 5 Tesouras de madeira 1 Disciplina: Prop. mecânicas e fundamentos das estrut. madeira TESOURAS DE MADEIRA GRADUAÇÃO 3º Florestal AULA 05 Prof. Adriano Wagner Ballarin Aula 5 Tesouras de madeira 2

Leia mais

ANEXO 2 MEMORIAL DE CÁLCULO DE ESTRUTURA ESPACIAL

ANEXO 2 MEMORIAL DE CÁLCULO DE ESTRUTURA ESPACIAL PROJETO ALPHA Engenharia de Estruturas S/C Ltda ANEXO 2 MEMORIAL DE CÁLCULO DE ESTRUTURA ESPACIAL 1) OBJETO DO TRABALHO Análise técnica da estrutura de alumínio que constitui a cobertura do Pavilhão de

Leia mais

Engenharia Civil: Estrutura em Aço

Engenharia Civil: Estrutura em Aço João Alberto Venegas Requena et al. Engenharia Civil: Estrutura em Aço Automação de projeto e análise de torres metálicas utilizando perfis tubulares (Design automation software of steel towers using sections)

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA

MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA! "# $&%(')*&,+ -.,/!0 1 2 23 Índice: 1- Informações gerais sobre o projecto e cálculo...1 2- Tipologia estrutural...2

Leia mais

Resumo. Palavras-chave Alvenaria Estrutural; Tensões Admissíveis, Estados Limites, Ações e Segurança nas Estruturas.

Resumo. Palavras-chave Alvenaria Estrutural; Tensões Admissíveis, Estados Limites, Ações e Segurança nas Estruturas. Avaliação das Implicações Técnicas Promovidas pela Introdução de Estados Limites no Cálculo de Alvenaria Estrutural Paulo Vitor Souza Santos 1, Helio Guimarães Aragão 2 1 Universidade Estadual de Feira

Leia mais

ESTRUTURA METÁLICA Vantagens da Construção em Aço. Maior limpeza de obra: Devido à ausência de entulhos, como escoramento e fôrmas.

ESTRUTURA METÁLICA Vantagens da Construção em Aço. Maior limpeza de obra: Devido à ausência de entulhos, como escoramento e fôrmas. ESTRUTURA METÁLICA Vantagens da Construção em Aço Menor tempo de execução: A estrutura metálica é projetada para fabricação industrial e seriada, de preferência, levando a um menor tempo de fabricação

Leia mais

A SEGURANÇA NAS ESTRUTURAS

A SEGURANÇA NAS ESTRUTURAS A SEGURANÇA NAS ESTRUTURAS CONCEITO DE SEGURANÇA Quando uma estrutura pode ser considerada segura? SEGURANÇA: Resistência Estabilidade Durabilidade ENVOLVE DOIS CONCEITOS: Conceito Qualitativo: (Método

Leia mais

Estudo do Cisalhamento em Vigas de Concreto Armado

Estudo do Cisalhamento em Vigas de Concreto Armado Estudo do Cisalhamento em Vigas de Concreto Armado Luiz Alves ramos 1, Antonio Alves da Silva 2, luizalvesramos@gmail.com 1 deca_univap@yahoo.com.br 2, guido@univap.br 3, carlos@univap.br 4 Universidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO Disciplina: Construções Rurais 2011/1 Código: AGR006/AGR007 Curso (s): Agronomia e Zootecnia

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA UNIVERSIDADE DE MARÍLIA Faculdade de Engenharia, Arquitetura e Tecnologia SISTEMAS ESTRUTURAIS (NOTAS DE AULA) Professor Dr. Lívio Túlio Baraldi MARILIA, 2007 1. DEFINIÇÕES FUNDAMENTAIS Força: alguma causa

Leia mais

Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais

Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais Tema 2 - Reabilitação e Reforços de Estruturas Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais Leandro Carvalho D Ávila Dias 1,a

Leia mais

( Curso Dimensionamento de Estruturas de Aço CBCA módulo 3)

( Curso Dimensionamento de Estruturas de Aço CBCA módulo 3) GALPÕES (Projeto proposto) A ligação mais imediata que se faz da palavra galpão é com o uso industrial. No entanto galpões podem ser usados para as mais diversas atividades, tais como, hangares, espaços

Leia mais

A FUTURA NORMA BRASILEIRA DE PROJETO DE ESTRUTURAS DE AÇO E ESTRUTURAS MISTAS DE AÇO E CONCRETO COM PERFIS TUBULARES

A FUTURA NORMA BRASILEIRA DE PROJETO DE ESTRUTURAS DE AÇO E ESTRUTURAS MISTAS DE AÇO E CONCRETO COM PERFIS TUBULARES CONSTRUMETAL CONGRESSO LATINO-AMERICANO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA São Paulo Brasil 31 de agosto a 2 de setembro 21 A FUTURA NORMA BRASILEIRA DE PROJETO DE ESTRUTURAS DE AÇO E ESTRUTURAS MISTAS DE AÇO E CONCRETO

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS

ESTRUTURAS METÁLICAS SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO ESTRUTURAS METÁLICAS DIMENSIONAMENTO SEGUNDO A NBR-8800:2008 Forças devidas ao Vento em Edificações Prof Marcelo Leão Cel Prof Moniz de Aragão

Leia mais

Perfis Metálicos Light Steel Frame

Perfis Metálicos Light Steel Frame Perfis Metálicos Light Steel Frame DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS DE COBERTURA COM LIGHT STEEL FRAME ISOTELHA COLONIAL (TESOURA - BI APOIADA PARA FORRO) Figura 01 Banzo Superior Contraventamento Diagonal

Leia mais

Considerações sobre os efeitos locais de 2ª ordem

Considerações sobre os efeitos locais de 2ª ordem Considerações sobre os efeitos locais de 2ª ordem Tarcísio José Marques de Souza (1) (1) Engenheiro Civil pela UFBA, Mestre em Engenharia pela PUCRio, Professor Titular da UNIFACS e Engenheiro da Telefonica

Leia mais

Tensões Admissíveis e Tensões Últimas; Coeficiente de Segurança

Tensões Admissíveis e Tensões Últimas; Coeficiente de Segurança - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE VOLTA REDONDA PROFESSORA: SALETE SOUZA DE OLIVEIRA BUFFONI DISCIPLINA: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Tensões Admissíveis e Tensões

Leia mais

GALPÕES PARA USOS GERAIS

GALPÕES PARA USOS GERAIS BIBLIOGRAFIA TÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA VOLUME I GALPÕES PARA USOS GERAIS Apresentação O setor siderúrgico, através do Centro Brasileiro da Construção em Aço - CBCA, tem a satisfação

Leia mais

Recomendações para a Elaboração do Projeto Estrutural

Recomendações para a Elaboração do Projeto Estrutural Universidade Estadual de Maringá - Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Disciplina: Estruturas em Concreto I Professor: Rafael Alves de Souza Recomendações para a Elaboração do Projeto

Leia mais

SISTEMAS ESTRUTURAIS

SISTEMAS ESTRUTURAIS SISTEMAS ESTRUTURAIS ENGENHARIA CIVIL Prof. Dr. Lívio Túlio Baraldi Fontes: Sales J.J., et all Sistemas Estruturais EESC/USP; Rebello Y.C.P. A concepção estrutural e a arquitetura Zigurate. 1 Elementos

Leia mais

As fundações podem ser classificadas como rasas ou profundas, diretas ou indiretas.

As fundações podem ser classificadas como rasas ou profundas, diretas ou indiretas. Memória de cálculo de fundações 1. Classificação As fundações podem ser classificadas como rasas ou profundas, diretas ou indiretas. As fundações rasas podem ser sapatas (isoladas ou corridas) e radiers

Leia mais

Eng. Renato Henrique Ferreira Branco

Eng. Renato Henrique Ferreira Branco UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL, ARQUITETURA E URBANISMO DEPARTAMENTO DE ESTRUTURAS AUTOMAÇÃO DE PROJETOS DE ESTRUTURAS PLANAS TRELIÇADAS TUBULARES DE AÇO COM ESTUDO COMPARATIVO

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DE SOLUÇÕES DE COBERTURAS METÁLICAS DE GRANDES VÃOS EM PERFIS TUBULARES. Fernando Louchard Araujo Bica Pedreira

ANÁLISE COMPARATIVA DE SOLUÇÕES DE COBERTURAS METÁLICAS DE GRANDES VÃOS EM PERFIS TUBULARES. Fernando Louchard Araujo Bica Pedreira ANÁLISE COMPARATIVA DE SOLUÇÕES DE COBERTURAS METÁLICAS DE GRANDES VÃOS EM PERFIS TUBULARES Fernando Louchard Araujo Bica Pedreira PROJETO DE GRADUAÇÃO SUBMETIDO AO CORPO DOCENTE DO CURSO DE ENGENHARIA

Leia mais

3) Calcule o alongamento elástico da peça do esquema abaixo. Seu material tem módulo de elasticidade de 2x10 5 N/mm 2.

3) Calcule o alongamento elástico da peça do esquema abaixo. Seu material tem módulo de elasticidade de 2x10 5 N/mm 2. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL CÂMPUS DE CHAPADÃO DO SUL DISCIPLINA: CONSTRUÇÕES RURAIS LISTA DE EXERCICIOS I RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS PROFESSOR: PAULO CARTERI CORADI 1) Calcule a deformação

Leia mais

EFICIÊNCIA DOS CONTRAVENTAMENTOS HORIZONTAIS EM EDIFÍCIOS INDUSTRIAIS DE AÇO DOTADOS DE PONTES ROLANTES

EFICIÊNCIA DOS CONTRAVENTAMENTOS HORIZONTAIS EM EDIFÍCIOS INDUSTRIAIS DE AÇO DOTADOS DE PONTES ROLANTES UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO ESCOLA DE MINAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL EFICIÊNCIA DOS CONTRAVENTAMENTOS HORIZONTAIS EM EDIFÍCIOS INDUSTRIAIS DE AÇO

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES

ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES 1 INDICE CAPÍTULO 5 DIMENSIONAMENTO BARRAS PRISMÁTICAS À FLEXÃO... 1 1 INTRODUÇÃO... 1 2 CONCEITOS GERAIS... 1 2.1 Comportamento da seção transversal

Leia mais

I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO

I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. DESENVONVIMENTO DE EQUIPAMENTOS E PROCEDIMENTOS

Leia mais

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço 1 Av. Brigadeiro Faria Lima, 1685, 2º andar, conj. 2d - 01451-908 - São Paulo Fone: (11) 3097-8591 - Fax: (11) 3813-5719 - Site: www.abece.com.br E-mail: abece@abece.com.br Av. Rio Branco, 181 28º Andar

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

ESTUDO DE TRELIÇAS METÁLICAS PARA COBERTURAS EM DUAS ÁGUAS ATRAVÉS DE OTIMIZAÇÃO TOPOLÓGICA

ESTUDO DE TRELIÇAS METÁLICAS PARA COBERTURAS EM DUAS ÁGUAS ATRAVÉS DE OTIMIZAÇÃO TOPOLÓGICA CONSTRUMETAL CONGRESSO LATINO-AMERICANO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA São Paulo Brasil 31 de agosto a 02 de setembro 2010 ESTUDO DE TRELIÇAS METÁLICAS PARA COBERTURAS EM DUAS ÁGUAS ATRAVÉS DE OTIMIZAÇÃO TOPOLÓGICA

Leia mais

João Alberto Venegas Requena Ana Laura Essado de Figueiredo e Santos

João Alberto Venegas Requena Ana Laura Essado de Figueiredo e Santos João Alberto Venegas Requena Ana Laura Essado de Figueiredo e Santos COLEÇÃO TÉCNICO-CIENTÍFICA V&M DO BRASIL DIMENSIONAMENTO DE LIGAÇÕES EM BARRAS 1TUBULARES DE ESTRUTURAS METÁLICAS PLANAS 1 Edição Campinas

Leia mais

COLETÂNEA DO USO DO AÇO GALPÕES EM PÓRTICOS COM PERFIS ESTRUTURAIS LAMINADOS

COLETÂNEA DO USO DO AÇO GALPÕES EM PÓRTICOS COM PERFIS ESTRUTURAIS LAMINADOS COLETÂNEA DO USO DO AÇO GALPÕES EM PÓRTICOS COM PERFIS ESTRUTURAIS LAMINADOS COLETÂNEA DO USO DO AÇO GALPÕES EM PÓRTICOS COM PERFIS ESTRUTURAIS LAMINADOS 5ª Edição 01 Flávio D Alambert Coordenação Técnica:

Leia mais

ES015 - Projeto de Estruturas Assistido por Computador: Cálculo e Detalhamento

ES015 - Projeto de Estruturas Assistido por Computador: Cálculo e Detalhamento Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas e Fundações ES015 - Projeto de Estruturas Assistido por Computador: Cálculo e Detalhamento Prof. Túlio Nogueira

Leia mais

MEMORIAL DE CÁLCULO 071811 / 1-0. PLATAFORMA PARA ANDAIME SUSPENSO 0,60 m X 2,00 m MODELO RG PFM 2.1

MEMORIAL DE CÁLCULO 071811 / 1-0. PLATAFORMA PARA ANDAIME SUSPENSO 0,60 m X 2,00 m MODELO RG PFM 2.1 MEMORIAL DE CÁLCULO 071811 / 1-0 PLATAFORMA PARA ANDAIME SUSPENSO 0,60 m X 2,00 m MODELO RG PFM 2.1 FABRICANTE: Metalúrgica Rodolfo Glaus Ltda ENDEREÇO: Av. Torquato Severo, 262 Bairro Anchieta 90200 210

Leia mais

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas Professor: Armando Sá Ribeiro Jr. Disciplina: ENG285 - Resistência dos Materiais I-A www.resmat.ufba.br 5ª LISTA

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA AUTOMATIZAÇÃO DE VERIFICAÇÃO ESTRUTURAL DE UMA TORRE METÁLICA DE TELECOMUNICAÇÕES

PROCEDIMENTO PARA AUTOMATIZAÇÃO DE VERIFICAÇÃO ESTRUTURAL DE UMA TORRE METÁLICA DE TELECOMUNICAÇÕES PROCEDIMENTO PARA AUTOMATIZAÇÃO DE VERIFICAÇÃO ESTRUTURAL DE UMA TORRE METÁLICA DE TELECOMUNICAÇÕES Glauco José de Oliveira Rodrigues Coordenação de Pós Graduação e Pesquisa / Engenharia Civil UNISUAM

Leia mais

Efeito do confinamento em elementos mistos de aço e concreto: avaliação experimental e comparação com normas

Efeito do confinamento em elementos mistos de aço e concreto: avaliação experimental e comparação com normas Efeito do confinamento em elementos mistos de aço e concreto: avaliação experimental e comparação com normas Confinement Effect in steel and concrete composite elements: experimental analyses and standard

Leia mais

Integração entre sistemas de cobertura metálica e estrutura de concreto em galpões. Aplicações em sistemas prémoldados

Integração entre sistemas de cobertura metálica e estrutura de concreto em galpões. Aplicações em sistemas prémoldados Integração entre sistemas de cobertura metálica e estrutura de concreto em galpões. Aplicações em sistemas prémoldados e tilt-up Vitor Faustino Pereira Engenheiro Civil Professor Adjunto UEL Sócio Diretor:

Leia mais

ESTRUTURA PARA ENGRADAMENTO DE TELHADOS DE RESIDÊNCIAS COM SISTEMA LIGHT STEEL FRAMING

ESTRUTURA PARA ENGRADAMENTO DE TELHADOS DE RESIDÊNCIAS COM SISTEMA LIGHT STEEL FRAMING ESTRUTURA PARA ENGRADAMENTO DE TELHADOS DE RESIDÊNCIAS COM SISTEMA LIGHT STEEL FRAMING ALEXANDRE KOKKE SANTIAGO, Arq. M.Sc. FRANCISCO CARLOS RODRIGUES, Prof. Dr. MAÍRA NEVES RODRIGUES, Arq. M.Sc. ESTRUTURAS

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA O PROJETO E DIMENSIONAMENTO DE EDIFÍCIOS DE MÚLTIPLOS ANDARES COM ELEMENTOS ESTRUTURAIS MISTOS AÇO - CONCRETO

CONTRIBUIÇÃO PARA O PROJETO E DIMENSIONAMENTO DE EDIFÍCIOS DE MÚLTIPLOS ANDARES COM ELEMENTOS ESTRUTURAIS MISTOS AÇO - CONCRETO ISSN 1809-5860 CONTRIBUIÇÃO PARA O PROJETO E DIMENSIONAMENTO DE EDIFÍCIOS DE MÚLTIPLOS ANDARES COM ELEMENTOS ESTRUTURAIS MISTOS AÇO - CONCRETO Marcela de Arruda Fabrizzi 1 & Roberto Martins Gonçalves 2

Leia mais

COMPARAÇÃO DOS PARÂMETROS QUANTITATIVOS DE UMA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO EM RELAÇÃO A RESISTÊNCIA CARACTERÍSTICA DO CONCRETO, O f CK

COMPARAÇÃO DOS PARÂMETROS QUANTITATIVOS DE UMA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO EM RELAÇÃO A RESISTÊNCIA CARACTERÍSTICA DO CONCRETO, O f CK COMPARAÇÃO DOS PARÂMETROS QUANTITATIVOS DE UMA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO EM RELAÇÃO A RESISTÊNCIA CARACTERÍSTICA DO CONCRETO, O f CK Samuel Hilgert Pizzetti (1) (1) Engenheiro Civil, Empresa Pizzetti

Leia mais

Concepções estruturais 1 ª aula. Professores: Nádia Forti João Carlos Rocha Braz

Concepções estruturais 1 ª aula. Professores: Nádia Forti João Carlos Rocha Braz Concepções estruturais 1 ª aula Professores: Nádia Forti João Carlos Rocha Braz Ante - Projeto O que você quer? Satisfazer as necessidades e possibilidades do cliente; Espaços; Volume; Estética. Ante -

Leia mais

COMPARAÇÃO DE CÁLCULOS ANALÍTICOS COM ELEMENTOS FINITOS DE VIGAS COMPOSTAS

COMPARAÇÃO DE CÁLCULOS ANALÍTICOS COM ELEMENTOS FINITOS DE VIGAS COMPOSTAS COMPARAÇÃO DE CÁLCULOS ANALÍTICOS COM ELEMENTOS FINITOS DE VIGAS COMPOSTAS Benedito Rabelo de Moura Junior 1, Denis da Silva Ponzo 2, Júlio César Moraes 3, Leandro Aparecido dos Santos 4, Vagner Luiz Silva

Leia mais

RT 2.003 Página 1 de 15 TÍTULO: DIMENSIONAMENTO DE POSTE DE CONCRETO COM SEÇÃO CIRCULAR, UTILIZADO EM REDE DE DISTRIBUIÇÃO

RT 2.003 Página 1 de 15 TÍTULO: DIMENSIONAMENTO DE POSTE DE CONCRETO COM SEÇÃO CIRCULAR, UTILIZADO EM REDE DE DISTRIBUIÇÃO RT 2.003 Página 1 de 15 1. OBJETIVO Estabelecer parâmetros técnicos para subsidiar a padronização dos critérios para dimensionamento de postes de concreto com seção circular padronizados para uso em Redes

Leia mais

Tabelas de Cálculo para Utilização em Estruturas de AMARU PERFILADO

Tabelas de Cálculo para Utilização em Estruturas de AMARU PERFILADO Tabelas de Cálculo para Utilização em Estruturas de AMARU PERFILADO Projeto de capacitação profissional: Plantar Empreendimentos e Produtos Florestais Ltda e Montana Química S.A Tabelas de Cálculo para

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. Josiane Luiza Frantz DIMENSIONAMENTO DE PAVILHÃO INDUSTRIAL COM ESTRUTURA EM AÇO

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. Josiane Luiza Frantz DIMENSIONAMENTO DE PAVILHÃO INDUSTRIAL COM ESTRUTURA EM AÇO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Josiane Luiza Frantz DIMENSIONAMENTO DE PAVILHÃO INDUSTRIAL COM ESTRUTURA EM AÇO Santa Cruz do Sul, dezembro de 2011 2 Josiane Luiza Frantz DIMENSIONAMENTO DE PAVILHÃO INDUSTRIAL

Leia mais

A solução ideal para o projetista, ferramenta fundamental para desenhar e calcular estruturas metálicas, em 2D e 3D. Steel&Graphics srl Via Ca Nova Zampieri, 4/E 37057 San Giovanni Lupatoto Verona Tel.

Leia mais

RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR 14762 E O MÉTODO DA RESISTÊNCIA DIRETA

RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR 14762 E O MÉTODO DA RESISTÊNCIA DIRETA CONSTRUMETAL CONGRESSO LATINO-AMERICANO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA São Paulo Brasil 31 de agosto a 02 de setembro 2010 RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR 14762 E O MÉTODO

Leia mais

OBTENÇÃO DE CONFIGURAÇÕES ECONÔMICAS PARA O PROJETO DE TESOURAS EM AÇO

OBTENÇÃO DE CONFIGURAÇÕES ECONÔMICAS PARA O PROJETO DE TESOURAS EM AÇO CONSTRUMETAL CONGRESSO LATINO-AMERICANO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA São Paulo Brasil 31 de agosto a 02 de setembro 2010 OBTENÇÃO DE CONFIGURAÇÕES ECONÔMICAS PARA O PROJETO DE TESOURAS EM AÇO 1. Guilherme Fleith

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA Jefferson Bruschi da Silva (1); Cristiano Richter (2); Jean Marie Désir (3); (1) Universidade do Vale do Rio dos Sinos,

Leia mais

CÁLCULO DE LIGAÇÕES EM ESTRUTURA METÁLICA: APLICAÇÕES E RECOMENDAÇÕES NORMATIVAS

CÁLCULO DE LIGAÇÕES EM ESTRUTURA METÁLICA: APLICAÇÕES E RECOMENDAÇÕES NORMATIVAS CÁLCULO DE LIGAÇÕES EM ESTRUTURA METÁLICA: APLICAÇÕES E RECOMENDAÇÕES NORMATIVAS Emmyle Marcon Eng. Civil Setor de Eng. METASA S/A emmylemarcon@hotmail.com Zacarias M. Chamberlain Pravia D. Sc., Professor

Leia mais

2 Revisão Bibliográfica

2 Revisão Bibliográfica 24 2 Revisão Bibliográfica 2.1.Introdução Neste capítulo são apresentados detalhes e alternativas para desenvolver este tipo de projeto e, ao mesmo tempo, a terminologia usada neles. De acordo com o Manual

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE ESTAÇÃO

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE ESTAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO 1. DADOS GERAIS: 1.1. Proprietário: Município de Estação/RS CNPJ: 92.406.248/0001-75 1.2. Obra: Cobertura Metálica da Escola Municipal de Ensino Fundamental Pedro Cecconelo 1.3. Local:

Leia mais

TORRE ESTAIADA ESPECIFICAÇÃO DOS MATERIAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS ACESSÓRIOS

TORRE ESTAIADA ESPECIFICAÇÃO DOS MATERIAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS ACESSÓRIOS TORRE ESTAIADA A torre estaiada é a solução mais econômica por atingir grandes alturas e com elevada capacidade de carga, porém exige-se disponibilidade de terreno para sua instalação. Possui seção transversal

Leia mais

Reforço de fundação do Tipo Tubulão em Torres de Telecomunicacões Anderson Alvarenga Ferreira 1, Tulio Acerbi 2

Reforço de fundação do Tipo Tubulão em Torres de Telecomunicacões Anderson Alvarenga Ferreira 1, Tulio Acerbi 2 Reforço de fundação do Tipo Tubulão em Torres de Telecomunicacões Anderson Alvarenga Ferreira 1, Tulio Acerbi 2 1 Universidade de Uberaba / andersonaf@outlook.com 2 Universidade de Uberaba / tulio.acerbi@gmail.com

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS Fábio Sumara Custódio (1), Marcio Vito (2) UNESC Universidade do Extremo

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS

ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS 1 INDICE CAPÍTULO 1 - AÇOS ESTRUTURAIS...1 1 INTRODUÇÃO - HISTÓRICO... 1 2 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DAS ESTRUTURAS DE AÇO... 2 3 REFERÊNCIAS NORMATIVAS...

Leia mais

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas.

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas. 2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 212 Duração prevista: até 4 horas. Esta prova tem oito (8) questões e três (3) laudas. Consulta permitida somente ao formulário básico.

Leia mais

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/109/imprime31727.asp Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/109/imprime31727.asp Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas 1 de 9 01/11/2010 23:26 Como construir Lajes com EPS Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas As lajes tipo volterrana abriram a trajetória das lajes pré-moldadas. O sistema utiliza

Leia mais

PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA O CÁLCULO DE ESTRUTURAS MISTAS DE CONCRETO COM TRELIÇA PLANA, UTILIZANDO BARRAS TUBULARES (1)

PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA O CÁLCULO DE ESTRUTURAS MISTAS DE CONCRETO COM TRELIÇA PLANA, UTILIZANDO BARRAS TUBULARES (1) PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA O CÁLCULO DE ESTRUTURAS MISTAS DE CONCRETO COM TRELIÇA PLANA, UTILIZANDO BARRAS TUBULARES (1) Sérgio Luiz Montagner (2) João Alberto Venegas Requena (3) Resumo: Pode-se citar

Leia mais

Geotécnica, ppimenta@usp.br

Geotécnica, ppimenta@usp.br Dimensionamento de Regiões D Através do Método dos Elementos Finitos e o Método de Bielas e Tirantes Henrique Towata Sato 1, Paulo de Mattos Pimenta 2 1 Escola Politécnica da Universidade de São Paulo,

Leia mais

01 projeto / normalização

01 projeto / normalização 01 projeto / normalização revisão_das_práticas_recomendadas para_edificações_de_até_5_pavimentos apresentação O trabalho é uma revisão da primeira versão das PRs, que serve como texto base para a norma

Leia mais

Outubro de 2014 Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Catalão

Outubro de 2014 Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Catalão Memorial Descritivo Outubro de 2014 Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Catalão GALPÃO EM AÇO ESTRUTURAL ATERRO SANITÁRIO MUNICIPAL DE CATALÃO RESPONSÁVEL TÉCNICO: RAFAEL FONSECA MACHADO CREA: 18702

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL,ARQUITETURA E URBANISMO Departamento de Estruturas EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA RAFAEL SIGRIST PONTES MARTINS,BRUNO FAZENDEIRO DONADON

Leia mais

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas TUPER Mais de 40 anos transformando aço e conduzindo soluções. A Tuper tem alta capacidade de transformar o aço em soluções para inúmeras

Leia mais

ANÁLISE TEÓRICO-EXPERIMENTAL DE PLACAS DE BASE DE COLUNAS METÁLICAS TUBULARES

ANÁLISE TEÓRICO-EXPERIMENTAL DE PLACAS DE BASE DE COLUNAS METÁLICAS TUBULARES UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO ESCOLA DE MINAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL MESTRADO EM CONSTRUÇÕES METÁLICAS ANÁLISE TEÓRICO-EXPERIMENTAL DE PLACAS DE BASE DE COLUNAS METÁLICAS TUBULARES GISELE

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DAS BARRAS DE AÇO DA ARMADURA DE BLOCOS SOBRE ESTACAS

DIMENSIONAMENTO DAS BARRAS DE AÇO DA ARMADURA DE BLOCOS SOBRE ESTACAS DIMENSIONAMENTO DAS BARRAS DE AÇO DA ARMADURA DE BLOCOS SOBRE ESTACAS B. C. S. Lopes 1, R. K. Q. Souza, T. R. Ferreira 3, R. G. Delalibera 4 Engenharia Civil Campus Catalão 1. bcs_90@hotmail.com;. rhuankarlo_@hotmail.com;

Leia mais

h = comprimento de flambagem nas duas direções

h = comprimento de flambagem nas duas direções Pilares Como se sabe, o pilar é uma barra submetida predominantemente a compressão axial. Em alguns casos, entretanto, os pilares podem ficar submetidos, além do esforço de compressão axial, ao esforço

Leia mais

VIGA MISTA DE AÇO E CONCRETO CONSTITUÍDA POR PERFIL FORMADO A FRIO PREENCHIDO

VIGA MISTA DE AÇO E CONCRETO CONSTITUÍDA POR PERFIL FORMADO A FRIO PREENCHIDO VIGA MISTA DE AÇO E CONCRETO CONSTITUÍDA POR PERFIL FORMADO... 151 VIGA MISTA DE AÇO E CONCRETO CONSTITUÍDA POR PERFIL FORMADO A FRIO PREENCHIDO Igor Avelar Chaves Maximiliano Malite Departamento de Engenharia

Leia mais

ESTUDO DE LIGAÇÕES PINADAS COM CHAPA DE TOPO PARA APLICAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS TRELIÇADAS TUBULARES PLANAS

ESTUDO DE LIGAÇÕES PINADAS COM CHAPA DE TOPO PARA APLICAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS TRELIÇADAS TUBULARES PLANAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL, ARQUITETURA E URBANISMO ESTUDO DE LIGAÇÕES PINADAS COM CHAPA DE TOPO PARA APLICAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS TRELIÇADAS TUBULARES PLANAS

Leia mais

TENSÕES MECÂNICAS ADMISSÍVEIS PARA ELABORAÇÃO E/OU VERIFICAÇÃO DE PROJETOS DE TRAVESSIAS AÉREAS UTILIZANDO CABOS SINGELOS DE ALUMÍNIO COM ALMA DE AÇO

TENSÕES MECÂNICAS ADMISSÍVEIS PARA ELABORAÇÃO E/OU VERIFICAÇÃO DE PROJETOS DE TRAVESSIAS AÉREAS UTILIZANDO CABOS SINGELOS DE ALUMÍNIO COM ALMA DE AÇO RT 2.002 Página 1 de 6 1. OBJETIVO Estabelecer parâmetros técnicos para subsidiar a padronização dos critérios para adoção de tensões mecânicas de projeto quando da utilização de cabos singelos de alumínio

Leia mais

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE UMA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO ANALISANDO A RIGIDEZ DO ENGASTAMENTO ENTRE VIGAS E PILARES E UTILIZANDO

Leia mais

EDIFÍCIOS DE PEQUENO PORTE ESTRUTURADOS EM AÇO

EDIFÍCIOS DE PEQUENO PORTE ESTRUTURADOS EM AÇO BIBLIOGRAFIA TÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA VOLUME IV EDIFÍCIOS DE PEQUENO PORTE ESTRUTURADOS EM AÇO Apresentação O setor siderúrgico, através do Centro Brasileiro da Construção

Leia mais

Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada

Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada COBRAMSEG : ENGENHARIA GEOTÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE. ABMS. Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada Sérgio Barreto

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE UMA BIELA DE COMPRESSOR HERMÉTICO QUANTO À FADIGA ATRAVÉS DE ANÁLISE POR ELEMENTOS FINITOS

DIMENSIONAMENTO DE UMA BIELA DE COMPRESSOR HERMÉTICO QUANTO À FADIGA ATRAVÉS DE ANÁLISE POR ELEMENTOS FINITOS XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 DIMENSIONAMENTO DE UMA BIELA DE COMPRESSOR HERMÉTICO QUANTO À FADIGA ATRAVÉS DE ANÁLISE POR

Leia mais