Estudo comparativo dos modelos de governança de Áreas Metropolitanas na União Europeia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo comparativo dos modelos de governança de Áreas Metropolitanas na União Europeia"

Transcrição

1 Estudo comparativo dos modelos de governança de Áreas Metropolitanas na União Europeia Elaborado pela Goberna America Latina Escuela de Política e Alto Gobierno para a Área Metropolitana do Porto com o apoio de

2 Estudo comparativo dos modelos de governança de Áreas metropolitanas na União Europeia. Madrid, Fevereiro de

3 Tabela de conteúdo I. Áreas metropolitanas. Modelos de governança e competências:... 4 II. Estudos de casos de AM na União Europeia III. Algumas Conclusões Planos de áreas metropolitanas Plano 1 - Área metropolitana de Lyon Plano 2 - Área metropolitana de Paris Plano 3 - Área metropolitana de Barcelona Plano 4- Área metropolitana de Berlim

4 Introdução O objectivo deste trabalho é oferecer uma visão geral do funcionamento e dos modelos de governança das Áreas Metropolitanas (AM) existentes na União Europeia que se organizam em torno a cidades de média dimensão. O documento consta de três partes: Na primeira parte, apresentam-se os modelos de governança e as funções básicas de uma área metropolitana. Primeiramente, revêem-se, de modo sucinto os critérios de definição das áreas metropolitanas (geográficos, administrativos, económicos, etc.). Em seguida, efectua-se uma revisão dos principais modelos de constituição jurídico-institucional e apresentam-se, de forma não exaustiva, as principais competências, territoriais e outras, que caberia exercer, em princípio, a partir de uma instância executiva metropolitana. Na segunda parte, apresentam-se estudos de casos das áreas metropolitanas constituídas com base nos núcleos urbanos de quatro cidades europeias. Para cada uma, faz-se uma descrição do contexto administrativo e institucional, nacional e regional, da sua organização jurídica e política, do seu território e das competências das suas instâncias. Na terceira parte, apresentam-se as conclusões de uma breve análise de política comparada dos quatro casos, bem como as implicações dos aspectos da coordenação multiactor e multinível das AM e seu ambiente. A análise efectua-se de tal modo que possa sugerir, a partir das experiências existentes, dicas de trabalho para a criação de instituições executivas de AM em zonas em que as mesmas não existam actualmente. Neste sentido, procurou-se responder a duas perguntas: Existe um modelo de governança ideal ou o modelo de governança é condicionado não determinado - pelo contexto institucional nacional e local? Neste último caso, qual seria o modelo de governança recomendável em diversas situações? Paralelamente, existem competências inerentes à gestão de uma área metropolitana? Qual a importância do contexto institucional nacional, regional e local na definição das competências de uma instância executiva de uma área metropolitana? 3

5 I. Áreas metropolitanas : modelos de governança e competências básicas. A respeito da definição de uma área metropolitana (AM), colocam-se as seguintes perguntas: Quais são os critérios de definição da mesma? Como se constitui institucional e administrativamente? Quais são as suas competências e as políticas públicas que correspondem ao seu nível? Uma AM constitui uma realidade independente da existência de uma instituição executiva sub-nacional cujas competências se exerceriam sobre o seu territorio. Em si mesma, é uma realidade urbana, geográfica, demográfica, sócio-económica, por vezes identitária. Para além disso, como toda a cidade ou realidade urbana, é um ser vivo sujeito a um devir permanente. Uma AM, como toda a cidade, cresce ou decresce em termos demográficos, territoriais, económicos e a sua realidade sócio-económica evolui no tempo e no espaço. Este carácter vivo das áreas metropolitanas torna difícil a existência de uma coincidência entre o território metropolitano (ou a zona urbana) e o território no qual se exercem as competências da instituição executiva metropolitana. Neste campo, como se demonstra em diversos trabalhos da OCDE, a excepção acaba por se converter na regra. É preciso sublinhar que esta situação de desfasamento territorial é, de facto, independente do processo de constituição das instâncias executivas. Costuma registar-se que o processo é impulsado pelo Estado ou pelos municípios integrados na área metropolitana em causa. Talvez seja mais evidente quando as instituições não tenham sido criadas ad hoc. Em todo o caso, não deixa de colocar sérios problemas de governabilidade, de eficácia e eficiência das políticas públicas, de coordenação das mesmas e de coesão territorial e social nas AM em permanente crescimento. Cabe, talvez, ter presente esta advertência de carácter geral, para raciocinar mais em termos de procura second best que de óptimo, nestes campos das políticas públicas. 1.1 Critérios de definição territorial da área metropolitana: Segundo a metodologia da OCDE, uma região ou grupo de regiões é classificada como uma região metropolitana se se cumprem os seguintes critérios: 1. Densidade populacional: a região classifica-se como predominantemente urbana de acordo com a tipologia regional da OCDE; 2. Tamanho do núcleo populacional: selecciona somente as regiões; 4

6 3. Tráfego: Os viajantes devem representar, pelo menos, 10% da força da mão-deobra residente nas regiões seleccionadas predominantemente urbanas, com mais de um milhão de habitantes, tendo em conta a proximidade e a rede de transportes, entre outros factores. 4. Dimensão da população metropolitana: Caso a população total da área definida segundo os critérios anteriores superar habitantes, a região será, então, considerada metropolitana (OCDE, 2008). Ao definir o alcance territorial, isto é, a extensão física da área metropolitana, podemos distinguir dois critérios básicos: 1) De continuidade urbana: é um criterio eminentemente físico, que toma em conta a aglomeração urbana e a extensão do entrosamento entre municipios, a partir de um determinado nível de ocupação do solo. 2) De interdependência funcional: define a área metropolitana a partir das interacções concretas e as problemáticas específicas que vinculam os municípios próximos entre si, em termos económico-produtivos, sócio-culturais, ambientais, etc. Considerando estes critérios, existe uma dupla dimensão presente na definição territorial de uma área metropolitana: uma física e uma funcional. No entanto, conforme for o caso, pode predominar um critério sobre o outro; por exemplo, a existência de problemáticas comuns pode ter maior relevância na definição de uma área metropolitana específica que a continuidade territorial. O predomínio de um ou do outro critério não se limita a uma diferença formal ou teórica na abordagem das políticas metropolitanas, antes podendo determinar uma extensão e uma configuração física muito diferentes ao definir o território de uma determinada área metropolitana. Actualmente, existe uma tendência a adoptar de forma crescente o critério de interdependência funcional na definição da área metropolitana, considerando que este critério admite a constituição de um espaço com flexibilidade suficiente para oferecer soluções adaptadas às diversas problemáticas que se apresentam, tendo em conta que os actores envolvidos podem variar segundo a temática considerada. Assim, por exemplo, pode dar-se o caso de que os municípios que participem na discussão sobre políticas de desenvolvimento de um frente costeiro possam não ser os mesmos que os que se envolvam em políticas de usos de solo agrícola. A estes critérios de carácter territorial e económico, adicionam-se critérios de carácter administrativo, político ou eleitoral. Principalmente, a nível administrativo, pode ser impossível incluir formalmente numa AM municípios que pertençam a outras 5

7 entidades subregionais, se tal inclusão não se encontrar prevista na Lei (caso frequente, como se verá mais adiante). É necessário mencionar que alguns esquemas de governança permitem introduzir uma flexibilidade funcional dos integrantes de uma autoridade metropolitana (por exemplo, participação em determinadas empresas públicas ou mistas em função dos interesses dos municípios) que, por sua vez, permite que o princípio de continuidade territorial e, talvez, também o de coesão territorial prevaleçam sobre o de funcionalidade. 1.2 Processos de constituição de uma AM Uma vez definida a extensão territorial da AM, resta definir a AM em termos administrativos ou institucionais, o que, por diversas razões (de carácter histórico, político, eleitoral, etc.) pode levar à delimitação de um território que não coincide com a definição geográfica. Esquematicamente, podem identificar-se três instâncias no processo de constituição de uma área metropolitana, independentemente do seu grau ou forma de institucionalização: 1) Uma instância de acordo político-institucional, na qual as autoridades e os actores estratégicos do território reconhecem a necessidade de uma articulação a nível metropolitano e acordam conformar um âmbito de trabalho conjunto. 2) Uma instância de planeamento de políticas metropolitanas, na qual se discutem as linhas estratégicas para a abordagem das problemáticas de alcance metropolitano. 3) Uma instância de execução das políticas metropolitanas, na qual se implementam as acções específicas para a prossecução dos objectivos estratégicos no território. Cada um destes momentos tem uma composição diversa, em termos de elementos políticos e técnicos. Na etapa de acordo institucional, predominará a componente política, enquanto que na instância de execução tenderá a impor-se a perspectiva técnica, encontrando-se ambas as componentes num relativo equilíbrio na instância de planeamento. Na estruturação das áreas metropolitanas está em jogo a interacção de diferentes níveis, a partir da intervenção de actores do âmbito nacional, provincial/regional e local. No entanto, para dar impulso e continuidade ao processo de institucionalização da área metropolitana, parece insustituível a firme vontade dos actores locais de impulsar este processo. Não menos imprescindível é que o mesmo desemboque numa norma com força de lei, aprovada a nível nacional ou por uma entidade regional superior (Estado federado, Comunidade autónoma) com a capacidade legislativa necessária para o efeito. 6

8 1.3 Entidades territoriais e entidades institucionais Em termos das formas de organização das áreas metropolitanas, pode-se distinguir, por um lado, entre as que têm a sua origem numa instância jurídica de nível superior ao local (lei nacional, provincial ou estadual) e, por outro, as que nascem do acordo horizontal entre os municípios de uma área determinada que aceitam delegar recursos e competências neste novo nível de organização supramunicipal. De igual forma, as organizações supramunicipais que se estruturam a nível metropolitano podem ser entidades de carácter territorial ou de carácter institucional. No primeiro caso, as entidades territoriais são entendidas como um nível mais da administração do Estado, contando com competências próprias (não delegadas) em matéria financeira e tributária. Movem-se com fins universais e suas competências são gerais, podendo reorientar-se ou assumir novas funções específicas em função de uma necessidade concreta. As entidades de carácter institucional, pela sua parte, tem por objecto a prossecução de uma finalidade determinada, uma série de objectivos e funções explicitados no momento do seu acordo ou constituição. Neste sentido, distinguem-se das entidades territoriais por estarem orientadas para objectivos específicos, delimitados, que determinam o alcance da sua actuação. Em todos os casos, operam com base em competências delegadas pelos municípios que as criaram e os seus recursos não são próprios, antes provindo das contribuições das administrações locais que as integram. Esta última distinção torna-se relevante ao definir as condições necessárias para a conformação destas entidades supramunicipais, requerendo-se, conforme for o caso, um quadro normativo nacional, estatal ou provincial que opere como chapéu-dechuva jurídico das entidades territoriais e/ou de um acordo intermunicipal que impulse as entidades institucionais (quando os municípios tenham capacidade legal reconhecida para delegar estas funções noutras entidades, de carácter intermunicipal ou não, públicas, mistas ou privadas). De modo muito esquemático, podemos sintetizar no seguinte quadro alguns aspectos que ilustram a natureza destas duas amplas tipologias que caracterizam a estruturação institucional das áreas metropolitanas em função da sua origem: 7

9 QUADRO 1 Entidades territoriais e institucionais Entidade territorial Entidade institucional Quadro normativo Lei nacional, regional ou provincial Acordo intermunicipal Objectivos e competências Genéricas e de origem Específicas e delegadas Recursos e financiamento Recursos financeiros e tributários próprios Recursos transferidos pelos municípios Forma de organização Fonte: elaboração própria Autoridades eleitas de forma directa ou por delegação Autoridades designadas pelos municípios que a integram A título de exemplo, podemos considerar as Áreas Metropolitanas em Espanha como casos de entidades territoriais, enquanto que os Consórcios de Municípios na França e as Mancomunidades de Municípios em Espanha poderiam classificar-se como entidades institucionais, mesmo no caso do seu funcionamento se encontrar regulado por lei nacional ou regional. 1.4 Modelos de governabilidade metropolitana Podem-se identificar cinco critérios que permitem caracterizar diversos modelos de governabilidade metropolitana. Estes critérios combinar-se-ão para conseguir definir um modelo de governabilidade mais adequado a cada realidade, em função do contexto institucional, político e histórico no qual se insere: a) Segundo o grau de institucionalização: a caracterização dos diversos tipos de governabilidade metropolitana define-se, fundamentalmente, a partir do grau de institucionalização alcançado, resultando em três modelos: - O Governo Metropolitano: pode ser de um nível (por anexação ou fusão de municípios) ou de dois níveis (conserva-se a autonomia local mas delegam-se 8

10 competências numa autoridade metropolitana). Representa a criação de um novo âmbito de governo, sendo a alternativa com maior grau de institucionalidade. - A coordenação vertical: a partir de um âmbito de governo existente (departamento, comunidade, província, região) ou de uma agência sectorial (transporte, higiene, segurança). Possui um grau intermédio de institucionalização, pois gera instâncias de coordenação com um alcance delimitado. - A colaboração horizontal: trata-se da cooperação intermunicipal que surge da própria iniciativa dos governos locais, em que se destaca a flexibilidade e o consenso. Corresponde ao modelo menos institucionalizado, centrando-se mais nas funções que no desenvolvimento de estruturas administrativas. b) Segundo o grau de fragmentação institucional: o grau de fragmentação institucional do território metropolitano determina-se por três factores: o número de municípios que integram a área metropolitana; os âmbitos de governo que intervêm no planeamento e coordenação metropolitana; e outros organismos, dedicados ao posicionamento estratégico da região, à assistência técnica aos municípios, à gestão de serviços ou ao planeamento. c) Segundo as competências: outro aspecto presente na caracterização de um território metropolitano é o número e natureza das suas competências ou interesses de alcance intermunicipal. Estas competências são abordadas de forma vinculativa ou não - desde o âmbito metropolitano, umas vezes de maneira exclusiva e habitualmente em concorrência com outros níveis da administração governamental. Uma enumeração ampla, mas não exaustiva, destas competências poderia incluir temáticas como: ordenamento do território, urbanismo, infra-estrutura, tránsito, transporte público, desenvolvimento económico, higiene ambiental, turismo, cultura, habitat, segurança, emergências, educação, saúde, serviços sociais. d) Segundo o financiamento: a natureza e origem dos recursos financeiros com que operam as estruturas metropolitanas constituem um aspecto central na determinação do seu grau de autonomia. Segundo a modalidade de organização, estes fundos podem ser próprios, com origem em taxas e impostos metropolitanos, ou transferidos pelos governos municipais ou regional e nacional. e) Segundo a representação: este critério refere-se à legitimidade política da estrutura de governabilidade metropolitana, a partir da modalidade de eleição dos seus representantes políticos. Tal legitimidade poderá ser directa, quando os representantes são eleitos sem intermediação pela cidadania, ou indirecta, quando são eleitos por delegação pelos municípios. 9

11 Não obstante, para além de qualquer caracterização ou modelo de referência, ao reflectir sobre os mecanismos e estruturas de governabilidade metropolitana no que toca a uma realidade concreta, torna-se evidente a necessidade de conhecer essa sociedade urbana: Qual é a relação população-território?, Que desafios apresenta?, Que respostas são as mais adequadas à luz da sua história e da sua estrutura política e económica? Um modelo de articulação metropolitana feito à medida de uma determinada região dificilmente poderá ser aplicado a um território diferente, sem um esforço de adaptação e compreensão do seu ambiente particular. É certo que existirão similitudes, contraposições, mas acima de tudo o que se encontra são identidades urbanas únicas e intransferíveis. 1.5 Competências Actualmente, as problemáticas que enfrentam os governos locais e regionais, em esquemas mais ou menos formalizados de interacção metropolitana, excedem os seus limites jurídico-administrativos, bem como os recursos políticos, técnicos e económicos que cada um dos actores do território possam colocar em jogo individualmente. Os desafios que enfrentam os conglomerados urbanos são também de natureza muito diversa, abrangendo problemáticas que vão da gestão do transporte de carga e passageiros, passando pela provisão de infra-estruturas, articulação da saúde pública, coordenação de políticas de higiene ambiental, ao desenvolvimento económico, à estruturação de encadeamentos produtivos ou ao uso racional do solo, por referir apenas alguns exemplos. Não só o leque de sectores que pode potencialmente requerer a atenção de um governo metropolitano é muito amplo mas também é mais do que isso, trata-se de um leque que vai do nível micro ao nível macro; porém, suas competências essenciais costumam se referir mais bem ao nível meso. No entanto, poderiamos afirmar que as políticas locais e regionais, nelas se incluindo as metropolitanas, tendem hoje em dia a responder a três grandes objectivos A coesão territorial e social; A competitividade do território, em particular através da inovação tecnológica e social, o emprego e a educação; O aprofundamento da descentralização e da democracia local. Aproximar-se da realização destas metas implica a identificação, formulação, execução e avaliação das políticas públicas adequadas tanto em campos tradicionais como em campos novos e inovadores para os governos locais e regionais. De acordo com a classificação tradicional, as competências geralmente exercidas pelas instâncias metropolitanas abrangem os seguintes campos: 10

12 QUADRO 2.- Competências sectoriais das Áreas Metropolitanas Desenvolvimento económico Habitação Ordenamento do território Mobilidade Meio ambiente Desenvolvimento social Funções soberanas Outros Fonte: elaboração própria Desenvolvimento económico Turismo Habitação social Ordenamento do território Urbanismo Infra-estrutura Transporte público Tránsito Higiene ambiental Tratamento de águas Parques públicos Educação Saúde Serviços sociais Cultura Segurança Emergências Como se pode observar, a maioria destas competências é partilhada com outros níveis de governo, tanto superiores (regional, nacional), como inferiores (municipal). Dai que, na questão fundamental da delimitação das competências da AM, se abordem desde o início assuntos tais como a articulação com os outros actores e a definição de políticas públicas multiactores e multinível para a maior parte das competências. Na parte seguinte, partindo de 4 experiências concretas, procurar-se-á efectuar uma análise mais fina destas competências, sempre com a advertência prévia de que, na definição destas, o contexto institucional preexistente assume um papel fundamental. 11

13 II. Estudo de casos de 4 Áreas Metropolitanas na União Europeia. Para os fins deste estudo, seleccionaram-se quatro áreas metropolitanas constituídas em torno de cidades de média dimensão: Área Metropolitana de Barcelona Grande Lyon (Communauté Urbaine de Lyon) Paris Île de France Berlim Para a selecção de um universo limitado de estudo de casos, tentou-se que estes sejam ao mesmo tempo o mais pertinentes para os objectivos do estudo e o mais representativos da realidade metropolitana da União Europeia. Para a elaboração desta representatividade, teve-se em conta uma série de critérios (resumidos no quadro infra) que permitam reflectir a diversidade de situações em que se encontram as áreas metropolitanas. 1. No Estudo metodológico OECD METHODOLOGY FOR THE DEFINITION OF METROPOLITAN REGIONS (2008), sobre o fundamento dos critérios de definição de uma área metropolitana (vide supra), a OCDE identifica 90 áreas metropolitanas em seus países membros, dos quais apenas 37 na União Europeia (em Portugal, apenas Lisboa). Embora reduzido, este universo encontra-se inserido em realidades nacionais muito diferentes. 2. Na maior parte dos países da União Europeia (ou pelo menos da UE 15), existem três ou quatro níveis territoriais infraestatais. Isto constitui um primeiro indicador do grau de descentralização dos diversos países. Outros indicadores são a organização do Estado (federal, unitário) e o alcance dos poderes, as competências e os recursos descentralizados em favor dos níveis de governo local e regional. (Parte-se do pressuposto de que a descentralização de competências vai acompanhada dos recursos financeiros, materiais e humanos correspondentes ainda que possa não ser essa a norma). 3. Propõe-se classificar os países em três tipos, de acordo com o seu grau de descentralização, em função de se o nível mais alto de governo local ou regional: 12

14 é simplesmente uma transferência do poder central e corresponde a uma mera desconcentração (regiões administrativas) corresponde à descentralização num Estado unitário, mas com algum grau de homogeneidade nas transferências de competências para as particularidades regionais (FR), o que poderiamos denominar descentralização homogénea. corresponde a uma descentralização de algumas autoridades federais ou regionais fortes, incluindo poderes legislativos, no âmbito de Estados federais, quase federais ou unitários (DE, BE, ES) QUADRO 3.- Características das Áreas Metropolitanas seleccionadas Grau de descentralização do país Número de níveis infraestatais Coincidência territorial com a AM AM BARCELONA GRANDE LYON PARIS ÎLE DE FRANCE BERLIM Forte Homogénea Homogénea Homogénea Forte Forte Forte Baixa Baixa Baixa Cidade Capital NÃO NÃO SIM SIM SIM Forma de governança indirecta indirecta directa directa directa Capacidade NÃO NÃO NÃO NÃO SIM legislativa Estatuto Zona Cidade e Cidade e ECPI Região metropolitana Departamento Land Fonte: elaboração própria 4. Outro critério radica na coincidência do território da área metropolitana (ou da zona urbana) com o território no qual se exercem as competências do governo metropolitano. Existe uma correlação clara entre o tipo de instituições e a 13

15 cobertura territorial. Só as instâncias intramunicipais criadas ad hoc cobrem o território da área metropolitana, enquanto que, quase por definição, os governos locais ou regionais preexistentes têm um território limitado ou que, no melhor dos casos, vai além da zona metropolitana (caso da Região de Île-de- France). Este desfasamento tem custos em termos de eficácia das políticas que se deveriam aplicar a nível do território da área metropolitana. De facto, as instituições podem ver-se incapacitadas de contribuir com soluções viáveis para os problemas essenciais que as diversas fórmulas de inter-municipalidade procuram resolver. As limitações dos acordos de cooperação horizontal de Berlim Brandemburgo ou a falta de coordenação na Grande Paris são exemplos desta situação, apesar das numerosas formas de acordos e concertação existentes entre os actores das respectivas áreas. 5. Como regra geral, na medida em que a autoridade de uma Área Metropolitana corresponde a uma colectividade territorial existente e inserida no sistema de descentralização do Estado, a eleição dos conselheiros, parlamentários, deputados, etc. é directa. A eleição do Presidente da instituição é feita, em geral, pela Assembleia regional. Pelo contrário, se a forma jurídica da organização da AM provém de um acordo intermunicipal, no âmbito de uma lei regional ou nacional, a eleição dos seus dirigentes costuma ser indirecta, realizada por e entre os conselheiros municipais dos municípios que conformam a AM. Isto sucede quer o acordo intermunicipal seja promovido pelos municípios que conformam a área metropolitana, quer seja promovido pelo Estado. 6. É imprescindível ter em conta que, nestes casos (Grande Lyon, AM de Barcelona), este sistema de eleições indirectas se dá num contexto de forte descentralização e, acima de tudo, com uma estrutura de níveis de governos local e regional muito diversificada. Estes graus de diversificação das estruturas infraestatais preexistentes, possivelmente não tornam imprescindível a eleição directa de novos conselheiros territoriais para legitimar a instituição metropolitana. Pelo contrário, em países pouco descentralizados e com poucos níveis de poder infraestatal, é altamente recomendável que os órgãos de decisão e deliberativos das instituições da AM surjam do sufrágio universal e possam prevalecer-se desta legitimidade. Neste sentido, a mudança radical nas políticas aplicadas, por exemplo, na Região de Bruxelas Capital, desde que os seus dirigentes passaram a ser eleitos por sufrágio dos cidadãos são eloquentes. 7. A selecção final, que se limita a quatro casos, retoma assim duas instituições baseadas em acordos intramunicipais, no quadro de leis regionais ou nacionais, a Área Metropolitana de Barcelona e a Grande Lyon. Correspondem, a primeira a um Estado fortemente descentralizado e a segunda a um Estado de descentralização homogênea. Os seus respectivos territórios cobrem a 14

16 totalidade ou a quase totalidade da área metropolitana e da zona urbana, conferindo um grande potencial de coerência e eficácia às políticas públicas que se executem nesses territórios. Ambas são as segundas cidades dos seus respectivos países e dinámicos centros económicos e de inovação, inclusive no contexto de crise actual. Nas duas, o modo de representação é indirecto, mas inserido em contextos locais e regionais que cobrem fortemente a sua legitimidade perante os cidadãos. 8. Os outros dois casos correspondem a governos de cidades e regiões preexistentes ao desenvolvimento da área metropolitana. Ambas, Paris e Berlim, são cidades capital. Berlim, para além disso, é uma cidade-estado, um dos 16 Estados federados da RFE. Paris partilha a gestão da área metropolitana com a Região de Île-de-France. Encontram-se localizadas, a primeira, num país de descentralização homogénea e, a segunda, num Estado federal com um grau de descentralização muito forte. Nas duas, o modo de eleição é directo. A falta de coincidência entre os territórios históricos e as áreas metropolitanas continuam a colocar em xeque a eficácia de algumas políticas públicas como o transporte público ou a habitação, no caso da região parisiense apesar dos recursos dedicados a estas políticas, em claro detrimento da qualidade de vida dos cidadãos. 9. A criação (ou, inclusive, a permanência em período de crise) de um nível de governo intermédio justifica-se, fudamentalmente, pelo valor acrescentado que pode trazer em termos de eficácia e eficiência das políticas públicas para melhorar o bem-estar dos seus cidadãos, através de uma melhor competitividade territorial, uma maior coesão territorial e social e um aprofundamento da democracia local. Este requisito básico torna-se ainda mais evidente em períodos de restrição financeira e de escasso ou nulo crescimento. Neste caso, o governo intermédio deveria dedicar-se, exclusivamente, a executar, no território que corresponde efectivamente à área metropolitana, as políticas públicas mais pertinentes, mais eficazes e mais eficientes. 2.1 ÁREA METROPOLITANA DE BARCELONA Contexto institucional e administrativo nacional A Constituição de 1978 determina o carácter unitário da Nação espanhola, ao mesmo tempo que reconhece o direito à autonomia das suas nacionalidades e regiões e o princípio de solidariedade que as une, sem proporcionar qualquer definição de região ou de nacionalidade. Estabelece-se o direito de todas as regiões a requerer um estatuto de autonomia. Para além das comunidades autónomas (17), a Espanha conta também com municípios (8109) e províncias (50). 15

17 A Constituição reparte os poderes entre o Estado e as Comunidades Autónomas. Esses podem distinguir-se entre: os que se atribuem a todas as Comunidades Autónomas, os que podem estar sob condição em algumas delas e os que pertencem ao governo central, mas que podem ser transferidos para as Comunidades mediante acordos interinstitucionais. As Comunidades exercem as suas competências legislativas na sua área de especialização, mas sempre no âmbito jurídico nacional. Pouco a pouco, a maioria das Comunidades foi assumindo a totalidade das funções possíveis, maximizando o potencial de descentralização do país. A Constituição garante a autonomia administrativa das comunidades autónomas e a autonomia das autoridades locais. As províncias têm vindo a perder algumas das suas competências e tendem a assumir, a cada vez mais, um papel de coordenação e de apoio aos municípios a partir de um nível intermédio. A nível regional, as 17 comunidades autónomas espanholas são entidades autónomas. As suas assembleias são eleitas segundo o sistema proporcional. O Presidente, que liderará o governo regional, é eleito pela Assembleia, que tem poder legislativo. As comunidades autónomas têm competências legislativas e administrativas nas seguintes áreas: Planeamento urbano e regional Organização das instituições de governo autónomas Desenvolvimento económico Transporte: estradas, cursos de água ou a rede de transporte local Agricultura, silvicultura e pescas Cultura (incluindo museus, bibliotecas e monumentos) Bem-estar e Serviços Sociais Meio Ambiente Saúde Ensino As comunidades autónomas podem criar sua própria polícia, mas só o País Basco e a Catalunha exercem esta competência. A nível provincial, as Diputaciones são os governos provinciais. O Conselho provincial compõe-se de deputados eleitos, indirectamente, entre os membros dos conselhos municipais, excepto no País Basco. O conselho provincial escolhe um Presidente e os deputados conselheiros, que constituem assim o poder executivo da província. As províncias são responsáveis pelas seguintes áreas: coordenação dos serviços municipais, assistência às autoridades locais e cooperação jurídica, económica e com os serviços técnicos, prestação de serviços a nível supramunicipal e desenvolvimento e gestão dos interesses da província. Por outro lado, as províncias partilham competências com os diversos municípios, encontrando-se algumas delas, bem como o estatuto jurídico destes níveis de governo, 16

18 em fase de evolução. As principais tarefas realizadas conjuntamente com os diversos níveis de governo são: Ensino (primário, secundário) e Saúde (assistência sanitária) Protecção social: serviços sociais para as pessoas Transporte Cultura Meio ambiente (incluído o fornecimento de água) Combate ao fogo e prevenção de incêndios Electricidade Em geral, as províncias devem garantir a prestação dos serviços públicos cuja extensão supere os limites dos municípios e oferecer assistência técnica, económica e jurídica, especialmente aos municípios mais pequenos ou menos prósperos. A nível municipal, a Espanha conta com municípios. O Conselho municipal é eleito directamente, por um período de quatro anos, por representação proporcional nas listas dos partidos. A Junta de Governo local é a principal instituição executiva do município, sendo presidida pelo Presidente da Câmara Municipal. A Junta escolhe de entre suas filas o Presidente da Câmara Municipal, que a preside. Na prática e em princípio (não sempre respeitado), é o líder da lista do partido mais votado. São os seguintes os serviços que qualquer município se encontra obrigado a assegurar: - Meio Ambiente: gestão de resíduos domésticos, fornecimento de água, águas residuais - Saúde: normas de saúde pública, controlo de alimentos e bebidas - Iluminação das ruas - Transporte: controlo do tráfego urbano - Espaços públicos (incluídos cemitérios, limpeza pública e revestimento de estradas). A prestação de outros serviços, tais como parques, bibliotecas, instalações desportivas ou o transporte público, não é obrigatório no caso de municípios de um tamanho determinado. Os municípios com mais de habitantes têm responsabilidades adicionais nas seguintes áreas: - Cultura e actividades recreativas (Bibliotecas Públicas) - Meio Ambiente (espaços verdes, resíduos e mercados) - Polícia local. 17

19 Para além destes, os municípios de mais de habitantes são responsáveis pelos seguintes sectores: - A protecção social: os serviços sociais - Combate ao fogo e prevenção de incêndios - Desportos (equipa) Finalmente, os municípios com mais de habitantes, para além disso, têm responsabilidades em matéria de transporte público e de protecção do meio ambiente. A nível intermunicipal, algumas comunidades autónomas estabeleceram comarcas para enfrentar as necessidades da cooperação intermunicipal. O Estatuto de Autonomia catalão de 2006, para além disso, contempla a figura das veguerías, que seriam entidades administrativas que se ocupariam das necessidades de serviço da administração autonómica. As zonas metropolitanas regem-se por leis das respectivas Comunidades autónomas. Estrutura admnistrativa e política Em 21 de Julho de 2011, constituiu-se a Área Metropolitana de Barcelona (AMB), nos termos de lei aprovada, por unanimidade, em 27 de Julho de 2010, no Parlamento da Catalunha. A AMB é a nova organização institucional da conurbação urbana formada por Barcelona e 35 municípios vizinhos, que substitui três entidades metropolitanas existentes à data (Mancomunidad de Municípios da Área Metropolitana de Barcelona, Entidad del Medio Ambiente e Entidad Metropolitana del Transporte). É interessante notar que nem todos os municípios membros da AMB participam em todas as instituições decorrentes (esquema institucional de geometria variável). O órgão executivo da AMB é a Junta de Governo, composta por 18 membros, todos eles eleitos em eleições municipais. O Presidente é o Presidente da Câmara Municipal de Barcelona, por acordo tácito. O Conselho Metropolitano é o órgão deliberativo, constituído por todos os Presidentes das Câmaras dos Municípios integrantes da AMB e por um número de conselheiros fixado em função da população de cada município. Os mecanismos de designação encontram-se previstos na lei. Dados básicos A população da Área Metropolitana é de habitantes em 36 municípios do âmbito metropolitano, uma área de menos de 600 km 2 com uma elevada densidade populacional (5.139 hab./ km 2 ). 18

20 A AMB cobre a quase totalidade da zona urbana da área de Barcelona e a totalidade da área metropolitana, o que, a priori, confere um alto grau de coerência às políticas territoriais que aquela deve executar. O orçamento total da AMB para o período foi de M, dos quais 990 M correspondem à Mancomunidad de Municípios, à EMT (Entidad Metropolitana del Transporte) e 1020 M à EMA (Entidad del Medio Ambiente). Competências A Lei da Área Metropolitana de Barcelona estabelece as competências desta que a seguir se indicam. Para além destas, a AMB tem o poder jurídico de assumir as competências que outras entidades, nomeadamente os municípios, deliberem delegar-lhe ou transferir-lhe. Por outro lado, os conselhos comarcais incluídos no seu âmbito exercem as competências que lhes correspondem, com excepção das que a Lei metropolitana atribuir expressamente à AMB. O novo quadro normativo consolida e racionaliza a administração metropolitana reforçando-a com novas competências, principalmente em matéria de ordenamento do território e de urbanismo. A AMB elaborará o Plano director urbanístico metropolitano e o Plano metropolitano de ordenamento urbanístico, que substituirão o PGM em vigor desde Igualmente, a AMB terá também competências em matéria de promoção económica, de coesão social e de infra-estruturas. As novas competências adicionam-se às de coesão e equilíbrio territorial, habitação, transporte e mobilidade, ciclo da água, resíduos e meio ambiente, que as entidades metropolitanas já vinham desenvolvendo desde a sua constituição, em QUADRO 4.- AM BARCELONA - Competências sectoriais Desenvolvimento económico Habitação Ordenamento do território Mobilidade Meio ambiente Desenvolvimento social Funções soberanas Desenvolvimento económico e social Habitação Ordenamento do território Urbanismo Infra-estruturas de interesse metropolitano Desenvolvimento económico e social Transporte e mobilidade Ciclo da água Resíduos Meio ambiente Coesão social e territorial 19

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

F O R M A Ç Ã O. ÓRGÃOS das

F O R M A Ç Ã O. ÓRGÃOS das F O R M A Ç Ã O ÓRGÃOS das AUTARQUIAS JORGE GASPAR AUTARQUIAS LOCAIS Noção e enquadramento As autarquias locais são pessoas colectivas territoriais, dotadas de órgãos representativos, que visam a prossecução

Leia mais

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Seminário Turismo Sustentável no Espaço Rural: Experiências de Sucesso em Portugal e na Europa Castro Verde - 06 de Março 2013 Joaquim

Leia mais

ANTE PROJECTO DA PROPOSTA DE LEI DE BASES DO PLANEAMENTO ECONÓMICO E SOCIAL. CAPITULO I Princípios Gerais e Objectivos.

ANTE PROJECTO DA PROPOSTA DE LEI DE BASES DO PLANEAMENTO ECONÓMICO E SOCIAL. CAPITULO I Princípios Gerais e Objectivos. Nota explicativa O actual quadro jurídico do planeamento económico e social, aprovado pela Lei nº 52/II/85, de 10 de Janeiro, encontra-se desactualizado face à nova realidade jurídica, política, económica

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DO CARTAXO. Preâmbulo

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DO CARTAXO. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DO CARTAXO Preâmbulo As Autarquias Locais são os órgãos que, devido à sua proximidade com a população, mais facilmente podem criar condições para uma efetiva

Leia mais

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas.

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas. ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE DISTRIBUIÇÃO E DRENAGEM DE ÁGUAS Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Natureza 1. A Associação Portuguesa de Distribuição e Drenagem de Águas (APDA) é uma associação sem fins

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares que lhes são atribuídos pelos artigos 112º n.º 8 e 241º da Lei Constitucional, devem os Municípios aprovar os respectivos regulamentos municipais,

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO FUNDÃO Publicação II SÉRIE N.º 98 20 de Maio de 2010 Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão Preâmbulo A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes Conclusões «Inovação e sustentabilidade ambiental. A inovação e a tecnologia como motor do desenvolvimento sustentável e da coesão social. Uma perspectiva dos governos locais». 1. O Fórum irá estudar,

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTO. Artigo 1º. (Natureza) Artigo 2º. (Objectivos)

CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTO. Artigo 1º. (Natureza) Artigo 2º. (Objectivos) CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTO Artigo 1º (Natureza) O Conselho Municipal de Desenvolvimento Económico e Social (CMDES) é um órgão de reflexão e consulta no domínio

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM. Preâmbulo

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM. Preâmbulo REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM Preâmbulo A Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro estabelece, no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os

Leia mais

Regulamento Interno do Centro de Informática e Tecnologias da Informação da Universidade Nova de Lisboa PREÂMBULO

Regulamento Interno do Centro de Informática e Tecnologias da Informação da Universidade Nova de Lisboa PREÂMBULO Regulamento Interno do Centro de Informática e Tecnologias da Informação da Universidade Nova de Lisboa PREÂMBULO Os princípios de orientação do presente regulamento do CITI são os seguintes: 1º Participação

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga A lei de bases do sistema educativo assume que o sistema educativo se organiza de forma a descentralizar, desconcentrar e diversificar as estruturas

Leia mais

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto N. 2/ 2003 De 23 de Julho Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal O Decreto Lei N 7/ 2003 relativo à remodelação da estrutura orgânica

Leia mais

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO PREÂMBULO A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei nº 46/86 de 14 de Outubro) consagrou a interacção com a comunidade educativa local como um pilar fundamental da política educativa. Por essa razão o nº

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia

Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia Sistema Político Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia A 20 de Dezembro de 1999 Macau passa a Região Administrativa Especial da República Popular da China, sendo simultaneamente

Leia mais

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O relatório de avaliação do sistema de ensino superior em Portugal preparado pela equipa internacional

Leia mais

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE Apresentado por :Zefanias Chitsungo (Director Nacional de Habitação e Urbanismo) INTRODUÇÃO Moçambique tem mais de 20 milhões de habitantes; sendo que

Leia mais

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural MEDIDA 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural 2. Enquadramento Regulamentar Artigo

Leia mais

Capítulo I Denominação, sede e objecto. Artigo 1º. (Firma e sede) Artigo 2º. (Agências, filiais, delegações e outras formas de representação)

Capítulo I Denominação, sede e objecto. Artigo 1º. (Firma e sede) Artigo 2º. (Agências, filiais, delegações e outras formas de representação) Capítulo I Denominação, sede e objecto Artigo 1º (Firma e sede) 1 - A sociedade adopta a firma de APOR - Agência para a Modernização do Porto, S.A. e tem a sua sede na Rua Justino Teixeira, nº 861, 4300-281

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE VISEU

CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE VISEU CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE VISEU PROPOSTA DE REGULAMENTO 1 Preâmbulo Uma sociedade que quer preparar o futuro tem que criar condições para se proporcionar aos jovens o acesso a uma formação educativa,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015. Mensagem de veto Institui o Estatuto da Metrópole, altera a Lei n o 10.257,

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

R E G I M E N T O. Preâmbulo

R E G I M E N T O. Preâmbulo R E G I M E N T O Preâmbulo A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei n.º 46/86, de 14 de outubro, com a redação que lhe foi dada pela Lei n.º 115/97, de 19 de setembro) e de acordo com as alterações introduzidas

Leia mais

Conselho Municipal de Educação de Santa Marta de Penaguião Projecto de Regimento

Conselho Municipal de Educação de Santa Marta de Penaguião Projecto de Regimento Conselho Municipal de Educação de Santa Marta de Penaguião Projecto de Regimento A Lei de Bases do Sistema Educativo assume que o sistema educativo se deve organizar de forma a descentralizar, desconcentrar

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO y Câmara Municipal de Redondo CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO O DL 7/2003, de 15 de Janeiro, que prevê a constituição do Conselho Municipal de Educação, regulou as suas competências

Leia mais

Estatutos do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CONSAN-CPLP) Preâmbulo

Estatutos do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CONSAN-CPLP) Preâmbulo Estatutos do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CONSAN-CPLP) Preâmbulo Os Estados membros da CPLP - Comunidade dos Países de Língua Portuguesa,

Leia mais

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva 1. INTRODUÇÃO Pretende-se com o presente trabalho, desenvolver uma rede de percursos cicláveis para todo o território do Município do Barreiro, de modo a promover a integração da bicicleta no sistema de

Leia mais

CONSÓRCIOS ENTRE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR

CONSÓRCIOS ENTRE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR CONSÓRCIOS ENTRE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR DOCUMENTO DE ORIENTAÇÃO APROVADO PELO CCISP 1. Introdução O reconhecimento da importância decisiva que os Institutos Politécnicos têm desempenhado e querem

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Relatório sobre o funcionamento da Escola Básica Integrada da Charneca da Caparica

Relatório sobre o funcionamento da Escola Básica Integrada da Charneca da Caparica Relatório sobre o funcionamento da Escola Básica Integrada da Charneca da Caparica Dezembro de 2005 Trabalho realizado por: Joana Alves nº. 16071 Relatório da Escola Básica Integrada da Charneca da Caparica

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

CAPÍTULO VII (Disposições Finais e Transitórias)

CAPÍTULO VII (Disposições Finais e Transitórias) Artigo 18º (Comissão Eleitoral) 1. O procedimento eleitoral será conduzido por uma comissão eleitoral constituída por dois vogais, designados pelo Conselho Científico de entre os seus membros, e presidida

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO ÍNDICE Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Trancoso... 1 Preâmbulo... 1 CAPÍTULO I... 2 Parte Geral... 2 Artigo 1º... 2 Lei Habilitante

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

É aprovado o Regulamento dos Núcleos Distritais ou Regionais do Projecto VIDA, anexo a este despacho e que dele faz parte integrante.

É aprovado o Regulamento dos Núcleos Distritais ou Regionais do Projecto VIDA, anexo a este despacho e que dele faz parte integrante. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MINISTÉRIOS DA DEFESA NACIONAL, DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA, DA JUSTIÇA, DA EDUCAÇÃO, DA SAÚDE E DO EMPREGO E DA SEGURANÇA SOCIAL. Despacho conjunto. - Considerando

Leia mais

Conselho Municipal de Educação

Conselho Municipal de Educação 1 Regimento do (CME) do Município de Vila Nova de Paiva A Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19, n.º2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

Atribuições e competências dos vários níveis de administração pública Competências e financiamento das Autarquias locais

Atribuições e competências dos vários níveis de administração pública Competências e financiamento das Autarquias locais Sumário Atribuições e competências dos vários níveis de Competências e financiamento das Autarquias locais Níveis de administração Administração Central/Nível Nacional Administração Local/Nível Municipal

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Para: Organização de Serviços de Segurança e Saúde do Trabalho/Saúde Ocupacional (SST/SO) nos Cuidados Primários de Saúde - ACES e Sede de ARS(s) Todos os serviços do Ministério da Saúde Nº: 05/DSPPS/DCVAE

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Juventude. de S. João da Madeira. Artigo 1º. Definição. Artigo 2º. Objecto. Artigo 3º.

Regulamento do Conselho Municipal de Juventude. de S. João da Madeira. Artigo 1º. Definição. Artigo 2º. Objecto. Artigo 3º. Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de S. João da Madeira Artigo 1º Definição O Conselho Municipal de Juventude é o órgão consultivo do município sobre matérias relacionadas com a política de

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO Maputo, Abril de 2014 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO... 3 II. TEMAS APRESENTADOS...

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

ACQUALIVEEXPO. Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA

ACQUALIVEEXPO. Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA ACQUALIVEEXPO Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA Lisboa, 22 de Março de 2012 1 1. Introdução A diplomacia económica é um

Leia mais

REGULAMENTO DO PREÂMBULO

REGULAMENTO DO PREÂMBULO REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DA PÓVOA DE VARZIM PREÂMBULO Considerando que, no âmbito do desenvolvimento económico, social e cultural, as políticas a adotar devem ser adequadas às necessidades

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

NÚCLEO DE MEDICINA INTERNA DOS HOSPITAIS DISTRITAIS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS

NÚCLEO DE MEDICINA INTERNA DOS HOSPITAIS DISTRITAIS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS Art. 1 - O Núcleo de Medicina Interna dos Hospitais Distritais, também designado abreviadamente por N. M. I. H. D., é uma Associação sem fins lucrativos

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm Anexo C: Súmula das principais iniciativas desenvolvidas na Europa na área da Sociedade de Informação e da mobilização do acesso à Internet em banda larga Para informação adicional sobre os diversos países

Leia mais

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves. Fundos Comunitários geridos pela Comissão Europeia M. Patrão Neves Fundos comunitários: no passado Dependemos, de forma vital, dos fundos comunitários, sobretudo porque somos um dos países da coesão (e

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO PREÂMBULO CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto Artigo 2.º Princípios Artigo 3.º Finalidades Artigo 4.º Atribuições Artigo 5.º Relações

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação

Regimento do Conselho Municipal de Educação Considerando que: 1- No Município do Seixal, a construção de um futuro melhor para os cidadãos tem passado pela promoção de um ensino público de qualidade, através da assunção de um importante conjunto

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE

AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE UNIDADE DE SAÚDE PUBLICA Ao nível de cada Agrupamento de Centros de Saúde (ACES), as Unidades de Saúde Pública (USP) vão funcionar como observatório de saúde da população

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL MISSÃO A Associação para a Economia Cívica Portugal é uma Associação privada, sem fins lucrativos cuja missão é: Promover um novo modelo de desenvolvimento económico

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Social

Programa de Desenvolvimento Social Programa de Desenvolvimento Social Introdução A Portucel Moçambique assumiu um compromisso com o governo moçambicano de investir 40 milhões de dólares norte-americanos para a melhoria das condições de

Leia mais

Território e Coesão Social

Território e Coesão Social Território e Coesão Social Implementação da Rede Social em Portugal continental 2007 a 2008 (4) 2003 a 2006 (161) 2000 a 2002 (113) Fonte: ISS, I.P./DDSP/UIS Setor da Rede Social Desafios relevantes no

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA NOTA JUSTIFICATIVA A Lei 159/99, de 14 de Setembro, estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os Conselhos locais de Educação. A Lei 169/99, de 18

Leia mais

Resolução do Conselho de Ministros n.º 34/2012

Resolução do Conselho de Ministros n.º 34/2012 Resolução do Conselho de Ministros n.º 34/2012 A Resolução do Conselho de Ministros n.º 16/2012, de 14 de fevereiro, que aprova os critérios de determinação do vencimento dos gestores públicos, estabelece

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030.

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. O acordo sobre uma meta do Objectivo de Desenvolvimento Sustentável relativamente ao acesso universal

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS Seminário Internacional Planejamento Urbano em Região Metropolitana - O caso de Aracaju Aracaju,

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Definição e Âmbito

REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Definição e Âmbito REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I Disposições Gerais Artigo 1º Definição e Âmbito 1. O Conselho Municipal de Educação de Águeda, adiante designado de Conselho é uma instância

Leia mais

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM SOBRE O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL O URBACT permite que as cidades europeias trabalhem em conjunto e desenvolvam

Leia mais

QUADROS SUPERIORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DIRIGENTES E QUADROS SUPERIORES DE EMPRESA

QUADROS SUPERIORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DIRIGENTES E QUADROS SUPERIORES DE EMPRESA GRANDE GRUPO 1 QUADROS SUPERIORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DIRIGENTES E QUADROS SUPERIORES DE EMPRESA Os quadros superiores da administração pública, dirigentes e quadros superiores de empresa dão pareceres

Leia mais

Modelo de Gestão das Comarcas - Recomendações

Modelo de Gestão das Comarcas - Recomendações Modelo de Gestão das Comarcas - Recomendações Conselho Superior da Magistratura Janeiro 2012 Modelo de Gestão das Comarcas - Recomendações O Conselho Superior da Magistratura, enquanto órgão máximo de

Leia mais

Regulamento Interno da Comissão Especializada APIFARMA VET

Regulamento Interno da Comissão Especializada APIFARMA VET Regulamento Interno da Comissão Especializada APIFARMA VET De harmonia com o disposto no artº 36º. dos Estatutos da APIFARMA é elaborado o presente Regulamento interno que tem por objectivo regulamentar

Leia mais

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social Projecto de Lei nº 68/XII Lei de Bases da Economia Social A Economia Social tem raízes profundas e seculares na sociedade portuguesa. Entidades como as misericórdias, as cooperativas, as associações mutualistas,

Leia mais

A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI

A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI Mobilidade em Cidades Médias e Áreas Rurais Castelo Branco, 23-24 Abril 2009 A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI A POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI Compromisso

Leia mais

Criar Valor com o Território

Criar Valor com o Território Os territórios como ativos 4 O VALORIZAR é um programa de valorização económica de territórios, que os vê como ativos de desenvolvimento e geração de riqueza e emprego. 5 é a sua visão e a sua assinatura.

Leia mais

GOVERNANÇA METROPOLITANA NO BRASIL: Subsídios para a Construção de uma Agenda e uma Estratégia

GOVERNANÇA METROPOLITANA NO BRASIL: Subsídios para a Construção de uma Agenda e uma Estratégia GOVERNANÇA METROPOLITANA NO BRASIL: Subsídios para a Construção de uma Agenda e uma Estratégia Dr. Josef Leitmann 12 de junho de 2015 Qual a Importância da Questão Metropolitana e dos Aspectos de Governança

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VIEIRA DO MINHO REGIMENTO INTERNO A lei nº 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo19º, nº 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 502/VIII CRIAÇÃO DA ÁREA METROPOLITANA DE VISEU. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 502/VIII CRIAÇÃO DA ÁREA METROPOLITANA DE VISEU. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 502/VIII CRIAÇÃO DA ÁREA METROPOLITANA DE VISEU Exposição de motivos Viseu possui hoje uma localização perfeitamente central na área do respectivo distrito, o qual lidera em termos

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE

A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE Autores: 1 Gabriela Azevedo e Rita Ramos Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS No âmbito dos procedimentos da Avaliação

Leia mais

Plano de Atividades 2015

Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades 2015 ÍNDICE Introdução 1. Princípios orientadores do Plano Plurianual. Desempenho e qualidade da Educação. Aprendizagens, equidade e coesão social. Conhecimento, inovação e cultura

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA

PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Exposição de motivos O acesso à internet assume hoje um papel crucial na nossa sociedade, devendo

Leia mais

---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor:

---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor: - Conselho Municipal de Educação de Vila Real - Proposta de Regulamento ---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor: A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

Código de Conduta Voluntário

Código de Conduta Voluntário O Banif, SA, ao formalizar a sua adesão ao Código de Conduta Voluntário do crédito à habitação, no âmbito da Federação Hipotecária Europeia, e de acordo com as recomendações da Comissão Europeia e do Banco

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE. (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001)

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE. (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001) REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001) REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE (Aprovado na 23ª Reunião

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão dos Orçamentos 15.9.2010 DOCUMENTO DE TRABALHO sobre o mandato externo do BEI Comissão dos Orçamentos Relator: Ivailo Kalfin DT\830408.doc PE448.826v01-00 Unida na

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 393/VIII ESTABELECE O ESTATUTO LEGAL DO MEDIADOR SÓCIO-CULTURAL. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 393/VIII ESTABELECE O ESTATUTO LEGAL DO MEDIADOR SÓCIO-CULTURAL. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 393/VIII ESTABELECE O ESTATUTO LEGAL DO MEDIADOR SÓCIO-CULTURAL Exposição de motivos A necessidade de função de mediação sócio-cultural surgiu da vontade de melhorar a relação entre

Leia mais

Orientação de Gestão nº 06/POFC/2008

Orientação de Gestão nº 06/POFC/2008 Orientação de Gestão nº 06/POFC/2008 Enquadramento no Sistema de Apoio às Entidades do Sistema Científico e Tecnológico Nacional (SAESCTN) de Projectos de IC&DT em todos os domínios científicos Projectos

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE O MUNICIPIO DE SETÚBAL E A CONFEDERAÇÃO PORTUGUESA DAS COLECTIVIDADES DE CULTURA, RECREIO E DESPORTO Considerando: a) As atribuições da Câmara Municipal de Setúbal, conferida

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Vendas Novas. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Vendas Novas. Preâmbulo Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Vendas Novas Preâmbulo Enquanto autarquia local, a Câmara Municipal deve promover a participação dos seus munícipes nas decisões relativas ao destino do

Leia mais

O que é o Banco Europeu de Investimento?

O que é o Banco Europeu de Investimento? O que é o Banco Europeu de Investimento? O BEI é o banco da União Europeia. Como primeiro mutuário e mutuante multilateral, proporciona financiamento e conhecimentos especializados a projectos de investimento

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cascais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cascais Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cascais Índice Natureza e Objetivos 2 Competências 2 Composição 3 Comissão Permanente 4 Presidência 5 Periodicidade 5 Convocação das reuniões 6 Quórum 6 Uso

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de Dezembro, estabeleceu o enquadramento

Leia mais

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL. Regimento do Conselho Municipal de Educação de Alcochete

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL. Regimento do Conselho Municipal de Educação de Alcochete MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL Regimento do Conselho Municipal de Educação de Alcochete A construção de um futuro impõe que se considere fundamental investir na capacitação e formação das pessoas,

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Exposição de motivos O enorme atraso na democratização do acesso à internet é um motivo de preocupação para

Leia mais

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO Citação de Dr. Emílio Rui Vilar 2 Tempo de mudanças sociais Estamos no início de um século que se adivinha difícil e instável nos seus Problemas Globais

Leia mais