UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE CURSO DE FARMÁCIA JOICE ELENIR VIEIRA DA SILVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE CURSO DE FARMÁCIA JOICE ELENIR VIEIRA DA SILVA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE CURSO DE FARMÁCIA JOICE ELENIR VIEIRA DA SILVA ANÁLISE COMPARATIVA DOS MEDICAMENTOS DISPONÍVEIS EM UM HOSPITAL COM A LISTA DA RENAME E OMS OS PRIMEIROS PASSOS PARA O PROCESSO DE SELEÇÃO DE MEDICAMENTOS CRICIÚMA, JUNHO DE JOICE ELENIR VIEIRA DA SILVA

2 ANÁLISE COMPARATIVA DOS MEDICAMENTOS DISPONÍVEIS EM UM HOSPITAL COM A LISTA DA RENAME E OMS OS PRIMEIROS PASSOS PARA O PROCESSO DE SELEÇÃO DE MEDICAMENTOS Projeto de trabalho de conclusão de curso, apresentado para o curso de Farmácia da Universidade o Extremo Sul Catarinense, UNESC. Orientador (a): Ângela Erna Rossato CRICIÚMA, JUNHO DE INTRODUÇÃO

3 A utilização ineficiente e irracional de medicamentos é um problema que afeta todas as esferas da saúde. O gasto supérfluo por paciente derivado de práticas ineficientes e o uso irracional acontecem geralmente com maior freqüência nos hospitais. Este fato é particularmente preocupante por que os recursos financeiros são escassos e por que os prescritores das comunidades com freqüência copiam as práticas dos prescritores hospitalares (WHO, 2003). Desde a antiguidade até a atualidade, é possível detectar o elevado consumo de medicamentos nas instituições hospitalares (MAIA NETO, 2005), pois a prescrição de medicamentos, continua sendo a intervenção médica mais frequentemente utilizada (ORDOVÁS; CLIMENTE; POVEDA, 2002). A terapia medicamentosa, portanto, representa uma das maiores parcelas dos custos hospitalares (CAVALLINI; BISSON, 2002). A organização Mundial da Saúde (OMS) preconiza a cobertura terapêutica da população, em uma política de assistência médico-farmacêutica, com cerca de 270 fármacos básicos (CAVALLINI, BISSON, 2002). Contrastando a esta política, verifica-se a presença da Indústria Farmacêutica, que com seu perfil inovador, disponibiliza no mercado, um grande número de especialidades farmacêuticas (GOMES; REIS, 2001; MARIN et al, 2003). Até o momento não se demonstrou que um grande número de medicamentos disponíveis resulta em maiores benefícios para a saúde do que um número mais limitado de produtos. Ao contrário, a existência de um número elevado de medicamentos pode gerar transtorno em todo o ciclo da assistência farmacêutica, na prescrição e na utilização dos mesmos (FEFER, 1999). No Brasil, além do elevado numero de medicamentos lançados no mercado, é possível deparar-se ainda com medicamentos sem comprovação de eficácia clínica, inadequada política de registro de comercialização de produtos farmacêuticos e, pressão das indústrias através das propagandas de medicamentos, propiciando o uso irracional (GOMES; REIS; 2001). Uma estratégia para minimizar estes problemas e divulgada pela OMS para promover o uso racional de medicamentos é a criação de comitês voltados aos medicamentos nas instituições hospitalares, também chamados aqui no Brasil de

4 Comissão de Farmácia e Terapêutica. Estes comitês são formados por uma equipe multiprofissional e são criados para assegurar o uso seguro e racional dos medicamentos dentro das instituições (OMS, 2002). A Comissão de Farmácia e Terapêutica são instâncias, dentro de hospitais ou clínicas de atendimentos básicos, responsáveis pela avaliação do uso clínico dos medicamentos, desenvolvendo políticas para gerenciar o uso, a administração e o sistema de seleção. Funcionam como um foro que avalia e discute todos os aspectos do tratamento medicamentoso e orientam as áreas médicas, de enfermagem, administrativas e de farmácia sobre temas relacionados a medicamentos (GREEN et al, 2003). Uma comissão de farmácia e terapêutica bem sucedida precisa dispor de lideranças e membros apropriados, sendo composta por um grupo multidisciplinar de profissionais incluindo médicos, enfermeiros, farmacêuticos e um representante da direção do hospital. Uma das suas principais funções é avaliar e selecionar medicamentos para a padronização e promover sua revisão periódica (CEBRIM/CFF, 2003). A Seleção de Medicamentos é um processo dinâmico, contínuo, multidisciplinar e participativo. Assegura ao hospital acesso aos medicamentos mais necessários, adotando critérios de eficácia, segurança, qualidade e custo. Promove a utilização racional dos medicamentos. O uso racional dos medicamentos otimiza o equilíbrio entre eficácia, segurança e custo da assistência hospitalar (GOMES; REIS, 2001). A etapa de seleção de medicamentos constitui uma das atividades básicas dos hospitais e seu avanço e desenvolvimento é parte prioritária dos serviços da farmácia hospitalar. É a partir do resultado do processo de seleção de medicamentos que se estabelece o sistema racional de distribuição e informação de medicamentos (OPAS/OMS, 1997). A seleção de medicamentos é considerada o eixo do Ciclo da Assistência Farmacêutica, as demais atividades desse ciclo são desenvolvidas com base no elenco de medicamentos selecionados, tanto na atenção ambulatorial quanto na hospitalar, buscando estruturar e organizar sistemas efetivos (MARIN et al, 2003). Entende-se que

5 no ciclo da Assistência Farmacêutica, o resultado de uma atividade é o ponto de partida da outra e a ausência de uma delas, ou sua execução de forma inadequada, acaba impedindo o correto funcionamento de todo o ciclo (CONASS, 2004). A seleção de medicamentos constitui em um processo de escolha daqueles medicamentos eficazes e seguros, imprescindíveis ao atendimento das necessidades de uma dada população, tendo como base as doenças prevalentes, com a finalidade de garantir a terapêutica medicamentosa de qualidade nos diversos níveis de atenção à saúde (BRASIL, 2001). O objetivo da seleção é proporcionar ganhos terapêuticos e econômicos. Os ganhos terapêuticos referem-se à promoção do uso racional e à melhoria da resolutividade terapêutica-acesso a medicamentos eficazes, seguros e voltados às doenças prevalentes. Os ganhos econômicos referem-se à racionalização dos custos dos tratamentos e, conseqüentemente, à otimização dos recursos humanos, materiais e financeiros disponíveis (MARIN et al., 2003). A seleção de medicamentos fornece informações confiáveis e atualizadas aos prescritores e aos demais profissionais de saúde, proporcionando várias vantagens à instituição, seja pública ou privada, sendo assim: Promove o uso racional dos medicamentos e assegura o acesso aos fármacos mais necessários, levando em conta à segurança, eficácia, qualidade e custo, uma vez que desmotiva o uso de medicamentos pouco efetivos, desnecessários e de qualidade duvidosa; Provê de um mecanismo efetivo de manutenção da prescrição e controle de custos, já que evita a duplicação de prescrições e o uso inadequado de medicamentos através da utilização de um número restrito de medicamentos na instituição; Facilita a atualização da equipe de saúde no uso apropriado de medicamentos através de informação objetiva e científica sobre os medicamentos selecionados publicados no formulário; Promove o uso da Denominação Comum Brasileira (DCB) na prescrição e manejo administrativo dos medicamentos (AGUILAR; BITTNER, 1997).

6 Para implementação de um processo de seleção de medicamentos, é recomendável seguir as seguintes etapas: Escolha da comissão de seleção de medicamentos; Nomeação da Comissão da Farmácia e Terapêutica; Levantamento do perfil farmacológico do hospital; Análise do nível assistencial e da infra-estrutura de tratamento existentes no hospital; Análise do padrão de utilização de medicamentos; Definição dos critérios de seleção a serem adotados; Seleção dos medicamentos, com o desenvolvimento de formulários e métodos a serem empregados; Edição e divulgação do formulário farmacêutico; Atualização anual do formulário farmacêutico (GOMES; REIS, 2001; MARIN et al, 2003; FERRACINI; BORGES FILHO, 2005). O trabalho de seleção e padronização de medicamentos, com especial atenção ao seu processo de implementação, quando desenvolvido técnico e estrategicamente de maneira correta, torna possível que os indivíduos, atuando como grupo maximizem os resultados em relação aos recursos disponíveis favorecendo a aplicação de uma terapêutica racional no ambiente hospitalar (MARIN et al, 2003). Dentre as atividades da Comissão de Farmácia e Terapêutica, está será incumbida de realizar o levantamento do perfil farmacológico do hospital no intuito de iniciar a formação de Relação de Medicamentos Padronizados tendo por base a Lista de Medicamentos da OMS e a Relação Nacional de Medicamentos Essenciais (RENAME). O surgimento dessa relação reflete o desenvolvimento adequado do processo de seleção, considerando à prevenção e o tratamento das patologias mais atendidas pela instituição correspondente (GOMES; REIS, 2001; MARIN et al, 2003). A lista modelo da RENAME juntamente com a Lista Modelo de Medicamentos da OMS, no ambiente hospitalar, pode ser uma referência na orientação

7 e elaboração da Relação de Medicamentos Padronizados, instrumento este pertencente ao processo de Seleção e Padronização de medicamentos, podendo ser adaptados à realidade de cada instituição, segundo suas características locais, perfil epidemiológico da população e, disponibilidades dos medicamentos no mercado (BRASIL, 2002). Selecionar os medicamentos é atividade que necessita de comparações e escolhas fundamentais cientificamente, para as quais torna-se vital o uso de métodos e ferramentas capazes de produzir informações com qualidade e quantidade suficiente para a correta orientações das decisões a serem tomadas. Assim os dois critérios primordiais para a seleção de medicamentos devem ser eficácia e segurança (MARIN et al, 2003). A eficácia e segurança, por sua vez, podem ser alcançadas quando respeitados os critérios estabelecidos pela lista de medicamentos da OMS e Relação Nacional de Medicamentos Essenciais que, propõe-se a selecionar os medicamentos mais adequados para atender as necessidades de assistência à saúde da maioria da população. Seguem os critérios adotados: Valor Terapêutico comprovado, com suficientes informações clínicas na espécie humana e em condições controladas, sobre a atividade terapêutica e farmacológica; Baixa toxicidade; Composição perfeitamente conhecida, como somente um princípio ativo excluindo-se sempre que possível, as associações fixas; Denominação pelo princípio ativo, conforme DCB, ou na sua falta, DCI; Informações suficientes sobre as características farmacocinéticas, farmacodinâmicas e farmacotécnicas; Estabilidade em condições de estocagem e uso; Menor custo de aquisição, armazenamento, distribuição e controle; Menor custo no tratamento/dia e custo total do tratamento, resguardadas a qualidade; segurança e eficácia; Formas farmacêuticas, apresentações e dosagem, considerando: Comodidade para administração aos pacientes; Faixa etária; Facilidade para

8 cálculo da dose a ser administrada; Facilidade de fracionamento ou multiplicações da dose; Necessidade da maioria da população (BRASIL, 2001). Quando dois ou mais medicamentos forem similares na qualidade, biodisponibilidade e estabilidade sob condições de armazenamento e uso, a seleção deverá ser feita com base em uma cuidadosa avaliação de suas relativas eficácias, inocuidade, qualidade, preço e disponibilidade (WHO, 1997). A Relação de Medicamentos Padronizados no hospital é uma publicação geralmente em forma de Manual que contém a lista de medicamentos selecionados para o uso na instituição. A lista deve ser concisa, completa e de fácil consulta, e a revisão deve ser realizada periodicamente (GOMES; REIS, 2001; BRASIL, 2002). Ao se implementar a Relação de Medicamentos Padronizados, composta somente por medicamentos cuja eficácia clínica é comprovada através da Medicina Baseada em Evidências é essencial que o Serviço de Farmácia incentive sua difusão e o comprimento da padronização de medicamentos do hospital. A habilidade da Comissão de Farmácia e Terapêutica para escolher os melhores fármacos e conscientizar os médicos sobre a relevância da seleção é importante para o êxito da implementação da Relação dos Medicamentos (ORDOVÁS; CLIMENTE; POVEDA, 2002). Apesar do processo de Seleção de Medicamentos caracterizar-se como uma ferramenta poderosa em prol do Uso Racional de Medicamentos, nos hospitais do sul do estado de Santa Catarina, esta atividade é insuficiente. Em um trabalho realizado por Rossato (2008) em 25 Farmácias Hospitalares do Sul do Estado de Santa Catarina, verificou-se que em relação ao processo de seleção e padronização de medicamentos, considerado o eixo do Ciclo Logístico da Assistência Farmacêutica, nenhum hospital entrevistado dispõe de uma Comissão de Farmácia e Terapêutica e em 68% dos hospitais em estudo a escolha dos medicamentos é realizada exclusivamente pelos médicos. A participação do farmacêutico no processo de escolha dos medicamentos ocorre em apenas oito instituições. Em todas as instituições, independente da freqüência, há a prescrição de medicamentos não padronizados e em 80% dos casos o

9 critério utilizado para a aquisição destes medicamentos é a solicitação médica, evidenciando a falta de uma metodologia objetiva e explicitada, cientificamente comparativa e documentada para a realização do processo de seleção e padronização de medicamentos (ROSSATO, 2008). Cabe ressaltar, que o Processo de Seleção de Medicamentos como estratégia para seu Uso Racional é um assunto recente em nosso país e conseqüentemente ainda pouco conhecido por nossos profissionais (MARQUES, ZUCCHI, 2006). E a tarefa de diagnosticar a necessidade terapêutica do paciente e identificar os medicamentos disponíveis estabelecendo custo-benefício requer conhecimentos não oferecidos na formação dos profissionais de saúde (RUMEL, et al, 2006). No ano de 2005, foi publicado o primeiro estudo internacional sobre a extensão da formação dos profissionais sobre a promoção racional dos medicamentos e constatou-se que na maioria dos casos, o assunto está incluído dentro do currículo, mas o tempo voltado a este tópico é de somente uma a quatro horas diárias. Associado aos fatores acima, temos ainda a relação, nem sempre benéfica, entre a indústria farmacêutica e os profissionais da área da saúde. Sendo assim, a formação de estudantes de medicina e de farmácia tem um papel crucial nas práticas futuras voltadas ao uso racional de medicamentos (MINTZES, 2005). Tendo em vista as inúmeras vantagens que um processo de Seleção e Padronização de Medicamentos propicia aos pacientes, a instituição hospitalar e ao Sistema de Saúde como um todo, é de suma importância incentivar e iniciar esta atividade nos ambientes hospitalares. No entanto para isso faz-se necessário, cumprir uma série de etapas iniciais que servirão de ponto de partida para as demais. Diante do exposto o presente trabalho tem como objetivo realizar um levantamento dos medicamentos disponíveis em um hospital situado no sul do estado de Santa Catarina classificá-los farmacologicamente e confrontá-los com a lista RENAME e lista modelo de OMS.

10 2. OBJETIVOS 2.1 Objetivo Geral Instigar os profissionais e propor uma estratégia viável para iniciar um processo de Seleção de Medicamentos, com base em literaturas nacionais de fácil acesso, documentos disponíveis em sites, RENAMEs e a Lista Modelo da OMS. 2.2 Objetivos Específicos Realizar levantamento in loco dos medicamentos disponíveis no hospital; Categorizar os medicamentos segundo os Grupos Farmacológicos estabelecidas pela RENAME e lista Modelo da OMS; Comparar os medicamentos disponíveis na instituição com os medicamentos contemplados na lista RENAME e na Lista da OMS. Realizar análise comparativa, dos medicamentos disponíveis no hospital e não contemplados nas listas, em literaturas confiáveis e acessíveis aos profissionais de saúde, detalhando as etapas deste processo.

11 3. METODOLOGIA 3.1 Delineamento da Pesquisa O presente estudo constitui-se de um estudo comparativo dos medicamentos disponíveis em um hospital, buscando realizar levantamento in loco dos medicamentos disponíveis no hospital, caracterizando-as segundo os Grupos Farmacológicos, comparando-as com a RENAME e lista Modelo da OMS e posteriormente realizar uma análise comparativa, dos medicamentos disponíveis no hospital e não contemplados nas listas, em literaturas confiáveis e acessíveis aos profissionais de saúde, detalhando as etapas deste processo. 3.2 Local do estudo A instituição, onde será realizado o estudo é uma instiuição hospitalar, localizado na região sul do estado de Santa Catarina. É um hospital geral e atende a população de toda a região sul de SC. 3.4 Procedimento para a coleta dos dados

12 O presente projeto será apresentado à Administração da Instituição Hospitalar. Logo darseá início as atividades no hospital. Ressaltamos a garantia da confidencialidade da instituição participante. A coleta documental darseá in loco, onde será anotados todos os nomes dos medicamentos, conforme sua concentração e formas farmacêuticas disponível no hospital. 3.5 Organização e tabulação dos dados Os dados coletados por meio de anotações, serão organizados na forma de tabelas, segundo sua classificações e posteriormente descritos e comparados com a literatura pertinenete. 3.6 Aspectos Éticos Por tratar-se de um estudo de análise documental os dados serão coletados in loco, pela pesquisadora, não há riscos que ameaçam a vida ou o bem-estar dos indivíduos envolvidos no estudo. Todos os procedimentos para a coleta de dados não são invasivos sob o aspecto físico. A pesquisa será realizada sob o consentimento da Administração do hospital. Salientamos que se por ventura a instituição recusar a continuidade do estudo, este será abandonado, sem danos à mesma. Os resultados da pesquisa serão tornados públicos, sejam eles favoráveis ou não, entretanto o sigilo será garantido, assegurando a privacidade da instituição pesquisada e não há despesas para a instituição participante. Os dados serão arquivados pelo orientador e pelo pesquisador principal até o término do estudo. Após a sua conclusão, os mesmos serão lançados em artigo científico.

13 4. CRONOGRAMA DAS ATIVIDADES DE PESQUISA Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Nove Levantamento X X x x bibliográfico Definição da X X x Metodologia Submissão do x Projeto ao Comitê de Ética em Pesquisa UNESC Apresentação do x Projeto à Direção do Hospital Coleta de dados x x mbro Analise e tabulação de dados Redação do Artigo Apresentação do artigo x x x x

14 5. ORÇAMENTO DOS GASTOS COM A PESQUISA Discriminação Valor R$ 150 folhas de papel A4 5,00 1 cartucho de tinta para impressora 20,00 Xeróx 15,00 Caneta 1,50 Total 41,50

15 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AGUILAR, N. G.; BITTNER, M. R. Guia para el Desarrollo de Serviços Farmacêuticos: selección y formulário de medicamentos. OPAS/OMS, BRASIL. Ministério da Saúde. Manual Brasileiro de Acreditação Hospitalar. 3 ed. Brasília: Ministério da Saúde, BRASIL. Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica. Gerência Técnica de Assistência Farmacêutica. Relação Nacional de Medicamentos Essenciais. 3 ed. Brasília: CAVALLINI, M. E.; BISSON, M. P. Farmácia hospitalar: Um Enfoque em Sistemas de Saúde.1 ed. São Paulo: Manole, p. CENTRO BRASILEIRO DE INFORMAÇÕES SOBRE MEDICAMENTOS (CEBRIM); CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA (CFF). Comissão de Farmácia e Terapêutica: Instrumento para promover o uso racional de medicamentos. Farmacoterapêutica, Brasília, out/dez; n04: p.01-04, CONSELHO NACIONAL DOS SECRETÁRIOS DE SAÚDE. Para entender a gestão do Programa de Medicamentos de Dispensação em Caráter Excepcional. Brasília: CONASS, p. FEFER, E. Uso racional de medicamentos. IN: BERMUDEZ, J. A. Z.; BONFIM, J. R. A (Org). Medicamentos e a reforma do setor de saúde. São Paulo: Hucitec, p. FERRACINI, F. T.; BORGES FILHO, W. M. Prática Farmacêutica no ambiente hospitalar: do planejamento à realização. São Paulo: Atheneu, p. GOMES, M. J. V. M.; REIS, A. M. M. Ciências farmacêuticas uma abordagem em farmácia hospitalar. São Paulo: Atheneu, p.

16 GREEN, T.; BEITH, A.;CHALKER,J. Drugs and therapeutics committees: vehicles for improving rational drug use. WHO.Essential Drugs Monitor, n. 32, p , MAIA NETO, J. F. Farmácia Hospitalar: e suas interfaces com a saúde. 1 ed. São Paulo: RX, p. MARIN, N.; LUIZA, V. L.; OSÓRIO-DE-CASTRO, C. G. S.; MACHADO-DOS-SANTOS, S. Assistência farmacêutica para gerentes municipais. Rio de Janeiro: OPAS/OMS, p. MARQUES, D. C; ZUCCHI, P. Comissões farmacoterapêuticas no Brasil: aquém das diretrizes internacionais. Rev Panam Salud Publica, Washington, v. 19, n. 1, Disponível em: <http://www.scielosp.org/>. Acesso em: 01 Dez MINTZES, B. Educational initiatives for medical and pharmacy students about drug promotion: an international cross-sectional survey. World Health Organization (WHO) and Health Action International (HAI), European Union p. ORDOVÁS, J.P.; CLIMENTE, M.; POVEDA, J.L. Selección de medicamentos y Guia Farmacoterapéutica. In: SOCIEDADE ESPAÑOLA DE FARMACIA HOSPITALARIA. Farmácia Hospitalaria Disponível em <www.sefh.es>.acesso em: 04 de junho de ORGANIZACIÓN MUNDIAL DE LA SALUD (OMS). Perspectivas políticas sobre medicamentos de la OMS: Promoción del uso racional de medicamentos: componentes centrales. Ginebra/Suiza: setembro, Disponible em: <http://www.who.int/en/>. Acesso em: 28/04/2009. ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE/ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OPAS/OMS). Guia para el Desarrollo de Serviços Farmacêuticos Hospitalários: Seleción y Formulário de Medicamentos. Washington: OPAS, p. (SÉRIE 5.1). ROSSATO, A.E. Diagnóstico dos Procedimentos Relacionados à Assistência Farmacêutica das Farmácias Hospitalares dos hospitais de pequeno e médio porte do sul do Estado de Santa Catarina Brasil p. Dissertação (Mestrado em Farmácia). Centro de Ciências da Saúde. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. RUMEL, D.; NISHIOKA, S.A.; SANTO, A.A.M. Intercambialidade de medicamentos: abordagem clínica e o ponto de vista do consumidor. Revista Saúde Pública, v.40(5), p , WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Management Sciences For Health. Managing drug supply: the selection, procurement, distribution, and use of pharmaceuticals. West Hartford: Kumarian Press, World Health Organization (WHO). Drug and therapeutics committees. A practical guide. Geneva

17 APÊNDICE A - Declaração de Anuência Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC Departamento de Farmácia DECLARAÇÃO DE ANUÊNCIA Declaro para os devidos fins que tomei conhecimento dos objetivos do projeto: Análise Comparativa dos Medicamentos Disponíveis em um Hospital com a Lista da RENAME e a Lista da OMS, bem como dos procedimentos de pesquisa a serem realizados. Como representante legal da instituição hospitalar, Fundação Hospitalar Santa Otília, do município de Orleans, estou de acordo com a realização da pesquisa nos termos propostos, nas dependências desta Instituição. Assinatura do Representante Legal da Instituição Hospitalar, / /

18 APÊNDICE B - Declaração do Consentimento Livre e Esclarecido Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC Departamento de Farmácia PROTOCOLO DE PESQUISA CIENTÍFICA DECLARAÇÃO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO (Resolução nº 196/96 e nº 251/97, do Conselho Nacional de Saúde/MS) Título do Projeto: Análise Comparativa dos Medicamentos Disponíveis em um Hospital com a Lista da RENAME e a Lista da OMS. Objetivos e Finalidades do Projeto: Realizar um levantamento dos medicamentos disponíveis em um hospital situado no sul do estado de Santa Catarina classificá-los farmacologicamente e confrontá-los com a lista RENAME e lista modelo de OMS. Coordenação do projeto: Professora Ângela Erna Rossato (Universidade do Extremo Sul Catarinense-UNESC) (Fone: (48) ;(48) IDENTIFICAÇÃO DO ENTREVISTADO OU RESPONSÁVEL LEGAL Nome do entrevistado: Nome do responsável legal: (quando for o caso) Doc. Identificação: Doc. Identificação: CONSENTIMENTO PÓS- INFORMAÇÃO 1. Declaro que, em / /, concordei em participar, na qualidade de entrevistado, do projeto de pesquisa acima referido, após devidamente informado sobre os objetivos e finalidades do mesmo. 2. As informações fornecidas aos pesquisadores serão utilizadas na exata medida dos objetivos e finalidades do projeto de pesquisa, sendo que minha identificação será mantida em sigilo e sob a responsabilidade dos coordenadores. 3. Não receberei nenhuma remuneração e não terei qualquer ônus financeiro pelo meu consentimento espontâneo em participar do projeto de pesquisa. 4. Independente deste consentimento, fica assegurado meu direito a retirar-me da pesquisa, em qualquer momento e por qualquer motivo, sendo que para isto comunicarei minha decisão ao coordenador do projeto, acima identificado., / / Assinatura do entrevistado Assinatura do entrevistador

19 APÊNDICE C - Carta de Apresentação do Estudo Universidade do extremo sul catarinense-unesc Departamento de Farmácia Criciúma, de de Prezado(a) Senhor (a), Meu nome é Joice Elenir Vieira da Silva, sou estudante da Graduação em Farmácia da Universidade do Extremo Sul Catarinense e estou desenvolvendo sob orientação da professora Angela Erna Rossato, meu Trabalho de Conclusão de Curso que tem como tema central o processo de Seleção e Padronização no ambiente hospitalar. O presente estudo constitui-se de uma pesquisa documental, utilizando como técnica de coleta de dados a análise documental, buscando realizar levantamento in loco dos medicamentos disponíveis no hospital, caracterizando-as segundo as classes farmacológicas, comparando-as com a RENAME e lista Modelo da OMS e elencando os Equivalentes Terapêuticos. Este levantamento e as análises comparativas são o ponto de partida para futuramente iniciar um processo de Seleção e Padronização de Medicamentos, segundo os critérios da OMS. Dessa forma, solicitamos a colaboração desta instituição para a realização da pesquisa nos termos propostos, nas dependências desta instituição. Antecipadamente agradecemos a atenção Acadêmica:Joice Elenir Vieira Da Silva Professora: Angela Erna Rossato Fone : (48) Fone: ;

20

21

22

23 JOICE ELENIR VIEIRA DA SILVA ANÁLISE COMPARATIVA DOS MEDICAMENTOS DISPONÍVEIS EM UM HOSPITAL COM A LISTA DA RENAME E OMS OS PRIMEIROS PASSOS PARA O PROCESSO DE SELEÇÃO DE MEDICAMENTOS Trabalho de Conclusão de Curso, em formato de artigo, apresentado para obtenção do grau de Farmacêutico no curso de Farmácia da Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC. Orientador (a): Prof. (ª) Angela Erna Rossato ARTIGO ORIGINAL CRICIÚMA, NOVEMBRO DE 2009

24 ANÁLISE COMPARATIVA DOS MEDICAMENTOS DISPONÍVEIS EM UM HOSPITAL COM A LISTA DA RENAME E OMS OS PRIMEIROS PASSOS PARA O PROCESSO DE SELEÇÃO DE MEDICAMENTOS COMPARATIVE ANALYSIS OF AVAILABLE MEDICINE IN THE HOSPITAL WITH THE LIST OF RENAME AND OMS, abbreviations in Portuguese THE FIRST STEPS FOR THE SELECTION PROCESS OF MEDICINE Joice Elenir Vieira da SILVA 1 ; Angela Erna ROSSATO 2 1 Acadêmica do curso de farmácia da Universidade do Extremo Sul Catarinense -UNESC no município de Criciúma (SC). ²Professora Orientadora do Curso de Farmácia da Universidade do Extremo Sul Catarinense UNESC. Correspondência: Joice Elenir Vieira da Silva. Endereço para correspondência: Universidade do Extremo Sul Catarinense -UNESC Departamento de Farmácia, Bloco S, 2ºandar. Avenida Universitária Bairro Universitário - C.P CEP: Criciúma/SC RESUMO:

25 O processo de Seleção assegura ao hospital acesso aos medicamentos necessários ao perfil epidemiológico da instituição, adotando critérios de eficácia, segurança, qualidade e custo. No entanto em virtude da sua complexidade muitos hospitais não conseguem implementá-lo. O presente trabalho tem como objetivo propor uma estratégia viável para iniciar um processo de Seleção de Medicamentos. Trata-se de um estudo Comparativo dos medicamentos disponíveis em um hospital, buscando realizar levantamento in loco dos medicamentos disponíveis, em um hospital de médio porte localizado no sul do Estado de Santa Catarina, caracterizando-os segundo os Grupos Farmacológicos, comparando-os com a RENAME e lista Modelo da OMS, posteriormente realizar uma análise comparativa, dos medicamentos disponíveis no hospital e não contemplados nas listas, em literaturas confiáveis e acessíveis aos profissionais de saúde, detalhando as etapas deste processo. Como principais resultados destacam-se: o hospital em estudo não disponibiliza de uma Comissão de Farmacia e Terapêutica e de uma Relação de Medicamentos Padronizados; dos 236 medicamentos disponíveis no hospital, temos, que 104 estão contemplados nas duas listas (44%), 39 medicamentos somente na RENAME (17%) e 10 medicamentos somente na Lista Modelo da OMS (4%), totalizando 65% dos medicamentos contemplados em uma ou nas duas listas e 35% que corresponde a 83 medicamentos não estão contemplados, em nenhuma das listas. Em relação a literatura consultada, dos 83 medicamentos analisados, quatro estavam contemplados nos Pareceres de Exclusão da RENAME 2006 (11,76%) e 67,64% estavam contemplados no livro [Farmacologia clínica: fundamentos da terapêutica racional.],totalizando aproximadamente 79,4% dos medicamentos não contemplados em nenhuma das listas que foram encontradas informações em fontes nacionais, de fácil acesso e que seguem os critérios da Medicina Baseada em Evidências. O trabalho realizado sinaliza que no hospital em estudo o processo de Seleção e Padronização de Medicamentos nos moldes preconizados inexiste e que com a sistemática proposta neste trabalho é possível inicar e repensar esta prática. Palavras-chave: Seleção de Medicamentos. Hospital. RENAME. Lista Modelo da OMS. ABSTRACT The selection process ensures the hospital the access to the needed medicine for the epidemiological profile of the institution. The criteria of effectiveness, safety, quality and cost

26 were adopted. However, because of its complexity, many hospitals cannot implement it. The current paper aims to propose a feasible strategy to start de medicine selection process.this is a comparative study of available drugs isa hoapital, research which tries to look into the available medicine in loco, in a medium hospital located south state of Santa Catarina, Brazil, characterizing them according to their Pharmacological Groups, comparing them with Rename and the model list of OMS. Afterwards, it is carried out a comparative analysis of the available medicine in hospitals but is not seen in the lists, in reliable literature, and it is not possible for the health professionals. It gives the details of the steps of this process. As the main results are highlighted: the studied hospital does not provide a Commission of Pharmacy and Therapeutics or a List of Standard Medicine; from the 26 available drugs in the hospital, 104 are contemplated in the two lists (44%), 39 drugs are only in RENAME (17%) and 10 ones are only in the Model List of OMS (4%), adding up to 65% of the medicine contemplated in one or both lists and, 35% that correspond to 83% of medicine that are not contemplated in no list at all. Concerned to the consulted literature, from all the 83 drugs analyzed, four of them were contemplated in Exclusion Concepts of RENAME 2006 (11.76%) and 67.64% were contemplated in the book Clinical Pharmacology: fundaments of the rational therapeutics, adding up to nearly 79.4% of the medicine non-contemplated in any of the lists where there was information from national sources of easy access and that follow the criteria of medicine based in evidences. The work points out that, in the studied hospital, the process of medicine selection and standardization does not exist in the proclaimed standard and that, with the methodology proposed in this paper, it is possible to begin to rethink about this practice. Key words: Medicine selection, hospital, RENAME, Model List of OMS INTRODUÇÃO A utilização ineficiente e irracional de medicamentos é um problema que afeta todas as esferas da saúde. O gasto supérfluo por paciente derivado de práticas ineficientes e o uso

A Relação Nacional de Medicamentos Essenciais (Rename): a seleção de medicamentos no Brasil.

A Relação Nacional de Medicamentos Essenciais (Rename): a seleção de medicamentos no Brasil. A Relação Nacional de Medicamentos Essenciais (Rename): a seleção de medicamentos no Brasil. Autora: Vera Lúcia Edais Pepe Revisão da 2ª versão: Carolina Rodrigues Gomes Revisão da 1ª versão: Ana Márcia

Leia mais

Implementación e Impacto de las Listas Nacionales de Medicamentos Esenciales Experiencias en Países Seleccionados de la Región - BRASIL

Implementación e Impacto de las Listas Nacionales de Medicamentos Esenciales Experiencias en Países Seleccionados de la Región - BRASIL Implementación e Impacto de las Listas Nacionales de Medicamentos Esenciales Experiencias en Países Seleccionados de la Región - BRASIL Lima, Perú 27 noviembre de 2007 Sistema Único de Saúde - SUS Estabelecido

Leia mais

CENTRO DE INFORMAÇÕES SOBRE MEDICAMENTOS/HCPA

CENTRO DE INFORMAÇÕES SOBRE MEDICAMENTOS/HCPA 1ª JORNADA DE FARMÁCIA HOSPITALAR CENTRO DE INFORMAÇÕES SOBRE MEDICAMENTOS/HCPA Busca de Evidências x Farmácia Clínica Tatiana von Diemen Farmacêutica Hospital de Clínicas de Porto Alegre Seção de Farmácia

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

Diretrizes Assistenciais DIRETRIZ DE TRATAMENTO FARMACOLOGICO DA DOR

Diretrizes Assistenciais DIRETRIZ DE TRATAMENTO FARMACOLOGICO DA DOR Diretrizes Assistenciais DIRETRIZ DE TRATAMENTO FARMACOLOGICO DA DOR Versão eletrônica atualizada em março/2012 Definição Diretriz que orienta a prescrição de fármacos que visam aliviar a Dor Aguda e Crônica

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

Farmacêutica Priscila Xavier

Farmacêutica Priscila Xavier Farmacêutica Priscila Xavier A Organização Mundial de Saúde diz que há USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS: quando pacientes recebem medicamentos apropriados para suas condições clínicas, em doses adequadas às

Leia mais

NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013.

NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013. NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013. Assessoria da Presidência Assessoria técnica Grupo de consultores ad hoc Conselho Federal de

Leia mais

Prescrição Farmacêutica. Aspectos técnicos e legais

Prescrição Farmacêutica. Aspectos técnicos e legais Bem Vindos! Prescrição Farmacêutica Aspectos técnicos e legais Quem sou? Prof. Dr José Henrique Gialongo Gonçales Bomfim Farmacêutico Bioquímico 1998 Mestre em Toxicologia USP 2003 Doutor em Farmacologia

Leia mais

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário Guia de Farmacovigilância - Anvisa ANEXO IV - Glossário De acordo com a RESOLUÇÃO - RDC Nº 4, DE 10/02/09 (DOU 11/02/09): Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos

Leia mais

SELEÇÃO DE MEDICAMENTOS

SELEÇÃO DE MEDICAMENTOS O QUE É? PROCESSO DE ESCOLHA DE EFICAZES E SEGUROS, CUSTO-EFETIVOS, IMPRESCINDÍVEIS AO ATENDIMENTO DAS NECESSIDADES DE UMA POPULAÇÃO PONTO DE PARTIDA E BASE DE TODAS AS ATIVIDADES DO CICLO DA ASSITÊNCIA

Leia mais

Pesquisa Clínica. Orientações aos pacientes

Pesquisa Clínica. Orientações aos pacientes Pesquisa Clínica Orientações aos pacientes 2009 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. Tiragem: 1000 exemplares Criação, Informação e Distribuição

Leia mais

DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007.

DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007. DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007. Institui o elenco de medicamentos e aprova o regulamento dos procedimentos de aquisição e dispensação de medicamentos especiais para tratamento ambulatorial

Leia mais

A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas:

A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas: Unidade de Pesquisa Clínica A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas: A importância da caracterização adequada das Fases da Pesquisa Rev. HCPA, 2007 José Roberto Goldim Apresentado

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Claudia Witzel

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Claudia Witzel ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Claudia Witzel CICLO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA O Ciclo da Assistência Farmacêutica compreende um sistema integrado de técnicas, científicas e operacionais SELEÇÃO DE MEDICAMENTOS

Leia mais

Atribuições Clínicas do Farmacêutico

Atribuições Clínicas do Farmacêutico Atribuições Clínicas do Farmacêutico Evolução dos gastos com medicamentos do Ministério da Saúde 650% crescimento R$ Atualizado: 10/02/2014 Fonte: Fundo Nacional de Saúde FNS e CGPLAN/SCTIE/MS Hospitalizações

Leia mais

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA CONCURSO PARA TÍTULO DE ESPECIALISTA EM FARMÁCIA HOSPITALAR SBRAFH BIBLIOGRAFIA SUGERIDA BORGES FILHO, WM; FERRACINI, FT. Prática Farmacêutica no Ambiente Hospitalar. 2 ed, Rio de Janeiro: Atheneu, 2010.

Leia mais

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União Brasília, Nota Técnica janeiro N de 932012. /2012 Nomes Princípio Comerciais1: Ativo: paracetamol Ultracet, + cloridrato Paratram. de tramadol. Medicamento Medicamentos de Similares: Referência: Paratram.

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 4.283, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 4.283, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010 Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 4.283, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010 Aprova as diretrizes e estratégias para organização, fortalecimento e aprimoramento das ações e serviços de farmácia

Leia mais

TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC).

TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC). NOTA TÉCNICA 92/2013 Solicitante Dr. Wellington Reis Braz João Monlevade Processo nº 0362.13.4367-6 Data: 13/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva

Leia mais

www.grupoidealbr.com.br

www.grupoidealbr.com.br www.grupoidealbr.com.br Programa Nacional de Segurança do Paciente Introdução Parágrafo 12 do primeiro livro da sua obra Epidemia: "Pratique duas coisas ao lidar com as doenças; auxilie ou ao menos não

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PORTARIA Nº 111, DE 27 DE JUNHO DE 2012. Dispõe sobre normas técnicas e administrativas relacionadas à prescrição e dispensação de medicamentos e insumos do Componente Básico

Leia mais

IMPACTOS INICIAIS DA INFORMATIZAÇÃO SOBRE O CONTROLE DE MEDICAMENTOS NA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA DO SUS

IMPACTOS INICIAIS DA INFORMATIZAÇÃO SOBRE O CONTROLE DE MEDICAMENTOS NA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA DO SUS ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA IMPACTOS INICIAIS DA INFORMATIZAÇÃO SOBRE O CONTROLE DE MEDICAMENTOS NA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA DO SUS MUNIS,

Leia mais

APRESENTAÇÃO Elaine de Andrade Azevedo

APRESENTAÇÃO Elaine de Andrade Azevedo APRESENTAÇÃO Elaine de Andrade Azevedo Farmacêutica, graduada em Farmácia pela Faculdade de Farmácia da Universidade Federal de Minas Gerais. Especialista em Farmacologia pela Universidade Federal de Lavras

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS. luciene@fortalnet.com.br 1

POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS. luciene@fortalnet.com.br 1 POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS luciene@fortalnet.com.br 1 POLÍTICA? luciene@fortalnet.com.br 2 Política É um compromisso oficial expresso em um documento escrito. São decisões de caráter geral, destinadas

Leia mais

Pesquisa Clínica e Regulamentação da Importação de Medicamentos. Revisoras da 2ª Edição: Carolina Rodrigues Gomes e Vera Lúcia Edais Pepe

Pesquisa Clínica e Regulamentação da Importação de Medicamentos. Revisoras da 2ª Edição: Carolina Rodrigues Gomes e Vera Lúcia Edais Pepe Pesquisa Clínica e Regulamentação da Importação de Medicamentos Autoras: Grazielle Silva de Lima e Letícia Figueira Freitas Revisoras da 2ª Edição: Carolina Rodrigues Gomes e Vera Lúcia Edais Pepe Revisoras

Leia mais

A Segurança na Administração da Quimioterapia Oral.ral

A Segurança na Administração da Quimioterapia Oral.ral A Segurança na Administração da Quimioterapia Oral.ral 2º Congresso Multidisciplinar em Oncologia do Instituto do Câncer do Hospital Mãe de Deus Enfª Érika Moreti Campitelli Antineoplásico oral: Atualmente

Leia mais

Prof. Dr. Gilson Cesar Nobre Franco

Prof. Dr. Gilson Cesar Nobre Franco TERAPÊUTICA MEDICAMENTOSA EM IMPLANTODONTIA Prof. Dr. Gilson Cesar Nobre Franco Terapêutica Medicamentosa Pré-operatório Trans-operatório Pós-operatório Ansiolíticos Antiinflamatórios tó i Antimicrobianos

Leia mais

TERMINALIDADE NORMA Nº 643

TERMINALIDADE NORMA Nº 643 Página: 1/7 1- OBJETIVO 1.1- Garantir os Direitos dos pacientes relacionados aos seus valores pessoais, preservando sua individualidade e sua dignidade humana, tais como: 1.2- Diminuir o sofrimento do

Leia mais

Fabiola Sulpino Vieira. fabiolasulpino@uol.com.br

Fabiola Sulpino Vieira. fabiolasulpino@uol.com.br Fabiola Sulpino Vieira fabiolasulpino@uol.com.br Mercado Farmacêutico Mundial Entre 1980 e 1999 houve crescimento de 5 até quase 120 bilhões de dólares a preços constantes Em 1999, 15% da população mundial

Leia mais

Guia para Registro de Novas Associações em Dose Fixa

Guia para Registro de Novas Associações em Dose Fixa Medicamentos Guia para Registro de Novas Associações em Dose Fixa Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa Guia para Registro de Novas Associações

Leia mais

ENCONTRO ESTADUAL DE FARMACÊUTICOS PREPARATÓRIO PARA A 15ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL OFICINA AMAZONAS

ENCONTRO ESTADUAL DE FARMACÊUTICOS PREPARATÓRIO PARA A 15ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL OFICINA AMAZONAS ENCONTRO ESTADUAL DE FARMACÊUTICOS PREPARATÓRIO PARA A 15ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL OFICINA AMAZONAS Informações gerais Estado Amazonas Organizadores (sindicato e Sindicato dos Farmacêuticos

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO Artigo 1º Atendendo à Portaria de número

Leia mais

AVALIAÇÃO ESTRUTURAL DA FARMÁCIA HOSPITALAR DE UM HOSPITAL PSIQUIÁTRICO DE ANÁPOLIS.

AVALIAÇÃO ESTRUTURAL DA FARMÁCIA HOSPITALAR DE UM HOSPITAL PSIQUIÁTRICO DE ANÁPOLIS. Introdução AVALIAÇÃO ESTRUTURAL DA FARMÁCIA HOSPITALAR DE UM HOSPITAL PSIQUIÁTRICO DE ANÁPOLIS. Iris Iasmine de Rezende Araújo (UEG), Jessyka Cordeiro de Godoi (UEG), Flavio Marques Lopes (UEG) flaviomarques@ueg.br

Leia mais

GABARITO. Resposta: Cálculo da superfície corporal para dose de gencitabina 1 m 2 --- 1000 mg 1,66 m 2 --- X mg X = 1660 mg

GABARITO. Resposta: Cálculo da superfície corporal para dose de gencitabina 1 m 2 --- 1000 mg 1,66 m 2 --- X mg X = 1660 mg GABARITO 1 - Sr José, 65 anos, apresenta dor abdominal intensa há dois meses. Após solicitação de ultrasonografia pelo médico assistente chegou-se ao diagnóstico de câncer de pâncreas. O tratamento proposto

Leia mais

TEMA: RIVASTIGMINA NO TRATAMENTO DA DOENÇA DE ALZHEIMER

TEMA: RIVASTIGMINA NO TRATAMENTO DA DOENÇA DE ALZHEIMER Data: 13/12/2013 NTRR 254/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Solicitante: Pedro Guimarães Pereira Juiz de Direito, 2ª Vara da Comarca de Várzea da Palma Número do processo: 0044371-71.2013.8.13.0708

Leia mais

Modelo de Projeto de Pesquisa. Projeto de Pesquisa: Aspectos Éticos e Metodológicos

Modelo de Projeto de Pesquisa. Projeto de Pesquisa: Aspectos Éticos e Metodológicos Modelo de Projeto de Pesquisa Projeto de Pesquisa: Aspectos Éticos e Metodológicos O objetivo deste material informativo é identificar os aspectos éticos e metodológicos envolvidos na elaboração ou avaliação

Leia mais

(http://www.anvisa.gov.br/institucional/faleconosco/faleconosco.asp ).

(http://www.anvisa.gov.br/institucional/faleconosco/faleconosco.asp ). No Brasil as legislações que tratam da proteção e direitos do sujeito de pesquisa são Documento das Américas de Boas Práticas Clínicas, Resolução 196/1996 do Conselho Nacional de Saúde e Resolução RDC

Leia mais

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Ementa: Regulamenta o exercício profissional nos serviços de atendimento pré-hospitalar, na farmácia hospitalar e em outros serviços de saúde, de natureza pública

Leia mais

CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE

CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE A realização do I Congresso Brasileiro sobre o Uso Racional de Medicamentos

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013 Institui o Programa Nacional de Segurança do

Leia mais

Genéricos - Guia Básico. Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461

Genéricos - Guia Básico. Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461 Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461 Versão 3.00 2001 Introdução: Este guia visa a orientar o profissional farmacêutico sobre os genéricos, e como este deve proceder na hora de aviar uma receita nesta nova

Leia mais

DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR

DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR As páginas que se seguem constituem as Declarações Europeias da Farmácia Hospitalar. As declarações expressam os objetivos comuns definidos para cada sistema

Leia mais

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Belo Horizonte - MG, setembro de 2013. Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Patricia Fernanda Toledo Barbosa

Leia mais

I Encontro Multidisciplinar em Dor do HCI

I Encontro Multidisciplinar em Dor do HCI I Encontro Multidisciplinar em Dor do HCI Princípios do Tratamento da Dor Oncológica Odiléa Rangel Gonçalves Serviço de Anestesiologia Área de Controle da Dor Princípios do Tratamento da Dor Oncológica

Leia mais

Farmácia Hospitalar Número 15 Outubro/Novembro 2011

Farmácia Hospitalar Número 15 Outubro/Novembro 2011 Farmácia Hospitalar Número 15 Outubro/Novembro 2011 Comissão de Farmácia e Terapêutica Dra. Sonia Lucena Cipriano Farmacêutica bioquímica. Diretora Técnica de Departamento da Saúde Assistência Farmacêutica

Leia mais

F - ÁREA PROFISSIONAL FARMÁCIA. FARMÁCIA HOSPITALAR E CLÍNICA - InCor. Titulação: Aprimoramento e Especialização

F - ÁREA PROFISSIONAL FARMÁCIA. FARMÁCIA HOSPITALAR E CLÍNICA - InCor. Titulação: Aprimoramento e Especialização F - ÁREA PROFISSIONAL FARMÁCIA FARMÁCIA HOSPITALAR E CLÍNICA - InCor Titulação: Aprimoramento e Especialização Supervisora: Drª Sonia Lucena Cipriano Características: (duração 12 meses) Dirigido a farmacêuticos,

Leia mais

JAIME CÉSAR DE MOURA OLIVEIRA

JAIME CÉSAR DE MOURA OLIVEIRA Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 27, de 06 de abril de 2015 D.O.U de 08/04/2015 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

Analgesia no Pós-Parto

Analgesia no Pós-Parto Analgesia no Pós-Parto Patrícia Medeiros de Souza 1 Kristiana Murad 2 Ana Tereza Silva Gonçalves 3 Neiza Freire Veleda 3 Rodolfo Corrêa 3 Ana Carolina de Oliveira 4 Silândia Amaral da Silva Freitas 5 Associação

Leia mais

Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 27 de Outubro de 2008

Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 27 de Outubro de 2008 Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 27 de Outubro de 2008 Disciplina: Medicina II Prof.: Dr. Mário Rosa Tema da Aula Teórica: Prescrição Racional Autor(es): Joana Rebelo e Rita Anjos Equipa Revisora: Temas

Leia mais

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM ATENÇÃO FARMACÊUTICA PARA A MELHORIA DA SAÚDE DA POPULAÇÃO

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM ATENÇÃO FARMACÊUTICA PARA A MELHORIA DA SAÚDE DA POPULAÇÃO 10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM ATENÇÃO FARMACÊUTICA PARA A MELHORIA DA SAÚDE DA POPULAÇÃO Jonas Ricardo Munhoz 1 Johnny Trovó Rota 1 Raquel Soares Tasca 2 Marco Antonio Costa 2 Os estudos da utilização

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE Coordenadoria de Serviços de Saúde INSTITUTO DANTE PAZZANESE DE CARDIOLOGIA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE Coordenadoria de Serviços de Saúde INSTITUTO DANTE PAZZANESE DE CARDIOLOGIA DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA ANÁLISE DE PROJETOS DE PESQUISA 1 Folha de Rosto http://portal2.saude.gov.br/sisnep/pesquisador - está folha de rosto deverá ser impressa em 3 vias; deverá ser assinada pelo

Leia mais

Tema: Informações técnicas sobre a substituição do Depakene pelo Ácido Valpróico genérico em crises convulsivas.

Tema: Informações técnicas sobre a substituição do Depakene pelo Ácido Valpróico genérico em crises convulsivas. Data: 19/11/2012 Nota técnica18/2012 Solicitante Des. Vanessa Verdolim Hudson Andrade 1ª Câmara Cível - TJMG Medicamento Material Procedimento Cobertura x Tema: Informações técnicas sobre a substituição

Leia mais

MEDICAMENTOS GUIA Nº 01/2015 Versão 1 GUIA PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO SUMÁRIO DE VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE MEDICAMENTOS

MEDICAMENTOS GUIA Nº 01/2015 Versão 1 GUIA PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO SUMÁRIO DE VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE MEDICAMENTOS MEDICAMENTOS GUIA Nº 01/2015 Versão 1 Agência Nacional de Vigilância Sanitária GUIA PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO SUMÁRIO DE VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE MEDICAMENTOS VIGENTE A PARTIR DE 09/10/2015

Leia mais

Lista de checagem do protocolo

Lista de checagem do protocolo MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Comitê de Ética em Pesquisa Lista de checagem do protocolo A avaliação do projeto

Leia mais

Aconselhamento ao paciente sobre medicamentos: ênfase nas populações geriátrica e pediátrica*

Aconselhamento ao paciente sobre medicamentos: ênfase nas populações geriátrica e pediátrica* Aconselhamento ao paciente sobre medicamentos: ênfase nas populações geriátrica e pediátrica* Profa. Dra. Rosaly Correa de Araujo Diretora, Divisão International United States Pharmacopeia O aconselhamento

Leia mais

SEGURANÇA NA MEDICAÇÃO. Câmara de Apoio Técnico- COREN SP PROJETO COREN SP 2010 SEGURANÇA DO PACIENTE

SEGURANÇA NA MEDICAÇÃO. Câmara de Apoio Técnico- COREN SP PROJETO COREN SP 2010 SEGURANÇA DO PACIENTE SEGURANÇA NA MEDICAÇÃO Câmara de Apoio Técnico- COREN SP PROJETO COREN SP 2010 SEGURANÇA DO PACIENTE Erro de Medicação Complexidade do sistema de saúde Ambientes especializados e dinâmicos Condições que

Leia mais

CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 PLANO DE CURSO

CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 PLANO DE CURSO CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 Componente Curricular: Farmácia Hospitalar Código: FAR - 110 Pré-requisito: Sem pré-requisitos Período

Leia mais

Naproxeno. Identificação. Denominação botânica: Não aplicável. Aplicações

Naproxeno. Identificação. Denominação botânica: Não aplicável. Aplicações Material Técnico Naproxeno Identificação Fórmula Molecular: C 14 H 14 O 3 Peso molecular: 230,3 DCB / DCI: 06233 -Naproxeno CAS: 22204-53-1 INCI: Não aplicável. Denominação botânica: Não aplicável. Sinonímia:

Leia mais

INTRODUÇÃO (WHO, 2007)

INTRODUÇÃO (WHO, 2007) INTRODUÇÃO No Brasil e no mundo estamos vivenciando transições demográfica e epidemiológica, com o crescente aumento da população idosa, resultando na elevação de morbidade e mortalidade por doenças crônicas.

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA DOR (PENPCDor)

PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA DOR (PENPCDor) PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA DOR (PENPCDor) 1. Introdução A dor é uma perceção pessoal que surge num cérebro consciente, tipicamente em resposta a um estímulo nóxico provocatório,

Leia mais

Rivastigmina (Port.344/98 -C1)

Rivastigmina (Port.344/98 -C1) Rivastigmina (Port.344/98 -C1) Alzheimer DCB: 09456 CAS: 129101-54-8 Fórmula molecular: C 14 H 22 N 2 O 2.C 4 H 6 O 6 Nome químico: (S)-N-Ethyl-3-[(1-dimethylamino)ethyl]-N-methylphenylcarbamate hydrogen

Leia mais

Meprate Tablets 400mg

Meprate Tablets 400mg Estadomembro UE/EEE Titular da autorização de introdução no mercado Nome de fantasia Dosagem Forma farmacêutica Via de administração Reino Unido Chelonia Healthcare Limited, Boumpoulinas 11, 3rd Floor,

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Segurança na prescrição de medicamentos.

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Segurança na prescrição de medicamentos. Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Segurança na prescrição de medicamentos. POP nº 05 - NUVISAH/HU Versão: 01 Próxima revisão: 11/12/2015 Elaborado

Leia mais

Data: 17/05/2013. NTRR 74/ 2013 a. Medicamento x Material Procedimento Cobertura

Data: 17/05/2013. NTRR 74/ 2013 a. Medicamento x Material Procedimento Cobertura NTRR 74/ 2013 a Solicitante: Juiza de Direito Herilene de Oliveira Andrade Itapecerica Número do processo: 335.13.910-3 Data: 17/05/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Réu: Município de

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 396/2013 Naprix, Vastarel, Lasix, Carvedilol, Atorvastatina, Aspirina

RESPOSTA RÁPIDA 396/2013 Naprix, Vastarel, Lasix, Carvedilol, Atorvastatina, Aspirina RESPOSTA RÁPIDA 396/2013 Naprix, Vastarel, Lasix, Carvedilol, Atorvastatina, Aspirina SOLICITANTE Dra. Sabrina da Cunha Peixoto Ladeira. Juiza de Direito NÚMERO DO PROCESSO 13 007501-7 DATA 07/11/2013

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS 1. Introdução O papel do farmacêutico, em particular no contexto da Farmácia Comunitária tem vindo a evoluir no sentido de uma maior intervenção do Farmacêutico

Leia mais

TÍTULO: ADESÃO À TERAPIA MEDICAMENTOSA POR DIABÉTICOS ASSISTIDOS POR DUAS EQUIPES DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA CIDADE DE ARAXÁ-MG

TÍTULO: ADESÃO À TERAPIA MEDICAMENTOSA POR DIABÉTICOS ASSISTIDOS POR DUAS EQUIPES DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA CIDADE DE ARAXÁ-MG TÍTULO: ADESÃO À TERAPIA MEDICAMENTOSA POR DIABÉTICOS ASSISTIDOS POR DUAS EQUIPES DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA CIDADE DE ARAXÁ-MG CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA:

Leia mais

Fortalecendo o Sistema de Farmacovigilância para a introdução de novos medicamentos para a tuberculose no Brasil

Fortalecendo o Sistema de Farmacovigilância para a introdução de novos medicamentos para a tuberculose no Brasil Fortalecendo o Sistema de Farmacovigilância para a introdução de novos medicamentos para a tuberculose no Brasil Introdução Em 2009, o Ministério da Saúde (MS) do Brasil mudou seu esquema de tratamento

Leia mais

ATUAÇÃO DO FARMACÊUTICO NA PESQUISA CLÍNICA

ATUAÇÃO DO FARMACÊUTICO NA PESQUISA CLÍNICA 2ª Jornada de Ciências Farmacêuticas Centro Universitário Estadual da Zona Oeste UEZO - 2012 ATUAÇÃO DO FARMACÊUTICO NA PESQUISA CLÍNICA Robson Leite de Souza Cruz Instituto de tecnologia em Imunobiológicos

Leia mais

Fontes de Notificação em Farmacovigilância Murilo Freitas Dias, Nair Ramos de Souza, Milena Oliveira Bittencourt e Marcia Santos Nogueira

Fontes de Notificação em Farmacovigilância Murilo Freitas Dias, Nair Ramos de Souza, Milena Oliveira Bittencourt e Marcia Santos Nogueira Fontes de Notificação em Farmacovigilância Murilo Freitas Dias, Nair Ramos de Souza, Milena Oliveira Bittencourt e Marcia Santos Nogueira Um dos principais objetivos da Farmacovigilância, seja qual for

Leia mais

Prescrição e Dispensação de Medicamentos Genéricos e Similares Destaques da Legislação Vigente

Prescrição e Dispensação de Medicamentos Genéricos e Similares Destaques da Legislação Vigente Prescrição e Dispensação de Medicamentos Genéricos e Similares Destaques da Legislação Vigente Brasília, 21 de outubro de 2013. Processo nº: 25351.584974/2013-59 Tema da Agenda Regulatória 2013/2014 nº:

Leia mais

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology RESIDÊNCIA MÉDICA Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology José Luiz Miranda Guimarães* Neste número estamos divulgando o resultado parcial do Seminário

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 122/2014 Informações sobre transtorno de ansiedade generalizada e distúrbio de déficit de atenção e hiperatividade

RESPOSTA RÁPIDA 122/2014 Informações sobre transtorno de ansiedade generalizada e distúrbio de déficit de atenção e hiperatividade RESPOSTA RÁPIDA 122/2014 Informações sobre transtorno de ansiedade generalizada e distúrbio de déficit de atenção e hiperatividade SOLICITANTE Dra. Renata Abranches Perdigão Juíza de Direito do JESP da

Leia mais

Nacional sobre Propaganda e Uso Racional de Medicamentos

Nacional sobre Propaganda e Uso Racional de Medicamentos Seminário Nacional sobre Propaganda e Uso Racional de Medicamentos Brasília 31 de agosto,, 1 e 2 de setembro de 2006 Promoção do Uso Racional de Medicamentos Informação aos Prescritores e Dispensadores

Leia mais

O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL

O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL HEMOCENTRO DE BELO HORIZONTE 2015 TRANFUSÃO SANGUÍNEA BREVE RELATO Atualmente a transfusão de sangue é parte importante da assistência à saúde. A terapia transfusional

Leia mais

TYLALGIN CAF. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido Revestido 500mg + 65mg

TYLALGIN CAF. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido Revestido 500mg + 65mg TYLALGIN CAF Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido Revestido 500mg + 65mg MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento.

Leia mais

Instruções gerais para o preenchimento do formulário

Instruções gerais para o preenchimento do formulário Instruções gerais para o preenchimento do formulário Cada tipo de tecnologia (medicamento, produto para saúde ou procedimento) possui um formulário específico. Alguns campos poderão não aparecer dependendo

Leia mais

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos Gestão Foto: dreamstime.com Longo caminho Medida da ANS inicia discussão sobre a oferta de medicamentos ambulatoriais para doentes crônicos pelas operadoras de saúde Por Danylo Martins Acontece no mundo

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO EM FARMÁCIA

MANUAL DE ESTÁGIO EM FARMÁCIA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS DEPT O CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS DCF CURSO DE FARMÁCIA MANUAL DE ESTÁGIO EM FARMÁCIA Prof. Ms. Edmarlon Girotto Professor Responsável 6EST506

Leia mais

Ciências Morfofuncionais III Fármacos analgésicos

Ciências Morfofuncionais III Fármacos analgésicos Ciências Morfofuncionais III Fármacos analgésicos Professores: Felipe, Jean-Pierre e Olivia FÁRMACOS ANALGÉSICOS Analgésico é um termo coletivo para designar qualquer membro do diversificado grupo de drogas

Leia mais

Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde

Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde Rede Sentinela Desde 2011, 192 hospitais da Rede Sentinela monitoram

Leia mais

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional CAPÍTULO I PRINCÍPIOS NORTEADORES Art. 1º Os procedimentos em saúde mental a serem adotados

Leia mais

Relação Nacional de Medicamentos Essenciais 2010 e. Formulário Terapêutico Nacional 2010

Relação Nacional de Medicamentos Essenciais 2010 e. Formulário Terapêutico Nacional 2010 Ano XV Número 06 nov-dez/2010 Relação Nacional de Medicamentos Essenciais 2010 e Formulário Terapêutico Nacional 2010 Rogério Hoefler e Ana Cristhina S. Maluf Introdução Os medicamentos são importantes

Leia mais

Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1

Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1 Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1 Assunto: Fluxo para solicitação, distribuição e dispensação do medicamento Palivizumabe para o tratamento profilático do Vírus Sincicial Respiratório (VSR) no Estado

Leia mais

ESTUDO FÁRMACO-ECONÔMICO DO PERFIL DE CONSUMO DE MEDICAMENTOS OFERTADOS PELO CAPS AD WALTER SARMENTO DA CIDADE DE SOUSA-PB

ESTUDO FÁRMACO-ECONÔMICO DO PERFIL DE CONSUMO DE MEDICAMENTOS OFERTADOS PELO CAPS AD WALTER SARMENTO DA CIDADE DE SOUSA-PB ESTUDO FÁRMACO-ECONÔMICO DO PERFIL DE CONSUMO DE MEDICAMENTOS OFERTADOS PELO CAPS AD WALTER SARMENTO DA CIDADE DE SOUSA-PB 1 Roosevelt Albuquerque Gomes, Faculdade Santa Maria, roosevelt.ag@gmail.com 2

Leia mais

Princípios orientadores para a política do medicamento

Princípios orientadores para a política do medicamento Princípios orientadores para a política do medicamento Aprovado pela Comissão Nacional de Farmácia e Terapêutica Objectivos: Neste documento da Comissão Nacional de Farmácia e Terapêutica (CNFT) discutem-se

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Práticas seguras de distribuição de medicamentos.

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Práticas seguras de distribuição de medicamentos. Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Práticas seguras de distribuição de medicamentos. POP nº 06 - NUVISAH/HU Versão: 01 Próxima revisão: 30/07/2016

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 ORGANIZAÇÃO DAS AÇÕES EM SAÚDE DO TRABALHADOR NA ATENÇÃO BÁSICA NOS MUNICÍPIOS DA 20ª REGIONAL DE SAÚDE DO PARANÁ 1 Viviane Delcy da Silva 2 Neide Tiemi Murofuse INTRODUÇÃO A Saúde do Trabalhador (ST)

Leia mais

Segurança na Cadeia Terapêutica Medicamentosa. Marinei Ricieri Farmacêutica Clínica

Segurança na Cadeia Terapêutica Medicamentosa. Marinei Ricieri Farmacêutica Clínica Segurança na Cadeia Terapêutica Medicamentosa Marinei Ricieri Farmacêutica Clínica 21-Maio-2014 1 O que (quem) é a Cadeia Terapêutica Medicamentosa? 2 É um sistema complexo de fornecimento de medicação.

Leia mais

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: FARMACOLOGIA BÁSICA Código: ODO-015 CH Total: 60 horas Pré-requisito:

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 366/2014 Dor Difusa - Duloxetina

RESPOSTA RÁPIDA 366/2014 Dor Difusa - Duloxetina RESPOSTA RÁPIDA 366/2014 Dor Difusa - Duloxetina SOLICITANTE Dra. Renata Abranches Perdigão Juíza de Direito do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo NÚMERO DO PROCESSO Autos nº. 0112.14.005276-5 DATA

Leia mais

Unidade de Pesquisa Clínica

Unidade de Pesquisa Clínica Unidade de Pesquisa Clínica A EQUIVALÊNCIA FARMACÊUTICA NO CONTEXTO DA INTERCAMBIALIDADE ENTRE MEDICAMENTOS GENÉRICOS E DE : BASES TÉCNICAS E CIENTÍFICAS abril/04 SÍLVIA STORPIRTIS1,2; RAQUEL MARCOLONGO1;

Leia mais

MUDANÇAS NO MERCADO BRASILEIRO PARA O TRATAMENTO DA DISFUNÇÃO ERÉTIL INTERCORRENTES DA QUEBRA DA PATENTE DO CITRATO DE SILDENAFILA (Viagra )

MUDANÇAS NO MERCADO BRASILEIRO PARA O TRATAMENTO DA DISFUNÇÃO ERÉTIL INTERCORRENTES DA QUEBRA DA PATENTE DO CITRATO DE SILDENAFILA (Viagra ) MUDANÇAS NO MERCADO BRASILEIRO PARA O TRATAMENTO DA DISFUNÇÃO ERÉTIL INTERCORRENTES DA QUEBRA DA PATENTE DO CITRATO DE SILDENAFILA (Viagra ) Luiz Marques Campelo 1, Marcelo Gurgel Carlos da Silva 1, Maria

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA

TÍTULO: SE TOCA MULHER CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO

Leia mais

http://www.brasilsus.com.br/legislacoes/gm/109651-2201.html?tmpl=component&pri...

http://www.brasilsus.com.br/legislacoes/gm/109651-2201.html?tmpl=component&pri... Page 1 of 8 PORTARIA Nº 2.201, DE 14 DE SETEMBRO DE 2011 Legislações - GM Qui, 15 de Setembro de 2011 00:00 PORTARIA Nº 2.201, DE 14 DE SETEMBRO DE 2011 Estabelece as Diretrizes Nacionais para Biorrepositório

Leia mais

APRAZAMENTO DE MEDICAÇÃO ATIVIDADE PARA O ENFERMEIRO RESUMO

APRAZAMENTO DE MEDICAÇÃO ATIVIDADE PARA O ENFERMEIRO RESUMO APRAZAMENTO DE MEDICAÇÃO ATIVIDADE PARA O ENFERMEIRO FREIRE, Ana Maria de Sousa Silva OLIVEIRA, Thiciana Souza de RESUMO Objetivou-se, com este estudo, conhecer a opinião dos enfermeiros sobre a atividade

Leia mais

Dimensão Segurança do Doente. Check-list Procedimentos de Segurança

Dimensão Segurança do Doente. Check-list Procedimentos de Segurança 1. 1.1 1.2 Cultura de Segurança Existe um elemento(s) definido(s) com responsabilidade atribuída para a segurança do doente Promove o trabalho em equipa multidisciplinar na implementação de processos relativos

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648 Página: 1/4 1- OBJETIVO Definir estratégias para garantir a segurança do paciente, visando minimizar os riscos durante os processos associados aos cuidados de saúde através da implementação de boas práticas

Leia mais