Síntese dos desafios do seguro rural no Brasil: onde falhamos e até onde avançamos. Vitor Ozaki Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Síntese dos desafios do seguro rural no Brasil: onde falhamos e até onde avançamos. Vitor Ozaki Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz"

Transcrição

1 Síntese dos desafios do seguro rural no Brasil: onde falhamos e até onde avançamos Vitor Ozaki Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz

2 ONDE FALHAMOS? SÍNTESE HISTÓRICA - Criação da Federal Crop Insurance Corporation (FCIC) - Cobertura multirisco para o trigo Lei n 2.168/1954: - Criação do Fundo de Estabilidade de Seguro Agrário - Surgimento da Companhia Nacional de Seguro Agrícola (CNSA)

3 ONDE FALHAMOS? SÍNTESE HISTÓRICA 1969: - Responsabilidade de US$ 920 milhões e índice de sinistralidade médio de 0,96 (década) - Culturas seguradas: trigo, linho, algodão, milho, linho, pêssego, laranja, sorgo, aveia e arroz Decreto-Lei n 73/1966. Dissolução da CNSA. Principais causas: - Acúmulo de dívidas; - Falta de dados estatísticos; - Implementação de planos indistintos; - Concentração dos riscos ;

4 ONDE FALHAMOS? SÍNTESE HISTÓRICA Correções no programa, de modo a incorporar as características e os riscos individuais do produtor para incentivar a participação. De 1970 e 1978: sinistralidade média igual a 0,93. Apenas 7,5% de toda área colhida estava segurada e a cobertura da companhia correspondia a 2,9% do valor total da produção. Sete anos após a dissolução da CNSA foi criado o PROAGRO, sob a administração do BACEN. Sinistralidade: 84,8 (1975), 8,2 (1976), 10,1 (1977), 9,3 (1978) e 16,5 (1979). 1968: Criação da Companhia de Seguros do Estado de São Paulo (Cosesp);

5 ONDE FALHAMOS? SÍNTESE HISTÓRICA Lei Federal do Seguro Agrícola de 1980 Garantiu o MPCI como a principal forma de proteção contra desastres. Início do Programa de Subvenção norte-americano. Área segurada em 1981: 19,3 milhões de hectares. Operacionalização do Proagro. Conjunto de equívocos técnicos, operacionais e administrativos Participação das empresas estatais: Bemge (MG), Companhia União de Seguros Gerais (RS) e Cosesp (SP). Cobertura limitada e pouca adesão dos produtores. Seguro rural quase inexistente.

6 ONDE FALHAMOS? SÍNTESE HISTÓRICA De 1981 a 1994 a sinistralidade média foi de 1,41. As indenizações superaram os prêmios em US$ 3,3 bilhões. Por isso, na Lei Agrícola Norte-Americana de 1990: - Aumentou as taxas de prêmio; - Estabeleceu metas de sinistralidade para todas as culturas seguradas; - Permitiu o desenvolvimento de novos produtos; - Tornou compulsória a participação no MPCI aos agricultores interessados em beneficiar-se dos outros programas governamentais; Responsabilidade ao redor de US$ 24 bilhões. Criação da Agência de Administração de Risco (RMA), vinculada ao USDA, que administra os programas da FCIC. Início do desenvolvimento do seguro de renda. Durante a década o PROAGRO passa por mudanças significativas Início do seguro rural privado

7 ONDE FALHAMOS? SÍNTESE HISTÓRICA 2003 Lei federal /03: início do Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural; Projeto Estadual de Subvenção do Prêmio do Seguro Rural (PESP) Resolução BACEN 3.234/04 criação do PROAGRO MAIS Entrada de novas seguradoras privadas no mercado Tabela Comparativa 2007

8 Até onde avançamos Programas governamentais em vigência: Programa de subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (MAPA); PROAGRO (BACEN); PROAGRO MAIS e Garantia Safra (MDA); Particularmente, quanto ao mercado de seguro rural privado:

9 Até onde avançamos Incentivos à demanda: Programa de subvenção do MAPA; Programa de subvenção dos Governos Estaduais; Incentivos à oferta: Abertura e regulamentação do mercado de resseguros; Projeto de Lei Complementar que cria o Fundo de Catástrofe do Seguro Rural; Criação do curso à distância da Associação Brasileira de Educação Agrícola Superior ABEAS para capacitação de profissionais;

10 Até onde avançamos Incentivos à pesquisa: Criação do GRUPO DE PESQUISA SOBRE SEGURO RURAL com o objetivo de desenvolver produtos e innovar em processos, gerar informação, estudos e análises do setor (http://www.lce.esalq.usp.br/seguroagricola); Projeto de capacitação de profissionais no meio acadêmico convênio FUNENSEG e ESALQ/USP; Prêmio SEGURO RURAL SOBER FUNENSEG no Congresso da Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural;

11 Até onde avançamos O tripé fundamental do mercado privado de seguro rural: Fundo de Catástrofe e Resseguros Subvenção Banco de Dados

12 Até onde avançamos Tanto o mercado de seguros privados quanto os programas governamentais demandam por serviços e informações em comum; As informações e serviços, embora existentes, estão espalhadas e desagregadas em muitas empresas, instituições e centros de pesquisa;

13 Seguros Privados Demanda Comum Programas Governamentais CNSP Assistência Técnica SUSEP FENASEG/FUNENSEG Abeas Órgãos de Climatologia PROAGRO - Bacen MAPA Secretarias Estaduais Empresas de Monitoramento/SIG Instituições Provedoras de informações PROAGRO MAIS MDA Segurado Segurador Universidades Centros de Pesquisa Garantia Safra - MDA Ressegurador Bancos Comerciais

14 Desafios A confiabilidade e exatidão das informações afetam principalmente as seguintes etapas do processo: A subscrição; Os cálculos atuariais; O acompanhamento da safra; O monitoramento agrometeorológico; As regulações de sinistro; Retroalimentação utilizar as informações para a melhoria contínua; Exemplo: precificação.

15 Desafios Nos estados em que as informações são imprecisas e não são coletadas periodicamente dificultam o acesso ao seguro; Não é possível precificar corretamente. A seguradora poderá: Caso 1. Não ofertar o produto; ou, Caso 2. Ofertar o produto fixando uma taxa subjetiva;

16 Desafios Caso 1. Não oferecer o produto. Nesse caso, a seguradora irá operar apenas nas regiões em que hajam dados confiáveis, mesmo se as regiões forem de maior risco; Exemplo: os estados do Paraná e Mato Grosso.

17 Desafios O estado do PR apresenta uma das melhores estruturas de coleta e levantamento de dados agrícolas do país, por meio do DERAL; Por sua vez, o estado do MT possui sérias deficiências no levantamento de informações da safra; O gráfico mostra a comparação do risco entre os quinze maiores produtores de soja do PR e MT.

18 risco relativo So ja - co m p ar ação d o r isco en t r e o s 15 m aio r es m un icíp io s d o MT e PR 0,300 0,250 0,200 0,150 0,100 0,050 0, Municípios ordenados MT PR

19 milhões de R$ Desafios Problemas: Na massificação do seguro para regiões de fronteira; Na distribuição dos recursos públicos do PSP; R$ 22,3 mi Programa de Subvenção (2007) R$ 2,8 mi 5 0 PR RS SP SC GO MS MT MG

20 Desafios Caso 2. Oferecer o produto a uma taxa subjetivamente fixada, normalmente, acima da média; Se o seguro não estiver vinculado ao financiamento, então haverá problemas de antiseletividade; Se o seguro estiver atrelado ao financiamento haverá resistência dos produtores de baixo e médio risco que não desejam contratar o seguro; O problema se agrava se a cobertura se reduzir;

21 Síntese dos Desafios Entraves existentes no mercado pré-lei : Risco de natureza catastrófica; Inexistência de um banco de dados consolidados; Necessidade de uma estrutura interna própria para o agrícola; Alta complexidade do produto e do processo; Incidência de fraudes;

22 Síntese dos Desafios Elevada anti-seletividade; Ausência da cultura do seguro ; Existência da cultura da renegociação ; Falta de informação em toda a cadeia produtiva; Aspectos normativos inadequados para a atual realidade;

23 Síntese dos Desafios Ineficácia do FESR; Alto custo do seguro; Reguladores não qualificados para o ramo rural; Baixa diversificação de produtos; Poucos canais de venda; Concorrência com o Proagro e Proagro Mais;

24 Desafios Futuros Os reais desafios para o futuro. A situação pós-lei : Subvenção Redução do custo do seguro; Fundo e Resseguros Relativo controle sobre o risco catastrófico Maior eficácia do Fundo frente ao FESR; Banco de Dados Criação de um banco de dados Maior controle das fraudes Redução da antiseletividade; Iniciativas complementares Curso de capacitação de peritos. - Qualificação de peritos para o ramo rural;

25 Síntese dos Desafios Alta complexidade do produto e do processo; Necessidade de uma estrutura interna própria para o agrícola; Ausência da cultura do seguro ; Existência da cultura da renegociação ; Falta de informação em toda a cadeia produtiva; Aspectos normativos inadequados para a atual realidade; Baixa diversificação de produtos; Poucos canais de venda; Concorrência com o Proagro e Proagro Mais; e,

26 Síntese dos Desafios Prioritariamente, a criação de um sistema dinâmico e integrado de informações específicas para o seguro rural; Pesquisas e estudos para: O desenvolvimento de novos produtos (seguro de renda); Análise da viabilidade dos novos produtos;

27 Conclusão Metas de curto prazo: Suprir as seguradoras com informações de rendimento, por nível de tecnologia, com base nos levantamentos do IBGE (Censo e PAM); Pesquisas e estudos para: O desenvolvimento de novos produtos (seguro de renda); Análise da viabilidade dos novos produtos; Sofisticação das metodologias atuariais; Realização do workshop com periodicidade definida (bianual);

28 Conclusão Metas de médio-longo prazos: A criação de um sistema dinâmico e integrado de informações específicas para o seguro rural; Capacitação de profissionais especializados no ramo rural; Investimento em divulgação e educação rural;

29 Vitor Ozaki (19) Pós-Doutor em Economia Aplicada pela Universidade de São Paulo, Professor Doutor do Departamento de Ciências Exatas Matemática e Estatística da ESALQ/USP e do MBA em agronegócios ESALQ/USP, coordenador do Núcleo de Estudos sobre Seguro Rural ESALQ/USP

30 Sinistralidade do Programa Norte-americano de Seguro Agrícola 3 2,5 2 1,5 1 0,

31 Sinistralidade do PROAGRO

32 Resultados Comparativos entre EUA e Brasil Brasil EUA Nº Operações Subvenção (US$) Prêmio Total (US$) Área Segurada (ha) Importância Segurada (US$)

Mesa Redonda Agrícola

Mesa Redonda Agrícola Mesa Redonda Agrícola Dia 14/04 das 14 às 16h Wady J. M. Cury 14 e 15 de Abril de 2015 ÍNDICE Princípios do Seguro MUTUALISMO... É um dos princípios fundamentais que constitui a base de todas as operações

Leia mais

Análise a Respeito do Seguro Agrícola no Brasil. Benedito S. Ferreira Diretor Titular Departamento do Agronegócio FIESP Junho de 2008

Análise a Respeito do Seguro Agrícola no Brasil. Benedito S. Ferreira Diretor Titular Departamento do Agronegócio FIESP Junho de 2008 Análise a Respeito do Seguro Agrícola no Brasil Benedito S. Ferreira Diretor Titular Departamento do Agronegócio FIESP Junho de 2008 Escopo da Análise Com base nas experiências internacionais e brasileiras

Leia mais

VI Congresso Brasileiro de Algodão. Seguro Agrícola como Alternativa para redução dos Riscos Agropecuários

VI Congresso Brasileiro de Algodão. Seguro Agrícola como Alternativa para redução dos Riscos Agropecuários VI Congresso Brasileiro de Algodão Seguro Agrícola como Alternativa para redução dos Riscos Agropecuários Segmentação do Mercado Segurador Brasileiro Danos SEGUROS Pessoas PREVI- DÊNCIA CAPITA- LIZAÇÃO

Leia mais

ANÁLISE A RESPEITO DO AGRÍCOLA NO BRASIL. Benedito S. Ferreira Cosag, 05 de fevereiro de 2007 2007

ANÁLISE A RESPEITO DO AGRÍCOLA NO BRASIL. Benedito S. Ferreira Cosag, 05 de fevereiro de 2007 2007 ANÁLISE A RESPEITO DO AGRÍCOLA NO BRASIL Benedito S. Ferreira Cosag, 05 de fevereiro de 2007 2007 ESCOPO DA ANÁLISE Com base nas experiências internacionais e brasileiras sobre Seguro Agrícola, procurou-se

Leia mais

OS DESAFIOS PARA O DESENVOLVIMENTO SEGURO RURAL PRIVADO NO BRASIL

OS DESAFIOS PARA O DESENVOLVIMENTO SEGURO RURAL PRIVADO NO BRASIL OS DESAFIOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO SEGURO RURAL PRIVADO NO BRASIL S E G U R O S E G U R O Seguro Rural Modalidades Seguro Agrícola; Seguro Pecuário; Seguro Aqüícola; Seguro de Florestas; Modalidades

Leia mais

Camara Temática de Seguros Rurais

Camara Temática de Seguros Rurais Camara Temática de Seguros Rurais Ministério da Agricultura,Pecuária e Abastecimento 07.06.2011 Camara Temática Seguro Rural Agenda 1 - Legislação O seguro rural: setor, abrangência e legislação 2 - Modelo

Leia mais

SEGURO RURAL AVANÇOS E PERSPECTIVAS

SEGURO RURAL AVANÇOS E PERSPECTIVAS SEGURO RURAL AVANÇOS E PERSPECTIVAS Histórico do Seguro Agrícola no Brasil 1878 - Congresso Agrícola do Recife; Lei n 2.168, de 11 de janeiro de 1954, estabelece normas para a instituição do seguro agrário

Leia mais

SEGURO RURAL NO BRASIL: PERSPECTIVAS MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

SEGURO RURAL NO BRASIL: PERSPECTIVAS MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEGURO RURAL NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SOCORRO PÚBLICO - ASPECTOS NEGATIVOS Elevado custo político Baixa eficiência econômica Elevado

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO E SITUAÇÃO ATUAL DO SEGURO AGRÍCOLA Vera Melo - Diretora César Neves - Coordenador Sistema Nacional de Seguros Privados: Conselho Nacional

Leia mais

RESSEGURO DO PROAGRO. Eng Agr Angelo Gemignani Sb

RESSEGURO DO PROAGRO. Eng Agr Angelo Gemignani Sb RESSEGURO DO PROAGRO Eng Agr Angelo Gemignani Sb CRÉDITO RURAL Institucionalizado em 1965 através da Lei n 4.829, de 5-11-65 SEGURO RURAL Institucionalizado em 1966 através do Decreto-Lei n 73, de 21-11-66

Leia mais

Seminário Riscos e Gestão do Seguro Rural no Brasil

Seminário Riscos e Gestão do Seguro Rural no Brasil Seminário Riscos e Gestão do Regulamentação para gestão do seguro rural em eventos catastróficos Otávio Ribeiro Damaso Secretário Adjunto de Política Econômica / otavio.damaso@fazenda.gov.br Campinas,

Leia mais

Seguro Rural. Desafios para a sua Operacionalização

Seguro Rural. Desafios para a sua Operacionalização Seguro Rural Desafios para a sua Operacionalização GESTÃO DE RISCO RURAL Riscos Rurais: - Climatológicos; Incêndio; Vida animal; Propriedades; Equipamentos; Armazenagem; Transporte; e, Preço. Seguro Rural

Leia mais

P R O A G R O. Programa de Garantia da Atividade Agropecuária. Deoclécio Pereira de Souza. Rio Branco (AC) 22-07-2008

P R O A G R O. Programa de Garantia da Atividade Agropecuária. Deoclécio Pereira de Souza. Rio Branco (AC) 22-07-2008 P R O A G R O Programa de Garantia da Atividade Agropecuária Deoclécio Pereira de Souza Rio Branco (AC) 22-07-2008 1 1.a S E G U R O A - M U N D O ANO > 1347 LOCAL > GÊNOVA - Itália FATO > 1º CONTRATO

Leia mais

Título em português: Seguro agrícola, subvenções e a cultura da soja no Brasil.

Título em português: Seguro agrícola, subvenções e a cultura da soja no Brasil. Título em português: Seguro agrícola, subvenções e a cultura da soja no Brasil. A sojicultura é uma atividade econômica sujeita a intempéries e ao movimento dos mercados nacional e internacional. Tais

Leia mais

Diálogo Brasil Estados Unidos: o caso do seguro rural

Diálogo Brasil Estados Unidos: o caso do seguro rural 17nov 2015 Diálogo Brasil Estados Unidos: o caso do seguro rural Por Fernanda Schwantes* 1. Apresentação O setor agropecuário está exposto a diferentes elementos de risco, provenientes de fatores climáticos,

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

O SEGURO RURAL NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS

O SEGURO RURAL NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS O SEGURO RURAL NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS Organização das Cooperativas Brasileiras OCB Gerência de Apoio ao Desenvolvimento em Mercados GEMERC 1. INTRODUÇÃO O agronegócio brasileiro representa

Leia mais

Subsídios para uma nova política agropecuária com gestão de riscos

Subsídios para uma nova política agropecuária com gestão de riscos Subsídios para uma nova política agropecuária com gestão de riscos Evandro Gonçalves Brito Diretoria de Agronegócios / Banco do Brasil Uberlândia (MG), 18 de novembro de 2010. Desafios Globais Os dez maiores

Leia mais

SEGURO RURAL NO BRASIL: da concepção ao Programa de Subvenção ao Prêmio

SEGURO RURAL NO BRASIL: da concepção ao Programa de Subvenção ao Prêmio SEGURO RURAL NO BRASIL: da concepção ao Programa de Subvenção ao Prêmio Igor Jose da Silva Consultor do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD e do Ministério do Desenvolvimento Agrário

Leia mais

A Estatística e o Mercado de Seguros

A Estatística e o Mercado de Seguros A Estatística e o Mercado de Seguros Semana de Estatística (SEMANEST) Vitor A. Ozaki Curitiba - 2007 Outline Apresentação Pessoal / Profissional Formação Acadêmica Histórico Profissional Carreira Profissional

Leia mais

Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015)

Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015) Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015) Gráfico 1 Evolução da produção de grãos (Em milhões de toneladas) A produção brasileira de cereais, leguminosas e oleaginosas cresceu, em

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

Evolução, Perspectivas e Desafios. J.C. Zukowski

Evolução, Perspectivas e Desafios. J.C. Zukowski SEAF Evolução, Perspectivas e Desafios J.C. Zukowski Coordenador Geral do SEAF SEGUROS AGRÍCOLAS NO BRASIL Emergência ou Básico Agricultura Familiar Agricultura Comercial Garantia-Safra Subsídio ao Prêmio

Leia mais

SEGURO RURAL BRASILEIRO. Elaine Cristina dos Santos Ferreira

SEGURO RURAL BRASILEIRO. Elaine Cristina dos Santos Ferreira SEGURO RURAL BRASILEIRO Elaine Cristina dos Santos Ferreira MODALIDADES OFERTADAS DE SEGURO RURAL Agrícola Pecuário Florestas Aqüícola Penhor rural Benfeitorias e produtos agropecuários CPR Vida do Produtor

Leia mais

SEGURO RURAL: ASPECTOS GERAIS E PRINCIPAIS TENDÊNCIAS. PROCAD UFMG Novembro/09

SEGURO RURAL: ASPECTOS GERAIS E PRINCIPAIS TENDÊNCIAS. PROCAD UFMG Novembro/09 SEGURO RURAL: ASPECTOS GERAIS E PRINCIPAIS TENDÊNCIAS PROCAD UFMG Novembro/09 SEGURO RURAL Modalidades Seguro Rural Modalidades Seguro Agrícola; Seguro Pecuário; Seguro de Benfeitorias e Produtos Agropecuários;

Leia mais

TÍTULO. Políticas de Financiamento e Proteção da Produção - MDA

TÍTULO. Políticas de Financiamento e Proteção da Produção - MDA TÍTULO Políticas de Financiamento e Proteção da Produção - MDA Lei 11.326/06 Art. 3o Para os efeitos desta Lei, considera-se agricultor familiar e empreendedor familiar rural aquele que pratica atividades

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

Fundo de Catástrofe do Seguro Rural

Fundo de Catástrofe do Seguro Rural Fundo de Catástrofe do Seguro Rural O Presidente da República submete hoje à apreciação do Congresso Nacional Projeto de Lei Complementar autorizando a constituição do Fundo de Catástrofe do Seguro Rural.

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 1.1 Agronegócio Soja 1.2 Agronegócio Milho 1.3 Agronegócio Algodão 1.4 Agronegócio Boi 2 Competitividade 2.1 Logística

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE PROGRAMA DE SUBVENÇÃO PARA O SEGURO RURAL. www.brasileirarural.com.br

A IMPORTÂNCIA DE PROGRAMA DE SUBVENÇÃO PARA O SEGURO RURAL. www.brasileirarural.com.br A IMPORTÂNCIA DE PROGRAMA DE SUBVENÇÃO PARA O SEGURO RURAL INSTRUMENTOS DE Minimização de Riscos I Proagro Mais II Seguro Privado. Coberturas: - Variações Climáticas - Preços - Índices III Cobertura Complementar

Leia mais

SEGURO RISCOS RURAIS 2002 / JAN A SET - 2012

SEGURO RISCOS RURAIS 2002 / JAN A SET - 2012 SEGURO RISCOS RURAIS 2002 / JAN A SET - 2012 1 SEGURO RISCOS RURAIS Esse estudo tomou por base dados oficiais gerados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, IBGE e pela SUSEP (Superintendência

Leia mais

Departamento de Geração de Renda e

Departamento de Geração de Renda e Departamento de Geração de Renda e Agregação de Valor - DGRAV ESTRUTURA DO MDA Gabinete do Ministro Secretaria Executiva Secretaria da Agricultura Familiar SAF Secretaria de Reordenamento Agrário - SRA

Leia mais

SEGURO RURAL BRASILEIRO

SEGURO RURAL BRASILEIRO SEGURO RURAL BRASILEIRO Gestão de Risco Rural Programa de Subvenção Econômica ao Prêmio do Seguro Rural 2011 O QUE É O SEGURO RURAL? O seguro rural é uma importante ferramenta de gestão de riscos que protege

Leia mais

O MUTUALISMO COMO FORMA DE GESTÃO DE RISCO NA AGRICULTURA. Fenômenos climáticos extremos podem afetar negativamente a produtividade e a

O MUTUALISMO COMO FORMA DE GESTÃO DE RISCO NA AGRICULTURA. Fenômenos climáticos extremos podem afetar negativamente a produtividade e a O MUTUALISMO COMO FORMA DE GESTÃO DE RISCO NA AGRICULTURA Vitor A. Ozaki 1 Resumo A agricultura é notadamente uma atividade que apresenta grau elevado de risco. Fenômenos climáticos extremos podem afetar

Leia mais

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL D E R A L PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS 20/03/06 O levantamento de campo realizado pelo DERAL, no

Leia mais

MICROSSEGUROS Aspectos Relevantes. SUSEP Superintendência de Seguros Privados Rio de Janeiro agosto de 2014

MICROSSEGUROS Aspectos Relevantes. SUSEP Superintendência de Seguros Privados Rio de Janeiro agosto de 2014 MICROSSEGUROS Aspectos Relevantes SUSEP Superintendência de Seguros Privados Rio de Janeiro agosto de 2014 1. Conceito e aspectos relevantes envolvendo os microsseguros 2. Histórico e Potencial no Brasil

Leia mais

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Informações Básicas Recursos Humanos Foram pesquisadas as pessoas que trabalhavam na administração direta e indireta por vínculo empregatício e escolaridade;

Leia mais

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil...

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil... ...... PRODUÇÃO DAS LAVOURAS EM MARÇO DE 2012 SUMÁRIO 1 - Lavouras... 5 TABELAS DE RESULTADOS Safra 2012 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra

Leia mais

ENTREVISTA COLETIVA. Senadora Kátia Abreu Presidente da CNA. 10 de julho de 2013. Compromisso com o Brasil

ENTREVISTA COLETIVA. Senadora Kátia Abreu Presidente da CNA. 10 de julho de 2013. Compromisso com o Brasil ENTREVISTA COLETIVA Senadora Kátia Abreu Presidente da CNA 10 de julho de 2013 Compromisso com o Brasil 1 Uso do Solo no Brasil Cidades e Infraestrutura 0,2% Terras Devolutas do Incra 17,6% Outros Usos:

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA PRODUÇÃO DE ALGODÃO E SOJA: UMA ANÁLISE COMPARATIVA

MERCADO DE TRABALHO NA PRODUÇÃO DE ALGODÃO E SOJA: UMA ANÁLISE COMPARATIVA MERCADO DE TRABALHO NA PRODUÇÃO DE ALGODÃO E SOJA: UMA ANÁLISE COMPARATIVA Alexandre Nunes de Almeida 1 ; Augusto Hauber Gameiro 2. (1) Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, CEPEA/ESALQ/USP,

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E O SETOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 E OS CENÁRIOS DE LONGO PRAZO Carlos Cogo Agosto/2012 LA NIÑA PROVOCA FORTES QUEBRAS EM SAFRAS DE GRÃOS O

Leia mais

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar PGPAF

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar PGPAF PGPAF Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar PGPAF O QUE É O PGPAF Programa do Governo Federal que garante aos agricultores familiares que tem financiamento no âmbito do Pronaf a indexação

Leia mais

Estado do Paraná Secretaria da Agricultura e do Abastecimento - SEAB Departamento de Economia Rural - DERAL

Estado do Paraná Secretaria da Agricultura e do Abastecimento - SEAB Departamento de Economia Rural - DERAL - SEAB Apresentação Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Câmara Setorial de Seguros Brasília - DF Junho de 2013 Programa de Subvenção ao Prêmio de Base Legal Lei Estadual 16.166/2009

Leia mais

POLÍTICA DE SUBVENÇÃO AO SEGURO RURAL: IMPLANTAÇÃO E AVALIAÇÃO DO PROGRAMA MINAS + SEGURO NO ANO DE 2008.

POLÍTICA DE SUBVENÇÃO AO SEGURO RURAL: IMPLANTAÇÃO E AVALIAÇÃO DO PROGRAMA MINAS + SEGURO NO ANO DE 2008. POLÍTICA DE SUBVENÇÃO AO SEGURO RURAL: IMPLANTAÇÃO E AVALIAÇÃO DO PROGRAMA MINAS + SEGURO NO ANO DE 2008. GT03 - Estado, políticas públicas e desenvolvimento. RESUMO Historicamente a produção da agropecuária

Leia mais

Programa de Seguro Rural Brasileiro. Aplicação de recursos com base em informações de risco climático

Programa de Seguro Rural Brasileiro. Aplicação de recursos com base em informações de risco climático Programa de Seguro Rural Brasileiro Aplicação de recursos com base em informações de risco climático Programa de Subvenção ao Prêmio do seguro Rural - PSR Evolução do Programa Estudo sobre Priorização

Leia mais

Consórcio de Cooperativas:

Consórcio de Cooperativas: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo Departamento de Cooperativismo e Associativismo Rural Consórcio de Cooperativas: uma estratégia

Leia mais

Milho Perspectivas do mercado 2011/12

Milho Perspectivas do mercado 2011/12 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA Milho Perspectivas do mercado 2011/12 março de 2012 Milho - Oferta e Demanda - Mundo milhões de t. Safras 2008/09 2009/10

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Page 1 of 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.823, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

O custo atual de produção de etanol viabiliza novos investimentos?

O custo atual de produção de etanol viabiliza novos investimentos? Workshop BNDES -Desafios para o Investimento em Novas Usinas de Etanol no Brasil O custo atual de produção de etanol viabiliza novos investimentos? Carlos Eduardo Osório Xavier Gestor de projetos PECEGE/ESALQ/USP

Leia mais

SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE SEGURO DE EMERGÊNCIA E SEGURO AGRÍCOLA

SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE SEGURO DE EMERGÊNCIA E SEGURO AGRÍCOLA SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE SEGURO DE EMERGÊNCIA E SEGURO AGRÍCOLA Porto Alegre - Brasil 29 de junho a 2 de julho de 2005 O IRB-BRASIL RE COMO RESSEGURADOR E GESTOR DO FUNDO DE ESTABILIDADE DO SEGURO

Leia mais

Uma Visão do Setor de Seguros no Brasil. Alexandre H. Leal Neto Superintendente de Regulação

Uma Visão do Setor de Seguros no Brasil. Alexandre H. Leal Neto Superintendente de Regulação Uma Visão do Setor de Seguros no Brasil Alexandre H. Leal Neto Superintendente de Regulação Pauta da apresentação 1º Estrutura do Setor 2º Representação Institucional do Setor 3º Arrecadação Visão por

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

Auditorias no Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) e no Zoneamento Agrícola de Risco Climático (ZARC)

Auditorias no Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) e no Zoneamento Agrícola de Risco Climático (ZARC) Auditorias no Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) e no Zoneamento Agrícola de Risco Climático (ZARC) Brasília, 15/10/2015 Mitigadores de Risco Visão Geral Agricultura de Subsistência

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Conceito de Agronegócio e a atuação do Imea 2 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 2.1 Agronegócio Soja 2.2 Agronegócio Milho 2.3 Agronegócio Algodão

Leia mais

Reunião Câmara Setorial Cadeia Produtiva do Arroz - 10/09/10

Reunião Câmara Setorial Cadeia Produtiva do Arroz - 10/09/10 Reunião Câmara Setorial Cadeia Produtiva do Arroz Brasília/DF - 10/09/10 Dados da Seguradora Aliança a do Brasil Seguro Agrícola Riscos Cobertos Tromba d água Ventos fortes e ventos frios Granizo Geada

Leia mais

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA III Reunião Técnica do CEMADEN Tema: Extremos Climáticos e Colapso de Produção Agrícola Fortaleza/CE 02 e 03 de abril de 2012 Antecedentes Altos índices

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Diretoria Políticas de Alfabetização e Educação de Jovens e Adultos maio 2015 PANORAMA DA EDUCAÇÃO DE JOVENS

Leia mais

GRUPO GESER - GESTÃO EM SEGUROS E RISCOS DA ESALQ/USP

GRUPO GESER - GESTÃO EM SEGUROS E RISCOS DA ESALQ/USP GRUPO GESER - GESTÃO EM SEGUROS E RISCOS DA ESALQ/USP Terceira edição outubro 2013 Na terceira edição do Boletim do Seguro Rural (BSR), o Grupo GESER Gestão em Seguros e Riscos abordará em sua Matéria

Leia mais

Gestão de risco rural, Proagro, seguro rural e Fundo de Catástrofe. Mesquita de Sant Ana Coordenador-Geral de Seguro Rural SPA/DEGER

Gestão de risco rural, Proagro, seguro rural e Fundo de Catástrofe. Mesquita de Sant Ana Coordenador-Geral de Seguro Rural SPA/DEGER Gestão de risco rural, Proagro, seguro rural e Fundo de Catástrofe Eustáquio Mesquita de Sant Ana Coordenador-Geral de Seguro Rural SPA/DEGER RR AP AM PA MA CE RN AC 90 s RO MT TO PI BA PB PE AL SE 80

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

GRÁFICO 1 - EVOLUÇÃO DO CRÉDITO RURAL, NO PERÍODO DE 1969 A 2003, EM BILHÕES DE REAIS - VALORES CONSTANTES DE 2003

GRÁFICO 1 - EVOLUÇÃO DO CRÉDITO RURAL, NO PERÍODO DE 1969 A 2003, EM BILHÕES DE REAIS - VALORES CONSTANTES DE 2003 GRÁFICO 1 - EVOLUÇÃO DO CRÉDITO RURAL, NO PERÍODO DE 1969 A 2003, EM BILHÕES DE REAIS - VALORES CONSTANTES DE 2003 100 90 80 70 60 50 40 30 20 10 0 R$ bilhões 1969 1971 1973 1975 1977 1979 1981 1983 1985

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

SEGURO RURAL PSR. Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural Privado

SEGURO RURAL PSR. Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural Privado SEGURO RURAL PSR Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural Privado O QUE É O PSR Apoio do Governo Federal ao produtor rural para contratação de apólice de seguro rural, por meio de subvenção econômica.

Leia mais

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO AGENDA PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO O PROGRAMA PROGRAMA PARA DESENVOLVIMENTO DA CABOTAGEMNO BRASIL, COM A PARTICIPAÇÃO DOS ORGÃOS INTERVENIENTES, ATRAVÉS DE UM GRUPO

Leia mais

INTEGRAÇÃO CONTRATUAL

INTEGRAÇÃO CONTRATUAL INTEGRAÇÃO CONTRATUAL Uma Estratégia de Acesso ao Mercado Internacional Pedro Viana Borges Esp. Pol. Públicas P e Gestão Governamental Internacionalização de Cooperativas Integração Regional no Mercosul

Leia mais

Pedro Loyola Federação da Agriculturas do Estado do Paraná (FAEP) - Brasil ALASA 2012 - QUEBEC - CANADA

Pedro Loyola Federação da Agriculturas do Estado do Paraná (FAEP) - Brasil ALASA 2012 - QUEBEC - CANADA Pedro Loyola Federação da Agriculturas do Estado do Paraná (FAEP) - Brasil ALASA 2012 - QUEBEC - CANADA SEGURO RURAL EVOLUÇÃO PSR 2005-2014 SITUAÇÃO 2015 ORÇAMENTO PSR 2016 NOVAS REGRAS 2016-2018 CONCLUSÕES

Leia mais

(MLRV) SEGURO D&O JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES. lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1

(MLRV) SEGURO D&O JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES. lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 SEGURO D&O JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 1- INTRODUÇÃO: D&O é uma abreviação da expressão em inglês Directors and Officers Liability Insurance. Este seguro

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL IMPORTÂNCIA ECONOMICA 1- Exportações em 2014: Mais de US$ 100 bilhões de dólares; 2- Contribui com aproximadamente 23% do PIB brasileiro; 3- São mais de 1 trilhão de Reais e

Leia mais

Palma de óleo, agricultura familiar e desenvolvimento rural sustentável

Palma de óleo, agricultura familiar e desenvolvimento rural sustentável Palma de óleo, agricultura familiar e desenvolvimento rural sustentável Sumário Agricultura familiar no Brasil Importância e aspectos positivos da palma de óleo Programa Palma de Óleo e sinergia com o

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

RELATÓRIO DA GESTÃO 2014

RELATÓRIO DA GESTÃO 2014 1 Senhores Associados: RELATÓRIO DA GESTÃO 2014 Temos a satisfação de apresentar o Relatório da Gestão e as Demonstrações Contábeis da CREDICOAMO Crédito Rural Cooperativa, relativas às atividades desenvolvidas

Leia mais

Proposta de Consultoria. Seguro Agrícola no Brasil: Relação Custo/Benefício. GT Seguro Agrícola

Proposta de Consultoria. Seguro Agrícola no Brasil: Relação Custo/Benefício. GT Seguro Agrícola Proposta de Consultoria Seguro Agrícola no Brasil: Relação Custo/Benefício GT Seguro Agrícola Outubro de 2011 Proposta Atendendo à solicitação da GT Seguro Agrícola da CT de Seguros do Agronegócio do Mapa,

Leia mais

Uma Digressão Sobre o Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural e as Implicações para o Futuro deste Mercado

Uma Digressão Sobre o Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural e as Implicações para o Futuro deste Mercado Vitor Ozaki 495 Uma Digressão Sobre o Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural e as Implicações para o Futuro deste Mercado Vitor Ozaki 1 Resumo: Nos últimos anos, o governo federal tem incentivado

Leia mais

A indústria de biodiesel no Brasil: panorama atual e visão de futuro

A indústria de biodiesel no Brasil: panorama atual e visão de futuro - Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais A indústria de biodiesel no Brasil: panorama atual e visão de futuro Leonardo Zilio Assessor Econômico leonardo@abiove.org.br Brasília/DF 26 de

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Brasília DF 2009 SUMÁRIO LISTA DE TABELAS... 3 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

O MERCADO DE MICROSSEGUROS NO BRASIL: REGULAÇÃO E MODELAGEM

O MERCADO DE MICROSSEGUROS NO BRASIL: REGULAÇÃO E MODELAGEM 1.00.00.00-3 CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA 1.02.00.00-2 PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA O MERCADO DE MICROSSEGUROS NO BRASIL: REGULAÇÃO E MODELAGEM AUTOR: GABRIEL LOPES DOS SANTOS FILIAÇÃO: CURSO DE CIÊNCIAS

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL TEMAS VOLUME DE RECURSOS Do aporte nacional, garantir para o RS no mínimo 20% (vinte por cento) dos recursos para financiamento agropecuário de forma oportuna, tempestiva e suficiente. Aumentar os limites

Leia mais

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira Clusters para exportação sustentável nas cadeias produtivas da carne bovina e soja Eng Agrônomo Lucas Galvan Diretor

Leia mais

PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016

PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 Pilares do PSPA CRÉDITO PROMOÇÃO PROMOÇÃO DO DO CONSUMO PESQUEIRO PSPA INFRAESTRUTURA ASSISTÊNCIA TÉCNICA COMERCIALI

Leia mais

ARMAZENAGEM NO SETOR CEREALISTA. Brasília outubro de 2012

ARMAZENAGEM NO SETOR CEREALISTA. Brasília outubro de 2012 ARMAZENAGEM NO SETOR CEREALISTA Brasília outubro de 2012 Agricultura e Armazenagem Produzir até 2050, de forma sustentável e ordenada, + 1 bilhão de toneladas de grãos e + 200 milhões de toneladas de carne,

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

WORKSHOP REGIONAL - PLANO AGRÍCOLA E PECUÁRIO 2009 / 10 ESTADO DO PARANÁ PROPOSTAS / REAIS NECESSIDADES

WORKSHOP REGIONAL - PLANO AGRÍCOLA E PECUÁRIO 2009 / 10 ESTADO DO PARANÁ PROPOSTAS / REAIS NECESSIDADES TEMAS VOLUME DE RECURSOS Ocorreu um aumento médio de 20% no custo de produção em relação à safra anterior. Crise as traddings, agroindútrias e cerealistas reduziram a oferta de crédito. O crédito oficial

Leia mais

Gestão de Risco. Seguros e garantias para o setor agropecuário. Seminário Financiamento ao Agronegócio. 31 de julho de 2015

Gestão de Risco. Seguros e garantias para o setor agropecuário. Seminário Financiamento ao Agronegócio. 31 de julho de 2015 Gestão de Risco Seguros e garantias para o setor agropecuário Seminário Financiamento ao Agronegócio 31 de julho de 2015 1. Riscos Climáticos Exposição e vulnerabilidade Secas, inundações, geadas, ventos,

Leia mais

chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola

chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola Infra-estrutura como fator chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola Ieda Kanashiro Makiya Rogério Carlos Traballi UNIP BRASIL: 10º PIB mundial (FMI, 2005) x PIB per capita abaixo

Leia mais

POLÍTICA de GARANTIA de PREÇOS MÍNIMOS - PGPM

POLÍTICA de GARANTIA de PREÇOS MÍNIMOS - PGPM Diretoria de Política Agrícola e Informações - Dipai Superintendencia de Gestão da Oferta - Sugof POLÍTICA de GARANTIA de PREÇOS MÍNIMOS - PGPM Por: Carlos Eduardo Tavares Maio de 2012 RAZÃO DA POLÍTICA

Leia mais

Diagnóstico da institucionalização da Política Nacional de Educação Permanente do Sistema Único de Assistência Social nos estados brasileiros

Diagnóstico da institucionalização da Política Nacional de Educação Permanente do Sistema Único de Assistência Social nos estados brasileiros Diagnóstico da institucionalização da Política Nacional de Educação Permanente do Sistema Único de Assistência Social nos estados brasileiros Denise Mafra Gonçalves; Maria Cristina Abreu Martins de Lima;

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento C o m p an h i a N ac io n a l d e Abastecimento D i r e t o r i a d e Opercações e A b a stecimento S u p erintedência de O p erações Comerciais G e r ên c i a d e Formação e Controle de Estoques P o

Leia mais

1. Por que o corretor de seguros deve. 2. Quais são os principais fundamentos. 3. Critérios importantes na escolha da SEGURO GARANTIA AGENDA

1. Por que o corretor de seguros deve. 2. Quais são os principais fundamentos. 3. Critérios importantes na escolha da SEGURO GARANTIA AGENDA SEGURO GARANTIA SINCOR-ES Vitória / 21set2010 AGENDA 1. Por que o corretor de seguros deve operar no segmento do Seguro Garantia? 2. Quais são os principais fundamentos técnicos do Seguro Garantia? 3.

Leia mais

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO Por: Carlos Eduardo Cruz Tavares 1 São várias as cadeias produtivas que constituem o complexo agroalimentar, destacando-se entre elas,

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL SOBRE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

RELATÓRIO ANUAL SOBRE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA RELATÓRIO ANUAL SOBRE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Nome do Grupo: Grupo GESER Gestão em Seguros e Riscos Sigla: GESER Ano de Criação: 2008 Professor (es) Responsável (eis): Departamento: LES Dr. Vitor Augusto

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE AGROTOXICOS NO BRASIL 2003-2007

EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE AGROTOXICOS NO BRASIL 2003-2007 EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE AGROTOXICOS NO BRASIL 2003-2007 Resumo com base em dados publicados pela Andef- Associação Nacional das Empresas de Defensivos Agrícolas (ORGANIZADOS pelo Diretor executivo da ANDEF

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO. Secretaria da Agricultura Familiar. Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar - Pronaf

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO. Secretaria da Agricultura Familiar. Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar - Pronaf MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO Secretaria da Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar - Pronaf Agricultura Familiar 06/07- renegociação dos custeios - Resolução

Leia mais

Instrumento de Defesa Sanitária. Programa de Seguro Sanitário da Citricultura

Instrumento de Defesa Sanitária. Programa de Seguro Sanitário da Citricultura Instrumento de Defesa Sanitária Programa de Seguro Sanitário da Citricultura 1 Reportagem com comentários do Dr. Lourival Monaco e Dr. Juliano Ayres do FUNDECITRUS O setor produtivo e pesquisadores estimam

Leia mais

Política Agrícola e Comércio Internacional. Acadêmicos: Aline Clarice Celmar Marcos Micheli Virginia

Política Agrícola e Comércio Internacional. Acadêmicos: Aline Clarice Celmar Marcos Micheli Virginia Política Agrícola e Comércio Internacional Acadêmicos: Aline Clarice Celmar Marcos Micheli Virginia Introdução O seguro agrícola é um dos instrumentos da política agrícola mais eficaz utilizado para minimizar

Leia mais

AVALIAÇÕES E PERSPECTIVAS ESTRATÉGIAS PARA OS PROJETOS IV SEMINÁRIO NACIONAL DO PNCF

AVALIAÇÕES E PERSPECTIVAS ESTRATÉGIAS PARA OS PROJETOS IV SEMINÁRIO NACIONAL DO PNCF AVALIAÇÕES E PERSPECTIVAS ESTRATÉGIAS PARA OS PROJETOS IV SEMINÁRIO NACIONAL DO PNCF Crédito Fundiário no combate a pobreza rural: Sustentabilidade e qualidade de vida 2011 PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO

Leia mais

Entenda o seguro rural

Entenda o seguro rural HOME PERGUNTAS FREQUENTES MAPA DO SIT ça, 29 de Maio de 2012 HO ME INDIVÍDUO EMPRESA MERCADO GLOSSÁRIO FALE CONOSCO os de coberturas mprando uma apólice e poupando Entenda o seguro rural Comprando uma

Leia mais

Edmar W. Gervásio Administrador, especialista em Marketing e Agronegócio UFPR Email: edmar.gervasio@seab.pr.gov.br Fone: (41) 3313-4034

Edmar W. Gervásio Administrador, especialista em Marketing e Agronegócio UFPR Email: edmar.gervasio@seab.pr.gov.br Fone: (41) 3313-4034 Edmar W. Gervásio Administrador, especialista em Marketing e Agronegócio UFPR Email: edmar.gervasio@seab.pr.gov.br Fone: (41) 3313-4034 MILHO (Zea mays) Sustento da Vida Maior cultura agrícola do mundo;

Leia mais