UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Campus de Presidente Prudente. Oséias da Silva Martinuci

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Campus de Presidente Prudente. Oséias da Silva Martinuci"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Campus de Presidente Prudente Oséias da Silva Martinuci A compreensão geográfica dos eventos em saúde no território brasileiro e a análise cartográfica dos equipamentos de imagem-diagnóstico de alta complexidade Presidente Prudente, São Paulo, Brasil dezembro de 2013

2 UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Campus de Presidente Prudente Oséias da Silva Martinuci A compreensão geográfica dos eventos em saúde no território brasileiro e a análise cartográfica dos equipamentos de imagem-diagnóstico de alta complexidade Programa de Pós-Graduação em Geografia Área de concentração: Produção do Espaço Geográfico Grupo de Pesquisa Centro De Estudos e Mapeamento da Exclusão Social para Políticas Públicas CEMESPP Laboratório Laboratório de Biogeografia e Geografia da Saúde Agências de Fomento Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo FAPESP Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico CNPq Orientação Prof. Dr. Raul Borges Guimarães Tese apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Geografia da FCT/UNESP para a obtenção do título de doutor em Geografia Presidente Prudente, São Paulo, Brasil Dezembro de 2013 i

3 FICHA CATALOGRÁFICA M347c Martinuci, Oséias da Silva. A compreensão geográfica dos eventos em saúde no território brasileiro e a análise cartográfica dos equipamentos de imagem-diagnóstico de alta complexidade / Oséias da Silva Martinuci. Presidente Prudente: [s.n.] 2013 xv, 251 f Orientador: Raul Borges Guimarães Tese (Doutorado em Geografia) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Tecnologia Inclui bibliografia 1. Geografia da Saúde. 2. Território Usado. 3. Serviços de Saúde de Alta Complexidade.4. Cartografia Geográfica. 5. Coremática. 6. Situação Geográfica I. Guimarães, Raul Borges. II. Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciências e Tecnologia. III. Título. ii

4 iii

5 Dedicatória Aos meus pais pelo que sou e pelo amor a mim dispensado À Drielly, pelo amor e pela vida que compartilhamos iv

6 AGRADECIMENTOS A tese aqui apresentada, certamente, é o resultado de uma trajetória de vida da qual participaram os amigos de dentro e fora da academia, da família e de algumas instituições que foram fundamentais para o desenvolvimento da pesquisa. Cada um, à sua maneira influenciou os resultados que aqui são apresentados. Como não poderia deixar de ser, em primeiro lugar, quero registrar o meu agradecimento à Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal do Ensino Superior (CAPES) que financiou os três primeiros meses dessa pesquisa. Também à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), que financiou outros 30 meses, até que eu me tornasse docente da Universidade Estadual de Maringá (UEM). O apoio da FAPESP foi valiosíssimo em função do suporte financeiro (Reserva Técnica) destinado, exclusivamente, à aplicação nas atividades de pesquisa. Sem ela, por exemplo, seria difícil, a realização do trabalho de campo na Região Norte, que se revelou crucial para a conclusão da tese. Do ponto de vista institucional, preciso me lembrar da UNESP (Universidade Estadual Paulista) pelo grande apoio e suporte ao dia-a-dia acadêmico, mesmo nas menores questões. A ótima biblioteca, o acesso aos portais de periódicos científicos, os laboratórios dotados de bons equipamentos e softwares e a disponibilidade dos professores para dialogar com os alunos. No dia-a-dia da universidade, ao longo de muitos anos de estudos na UNESP, fui aprendendo a admirar pessoas que nos ajudam nas pequenas tarefas burocráticas da Universidade e, muitas vezes, têm bastante paciência para informar e apoiar. Dentre os muitos nomes que poderiam ser aqui citados, quero registrar os amigos da Seção de Pós- Graduação: Erynati, Márcia, Ivonete, Cinthia e André, cujas conversas sempre foram agradáveis, úteis e descontraídas, mesmo em dias de trabalho de Coleta CAPES, em pleno 02 de janeiro, as estadias na Seção foram sempre prazerosas. Também não posso esquecer-me de mencionar a Lúcia, secretária do Departamento de Geografia, uma pessoa de espírito leve e de trabalho muito competente. Incluo-a porque, certamente, facilitou muito a minha vida, economizando-me tempo nas buscas pelo orientador. A frase que ela mais ouvia certamente era: Lúcia, cadê o Raul?, e assim começavam nossas conversas. v

7 A todos os funcionários da Unesp que, certamente, facilitaram a minha vida, mesmo nas pequenas coisas, meu registro e sinceros agradecimentos. Agradeço também aos meus amigos que, ao mesmo tempo em que tornaram a vida acadêmica e pessoal mais leve, permitiram-me refletir sobre a minha pesquisa e, também, sobre a vida. Assim, meu muito obrigado pelos anos de convivência à Paula, Igor, Maria Angélica, Rafael Catão, Raquel Arruda, Márcio Catelan, Letícia e Natália. Aos meus amigos Eder dos Santos, Adriano Engler e Uillians Eduardo pela inesquecível vida de república que compartilhamos. A companhia de vocês ajudou a tornar os fins de dia e finais de semana mais agradáveis e a enfrentar com mais serenidade a vida acadêmica. Não esquecerei jamais nossos intensos debates desde os assuntos mais banais aos espinhosos temas da vida política brasileira que renderam algumas brigas e muitas gargalhadas. Meu muito obrigado aos amigos do GADIS e GAsPERR pelo apoio nos momentos de necessidade de apoio infraestrutural e, também, pelos cafés e as conversas que os acompanhavam. À minha amiga de cafés de final de tarde fora da universidade, Mirian Costa, com quem tive muitos diálogos e que fez parte de momentos importantes da minha vida, compartilhando projetos e percepções. Ainda que nem todos tenham sido realizados, fico muito feliz pelo que pôde se tornar possível. Ao professor Antônio Cezar Leal pelo apoio na vida acadêmica, profissional e pessoal, que foi valioso para mim. Meu muito obrigado. Ao professor Everaldo Melazzo agradeço pelas suas inúmeras contribuições ao desenvolvimento dessa pesquisa, pelas conversas de corredor, pelos diálogos sobre o problema da política e pelo trabalho compartilhado no âmbito de grupo de pesquisa CEMESPP. Agradeço também por sua amizade nos momentos de tensão em questões acadêmicas e também pessoais de minha vida em Presidente Prudente. Certamente, tornou meu aprendizado mais rico. Agradeço também ao Professor Raul Borges Guimarães que acompanhou o meu trabalho de pesquisa desde os primeiros anos no curso de graduação em Geografia. As consecutivas conquistas de bolsas de pesquisa que me permitiram prosseguir na vida acadêmica, certamente, deve-se ao Professor Raul. Doutra maneira, seguramente, teria tido vi

8 dificuldades para permanecer na Universidade. Além disso, Raul sempre se mostrou muito aberto às escolhas dos orientandos nos encaminhamentos dos trabalhos, o que certamente ampliou a liberdade dos seus orientandos e gerou a capacidade de criar autonomia. Não poderia deixar de mencionar que Raul foi se revelando, para mim, ao longo dos anos, uma caixinha de surpresas. Em meio à multidão de pensamentos, aos aparentes descaminhos, sua capacidade de realizar os projetos (não estritamente os de pesquisa) e enfrentar novos desafios é surpreendente. Esse professor me ensinou muito e sua destacada serenidade (sem deixar de ser combativo) no enfrentamento da vida acadêmica certamente me deixou algumas lições. Assim, meu muito obrigado Professor Raul. Agradeço também aos meus sogros, Alair Rizzo e Adrina Rizzo, pelas inúmeras acolhidas em Presidente Prudente, uma vez já instalado em Maringá como professor da Universidade Estadual de Maringá (UEM). Agradeço pelas conversas, pelas boas risadas, pelas palavras de ânimo que em meio a um ano muito turbulento, com muitas mudanças e os inúmeros eventos da vida, tornaram a lida um pouco mais leve. Aos colegas do Departamento de Geografia da UEM que foram essenciais na reta final do doutorado. Assim, meus sinceros agradecimentos aos professores Américo Marques, Fernando Santil, Deise Queiroz e Valéria Lima que, cada um a sua maneira, me permitiram a conclusão da presente tese. Obrigado pelo apoio, pela compreensão e pelo incentivo. Não posso me esquecer dos bons momentos na companhia de Jose Martins (Zé) e Elaine Cicero, entre cafés, almoços e churrascos, que tornaram a mudança para Maringá mais fácil e agradável. Minha vida começou bastante agitada e em meio à luta. No ano em que nasci, em 1984, meus pais participavam das manifestações do Movimento dos trabalhadores Sem- Terra (MST) que agitavam o Pontal do Paranapanema. Quando nasci, num acampamento à beira da estrada, sob um teto de lona e sobre o chão batido de terra, minha mãe e meu pai puderam sofrer desde já as precariedades de uma sociedade desigual. Mesmo com todos os dilemas da vida, a escassez, a falta de dignidade e o sonho da cidadania, Valdevina Pereira da Silva (descendentes de índios literalmente laçados, arrastados pela mata e mortos pelos nobres bandeirantes) e Inácio Mário Martinuci (descendentes de imigrantes italianos) souberam, como poucos, ensinar serenidade, humildade, altruísmo e ver mesmo nos momentos de aperto o melhor da vida. Foi com tudo isso que aprendi, ao mesmo tempo, vii

9 dar valor e me ressentir por cada conquista, justamente por ter consciência das estruturas sociais profundamente desiguais de nossa sociedade. Portanto, desejando dias melhores para os meus pais e para o Brasil, não tenho palavras para expressar meu agradecimento e minha admiração por aqueles que sofrem as vicissitudes do mundo e os enfrentem com coragem e bom ânimo. Agradeço constantemente pela vossa vida, pelo ensinamento, pelas experiências da infância e da juventude e pelo amor que me tornaram o que sou hoje. A vida acadêmica costuma ser muito intensa, exige muito dos pesquisadores e também daqueles que mesmo não compartilhando o mesmo meio, sofrem, sorriam e choram juntamente conosco. Nessa condição ninguém costuma sofrer mais que os companheiros e os filhos. Como ainda não tenho filhos, resta à companheira suportar a ausência, a angústia, os lamentos, os sofrimentos, assim como as esperanças que me acompanham. Assim, quero expressar meu profundo agradecimento à minha companheira de todos os momentos, Drielly Carvalho Marassi. Passaram-se mestrado e doutorado e ela foi percebendo, pouco a pouco, a intensidade da vida acadêmica que exige, por momentos, renúncias e isolamento, mas ao mesmo tempo, proporciona momentos sublimes e amizades tão profundas e sinceras. Agradeço por sua compreensão em todos esses momentos, pelo apoio em atividades que adoro fazer como cozinhar e fazer faxina, mas que muitas vezes deixei a seu encargo. Agradeço pelo enfrentamento dos conflitos inerentes à nova vida, nada fácil, diga-se de passagem. Sobretudo, obrigado pela cumplicidade, que nos permite fortalecer nossos laços de amor e compreensão cada dia mais. A tese que hoje é finalizada é o resultado material do investimento de muitas vidas, certamente, e uma boa parte da sua, sei, está aqui. Obrigado por estar sempre comigo e me tornar uma pessoa melhor. Se de alguma forma, esqueci-me de mencionar alguém, e isso é totalmente possível, pelo menor gesto que seja, peço que me perdoem e me cobrem num dos cafés dos muitos que ainda virão... viii

10 SUMÁRIO INDICE DE MAPAS... XI INDICE DE TABELAS... XIII INDICE DE FIGURAS... XIV INDICE DE GRÁFICOS... XV RESUMO... 1 INTRODUÇÃO... 2 CAPÍTULO I DISTRIBUIÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE IMAGEM-DIAGNÓSTICO 1.1. Atributos espaciais de equipamentos de alta complexidade: seletividade e desigualdade Cartografia temática de equipamentos de alta complexidade no Brasil CAPÍTULO II OS EQUIPAMENTOS DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA E RESSONÂNCIA MAGNÉTICA E O USO DO TERRITÓRIO 2.1. Os gastos da saúde pública com alta tecnologia Transição em saúde e impactos no uso de equipamentos de apoio a diagnóstico A saúde entre o mercado, o direito e a cidadania CAPÍTULO III SAÚDE, REDES E DESIGUALDADE: TRATAMENTO CARTOGRÁFICO DAS FORMAS E DOS CONTEÚDOS DO TERRITÓRIO 3.1. Saúde e redes no Brasil Saúde e desigualdade no Brasil ix

11 3.3. A saúde e a ação do Estado no Brasil CAPÍTULO IV SELETIVIDADE ESPACIAL DA TECNOLOGIA MÉDICA E CARTOGRAFIA DO MOVIMENTO 4.1. As grandes empresas de alta tecnologia do setor saúde Situação geográfica como condicionante dos novos eventos em saúde no Brasil Estruturas espaciais, modelização cartográfica e situação geográfica As contradições entre o cidadão e o consumidor em duas cidades da região rarefeita CAPÍTULO V EQUIPAMENTOS MÉDICOS DE ALTA COMPLEXIDADE E SITUAÇÃO GEOGRÁFICA 5.1. A política: entre o consumo e o direito As tensões territoriais: entre a norma e o fato O lugar entre a abundância e a escassez CONCLUSÃO REFERÊNCIAS x

12 INDICE DE MAPAS Mapa 1: Brasil: Aparelhos de Ressonância Magnética Mapa 2: Brasil: Aparelhos de tomografia computadorizada Mapa 3: Cobertura espacial dos equipamentos de RM e TC: raios de 100km e 200km Mapa 4: Cobertura espacial dos equipamentos de tomografia computadorizada e ressonância magnética disponíveis ao SUS a partir de um raio de 200km Mapa 5: Estado e mercado no sistema de saúde Mapa 6: Produtividade média mensal dos exames de tomografia computadorizada: Mapa 7: Produtividade média mensal dos exames de ressonância magnética: Mapa 8: Uso do território e densidades em saúde de alta complexidade Mapa 9: Os gastos da saúde pública com tomografia computadorizada no ano de Mapa 10: Os gastos da saúde pública com tomografia computadorizada no ano de Mapa 11: Exames de tomografia computadorizada por cada 10 mil habitantes em Mapa 12: Exames de ressonância magnética por cada 10 mil habitantes em Mapa 13: Gastos per capita com exames de tomografia computadorizada (média estatística): Mapa 14: Gastos per capita com exames de ressonância magnética (média estatística): Mapa 15: Brasil: Percentual da população com idade acima de 50 anos: Mapa 16: Brasil: Mortalidade por doenças do aparelho circulatório: Mapa 17: Brasil: Mortalidade por doenças do aparelho circulatório: Mapa 18: Variação do coeficiente de mortalidade por doenças do aparelho circulatório ( ) Mapa 19: Variação no coeficiente de mortalidade por neoplasias: Mapa 20: Coeficiente de mortalidade por neoplasias: Mapa 21: Coeficiente de mortalidade por neoplasias: Mapa 22: Brasil: redes de transportes Mapa 23: Velocidade autoridade das rodovias brasileiras (km/h) Mapa 24: Capacidade (veículos/dia) Mapa 25: Brasil: as redes de informação Mapa 26: O sistema elétrico brasileiro Mapa 27: Brasil: Fluxo de passageiros aéreos Mapa 28: Médicos por habitante: Mapa 29: Razão de médicos: Mapa 30: Profissionais de saúde por habitante: Mapa 31: Profissionais de saúde por habitante: Mapa 32: Taxa de mortalidade infantil: Mapa 33: Taxa de óbitos por causas mal definidas: xi

13 Mapa 34: Consultas médias por habitante: Mapa 35: Gasto médio por atendimento ambulatorial Mapa 36: Índice de Gini: Mapa 37: Índice de Gini: Mapa 38: Índice de Gini: Mapa 39: Proporção de pobres: Mapa 40: Proporção de pobres: Mapa 41: Proporção de pobres: Mapa 42: Razão de renda: Mapa 43: Percentual de variação na razão de renda: Mapa 44: Percentual de variação na proporção de pobres: Mapa 45: localização de Araxá e as redes de transporte Mapa 46: Municípios onde se concentram as reservas de nióbio Mapa 47: Brasil: estruturas sócioespaciais Mapa 48: Brasil: estruturas espaciais em saúde Mapa 49: Vilhena: antes da instalação dos equipamentos de ressonância magnética Mapa 50: Vilhena: depois da instalação dos equipamentos de ressonância magnética xii

14 INDICE DE TABELAS Tabela 1: Brasil: Equipamentos de imagem-diagnóstico (Ressonância Magnética e Tomógrafo Computadorizado) de acordo com o tipo de prestador - novembro de Tabela 2: Distribuição dos equipamentos ressonância magnética e tomografia computadorizada (públicos e privados) entre os municípios brasileiros: Tabela 3: Número de tomógrafos computadorizados por 100 mil Habitantes segundo das Grandes Regiões do Brasil: Tabela 4: Número de equipamentos de ressonância magnética por 500 mil habitantes segundo das Grandes Regiões do Brasil: Tabela 5 Distribuição dos equipamentos segundo a tipologia de cidades do IBGE Tabela 6 Cidades e População fora da área de cobertura de cidades onde existem tomografia computadorizada e ressonância magnética: raio de 200 km Tabela 7: Centros urbanos e população fora do raio de 200km de cidades que detêm equipamentos de RMN e TC disponíveis ao SUS Tabela 8: Percentual de Equipamentos de Ressonância Magnética e Tomógrafos Computadorizada disponíveis ao SUS: Tabela 9: Percentual de equipamentos (RM e TC) disponíveis ao SUS segundo as regiões de Milton Santos conforme capitais e cidades do interior: Tabela 10: Os 16 municípios com maior produtividade de exames de Tomografia computadorizada por equipamento disponível ao SUS: Tabela 11: Os 25 municípios com maior produtividade mensal de exames de Ressonância Magnética por equipamento disponível ao SUS: Tabela 12: Produtividade de exames de Ressonância Magnética: cidades que compõem as regiões Rarefeita e de Transição: Tabela 13: Distribuição Percentual das internações (SUS) por grupo de causas e faixas etárias: Tabela 14: Mortalidade proporcional por faixa etária segundo grupo de causas: Tabela 15: Brasil: Percentual da população com idade acima de 50 anos: Tabela 16: Internações (SUS) por 10 mil habitantes por doenças do aparelho circulatório nos anos de levantamentos censitários Tabela 17: Mortes por 10 mil habitantes por doenças do aparelho circulatório Tabela 18: Brasil: Internações (SUS) por Neoplasias por 10 mil habitantes. (Valores dos anos censitários) 74 Tabela 19: Mortalidade por Neoplasias por 10 mil habitantes (valores para os anos censitários) Tabela 20: Neoplasias: óbitos por 10 mil hab. e variação percentual nos estados do Brasil: Tabela 21: Neoplasias: óbitos por 10 mil habitantes e variação percentual segundo as regiões concentras, de transição e rarefeitas: Tabela 22: Regiões do Brasil: Cobertura dos equipamentos de TC e RM para a população com idade de 50 anos ou mais e dependente do SUS (sem cobertura de plano de saúde): Tabela 23. Operações de Marketing no Brasil: 2005, 2008, 2009 e 2010 (em bilhões) Tabela 24 - Categorias Anunciantes (investimento em propaganda em bilhões) xiii

15 INDICE DE FIGURAS Figura 1: Triângulo de Ogdens e Richards Figura 2: Representação dos Coremas proposta por Brunet Figura 3: Concessionária de veículos de Marabá Figura 4: Bancos em Marabá Figura 5: Bancos em Vilhena Figura 6: Estrada de Ferro Carajás Figura 7: Falta de coleta de esgoto Figura 8: Vias não pavimentadas xiv

16 INDICE DE GRÁFICOS Gráfico 1: Brasil: Evolução da quantidade de equipamentos de RM e TC (públicos e privados) no período dezembro de 2005 a dezembro Gráfico 2: Brasil: quantidade de exames de tomografia e ressonância realizados: Gráfico 3: Brasil: Evolução da quantidade de municípios com equipamentos de RM e TC no período Gráfico 4: Internações por doenças do aparelho circulatório: Gráfico 5: Brasil: Mortalidade por doenças do aparelho circulatório: Gráfico 6: Brasil: Proporção da mortalidade por tipo de causa de morte: 1990 a Gráfico 7: Brasil: Neoplasias: número de internações entre 1990 e Gráfico 8: Brasil: Neoplasias: óbitos por 10 mil habitantes Gráfico 9: Média de médicos para cada mil habitantes por Grande Região Gráfico 10: Marabá: Evolução do número de veículos particulares: Gráfico 11: Vilhena: Evolução no número de veículos particulares: xv

17 Resumo Dentre os direitos, a saúde se apresenta como um dos principais problemas a ser enfrentado pela sociedade brasileira. A transformação do sistema de saúde em um grande mercado, associado ao processo de transição em saúde, tem ampliado os gastos com as sofisticadas tecnologias médicas. Ao mesmo tempo em que prometem uma via mais saudável, respondem pelo surgimento de novas concentrações territoriais e, portanto, novas desigualdades em saúde. Diante da sua importância social, os equipamentos médicos de alta complexidade, revelam-se como uma possibilidade de análise geográfica que nos permite, a partir deles, olhar para o movimento da totalidade socioespacial. Nesta tese, serão analisados os casos dos equipamentos de ressonância magnética e tomografia computadorizada recorrendo a uma análise que parte da escala nacional, através do emprego do tratamento cartográfico, até chegar à problematização das situações geográficas. A interescalaridade, a totalidade, a multidimensionalidade e a multiplicidade de agentes sociais estão colocadas como pressupostos de análise. O território, assim, apresenta-se como um elemento indispensável ao debate dos direitos sociais. Sem ele compromete-se, por um lado, a compreensão da realidade e, por outro, a eficiência, a eficácia e a efetividade das políticas públicas. Palavras chave: Geografia da Saúde Cartografia Geográfica Equipamentos de Imagemdiagnóstico Desigualdade Situação Geográfica RÉSUMÉ Parmi les droits, la santé se présente comme un des principaux problèmes à relever pour la société brésilienne. Le changement du système de santé dans un grand marché, lié au processus de transition en santé a augmenté les dépenses avec des Technologies médicales sophistiquées. En même temps qu`ils promettent une voie plus saine, ils répondent par l apparition de nouvelles concentrations territoriales, et, donc de nouvelles inégalités en santé. Devant leur importance sociale, les équipements médicaux de haute complexité, se montrent comme une possibilité d analyse géographique qui nous permettent, à partir de ceux-ci, regarder un mouvent de totalité sociospatiale. Dans cette thèse seront analysés les cas des équipements de résonance magnétique et tomodensitométrie en faisant recours à une analyse qui part de l échelon national par l emploi du traitement cartographique, jusqu`à arriver à la problématisation des situations géographiques. Les interactions inter-échelle, la totalité, la multidimensionalité des agents sociaux sont mises comme hypothèses d analyse. Le térritoire, de cette forme, se présente comme un élément indispensable pour le débat des droits sociaux. Sans lui, la comprehénsion de la réalité, d un côté, s est compromise, et par un autre côté, l efficacité et l effectivité des politiques publiques. Mot-clés: Géographie de la Santé; Cartographie Géographique; Équipement d Imageries de diagnostic; Inégalité; Situación Géographique. 1

18 INTRODUÇÃO Este trabalho está diante de dois grandes desafios. Primeiro, problematizar questões relacionadas à saúde pública, considerada um direito universal a partir da Constituição de 1988 e que, portanto, deve ser garantida a todos os cidadãos brasileiros. O acesso à saúde é fundamental para a uma vida digna, assim como importantíssimo para o exercício da cidadania. Segundo, procuramos discutir em que medida essa temática permite a reflexão da abordagem geográfica do Brasil na escala nacional. Para isso será considerada a importância da linguagem cartográfica para o aprofundamento da leitura geográfica. A proposta desta tese é explorar questões relacionadas à saúde pública na escala do território brasileiro, a partir de uma perspectiva geográfica e do uso das ferramentas da cartografia temática. Nesse contexto, o presente trabalho pretende contribuir para o debate em torno da Geografia da Saúde, que tem se fortalecido no Brasil na última década. A esse fortalecimento se deve, em parte, o seu caráter transdisciplinar, na medida em que precisa levar em consideração várias dimensões da realidade, discutidas com diferentes áreas do conhecimento. Este trabalho, apesar de nada fácil, está imbuído do entendimento de Milton Santos, quando escreveu em seu livro Por uma Geografia Nova da década de 1970, que o avanço e o progresso de cada área do conhecimento científico em particular, parecem resultar da transgressão de seu campo disciplinar por especialistas de outras disciplinas. Discutir a saúde na escala da nação nos coloca diante de um conjunto significativo de problemáticas que ainda são objeto de intenso debate no âmbito da ciência geográfica. Em particular, a saúde nos permite um acesso importante ao debate das desigualdades sociais e territoriais brasileiras, ainda hoje considerada uma das maiores do mundo, apesar de sensíveis avanços na última década. Os vários estudos realizados por geógrafos apontam que a história, acumulada no espaço, se impõe como forte obstáculo à plena realização dos princípios colocados pelo Sistema Único de Saúde. Dentre esses estudos podemos destacar alguns de maior vulto como o de Evangelina de Oliveira (2005), que estudou os fatores que influenciam na acessibilidade dos serviços médicos de alta complexidade; o de Eliza Almeida (2005) que evidenciou como as opções políticas feitas ao longo do século XX conformaram um território desigualmente estruturado que, hoje, dificulta, sobremaneira, a plena realização dos princípios postos pelo SUS; e o trabalho de Virna David (2011) que destacou como um pequeno número de agentes hegemônicos da economia, atuando através de um sofisticado 2

19 circuito superior na produção de modernos equipamentos médicos, impõe modos de fazer medicina que atingem um amplo conjunto de agentes ligados ao sistema de saúde, desde as políticas nacionais até as decisões técnicas em âmbito ambulatorial. Esses agentes, em função de seus interesses, usam seletivamente o território, comandando o fazer médico, com a instituição de normas que se impõem aos lugares a partir de uma lógica distante, frequentemente de fora do país. Nesse contexto, o Estado desponta como um importante agente na produção do espaço e como o único capaz de se contrapor à força e à lógica do mercado que, ao transformar a saúde em mercadoria, resiste à superação das fortes desigualdades territoriais, dado o seu interesse seletivo por certos pontos desse país. Ao contrário das perspectivas que apontam para o esvaziamento das funções do Estado, ao lado do esmaecimento das suas fronteiras (HAESBAERT, 2006), a postura aqui adotada é a de que o Estado continua sendo um importante agente regulador da vida em sociedade, apesar de frequentemente estar confundido com os interesses do mercado. Almeida (2005) trata com bastante propriedade como o Estado, principalmente durante a Ditadura Militar, tornou o sistema de saúde muito dependente dos serviços privados que, em função de uma dinâmica que é própria ao mercado, levou a instauração de grandes desigualdades no acesso aos serviços médicos entre diferentes grupos sociais e entre as diferentes regiões. Apesar disso, além do mercado, o Estado continua a ser o único agente capaz de se impor sobre a totalidade dessa complexa formação socioespacial chamada Brasil. Visto como uma condensação das lutas de classes (POULANTZAS, 1985), o Estado atua de forma contraditória e complexa, pois da mesma maneira que pode agir no sentido da promoção de igualdade e de direitos, pode levar ao acirramento das desigualdades e da exclusão social. Assim, seu comportamento é complexo e não homogêneo. Ao contrário das grandes empresas, ele pode ser controlado, ou, no mínimo, demandado, por cidadãos ativos dentro dos espaços institucionais de participação e também fora deles. São as opções políticas feitas ou consentidas pelo Estado que levam ao acúmulo desigual do tempo histórico no espaço que, por sua vez, facilita ou dificulta as ações futuras. Nesse sentido, o espaço geográfico como sinônimo de território usado é, 3

20 sobretudo, resultado das opções políticas, seja dos agentes hegemônicos, da economia ou da política, seja dos homens comuns e dos cidadãos no seu lugar. Neste trabalho, a conceito de território usado possui uma importante centralidade. Esse conceito foi, inicialmente, cunhado por Milton Santos e, mais recentemente, tem recebido atenção nos trabalhos de Maria Laura Silveira (2008). Para Santos (1994) não é o território em si que importa, mas sim o território usado. De acordo com Silveira (2008), não é possível explicar o território sem seu uso, não é possível explicar o território usado sem projeto. Sinônimo de espaço geográfico, o território usado pode ser compreendido como um conjunto indissociável, solidário e também contraditório de sistemas de objeto e sistema de ações (SANTOS, 2008f). Ele é o espaço de todos os homens, de todas as existências, não somente do Estado e dos agentes econômicos hegemônicos e, por isso, é também sinônimo de espaço banal. Ele é dinâmico, é o palco onde a vida se dá, por isso precisa ser constantemente revisto. Ele inclui materialidade e ação. Sua configuração se dá pela unidade dialética entre ações e formas passadas, presentes e os projetos para o futuro. Por isso é território não apenas está feito, mas, fazendo-se a cada dia. Nesse sentido, o termo mais preciso para território usado seria território em sendo usado. Milton Santos (2010) observou em vários momentos, que o território usado pode ser encarado de duas formas: como recurso ou como abrigo. Para agentes hegemônicos, para as grandes empresas, o território é recurso, usado como base da realização de interesses privados e de lucros. Para os agentes hegemonizados, para os cidadãos ele é abrigo, através do qual ele pode criar a recriar constantemente as suas formas de existência e sobrevivência. Nesses termos, o conceito de território usado é uma estratégia através da qual podemos compreender a totalidade da existência social e a complexidade dos eventos geográficos. Nos dias atuais, em particular, é fundamental tratar o território usado a partir da articulação entre horizontalidade, ou a constituição orgânica dos lugares, e as verticalidades, constituintes que são das solidariedades organizacionais. Num mundo cada vez mais conectado por redes e transporte e informação, as interdependências entre os lugares e o mundo se tornam cada vez mais estreitas, desembocando, portanto, no debate das escalas. Nesse sentido, temos aqui o problema escalar que, para os estudos geográficos atuais, é fundamental. Ainda que a escala cartográfica seja uma dimensão técnica importante a considerar nesse debate, propomos uma reflexão mais radical: é preciso refletir acerca da produção social da escala. Milton Santos chamou a atenção para duas 4

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO.

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. Vivian Fernanda Mendes Merola vfmerola1@gmail.com Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO Nas últimas décadas a exclusão social tornou-se assunto de importância mundial nos debates sobre planejamento e direcionamento de políticas públicas (Teague & Wilson, 1995). A persistência

Leia mais

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que:

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que: CARTA DE BRASÍLIA Contribuições do I Seminário Internacional sobre Políticas de Cuidados de Longa Duração para Pessoas Idosas para subsidiar a construção de uma Política Nacional de Cuidados de Longa Duração

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES.

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. Introdução As mudanças e desafios no contexto social influenciam a educação superior, e como consequência, os

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

Empreendedora. Inovação e Gestão. Introdução ao empreendedorismo

Empreendedora. Inovação e Gestão. Introdução ao empreendedorismo Inovação e Gestão Empreendedora atuação empreendedora no brasil desenvolvimento da teoria do empreendedorismo diferenças entre empreendedores, empresários, executivos e empregados Introdução ao empreendedorismo

Leia mais

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Círculo de Cultura: Eixo 1 - A educação que emancipa frente às injustiças, desigualdades e vulnerabilidades. EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Cezar Luiz De Mari

Leia mais

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960.

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. Glauber Lopes Xavier 1, 3 ; César Augustus Labre Lemos de Freitas 2, 3. 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

Educação Permanente e gestão do trabalho

Educação Permanente e gestão do trabalho São Bernardo,março de 2013 Educação Permanente e gestão do trabalho Laura Camargo Macruz Feuerwerker Profa. Associada Faculdade de Saúde Pública da USP Trabalho em saúde O trabalho em saúde não é completamente

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

Por que defender o Sistema Único de Saúde?

Por que defender o Sistema Único de Saúde? Por que defender o Sistema Único de Saúde? Diferenças entre Direito Universal e Cobertura Universal de Saúde Cebes 1 Direito universal à saúde diz respeito à possibilidade de todos os brasileiros homens

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

FORMANDO AS LIDERANÇAS DO FUTURO

FORMANDO AS LIDERANÇAS DO FUTURO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMANDO AS LIDERANÇAS DO FUTURO Fúlvia Rosemberg: analisa ações de inclusão e apresenta programa voltado para a formação de novas lideranças

Leia mais

1ª. Conferencia Regional sobre Determinantes Sociais da Saúde do Nordeste. Relatório

1ª. Conferencia Regional sobre Determinantes Sociais da Saúde do Nordeste. Relatório 1ª. Conferencia Regional sobre Determinantes Sociais da Saúde do Nordeste Relatório Sessão 03: Acesso e qualidade dos serviços de saúde Horário de início: 14:30 Coordenação: Jurandi Frutuoso (CONASS) Relatores:

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

O sistema de saúde brasileiro: história, avanços e desafios

O sistema de saúde brasileiro: história, avanços e desafios O sistema de saúde brasileiro: história, avanços e desafios Jairnilson Paim (Professor Titular da UFBA) Claudia Travassos (Pesquisadora Titular do ICICT/FIOCRUZ) Celia Almeida (Pesquisadora Titular da

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Relatório brasileiro sobre desenvolvimento social

Relatório brasileiro sobre desenvolvimento social Relatório brasileiro sobre desenvolvimento social LUIZ FELIPE LAMPREIA OPRESENTE RELATÓRIO sobre desenvolvimento social foi elaborado pelo Governo Brasileiro no âmbito do processo preparatório da Cúpula

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno A crise de representação e o espaço da mídia na política RESENHA Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno Rogéria Martins Socióloga e Professora do Departamento de Educação/UESC

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 36 Discurso por ocasião do jantar

Leia mais

Introdução - Fundamentos e desenvolvimento das atividades de extensão:

Introdução - Fundamentos e desenvolvimento das atividades de extensão: proteção do meio ambiente, e convênio firmado para viabilização do pagamento de bolsa a acadêmica Letícia Croce dos Santos. As atividades executadas no projeto de extensão compreendem dentre outras iniciativas:

Leia mais

Desigualdades socioespaciais no RN: velhas causas, novas formas

Desigualdades socioespaciais no RN: velhas causas, novas formas Desigualdades socioespaciais no RN: velhas causas, novas formas Rita de Cássia da Conceição Gomes Natal, 11/09/2011 As Desigualdades socioespacias em nossa agenda de pesquisa: Dialética apresentada Pesquisa

Leia mais

COMUNICAÇÃO EM SAÚDE

COMUNICAÇÃO EM SAÚDE Fórum ONG/AIDS RS COMUNICAÇÃO EM SAÚDE Paulo Giacomini Porto Alegre, 30 de Outubro de 2014. Comunicação 1. Ação de comunicar, de tornar comum (à comunidade) uma informação (fato, dado, notícia); 2. Meio

Leia mais

Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica João Luiz F. Azevedo Apresentação preparada como parte do processo de seleção do Reitor do ITA São José dos Campos, 23 de outubro de 2015 Resumo da

Leia mais

DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA

DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA Familiares, amigos, técnicos administrativos, estudantes, professores, grupo gestor da UNEB, autoridades civis, militares, políticas

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas.

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SANTOS, Silvana Salviano silvanasalviano@hotmail.com UNEMAT Campus de Juara JESUS, Lori Hack de lorihj@hotmail.com UNEMAT

Leia mais

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO Subsecretaria de Assistência Social e Descentralização da Gestão O PAIF NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

,QLTXLGDGHVHP6D~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD

,QLTXLGDGHVHP6D~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD ,QLTXLGDGHVHP6D~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD 'RFXPHQWRDSUHVHQWDGRSRURFDVLmRGRODQoDPHQWRGD &RPLVVmR1DFLRQDOVREUH'HWHUPLQDQWHV6RFLDLVHP6D~GHGR %UDVLO&1'66 0DUoR ,QLTXLGDGHVHPVD~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

A Pós-Graduação em Psicologia no Brasil

A Pós-Graduação em Psicologia no Brasil SEÇÃO LIVRE Entrevista com Oswaldo Hajime Yamamoto Pollyanna Santos da Silveira I Leonardo Fernandes Martins I I Programa de Pós-Graduação em Psicologia da UFJF. O Doutor Oswaldo Hajime Yamamoto é professor

Leia mais

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento A contribuição do interesse e da curiosidade por atividades práticas em ciências, para melhorar a alfabetização de

Leia mais

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL SAÚDE DO IDOSO CURSO ESPECÍFICOS ENFERMAGEM - A Saúde do Idoso aparece como uma das prioridades no Pacto pela Vida, o que significa que, pela primeira vez na história das políticas públicas no Brasil,

Leia mais

PRO INFANTIL PROGRAMA DE FORMAÇÃO INICIAL PARA PROFESSORES EM EXERCÍCIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PRO INFANTIL PROGRAMA DE FORMAÇÃO INICIAL PARA PROFESSORES EM EXERCÍCIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PRO INFANTIL PROGRAMA DE FORMAÇÃO INICIAL PARA PROFESSORES EM EXERCÍCIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO PARA CONSERVAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL CASOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL NA BAHIA

Leia mais

I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE

I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE O I Seminário Internacional de Educação Superior na Comunidade de Países de Língua

Leia mais

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 1. A saúde é direito de todos. 2. O direito à saúde deve ser garantido pelo Estado. Aqui, deve-se entender Estado como Poder Público: governo federal, governos

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Características da Federação Brasileira Federação Desigual Federação

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 81 Discurso no jantar oferecido pelo

Leia mais

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS José E Cassiolato Coordenador da RedeSist, IE-UFRJ Marcelo G P de Matos Pesquisador da RedeSist,

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR NÚCLEO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EDUCAÇÃO INFANTIL UMA QUESTÃO CULTURAL?

PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR NÚCLEO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EDUCAÇÃO INFANTIL UMA QUESTÃO CULTURAL? PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR NÚCLEO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EDUCAÇÃO INFANTIL UMA QUESTÃO CULTURAL? CRISTIANE MARIA DAVID CRUZ GUEDES MARY SUE PEREIRA Rio de Janeiro FEVEREIRO / 2004-2005.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SÓCIO-ECONÔMICO E CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: EM BUSCA DE CORRELAÇÕES

DESENVOLVIMENTO SÓCIO-ECONÔMICO E CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: EM BUSCA DE CORRELAÇÕES DESENVOLVIMENTO SÓCIO-ECONÔMICO E CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: EM BUSCA DE CORRELAÇÕES Sylvio Bandeira de Mello e Silva Programa de Pós-graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social/UCSAL

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

ANEXO III CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO A ESTUDOS, PESQUISAS E PROJETOS INOVADORES

ANEXO III CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO A ESTUDOS, PESQUISAS E PROJETOS INOVADORES ANEXO III CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO A ESTUDOS, PESQUISAS E PROJETOS INOVADORES I ÁREAS DE INTERESSE Criança e Adolescente Apoio a Estudos e Pesquisas e Projetos Inovadores para promoção,

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

INDICADORES PARA ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

INDICADORES PARA ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ELEMENTOS PARA O DESENVOLVIMENTO DE UMA TIPOLOGIA DE APLs INDICADORES PARA ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Fabio Stallivieri UFF e RedeSist Brasília 17/04/2012 1. Introdução Elaboração de indicadores objetiva

Leia mais

FÓRUM SOBRE CONHECIMENTO E APRENDIZADO PARA DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E A REDUÇÃO DA POBREZA NO NORDESTE DO BRASIL.

FÓRUM SOBRE CONHECIMENTO E APRENDIZADO PARA DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E A REDUÇÃO DA POBREZA NO NORDESTE DO BRASIL. FÓRUM SOBRE CONHECIMENTO E APRENDIZADO PARA DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E A REDUÇÃO DA POBREZA NO NORDESTE DO BRASIL. Tema 4: A participação e o empoderamento das comunidades locais conduzem a uma

Leia mais

IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR

IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR Rosiane Costa de Souza Assistente Social Msc Serviço Social/UFPA Diretora de Assistência Social Secretaria de Estado de Assistência Social do Pará

Leia mais

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Avaliação Econômica O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Objeto da avaliação: adoção de diferentes mecanismos para a seleção de diretores de escolas públicas brasileiras

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO REPRESENTAÇÕES E EXPERIÊNCIAS DE UMA COMUNIDADE RURAL E ESCOLAR SOBRE O AMBIENTE, POUSO ALTO

Leia mais

O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político

O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político Jairnilson Paim - define o SUS como um sistema que tem como característica básica o fato de ter sido criado a partir de um movimento

Leia mais

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão 1 V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Painel: Desenvolvimento Institucional Mudanças na Cultura de Gestão Roteiro: 1. Perfil das organizações do PAD. 2. Desenvolvimento Institucional:

Leia mais

CHAMADA DE ARTIGOS do SUPLEMENTO TEMÁTICO A EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

CHAMADA DE ARTIGOS do SUPLEMENTO TEMÁTICO A EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1 CHAMADA DE ARTIGOS do SUPLEMENTO TEMÁTICO A EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE No dia 16 de novembro último, durante o 10o Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva, realizado em Porto

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social DISCURSO DO MINISTRO DA EDUCAÇÃO, HENRIQUE PAIM Brasília, 3 de fevereiro de 2014 Hoje é um dia muito especial para mim. É um dia marcante em uma trajetória dedicada à gestão pública ao longo de vários

Leia mais

DADOS. Histórico de lutas

DADOS. Histórico de lutas MULHERES O partido Solidariedade estabeleceu políticas participativas da mulher. Isso se traduz pela criação da Secretaria Nacional da Mulher e por oferecer a esta Secretaria completa autonomia. Acreditamos

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE Paulo Eduardo Elias* Alguns países constroem estruturas de saúde com a finalidade de garantir meios adequados para que as necessidades

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

VIVENCIANDO A CONJUNTURA SOCIOECONÔMICA DAS FAMÍLIAS EM ESTADO DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE MIRACEMA DO TOCANTINS.

VIVENCIANDO A CONJUNTURA SOCIOECONÔMICA DAS FAMÍLIAS EM ESTADO DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE MIRACEMA DO TOCANTINS. VIVENCIANDO A CONJUNTURA SOCIOECONÔMICA DAS FAMÍLIAS EM ESTADO DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE MIRACEMA DO TOCANTINS. Tainã Fernandes Doro¹, Profª Drª Célia Maria Grandini Albiero². 1 Aluna do

Leia mais

TRANSTORNO DO AUTISTA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

TRANSTORNO DO AUTISTA NA EDUCAÇÃO INFANTIL FACULDADE MÉTODO DE SÃO PAULO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA ERIKA DE SOUZA NOGUEIRA JENIFFER OLIVEIRA RODRIGUES COSTA JESSICA PRISCILLA TESLENCO MARTINS PINHEIRO TRANSTORNO DO AUTISTA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Leia mais

Governança Sustentável nos BRICS. Resumo executivo

Governança Sustentável nos BRICS. Resumo executivo Governança Sustentável nos BRICS Resumo executivo Sumário executivo A rapidez com que, nos últimos anos, as economias emergentes do Brasil, da Rússia, da Índia, da China e da África do Sul vêm se aproximando

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE MATERIAIS ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 23 de Maio de 2012 CURSO: MESTRADO PROFISSIONAL

COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE MATERIAIS ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 23 de Maio de 2012 CURSO: MESTRADO PROFISSIONAL COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE MATERIAIS ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 23 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Materiais PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO:

Leia mais

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Samira Santana de Almeida 1 RELATÓRIO 1. Apresentação O presente

Leia mais

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE INTRODUÇÃO Lucas de Sousa Costa 1 Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará lucascostamba@gmail.com Rigler da Costa Aragão 2

Leia mais

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO 1. Crescimento Econômico Conceitua-se crescimento econômico como "o aumento contínuo do Produto Interno Bruto (PIB) em termos globais e per capita,

Leia mais

Aula 4 A FOME NO MUNDO CONTEMPORÂNEO. Christian Jean-Marie Boudou

Aula 4 A FOME NO MUNDO CONTEMPORÂNEO. Christian Jean-Marie Boudou Aula 4 A FOME NO MUNDO CONTEMPORÂNEO OBJETIVOS Compreender a abordagem geográfica da fome; Discorrer sobre fome e desnutrição; Conhecer a problemática de má distribuição de renda e alimentos no Brasil

Leia mais

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 Resumo: O presente Artigo busca abordar a pretensão dos museus de cumprir uma função social e a emergência

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO MESTRADO SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO Justificativa A equipe do mestrado em Direito do UniCEUB articula-se com a graduação, notadamente, no âmbito dos cursos de

Leia mais

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014 GEOGRAFIA QUESTÃO 1 A Demografia é a ciência que estuda as características das populações humanas e exprime-se geralmente através de valores estatísticos. As características da população estudadas pela

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Atlas de saneamento Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Guido Mantega INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Eduardo

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO.

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. Resumo Paula Lopes Gomes - Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: paulagomes20@msn.com

Leia mais

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

CLUBE DE LEITURA PALAVRA MÁGICA

CLUBE DE LEITURA PALAVRA MÁGICA CLUBE DE LEITURA PALAVRA MÁGICA LUCIANA PASCHOALIN (FUNDAÇÃO PALAVRA MÁGICA), GALENO AMORIM (OBSERVATÓRIO DO LIVRO E DA LEITURA). Resumo Em resposta ao diagnóstico e análise dos dados sobre o comportamento

Leia mais