QUADRO DE SUGESTÕES E COMENTÁRIOS CONSOLIDADOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUADRO DE SUGESTÕES E COMENTÁRIOS CONSOLIDADOS"

Transcrição

1 QUADRO DE SUGESTÕES E COMENTÁRIOS CONSOLIDADOS CIRCULAR PROPOSTA Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das Notas Técnicas Atuariais dos Contratos de Seguros de Danos e dá outras providências. O SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP, na forma do art. 36, alínea "b", do Decreto-Lei n 73, de 21 de novembro de 1966; no uso das atribuições que lhe confere o item 2, alínea "c", da Instrução SUSEP n. 28, de 12 de junho de 2001, tendo em vista o que consta no Processo SUSEP n /00-08, de 22 de março de 2000, R E S O L V E : Art. 1 Estabelecer os critérios mínimos que deverão ser observados na estruturação das Condições Contratuais e das Notas Técnicas Atuariais, referentes aos planos de seguros de Danos comercializados pelas Sociedades Seguradoras, de acordo com o anexo que integra a presente Circular. Art. 2 As peças promocionais e de propaganda deverão ser divulgadas com autorização expressa e supervisão da Sociedade Seguradora, respeitadas rigorosamente as Condições Contratuais e a Nota Técnica submetidas à Superintendência de Seguros Privados - SUSEP. Art. 4 As sociedades seguradoras não poderão comercializar novos contratos em desacordo com SUGESTÃO DE ALTERAÇÃO Porto Seguro Cia. de Seguros Gerais (Lene Araújo de Lima e Paulo José dos Santos): Sem sugestão UBF Garantia & Seguros S.A. (José Eduardo Medrado): Sem sugestão Marítima Seguros S/A (Almir Martins Ribeiro): JUSTIFICATIVA DO MERCADO Percebe-se que esta circular especializa disposições acerca das Condições Contratuais dos Seguros de Danos, excluindo, portanto, os Seguros de Pessoas. Os seguros de pessoas serão tratados exclusivamente em outra circular? Assunto disciplinado na Circular SUSEP nº 90/1999. O prazo de 90 dias é inviável devido às JUSTIFICATIVA DA SUSEP SITUAÇÃO 1

2 as características mínimas descritas no anexo Art. 4 As sociedades alterações operacionais. desta Circular, a partir do 90 dia posterior à sua seguradoras não poderão publicação. comercializar novos contratos em desacordo com as características mínimas descritas no anexo desta Circular, a partir do 180 dia posterior à sua publicação. UBF Garantia & Seguros Não existem recursos S.A. (José Eduardo humanos disponíveis nas Medrado): (...) 180 dias seguradoras a fim de rever (...) e alterar todos os planos num espaço de tempo tão exíguo. Cia. de Seguros Aliança do Brasil ( Francisco Cláudio Duda): Art. 4 As sociedades seguradoras não poderão comercializar novos contratos em desacordo com as características mínimas descritas no anexo desta Circular, a partir do 180 dia posterior à sua publicação Assurant Seguradora (Elizabeth Rosa): Art. 4 As sociedades seguradoras não poderão comercializar novos contratos em desacordo com as características mínimas descritas no anexo desta Circular, a partir do 180 dia posterior à sua publicação. Oferecer tempo mais dilatado para as seguradoras se adaptarem. O prazo de 90 dias é inviável devido às alterações operacionais. 2

3 Caixa Seguros (Lucia Tavares): Art. 4 As sociedades seguradoras não poderão comercializar novos contratos em desacordo com as características mínimas descritas no anexo desta Circular, a partir do 180 dia posterior à sua publicação. Porto Seguro Cia. de Seguros Gerais (Lene Araújo de Lima e Paulo José dos Santos): De acordo com o art 4o da circular proposta, teríamos 90 dias para adaptar às novas normas todo o nosso material de comercialização e CGS, pois não poderíamos comercializar novos contratos em desacordo com o estabelecido pela Circular. É pouco. Teríamos que aumentar esse prazo. Sugerimos algo em torno de seis meses. FENASEG: Art. 4 As sociedades seguradoras não poderão comercializar novos contratos em desacordo com as material características mínimas (condições, descritas no anexo desta Circular, a partir do 180 o O prazo de 90 dias é inviável devido às alterações operacionais. Há necessidade de adequação de todos os produtos em vigor, inclusive em relação ao gráfico peças promocionais e de propaganda e etc.). 3

4 1º Os planos atualmente comercializados deverão ser adaptados à presente circular dentro do prazo previsto no caput, mediante abertura de novo processo administrativo. dia posterior à sua publicação. Generali do Brasil Cia. Nac. de Seguros (Eduardo Arias): Art. 4 As sociedades seguradoras não poderão comercializar novos contratos em desacordo com as características mínimas descritas no anexo desta Circular, a partir do 180 dia posterior à sua publicação. Marítima Seguros S/A (Almir Martins Ribeiro): 1º Os planos atualmente comercializados deverão ser adaptados à presente circular dentro do prazo previsto no caput. Cia. de Seguros Aliança do Brasil ( Francisco Cláudio Duda): 1º Os planos atualmente comercializados deverão ser adaptados à presente circular dentro do prazo previsto no caput, mediante alteração nos autos do mesmo processo administrativo. Assurant Seguradora (Elizabeth Rosa): 1º Os planos atualmente comercializados deverão ser adaptados à presente circular dentro do prazo O prazo de 90 dias é inviável devido às alterações operacionais. A adaptação pode não implicar na necessidade de abertura de novo processo. Simplificação operacional e manutenção do mesmo número do processo. A adaptação pode não implicar na necessidade de abertura de novo processo. 4

5 IV - Condições Particulares: conjunto de cláusulas que alteram as Condições Gerais e/ou Especiais de um plano de seguro, modificando ou cancelando disposições já existentes, ou, ainda, introduzindo novas disposições, eventualmente ampliando ou restringindo a cobertura; V- Cláusulas Particulares: cláusulas estabelecidas nos diferentes contratos, que, com relação às Condições Contratuais previamente submetidas à autarquia, não restrinjam direitos ou impliquem em ônus para o segurado. previsto no caput. Caixa Seguros (Lucia Tavares): 1º Os planos atualmente comercializados deverão ser adaptados à presente circular dentro do prazo previsto no caput. Generali do Brasil Cia. Nac. de Seguros (Eduardo Arias): 1º Os planos atualmente comercializados deverão ser adaptados à presente circular dentro do prazo previsto no caput. (Excluir a exigência de abertura de novo processo) UBF Garantia & Seguros S.A. (José Eduardo Medrado): Definir melhor Marítima Seguros S/A (Almir Martins Ribeiro): V- Cláusulas Particulares: cláusulas estabelecidas nos diferentes contratos, que, com relação às Condições Gerais previamente submetidas à autarquia, não A adaptação pode não implicar na necessidade de abertura de novo processo. A adaptação pode não implicar na necessidade de abertura de novo processo. Além do mais, a troca do numero do processo pode ser bastantes onerosa e complexa para a Seguradora, decorrente da substituição do material de comercialização. Sempre temos dúvidas de como utilizar condições particulares. Se restringir cobertura, se modificar ou introduzir novas disposições preciso encaminhar previamente para a SUSEP? Não seria mais fácil alterar as Cond. Gerais e Especiais? Como utilizar, e se possível exemplificar Somente as Condições Gerais são encaminhadas a SUSEP. 5

6 restrinjam direitos ou impliquem em ônus para o segurado. UBF Garantia & Seguros S.A. (José Eduardo Medrado): No seguro garantia, a dinâmica dos princípios que regem os contratos privados, exigem, quase sempre, inserções de cláusulas particulares. Cia. de Seguros Aliança do Brasil ( Francisco Cláudio Duda): V Cláusulas Particulares: cláusulas estabelecidas nos diferentes contratos, que, com relação às Condições Gerais e Especiais previamente submetidas à autarquia, não restrinjam direitos ou impliquem em ônus para o segurado Assurant Seguradora (Elizabeth Rosa): V- Cláusulas Particulares: cláusulas estabelecidas nos diferentes contratos, que, com relação às Condições Gerais previamente submetidas à autarquia, não restrinjam direitos ou impliquem em ônus para o segurado. Caixa Seguros (Lucia Tavares): V- Cláusulas Particulares: cláusulas estabelecidas nos diferentes A Cláusula Particular é normalmente usada no Seguro Garantia, com o fito de restringir coberturas, especialmente, de obrigações acessórias. Excluído a expressão Contratuais e incluído Gerais e Especiais, porque a cláusula particular não é submetida previamente à autarquia. Somente as Condições Gerais são encaminhadas a SUSEP. Somente as Condições Gerais são encaminhadas a SUSEP. 6

7 contratos, que, com relação às Condições Gerais previamente submetidas à autarquia, não restrinjam direitos ou impliquem em ônus para o segurado. 1. FENASEG: V- Cláusulas Particulares: cláusulas estabelecidas nos diferentes contratos, que, para modificar qualquer aspecto das Condições Contratuais, devem ser especificamente pactuadas entre o proponente ou seu representante legal ou seu corretor e a seguradora. Generali do Brasil Cia. Nac. de Seguros (Eduardo Arias): V- Cláusulas Particulares: cláusulas estabelecidas nos diferentes contratos, que, com relação às Condições Gerais previamente submetidas à autarquia, não restrinjam direitos ou impliquem em ônus para o segurado. Mesmo nos produtos não padronizados com condições previamente aprovadas pela Susep, existem situações específicas em que se faz necessária a negociação de determinadas condições. Obviamente, não é possível, dado o grande número de casos e os custos operacionais envolvidos, enviar as cláusulas particulares à SUSEP. A solução é exigir-se a assinatura de aditivo específico entre as partes, que estará disponível a eventual fiscalização. Somente as Condições Gerais são encaminhadas a SUSEP. CAPÍTULO II Marítima Seguros S/A Além de inviabilizar a 7

8 DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 2 A contratação de seguros pode ser iniciada por meios eletrônicos, como telefone, fax ou Internet, mas o contrato somente terá validade se houver posterior preenchimento de proposta assinada e subseqüente aceitação da mesma, sem prejuízo das demais disposições previstas em legislação específica. (Almir Martins Ribeiro): Art. 2 A contratação de seguros poderá se dar por meios eletrônicos, como telefone, fax ou Internet. comercialização de alguns seguros, de acordo com o artigo 758 NCCB a contratação do seguro é comprovada mediante apresentação da apólice, bilhete de seguro ou comprovante de pagamento. Cia. de Seguros Aliança do Brasil ( Francisco Cláudio Duda): Art. 2 A contratação de seguros pode ser iniciada por meios eletrônicos, como telefone, fax ou Internet, mas o contrato somente terá validade se houver posterior preenchimento de proposta assinada, inclusive eletronicamente, pelo proponente ou seu representante legal, e subseqüente aceitação da mesma, sem prejuízo das demais disposições previstas em legislação específica Assurant Seguradora (Elizabeth Rosa): Art. 2 A contratação de seguros poderá se dar por meios eletrônicos, como telefone, fax ou Internet. Viabilizar a contratação mediante assinatura eletrônica. Além de inviabilizar a comercialização de alguns seguros, de acordo com o artigo 758 NCCB a contratação do seguro é comprovada mediante apresentação da apólice, bilhete de seguro ou 8

9 Caixa Seguros (Lucia Tavares): Art. 2 A contratação de seguros poderá se dar por meios eletrônicos, como telefone, fax ou Internet. comprovante de pagamento. Além de inviabilizar a comercialização de alguns seguros, de acordo com o artigo 758 NCCB a contratação do seguro é comprovada mediante apresentação da apólice, bilhete de seguro ou comprovante de pagamento. Porto Seguro Cia. de Seguros Gerais (Lene Araújo de Lima e Paulo José dos Santos): Art. 2º A contratação de seguros poderá ser efetuada por meios eletrônicos, como telefone, fax ou Internet, sem prejuízo das demais disposições previstas em legislação específica, constando, destes contratos, cláusula destacando o direito de arrependimento previsto no art. 49 do Código de Defesa do Consumidor. Hoje tanto os Órgãos Estatais quanto as Empresas Privadas já atuam através de transações feitas por meios eletrônicos, em virtude do avanço da tecnologia, inclusive já foi editada uma Medida Provisória ( ), que visa regulamentar a validade jurídica dos documentos eletrônicos, e têm a finalidade de fazer com que o documento eletrônico tenha a mesma presunção de veracidade que um documento físico assinado. A própria Receita Federal, recebendo declarações de imposto de renda por meios eletrônicos é 9

10 exemplo expressivo desta realidade social. Vale ainda ressaltar que essa transação eletrônica não prejudicará o segurado em nenhum momento, visto que o mesmo terá o direito de arrependimento. Deste modo, sugerimos a preservação das contratações por meios eletrônicos, dispensando assinatura e entrega de documento físico, advertindo-se os segurados de que poderão exercitar o direito de arrependimento da contratação realizada fora do estabelecimento comercial, conforme previsto no artigo 49 do CDC. Alternativamente, preservar a possibilidade de uso de transmissões eletrônicas com sistemas de senha individuais em ambiente seguro até que o processo de certificação digital esteja regulamentado. 1. FENASEG: Art. 2º A Considerando que o tema 10

11 contratação de seguros pode ser iniciada por meios eletrônicos, como telefone, fax ou Internet, mas o contrato somente terá validade com a posterior prova da assinatura do bilhete ou da proposta preenchida e aceita. Na falta destes documentos, a existência do contrato de seguro prova-se pela comprovação do pagamento de prêmio. Generali do Brasil Cia. Nac. de Seguros (Eduardo Arias): Art. 2 A contratação de seguros poderá se dar por meios eletrônicos, como telefone, fax ou Internet, observada a legislação vigente. é extremamente importante para o desenvolvimento do mercado segurador e que apresenta certa complexidade, afigura-se mais prudente e adequado disciplinar o assunto na linha traçada pelo art. 758 do Código Civil. Cabe acrescentar que o art. 107 do Código estabelece que a validade da declaração de vontade não dependerá de forma especial, que não é exigida para o contrato de seguros. Na verdade, o referido art. 758, ao estatuir que o contrato de seguro provase também com a comprovação do pagamento do prêmio, exige apenas a prova documental da existência do encontro de vontades que faz surgir o contrato de seguro. Além de inviabilizar a comercialização de alguns seguros, de acordo com o artigo 758 NCCB a contratação do seguro é comprovada mediante apresentação da apólice, bilhete de seguro ou comprovante de 11

12 Art. 3 Em todo o material de comercialização, bem como na proposta, deverão constar as seguintes informações: II - O registro deste plano na SUSEP não implica no incentivo ou recomendação a sua comercialização, mas tão somente a sua adequação as normas em vigor ; e Marítima Seguros S/A (Almir Martins Ribeiro): Art. 3 Na proposta, deverão constar as seguintes informações: Assurant Seguradora (Elizabeth Rosa): Art. 3 Na proposta, deverão constar as seguintes informações: Caixa Seguros (Lucia Tavares): Art. 3 Na proposta, deverão constar as seguintes informações: FENASEG: Art. 3º Na proposta, deverão constar as seguintes informações: Generali do Brasil Cia. Nac. de Seguros (Eduardo Arias): Art. 3 Na proposta, deverão constar as seguintes informações: Marítima Seguros S/A (Almir Martins Ribeiro): II - O registro deste plano na SUSEP implica na sua adequação as normas em vigor ; e Cia. de Seguros Aliança do Brasil ( Francisco Cláudio Duda): Excluir pagamento. É inviável incluir este texto em todos materiais de marketing È inviável incluir este texto em todos materiais de marketing È inviável incluir este texto em todos materiais de marketing Entendemos que é na proposta que as informações referidas deverão ser inseridas. É inviável incluir todas informações nos materiais de marketing. È inviável incluir este texto em todos materiais de marketing Mesmo que a SUSEP não incentive a comercialização, este texto pode ser interpretado como de um produto que a SUSEP não recomende. Não se aplica Assurant Seguradora Mesmo que a SUSEP não 12

13 III O segurado poderá consultar a regularidade de seu corretor de seguros, no site da SUSEP, por meio do número de registro do corretor na SUSEP, nome completo, CNPJ ou CPF. (Elizabeth Rosa): Excluir. incentive a comercialização, este texto pode ser interpretado como de um produto que a SUSEP não recomende. Caixa Seguros (Lucia Mesmo que a SUSEP não Tavares): Excluir. incentive a comercialização, este texto pode ser interpretado como de um produto que a SUSEP não recomende. Generali do Brasil Cia. Mesmo que a SUSEP não Nac. de Seguros (Eduardo incentive a Arias): Excluir. comercialização, este texto pode ser interpretado como de um produto que a SUSEP não recomende. Cia. de Seguros Aliança Não se aplica do Brasil ( Francisco Cláudio Duda): Excluir FENASEG: Excluir. O texto, além de longo, não é relevante para a contratação do seguro, misturando temas em documento (proposta) com função jurídica específica. Com efeito, trata-se de texto extenso e irrelevante para a contratação na medida em que não se coaduna com a natureza da proposta, documento que contém as 13

14 Art. 4 As Condições Contratuais do seguro deverão estar à disposição do proponente previamente à assinatura da proposta de seguro, devendo este assinar termo de que destas tomou ciência. Porto Seguro Cia. de Seguros Gerais (Lene Araújo de Lima e Paulo José dos Santos): Art. 4 As Condições Contratuais do seguro deverão estar à disposição do proponente previamente à assinatura da proposta de seguro. cláusulas e condições que irão reger o futuro contrato. Por outro lado, a regularidade da situação do corretor é assunto da competência da fiscalização da SUSEP e dos órgãos de classe dos corretores, que devem buscar outros meios e modos de informar aos consumidores a existência do registro e as formas de acessá-lo. O prévio conhecimento remonta ao Código de Defesa do Consumidor (art. 46) e a demonstração de sua ocorrência é ônus do segurador. Com esta disposição a SUSEP realçará o dever, criando documento específico a ser exigido para comprovar o atendimento da norma. Para dispor desses comprovantes as seguradoras terão de exigi-los dos corretores, eis que são eles quem assistem os segurados quando da assinatura das propostas. Como a lei não faz restrição quanto às espécies de prova, nem 14

15 Art. 5 Qualquer alteração nas Condições Contratuais em vigor deverá ser realizada por aditivo ao contrato, com a concordância expressa e escrita do segurado ou seu representante legal, ou, ainda, por expressa solicitação de qualquer um destes, do corretor de seguros, ratificada pelo correspondente endosso. Cia. de Seguros Aliança da Bahia (Gilberto de Jesus):..., devendo este assinar termo confirmando ter tomado conhecimento pleno de todo o conteúdo das mesmas. FENASEG: Art. 4 As Condições Contratuais do seguro deverão estar à disposição do proponente previamente à assinatura da proposta de seguro, devendo este, seu representante legal ou seu corretor assinar declaração, que poderá constar da própria proposta, de que tomou ciência das referidas Condições Gerais. Porto Seguro Cia. de Seguros Gerais (Lene Araújo de Lima e Paulo José dos Santos): Art. 5 Qualquer alteração nas Condições Contratuais em vigor deverá ser realizada por aditivo ao contrato, com a concordância expressa do segurado ou seu representante legal, estabelece forma especial, parece conveniente excluir a parte final deste artigo, a fim de prevenir discussões. Visa evitar que o consumidor ateste não apenas que tomou conhecimento de que as Condições Contratuais estavam à sua disposição, mas sim que tomou conhecimento pleno do conteúdo das mesmas. Tornar clara a possibilidade de o representante do segurado assinar a declaração, que normalmente integra o corpo da proposta. A legislação atual confere legitimidade aos corretores para representarem os segurados nas operações de seguros. Logo, se esta legitimidade já decorre da lei, não há razão para exigir-se autorização escrita. Sugerimos a exclusão desse trecho. 15

16 ratificada pelo Outrossim, também correspondente endosso. dispensável que eventual alteração apenas ocorra com manifestação escrita do segurado, pois como já argumentamos, outros mecanismos de contratação lícitos como os eletrônicos existem e devem ser prestigiados. Art. 6º Qualquer alteração nas Condições UBF Garantia & Seguros Dinâmica dos contratos, Contratuais e/ou na Nota Técnica Atuarial dos S.A. (José Eduardo especialmente contratos planos de seguro, bem como as cláusulas que Medrado):A cláusula privados, impõe a restrinjam direitos ou impliquem em ônus para o Particular pode ensejar, ou necessidade de clausular segurado, deverão ser previamente sempre enseja, restrições de particulares. Por encaminhadas à SUSEP. direitos e normalmente exemplo: Exclusão de exigível no seguro garantia. cobertura para multas penais, pecuniárias, etc. FENASEG: Art. 6º As Prevalecem os mesmos alteração nas Condições argumentos mencionados Contratuais e/ou na Nota no artigo 1º, item V, do Técnica Atuarial dos planos Anexo I. de seguro, deverão ser previamente encaminhadas à SUSEP. Art. 12. As Sociedades Seguradoras deverão observar os critérios constantes nos arts. 50 e 51 do Anexo à Circular SUSEP n.º 90, de 1999, quando desejarem ceder direitos de comercialização de seus planos de seguros a outras companhias. Marítima Seguros S/A (Almir Martins Ribeiro): Inserir os artigos referidos nesta circular. Assurant Seguradora (Elizabeth Rosa): Inserir os artigos referidos nesta circular. Caixa Seguros (Lucia Tavares): Inserir os artigos referidos nesta circular. Além de facilitar, sintetiza todos os itens referentes a seguro de danos em uma única norma. Além de facilitar, sintetiza todos os itens referentes a seguro de danos em uma única norma. Além de facilitar, sintetiza todos os itens referentes a seguro de danos em uma 16

17 Art. 22. Deverá estar previsto que os eventuais encargos de tradução referentes ao reembolso de despesas efetuadas no exterior ficarão totalmente a cargo da Sociedade Seguradora. Porto Seguro Cia. de Seguros Gerais (Lene Araújo de Lima e Paulo José dos Santos): Considerando que a circular n.º 90 será revogada, ainda que parcialmente, sugerimos que os artigos 50 e 51 do anexo sejam diretamente reproduzidos nesta nova circular, evitando-se eventual confusão acerca da eficácia dos mesmos. FENASEG: Redigir o artigo introduzindo os referidos artigos da circular 90. Generali do Brasil Cia. Nac. de Seguros (Eduardo Arias): Sugerimos inserir nesta circular os artigos citados da Circular 90. UBF Garantia & Seguros S.A. (José Eduardo Medrado):Sugerimos excepcionar o segurogarantia. FENASEG: Excluir. única norma. Manter em um único documento todas as disposições aplicáveis aos seguros de danos, até porque a Circular SUSEP nº 90 está sendo revogada em relação a estes seguros. Além de facilitar, sintetiza todos os itens referentes a seguro de danos em uma única norma. As peculiaridades inerentes a este seguro exigem uma melhor visão conceitual sobre sua natureza e amplitude. Se o segurado realiza despesas no exterior cobertas por seguro contratado no Brasil, compete-lhe fazer a 17

18 Dos Riscos Excluídos Art. 23. Na relação dos riscos excluídos deverão constar os danos causados por atos ilícitos dolosos praticados pelo segurado, pelo beneficiário ou pelo representante legal, de um ou de outro. Parágrafo único. Nos seguros contratados por pessoas jurídicas, a exclusão do caput se aplica aos sócios controladores, aos seus dirigentes e administradores legais, aos beneficiários e aos representantes legais de cada uma destas pessoas. I - atos ilícitos culposos ou dolosos, praticados por empregados ou prepostos do Segurado, ou, ainda, por pessoas a eles assemelhadas; UBF Garantia & Seguros S.A. (José Eduardo Medrado):Na relação dos riscos excluídos deverão constar os danos causados por atos ilícitos dolosos praticados pelo segurado e seu preposto, pelo beneficiário, pelo representante, de um ou de outro. UBF Garantia & Seguros S.A. (José Eduardo Medrado):Incluir preposto Porto Seguro Cia. de Seguros Gerais (Lene Araújo de Lima e Paulo José dos Santos): I - atos ilícitos culposos, praticados por empregados ou prepostos do Segurado, ou, ainda, por pessoas a eles assemelhadas; comprovação necessária. Se a seguradora requerer a tradução do documento expresso em língua estrangeira, estará apenas cumprindo a legislação brasileira, que exige a tradução do documento para emprestar-lhe validade jurídica. No seguro agrícola ou animal o empregado é quem normalmente pratica atos ilícitos dolosos, maus tratos. Todo representante é legal, portanto não precisa utilizar o termo legal. Idem acima O contrato de seguro tem o propósito de garantir indenização para riscos predeterminados. Os atos dolosos praticados por empregados, prepostos ou assemelhados, conquanto possam levar os segurados a responderem pelos prejuízos causados por seus funcionários, não se 18

19 tratam de riscos que as seguradoras necessariamente desejam aceitar. Opinamos pela vedação de exclusão de cobertura apenas para os atos ilícitos culposos, deixando que cada seguradora, no exercício do direito da liberdade de contratar, decida aceitar ou não os riscos de atos dolosos, definindo prêmio condizente para tal. II - atos ilícitos culposos, praticados pelo Segurado, pelo beneficiário ou pelo representante legal, de um ou de outro, se o Segurado for pessoa física, exceto no caso de culpa grave estabelecida por sentença judicial transitada em julgado; Cia. de Seguros Aliança da Bahia (Gilberto de Jesus): Excluir a expressão ou dolosos Cia. de Seguros Aliança do Brasil ( Francisco Cláudio Duda): II - atos ilícitos culposos, praticados pelo Segurado, pelo beneficiário ou pelo representante legal, de um ou de outro, se o Segurado for pessoa física, exceto no caso de ilícito doloso estabelecido por sentença judicial transitada em julgado; FENASEG: II atos ilícitos culposos, praticados A vinculação da cobertura a atos dolosos, ainda que de empregados, mesmo implicando em responsabilidade para o Segurado, é vedada pelo CC/2002, art. 762, s.m.j. A expressão culpa grave, foi substituída pela expressão ilícito doloso, a fim de contemplar as alterações introduzidas pelo Novo Código Civil. Não é razoável, nem viável, diante dos custos e 19

20 III - atos ilícitos culposos, praticados pelos sócios controladores, dirigentes, administradores legais, beneficiários e respectivos representantes legais, se o Segurado for pessoa jurídica, exceto no caso de culpa grave estabelecida por sentença judicial transitada em julgado; pelo Segurado, pelo beneficiário ou pelo representante legal, de um ou de outro, se o Segurado for pessoa física, exceto no caso de culpa grave; Cia. de Seguros Aliança do Brasil ( Francisco Cláudio Duda): III - atos ilícitos culposos, praticados pelos sócios controladores, dirigentes, administradores legais, beneficiários e respectivos representantes legais, se o Segurado for pessoa jurídica, exceto no caso de ilícito doloso estabelecido por sentença judicial transitada em julgado; FENASEG: III atos ilícitos culposos, praticados pelos sócios controladores, dirigentes, administradores legais, beneficiários e respectivos representantes legais, se o Segurado for pessoa jurídica, exceto no caso de culpa grave, da notória lentidão da Justiça, que a seguradora tenha que submeter decisão sobre negativa de sinistros à ratificação dos Tribunais. Evidentemente, em caso de controvérsia, os segurados dispõem atualmente de um arsenal de facilidades para fazer valer os seus direitos, junto ao Poder Judiciário ou fora dele. A expressão culpa grave, foi substituída pela expressão ilícito doloso, a fim de contemplar as alterações introduzidas pelo Novo Código Civil. Idem. Parágrafo único. A renovação automática do UBF Garantia & Seguros O seguro prevê a 20

21 contrato de seguro só poderá ser feita uma única vez. Da Concorrência de Apólices Art. 27. Deverá constar nas Condições Contratuais do seguro cláusula de concorrência de apólices obrigatoriamente com a seguinte redação: CLÁUSULA DE CONCORRÊNCIA DE APÓLICES O segurado que, na vigência do contrato, pretender obter novo seguro sobre o mesmo bem e contra o mesmo risco, na mesma seguradora ou em outra, deverá, previamente, comunicar a sua intenção, por escrito, às Sociedades Seguradoras envolvidas. O valor total da indenização, quando da ocorrência do sinistro, não poderá ultrapassar, em qualquer hipótese, o valor real do bem. Na ocorrência de sinistro, a distribuição das responsabilidades entre as apólices existentes obedecerá às seguintes condições: a) Quando a soma das indenizações, calculadas individualmente por apólice, for igual ou inferior aos prejuízos apurados, as indenizações devidas serão pagas, como se cada apólice contratada fosse a única existente; b) Quando a soma das indenizações, calculadas individualmente por apólice, ultrapassar o valor dos prejuízos apurados, cada Sociedade Seguradora contratada participará com o S.A. (José Eduardo Medrado):Sugerimos excepcionar o Seguro de Fiança Locatícia. Porto Seguro Cia. de Seguros Gerais (Lene Araújo de Lima e Paulo José dos Santos): Sugerimos a inclusão de dois parágrafos no término deste artigo: 1.º A sub-rogação relativa a salvados de sinistro se operará na mesma proporção com a qual cada seguradora participou no pagamento da indenização. 2.º Salvo disposição em contrário, a seguradora que participar com a maior parte da indenização ficará encarregada de negociar os salvados e repassar a cotaparte relativa ao produto desta negociação à outra congênere. renovação automática da sua cobertura, sempre vincula ao contrato de locação. A concorrência de apólices poderá suscitar hipóteses de participações proporcionalmente diferentes entre as Companhias, fato que pode criar alguma dificuldade na subrogação de direitos relacionados aos salvados. Sugerimos discussão quanto a viabilidade de inserir disposição que pacifique esta questão 21

22 percentual do prejuízo correspondente à proporção entre o valor da indenização que seria devida pela respectiva apólice e soma das indenizações individuais de todas as apólices envolvidas. Esta cláusula não será aplicada às coberturas que garantam morte e/ou invalidez. (incluir quando couber) FENASEG: Art. 27. Deverá constar nas Condições Contratuais do seguro cláusula de concorrência de apólices obrigatoriamente com a seguinte redação, aplicável aos seguros de bens: CLÁUSULA CONCORRÊNCIA APÓLICES DE DE A cláusula estabelecida não pode ser aplicada a seguros de responsabilidade, vez que remete ao valor real do bem segurado. Deverá ser estabelecida cláusula específica para os seguros de responsabilidade. (sem alteração) o A sub-rogação relativa a salvados de sinistro se operará na mesma proporção com a qual cada seguradora participou no pagamento da indenização. 2 o Salvo disposição em contrário, a seguradora A concorrência de apólices poderá provocar participações proporcionalmente diferentes entre as Companhias, fato que pode criar alguma dificuldade na subrogação de direitos relacionados aos salvados. 22

CIRCULAR Nº 256, DE 16 DE JUNHO DE 2004

CIRCULAR Nº 256, DE 16 DE JUNHO DE 2004 SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR Nº 256, DE 16 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das Notas Técnicas Atuariais dos Contratos de Seguros de Danos

Leia mais

RESUMO DAS CONDIÇÕES GERAIS DO SEGURO DE PERDA, FURTO E ROUBO DO CARTÃO TRIBANCO

RESUMO DAS CONDIÇÕES GERAIS DO SEGURO DE PERDA, FURTO E ROUBO DO CARTÃO TRIBANCO RESUMO DAS CONDIÇÕES GERAIS DO SEGURO DE PERDA, FURTO E ROUBO DO CARTÃO TRIBANCO Estipulante: BANCO TRIÂNGULO S. A. Seguradora: PORTO SEGURO CIA DE SEGUROS GERAIS Número processo SUSEP: 15414.000223/2007-67

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 256, de 16 de junho de 2004.

CIRCULAR SUSEP N o 256, de 16 de junho de 2004. CIRCULAR SUSEP N o 256, de 16 de junho de 2004. Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das Notas Técnicas Atuariais dos Contratos de Seguros de Danos e dá outras providências. O

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013.

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro de garantia estendida, quando da aquisição de

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 241, de 9 de janeiro de 2004.

CIRCULAR SUSEP N o 241, de 9 de janeiro de 2004. CIRCULAR SUSEP N o 241, de 9 de janeiro de 2004. Dispõe sobre a estruturação mínima das condições contratuais e das notas técnicas atuariais dos contratos de seguros de automóvel, com inclusão ou não,

Leia mais

CIRCULAR Nº 241, DE 9 DE JANEIRO DE 2004

CIRCULAR Nº 241, DE 9 DE JANEIRO DE 2004 Ministério da Fazenda Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR Nº 241, DE 9 DE JANEIRO DE 2004 Dispõe sobre a estruturação mínima das condições contratuais e das notas técnicas atuariais dos contratos

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N o 477, DE 30 DE SETEMBRO DE 2013. Dispõe sobre o Seguro Garantia, divulga Condições Padronizadas e dá outras providências. O SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2.000

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2.000 CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2.000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das Notas Técnicas Atuariais dos Contratos exclusivamente de Seguros de Automóvel ou dos

Leia mais

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2000 Publicada no DOU de 09/11/2000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2000 Publicada no DOU de 09/11/2000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2000 Publicada no DOU de 09/11/2000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das Notas Técnicas Atuariais dos Contratos exclusivamente

Leia mais

O NOVO CÓDIGO CIVIL E O CONTRATO DE SEGURO NOVIDADES E POLÊMICAS Vigência: 11/01/2003. COMENTÁRIOS Ricardo Bechara Santos

O NOVO CÓDIGO CIVIL E O CONTRATO DE SEGURO NOVIDADES E POLÊMICAS Vigência: 11/01/2003. COMENTÁRIOS Ricardo Bechara Santos O NOVO CÓDIGO CIVIL E O CONTRATO DE SEGURO NOVIDADES E POLÊMICAS Vigência: 11/01/2003 COMENTÁRIOS Ricardo Bechara Santos Capitulo XV - Do seguro Seção I Disposições gerais ART. 757 - PELO CONTRATO DE SEGURO,

Leia mais

Seguro de Garantia Estendida Original

Seguro de Garantia Estendida Original Seguro de Garantia Estendida Original 2 Agradecemos por ter adquirido um Seguro de Garantia Estendida Original! Este folheto traz para você as principais informações e como você pode aproveitar melhor

Leia mais

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Regulamenta o oferecimento e a aceitação do seguro garantia judicial para execução fiscal e seguro garantia parcelamento administrativo fiscal para

Leia mais

II. Contrato Principal: o documento contratual, seus aditivos e anexos, que especificam as obrigações e direitos do segurado e do tomador.

II. Contrato Principal: o documento contratual, seus aditivos e anexos, que especificam as obrigações e direitos do segurado e do tomador. SEGURO-GARANTIA - CONDIÇÕES GERAIS Este seguro garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador no contrato principal, firmado com o segurado, conforme os termos da apólice. I. Seguro-Garantia:

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO (NOME FANTASIA DO PRODUTO) (NOME FANTASIA DO PRODUTO) - MODALIDADE: INCENTIVO PROCESSO SUSEP Nº: (nº processo SUSEP)

CONDIÇÕES GERAIS DO (NOME FANTASIA DO PRODUTO) (NOME FANTASIA DO PRODUTO) - MODALIDADE: INCENTIVO PROCESSO SUSEP Nº: (nº processo SUSEP) - textos na cor azul serão adotados caso selecionados; - textos na cor vermelha deverão ser suprimidos no documento original e trata-se de informações para a elaboração do Título; - textos em negrito,

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GAR ANTIA DE ENTREGA DE OBRA CBIC (IMOBILIARIO)

CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GAR ANTIA DE ENTREGA DE OBRA CBIC (IMOBILIARIO) CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GAR ANTIA DE ENTREGA DE OBRA CBIC (IMOBILIARIO) ESSOR Seguros S.A CNPJ 14.5 25.684/0001-50 Process o SUSEP Nº 1 54 14.002 72 3/2 01 2-09 O registro deste plano na SUSEP não im plica,

Leia mais

QUADRO PADRONIZADO PARA APRESENTAÇÃO DE SUGESTÕES E COMENTÁRIOS

QUADRO PADRONIZADO PARA APRESENTAÇÃO DE SUGESTÕES E COMENTÁRIOS QUADRO PADRONIZADO PARA APRESENTAÇÃO DE SUGESTÕES E COMENTÁRIOS Remetente: Signatário: CIRCULAR PROPOSTA SUGESTÃO DE ALTERAÇÃO JUSTIFICATIVA OU COMENTÁRIO CIRCULAR SUSEP N.º de 2004., de Disciplina os

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004.

CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004. CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004. Estabelece, altera e consolida as regras e critérios complementares de funcionamento e de operação dos contratos de seguros de automóveis, com inclusão

Leia mais

Nova Lista de Verificação Seguro de Auto Versão 01 (julho/2012)

Nova Lista de Verificação Seguro de Auto Versão 01 (julho/2012) LISTA DE VERIFICAÇÃO CIRCULARES SUSEP N os 256 e 269/04 E OUTROS NORMATIVOS DESCRIÇÃO ATENÇÃO: No preenchimento da Lista de Verificação, para os itens informativos, a coluna Fls. deverá ser marcada com

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Art.1º Dispor sobre as regras e os critérios para operação do seguro Viagem.

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Art.1º Dispor sobre as regras e os critérios para operação do seguro Viagem. MINUTA DE RESOLUÇÃO A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUSEP, no uso da atribuição que lhe confere o art. 34, inciso XI, do Decreto nº 60.459, de 13 de março de l967, e considerando o inteiro teor

Leia mais

SEGURO GARANTIA - SETOR PÚBLICO MANUAL DO SEGURADO CONDIÇÕES GERAIS Processo SUSEP Nº 15414.900183/2014-84 CNPJ: 61.383.493/0001-80 1.

SEGURO GARANTIA - SETOR PÚBLICO MANUAL DO SEGURADO CONDIÇÕES GERAIS Processo SUSEP Nº 15414.900183/2014-84 CNPJ: 61.383.493/0001-80 1. 1. OBJETO 1.1. Este contrato de seguro garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo Tomador perante o Segurado, conforme os termos da apólice e até o valor da garantia fixado nesta, e de acordo

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004.

CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004. CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004. Estabelece, altera e consolida as regras e critérios complementares de funcionamento e de operação dos contratos de seguros de automóveis, com inclusão

Leia mais

APÓLICE/ENDOSSO DE SEGURO GARANTIA

APÓLICE/ENDOSSO DE SEGURO GARANTIA APÓLICE/ENDOSSO DE SEGURO GARANTIA Apólice: 024612013000107750002827 Processo SUSEP : 15414.004045/2010-49 Endosso: 0000000 Número de Controle Interno: 7202Ě CONDIÇÕES PARTICULARES A Austral Seguradora

Leia mais

CIRCULAR Nº 255, DE 4 DE JUNHO DE 2004

CIRCULAR Nº 255, DE 4 DE JUNHO DE 2004 SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR Nº 255, DE 4 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a atualização de valores relativos às operações de seguros, de previdência complementar aberta e de capitalização,

Leia mais

SEGURO-GARANTIA CONDIÇÕES GERAIS

SEGURO-GARANTIA CONDIÇÕES GERAIS SEGURO-GARANTIA CONDIÇÕES GERAIS 1. INFORMAÇÕES PRELIMINARES... 2 2. APRESENTAÇÃO... 2 3. ESTRUTURA DO CONTRATO DE SEGURO... 2 4. OBJETIVO DO SEGURO... 3 5. DEFINIÇÕES... 3 6. FORMA DE CONTRATAÇÃO... 4

Leia mais

QUADRO PADRONIZADO PARA APRESENTAÇÃO DE SUGESTÕES E COMENTÁRIOS

QUADRO PADRONIZADO PARA APRESENTAÇÃO DE SUGESTÕES E COMENTÁRIOS MINUTA DE RESOLUÇÃO QUADRO PADRONIZADO PARA APRESENTAÇÃO DE SUGESTÕES E COMENTÁRIOS Remetente: Signatário: RESOLUÇÃO PROPOSTA SUGESTÃO DE ALTERAÇÃO JUSTIFICATIVA OU COMENTÁRIO A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS

Leia mais

Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice.

Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice. 2 Definição Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice. Partes Seguradora - Sociedade de seguros garantidora,

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GARANTIA CIRCULAR SUSEP 232/03. Processo SUSEP nº 10.003.017/01-08

CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GARANTIA CIRCULAR SUSEP 232/03. Processo SUSEP nº 10.003.017/01-08 CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GARANTIA CIRCULAR SUSEP 232/03 Processo SUSEP nº 10.003.017/01-08 Cláusula 1ª - OBJETO Este seguro garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo Tomador no contrato principal,

Leia mais

BILHETEPREMIÁVEL. Capemisa Seguradora de Vida e Previdência S/A Versão Ago./14

BILHETEPREMIÁVEL. Capemisa Seguradora de Vida e Previdência S/A Versão Ago./14 BILHETEPREMIÁVEL Capemisa Seguradora de Vida e Previdência S/A Versão Ago./14 2 BILHETE PREMIÁVEL CAPEMISA MANUAL DO CLIENTE Bem-vindo à CAPEMISA. O Bilhete Premiável Capemisa é um Seguro de Acidentes

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 255, de 4 de junho de 2004.

CIRCULAR SUSEP N o 255, de 4 de junho de 2004. CIRCULAR SUSEP N o 255, de 4 de junho de 2004. Dispõe sobre a atualização de valores relativos às operações de seguros, de previdência complementar aberta e de capitalização, e dá outras providências.

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 294, DE 2013.

RESOLUÇÃO CNSP N o 294, DE 2013. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 294, DE 2013. Dispõe sobre a utilização de meios remotos nas operações relacionadas a planos de seguro e de previdência complementar

Leia mais

O Seguro garante o fiel cumprimento da construção, fornecimento e/ou prestação de serviços assumida pelo Tomador no contrato

O Seguro garante o fiel cumprimento da construção, fornecimento e/ou prestação de serviços assumida pelo Tomador no contrato G CNPJ 61.198.164/0001-60 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES A aceitação do seguro estará sujeita à análise do risco. O registro deste plano na SUSEP não implica por parte da Autarquia, incentivo ou recomendação

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 265, de 16 de agosto de 2004.

CIRCULAR SUSEP N o 265, de 16 de agosto de 2004. CIRCULAR SUSEP N o 265, de 16 de agosto de 2004. Disciplina os procedimentos relativos à adoção, pelas sociedades seguradoras, das condições contratuais e das respectivas disposições tarifárias e notas

Leia mais

O. Seguro de Pessoas artigo 757 e seguintes do Código Civil; diversas Regulamentações da SUSEP.

O. Seguro de Pessoas artigo 757 e seguintes do Código Civil; diversas Regulamentações da SUSEP. O. Seguro de Pessoas artigo 757 e seguintes do Código Civil; diversas Regulamentações da SUSEP. Na mesma esteira dos planos de previdência privada, é comum os contratos de seguro de pessoas conterem, juntos

Leia mais

Seguro Garantia - Seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice.

Seguro Garantia - Seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice. GUIA DE SEGURO GARANTIA PARA CONSULTA FENSEG QUEM SÃO AS PARTES Seguro Garantia - Seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice.

Leia mais

O CONTRATO DE SEGURO NO NOVO CÓDIGO CIVIL

O CONTRATO DE SEGURO NO NOVO CÓDIGO CIVIL O CONTRATO DE SEGURO NO NOVO CÓDIGO CIVIL Do seguro Seção I Disposições gerais Art. 757. Pelo contrato de seguro, o segurador se obriga, mediante o pagamento do prêmio, a garantir interesse legítimo do

Leia mais

EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGUROS SEGUROS

EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGUROS SEGUROS EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGUROS SEGUROS TOKIO MARINE SEGURADORA S.A., inscrita no CNPJ sob o número 33.164.021/0001-00 pessoa jurídica de direito

Leia mais

Resolução CNSP Nº 315 DE 26/09/2014 Publicado no DO em 29 set 2014

Resolução CNSP Nº 315 DE 26/09/2014 Publicado no DO em 29 set 2014 Resolução CNSP Nº 315 DE 26/09/2014 Publicado no DO em 29 set 2014 Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro viagem. A Superintendência de Seguros Privados - SUSEP, no uso da atribuição

Leia mais

ÂMBITO E FINALIDADE SERVIÇO DE EMPRÉSTIMO DE VALORES MOBILIÁRIOS

ÂMBITO E FINALIDADE SERVIÇO DE EMPRÉSTIMO DE VALORES MOBILIÁRIOS Dispõe sobre empréstimo de valores mobiliários por entidades de compensação e liquidação de operações com valores mobiliários, altera as Instruções CVM nºs 40, de 7 de novembro de 1984 e 310, de 9 de julho

Leia mais

EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS

EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS TOKIO MARINE SEGURADORA S.A., inscrita no CNPJ sob o número 33.164.021/0001-00 pessoa jurídica de direito privado com sede na Rua Sampaio Viana, 44 - Paraíso,

Leia mais

CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A Manual do Cliente Siga Seguro Versão Mai./12

CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A Manual do Cliente Siga Seguro Versão Mai./12 2 SIGA SEGURO MANUAL DO CLIENTE Bem-vindo à CAPEMISA. O SIGA SEGURO é um seguro de acidente pessoal coletivo por prazo certo, garantido pela CAPEMISA Seguradora de Vida e Previdência S/A. Prevenir é sempre

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 162, DE 2006.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 162, DE 2006. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 162, DE 2006. Institui regras e procedimentos para a constituição das provisões técnicas das sociedades seguradoras, entidades

Leia mais

ANEXO VII - MODELO DE GARANTIA E SEGURO-GARANTIA DE OFERTA. Concorrente R$ XXX / / / /

ANEXO VII - MODELO DE GARANTIA E SEGURO-GARANTIA DE OFERTA. Concorrente R$ XXX / / / / ANEXO VII - MODELO DE GARANTIA E SEGURO-GARANTIA DE OFERTA PARTE 2 - MODELO DE SEGURO-GARANTIA PARA OFERTA APÓLICE N.º A ( nome da seguradora ), através desta apólice de Seguro-Garantia, garante ao SEGURADO

Leia mais

1. Razões Técnicas da Medida Sugerida

1. Razões Técnicas da Medida Sugerida VOTO ASSUNTO: Criação de norma que dispõe sobre regras e critérios para operação das coberturas oferecidas em planos de seguro de Riscos de Engenharia. PROCESSO N.º 15414.002179/2008-19 DIRETOR ALEXANDRE

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP EMPRESA FLEX

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP EMPRESA FLEX CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP EMPRESA FLEX I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRASILCAP CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 OUROCAP EMPRESA FLEX - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO

Leia mais

ICATU SEGUROS Condições Gerais Página 1

ICATU SEGUROS Condições Gerais Página 1 CONDIÇÕES GERAIS DO PU114P I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: ICATU CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 74.267.170/0001-73 PLANO PU114P MODALIDADE: POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.005166/2011-99II

Leia mais

RESOLUÇÃO AGE Nº 279, DE 6 DE OUTUBRO DE 2011. (Texto Consolidado)

RESOLUÇÃO AGE Nº 279, DE 6 DE OUTUBRO DE 2011. (Texto Consolidado) RESOLUÇÃO AGE Nº 279, DE 6 DE OUTUBRO DE 2011. (Texto Consolidado) Regulamenta o oferecimento e a aceitação de seguro garantia e da carta de fiança no âmbito da Advocacia Geral do Estado - AGE. O ADVOGADO-GERAL

Leia mais

CONDIÇÃO GERAL SEGURO DE GARANTIA ESTENDIDA ORIGINAL SUMÁRIO

CONDIÇÃO GERAL SEGURO DE GARANTIA ESTENDIDA ORIGINAL SUMÁRIO CONDIÇÃO GERAL SEGURO DE GARANTIA ESTENDIDA ORIGINAL SUMÁRIO 1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 2 2. OBJETIVO DO SEGURO... 2 3. DEFINIÇÕES... 2 4. VIGÊNCIA... 5 5. GARANTIA... 5 6. EXCLUSÕES GERAIS... 5 7.

Leia mais

CONDIÇÃO GERAL SEGURO DE GARANTIA ESTENDIDA ORIGINAL SUMÁRIO

CONDIÇÃO GERAL SEGURO DE GARANTIA ESTENDIDA ORIGINAL SUMÁRIO CONDIÇÃO GERAL SEGURO DE GARANTIA ESTENDIDA ORIGINAL SUMÁRIO 1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 2 2. OBJETIVO DO SEGURO... 2 3. DEFINIÇÕES... 2 4. VIGÊNCIA... 5 5. GARANTIA... 5 6. EXCLUSÕES GERAIS... 5 7.

Leia mais

CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A Manual do Cliente VIP Resgatável Versão Mai./12

CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A Manual do Cliente VIP Resgatável Versão Mai./12 2 VIP RESGATÁVEL MANUAL DO CLIENTE Bem-vindo à CAPEMISA. Parabéns, você acaba de adquirir um produto garantido pela CAPEMISA Seguradora de Vida e Previdência S/A que protege a sua família, caso algum imprevisto

Leia mais

Este documento objetiva a apresentação de nosso voto relativamente ao assunto em epígrafe, acompanhado da respectiva justificativa.

Este documento objetiva a apresentação de nosso voto relativamente ao assunto em epígrafe, acompanhado da respectiva justificativa. VOTO ASSUNTO: AUDIÊNCIA PÚBLICA DA MINUTA DE CIRCULAR QUE DISPÕE SOBRE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA A CONTRATAÇÃO DE SEGURO EM MOEDA ESTRANGEIRA, A CONTRATAÇÃO DE SEGURO NO EXTERIOR E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP ECO 2.1 MODALIDADE DADE INCENTIVO PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP ECO 2.1 MODALIDADE DADE INCENTIVO PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP ECO.1 I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. CNPJ: 88.076.30/0001-94 APLUBCAP ECO.1 MODALIDADE: INCENTIVO PROCESSO SUSEP Nº: 15414.0055/011-47

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PU 12 MESES

CONDIÇÕES GERAIS DO PU 12 MESES CONDIÇÕES GERAIS DO PU 12 MESES I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Sul América Capitalização S.A. SULACAP CNPJ: Nº 03.558.096/0001-04 PU 12 MESES - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PU 15 MESES

CONDIÇÕES GERAIS DO PU 15 MESES CONDIÇÕES GERAIS DO PU 15 MESES I INFORMAÇÕES INICIAIS II - GLOSSÁRIO SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Sul América Capitalização S.A. SULACAP CNPJ: 03.558.096/0001-04 (PU 15 MESES) - MODALIDADE: TRADICIONAL

Leia mais

CAPITALIZAÇÃO 2615.99.00.E -FEV/14 1

CAPITALIZAÇÃO 2615.99.00.E -FEV/14 1 CAPITALIZAÇÃO I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Porto Seguro Capitalização S.A. CNPJ Nº 16.551.758/0001-58 MODALIDADE I: Tradicional PROCESSO SUSEP Nº: 15414.003346/2012-17 II GLOSSÁRIO

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS I. INFORMAÇÕES INICIAIS II. GLOSSÁRIO

CONDIÇÕES GERAIS I. INFORMAÇÕES INICIAIS II. GLOSSÁRIO CONDIÇÕES GERAIS I. INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: CARDIF CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ Nº. : 11.467.788/0001-67 PRODUTO: PR_PU_POPULAR1_S100_1S_CS0834 MODALIDADE: POPULAR PROCESSO SUSEP Nº:

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N 232, de 3 de junho de 2003 - ANEXO I

CIRCULAR SUSEP N 232, de 3 de junho de 2003 - ANEXO I Fls. 3 da CIRCULAR SUSEP N 232, de 3 de junho de 2003 CIRCULAR SUSEP N 232, de 3 de junho de 2003 - ANEXO I SEGURO-GARANTIA CONDIÇÕES GERAIS Este seguro garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO TC CASH 36

CONDIÇÕES GERAIS DO TC CASH 36 Página 1 de 7 CONDIÇÕES GERAIS DO TC CASH 36 I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: HSBC Empresa de Capitalização (Brasil) S.A. CNPJ: 33.425.075/0001-73 TC CASH 36 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO

Leia mais

Este regulamento estabelece as regras para o PROGRAMA E PROMOÇÃO AVAX CORRETORA DE SEGUROS INDIQUE UM AMIGO, instituído pela AVAX CORRETORA DE SEGUROS

Este regulamento estabelece as regras para o PROGRAMA E PROMOÇÃO AVAX CORRETORA DE SEGUROS INDIQUE UM AMIGO, instituído pela AVAX CORRETORA DE SEGUROS REGULAMENTO E TERMO DE ADESÃO AO PROGRAMA E PROMOÇÃO AVAX CORRETORA DE SEGUROS INDIQUE UM AMIGO Este regulamento estabelece as regras para o PROGRAMA E PROMOÇÃO AVAX CORRETORA DE SEGUROS INDIQUE UM AMIGO,

Leia mais

ANEXO III TRANSAÇÕES SEM CARTÃO PRESENTE

ANEXO III TRANSAÇÕES SEM CARTÃO PRESENTE ANEXO III TRANSAÇÕES SEM CARTÃO PRESENTE O presente Anexo III faz parte integrante do Contrato de Credenciamento ao Sistema Elavon ( CONTRATO ) registrado no 5º Oficial de Registro de Títulos e Documentos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA SEGURO DE VIDA

TERMO DE REFERÊNCIA SEGURO DE VIDA TERMO DE REFERÊNCIA SEGURO DE VIDA 1- Objeto da Licitação: Prestação de serviço para contratação de seguro de vida em grupo para os empregados da Empresa Municipal de Informática S.A - IplanRio, visando

Leia mais

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015.

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. EMENTA: Regulamenta o Sistema de Registro de Preços SRP previsto no art. 15 da Lei nº 8.666/93, no âmbito do Município de Central Bahia. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS INDIVIDUAL. Condições Especiais

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS INDIVIDUAL. Condições Especiais SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS INDIVIDUAL Condições Especiais Processo SUSEP Nº 15414.004703/2010-01 0 ÍNDICE CLÁUSULA ADICIONAL DE INVALIDEZ PERMANENTE TOTAL OU PARCIAL POR ACIDENTE AUTOMOBILÍSTICO NO BRASIL

Leia mais

ENVIAR APÓLICE POR E-MAIL CORREIO INFORMAÇÕES DE PAGAMENTO

ENVIAR APÓLICE POR E-MAIL CORREIO INFORMAÇÕES DE PAGAMENTO PROPOSTA DE SEGURO EMPRESARIAL ORIGEM: 39 Nº PROPOSTA: RAZÃO SOCIAL ESTIPULANTE: CNPJ: ¹Pessoa Politicamente Exposta: Sim Não Relacionamento Próximo Nacionalidade: Reside no Brasil: Sim Não ¹Pessoa Politicamente

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO - APLUBCAP TRADICIONAL 16 MODALIDADE TRADICIONAL - PAGAMENTO ÚNICO

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO - APLUBCAP TRADICIONAL 16 MODALIDADE TRADICIONAL - PAGAMENTO ÚNICO TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO - APLUBCAP TRADICIONAL 16 MODALIDADE TRADICIONAL - PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 88.076.302/0001-94

Leia mais

ALTERAÇÕES DA MINUTA REVISADA EM MARÇO/2011

ALTERAÇÕES DA MINUTA REVISADA EM MARÇO/2011 CONTROLE DE VERSÃO EILD PADRÃO BRASIL TELECOM S.A. ALTERAÇÕES DA MINUTA REVISADA EM MARÇO/2011 1. Alterações realizadas no corpo do contrato: Alteradas as qualificações da CONTRATADA e CONTRATANTE O Anexo

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP POPULAR 510 MODALIDADE POPULAR PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A.

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP POPULAR 510 MODALIDADE POPULAR PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. CNPJ: 88.076.302/0001-94 APLUBCAP POPULAR 510 MODALIDADE: POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.902145/2013-85 II - GLOSSÁRIO Subscritor

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS. Plano de Seguro LUIZASEG Garantia Estendida Original

CONDIÇÕES GERAIS. Plano de Seguro LUIZASEG Garantia Estendida Original CONDIÇÕES GERAIS Plano de Seguro LUIZASEG Garantia Estendida Original São Paulo SP 24 de março de 2014 CONDIÇÕES GERAIS ÍNDICE INFORMAÇÕES PRELIMINARES... 3 DEFINIÇÃO DE TERMOS TÉCNICOS... 3 1. OBJETIVO

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO ZURICHCAP INCENTIVO Nº 07 PU I07 MODALIDADE INCENTIVO PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO ZURICHCAP INCENTIVO Nº 07 PU I07 MODALIDADE INCENTIVO PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS DA ZURICHCAP INCENTIVO Nº 07 PU I07 I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: ZURICH BRASIL CAPITALIZAÇÃO S/A. CNPJ: 17.266.009/0001-41 MODALIDADE: INCENTIVO PROCESSO SUSEP Nº: II - GLOSSÁRIO

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP TORCIDA BRASIL

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP TORCIDA BRASIL CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP TORCIDA BRASIL I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 OUROCAP TORCIDA BRASIL MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO

Leia mais

ANEXO B. Condições Gerais do Seguro Coletivo para Cartões de Crédito (seguro facultativo) Cobertura 72 horas

ANEXO B. Condições Gerais do Seguro Coletivo para Cartões de Crédito (seguro facultativo) Cobertura 72 horas ANEXO B Condições Gerais do Seguro Coletivo para Cartões de Crédito (seguro facultativo) Cobertura 72 horas Central de Atendimento aos Clientes: 0800 729 7000 Cláusula 1ª - Objeto do Seguro Nº. Processo

Leia mais

CG DA MODALIDADE TRADICIONAL PU CONDIÇÕES GERAIS DA ZURICHCAP TRADICIONAL PU 01

CG DA MODALIDADE TRADICIONAL PU CONDIÇÕES GERAIS DA ZURICHCAP TRADICIONAL PU 01 CONDIÇÕES GERAIS DA ZURICHCAP TRADICIONAL PU 01 I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: ZURICH BRASIL CAPITALIZAÇÃO S/A. CNPJ: 17.266.009/0001-41 ZURICHCAP TRADICIONAL PU 01 MODALIDADE: TRADICIONAL

Leia mais

SEGURO GARANTIA SEGURADO: SETOR PRIVADO CAPÍTULO I - CONDIÇÕES GERAIS - RAMO 0776 PROCESSO SUSEP N 15414.900074/2014-67 2752.17.02.

SEGURO GARANTIA SEGURADO: SETOR PRIVADO CAPÍTULO I - CONDIÇÕES GERAIS - RAMO 0776 PROCESSO SUSEP N 15414.900074/2014-67 2752.17.02. G CNPJ 61.198.164/0001-60 Este contrato de seguro garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador no contrato principal, firmado com o segurado, conforme os termos da apólice e até o valor

Leia mais

GLOSSÁRIO. Subscritor é a pessoa que adquire o Título, responsabilizando-se pelo seu pagamento.

GLOSSÁRIO. Subscritor é a pessoa que adquire o Título, responsabilizando-se pelo seu pagamento. GLOSSÁRIO Subscritor é a pessoa que adquire o Título, responsabilizando-se pelo seu pagamento. Titular é o próprio subscritor ou outra pessoa expressamente indicada pelo mesmo, sendo este o proprietário

Leia mais

I INFORMAÇÕES INICIAIS II - GLOSSÁRIO

I INFORMAÇÕES INICIAIS II - GLOSSÁRIO I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: INVEST CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 93.202.448/0001-79 (NOME FANTASIA DO PRODUTO): INVESTCAP TRAD-PU 03 (12M) MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.900283/2013-20

Leia mais

MANUAL DO CLIENTE BIZVOX, UBOOK E UMBARATO

MANUAL DO CLIENTE BIZVOX, UBOOK E UMBARATO MANUAL DO CLIENTE BIZVOX, UBOOK E UMBARATO Capemisa Seguradora de Vida e Previdência S/A Versão Nov./14 2 MANUAL DO CLIENTE BIZVOX, UBOOK E UMBARATO O produto disponibilizado pelas empresas Bizvox, Ubook

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP MULTISORTE PM24P I INFORMAÇÕES INICIAIS

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP MULTISORTE PM24P I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP MULTISORTE PM24P I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRASILCAP CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 OUROCAP MULTISORTE PM24P - MODALIDADE: TRADICIONAL

Leia mais

Condições Gerais. I Informações Iniciais

Condições Gerais. I Informações Iniciais Condições Gerais I Informações Iniciais Sociedade de Capitalização: MAPFRE Capitalização S.A. CNPJ: 09.382.998/0001-00 Nome Fantasia do Produto: Mc-T-04- Pu 12 Meses Modalidade: Tradicional Processo Susep

Leia mais

SEGURO DE GARANTIA ESTENDIDA ORIGINAL ITAÚ SEGUROS S/A CONDIÇÕES CONTRATUAIS

SEGURO DE GARANTIA ESTENDIDA ORIGINAL ITAÚ SEGUROS S/A CONDIÇÕES CONTRATUAIS SEGURO DE GARANTIA ESTENDIDA ORIGINAL ITAÚ SEGUROS S/A CONDIÇÕES CONTRATUAIS 1 CG Seguro Garantia Estendida DEFINIÇÕES... 3 OBJETIVO DO SEGURO... 5 FORMA DE CONTRATAÇÃO... 6 ÂMBITO GEOGRÁFICO... 6 BENS

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 Dispõe sobre instauração e organização de processo de tomada de contas especial e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso do

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N o 477, DE 30 DE SETEMBRO DE 2013. Dispõe sobre o Seguro Garantia, divulga Condições Padronizadas e dá outras providências. O SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. I RELATÓRIO

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. I RELATÓRIO COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. Veda a utilização do sistema francês de amortização, ou tabela Price, nos empréstimos e financiamentos de qualquer natureza.

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO CAP FIADOR I INFORMAÇÕES INICIAIS. SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 II GLOSSÁRIO

CONDIÇÕES GERAIS DO CAP FIADOR I INFORMAÇÕES INICIAIS. SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 II GLOSSÁRIO CONDIÇÕES GERAIS DO CAP FIADOR I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 CAP FIADOR MODALIDADE: Tradicional PROCESSO SUSEP Nº: 15414.005233/2011-75

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS - TC MEGA DATA

CONDIÇÕES GERAIS - TC MEGA DATA Página 1 de 6 CONDIÇÕES GERAIS - TC MEGA DATA I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: HSBC Empresa de Capitalização (Brasil) S.A. TC MEGA DATA MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº 15414.000814/2006-53

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PIC

CONDIÇÕES GERAIS DO PIC CONDIÇÕES GERAIS DO PIC I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: CIA ITAÚ DE CAPITALIZAÇÃO CNPJ: 23.025.711/0001-16 PIC - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.005217/2012-63 WEB-SITE:

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PESSOA JURÍDICA

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PESSOA JURÍDICA CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PESSOA JURÍDICA I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO PESSOA JURÍDICA PLANO PU

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N o 429, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2012. Dispõe sobre o registro de corretor e de sociedade corretora de seguros, sobre a atividade de corretagem de seguros

Leia mais

EXTRATO DE CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGURO

EXTRATO DE CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGURO EXTRATO DE CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGURO TOKIO MARINE SEGURADORA S.A., inscrita no CNPJ sob o número 33.164.021/0001-00 pessoa jurídica de direito privado

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO INSTITUTO AYRTON SENNA

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO INSTITUTO AYRTON SENNA CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO INSTITUTO AYRTON SENNA I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO INSTITUTO AYRTON

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO DE SEGUROS POR MEIOS REMOTOS

COMERCIALIZAÇÃO DE SEGUROS POR MEIOS REMOTOS COMERCIALIZAÇÃO DE SEGUROS POR MEIOS REMOTOS 2014 Aluizio Barbosa l Direito - UFRJ l MBA Direito de Empresas PUC-RJ l Especialização em Desenvolvimento Gerencial IBMEC-RJ l Sócio do escritório Pellon &

Leia mais

BB SEGURO VIDA SEGURO DE VIDA EM GRUPO. Condições Gerais. Processo SUSEP Nº 15.414.002163/2004-74. Apólice nº 13.606

BB SEGURO VIDA SEGURO DE VIDA EM GRUPO. Condições Gerais. Processo SUSEP Nº 15.414.002163/2004-74. Apólice nº 13.606 BB SEGURO VIDA SEGURO DE VIDA EM GRUPO Condições Gerais Processo SUSEP Nº 15.414.002163/2004-74 Apólice nº 13.606 COMPANHIA DE SEGUROS ALIANÇA DO BRASIL CNPJ: 28.196.889/0001-43 ÍNDICE CONDIÇÕES GERAIS

Leia mais

LEI Nº 8.977, DE 6 DE JANEIRO DE 1995

LEI Nº 8.977, DE 6 DE JANEIRO DE 1995 LEI Nº 8.977, DE 6 DE JANEIRO DE 1995 Dispõe sobre o Serviço de TV a Cabo e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO

Leia mais

COBERTURA DE PERDA DE LUCRO BRUTO E DESPESAS EXTRAORDINARIAS

COBERTURA DE PERDA DE LUCRO BRUTO E DESPESAS EXTRAORDINARIAS COBERTURA DE PERDA DE LUCRO BRUTO E DESPESAS EXTRAORDINARIAS Forma de Contratação do Limite Máximo de Responsabilidade 1. SEGURO A PRIMEIRO RISCO RELATIVO A seguradora responderá pelos prejuízos de sua

Leia mais

CIRCULAR SUSEP 477/2013

CIRCULAR SUSEP 477/2013 CIRCULAR SUSEP 477/2013 Alterações e seus impactos sobre os agentes do mercado Roque Jr. de Holanda Melo Diretor de Sinistro e Jurídico AGENDA I. O QUE MUDOU? 1.1. Cobertura de Multas 1.2. Endosso Obrigatório

Leia mais

ANEXO A TERMO DE REFERÊNCIA GEMAP Nº 07 /2009

ANEXO A TERMO DE REFERÊNCIA GEMAP Nº 07 /2009 1 - DO OBJETO ANEXO A TERMO DE REFERÊNCIA GEMAP Nº 07 /2009 Contratação de empresa para fornecimento de seguro veicular de 03 (três) veículos pertencentes à Superintendência de Seguros Privados - SUSEP.

Leia mais

VI - PAGAMENTO 6.1 - Este Título é de pagamento único, cabendo ao Subscritor o pagamento de uma única parcela na data indicada.

VI - PAGAMENTO 6.1 - Este Título é de pagamento único, cabendo ao Subscritor o pagamento de uma única parcela na data indicada. CONDIÇÕES GERAIS DO (PU 12 MESES versão 178) I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Sul América Capitalização S.A. SULACAP CNPJ Nº 03.558.096/0001-04 (PU 12 MESES versão 178) - MODALIDADE:

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados. CIRCULAR SUSEP N.º, de de 2010.

MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados. CIRCULAR SUSEP N.º, de de 2010. MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR SUSEP N.º, de de 2010. Divulga as informações mínimas que deverão estar contidas na apólice, nas condições gerais e nas condições especiais

Leia mais

ANEXO IX - MODELO DE SEGURO-GARANTIA PARA O PROGRAMA EXPLORATÓRIO MÍNIMO

ANEXO IX - MODELO DE SEGURO-GARANTIA PARA O PROGRAMA EXPLORATÓRIO MÍNIMO ANEXO IX - MODELO DE SEGURO-GARANTIA PARA O PROGRAMA EXPLORATÓRIO MÍNIMO APÓLICE N.º A Nome da Seguradora, através desta apólice de Seguro-Garantia, garante ao SEGURADO, AGÊNCIA NACIONAL DE PETRÓLEO, GÁS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 193, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 Altera os arts. 1º e 11 e o inciso I do art. 2º da Resolução CNSP No 118, de 22 de dezembro de 2004.

RESOLUÇÃO Nº 193, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 Altera os arts. 1º e 11 e o inciso I do art. 2º da Resolução CNSP No 118, de 22 de dezembro de 2004. RESOLUÇÃO Nº 193, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 Altera os arts. 1º e 11 e o inciso I do art. 2º da Resolução CNSP No 118, de 22 de dezembro de 2004. A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP, no uso da

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GARANTIA SEGURADO SETOR PÚBLICO

CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GARANTIA SEGURADO SETOR PÚBLICO CONDIÇÕES GERAIS CONDIÇÕES GERAIS 1. OBJETO 1.1 Este contrato de seguro garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice e até o valor

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N 127, de 13 de abril de 2000

CIRCULAR SUSEP N 127, de 13 de abril de 2000 MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR SUSEP N 127, de 13 de abril de 2000 Dispõe sobre a atividade de corretor de seguros, e dá outras providências. O SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais