DESVENDANDO A ESTÉTICA DE UM NOVO BRASIL A classe C e o sistema de objetos no espaço residencial

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESVENDANDO A ESTÉTICA DE UM NOVO BRASIL A classe C e o sistema de objetos no espaço residencial"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESIGN MESTRADO EM DESIGN DESVENDANDO A ESTÉTICA DE UM NOVO BRASIL A classe C e o sistema de objetos no espaço residencial MARÍLIA MATOSO DE ALBUQUERQUE RECIFE Março de 2012

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESIGN MESTRADO EM DESIGN DESVENDANDO A ESTÉTICA DE UM NOVO BRASIL A classe C e o sistema de objetos no espaço residencial MARÍLIA MATOSO DE ALBUQUERQUE Dissertação apresentada no Programa de Pós- Graduação em Design da Universidade Federal de Pernambuco em atendimento aos requisitos para obtenção do grau de Mestre. Orientadora: Dra. Kátia Medeiros de AraújO RECIFE Março de

3 Catalogação na fonte Bibliotecária Gláucia Cândida da Silva, CRB A345d Albuquerque, Marília Matoso de. Desvendando a Estética de um novo Brasil: a classe C e o sistema de objetos no espaço residencial / Marília Matoso de Albuquerque. Recife: O autor, f. : il. Orientador: Kátia Medeiros de Araújo. Dissertação (Mestrado) Universidade Federal de Pernambuco, CAC. Design, Inclui bibliografia e anexos. 1. Design Sociedade de consumo. 2. Arquitetura de interiores. 3. Consumo (economia). I. Araújo, Kátia Medeiros de. (Orientador). II. Titulo CDD (22.ed.) UFPE (CAC )

4 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESIGN PARECER DA COMISSÃO EXAMINADORA DE DEFESA DE DISSERTAÇÃO DE MESTRADO ACADÊMICO DE MARÍLIA MATOSO DE ALBUQUERQUE Desvendando a estética de um novo Brasil: A Classe C e o sistema de objetos no espaço residencial ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DESIGN E ERGONOMIA A comissão examinadora, composta pelos professores abaixo, sob a presidência do primeiro, considera a candidata MARÍLIA MATOSO DE ALBUQUERQUE. Recife, 26 de abril de Prof. Kátia Medeiros de Araújo(UFPE) Prof. Gentil Alfredo Magalhães Duque Porto Filho (UFPE) Prof. Maria Grazia Cardoso (UFPE) 2

5 A casa era uma casa brasileira, sim Mangueiras no quintal e rosas no jardim A sala com o cristo e a cristaleira E sobre a geladeira da cozinha um pinguim A casa era uma casa brasileira, sim Um pouco portuguesa, um pouco pixaim Toalhas lá da ilha da madeira E atrás da porta, arruda e uma figa de marfim A casa era assim ou quase A casa já não está mais lá Está dentro de mim Cantar me lembra o cheiro de jardim A coisa é coisa brasileira, sim O jeito, a maneira, a identidade enfim E a televisão, essa lareira Queimando o dia inteiro a raiz que existe em mim A casa era assim Um pouco portuguesa e pixaim Geraldo Azevedo 3

6 Pobre gosta de luxo. Quem gosta de miséria é intelectual. Joãozinho Trinta 4

7 AGRADECIMENTOS A José Carlos, Rosália, Mariana e Thiago por todo o amor, suporte e apoio que tem me proporcionado em vários longos anos de convivência. À Kátia Araújo, minha orientadora, pelo acompanhamento durante os últimos 24 meses mesmo estando às voltas com o seu trabalho como Vice-coordenadora do CAC e como Próreitora de Assuntos Estudantis da UFPE. Ao professor Leonardo Castillo pela oportunidade de realizar meu estágio de docência na disciplina Design e Entorno Urbano, cujo aprendizado e a contribuição para minha formação de mestre foram de caráter essencial. Às amigas de mestrado Cecília, Gabriela, Lucyana, Carolina, Quésia e Bárbara pelas conversas animadoras e palavras de carinho nos momentos de desespero. A L&L, B&A, B&E e R&C; por abrirem a porta de seus lares e me deixarem invadir os seus cotidianos sempre com um enorme sorriso no rosto. 5

8 RESUMO Os interiores domésticos são o reflexo da sociedade em que vivemos e podem revelar aspectos importantes que ajudariam a entender como os homens utilizam o lar para formação da sua identidade. Esta dissertação procura então, desvendar a relação entre design e cultura no âmbito das habitações, com foco nas práticas de consumo relacionadas à organização das residências e suas implicações para a nova classe média brasileira ou a chamada classe C. A idéia fundamental é procurar padrões de gosto nos objetos nas residências de quatro famílias da Região Metropolitana do Recife e a partir daí construir uma rede de conexões que pode ajudar o futuro do design e da arquitetura voltado para as massas que hoje é voltada quase que exclusivamente para as classes AB. Palavras-chave: arquitetura de interiores, design de produto, consumo ABSTRACT The domestic spaces are representative of the society in which we live and can reveal important issues that could help to understand how men use home to form their identity. This work tries to discover the relationship between design and habitation culture, focusing on consumption practices relationed to home organization and its implications to the new Brazilian middle class or the famous C class. The main idea is to look for taste patterns in four Brazilian families houses living in Recife Metropolitan Area and furthermore built a network which can help the future of design and arquitecture directioned for the masses which today is almost totally dedicated to the AB classes. Keywords: Interior arquitecture, product design, consumption. 6

9 LISTA DE FIGURAS Capítulo 2 Figura 1 Revista Minha Casa [41] Figura 2 Revista Minha Casa [41] Figura 3 Imagem de Reforma do Programa Lar Doce Lar [43] Figura 4 Imagem de Reforma do Programa Lar Doce Lar [43] Figura 5 Imagem de Reforma do Programa Lar Doce Lar [43] Figura 6 Imagem de Reforma do Construindo um Sonho [44] Figura 7 Imagem de Reforma do Construindo um Sonho [44] Figura 8 Ambiente da novela Aquele Beijo [45] Figura 9 Ambiente da novela Aquele Beijo [45] Figura 10 Folder de Lojas Populares de Móveis, Eletrônicos e Objetos para o lar [49] Figura 11 Folder de Lojas Populares de Móveis, Eletrônicos e Objetos para o lar [49] Figura 12 Folder de Lojas Populares de Móveis, Eletrônicos e Objetos para o lar [49] Figura 13 Folder de Lojas Populares de Móveis, Eletrônicos e Objetos para o lar [49] Figura 14 Exposição dos Produtos nas Lojas Insinuante [50] Figura 15 Exposição dos Produtos nas Lojas Insinuante [50] Figura 16 Exposição dos Produtos na Loja EletroShopping [51] Figura 17 Exposição dos Produtos na Loja EletroShopping [51] Figura 18 Ambiente montado com modulados da Dellano [53] Figura 19 Ambiente montado com modulados da Dellano [53] Figura 20 Cadeira favela [54] Figura 21 Cadeira Chifruda [54] Figura 22 Cadeira Astúrias [54] Figura 23 Cadeira Tupinambá [54] Capítulo 3 Figura 24 Tipologia do do Janga [66] Figura 25 Fachada do Janga [66] Figura 26 Tipologia do apartamento do Engenho do Meio [68] Figura 27 Fachada do Engenho do Meio [68] Figura 28 Tipologia do apartamento do Vasco da Gama [70] 7

10 Figura 29 Fachada do Vasco da Gama [70] Figura 30 Tipologia do apartamento do Timbi [72] Figura 31 Fachada do Timbi [72] Figura 32 Tipologia apartamento vendido para a classe C [73] Figura 33 Tipologia apartamento vendido para a classe C [73] Figura 34 Tipologia apartamento vendido para a classe C [73] Figura 35 Tipologia apartamento vendido para a classe C [73] Figura 36 Planta baixa residência do Janga [78] Figura 37 Janga: Sala de Jantar [79] Figura 38 Janga: Sala de Jantar [79] Figura 39 Janga: Sala de Estar [79] Figura 40 Janga: Sala de Estar [79] Figura 41 Janga: Sala de Estar [79] Figura 42 Janga: Quarto Filhas [79] Figura 43 Janga: Quarto Filhas [79] Figura 44 Janga: Quarto Casal [80] Figura 45 Janga: Quarto Casal [80] Figura 46 Janga: Quarto Casal [80] Figura 47 Janga: Cozinha [80] Figura 48 Janga: Cozinha [80] Figura 49 Janga: Banheiro [80] Figura 50 Janga: Banheiro [80] Figura 51 Janga: Escritório [80] Figura 52 Planta Baixa Residência do Engenho do Meio [84] Figura 53 Engenho do Meio: Sala de Estar [85] Figura 54 Engenho do Meio: Sala de Estar [85] Figura 55 Engenho do Meio: Sala de Estar [85] Figura 56 Engenho do Meio: Cozinha [85] Figura 57 Engenho do Meio: Cozinha [85] Figura 58 Engenho do Meio: Cozinha [85] Figura 59 Engenho do Meio: Sala de Jantar/Escritório [85] Figura 60 Engenho do Meio: Sala de Jantar/Escritório [85] Figura 61 Engenho do Meio: Sala de Jantar/Escritório [85] 8

11 Figura 62 Engenho do Meio: Quarto Casal [86] Figura 63 Engenho do Meio: Quarto Casal [86] Figura 64 Engenho do Meio: Quarto Casal [86] Figura 65 Engenho do Meio: Banheiro e Área de Serviço [86] Figura 66 Engenho do Meio: Banheiro e Área de Serviço [86] Figura 67 Engenho do Meio: Banheiro e Área de Serviço [86] Figura 68 Engenho do Meio: Banheiro e Área de Serviço [86] Figura 69 Engenho do Meio: Quarto Filhas [86] Figura 70 Engenho do Meio: Quarto Filhas [86] Figura 71 Engenho do Meio: Quarto Filhas [86] Figura 72 Planta Baixa Residência do Vasco da Gama [90] Figura 73 Vasco da Gama: Circulação [91] Figura 74 Vasco da Gama: Sala de Estar/Jantar [91] Figura 75 Vasco da Gama: Sala de Estar/Jantar [91] Figura 76 Vasco da Gama: Terraço [91] Figura 77 Vasco da Gama: Terraço [91] Figura 78 Vasco da Gama: Terraço [91] Figura 79 Vasco da Gama: Quarto Filhos [91] Figura 80 Vasco da Gama: Quarto Filhos [92] Figura 81 Vasco da Gama: Quarto Filhos [91] Figura 82 Vasco da Gama: Quarto Filhos [91] Figura 83 Vasco da Gama: Banheiro [92] Figura 84 Vasco da Gama: Banheiro [92] Figura 85 Vasco da Gama: Cozinha/Área de Serviço [92] Figura 86 Vasco da Gama: Cozinha/Área de Serviço [92] Figura 87 Vasco da Gama: Cozinha [92] Figura 88 Vasco da Gama: Cozinha [92] Figura 89 Vasco da Gama: Cozinha [92] Figura 90 Vasco da Gama: Quarto Casal [92] Figura 91 Vasco da Gama: Quarto Casal [92] Figura 92 Vasco da Gama: Quarto Casal [92] Figura 93 Planta Baixa Residência do Timbi [96] Figura 94 Timbi: Sala de Estar [97] 9

12 Figura 95 Timbi: Sala de Estar [97] Figura 96 Timbi: Sala de Estar [97] Figura 97 Timbi: Quarto Casal [97] Figura 98 Timbi: Quarto Casal [97] Figura 99 Timbi: Quarto Casal [97] Figura 100 Timbi: Banheiro [97] Figura 101 Timbi: Área de Serviço [97] Figura 102 Timbi: Circulação [97] Figura 103 Timbi: Quarto Filho [98] Figura 104 Timbi: Quartos Filhos [98] Figura 105 Timbi: Quartos Filhos [98] Figura 106 Timbi: Cozinha [98] Figura 107 Timbi: Cozinha [98] Figura 108 Timbi: Terraço [98] Figura 109 Timbi: Terraço [98] Figura 110 Timbi: Terraço [8 Figura 111 Timbi: Terraço [98] Figura 112 Evolução das Cozinhas [103] Figura 113 Evolução das Cozinhas [103] Figura 114 Evolução das Cozinhas [103] Figura 115 Evolução das Cozinhas [103] Figura 116 Design de Marteen Baas [105] Figura 117 Design de Marteen Baas [105] Figura 118 Design de Marcel Wanders [105] Figura 119 Design de Marcel Wanders [105] 10

13 LISTA DE GRÁFICOS E TABELAS GRÁFICOS Capítulo 2 Gráfico 1 Evolução da Classe C [37] Gráfico 2 Evolução da Classe C [37] Gráfico 3 Composição dos Gastos da Classes C em 2011 [38] TABELAS Capítulo 2 Tabela 1 Definição das Classes Econômicas [36] Capítulo 3 Tabela 2 Padrão de Aquisição Família do Janga [81] Tabela 3 Padrão de Aquisição Família do Janga [81] Tabela 4 Padrão de Aquisição Família do Janga [81] Tabela 5 Padrão de Aquisição Família do Janga [81] Tabela 6 Padrão de Aquisição Família do Engenho do Meio [87] Tabela 7 Padrão de Aquisição Família do Engenho do Meio [87] Tabela 8 Padrão de Aquisição Família do Engenho do Meio [87] Tabela 9 Padrão de Aquisição Família do Engenho do Meio [87] Tabela 10 Padrão de Aquisição Família do Vasco da Gama [93] Tabela 11 Padrão de Aquisição Família do Vasco da Gama [93] Tabela 12 Padrão de Aquisição Família do Vasco da Gama [93] Tabela 13 Padrão de Aquisição Família do Vasco da Gama [93] Tabela 14 Padrão de Aquisição Família do Timbi [99] Tabela 15 Padrão de Aquisição Família do Timbi [99] Tabela 16 Padrão de Aquisição Família do Timbi [99] Tabela 17 Padrão de Aquisição Família do Timbi [99] Tabela 18 Ideário de Consumo x O que foi observado [107] Tabela 19 Características mais observadas x Características menos observadas[107] 11

14 SUMÁRIO Introdução [13] Objetivos [16] Considerações Metodológicas [17] 1. Referencial Teórico 1.1. Estilos de vida na contemporaneidade [21] 1.2. Cultura e Consumo [25] 1.3. Modos de Morar no Brasil [30] 2. A nova classe média brasileira 2.1. Quem é a classe C [35] 2.2 Os meios de comunicação [41] 2.3. O que o mercado oferece [48] 3. Uma vista de dentro 3.1. Composição Familiar [58] 3.2. O espaço doméstico [65] 3.3. Artefatos e Gostos [75] Conclusão [107] Bibliografia [110] Anexos [114] 12

15 INTRODUÇÃO A arquitetura de interiores e sua relação com o design compõem um dos maiores mercados de consumo da sociedade atual. Objetos domésticos além de artefatos de necessidade básica também constituem um campo revelador da identidade e ferramenta pela busca de prazeres materiais para exibição e preenchimento de vazios e vontades. Os objetos em nossas vidas são mais que meros bens materiais. Temos orgulho deles, não necessariamente porque estejamos exibindo nossa riqueza ou status, mas por causa dos significados que eles trazem para nossas vidas. Um objeto é um lembrete de uma boa memória que nos traz boas recordações ou até uma expressão de nós mesmos, desvendando nossa personalidade e identidade. Ao refletir sobre a relação dos seres humanos com os interiores domésticos, procura-se compreender quais são os espaços e objetos relevantes para o público estudado, e o que os torna importantes. Tendo como base as alterações sociais mais recentes e a intensificação da circulação de objetos, procurou-se construir um objeto de estudo que exigiu a interdisciplinaridade ao aproximar o design e as ciências humanas. As pesquisas sobre cruzamento de objetos e interiores domésticos vem ganhando interesse e estão avançadas fora do Brasil, principalmente na Holanda e na Inglaterra (Hekkert, Desmett, Grovers, Schoormans) 1. Mas estudos específicos sobre a relação de objetos com grupos de pessoas sendo desenvolvidos lado a lado com o público carecem de mais aprofundamento, já que a maioria dos trabalhos acima fornece resultados a serem aplicados e na metodologia projetual dentro das indústrias, e voltado para a realidade econômico-social desses países. Estudos envolvendo a nova classe média brasileira ou a classe C 2 (que representa hoje mais de 50% da população) ainda são escassos no campo da arquitetura, do design e da antropologia, já que esse público ainda é recente no Brasil, e somente foram contemplados em pesquisas no campo do marketing ou da publicidade. 1 Pesquisas publicadas em periódicos de design e marketing entre os anos de 2004 a 2009 com foco na relação de usuários com objetos em ambientes. 2 Entende-se por classe C aqueles que ganham de R$ 1.126,00 a R$ 4.854,00 segundo pesquisa de NERI, Cortes Marcelo (coord.): A nova classe média: o lado brilhante dos pobres (2010). 13

16 É fato que há uma lacuna de trabalhos específicos que ajudem a divulgar e movimentar o maior mercado consumidor brasileiro e entender como se formou e como vai se desenvolver a maior parcela da população nacional seja na educação, nos hábitos domésticos, na evolução do emprego e renda, e no comportamento dentro da sociedade. Esta também é a classe dominante do ponto de vista econômico, pois concentra mais de 46% do poder de compra dos brasileiros em 2009, superando as classes AB, estas com 44% do poder total de compra. Estudar essa parcela da população pode ajudar a entender o comportamento e desvendar perfis de mais da metade dos habitantes brasileiros (Neri, 2010). Na arquitetura há um novo paradigma que é na verdade o paradigma científico da complexidade que vem sendo apropriada de maneiras diferentes, como a que impulsionou o movimento pós-moderno desde a contracultura dos anos 60 e se caracteriza pela multiplicidade na estética e por abraçar cada vez mais públicos tão diferentes (Baltazar, 2002). A dissertação em questão procura trazer para o campo do design e da arquitetura a discussão sobre os espaços e objetos como uma produção de ações e modos de vida, bem como sobre a importância de um entendimento da dinâmica social e às necessidades específicas de um grupo que representa uma grande parcela da população brasileira, focando nos seguintes aspectos: 1) Estudo dos espaços residenciais como reveladores da vida moderna através da organização dos interiores com os artefatos, 2) Estudo do mercado atual de objetos para a classe C para compreensão do que está ao alcance desse público, 3) Influência dos meios de comunicação e das famílias na formação do capital cultural, 4) Proposição de soluções e melhorias para o diálogo entre design e residência A partir desses pressupostos procurou-se desvendar os motivos os quais o design ainda é prioridade das classes AB, pouco se observando esforços para trazer bons projetos para as massas, por parte dos profissionais e do mercado, como afirmou Cardoso (2004): 14

17 Mesmo nos objetos mais bem sucedidos, tanto do ponto de vista projetual quanto comercial, permanece no Brasil uma enorme discrepância entre o custo aparente do design e o poder de compra da maioria da população. Evidentemente, nenhum designer e nem mesmo o campo como um todo detém o poder de reverter ou mesmo alertar de modo fundamental um processo cultural tão amplo quanto à desigualdade social, a qual exerce uma influência negativa sobre a atuação profissional por restringir a abertura de mercado. Estudar o modo como estão sendo construídas as relações de continuidade e hibridização entre sistemas locais e globais do desenvolvimento cultural é hoje um grande desafio para pensar sobre cidadania e identidade na coexistência de etnias e nacionalidades nos cenários de trabalho e consumo. Dentro deste contexto, a pesquisa é de extrema importância para inserir a maior parcela da população nacional no processo de conhecimento cultural num país tão diversificado e multicultural como o Brasil. 15

18 OBJETIVOS 1.1 Objetivo Geral Entender como a nova classe média brasileira se comporta em relação à composição do espaço residencial dentro do mercado de produtos domésticos existentes, estudando sua formação educacional e seu conhecimento acerca da formação do lar e conseqüentemente, como o profissional de arquitetura e design, que hoje é voltado para classes AB, pode contribuir com a melhoria de vida da maior parcela da população nacional. 2.1 Objetivos Específicos 1) Entender como foi formada a composição do interior doméstico relacionando a lógica do espaço residencial com a informação trazida pelos produtos que habitam tais moradas. 2) Numerar fatores dinâmicos que influenciaram o apego e a escolha dos objetos entre: gosto pessoal, influência da mídia, gosto por certo tipo de design, informação, moda, valor econômico. 3) Estudar a interação das pessoas com os objetos e o significado que estes exprimem dentro dos interiores domésticos formando um padrão de gosto da classe C. 16

19 CONSIDERAÇÕES METODOLÓGICAS Para este volume foi adotada uma abordagem fenomenológica onde o próprio fenômeno é estudado em seu estado bruto buscando a consciência do sujeito através da expressão das suas experiências, não existindo uma verdade absoluta e sim uma reação de causa e efeito. Pretende-se assim verificar a problematização apresentada construindo e descobrindo respostas (e quando possível, propondo soluções) e também negando fatos inseridos no contexto do problema. Como método de procedimento foi utilizado o método estruturalista, procurando explorar as inter-relações através das quais o significado é produzido dentro de uma cultura. No tocante à parte empírica, a pesquisa foi qualitativa se desenvolvendo numa situação natural, rico em dados descritivos com um plano aberto e flexível. Foram utilizadas as seguintes técnicas de pesquisa: observação direta e entrevistas semi estruturadas (ver anexo), mas que não seguiu uma linearidade, mudando-se o foco da conversa pelo entrevistado algumas vezes. A escolha do tema deveu-se ao fato de que a classe C constitui hoje a maior parcela consumidora do Brasil, porém esse público não é atingido pela evolução e valorização do profissional do design, que está atrelado diretamente às classes AB principalmente no que concerne a projetação de produtos para interiores domésticos, notando-se aí uma grave lacuna entre profissional e usuário. Para compor esse campo e desvendar a lacuna da relação usuário x profissional e suas implicações, esse trabalho foi construído com a seguinte estrutura: no capítulo 1 foi montada base de pensamento que doutrinou a pesquisa através da leitura dos principais autores nacionais e também internacionais que abordam temas como os interiores domésticos, design de objetos, cultura e consumo e a antropologia da arquitetura residencial. O referencial foi dividido em três partes: Estilos de vida na Contemporaneidade (Harvey, Hall, Sennet, Baudrillard, Moles e Bauman) que tenta explicitar como o comportamento e as diferentes identidades que permeiam o mundo de hoje pode revelar aspectos importantes 17

20 acerca do universo material dos produtos; Modos de Morar no Brasil (Freyre, Forty, De Botton, Lemos, Bonduki e DaMatta) onde se procura fazer um panorama da moradia no Brasil e como a noção de casa e espaço doméstico evoluiu até tornar-se aspecto importante para o estudo social dentro das diferenças de classe no país e Cultura e Consumo (Bourdieu, Douglas, Slater, Cardoso, Frampton, Canclini e de Moraes) procurando desvendar aspectos relacionados às práticas culturais dentro do mercado globalizado e diverso do design hoje. No capítulo 2 foi estruturado o campo de poder simbólico descrevendo o público estudado na pesquisa, cuja informação foi coletada principalmente em publicações na área de economia e negócios, como os meios de comunicação são influenciadores diretos dessa classe através da TV e de revistas, e o contexto atual do mercado de objetos para interiores voltados para a classe C e suas inspirações. No capítulo 3 é descrita a experiência da observação e das entrevistas realizadas em quatro residências de classe C durante o período de agosto a novembro de 2011 representando uma parcela do grande público estudado. As entrevistas foram gravadas e posteriormente transcritas para melhor compreensão do seu conteúdo. A partir daí é traçado uma conexão dos padrões de gosto e das principais influências que essas pessoas têm ao utilizar objetos domésticos como revelador de suas identidades. Para tal é relatado os detalhes da estrutura social dessas famílias como formação escolar, raiz familiar e vida profissional. Também foi necessário analisar detalhes da arquitetura dessas residências através de plantas e das imagens dos ambientes e também do local e contexto em que estão inseridos e como foram adquiridos os produtos que habitam esses ambientes, construindo assim uma rede que ajudou a descobrir padrões de gostos respeitando as diferenças de cada grupo. No final de cada descrição foram montadas tabelas de como foram adquiridos os objetos e como estes dados se comportam em comparação com as quatro residências. Por fim, faz-se uma análise geral dos casos cruzando os principais dados obtidos com os objetivos e perguntas do trabalho e também com os principais autores do referencial. 18

21 Como fechamento da dissertação é apresentada a conclusão ressaltando os principais pontos observados e fazendo uma análise de como a arquitetura e o design podem contribuir para a vida desse público que hoje é ainda pouco lembrado nas pesquisas sobre novas tendências e hábitos culturais. Essa pesquisa não tem o intuito de analisar todo o público de classe C que é bastante grande e diverso, e é importante esclarecer que as quatro residências estudadas podem diferenciar bastante de outros lares com as mesmas características, ainda mais se estudadas em outras regiões do Brasil onde os fenômenos podem ser bastante diferentes. Ainda assim, foi extremamente esclarecedor estudar essa pequena parcela e conseguir descobrir conexões e semelhanças que podem representar, com certeza, grande parte da maior parcela da população brasileira. 19

22 20

23 1.1 ESTILOS DE VIDA NA CONTEMPORANEIDADE As transformações dos estilos de vida na pós-modernidade vêm configurando mudanças nos interiores residenciais e nas relações do homem com o objeto doméstico. Segundo Harvey, (1976), a época em que vivemos hoje é condicionada pela racionalização da produção e consumo em massa de bens materiais na vida urbana, principalmente nos aspectos relacionados ao lar. As velhas identidades que por tanto tempo estabilizaram o mundo social estão em declínio, fazendo surgir novas identidades e fragmentando o indivíduo moderno, até aqui visto como um sujeito unificado. Para Hall (1999), as diferenças pessoais começam a ficar mais evidentes e dá-se início a uma era de fragmentação produzida onde as distinções sociais se dão pela aquisição de todo tipo de símbolo de status, seja na moda, na música ou nos interiores domésticos. Para esses autores, nunca foi tão importante entender os artefatos como personificadores e como reveladores dessas identidades fragmentadas da contemporaneidade onde a classe C, objeto deste estudo, também se insere consumindo símbolos que remetem a significados que podem revelar muito sobre os aspectos das vidas destas pessoas. Já para Sennet (1976) numa visão do público e privado, esses símbolos remetem a várias épocas, ampliando o mundo das escolhas e da variedade de possibilidades de estilos de vida e mercadorias. Vive-se um neo-ecletismo desconstrutivista, onde é possível que o homem identifique-se e com música clássica do século XIX e viva numa casa de arquitetura high tech. Há um caos dentro da ordem, um resgate da memória coletiva ampliando as possibilidades de relações humanas com objetos de épocas, tribos e materiais diferentes. Há a possibilidade de ser igual, seguir um padrão e encaixar-se dentro de perfis ou ser diferente por gosto ou contracultura. Porém ainda não é claro que esta afirmação se aplique às classes menos favorecidas onde as possibilidades de escolhas são menores e o acesso à informação também é escasso, principalmente no Brasil que ainda caminha para oferecer à população serviços básicos como educação e saúde. 21

24 É por isso que as moradias são os locais mais apropriados de desvendar essas identidades fragmentadas da classe C já que Sennet (1976) também afirma que a vida nos interiores domésticos começa a adquirir valor maior que a vida pública e as relações humanas começam a se voltar para dentro e a premissa do conhecer a si mesmo é uma maneira de conhecer o mundo passa a ser fundamental para a construção do caráter da maioria dos homens, independente de classe. A construção do individualismo moderno está ligado à construção do espaço construído e à identificação através do objeto e do espaço. Passa-se a usar bens materiais como atributos e associações próprias à personalidade íntima, construindo-se uma liberdade individual através da aquisição de bens de consumo. A capacidade de obter prazer depende não só dos objetos em si, mas da relação espacial que eles mantêm. O embelezamento dos utensílios estaria associado ao processo de valorização da atividade doméstica numa tentativa de unir as necessidades do bom funcionamento da casa com a obtenção do prazer pessoal. Harvey (1992) também reforça as afirmações de Sennet quando diz que nunca os objetos domésticos junto com a indústria de vestuário estiveram tão conectados à identidade do homem e à construção do modo de vida observado no mundo atual. Considerando a mudança de local, de tempo e de cultura, as transformações do homem hoje tem se moldado dentro desses padrões nas sociedades organizadas e globalizadas. As pessoas procuram um eu nos artefatos residenciais: elas buscam ser individuais, mas ao mesmo tempo se adequar aos padrões, surgindo aí os ideais de beleza e moral. E um dos grandes desafios deste trabalho é desvendar que idéias são esses e como eles podem influenciar profundamente os setores ligados à arquitetura e o design. Considerando-se que o design e a arquitetura influenciam a construção de valores, as práticas e os hábitos das pessoas por meio dos artefatos e do espaço construído, entende-se que esses profissionais são co-responsáveis pela qualidade dos produtos que são criados e engendrados na sociedade. Segundo Ono (2006), os objetos e as sociedades moldam-se e influenciam-se em uma relação dinâmica no processo de construção material e simbólica do mundo e considerando-se que o designer necessita demonstrar a sua atitude criativa na complexa teia de funções e significados, na qual as percepções, ações e relações se entrelaçam, buscando a adequação dos artefatos às necessidades e anseios das pessoas e a melhoria da qualidade de vida da 22

25 sociedade. Estão esses profissionais ligados aos estilos de vida adotados pelas classes menos favorecidas? Que produtos são então criados dentro deses aspectos? No campo dos artefatos, Baudrillard (1968) afirma que criar objetos é criar hábitos e a funcionalidade dos objetos modernos torna-se a historicidade do objeto antigo sem, todavia deixar de exercer a função de signo. Os novos objetos nada mais são que novos símbolos e o consumidor não compra o objeto, mas esse significado simbólico que traz o objeto. Baudrillard ainda afirma que o indivíduo constrói o mundo através da utilização (totalização prática do mundo pelo indivíduo) x posse (totalização da abstração do mundo). Só uma organização complexa de objetos que se relacionam uns com os outros constitui cada objeto em uma abstração suficiente para que ele possa ser recuperado pelo indivíduo na abstração vivida. Essa abstração exalta as qualidades da pessoa e abole as neuroses do cotidiano através dos hábitos, da representatividade e da personalização. Essas afirmações se conectam com Moles (1975) quando este explicita que o objeto é um elemento do mundo exterior fabricado pelo homem e que este pode manipular e o prazer associado aos produtos é como um benefício que pode ser social, psicológico (usabilidade), fisiológico (conforto), ideológico (cultura). Os objetos não falam por si, falam por meio da linguagem (emoção do usuário x mensagem do objeto). O objeto é mediador do homem na sociedade e o papel do objeto é modificar ou resolver uma situação mediante um ato em que o utilize. Essa organização complexa de objetos citadas por Moles e Baudrillard podem ser encontradas dentro dos interiores domésticos que se configuram como o ambiente mais fácil de conectar e desvendar abstrações e símbolos do cotidiano. Essa complexidade torna-se ainda mais difícil nas moradias da nova classe média, onde os espaços residenciais são bastante complicados e carecem muitas vezes de estruturas e soluções arquitetônicas decentes. Os objetos como constituidores de práticas e de um imaginário social, contribuem para a construção das identidades sociais, tornando-se, como define Bauman (2001), artefatos símbolos da contemporaneidade. Essas identidades sociais se configuram como uma mistura do capital cultural do público estudado ao que é oferecido a elas no campo dos objetos. A indústria da arquitetura e do objetos tem um poder muito importante na legitimação dos 23

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo 5 Conclusão Para melhor organizar a conclusão desse estudo, esse capítulo foi dividido em quatro partes. A primeira delas aborda as significações do vinho e como elas se relacionam com o aumento de consumo

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados Comunicação e Reputação 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados 1 Introdução Ao contrário do que alguns podem pensar, reputação não é apenas um atributo ou juízo moral aplicado às empresas.

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação Pesquisa Semesp 2009 Índice de Imagem e Reputação Uma ferramenta estratégica para a qualidade de mercado Desvendar qual é a real percepção de seus públicos estratégicos com relação à atuação das instituições

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce...

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce... Sumário Bleez Agência Digital... 3 Quem sou eu... 4 Introdução... 5 Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7 Quem está comprando no ecommerce... 10 Por que os brasileiros estão comprando mais... 12 O

Leia mais

5. CONCLUSÃO. 5.1 Resumo dos Resultados

5. CONCLUSÃO. 5.1 Resumo dos Resultados 5. CONCLUSÃO 5.1 Resumo dos Resultados O presente trabalho se propôs a entender os significados atribuídos pelo público feminino de baixa renda no consumo dos produtos do mercado HPPC, especificamente

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas

O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas 54ª Reunião Anual da SBPC Goiânia/GO Julho/2002 O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas João Ferreira de Oliveira (UFG) A universalização do acesso à educação superior constitui-se

Leia mais

Capítulo 1 Do sonho à realização

Capítulo 1 Do sonho à realização 1 Capítulo 1 Do sonho à realização Com a idéia da casa registrada no papel ou na cabeça, o brasileiro parte para a concretização dos seus sonhos. Nessa hora, surge o conflito entre os sonhos e as etapas

Leia mais

MÍDIA KIT. A maior e melhor revista de decoração e design

MÍDIA KIT. A maior e melhor revista de decoração e design MÍDIA KIT A maior e melhor revista de decoração e design NÓS PENSAMOS NO DIA A DIA DO NOSSO LEITOR CASA CLAUDIA inspira e ajuda o leitor a tornar sua casa mais bela, confortável e restauradora nos diferentes

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte PROJETO MUTAÇÕES: O início do século XXI impressiona não apenas pelo volume das mudanças que se efetivaram em todos os campos da ação humana, mas também na velocidade com que elas têm se processado. Em

Leia mais

ARQUITETURA: TEMAS DE COMPOSIÇÃO ROGER H. CLARK E MICHAEL PAUSE

ARQUITETURA: TEMAS DE COMPOSIÇÃO ROGER H. CLARK E MICHAEL PAUSE ARQUITETURA: TEMAS DE COMPOSIÇÃO ROGER H. CLARK E MICHAEL PAUSE Síntese Introdutória do Método Utilizado para a Análise dos Projetos no Estudo dos Temas de Composição Disciplina:Idéia, Método e Linguagem

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Como se trabalha com projetos ALMEIDA, Maria Elizabeth. Como se trabalha com projetos. Revista TV Escola, [S.l.], n. 22, p. 35-38, 2001. Entrevista concedida a Cláudio

Leia mais

Pesquisa Qualitativa. Lideranças de Movimentos Sociais e Segmentos da População Abril 2007

Pesquisa Qualitativa. Lideranças de Movimentos Sociais e Segmentos da População Abril 2007 Pesquisa Ibope Pesquisa Qualitativa Lideranças de Movimentos Sociais e Segmentos da População Abril 2007 Metodologia Estudo do tipo qualitativo, envolvendo duas técnicas complementares: 1) Entrevistas

Leia mais

Antes. Depois. Escritórios Os escritórios são espaços físicos que correspondem às necessidades

Antes. Depois. Escritórios Os escritórios são espaços físicos que correspondem às necessidades CIANO MAGENTA AMARELOPRETO Casa & Construção É tempo de renovação A atmosfera é de renovação, regeneração, expectativas e esperanças. Páscoa vem do hebraico Pessach e significa passagem. A Ressurreição

Leia mais

CASA MINIMA API 5. Habitação social - Memorial. Projeto implantado no Jardim Holanda Uberlândia. Mapa do Bairro. Acesso a área de estudo:

CASA MINIMA API 5. Habitação social - Memorial. Projeto implantado no Jardim Holanda Uberlândia. Mapa do Bairro. Acesso a área de estudo: CASA MINIMA API 5 Habitação social - Memorial Projeto implantado no Jardim Holanda Uberlândia Mapa do Bairro Acesso a área de estudo: a- mapa regional Localização escolhida - Por que? Perto de vias rápidas.

Leia mais

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de VITRINAS 1 INTRODUÇÃO Elegantes e essenciais, as vitrinas são elementos versáteis criados nas mais diversas versões e representam o ponto chave para apresentação do produto a ser vendido nos mais diferentes

Leia mais

INTENÇÃO DE COMPRA NATAL 2014

INTENÇÃO DE COMPRA NATAL 2014 1 INTENÇÃO DE COMPRA NATAL 2014 2 Faculdade Estácio de Sá de Campo Grande Intenção de Compra para o Natal 2014 Rua Venâncio Borges do Nascimento, 377 Jardim Tv Morena Campo Grande - MS, 79050-700 Fone:

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 36 Discurso por ocasião do jantar

Leia mais

Curso de Web Design MÓDULO I. Programação Visual 13 ACTIVE BRASIL

Curso de Web Design MÓDULO I. Programação Visual 13 ACTIVE BRASIL MÓDULO I Programação Visual 13 ACTIVE BRASIL AULA 1 INTRODUÇÃO A PROGRAMAÇÃO VISUAL Objetivos: Na primeira aula de nosso curso, você entrará em contato com um novo mundo de curiosidades e criatividade,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Guiomar Namo de Mello

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Guiomar Namo de Mello TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Como já vimos, a proposta pedagógica é uma articuladora de intenções educativas onde se definem as competências, os conteúdos, os recursos

Leia mais

Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20

Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20 Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20 Rodrigo Otávio Rio de Janeiro - A antropóloga e ambientalista Iara Pietricovsky faz parte do grupo de articulação da Cúpula dos Povos (evento das organizações

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice 2 Índice Introdução... 3 Passo 1 Entender o que é Venda Online e E-commerce... 4 Passo 2 Entender o Mercado de Comércio Eletrônico... 5 Passo 3 Canais de Venda... 6 Passo 4 Como identificar uma Boa Plataforma

Leia mais

A RELEVÂNCIA DAS CONCEPÇÕES DE INFÂNCIA: AS MUDANÇAS OCORRIDAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DO MUNICÍPIO DE PALMAS (TO)

A RELEVÂNCIA DAS CONCEPÇÕES DE INFÂNCIA: AS MUDANÇAS OCORRIDAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DO MUNICÍPIO DE PALMAS (TO) A RELEVÂNCIA DAS CONCEPÇÕES DE INFÂNCIA: AS MUDANÇAS OCORRIDAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DO MUNICÍPIO DE PALMAS (TO) Nilde Cardoso de Oliveira Denise Aquino Alves Martins Universidade

Leia mais

coisas que você PRECISA SABER antes de investir em marketing.

coisas que você PRECISA SABER antes de investir em marketing. 10 coisas que você PRECISA SABER antes de investir em marketing. Quem é o seu público? Para quem você quer vender? Parece óbvio, não? Mas muitos empreendedores engasgam para responder esta pergunta. Na

Leia mais

19 METROPOLIZAÇÃO, POBREZA, QUALIDADE DE VIDA E SUSTENTABILIDADE

19 METROPOLIZAÇÃO, POBREZA, QUALIDADE DE VIDA E SUSTENTABILIDADE 19 METROPOLIZAÇÃO, POBREZA, QUALIDADE DE VIDA E SUSTENTABILIDADE Luis de La Mora A mesa está composta por pesquisadores franceses e brasileiros, de vários estados do Nordeste do Brasil, que vem trabalhando

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES

O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES 122 O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES Carlise Cadore Carmem Lúcia Colomé Beck Universidade Federal de Santa Maria Resumo Os movimentos da Reforma Sanitária e da Reforma Psiquiátrica

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Como já vimos, a proposta pedagógica é uma articuladora de intenções educativas onde se definem as competências, os conteúdos, os recursos

Leia mais

O ESPAÇO DOMÉSTICO CONTEMPORÂNEO NO DESIGN DE INTERIORES: UMA RELAÇÃO FÍSICA, SOCIAL E SENSORIAL

O ESPAÇO DOMÉSTICO CONTEMPORÂNEO NO DESIGN DE INTERIORES: UMA RELAÇÃO FÍSICA, SOCIAL E SENSORIAL O ESPAÇO DOMÉSTICO CONTEMPORÂNEO NO DESIGN DE INTERIORES: UMA RELAÇÃO FÍSICA, SOCIAL E SENSORIAL Eliana Maria Tancredi Zmyslowski Mestranda Universidade Anhembi Morumbi eliana.zmyslowski@globo.com Resumo

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

5. Considerações finais

5. Considerações finais 99 5. Considerações finais Ao término da interessante e desafiadora jornada, que implicou em estabelecer um olhar crítico e relativamente distanciado em relação ao universo pesquisado, na medida em que

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Pra que serve tudo isso?

Pra que serve tudo isso? Capítulo 1 Pra que serve tudo isso? Parabéns! Você tem em mãos a base para o início de um bom planejamento financeiro. O conhecimento para começar a ver o dinheiro de outro ponto de vista, que nunca foi

Leia mais

João Goulart organizou a reforma agrária, direito ao voto, intervenção estatal e economia de regulamentação de remessas de lucro ao exterior.

João Goulart organizou a reforma agrária, direito ao voto, intervenção estatal e economia de regulamentação de remessas de lucro ao exterior. Resenha Crítica CARA MILINE Soares é arquiteta e doutora em Design pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo na Universidade de São Paulo (FAU-USP). É autora do ensaio já publicado: Móveis Brasileiros

Leia mais

Grupo WTB Experiência e solidez

Grupo WTB Experiência e solidez Grupo WTB Experiência e solidez Fundado em 1999, o Grupo WTB teve um crescimento sustentado e prosperou ao longo dos anos. Hoje, sua marca está presente em vários empreendimentos de sucesso, contando com

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Memória coletiva: entre a resistência cultural e a criação do produto turístico na Ilha Grande:

Memória coletiva: entre a resistência cultural e a criação do produto turístico na Ilha Grande: Memória coletiva: entre a resistência cultural e a criação do produto turístico na Ilha Grande: HELENA CATÃO H. FERREIRA * Ao mesmo tempo em que podemos observar um refazer constante de resgates de memórias

Leia mais

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte Comunicação O ENSINO DAS ARTES VISUAIS NO CONTEXTO INTERDISCIPLINAR DA ESCOLA ALMEIDA, Maria Angélica Durães Mendes de VASONE, Tania Abrahão SARMENTO, Colégio Hugo Palavras-chave: Artes visuais Interdisciplinaridade

Leia mais

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 Nathália Sene GARIERI/ Licenciada em História Aline Rafaela Portílio LEMES Aline Aparecida SILVA Samuel Douglas Farias COSTA RESUMO A propaganda ocupa um largo

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

VOCÊ CONSOME O QUE? - CONSUMO, STATUS, RESÍDUOS E EDUCAÇÃO AMBIENTAL GULLA, CLAUDIO EDUARDO 1 - UERJ. DUARTE, Luana 2 UERJ. SILVA, Tairis 3 UERJ

VOCÊ CONSOME O QUE? - CONSUMO, STATUS, RESÍDUOS E EDUCAÇÃO AMBIENTAL GULLA, CLAUDIO EDUARDO 1 - UERJ. DUARTE, Luana 2 UERJ. SILVA, Tairis 3 UERJ VOCÊ CONSOME O QUE? - CONSUMO, STATUS, RESÍDUOS E EDUCAÇÃO AMBIENTAL GULLA, CLAUDIO EDUARDO 1 - UERJ claudioeduardouerjped@gmail.com DUARTE, Luana 2 UERJ Luanycristine_87@hotmail.com SILVA, Tairis 3 UERJ

Leia mais

PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE

PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE Maria do Rozario Gomes da Mota Silva Orientadora: Profª Drª Márcia Ângela da Silva Aguiar

Leia mais

U M P A Í S C H A M A D O C L A S S E M É D I A P R E S E N T E E F U T U R O D O C R E S C I M E N T O B R A S I L E I R O

U M P A Í S C H A M A D O C L A S S E M É D I A P R E S E N T E E F U T U R O D O C R E S C I M E N T O B R A S I L E I R O U M P A Í S C H A M A D O C L A S S E M É D I A P R E S E N T E E F U T U R O D O C R E S C I M E N T O B R A S I L E I R O Sobre o Data Popular 2 Origem em 2001 Pioneiros no conhecimento sobre a Classe

Leia mais

WHITEHAVEN HARBOUR CENTRAL SITE Whitehaven Harbour Central Site Whitehaven - Inglaterra - 2010. 11 3159 1970 www.apiacasarquitetos.com.

WHITEHAVEN HARBOUR CENTRAL SITE Whitehaven Harbour Central Site Whitehaven - Inglaterra - 2010. 11 3159 1970 www.apiacasarquitetos.com. WHITEHAVEN HARBOUR CENTRAL SITE Whitehaven Harbour Central Site Whitehaven - Inglaterra - 2010 11 3159 1970 MEMORIAL Olhando para o sol A minha consciência da cidade é, por dentro, a minha consciência

Leia mais

PROGRAMA REALIDADES- DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA TVU RECIFE. UM ESPAÇO PRIVILEGIADO DE CRÍTICAS, REFLEXÕES E GRANDES DEBATES SOBRE TEMAS SOCIAIS.

PROGRAMA REALIDADES- DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA TVU RECIFE. UM ESPAÇO PRIVILEGIADO DE CRÍTICAS, REFLEXÕES E GRANDES DEBATES SOBRE TEMAS SOCIAIS. PROGRAMA REALIDADES- DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA TVU RECIFE. UM ESPAÇO PRIVILEGIADO DE CRÍTICAS, REFLEXÕES E GRANDES DEBATES SOBRE TEMAS SOCIAIS. Jadiewerton Tavares da Silva (Autor); Marcelo Luiz Pelizzoli

Leia mais

CONSUMO E OS DESEJOS CONSUMISTAS

CONSUMO E OS DESEJOS CONSUMISTAS CONSUMO E OS DESEJOS CONSUMISTAS 2012 Graduanda em Psicologia pelo Centro Universitário de Lavras UNILAVRAS (Brasil) E-mail: vivianecastrofreire@yahoo.com.br RESUMO As necessidades humanas estão diretamente

Leia mais

PESQUISA DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA SPC BRASIL. Janeiro 2014

PESQUISA DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA SPC BRASIL. Janeiro 2014 PESQUISA DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA SPC BRASIL Janeiro 2014 PESQUISA DO SPC BRASIL REVELA QUE 81% DOS BRASILEIROS SABEM POUCO OU NADA SOBRE SUAS FINANÇAS PESSOAIS Os brasileiros ainda estão muito distantes

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA?

EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA? EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA? Elisane Scapin Cargnin 1 Simone Arenhardt 2 Márcia Lenir Gerhardt 3 Eliandra S. C. Pegoraro 4 Edileine S. Cargnin 5 Resumo: Diante das inúmeras modificações

Leia mais

O VERDADEIRO MUNDO DA CRECHE: EDUCAR OU PRESTAR ASSISTÊNCIA? Drielly Adrean Batista, Rita Melissa Lepre, Rodrigo Cesar Costa, Aline kadooka.

O VERDADEIRO MUNDO DA CRECHE: EDUCAR OU PRESTAR ASSISTÊNCIA? Drielly Adrean Batista, Rita Melissa Lepre, Rodrigo Cesar Costa, Aline kadooka. 1175 O VERDADEIRO MUNDO DA CRECHE: EDUCAR OU PRESTAR ASSISTÊNCIA? Drielly Adrean Batista, Rita Melissa Lepre, Rodrigo Cesar Costa, Aline kadooka. Programa de pós-graduação em psicologia da Universidade

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros.

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros. INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM Fato Social - Exterioridade (o fato social é exterior ao indivíduo). - Coercitividade. - Generalidade (o fato social é geral). * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais

Leia mais

A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS.

A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS. A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS. Carina da Silva UFPel, carinasg2013@gmail.com INTRODUÇÃO A atual sociedade capitalista tem como alicerce, que fundamenta sua manutenção,

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE TENORIO, LUCIENE A. (1); CARVALHO, AMANDA B. (2); ZHAYRA, ADELAIDE C. (3) 1. LVF Empreendimentos LTDA.

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO E LABORATÓRIOS DE APRENDIZAGEM: O QUE SÃO E A QUEM SE DESTINAM

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO E LABORATÓRIOS DE APRENDIZAGEM: O QUE SÃO E A QUEM SE DESTINAM ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO E LABORATÓRIOS DE APRENDIZAGEM: O QUE SÃO E A QUEM SE DESTINAM Rui Sartoretto Mara Lucia Sartoretto A inclusão das pessoas com deficiências nas escolas comuns da rede

Leia mais

MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS

MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS Jair Bevenute Gardas Isabel Corrêa da Mota Silva RESUMO A presente pesquisa tem o objetivo de possibilitar ao leitor um conhecimento específico sobre a história da Ciência

Leia mais

PROGRAMA SOCIAL COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DA SOCIEDADE: Experiência da Unidade Móvel do SENAC PE

PROGRAMA SOCIAL COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DA SOCIEDADE: Experiência da Unidade Móvel do SENAC PE PROGRAMA SOCIAL COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DA SOCIEDADE: Experiência da Unidade Móvel do SENAC PE Autor(a): Ivalda Barbosa do Nascimento Mandú Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email:

Leia mais

A importância do design nos negócios

A importância do design nos negócios A importância do design nos negócios SUMÁRIO Apresentação 4 A importância do Design 5 Design de Comunicação 13 A Escada do Design 6 Design Gráfico 14 O processo do Design 7 Logomarca 15 Design & Inovação

Leia mais

sonhando nova escola nova sociedade com uma e uma Atividade de leitura de clássicos da literatura. Pai voluntário em sala de aula.

sonhando nova escola nova sociedade com uma e uma Atividade de leitura de clássicos da literatura. Pai voluntário em sala de aula. Atividade de leitura de clássicos da literatura. Pai voluntário em sala de aula. 01_IN_CA_FolderTecnico180x230_capa.indd 3 sonhando com uma nova escola e uma nova sociedade 7/24/13 2:16 PM comunidade de

Leia mais

CECIP. Centro de Criação de Imagem Popular

CECIP. Centro de Criação de Imagem Popular Centro de Criação de Imagem Popular Largo de São Francisco de Paula, 34 / 4º andar 20.051-070 Rio de Janeiro RJ Tel./ Fax.: (55 21) 2509.3812 cecip@cecip.org.br www.cecip.org.br 1º Encontro sobre Mediação

Leia mais

Max WEBER. Apresentando Max Weber. Principais contribuições: 1864-1920 TEMPOS MODERNOS OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE

Max WEBER. Apresentando Max Weber. Principais contribuições: 1864-1920 TEMPOS MODERNOS OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE Max WEBER 1864-1920 TEMPOS MODERNOS Apresentando Max Weber Principais contribuições: OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE O PROTESTANTISMO E O ESPÍRITO DO CAPITALISMO O MUNDO DESENCANTADO Apresentando Max Weber

Leia mais

COMÉRCIO DE RUA É O PREFERIDO ENTRE OS MORADORES DA GRANDE VITÓRIA

COMÉRCIO DE RUA É O PREFERIDO ENTRE OS MORADORES DA GRANDE VITÓRIA COMÉRCIO DE RUA É O PREFERIDO ENTRE OS MORADORES DA GRANDE VITÓRIA Priscila Zanotti Pizol e Luciana Zamprogne A Futura foi às ruas para saber mais a respeito do setor varejista da Grande Vitória, conhecer

Leia mais

Manual do bom vendedor Como vender mais e melhor

Manual do bom vendedor Como vender mais e melhor Manual do bom vendedor Como vender mais e melhor 2 ÍNDICE >> Introdução... 3 >> Perfil do profissional... 5 >> Características essenciais da venda... 10 >> As 4 dicas para vender mais e melhor... 12 >>

Leia mais

GLOSSÁRIO BILÍNGUE DE COLOCAÇÕES DA HOTELARIA: UM MODELO À LUZ DA LINGUÍSTICA DE CORPUS

GLOSSÁRIO BILÍNGUE DE COLOCAÇÕES DA HOTELARIA: UM MODELO À LUZ DA LINGUÍSTICA DE CORPUS GLOSSÁRIO BILÍNGUE DE COLOCAÇÕES DA HOTELARIA: UM MODELO À LUZ DA LINGUÍSTICA DE CORPUS O turismo é um setor de bastante expressão no cenário econômico e cultural do mundo. Fomentado em grande parte pelas

Leia mais

O Caminho do Apartamento Moderno no Brasil

O Caminho do Apartamento Moderno no Brasil - SEPesq O Caminho do Apartamento Moderno no Brasil Vivian K.Levy Mestranda em Arquitetura e Urbanismo Unirriter Vivianklevy@gmail.com Resumo Este artigo trata da evolução, do caminho que a tipologia do

Leia mais

3.3. O Conjunto Habitacional Zezinho de Magalhães Prado

3.3. O Conjunto Habitacional Zezinho de Magalhães Prado 6 3.3. O Conjunto Habitacional Zezinho de Magalhães Prado 3.3.. O projeto: Implantação e áreas livres de uso comum Os materiais não se podem construir em si mesmo. São os homens que projetam e executam.

Leia mais

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 Karen Capelesso 4 O livro Feminismo e política: uma introdução, de Luis Felipe Miguel e Flávia Biroli, se vincula

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

Pesquisa. Intenção de

Pesquisa. Intenção de Pesquisa SPC BRASIL: Intenção de Compras para o Natal Novembro/2013 Pesquisa do SPC Brasil revela que brasileiros pretendem gastar mais e comprar mais presentes neste Natal Se depender dos consumidores

Leia mais

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Educação à distância; Informática; Metodologia.

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Educação à distância; Informática; Metodologia. 1 O PAPEL DA INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA: Um Estudo de Caso no pólo UNOPAR, Machadinho do Oeste - RO Izaqueu Chaves de Oliveira 1 RESUMO O presente artigo tem por objetivo compreender a importância

Leia mais

Empreendedora. Inovação e Gestão. Introdução ao empreendedorismo

Empreendedora. Inovação e Gestão. Introdução ao empreendedorismo Inovação e Gestão Empreendedora atuação empreendedora no brasil desenvolvimento da teoria do empreendedorismo diferenças entre empreendedores, empresários, executivos e empregados Introdução ao empreendedorismo

Leia mais

Marilia Pontes Sposito Raquel Souza

Marilia Pontes Sposito Raquel Souza 33 Desafios da reflexão sociológica PARA análise Do ensino médio no BRASil* Marilia Pontes Sposito Raquel Souza O ensino médio se constitui em uma etapa da educação básica brasileira que tem mobilizado

Leia mais

Marketing etnográfico

Marketing etnográfico MARKETING Marketing etnográfico Aetnografia pode oferecer ao marketing um rico instrumental para o mapeamento do universo simbólico e das práticas de consumo. Sua eficiência será maior se utilizada segundo

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

O Guia Prático da. Arquitetura Corporativa

O Guia Prático da. Arquitetura Corporativa O Guia Prático da Arquitetura Corporativa SUMÁRIO INTRODUÇÃO ARQUITETURA CORPORATIVA NO BRASIL RECURSOS HUMANOS, TURNOVER, NORMAS E LEIS TRABALHISTAS MÓVEIS DE ESCRITÓRIO Tudo o que você precisa saber

Leia mais

Desenvolvimento Local: Um processo sustentado no investimento em capital social

Desenvolvimento Local: Um processo sustentado no investimento em capital social Desenvolvimento Local: Um processo sustentado no investimento em capital social 1 Resumo por Carlos Lopes Nas próximas paginas, apresento uma fundamental estratégia para o estabelecimento de relacionamento

Leia mais

MOBILIDADE URBANA SOBRE DUAS RODAS: UM OLHAR DE GÊNERO NO USO DAS CINQUENTINHAS NA SOCIEDADE E CONSUMO ATUAL

MOBILIDADE URBANA SOBRE DUAS RODAS: UM OLHAR DE GÊNERO NO USO DAS CINQUENTINHAS NA SOCIEDADE E CONSUMO ATUAL MOBILIDADE URBANA SOBRE DUAS RODAS: UM OLHAR DE GÊNERO NO USO DAS CINQUENTINHAS NA SOCIEDADE E CONSUMO ATUAL Micheline(1); Laura (2); Marília(3) (Micheline Cristina Rufino Maciel; Laura Susana Duque-Arrazola;

Leia mais

Diálogos na pós-modernidade

Diálogos na pós-modernidade Diálogos na pós-modernidade Romilson Belo 1 Por seres tão inventivo e pareceres contínuo, Tempo tempo tempo tempo, és um dos deuses mais lindos... Tempo tempo tempo tempo... Caetano Veloso, Oração ao Tempo,

Leia mais

Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios

Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios Marcelo Antonio dos Santos Mestre em Matemática Aplicada UFRGS, Professor na Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) e professor da rede

Leia mais

Dicas de decoração de residencial de alto padrão

Dicas de decoração de residencial de alto padrão Dicas de decoração de residencial de alto padrão Como decorar apartamentos amplos, de 130 e 157m 2, sem exagerar e aproveitar todos os espaços de maneira funcional? Brookfield Incorporações e Anastassiadis

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 514502 INTRODUÇÃO AO DESIGN Conceituação e história do desenvolvimento do Design e sua influência nas sociedades contemporâneas no

Leia mais

Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social

Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social PALESTRA 03: Investigação em Serviço Social: para quê, a

Leia mais

7 NÍVEL DE UTILIDADE DOS ATRIBUTOS

7 NÍVEL DE UTILIDADE DOS ATRIBUTOS 7 NÍVEL DE UTILIDADE DOS ATRIBUTOS 7.1 INTRODUÇÃO Considera-se que produtos e serviços são conjuntos de atributos, por exemplo, no caso de apartamentos, preço, localização, planta, serviços oferecidos

Leia mais

AVM Faculdade Integrada MBA Executivo em Marketing e Redes Sociais Aluno Max Diniz Cruzeiro O PODER DAS REDES SOCIAIS E SUA INFLUÊNCIA

AVM Faculdade Integrada MBA Executivo em Marketing e Redes Sociais Aluno Max Diniz Cruzeiro O PODER DAS REDES SOCIAIS E SUA INFLUÊNCIA AVM Faculdade Integrada MBA Executivo em Marketing e Redes Sociais Aluno Max Diniz Cruzeiro O PODER DAS REDES SOCIAIS E SUA INFLUÊNCIA BRASÍLIA - DF 2014 AVM Faculdade Integrada MBA Executivo em Marketing

Leia mais

ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU)

ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU) ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU) As dinâmicas aqui apresentadas podem e devem ser adaptadas de acordo com os objetivos

Leia mais