CHELAS BURACA CASAL VENTOSO GALINHEIRAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CHELAS BURACA CASAL VENTOSO GALINHEIRAS"

Transcrição

1 CHELAS BURACA CASAL VENTOSO GALINHEIRAS 5

2 6

3 O Sr. Bentley...09 A Puta da Velha...20 O Bairro Vermelho...24 O Demónio...33 O Senhor Royce...36 Jesus é a Sua Luz...42 É Aquela Base...48 A Proposta O Ácer...74 Miss Joyce...84 Synger...91 As Criancinhas O Passado O Corcunda Alvíssaras A Menina das Joaninhas

4 8

5 O Sr. Bentley Senhor Bentley, o Passarinheiro, o Passarão, o Enraba-Passarinhos. O Lambe-Lambe, o paneleiro corno-de-merda, peneirento, o caga-lume, o apaga-lume, o arrebita-a-nabiça, ai arrebita-arrebita!; senhor Bentley, o Visitador de Cemitérios. Ó. Não raramente o senhor Bentley veste-se à René Magritte e finge-se belga. De chapéu de coco na tola e chapéude-chuva dependurado no braço direito (evita que desate em saudações nazistas cada vez que passa por ciganos, pretos, maricas, polícias-sinaleiros e cãezinhos de três patas) passeia na rua com metade de um coco preso à face com um elástico, a gritar: Não tenho cara! Não tenho cara! Ó! A minha cara! Onde está a minha cara?! EU QUERO A MINHA CARA DE VOLTA! SEUS CARALHOS DE MERDA ABAUNI- LHADA, DEVOLVAM-ME A CARA! Depois encolhe os ombros, resignado, e dirige-se calmamente para o banco de jardim, senta-se, retira a casca de coco do rosto, deposita-a aos pés, abre a gabardina, de- 9

6 compõe o vestuário, amachuca-o, distorce as linhas plácidas do rosto, dá às mãos um ar sinistro e deformado e cacareja timidamente: Uma moedinha (cof) pó ceguinho (cof-cof). Passando mulheres, de qualquer idade ou raça, invariavelmente escolhe a mais decrépita, a mais acabada, a mais enrugada e, lascivo, diz-lhe: És mesmo boa. Fodia-te toda. És mesmo boa. Fodia-te toda. A moedinha (cof) pó ceguinho (cof-cof). Boa. Fodia-te. Moedinha. Cof. De vez em quando dá vigoroso salto no banco de jardim, espeta uma estalada na testa e exclama: É segunda-feira! E lá vai ele a correr como uma florzinha, liriozinho do campo, ecoando na rua em lampejos exclamativos absurdos o dito: É segunda-feira! É segunda-feira! O senhor Bentley é homem de hábitos. Necessita de hábitos para contrabalançar, dar equilíbrio ao seu carácter impulsivo, feito de actos momentâneos e explosivos. O próprio senhor Bentley não sabe do que é capaz, o que aprontará no minuto seguinte. Os hábitos dão-lhe base segura, são o eixo da sua vida. Às segundas, quartas e sextas visita cemitérios. Senhor Bentley (o paspalho, paspalhão, dez reis de mel coado, o-anda-por-aí-aos-tombos, o forreta, somítico, judeu, o nababo das rolhas) mal entra no cemitério (escolhido ao calhas, os dias da visita jamais se alteram, contudo o cemitério a visitar é ditado pela sorte) faz razia às campas: rouba todas as flores que consegue carregar. Põe grinaldas à volta do chapéu de coco, empilha-as pescoço abaixo, coloca colares de flores à volta dos braços como se fosse acrobata circense, usa o chapéu-de-chuva para levar outros tantos. Lá 10

7 vai ele, o senhor Bentley engrinaldado, a deambular cemitério afora aproveita e treina o choro, altera a configuração do rosto, as linhas cavam fundo na pele. Aí está o senhor Bentley, perfeita fotocópia do perfeito sentimento de luto. Estou em período de nojo...! choraminga para os mortos ao redor porque os vivos vivem muito lá por fora, nos trabalhos lá por fora, com a puta da família, das criancinhas e dos patrões. Ao menos o cabrão do senhor Bentley não se sujeita a chefes de um corno porque é dono de casas arrendadas. O olhito meio-fechado, meio-aberto, intercepta ao fundo o canto de campa miserável em abandono evidente há décadas. O senhor Bentley dá um salto (a imitar o lírio do campo, faz de conta estar no ballet), emite um gritinho panasca e, semeando pétalas e néctar podre no chão, corre aos saltinhos até ao alvo. Ah! Branca e pura não! Suja, encardida, abandonada como me apraz! De súbito perfila o corpo em pose militar e cumpre o ritual. O senhor Bentley precisa de rituais e hábitos senão o seu centro desmorona-se. Cuidadoso retira de si cada grinalda e colar de flores, depositando-os leve e lentamente no chão, sem que nenhum toque na pedra tumular. Compenetra-se da santidade do solo sagrado e dedica-se nos momentos iniciais a um exercício budista: varre com os olhos o espaço do cemitério, fixa-os, plano a plano, na terra que suporta as centenas de campas e imagina milhares de corpos, debaixo do chão, a apodrecer, a apodrecer, a apodrecer... vê os ossos movimentados centímetro a centímetro pelos vermes cuja sagrada e interminável tarefa é a de digerir toda a carne humana morta. Cerra os olhos e vê os bichinhos a nutrirem-se, plácidos. Impunes. Impávidos. 11

8 Ouve-os a mastigar sem dentes: morf-morf-morf. Distingue os sucos dos corpos, enxerga os amorosos bichinhos surfarem devagar de centímetro de carne apodrecida para centímetro de carne apodrecida, embrulhada em roupa que já foi de moda e custou um balúrdio, os olhos da cara. Imagina os parentes a zaragatearem: tás parvo?! Dar essa porrada de dinheiro por um fato que vai ser comido pela terra?! Mais vale deitar o dinheiro ao lixo! Imagina o invisível, desconhecido primo/tio/ o raio que o parta, a repontar, rilhando os dentes: parece mal! Parece mal enterrá-lo como um maltrapilho, um vagabundo sem eira nem beira! Parece mal! O senhor Bentley tem as mãos cruzadas à frente, por cima do bem-bom. Inclina-se para trás, faz uma curva propositadamente acentuada, abre a boca e alarga os lábios num sorriso cínico: um sorriso entendido. Ele entende a impermanência da vida e da morte. Tal como tem o entendimento do mundo. Retoma a verticalidade do esqueleto, fecha os olhos e enche os pulmões de ar. Sente os mínimos odores do sepulcrário, começando no cheiro da morte e decomposição o cheiro mais doce para ele, o único que lhe dá vontade de permanecer e divertir-se no mundo. A seguir vem o cheiro agridoce dos vermezinhos, nham, um guisado de vermes calhava bem. Depois acode o cheiro bolorento dos caixões a desfazeremse em pó; o aroma marmóreo das campas; a essência húmida da terra e do húmus; o perfume das árvores e das flores e das plantinhas. O cheiro dos ratos. Das baratas. Dos gatos. 12

9 E dos homens. Vivos. Na pele dos coveiros a síntese aromática realizava-se. (Ai que vontade de os espremer, espremer, como roupa molhada.) Tinha de fazê-lo para bem da sua estrutura mental, às segundas, quartas e sextas: contemplar a impermanência visitando necrópoles ao acaso. O momento sagrado eclipsou-se e ele pôs mãos à obra! Ah sim, now comes the fun part!, dizse em francês, alemão e inglês. (Cabrão: só porque sabe bem que eu não me entendo com nenhum dos idiomas.) O senhor Bentley pega nas grinaldas uma a uma e enquanto chora baba e ranho deposita-as no túmulo, velando o morto tal como vira ciganos a fazer. Ai tão bom que ele era! grita. Tão bom homem! (Pára por instantes e dá uma olhadela rápida aos dizeres baços na pedra.) Ai tão boa que ela era! A mãe dos meus filhos! Finouuuuuu-se! Morreu! Ai coitadiiiiiinha! Ai, a puta morreu-me! Como é que eu vou ganhar a vida agora! A puta da mulher dos meus cinco filhos bastardos morreu-me nos braços! Não pude acabar de fazer o sexto! Nem o sexto me deixou acabar de fazer, a desgraçada da mulher! Custava-lhe muito, merda?! Custava?! Fez de propósito, a velhaca! De propósito! (Calou-se e respirou.) Ai tadiiiinha deeeela! TADINHA... deeeeeeeela...! Arrancou rosas amarelas, gladíolos e gerberas às macheias, lançou-os sem respeito nenhum para a enegrecida 13

10 campa, impeliu-se para cima da pedra tumular e desatou aos saltos enraivecidos, os pés esmagando as flores a cada impacto, trucidando-as nas solas dos sapatos. Um homem, do outro lado do cemitério, aproximou-se do espectáculo de queixo caído e ar estupefacto. Tinha entradas no crânio e o cabelo era todo negro. Usava óculos de vidro fino e aros de metal. Vestia fato escuro e devia ter quarenta anos. Aproximou-se a princípio a passo vigoroso, mas diminuiu a velocidade à medida que alcançava o senhor Bentley, homem demente. É preciso ter cuidado com estes doidos à solta por aí... O senhor Bentley bem o via. Saltava cada vez mais alto, as costas curvadas com o exercício, no rosto um esgar de dar medo. Todavia o chapéu de coco permanecia firme na cabeça e só o chapéu-de-chuva balançava no seu braço direito. Eh... psst... eh eh lá? Atreveu-se o espectador. O senhor Bentley deteve-se num ápice. Retesou o corpo, aplainou as rugas da face e observou o infinito. De seguida desceu da campa, deu dois passos e rojou-se até ao homem atónito. Ai a minha vida! gritou em desespero, a agarrar-lhe os fundilhos do casaco escuro e a babá-lo de ranho e choro. A minha querida mulher! Perdi-a! Perdi-a! Parecia sincero. O homem teve um instante de dúvida. Senhor Bentley atracara-se a ele. O homem conseguiu desprender-lhe as garras da roupa e acercou-se da campa. Leu: Elvira Guimarães, filha adorada, Mulher?! É uma criança que morreu aos seis anos no século XIX! vociferou e dirigiu o olhar enojado primeiro para ele e depois para os estragos no fato. Você é doido! Doido! disse ao afastar-se e a limpar o ranho e a baba com o lencinho de bolso. O senhor Bentley encolheu os ombros e teve um sor- 14

11 riso satisfeito. Arranjou-se: desvincou a gabardina cinzenta, abotoada de cima abaixo, confirmou a firmeza do chapéu de coco e abriu o guarda-chuva. O dia apresentava-se sem nuvens e não chovia há semanas, porém o senhor Bentley nunca saía de casa sem ele. Começou a correr pelo cemitério em direcção à saída, derrubando vasos, velas, flores, retratos, o que for que estivesse na passagem, dando impulso ao chapéu aberto, para cima e para baixo, para cima e para baixo, allez-hop!, até atingir o portão gradeado e levantar voo. O senhor Bentley é do mais ordinário que há. A voar pela cidade, força o ranho para a entrada da garganta, mesmo ali a tocar no sininho, faz pontaria a algum incauto transeunte e escarra certeiramente no alvo escolhido. Três quatro cinco! Três, quatro, cinco! Semana proveitosa! Olha ali... um menino de bibe! Cinco anos, na certa! Ó! É o trezentos e quarenta e seis! imita a voz de sorteio da Santa Casa de Misericórdia de Lisboa três, quatro, seis. Trezentos e quareeeeeentaeseeeeeeeeiis! Acerta bem no nariz do fedelho. Semana proveitosa! Trezentos e quarenta e seis! Contactarei o Guinness. Senhor Bentley, mais comummente conhecido por Enraba-Passarinhos, ganhou a alcunha aos quatro anos. Possuía na época uma pilinha muito pequenininha. Tão pequenininha que um tio maldoso lhe dizia: isso nunca mais cresce. Só vai servir para enrabar passarinhos! A família escarneceu semanas a fio, meses inteiros, anos seguidos. Mesmo depois da tragédia, a alcunha continuava a produzir idênticas gargalhadas. Bentley, petiz de quatro anos, na noite da pública humilhação, esperou que a família adormecesse e saiu do quarto. Foi buscar a garrafa de álcool à casa- 15

12 de-banho e serviu-se do isqueiro do tio quando penetrou no quarto. Mesmo em pequenininho, o Enraba-Passarinhos via tão bem no escuro como os gatos e as corujas. Regou o bigode e o cabelo ao tio e alumiou-os com o isqueiro que repousava na mesinha de cabeceira ao lado dos cigarros e da dentadura. Foi uma festa!, recorda amiúde o senhor Bentley. Primeiro a cara dele alumiou-se e a chama movia-se erraticamente de um lado ao outro do quarto. O miúdo desviavase. Depois a chama plantou chamazinhas no quarto e saiu para a sala. O miúdo foi atrás. A bola de lume ponteava o topo do corpo do tio parecendo ao Enraba-Passarinhos uma bola de futebol, um sol minúsculo descido dos céus à terra, filho bastardo do sol lá de cima. Foi a primeira vez que visitou um cemitério. Aí, aos quatro anos de idade, contemplou pela primeira vez a impermanência da vida e da morte. Com o tempo veio a gostar da alcunha que o falecido tio lhe pusera. (Não raramente o senhor Bentley veste-se como René Magritte e finge-se belga.) O senhor Bentley voa com o guarda-chuva e do céu grita, sem respeito nenhum: Olha uma preta! Uma preeeeta! É uma preeeeeeeeta! Racista do cabrão. O senhor Bentley uma vez seduziu um cavalo (pocotó-pocotó). Enrabou-o pelo nariz, recorda lacrimoso. O cavalo pensou tratar-se de um mosquito a entrar-lhe narina adentro. Seduziu-o em seguida, após a cópula, com uma cenoura. (Pocotó-pocotó.) O Anglo-Árabe afastou-se, lânguido e mais à frente baixou a cabeça para a erva verde. O senhor Bentley apanhou um desgosto, nem o primeiro nem 16

13 o último, mas não deixava de ser um desgosto. O senhor Bentley tem nome de carro dispendioso, porém é personagem do mais ordinário que há. Animal, besta de primeira. Usa sempre chapéu-de-chuva, fato cinzento completo, colete, chapéu de coco e gabardina abotoada até ao último botão. Assemelha-se a cavalheiro inglês. A idade é indeterminada, mas é velho. Enraba o gato quando o apanha a dormir (purr-purr). O senhor Bentley é bom porque não bate às criancinhas em público. Ao ver a puta de uma criancinha adopta a figura de lírio do campo e dirige-se à criatura produzindo minúsculos saltos e risos de cigarra, os bracinhos adejando como asas de pássaros. Que querido! Tome um docinho diz à minguada criatura babante. E um conselho gratuito: às velhas que te babam e beijam, morde-as no pescoço! Remédio santo. Afasta-se a imitar um avião vrum-vrum -, voltejando e bem no fim da rua consegue gritar ainda: No pescoço, é no pescoço, criatura! O senhor Bentley arranca o rabo a lagartixas para oferecer a passarinhos como dote. É um santo homem, suspiram as beatas quando o descobrem de flores na mão (roubadas no cemitério, de campa recente porque são novas e frescas e cheiram bem, o doce aroma esconde a futura corrupção a existir nelas em semente) para oferecer às namoradas dos outros: meninas de firmes carnes, firmes mamas, firmes nalgas, firme tudo, menos os escrúpulos ou convicções porque não estamos em tempo de tê-los. O senhor Bentley gosta de coleccionar chapadões de gajas boas. Tem lá aquela mania, o que é que se há-de fazer. Não grama lésbicas (fufas do caralho! Fufas! A raça humana caminha para a extinção por causa das fufas!), mas punheta-se no delírio de as imaginar esfregando-se, sininho 17

14 rente a sininho, tlintlim, ai se eu fosse gaja! Ai se eu...! Le bordel!, diz-se em francês. (Por vezes sente ânsias de possuir bigode só para ter o prazer de o enrolar.) Era uma galdéria, putéfia! Dava-me ao primeiro que aparecesse e lançasse modesto piropo, declara, exsudando luxúria. É muito mau para os vagabundos. Destrata-os de todas as maneiras em que consiga pensar. Finge-se compadecido, passa a mão esquerda pela cara e depois desabotoa, cerimonial, dois botões da gabardina, insere a mão e ressurge com a carteira. Compõe largos, teatrais gestos a abri-la e retira uma nota de cinquenta euros ou, em ocasiões raras, cem euros. A nota brilha. Vem sem vínculos nem rasgões. O senhor Bentley mira-a, o rosto de súbito limpo, e torna a metê-la na carteira e a guardá-la no bolso do colete, seguindo em frente, sem olhar para o desalojado. Este atribuiu-lhe epítetos cuspidos entredentes: caaaa-brão. Saaaaaa-cana. Sefossesmaséàconadatuamãe. Ao chegar à porta de casa descai as costas, usa o chapéu como bengala, convence o lábio inferior a pender e o rosto a cavar profundas linhas na pele. Babando, na aparência um idoso de oitenta anos, recolhe-se ao lar onde a mulher decrépita e paciente o espera com o lanche. É muito bom ser bonzinho diz-se o senhor Bentley caminhando pela rua da cidade. É bom ser santo em vida, ajudar os pobrezinhos, praticar a caridadezinha porque assim morre-se e vai-se para o céu conversar com os anjinhos, ter diálogos iluminados com Deus, jogar gamão e 18

15 strip-poker com os Santos e os Apóstolos, mandar caroços de pêssego à tola dos pecadores que malharam com os cornos no inferno. Suspira, enche os pulmões de oxigénio e finaliza: É bom ser bonzinho. 19

16 A Puta da Velha Acorda e exclama, feliz: Hoje sonhei que bebia por um copo de vidro brilhante vinho tinto. Que bem me soube! A sua periclitante e surda esposa desce em passos miudinhos e periclitantes do leito conjugal para lhe ir preparar o pequeno-almoço. De súbito ele dá-se conta da presença da bem amada e de imediato assume a máscara octogenária: as profundas rugas florescem ao longo do rosto, produzindo bifurcações entre si; a pele amarelece e tem o aspecto do papel velho. Ele sentia intensa consideração pela mulher a quem amorosamente no íntimo chamava a puta da velha. Estimava a Puta da Velha como se fora um botãozinho de rosa mumificado pelo tempo. Ó! O meu botãozinho de rosa! Múmia da minha vida! A senhora Bentley era um mistério para ele. Velha, surda e de vista toldada, quase opaca, movia-se em pas- 20

17 sos lentos e precavidos através da casa, pouco saía, parecia conhecer o caminho e o sítio das coisas de cor; não falava tão-pouco. A ausência de palavras aumentava o mistério e recrudescia no seio do cônjuge aquele amor patético, absurdo. Outro motivo que o prendia a ela era a absoluta liberdade a que tinha acesso e que raras vezes na existência tivera o privilégio de experimentar. Podia dizer palavrões a torto e a direito; praguejar como um demónio; gritar que nem um danado que não obtinha nem o esboço da mais leve censura. Ó, paraíso... A liberdade é o valor mais alto exclamava, satisfeito, após finalizar o opíparo pequeno-almoço (doces de morango, pêssego e marmelada à escolha; manteiga verdadeira; pão quente acabadinho de sair do forno a lenha; bife grelhado e salada de alface com azeite, nada de vinagre, arrebenta o fígado; leitinho saído das tetas de alguma desconhecida vaca rural; café quase a sério, não pode ter do outro, faz-lhe mal; maçãs, pêras maduras; ameixas vermelhas e uvas) pega no chapéu-de-chuva (come sempre de chapéu de coco à mesa, o raio do homem é parvo) e sai de casa. Cá fora vê o vizinho de décadas, uma ratazana gorda a limpar os bigodes, e cumprimenta-o: Bom-dia vizinho toca com o dedo indicador e polegar esquerdos na borda do chapéu sem o retirar. O rato guincha em resposta. Afinal como foi que o senhor Bentley se apaixonou? O fenómeno exacto não é de conhecimento público, mas as consequências sim. O senhor Bentley recebeu a seta do cupido e passou a fazer coisas extraordinárias: lavava-se todos os dias; apresentava ar miserável e olheiras longuís- 21

18 simas; exalava suspiros audíveis a vários quilómetros à volta; trazia flores (compradas em floristas); tornou-se tímido, corando em todo o rosto (até atrás das orelhas); gaguejava de modo hilariante; tinha fantasias estapafúrdias de a pôr no altar branco com rendinhas brancas e orar-lhe. Nada das badalhoquices do costume, romanticamente abdicava do chuveiro dourado. Ainda hoje, anos passados sobre o casamento, persistia a fantasia de lhe orar. Enamorara-se do amor platónico e com ele viera o precioso dom da liberdade. Eis a explicação do fenómeno. O que farei hoje? demandou-se, dedo mindinho a bater no lábio inferior. Já sei! Transformo-me em mosca! Vou ao bairro das putas! Muito o cabrãozinho gostava das excursões ao bairro vermelho. O senhor Bentley possuía certas capacidades consideradas miraculosas, mas que para ele não passam de truques de feira, reles artifícios de magia. Não raro o senhor Bentley ia assistir a espectáculos mágicos só para irromper aos gritos raivosos a meio da apresentação de fabulosas mágicas, ameaçando os prestidigitadores com tenebrosos castigos, a vociferar. A verdade estava acima de tudo e não era correcto distorcê-la, fazer-se crer a verdade dependente de um ponto de vista ou de um truque de ilusionismo cujo cínico intuito era fazer as pessoas magicarem ser possível não existir porra de verdade nenhuma no mundo. O senhor Bentley era da opinião irreversível (e para si fundamentada em factos incontornáveis) que todos os mágicos deviam ser mortos (à paulada), chacinados em conjunto, de preferência num grande espectáculo televisivo que ao menos beneficiasse outras pessoas e servisse de aviso futuro para os que pensassem enveredar pelo caminho maligno porque Menti- 22

19 roso!, porque Absolutamente Mentiroso! da magia. Após ser expulso do teatro ou da sala de espectáculos ou do recinto feito para a ocasião à estalada e ao murro, levado para o exterior aos arrastos por três ou quatro seguranças, agarrando as abas do chapéu de coco -, o senhor Bentley dava-se por satisfeito e contava as nódoas negras e amassos na epiderme. Quarenta e dois. Aumentaram! E tinha um ar desolado. Se realmente lhe começassem a dar ouvidos as feridas seriam em menor número. O senhor Bentley encolhia os ombros, abria o chapéu-de-chuva e voava para casa. Afastou as recordações e elevou-se para o céu. Rodopiou a extraordinária velocidade. Em segundos transformara-se em mosca, o chapéu de coco, liliputiano, na cabeça. É bem safado. Ou pelo menos, os actos têm a aparência da safadeza. Ele acredita que não se pode julgar ninguém pelos actos. Não lhe importa que matem e esfolem gente a torto e a direito; ou defraudem a empresa; ou ponham os cornos à mulher os actos não atestam a verdadeira natureza de quem os praticou. 23

20 Lá vou eu, bzz-bzz, voando no céu etéreo, chapéu de coco na tola. Tenho mil olhos. Ó, a visão das coisas é medonha! No bairro vermelho (ou bairro das putas), situado no centro da cidade (todos os caminhos vão dar às putas) há diversão garantida. Ziguezaga pelo centro do bairro, uma longa espiral que vista de cima tem a cor azul-cobalto (a cor dos telhados), mas no chão apresenta-se vermelha, cor dominante nas paredes e caminhos. É como se o propósito da cor e da forma fosse o de enevoar o espírito dos homens, embriagá-los, baralhar o equilíbrio, envolvê-los num véu opaco. O senhor Bentley aprecia o mistério do mundo, mistério presente nas pessoas. Gosta de ver o ar atrapalhado dos outros quando presos na imprevista armadilha do mistério, não obstante seja mistério procurado, como é o caso do bairro vermelho. A atmosfera carrega os perfumes fortíssimos, contribuintes para o ar aparvalhado dos homens na busca do 24

21 prazer momentâneo. São odores que picam o interior das narinas; o cheiro do suor da pele; o odor do hálito de mil bocas cariadas e mal limpas, com resquícios de comida a apodrecer entre os dentes; o aroma do sujo que se disfarça no odor do perfume forte. Escolheu uma das casas, entrou pela janela, percorreu corredores enrolados cujas cores predominantes eram o púrpura e o ameixa, e escolheu a ranhura inferior de uma porta fechada para penetrar num dos quartos. Viu um homem nu estendido sobre a cama de casal. Era gordo e alto, tinha bigode negro e pêlos escuros espalhados no corpo, mais intensamente no peito e barriga. Aos pés da cama estava uma mulher de baixa estatura, magra, a pele pálida, os cabelos castanhos-claros um pouco encaracolados, em parte atados num rabo-de-cavalo para retirálos da cara. Curvava-se na direcção da barriga do cliente e procedia a rigoroso trabalho de sucção. O senhor Bentley observou da parede, em silêncio cerimonial, durante dez minutos. E nada. Durante horas os dois tentam as posições mais estrambólicas (incluindo a de candelabro italiano), mas ele é incapaz de atingir o orgasmo. Desiste enfim e a mulher sai do quarto, cansadíssima, depois de pegar num leve roupão de seda. O homem adormece na cama. Na face marcados ainda os sinais da incompreensão, espanto e a semente do pânico que ameaça irromper se o caso se repetir. Homem que fode e não se vem não pode ser! Não é natural! Ora bem, pensou o senhor Bentley com o seu chapéu de coco (não raramen- 25

22 te o interlocutor privilegiado dos seus monólogos brilhantes, e melhor não podia havê-lo, por isso tão renitentemente se separava dele à noite, quando juntava os pés frios aos pés mornos, calejados e deformados da esposa a quem acabara de oferecer uma prece), aqui jaz um homem desconsolado, não se veio. A ausência do orgasmo dará azo a angustiantes questões do género: serei homem? Estes centímetros de carne que de vez em quando incham de sangue dão-me a certeza de pertencer ao género masculino? Mas não basta tê-lo, devo servir-me do instrumento que me confere a masculinidade. E se ao servir-me ele não funcionar, ter defeito, estar avariado? E se não tiver arranjo? Serei homem? Um carro continua a ser carro se não funciona? Se não funciona vendem-no por tuta-e-meia para o ferro-velho e lá lentamente o extirpam de portas, peças, acessórios, até se transformar no esqueleto de um carro. Depois esmagamno e levam o quadradinho minúsculo do que já foi um objecto em uso para alguma fábrica onde o reduzem a metal líquido. Sem alma nem identidade. Perco a identidade se, fodendo, não me venho? Não me vindo sou homem à mesma? As mulheres não têm este problema. Elas não deixam de ser quem são porque uma peça vital do organismo foi à vida. Agora nós! Connosco a história é outra! Para as fêmeas nada mais fácil do que ser fêmea. Se soubessem a sorte... quem me dera... Antes que terminasse o pensamento que nascia no interior do sonho confuso, o senhor Bentley-Mosca viu ali diversão e rodopiou até à testa do fulano nu adormecido na cama de dossel, o suor do corpo já seco. Passou através da testa a acomodou-se numa dobra da sua mente, não mosca, mas antes o holograma do insecto, e teve a genial ideia de fazer crer ao homem que de facto acordara e se transformara em fêmea. 26

23 Uma adolescente de dezassete anos, com o corpo já quase adulto. Quis saber como o homem no sonho se comportaria. Surpreendido notou a ausência de pânico. Sou o António, dizia-se o homem, enquanto tocava incrédulo no rosto, nas mamas, no estômago e nas coxas. Não sou...? De facto és!, gritou o senhor Bentley na sua voz bzzbzz (o António não ouviu). Num corpo de gaja! Reflecte no koan: sou um homem a sonhar que é mulher ou uma mulher a sonhar que é homem transformado em mulher? António captou o pensamento e julgou-o seu. No sonho permaneceu parado alguns momentos frente ao espelho, nu ainda (nua), a cabeça inclinada, os olhos fixos no chão, as sobrancelhas juntas, a mão direita passando levemente o dedo no rosto liso. À porta apareceu um homenzinho mirrado e cinzento, de aparência estranha e alienígena, cujos olhos eram maiores que o tamanho normal, parecendo esbugalhados e de lábios muito finos. O seu nariz desaparecia entre duas delgadas pregas cortadas verticalmente no rosto e por onde o ar entrava. Tinha o cabelo ralo e rugas por toda a pele. Sem dizer palavra o António/Antónia percebeu que tinha de o seguir. Antes de sair do quarto percebeu-se nu/nua. O homenzinho cinzento e magro, de estatura inferior à da rapariga tremelicante à sua frente, foi ao guarda-vestidos e tirou um roupão vermelho de seda, estampado com amarilis nas costas e na parte inferior e entregou-lho. Ele/ela foi apertando-se ao longo do sinuoso corredor, seguindo o homem, sem pista do que se passaria. Mantinha com embaraço (embaraço que o desnorteava. Não era o seu embaraço, mas o dela), a cabeça inclinada para o solo. Reparou na cor carmim das unhas. Estreitou as sobrancelhas. Levou de novo as mãos à face 27

24 como que a lembrar-se das feições. Entra e espera disse o homenzinho numa voz frágil e sem autoridade. Afinal o tipo teria alguma autoridade? Pensou que não. Depois pensou que certamente era isso o que ele queria que as mulheres pensassem. Entrou no quarto e reparou que era quase idêntico ao que deixara minutos atrás. Em cima da cama de dossel estava uma criança de dez ou onze anos, uma menina negra de grandes olhos negros brilhantes e cara bolachuda. O cabelo estava cortado rente. Tinha os cantos dos lábios grossos virados para baixo. António-mulher pensou que, se fosse homem no momento, a comeria. A menina negra vestia uma camisola branca de alças, deixando ver os seios do tamanho de nozes. Mantinha as pernas cruzadas em cima da cama. As coxas eram altas e grossas, semelhantes às de um adulto. Sim, tinham sido essas coxas que a puseram no bairro vermelho. Olá? Como te chamas? perguntou António-mulher e estremeceu na doçura da voz. Kunzi disse, levantando os olhos das mãos que repousavam no centro das pernas cruzadas e tornando a descê-los. António-mulher ia perguntar o que estava ali a fazer, mas envergonhou-se. A pergunta era estúpida, irrelevante. Fazia o mesmo que todas as mulheres do bairro. Gelou. Todas. Todas! Incluindo ela, que não era mulher! Pulou da cama onde se sentara, o movimento bruto e seco, a mão direita engalfinhando ambos os lados do roupão, puxando-os para a garganta. 28

25 Ah! Pensou o senhor Bentley contentíssimo. Isto está a animar! Só faltam as pipocas, caralho! Um filme destes não se vê sem pipocas, foda-se! Num filme deste género as pipocas são obrigatórias! Obrigatórias, reitero! Um dia quando for deputado no parlamento português faço uma lei a obrigar o uso de pipocas no visionamento de filmes adultos! António-mulher girava a cabeça muito depressa, observando cada canto do quarto. Antes que qualquer ideia se formasse na mente ouviu a porta abrir-se. Saltou para trás com o susto. Kunzi nem ergueu o olhar. Kunzi não se assustou. Manteve a mesma postura, nem leve estremecimento lhe perpassou nos ombros, nem leve vinco lhe alterou a posição dos lábios, puxados para baixo. Entraram dois homens. Um dele era ele próprio: António-homem. Reconheceu o bigode. E lembrou-se. Ele já vivera isto! Duas semanas atrás! Há quinze dias convidara um colega do trabalho para o bairro das putas. Era presente de aniversário e António pagava. Recordou com horror o que se passara. Tentou fugir para a porta. Caiu nos braços dele, António-homem de há duas semanas atrás. Braços fortes, musculados. Eh lá, a menina não vai a lado nenhum. Pegou nela, elevou-a do solo a vinte centímetros e lançou-a para cima da cama onde o roupão se abriu. Agora estava em pânico. Lembrava com nitidez o que se seguira. Não era capaz de falar, a boca aberta tentando expulsar para fora da garganta o grito inutilmente; os olhos esbugalhados, as mãos frente ao corpo, abertas, recusando a proximidade de António-homem. Mas ele veio em dois passos rápidos, as calças tiradas num ápice e jogando-se irritado (recorda pensá-lo) para cima da puta, julga que é esperta, não me venha com merdas, eu já paguei. 29

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu 5 L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu subir monte, pés d Eu molhados em erva fria. Não haver erva em cima em monte. Só haver terra, em volta, monte como cabeça de homem sem cabelo.

Leia mais

Anexo II - Guião (Versão 1)

Anexo II - Guião (Versão 1) Anexo II - Guião (Versão 1) ( ) nº do item na matriz Treino História do Coelho (i) [Imagem 1] Era uma vez um coelhinho que estava a passear no bosque com o pai coelho. Entretanto, o coelhinho começou a

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

O Tomás, que não acreditava no Pai Natal

O Tomás, que não acreditava no Pai Natal O Tomás, que não acreditava no Pai Natal Era uma vez um menino que não acreditava no Pai Natal e fazia troça de todos os outros meninos da escola, e dos irmãos e dos primos, e de qualquer pessoa que dissesse

Leia mais

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história.

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Nem um sopro de vento. E já ali, imóvel frente à cidade de portas e janelas abertas, entre a noite vermelha do poente e a penumbra do jardim,

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

MARK CARVALHO. Capítulo 1

MARK CARVALHO. Capítulo 1 MARK CARVALHO Capítulo 1 Mark era um menino com altura média, pele clara, pequenos olhos verdes, cabelos com a cor de avelãs. Um dia estava em casa vendo televisão, até que ouviu: Filho, venha aqui na

Leia mais

Apoio: Patrocínio: Realização:

Apoio: Patrocínio: Realização: 1 Apoio: Patrocínio: Realização: 2 O ANJO Hans Christian Andersen 3 Contos de Hans Christian Andersen Hans Christian Andersen nasceu em Odensae, em 2 de abril de 1805, e faleceu em Conpenhague em 1875.

Leia mais

PORQUE É QUE NÃO DANÇAM?

PORQUE É QUE NÃO DANÇAM? PORQUE É QUE NÃO DANÇAM? Na cozinha, ele serviu se de mais uma bebida e olhou para a mobília de quarto de cama que estava no pátio da frente. O colchão estava a descoberto e os lençóis às riscas estavam

Leia mais

Dar de comer a quem tem fome 1º E 2º CICLOS. 3ª feira, dia 26 de abril de 2016 INTRODUÇÃO

Dar de comer a quem tem fome 1º E 2º CICLOS. 3ª feira, dia 26 de abril de 2016 INTRODUÇÃO 3ª feira, dia 26 de abril de 2016 Dar de comer a quem tem fome 1º E 2º CICLOS Bom dia a todos. Preparados para mais um dia de aulas?! Muito bem! Hoje vamos falar como é importante dar comida a quem não

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

Rosie. DE ACADEMIA A Charlie olhou para o letreiro e sorriu.

Rosie. DE ACADEMIA A Charlie olhou para o letreiro e sorriu. Rosie DANÇA DE ACADEMIA A Charlie olhou para o letreiro e sorriu. Estava finalmente numa verdadeira escola de dança. Acabaram as aulas de dança no gelado salão paroquial. Acabaram as banais aulas de ballet

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A O LIVRO SOLIDÁRIO Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A 1 Era uma vez um rapaz que se chamava Mau-Duar, que vivia com os pais numa aldeia isolada no Distrito de Viqueque, que fica

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor capítulo um Belo reparo Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas preciosas com ouro. O resultado é uma peça que nitidamente foi quebrada,

Leia mais

Laranja-fogo. Cor-de-céu

Laranja-fogo. Cor-de-céu Laranja-fogo. Cor-de-céu Talita Baldin Eu. Você. Não. Quero. Ter. Nome. Voz. Quero ter voz. Não. Não quero ter voz. Correram pela escada. Correram pelo corredor. Espiando na porta. Olho de vidro para quem

Leia mais

Este testemunho é muito importante para os Jovens.

Este testemunho é muito importante para os Jovens. Este testemunho é muito importante para os Jovens. Eu sempre digo que me converti na 1ª viagem missionária que fiz, porque eu tinha 14 anos e fui com os meus pais. E nós não tínhamos opção, como é o pai

Leia mais

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe?

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Trecho do romance Caleidoscópio Capítulo cinco. 05 de novembro de 2012. - Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Caçulinha olha para mim e precisa fazer muita força para isso,

Leia mais

SEGREDO NO CAIR DA TARDE

SEGREDO NO CAIR DA TARDE SEGREDO NO CAIR DA TARDE Ele chegou a galope, num alazão que eu não conhecia. Depois o alazão ergueu-se em duas patas e desapareceu e meu irmão também desapareceu. Fazia tempo que eu o chamava e ele não

Leia mais

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER Atividades Lição 5 NOME: N º : CLASSE: ESCOLA É LUGAR DE APRENDER 1. CANTE A MÚSICA, IDENTIFICANDO AS PALAVRAS. A PALAVRA PIRULITO APARECE DUAS VEZES. ONDE ESTÃO? PINTE-AS.. PIRULITO QUE BATE BATE PIRULITO

Leia mais

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa.

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa. A Criada Russa Sandra Pinheiro Interior. Noite. Uma sala de uma casa de família elegantemente decorada. Um sofá ao centro, virado para a boca de cena. Por detrás do sofá umas escadas que conduzem ao andar

Leia mais

As 12 Vitimas do Medo.

As 12 Vitimas do Medo. As 12 Vitimas do Medo. Em 1980 no interior de São Paulo, em um pequeno sítio nasceu Willyan de Sousa Filho. Filho único de Dionizia de Sousa Millito e Willian de Sousa. Sempre rodeado de toda atenção por

Leia mais

E ra bonita a tartaruguinha. Forte, pernas roliças, tinha

E ra bonita a tartaruguinha. Forte, pernas roliças, tinha E ra bonita a tartaruguinha. Forte, pernas roliças, tinha um verde que saía da metade do casco e se espalhava manso até a beirada. Viviam dizendo que ela era lerda, preguiçosa até. É preciso reconhecer

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

início contos e poemas que não deveriam ser esquecidos na gaveta Mariana Pimenta

início contos e poemas que não deveriam ser esquecidos na gaveta Mariana Pimenta início contos e poemas que não deveriam ser esquecidos na gaveta Mariana Pimenta Início contos e poemas que não deveriam ser esquecidos na gaveta Mariana Pimenta Lagoa Santa, 2015 Mariana Pimenta 2015

Leia mais

Era um peixe tão feio que nem parecia um peixe. Uma pedra

Era um peixe tão feio que nem parecia um peixe. Uma pedra Era um peixe tão feio que nem parecia um peixe. Uma pedra feita de carne fria musgosa e invasiva, salpicada de verde e branco. A princípio não o vi, mas depois encostei a cara ao vidro e tentei ficar mais

Leia mais

Solidão PROCURA-SE MULHER PROCURA-SE MULHER

Solidão PROCURA-SE MULHER PROCURA-SE MULHER Edna estava caminhando pela rua com sua sacola de compras quando passou pelo carro. Havia um cartaz na janela lateral: Ela parou. Havia um grande pedaço de papelão grudado na janela com alguma substância.

Leia mais

Passa Passarinho. Passarinho! Não passe voando... Abraça-me! Em cores Sua graça Que a vida passa Como rumores De breves asas.

Passa Passarinho. Passarinho! Não passe voando... Abraça-me! Em cores Sua graça Que a vida passa Como rumores De breves asas. Passa Passarinho Passarinho! Não passe voando... Abraça-me! Em cores Sua graça Que a vida passa Como rumores De breves asas Rumores de asas Não passa Passarinho Pelo meu mundo sozinho Deixa tuas asas Formarem

Leia mais

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora Maria e José Esta é a história de Jesus e de seu irmão Cristo, de como nasceram, de como viveram e de como um deles morreu. A morte do outro não entra na história. Como é de conhecimento geral, sua mãe

Leia mais

O Pedido. Escrito e dirigido por João Nunes

O Pedido. Escrito e dirigido por João Nunes O Pedido Escrito e dirigido por João Nunes O Pedido FADE IN: INT. CASA DE BANHO - DIA Um homem fala para a câmara. É, 28 anos, magro e mortiço. Queres casar comigo? Não fica satisfeito com o resultado.

Leia mais

CLÁSSICOS PARA CRIANÇAS. Alice no País. das Maravilhas

CLÁSSICOS PARA CRIANÇAS. Alice no País. das Maravilhas CLÁSSICOS PARA CRIANÇAS Alice no País das Maravilhas Índice Capítulo Um Pela Toca do Coelho Abaixo 7 Capítulo Dois A Chave de Ouro 13 Capítulo Três O Mar de Lágrimas 19 Capítulo Quatro A História do Rato

Leia mais

E sua sede começa a crescer Em angústia e desespero Enquanto os ruídos da cachoeira Da grande cachoeira das eras O convoca para mergulhar Mergulhar

E sua sede começa a crescer Em angústia e desespero Enquanto os ruídos da cachoeira Da grande cachoeira das eras O convoca para mergulhar Mergulhar Uma Estória Pois esta estória Trata de vida e morte Amor e riso E de qualquer sorte de temas Que cruzem o aval do misterioso desconhecido Qual somos nós, eu e tu Seres humanos Então tomemos acento No dorso

Leia mais

O Menino do futuro. Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história

O Menino do futuro. Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história O Menino do futuro Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história Tudo começa em uma cidade pequena do interior de Goiás, com o nome de Uruana. Havia um garoto chamado Dhiogo San Diego, um pequeno

Leia mais

ANTES DE OUVIR A VERDADE. Plano fechado em uma mão masculina segurando um revólver.

ANTES DE OUVIR A VERDADE. Plano fechado em uma mão masculina segurando um revólver. ANTES DE OUVIR A VERDADE FADE IN: CENA 01 - INT. SALA DE ESTAR NOITE Plano fechado em uma mão masculina segurando um revólver. Plano aberto revelando o revólver nas mãos de, um homem de 35 anos, pele clara

Leia mais

Domingo. Acorda, seu dorminhoco, está na hora de levantar! De manhã? Meus pais esqueceram que os zumbis pegam fogo com a luz do sol?

Domingo. Acorda, seu dorminhoco, está na hora de levantar! De manhã? Meus pais esqueceram que os zumbis pegam fogo com a luz do sol? Domingo Cocoricóóó! Acorda, seu dorminhoco, está na hora de levantar! Urrggghhoquefoi? Eu disse que já é de manhã e está na hora de você sair da cama. De manhã? Meus pais esqueceram que os zumbis pegam

Leia mais

Assim nasce uma empresa.

Assim nasce uma empresa. Assim nasce uma empresa. Uma história para você que tem, ou pensa em, um dia, ter seu próprio negócio. 1 "Non nobis, Domine, non nobis, sed nomini Tuo da gloriam" (Sl 115,1) 2 Sem o ar Torna-te aquilo

Leia mais

O porco é fisicamente incapaz de olhar o céu. ( 7 )

O porco é fisicamente incapaz de olhar o céu. ( 7 ) O porco é fisicamente incapaz de olhar o céu. Isso o Ricardo me disse quando a gente estava voltando do enterro do tio Ivan no carro da mãe, que dirigia de óculos escuros apesar de não fazer sol. Eu tinha

Leia mais

ÁREA DA AUTONOMIA. Objectivos

ÁREA DA AUTONOMIA. Objectivos ÁREA DA AUTONOMIA Ser autónomo ao nível da alimentação Preparar o seu lanche: barrar fatias de pão Descascar fruto: banana Esmagar a banana Comer o iogurte sem apoio ACTIVIDADE 1: Quais são os frutos iguais?

Leia mais

Apoio: Patrocínio: Realização:

Apoio: Patrocínio: Realização: 1 Apoio: Patrocínio: Realização: 2 O MENINO MAU Hans Christian Andersen 3 Contos de Hans Christian Andersen Hans Christian Andersen nasceu em Odensae, em 2 de abril de 1805, e faleceu em Conpenhague em

Leia mais

O GIGANTE EGOÍSTA. Autor: Oscar Wilde Nacionalidade: Irlandesa

O GIGANTE EGOÍSTA. Autor: Oscar Wilde Nacionalidade: Irlandesa O GIGANTE EGOÍSTA Autor: Oscar Wilde Nacionalidade: Irlandesa Todas as tardes, quando vinham da escola, as crianças costumavam ir brincar para o jardim do Gigante. Era um grande e belo jardim, todo atapetado

Leia mais

Alta Performance Como ser um profissional ou ter negócios de alta performance

Alta Performance Como ser um profissional ou ter negócios de alta performance Sobre o autor: Meu nome é Rodrigo Marroni. Sou apaixonado por empreendedorismo e vivo desta forma há quase 5 anos. Há mais de 9 anos já possuía negócios paralelos ao meu trabalho e há um pouco mais de

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

CHAVE DE ANTEROS. Adriano Henrique Cândido. Segundo Tratamento

CHAVE DE ANTEROS. Adriano Henrique Cândido. Segundo Tratamento CHAVE DE ANTEROS de Adriano Henrique Cândido Segundo Tratamento Copyright 2013 by Adriano Henrique Cândido. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. CENA 01 - INT. IGREJA - NOITE FADE IN., 20 e poucos anos, entra

Leia mais

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido.

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Assim que ela entrou, eu era qual um menino, tão alegre. bilhete, eu não estaria aqui. Demorei a vida toda para encontrá-lo. Se não fosse o

Leia mais

Divergencias. Revista de estudios lingüísticos y literarios. Volumen 4 Número 1, Primavera 2006.

Divergencias. Revista de estudios lingüísticos y literarios. Volumen 4 Número 1, Primavera 2006. Almas secas Aquele verão não choveu. Isto era quase normal. Era o deserto. Desta vez o céu não deixou que nehuma gota caísse na terra. O ar evaporava a água antes de tocar no chão. As pessoas não tinham

Leia mais

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA DESENGANO FADE IN: CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA Celular modelo jovial e colorido, escovas, batons e objetos para prender os cabelos sobre móvel de madeira. A GAROTA tem 19 anos, magra, não

Leia mais

Cartilha das Brincadeiras

Cartilha das Brincadeiras Cartilha das Brincadeiras Amarelinha (academia, escada, macaca, sapata) Primeiro desenhe no chão um diagrama como este aí ao lado. Quem for jogar fica no inferno e lança uma pedra, mirando no número 1.

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano O Menino do Futuro Dhiogo José Caetano 1 Início da história Tudo começa em uma cidade pequena do interior de Goiás, com o nome de Uruana. Havia um garoto chamado Dhiogo San Diego, um pequeno inventor que

Leia mais

O meu paizinho de nada

O meu paizinho de nada O meu paizinho de nada Durante muito tempo, acreditei que não tinha pai. Era o que os outros diziam: Tu nem sequer tens pai. Não valia a pena dizerem-mo, eu bem via que não. Não tinha pai para me encher

Leia mais

Dia 14. Quando Deus PARECE DISTANTE

Dia 14. Quando Deus PARECE DISTANTE Dia 14 Quando Deus PARECE DISTANTE Ele se escondeu do seu povo, mas eu confio nele e nele ponho a minha esperança. Isaías 8.17; NTLH Deus é real, a despeito de como você se sinta. É fácil adorar a Deus

Leia mais

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA LENDA DA COBRA GRANDE Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA CRUZEIRO DO SUL, ACRE, 30 DE ABRIL DE 2012. OUTLINE Cena 1 Externa;

Leia mais

Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 42 ISSN - 2317-1871 VOL 02 2º Edição Especial JUL DEZ 2013 PAULO HENRIQUE PRESSOTTO

Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 42 ISSN - 2317-1871 VOL 02 2º Edição Especial JUL DEZ 2013 PAULO HENRIQUE PRESSOTTO Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 42 PAULO HENRIQUE PRESSOTTO Labirinto de vidro 2013 Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 43 Início e fim? Um silêncio denso

Leia mais

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead)

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) A Última Carta Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) E la foi a melhor coisa que já me aconteceu, não quero sentir falta disso. Desse momento. Dela. Ela é a única que

Leia mais

PACIENTE DO OUTRO MUNDO

PACIENTE DO OUTRO MUNDO PACIENTE DO OUTRO MUNDO Os dois médicos conversavam e um queria ser mais importante que o outro. Diz o primeiro: O colega há de ouvir que eu sou realmente um grande cirurgião. Só pra você ter uma idéia,

Leia mais

STEREOTYPE Homem_Conhecia.p65 7 5/6/2006, 16:50

STEREOTYPE Homem_Conhecia.p65 7 5/6/2006, 16:50 STEREOTYPE Homem_Conhecia.p65 7 Homem_Conhecia.p65 8 SIM Atriz. Encostou seu Uno Mille e pediu para o namorado esperar com o motor ligado. Ia só trocar de roupa. 20h25. Daria tempo. Descer a rua Cardeal

Leia mais

Um havia um menino diferente dos outros meninos: tinha o olho direito preto, o esquerdo azul e a cabeça pelada. Os vizinhos mangavam dele e gritavam: Ó pelado! Tanto gritaram que ele se acostumou, achou

Leia mais

TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA. (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico)

TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA. (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico) TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico) Januária setembro/2011 CENÁRIO: Livre, aberto, porém, deve se haver por opção uma cadeira, uma toalha e uma escova

Leia mais

POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN

POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN "Pr. Williams Costa Jr.- Pastor Bullón, por que uma pessoa precisa se batizar? Pr. Alejandro Bullón - O Evangelho de São Marcos 16:16 diz assim: "Quem crer e for batizado,

Leia mais

Estava na sua casa do Pólo Norte e seguia pela televisão a cerimónia do desembrulhar das prendas em todas as casas do mundo.

Estava na sua casa do Pólo Norte e seguia pela televisão a cerimónia do desembrulhar das prendas em todas as casas do mundo. Por momentos, o Pai Natal só conseguia ver papéis de embrulho amarfanhados e laços coloridos que muitos pés, grandes e pequenos, de botifarras, sapatos de tacão, de atacadores e de pala, de pantufas e

Leia mais

A Caridade. A caridade é dócil, é benévola, Nunca foi invejosa, Nunca procede temerariamente, Nunca se ensoberbece!

A Caridade. A caridade é dócil, é benévola, Nunca foi invejosa, Nunca procede temerariamente, Nunca se ensoberbece! A Caridade Eu podia falar todas as línguas Dos homens e dos anjos; Logo que não tivesse caridade, Já não passava de um metal que tine, De um sino vão que soa. Podia ter o dom da profecia, Saber o mais

Leia mais

POEMAS DE JOVITA NÓBREGA

POEMAS DE JOVITA NÓBREGA POEMAS DE JOVITA NÓBREGA Aos meus queridos amigos de Maconge Eu vim de longe arrancada ao chão Das minhas horas de menina feliz Fizeram-me estraçalhar a raiz Da prima gota de sangue Em minha mão. Nos dedos

Leia mais

David pensou que o pai, às vezes, dizia coisas raras, estranhas. A mãe suspirou fundo ao enfiar de novo a agulha.

David pensou que o pai, às vezes, dizia coisas raras, estranhas. A mãe suspirou fundo ao enfiar de novo a agulha. ESTRELAS DE NATAL David acordou. O pai tinha aberto a janela e estava a olhar para as estrelas. Suspirava. David aproximou-se. Ouviu novo suspiro. O que tens, pai? perguntou. O pai pôs-lhe as mãos nos

Leia mais

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas).

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Titulo - VENENO Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Corta para dentro de um apartamento (O apartamento é bem mobiliado. Estofados

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

O GALO QUE NUNCA MAIS CANTOU

O GALO QUE NUNCA MAIS CANTOU ANA SALDANHA O GALO QUE NUNCA MAIS CANTOU - E OUTRAS HISTORIAS Índice O galo que nunca mais cantou... 11 A formiga diligente e o salazar... 17 A vindima da Dona Raposa... 23 Contrato de arrendamento...

Leia mais

MULHER SOLTEIRA. Marcos O BILAU

MULHER SOLTEIRA. Marcos O BILAU MULHER SOLTEIRA REFRÃO: Ei, quem tá aí Se tem mulher solteira dá um grito que eu quero ouvir Ei, quem tá aí Se tem mulher solteira dá um grito que eu quero ouvir (Essa música foi feita só prás mulheres

Leia mais

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F.

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F. FRUTO PROIBIDO FRUTO PROIBIDO 1 Cego, surdo e mudo (porque não?) 2 Mundo inteiro 3 Acordo a tempo 4 Contradição 5 A água não mata a fome 6 Quem és é quanto basta 7 Nascer de novo (és capaz de me encontrar)

Leia mais

NA PIOR. L652-01(GALERA) CS5.indd 9 19/1/2012 18:09:12

NA PIOR. L652-01(GALERA) CS5.indd 9 19/1/2012 18:09:12 NA PIOR Moggle? sussurrou Aya. Você está acordada? Algo se moveu na escuridão. Uma pilha de uniformes de dormitório se mexeu como se houvesse um pequeno animal embaixo. Então uma silhueta saiu das dobras

Leia mais

A ovelhinha que veio para o jantar

A ovelhinha que veio para o jantar A ovelhinha que veio para o jantar Oh não! OUTRA VEZ sopa de legumes! queixou-se o lobo, que já era velhinho. Quem me dera ter uma ovelhinha aqui à mesa. Fazia já um belo ensopado de borrego! Eis senão

Leia mais

14º Dia 12 de Março QUANDO DEUS PARECE DISTANTE. Ele se escondeu do seu povo, mas eu confio nele e nele ponho a minha esperança. Isaías 8.

14º Dia 12 de Março QUANDO DEUS PARECE DISTANTE. Ele se escondeu do seu povo, mas eu confio nele e nele ponho a minha esperança. Isaías 8. 14º Dia 12 de Março QUANDO DEUS PARECE DISTANTE Ele se escondeu do seu povo, mas eu confio nele e nele ponho a minha esperança. Isaías 8.17 Deus é real, a despeito de como você se sinta. É fácil adorar

Leia mais

Mandei um garoto para a câmara de gás em Huntsville. Foi só um. Eu prendi e testemunhei contra ele. Fui até lá con versar com ele duas ou três vezes.

Mandei um garoto para a câmara de gás em Huntsville. Foi só um. Eu prendi e testemunhei contra ele. Fui até lá con versar com ele duas ou três vezes. I Mandei um garoto para a câmara de gás em Huntsville. Foi só um. Eu prendi e testemunhei contra ele. Fui até lá con versar com ele duas ou três vezes. Três vezes. A última foi no dia da execução. Eu não

Leia mais

noite e dia marconne sousa

noite e dia marconne sousa noite e dia marconne sousa Mais uma noite na terra a terra é um lugar tão solitário cheio de pessoas, nada mais onde se esconderam os sentimentos? um dedo que aponta um dedo que desaponta um dedo que entra

Leia mais

A HISTÓRIA DE UM SOBREVIVENTE

A HISTÓRIA DE UM SOBREVIVENTE A HISTÓRIA DE UM SOBREVIVENTE Lisboa 2014 A HISTÓRIA DE UM SOBREVIVENTE O MEU PAI SANGRA HISTÓRIA E AQUI COMEÇARAM OS MEUS PROBLEMAS Tradução de JOANA NEVES Fui visitar o meu pai a Rego Park. Há muito

Leia mais

UM SOL ALARANJADO. Roteiro de Eduardo Valente, a partir de argumento e com a colaboração de Rubio Campos. SEQUÊNCIA 1 - INTERIOR - DIA QUARTO

UM SOL ALARANJADO. Roteiro de Eduardo Valente, a partir de argumento e com a colaboração de Rubio Campos. SEQUÊNCIA 1 - INTERIOR - DIA QUARTO SEQUÊNCIA 1 - INTERIOR - DIA UM SOL ALARANJADO Roteiro de Eduardo Valente, a partir de argumento e com a colaboração de Rubio Campos. Por uma janela, vemos o sol nascendo ao fundo de uma série de casas

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

Nesse prédio, o único som que consigo ouvir é o ranger dos nossos sapatos contra o chão. Não ouço mais o choro de Caleb, mas ele já não estava mesmo

Nesse prédio, o único som que consigo ouvir é o ranger dos nossos sapatos contra o chão. Não ouço mais o choro de Caleb, mas ele já não estava mesmo capítulo um Acordo com o nome dele na boca. Will. Antes de abrir os olhos, vejo o desabar sobre o asfalto novamente. Morto. Pelas minhas mãos. Tobias se agacha na minha frente, apoiando a mão sobre meu

Leia mais

Anderson: Bem, qual é o manete? Legge: Deve ser uma alavanca preta no centro do painel. Isso aí. Deixe a aeronave voar por si própria.

Anderson: Bem, qual é o manete? Legge: Deve ser uma alavanca preta no centro do painel. Isso aí. Deixe a aeronave voar por si própria. Bem, sejam todos muito bem-vindos aqui. E parabéns por estarem aqui neste final de semana. Porque eu acho, em minha experiência Alpha, que as duas coisas mais difíceis para as pessoas são, em primeiro

Leia mais

Quantas línguas existem no mundo?, perguntava -se

Quantas línguas existem no mundo?, perguntava -se A VOZ DAS COISAS Quantas línguas existem no mundo?, perguntava -se Marta, naquela noite, a sós na cama. Há as línguas que as pessoas falam: francês, alemão, espanhol, chinês, italiano. Para indicar a mesma

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS SOBRE A PROVA. Esta prova é constituída por duas partes, separadas por um intervalo de 30 minutos. 1.ª Parte (45 minutos)

INSTRUÇÕES GERAIS SOBRE A PROVA. Esta prova é constituída por duas partes, separadas por um intervalo de 30 minutos. 1.ª Parte (45 minutos) PA-LP 3 INSTRUÇÕES GERAIS SOBRE A PROVA Esta prova é constituída por duas partes, separadas por um intervalo de 30 minutos. 1.ª Parte (45 minutos) Durante este tempo, vais ler, com muita atenção, um texto

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

GUIÃO DE RELAXAMENTO PARA CRIANÇAS

GUIÃO DE RELAXAMENTO PARA CRIANÇAS GUIÃO DE RELAXAMENTO PARA CRIANÇAS Sofia de Melo 2008 Regras para obter as melhores sensações e bem-estar com estes exercícios: Deves fazer exactamente aquilo que eu digo; Deves esforçar-te por fazer o

Leia mais

O dia em que ele nasceu

O dia em que ele nasceu O dia em que ele nasceu E le nasceu no verão mais seco dos últimos quarenta anos. O sol cozinhava a argila vermelha do Alabama, transformando-a em pó, e não havia água por quilômetros ao redor. A comida

Leia mais

A DOMÉSTICA (FILME CURTA) Final 2

A DOMÉSTICA (FILME CURTA) Final 2 A DOMÉSTICA (FILME CURTA) Final 2 Roteiro de Alcir Nicolau Pereira Versão de NOVEMBRO DE 2012. 1 A DOMÉSTICA (FILME-CURTA) --------------------------------------------------------------- PERSONAGENS Empregada

Leia mais

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes All You Zombies Wendel Coelho Mendes Versão Portuguesa, Brasil Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959 Esse conto é minha versão sobre a verdadeira história de All You Zombies,

Leia mais

Seu nome Marina, mulher, 23 anos, casada e infeliz!

Seu nome Marina, mulher, 23 anos, casada e infeliz! Seu nome Marina, mulher, 23 anos, casada e infeliz! Marina namorou com Sergio três anos antes de se casarem, em um mundo moderno ela tinha uma educação bastante rígida podem não acreditar, mas se casou

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli DIANA + 3 Roteiro de Henry Grazinoli EXT. CALÇADA DO PORTINHO DIA Sombra de Pablo e Dino caminhando pela calçada do portinho de Cabo Frio. A calçada típica da cidade, com suas ondinhas e peixes desenhados.

Leia mais

ACOMPANHE O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA

ACOMPANHE O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ACOMPANHE O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA 1 Mês: Sucção vigorosa Levanta a cabeça e rasteja as pernas, se deitado de frente Sustenta a cabeça momentaneamente Preensão de objetos que vão à mão Aquieta-se com

Leia mais

A PINTORA Era madrugada, fumaça e pincéis estampavam a paisagem interna de um loft. Lá fora uma grande lua pintava as ruas semi-iluminadas com um fantasmagórico prateado. Uma mão delicada retocava a gravata

Leia mais

Flavia Mariano. Equilíbrio. a vida não faz acordos. 1ª Edição POD

Flavia Mariano. Equilíbrio. a vida não faz acordos. 1ª Edição POD Flavia Mariano Equilíbrio a vida não faz acordos 1ª Edição POD Petrópolis KBR 2011 Edição e revisão KBR Editoração APED Capa KBR Imagem da capa fotomontagem sobre arquivo Google Copyright 2011 Flavia Mariano

Leia mais

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série.

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. EE Bento Pereira da Rocha HISTÓRIA DE SÃO PAULO Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. História 1 CENA1 Mônica chega

Leia mais

A CRUCIFICAÇÃO DE JESUS Lição 46

A CRUCIFICAÇÃO DE JESUS Lição 46 A CRUCIFICAÇÃO DE JESUS Lição 46 1 1. Objetivos: Mostrar que o Senhor Jesus morreu na cruz e foi sepultado. Ensinar que o Senhor Jesus era perfeito; não havia nada que o condenasse. Ensinar que depois

Leia mais

Geração Graças Peça: Os Cofrinhos

Geração Graças Peça: Os Cofrinhos Geração Graças Peça: Os Cofrinhos Autora: Tell Aragão Personagens: Voz - não aparece mendigo/pessoa Nervosa/Ladrão faz os três personagens Menina 1 Menina 2 Voz: Era uma vez, duas irmãs que ganharam dois

Leia mais

Portuguese Poetry / 14-30 lines HS 5-6

Portuguese Poetry / 14-30 lines HS 5-6 Ai quem me dera 1. Ai, quem me dera, terminasse a espera 2. Retornasse o canto simples e sem fim, 3. E ouvindo o canto se chorasse tanto 4. Que do mundo o pranto se estancasse enfim 5. Ai, quem me dera

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos.

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos. Contos Místicos 1 Contos luca mac doiss Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12 Prefácio A história: esta história foi contada por um velho pescador de Mongaguá conhecido como vô Erson. A origem:

Leia mais