ANO II - Nº 07 Abril/Junho de 2008

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANO II - Nº 07 Abril/Junho de 2008"

Transcrição

1 ANO II - Nº 07 Abril/Junho de 2008 Rua Macapá, 241, Ondina, Salvador - Bahia CEP: / Telefax: (071)

2

3 EDITORIAL Revista do Sindicato dos Médicos no Estado da Bahia, editada sob a responsabilidade da diretoria. Rua Macapá, 241, Ondina, Salvador - Bahia - CEP Telefax: (071) / / Correio eletrônico: Portal: DIRETORIA Presidente José Caires Meira Vice-Presidente Francisco Jorge Silva Magalhães Secretário Geral Adherbal Moyses Casé do Nascimento 1ª Secretária Debora Angeli de Oliveira 1º Tesoureiro Deoclides Cardoso Oliveira Júnior 2ª Tesoureiro Gil Freire Barbosa Diretor de Assuntos Jurídicos Dorileide Loula Novais de Paula Diretor de Imprensa e Comunicação João Paulo Queiroz de Farias Diretora Sócio-Cultural e Científica Leila Chaves de Aquino Marques Diretora de Condições de Trabalho e Remuneração Flávia Miranda Roriz de Assis Diretor Administrativo e de Patrimônio Solana Passos Rios Diretor de Informática Luiz Américo Pereira Câmara Diretora de Sindicalização e Interiorização Áurea Inez Muniz Meireles Diretora de Assuntos do Aposentado Julieta Maria Cardoso Palmeira Diretor de Honorários Médicos Suetônio Vasconcelos Pepe Diretora de Administração da Gráfica do Médico Maria do Carmo Ribeiro e Ribeiro Diretora de Saúde Ocupacional Jane Luiza Vasconcelos de Oliveira Conselho Fiscal Lourdes Moreira Ruiz (H.G.Camaçari), Kátia Maria Madeiro (Sesab), Ledilson Chaves de Araújo Miranda (HGE e H. Ibotirama). Suplente do Conselho Fiscal Ilmar Cabral de Oliveira (H. São Rafael e HGRS), Eugênio Pacelli Mota de Oliveira (Sesau Camaçari), Paulo José Bastos Barbosa (H.S. Isabel). Delegados junto à Federação Nacional dos Médicos Artur de Oliveira Sampaio (PSF Camaçari), Marcos Augusto Reis Ribeiro (HGE). Suplente da FENAM Lourdes Alzimar Mendes de Castro Marcellino (Proar), Andréa Beatriz Silva dos Santos (HGRS). Representantes no interior do Estado Ney da Silva Santos Alagoinhas, Luiz Carlos Dantas de Almeida Vitória da Conquista, Leônidas Azevedo Filho Ilhéus, Sônia Regina Vitolrelli Porto Seguro, Fernando de Souza, Franklin Araújo Livramento de Nossa Senhora, Roberto Andrade Paulo Afonso e Lima Correlo Eunápolis. Jornalista - Redação e Edição Ney Sá - MTb 1164 DRT-BA (Cel: ). Estagiária: Arysa Souza Fotos: João Ubaldo e arquivo Sindimed Projeto Gráfico e Diagramação IDADE MÍDIA (Tel: Toninho) Edição fechada em 17/06/2008 Fotolito e impressão GENSA - Gráfica e Editora N. S. Aparecida Tiragem: exemplares ÍNDICE CAMINHO DE VOLTA O auditório Hidelbrando Santana foi pequeno para os mais de 150 médicos que atenderam ao chamado do Sindimed através da campanha iniciada no dia 26 de maio, com a mensagem Doutor, atenda a este chamado, através de outdoor, chamadas em rádios, TV, jornal, cartazes e faixas de valorização do trabalho médico, além de visitas aos hospitais e postos de Saúde. A assembléia do dia 11 de junho revelou sentimentos que marcam a categoria médica com frustração, desmotivação e baixa autoestima, cultivados ao longo de 17 anos sem CONCURSO PÚBLICO para médicos na assistência, terceirização e precarização de vínculos, salário base beirando o Salário Mínimo e condições de trabalho precárias que expõe o profissional à insatisfação da população. Discursos indignados não faltaram. A categoria lembrou a greve de 1990 quando o governador Nilo Coelho teve a infelicidade de jocosamente comparar o médico ao sal (branco, barato e fácil de encontrar), e recebeu como resposta a radicalização da luta, que assegurou um vencimento equivalente aos 10 salários mínimos, bandeira do movimento na época. No início da década de 90, foi implantada uma política de gratificação que, ao contrário de corrigir perdas, aprofundou distorções. Médicos trabalhavam 24 horas de plantão Entrevista O médico e cientista, Bernardo Galvão, fala sobre medicina e sociedade Adeus Aedes Sindimed na luta contra a dengue Assessorias jurídica e contábil Um ano com saúde Matéria de capa Campanha pelo resgate da dignidade mobiliza médicos Relações de trabalho PJ, sobreaviso e lide simulada Interiorização Sindimed presente nos municípios Fim de Tarde Musical Talento médico a serviço da descontração em unidades de emergência, recebendo R$ 1.600,00 por mês. E desde 1998, com a municipalização da saúde, os profissionais cedidos aos municípios tiveram a gratificação ( GIQ) cortada, distorção corrigida só em março deste ano, depois de muitas lutas e de negociações com o atual governo. As propostas de mobilização e de manutenção da negociação com o governo, feitas na assembléia do dia 11, indicam que chegou a hora de avançarmos fazendo o caminho de volta, recuperando o piso salarial, revisando o PCCS (Plano de Carreira, Cargos e Salário), e pressionando o governo a atender o chamado pela DIGNIDADE JÁ, que traduz não só o reconhecimento do trabalho médico com garantia de boas condições para o seu exercício, mas principalmente uma assistência à saúde de qualidade para toda a população. Há esperança no seio da categoria, que reconhece no piso salarial de R$ 7.503,00, estabelecido pela Federação Nacional dos Médicos - Fenam, um primeiro passo na valorização dessa importante função social que é cuidar da vida. Existe também uma grande expectativa em relação ao governo Wagner, que foi eleito afirmando que a saúde é uma das prioridades do seu governo José Caires Meira Presidente do Sindimed - BA GIQ volta aos contracheques Congresso Brasileiro de Medicina de Família HUMOR

4 Sindimed internacional Sindicato participa de assembléia do Conselho Mundial da Paz D O Comitê Executivo do CMP é formado por 40 membros, seu Secretariado, com 13 membros, e os nove vicepresidentes, todos distribuídos pelos diversos continentes iante das constantes ameaças à paz mundial, que se dão hoje pela desagregação dos valores éticos e humanitários e pelo fortalecimento de ideologias reacionárias, fundamentalistas, conservadoras e racistas, tendência essa que facilitam o domínio de um modelo capitalista desumano e dominador, a categoria médica é potencialmente uma das que mais se sensibilizam sobre o problema. Há um sentimento crescente entre os médicos de reagir a essa onda e cultivar os valores e as ideologias progressistas e humanitárias. Foi com essa visão que, nos dias 9 e 10 de abril, o diretor do Sindimed, Deoclides Cardoso, participou da reunião do Conselho Mundial da Paz (CMP), na cidade de Caracas, Venezuela, onde estavam representações de 82 países e cerca de 500 delegados. O Conselho identifica que há uma crescente agressividade do imperialismo, especialmente dos Estados Unidos, na busca pelo domínio das fontes energéticas e recursos estratégicos. Hoje a política internacional dirigida pelos EUA ameaça a paz mundial e a integridade territorial de todos os países. Vários são os exemplos dessas ações sendo as mais recentes: a unilateral independência de Kosovo, a tentativa de dividir a Bolívia em duas, e a investida das forças armadas colombianas em território equatoriano. Contrapondo-se a isso, diferentes países criam obstáculos. O CMP tem feito um chamado por relações políticas mais eqüitativas entre as nações, sem ameaças A brasileira Socorro Gomes é a nova presidenta do Conselho Mundial da Paz O diretor Deoclides Cardoso, representou o Sindimed no encontro de Caracas ou intervenções militares. A luta é pelo estabelecimento de uma nova ordem mundial, baseada nos princípios pacíficos da Carta Constitucional da ONU. É preciso que se dê maior ênfase à soberania nacional e à integridade territorial dos países soberanos. Para Deoclides, diante das investidas imperialistas dos EUA, em dominar o mundo junto com seus aliados, temos confiança que através das lutas massivas dos povos poderemos alcançar o grande objetivo de todos que é a conquista da justiça, da igualdade e da solidariedade para toda a humanidade, cocluiu. Conselho tem presidenta brasileira A brasileira Socorro Gomes foi eleita presidenta do Conselho Mundial da Paz (CMP), no dia 10 de abril, ao final da assembléia do CMP. Socorro fez uma rápida síntese sobre a luta pela paz no mundo de hoje, avaliando que a causa é nobre e elevada, mas o caminho é complexo e tortuoso. Ao mesmo tempo, declarou o seu otimismo histórico, destacando a maré progressista que se espalha pela América Latina, que chamou de Continente Rebelde. A indicação de Socorro foi feita pelo secretário-geral do CMP, Anastassis Pafilis (eurodeputado pelo Partido Comunista da Grécia). Na mesma sessão foram aprovados, também por aclamação, os demais componentes da direção do Conselho entre 2008 e Deputada Federal mais votada pelo estado do Pará, em 1990, Socorro exerceu quatro mandatos, até Em 2003, assumiu a Delegacia Regional do Trabalho no Pará, impulsionando as ações de erradicação do trabalho escravo no Estado. 04 Abr/Jun de 2008

5 Entrevista Luta Médica Em que conjuntura se deu sua formação como médico? Bernardo Galvão Eu me formei em 69, aqui em Salvador. Então, quando eu entrei pra faculdade em 64, coincidiu com o golpe militar. Desde o primeiro ano, desde o vestibular, nós já participávamos de movimentos contra a ditadura. Naquela época existia não só a ditadura, mas uma revolução de costumes foi um grande marco no mundo todo. Não era só uma movimentação contra a ditadura, era contra uma série de tabus e costumes. Houve grandes mudanças e nós participamos disso tudo. Evidente que não eram todas as pessoas que participavam, mas foi um momento que, embora muito duro, foi também muito rico. Dr. Bernardo Galvão Ciência com papel social Reconhecido por seu trabalho pioneiro no isolamento do vírus HIV no Brasil, há 20 anos, o Dr. Bernardo Galvão dispensa apresentações. A trajetória do cientista baiano e sua contribuição ao trabalho desenvolvido pela Fiocruz até hoje, estão registradas nos anais da medicina brasileira. O que talvez poucos saibam é que seus méritos profissionais e sua competência técnica inquestionáveis convivem com um perfil de cidadão engajado social e politicamente, que teve sua trajetória de vida marcada por escolhas e coincidências determinantes no seu protagonismo no cenário da ciência médica. A Revista Luta Médica procura trazer nesta edição uma entrevista diferente, com Bernardo Galvão falando um pouco mais sobre suas experiências pessoais, como médico e como cidadão, revelando através do seu pensamento e reflexões a estreita relação existente entre a capacidade de mobilização da sociedade e os avanços possíveis da ciência e do bem estar coletivo. Pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz e do CNPq, Bernardo Galvão é Doutor em Imonologia pela Universidade de Genebra. É professor titular e coordenador de pós-graduação em Medicina e Saúde Humana da Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública/FBDC. Atua na área de Imunologia Celular, nos seguintes L.M. Você vê algum paradoxo no revés político de 64? Isso estimulou, de alguma maneira, a consciência crítica, política e social, que deságua hoje na construção de um país diferente? B.G. Sem dúvida nenhuma, porque eu acho que não foi só a ditadura. Aquele era um momento de grande mudança, de reflexão, onde havia uma efervescência mundial. Teve, por exemplo, a primavera de Praga, as manifestações de 68, na França, vários outros movimentos que marcaram época. Acho que isso tudo funcionou como um estímulo para que pessoas não ficassem dentro da universidade, não se contentassem com uma formação pura- mente técnica, mas buscavam uma formação humanística muito grande e se engajassem em organizações e partidos políticos. L.M. Você integrou o Partido Comunista. Em que ano foi isso? B.G. Eu não lembro exatamente. Mas por volta de O partido já era clandestino e a repressão era dura, fazíamos reuniões às escondidas. Ficou pior depois. L.M. Em 68 recrudesceu bem mais. B.G. Recrudesceu. E quando a ditadura tava no auge, também muitas pessoas participavam do movimento estudantil. A maioria não se- temas: HIV-I, AIDS, vacina, HIVe HTLV-1. Em 2001, implantou em Salvador o Centro Integrativo Multidisciplinar de HTLV-1 e Hepatites Virais, reconhecido como Centro de Referência para HTLV pelo Ministério da Saúde. Abr/Jun de

6 ... O investimento em pesquisa pode preparar um país para dar uma resposta rápida a uma epidemia inesperada e grave. Então você vê a importância e o resultado de um investimento que a sociedade normalmente não vê. E o resultado de uma pesquisa é um somatório do trabalho de gerações. guiu a luta armada, mas havia um processo de resistência política forte. O problema é que a ditadura era feroz, violenta e tinha uma estrutura e um poder armado infinitamente maior. A dominação era pela força mesmo. Muita gente era presa, torturada e assassinada no País. L.M. Foram esses fatos que o levaram a sair do País? B.G. Não exatamente. Nós, em 68, 69, já estávamos sentindo falta de uma formação mais sólida na área da medicina, então a gente optou por isso. Na realidade, poucos do meu grupo foram presos. Tinha repressão nas passeatas, mas eu particularmente nunca fui preso. A gente conhecia pessoas que estavam indo pro exílio, então essa saída pro exterior era uma coisa de você conhecer o mundo Foi um momento muito rico para mim. Porque não foi somente uma experiência técnica. Por coincidência ou por sorte, quando fui pra Genebra conheci lá um grupo de brasileiros, alguns exilados, outros num exílio voluntário, e eram pessoas que tinham um engajamento político muito grande. Então, como não tínhamos a família por perto, a tendência era nos reunirmos, e ali a gente aprendeu mesmo. L.M. Você chegou a pensar em não voltar ao Brasil? B.G. Sim. É muito interessante isso. Anos depois, já com uma linha de pesquisa montada na Europa, que eu sabia que não ia ter condições de continuar aqui, eu pensei: como vou largar isso tudo e começar de novo?... Quando terminei minha tese de doutorado recebi um convite pra ficar e pensei realmente em ficar. Minha mulher já estava vindo e eu tinha que tomar uma decisão: se nossa filha ia ser alfabetizada em francês ou em português. Chegamos à conclusão, ela que é pedagoga, que nós iríamos alfabetizar ela em português porque nos havíamos decidido morar no Brasil. Quando eu cheguei em casa eu disse olha fui convidado, etc, etc e ela disse que bom, que ótimo, reconheceram seu trabalho. No outro dia, ela voltou com as passagens dizendo como a gente já tinha combinado, eu comprei as passagens. E aí voltamos. L.M. Como foi esse retorno? B.G. Foi difícil. Especialmente porque a gente decidiu voltar para Salvador. Então eu fiquei aqui dois meses, mas não conseguia uma contratação, nada. Como eu já tinha sete anos de pós-graduação, faltava espaço aqui na Bahia. Eu pensei: não da mais pra ficar assim, vou me profissionalizar nem que seja como chofer de táxi... Mas eu voltei com a idéia de aplicar um projeto para um programa chamado TDR - Tropical Disease Research (Pesquisa em Doenças Tropicais). Como na Europa eu trabalhei num hospital universitário, que tinha ligação próxima com a Organização Mundial de Saúde, sabíamos com muita antecedência dos programas que iam ser lançados, e estavam lançando o TDR que, fazendo um paralelo, é como se fosse o programa de Aids no início. Um programa que tinha muitos recursos e cujo objetivo era principalmente reportar países em desenvolvimento em pesquisa com doenças tropicais. Então eu procurei o presidente da Fiocruz, falei sobre o assunto e ele disse venha pro Rio de Janeiro. Tomei o primeiro avião e fui. Passei um ano lá, acho que foi 77 ou 78, preparando o projeto com a ajuda dele e do meu orientador do doutorado que veio ao Brasil para isso. Então o Brasil foi o primeiro a ganhar um projeto de reforço institucional. Era um projeto de quatro anos, com o objetivo bem preciso de instalar um centro de pesquisa parasitária com toda infraestrutura - semelhante aos laboratórios de primeiro mundo -, aglutinar pessoal, atrair pesquisadores. Conseguimos o recurso de um milhão de dólares, que na época representava muito mais que hoje. E o centro foi montado. L.M. Começou aí o isolamento do vírus da Aids? B.G. Não ainda. Tudo estava montado para pesquisa, não a básica, mas de coisas que estavam surgindo, como se fosse hoje a célulatronco. Só que o Centro estava voltado para parasitas. Então surge a Aids, primeiro nos Estados Unidos, em 81, logo depois aqui, em 82. Aí é que você vê como o investimento em pesquisa pode preparar um país para dar uma resposta rápida a uma epidemia inesperada e grave. Então você vê a importância e o resultado de um investimento que a sociedade normalmente não vê. E o resultado de uma pesquisa é um somatório do trabalho de gerações. Mas com a Aids foi diferente, porque deu oportunidade para que as pessoas vissem a importância da pesquisa. Estávamos muito bem instalados, trabalhando com parasitas, mas para mudar o foco do trabalho era só você mudar o antígeno. 06 Abr/Jun de 2008

7 Então isso possibilitou o trabalho que culminou com o isolamento do HIV. L.M. Após 20 anos, como você avalia o fato da sua equipe de pesquisadores ter sido a primeira a isolar vírus HIV no Brasil? B.G. O isolamento do vírus não foi uma realização científica importante. O isolamento já havia sido feito em 1983, pelo grupo pesquisadores do Instituto Pasteur, em Paris, confirmado por Gallo, em Então, no Brasil, para isolar o vírus, qualquer laboratório de imunologia que contasse com técnica de isolamento de linfócitos, poderia fazer. Mas foi muito importante como marco simbólico na pesquisa no Brasil. Além disso, representou o envolvimento da Fundação Oswaldo Cruz na luta de combate e controle da epidemia causada pelo HIV/AIDS. Eu acho que a coisa mais importante que ocorreu naquele momento foi a implantação, nos bancos de sangue, da triagem sorológica do HIV. E a Fiocruz pode proporcionar essa implantação nos bancos de sangue. Isso sim corresponde a uma importante contribuição para a saúde pública, para a saúde de uma forma geral. L.M. Então o isolamento foi um triunfo simbólico? B.G. Sim. Mas com repercussões importantes no mundo científico. Com isolamento do vírus, o Brasil foi reconhecido no cenário mundial e foi convidado a participar de comitês internacionais. Participamos de uma experiência bem interessante de redes de pesquisas, já naquela época. Nós tivemos a oportunidade de participar de uma rede internacional de laboratórios, coordenado pela OMS e o Programa Mundial de AIDS, que foi uma grande experiência. Os pesquisadores do mundo todo reunidos para combater um mal maior; com isso foi possível conhecer, rapidamente, os diferentes subtipos do HIV que circulavam em diversos países. L.M. Como você avalia o papel da cooperação internacional? B.G. A colaboração é importante quando trás benefícios mútuos. A gente era capaz de isolar o HIV, faltava apenas o insumo. Em 1984, 85, todos os países do primeiro mundo já estavam com o vírus isolado, nós tínhamos inclusive propostas de colaboração, mas que naquela época nos denominávamos de pesquisa safari, ou seja, nossa participação seria colher o sangue e enviar para o exterior e depois ter os resultados. Seria ótimo para os nossos currículos, do ponto de vista pessoal, mas nos preferimos demonstrar que éramos capazes de isolar o vírus sem recorrer a esse tipo de colaboração. Preferimos criar a condição para o isolamento e o fizemos. L.M. Houve parceria entre a comunidade científica e a sociedade civil organizada? B.G. Isso tudo ocorreu, junto com a sociedade organizada. Pesquisadores e outros formadores de opinião fizeram com que o governo criasse um programa para combater essa epidemia. O que é um exemplo fantástico de como a sociedade civil pode pressionar o governo. Inclusive a própria Aids tem características que permitiram isso. Está relacionada com o sexo, com a morte. As pessoas sabiam, que se a contraíssem, poderiam morrer. Milhares e milhares de pessoas morreram e isso trouxe uma comoção social muito grande. Além disso, atingia, logo no início, uma parcela da população que é formadora de opinião, que sabe se mobilizar e como reivindicar. Isso fez grande diferença para que os governos investissem dinheiro em pesquisa. L.M. É possível fazer algum paralelo entre Aids e dengue, no que se refere à políticas públicas? B.G. A dengue, se você pegar o mapa, você vê as áreas atingidas. No sul dos Estados Unidos tem um pouquinho, no resto não tem nada. A Europa não tem nada. A dengue aparece mesmo aonde? Na Ásia, América do Sul... Então a reposta rápida pra Aids foi porque atingiu um país que era o mais capacitado em ciência e tecnologia, que é os Estados Unidos, que já estava trabalhando há muitos anos nos retrovírus. Muito dinheiro foi empregado nisso e rapidamente se pode identificar o vírus e instalar os testes. Tem também outra questão. As empresas de medicamentos não se interessam quando não tem mercado. Então eu não sei se há o mesmo interesse com a dengue, inclusive a doença tem entre suas características um vetor socioeconômico, se bem que a Aids está cada vez mais atingindo a camada mais pobre. Hoje as pessoas com maior nível socioeconômico se cuidam. Tem o caso do Ronaldinho, mas a maioria se cuida, faz sexo seguro, não usa droga, o sangue está controlado, houve um processo de prevenção. O isolamento do vírus HIV foi importante como marco simbólico da pesquisa no Brasil... mais importante... foi a implantação, nos bancos de sangue, da triagem sorológica do HIV. E a Fiocruz pode proporcionar essa implantação. Isso sim corresponde a uma importante contribuição para a saúde pública, para a saúde de uma forma geral. Abr/Jun de

8 Adeus Aedes E Está comprovado que para acabar com a dengue é preciso combater o mosquito transmissor, o Aedes aegypti. Para isso não bastam apenas médicos e postos de saúde, é preciso o envolvimento de toda a sociedade. Com este entendimento o Sindicato dos Médicos do Bahia deflagrou ações contra a dengue junto com a vizinhança no entorno da sede da entidade, no bairro de Ondina, em Salvador. A atitude remete a lições do movimento ambientalista, que nas décadas de 60 e 70 difundiu a expressão pensar globalmente, agir localmente. Sintomas da dengue Dores de cabeça. Cansaço. Febre elevada. Manchas vermelhas no corpo. Dores musculares e nas articulações. Dores abdominais. Sangramento nasal e gengival. Na dengue hemorrágica os sintomas são semelhantes, porém mais intensos. Nada mais apropriado para o combate a uma doença que tem forte componente ambiental, na medida em que a sua transmissão pressupõe a proliferação do mosquito Aedes aegypti, cujo ciclo de reprodução tem tudo a ver com uma infra-estrutura urbana mal cuidada e desorganizada, com focos de água parada e lixo descontrolado, por exemplo. A partir de uma percepção por inteiro, global, holística, o Sindimed quer desenvolver projetos e ações de âmbito local, pontualmente, caso a caso, e interligar essas diversas experiências pontuais por meio de redes de parcerias e comunicações, visando seu aperfeiçoamento e multiplicação. Buscando a participação da coletividade nesta luta, o Sindicato propôs medidas práticas. Como primeira atitude foi constituído um Comitê Contra a Dengue, que se reúne de 15 em 15 dias na sede do sindicato, para discutir o problema da dengue com representantes de escolas, clínicas, empresas e demais moradores do bairro, constituindo a ação num alerta à população Para promover a participação da comunidade, o comitê vem realizando, desde o final de abril, reuniões que discutem ações de segurança ambiental e de infra-estrutura, além de medidas preventivas contra a dengue. No dia 29 de abril, o comitê promoveu a primeira passeata de conscientização, onde distribuiu folhetos informativos e cartilhas ilustradas. A coordenadora do comitê e funcionária do Sindimed, Verena Santana, também acha que para combater a dengue, o apoio da população é fundamental. A mobilização é muito importante, já que a única forma de evitar que o mosquito se propague é com a união e conscientização da população, disse. 08 Abr/Jun de 2008

9 Números De acordo com a Organização Mundial de Saúde, entre 50 a 110 milhões de pessoas são infectadas anualmente pelo mosquito da dengue, em mais de 100 países, com exceção do continente europeu. Mais de 20 mil delas morrem. No Brasil, as condições climáticas são favoráveis à incidência do mosquito transmissor, principalmente no primeiro semestre do ano, entre janeiro e maio, quando os números são mais elevados. Ceuci Nunes, médica infectologista e diretora do Hospital Couto Maia, referência em doenças infectocontagiosas, afirma que para explicar a causa do aumento de casos no Brasil é importante lembrar que o Aedes aegypti está adaptado ao desenho urbano brasileiro não-programado, com muitas favelas e áreas onde as condições de vida são extremamente precárias. A forma mais grave da doença (com febre hemorrágica e síndrome do choque da dengue) teve registro de 386 suspeitas, o que representa um aumento de 421,6% comparado ao mesmo mês do ano passado (74 casos). Até o fechamento desta edição, a Sesab confirmou 74 casos e seis óbitos, nas cidades de Salvador, Itagibá, Lauro de Freitas, Tucano, Itamaraju e Santa Cruz Cabrália. A primeira morte na capital baiana foi registrada no dia 22 de abril. A vítima foi uma menina de 9 anos, que morava no bairro de Coutos, no Subúrbio Ferroviário. A área apresenta elevado índice de infestação do Aedes aegypti, onde em cada grupo de 100 residências, as larvas do mosquito são encontradas em sete casas. Apesar disso, não é o subúrbio que registra o maior número de casos. Nos três primeiros meses do ano, o Distrito Sanitário Cabula-Beiru soma o maior número de ocorrências, com 49 casos de dengue, enquanto que o Distrito Sanitário do Subúrbio Ferroviário, teve 31. Segundo a diretora do Couto Maia, em todo o ano de 2007, o hospital registrou 43 casos de dengue grave, cinco de dengue hemorrágica e dois óbitos. Este ano, até maio, já são 144 casos de dengue grave, 32 de dengue hemorrágico e um óbito. O aumento de casos foi significante, embora estejamos longe dos números do Rio e até de outros estados do Nordeste, como o Rio Grande do Norte, afirma. O Rio de Janeiro, até o dia 28 de maio, registrou casos de dengue e também lidera o ranking de óbitos. A Secretaria de Estado de Saúde e Defesa Civil daquele Estado aponta 239 óbitos notificados (destes 123 confirmados - 45 por febre hemorrágica da dengue, 22 por síndrome do choque da dengue e 56 por dengue com complicações). Epidemia A médica Ceuci Nunes afirma que os números registrados em 2008 são preocupantes. Estamos vivendo uma situação de aumento A Origem DA DENGUE Segundo o Ministério da Saúde, a origem da palavra dengue é espanhola e significa manha ou melindre, alusão aos sintomas que a pessoa apresenta quando infectada: moleza e prostração. A dengue é uma doença infecciosa, transmitida pelo mosquito de origem africana Aedes aegypti, que também é infectado pelo vírus. Existem em todo o mundo quatro tipos de dengue, porém no Brasil, basicamente apresentam-se a clássica e a hemorrágica. No país, a epidemia da doença tem seus primeiros registros no ano de 1916, em São Paulo e, em 1923, em Niterói, porém, sem documentação clínica e laboratorial. A primeira referência de epidemia comprovada aconteceu em Boa Vista (RR) entre 1981 e Depois, em 1986, quando a doença foi de fato introduzida no país, epidemias atingiram os centros urbanos, dentre eles, o Rio de Janeiro e a partir daí, em todos os anos seguintes, houve registros da dengue. Desde abril, o sindicato vem promovendo reuniões que discutem ações de segurança ambiental e medidas preventivas contra a dengue Abr/Jun de

10 de casos em 10 estados brasileiros. Acredito que a principal causa deste surto é a descontinuidade das ações de controle, a exemplo da atuação de agentes de saúde, das visitas domiciliares e atividades de educação. Não se fala mais em erradicar o mosquito transmissor, mas em manter baixos os indicies de infestação. A infectologista explica ainda que no período do ano em que as temperaturas tendem a cair, isso ajuda a diminuir a reprodução de mosquitos e, conseqüentemente, o número de casos. Temos que nos preparar para o verão, que é a estação onde ocorre a maior proliferação do mosquito. O secretário municipal de Saúde, José Carlos Brito, avalia que o ápice da disseminação da dengue seja enfrentado em outubro. Ele assegura que a estratégia de atendimento emergencial já está quase toda montada. São dois postos de atendimento em cada Distrito, cobrindo os 12 Distritos de Saúde de Salvador, o que totaliza 24 postos com macas e todo o equipamento necessário para o pronto atendimento, principalmente no que se refere a rehidratação do paciente, o que pode fazer a diferença entre a vida e a morte, conclui. O tratamento da dengue deve ser feito apenas sob orientação médica, sobretudo porque a doença assemelha-se a outras, o que torna a auto-medicação uma atitude perigosa. Antiinflamatórios e analgésicos só devem ser usados com prescrição do médico, pois afastam os sintomas e atrapalham o diagnóstico da dengue. Medicamentos que contêm salicilatos (dentre eles Melhoral, Doril, AAS, Sonrisal, Engov, etc) não são indicados, pois podem gerar sangramentos, confundindo a dengue clássica com a hemorrágica. Nenhum remédio cura a dengue, são apenas paliativos. No caso de suspeita é indicado que a pessoa repouse, tome bastante água, suco, soro caseiro, chás, sopas, evite refrigerantes e, principalmente procure um médico. No Hospital Couto Maia, a diretora Ceuci Nunes explica que a principal forma de tratamento para o tipo grave é a hidratação venosa e às vezes a reposição de plaquetas, além do acompanhamento com reavaliações freqüentes, pois a instalação de um quadro grave pode ocorrer em poucas horas. A Tratamento SÓ COM ORIENTAÇÃO MÉDICA educação e a saúde não podem andar separadas, por isso estabelecemos um convênio com a Secretaria de Educação, não apenas para a prevenção da dengue, mas também leptospirose e DST. Para consolidar esta idéia, o objetivo da Secretaria Municipal de Saúde é promover palestras e inserir informações e formas de prevenção sobre essas doenças na grade curricular. Além disto, o secretário afirma que o trabalho de campo também é uma das linhas de ação, que já conta com agentes de endemia, 220 bombeiros, 100 marinheiros, além de 280 funcionários da Coelba. José Carlos Brito - Secretário de Saúde de Salvador. Campanhas publicitárias junto a programas de todas as esferas (municipal, estadual e federal) são importantes para dar visibilidade, alertar e instruir à população no combate contra a dengue. Na Bahia, o Comitê Estadual de combate à Dengue, divulga o slogan Todos contra a dengue. A iniciativa da Sesab visa conscientizar a população sobre a importância da mobilização, realizando palestras e manifestações públicas. 10 Abr/Jun de 2008

11 O papel da sociedade civil no controle da dengue é fundamental. O poder público, mesmo atuando de forma organizada e sistemática, não consegue combater sozinho a doença. Já está provado que a maioria dos focos são intradomiciliares e cada pessoa tem a obrigação de eliminar os criadouros do mosquito de suas casas. Ceuci Nunes - Diretora do Hospital Couto Maia. Transmissão DA DENGUE A dengue é uma doença infecciosa aguda, porém não contagiosa. A transmissão ocorre através da picada do mosquito fêmea infectado com o vírus. Quando o Aedes aegypti suga o sangue de uma pessoa já infectada, acontece a transmissão nos mosquitos. Após o contato do mosquito com o vírus, durante o período de incubação, que dura entre oito e 12 dias, o pernilongo já é capaz de transmitir a doença. Já nos seres humanos, o período de incubação pode durar de três a 15 dias e só após essa fase os sintomas aparecem. PREVENIR É O MELHOR REMÉDIO A melhor forma de prevenção é evitar o nascimento do mosquito. A reprodução do Aedes aegypti acontece quando a fêmea coloca seus ovos em recipientes com água limpa e parada, e, como a proliferação do mosquito é rápida, o ideal é impedir que ocorra tal multiplicação, mantendo vasilhas, caixas d água e cisternas sempre fechadas. Água parada em pneus e garrafas tem que ser eliminada e em vasos de plantas deve ser substituída por areia, porque estes são lugares propícios para o desenvolvimento do mosquito. É importante não deixar água acumulada. Seminário de Atualização Médica 22 e 23 de agosto Módulo 3 Clínica médica Pediatria Ginecologia e obstetrícia Expositores Dr. Getúlio Borges Dra. Leila Chaves Dr. João Paulo Farias Dr. Aderbal Casé Vagas Limitadas Inscrição gratuita para sindicalizados Não sindicalizados: R$ 50 LOCAL: Sindimed Auditório Hildebrando Sant Aana Rua Macapá, Ondina (71) PSF Abr/Jun de 2008

12 Assessorias jurídica e contábil completam um ano com muita saúde Quem já usou, aprovou. Quem conhece elogia. E quem ainda não precisou sabe que pode contar. Este sentimento de segurança e de apoio partilhado hoje pelos médicos sindicalizados tem se mostrado cada vez mais forte ao longo deste ano de atividade, desde o lançamento das assessorias jurídica e contábil do Sindimed, no dia 1º de junho de O sindicato está cumprindo o seu papel de oferece aos médicos instrumentos confiáveis de apoio para quem precisa contar com mais proteção no exercício profissional. E o aniversário da implantação da Defensoria Médica e da Assessoria Contábil é, sem dúvida, motivo de comemoração. Assessoria Contábil - O serviço é uma grande vantagem para os profissionais que atuam em consultórios particulares, que podem contar com a organização de sua contabilidade a um custo bem abaixo do mercado, na medida em que o pagamento da mensalidade normal do sindicato já cobre este benefício. Desde a sua implantação a assessoria contábil realiza trabalhos como a renovação de alvarás de saúde, abertura e fechamento de empresas, regulariza- ção junto a Receita Federal, elaboração de livro caixa, registro de empregados e todas as suas decorrências (folha de pagamento, INSS, FGTS, etc), toda a parte tributária, cálculo e recolhimento dos tributos federais, estaduais e municipais, elaboração de balanço e balancetes, cálculo da declaração de imposto de renda, declaração de inatividade e outras declarações exigidas pelo fisco. A equipe é formada pelas contadoras Ana Verena Santana e Rejane Santos, profissionais dinâmicas e experientes, que estão sempre a disposição dos associados na sede do Sindimed para dar o apoio que os médicos precisam. Para ser atendido, o associado deve ligar para o sindicato, informar-se sobre as condições dos serviços e marcar um horário com a assessoria. Os agendamentos podem ser feitos pelos telefones (71) / Defensoria Médica Trata-se de uma estrutura completa de assessoria jurídica, cujo serviço visa proteger os médicos nas questões legais decorrentes do exercício profissional. A defensoria é voltada tanto para a prevenção de conflitos, através da disponibilização Carlos Alberto Tourinho, Domingos Arjones, André Luis Guimarães Godinho, compõem a equipe de advogados da assessoria jurídica de consultoria especializada, quanto para o acompanhamento em processos judiciais, esteja o médico na posição de autor ou réu. A assessoria jurídica cobre as áreas do direito cível e comercial, administrativo, família, sucessões, penal, éticodisciplinar e trabalhista. Até o dia 27 de maio, a Defensoria Médica realizou nada menos que 270 atendimentos só na sede do sindicato, além da demanda atendida em cada um dos escritórios à disposição dos associados, que fazem o acompanhamento nas diversas áreas do direito. A advogada Fátima Freire (dir.) acompanha uma audiência na Justiça Diariamente na sede do Sindimed, a advogada Isabelle Borges, atende a todas as demandas, pessoalmente ou dá os encaminhamentos iniciais necessários, por telefone, quando o caso requer o acompanhamento de um dos escritórios ou profissionais associados. A equipe completa da assessoria jurídica é formada por Carlos Alberto Tourinho Filho, André Luis Guimarães Godinho, Domingos Arjones Abril Neto, Fátima Freire e José Neto. Os médicos sindicalizados não pagam pelo atendimento da Defensoria, ressalvados os acompanhamentos na 12 Abr/Jun de 2008

13 A Defensoria Médica, na sede do sindicato, aos cuidados da advogada Isabelle Borges, atende de segunda a sexta, no horário comercial área judicial, que poderão implicar em desembolsos referentes a custas e emolumentos de cartórios ou órgão do Poder Judiciário. A assessoria não atende a processos pré-existentes, ou seja, anteriores a sindicalização, nem conflitos entre médicos. O atendimento é feito através de agendamento. Para marcar um horário com a Defensoria basta ligar para (71) / Os serviços não têm custo adicional para os sindicalizados e são realizados por uma equipe especializada, o que garante uma assistência de qualidade à categoria. Os sindicalizados ainda recebem um cartão de acesso emergencial, que disponibiliza uma linha 0800 para as chamadas, que podem ser feitas a qualquer hora do dia ou da noite. A contadora Rejane Santos, em plena atividade, é uma das profissionais que responde pela assessoria contábil A defensoria em ação A importância da assessoria jurídica implantada pelo Sindimed vem se consolidando cada vez mais. Além dos vários atendimentos e consultas realizados no sindicato, alguns fatos ocorridos recentemente comprovam mais uma vez a necessidade que a categoria tem deste serviço. A título de exemplo, publicamos a seguir três casos nos quais a defensoria atuou de imediato, dando a segurança e o apoio que o profissional necessitava. Hospital Cidade Uma criança de 9 anos, com quadro de dores articulares e febre deu entrada no Hospital Cidade, em outubro de Os exames realizados mostraram alterações, levando a pediatra a pedir a internação para investigar melhor o caso. Apesar de todos os esforços, a situação evoluiu para quadro respiratório grave. Decidiu-se então que a paciente iria para a UTI pediátrica de um hospital particular. Infelizmente a criança faleceu quando era transferida, na UTI móvel. A médica do hospital receptor negou-se a dar atestado de óbito. A família procurou a 7ª Delegacia de Polícia, no Rio Vermelho, mas o delegado não expediu guia de necropsia alegando que a criança já havia passado pela mão de diversos médicos. Ele pressionou a chefe da Pediatria do hospital receptor a emitir atestado com causa mortis ignorada. A família registrou queixa no Cremeb, Delegacia de Polícia e Ministério Público, contra seis pediatras. A Assessoria Jurídica do Sindimed acompanha o caso sem custos para os médicos sindicalizados, que estão satisfeitos com o trabalho prestado pelo sindicato. Plataforma As fortes chuvas que inundaram Salvador no dia 8 de maio tiveram como conseqüência um lamentável incidente no Unidade de Saúde de Plataforma, quando na troca de plantão ocorreu uma lacuna entre a saída do plantonista da noite e a chegada do próximo. A morte de um paciente que chegou ao hospital exatamente neste momento repercutiu na imprensa negativamente para os médicos da saúde pública. Este foi um episódio isolado, mas emblemático das dificuldades enfrentadas pela categoria. A assessoria jurídica do sindicato assumiu de imediato o caso e está acompanhando de perto a defesa dos profissionais. Pam Roma Hospital S. Jorge Os plantões de emergência são conhecidos dos médicos e da população pelas situações de estresse que geram em pacientes, profissionais e muitas vezes nos familiares que acompanham os pacientes. Foi o que aconteceu no dia 16 de maio, quando uma médica plantonista foi ameaçada de morte por um acompanhante que se identificou como policial. O caso foi acompanhado de perto pelos diretores do sindicato, Francisco Magalhães e Gil Freire, que se encontravam no local no momento em que ocorreu o fato. Detido pelos policiais de plantão no módulo do hospital, apurou-se que o indivíduo que fez as ameaças não estava armado nem era policial, mas o fato foi registrado no livro de ocorrência da unidade de saúde, sendo subscrito pelos diretores do Sindimed. O sindicato de imediato acionou a assessoria jurídica, mobilizando os advogados André Godinho e Domingos Arjones, que deram as orientações necessária e ficaram à disposição da médica para acompanha-la caso quisesse prestar queixa. Os médicos que se encontravam no Pam Roma naquele momento parabenizaram o Sindimed pela estrutura de atendimento jurídico, ainda mais quando souberam que o serviço funciona 24 horas e dispões de uma linha 0800 para os sindicalizados. Abr/Jun de

14 atenda a MATÉRIA DE CAPA DOUTO DOUTO A frase estampada em outdoors, cartazes, faixas e jornais -, sintetiza o eixo da campanha desenvolvida pelo Sindimed para mobilizar a categoria em torno da luta pelo resgate da dignidade do médico baiano, aviltada por anos a fio, por governos descomprometidos com a população, com os trabalhadores, e por um processo histórico que banaliza a vida humana ao tempo em que desvaloriza o trabalho de quem se dedica à cuidar da saúde em nossa sociedade. Desde o início do ano, o Sindicato dos Médicos tem intensificado o trabalho de mobilização, especialmente junto aos médicos do serviço público, parcela da categoria que hoje enfrenta incontáveis problemas e desafios nos locais de trabalho. De um lado a precarização do sistema de Saúde do estado, sucateado ao extremo; do outro, a população que sofre com as lacunas da assistência, cobrando dos médicos as ações que são responsabilidade dos gestores públicos. Nos meses de abril e maio o trabalho do Sindimed intensificou-se. Com o lema Dignidade Já!, a campanha ressaltou princípios fundamentais para um serviço público de saúde de qualidade a valorização do trabalho médico e o resgate da dignidade do profissional. Várias visitas aos locais de trabalho criaram a oportunidade para que a categoria aprofundasse a discussão sobre os desafios e propostas de ação (veja agenda). 14 Abr/Jun de 2008

15 RR este chamado Médicos se posicionam Durante uma visita ao Hospital Geral do Estado (HGE), no dia 8 de maio, o médico Ruy Sampaio Filho, que ingressou na Sesab em 1990, relembrou uma conquista marcante da categoria na época. No segundo semestre daquele ano, no governo de Nilo Coelho, fizemos uma greve reivindicando piso de 10 salários mínimos. Depois de muita luta, o governo terminou cedendo. Mas, esse salário foi pago apenas num mês e, aos poucos, foi se desvalorizando. Sobre o atual piso salarial, o Dr. Ruy faz coro à insatisfação da classe médica: o piso é insuficiente. Mas não é só a questão do salário. O atendimento médico é reflexo de um conjunto de fatores, como condições de trabalho, número de atendimentos por profissional etc. E ainda tem a questão de as empresas privadas se baseiam na remuneração no serviço público, concluiu. No dia anterior o Sindimed já havia visitado a Unidade de Emergência do Curuzu, o Hospital Roberto Santos, o 3º Centro da Liberdade e o Hospital Manoel Vitorino, com a campanha de valorização do trabalho médico. No Curuzu, os médicos criticaram as condições de trabalho, a sujeira em alguns ambientes e o vazamento de água nos consultórios. Outro ponto questionado foi a constante troca de diretores, o que cria uma instabilidade e compromete a assistência à população. Demanda excessiva No dia 14, o Sindimed visitou a Maternidade Tsila Balbino, o hospital João Batista Caribe e a Unidade de Emergência de Plataforma. A Dra. Áurea Muniz, diretora do sindicato e médica da unidade, reforçou a reivindicação dos colegas estatutários que ainda não tiveram a extensão de carga horária do seu vínculo na Sesab. No Caribe, que têm freqüentado as páginas da grande imprensa, há muitas dificuldades, a exemplo do grande número de pacientes e o espaço exíguo. Enquanto uns são atendidos, muitos aguardam a regulação para outras unidades, criando um ambiente de trabalho angustiante para os médicos. Em Plataforma, no Subúrbio, ficou evidente a necessidade de uma política para as urgências. As unidades, do tipo pronto-atendimento, são desprovidas de recursos de apoio diagnóstico e terapêutico, o que expõe o médico a uma situação de estresse constante, além do risco a que submete a população. Por tudo isso, a construção do Hospital do Subúrbio Ferroviário, já anunciada pelo secretário Jorge Solla e o governador Jaques Wagner, vêm sendo aguardada com ansiedade. Lembrando que é urgente uma ação mais efetiva do município no que diz respeito à atenção básica de saúde. Melhores condições de trabalho, remuneração digna, concurso público e estruturação de um plano de cargos, carreira e salários continuam sendo os objetivos da luta dos médicos. O presidente do Sindimed, José Caíres, reafirmou a necessidade de continuar empunhando essas bandeiras para garantir um melhor atendimento à população e resgatar a dignidade da categoria. A campanha na mídia Para chamar a atenção dos médicos e da opinião pública, o Sindicato investiu na veiculação da campanha de mobilização através do rádio, televisão, outdoor, cartazes e anúncio no jornal. A idéia de propor o atendimento de um chamado, não somente o da mobilização, mas o do resgate da dignidade, é um alerta para a sociedade sobre a necessidade de valorizar o trabalho médico e a saúde. O Sindimed continuará cobrando do governo, em todas as esferas federal, estadual e municipal -, o atendimento ao chamado da sociedade, por uma saúde pública condizente com a necessidade da população, estruturada e de qualidade. Aos médicos cumpre atender ao chamado da mobilização e aos gestores públicos, ao chamado da sociedade. Assim, doutores, atendam a esses chamados. Abr/Jun de

16 Assembléia do dia 11 lotou o auditório do Sindimed A campanha nas ruas fez o chamado Médicos do estado querem piso salarial e melhores condições de trabalho A diretoria do sindicato percorreu hospitais e unidades de saúde convocando a mobilização e discutindo as reivindicações dos estatutários Os médicos da Secretaria Estadual de Saúde - Sesab, reunidos em assembléia no auditório do Sindimed, no dia 11 de junho, decidiram reivindicar do Governo do Estado a elevação do piso salarial da categoria para R$ 7.503,18, valor definido pela Federação Nacional dos Médicos - Fenam, desde Este piso é resultante da atualização monetária pelo IGP (FGV) acumulado no ano de 2007 e da interpretação correta da Lei 3.999/61. Os médicos concursados que atuam na Sesab estão cansados da forma como historicamente vêm sendo tratados, enfrentando arrocho salarial e precarização das condições de trabalho. Segundo o presidente do Sindimed, José Caires Meira, a categoria já teve seu salário no patamar de dez salários mínimos, o que atualmente corresponderia a algo em torno de R$ 4.150,00, mas lamentavelmente recebe hoje, como salário base, irrisórios R$ 550,00. Entre os quase 150 médicos presentes à assembléia, era unânime o sentimento de que a categoria precisa resgatar a dignidade. As discussões abordaram salário e condições de trabalho, conjugados com a necessidade de garantir atendimento digno e de qualidade à população, coisa que é impossível nos atuais patamares praticados pela Sesab. Sindimed na base A assembléia foi o momento de aprofundar os debates e tomar decisões 16 Abr/Jun de 2008

17 As discussões prenderam a atenção Espaço livre para o debate de idéias... Os médicos estatutários queixam-se também do número reduzido de profissionais que existem hoje na rede pública de saúde hospitais e postos de atendimento -, porque lamentavelmente os salários e as condições de trabalho oferecidas pelo serviço público não são atrativas. As contratações temporárias feitas no ano passado, através do Regime de Direito Administrativo Reda, não supriram as lacunas existentes. Fica assim provado, que nem a remuneração do Reda, que está em torno de R$ 3.200,00 (para jornada de 20 horas semanais), atende hoje as necessidades da categoria avalia o vice-presidente do Sindimed, Francisco Magalhães. Resgatar a dignidade O Sindimed desenvolve uma campanha de mobilização que objetiva negociar com o Governo a definição de um piso salarial digno e a imediata realização de concurso público, tanto para suprir a carência de profissionais em determinadas especialidades, como para acabar com os vínculos de trabalho precarizados. Além disso, está em curso uma negociação para a estruturação de um Plano de Cargos, Carreira e Salário para os médicos do serviço público. A expectativa do sindicato, dos médicos e da população baiana é que o atual governo se mostra mais sensível ao problema da saúde pública do que as gestões anteriores, cuja herança tem gerado o sentimento de desassistência que a imprensa e os usuários do SUS denunciam.... e formulação de propostas A campanha do Sindimed foi bem recebida As placas atingiram também a opinião pública Auditório cheio, mobilização forte Abr/Jun de

18 Pessoa Jurídica Ser ou não ser, eis a questão É melhor o vínculo trabalhista, com direito a férias, 13 o e as garantias sociais? Ou a opção pela pessoa jurídica, que arca com impostos, contabilidade e planejamento de reservas, é melhor? Cada dia mais os médicos se fazem estas perguntas. Esta é também uma reflexão que vem sendo feita há algum tempo pelo Sindimed, e que interessa de perto ao médico baiano. Mas não e um problema enfrentado apenas aqui no estado. Em todo o país e em outras partes do planeta, o mundo do trabalho busca caminhos e respostas para o desafio da empregabilidade, da valorização profissional e enfrenta ataques de setores do poder econômico que defendem a banalização da mão-de-obra e da precarização das relações de trabalho. No sentido de contribuir para o aprofundamento do assunto, subsidiando com números, informações e valores essa discussão, a Revista Luta Médica publica nesta edição alguns artigos que podem ajudar cada profissional a tirara suas próprias conclusões, analisando cada uma das situações específicas em que se encontra. O artigo a seguir, atualizado pela assessoria contábil do Sindimed Bahia foi produzido originalmente por Marli Soares, diretora-tesoureira do Cremesp e Venicio di Gregório, advogado do Sindicato dos Médicos de São Paulo e outras entidades médicas paulistas. O texto evidencia a carga tributária que incide sobre os diversos tipos de remuneração. Vale a pena ser pessoa jurídica? Os médicos, assim como os demais trabalhadores brasileiros, experimentam atualmente uma situação bastante delicada no que se refere às relações de trabalho e à seguridade social. Raramente o médico consegue um posto de trabalho com carteira assinada e freqüentemente é forçado a prestar serviços como autônomo, cooperado ou na condição de empresa. Mas, qual é a melhor opção: ser empregado, inscrever-se como autônomo ou constituir uma pessoa jurídica? É verdade que quase nunca o médico pode fazer a escolha de ser contratado, pois, na maioria das vezes, é o contratante que dá as regras do jogo, com o objetivo de obter a prestação de serviços com o menor custo possível. De qualquer modo, procuramos demonstrar adiante, por meio de um quadro comparativo simplificado, as vantagens e desvantagens de uma e outra situação. Tanto para o segurado empregado como para os contribuintes individuais (sócios de empresa e autônomos), as contribuições previdenciárias do quadro 1, foram calculadas sobre R$ 2.000,00, valor abaixo do limite máximo do salário de contribuição (teto), do INSS. Nos quadros 2 e 3, as contribuições (por mera questão de paridade) foram calculadas com base no limite máximo do salário de contribuição (teto), atualmente R$ 3.038,99. Apesar disso, a contribuição previdenciária do sócio-administrador de uma pessoa jurídica pode ser menor, dependendo da retirada estabelecida, a título de prólabore, no contrato social. Além das contribuições previdenciárias acima mencionadas, as empresas tomadoras de serviços deverão contribuir com mais 20% sobre o total da folha de pagamento, da qual fazem parte os empregados e os trabalhadores avulsos que lhes prestem serviços. Convém esclarecer que a legislação previdenciária considera trabalhador avulso aquele que presta serviços de natureza urbana ou rural a diversas empresas, sem vínculo empregatício. As empresas tomadoras de serviço também são obrigadas a contribuir com mais 20% sobre o total das remunerações pagas ou creditadas a qualquer título, no decorrer do mês, aos segurados contribuintes individuais (neste exemplo, os autônomos), que lhes prestem serviços, e 15% sobre o valor bruto da nota fiscal ou fatura de prestação de serviços, relativamente aos serviços que lhes são prestados por membros de cooperativas de trabalho. Com exceção do exemplo do quadro 1, nota-se que nos outros dois exemplos a pessoa jurídica se mostra mais viável, mesmo considerando a contribuição previdenciária do sócio 18 Abr/Jun de 2008

19 Quadro 1 Renda mensal de R$ 2.000,00 Empregado assalariado Pessoa jurídica Autônomo INSS = 220,00 (11%) PIS = 0,65% 13,00 INSS = 220,00 IRPF = 61,07 (sem dependentes) Cofins = 3,00% 60,00 IRRF = 61,07 CSLL = 2,88% 57,60 ISS = 40,40 * IRPJ = 4,80% 96,00 ISS = 2,00% 40,00 INSS = 11,00% 220,00 Total de Impostos = 281,07 = 486,60* = 321,47 Líquido a receber = 1.718,93 = 1.513,40 = 1.678,53 Nota: para pessoa jurídica, considerar mais R$ 548,00 por mês para férias, despesas de fim de ano e emergências. * Base no valor de autônomo Nível superior da PMS R$ 484,80 Quadro 2 Renda mensal de R$ 5.000,00 Empregado assalariado Pessoa jurídica Autônomo INSS = 334,29 (teto máximo) PIS = 0,65% 32,50 INSS = 334,29 IRPF = 734,23 (sem dependentes) Cofins = 3,00% 150,00 IRRF = 734,23 CSLL = 2,88% 144,00 ISS = 40,40 IRPJ = 4,80% 240,00 ISS = 2,00% 100,00 INSS = 11,00% 334,29 Total de Impostos = 1.068,52 = 1.000,79* = 1.108,92 Líquido a receber = 3.931,48 = 3.999,21 = 3.891,08 Nota: para pessoa jurídica, considerar mais R$ 1.372,00 por mês para férias, despesas de fim de ano e emergências. Quadro 3 Renda mensal de R$ ,00 administrador no limite máximo do salário de contribuição (teto). No entanto, buscando-se uma paridade com a condição do assalariado, é recomendável que o profissional mantenha uma reserva para suas férias e despesas de final de ano, além de uma provisão correspondente ao fundo de garantia. Tomando o exemplo de faturamento de cinco mil reais, além do valor de impostos e contribuições (R$ 974,67), seria necessário reservar mais R$ 1.233,00, totalizando despesas mensais de R$ 2.207,67. Com isso, a renda mensal efetiva seria de R$ 2.792, 33. Em qualquer circunstância, antes de fazer a escolha, convém consultar uma assessoria contábil de confiança. Empregado assalariado Pessoa jurídica Autônomo INSS = 334,29 PIS = 0,65% 65,00 INSS = 334,29 IRPF = 2.109,23 Cofins = 3,00% 300,00 IRRF = 2.109,23 CSLL = 2,88% 288,00 ISS = 40,40 IRPJ = 4,80% 480,00 ISS = 2,00% 200,00 INSS = 11,00% 334,29 Total de Impostos = 2.443,52 = 1.667,29* = 2.483,92 Líquido a receber = 7.556,48 = 8.332,71 = 7.516,08 Nota: para pessoa jurídica, considerar mais R$ 2.534,67 por mês para férias, despesas de fim de ano e emergências. CFM regulamenta sobreaviso Há anos a categoria médica se defronta com dúvidas e imprecisões no que concerne às regras que disciplinam e remuneram, o sobreaviso. Cada hospital, posto de saúde ou órgão gestor tem definido regras próprias ou simplesmente não as define, deixando os profissionais sem uma orientação precisa sobre esta situação especial de trabalho, muitas vezes percebendo remuneração aquém do que exige essa condição de disponibilidade do médico. Para solucionar de uma vez a questão, o Conselho Federal de Medicina editou no mês de março deste ano a Resolução nº 1.834/08, que regula a disponibilidade médica em sobreaviso e determina sua remuneração. Entre as principais definições, a Resolução estabelece que: É considerada disponibilidade médica em sobreaviso a atividade do médico que permanece à disposição da instituição de saúde, de forma não-presencial, cumprindo jornada de trabalho preestabelecida; A disponibilidade médica em sobreaviso deve ser remunerada de forma justa, sem prejuízo do recebimento dos honorários devidos ao médico pelos procedimentos praticados; A remuneração da disponibilidade médica em sobreaviso deve ser estipulada previamente em valor acordado entre os médicos da escala de sobreaviso e a direção técnica da instituição de saúde pública ou privada; Aos médicos do Corpo Clínico das instituições de saúde será facultado decidir livremente pela participação na escala de disponibilidade em sobreaviso, nas suas respectivas especialidades e áreas de atuação. Abr/Jun de

20 Seus Direitos Contratação de médico como pessoa jurídica pode gerar vínculo Trabalho como médico e não tenho vínculo empregatício. Todavia, cumpri os horários de trabalho com carga horária definida. Se falto a um plantão, não recebo nada, não tenho férias. Para recebermos nossos salários, temos que criar uma pessoa jurídica, sob pretexto de prestação de serviço. Esta relação não se caracterizaria como uma vinculação empregatícia, com todas suas repercussões do direito do trabalho? Outrossim, que meios de provas podem ser produzidos no nosso dia-a-dia? Posso usar, por exemplo, fichas e relatórios de atendimentos? A.N.M. - Salvador - Bahia A contratação de médicos através de pessoa jurídica é uma prática corriqueira em nosso Estado. Em muitos casos configura um contrato de prestação de serviço. Contudo, tal conduta pode ser utilizada como instrumento para escamotear a realidade e, com isso, tentar desconfigurar uma verdadeira relação jurídica de emprego entre o médico e a entidade de saúde contratante, a fim de impedir a incidência dos efeitos da legislação trabalhista pertinente. Entretanto, no Direito do Trabalho prevalece o chamado princípio da primazia da realidade, segundo o qual pouco importa a forma com que foi revestido o contrato; se, de fato, havia uma relação jurídica de natureza trabalhista, deverá ser aplicada a CLT e a legislação a ela complementar, com todos os seus efeitos. Por outro lado, para que se possa determinar que o liame laboral realmente possui natureza jurídica trabalhista, têm que estar presentes os quatro elementos previstos no art.3º, caput, da CLT, que são a subordinação, a permanência, a onerosidade e a pessoalidade.em outras palavras, é indispensável que o consulente possa comprovar que ele próprio trabalhava de maneira constante e permanente para a entidade de saúde (seja ela um hospital, uma clínica etc.), sujeitando-se às suas ordens e ao poder de comando empresarial, em troca de uma determinada remuneração. Dos quatro apontados, parece não restar dúvida da presença da pessoalidade, da permanência e da onerosidade.contudo, o elemento mais importante e duvidoso a ser identificado é a subordinação, vale dizer, a circunstância de que, embora o médico tenha sido contratado como prestador de serviço e através de pessoa jurídica, efetivamente se submete ao poder diretivo e ao controle do patrão. Há sinais da ocorrência dessa subordinação nos dados fornecidos pelo interessado.com efeito, informa que cumpre jornada certa de trabalho, com carga horária bem definida. Entretanto, terá que provar, com muita clareza, que se sujeita a esse poder diretivo patronal. Para isso poderá utilizar em juízo de todos os meios de prova admitidos, como documental (por exemplo, as fichas e relatórios de atendimentos acima mencionados), o testemunho de companheiros de trabalho (como seria o caso de outros médicos que realizavam os mesmos plantões ou mesmo funcionários que realizam atividades distintas na empresa) etc. Se ficar comprovada a natureza empregatícia do presente contrato, terá direito não só às férias mas também ao recolhimento do FGTS, ao recebimento do décimo terceiro salário e de todos os demais direitos previstos em lei. Deverá ajuizar uma reclamação trabalhista perante uma das Varas do Trabalho de Salvador e, para tal, sugiro que contrate um advogado, que possa defendê-lo em juízo e orienta-lo a respeito da produção de toda a prova necessária para a obtenção de sua pretensão. Jairo Sento-Sé procurador do Trabalho A TARDE Empregos e Negócios Salvador, Domingo, 24/02/2008 Direito do Trabalho Reclamação fictícia é crime A empresa está disposta a um acordo. Primeiro acertamos os valores, depois você entra com uma ação na Justiça pode reclamar tudo, não tem problema, ninguém quer prejudicar ninguém, nós sabemos... Aí nós pagamos o combinado e fica tudo certo. Cuidado, essa conversa amigável, aparentemente inocente, que propõe resolver um impasse, esconde na verdade um crime. A conduta, em linguagem jurídica, é chamamento à prática de lide simulada, e se caracteriza pela simulação de uma desavença, perante a Justiça. A reclamação na Justiça do Trabalho, omitindo que previamente as partes já entraram em acordo, também tem nome: é a lide simulada. A ação é proposta para obter uma sentença(acordo) que garanta à empresa a quitação de um débito decorrente de violação do direito trabalhista. Em geral a lide simulada serve para que o empregado dê quitação ao empregador, recebendo menos do que aquele lhe deve e muitas vezes é imposta como condição para o recebimento de quaisquer valores. Ao fazer o acordo na Justiça, o empregado dá quitação geral de todo o vínculo trabalhista, ficando impedido de promover outra reclamação contra o mesmo empregador sobre quaisquer outros direitos. Segundo a coordenadora da assessoria jurídica do Sindimed, Isabelle Borges, o patrão que induz o empregado a erro ou o ludibria para que participe da lide simulada pode ter sua conduta caracterizada como criminosa. De acordo com o artigo 203 do código Penal, frustrar, mediante fraude ou violência, direito assegurado pela legislação trabalhista, pode ser punido com detenção de um a dois anos e multa, além da pena correspondente à violência (quando for praticada). Se constatar que está diante de uma lide simulada, o juiz pode baseando-se no artigo 129 do Código de Processo Civil -, extinguir o processo sem julgar o mérito, o que significa dar a ação por terminada sem proferir decisão sobre o direito reclamado. O juiz oficia o ocorrido ao Ministério Público do Trabalho para abertura de inquérito de apuração dos responsáveis pelo ato criminoso. Além disso, vai oficiar a OAB sobre a conduta dos advogados envolvidos na prática, para que respondam processo ético-disciplinar. 20 Abr/Jun de 2008

LUTA MÉDICA ENTREVISTA: JORGE SOLLA Entrevista publicada na Revista Luta Médica nº 02 (janeiro/fevereiro de 2007)

LUTA MÉDICA ENTREVISTA: JORGE SOLLA Entrevista publicada na Revista Luta Médica nº 02 (janeiro/fevereiro de 2007) LUTA MÉDICA ENTREVISTA: JORGE SOLLA Entrevista publicada na Revista Luta Médica nº 02 (janeiro/fevereiro de 2007) Médico Pesquisador do Instituto de Saúde Coletiva (ISC) da Universidade Federal da Bahia.Ex-Coordenador

Leia mais

LOPPIANO ENGENHARIA LTDA. Rua dos Andradas, 107 - Centro 13300-170 - Itu SP Fone: (11) 4022-7415 DENGUE

LOPPIANO ENGENHARIA LTDA. Rua dos Andradas, 107 - Centro 13300-170 - Itu SP Fone: (11) 4022-7415 DENGUE DENGUE A palavra dengue tem origem espanhola e quer dizer "melindre", "manha". O nome faz referência ao estado de moleza e prostração em que fica a pessoa contaminada pelo arbovírus (abreviatura do inglês

Leia mais

Taxa de incidência da dengue, Brasil e regiões, 1998-2001

Taxa de incidência da dengue, Brasil e regiões, 1998-2001 1 reintrodução da dengue no Brasil em 1986 pelo Estado do Rio de Janeiro um sério problema de Saúde Pública, com 8 epidemias associadas aos sorotipos 1, 2 e 3 taxas de incidência: novo aumento a partir

Leia mais

Prevenção e conscientização é a solução. Ciências e Biologia

Prevenção e conscientização é a solução. Ciências e Biologia Prevenção e conscientização é a solução Ciências e Biologia Dengue Transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, a dengue é uma doença viral que se espalha rapidamente no mundo. A palavra dengue tem origem

Leia mais

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E CLÍNICAS

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E CLÍNICAS PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E CLÍNICAS IR? COFINS?? INSS? PIS SUMÁRIO 1 Introdução 3 2 Planejamento 5 3 Simples Nacional com a inclusão de novas categorias desde 01-2015 8 4 Lucro

Leia mais

FEBRE AMARELA: Informações Úteis

FEBRE AMARELA: Informações Úteis FEBRE AMARELA: Informações Úteis Quando aparecem os sintomas? Os sintomas da febre amarela, em geral, aparecem entre o terceiro e o sexto dia após a picada do mosquito. Quais os sintomas? Os sintomas são:

Leia mais

Período de incubação nos seres humanos, varia de 3 a 15 dias, mais comum de 5 a 6 dias, isto significa que o paciente vai sentir os sintomas depois

Período de incubação nos seres humanos, varia de 3 a 15 dias, mais comum de 5 a 6 dias, isto significa que o paciente vai sentir os sintomas depois DENGUE DENGUE : DOENÇA QUE MATA DENGUE FORMAS CLÍNICAS DA DENGUE Assintomática Oligossintomática Dengue clássica Dengue grave Febre hemorrágica Dengue com Complicações transmissão Dengue é transmitida

Leia mais

Moradores denunciam demora no combate à dengue no ABC

Moradores denunciam demora no combate à dengue no ABC 1 de 5 Moradores denunciam demora no combate à dengue no ABC Maria Teresa Orlandi Apesar do risco iminente de uma epidemia de dengue chegar à região, as prefeituras têm demorado para detectar e extirpar

Leia mais

Apresentação Mobilização no combate à dengue

Apresentação Mobilização no combate à dengue Apresentação Mobilização no combate à dengue Atualmente, a dengue é considerada um dos principais problemas de saúde pública do mundo. Com a temporada de chuvas, os riscos de surtos da doença ficam ainda

Leia mais

E. E. DR. JOÃO PONCE DE ARRUDA DENGUE: RESPONSABILIDADE DE TODOS RIBAS DO RIO PARDO/MS

E. E. DR. JOÃO PONCE DE ARRUDA DENGUE: RESPONSABILIDADE DE TODOS RIBAS DO RIO PARDO/MS E. E. DR. JOÃO PONCE DE ARRUDA DENGUE: RESPONSABILIDADE DE TODOS RIBAS DO RIO PARDO/MS MAIO/2015 E. E. DR. JOÃO PONCE DE ARRUDA E.E. DR. João Ponce de Arruda Rua: Conceição do Rio Pardo, Nº: 1997 Centro.

Leia mais

Mosquito da dengue invade bairros nobres da cidade e infestação chega a 20%

Mosquito da dengue invade bairros nobres da cidade e infestação chega a 20% Mosquito da dengue invade bairros nobres da cidade e infestação chega a 20% Volta e meia, o mosquito da dengue dá provas de que pode aparecer em qualquer lugar. E é qualquer mesmo. Na capital baiana, alguns

Leia mais

Apresentação. O que é Dengue Clássica?

Apresentação. O que é Dengue Clássica? Apresentação É no verão que acontecem as maiores epidemias de dengue devido ao alto volume de chuva. O Santa Casa Saúde, por meio do Programa Saúde Segura, está de olho no mosquito aedes aegypti e na sua

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), transmitido pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus.

É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), transmitido pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus. Chikungunya O QUE É O que é Chikungunya? É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), transmitido pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus. O que significa o nome? Significa

Leia mais

Clipping Eletrônico Domingo dia 26/10/2014

Clipping Eletrônico Domingo dia 26/10/2014 Clipping Eletrônico Domingo dia 26/10/2014 Jornal Diário do Amazonas Sociedade Pág. 19-26 de outubro de 2014 Jornal Em Tempo Saúde e Bem Estar Pág. F1-26 de outubro de 2014 Jornal Em Tempo Saúde e Bem

Leia mais

Somos os superexterminadores da dengue. missão é combater... ... e eliminar o mosquito. dessa doença. Junte-se ao batalhão de operações

Somos os superexterminadores da dengue. missão é combater... ... e eliminar o mosquito. dessa doença. Junte-se ao batalhão de operações 1 Somos os superexterminadores da dengue. Nossa missão é combater...... e eliminar o mosquito transmissor dessa doença. Junte-se ao batalhão de operações MATA-MOSQUITO. Saiba mais sobre a dengue e torne-se

Leia mais

TÍTULO:A NECESSIDADE DE CONSCIENTIZAÇÃO NA LUTA CONTRA A DENGUE.

TÍTULO:A NECESSIDADE DE CONSCIENTIZAÇÃO NA LUTA CONTRA A DENGUE. TÍTULO:A NECESSIDADE DE CONSCIENTIZAÇÃO NA LUTA CONTRA A DENGUE. AUTORES:Madureira, M.L 1.; Oliveira, B.C.E.P.D 1.; Oliveira Filho, A. M. 2 ; Liberto, M.I.M. 1 & Cabral, M. C. 1. INSTITUIÇÃO( 1 - Instituto

Leia mais

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra?

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra? Rádio Web Saúde dos estudantes de Saúde Coletiva da UnB em parceria com Rádio Web Saúde da UFRGS em entrevista com: Sarah Donetto pesquisadora Inglesa falando sobre o NHS - National Health Service, Sistema

Leia mais

CAPÍTULO 5 AS PERSPECTIVAS

CAPÍTULO 5 AS PERSPECTIVAS CAPÍTULO 5 AS PERSPECTIVAS DA INFECTOLOGIA Entre os principais desafios da especialidade, questões como o uso racional dos antimicrobianos, a melhoria da infra-estrutura para diagnóstico etiológico e o

Leia mais

Assembleia teve presença do secretário Jorge Solla, representantes do Sindimed, Cremeb, ABM e da vereadora Aladilce Souza

Assembleia teve presença do secretário Jorge Solla, representantes do Sindimed, Cremeb, ABM e da vereadora Aladilce Souza S esab A Saúde na Bahia precisa de tratamento Assembleia teve presença do secretário Jorge Solla, representantes do Sindimed, Cremeb, ABM e da vereadora Aladilce Souza Campanha reivindicat 22 No dia 22

Leia mais

O mosquito da dengue pode matar. E é ainda mais perigoso para gestantes. Proteja-se.

O mosquito da dengue pode matar. E é ainda mais perigoso para gestantes. Proteja-se. O mosquito da dengue pode matar. E é ainda mais perigoso para gestantes. Proteja-se. 2015 2 Mobilização contra a microcefalia O governo federal está mobilizado para enfrentar o aumento de casos de microcefalia

Leia mais

OBSERVAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E PRÁTICAS DA POPULAÇÃO, DE UMA MICROÁREA DE UM BAIRRO DO RECIFE-PE SOBRE DENGUE

OBSERVAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E PRÁTICAS DA POPULAÇÃO, DE UMA MICROÁREA DE UM BAIRRO DO RECIFE-PE SOBRE DENGUE OBSERVAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E PRÁTICAS DA POPULAÇÃO, DE UMA MICROÁREA DE UM BAIRRO DO RECIFE-PE SOBRE DENGUE TEIXEIRA, A.Q. (¹) ; BRITO, A.S. (²) ; ALENCAR, C.F. (2) ; SILVA, K.P. (2), FREITAS, N.M.C.

Leia mais

Internação Gratuita para Dependente Químico

Internação Gratuita para Dependente Químico Guia Prático para Conseguir Tratamento Gratuito na Rede Pública de Saúde e em Clínica Particular Sumário Como conseguir em Clínica Particular Introdução O que você vai ler neste ebook Drogas: questão de

Leia mais

Mobilização contra a microcefalia

Mobilização contra a microcefalia Mobilização contra a microcefalia O governo federal está mobilizado para enfrentar o aumento de casos de microcefalia no país. Até novembro de 2015, mais de mil bebês nasceram com suspeita deste grave

Leia mais

A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano

A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano Nossa Realidade 57% da população brasileira não possui coleta de esgoto (SNIS 2008) O Brasil é o 9º

Leia mais

TODOS CONTRA A DENGUE

TODOS CONTRA A DENGUE Como se transmite? MOSQUITO SAUDÁVEL PESSOA INFECTADA MOSQUITO INFECTADO PESSOAS SAUDÁVEIS MAIS PESSOAS INFECTADAS A dengue é uma doença infecciosa causada por um vírus da família Flaviridae e transmitida

Leia mais

CONSTRUINDO UM PROJETO DE VOLUNTARIADO

CONSTRUINDO UM PROJETO DE VOLUNTARIADO CONSTRUINDO UM PROJETO DE VOLUNTARIADO ExpedieNte TEXTO Kátia Regina Gonçalves Paulo de Camargo Priscila Cruz COORDENAÇÃO DO PROJETO Sílnia Nunes Martins Prado PROJETO GRÁFICO Linea Creativa ILUSTRAÇÃO

Leia mais

Conselho protesta contra prefeitura

Conselho protesta contra prefeitura Informativo Eletrônico da SE/CNS para os conselheiros nacionais Ano VI, Brasília, 08/04/2009. Prezado (a) conselheiro (a), Estamos encaminhando um clipping de notícias do CNS na mídia. A intenção é socializar

Leia mais

O Sr. CELSO RUSSOMANNO (PP-SP) pronuncia o. seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores

O Sr. CELSO RUSSOMANNO (PP-SP) pronuncia o. seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores O Sr. CELSO RUSSOMANNO (PP-SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, transcorreram já mais de duas décadas desde que a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida

Leia mais

Relatório Mesa 6. I. Introdução. Lista dos participantes

Relatório Mesa 6. I. Introdução. Lista dos participantes Relatório Mesa 6 OBJETIVO 6 Meta 7 Meta 8 COMBATER AIDS, MALÁRIA E OUTRAS DOENÇAS Até 2015, ter detido a propagação do HIV/Aids, começado a inverter a tendência atual. Até 2015, ter detido a incidência

Leia mais

NOTA TECNICA SAÚDE-N. 26-2015. Título: CNM alerta municípios em áreas de risco do mosquito Aedes aegypti

NOTA TECNICA SAÚDE-N. 26-2015. Título: CNM alerta municípios em áreas de risco do mosquito Aedes aegypti NOTA TECNICA SAÚDE-N. 26-2015 Brasília, 01 de dezembro de 2015. Área: Área Técnica em Saúde Título: CNM alerta municípios em áreas de risco do mosquito Aedes aegypti Fonte: Dab/MS/SAS/CNS 1. Em comunicado

Leia mais

Relatório Mesa 4. REDUZIR A MORTALIDADE INFANTIL Reduzir em dois terços, entre 1990 e 2015, a mortalidade de crianças menores de 5 anos.

Relatório Mesa 4. REDUZIR A MORTALIDADE INFANTIL Reduzir em dois terços, entre 1990 e 2015, a mortalidade de crianças menores de 5 anos. Relatório Mesa 4 OBJETIVO 4 Meta 5 REDUZIR A MORTALIDADE INFANTIL Reduzir em dois terços, entre 1990 e 2015, a mortalidade de crianças menores de 5 anos. I. Introdução Após a apresentação dos participantes

Leia mais

Prefeitura Municipal de Gavião-BA PODER EXECUTIVO

Prefeitura Municipal de Gavião-BA PODER EXECUTIVO ANO. 2014 DO MUNICÍPIO DE GAVIÃO - BAHIA 1 A Prefeitura Municipal de Gavião, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. GAVIÃO: SECRETARIA DE SAÚDE REALIZA CAMPANHA PREVENTIVA

Leia mais

CRC-DF reúne Receita Federal e Faculdades para implantação de NAF s no DF

CRC-DF reúne Receita Federal e Faculdades para implantação de NAF s no DF CRC-DF reúne Receita Federal e Faculdades para implantação de NAF s no DF Qua, 03 de Setembro de 2014 A presidente do Conselho Regional de Contabilidade do Distrito Federal (CRD- DF), Sandra Batista, promoveu

Leia mais

Uma vida dedicada. do ensino médico?

Uma vida dedicada. do ensino médico? E ntrevista Gilson Soares Feitosa O entrevistado desta edição é o cardiologista e professr Gilson Feitosa, que é coordenador da Residência em Cardiologia e diretor de Ensino e Pesquisa do Hospital do Hospital

Leia mais

TODOS CONTRA A DENGUE

TODOS CONTRA A DENGUE TODOS CONTRA A DENGUE A dengue é uma doença infecciosa causada por um vírus da família Flaviridae e transmitida ao homem principalmente pelo mosquito Aedes aegypti. Essa doença afeta milhões de pessoas

Leia mais

A experiência dos usuários - um depoimento 1

A experiência dos usuários - um depoimento 1 1 A experiência dos usuários - um depoimento 1 Mário César Scheffer Jornalista Apresentação In: Carneiro, F. (Org.). A Moralidade dos Atos Cientificos questões emergentes dos Comitês de Ética em Pesquisa,

Leia mais

Levantamento sobre a incidência de dengue e seu controle no município de. Centro de Ciências Biológicas e da Saúde CCBS

Levantamento sobre a incidência de dengue e seu controle no município de. Centro de Ciências Biológicas e da Saúde CCBS TÍTULO: LEVANTAMENTO SOBRE A INCIDÊNCIA DE DENGUE E SEU CONTROLE NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE PB.AUTORES: Orientador: Prof. Dr. Teobaldo Gonzaga R. Pereira, Annelise Mota de Alencar Mat. 20112043 Tel.

Leia mais

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Por Rodrigo Cunha 5 de junho de 1981. O Relatório Semanal de Morbidez e Mortalidade do Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Instituto de Ciências Exatas e Biológicas. Mestrado Profissional em Ensino de Ciências

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Instituto de Ciências Exatas e Biológicas. Mestrado Profissional em Ensino de Ciências UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Instituto de Ciências Exatas e Biológicas Mestrado Profissional em Ensino de Ciências Seleção da primeira etapa de avaliação em Ciências Biológicas Instruções para a

Leia mais

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL MEDIDAS CONCRETAS PARA O ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER NO ÂMBITO DOMÉSTICO/FAMILIAR A presente Matriz insere-se no

Leia mais

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos Eixo III: Programa de trabalho para a direção do SISMMAC Continuar avançando na reorganização do magistério municipal com trabalho de base, organização por local de trabalho, formação política e independência

Leia mais

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Perfil do Palestrante: Contador, Consultor e Professor Universitário Colaborador do Escritório Santa Rita desde 1991 Tributação das Médias e Pequenas Empresas Como

Leia mais

Dpto. Jurídico do Direito Administrativo da ANSEF/RJ

Dpto. Jurídico do Direito Administrativo da ANSEF/RJ Dpto. Jurídico do Direito Administrativo da ANSEF/RJ É bom saber... LEI Nº 12.618, DE 30 DE ABRIL DE 2012. Institui o regime de previdência complementar para os servidores públicos federais titulares de

Leia mais

PROJETO IN$TRUIR - 2014

PROJETO IN$TRUIR - 2014 PROJETO IN$TRUIR - 2014 DÚVIDAS ESCLARECIMENTOS Impostos incidentes sobre a emissão da NF para os convênios Pagamentos dos médicos associados à clínica. Alteração no relatório DMED. (Declaração de Serviços

Leia mais

INFORMATIVO COMBATE DO DENGUE NA 5ª RPM

INFORMATIVO COMBATE DO DENGUE NA 5ª RPM INFORMATIVO COMBATE DO DENGUE NA 5ª RPM Nesta data, 01 de março de 2013, na sede da 5ª Região da Polícia Militar foi realizada a primeira reunião da Comissão Permanente de Combate à Dengue. Tendo em vista

Leia mais

Plaquetopenia (Camila Villa)

Plaquetopenia (Camila Villa) Plaquetopenia (Camila Villa) Para os portadores de plaquetopenia, também chamada de trombocitopenia, uma condição que causa a diminuição do número das plaquetas na corrente circulatória pelo desequilíbrio

Leia mais

PROJETO DENGUE: VAMOS ACABAR COM ISSO-DIGA SIM A SAÚDE!

PROJETO DENGUE: VAMOS ACABAR COM ISSO-DIGA SIM A SAÚDE! 1 PROJETO DENGUE: VAMOS ACABAR COM ISSO-DIGA SIM A SAÚDE! JUSTIFICATIVA: O ano de 2015 começa com aumento dos casos de dengue, em relação a 2010. Tendo em vista a epidemia que assola muitas cidades do

Leia mais

Rio de Janeiro, 3 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 3 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 3 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Elias Nunes Júnior, 20 do 10 de 1958. Nasci em Bom Jesus de Itabapoana, interior do estado. FORMAÇÃO Eu sou formado em Ciências Contábeis, tenho Pós em

Leia mais

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES DENGUE

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES DENGUE DENGUE O que é? A dengue é uma doença febril aguda, causada por vírus, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti (Brasil e Américas) e Aedes albopictus (Ásia). Tem caráter epidêmico, ou seja, atinge um grande

Leia mais

Esta doença afeta mais de 100 milhões de pessoas por ano no mundo, e no Brasil é uma das que têm maior impacto na saúde pública.

Esta doença afeta mais de 100 milhões de pessoas por ano no mundo, e no Brasil é uma das que têm maior impacto na saúde pública. Introdução O Mosquito (Aedes aegypti) Ciclo Biológico do Mosquito Hábitos do vetor Formas de eliminação física e química do vetor Ações realizadas pela Prefeitura através da FMSRC (CCZ) e de outras Notificações

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade. Contrata Consultor na modalidade

Contrata Consultor na modalidade. Contrata Consultor na modalidade Contrata Consultor na modalidade PROJETO 914/BRZ/1138 EDITAL Nº 19/2014 Publicação de perfil(is) para contratação de profissional(is) na(s) área(s), cuja(s) vaga(s) está(ão) disponível (is) na página da

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre Chikungunya CARACTERÍSTICAS

Perguntas e Respostas sobre Chikungunya CARACTERÍSTICAS Perguntas e Respostas sobre Chikungunya CARACTERÍSTICAS O que é Chikungunya? É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), que pode ser transmitida pelos mosquitos Aedes aegypti

Leia mais

X X. Com portas abertas, Djazil recebe familiares. Uma história que se firmou com comprometimento e confiança PÁG 2

X X. Com portas abertas, Djazil recebe familiares. Uma história que se firmou com comprometimento e confiança PÁG 2 X X X Informativo Djazil Nº133 Ano XIII Maio/Junho 2011 Com portas abertas, Djazil recebe familiares A oportunidade levou familiares dos colaboradores até a empresa para uma manhã de sábado diferente.

Leia mais

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores.

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. 2 Ao lado das concepções do trabalho pedagógico para a infância,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ002217/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 20/10/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053080/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.035134/2010-15 DATA DO

Leia mais

Rondônia. Sínteses Estaduais Objetivos de Desenvolvimento do Milênio

Rondônia. Sínteses Estaduais Objetivos de Desenvolvimento do Milênio RO Rondônia Sínteses Estaduais Objetivos de Desenvolvimento do Milênio RO Rondônia Expediente Sínteses Estaduais: Objetivos de Desenvolvimento do Milênio Edição 2010 Tiragem 1000 exemplares Elaboração

Leia mais

PRÊMIO DE INOVAÇÃO ANTONIO CARLOS DE ALMEIDA BRAGA

PRÊMIO DE INOVAÇÃO ANTONIO CARLOS DE ALMEIDA BRAGA 2012 PRÊMIO DE INOVAÇÃO ANTONIO CARLOS DE ALMEIDA BRAGA CASE: Projeto Campanha de Combate à Dengue CATEGORIA: Comunicação FUNCIONÁRIO: Adriana Boscov e Aline Gislene de Oliveira Sumário INTRODUÇÃO... 3

Leia mais

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 Sistema Tributário Nacional Conjunto de regras jurídicas

Leia mais

ESPECIAL SERVIÇOS PÚBLICOS

ESPECIAL SERVIÇOS PÚBLICOS PREFEITURA FAZ INFORMATIVO DA PREFEITURA DE CONTAGEM CONTAGEM - Nº 23 - JUNHO - 2010 ESPECIAL SERVIÇOS PÚBLICOS Prefeitura valoriza servidores para melhorar qualidade dos serviços Nos últimos cinco anos,

Leia mais

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América.

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. La Gestión Contable, Administrativa y Tributaria en las PYMES e Integración Europa-América 23 24 de junio 2006 Santa Cruz de la Sierra (Bolívia)

Leia mais

Caso tenha dúvidas entre em contato conosco através do e-mail Biologia.sem.duvidas@gmail.com ou

Caso tenha dúvidas entre em contato conosco através do e-mail Biologia.sem.duvidas@gmail.com ou Professor Fernanda & Suellen Disciplina Biologia Lista nº 2 Assuntos Biomédicas Lista ENEM complemento do projeto UERJ Caso tenha dúvidas entre em contato conosco através do e-mail Biologia.sem.duvidas@gmail.com

Leia mais

Boa tarde! Sou Dr. Jose Verissimo Junior Assistente Clínico da Clínica Jorge Jaber

Boa tarde! Sou Dr. Jose Verissimo Junior Assistente Clínico da Clínica Jorge Jaber Boa tarde! Sou Dr. Jose Verissimo Junior Assistente Clínico da Clínica Jorge Jaber Sugiro começarmos desligando os celulares AEDES AEGYPTI DENGUE - nome de origem espanhola que significa manha- que caracteriza

Leia mais

JORNAL A TARDE DATA: 17/07/2009

JORNAL A TARDE DATA: 17/07/2009 JORNAL A TARDE DATA: 17/07/2009 Gripe: governo negocia compra de vacina, diz secretário O secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, Reinaldo Guimarães, afirmou que

Leia mais

Antônio Carlos Bento Ribeiro

Antônio Carlos Bento Ribeiro Antônio Carlos Bento Ribeiro Acredito que a Academia pode e deve participar do processo de renovação do Direito do Trabalho no Brasil. Centrada essencialmente nas transformações que têm afetado o mundo

Leia mais

Escola Municipal de Jacurutu PROJETO: DENGUE:

Escola Municipal de Jacurutu PROJETO: DENGUE: Escola Municipal de Jacurutu PROJETO: DENGUE: JUSTIFICATIVA: O ano de 2013 começa com aumento dos casos de dengue, em relação a 2012. Tendo em vista a epidemia que assola a cidade de salinas/municípios

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Vacinação em massa contra febre amarela na África 4.

Vacinação em massa contra febre amarela na África 4. Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2010 (1). Edição 17 Shirley da Luz Gomes 1 Rômulo Luis de Oliveira Bandeira 2 Selonia Patrícia Oliveira Sousa 3 Otacílio Batista

Leia mais

Ciclo do mosquito da Dengue

Ciclo do mosquito da Dengue DENGUE 2,5 bilhões de pessoas em risco 100 milhões de casos por ano Estimativa de 400.000 casos de FHD 100 mil óbitos por ano 100 países endêmicos 121 mil casos no RJ em 2008 103 óbitos (42% em crianças

Leia mais

Inimigo N 1 AGORA E TODO MUNDO CONTRA O MOSQUITO

Inimigo N 1 AGORA E TODO MUNDO CONTRA O MOSQUITO Inimigo N 1 o AGORA E TODO MUNDO CONTRA O MOSQUITO O mosquito esta muito mais perigoso A Bahia está em alerta com a epidemia de três doenças: Dengue, Chikungunya e Zika. Elas são transmitidas pela picada

Leia mais

EDUCAÇÃO POLÍTICA E EDUCAÇÃO DEMOCRÁTICA (IV Parte)

EDUCAÇÃO POLÍTICA E EDUCAÇÃO DEMOCRÁTICA (IV Parte) EDUCAÇÃO POLÍTICA E EDUCAÇÃO DEMOCRÁTICA (IV Parte) Saiba quais são as Recomendações das Conferências Internacionais na emancipação política das mulheres, as quais já foram assinadas pelo governo brasileiro

Leia mais

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Roteiro para montagem de um Plano Preventivo de Defesa Civil Apresentamos o presente roteiro com conteúdo mínimo de um Plano Preventivo de Defesa Civil ou Plano de

Leia mais

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades #ElesPorElas Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades ElesPorElas Criado pela ONU Mulheres, a Entidade das Nações Unidas para

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 325/2013 Data: 04 de Novembro de 2013 SÚMULA: Dispõe sobre o Plano Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, que tem por finalidade fortalecer e estruturar o COMAD como órgão legítimo para coordenar,

Leia mais

EPIDEMIA NEGLIGENCIOSA ESTATAL E SOCIAL

EPIDEMIA NEGLIGENCIOSA ESTATAL E SOCIAL EPIDEMIA NEGLIGENCIOSA ESTATAL E SOCIAL Guilherme Pullig BORGES 1 RESUMO: Neste artigo é ilustrado um mal que abrange a sociedade brasileira há séculos e mesmo com o desenvolvimento econômico e social

Leia mais

GRITO PELA EDUCAÇÃO PÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO

GRITO PELA EDUCAÇÃO PÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO Apresentação Esta cartilha representa um grito dos educadores, dos estudantes, dos pais, dos trabalhadores e da sociedade civil organizada em defesa da educação pública de qualidade, direito de todos e

Leia mais

CLIPPING IMPRESSO Página: -- Data: 04/10/2011. Enfoque: (X) Positivo ( ) Negativo ( ) Neutro NOTÍCIAS

CLIPPING IMPRESSO Página: -- Data: 04/10/2011. Enfoque: (X) Positivo ( ) Negativo ( ) Neutro NOTÍCIAS Editoria: Notícias www.manausonline.com.br Coluna: -- Prefeitura inicia programação do Outubro Rosa, movimento de prevenção ao câncer de mama ( ) Matéria articulada pela assessoria de imprensa -- NOTÍCIAS

Leia mais

Processo Seletivo Público para contratação de Agentes de Combate as Endemias (ACE) e Agentes Comunitários de Saúde (ACS)

Processo Seletivo Público para contratação de Agentes de Combate as Endemias (ACE) e Agentes Comunitários de Saúde (ACS) PREFEITURA MUNICIPAL DE CANTAGALO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE Processo Seletivo Público para contratação de Agentes de Combate as Endemias (ACE) e Agentes Comunitários de Saúde (ACS) 1. De acordo com

Leia mais

PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO

PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO Este documento é resultado do chamado do Ministério da Educação à sociedade para um trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria

Leia mais

Envolver. Edição V Ano II Outubro de 2012. Um caso. de sucesso

Envolver. Edição V Ano II Outubro de 2012. Um caso. de sucesso Envolver Edição V Ano II Outubro de 2012 Um caso de sucesso 1 editorial primeiras letras O ano de 2012 vai chegando ao fim com boas notícias para Pedro Leopoldo. As várias ações de investimento social

Leia mais

José Carlos de Oliveira Lima recebe homenagem especial da Fundação Vanzolini por sua atuação em prol da construção sustentável

José Carlos de Oliveira Lima recebe homenagem especial da Fundação Vanzolini por sua atuação em prol da construção sustentável José Carlos de Oliveira Lima recebe homenagem especial da Fundação Vanzolini por sua atuação em prol da construção sustentável Placa de reconhecimento foi entregue ao engenheiro durante a Conferência Aqua,

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA Vitória, ES Janeiro 2010. 1ª Revisão Janeiro 2011. 2ª Revisão Janeiro 2012. POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA REDE GAZETA IDENTIDADE CORPORATIVA Missão

Leia mais

Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil.

Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil. Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil. Indústria É assim que e Comércio a gente segue Exterior em frente. Introdução Atualmente, muitos

Leia mais

E já surgia vitoriosa! Pois todos os vetos de Goulart foram rejeitados.

E já surgia vitoriosa! Pois todos os vetos de Goulart foram rejeitados. Senhoras e senhores Companheiros da Radiodifusão, É para mim e para todos os meus colegas da ABERT uma enorme alegria e uma honra receber tantos amigos e presenças ilustres nesta noite em que comemoramos

Leia mais

Ser humano e saúde / vida e ambiente. Voltadas para procedimentos e atitudes. Voltadas para os conteúdos

Ser humano e saúde / vida e ambiente. Voltadas para procedimentos e atitudes. Voltadas para os conteúdos Atividade de Aprendizagem 10 Dengue: aqui não! Eixo(s) temático(s) Ser humano e saúde / vida e ambiente Tema Água e vida / reprodução e ocupação de novos ambientes / saúde individual e coletiva Conteúdos

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA PRONASCI Região Nordeste

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA PRONASCI Região Nordeste MINISTÉRIO DA JUSTIÇA PRONASCI Região Nordeste Liderança Comunitária 1. Opinião da liderança comunitária: Nome da Entidade: 8ª Delegacia Nome Completo do Parceiro: Antônio Costa Função/profissão: delegado

Leia mais

ANAIDS Articulação Nacional de Luta Contra a AIDS

ANAIDS Articulação Nacional de Luta Contra a AIDS Carta ANAIDS 1º de Dezembro - Dia Mundial de Luta contra a AIDS Cada um tem sua cara e a aids também tem... A ANAIDS Articulação Nacional de Luta Contra Aids - colegiado que reúne os Fóruns de ONG Aids

Leia mais

Assessoria de imprensa Conquista de espaço editorial Publicações Informação direta ao seu público Comunicação interna Muito além do jornalzinho

Assessoria de imprensa Conquista de espaço editorial Publicações Informação direta ao seu público Comunicação interna Muito além do jornalzinho # Tantas # Edição 01 # Ano 01 Assessoria de imprensa Conquista de espaço editorial Publicações Informação direta ao seu público Comunicação interna Muito além do jornalzinho Editorial Missão e Valores

Leia mais

O Dia D. 12º Prêmio Destaque em Comunicação SINEPE. e a culturalização de um. posicionamento estratégico

O Dia D. 12º Prêmio Destaque em Comunicação SINEPE. e a culturalização de um. posicionamento estratégico O Dia D e a culturalização de um posicionamento estratégico 12º Prêmio Destaque em Comunicação SINEPE Centro Universitário Franciscano uma universidade para suas aspirações Santa Maria é um polo educacional

Leia mais

4. Intensificar as visitas e reuniões com os colegas das unidades descentralizadas, nas capitais e no interior.

4. Intensificar as visitas e reuniões com os colegas das unidades descentralizadas, nas capitais e no interior. APRESENTAÇÃO A chapa Experiência e trabalho: a luta continua" tem como marca principal a soma. Policiais e dirigentes sindicais experientes juntam esforços com os colegas mais novos, para trabalhar por

Leia mais

NVEH Núcleo de Vigilância Epidemiológica Hospitalar

NVEH Núcleo de Vigilância Epidemiológica Hospitalar NVEH Núcleo de Vigilância Epidemiológica Hospitalar BBOLLEETTI IM EEPPI IDEEMI IOLLÓGI ICO TTRRI IMEESSTTRRALL N o 11,, JJAN--FFEEV--MARR 22001111 NÚCLLEEO DEE VIGILLANCI IA EEPPI IDEEMI IOLLÓGI ICA HOSSPPI

Leia mais

RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz

RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz 1 RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz Contrato: AS.DS.PV.024/2010 Empresa: SENSOTECH ASSESSORAMENTO

Leia mais

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 RELATÓRIO DE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: UM ESTUDO DE CASO EM EMPRESA QUE ATUA NO RAMO DE SITUADA NO MUNICÍPIO DE

Leia mais

ÍNDICE - 15/06/2005 Jornal do Brasil... 2 Brasília...2 Folha de S.Paulo... 4 Ciência/ MEDICINA...4 Zero Hora (RS)... 6 Coluna...6

ÍNDICE - 15/06/2005 Jornal do Brasil... 2 Brasília...2 Folha de S.Paulo... 4 Ciência/ MEDICINA...4 Zero Hora (RS)... 6 Coluna...6 ÍNDICE - 15/06/2005 Jornal do Brasil...2 Brasília...2 Campanha tenta evitar surto de hantavirose...2 Folha de S.Paulo...4 Ciência/ MEDICINA...4 Pesquisadora dá uma palestra hoje em Salvador...4 Zero Hora

Leia mais

EDITAL. Edital de Seleção para o Curso de Especialização em Gestão Hospitalar 2008

EDITAL. Edital de Seleção para o Curso de Especialização em Gestão Hospitalar 2008 EDITAL Edital de Seleção para o Curso de Especialização em Gestão Hospitalar 2008 Promoção: Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (SESAB); Escola de Administração da Universidade Federal da Bahia (EADM/UFBA).

Leia mais

TODOS CONTRA O A PREVENÇÃO É A MELHOR SOLUÇÃO

TODOS CONTRA O A PREVENÇÃO É A MELHOR SOLUÇÃO TODOS CONTRA O MOSQUITO A PREVENÇÃO É A MELHOR SOLUÇÃO Sobre o Aedes aegypti O mosquito Aedes aegypti é o transmissor da Dengue, Chikungunya e e a infecção acontece após a pessoa receber uma picada do

Leia mais

MUNICÍPIO DE CUIABÁ) Excelentíssimo Senhor Presidente do. Supremo Tribunal Federal, Doutor Professor Gilmar Ferreira

MUNICÍPIO DE CUIABÁ) Excelentíssimo Senhor Presidente do. Supremo Tribunal Federal, Doutor Professor Gilmar Ferreira O SR. JOSÉ ANTÔNIO ROSA (PROCURADOR-GERAL DO MUNICÍPIO DE CUIABÁ) Excelentíssimo Senhor Presidente do Supremo Tribunal Federal, Doutor Professor Gilmar Ferreira Mendes, na pessoa de quem cumprimento todos

Leia mais

1 Ver Castelo (2005). 2 GVconsult (2005).

1 Ver Castelo (2005). 2 GVconsult (2005). A Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas na Construção Civil Relatório de Pesquisa Equipe Técnica Prof. Dr. Fernando Garcia Profa. Ms. Ana Maria Castelo Profa.Dra. Maria Antonieta Del Tedesco Lins Avenida

Leia mais