Resoluções das Atividades

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resoluções das Atividades"

Transcrição

1 LIVRO BIOLOGIA Resoluções as Ativiaes Sumário Aula Princípios básicos que regem a transmissão e características hereitárias... Aula Aspectos genéticos o funcionamento o corpo humano... Aula Grupos sanguíneos, transplantes, oenças autoimunes, sistema Rh e eritroblastose fetal... Aula A Seguna Lei e Menel ou i-hibriismo...6 Aula 5 A genética o sexo e eterminação genética o sexo na espécie humana...8 Aula Princípios básicos que regem a transmissão e características hereitárias 0 B 0 D Ativiaes para Sala Nem toas as enzimas são proteínas, contuo, algumas moléculas e ácio ribonucleico poem esempenhar ativiae enzimática, essas moléculas e RNA enominam-se ribozimas. O centro, ou sítio, ativo enzimático possui um formato que lhes possibilita encaixar-se nos reagentes a reação, os substratos. Quano a enzima se encaixa nos reagentes, torna-se capaz e alterar a estrutura essas moléculas, permitino que a reação ocorra com menos energia e ativação. Um aminoácio é coificao por três nucleotíeos, como iz o item C. Porém, o gene que coifica uma proteína tem sempre mais nucleotíeos que aminoácios. Quanto às imagens trazias no enunciao a questão, o processo I é enominao transcrição e o processo II, traução. Os inivíuos normais em toas as gerações são homozigotos recessivos. Assim, a ocorrência e poliactilia é uma característica genética autossômica. Se o casal II- e II- (Aa Aa) eciir ter mais filhos, a probabiliae e a criança ser normal será e 5%, enquanto a poliactilia se manifestará em 75% a prole. E a probabiliae e o inivíuo III- ser heterozigoto é e, confirmano o item D, pois: Pai II- Mãe II- Progenitores: A a A a Gametas: A a A a 0 A 0 D 0 C A anormaliae é expressa por gene que se manifesta em homozigose e em heterozigose, contraizeno o item E. O citao cruzamento, entre ois heterozigotos, prouz a seguinte escenência: Aa Aa Gametas A a A AA Aa a Aa aa Os eventos são iferentes e inepenentes, ou seja, a probabiliae e um evento ocorrer não afeta a probabiliae o outro evento (sexo masculino e albino). Nesse caso, a probabiliae e os eventos ocorrerem juntos e o prouto as probabiliaes e caa um isolao. A presença e saras é uma característica autossômica ominante. Observe o casal, eles têm o mesmo fenótipo e resultou em uma escenência fenotipicamente iferente os pais. Esse fenótipo iferente é eterminao por alelos recessivos, inicano que seus pais são heterozigotos. O genótipo mais provável o casal é SS SS, e o casal apresenta os genótipos. Ss ss. Assim, a probabiliae obtia será (saras) (sexo feminino) =. Por outro lao, o genótipo o casal 5 é homozigoto recessivo. Com asas Com asas (Aa) Ativiaes Propostas (Aa) com asas (AA / Aa / Aa) Filiação: A A A a A a a a 0 sem asas (aa) P (Aa) = (Não eve ser consierao) 00 com asas sem asas? Pré-Universitário

2 LIVRO BIOLOGIA 0 D 0 C 0 A I. P: AA aa (0) G: A a F: Aa 00 (00% com asas) II. P: Aa aa (80) G: Aa a F: Aa aa Aa (com asas) 50x 0 00 = = =.000 sem asas aa (com asas) 50x A fenilcetonúria é um efeito na proução e fenillalanina hiroxilase, cuja inciência aproximaa em nativos é em caa a em caa Trata-se e um istúrbio autossômico recessivo. De acoro com o hereograma, o casal II- e II-5 é heterozigoto. Assim, o causano poe ser representao como: = com asas Aa Aa Gametas Gametas A a Gametas A a Gametas A AA Aa A AA Aa a Aa aa a Aa aa Então, a probabiliae e nascer uma criança fenilcetonúrica o sexo feminino é aa pela multiplicação as probabiliaes para as uas características. Probabiliae = (sexo feminino) (fenilcetonúria) = 8. O atavismo se refere ao aparecimento, em uma aa geração, e uma característica expressa em antepassaos remotos, ou seja, salto e gerações, o que não se observa na genealogia representaa. A probabiliae e IV- ser heterozigoto é. A probabiliae e o casal IV- IV- vir a ter escenente normal é 6. As plantas proutoras e ervilhas são icotileôneas e, portanto, prouzem sementes com ois cotiléones. 05 C 06 C Eles absorvem as reservas alimentares para a nutrição o embrião, não seno, porém, esse o motivo a escolha e Menel. As características anatômicas as flores essas plantas, como o anroceu e o gineceu em uma mesma flor e a ocorrência o fenômeno a cleistogamia (quano a fecunação ocorre antes a abertura a flor), facilitam a ocorrência a autofecunação e a observação as características genéticas puras. Isso, por outro lao, ificulta a fecunação cruzaa. O estróbilo é uma estrutura característica e gimnospermas, o que não é o caso as plantas trataas na questão, que são angiospermas, invaliano o item D. Menel também utilizou essas plantas pelo fato e o número e escenentes ser grane e as gerações, curtas. Portanto, está correta a alternativa A. A versão longa o gene para a proteína transportaora a serotonina, que coniciona otimismo, é ominante; e a versão curta no gene, que expressa pessimismo, é expressa em recessiviae. Assim, temos: P : A a A a G: A a A a F: AA Aa Aa aa otimistas Nesse caso, a probabiliae é efetuaa o seguinte moo: P(otimista) P(filha) A Preto B Preta C Preta = 8 A B e A C 8 filhotes pretos P: Aa AA G: Aa A F: AA Aa P : Aa Aa G: Aa Aa 6 filhotes pretos (A_) filhotes amarelos (aa) F: AA Aa Aa aa 00% pretos pretos amarelos Os inivíuos e pelagem amarela, com fenótipos iferentes, são conicionaos por alelos recessivos, inicano que seus pais são heterozigotos. Pré-Universitário

3 LIVRO BIOLOGIA 07 D 08 C 09 B A família o casal I-/I- apresenta ataxia, portanto, fenótipos iguais, e apresenta escenência (inivíuo II-6) normal. Dessa forma, ele é homozigoto recessivo. Portanto, a herança a pera a coorenação os movimentos voluntários é ominante. Os inivíuos II- e II- têm genótipo aa, homozigotos recessivos, assim como o inivíuo II-6. Os inivíuos III- e III-, por sua vez, são heterozigotos (híbrios) para essa herança, pois têm mãe (II-) recessiva. Nessa genealogia, os inivíuos e fenótipo normal são expresso por alelos recessivos, que se manifestam somente em homozigose. Os três fenótipos cor a plumagem na população e pássaros é um caso e ausência e ominância ou herança intermeiária ou ominância incompleta, pois não há relação e ominância e recessiviae entre os alelos o gene que coniciona essa característica. O cruzamento entre ois heterozigotos poe ser representao em um iagrama, como: P: G: F: A Plumagem preta A camptoactilia é conicionaa por um gene ominante. O cruzamento e um inivíuo heterozigoto (Cc) com um inivíuo normal homozigoto (cc), prouziria, se o gene apresentasse uma penetrância e 00% : 50% camptoáctilos (Cc) e 50% normais (cc). Entretanto, a penetrância o gene é e 75% (0,75), o que significa que no total e inivíuos, o gene se expressará em 75% eles. A questão exige a proporção esperaa e inivíuos com camptoactilia, a resposta será: 0,50 (Cc) 0,75 (penetrância) = 7,5%. Poeríamos, também, chegar a esse valor por meio o seguinte cálculo: = = 7, 5% 8 0 C No roeor Cavia porcellus, o alelo A coniciona pelagem amarela e, em homozigose, é letal, enquanto o alelo a expressa cor preta em recessiviae. O cruzamento entre heterozigotos poe ser representao em um iagrama: Geração P: Gametas: Filiação: Aa Aa a A a AA Aa Aa a a : : Plumagem cinza Óbito (Não existe C. Porcellus homozigoto ominante viável) Plumagem branca Aa Aa A a A a AA Aa Aa aa Pelagem amarela Pelagem preta Aula Aspectos genéticos o funcionamento o corpo humano Ativiaes para Sala 0 D Mulher normal 6, XX. Homem normal 6, XY. Sínrome e Turner 5, X0 (baixa estatura, pescoço alao, esenvolvimento mamário comprometio, esteriliae etc.) Sínrome e Klinefelter 7, XXY (pequeno esenvolvimento os testículos, ginecomastia etc.) Sínrome e Down 7, XX ou XY + (aiposiae, baixa estatura, entição irregular etc.). 0 C O inivíuo apresenta as sínromes e Down e Klinefelter; uas aneuploiias, uma autossômica e uma alossômica; 5 cromossomos autossomos e alossomos, seno, portanto, n = 8, revelano uas trissomias. 0 D Os portaores a Sínrome e Down poem ser o sexo masculino (XY) ou feminino (XX). Trata-se e uma aneuploiia autossômica, e não alossômica (sexual), é trissômica e transmitia por qualquer um os pais. A Sínrome e Down origina-se e não isfunção o cromossomo, inepenente e poer aquisitivo, escolariae e assistência méica. 0 E Os gêmeos escritos no enunciao são izigóticos. Na Sínrome e Down, o cromossomo extranumérico é um autossomo, trata-se e uma trissomia o par cromossômico. Estatisticamente, emonstrou-se que a inciência a Sínrome e Down é maior em filhos e mulheres com iae mais avançaa. Ativiaes Propostas 0 E A fenilcetonúria é uma anormaliae autossômica recessiva; assim, um casal normal, híbrio, tem a chance e 5% e vir a ter criança afetaa, como se observa no iagrama aiante: P: Aa Aa G: Aa Aa F: AA Aa Aa aa / 0 E O cariótipo revela um inivíuo o sexo masculino com Sínrome e Down, posto que o inivíuo apresenta os alossomos X e Y, portanto, heterogamético e possui uma trissomia no par, caracterizano a referia anomalia. 0 B A trissomia o par representa a Sínrome e Down. A presença e cromossomos X etermina o caráter feminino. Pré-Universitário

4 LIVRO BIOLOGIA 0 C A translocação é a recolocação e um segmento cromossômico para uma posição iferente ao genoma. O crossing-over ocorre entre pares e homólogos corresponentes por troca e reunião. Não se observa na ilustração a remoção e um segmento cromossômico e um conjunto e cromossomos, ou seja, eleção; assim como não se observa formação e segmentos aicionais nos cromossomos (uplicação). processo e masculinização, com a iferenciação os testículos, aparentemente ativano genes em vários cromossomos. Posteriormente, os testículos prouzem testosterona e outras substâncias que originam as características sexuais secunárias o sexo masculino. Um embrião que sofre uma mutação que inative completamente o gene SRY se esenvolverá em um inivíuo cromossomicamente o sexo masculino, heterogamético, entretanto, com fenótipo feminino. 05 D a) (F) Os cariótipos inicaos revelam o quaro cromossômico e células iploies a linhagem somática. b) (F) O cariótipo poe ser montao a partir e células fetais, cultivaas em meto e cultura apropriao e estimulaas a se iviir por mítose. A partir esses células, monta-se os cariótipos. c) (F) A Sínrome e Down é uma aneuploiia autossômica, em que os portaores apresentam um cromossomo supranumérico no par. ) (V) A espécie humana apresenta cariótipo com autossomos ispostos em sete grupos observano seu tamanho e posição o centrômero, e mais ois alossomos (cromossomos sexuais). e) (F) A análise os cariótipos I e II inicam um homem normal e sua mulher normal. 06 D As mutações gênicas são alterações na sequência e bases a molécula e DNA, poeno ser silenciosas, espontâneas, não alterano a sequência e aminoácios as proteínas, uma vez que o cóigo genético é egenerao. Se as mutações gênicas ocorrem em células a linhagem germinativa, formaora e gametas, os escenentes poerão herar o(s) genes(s) mutante(s), levano, inclusive, a moificações a frequência gênica em relação à frequência gênica a população original. 07 A O cariótipo AXO ou 5, XO ou A + XO é responsável pela manifestação a Sínrome e Turner, caracterizaa pelos seguintes fenótipos: sexo feminino, amenorreia, pescoço alao e curto, ausência e corpúsculo e Barr, órgãos sexuais internos e externos pouco esenvolvios etc. O inivíuo portaor e cariótipo AXXY ou A + XXY ou 7, XXY revela Sínrome e Klinefelter, caracterizaa pelos seguintes fenótipos: sexo masculino, membros apeniculares longos, hipoesenvolvimento testicular, azoospermia e esteriliae, ginecomastia, certo grau e retaro mental etc. 08 D A eterminação cromossômica o sexo na espécie humana revela que embriões que heram ois cromossomos X são mulheres homogaméticas, enquanto os embriões que heram o alossomo X e o alossomo Y são homens, heterogaméticos. O gene SRY (o inglês, sex-eterminig region of the Y) coifica a síntese e uma proteína que esencaeia o 09 E 0 C Aula Grupos sanguíneos, transplantes, oenças autoimunes, sistema Rh e eritroblastose fetal 0 E A Sínrome e Down é uma mutação cromossômica que afeta um em caa mil recém-nascios. O ser humano portaor essa sínrome apresenta um cromossomo supranumérico no par. A chance e nascer uma criança com Sínrome e Down aumenta progressivamente com o avanço a iae materna; surgem por não isjunção, principalmente, na ovocitogênese, como uma função a genescência os ovócitos, em que, e algum moo, a separação os homólogos é prejuicaa. O gráfico revela a possibiliae a ocorrência essa trissomia abaixo os 0 anos e iae. O esquema B revela uma monossomia (n ), referino- -se a uma célula que é basicamente iploie, mas apenas um cromossomo e um eterminao par é perio. O esquema C revela uma triploiia (n), em que ocorreu um alteração no lote haploie inteiro e cromossomos, como resultao e falhas na separação cromossômica, principalmente urante a mitose. Ativiaes para Sala O inivíuo I- apresenta genótipo iirr e prouz tipos iferentes e gametas ir (50%) e ir (50%). O istúrbio Doença Hemolítica o Récem-Nascio (DHRN) ocorre com casais em que o homem é Rh + e a mulher é Rh. A mulher, ao gerar filho Rh +, será sensibilizaa contra as hemácias o filho, prouzino anticorpos anti-rh. Assim, a probabiliae e II- vir a ter filhos com eritroblastose fetal é 0% (nula). Os inivíuos Rh positivos a geração II poem pertencer ao grupo sanguíneo A e terem genótipo I A i. O inivíuo I- é I A irr (heterozigoto homozigoto) e os gêmeos izigóticos poem apresentar os ois tipos e aglutininas (anti-a e anti-b) e serem o grupo O. Pré-Universitário

5 LIVRO BIOLOGIA 0 D A análise o hereograma permite concluir que o inivíuo I- apresenta aglutinógeno A, pois se trata e um inivíuo o grupo sanguíneo A. O alelo A ou I A coniciona a formação o aglutinogênio A. Os genótipo e I-, II- e III- são iguais, ou seja I B i. O inivíuo IV- pertence ao grupo sanguíneo O, e as uas glutininas são encontraas no seu plasma sanguíneo. Os fenótipos e os respectivos genótipos os inivíuos a família estão inicaos I II III IV Por fim, o inivíuo IV- é homozigoto (ii). Fenótipo Genótipo I A I A i I B I B i II AB I A I B II B I B i II A I A i II A I A i III B I B i III A I A i IV O ii anti-a e anti-b, por reagirem com os aglutinogênios A e B, respectivamente. No sangue a mulher, existe aglutinogênio A nas hemácias, uma vez que houve aglutinação com o soro anti-a, assim a mulher pertence ao grupo sanguíneo A e é heterozigota, uma vez que seu pai pertence ao tipo O. O sangue o homem aglutinou com o soro anti-a e anti-b, assim, pertence ao tipo sanguíneo AB. Quano, em contato com o soro anti-rh, as hemácias o sangue sofrem aglutinação, como no caso a mulher, é por que existe fator Rh no sangue, e este é classificao como Rh +. Quano não sofrem aglutinação, como no caso o homem, há ausência e fator Rh nas hemácias e seu sangue é classificao como Rh. Para que os eventos ocorram, evemos consierar os seguintes genótipos o casal: P: I A I B I A i G: I A I B I A i 0 B O inivíuo I- pertence ao grupo sanguíneo A. Dessa forma, não poe oar sangue para os inivíuos I- e II-, que pertencem ao grupo sanguíneo B. Se o sangue e um inivíuo o grupo A for oao a um inivíuos o grupo B, as temáticas A o oaor serão aglutinaas pelas aglutininas anti-a no plasma no receptor. Os aglomeraos e hemáticas obstruiriam pequenos vasos sanguíneos e comprometeriam a circulação sanguínea. O inivíuo I- (grupo B) poe receber sangue e II- e IV-. O inivíuo II- poe pertencer ao grupo sanguíneo AB, e o inivíuo III- é, obrigatoriamente, heterozigoto. 0 E A eritroblastose fetal ou oença hemolitica o recém- -nascio (DHRN) ocorre quano a mãe é Rh, o pai é Rh + e geram criança Rh +. Assim, os inivíuos que correm o risco e vir a ter filhos com eritroblastose fetal são II- ( Rh )e II- ( Rh + ). 0 A Ativiaes Propostas O terceiro filho nasceu sauável, epois e o seguno ter sio afetao pela eritroblastose fetal, o que inica que o pai é Rh + heterozigoto; a mãe só poe ser homozigota recessiva (rr); o primeiro filho, que sensibilizou a mãe é heterozigoto, assim como o seguno filho; o terceiro é homozigoto recessivo e o quarto, heterozigoto. 0 B 0 A F: I A I A I A i I A I B I B i P: r r Rr G: r Rr F: Rr rr R = = 8. A eritroblastose fetal se manifesta, e moo geral, a partir a seguna graviez, quano a mãe Rh estiver sensibilizaa, ou seja, quano possuir anticorpos anti-rh. O conhecimento prévio o tipo sanguíneo e oaores e receptores é funamental para evitar qualquer tipo e aciente envolveno transfusões sanguíneas. A pessoa que recebeu a transfusão e sangue e veio a óbito em consequência a transfusão incompatível pertence ao grupo sanguíneo A, uma vez que, e acoro com o hereograma, teremos: Progenitores: I A I B I A I A 0 C Os anticorpos presentes no plasma sanguíneo reagem com os aglutinogênios as hemácias e provocam a reação e aglutinação. Os anticorpos enominam-se aglutinina I A l B l A l B l A I A I A (receptor universal, sem aglutininas) Pré-Universitário 5

6 LIVRO BIOLOGIA 05 A Assim, as pessoas o grupo sanguíneo A poem receber sangue A ou O. Portanto, o tipo e sangue recebio poe ter sio B ou AB. As pessoas o grupo B apresentam aglutinogênio B e aglutinina anti-a, e os inivíuos pertencentes ao grupo AB possuem aglutinogênio A e aglutinogênio B, e são esprovios e quaisquer aglutininas. No sangue oao, no qual as hemácias se aglutinam, contém aglutinogênios estranhos, isto é, que não existem no sangue o receptor. De acoro com o esquema, teremos: Grupo B (Presença o aglutinogênio B) Grupo AB Como o homem é o grupo sanguíneo A e a mulher é o grupo sanguíneo B, poemos formar as seguintes combinações genotípicas:. I A I A I B I B. I A i I B I B. I A I A I B i. I A i I B i Transfusão para Transfusão para Agora façamos a análise as hipóteses: B AB (Presença os aglutinogênios A e B) Ausência e aglutinina anti-b AB Ausência e aglutininas anti-a e anti-b I. (F) Existe a possibiliae e a criança herar um I B o pai e um i a mãe. II. (V) O casal poe ser I A i e I B I B, ou outra as formas variantes com três genes. III. (V) Se o casal for I A i e I B i, e fato, poerão ser geraas crianças os quatro grupos sanguíneos. IV. (V) Existe a possibiliae e o casal ser I A I A e I B I B. V. (F) O casal poe ter filhos o grupo O, se tiver genótipo I A i e I B i, iferino a frase que afirma que o casal só poe ter filhos no grupo O. 08 A 09 E 0 E passam para a circulação materna. Os anticorpos anti-rh prouzios pela mãe atravessam as barreiras placentárias e alcançam a circulação o feto (heterozigoto e Rh + ), iminuino a concentração e anticorpos anti-rh presentes no sangue e uma mulher Rh, como revela o gráfico Y. A eritroblastose fetal ocorre quano a mãe tem sangue Rh, ou seja, não nasce com a aglutinina anti-rh, mas poe sintetizá-la quano seu sangue entra em contato com hemácia Rh. Essa mãe tem genótipo rr(), homozigoto acessivo. O pai tem fenótipo Rh +, poeno ser RR(DD) ou Rr(D), homozigoto ou heterozigoto, e a criança e Rh + (Rr ou D). Evientemente, a criança herou o gene recessivo e origem materna. Inivíuos o grupo sanguíneo AB não apresentam aglutininas no plasma sanguíneo, como no caso o garoto. Portanto, tem genótipo I A I B. Inivíuos o grupo A apresentam aglutinina anti-b no plasma e inivíuos o grupo sanguíneo B apresentam aglutinina anti-a. I A i ( aglutinina Anti-B) ( aglutinina Anti-A) I A I B (Nenhuma aglutinina) Após o transplante e fígao, a garota australiana aotou o tipo sanguíneo e seu oaor O Rh + ; como a oença hemolítica o recém-nascio afeta crianças Rh + que se esenvolvem em mães Rh, quano aulta, se engraviar e um rapaz e tipo sanguíneo Rh +, ela não correrá o risco e gerar uma criança com eritroblastose fetal. I B i 06 A O casal não poerá ter filhos com eritroblastose fetal, uma vez que a mãe () é Rh + e o pai () é Rh. A eritroblastose fetal só ocorre quano mulheres Rh, já sensibilizaas anteriormente, têm filhos Rh +, assim o pai eve ser Rh + (R ). Aula A Seguna Lei e Menel ou i-hibriismo Ativiaes para Sala 07 C No istúrbio enominao eritroblastose fetal, a sensibilização materna ocorre urante a graviez o primeiro filho Rh +. Ao final a gestação, hemácias fetais atravessam a placenta e atingem a circulação materna, as quais são reconhecias como corpos estranhos pelo sistema imunitário a mãe, que passa a prouzir anticorpos anti-rh. Em uma seguna gestação, as hemácias Rh + fetais atravessam a placenta e 0 C A expressão os ois pares e genes envolvios nas uas características genéticas poe ser representaa como: Gene P poliactilia Gene p normaliae Gene M normaliae Gene m miopia Os genótipos os progenitores são heterozigotos: 6 Pré-Universitário

7 LIVRO BIOLOGIA PpMm PpMm, assim, a probabiliae e um evento e o outro ocorrerem simultaneamente é efetuaa com a regra a multiplicação e probabiliaes simultâneas: Progenitores: Pp Pp Gametas: Pp Pp Filiação: PP Pp Pp pp (chance para normaliae) Progenitores: Mm Mm Gametas: Mm Mm Filiação: MM Mm Mm mm Então: = 6. (chance para normaliae) 0 D Poemos calcular o número e gametas possíveis para pares e genes com segregação inepenente pela fórmula n. No caso, n = 5, pois o escenente apresenta 5 pares i- -híbrios. Assim, temos: 5 = tipos iferentes e gametas. 0 C A questão envolve três pares e genes, com loci em três pares e cromossomos homólogos iferentes (tri-hibriismo). Denominano esses genes e E (capaciae e enrolar a língua em U) e e (incapaciae), F (furo no queixo) e f (ausência) e L (lóbulo livre) e l (lóbulo aerente). Os genótipos o casal são: EeFfLl e EeFfll. Assim, a probabiliae e o casal vir a ter um próximo escenente tri-recessivo, inepenente o sexo, será calculaa pela multiplicação as probabiliaes: ( ll ) ( ff ) ( ll ) =. 0 A Os casos e i-hibriismo, que se encontram no âmbito a Seguna Lei e Menel (Lei a Segregação Inepenente), izem respeito a pares e genes e cromossomos separaos, ou seja, que não se envolvam no mesmo cromossomo, formano grupos linkage. Os cruzamentos i- -híbrios e Menel prouzem genótipos iferentes em F com uma razão ou proporção fenotípica e 9 : : :. A proporção genotípica o cruzamento e ois i-híbrios, por outro lao, seria : : : : : : : :. 0 C 5 Ativiaes Propostas Aa aa Aa aa Bb bb Bb bb Aa Aa Bb Braquiactilia A_ Prognatismo B_ P: Aa Aa P: Bb Bb G: Aa Aa G: Bb Bb? F: AA Aa Aa aa F: BB Bb Bb bb Reunino os aos, a probabiliae o evento esejao (braquiáctilo e prognata) é: 9 = 6. 0 C A geração parental é PpCc ppcc. Quanto à textura a semente, as plantas a geração F poem ser Pp ou pp. Quanto à presença e cera na folha, F poe ser CC, Cc ou cc. O único gráfico que revela um resultao possível é o o item C. Os alelos mostram genótipo PpCc. Como a célula a planta e F está em mitose, os cromossomos estão uplicaos e, portanto, espera-se encontrar número uplicao e alelos, ois e caa tipo. 0 D Quanto à textura a semente, as plantas a geração F poem ser Pp (semente com pelos ) ou pp (semente lisa) e, quanto à presença e cera na folha, as plantas a geração F poem CC ou Cc (folha coberta com cera) e cc (folha sem cera). Pelo exposto, o fenótipo com o maior número e genótipos possíveis é folha coberta com cera. 0 C As cores a plumagem em periquitos australianos são expressas por ois pares e genes com segregação inepenente: Aa e Bb. Periquitos uplo-homozigotos recessivos (aabb) são brancos. Periquitos homozigotos recessivos aa, mas que possuem pelo menos um alelo ominante B_ (aab_), são amarelos. Periquitos homozigotos recessivos bb, mas que possuem pelo menos um alelo ominante A_ (A_bb), são azuis. Periquitos com, pelos menos, um alelo ominante para caa gene (AABB, AABb, AaBB ou AaBb) são veres. O cruzamento e periquitos com ambos os loci heterozigotos (uplo-heterozigotos AaBb) poe ser visto aiante: 6 Bb Pré-Universitário 7

8 LIVRO BIOLOGIA P: AaBb AaBb AB Ab ab ab AB AABB AABb AaBB AaBb Ab AABb AAbb AaBb Aabb ab AaBB AaBb aabb aabb ab AaBb Aabb aabb aabb Pelo exposto, concluímos que a proporção fenotípica esperaa na escenência é e 9 veres : azuis : amarelos : branco. 05 D O único moelo e cruzamento capaz e prouzir uma escenência com as quatro combinações fenotípicas, na proporção fenotípica é : : :, com segregação inepenente, é o que envolve um uplo-heterozigoto (no caso, BbEe) com um uplo-homozigoto recessivo (bbee). 06 B Como as plantas cruzaas são i-híbrias BbAa, a escenência prouzia será: 9/6 plantas altas com corola branca (B_A_). /6 plantas altas com corola amarela (B_ aa). /6 plantas baixas com corola branca (bba_). /6 plantas baixas com corola amarela (bbaa). Como a solicitação correspone a ou 8, 70% aos escenentes, entre 0 plantas, esse valor correspone a 60 6 plantas. 07 A ff FfMm ffmm mm Ffmm P: Ff Ff P: Mm mm A a 09 C A Seguna Lei e Menel se aplica a pares e alelos localizaos em cromossomos não homólogos, como: A m D B = AB / b = Ab / B = ab / b = ab / a M Pelo exposto, os ois pares e alelos que se aplicam à Seguna Lei e Menel são Aa e Nn. 0 D Vamos organizar os efeitos os alelos os ois pares e: gene A cor púrpura gene a cor vere gene M uas caviaes no fruto gene m caviaes múltiplas no fruto O problema solicita a proporção fenotípica esperaa na geração F e uma planta i-híbria (AaMm) submetia a um cruzamento-teste (test-cross), ou seja, o cruzamento essa planta com outra e genótipo uplo-recessivo (aamm). Como norma e segregação inepenente, o cruzamento e um uplo-heterozigoto com um uplo-homozigoto recessivo prouz sempre quatro iferentes genótipos ( ) em uma mesma proporção. No caso, seriam: AaMm (/), Aamm (/), aamm (/) e aamm (/). De outra forma, poemos representar que proporção a seguinte maneira, : : :. n b N B G: Ff Ff G: Mm m Aula 5 A genética o sexo e eterminação genética o sexo na espécie humana F: FF Ff Ff ff F: Mm mm 8 08 A Os genes situam-se em cromossomos iferentes, portanto, trata-se e um caso e i-hibriismo. Assim, temos: n = = (número e tipos e gametas), one o n é igual ao número e pares heterozigotos. Ativiaes para Sala 0 D A genealogia I nessa revela uma família com um traço raro ominante ligao ao sexo, visto que a característica não se istribui igualmente nos ois sexos (não há istribuição ireta e homem para homem). A característica é ominante porque há mais mulheres afetaas o que homens afetaos e os homens afetaos (I- e III-) têm 00% e suas filhas afetaas. 8 Pré-Universitário

9 LIVRO BIOLOGIA A genealogia II revela uma família com um traço autossômico recessivo, uma vez que o cruzamento II- II-5 apresenta progenitores com o mesmo fenótipo os quais resultou escenente (III-) e fenótipo iferente os pais. Este apresenta uma característica (fenilcetonúria) expressa por alelos recessivos. Por fim, a genealogia III revela uma família com Ichthyosis histrix gravior, oença conicionaa por gene com locus na região não homóloga o cromossomo Y, que não tem homologia com o cromossomo X e, portanto, afeta apenas os homens. Constitui, então, um caso e herança restrita ao sexo ou holânrica. 0 B I. (F) A mãe o cruzamento I é homogamética e heterozigótica (X A X a ), porquanto tem escenente com genótipo X a Y. II. (V) III. (F) O casal II-0 II- tem 00% e probabiliae e vir a ter filha com esse tipo e iabetes e 00% e chance e ter filhos normais, uma vez que o genótipo o casal é X A X a e X a Y. IV. (V) 0 D A calvície caracteriza-se pela variação e ominância e necessiae e genes em função o sexo o inivíuo, assim, o gene C tem efeito ominante nos homens e recessivo nas mulheres. Dessa forma, homens calvos têm genótipo C_ e não calvos cc; mulheres calvas são CC e não calvas, Cc e cc. Pelo exposto, os respectivos genótipos são: Cc, CC, C_, CC e Cc. 0 C O seguimento a correspone à região não homóloga o cromossomo X, e que caracteriza uma herança ligaa ao sexo. O segmento b correspone à região não homóloga no cromossomo Y, que não tem homologia com o cromossomo X e inica, portanto, uma herança restrita ao sexo (holânrica). O seguno C é a região homóloga nos ois cromossomos sexuais, e eviencia uma herança parcialmente ligaa ao sexo. 0 A Ativiaes Propostas Montemos o genograma com o casal envolvio, completano com os genótipos que temos certeza, a partir os aos fornecios: D P: X X X Y Gametas Meiose X H X h H h H Gametas X D H X X H D X X H D H h Meiose Y XY H XY h 0 B 0 E 0 E 05 D 06 E As mulheres resultantes esse cruzamento serão toas D normais: X H X. Os homens serão toos altônicos e, quanto à coagulação sanguínea, poerão ser normais ou hemofílicos: XY H e/ou XY h. Os genótipos possíveis os inivíuos a família estão inicaos aiante: I II I- X a Y I- X A X a II- X A Y II- X a X a II- X a Y II- X A X a Portanto, essa família apresenta ois inivíuos heterozigotos para o gene que etermina a G-6PD, I- e II-. Toos os filhos () e homens oentes também são afetaos; portanto, trata-se e herança holânrica (XY A ). I. (V) II. (V) III. (V) IV. (F) O inivíuo, homogamética e heterozigótica (X H X h ), casano-se com um homem normal (X H Y), poerá gerar criança hemofílica, no caso, um menino (X h Y). V. (F) O inivíuo 8 (X h Y), casano-se com mulher homogamética e homozigótica normal (X H X H ), não poerá gerar, com ela, crianças hemofílicas, portanto, trata- -se e uma oença recessiva. Um embrião normal heterogamético (macho) é encontrao no par e gametas: 0A + Y e 0A + X, originano um zigoto iploie (n), 0 autossomos + XY. I. (F) Uma mulher altônica (X X ) poe ter mãe normal homogamética e heterozigótica (X D X ). II. (V) Uma mulher normal poe ser filha e pai altônico (X Y) e mãe normal, ese que portaora o gene ominante (X D X ). III. (F) Um homem altônico poe ter pai normal, uma vez que o altonismo não é um caso e herança holânrica. IV. (F) O gene para altonismo tem locus na região ímpar o alossomo x, assim, um homem normal (X D Y) não transmite o gene recessivo, o qual não possui, para seus filhos homens. V. (V) Um homem altônico poe ter mãe homogamética e heterozigótica, X D X, ou seja, normal e portaora. Pré-Universitário 9

10 LIVRO BIOLOGIA 07 D A herança para o altonismo é ligaa ao sexo, e nos homens se apresenta, apenas em genótipos iferentes. A mulher, teno genótipo (X D X ), não apresenta cegueira para vermelho (protanopia) ou vere (euteranopia). O casal poe ter filhos altônicos (X Y), e as suas filhas serão normais (X D X ). O cruzamento poe ser inicao assim: P. X D Y X D X X D Y X D X D X D X D Y X X D X X Y III. (F) O inivíuo II- é homogamético; entretanto, heterozigótico (X D X ). IV. (F) O cromossomo X e too homem provém e sua mãe, e II- é X D X D. O inivíuo II- é heterozigoto e I- é homozigoto. V. (V) Os homens são hemizigotos para os genes situaos no cromossomo X, pois só possuem um eles; qualquer gene se manifesta no seu genótipo e poem formar gametas X e Y. VI. (F) O inivíuo II- é homogamético e heterozigoto (X D X ) e a mãe é homogamética e homozigota (X D X D ) Então, vemos que existe 5% e chance e nascer uma criança altônica na prole o casal. 08 A O X a filha foi com certeza herao o seu pai, o problema foi na síntese o gameta materno, que, evio à uma isjunção erraa, repassou para a escenência um óvulo sem cromossomo sexual. X Y X D X D X D O? 09 C aa X Y aa X D Y X D X A_ X D _ Aa X Y Aa X D X P: X Y X D X P: Aa Aa G: X Y X D X G: Aa Aa F: X D X X X X D Y X Y F: AA Aa Aa aa P = = 8 0 E I. (F) O altonismo está relacionao a genes localizaos no cromossomo X. II. (F) O homem só amite seu cromossomo X às suas filhas. 0 Pré-Universitário

Resoluções das Atividades

Resoluções das Atividades LIVRO 1 BIOLOGIA Resoluções as Ativiaes Sumário Móulo 1 Princípios básicos que regem a transmissão e características hereitárias, 1 a Lei e Menel e aspectos genéticos o funcionamento o corpo... 1 Móulo

Leia mais

Resoluções das atividades

Resoluções das atividades LIVRO BIOLOGIA Resoluções das atividas Sumário Aula Princípios básicos que regem a transmissão características hereditárias... Aula Aspectos genéticos do funcionamento do corpo humano... Aula Grupos sanguíneos,

Leia mais

Primeira Lei de Mendel -> recebe mais dois nomes: dominância completa (heterozigoto manifesta uma das duas características) ou monohibridismo

Primeira Lei de Mendel -> recebe mais dois nomes: dominância completa (heterozigoto manifesta uma das duas características) ou monohibridismo Genética 1ª Lei de Mendel Começa a fazer a divisão com os indivíduos parentais, puros, com base na cor dos parentais. Alelos, partes de um cromossomo, são genes situados na mesma posição de cromossomos

Leia mais

Resoluções das atividades

Resoluções das atividades LIVRO BIOLOGIA Resoluções das atividades Sumário Capítulo 5 Genética do sangue e eritroblastose fetal Capítulo 6 Herança dos cromossomos sexuais Capítulo 7 Lei da Segregação Independente e interação gênica

Leia mais

Matéria: biologia Assunto: hereditariedade e diversidade da vida Prof. enrico blota

Matéria: biologia Assunto: hereditariedade e diversidade da vida Prof. enrico blota Matéria: biologia Assunto: hereditariedade e diversidade da vida Prof. enrico blota Biologia Princípios Básicos de Genética A genética é a parte da biologia que trata do estudo dos genes e de suas manifestações,

Leia mais

BIOLOGIA GENÉTICA PROF ESTEVAM

BIOLOGIA GENÉTICA PROF ESTEVAM BIOLOGIA GENÉTICA PROF ESTEVAM 1) (FUVEST) Dois genes alelos atuam na determinação da cor das sementes de uma planta: A, dominante, determina a cor púrpura e a, recessivo, determina cor amarela. A tabela

Leia mais

I. Os anticorpos são transferidos através da placenta.

I. Os anticorpos são transferidos através da placenta. Revisão para recuperação Questão 01) A descoberta dos sistemas sanguíneos ABO e Rh teve grande impacto na área médica, pois permitiu realizar transfusões de sangue apenas entre pessoas de grupos sanguíneos

Leia mais

O albinismo é uma doença metabólica hereditária, resultado de disfunção gênica na produção de melanina. Para que a doença se manifeste é necessário

O albinismo é uma doença metabólica hereditária, resultado de disfunção gênica na produção de melanina. Para que a doença se manifeste é necessário O albinismo é uma doença metabólica hereditária, resultado de disfunção gênica na produção de melanina. Para que a doença se manifeste é necessário que a mutação esteja em homozigose (doença autossômica

Leia mais

UNIDADE IV GENÉTICA. Profº Pablo 1.1 PRINCIPAIS TERMOS GENÉTICOS

UNIDADE IV GENÉTICA. Profº Pablo 1.1 PRINCIPAIS TERMOS GENÉTICOS UNIDADE IV GENÉTICA 11... IINNTTRRODDUUÇÇÃÃO I Genética (do grego genno; fazer nascer) é a ciência dos genes, da hereditariedade e da variação dos organismos. Ramo da biologia que estuda a forma como se

Leia mais

10.04. Este casal poderá ter uma criança com Eritroblastose Fetal. A probabilidade é de 50%. CRUZAMENTO Mulher Homem rr X Rr

10.04. Este casal poderá ter uma criança com Eritroblastose Fetal. A probabilidade é de 50%. CRUZAMENTO Mulher Homem rr X Rr BIO 4E aula 10 10.01. Para que ocorra a Eritroblastose Fetal (Doença Hemolítica do Recém Nascido) a mãe deve ter sangue Rh - e ter sido sensibilizada, e a criança deve ser Rh +. 10.02. Quando uma mulher

Leia mais

Aula 14 Sistema ABO. Grupo sangüíneo (fenótipo) Aglutinogênio (hemácias) Aglutinina (soro) Anti - B. Anti - A. A e B.

Aula 14 Sistema ABO. Grupo sangüíneo (fenótipo) Aglutinogênio (hemácias) Aglutinina (soro) Anti - B. Anti - A. A e B. Aula 14 Sistema ABO A transfusão de sangue incompatível pode provocar queda de pressão, escurecimento da visão, desmaio e até a morte. Esses efeitos são devidos a uma reação de aglutinação, ou seja reunião

Leia mais

PROFESSOR: MARIO NETO

PROFESSOR: MARIO NETO GOIÂNIA, / / 2015 No Anhanguera você é PROFESSOR: MARIO NETO DISCIPLINA: CIÊNCIA NATURAIS SÉRIE: 3º ALUNO (a): + Enem 1. (UFAL) Em determinada raça animal, a cor preta é determinada pelo alelo dominante

Leia mais

2. (FATEC) Um casal cujo filho é do grupo sanguíneo A, com fator Rh positivo, pode ter os seguintes genótipos:

2. (FATEC) Um casal cujo filho é do grupo sanguíneo A, com fator Rh positivo, pode ter os seguintes genótipos: Foz do Iguaçu, de de 2015. Nome: nº Professor Ailton Pastro. 1 a série A, B, C e D Nota: LISTA DE QUESTÕES TRABALHO BIMESTRAL 1. (MACK) Um indivíduo de tipo sanguíneo O, Rh-, filho de pais tipo sanguíneo

Leia mais

APOSTILA 2015 BIOLOGIA PROFESSORA: TALITA

APOSTILA 2015 BIOLOGIA PROFESSORA: TALITA APOSTILA 2015 BIOLOGIA PROFESSORA: TALITA 1 SUMÁRIO GENÉTICA 1 Lei de Mendel - 04 Probabilidade em Genética - 07 Heredograma - 10 Herança Co Dominante - 16 Sistema ABO - 18 Fator RH - 21 Herança Ligada

Leia mais

ANTÍGENO OU AGLUTINOGÊNIO (nas hemácias)

ANTÍGENO OU AGLUTINOGÊNIO (nas hemácias) HERANÇA DOS GRUPOS SANGÜÍNEOS NA ESPÉCIE HUMANA SISTEMA ABO É um caso de polialelia porque existem três alelos envolvidos (I A, I B, i); O alelo I A determina a produção do antígeno ou aglutinogênio A

Leia mais

HERANÇA E SEXO. Professora Msc Flávia Martins Agosto 2011

HERANÇA E SEXO. Professora Msc Flávia Martins Agosto 2011 HERANÇA E SEXO Professora Msc Flávia Martins Agosto 2011 1.Determinação cromossômica do sexo A característica mais fundamental da vida é a reprodução (sexuada e assexuada) Produção de gametas (óvulo e

Leia mais

BIOLOGIA. Professor (a): Robyson 3º Ano Matutino 1 Bimestre. Aluno (a): Nº. a) 15% b) 25% c) 50% d) 100% e) 0%

BIOLOGIA. Professor (a): Robyson 3º Ano Matutino 1 Bimestre. Aluno (a): Nº. a) 15% b) 25% c) 50% d) 100% e) 0% Lista: BIOLOGIA 01 Professor (a): Robyson 3º Ano Matutino 1 Bimestre ata: 18 / 03 / 2015 Aluno (a): Nº 01. (UFPE) Renato (III.1), cuja avó materna e avô paterno eram albinos, preocupado com a possibilidade

Leia mais

Professora Leonilda Brandão da Silva

Professora Leonilda Brandão da Silva COLÉGIO ESTADUAL HELENA KOLODY E.M.P. TERRA BOA - PARANÁ Pág. 46 Professora Leonilda Brandão da Silva E-mail: leonildabrandaosilva@gmail.com http://professoraleonilda.wordpress.com/ PROBLEMATIZAÇÃO Você

Leia mais

Lista de Genética 2º EM Colégio São José - 2013

Lista de Genética 2º EM Colégio São José - 2013 1. (Fuvest 92) Nos anos 40, o famoso cineasta Charlie ChapIin foi acusado de ser o pai de uma criança, fato que ele não admitia. Os exames de sangue revelaram que a mãe era do grupo A, a criança do grupo

Leia mais

No início do século XX, o austríaco Karl Landsteiner, misturando o sangue de indivíduos diferentes, verificou que apenas algumas combinações eram

No início do século XX, o austríaco Karl Landsteiner, misturando o sangue de indivíduos diferentes, verificou que apenas algumas combinações eram No início do século XX, o austríaco Karl Landsteiner, misturando o sangue de indivíduos diferentes, verificou que apenas algumas combinações eram compatíveis. Descobriu, assim, a existência do chamado

Leia mais

Genética Conceitos Básicos

Genética Conceitos Básicos Genética Conceitos Básicos O que é genética? É o estudo dos genes e de sua transmissão para as gerações futuras. É dividida em: Genética Clássica Mendel (1856 1865) Genética Moderna Watson e Crick (1953).

Leia mais

01 - (UNIMEP RJ) 02 - (GAMA FILHO RJ) 03 - (UFPA) 04 - (UFRJ) 05 - (FUVEST SP)

01 - (UNIMEP RJ) 02 - (GAMA FILHO RJ) 03 - (UFPA) 04 - (UFRJ) 05 - (FUVEST SP) 01 - (UNIMEP RJ) Assinale a alternativa que apresenta um casal que pode ter descendentes com todos os tipos sangüíneos do sistema ABO. a) IA i x IA IB b) i i x i I c) IA IB x IA IB d) IA IA x IB i e) nenhuma

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / / ENSINO: ( ) Fundamental (x) Médio SÉRIE: _3ª TURMA: TURNO: DISCIPLINA: _BIOLOGIA PROFESSOR: Silas Miranda 01- A genealogia abaixo apresenta

Leia mais

Hereditariedade. Leis da hereditariedade GENÉTICA

Hereditariedade. Leis da hereditariedade GENÉTICA Hereditariedade Definição: É a transferência de informações sobre as características próprias de um ser vivo para outro, de geração para geração, por meio dos gametas ou por transferência direta deácidos

Leia mais

a) Qual é a probabilidade de o genótipo da primeira criança ser igual ao de seus genitores?

a) Qual é a probabilidade de o genótipo da primeira criança ser igual ao de seus genitores? 1. (Unifesp 2015) Charles Darwin explicou o mecanismo evolutivo por meio da ação da seleção natural sobre a variabilidade dos organismos, mas não encontrou uma explicação adequada para a origem dessa variabilidade.

Leia mais

Resoluções de Exercícios

Resoluções de Exercícios Resoluções de Exercícios EA: EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM EH: EXERCITANDO HABILIDADES TC: TAREFA DE CASA BIOLOGIA II DARWIN Capítulo 01 EA - BLOCO 01 HEREDITARIEDADE E DIVERSIDADE DA VIDA Princípios Básicos

Leia mais

Padrões de Transmissão

Padrões de Transmissão Padrões de Transmissão Gênica Padrões de Transmissão Gênica DISCIPLINA: GENÉTICA BÁSICA PROFA. ZULMIRA LACAVA E LUZIRLANE BRAUN Heranças Monogênicas ou Mendelianas 1 1ª Lei de Mendel Modelo pressupôs que

Leia mais

ENSINO MÉDIO. Disciplina: BIOLOGIA Professor: GUSTAVO Série: 2ª ABC

ENSINO MÉDIO. Disciplina: BIOLOGIA Professor: GUSTAVO Série: 2ª ABC ENSINO MÉDIO Disciplina: BIOLOGIA Professor: GUSTAVO Série: 2ª ABC 1- A Doença de Huntington (DH) é uma anomalia autossômica com caráter dominante, cuja manifestação ocorre na fase adulta, com uma progressiva

Leia mais

Dominância Incompleta Codominância Alelos Múltiplos (polialelismo) Alelos Letais Epistasia (interação génica)

Dominância Incompleta Codominância Alelos Múltiplos (polialelismo) Alelos Letais Epistasia (interação génica) Dominância Incompleta Codominância Alelos Múltiplos (polialelismo) Alelos Letais Epistasia (interação génica) Dominância Incompleta Codominância Alelos Múltiplos (polialelismo) Alelos Letais Epistasia

Leia mais

Unidade 7. Reprodução e hereditariedade

Unidade 7. Reprodução e hereditariedade Unidade 7 Reprodução e hereditariedade O ESTUDO DA HEREDITARIEDADE Teoria da pré-formação ou Progênese: dentro de cada semente (gameta) existiam miniaturas de seres humanos, chamados homúnculos. Gregor

Leia mais

Mecanismos de Herança

Mecanismos de Herança Mecanismos de Herança Andréa Trevas Maciel Guerra Depto. De Genética Médica FCM - UNICAMP Mecanismo de Herança Conceitos básicos Herança Monogênica Herança mitocondrial Imprinting Autossomos (1 a 22) Autossomos

Leia mais

De acordo com a segunda lei de Mendel, assinale o que for correto, no que ser refere ao cálculo referente aos tipos de gametas formados por um

De acordo com a segunda lei de Mendel, assinale o que for correto, no que ser refere ao cálculo referente aos tipos de gametas formados por um De acordo com a segunda lei de Mendel, assinale o que for correto, no que ser refere ao cálculo referente aos tipos de gametas formados por um indivíduo. 01) Considerando-se um indivíduo AaBbcc pode-se

Leia mais

Nome: Nº Ano: 3º Turma: Disciplina: Biologia Professor: Wanessa Data: / /

Nome: Nº Ano: 3º Turma: Disciplina: Biologia Professor: Wanessa Data: / / Nome: Nº Ano: 3º Turma: Disciplina: Biologia Professor: Wanessa Data: / / 1ª Lei de Mendel 01. Ordene as duas colunas e assinale a ordem certa. Atividade 1 Lista de exercícios Genética 05. Qual a probabilidade

Leia mais

Resoluções de Exercícios

Resoluções de Exercícios Resoluções de Exercícios BIOLOGIA II 01 Princípios Básicos que Regem a Transmissão das Características Genéticas e Aspectos Genéticos do Funcionamento do Corpo Humano e Conceitos Básicos As frases 1, 2,

Leia mais

A FAMÍLIA SILVA E SEUS GENES. Os filhos são diferentes, mas todos são Silva. Saiba como! ALBINO PIGMENTADO PROCEDIMENTO

A FAMÍLIA SILVA E SEUS GENES. Os filhos são diferentes, mas todos são Silva. Saiba como! ALBINO PIGMENTADO PROCEDIMENTO A FAMÍLIA SILVA E SEUS GENES Os filhos são diferentes, mas todos são Silva. Saiba como! ALBINO PIGMENTADO PROCEDIMENTO PROCEDIMENTO PARTE 1 Determinação dos genótipos dos pais 1.1. Observar a aparência

Leia mais

INTERAÇÃO GÊNICA EPISTASIA POLIGENIA OU HERANÇA QUANTITATIVA. PM/Bombeiro - PR. Oromar Ciências Humanas Parte 03. Foto das cristas de galinhas

INTERAÇÃO GÊNICA EPISTASIA POLIGENIA OU HERANÇA QUANTITATIVA. PM/Bombeiro - PR. Oromar Ciências Humanas Parte 03. Foto das cristas de galinhas INTERAÇÃO GÊNICA Ocorre quando dois ou mais pares de genes, situados em cromossomos homólogos diferentes, interagem entre si para determinar uma mesma característica. FENÓTIPOS Crista ervilha Crista rosa

Leia mais

Alelos múltiplos na determinação de um caráter

Alelos múltiplos na determinação de um caráter Alelos múltiplos na determinação de um caráter Determinados gene pode sofrer ao longo do tempo diversas mutações e originar vários alelos esse fenômeno é chamado de polialelia. São bastante frequentes

Leia mais

GENÉTICA MENDELIANA ou GENÉTICA QUALITATIVA

GENÉTICA MENDELIANA ou GENÉTICA QUALITATIVA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA DISCIPLINA DE GENÉTICA GENÉTICA MENDELIANA ou GENÉTICA QUALITATIVA Profa. Dra. Mônica Gusmão Engenheira Agrônoma Profa. Mônica Gusmão PERGUNTAS FUNDAMENTAIS DOS PADRÕES

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA GENÉTICA

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA GENÉTICA INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA GENÉTICA PROFESSORA: SANDRA BIANCHI ASSUNTOS ESTUDADOS NA GENÉTICA ESTUDO DOS GENES E DA HEREDITARIEDADE A GENÉTICA E A MATEMÁTICA ESTUDANDO PROBABILIDADE FÓRMULA GERAL: P(A) =

Leia mais

BATERIA DE EXERCÍCIOS 8º ANO

BATERIA DE EXERCÍCIOS 8º ANO Professor: CRISTINO RÊGO Disciplina: CIÊNCIAS Assunto: FUNDAMENTOS DE GENÉTICA Belém /PA BATERIA DE EXERCÍCIOS 8º ANO 1. (UFMG) Indique a proposição que completa, de forma correta, a afirmativa abaixo:

Leia mais

Um estudante de 23 anos, doador de sangue tipo universal, é moreno, tem estatura mediana e pesa 85 kg. Todas as alternativas apresentam

Um estudante de 23 anos, doador de sangue tipo universal, é moreno, tem estatura mediana e pesa 85 kg. Todas as alternativas apresentam Um estudante de 23 anos, doador de sangue tipo universal, é moreno, tem estatura mediana e pesa 85 kg. Todas as alternativas apresentam características hereditárias desse estudante que são influenciadas

Leia mais

Lei da Segregação. Experimentos de Mendel

Lei da Segregação. Experimentos de Mendel Lei da Segregação Os trabalhos do monge Agostinho Gregor Mendel, realizados há mais de um século, estabeleceram os princípios básicos da herança, que, até hoje, são aplicados nos estudos da Genética. A

Leia mais

b) qual ou quais os possíveis grupos sangüíneos usados erroneamente na transfusão?

b) qual ou quais os possíveis grupos sangüíneos usados erroneamente na transfusão? Listão de biologia 1. (G2) O pai e a mãe de um par de gêmeos monozigóticos têm tipo sangüíneo A. Uma outra criança desse casal é do grupo sangüíneo O. a) Quais os genótipos do pai e da mãe? b) Qual é a

Leia mais

Exercícios de Aprofundamento Bio - Genética

Exercícios de Aprofundamento Bio - Genética . (Unesp 205) Fátima tem uma má formação de útero, o que a impede de ter uma gestação normal. Em razão disso, procurou por uma clínica de reprodução assistida, na qual foi submetida a tratamento hormonal

Leia mais

Determinação e Herança do Sexo

Determinação e Herança do Sexo Determinação e Herança do Sexo Cromossomos Sexuais Embora diferenças anatomicas e fisiológicas entre homens e mulheres são numerosas, a base cromossômica do sexo é simples. Nos humanos e em outros animais

Leia mais

3-Esquematize o exame de tipagem sanguínea e possíveis resultados.

3-Esquematize o exame de tipagem sanguínea e possíveis resultados. Lista de exercícios para prova mensal do 3º bimestre 1-Diferencie autossomos de heterossomos. 2-Defina e exemplifique: a) Herança ligada ao sexo b) Herança restrita ao sexo c) Herança influenciada pelo

Leia mais

16.02. A recombinação genética ocorre em todos os pares de cromossomos das células humanas que estão em meiose.

16.02. A recombinação genética ocorre em todos os pares de cromossomos das células humanas que estão em meiose. BIO 6E aula 16 16.01. A pleiotropia ocorre quando um gene influencia mais de uma característica. Em genes que estão localizados no mesmo par de cromossomos porém distante um do outro, a maioria dos gametas

Leia mais

Ensino Médio 2º ano classe: Prof. Gustavo Nome: nº. Lista de Exercícios 1ª Lei de Mendel, exceções e Sistema ABO e Rh

Ensino Médio 2º ano classe: Prof. Gustavo Nome: nº. Lista de Exercícios 1ª Lei de Mendel, exceções e Sistema ABO e Rh . Ensino Médio 2º ano classe: Prof. Gustavo Nome: nº Lista de Exercícios 1ª Lei de Mendel, exceções e Sistema ABO e Rh. 1- Em um experimento, preparou-se um conjunto de plantas por técnica de clonagem

Leia mais

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 2

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 2 GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 2 Módulo 25 Questão 01 A Ao analisarmos os dados temos: B determina coloração acinzentada bb determina coloração preta Alelo epistático em outro cromossomo: A determina coloração

Leia mais

Biologia: Genética e Mendel

Biologia: Genética e Mendel Biologia: Genética e Mendel Questão 1 A complexa organização social das formigas pode ser explicada pelas relações de parentesco genético entre os indivíduos da colônia. É geneticamente mais vantajoso

Leia mais

Resoluções das Atividades

Resoluções das Atividades Resoluções das Atividades Sumário Capítulo 1 O Pré-Mendelismo e a Genética Mendeliana...1 Capítulo 2 A redescoberta do trabalho de Mendel, monoibridismo e o estudo de heredogramas... 2. Capítulo 3 Herança

Leia mais

daltônico. Esta doença traz como consequência problemas nas células denominadas de cones, que ajudam a enxergar cores.

daltônico. Esta doença traz como consequência problemas nas células denominadas de cones, que ajudam a enxergar cores. BIO V7 CAP 19 19.01 O genótipo do casal III-2 e III-3 é X A X a x X a y. Fazendo o cruzamento os filhos podem ser: X A X a, X A Y, X a X a, X a Y. Como se pode observar qual é o masculino e qual é o feminino,

Leia mais

Lista de Genética 2º EM Colégio São José - 2013

Lista de Genética 2º EM Colégio São José - 2013 1. (Unesp 97) Em gatos, as cores marrom e branca dos pêlos têm sido descritas como devidas a, pelo menos, um par de genes. Considere o cruzamento de gatos homozigotos brancos e marrons. Qual a proporção

Leia mais

BIOLOGIA Transmissão da Vida Exercícios complementares Heranças sexuais e aneuploidias

BIOLOGIA Transmissão da Vida Exercícios complementares Heranças sexuais e aneuploidias 01 - (PUC RS) Abaixo estão representados cinco núcleos de células somáticas e cada ponto escuro corresponde à cromatina sexual. Qual destes núcleos poderia, com mais probabilidade, ser encontrado em um

Leia mais

Programa de Retomada de Conteúdo 3º Bimestre

Programa de Retomada de Conteúdo 3º Bimestre Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio, Rua Cantagalo 305, 313, 325, 337 e 339 Tatuapé Fones: 2293-9166 Diretoria de Ensino Região LESTE 5 Programa de Retomada de Conteúdo 3º Bimestre Nome:

Leia mais

Biologia 5 aulas 11 e 12

Biologia 5 aulas 11 e 12 Biologia 5 aulas e 2 MODIFICAÇÕES DA 2ª LEI DE MENDEL COMENTÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA. Plantas de ervilha originadas de sementes amarelas e lisas, ambos traços dominantes, foram cruzadas com plantas originadas

Leia mais

A herança simultânea de duas ou mais características

A herança simultânea de duas ou mais características A herança simultânea de duas ou mais características UNIDADE 4 GENÉTICA CAPÍTULO 17 Aula 1/3 A segunda lei de Mendel Meiose e segunda lei Calculando os tipos de gametas 1. SEGUNDA LEI DE MENDEL A ANÁLISE

Leia mais

Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com

Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com SISTEMA ABO O Sistema ABO foi o primeiro dos grupos sanguíneos descobertos (1900, 1901) no início do século XX em 1900),

Leia mais

Leis de Mendel. Genética Biologia III

Leis de Mendel. Genética Biologia III Leis de Mendel Genética Biologia III Mendel (1822-1884) Por que ervilhas? Variedades com características bem definidas, sem formas intermediárias; Fácil cultivo; Ciclo reprodutivo curto; Grande número

Leia mais

LEIS BÁSICAS DA HEREDITARIEDADE E EXTENSÕES DAS LEIS DE MENDEL

LEIS BÁSICAS DA HEREDITARIEDADE E EXTENSÕES DAS LEIS DE MENDEL LEIS BÁSICAS DA HEREDITARIEDADE E EXTENSÕES DAS LEIS DE MENDEL Aula 2 META Explicitar os princípios básicos da hereditariedade propostos por Mendel e as variações de mecanismos de herança. OBJETIVOS Ao

Leia mais

Apostila de Biologia 11 Leis de Mendel

Apostila de Biologia 11 Leis de Mendel Apostila de Biologia 11 Leis de Mendel Matheus Borges 1.0 Conceitos Básicos Herança biológica ou hereditariedade: características básicas da espécie que herdamos como também as características individuais.

Leia mais

Genética. Leis de Mendel

Genética. Leis de Mendel Genética Leis de Mendel DEFINIÇÕES GENES: Pedaços de DNA síntese de determinada proteína. LOCUS GÊNICO: É o local ocupado pelo gene no cromossomo. GENES ALELOS: Situam-se no mesmo Locus Gênico. HOMOZIGOTOS:

Leia mais

Genética Humana. Faculdade Anísio Teixeira. Prof João Ronaldo Neto

Genética Humana. Faculdade Anísio Teixeira. Prof João Ronaldo Neto Genética Humana Faculdade Anísio Teixeira Prof João Ronaldo Neto Jan/2012 Herança Multifatorial Herança Monogênica Herança Cromossômica Padrões de Herança Distúrbios Monogênicos São determinados por um

Leia mais

EXERCÍCIOS - BIOLOGIA - GENÉTICA

EXERCÍCIOS - BIOLOGIA - GENÉTICA EXERCÍCIOS - BIOLOGIA - GENÉTICA. (Ueg 205) Em uma população hipotética de estudantes universitários, 36% dos indivíduos são considerados míopes. Sabendo-se que esse fenótipo é associado a um alelo recessivo

Leia mais

Entendendo a herança genética. Capítulo 5 CSA 2015

Entendendo a herança genética. Capítulo 5 CSA 2015 Entendendo a herança genética Capítulo 5 CSA 2015 Como explicar as semelhanças entre gerações diferentes? Pai e filha Avó e neta Pai e filho Avó, mãe e filha Histórico Acreditava na produção, por todas

Leia mais

HERANÇA SEXUAL. Túlio José de Freitas Goes

HERANÇA SEXUAL. Túlio José de Freitas Goes HERANÇA SEXUAL Túlio José de Freitas Goes INTRODUÇÃO A determinação genotípica do sexo ocorre na maior parte das espécies superiores A determinação sexual pode ocorrer também por efeitos ambientais O sexo

Leia mais

Genética Monoibridismo e Alelos Múltiplos

Genética Monoibridismo e Alelos Múltiplos Genética Monoibridismo e Alelos Múltiplos Aula Genética - 3º. Ano Ensino Médio - Biologia Prof a. Juliana Fabris Lima Garcia Hibridação Definição: O cruzamento entre indivíduos homozigotos que apresentam

Leia mais

Biologia LIVRO 3 Unidade 1 Avaliação capítulos 1, 2, 3 e 4 Genética PRIMEIRA LEI DE MENDEL.

Biologia LIVRO 3 Unidade 1 Avaliação capítulos 1, 2, 3 e 4 Genética PRIMEIRA LEI DE MENDEL. PRIMEIRA LEI DE MENDEL. 1. Estabeleça, no quadro, a relação correta entre as colunas dos termos e respectivas definições presentes no estudo de genética. ( a ) penetrância ( b ) expressividade ( c ) dominância

Leia mais

É dividida em: - Genética Clássica Mendel (1856 1865) - Genética Moderna Watson e Crick (1953).

É dividida em: - Genética Clássica Mendel (1856 1865) - Genética Moderna Watson e Crick (1953). Genética Conceitos Básicos O que é genética? É o estudo dos genes e de sua transmissão para as gerações futuras. É dividida em: - Genética Clássica Mendel (1856 1865) - Genética Moderna Watson e Crick

Leia mais

GENÉTICA. Prof. André Maia

GENÉTICA. Prof. André Maia GENÉTICA Prof. André Maia É a parte da Biologia que estuda os mecanismos através dos quais as características são transmitidas hereditariamente (de pai para filho) através das gerações. Termos e Conceitos

Leia mais

PLANO DE AULA Autores: Ana Paula Farias Waltrick, Stephanie Caroline Schubert

PLANO DE AULA Autores: Ana Paula Farias Waltrick, Stephanie Caroline Schubert PLANO DE AULA Autores: Ana Paula Farias Waltrick, Stephanie Caroline Schubert 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nível de Ensino: Ensino Médio Ano/Série: 3º ano Disciplina: Biologia Quantidade de aulas: 2 2. TEMA

Leia mais

Lista de Genética 2º EM Colégio São José - 2013

Lista de Genética 2º EM Colégio São José - 2013 1. (Fuvest 95) Um homem afetado por uma doença genética muito rara, de herança dominante, casa-se com uma mulher, não consangüínea. Imagine que o casal tenha doze descendentes, seis filhos e seis filhas.

Leia mais

GENÉTICA APLICADA AO MELHORAMENTO ANIMAL

GENÉTICA APLICADA AO MELHORAMENTO ANIMAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA MELHORAMENTO ANIMAL GENÉTICA APLICADA AO MELHORAMENTO ANIMAL 1. DIVISÃO DO MATERIAL

Leia mais

Lista de Genética 2º EM Colégio São José - 2013

Lista de Genética 2º EM Colégio São José - 2013 1. (Fuvest 94) Considere a figura a seguir que representa o resultado da primeira divisão meiótica de uma célula feminina: a) Indique o genótipo do embrião formado a partir da fecundação do óvulo resultante

Leia mais

Mendel Por que Ervilhas?

Mendel Por que Ervilhas? Mendel Por que Ervilhas? Conclusão: Enunciado da 1 a lei: A 1 a lei também pode ser chamada de: Cruzamentos: 1 a Lei de Mendel Exemplo: altura Base citológica da 1 a lei P: Alta X Baixa F1: Baixa F2: Alta

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 46 SISTEMA AB0

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 46 SISTEMA AB0 BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 46 SISTEMA AB0 Fenótipo Aglutinogênio (hemácias) Aglutinina (plasma) A A Anti-B B B Anti-A Genótipos I A I A ou I A i/ AA ou AO I B I B ou I B i/ BB ou BO AB A e B - I A I B /

Leia mais

c) 9 tipos diferentes. d) 27 tipos diferentes.

c) 9 tipos diferentes. d) 27 tipos diferentes. 1 EXERCÍCIOS 2ª LEI DE MENDES (César) 1) De acordo com a segunda lei de Mendel, dois caracteres se distribuem, quanto ao genótipo, em F2, em: a) 4 tipos diferentes. b) 8 tipos diferentes. c) 9 tipos diferentes.

Leia mais

Escola Estadual Dr. Pedro Afonso de Medeiros

Escola Estadual Dr. Pedro Afonso de Medeiros Escola Estadual Dr. Pedro Afonso de Medeiros Professora Amara Maria Pedrosa Silva Aluno(a) nº: Aluno(a) nº: Aluno(a) nº: Série: 3ª Curso Turma: Data: / / Trabalho de Biologia 2ª Unidade QUESTÃO 001 (UFMS)

Leia mais

DESENVOLVENDO HABILIDADES EM GENÉTICA - PARTE I

DESENVOLVENDO HABILIDADES EM GENÉTICA - PARTE I DESENVOLVENDO HABILIDADES EM GENÉTICA - PARTE I Leia o texto abaixo com atenção. Considere que, nos pombos, a ausência de s é condicionada geneticamente. Nos cruzamentos que um criador realizava, ele observou

Leia mais

01/10/2012 GENÉTICA ANÁLISE DO HEREDOGRAMA PADRÃO DE HERANÇA AUTOSSÔMICO III. Autossômico recessivo - Fenótipo preto

01/10/2012 GENÉTICA ANÁLISE DO HEREDOGRAMA PADRÃO DE HERANÇA AUTOSSÔMICO III. Autossômico recessivo - Fenótipo preto GENÉTICA Heredogramas e Probabilidades ANÁLISE DO HEREDOGRAMA PADRÃO DE HERANÇA AUTOSSÔMICO Indivíduo sexo masculino normal Indivíduo sexo feminino normal Indivíduo sexo masculino afetado Indivíduo sexo

Leia mais

1ª LEI DE MENDEL 17/05/2012. 1) Conceitos Prévios. a) Genética

1ª LEI DE MENDEL 17/05/2012. 1) Conceitos Prévios. a) Genética 1) Conceitos Prévios a) Genética É a ciência que estuda a transmissão de características hereditárias de pais para filhos ao longo das gerações. b) Gene Segmento da molécula de DNA capaz de determinar

Leia mais

Lista de Exercícios GENÉTICA Grupos Sanguíneos Profº Fernando Teixeira fernando@biovestiba.net

Lista de Exercícios GENÉTICA Grupos Sanguíneos Profº Fernando Teixeira fernando@biovestiba.net Lista de Exercícios GENÉTICA Grupos Sanguíneos Profº Fernando Teixeira fernando@biovestiba.net 01 - (MACK SP/2013) b) os candidatos III e IV podem ser excluídos da paternidade. c) o candidato I é o pai

Leia mais

Unidade IV Ser Humano e Saúde Aula 13 Conteúdo: Grupos Sanguíneos. Aplicando o sistema ABO.

Unidade IV Ser Humano e Saúde Aula 13 Conteúdo: Grupos Sanguíneos. Aplicando o sistema ABO. Unidade IV Ser Humano e Saúde Aula 13 Conteúdo: Grupos Sanguíneos. Aplicando o sistema ABO. 2 Habilidade: Compreender como os grupos sanguíneos se comportam geneticamente (genótipo e fenótipo). Conhecer

Leia mais

GENÉTICA. a) 180 b) 240 c) 90 d) 120 e) 360

GENÉTICA. a) 180 b) 240 c) 90 d) 120 e) 360 GENÉTICA 1. O gene autossômico que condiciona pêlos curtos no coelho é dominante em relação ao gene que determina pêlos longos. Do cruzamento entre coelhos heterozigotos nasceram 480 filhotes, dos quais

Leia mais

Genética Grupos sanguíneos

Genética Grupos sanguíneos Genética Grupos sanguíneos 1- Em um banco de sangue, existe o seguintes estoque: 12 litros de sangue do tipo A, 7 litros de sangue do tipo B, 3 litros de sangue do tipo AB e 10 litros de sangue do tipo

Leia mais

Genética Básica. Coordenador: Victor Martin Quintana Flores. Exercícios Resolvidos

Genética Básica. Coordenador: Victor Martin Quintana Flores. Exercícios Resolvidos Genética Básica Coordenador: Victor Martin Quintana Flores Exercícios Resolvidos Genética Mendeliana 1- Uma planta de ervilha heterozigota que é alta e amarela, HhAa, é autofertilizada. Qual é a probabilidade

Leia mais

2ª LISTA - GENÉTICA - 3º ANO - CMCG - PROF. BELAN

2ª LISTA - GENÉTICA - 3º ANO - CMCG - PROF. BELAN 2ª LISTA - GENÉTICA - 3º ANO - CMCG - PROF. BELAN 1. (FUVEST) A cor dos pelos nas cobaias é condicionada por uma série de alelos múltiplos com a seguinte escala de dominância: C (preta) > C 1 (marrom)

Leia mais

1ª e 2ª Lei de Mendel

1ª e 2ª Lei de Mendel Conceitos Básicos 1ª e 2ª Lei de Mendel A Genética estuda os processos de hereditariedade, que explicam como as características podem ser transmitidas para os descendentes. Explicação teórica: cada característica

Leia mais

HERANÇA LIGADA AO SEXO

HERANÇA LIGADA AO SEXO HERANÇA LIGADA AO SEXO Determinação do sexo Todos os casos de herança estudados até agora relacionam-se a genes localizados nos cromossomos autossômicos. Os que se localizam nos cromossomos sexuais têm

Leia mais

Lista de Exercícios Herança Sexual

Lista de Exercícios Herança Sexual Meus queridos alunos, preparei para vocês uma lista de atividades abordando o conteúdo estudado por nós esta semana. Espero que vocês aproveitem o final de semana para resolver esses exercícios segundo

Leia mais

Lista de Genética 2º EM Colégio São José - 2013

Lista de Genética 2º EM Colégio São José - 2013 1. (Fuvest 91) No porquinho-da-índia existe um par de genes autossômicos que determina a cor da pelagem: o alelo dominante B determina a cor preta e o recessivo b, a cor branca. Descreva um experimento

Leia mais

POLIALELISMO E GRUPOS SANGUÍNEOS

POLIALELISMO E GRUPOS SANGUÍNEOS POLIALELISMO E GRUPOS SANGUÍNEOS 1) UFRS - Coelhos podem ter quatro tipos de pelagem: chinchila, himalaia, aguti e albina, resultantes das combinações de quatro diferentes alelos de um mesmo loco. Num

Leia mais

Primeira e Segunda Lei de Mendel, Polialelia, Sangue e Sexo

Primeira e Segunda Lei de Mendel, Polialelia, Sangue e Sexo Primeira e Segunda Lei de Mendel, Polialelia, Sangue e Sexo 1. Em uma espécie de planta, a forma dos frutos pode ser alongada, oval ou redonda. Foram realizados quatro tipos de cruzamento entre plantas

Leia mais

O SISTEMA GENÉTICO E AS LEIS DE MENDEL

O SISTEMA GENÉTICO E AS LEIS DE MENDEL O SISTEMA GENÉTICO E AS LEIS DE MENDEL Profa. Dra. Juliana Garcia de Oliveira Disciplina: Biologia Celular e Molecular Curso: Enfermagem, Nutrição e TO Conceitos Básicos Conceitos Básicos Conceitos Básicos

Leia mais

Biologia. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 37 (pág. 148) AD TM TC. Aula 38 (pág. 148) AD TM TC. Aula 39 (pág. 150) AD TM TC

Biologia. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 37 (pág. 148) AD TM TC. Aula 38 (pág. 148) AD TM TC. Aula 39 (pág. 150) AD TM TC Biologia Prof.: Índice-controle de Estudo ula 37 (pág. 148) D TM TC ula 38 (pág. 148) D TM TC ula 39 (pág. 150) D TM TC ula 40 (pág. 152) D TM TC ula 41 (pág. 152) D TM TC ula 42 (pág. 154) D TM TC ula

Leia mais

GENÉTICA 1ª Lei de Mendel

GENÉTICA 1ª Lei de Mendel GENÉTICA 1ª Lei de Mendel 1) Um rato marrom foi cruzado com duas fêmeas pretas. Uma delas teve 7 filhotes pretos e 6 filhotes de cor marrom. A outra teve 14 filhotes de cor preta. Os genótipos do macho

Leia mais

As flores de uma determinada planta podem ser brancas, vermelhas ou creme. A cor branca (ausência de deposição de pigmento) é condicionada por alelo

As flores de uma determinada planta podem ser brancas, vermelhas ou creme. A cor branca (ausência de deposição de pigmento) é condicionada por alelo As flores de uma determinada planta podem ser brancas, vermelhas ou creme. A cor branca (ausência de deposição de pigmento) é condicionada por alelo recessivo (aa). O alelo A determina a deposição de pigmento.

Leia mais

BIOLOGIA Prof.: Camacho Lista: 08 Aluno(a): Turma: Data: 01/04/2015

BIOLOGIA Prof.: Camacho Lista: 08 Aluno(a): Turma: Data: 01/04/2015 BIOLOGIA Prof.: Camacho Lista: 08 Aluno(a): Turma: Data: 01/04/2015 Questão 01) Uma mulher pertencente ao tipo sanguíneo A, Rh casa-se com um homem pertencente ao tipo B, Rh+, que nasceu com eritroblastose

Leia mais