FEBRASGO. Exames de mama e colo de útero: nova lei gera polêmica. Anticoncepcionais orais para mulheres jovens:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FEBRASGO. Exames de mama e colo de útero: nova lei gera polêmica. Anticoncepcionais orais para mulheres jovens:"

Transcrição

1 Jornal da Ano 16 edição 104 Maio 2009 FEBRASGO Publicação da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia SUS Exames de mama e colo de útero: nova lei gera polêmica Urgente Anticoncepcionais orais para mulheres jovens: a posição da Febrasgo 53 0 CBGO Abertas as inscrições para envio de trabalhos científ icos Síf ilis congênita: um grave problema de saúde pública

2 editorial Febrasgo Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (11) Presidente: Nilson Roberto de Melo Secretário executivo Francisco Eduardo Prota Secretária executiva adjunta Vera Lúcia Mota da Fonseca Tesoureiro Ricardo José de Oliveira e Silva Tesoureira adjunta Mariângela Badalotti Vice-presidente da Região Norte Pedro Celeste Noleto e Silva Vice-presidente da Região Nordeste Francisco Edson de Lucena Feitosa Vice-presidente da Região Centro-Oeste Hitomi Miura Nakagava Vice-presidente da Região Sudeste Cláudia Navarro Duarte Lemos Vice-presidente da Região Sul Almir Antonio Urbanetz Assessor da Presidência Etelvino de Souza Trindade Jornal da Febrasgo Editor: Nicolau D Amico Filho Jornalista responsável: Chico Damaso MTB: /SP - Redação: acontecenoticias.com.br - Impressão: Zeppelini Editorial - com.br - Tel.: (11) ÍndIce Polêmica sobre Lei da Mamografia...3 Anticoncepcionais orais e câncer de mama...4 Gestação e transtornos mentais º CBGO: Inscrições para trabalhos científicos...7 Direto da fonte...8 Sífilis congênita...9 Pílula do Dia Seguinte...11 Federadas: SOGOES...12 Coluna da AMB...13 Giro pelos Estados: MS...14 fórum do associado Notícias boas e velhos dilemas Uma boa notícia desta edição do Jornal da FEBRASGO é a nossa recondução ao Conselho Deliberativo da Associação Médica Brasileira por mais dois anos. Recentemente a FEBRASGO foi eleita, ao lado de 13 outras especialidades, para representar as demais 56 sociedades filiadas à AMB, defendendo seus interesses no Conselho Científico. Trazemos também nova reportagem sobre o 53º Congresso Brasileiro de Ginecologia CBGO, desta vez destacando o regulamento e os prazos para submissão de trabalhos científicos. Este, aliás, é um privilegiado canal para quem tem um importante estudo a ser divulgado e a todos os congressistas interessados em se manter por dentro das novidades da área. Outras questões relevantes tratadas neste número dizem respeito à constante ação da FEBRASGO para oferecer medicina de qualidade às nossas pacientes e um ambiente mais seguro e digno para a prática médica. Colocamos em discussão A nova lei sobre prevenção ao câncer de mama é mais uma tentativa de melhorar a triste estatística de cerca de 35% de mulheres com mais de 50 anos que nunca realizaram uma a real eficácia da lei que garante a efetivação das ações de prevenção, detecção e tratamento dos cânceres de colo do útero e de mama. Vista com otimismo, mas também com ressalva, é mais uma tentativa de melhorar a triste estatística de cerca de 35% de mulheres com mais de 50 anos que nunca realizaram uma mamografia. Mas necessita de financiamento adequado para vingar. A reunião da Comissão do Parto Normal do Conselho Federal de Medicina para debater o funcionamento das Casas de Parto é mais um tema que merece sua especial atenção. Hoje, no país, já são 11 os estabelecimentos, sendo cinco isolados, oferecendo partos sem assistência adequada, supervisão médica ou preparo suficiente para atuar satisfatoriamente em caso de emergência médica. Temos de nos posicionar firmemente neste caso. Por fim, abordamos a triste realidade de o Brasil conviver com um grave problema de saúde pública, a sífilis, mesmo após meio século da descoberta do tratamento. Conclamo aos colegas a, juntos, lutarmos pela redução das atuais 50 mil gestantes infectadas e 12 mil notificações anuais. Homenagem mamografia Nilson Roberto de Melo - Presidente O Jornal da Febrasgo mantém um espaço para interlocução permanente com os leitores: o Fórum do Associado. Ficaremos muito honrados em tê-lo como colaborador. Ajudar a enriquecer nossa publicação é importante e simples: basta enviar suas impressões e sugestões para o ou por carta para a rua Cotoxó, 303, conjunto 82, Perdizes, São Paulo, SP, CEP , aos cuidados da Comunicação. Desde já, agradecemos o seu apoio. Jornal da FEBRASGO Maio 2009

3 Dúvidas sobre a ef icácia da lei que garante diagnóstico e tratamento dos cânceres de mama e de colo uterino pelo SUS Brasília urgente Teoricamente, a nova legislação assegura a efetivação das ações de prevenção, detecção e cuidados. Mas não há verbas suficientes alocadas, segundo especialistas nham iniciado sua vida sexual, independentemente da idade. Mesmo vista com otimismo no meio médico, há ressalvas quanto à capacidade de realização destes exames com os recursos pré-estabelecidos na legislação. Embora tenhamos mamógrafos em quantidade suficiente para atender à demanda do país, o custeio para os exames é insuficiente. Essa falta de recursos impossibilita a utilização da capacidade plena dos aparelhos, argumenta José Luiz Gomes do Amaral, presidente da Associação Médica Brasileira. O Ministério da Saúde anunciou a liberação de R$ 85 mi- E stá em vigor desde 29 de abril de 2009 a Lei Federal , que, ao menos teoricamente, garante a efetivação das ações de prevenção, detecção e tratamento dos cânceres de colo do útero e de mama estabelecidas pela Política Nacional de Atenção Oncológica e pelo Programa Nacional de controle da doença. A partir de agora, portanto, todas as mulheres com mais de 40 anos de idade têm o direito de fazer mamografia gratuita pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Além da mamografia, a lei prevê a realização de exame citopatológico de colo uterino a todas aquelas que já telhões para mamografias nos próximos três anos. Mas para que todas as mulheres de 40 a 70 anos realizem o exame são necessários R$ 675 milhões. É um dinheiro que ultrapassa em muito o disponibilizado para materializar a lei. Segundo um estudo encomendado pela Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama (Femama) ao Datafolha no fim de 2008, no Brasil, 35% das mulheres acima de 50 anos nunca realizaram uma mamografia. A justificativa delas é a de que não sentem nada ou ainda alegam dificuldade de marcar o exame, comenta a presidente da Femama, Maira Caleffi, coordenadora do núcleo mama do Hospital Moinhos de Vento (RS). Maira Caleffi, no entanto, considera que já é um bom começo garantir o rastreamento mamográfico anual pelo menos em mulheres de 50 a 69 anos. Mas salienta que é necessário buscar respostas quanto à situação atual para a faixa dos 40 a 49 anos, em que a mortalidade por doença em estágio avançado vem aumentando. rastreamento e câncer de mama O câncer de mama é um problema de saúde básico, que começa com o treinamento da enfermeira e do médico comunitário, envolve o ginecologista e precisa ter a garantia de que os prestadores de serviços do SUS farão o mais rápido possível, e com qualidade, tanto os exames por imagem como biópsia e tratamento. Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), o câncer de mama Jornal da FEBRASGO Maio 2009

4 Brasília urgente é o segundo tipo mais frequente no mundo e o mais comum entre as mulheres. A cada ano, cerca de 22% dos novos casos de câncer em mulheres são os de mama. Serão cerca de 50 mil novos casos no Brasil em 2009, com risco estimado de 50,71 ocorrências para cada 100 mil mulheres. Os dados mais recentes de mortalidade, de 2006, indicam óbitos decorrentes da doença naquele ano. Considerado um câncer de relativo bom prognóstico, as taxas de mortalidade por câncer de mama continuam elevadas no Brasil, muito provavelmente porque o diagnóstico é comumente feito já em estágio avançado. Em se tratando de câncer de colo de útero, são aproximadamente 500 mil casos novos por ano no mundo, fazendo da doença o segundo tipo de Para que todas as mulheres realizem o exame são necessários R$ 675 milhões. É um dinheiro que ultrapassa em muito o disponibilizado José Luiz Gomes do Amaral O câncer de mama é um problema de saúde básico, que começa com o treinamento da enfermeira e do médico comunitário para um bom atendimento Maira Caleffi câncer mais comum entre as mulheres. Leva a óbito aproximadamente 230 mil mulheres anualmente. Estima-se que cerca de 80% da mortalidade por esse mal possa ser evitada por meio de rastreamento de mulheres na faixa etária de 25 a 65 anos e tratamento das lesões precursoras com alto potencial de malignidade. Mamografia em números Há no Brasil 25 milhões de mulheres na faixa etária entre 40 a 70 anos (Censo IBGE 2000) e mamógrafos em uso (CNEs). O Ministério da Saúde anunciou a verba de R$ 85 milhões destinada à realização de mamografia nos próximos três anos. Sendo R$ 45 o valor pago por mamografia, seriam necessários R$ 675 milhões para o exame em todas as mulheres. Anticoncep orais e cân posição da Recentemente publicada no jornal O Estado de S.Paulo, a reportagem Médicos são Contra Pílula Anticoncepcional Antes dos 18 motivou uma nota oficial da FEBRASGO. O objetivo foi alertar a população e profissionais de medicina sobre a correta recomendação da Federação para esse caso específico. Segundo o comunicado, mais de 1 milhão de mulheres por ano se envolvem em situação de abortamento inseguro no Brasil. São ocasiões em que as complicações podem ser graves, tais como hemorragias, infecções, perfuração uterina, esterilidade e até a morte. O aborto inseguro, é imperativo ressaltar, configura-se como uma das principais causas evitáveis de morte materna. É um dos responsáveis pelos altos índices apresentados no país: 64 mortes por 100 mil nascidos vivos. O principal meio de reverter esta realidade é a redução das gestações não desejadas, afirma Nilson Roberto de Melo, presidente da FEBRASGO. Hoje, em nosso país, a fecundidade de mulheres entre 15 e 19 anos representa 23% da taxa total. Cerca de 33% das meninas com até 15 anos já tiveram relações sexuais. Não é possível descartar nenhum método anticoncepcional, ainda que outros, como a camisinha, sejam mais indicados por inúmeras razões, uma delas a prevenção às doenças sexualmente transmissíveis, pondera Nilson. Conforme a Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Criança e da Mulher, das jovens sexualmente ativas, entre 15 e 19 anos, 66% já usaram algum método contraceptivo. Mais de um terço, 27%, optou pela pílula. Jornal da FEBRASGO Maio 2009

5 cionais cer: a FEBRASGO A polêmica começou após uma reportagem de O Estado de S.Paulo POLÊMICA Sem a opção do anticoncepcional oral, é impossível dizer se estas jovens teriam utilizado outro método, ou se estariam, hoje, somadas às estatísticas de gestações indesejadas, abortos inseguros ou de mortalidade materna, conclui o presidente da FEBRASGO. Apoio da mastologia A posição da FEBRASGO teve o pronto apoio da Sociedade Brasileira de Mastologia. Existe concordância de que até o momento não há dados consistentes sobre os riscos do uso prolongado da pílula anticoncepcional. De acordo com Marcelino E. H. Poli, presidente da Comissão Nacional de Anticoncepção da FEBRASGO, a promoção da anticoncepção entre adolescentes é uma obrigação de saúde pública. Ele frisa, aliás, que, por todos os benefícios advindos do uso dos contraceptivos orais, deve ser incentivada e patrocinada pelos responsáveis pela saúde pública. Vivemos uma época de verdadeira explosão sexual, em que a precocidade do relacionamento sexual é incentivada por todos os meios, o erotismo é exagerado e a gravidez na adolescência uma epidemia, com consequências muito sérias. Anticoncepção na adolescência O problema da anticoncepção na adolescência é delicado, pois envolve um ser biologicamente adulto, com capacidade procriativa, mas emocionalmente imaturo. Na adolescência, os contraceptivos orais combinados gozam de vantagem sobre os demais métodos, tornando-os preferenciais especialmente por proporcionarem benefícios extracontraceptivos, que devem ser enfatizados, facilitando a escolha, argumenta Poli. Entre os benefícios, ele destaca a diminuição do risco de cistos funcionais; regulação do ciclo menstrual, possibilitando a previsibilidade das menstruações; redução da duração e do volume do fluxo menstrual, bem como da dismenorréia; e proteção contra doença inflamatória pélvica. Contraindicações A despeito de todos os benefícios para a grande maioria dos casos, há exceções em que a pílula anticoncepcional não é indicada. Mas essa é uma constatação que deve ser verificada individualmente pelo médico. Por isso, o uso de anticoncepcionais, assim como acontece com qualquer medicamento, só deve ser feito sob prescrição e orientação de profissionais de medicina. De acordo com o presidente da Sociedade Brasileira de Mastologia, Carlos Ricardo Chagas, as contraindicações não estão relacionadas aos estudos sobre o uso da pílula e a incidência de câncer. Embora algumas pesquisas mostrem uma probabilidade maior na incidência a maioria baseadas em doses e substâncias antigas o risco encontrado ainda é muito pequeno. Ou seja, a pílula continua fazendo mais bem do que mal para as mulheres, defende. O especialista lembra que os trabalhos mais recentes, que incluem novas formulações, com doses mais baixas, não têm observado aumento de risco. A pílula é um método seguro, conveniente e bem tolerado em um alto número de pacientes. Com a grande variedade de formulações disponíveis atualmente, pode ser feita uma escolha individualizada para cada paciente, conclui Chagas. Marcelino E. H. Poli Sem a opção do anticoncepcional oral, é impossível dizer se estas jovens teriam utilizado outro método, ou se estariam, hoje, somadas às estatísticas de gestações indesejadas, abortos inseguros ou de mortalidade materna Jornal da FEBRASGO Maio 2009

6 MULTIDISCIPLINAR Gestação e transtornos mentais: com a palavra, o psiquiatra A gestação é fator de risco para a recaída de uma condição psiquiátrica préexistente ou para o início de um novo transtorno mental. Prova disso é a alta prevalência de transtornos de ansiedade e de humor em gestantes. Segundo Joel Rennó Júnior, diretor do Programa de Atenção à Saúde Mental da Mulher (ProMulher) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, um dos motivos que favorece tais recaídas é o aconselhamento, por parte de alguns obstetras, de descontinuar o uso de psicotrópicos antes da concepção. Mulheres com depressão crônica, mantidas com antidepressivo mas aconselhadas a descontinuá-los durante a gravidez têm chance de recaída elevada, em torno de 75%. Dependendo do diagnóstico psiquiátrico e do nível de gravidade dos sintomas, a falta de tratamento específico ou o abandono da medicação na gestação pode prejudicar o desenvolvimento do feto. Além de menor aderência ao pré-natal, essas mulheres podem tender a se alimentar de forma inadequada e apresentam maior risco para algumas doenças clínicas, como o diabetes gestacional. Uma pesquisa da Universidade Harvard, publicada no JAMA em março de 2009, aponta que o diabetes gestacional aumenta em duas vezes o risco de depressão pós-parto. Os transtornos de ansiedade e depressão na gestação, explica o psiquiatra Rennó Júnior, estão entre os principais fatores de risco para depressão pós-parto, enquanto a ansiedade crônica não tratada na gestação pode levar a parto prematuro, baixo peso ao nascer e até ao abortamento espontâneo. A falta de tratamento adequado da mãe, após o parto, também é prejudicial ao desenvolvimento dos filhos. Mulheres com depressão pós-parto não tratadas adequadamente podem levar a prejuízos do desenvolvimento cognitivo e de linguagem após o nascimento. Muitas crianças com transtornos depressivos têm esse histórico. Psicoses no pós-parto com alterações de juízo e crítica, delírios e alucinações favorecem a autoagressividade, suicídio e infanticídio. De acordo com Rennó Júnior, investigar o início e o curso de doença psiquiátrica materna na gestação tem de ser uma prioridade de todo obstetra. O tratamento farmacológico de tais pacientes requer ampla discussão, em conjunto com o psiquiatra, dos riscos e benefícios de quaisquer psicotrópicos utilizados. Diagnóstico Um grande estudo de coorte, desenvolvido por Evans e cols, em 2001, com mulheres, sugere que a depressão pode ser até mais comum na gestação do que no pós-parto. Cerca de um terço tem o primeiro episódio depressivo na gestação, apesar de sabermos que a história pessoal de doença afetiva aumenta o risco de depressão gestacional. Entre os fatores de risco, destaco a insatisfação pessoal, suporte psicossocial inadequado, eventos de vida adversos, baixo status socioeconômico e gravidez indesejada. O especialista frisa que muitos sinais e sintomas neurovegetativos durante a gravidez, que ocorrem em mulheres não deprimidas, podem ser confundidos com sintomas depressivos característicos, como distúrbios do sono e apetite, diminuição da libido e baixa energia. Na gravidez, casos de anemia, diabetes gestacional e disfunção tireoidiana podem ser associados a sintomas depressivos. Aspectos clínicos que podem dar suporte ao diagnóstico de depressão na gestação incluem anedonia, sentimentos de culpa e desesperança e pensamentos suicidas. Daí a importância de um trabalho em conjunto com o psiquiatra especializado em saúde mental da mulher, a fim de que não haja subdiagnóstico ou diagnósticos excessivos. Tratamento Os tratamentos dependem do diagnóstico específico, da gravidade dos sintomas, do histórico pessoal de transtorno mental e do curso da doença, explica Rennó Júnior. Geralmente, há três períodos: fase aguda, até melhora total dos sintomas psíquicos; fase de continuação, para evitar recaída, que tem média de 4 a 9 meses; e fase de manutenção, para prevenir novo episódio, que dura ao menos um ano. O psiquiatra é o melhor profissional para elaborar um tratamento individualizado, com avaliação apurada de todos os riscos e benefícios. Rennó Júnior comenta que a depressão unipolar, a mais comum, é tratada com antidepressivos. A bipolar requer estabilizadores de humor e não são recomendados antidepressivos, pois podem até piorar o curso e provocar uma virada para o polo ou fase de mania. Transtornos de ansiedade, por sua vez, devem ser tratados, prioritariamente, com antidepressivos, enquanto os quadros de psicose com antipsicóticos. Riscos Todo médico deve estar ciente de que não existe medicamento psicotrópico sem riscos. É possível, no entanto, basear-se em evidências científicas e experiência clínica para avaliação adequada. O trabalho interdisciplinar é importante. Já recebi pacientes de obstetras bem abertos a tais questões. Infelizmente, contudo, há profissionais radicais que contraindicam antidepressivos e outros psicotrópicos em qualquer gestação, sem avaliar, à luz da ciência, todos os fatores envolvidos. Involuntariamente, isso pode causar sérios prejuízos à mulher e ao bebê. Extremismos e irredutibilidade devem ser evitados a todo custo. Joel Rennó Júnior, diretor do Programa de Atenção à Saúde Mental da Mulher (ProMulher) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, é autor do livro Mentes Femininas, da Ediouro. Jornal da FEBRASGO Maio 2009

7 53 0 CBGO Abertas as inscrições para envio de trabalhos científ icos A FEBRASGO já está recebendo trabalhos científicos sob a forma de pôsteres para apresentação no 53 0 Congresso Brasileiro de Ginecologia e Obstetrícia por meio do site www. febrasgo.org.br/53cbgo. As inscrições se encerram em 10 de agosto. São aceitas criações originais ou já aprovadas para veiculação em qualquer periódico. Estão liberados apenas os casos de publicação de notas prévias, com resultados parciais de pesquisa, desde que estes resumos não tenham sido apresentados em congressos de ginecologia e obstetrícia anteriores. Os trabalhos, em língua portuguesa, serão classificados em uma das mais de 20 áreas disponíveis, tais como medicina fetal, climatério, anticoncepção ou mastologia, e serão analisados por uma comissão específica. Cada autor poderá inscrever no máximo cinco obras, sendo que nenhuma pode ultrapassar o limite de cinco coautores. Um desses participantes precisa possuir TEGO ou título de especialista relacionado ao tema a ser apresentado, devendo estar inscrito no congresso até a o data do envio dos trabalhos. A participação como coautor é ilimitada. O regulamento completo está disponível no portal da FEBRASGO. Em caso de dificuldades ou dúvidas, entre em contato pelo br ou pelo telefone: (31) Julgamento Os autores serão informados até 30 de setembro da decisão da Comissão de Temas Livres quanto à aceitação ou não do trabalho. Todas as produções aprovadas serão publicadas nos anais do congresso. Os melhores temas livres em ginecologia e em obstetrícia serão premiados. Também serão destacados com menções honrosas outros dois de cada área CBGO O 53 0 Congresso Brasileiro de Ginecologia e Obstetrícia será realizado de 14 a 17 de novembro de 2009, no moderno Expominas Belo Horizonte. Serão 15 mil metros quadrados de auditórios com capacidade para até pessoas; salas para aulas práticas; e uma ampla área para a feira de exposição. A escolha de Minas Gerais como a sede deste ano é muito oportuna. A FEBRASGO nasceu justamente na capital, Belo Horizonte, há cinquenta anos. Aliás, é a primeira vez que o maior evento da GO do país acontece por lá. A expectativa da FEBRASGO é manter o ritmo de crescimento de seus congressos nacionais, superando a marca dos quase participantes do anterior, que aconteceu em 2007, em Fortaleza, Ceará. O QUE VEM POR AÍ VICE-GOVERNADOR DE MG SE REÚNE COM COMISSO DO CBGO A Comissão Organizadora do 53 0 CBGO, presidida pelo médico João Pedro Junqueira Caetano, se reuniu com o vice-governador de Minas Gerais, Antônio Anastasia, na quarta-feira, 6 de maio, para apresentar e mostrar a importância do evento que trará para a capital mineira pela primeira vez. A expectativa da organização do evento é receber mais de 8 mil profissionais entre ginecologistas, obstetras, estudantes, representantes da indústria farmacêutica e de órgãos de classe - de diversas regiões brasileiras e do exterior. Gustavo Roscoe Da esquerda para a direita, Fátima Cabral, diretora de negócios da Suporte Eventos; João Henrique Penna Reis, integrante da diretoria do 53º CBGO; João Pedro Junqueira Caetano, presidente do 53º CBGO; Roberto Porto da Fonseca, diretor da Oncomed; e Antônio Anastasia, vice-governador de Minas Gerais Jornal da FEBRASGO Maio 2009

8 Direto da fonte Comissão do Parto Normal O trabalho do grupo frente ao permanente aumento de cesáreas nos hospitais privados A Comissão de Parto Normal do Conselho Federal de Medicina tem se reunido periodicamente para discutir diversos assuntos relacionados não apenas ao parto normal, mas também à assistência à mulher durante a gravidez e puerpério. Os encontros buscam soluções para o permanente aumento de cesáreas na rede privada, que hoje ultrapassam 80%, afirma Lucila Nagata, uma das representantes da FEBRASGO na Comissão. No último encontro do grupo, em 14 de maio, participaram, além de Lucila, Helvio Bertolozzi Soares, também representando a FEBRASGO; José Luis Telles, diretor do Departamento de Ações Programáticas Estratégicas (DAPE), do Ministério da Saúde; Lena Peres, coordenadora da Área Técnica de Saúde da Mulher do Ministério da Saúde; José Fernando Vinagre e Aloísio Tibiriçá, do CFM; Krikor Boyaciyan, representando a Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo (SOGESP) e o Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (CREMESP); Vera Fonseca, da Sociedade de Ginecologia e Obstetrícia do Rio de Janeiro (SGORJ) e do Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro (CREMERJ); e Paulo Nader, da Sociedade Brasileira de Pediatria. Entre os temas abordados, a qualificação da assistência ao parto e a necessidade do parto seguro. Além da reunião, na sede do CFM, em Brasília, o grupo esteve no Ministério da Saúde para tratar da modificação da Portaria nº 985, que cria o Centro de Parto Normal no âmbito do SUS, e reuniu-se com Maria Ângela da Paz, representante da Anvisa, sobre a revisão da RDC nº 36, de 2008, que dispõe sobre regulamento técnico para funcionamento dos serviços de atenção obstétrica e neonatal. Ainda neste encontro, explica Lucila, a Comissão iniciou a elaboração de um projeto de metas a médio e longo prazos, com foco na redução do índice de cesáreas na instituição privada. febrasgo_210x90.pdf 5/8/aaaa 12:00:51 G.O. integra o Conselho Deliberativo da AMB por mais dois anos Em 19 de março, a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia foi eleita novamente para integrar o Conselho Deliberativo da Associação Médica Brasileira (AMB). Assim, ao lado de 13 outras sociedades de especialidades, volta a integrar o Conselho Científico da AMB. As sociedades de especialidades eleitas na ocasião serão representadas no Conselho Deliberativo por seus respectivos presidentes em um mandato de dois anos. Na FEBRASGO, portanto, o cargo será exercido por Nilson Roberto de Melo, tendo como substituto Almir Antonio Urbanetz. As 14 sociedades de especialidade eleitas terão a responsabilidade de representar as outras 56 instituições filiadas à AMB, defendendo seus interesses no Conselho Científico. São 7 vagas para as especialidades cirúrgicas, 5 para as clínicas e 2 para a área de diagnóstico. Estarão ao lado da FEBRASGO as Sociedades de Anestesiologia, Cardiologia, Cirurgia Geral, Clínica Médica, Coloproctologia, Infectologia, Ortopedia e Traumatologia, Otorrinolaringologia, Oftalmologia, Patologia Clínica, Patologia, Pediatria e Reumatologia. Segundo o diretor científico da AMB e ex-presidente da FEBRASGO, Edmund Chada Baracat, é muito importante que os eleitos participem ativamente das reuniões do deliberativo, que é o conselho mais importante da AMB. Aliás, vale o registro de que o Conselho Deliberativo da AMB reúne-se a cada seis meses e é formado pelo presidente da AMB, secretário da AMB, presidentes de federadas, um representante indicado pelo Conselho Federal de Medicina e pelos membros do Conselho Científico. Não seja o último médico a aceitar cartão de crédito em seu consultório. 39 mensais Aceite todos os cartões por apenas R$,90 e R$ 1,00 por operação + taxas administrativas das operadoras de 2,5 a 4,5%. Conheça a plataforma de pagamento Saúde Service. A melhor e mais econômica opção para dentistas e médicos receberem com cartão de crédito sem alugar as máquinas e com a mesma segurança em seu consultório. Associado Febrasgo tem isenção na taxa de adesão. Mais informações: São Paulo (11) e outras regiões Ou acesse nosso site: Cartões de Crédito: Jornal da FEBRASGO Maio 2009 Diners Club International Hiper ard A u r a Cartões de Débito: Cheques:

9 Síf ilis congênita: um grave problema de saúde pública SOCIEDADE Temos cerca de 50 mil gestantes infectadas e 12 mil casos notif icados ao ano Em 1905, os microbiologistas alemães Fritz Richard Schaudinn e Paul Erich Hoffmann descreveram o Treponema pallidum como o agente causador da sífilis. No ano seguinte, outro bacteriologista alemão, August Paul von Wassermann, desenvolveu a primeira sorologia para sífilis ou sorologia para Lues. Mais de um século se passou. De lá para cá, a medicina evoluiu e, com ela, o tratamento da sífilis, que é uma realidade há mais de 60 anos. Ainda assim, a doença representa um sério problema de saúde pública em todo o mundo, especialmente nos países subdesenvolvidos ou em desenvolvimento. A sífilis é passível de transmissão vertical, além de determinante de graves sequelas e até mesmo de morte fetal e neonatal. Hoje a situação é preocupante no Brasil, a despeito de o agente causal ser conhecido e do tratamento estar disponível para a população na rede pública. Temos cerca de 50 mil gestantes infectadas e 12 mil casos de sífilis congênita notificados ao ano. Na região Sudeste, segundo o Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) do Ministério da Saúde, concentram-se 51,2% dos casos ocorridos entre 1998 e 2006, seguida da Nordeste (27,9%), Centro-Oeste (7,4%), Sul (6,7%) e Norte (6,80%). Infelizmente a sífilis não é discutida como deveria, adverte Mauro Passos, presidente da comissão nacional especializada em doença infecto-contagiosa da FEBRASGO e professor associado chefe do Setor de DST da Universidade Federal Fluminense. A crítica procede. Pesquisa finalizada em 2008 pelo Programa Nacional de DST/Aids revela dados assustadores. Realizada em seis capitais brasileiras, traz Mauro Passos Não podemos esperar um prognóstico diferente em um país em que apenas uma parte das gestantes vai ao serviço público para o pré-natal a constatação de enorme incidência de males facilmente preveníveis e tratáveis, como a sífilis, em gestantes. Ao menos 42% das mulheres avaliadas tinham uma ou mais doenças sexualmente transmissíveis. A sífilis esteve presente em 2,6% delas, número muito superior ao 1% já considerado preocupante para a Organização Mundial da Saúde (OMS). Passos observa que estes 2,6% são uma média. Em algumas localidades os índices são ainda mais alarmantes. É o caso de Manaus, com 3,2%; Porto Alegre, com 2,8%; ou Rio de Janeiro, com 4,4%. Não podemos esperar um prognóstico diferente em um país em que apenas uma parte das gestantes vai ao serviço público para o pré-natal. Ainda assim, nem todas realizam os exames solicitados, ou os fazem tarde demais, diversas vezes dando à luz antes mesmo de os resultados saírem. Esse quadro é a maior prova da necessidade de união de médicos, demais profissionais da saúde, governantes e sociedade para enfrentar o problema da sífilis, especialmente porque a falta de tratamento adequado da doença recente na gestação evolui, em 40% dos casos, para sérios transtornos, como abortamento, óbito fetal ou óbito neonatal. Sífilis em números 54% das mães de crianças infectadas têm entre 20 e 29 anos de idade, sendo que 75,8% fizeram pré-natal. Mais da metade não havia tido o diagnóstico de sífilis até o momento do parto. Apenas 16,6% dos parceiros são tratados, o que se reflete na manutenção das altas taxas de incidência da doença fetal. De 1996 a 2005 foram notificados óbitos por sífilis congênita, sendo 3,3% na região Centro-Oeste; 8,8% na Norte; 10,2% Sul; 32,6% Nordeste e 45,1% na Sudeste. Quantos terão sido os casos que nem sequer foram diagnosticados? De 2000 a 2006, crianças foram internadas para tratamento da sífilis congênita, representando um dispêndio de R$ 11,5 milhões somente em internação hospitalar. Qual será o custo para acompanhamento, para tratamento das sequelas orgânicas e socioemocionais das famílias? Enquanto a porcentagem de transmissão vertical (TV) do HIV em gestantes sem qualquer tipo de acompanhamento não atinge 30%, a da sífilis congênita é superior a 95%. Jornal da FEBRASGO Maio 2009

10 XIX Congresso Mundial de Ginecologia e Obstetrícia XIX Congresso Mundial de Ginecologia e Obstetrícia 04 a 09 de Outubro / 2009 Cape Town - África do Sul 04 a 09 de Outubro / Cape Town - África do Sul 4X MINAS GERAIS BRASÍLIA MINAS GERAIS BRASÍLIA

11 Pílula do dia seguinte Algumas considerações importantes sobre o contraceptivo de emergência M ais conhecido entre a população como pílula do dia seguinte, o anticoncepcional de emergência (AE) é hoje uma maneira de se evitar a gravidez indesejada em situações isoladas e urgentes, como o rompimento da camisinha durante o ato sexual, o estupro ou uma relação desprotegida. Infelizmente, por falta de informação, muitas jovens vêm usando o medicamento continuamente, em substituição aos anticoncepcionais orais regulares. Em reportagem publicada recentemente no jornal Folha de S.Paulo, um alerta importante é revelado por estudo em andamento na Faculdade de Saúde Pública da USP. De 300 adolescentes paulistas ouvidas, entre 12 e 20 anos, e 60 profissionais da saúde, concluiuse que 8,3% dos profissionais entrevistados acreditam que a pílula sirva como abortivo. Segundo os coordenadores do estudo, muitos são contra porque desconhecem que ela não provoca aborto. Entre as pacientes, apenas 13,36% sabiam que o uso deve ser feito exclusivamente em situações de emergência. Há ainda grande quantidade de mulheres que, na impossibilidade de consultar um ginecologista no prazo máximo de 72 horas para a ingestão da pílula, recorrem às farmácias em busca do medicamento, seguindo as recomendações de balconistas. Este estudo mostra a importância da educação continuada de médicos e profissionais de saúde. Indicações e contraindicações do AE devem ser fornecidas permanentemente por profissionais capacitados e por meio de campanhas oficiais, tanto nos serviços de saúde como nas escolas, disseminando a informação correta a fim de evitar mau uso e consequências indesejadas. Antigamente preconizava-se que não ultrapassasse 72 horas. Mas hoje a Organização Mundial da Saúde avalia que possa ser tomado até 5 dias, ou 120 horas, após uma relação desprotegida. É evidente que à medida que o tempo passa, a eficácia diminui. Para ter uma ideia, a eficiência é de 95% nas primeiras 24 horas. Entre 25 e 48 horas é reduzida para 87%; e entre de 48 h e 72 h para 58%. Passadas 72 horas e até 100 horas depois, a eficácia cai para em torno de 30% a 35%. Ou seja, quanto mais próximo da relação desprotegida, maior a eficiência. O ideal, apontam estudos mais atuais, é que seja ingerido o mais precocemente possível, sem nenhuma postergação após a relação desprotegida em um prazo de até 12 horas. Com este objetivo, muitos países já aboliram a obrigatoriedade da prescrição médica para se dispensar o AE em situações especiais, onde não haja facilidade de uma consulta com um médico que o prescreva, para não ocorrer adiamento do acesso ao medicamento. Apresentação As embalagens atuais trazem um único comprimido contendo 1,5 mg de levonorgestrel. Pesquisas recentes mostram que a eficácia é melhor se a dose é usada de uma única vez e não fracionada em duas doses, com intervalo de 12 horas, como se fazia antigamente. Efeitos colaterais Em geral são baixos: 20% reclamam de náuseas e 5% das usuárias relatam vômitos, ambos contornáveis com tratamento. Quando ocorre o vômito dentro das primeiras duas horas após tomar o AE, recomenda-se repetir a dose ou usálo via vaginal, que tem boa eficácia. Mecanismo de ação O AE produz uma alteração na liberação do Hormônio Luteinizante o LH, provocando uma depressão em seu pico, evidenciando que o principal efeito é o de inibir ou bloquear a ovulação. Pode também causar uma disovulia, atrasando a liberação do óvulo e, portanto, não permitindo o encontro dos gametas e a fecundação. Também altera a motilidade tubárea e o movimento ciliar nas tubas, retardando a chegada do óvulo no terço proximal da trompa onde normalmente se encontra com os espermatozóides. Há, ainda, uma modificação do muco cervical e do processo de capacitação espermática, diminuindo a capacidade fecundante dos espermatozóides, entre outras modificações. Como não há evidências que comprovem que um óvulo já fecundado e implantado no útero seja perturbado pelo AE, este medicamento não é considerado abortivo. Cristião Fernando Rosas, presidente da Comissão Nacional de Violência Sexual e Interrupção da Gestação Prevista por Lei da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia - FEBRASGO opinião Eficácia x tempo Um ponto importante é a relação da eficácia do AE e o tempo decorrido entre a relação sexual e sua ingestão. Jornal da FEBRASGO Maio

12 federadas SOGOES: foco na atualização científ ica e defesa prof issional Fundada em junho de 1965, a Sociedade de Ginecologia e Obstetrícia do Espírito Santo, a SOGOES, começou a escrever sua história com apenas 19 médicos. Hoje tem mais de 500 sócios e é um exemplo de força. Realiza anualmente um congresso estadual e, bimestralmente, jornadas ou simpósios que chegam a reunir mais de 300 especialistas. Também apoia eventos promovidos por hospitais, como a Jornada da Santa Casa, entre outros. Patologia cervical, mastologia, climatério e anticoncepção são os principais temas abordados nos encontros, porém os direitos da profissão sempre têm espaço garantido nas discussões. Além de manter a educação continuada, conseguimos aproximar a classe médica, discutir questões não só de saúde, mas de defesa da categoria, como a valorização profissional, afirma a presidente da SOGOES, Neide Aparecida Tosato Boldrini. Na área de obstetrícia, por exemplo, já foram detectados problemas que transformaram-se em reivindicações importantes, como os honorários, tanto dos plantões quanto dos valores de parto. Nos debates, visamos a conscien- Neide Aparecida Tosato Boldrini, presidente tizar o médico para a necessidade de se levantar essas bandeiras. Tentamos unir a categoria a fim de alcançar um resultado mais positivo frente às discussões da Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos e a outras questões do tipo, inclusive de cunho legal, afirma Neide. Os profissionais do interior também são preocupação da federada do Espírito Santo, que promove educação continuada não só na capital, Vitória, mas por todo o estado. É o caso da Jornada de Colatina, realizada uma vez por ano, que atrai cerca de 100 médicos, além de estudantes. A conscientização do público leigo para os cuidados ginecológicos também faz parte das nossas metas. No Dia Internacional da Mulher fazemos panfletos visando à prevenção de doenças. Esporadicamente somos convidados a dar conferências e palestras em instituições voltadas ao público, o que ajuda a promover maior entendimento da população sobre as questões da ginecologia. Diretoria 2008/2009 Presidente Neide Aparecida Tosato Boldrini Vice-presidente Luiz Alberto Sobral Vieira Junior Tesoureiro-geral Coridon Franco da Costa Tesoureiro adjunto Henrique Zacharias Borges Filho Secretário-geral Ricardo Cristiano Leal da Rocha Secretário adjunto Márcio de Oliveira Almeida Diretor científico Fábio Leal Laignier Borges Ipas Brasil O Ipas é uma organização não governamental internacional que trabalha há três décadas pela redução de mortes e danos físicos associados a abortamentos, pelos direitos de natureza sexual e reprodutiva da mulher e por melhores condições de acesso a serviços de saúde associados à reprodução, inclusive ao aborto seguro. Recentemente, a organização apresentou os resultados de uma pesquisa realizada em parceria com Instituto de Medicina Social da UERJ intitulada Magnitude do Aborto no Brasil: Aspectos Epidemiológicos e Sócioculturais. Por meio dessas informações, o Ministério da Saúde chegou à estimativa do número de abortos realizados no Brasil: cerca de , a maioria em condições de insegurança e com risco de sequelas e mortes para as mulheres. No site, além dos resultados, estão disponíveis documentos e artigos gerados a partir da pesquisa CBGO Já está no ar o site do Congresso Brasileiro de Ginecologia de 2009, previsto para 14 a 17 de novembro, em Belo Horizonte. No endereço eletrônico oficial do evento, além da programação científica, informações sobre os convidados internacionais, programação social, pacotes de hospedagem, há ainda o regulamento e acesso para submissão de trabalhos científicos. Pelo site é possível também fazer a inscrição para o evento com toda a comodidade e segurança. 12 Jornal da FEBRASGO Maio 2009

13 Mudanças para obtenção do Título de Especialista TEGO A partir de 2009 o Título de Especialista em Ginecologia e Obstetrícia TEGO terá um novo formato. As provas de 2009 serão realizadas somente em Belo Horizonte, nos dias anteriores ao 53 0 Congresso Brasileiro de Ginecologia e Obstetrícia, a se realizar de 14 a 17 de novembro de O exame constará de duas provas: uma escrita de múltipla escolha com nota de corte previamente estabelecida em edital. A segunda será oral com banca examinadora avaliando raciocínio de casos clínicos completos, apenas com os candidatos aprovados na primeira etapa. As inscrições serão feitas diretamente no portal da Febrasgo. Fique atento para a divulgação do período de inscrição! AMB e CBI divulgam documento sobre a gripe A A AMB e a Sociedade Brasileira de Infectologia divulgaram, em 8 de maio, dois documentos contendo orientações sobre a gripe influenza A (H1N1) destinados à comunidade médica e à população. O material foi produzido por profissionais que integram a equipe técnica do Comitê Científico de Influenza/Gripe da SBI, da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, Sociedade Brasileira de Medicina dos Viajantes, Associação Brasileira de Infecções Hospitalares e a Associação Pan-Americana de Infectologia. Orienta a prática eficaz para o diagnóstico, acompanhamento e tratamento de pacientes, além de prevenção. Para acessar os documentos entre no site da AMB e clique no ícone H1N1. note e anote

14 GIRO PELOS ESTADOS Mato Grosso do Sul A excelência da ginecologia do Hospital Regional Rosa Pedrossian U m hospital do Mato Grosso do Sul passa atualmente por um importante processo de modernização e adaptação. Uma reforma financiada pelo governo estadual prepara o Hospital Regional Rosa Pedrossian para ser referência obrigatória nas áreas de gestação de alto risco, UTI neonatal e cirurgia ginecológica. Aliás, a excelência da instituição é reconhecida faz tempo. Tanto que já atende a mulheres de outros municípios e estados próximos. Agora, o serviço quadruplicará as vagas de UTI neonatal. É uma prioridade, pois atendemos pacientes em estado grave que precisam de suporte de qualidade, argumenta Eliana Patrícia S. Maldonado Pires, responsável pelo Serviço de Ginecologia do Hospital. Ainda de acordo com Eliana, são realizados em torno de 200 partos por mês, dos quais cerca de 50% correspondem a cesarianas. Por ser uma instituição direcionada à assistência de alto risco, recebe doentes em situação grave, como portadoras de diabetes descompensada, lúpus, doença de Chagas, hepatite C, soropositivos para HIV, etc. Apesar das inúmeras intercorrências graves, o índice de partos normais tem aumentado consideravelmente nos últimos dois meses, após a instituição de novos protocolos sugeridos pela Unifesp. Em abril, tivemos 60% e o intuito é que este percentual cresça, afirma Eliana. Um relevante diferencial é a disponibilidade de cirurgia videolaparoscópica, que possibilita a utilização de equipamentos modernos por vias laparoscópicas para procedimentos ginecológicos de pequeno e grande porte, como a remoção de cistos do ovário e miomas uterinos, entre outros. Somos o único hospital público do estado que tem esse equipamento funcionando. É uma técnica menos invasiva, que proporciona uma recuperação mais rápida. O Serviço de Ginecologia pretende também ser referência para o atendimento primário a vítimas de violência sexual. Segundo Eliana, o projeto já foi aceito pelo hospital e apenas falta completar a equipe multidisciplinar. Já somos uma referência na região, mas agora trabalhamos em um cronograma para implementação desse projeto, explica Eliana Pires. Equipe e Residência Médica No Hospital Regional Rosa Pedrossian, o ambulatório presta atendimentos de patologia cervical, gestação de alto risco, ginecologia geral, mastologia e prénatal. Recebe em média 80 pacientes por semana. A equipe médica conta com 16 profissionais, divididos entre plantão, ambulatório e visitas às enfermarias. A residência é coordenada por Maurício Paniago e terá sua primeira turma formada no final deste ano. Seis preceptores trabalham com oito residentes. É uma residência que iniciou suas atividades recentemente, mas que já compete com outras renomadas. Os preceptores são bastante comprometidos com o Programa de Residência Médica, observando os protocolos instituídos pela FEBRASGO. Em relação aos estudantes, a maioria vem de fora, como do Rio Grande do Sul e de São Paulo. 14 Jornal da FEBRASGO Maio 2009

15 Colega de trabalho por mais de 30 anos, Marilza Vieira Cunha Rudge lembra as virtudes do saudoso Laurival Antonio de Luca ADEUS AO AMIGO A morte do professor Laurival Antonio de Luca significou uma grande perda para a nossa especialidade. Convivi com ele no Departamento de Ginecologia e Obstetrícia (DGO) da Faculdade de Medicina de Botucatu (FMB) por mais de 30 anos, admirando sua visão de mestre e idealizador. Sua passagem por este mundo foi marcante. Foi assistente na Ginecologia do professor Octaviano Alves de Lima, em sua querida Escola Paulista de Medicina (EPM), e frequentou com assiduidade as reuniões de estudo na casa do professor Deláscio. Movido por um sonho, abandonou a docência na EPM, em 1970, para criar a Ginecologia e Obstetrícia da Faculdade de Ciências Médicas e Biológicas de Botucatu (FCMBB), hoje Faculdade de Medicina de Botucatu - UNESP. Trazia em seu currículo um pós-doc na Universidade de Maryland, em Baltimore, nos Estados Unidos, algo pouco comum entre os especialistas da área naquela época. Menos de dois anos após sua contratação defendeu duas teses de livre-docência: uma em Ginecologia na FCMBB (1971) e outra em Obstetrícia na EPM (1974). Poucos docentes da nossa especialidade são livre-docentes nas duas áreas. Levou consigo a vontade e a determinação de conceber um departamento sólido, vigoroso e competitivo. Implantou a graduação em ginecologia e obstetrícia, o internato no quinto e sexto anos e a residência médica em GO de três anos. Participou da instalação das enfermarias de Ginecologia e de Obstetrícia e do Centro Obstétrico; criou o Laboratório de Pesquisa em GO e elaborou a proposta de criação do Programa de Pós-Graduação em GO, em Também adicionou a mastologia como área no DGO e criou o Centro de Avaliação em Mastologia, em Nos últimos anos de sua vida profissional, passou a atuar na mastologia, incorporada 2009 em sua pós-graduação após fazer, em 1986, seu segundo pós-doc em Milão, Itália, como investigador sênior com bolsa do CNPq. Com essa atitude, nos ensinou que a melhor forma de entrar em uma nova subárea é adquirir competência. Participou ativamente da formação acadêmica e profissional dos docentes do DGO. Foi co-orientador da minha tese de doutorado e obrigou-me a largar a linha de pesquisa de Ginecologia Infanto-puberal, o que na época muito me aborreceu, e assumir a Obstetrícia. Obrigada Lauri, por sua visão, o meu caminho não era aquele! Ensinou a cada um de nós a ministrar aulas com didática, a se atualizar no uso dos métodos de divulgação, a redigir artigo científico, a manter o conhecimento atualizado, a se apresentar em público. Professor Emérito da FMB/Unesp, em 1993, permaneceu no DGO por mais 10 anos após sua aposentadoria. Em 2005, a enfermaria de Ginecologia do HC-FMB passou a se chamar Laurival Antonio de Luca, homenagem mais que merecida. Enfim, plantou várias árvores. Mas quem conviveu com Lauri sabe que era controverso, irriquieto, teimoso, rude, doce, com ideias brilhantes e arrojadas, mas muitas vezes de difícil relacionamento. Acreditou e desacreditou em Deus: esse era o Lauri: uma mente em constante ebulição. Tinha mania das cartas confidenciais para dizer o que pensava e sentia. Trocamos muitas correspondências duras, mas na última que me enviou, ao se despedir, foi doce: Olhe pela minha filha no DGO como se fosse sua filha. Foi pai devotado, marido querido, avô que curtia os netos, sogro atento, sempre cuidadoso com os pais e irmã, amigo pronto, palmeirense fervoroso, motoqueiro, tenista, escritor e membro da Academia Botucatuense de Letras. Teve total lucidez da sua doença e sentia o tumor crescer, a ascite aumentar e se preocupava com a chegada do coma hepático. Teve suporte muito grande da família e se orgulhou disso. Muitos amigos o visitaram, o que lhe deu muito prazer. Alguns não conseguiram desculpá-lo e, sem vê-lo, perderam a oportunidade de ouvir um pedido de perdão. Eu ouvi. Em seus dias finais ele entendeu a importância do perdão como uma forma maravilhosa de demonstrar amor. Nos últimos meses da sua vida resgatamos o respeito e o carinho. Uniunos o cumprimento da minha maior missão, como Ministra da Eucaristia, de lhe levar a Eucaristia. Em sua derradeira semana entre nós, viajei para Washington, Estados Unidos, para o Congresso de Hipertensão e Gravidez. Apenas me disse: Vou esperar você voltar. Mas não esperou. Ainda sem saber da morte do Lauri, naquele dia todo o grupo do DGO/Botucatu que estava em Washington se encontrou casualmente no Arlington Cemetery, onde está o túmulo do presidente Kennedy. Sempre atenta às coincidências que Carl Jung chama de sincronicidade, acho que estamos, meu caro Lauri, ligados para sempre: não vou esquecê-lo. Beijo suas mãos, Lauri, que trouxeram meus filhos ao mundo. Que Deus o receba na sua Glória, lhe perdoe os erros e o recompense pelo amor ao próximo que sempre demonstrou. Vá em paz, meu amigo... Marilza Vieira Cunha Rudge, Professora Titular de Obstetrícia da Faculdade de Medicina de Botucatu-UNESP homenagem Jornal da FEBRASGO Maio

16

Guia de orientação e aconselhamento para contracepção hormonal com Sistema Intrauterino (SIU)

Guia de orientação e aconselhamento para contracepção hormonal com Sistema Intrauterino (SIU) Guia de orientação e aconselhamento para contracepção hormonal com Sistema Intrauterino (SIU) Material distribuído exclusivamente por profissionais de saúde às pacientes usuárias de SIU, a título de orientação.

Leia mais

Protocolo para Utilização do Levonorgestrel na Anticoncepção Hormonal de Emergência.

Protocolo para Utilização do Levonorgestrel na Anticoncepção Hormonal de Emergência. Protocolo para Utilização do Levonorgestrel na Anticoncepção Hormonal de Emergência. A Rede Cegonha instituída em junho de 2011 consiste numa rede de cuidados que visa assegurar à mulher o direito ao planejamento

Leia mais

Protocolo para Utilização do Levonorgestrel na Anticoncepção Hormonal de Emergência

Protocolo para Utilização do Levonorgestrel na Anticoncepção Hormonal de Emergência Protocolo para Utilização do Levonorgestrel na Anticoncepção Hormonal de Emergência A Rede Cegonha, instituída em junho de 2011, consiste numa rede de cuidados que visa assegurar à mulher o direito ao

Leia mais

Gravidez na adolescência por anos de estudo Mulheres 15-19 anos

Gravidez na adolescência por anos de estudo Mulheres 15-19 anos X- CONGRESSO NORTE-NORDESTE DE REPRODUÇÃO HUMANA XXVI- JORNADA PARAIBANA DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA - 2007 Gravidez na Adolescência e Abortamento Dr. Ney Costa GRAVIDEZ NÃO PLANEJADA NA ADOLESCÊNCIA

Leia mais

PROTOCOLO GESTANTE COM SÍFILIS. Carmen Silvia Bruniera Domingues Vigilância Epidemiológica Programa Estadual DST/Aids - SP

PROTOCOLO GESTANTE COM SÍFILIS. Carmen Silvia Bruniera Domingues Vigilância Epidemiológica Programa Estadual DST/Aids - SP PROTOCOLO GESTANTE COM SÍFILIS Carmen Silvia Bruniera Domingues Vigilância Epidemiológica Programa Estadual DST/Aids - SP O que fazer antes do bebê chegar? Os caminhos do pré-natal... (fase I estamos grávidos

Leia mais

AVALIAÇÃO PRÉ-CONCEPCIONAL DE MULHERES COM IDADE FÉRTIL EM MUNICÍPIOS NO VALE PARAÍBA.

AVALIAÇÃO PRÉ-CONCEPCIONAL DE MULHERES COM IDADE FÉRTIL EM MUNICÍPIOS NO VALE PARAÍBA. AVALIAÇÃO PRÉ-CONCEPCIONAL DE MULHERES COM IDADE FÉRTIL EM MUNICÍPIOS NO VALE PARAÍBA. Mirielle Ravache Machado Dias; Vanessa Felix Da Hora ; Maria Conceição Furtado Lancia Faculdade de Ciências da Saúde

Leia mais

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADO FEDERAL PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Previna o câncer do colo do útero apresentação O câncer do colo do útero continua matando muitas mulheres. Especialmente no Brasil,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITARIO SERRA DOS ÓRGÃOS UNIFESO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS CURSO DE MEDICINA

CENTRO UNIVERSITARIO SERRA DOS ÓRGÃOS UNIFESO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS CURSO DE MEDICINA CENTRO UNIVERSITARIO SERRA DOS ÓRGÃOS UNIFESO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS CURSO DE MEDICINA PROGRAMA DE INTERNATO EM GINECOLOGIA/OBSTETRÍCIA - 10º Período Corpo docente: Coordenação Obstetrícia: Glaucio

Leia mais

F. Saúde da Mulher (mulheres de 18 anos e mais de idade) Horário de Início :

F. Saúde da Mulher (mulheres de 18 anos e mais de idade) Horário de Início : F. Saúde da Mulher (mulheres de 18 anos e mais de idade) Horário de Início : Neste módulo, vamos fazer perguntas sobre a sua saúde, exames preventivos, reprodução e planejamento familiar. [Entrevistador:

Leia mais

Estratégias para eliminação da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis

Estratégias para eliminação da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis Estratégias para eliminação da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis 1)Contextualização da Transmissão Vertical de HIV e de Sífilis A transmissão vertical do HIV (TVHIV) acontece pela passagem do vírus

Leia mais

POLÍTICAS SOCIAIS E A ASSISTÊNCIA À SAÚDE MATERNA

POLÍTICAS SOCIAIS E A ASSISTÊNCIA À SAÚDE MATERNA POLÍTICAS SOCIAIS E A ASSISTÊNCIA À SAÚDE MATERNA CONCEITO DE SAÚDE da OMS Saúde é o perfeito bem estar físico, mental e social, e não apenas a ausência de doença. Portanto: Ter saúde é fenômeno complexo

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 SÍFILIS NA GESTAÇÃO: UMA ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA A PARTIR DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE CASCAVEL - PR Fabiana Luize Kopper 1 Cláudia Ross 2 INTRODUÇÃO A sífilis na gestação

Leia mais

PONTOS MAIS RELEVANTES DA LEI DO PLANEJAMENTO FAMILIAR

PONTOS MAIS RELEVANTES DA LEI DO PLANEJAMENTO FAMILIAR ESTUDO PONTOS MAIS RELEVANTES DA LEI DO PLANEJAMENTO FAMILIAR Mariza Lacerda Shaw Consultora Legislativa da Área XVI Saúde Pública, Sanitarismo ESTUDO NOVEMBRO/2005 Câmara dos Deputados Praça 3 Poderes

Leia mais

A POLÍTICA DE PROTEÇÃO DA MATERNIDADE JULIO MAYER DE CASTRO FILHO

A POLÍTICA DE PROTEÇÃO DA MATERNIDADE JULIO MAYER DE CASTRO FILHO A POLÍTICA DE PROTEÇÃO DA MATERNIDADE JULIO MAYER DE CASTRO FILHO Ministério da Saúde Diretrizes gerais Pacto pela Saúde Estados ComissãoBi partite Municípios Plano Municipal de Saúde Objetivos Ações estratégicas

Leia mais

número 15 - dezembro/2015 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

número 15 - dezembro/2015 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS número 15 - dezembro/2015 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLHA DO PRÉ-NATAL E DO PRÉ- NATALISTA.

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLHA DO PRÉ-NATAL E DO PRÉ- NATALISTA. A IMPORTÂNCIA DA ESCOLHA DO PRÉ-NATAL E DO PRÉ- NATALISTA. Um atendimento pré-natal de qualidade é fundamental para a saúde da gestante e de seu bebê. Logo que você constatar que está grávida, deve procurar

Leia mais

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E TRANSPLANTE DE FÍGADO

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E TRANSPLANTE DE FÍGADO TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E TRANSPLANTE DE FÍGADO FÁBIO DE BARROS CORREIA GOMES Consultor Legislativo da Área XVI Saúde Pública, Sanitarismo MAIO/2009 Fábio de Barros Correia Gomes 2 SUMÁRIO 1. Introdução...3

Leia mais

O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1

O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1 O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1 Talita da Conceição de Oliveira Fonseca. Economista Doméstica. Endereço: Rua João Valadares Gomes nº 210, bairro JK, Viçosa-MG. E-mail:

Leia mais

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados.

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados. MÉTODOS HORMONAIS 1 - ANTICONCEPCIONAIS HORMONAIS ORAIS (PÍLULAS) É o método mais difundido e usado no mundo. As pílulas são consideradas um método reversível muito eficaz e o mais efetivo dos métodos

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GATROENTEROLOGIA DA EPM-UNIFESP CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GATROENTEROLOGIA DA EPM-UNIFESP CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GATROENTEROLOGIA DA EPM-UNIFESP CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO Art. 1 O Programa de Pós-Graduação em da UNIFESP-EPM, tem como objetivo a formação, capacitação

Leia mais

II. AÇÕES ESTRATÉGICAS REDUÇÃO DA MORTALIDADE MATERNA E NEONATAL

II. AÇÕES ESTRATÉGICAS REDUÇÃO DA MORTALIDADE MATERNA E NEONATAL O PACTO NACIONAL PELA REDUÇÃO DA MORTALIDADE MATERNA E NEONATAL * I. ESTRATÉGIAS PARA IMPLEMENTAÇÃO ARTICULAÇÃO COM A SOCIEDADE CIVIL FORTALECENDO O CONTROLE SOCIAL O envolvimento de diferentes atores

Leia mais

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição IDENTIFICANDO A DEPRESSÃO Querida Internauta, Lendo o que você nos escreveu, mesmo não sendo uma profissional da área de saúde, é possível identificar alguns sintomas de uma doença silenciosa - a Depressão.

Leia mais

Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal de Saúde Área Técnica de Saúde da Mulher

Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal de Saúde Área Técnica de Saúde da Mulher Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal de Saúde Área Técnica de Saúde da Mulher PROTOCOLO PARA O FORNECIMENTO DE CONTRACEPTIVOS REVERSÍVEIS NA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

Dispõe sobre a regulamentação dos estágios curriculares de internato para alunos da Faculdade de Medicina de Botucatu.

Dispõe sobre a regulamentação dos estágios curriculares de internato para alunos da Faculdade de Medicina de Botucatu. Campus de Botucatu PORTARIA nº 141 de 20 de setembro de 2000 Dispõe sobre a regulamentação dos estágios curriculares de internato para alunos da Faculdade de Medicina de Botucatu. O Diretor da Faculdade

Leia mais

Estudo de caso: Hospital Albert Einstein. Mirian do Carmo Branco da Cunha Diretora de Recursos Humanos, SBIB Hospital Albert Einstein

Estudo de caso: Hospital Albert Einstein. Mirian do Carmo Branco da Cunha Diretora de Recursos Humanos, SBIB Hospital Albert Einstein Saúde e produtividade: o valor de uma força de trabalho saudável para o sucesso nos negócios Estudo de caso: Hospital Albert Einstein Mirian do Carmo Branco da Cunha Diretora de Recursos Humanos, SBIB

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde

Pesquisa Nacional de Saúde Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Pesquisa Nacional de Saúde 21/08/15 Histórico INVESTIGAÇÃO DO TEMA SAÚDE... 1998 2003 2008 2013 PNAD Características da PNS Pesquisa Domiciliar

Leia mais

Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Assistência do Hospital das Clínicas da FMRPUSP

Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Assistência do Hospital das Clínicas da FMRPUSP Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Assistência do Hospital das Clínicas da FMRPUSP Conteúdo DISPOSIÇÕES GERAIS 3 APOIO AO APRIMORAMENTO DE RECURSOS HUMANOS 4 Participação em congressos e eventos científicos

Leia mais

Minha filha está ficando uma moça!

Minha filha está ficando uma moça! Minha filha está ficando uma moça! A UU L AL A O que faz as meninas se transformarem em mulheres? O que acontece com seu corpo? Em geral, todos nós, homens e mulheres, somos capazes de lembrar muito bem

Leia mais

Editoria: Geral Manaus Hoje

Editoria: Geral Manaus Hoje Editoria: Geral Manaus Hoje Beneficiários do Bolsa Família 12 Editoria: Notícias www.portalamazonia.com.br Campanha de vacinação contra H1N1 é prorrogada ( ) Press-release da assessoria de imprensa (X)

Leia mais

REPRODUÇÃO HUMANA MÉTODOS CONTRACEPTIVOS OU ANTICONCEPCIONAIS. Prof. Me. Cristino Rêgo 8º Ano Ensino Fundamental II

REPRODUÇÃO HUMANA MÉTODOS CONTRACEPTIVOS OU ANTICONCEPCIONAIS. Prof. Me. Cristino Rêgo 8º Ano Ensino Fundamental II REPRODUÇÃO HUMANA MÉTODOS CONTRACEPTIVOS OU ANTICONCEPCIONAIS Prof. Me. Cristino Rêgo 8º Ano Ensino Fundamental II Métodos Contraceptivos ou Anticoncepcionais 1 Coito Interrompido (Onanismo): Consiste

Leia mais

Hélio Vasconcellos Lopes

Hélio Vasconcellos Lopes HIV/AIDS no Município de Santos e dados brasileiros Hélio Vasconcellos Lopes Coordenador do Programa Municipal DST/AIDS/Hepatites da Secretaria Municipal de Saúde Professor titular da Faculdade de Medicina

Leia mais

Perfil das gestantes adolescentes na assistência ao pré-natal na clinica materno infantil em Sarandi - PR

Perfil das gestantes adolescentes na assistência ao pré-natal na clinica materno infantil em Sarandi - PR Perfil das gestantes adolescentes na assistência ao pré-natal na clinica materno infantil em Sarandi - PR ADRIANA SANT ANA GASQUEZ (UNINGÁ)¹ SANDRA MARISA PELLOSO (UEM)² EVERTON FERNANDO ALVES (G-UNINGÁ)³

Leia mais

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Belo Horizonte - MG, setembro de 2013. Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Patricia Fernanda Toledo Barbosa

Leia mais

DIRETRIZES BÁSICAS DE ATENDIMENTO AO PLANEJAMENTO FAMILIAR NA REDE DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE

DIRETRIZES BÁSICAS DE ATENDIMENTO AO PLANEJAMENTO FAMILIAR NA REDE DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE DIRETRIZES BÁSICAS DE ATENDIMENTO AO PLANEJAMENTO FAMILIAR NA REDE DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE Toda mulher em idade reprodutiva deverá ter avaliação de satisfação e adequação de método anticoncepcional

Leia mais

NOTA TÉCNICA 40 2013 REDE DE ATENÇÃO À SAÙDE DAS PESSOAS COM DOENÇAS CRONICAS. Política Nacional para a Prevenção e Controle do Câncer

NOTA TÉCNICA 40 2013 REDE DE ATENÇÃO À SAÙDE DAS PESSOAS COM DOENÇAS CRONICAS. Política Nacional para a Prevenção e Controle do Câncer NOTA TÉCNICA 40 2013 REDE DE ATENÇÃO À SAÙDE DAS PESSOAS COM DOENÇAS CRONICAS Política Nacional para a Prevenção e Controle do Câncer Cria o Serviço de Referência para Diagnostico e Tratamento de Lesões

Leia mais

Nome/Código arquivo: 2013_11_12 Mem.Reun.Saúde _ Escola do Evangelho Belo Monte Vitória do Xingu

Nome/Código arquivo: 2013_11_12 Mem.Reun.Saúde _ Escola do Evangelho Belo Monte Vitória do Xingu Assunto: Orientar e esclarecer as dúvidas da população sobre as Ações Preventivas na Área de Saúde Pública em virtude da construção da UHE Belo Monte. Redator: Èrica Silva Data: 12-11-2013 Duração: 14h30min

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH Brasília, outubro de 2015 População Masculina 99 milhões (48.7%) População alvo: 20 a 59 anos População Total do Brasil 202,7 milhões de

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: SÃOCARLOS Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:: Sem

Leia mais

Ivana Angélica Estrela Araújo

Ivana Angélica Estrela Araújo Ivana Angélica Estrela Araújo Brasileira, solteira, 22 anos Rua 04 quadra H casa 24 Conjunto Rio Anil Bequimão São Luís MA Telefone: (98) 82659010 / (98) 88481901 E-mail: ivanaestrela06@gmail.com RG: 034388232007-3

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO ACADÊMICO DO AGRESTE

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO ACADÊMICO DO AGRESTE SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO ACADÊMICO DO AGRESTE CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 15, de 23 de abril de 2013, publicado

Leia mais

EDITAL DE INSCRIÇÕES. Curso Suporte Avançado à Vida em Emergências Obstétricas SAVEO TÉCNICOS DE ENFERMAGEM - 12 Horas

EDITAL DE INSCRIÇÕES. Curso Suporte Avançado à Vida em Emergências Obstétricas SAVEO TÉCNICOS DE ENFERMAGEM - 12 Horas EDITAL DE INSCRIÇÕES Curso Suporte Avançado à Vida em Emergências Obstétricas SAVEO TÉCNICOS DE ENFERMAGEM - 12 Horas A Company Gestão Educacional e Negócios torna público o edital para as inscrições do

Leia mais

AULAS PRÁTICAS DA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA II

AULAS PRÁTICAS DA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA II AULAS PRÁTICAS DA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA II 1. Objetivos das aulas práticas 1.1 Gerais Ser capaz de, através do cadastramento, detectar problemas, pensar nas causas destes problemas e propor soluções

Leia mais

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 AIDS DST. ano VIII nº 01

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 AIDS DST. ano VIII nº 01 B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 AIDS DST ano VIII nº 01 27ª a 52ª semanas epidemiológicas - julho a dezembro de 2010 01ª a 26ª semanas epidemiológicas - janeiro a junho de 2011 2012. Ministério

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: Graduação em Enfermagem Disciplina: Cuidar de Enfermagem em Saúde da Mulher Carga Horária: Teórica: 75h Pratica: 60 h Total: 135 h Semestre: 2013.1 Professor:

Leia mais

Superando o tabu da doença: controle do câncer ganha destaque na mídia com campanhas de prevenção. Ano V - nº 18 - Rio Pesquisa 30

Superando o tabu da doença: controle do câncer ganha destaque na mídia com campanhas de prevenção. Ano V - nº 18 - Rio Pesquisa 30 Superando o tabu da doença: controle do câncer ganha destaque na mídia com campanhas de prevenção Ano V - nº 18 - Rio Pesquisa 30 31 Rio Pesquisa - nº 18 - Ano V SAÚDE Conhecer o passado para cuidar do

Leia mais

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani.

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. O que são DSTS? São as doenças sexualmente transmissíveis (DST), são transmitidas, principalmente, por contato

Leia mais

DIREITOS DA GESTANTE: CONHECER PARA EXIGIR

DIREITOS DA GESTANTE: CONHECER PARA EXIGIR DIREITOS DA GESTANTE: CONHECER PARA EXIGIR - A proposta de elaboração desse material informativo instrucional surgiu dos resultados obtidos de um projeto de extensão da Universidade Federal de Viçosa intitulado

Leia mais

Doxiciclina para tratamento da Sífilis

Doxiciclina para tratamento da Sífilis Doxiciclina para tratamento da Sífilis N o 157 Outubro/2015 1 2015 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para venda ou qualquer

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL

A IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL A IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL Programa BemVindo - www.bemvindo.org.br A OMS - Organização Mundial da Saúde diz que "Pré-Natal" é conjunto de cuidados médicos, nutricionais, psicológicos e sociais, destinados

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Assistência de Enfermagem à Saúde da Mulher Professor: Renata Fernandes do Nascimento Pré-requisito(s): ------ Carga

Leia mais

MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE

MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE 1 Identificação Título Câncer de Colo de útero: a importância de diagnostico precoce. Área temática Comunicação, Promoção e Educação em Saúde Lotação Boninal

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 PLANO DE CURSO

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO À SAÚDE DA MULHER E DO HOMEM I Código: ENF - 209 Pré-requisito:

Leia mais

Boletim Epidemiológico SÍFILIS CONGÊNITA. Dados atualizados em 18 de junho de 2015. Edição nº 04 n.02/2015

Boletim Epidemiológico SÍFILIS CONGÊNITA. Dados atualizados em 18 de junho de 2015. Edição nº 04 n.02/2015 SÍFILIS CONGÊNITA Uma epidemia silenciosa de sífilis avança no Brasil, e o mais preocupante é que grande parte dos infectados não sabe que está transmitindo a doença para outras pessoas. Nos casos das

Leia mais

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria O programa de Residência em Pediatria prevê 60 horas de jornada de trabalho semanal, sendo 40 horas de atividades rotineiras e 20 horas de

Leia mais

MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro

MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro Notícias - 18/06/2009, às 13h08 Foram realizadas 8 mil entrevistas com homens e mulheres entre 15 e 64 anos. A análise das informações auxiliará

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GEFIS Nº 29 / 2010 Abordagem Sindrômica. Participação Legal do Enfermeiro. Programa de Controle das Doenças Sexualmente Transmissíveis. Programa de Atenção Integral em Doenças Prevalentes

Leia mais

Noções Básicas da CONTRACEPÇÃO

Noções Básicas da CONTRACEPÇÃO Noções Básicas da CONTRACEPÇÃO Texto dirigido ao trabalho com adolescentes MÉTODOS ANTICONCEPCIONAIS OU CONTRACEPTIVOS Reversíveis: É o método que pode ser parado a qualquer momento, se for por vontade

Leia mais

DIREITOS DA GESTANTE: CONHECER PARA EXIGIR

DIREITOS DA GESTANTE: CONHECER PARA EXIGIR DIREITOS DA GESTANTE: CONHECER PARA EXIGIR Núcleo Interdisciplinar de Estudos de Gênero Universidade Federal de Viçosa Viçosa - MG Produção: Núcleo Interdisciplinar de Estudos de Gênero NIEG Paula Dias

Leia mais

Pesquisa Clínica. Orientações aos pacientes

Pesquisa Clínica. Orientações aos pacientes Pesquisa Clínica Orientações aos pacientes 2009 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. Tiragem: 1000 exemplares Criação, Informação e Distribuição

Leia mais

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPACTO DA VIOLÊNCIA NA SAÚDE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ VOCÊ É A PEÇA PRINCIPAL PARA ENFRENTAR ESTE PROBLEMA Brasília - DF 2008

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Núcleo de Medicina Tropical

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Núcleo de Medicina Tropical REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM MEDICINA TROPICAL NORMA PPGMT 004 VERSÃO 001.01 ELABORADO POR Colegiado do Programa de Pós-Graduação em Medicina Tropical DATA DE IMPLEMENTAÇÃO 10/05/2013 APROVADO

Leia mais

TABAGISMO E GÊNERO NO BRASIL"

TABAGISMO E GÊNERO NO BRASIL TABAGISMO E GÊNERO NO BRASIL" SEMINÁRIO INTERNACIONAL CONTROLE SOCIAL DO TABACO EM DEBATE - PROPOSTAS DE ACTUAÇÃO 13 DE NOVEMBRO 2006 Ministério da Saúde Nos países em desenvolvimento, os fumantes constituem

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO LUIZA MACHADO COORDENADORA ATENÇÃO Ä SAÚDE DA PESSOA IDOSA -AÇÕES DO MINISTERIO

Leia mais

Curso de Medicina. Estágios

Curso de Medicina. Estágios Curso de Medicina Estágios Estágios 3.440 horas total 800h 9º Período 880h 10º Período 880h 11º Período 880h 12º Período 9º Período 4 Rodízios Estágio Trauma Ortopédico com 100 horas Estágio Emergências

Leia mais

ESPECIAL 2014. SAÚDE da Mulher

ESPECIAL 2014. SAÚDE da Mulher ESPECIAL 2014 SAÚDE da Mulher ESPECIAL 2014 SAÚDE da MULHER APRESENTAÇÃO A mulher redefiniu seu papel na sociedade e tem hoje grandes desafios e variadas demandas que terminam por impactar no seu estilo

Leia mais

Sim. Principalmente se a mulher estiver no período fértil.

Sim. Principalmente se a mulher estiver no período fértil. É legal saber! Gravidez Transar uma única vez, pode engravidar? Sim. Principalmente se a mulher estiver no período fértil. Minha menstruação na desceu. Estou grávida? Depende. É importante cada mulher

Leia mais

TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA

TÍTULO: SE TOCA MULHER CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO

Leia mais

TESTE DO REFLEXO VERMELHO tem ampla campanha nacional de divulgação

TESTE DO REFLEXO VERMELHO tem ampla campanha nacional de divulgação 8 Teste do Olhinho TESTE DO REFLEXO VERMELHO tem ampla campanha nacional de divulgação Quando estava grávida, descobri que, logo ao nascer, de preferência na maternidade, todo bebê deve fazer um exame

Leia mais

ORIENTAÇÃO NA GESTAÇÃO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA DE PREVENÇÃO DA DEPRESSÃO PÓS-PARTO

ORIENTAÇÃO NA GESTAÇÃO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA DE PREVENÇÃO DA DEPRESSÃO PÓS-PARTO ORIENTAÇÃO NA GESTAÇÃO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA DE PREVENÇÃO DA DEPRESSÃO PÓS-PARTO Ana Paula Fernandes de Lima Juliana Bianchi Neida Garcia Marizete Pollnow Rodrigues Cláudia Galvão Mazoni RESUMO Pesquisas

Leia mais

FORUM Inter-profissional sobre Violência sexual e Aborto previsto na lei. 18 anos de história

FORUM Inter-profissional sobre Violência sexual e Aborto previsto na lei. 18 anos de história FORUM Inter-profissional sobre Violência sexual e Aborto previsto na lei. 18 anos de história Dr. Anibal Faundes XVIII Forum inter-profissional sobre Violencia Sexual e Aborto Previsto na Lei São Paulo,

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2007.

PROJETO DE LEI N o, DE 2007. PROJETO DE LEI N o, DE 2007. (Do Srº Luiz Bassuma) Dá nova redação ao parágrafo único do art. 6º e ao parágrafo único do art. 9º, ambos da Lei nº 9.263/96, que regula o 7º do art. 266 da Constituição Federal.

Leia mais

I Simpósio Regional de Enfermagem de Jundiaí Assistência de Enfermagem Segura: Experiências e Desafios SAÚDE DA MULHER E DO RECÉM-NASCIDO

I Simpósio Regional de Enfermagem de Jundiaí Assistência de Enfermagem Segura: Experiências e Desafios SAÚDE DA MULHER E DO RECÉM-NASCIDO SAÚDE DA MULHER E DO RECÉM-NASCIDO ID: 97 EFEITOS DO ÁLCÓOL DURANTE A GRAVIDEZ- SÍNDROME ALCÓOLICA FETAL Mércia Regiane Luis (FACCAMP) Prof. Ms. Fabio Amorim (FACCAMP) Prof. Dra. Simone Manzolli (FACCAMP)

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

PROGRAMA MÃES DE MINAS A IMPORTÂNCIA DO ACS NA CAPTAÇÃO PRECOCE DA GESTANTE

PROGRAMA MÃES DE MINAS A IMPORTÂNCIA DO ACS NA CAPTAÇÃO PRECOCE DA GESTANTE PROGRAMA MÃES DE MINAS A IMPORTÂNCIA DO ACS NA CAPTAÇÃO PRECOCE DA GESTANTE Antônio Jorge de Souza Marques MINAS GERAIS Superfície: 586.523 Km2 População (Estimativas IBGE, 2012): 19.855.332 hab. Municípios:

Leia mais

CARTILHA DA GRÁVIDA 1

CARTILHA DA GRÁVIDA 1 CARTILHA DA GRÁVIDA 1 2 SUMÁRIO SOBRE A FEBRASGO 4 PRIMEIROS SINTOMAS 5 ETAPAS DA GESTAÇÃO 6 IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL 8 OBJETIVOS DO PRÉ-NATAL JUNTO À MÃE 9 OBJETIVOS DO PRÉ-NATAL JUNTO AO BEBÊ 10 OBJETIVOS

Leia mais

Governo treina gestores municipais para reduzir mortalidade materna 6

Governo treina gestores municipais para reduzir mortalidade materna 6 Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2010 (4). Edição 20 Nathayana de Sousa Soares 1 Rayane Francisca Costa Coutinho 2 Rosiany Dantas Queiroz 3 Selonia Patricia Oliveira

Leia mais

Aborto, Saúde e Direitos Reprodutivos

Aborto, Saúde e Direitos Reprodutivos BEM ESTAR FAMILIAR NO BRASIL Aborto, Saúde e Direitos Reprodutivos Vera Cabral João Pessoa - PB ABORTO Situação Mundial 210 milhões de gestações ocorrem a cada ano no mundo 46 milhões (22%) terminam em

Leia mais

Serviço Público Federal Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Coordenação do Curso de Medicina

Serviço Público Federal Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Coordenação do Curso de Medicina Serviço Público Federal Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Coordenação do Curso de Medicina REGIMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA UFPE CAPÍTULO I DEFINIÇÃO: Artigo 1 -

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO)

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) Mês e Ano de elaboração MODELO PARA ELABORAÇÃO DA PAS 2014: Gerência de Programação em Saúde- DEPLAN/SUSAM 1 SUMÁRIO IDENTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO...3 ELABORAÇÃO...4

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS LAR PROTEGIDO

CONDIÇÕES GERAIS DO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS LAR PROTEGIDO CONDIÇÕES GERAIS DO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS LAR PROTEGIDO I DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS 1. A prestadora dos serviços designados no presente contrato será a empresa BEM EMERGÊNCIAS MÉDICAS LTDA.,

Leia mais

PLANO DE CURSO 2. EMENTA:

PLANO DE CURSO 2. EMENTA: PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Enfermagem Disciplina: ENFERMAGEM OBSTÉTRICA E NEONATAL Professor: Renata Fernandes do Nascimento Código: Carga Horária: 80 H Créditos: 05 Preceptoria: 20H

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO I- Realizar consultas clínicas aos usuários de sua área adstrita; II- Participar das atividades de grupos de controle

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA EM OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

RESIDÊNCIA MÉDICA EM OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO RESIDÊNCIA MÉDICA EM OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO I. OBJETIVOS Geral Capacitar o médico residente em Obstetrícia e Ginecologia a promover a saúde e prevenir, diagnosticar e tratar as

Leia mais

MORTALIDADE POR CÂNCER COLORRETAL NO ESTADO: 2º ENTRE AS MULHERES E 4º ENTRE OS HOMENS

MORTALIDADE POR CÂNCER COLORRETAL NO ESTADO: 2º ENTRE AS MULHERES E 4º ENTRE OS HOMENS Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 7 nº 1 Março 2006 MORTALIDADE POR CÂNCER COLORRETAL NO ESTADO: 2º ENTRE AS MULHERES E 4º ENTRE OS HOMENS Com o aumento da expectativa de vida,

Leia mais

Saiba seus direitos. 90% das mortes. não existe meio direito, meia negligência ou meia morte.

Saiba seus direitos. 90% das mortes. não existe meio direito, meia negligência ou meia morte. não existe meio direito, meia negligência ou meia morte. 90% das mortes de mulheres grávidas poderiam ser evitadas com o atendimento adequado. Saiba seus direitos. A Organização Mundial de Saúde (OMS)

Leia mais

Incluir no pagamento por performance o preenchimento da variável raça/cor.

Incluir no pagamento por performance o preenchimento da variável raça/cor. PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO PRIMÁRIA E VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DE

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: AMBIENTE E SAÚDE Habilitação Profissional: Qualificação Técnica de Nível Médio

Leia mais

Relatório do Comitê de Morte Materna 2011 Município de Porto Alegre.

Relatório do Comitê de Morte Materna 2011 Município de Porto Alegre. Relatório do Comitê de Morte Materna 2011 Município de Porto Alegre. As últimas décadas do século XX foram marcadas por grandes avanços científicos e tecnológicos nas áreas de saúde materna e pré-natal.

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM

BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM Introdução ÍNDICE Boas práticas no dia a dia das clínicas de imagem A Importância de se estar conectado às tendências As melhores práticas no mercado de

Leia mais

CARTA DE PORTO ALEGRE FÓRUM DE ASSISTÊNCIA OBSTÉTRICA FEBRASGO/SOGIRGS

CARTA DE PORTO ALEGRE FÓRUM DE ASSISTÊNCIA OBSTÉTRICA FEBRASGO/SOGIRGS CARTA DE PORTO ALEGRE FÓRUM DE ASSISTÊNCIA OBSTÉTRICA FEBRASGO/SOGIRGS A SOGIRGS em conjunto com a FEBRASGO realizou o Fórum de Assistência Obstétrica, em Porto Alegre, no dia 28 de março de 2015, com

Leia mais

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Por Rodrigo Cunha 5 de junho de 1981. O Relatório Semanal de Morbidez e Mortalidade do Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos

Leia mais

Cursos e confraternização em homenagem ao Dia do Ginecologista

Cursos e confraternização em homenagem ao Dia do Ginecologista Ano II - Edição VI Setembro/Outubro 2010 Cursos e confraternização em homenagem ao Dia do Ginecologista 9912260175/2010-BR/ES SOGOES ASogoes organiza uma programação especial para homenagear os profissionais

Leia mais

QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA MÉDICOS, PSICÓLOGOS, FISIOTERAPEUTAS E DEMAIS PRESTADORES DE SERVIÇOS MÉDICOS

QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA MÉDICOS, PSICÓLOGOS, FISIOTERAPEUTAS E DEMAIS PRESTADORES DE SERVIÇOS MÉDICOS QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA MÉDICOS, PSICÓLOGOS, FISIOTERAPEUTAS E DEMAIS PRESTADORES DE SERVIÇOS MÉDICOS O objetivo deste questionário é analisar as atividades

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI N o 797, DE 2011 I RELATÓRIO

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI N o 797, DE 2011 I RELATÓRIO COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N o 797, DE 2011 Inclui nos programas Sociais e Financeiros do Governo programa específico de apoio à mulher e a adolescente, nos casos de gravidez

Leia mais

Acesso à anticoncepção de emergência: direito das mulheres e dever do Estado Beatriz Galli

Acesso à anticoncepção de emergência: direito das mulheres e dever do Estado Beatriz Galli Acesso à anticoncepção de emergência: direito das mulheres e dever do Estado Beatriz Galli A anticoncepção, ou contracepção de emergência é um método contraceptivo que pode evitar a gravidez após a relação

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO A SAÚDE DA MULHER E DO HOMEM II Código: ENF- 213 CH

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOBRE A SAÚDE DA MULHER EM UMA UNIDADE DE SAÚDE DA FAMÍLIA E INTERVENÇÕES SOBRE O EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO

DIAGNÓSTICO SOBRE A SAÚDE DA MULHER EM UMA UNIDADE DE SAÚDE DA FAMÍLIA E INTERVENÇÕES SOBRE O EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA DIAGNÓSTICO SOBRE A SAÚDE

Leia mais

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Andrea da Silveira Rossi Brasília, 15 a 18 out 2013 Relato de adolescentes e jovens vivendo com HIV Todo adolescente pensa

Leia mais