AVALIAÇÃO PÓS-OCUPAÇÃO E SUSTENTABILIDADE EM RESIDÊNCIA UNIFAMILIAR - PORTO ALEGRE - RS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO PÓS-OCUPAÇÃO E SUSTENTABILIDADE EM RESIDÊNCIA UNIFAMILIAR - PORTO ALEGRE - RS"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO PÓS-OCUPAÇÃO E SUSTENTABILIDADE EM RESIDÊNCIA UNIFAMILIAR - PORTO ALEGRE - RS COSTI, Marilice Docente da PUCRS - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Arquiteta e Urbanista, Mestre em Arquitetura - Rua Santana, 666/ 504 CEP Porto Alegre RS - Tel.: 0xx RESUMO Este estudo de caso foi desenvolvido em uma residência unifamiliar em bairro residencial em Porto Alegre/RS. Dependendo da estação, os moradores queixavam-se do calor ou frio excessivo no segundo pavimento. Foram feitos: walkthrough, quando se fez a avaliação tecno-construtiva; a medição da temperatura de superfície e temperaturas mínima e máxima no interior foram feitas em vários momentos, entrevista com os usuários, levantamento fotográfico, configurando-se uma avaliação pós-ocupação qualitativa. Constatou-se que não havia critério para uso adequado das aberturas, havia frestas nos lambris e o isolamento térmico estava degradado. Foram feitas recomendações para projeto e orientações aos moradores quanto ao manejo das aberturas. Após a obra ter sido executada, as medições foram refeitas para fins comparativos. No verão de 2004, o ar-condicionado passou quase todo o tempo desligado, provando que o sistema projetado proporcionou conforto térmico, demonstrou eficiência e maior sustentabilidade. ABSTRACT This case study had been developed on a unifamiliar residence in a residencial district in Porto Alegre /RS. The residents complained about the both excessive hot and cold temperatures on the second floor. Walkthrough, photographic survey and a techno-constructive assessment had been made, superficial temperature and interior maximum and minimum temperatures had been measured, users interviewed. A post-occupancy evaluation had been made: a qualitative survey. Residents behavior regarding the handling of openings, such as doors and windows, had no criteria; there were cracks in the lambris and thermal isolation was degraded. Recommendations for the project and orientations for the residents about handling the openings had been made. After the work execution, measurements were remade by means of comparison. In summer 2004, airconditioning was only used for one day, proving the projected system efficiency and resulting in more sustainability to the habitation. INTRODUÇÃO A cidade de Porto Alegre possui clima subtropical úmido, altitude média de 46 m. Sua proximidade de 100 km do Oceano Atlântico e por ser delimitar com o estuário do rio Guaíba, possui temperatura média anual de 19,5 ºC. As extremas oscilam entre 40,7ºC (313,7 K) e 2,4ºC (280,6 K). As mínimas ocorrem por volta das 6 horas e a máxima por volta das 15 horas. Possui variações bruscas de temperatura devido ao movimento das massas de ar. A média anual da umidade relativa do ar é 75,9 % (MASCARÓ,1996). Neste estudo, foram isoladas as variáveis: ventos urbanos e o fenômeno da convecção, devido à complexidade de uma medição in loco e a variabilidade da velocidade do ar em função do entorno. Casas sem adequado isolamento térmico ou paredes com pouca inércia, necessitam de uso contínuo de equipamentos de climatização (ar-condicionado, estufas, ventiladores ou lareiras) para que exista conforto. Por outro lado, observa-se que os habitantes não possuem conhecimento de funcionamento adequado das esquadrias em relação ao clima da capital. Abrem nos momentos de insolação intensa no verão ou nos dias muito frios, alterando a temperatura interna das casas, sem critério algum. Afirmam FROTA e SCHIFFER (1995, 53) que à arquitetura cabe, tanto amenizar as sensações de desconforto impostas por climas muito rígidos, tais como os de excessivo calor, frio ou ventos, como também propiciar ambientes que sejam, no mínimo, tão confortáveis como os espaços ao ar livre em climas amenos. Quando não existe adequado isolamento térmico e as paredes possuem baixa inércia, qualquer pavimento criado sob o telhado, não tem outra saída senão o uso de equipamentos para que os usuários possam suportar o frio, que pode chegar próximo de 1ºC no inverno e mais de 36º C no verão. Os elementos absorvedores de calor e com grande

2 inércia no entorno da casa: basalto, cores escuras utilizadas nas pinturas, especialmente na orientação de nordeste a oeste. Apesar das condições atmosféricas da área urbana, que tendem a aquecer regiões devido à concentração de fontes de aquecimento, a região é bem servida de árvores, a casa fica próxima a uma praça e há poucos edifícios altos no mesmo bairro (baixa densidade), não devendo ocorrer ilhota térmica conforme Lúcia Mascaró descreve (1991). A vegetação nos lotes é esparsa, amenizando a intensidade do vento, mas a rua em frente à casa é larga, favorecendo a ventilação urbana. Uma avaliação pós-ocupação - onde se incluiu além da avaliação do desempenho térmico do envelope, um estudo do comportamento dos usuários - foi feita para verificar os motivos do segundo pavimento estar tão quente ou tão frio dependendo das condições climáticas do dia. O trabalho teve como objetivo dimensionar novo isolamento térmico e projetar um sistema de remoção do ar sob o telhado, além de orientar os moradores quanto ao funcionamento das aberturas, tentando interferir em seu comportamento, para que o ar-condicionado não precisasse ser ligado e a temperatura pudesse ser amenizada. MÉTODOS Os métodos empregados foram: a) anamnese, visita exploratória e estudos dos documentos (projeto arquitetônico e memorial descritivo) e do entorno; b) entrevista com os usuários da casa (proprietários e doméstica); c) levantamento das condições térmicas e estudo dos movimentos do ar; d) verificação das perdas térmicas; e) cálculo da resistência térmica e dimensionamento do isolamento térmico; f) recomendações para projeto; g) orientações aos usuários quanto ao comportamento das esquadrias e seu manuseio. a) Anamnese (estudo do projeto arquitetônico e do memorial descritivo), estudo do entorno, observações in loco e walkthrough. O bairro é residencial e nos passeios existe vegetação de médio porte. A casa se encontra recuada no lote e acima do nível da rua. O acesso é por escada no recuo de jardim. Nos fundos, existem garagem, uma área com churrasqueira e canil. A vegetação no interior do lote não tem sido permanente, pois tem sofrido podas freqüentes. No interior do lote, as calçadas são de basalto. Construída em alvenaria de tijolos maciços na década de 40 (fig. 1 e 4), sua cobertura é de telhas de cerâmica francesas com inclinação de 45º. Sofreu várias reformas: na década de 80, foi criado um segundo pavimento para área íntima sob o telhado (pendural de aproximadamente 4,00 m), iluminado e ventilado por mansardas, e no térreo o seu funcionamento foi alterado devido a novo programa. Foi feita uma laje pré-moldada de entrepiso (vigotas e tavelas) sobre o antigo forro de estuque. O acesso passou a ser feito através de escada helicoidal de ferro. As paredes dos quartos são de lambris de madeira a sudeste e em alvenaria de tijolos a noroeste e em ambos oitões (nordeste e sudoeste). As janelas dos quartos do segundo pavimento são de correr com venezianas, diferentes do primeiro pavimento, que são tipo guilhotina com contrapesos e persianas externas ou de abrir com venezianas, todas na cor branca. No pavimento inferior, todo o forro é de gesso com sancas, no piso superior, repete-se o lambri de madeira usado nas divisórias. Banheiros, cozinha e áreas de serviço possuem janelas basculantes de ferro em ambos pavimentos. Em 2001, a fachada principal foi alterada (fig. 2 e 5) para sombrear e proteger o acesso principal, criou-se uma linguagem contemporânea na edificação. Em 2002, o telhado foi reformado e as telhas foram substituídas.

3 Figura 1 Fachada sudoeste (até 2001) Figura 2 Fachadas nordeste e sudoeste (2002) Nos documentos, observou-se o tipo de material, a vida útil e as condições atuais. O isolamento térmico de lã de vidro existia a mais de vinte anos, estava totalmente degradado e não havia sido colocado nas paredes divisórias, apenas no forro. A madeira especificada para as divisórias não era a especificada no memorial. Na figura 3, em vermelho, as paredes dos oitões. NORTE Figura 3 - Planta Baixa - 2º pav Além disso, verificou-se que, além das frestas existentes nas paredes divisórias do lambri, o ar vindo da fachada sudeste penetrava também, permanentemente, no primeiro pavimento, pela janela basculante do sanitário, por não possuir estanqueidade quando fechada. No inverno, o ar frio vindo desta janela e pelas frestas baixava muito a temperatura na área íntima no 2º pavimento. No verão, o calor retido sob o telhado não possibilitava a troca térmica. O ar-condicionado era ligado intermitentemente.

4 Figura 4 2º pav. antes da reforma Figura 5 Corte década 80 b) Entrevista com os usuários da casa (proprietários e empregada doméstica) Quando da entrevista, a queixa dos usuários era que sentiam muito frio ou muito calor, sendo necessário o uso contínuo do ar-condicionado para a obtenção de conforto. Foi relatado e observado o manejo das esquadrias na orientação noroeste. Os moradores abriam as janelas para ventilar sem dar-se conta da questão térmica, gerando absorção de frio ou calor, aumentando a carga térmica nos dias quentes e resfriando o ambiente nos dias frios, obrigando ao uso do ar-condicionado e aumentando o consumo energético. A empregada doméstica abria as janelas todas as manhãs e as deixava abertas quando não chovia. c) Levantamento das condições térmicas e estudo dos movimentos do ar Foram feitas medições de temperatura das superfícies com Termômetro Infravermelho de Leitura rápida de superfície, Marca: INSTRUTERM, Modelo TI-095, Range: -10 C~300 C, Distância do Objeto: 1000 mm. As temperaturas máxima e mínima em dias quente e frio e comparados com dados depois da reforma. Com os dados, verificou-se de que forma ocorriam as perdas térmicas e sua relação com a insolação/ temperatura do dia. Nos dias frios, o ar, ao se movimentar vindo da direção sudeste, penetrava especialmente pelas frestas e no verão, o ar ficava retido sob a cobertura, não perdendo a temperatura devido ao grande colchão de ar quente. Observou-se que quando a temperatura mínima em Porto Alegre era de 18,5 ºC (291,5 K), a mínima dentro do quarto de casal era de 21,0 ºC (294 K), portanto dentro da área de conforto (em torno de 22ºC (295 K), conforme OLGAY). Enquanto no exterior a diferença térmica entre a máxima e a mínima temperatura era de 7,5 ºC (280,5 K), no interior ela era de 5 ºC (278 K), considerando-se ainda que o proprietário abria sempre as janelas para ventilar e de 1 a 2 ºC (274 a 275 K), se as janelas permaneciam fechadas no período de maior insolação naquela fachada. Observou-se também que o piso de basalto ao meio dia, chegava a ter ºC ( K). Um pequeno arbusto existente anteriormente reduzia em 9ºC (282 K), o calor que era absorvido na parede de alvenaria no 1º pavimento, devido ao sombreamento que fazia. A cor azul e marfim também demonstraram diferenças térmicas de até 9 ºC(282 K): na fachada noroeste, ao meio dia, a moldura azul nas janelas chegou a medir 44 ºC de temperatura superficial e a marfim 35 ºC (308 K), confirmando LAMBERTS, DUTRA, PEREIRA (1997) e MASCARÓ (1991) quanto à absortividade das cores.

5 Nos dados abaixo, pode-se observar que as temperaturas internas oscilam dentro ou muito próximas da área de conforto, segundo OLGYAY (1998, 23). A medição feita dia 12/04/2004 foi tomada com as janelas abertas durante o dia e as demais medidas com as janelas fechadas. Daí, pode-se observar que o isolamento térmico está adequado. Também se observa que o calor, apesar da temperatura externa ter baixado, ficou retido durante maior tempo, não havendo a troca térmica que havia no ano anterior quando não havia isolamento. Figura 6 Fachada Sudeste Figura 7 Lambri Quarto casal Tabela 1 - Temperaturas máximas e mínimas Data / hora Medidas Quarto de Casal Temp mín ext ºC e K P.Alegre Temp máx. int ºC e K P.Alegre Diferença Térm.ext. ºC e K Temp. mín int ºC e K Temp.máx int ºC e K Diferença Térm.Int. ºC e K 12/04/04 12:00 18,5 / 291,5 26,0 / 299,0 7,5 / 280,5 21 / / 299 5,0 / 278,0 26/04/04 24:00 7,4 / 280,4 18,7 / 291,7 11,7 /284,7 20 / / 294 1,0 / 274,0 27/04/04 08:00 8,3 / 281,3 21,1 / 294,1 12,8 / 285,8 21 / ,5 / 295,5 1,5 / 274,5 Fonte: do autor. Devido à inércia, as paredes da fachada noroeste- alvenaria de tijolos furados, possuíam diferença térmica entre 4 e 5 graus centígrados (277 e 278 K) e na fachada nordeste (fundos) 6 a 7ºC ( K), oitão de tijolos maciços antigos com reboco no exterior. Na fachada que não recebe sol (fig. 7) as diferenças térmicas eram menores de 1ºC (274 K). Tabela 2 Temperatura superficial em relação às fachadas 1º pav. 1º.pav Paredes alvenaria Temperatura superficial ºC e K ao meio-dia 12/04/2004 NE - nordeste ext Cozinha 31 / 304 Diferença térmica ºC e K NE - nordeste int 28 / / 270 SO - sudoeste ext Sala estar 29 / 302 SO - sudoeste int 24 / / 272 NO - noroeste ext Sala estar 35 / 308 NO - noroeste int 24 / / 264 Fonte: da autora SE - sudeste ext Vestíbulo 24 / 297 SE - sudeste int 23 / / 272

6 Foram analisados dados de consumo energético, mas devido ao aumento de número de pessoas na casa e uso de chuveiro elétrico, tais dados pouco puderam ser conclusivos e comparados com o ano anterior antes da colocação do isolamento térmico novo. Apenas um mês pôde ser avaliado, quando houve o mesmo número de usuários na casa e o mês esteve quente, neste mês cerca de 100 Kw foram economizados, pois não houve uso do arcondicionado, o que foi observado em período no ano anterior, com comportamento térmico similar. d) Verificação das perdas térmicas Conforme MASCARÓ (1991), a orientação da casa em função da radiação solar, para a latitude de Porto Alegre se encontra favorável para a fachada maior noroeste, resultando portanto, em menor absorção de carga térmica. As telhas nesta orientação chegaram a ter entre 57ºC (330 K) na sua superfície externa, com diferença térmica de para a superfície interna, mas no interior, as paredes possuíam 26º C (299 K). Observou-se que as perdas térmicas no inverno ocorriam pela orientação sudeste, especialmente, onde se localizavam os lambris com frestas. No verão, o ganho térmico ocorria especialmente pela fachada noroeste, onde o telhado absorve radiação solar (fig.9), pela baixa convecção do ar sob as telhas. O aumento da carga térmica se devia pela falta de isolamento adequado e por causa do comportamento dos usuários no manejo das esquadrias. Figura 9 Fachada Noroeste e Sudoeste e) Cálculo da resistência térmica e dimensionamento do isolamento térmico Calculou-se novo isolamento térmico e definiu-se a sua colocação, chegou-se à seguinte resistência térmica necessária, para o isolamento térmico: Resistência térmica mín. = 0,58 m 2 ºC /W, Condutividade máxima = W/m ºC. Resultado: espessura mínima de poliestireno expandido (isopor): 50 mm, devendo ser colocado no lado externo de todas as divisórias, inclusive, nas portinholas de acesso ao telhado. f) Recomendações para projeto Remoção de todo o isolamento térmico antigo e colocação do isolamento novo em todas as superfícies de madeira, no exterior. Colocação de dois exaustores com capacidade para movimentar 17 m 3 (volume de ar entre o forro e a cobertura) e 7 m 3 (volume de ar entre as telhas, entrepiso e parede divisória) (fig.10) na fachada

7 sudeste para forçar a convecção e remover o ar contido entre as paredes divisórias e a cobertura. Onde havia dois alçapões para acesso ao telhado, colocar grelhas com aletas móveis para controle da saída do ar quente, tendo na parte superior uma tela mosquiteira para evitar acesso de insetos. Para maior controle térmico, fazer vedação das frestas, sejam entre os lambris das paredes e do forro, sejam sob a porta, janelas mal fechadas, etc. O ar, retido entre os lambris com isolamento e o telhado, será sugado pelas grelhas e removido para o exterior de forma natural se houver ventos urbanos e as grelhas estiverem abertas ou será movimentado pelos exaustores colocados na fachada nordeste (oitão fundos) podendo ser acionados por interruptor no quarto de casal. Figura 10 Exaustor e isolamento Figura 11 Grelha g) Orientações aos usuários quanto ao comportamento das esquadrias e seu manuseio Quanto ao manejo das esquadrias, o comportamento dos usuários estava incorreto, desconhecendo o movimento do ar. Foi dada orientação por escrito e in loco, demonstrando os ganhos de calor e as perdas de frio. Afirma Lúcia Mascaró (1991, 63) que nos climas compostos com estação fria, é conveniente que a câmara de ar não seja ventilada no inverno, portanto, a orientação dada aos moradores é que não ligassem o exaustor no inverno e mantivessem fechadas as grelhas, pois o ar ganha calor na estação quente e perde na estação fria. No verão ou dias quentes: Deixar as janelas sombreadas (venezianas fechadas) sempre que o sol incidir na fachada noroeste. Abrir as vidraças somente quando o sol não incidir nas superfícies daquela fachada e, apenas, o tempo suficiente para efetuar a troca do ar ambiental. Deixar as venezianas fechadas com as vidraças abertas durante a noite, quando houver vento/brisa. Ligar o exaustor sempre que for necessário remover o ar quente retido entre as paredes divisórias e o teto de madeira e as telhas. No inverno ou em dias frios: Preferencialmente, abrir as janelas apenas quando o sol incidir no ambiente,deixar as vidraças abertas apenas o tempo suficiente para efetuar a troca do ar do ambiente. Deixar as venezianas abertas com os vidros fechados, apenas enquanto o sol penetra através dos vidros. Fechar vidraças e venezianas, assim que houver sombreamento da fachada.quando houver sol incidindo, ligar o exaustor apenas para remover o ar frio retido entre o teto de madeira e as telhas. Evitar janelas abertas na orientação sul, no 1º pavimento quando a temperatura estiver baixa, exceto quando houver umidade devido aos banhos, o que poderá ser controlado através do fechamento da porta do sanitário no piso inferior. CONSIDERAÇÕES FINAIS Para uma avaliação pós-ocupação qualitativa, tudo deve ser analisado: o entorno e as condições climáticas da região, a implantação no lote e a vegetação e pavimentações externas, a orientação solar, o desempenho dos materiais, as patologias, as cores das superfícies externas, as condições térmicas do ambiente e, especialmente, o comportamento dos usuários, pois pode estar ali a maior causa do aumento da carga térmica. Neste caso, o isolamento novo, reduziu as diferenças térmicas no ambiente. Devido a isto também, o uso do ar-condicionado não foi necessário, pois conforme informações dos usuários, nos dias mais quentes, ele não foi ligado, apenas os exaustores em determinado período enquanto as grelhas estavam com as aletas abertas. Logo, a casa passou a ser sustentável em quase todo o período de verão. Observe-se que a diferença térmica quando as janelas estão abertas é maior, logo, para que haja sustentabilidade, deve ser dada orientação quanto ao manejo das esquadrias, pois sem que os usuários compreendam o fenômeno dos ganhos e das perdas térmicas em uma edificação, não reduzirão o consumo energético.

8 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS FROTA, Anésia Barros; SCHIFFER, Sueli Ramos. Manual de Conforto Térmico. São Paulo: Studio Nobel, LAMBERTS, Roberto; DUTRA, Luciano; PEREIRA, Fernando O. R. Eficiência energética na arquitetura. São Paulo: PW, MASCARÓ, Lúcia. Ambiência Urbana. Porto Alegre: Sagra D.C. Luzzatto, MASCARÓ, Lúcia. Energia na edificação: estratégia para minimizar seu consumo. São Paulo: projeto,1991. OLGYAY. Arquitectura y clima: manual de diseño bioclimático para arquitectos y urbanistas. Barcelona: Gustavo Gili, 1998.

PRINCÍPIOS BIOCLIMÁTICOS PARA O PROJETO DE EDIFICAÇÕES EM OURO PRETO / MG

PRINCÍPIOS BIOCLIMÁTICOS PARA O PROJETO DE EDIFICAÇÕES EM OURO PRETO / MG PRINCÍPIOS BIOCLIMÁTICOS PARA O PROJETO DE EDIFICAÇÕES EM OURO PRETO / MG ROCHA, Jozielle Marques da 1 GOMES, Adriano P. 2 INTRODUÇÃO Um projeto arquitetônico deve se adaptar às características do meio

Leia mais

TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL

TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA CONFORTO AMBIENTAL I PROFª RITA SARAMAGO TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL PROJETO: SUGAWARADAISUKE ARCHITECTS LOANY GONZAGA.LUIZA DALVI.MÁRCIA MICHELLE.THAÍS MARA 1.ANÁLISE

Leia mais

ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO.

ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO E DESIGN DISCIPLINA: CONFORTO AMBIENTAL 1 ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO. ARQUITETOS: KAZUYO SEJIMA E

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA VENTILAÇÃO NATURAL E DA INÉRCIA TÉRMICA DO ENVELOPE CONSTRUTIVO EM EDIFICAÇÃO VERTICAL MULTIFAMILIAR

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA VENTILAÇÃO NATURAL E DA INÉRCIA TÉRMICA DO ENVELOPE CONSTRUTIVO EM EDIFICAÇÃO VERTICAL MULTIFAMILIAR 1 ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA VENTILAÇÃO NATURAL E DA INÉRCIA TÉRMICA DO ENVELOPE CONSTRUTIVO EM EDIFICAÇÃO VERTICAL MULTIFAMILIAR RESUMO Tiago Arent Longo (1); Luiz César de Castro (2) UNESC Universidade

Leia mais

OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA

OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA Prof. ENEDIR GHISI UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Departamento

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação

7º Simpósio de Ensino de Graduação INSOLAÇÃO EM EDIFICAÇÕES 7º Simpósio de Ensino de Graduação Autor(es) ISABELA SABOYA PINTO LIMA Orientador(es) SUELI MANÇANARES LEME 1. Introdução O conforto térmico é um atributo necessário em edificações

Leia mais

CONFORTO TÉRMICO EM APARTAMENTOS DE UM CONJUNTO HABITACIONAL EM MACEIÓ/AL

CONFORTO TÉRMICO EM APARTAMENTOS DE UM CONJUNTO HABITACIONAL EM MACEIÓ/AL CONFORTO TÉRMICO EM APARTAMENTOS DE UM CONJUNTO HABITACIONAL EM MACEIÓ/AL José Eduardo Castro de Almeida (1); Ricardo C. Cabús (2) (1) Universidade Federal de Alagoas, Rua José de Alencar, 318 Farol Maceió/AL,

Leia mais

O conforto térmico como um processo de adaptação ambiental: repensando os padrões da habitação em São Paulo Joana Carla Soares Gonçalves

O conforto térmico como um processo de adaptação ambiental: repensando os padrões da habitação em São Paulo Joana Carla Soares Gonçalves O conforto térmico como um processo de adaptação ambiental: repensando os padrões da habitação em São Paulo Joana Carla Soares Gonçalves O conceito mais atual de conforto térmico é aquele que relaciona

Leia mais

AVALIAÇÕES DE ESTRATÉGIAS BIOCLIMÁTICAS PRESENTES NA ARQUITETURA HABITACIONAL UNIFAMILIAR DO TRÓPICO ÚMIDO: A CASA ALDEIA VERDE EM MACEIÓ AL.

AVALIAÇÕES DE ESTRATÉGIAS BIOCLIMÁTICAS PRESENTES NA ARQUITETURA HABITACIONAL UNIFAMILIAR DO TRÓPICO ÚMIDO: A CASA ALDEIA VERDE EM MACEIÓ AL. AVALIAÇÕES DE ESTRATÉGIAS BIOCLIMÁTICAS PRESENTES NA ARQUITETURA HABITACIONAL UNIFAMILIAR DO TRÓPICO ÚMIDO: A CASA ALDEIA VERDE EM MACEIÓ AL. Wevila F. B. Correia (1); Gianna M. Barbirato (2) (1) DEHA

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações

Desempenho Térmico de edificações Desempenho Térmico de edificações PROFESSOR Roberto Lamberts Unidade deportiva Atanasio Girardot - Medellín ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS estrutura intro isolantes cálculos exemplos e testes 2 introdução

Leia mais

PLANEJAMENTO URBANO E O CONFORTO AMBIENTAL NO LOTEAMENTO HBB EM TERESINA. TERESINA PI BRASIL. (Apoio CNPq) L. M. E. Kallas

PLANEJAMENTO URBANO E O CONFORTO AMBIENTAL NO LOTEAMENTO HBB EM TERESINA. TERESINA PI BRASIL. (Apoio CNPq) L. M. E. Kallas PLANEJAMENTO URBANO E O CONFORTO AMBIENTAL NO LOTEAMENTO HBB EM TERESINA. TERESINA PI BRASIL. (Apoio CNPq) L. M. E. Kallas RESUMO No desenho urbano, a adequação bioclimática aproveita variáveis do clima

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA CASA VIZINHA

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA BAIRRO

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO EM HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL EM MADEIRA

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO EM HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL EM MADEIRA AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO EM HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL EM MADEIRA Ricardo Dias Silva (1); Admir Basso () (1) DAU/UEL, e-mail: rdsilva@uel.br () EESC/USP, e-mail: admbasso@sc.usp.br RESUMO Este

Leia mais

DECRETO Nº 1627 DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

DECRETO Nº 1627 DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 DECRETO Nº 1627 DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Dispõe sobre a atualização do artigo 1º, da Lei da Lei Complementar nº 241 de 24 de Fevereiro de 2015, onde trata da Tabela nº 05, Anexo II - Planta Genérica

Leia mais

Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor.

Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor. Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor. Francisco Vecchia Departamento de Hidráulica e Saneamento Escola de Engenharia

Leia mais

Autor(es) ROSIMARY COUTO PAIXÃO. Orientador(es) ADRIANA PETITO DE ALMEIDA SILVA CASTRO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1.

Autor(es) ROSIMARY COUTO PAIXÃO. Orientador(es) ADRIANA PETITO DE ALMEIDA SILVA CASTRO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. 19 Congresso de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE COBERTURAS DE POLICARBONATO E ACRÍLICO: ESTUDO DE CASO NO CAMPUS DA UNIMEP EM SANTA BÁRBARA DOESTE Autor(es) ROSIMARY COUTO PAIXÃO

Leia mais

Edifício Varadero Residencial

Edifício Varadero Residencial Edifício Varadero Residencial MEMORIAL DESCRITIVO PADRÃO 1. Infra-Estrutura: 2. Supra-Estrutura: 3. Alvenarias: Movimentação de Terra: Será realizada a limpeza do terreno, removendo todo o obstáculo que

Leia mais

Insolação no projeto de arquitetura

Insolação no projeto de arquitetura Insolação no projeto de arquitetura Arq. Cláudia Barroso-Krause, D.Sc DTC e PROARQ FAU/UFRJ www.fau.ufrj.br/proarq Barroso-krause@proarq.ufrj.br Conhecer as necessidades ambientais da atividade prevista

Leia mais

FUNCIONAL TOPOGRAFIA SOLAR/ PRIMEIRA METADE DO TERRENO E O INFERIOR LOCADO MAIS A

FUNCIONAL TOPOGRAFIA SOLAR/ PRIMEIRA METADE DO TERRENO E O INFERIOR LOCADO MAIS A FUNCIONAL IMPLANTAÇÃO IDENTIFICAR COMO SE DÁ A OCUPAÇÃO DA PARCELA DO LOTE, A DISPOSIÇÃO DO(S) ACESSO(S) AO LOTE; COMO SE ORGANIZA O AGENCIAMENTO, UMA LEITURA DA RUA PARA O LOTE ACESSO SOCIAL ACESSO ÍNTIMO

Leia mais

Memorial Descritivo Residencial Phoenix

Memorial Descritivo Residencial Phoenix Memorial Descritivo Residencial Phoenix Cadastros: Matrícula de incorporação 7121, no Cartório de Registro de imóveis de 1 Ofício da Comarca de Tubarão. Alvará de construção 149/2011. Localização: Rua

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO:

SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO: SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO: Adequações frente às s normas de desempenho. Marcelo Moacyr Diretor de Engenharia, Construção e Relacionamento 1 Escolha do Sistema Construtivo 2 Avaliações

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO E CONDIÇÕES DE CONFORTO DE UM CONJUNTO HABITACIONAL HORIZONTAL NA CIDADE DE JOÃO PESSOA-PB

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO E CONDIÇÕES DE CONFORTO DE UM CONJUNTO HABITACIONAL HORIZONTAL NA CIDADE DE JOÃO PESSOA-PB AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO E CONDIÇÕES DE CONFORTO DE UM CONJUNTO HABITACIONAL HORIZONTAL NA CIDADE DE JOÃO PESSOA-PB Luanna Damascena dos Santos (1) ; Raíssa Jardim Ferraz da Silva (1) ; Flávia Maria

Leia mais

MÓDULO DIDÁTICO PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TÉRMICO DE SISTEMAS CONSTRUTIVOS

MÓDULO DIDÁTICO PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TÉRMICO DE SISTEMAS CONSTRUTIVOS I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. MÓDULO DIDÁTICO PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO PARA O PERÍODO DE INVERNO NO HOSPITAL ESCOLA DE SÃO CARLOS

ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO PARA O PERÍODO DE INVERNO NO HOSPITAL ESCOLA DE SÃO CARLOS ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO PARA O PERÍODO DE INVERNO NO HOSPITAL ESCOLA DE SÃO CARLOS Marieli Azoia Lukiantchuki (1); Monica Faria de Almeida Prado (2); Rosana Maria Caram (3) (1) Departamento de Arquitetura

Leia mais

Rua Dante Francisco Zattera, Quadra 4907, lote 14, Loteamento Cidade Nova II. Bairro Distrito Industrial Caxias do Sul RS

Rua Dante Francisco Zattera, Quadra 4907, lote 14, Loteamento Cidade Nova II. Bairro Distrito Industrial Caxias do Sul RS MEMORIAL DESCRITIVO: APRESENTAÇÃO DO EMPREENDIMENTO: LOCALIZAÇÃO: Rua Dante Francisco Zattera, Quadra 4907, lote 14, Loteamento Cidade Nova II. Bairro Distrito Industrial Caxias do Sul RS DESCRIÇÃO: Edifício

Leia mais

COMPORTAMENTO TÉRMICO DA CONSTRUÇÃO

COMPORTAMENTO TÉRMICO DA CONSTRUÇÃO COMPORTAMENTO TÉRMICO DA CONSTRUÇÃO Capítulo 2 do livro Manual de Conforto Térmico NESTA AULA: Trocas de calor através de paredes opacas Trocas de calor através de paredes translúcidas Elementos de proteção

Leia mais

A utilização de estratégias passivas de conforto térmico e eficiência energética para o desenvolvimento de uma habitação unifamiliar

A utilização de estratégias passivas de conforto térmico e eficiência energética para o desenvolvimento de uma habitação unifamiliar A utilização de estratégias passivas de conforto térmico e eficiência energética para o desenvolvimento de uma habitação unifamiliar Egon Vettorazzi (1), Madalena Russi (2), Joaquim C. Pizzutti dos Santos

Leia mais

ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO DO PROJETO-PADRÃO R1-A DA NORMA BRASILEIRA NBR 12721 PARA A CIDADE DE CURITIBA

ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO DO PROJETO-PADRÃO R1-A DA NORMA BRASILEIRA NBR 12721 PARA A CIDADE DE CURITIBA ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO DO PROJETO-PADRÃO R1-A DA NORMA BRASILEIRA NBR 12721 PARA A CIDADE DE CURITIBA Helena Fernanda Graf (1); Sergio Fernando Tavares (2); Aloísio Leoni Schmid (3) (1) Universidade

Leia mais

3º SePeAU - 2010 ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO DO PROJETO-PADRÃO R1-A DA NORMA BRASILEIRA NBR 12721 PARA A CIDADE DE CURITIBA

3º SePeAU - 2010 ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO DO PROJETO-PADRÃO R1-A DA NORMA BRASILEIRA NBR 12721 PARA A CIDADE DE CURITIBA ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO DO PROJETO-PADRÃO R1-A DA NORMA BRASILEIRA NBR 12721 PARA A CIDADE DE CURITIBA Helena Fernanda Graf; Sergio Fernando Tavares; Aloísio Leoni Schmid Laboratório de Ambiente Construído

Leia mais

iii REABILITAÇÃO DE EDIFÍCIOS DO CENTRO HISTÓRICO DO PORTO

iii REABILITAÇÃO DE EDIFÍCIOS DO CENTRO HISTÓRICO DO PORTO iii REABILITAÇÃO DE EDIFÍCIOS DO CENTRO HISTÓRICO DO PORTO Guia de Termos de Referência para o Desempenho Energético-Ambiental 1 2 REABILITAÇÃO DE EDIFÍCIOS DO CENTRO HISTÓRICO DO PORTO Guia de Termos

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO CASTELO,, Localidade MONTEMOR-O-VELHO

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO CASTELO,, Localidade MONTEMOR-O-VELHO Válido até 29/03/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DO CASTELO,, Localidade MONTEMOR-O-VELHO Freguesia MONTEMOR-O-VELHO E GATÕES Concelho MONTEMOR-O-VELHO GPS 40.173269, -8.685544 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

UMA METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DA NECESSIDADE DE PROTEÇÃO SOLAR PARA EDIFICAÇÕES DA CIDADE DE LONDRINA PR

UMA METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DA NECESSIDADE DE PROTEÇÃO SOLAR PARA EDIFICAÇÕES DA CIDADE DE LONDRINA PR I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. UMA METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DA NECESSIDADE

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DA OBRA (Versão resumida)

MEMORIAL DESCRITIVO DA OBRA (Versão resumida) MEMORIAL DESCRITIVO DA OBRA (Versão resumida) TAMANHO E DEPENDÊNCIAS DO IMÓVEL Definido com o Corretor de Imóveis da negociação em conjunto com nosso Escritório de Arquitetura parceiro: FRAN Arquitetura

Leia mais

Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores de Coimbra

Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores de Coimbra Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores de Coimbra Bolsa de Integração à Investigação Bolseiro: Tiago Pereira da Silva Monteiro Professor Coordenador: Prof. Doutor João António Esteves Ramos

Leia mais

SMALL HOUSE. Sejima e Nishizawa 1999-2000

SMALL HOUSE. Sejima e Nishizawa 1999-2000 SMALL HOUSE 1999-2000 Sejima e Nishizawa Andressa Rodrigues Melo 11411ARQ028 Ariane Xavier Duarte 11411ARQ023 Guilherme Duarte Cunha 11411ARQ001 Larissa Costa Silva 11411ARQ026 Kazuyo Sejima e Ruye Nishizawa

Leia mais

Memorial Descritivo. Prédio: Residencial 25 de Julho

Memorial Descritivo. Prédio: Residencial 25 de Julho Memorial Descritivo Prédio: Residencial 25 de Julho 1. Descrição do prédio. O prédio a ser construído compõe-se de 16 pavimentos mais casa de máquinas, constituído de 46 (quarenta e seis) unidades autônomas

Leia mais

Legendas. Térreo. 16 17 Ocupando um terreno de esquina, a construção evidencia a volumetria e o balanço. Superior

Legendas. Térreo. 16 17 Ocupando um terreno de esquina, a construção evidencia a volumetria e o balanço. Superior Detalhes Balanços arrojados Moderna, a fachada tem importante função estética, mas também é uma grande aliada para minimizar a incidência de raios solares e garantir mais privacidade do projeto Arquiteto:

Leia mais

Diretrizes construtivas utilizando o Zoneamento Bioclimático Brasileiro

Diretrizes construtivas utilizando o Zoneamento Bioclimático Brasileiro Diretrizes const utilizando o Zoneamento Bioico Br Professor: Roberto Lamberts Mestranda: Mariana Garnica B. Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Eficiência Energética em Edificações Introdução

Leia mais

EXERCÍCIOS EM SALA DE AULA

EXERCÍCIOS EM SALA DE AULA EXERCÍCIOS EM SALA DE AULA 1- A EDIFICAÇÃO O empreendimento será construído na cidade de Goiânia - GO. O anteprojeto está definido pelas vistas e perspectivas apresentadas abaixo. FIGURA 01: Perspectiva

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DE PARADELHAS, 273, Localidade PADORNELO. Freguesia PADORNELO

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DE PARADELHAS, 273, Localidade PADORNELO. Freguesia PADORNELO Válido até 30/03/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DE PARADELHAS, 273, Localidade PADORNELO Freguesia PADORNELO Concelho PAREDES DE COURA GPS 41.927754, -8.540848 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória

Leia mais

AVALIAÇÃO NUMÉRICA DO DESEMPENHO TÉRMICO DO PRÉDIO SEDE DA PREFEITURA MUNICIPAL DE MARIANA - MG

AVALIAÇÃO NUMÉRICA DO DESEMPENHO TÉRMICO DO PRÉDIO SEDE DA PREFEITURA MUNICIPAL DE MARIANA - MG AVALIAÇÃO NUMÉRICA DO DESEMPENHO TÉRMICO DO PRÉDIO SEDE DA PREFEITURA MUNICIPAL DE MARIANA - MG Élen Silva Ataíde(1); Henor Artur de Souza(2) (1)Arquiteta, MSc. - Universidade Federal de Ouro Preto, DECAT/EM,

Leia mais

Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO. Um sistema com bom desempenho MITOS E VERDADES

Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO. Um sistema com bom desempenho MITOS E VERDADES Seminário: Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO Um sistema com bom desempenho MITOS E VERDADES Arnoldo Wendler Sistema Construtivo Estudo de viabilidade Anteprojeto arquitetônico Comercialização

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE CONFORTO TÉRMICO AO CALOR EM EDIFICAÇÕES HABITACIONAIS MULTIPAVIMENTADAS NA CIDADE DE IJUÍ RS

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE CONFORTO TÉRMICO AO CALOR EM EDIFICAÇÕES HABITACIONAIS MULTIPAVIMENTADAS NA CIDADE DE IJUÍ RS UNIJUÍ UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DETEC DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE CONFORTO TÉRMICO AO CALOR EM EDIFICAÇÕES HABITACIONAIS

Leia mais

CASH CARIBBEAN AFFORDABLE SOLAR HOUSE. Casa Solar Acessível Caribenha

CASH CARIBBEAN AFFORDABLE SOLAR HOUSE. Casa Solar Acessível Caribenha CASH CARIBBEAN AFFORDABLE SOLAR HOUSE Casa Solar Acessível Caribenha ESCOLHA DA CASA PAÍS LATINO CLIMA TROPICAL CASA PERMEÁVEL POSSIVEL ALCANCE DE INTERESSE SOCIAL CASH HOME Slogan: Ser verde e acessível.

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ÁREAS DE LAZER

MEMORIAL DESCRITIVO ÁREAS DE LAZER MEMORIAL DESCRITIVO ÁREAS DE LAZER Ficam na cobertura, 9º andar. Esta composta por Salão de festas, Espaço gourmet, Fitness center, Sala de jogos e web, Piscina borda infinita e Solarium. - Salão Festas:

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GCE 26 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XIV GRUPO DE ESTUDO DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ANÁLISE SIMULAÇÃO

Leia mais

ANAIS ELETRÔNICOS - 1ª JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E EXTENSÃO DO IFTO

ANAIS ELETRÔNICOS - 1ª JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E EXTENSÃO DO IFTO ARQUITETURA BIOCLIMÁTICA: RECOMENDAÇÕES APROPRIADAS PARA PALMAS/TO Djean da Costa BARBOSA (1); Mariana Brito de LIMA (2); (1) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do TO, AE 310 SUL, Avenida

Leia mais

CONDOMÍNIO RESIDENCIAL FORTALEZA. ANEXO II Memorial Descritivo

CONDOMÍNIO RESIDENCIAL FORTALEZA. ANEXO II Memorial Descritivo CONDOMÍNIO RESIDENCIAL FORTALEZA ANEXO II Memorial Descritivo 1. DESCRIÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO. O Empreendimento, comercializado sob Condomínio Residencial Viva Bem, é composto por 04 (quatro) blocos,

Leia mais

ANEXO XII - MEMORIAL DESCRITIVO ARQUITETÔNICO

ANEXO XII - MEMORIAL DESCRITIVO ARQUITETÔNICO ANEXO XII - MEMORIAL DESCRITIVO ARQUITETÔNICO 4.1 APRESENTAÇÃO O presente memorial descritivo tem por finalidade determinar os detalhes de acabamento, tipo e a qualidade dos materiais a serem utilizados

Leia mais

NOX SISTEMAS CONSTRUTIVOS

NOX SISTEMAS CONSTRUTIVOS LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL LMCC ENDEREÇO: Cidade Universitária Camobi, Santa Maria/RS CEP 97105 900 TELEFONE: (55) 3220 8608 (Fax) Direção 3220 8313 Secretaria E-MAIL: lmcc@ct.ufsm.br

Leia mais

AVALIAÇÃO ENERGÉTICA VISANDO CERTIFICAÇÃO DE PRÉDIO VERDE

AVALIAÇÃO ENERGÉTICA VISANDO CERTIFICAÇÃO DE PRÉDIO VERDE AVALIAÇÃO ENERGÉTICA VISANDO CERTIFICAÇÃO DE PRÉDIO VERDE Maria Fernanda Martinez (1); Marta Baltar Alves (2); Paulo Otto Beyer (3) (1) Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica - Universidade Federal

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO TÉRMICO DE EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS ATRAVÉS DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL NO ENERGYPLUS BASEADA NOS REQUISITOS DA NORMA NBR 15220

ANÁLISE DO DESEMPENHO TÉRMICO DE EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS ATRAVÉS DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL NO ENERGYPLUS BASEADA NOS REQUISITOS DA NORMA NBR 15220 ANÁLISE DO DESEMPENHO TÉRMICO DE EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS ATRAVÉS DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL NO ENERGYPLUS BASEADA NOS REQUISITOS DA NORMA NBR 15220 Michele Matos; Fernando Simon Westphal; Franck Alves

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO TERMICO DE EDIFICIO ESCOLAR ATRAVES DO PROGRAMA ENERGYPLUS

ANÁLISE DO DESEMPENHO TERMICO DE EDIFICIO ESCOLAR ATRAVES DO PROGRAMA ENERGYPLUS ANÁLISE DO DESEMPENHO TERMICO DE EDIFICIO ESCOLAR ATRAVES DO PROGRAMA ENERGYPLUS Luis Fernando Malluf Sanchez Faculdade de Engenharia Civil CEATEC luis.fms1@puccampinas.edu.br Claudia Cotrim Pezzuto Faculdade

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada SESMARIA DO PAU QUEIMADO,, Localidade SANTO ESTEVÃO BNV

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada SESMARIA DO PAU QUEIMADO,, Localidade SANTO ESTEVÃO BNV Válido até 26/05/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada SESMARIA DO PAU QUEIMADO,, Localidade SANTO ESTEVÃO BNV Freguesia SANTO ESTEVÃO Concelho BENAVENTE GPS 38.888944, -8.723055 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AV. WENCESLAU BALSEIRO GUERRA,, 115, 2º B Localidade PAREDE

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AV. WENCESLAU BALSEIRO GUERRA,, 115, 2º B Localidade PAREDE Válido até 11/06/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada AV. WENCESLAU BALSEIRO GUERRA,, 115, 2º B Localidade PAREDE Freguesia CARCAVELOS E PAREDE Concelho CASCAIS GPS 38.688617, -9.434011 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

SUSHI ENERGIA. Arq. María Andrea Triana LABEEE/UFSC CBCS

SUSHI ENERGIA. Arq. María Andrea Triana LABEEE/UFSC CBCS SUSHI ENERGIA Arq. María Andrea Triana LABEEE/UFSC CBCS 1 SUMÁRIO Importância de uso racional de energia em HIS Barreiras na implementação de tecnologias Agenda proposta para HIS com mapeamento de tecnologias

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO O

MEMORIAL DESCRITIVO O MEMORIAL DESCRITIVO O presente memorial tem por objetivo estabelecer requisitos técnicos, definir materiais e padronizar os projetos e execuções da obra localizada na Rua Jorge Marcelino Coelho, s/n, Bairro

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Residencial Nihal Rua Aragão Bozano, 131 Lotes 2, Quadra 57, Torres, RS

MEMORIAL DESCRITIVO. Residencial Nihal Rua Aragão Bozano, 131 Lotes 2, Quadra 57, Torres, RS MEMORIAL DESCRITIVO Residencial Nihal Rua Aragão Bozano, 131 Lotes 2, Quadra 57, Torres, RS 1. LOCALIZAÇÃO: O empreendimento localiza-se à Rua Aragão Bozano,131 Lotes 2, Quadra 57, Praia Grande, Torres/RS.

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO Ministério Público do Trabalho Procuradoria Regional da 23 ª Região Anteprojeto do novo Edifício-Sede Cuiabá MT Memorial Descritivo Terreno localizado no CPA (Centro Político-Administrativo) da cidade

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DOS ACABAMENTOS ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS. RESIDENCIAL ADONAI Rua Comendador Duval, 343 Jardim floresta Porto Alegre - RS

MEMORIAL DESCRITIVO DOS ACABAMENTOS ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS. RESIDENCIAL ADONAI Rua Comendador Duval, 343 Jardim floresta Porto Alegre - RS MEMORIAL DESCRITIVO DOS ACABAMENTOS ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS RESIDENCIAL ADONAI Rua Comendador Duval, 343 Jardim floresta Porto Alegre - RS 1 APRESENTAÇÃO O presente documento tem como objetivo, descrever

Leia mais

Conforto ambiental: Dicas de projeto para construção, ampliação e reforma de habitação em comunidades de baixa renda

Conforto ambiental: Dicas de projeto para construção, ampliação e reforma de habitação em comunidades de baixa renda Conforto ambiental: Dicas de projeto para construção, ampliação e reforma de habitação em comunidades de baixa renda Cláudia Barroso-Krause. DTC e PROARQ FAU/UFRJ A pesquisa em conforto ambiental nas edificações

Leia mais

Memoria descritivo do Residencial Liguria

Memoria descritivo do Residencial Liguria ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS MEMORIAL DESCRITIVO DA CONSTRUÇÃO FUNDAÇÕES As fundações serão do tipo diretas, com utilização de sapatas, calculadas conforme solicitações de carga. ESTRUTURA O prédio terá estrutura

Leia mais

Sazonalidade da temperatura do ar e radiação solar global em cidades de diferentes portes na Amazônia Brasileira.

Sazonalidade da temperatura do ar e radiação solar global em cidades de diferentes portes na Amazônia Brasileira. Sazonalidade da temperatura do ar e radiação solar global em cidades de diferentes portes na Amazônia Brasileira. Ingrid Monteiro Peixoto de Souza 1, Antonio Carlos Lôla da Costa 1, João de Athaydes Silva

Leia mais

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 SELO CASA AZUL CAIXA Sandra Cristina Bertoni Serna Quinto Arquiteta Gerência Nacional de Meio Ambiente SELO CASA AZUL CAIXA CATEGORIAS E CRITÉRIOS SELO

Leia mais

O GUIA TERMOS DE REFERÊNCIA: EXEMPLO DE APLICAÇÃO

O GUIA TERMOS DE REFERÊNCIA: EXEMPLO DE APLICAÇÃO O GUIA TERMOS DE REFERÊNCIA: EXEMPLO DE APLICAÇÃO VASCO PEIXOTO DE FREITAS Faculdade Engenharia Universidade do Porto Laboratório de Física das Construções /FEUP - AdePorto SUMÁRIO 1. Introdução 2. Tipificação

Leia mais

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO Válido até 20/04/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO Freguesia PARANHOS Concelho PORTO GPS 41.163993, -8.604853 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL 1 ª Conservatória

Leia mais

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental Eco Houses / Casas ecológicas Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental IDHEA - INSTITUTO PARA O DESENVOLVIMENTO DA HABITAÇÃO ECOLÓGICA Conceito:

Leia mais

LINHAS ESPECIAIS CONSTRUÇÃO CIVIL

LINHAS ESPECIAIS CONSTRUÇÃO CIVIL LINHAS ESPECIAIS CONSTRUÇÃO CIVIL 01 Sumário 04 Esquadrias Master Inova Extrema Gold IV Única 08 Fachadas Soluta Citta Due ACM 12 Proteção & Estilo Brises Guarda-corpo Grades e Gradis Portão Vidro Temperado

Leia mais

EMPREENDIMENTO SUL 1

EMPREENDIMENTO SUL 1 EMPREENDIMENTO SUL 1 LOCALIZAÇÃO: Endereço: Av. Juca Batista nº 9742, nas proximidades do melhor condomínio de alto padrão de Porto Alegre, TERRA VILLE BELÉM NOVO GOLF CLUB. PRAZO DE ENTREGA: A previsão

Leia mais

4 Estudo de casos. Janelas: 1 gene para o percentual da largura total da parede que a janela irá ocupar (número entre 0 e 1);

4 Estudo de casos. Janelas: 1 gene para o percentual da largura total da parede que a janela irá ocupar (número entre 0 e 1); 4 Estudo de casos Este capítulo apresenta estudo de casos para averiguar a eficácia do modelo definido no capítulo 3. Para provar que os conceitos funcionam e que o método é viável, decidiu-se otimizar

Leia mais

TRANSMISSÃO. Ao ser atingido por uma onda sonora, o obstáculo vibra, funcionando como uma nova fonte sonora.

TRANSMISSÃO. Ao ser atingido por uma onda sonora, o obstáculo vibra, funcionando como uma nova fonte sonora. TRANSMISSÃO Ao ser atingido por uma onda sonora, o obstáculo vibra, funcionando como uma nova fonte sonora. PAREDES HOMOGÊNEAS obedecem à LEI DA MASSA : o isolamento sonoro aumenta de db a cada vez que

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação

ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação Ponto 8 Ambientes de Trabalho Prof. Mario S. Ferreira, Maio, 2012 Fatores Ambientais Intervenientes na Relação Tarefa-Atividade Elementos ativos: pessoas e equipamentos

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO CHOUPELO, 833, 1º DTO Localidade VILA NOVA DE GAIA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO CHOUPELO, 833, 1º DTO Localidade VILA NOVA DE GAIA Válido até 11/02/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DO CHOUPELO, 833, 1º DTO Localidade VILA NOVA DE GAIA Freguesia VILA NOVA DE GAIA (SANTA MARINHA) Concelho VILA NOVA DE GAIA GPS 41.070000, -8.360000

Leia mais

ESTRUTURAS ARQUITETÔNICAS E URBANÍSTICAS

ESTRUTURAS ARQUITETÔNICAS E URBANÍSTICAS ESTRUTURAS ARQUITETÔNICAS E URBANÍSTICAS 01. Município: Uberlândia 02. Distrito: Sede 03. Designação: Estabelecimento de Uso Misto Comércio e Residência 04. Endereço: Rua Coronel Antônio Alves, nº 9.151

Leia mais

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR Nº CER CE0000045965837 CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR TIPO DE FRACÇÃO/EDIFÍCIO: EDIFÍCIO DE HABITAÇÃO SEM SISTEMA(S) DE CLIMATIZAÇÃO (NOVO) Morada / Localização Vila

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 CONTROLE DE FUMAÇA PARTE 2 CONCEITOS, DEFINIÇÕES E COMPONENTES DO SISTEMA

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DA QUADRA MULTIFUNCIONAL DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ, BRASIL.

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DA QUADRA MULTIFUNCIONAL DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ, BRASIL. AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DA QUADRA MULTIFUNCIONAL DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ, BRASIL. Adeildo Cabral da Silva, Professor-Pesquisador, Construção Civil, Centro Federal de

Leia mais

CONDOMÍNIO RESIDENCIAL JK. ANEXO II Memorial Descritivo

CONDOMÍNIO RESIDENCIAL JK. ANEXO II Memorial Descritivo CONDOMÍNIO RESIDENCIAL JK ANEXO II Memorial Descritivo 1. DESCRIÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO. O Empreendimento é composto por 01 (um) bloco com 01 (um) elevador e 08 (oito) pavimentos, sendo o 1º pavimento

Leia mais

Soluções para melhoramento do conforto ambiental em Escolas da Rede Municipal de Caruaru.

Soluções para melhoramento do conforto ambiental em Escolas da Rede Municipal de Caruaru. Soluções para melhoramento do conforto ambiental em Escolas da Rede Municipal de Caruaru. Deborah Cristina Alves de Brito - brito.deborah@gmail.com Master em Arquitetura Instituto de Pós-Graduação e Graduação

Leia mais

Análise do conforto térmico e lumínico em uma habitação de interesse social no munícipio de Santa Rosa/RS

Análise do conforto térmico e lumínico em uma habitação de interesse social no munícipio de Santa Rosa/RS Análise do conforto térmico e lumínico em uma habitação de interesse social no munícipio de Santa Rosa/RS Joice Moura da Silva (1), Andressa Steffens (2), Fernanda Andressa Cardoso Jusvick (3), Lucas Carvalho

Leia mais

Avaliação do conforto térmico nas residências convencional e inovadora do Projeto CASA, Unioeste, Campus de Cascavel

Avaliação do conforto térmico nas residências convencional e inovadora do Projeto CASA, Unioeste, Campus de Cascavel Acta Scientiarum http://www.uem.br/acta ISSN printed: 1806-2563 ISSN on-line: 1807-8664 Doi: 10.4025/actascitechnol.v34i1.10875 Avaliação do conforto térmico nas residências convencional e inovadora do

Leia mais

DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS EDIFÍCIOS

DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS EDIFÍCIOS DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS EDIFÍCIOS As soluções para melhorar o desempenho energético dos edifícios têm benefícios para os proprietários e utilizadores dos edifícios. Conforto: o comportamento térmico

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO SEYCHELLES RESIDENCE

MEMORIAL DESCRITIVO SEYCHELLES RESIDENCE MEMORIAL DESCRITIVO SEYCHELLES RESIDENCE Este Memorial Descritivo trata de uma edificação residencial, propriedade de CONSTRUFORTE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA, a ser edificado na Rua Reinaldo Scherner,

Leia mais

MCMV-E CASA SUSTENTÁVEL PROPOSTA DE INTERVENÇÃO ARQUITETÔNICO URBANÍSTICA EM GRANDE ESCALA

MCMV-E CASA SUSTENTÁVEL PROPOSTA DE INTERVENÇÃO ARQUITETÔNICO URBANÍSTICA EM GRANDE ESCALA MCMV-E CASA SUSTENTÁVEL PROPOSTA DE INTERVENÇÃO ARQUITETÔNICO URBANÍSTICA EM GRANDE ESCALA Arq. Mario Fundaro Seminário internacional arquitetura sustentável São Paulo 2014 A CASA SUSTENTÁVEL Conceitos

Leia mais

PROJETO FINAL 2014-2. Alunos: Turma: Sistema de condicionamento de ar central residencial PIC Projeto de Instalações de Condicionamento de Ar

PROJETO FINAL 2014-2. Alunos: Turma: Sistema de condicionamento de ar central residencial PIC Projeto de Instalações de Condicionamento de Ar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA - CAMPUS SÃO JOSÉ Projetos de Instalação de Ar Condicionado

Leia mais

Fugindo do tradicional

Fugindo do tradicional construção Fugindo do tradicional Distante do padrão das casas colonial-americanas que predominam no condomínio, o projeto ganhou linhas diferenciadas e muita iluminação natural, com janelas amplas por

Leia mais

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR Nº CER CE72617225 CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR TIPO DE FRACÇÃO/EDIFÍCIO: EDIFÍCIO DE HABITAÇÃO SEM SISTEMA(S) DE CLIMATIZAÇÃO (EXISTENTE) Morada / Localização Rua

Leia mais

Memorial Descritivo. Prédio: Villa Ravenna Rua São Simão 99

Memorial Descritivo. Prédio: Villa Ravenna Rua São Simão 99 Memorial Descritivo Prédio: Villa Ravenna Rua São Simão 99 1. Descrição do prédio O prédio a ser construído compõe-se de 12 pavimentos, mais reservatório e casa de máquinas, constituído de 36 (trinta e

Leia mais

Pré-Certificado Energético Edifício de Habitação SCE84144829 PROVISÓRIO

Pré-Certificado Energético Edifício de Habitação SCE84144829 PROVISÓRIO Válido até IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DOS ESCUTEIROS,, Localidade RIBAMAR Freguesia RIBAMAR Concelho LOURINHÃ GPS 39.197874, -9.330633 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória do Registo Predial

Leia mais

AVALIAÇÃO DA COBERTURA PARA O CONFORTO TÉRMICO DE UM AMBIENTE ESCOLAR EM CUIABÁ-MT

AVALIAÇÃO DA COBERTURA PARA O CONFORTO TÉRMICO DE UM AMBIENTE ESCOLAR EM CUIABÁ-MT AVALIAÇÃO DA COBERTURA PARA O CONFORTO TÉRMICO DE UM AMBIENTE ESCOLAR EM CUIABÁ-MT Laís Braga Caneppele (1) ; Marta Cristina de Jesus Albuquerque Nogueira (2) ; Luciane Cleonice Durante (2) ; Ivan Júlio

Leia mais

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Diversidade global de climas Motivação! O Clima Fenômeno da atmosfera em si: chuvas, descargas elétricas,

Leia mais

Planta do pavimento térreo

Planta do pavimento térreo Planta do pavimento térreo Cortes e elevações típicos Acesso principal e praça de eventos Permeabildade do projeto com seu entorno Ecosistema interno com bosque de mata nativa Telhados verdes e praça de

Leia mais

CASA CIRURGIÕES Local Botucatu Ano 2011-2014 Escritório FGMF Autoras: Jéssica Lucena e Tamires Cabral

CASA CIRURGIÕES Local Botucatu Ano 2011-2014 Escritório FGMF Autoras: Jéssica Lucena e Tamires Cabral CASA CIRURGIÕES Local Botucatu Ano 2011-2014 Escritório FGMF Autoras: Jéssica Lucena e Tamires Cabral Implantação e partido formal A casa Cirurgiões é uma residência unifamiliar de uso regular projetada

Leia mais

End. Rua Gonçalves Dias, 1075 MEMORIAL DO EMPREENDIMENTO

End. Rua Gonçalves Dias, 1075 MEMORIAL DO EMPREENDIMENTO End. Rua Gonçalves Dias, 1075 MEMORIAL DO EMPREENDIMENTO INFORMAÇÕES GERAIS Endereço do Empreendimento Rua Gonçalves Dias, N 1075 Menino Deus - Porto Alegre RS Composição do Apartamento Tipo 03 Dormitórios

Leia mais

Flamboyant. ADG Incorporadora

Flamboyant. ADG Incorporadora Foto meramente ilustrativa. Foto meramente ilustrativa. PLANTA BAIXA PAV TIPO - APTO. Final 01/04 Planta ilustrada como sugestão de decoração. Os móveis, utensílios e acabamentos, como pisos em dimensões

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 O Sol e a dinâmica da natureza. O Sol e a dinâmica da natureza. Cap. II - Os climas do planeta Tempo e Clima são a mesma coisa ou não? O que

Leia mais

Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO PROJETO

Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO PROJETO Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO PROJETO Arnoldo Wendler Sistema Construtivo 1 Sistema Construtivo 2 Sistema Construtivo Sistema Construtivo 3 Sistema Construtivo Comunidade da Construção DIRETRIZES

Leia mais

Optimização Energética na Reabilitação Onde Investir?

Optimização Energética na Reabilitação Onde Investir? Optimização Energética na Reabilitação Onde Investir? A nova legislação estabelece as seguintes exigências relativamente à envolvente do edifício: Limite máximo dos coeficientes de transmissão térmica

Leia mais