Matemática. Resolução das atividades complementares. M15 Análise Combinatória

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Matemática. Resolução das atividades complementares. M15 Análise Combinatória"

Transcrição

1 Resolução das atividades comlementares Matemática M Análise Combinatória. 8 Lançam-se dois dados simultaneamente: um vermelho e outro branco. a) Quantos e quais são os resultados ossíveis? b) Quais são as somas ossíveis? Quantas são? Sugestão: construa uma tabela de dula entrada. a) Vermelho Branco,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,, Para cada face do dado branco, temos todas as faces do dado vermelho.? resultados b),,,,, 7, 8, 9, 0,, somas ossíveis Mariana gosta de sabores de sorvete: abacai, coco, limão, chocolate e graviola. Quantas ossibilidades ela tem ara escolher duas bolas entre os cincos sabores, sabendo que: a) as duas bolas são do mesmo sabor? b) as duas bolas são de sabores diferentes e não imorta a ordem em que são colocadas na casquinha? 0 c) as duas bolas são de sabores diferentes e imorta a ordem em que são colocadas na casquinha? 0 Sejam A, C, L, Ch e G, resectivamente, abacai, coco, limão, chocolate e graviola. a) A, A; C, C; L, L; Ch, Ch; G, G ossibilidades b) sabores sabores? 0 ossibilidades; orém, se a ordem não imorta, 0 c)? 0 0 ossibilidades.

2 Oito cavalos disutam uma corrida. Quantas são as ossibilidades de chegada ara os rimeiros lugares? Possibilidades: o o o 8 7 PM 8? 7? ossibilidades (UFBA) Numa eleição ara a diretoria de um clube concorrem candidatos a diretor, a vice-diretor, a rimeiro-secretário e a tesoureiro. O número de resultados ossíveis da eleição é: a) c) 7 e) b) d) Pelo rincíio multilicativo, temos: n??? n 7 (UFAL) Quantos números inteiros ositivos divisíveis or, de algarismos distintos, odem ser escritos com os algarismos,,, 7, 9? Se o número é divisível or, deve terminar elo algarismo. Possibilidades: A,?? números Usando-se dos algarismos,,,,, e 7, sem reeti-los, quantos números ares odemos formar? 080 O número, sendo ar, deve terminar em, ou. Possibilidades: Possibilidades: Possibilidades: PM? (??? ) 080 números

3 7 Num rograma transmitido diariamente, uma emissora de rádio toca semre as mesmas 0 músicas, mas nunca na mesma ordem. Quantos séculos, aroimadamente, serão necessários ara esgotar todas as seqüências dessas músicas? 99, PM 0? 9? 8? 7?????? 8800 dias século 00 dias n 99, séculos 00 8 (FGV-SP) As atuais lacas de licenciamento de automóveis constam de sete símbolos, sendo três letras, dentre as do alfabeto, seguidas de quatro algarismos a) Quantas são as lacas distintas, sem o algarismo zero na rimeira osição reservada aos algarismos? b) No conjunto de todas as lacas distintas ossíveis, qual a orcentagem daquelas que têm as duas rimeiras letras iguais?,8% letras algarismos a) Possibilidades: PM??? 9? 0? 0? lacas b) Possibilidades: PM?? 0 O total de lacas, elo PM??? 0?? 0,8%??? 0 9 Simlifique as eressões: a) n n b) ( n ) n (n ) (n ) ( n ) ( n ) a n ( n ) ) n ( n ) n n n n b) ( ) ( ) ( ) n( n ) ( n ) ( n )

4 0 (UFG) Utilizando as notas dó, ré, mi, fá, sol, lá e si, um músico deseja comor uma melodia com notas, de modo que tenha notas consecutivas distintas. Por eemlo: {dó, ré, dó, mi} e {si, ré, mi, fá} são melodias ermitidas, enquanto {ré, ré, dó, mi} não, ois ossui duas notas ré consecutivas. a) Escreva cinco melodias diferentes, de acordo com o critério dado. resosta essoal b) Qual o número de melodias que odem ser comostas nessas condições? b) Possibilidades: 7 7??? melodias (UCSal-BA) Um código ara leitura ótica é constituído or barras, brancas ou retas. Nenhum código tem barras de uma só cor. Veja dois eemlos desses códigos: Quantos desses códigos, distintos entre si, odem ser formados? a) 8 c) e) b) d)????? ; como nenhum código tem barras de uma só cor, n (Vunes-SP) Um turista, em viagem de férias ela Euroa, observou elo maa que, ara ir da cidade A à cidade B, havia três rodovias e duas ferrovias e que, ara ir de B até uma outra cidade, C, havia duas rodovias e duas ferrovias. O número de ercursos diferentes que o turista ode fazer ara ir de A até C, assando ela cidade B e utilizando rodovia e trem obrigatoriamente, mas em qualquer ordem, é: a) 9 c) e) 0 b) 0 d) Como ele deve usar rodovia e ferrovia, se de A ara B ele usar rodovia, de B a C o trajeto deverá ser cumrido or ferrovia. Por outro lado, se de A ara B o turista viajar de ferrovia, ele cumrirá o trecho de B ara C or uma rodovia. Logo, elo rincíio multilicativo: n?? n 0 rodovia ferrovia ferrovia rodovia ( n ) ( n ) Determine o conjunto solução da equação: ( n ) ( n ) ( n ) ( n ) ( n ) ( n ) ( n ) ( n ) n n n n n S { } {}

5 Resolva a equação: ( ). {0, } ( ) ( ) ou 0 S {0, } ( ) Considere a função f ( ). ( ) a) Determine o domínio dessa função. IN* b) Resolva a inequação f () >. {,,, } a) > 0, > 0 e. 0 > D IN* ( ) b) > ( ) ( ) ( ) ( ) > ( ) > 0 < 0 f () 0 9 ( ) ( ) 0 > D IN* S {,,, } ( n ) ( n ) (Fafi-BH) Sabendo que 8n, o valor de n é: n a) c) e) b) d) ( n ) ( n ) ( n ) ( n ) n ( n 8n 8n?? )? n n n ( n ) 8? n n? ( n ) n 8 n n

6 . 7 (Unicruz-RS) Se tenho a eressão A P 8C, o cálculo dessa resultará: a) c) 8 e) b) d) A 8 P C?? 8? A P 8C (UFPR) Dentre todos os números de quatro algarismos distintos formados com algarismos ertencentes ao conjunto {,,,, 7, 8, 9}, quantos são divisíveis or? 0 Para ser divisível or, a reresentação decimal do número deve terminar em, ou 8.? A?,??? 0 números 9 Cinco homens e uma mulher estão em uma sala de esera, onde há aenas um banco de cinco lugares. De quantas maneiras diferentes os homens odem se sentar, nunca deiando em é a mulher? M A,??? 0 Como a mulher ode sentar em qualquer um dos lugares, temos:? 0 00 maneiras Quantos são os números comreendidos entre 000 e 000, comostos or algarismos distintos escolhidos entre,,,,,, 7, 8 e 9? A 8 8, 8? 7? números

7 (UFCE) Considere os números inteiros maiores que 000 que ossuem algarismos, todos distintos, e que não contêm os dígitos e 8. A quantidade desses números é: a) 0 c) 0 e) n.d.a. b) 0 d) 80 Partindo de 000, temos: fiando... A, fiando... A,? A, fiando A, fiando A, Com o mesmo raciocínio, temos, começando or 7: 70, 7, 7, 7, 7, 7, 79 7? A, Idem ara os números que começam or 9: 90, 9, 9, 9, 9, 9, 97 7? A, Assim,? A, 7? A, 7? A, 8? A, 8? 0 Quantos anagramas da alavra PROBLEMA: a) começam com R? 00 b) começam com P e terminam com M? 70 c) começam com vogal? 0 d) terminam com consoante? 00 a) R 7 7????? 00 anagramas b) P M???? 70 anagramas c) O E A? 7 0 anagramas d) P R B L M? 7 00 anagramas

8 (PUC-SP) Formados e colocados em ordem crescente todos os números naturais de quatro algarismos distintos obtidos com os algarismos,, e 7, que lugar ocua o número 7? 8 o Começando com: P? P? P P 7 P ocua o 8 o lugar.. 7 (UFOP-MG) Numa classe de 0 estudantes universitários, um gruo de será selecionado ara uma ecursão. De quantas maneiras o gruo oderá ser formado, se dentre os estudantes eiste um casal que não ode ser searado? 98 Considerando o casal como uma só essoa, temos C 8, gruos com esse casal. C8 C , 8,???? 98 maneiras?? (ITA-SP) Se colocarmos em ordem crescente todos os números de (cinco) algarismos distintos, obtidos com,,, e 7, a osição do número 7 será: a) 7 o c) 80 o e) n.d.a. b) 78 o d) 8 o P P P P P? 7 7 será o 7 o número. (UFSC) Calcule o número de anagramas da alavra CLARA em que as letras AR aarecem juntas e nessa ordem. Considerando AR como se fosse uma letra só, temos: P?? anagramas

9 7 (UFPel-RS) Para realizar um bingo beneficente, uma associação solicitou a confecção de uma série comleta de cartelas com 0 números cada uma, sem reetição, sendo utilizados números de a. Calcule quantas cartelas foram confeccionadas C????, 0 0??? 00 cartelas 8 (Cefet-PR) Um intor disõe de cores diferentes de tinta e ode misturá-las duas a duas, em roorções iguais, ara obter novos tons. O total de novas cores que ossuirá, dessa forma, será igual a: a) c) e) 0 b) 0 d) Seja n o número de novos tons. Então: n C n, n 9 (FGV-SP) Um administrador de um fundo de ações disõe de ações de 0 emresas ara comra, entre elas as da emresa R e as da emresa S. a) De quantas maneiras ele oderá escolher 7 emresas entre as 0? 0 b) Se entre as 7 emresas escolhidas devem figurar obrigatoriamente as emresas R e S, de quantas formas ele oderá escolher as emresas? a) C 0 0? 9? 8 0, 7? 0 maneiras 7? b) C8, 8 8? 7?? formas? 0 (EEM-SP) De quantas maneiras é ossível ordenar livros de Matemática, de Português e de Física, de modo que os livros de uma mesma matéria fiquem semre juntos e, além disso, os de Física fiquem, entre si, semre na mesma ordem? 7 M, P, F?? As coleções odem trocar de osição; daí, temos:? 7 maneiras

10 (UFSC) Um cameonato de futebol de salão é disutado or várias equies, jogando entre si, turno e returno. Sabendo-se que foram jogadas 7 artidas, determine o número de equies articiantes. 7 C n, n n ( n ) ( n ) ( n ) ( n ) n9 7 n n 7 n n 7 0 n (não serve) Portanto, são 7 equies. (UFRJ) Uma artícula desloca-se sobre uma reta, ercorrendo cm ara a esquerda, ou ara a direita, a cada movimento. Calcule de quantas maneiras diferentes a artícula ode realizar uma seqüência de 0 movimentos terminando na osição de artida., P ?????????? (UEL-PR) Em uma floricultura, estão à venda 8 mudas de cravos e mudas de rosas, todas diferentes entre si. Um cliente retende comrar mudas de cravos e de rosas. De quantos modos ele ode selecionar as 7 mudas que quer comrar? 770 8C R C8 C 8 8 7,?,??? 8??? 0? 9? 7 70 modos?? (UFG) Em um triângulo ABC marcam-se dois ontos no lado AB, três no lado AC e quatro no lado BC, distintos dos vértices. O número total de circunferências que assam or três desses ontos será: a) 8 c) e) b) 79 d) 7 A C ,??? 8 B C Porém, no lado AC temos ontos colineares: C,. No lado BC, temos ontos colineares: C,. Assim: 8 79 circunferências. 0

11 (Vunes-SP) O setor de emergência de um hosital conta, ara os lantões noturnos, com ediatras, clínicos gerais e enfermeiros. As equies de lantão deverão ser constituídas or ediatra, clínico geral e enfermeiros. Determine: a) quantos ares distintos de enfermeiros odem ser formados; b) quantas equies de lantão distintas odem ser formadas. a) C??, 0?? b) C,? C,? C,?? (Unicam-SP) De quantas maneiras odem ser escolhidos números naturais distintos, de a 0, de modo que sua soma seja ar? Justifique sua resosta. 00,,,..., 0 Para que a soma de três números seja ar, temos as seguintes ossibilidades: I I P P P P P P Como de a 0 temos números ares e números ímares: C,? C C,?,???? 00 maneiras? 7 (UFV-MG) Para emlacar automóveis, um municíio está autorizado a usar somente as letras A, B, C, D e E e os algarismos,,, e, sendo cada laca constituída de três letras seguidas de quatro algarismos. Quantos automóveis oderão ser emlacados se, em cada laca, as letras não se reetirem e forem ostas em ordem alfabética, e os algarismos uderem ser reetidos livremente? 0 C, 0? 0 automóveis 8 (Unes-SP) Dez raazes, em férias no litoral, estão organizando um torneio de voleibol de raia. Cinco deles são selecionados ara escolher os arceiros e caitanear as cinco equies a serem formadas, cada uma com dois jogadores. a) Nessas condições, quantas ossibilidades de formação de equies eles têm? 0 b) Uma vez formadas as cinco equies, quantas artidas se realizarão, se cada uma das equies deverá enfrentar todas as outras uma única vez? 0 a) PM???? 0 ossibilidades b) C,? 0 artidas

12 9 (UERJ) Uma turma de ós-graduação tem aulas às segundas, quartas e setas, das h 0min às h e das h 0min às 7 h. As matérias são Toologia, Equações Diferenciais e Combinatória, cada uma com duas aulas or semana, em dias diferentes. O número de modos diferentes de fazer o horário dessa turma é: a) 88 c) e) b) 8 d) a feira TE TC ET EC CT CE a feira TC CT CE EC TE ET EC CE EC CE CT TC ET TE TC CT CE EC ET TE CT TC TE ET a feira EC CE EC CE TC CT TC CT EC CE EC CE TE ET TE ET TC CT TC CT EC CE EC CE CT TC CT TC ET TE ET TE TE ET TE ET CE EC CE EC ET TE ET TE CT TC CT TC Logo, há 8 modos diferentes de montar o horário da turma (UFPE-UFRPE) O segredo de um cofre é formado de uma seqüência de quatro dígitos distintos. Se o quarto dígito é o dobro do rimeiro, determine o número N de ossíveis segredos. Indique a soma dos dígitos de N. segredos e soma 8???????? 8 Sendo o o dígito o dobro do rimeiro, temos as quatro ossibilidades e, ara cada uma delas, 8? 7 maneiras diferentes de comletar o segredo; logo, há um total de? segredos diferentes ara as condições solicitadas. A soma dos dígitos de N será: 8. (Unifes-SP) As ermutações das letras da alavra PROVA foram listadas em ordem alfabética, como se fossem alavras de cinco letras em um dicionário. A 7 a alavra nessa lista é: a) PROVA c) RAPOV e) RAOPV b) VAPOR d) ROVAP Listando em ordem alfabética os anagramas da alavra PROVA, teremos: ) Começados com A: P ) Começados com O: P ) Começados com P: P Até aí, seriam 7 ( ) anagramas. O róimo (7 o ) será o rimeiro anagrama começado com R, ou seja, RAOPV.

13 (FGV-SP) De um gruo de 8 essoas, entre elas Antônio e Benedito, deseja-se escolher uma comissão com essoas. O número de comissões que odem ser formadas nas quais Antônio articia e Benedito não é igual a: a) c) 0 e) b) d) 0 C,?????? 0 O número de comissões com essoas de que Antônio articia e Benedito não é 0. (MACK-SP) Uma adaria faz sanduíches, segundo a escolha do cliente, oferecendo tios diferentes de ães e 0 tios diferentes de recheios. Se o cliente ode escolher o tio de ão e, ou recheios diferentes, o número de ossibilidades de comor o sanduíche é: a) c) 7 e) 0 b) 0 d) 7 Para cada uma das três oções do tio de ão, o cliente terá ara escolha do recheio: C 0, C 0, C 0, O número de ossibilidades do cliente ara comosição de seu sanduíche será 7 ossibilidades. (Vunes-SP) Considere todos os números formados or algarismos distintos obtidos ermutando-se, de todas as formas ossíveis, os algarismos,,,, e. a) Determine quantos números é ossível formar (no total) e quantos números se iniciam com o algarismo. 70 e 0, resectivamente. b) Escrevendo-se esses números em ordem crescente, determine qual osição ocua o número e que número ocua a a osição. 8 a e a) Como serão formados números com algarismos distintos, disondo-se de algarismos diferentes, o total ossível de números será P 70. Iniciando com o algarismo, teremos a seta arte dos algarismos formados, ou seja, 0 dos números formados começam com o algarismo. b) Colocando em ordem crescente os números formados, antes de aarecerem os que começam com, teremos os que começam com,, ou, que são:? P? 0 80 números. O menor número começado com é, que será o 8 o número. Começados com e, temos 0 números. O segundo número começado com será, que será o o número a ser formado.

14 (Fatec-SP) Com uma letra A, uma letra C, uma letra E, uma letra F e uma letra T, é ossível formar 0 alavras distintas (anagramas, com ou sem sentido). Colocando-se essas alavras em ordem alfabética, a osição ocuada ela alavra FATEC será a: a) 77 a c) 80 a e) 9 a b) 78 a d) 88 a Iniciando com A, C e E, eistem? P? 7 anagramas. Começadas com F, temos: FACET, FACTE, FAECT, FAETC, FATCE e FATEC, que serão, resectivamente, as 7 a, 7 a, 7 a, 7 a, 77 a e 78 a alavras. FATEC será, ortanto, o 78 o anagrama. (MACK-SP) Um rofessor deve ministrar 0 aulas em dias consecutivos, tendo, ara cada um dos dias, as oções de ministrar, ou 8 aulas. O número de diferentes distribuições ossíveis dessas 0 aulas, nos dias, é: a) 7 c) e) 8 b) d) 0 A distribuição das aulas nos três dias ode ser feita do seguinte modo: (, 8, 8), (,, 8), (, 8, ), (8,, 8), (8, 8, ) e (8,, ), ou seja, as aulas odem ser distribuídas de maneiras diferentes. 7 (IME-RJ) O sistema de segurança de uma casa utiliza um teclado numérico, conforme ilustrado na figura. Um ladrão observa de longe e ercebe que: a senha utilizada ossui dígitos; o rimeiro e o último dígitos encontram-se numa mesma linha; o segundo e o terceiro dígitos encontram-se na linha imediatamente suerior. Calcule o número de senhas que deverão ser eerimentadas elo ladrão ara que com certeza ele consiga entrar na casa Se o rimeiro e o último dígitos encontram-se na mesma linha, concluímos que só 0 são utilizadas duas linhas consecutivas. Desse modo, temos: a) as linhas são a a e a a, ou a a e a a : há? senhas ossíveis. Teclado numérico b) as linhas são a a e a a : há 9 senhas ossíveis. O ladrão deverá eerimentar até 7 ( 9) senhas ara entrar na casa.

15 8 (UFSM-RS) Analise as afirmativas a seguir: I. O número de comissões de três essoas que se ode formar num gruo de cinco essoas é 0. II. Com os dígitos,,, e, odem-se formar números de três algarismos. III. A quantidade de sete bombons iguais ode ser reartida de seis maneiras diferentes, em duas caias idênticas, sem que nenhuma caia fique vazia. Está(ão) correta(s): a) aenas I c) aenas I e III e) I, II e III b) aenas II d) aenas II e III I. (Falsa) C 0,???? 0 II. (Verdadeira)?? ( ) ( o ) ( o ) números de algarismos. III. (Falsa) Sete bombons iguais em duas caias idênticas e nenhuma vazia: e, e ou e. Somente três maneiras diferentes. 9 (UnB-DF) Com dois goleiros que só jogam nessa osição e sete jogadores que não jogam no gol, calcule o número de times de futebol de salão que odem ser formados. 70 Para o gol: ossibilidades. Para a linha: C 7, 7 7??? ossibilidades.??? Total de ossibilidades:? 70 0 (ITA-SP) Considere os números de dois a seis algarismos distintos formados utilizando-se aenas,,,, 7 e 8. Quantos desses números são ímares e começam com um dígito ar? a) 7 c) e) b) d) 8 Considerando que o número comece com um algarismo ar e termine com um ímar, teremos: P I? 9 P I?? P I??? 08 P I???? P I????? Total: números.

16 (UEL-PR) Numa cometição internacional, um aís obteve, no total, dez medalhas dentre as de ouro, rata e bronze. Sabendo-se que esse aís recebeu elo menos uma medalha de ouro, uma de rata e uma de bronze, quantas são as ossibilidades de comosição do quadro de medalhas desse aís? a) 0 c) e) b) 0 d) 0 Considerando que o aís recebeu uma medalha de ouro, uma de rata e uma de bronze, o quadro de medalhas deve conter, ainda, mais sete medalhas. Se nenhuma medalha for de ouro, ara rata e bronze haverá, resectivamente, as seguintes ossibilidades: 0 e 7, e, e, e, e, e, e ou 7 e 0 (8 ossibilidades). Se uma medalha for de ouro, ara rata e bronze haverá, resectivamente: 0 e, e, e, e, e, e ou e 0 (7 ossibilidades). Aumentando uma a uma a quantidade de medalhas de ouro, o número de ossibilidades diminui um a um; logo, o total de ossibilidades será: 8 7 ossibilidades de confecção do quadro de medalhas.. (UERN) A soma S de números binomiais S 0 a) S c) S 8 e) S b) S d) S 0 S S é tal que: 8 Resolva a equação ou 7 9 S {, } {, }

17 (Unifor-CE) A soma das soluções da equação 9 é um número: a) menor que 0 c) quadrado erfeito e) ar b) múltilo de d) cubo erfeito 9 o caso: binomiais iguais o caso: binomiais comlementares 9 ( 9 ) 9 9 Logo, 9, que é múltilo de. n n n Calcule n, sabendo que: n n n n n n 08 n n (PUC-PR) O valor da eressão 0? 0?? 0?? 0? é igual a: a) 0 c) 0 0 e) 0 b) 0 d) 0 8 0? 0?? 0? 0? (0 ) 00 (0 ) (UFAL) Desenvolvendo-se o binômio coeficiente do termo médio? 80 O termo médio é o T : 0 T 0 y ( ) ( ) T 80 y O coeficiente é y 0 ( y ) em ordem crescente das otências de, qual é o 7

18 8 Determine o termo indeendente de no desenvolvimento de 9 9 T 9 ( 0 )? 9 ( ) ( )? O termo indeendente de é o o termo. 9 T ?? 8? T 8 ( ) (UFOP-MG) No desenvolvimento de T ( ) - o termo?? T 0? ( ), calcule a ordem e o coeficiente do termo em. o termo; 0 0 (PUC-RS) Se o terceiro termo no desenvolvimento de (a b) n é? a? b, então o seto termo é: a)? a? b c)? a? b e) 7? a? b b)? a? b d) 7? a? b (a b) n n T a n b? n T a n? b? a? b n n 7 7 7? a b Logo, T 7 7 Fazendo, temos: T?? a b T a? b 8

19 0 T? T 0?? ( ) ( ) ( ) T O seu coeficiente é. 0 ( ), haverá, aós as (EEM-SP) Verifique se, no desenvolvimento do binômio simlificações, um termo em. Em caso ositivo, determine seu coeficiente. sim, 0 0 T ( ) ( ) ( ) 0? Sim, T é o termo em. (UFCE) No desenvolvimento de a de a. 9 T a ( ) ( ) ( ) 0? T a 0 ( ) ( ) a 7 a 9 ( ), 0, o termo indeendente de é 7. Calcule o valor ( ) n (UERJ) Na otência, n é um número natural menor do que 00. Determine o maior valor de n, de modo que o desenvolvimento dessa otência tenha um termo indeendente de. 9 n n T com n, 00 ( ), n T n Termo indeendente de é o que contém 0. Logo, n 0 n n, 00, com 0,,,..., 00, 00,... O maior valor de n é obtido ara. Então, n? n 9. 9

20 (UFBA) No desenvolvimento de ( y) 9, c é o coeficiente do termo no qual os eoentes de e y são iguais. Calcule c T? y ( ) (9 ) y 8 9 T7 y c ???? 8 7 c 7 8? 8 8 (ITA-SP) Sabendo que é de 0 a soma dos coeficientes do olinômio em e y, obtido elo desenvolvimento do binômio ( y) m, temos que o número de arranjos sem reetição de m elementos, tomados a, é: a) 80 c) 70 e) 0 b) 90 d) 00 A soma dos coeficientes do desenvolvimento de ( y) m é dada or ( ) m m. Logo, m 0 m 0 m 0 Então, A m, A 0, 0? 9 90 (Efoa-MG) Se A( ) e B ( ), o termo indeendente de no olinômio P() [A()] [B()] é igual a: a) 0 c) 0 e) 0 b) 0 d) 0 [A()]? [B()] [A()? B()] P( )? P( ) O termo geral do desenvolvimento de P() é dado or: T ( )??? ( ) ( ) T ( ) Nesse caso, o termo indeendente de ocorre ara: 0 Logo: T ( )? T ( )? T 0 ( ) ( ) 0

r 5 200 m b) 1 min 5 60 s s t a 5

r 5 200 m b) 1 min 5 60 s s t a 5 Resolução das atividades comlementares Matemática M Trigonometria no ciclo. 0 Um atleta desloca-se à velocidade constante de 7,8 m/s numa ista circular de raio 00 m. Determine as medidas, em radianos e

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M1 Trigonometria no ciclo. 1 Expresse: p 4 rad. rad em graus. 4 rad 12 p b) 330 em radianos.

Matemática. Resolução das atividades complementares. M1 Trigonometria no ciclo. 1 Expresse: p 4 rad. rad em graus. 4 rad 12 p b) 330 em radianos. Resolução das atividades comlementares Matemática M Trigonometria no ciclo. 7 Eresse: a) em radianos c) em radianos e) rad em graus rad rad b) 0 em radianos d) rad em graus f) rad 0 rad em graus a) 80

Leia mais

XXXIV OLIMPÍADA PAULISTA DE MATEMÁTICA Prova da Fase Final (6 de novembro de 2010) Nível α (6 o e 7 o anos do Ensino Fundamental)

XXXIV OLIMPÍADA PAULISTA DE MATEMÁTICA Prova da Fase Final (6 de novembro de 2010) Nível α (6 o e 7 o anos do Ensino Fundamental) V OLMPÍD PULST D MTMÁTC Prova da Fase Final (6 de novembro de Nível α (6 o e 7 o anos do nsino Fundamental wwwommatbr Folha de Perguntas nstruções: duração da rova é de hmin O temo mínimo de ermanência

Leia mais

Neste pequeno artigo resolveremos o problema 2 da USAMO (USA Mathematical Olympiad) 2005: (x 3 + 1)(x 3 + y) = 147 157 (x 3 + y)(1 + y) = 157 147 z 9

Neste pequeno artigo resolveremos o problema 2 da USAMO (USA Mathematical Olympiad) 2005: (x 3 + 1)(x 3 + y) = 147 157 (x 3 + y)(1 + y) = 157 147 z 9 Ésófatorar... Serámesmo? Neste equeno artigo resolveremos o roblema 2 da USAMO (USA Mathematical Olymiad) 2005: Problema. Prove que o sistema x 6 + x + x y + y = 147 157 x + x y + y 2 + y + z 9 = 157 147

Leia mais

CAPITULO VI. LIMITES E CONTINUIDADE DE FUNÇÕES EM R n

CAPITULO VI. LIMITES E CONTINUIDADE DE FUNÇÕES EM R n CAPITULO VI LIMITES E CONTINUIDADE DE FUNÇÕES EM R n. Generalidades O conceito geral de função e outros associados foram já estudados quando se tratou da teoria dos conjuntos. Foi igualmente estudado com

Leia mais

QUESTÕES DISCURSIVAS ANÁLISE COMBINATÓRIA

QUESTÕES DISCURSIVAS ANÁLISE COMBINATÓRIA QUESTÕES DISCURSIVAS AÁLISE COMBIATÓRIA ) (PUC-SP) O novo sistema de placas de veículos utiliza um grupo de 3 letras(dentre 6 letras ) e um grupo de 4 algarismos (por exemplo: ABC-03). Uma placa dessas

Leia mais

3) Da figura temos: 4) a altura total (h ) do vértice da cúpula até o piso é dada por: 5) Mas f > h e, portanto:

3) Da figura temos: 4) a altura total (h ) do vértice da cúpula até o piso é dada por: 5) Mas f > h e, portanto: Lista de Exercícios de Física II Eselhos Eséricos Pro: Tadeu Turma: Ano do Ensino Médio Data: 08/06/009 ) (ITA) Um objeto linear de altura h está assentado erendicularmente no eixo rincial de um eselho

Leia mais

Análise Combinatória. Prof. Thiago Figueiredo

Análise Combinatória. Prof. Thiago Figueiredo Análise Combinatória Prof. Thiago Figueiredo (Escola Naval) Um tapete de 8 faixas deve ser pintado com cores azul, preta e branca. A quantidade de maneiras que podemos pintar esse tapete de modo que as

Leia mais

PROFMAT - UNIRIO COORDENADOR GLADSON ANTUNES ALUNO JOÃO CARLOS CATALDO ANÁLISE COMBINATÓRIA

PROFMAT - UNIRIO COORDENADOR GLADSON ANTUNES ALUNO JOÃO CARLOS CATALDO ANÁLISE COMBINATÓRIA PROFMAT - UNIRIO COORDENADOR GLADSON ANTUNES ALUNO JOÃO CARLOS CATALDO ANÁLISE COMBINATÓRIA Questão 1: Entre duas cidades A e B existem três empresas de avião e cinco de ônibus. Uma pessoa precisa fazer

Leia mais

Disciplina: Matemática Data da entrega: 18/04/2015.

Disciplina: Matemática Data da entrega: 18/04/2015. Lista de Exercícios - 02 Aluno (a): Nº. Professor: Flávio Turma: 2ª série (ensino médio) Disciplina: Matemática Data da entrega: 18/04/2015. Observação: A lista deverá apresentar capa, enunciados e as

Leia mais

EA072 Prof. Fernando J. Von Zuben DCA/FEEC/Unicamp. Tópico P2.7: Teoria de Jogos 3. EA072 Prof. Fernando J. Von Zuben DCA/FEEC/Unicamp

EA072 Prof. Fernando J. Von Zuben DCA/FEEC/Unicamp. Tópico P2.7: Teoria de Jogos 3. EA072 Prof. Fernando J. Von Zuben DCA/FEEC/Unicamp Teoria de Jogos ntrodução... Exemlo de jogos... 5. Pilha de alitos... 5. Jogo de sinuca (bilhar inglês ou snooker)... 5.3 Duelo... 6.4 Lançamento de novos rodutos no mercado... 6.5 Dilema do risioneiro...

Leia mais

. Determine os valores de P(1) e P(22).

. Determine os valores de P(1) e P(22). Resolução das atividades complementares Matemática M Polinômios p. 68 Considere o polinômio P(x) x x. Determine os valores de P() e P(). x x P() 0; P() P(x) (x x)? x (x ) x x x P()? 0 P() ()? () () 8 Seja

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA -IE TEORIA DOS NÚMEROS. Texto de aula. Professor Rudolf R. Maier

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA -IE TEORIA DOS NÚMEROS. Texto de aula. Professor Rudolf R. Maier UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA -IE TEORIA DOS NÚMEROS Texto de aula Professor Rudolf R Maier Versão atualizada 005 Estas notas são o resultado da exeriência nas aulas do curso do mesmo

Leia mais

Crescimento Econômico, Progresso Técnico e Distribuição de Renda : uma abordagem pluralista

Crescimento Econômico, Progresso Técnico e Distribuição de Renda : uma abordagem pluralista Caítulo 7 O Modelo de Crescimento Harrod-Domar e seus desdobramentos. 7.1 Introdução. A abordagem ós-keynesiana ara o crescimento e distribuição de renda tem sua origem com as contribuições seminais de

Leia mais

Colégio Politécnico da UFSM DPADP0024 : Processamento Digital de Imagens (Prof. Dr. Elódio Sebem)

Colégio Politécnico da UFSM DPADP0024 : Processamento Digital de Imagens (Prof. Dr. Elódio Sebem) Para melhor aroveitamento das informações roduzidas or diferentes sensores, alguns métodos de rocessamento de imagens têm sido roostos. Estes métodos combinam imagens de diferentes características esectrais

Leia mais

-10 0 10 20 30 40 50 60 70 80

-10 0 10 20 30 40 50 60 70 80 . Uma artícula desloca-se sobre uma reta na direção x. No instante t =, s, a artícula encontra-se na osição e no instante t = 6, s encontra-se na osição, como indicadas na figura abaixo. Determine a velocidade

Leia mais

III APRESENTAÇÃO E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS

III APRESENTAÇÃO E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS III APRESENTAÇÃO E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS A aresentação dos resultados advém dos factos observados durante a colheita de dados e do tratamento estatístico. O tratamento dos dados é efectuado através

Leia mais

CAPÍTULO 3 - RETIFICAÇÃO

CAPÍTULO 3 - RETIFICAÇÃO CAPÍTULO 3 - RETFCAÇÃO A maioria dos circuitos eletrônicos recisa de uma tensão cc ara oder trabalhar adequadamente Como a tensão da linha é alternada, a rimeira coisa a ser feita em qualquer equiamento

Leia mais

MATEMÁTICA COMBINATÓRIA: INTRODUÇÃO

MATEMÁTICA COMBINATÓRIA: INTRODUÇÃO INSTITUTO DE APLICAÇÃO FERNANDO RODRIGUES DA SILVEIRA 2ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO Prof. Ilydio Pereira de Sá www.magiadamatematica.com MATEMÁTICA COMBINATÓRIA: INTRODUÇÃO Princípio Fundamental da Contagem

Leia mais

MATEMÁTICA NÚMEROS COMPLEXOS. d) 2 e) 3

MATEMÁTICA NÚMEROS COMPLEXOS. d) 2 e) 3 MATEMÁTICA NÚMEROS COMPLEXOS 1. U. Católica Dom Bosco-MS O valor do número real x para que o conjugado do número complexo (x + i)(1 + xi) seja igual a i é: a) b) 1 c) 1 d) e) 1. UFCE Considere o número

Leia mais

3.1 Cálculo de Limites

3.1 Cálculo de Limites 3. Cálculo de Limites EXERCÍCIOS & COMPLEMENTOS 3. FORMAS INDETERMINADAS 0 0 0 0 OPERAÇÕES COM OS SÍMBOLOS + = = ( ) = k = ; se k > 0 k = ; se k < 0 ( ) ( ) = k = ; se k > 0 = ; se > 0 = 0; se < 0 k =

Leia mais

Modelo Fuzzy de tomada de decisão para avaliação de projetos de Responsabilidade Socioambiental (RSA)

Modelo Fuzzy de tomada de decisão para avaliação de projetos de Responsabilidade Socioambiental (RSA) Modelo uzzy de tomada de decisão ara avaliação de rojetos de Resonsabilidade Socioambiental (RSA) Katia Cristina Garcia Laboratório Interdiscilinar de Meio Ambiente - COPPE/URJ Centro de Tecnologia, Bloco

Leia mais

Colégio Adventista Portão EIEFM MATEMÁTICA Análise Combinatória 2º Ano APROFUNDAMENTO/REFORÇO

Colégio Adventista Portão EIEFM MATEMÁTICA Análise Combinatória 2º Ano APROFUNDAMENTO/REFORÇO Colégio Adventista Portão EIEFM MATEMÁTICA Análise Combinatória 2º Ano APROFUNDAMENTO/REFORÇO Professor: Hermes Jardim Disciplina: Matemática Lista 5 3º Bimestre/2013 Aluno(a): Número: Turma: 1) Resolva

Leia mais

d) 4 032 e) 5 760 a) 1 5 b) 2 5 c) 3 4 d) 1 4 e) 1 2

d) 4 032 e) 5 760 a) 1 5 b) 2 5 c) 3 4 d) 1 4 e) 1 2 Permutação d) 4 032 e) 5 760 1. (Upe 2013) Seguindo a etiqueta japonesa, um restaurante tipicamente oriental solicita aos seus clientes que retirem seus calçados na entrada do estabelecimento. Em certa

Leia mais

Exercícios Análise Combinatória

Exercícios Análise Combinatória Exercícios Análise Combinatória 1. (Uemg 2014) Na Copa das Confederações de 2013, no Brasil, onde a seleção brasileira foi campeã, o técnico Luiz Felipe Scolari tinha à sua disposição 23 jogadores de várias

Leia mais

P(seleção de um elemento baixo) = p P(seleção de um elemento médio) = p. P(seleção de um elemento alto) = p

P(seleção de um elemento baixo) = p P(seleção de um elemento médio) = p. P(seleção de um elemento alto) = p . A Distribuição Multinomial - Teste Qui-Quadrado. Inferência Estatística Uma imortante generalização da rova de Bernoulli (), é a chamada rova multinomial. Uma rova de Bernoulli () ode roduzir dois resultados

Leia mais

Projeto Rumo ao ITA Exercícios estilo IME

Projeto Rumo ao ITA Exercícios estilo IME Exercícios estilo IME PROGRAMA IME ESPECIAL ANÁLISE COMBINATÓRIA PROF. PAULO ROBERTO 01. Em um baile há seis rapazes e dez moças. Quantos pares podem ser formados para a dança: a) sem restrição; b) se

Leia mais

Física B Semiextensivo V. 1

Física B Semiextensivo V. 1 Física Semiextensivo V. Exercícios 0) D luz é uma onda eletromagnética, ois se roaga em todos os meios, inclusive no vácuo. 0) x V. t x 3. 0 8. 3.. 0 7 x 9,6. 0 5 m 03) C I. Falsa. É transarente. II. Falsa.

Leia mais

Matemática 8. Capítulo 1. 01. UFC-CE Na fi gura a seguir, o triângulo ABC é retângulo em B. O co-seno do ângulo BAC é:

Matemática 8. Capítulo 1. 01. UFC-CE Na fi gura a seguir, o triângulo ABC é retângulo em B. O co-seno do ângulo BAC é: Matemática 8 Trigonometria Caítulo 1 01. UFC-CE Na fi gura a seguir, o triângulo ABC é retângulo em B. O co-seno do ângulo BAC é: 0. UFAM Se um cateto e a hiotenusa de um triângulo retângulo medem a e

Leia mais

Geometria Plana. Exercı cios Objetivos. (a) 2. (b) 1. (c) 2. Dado: 11 3, 32

Geometria Plana. Exercı cios Objetivos. (a) 2. (b) 1. (c) 2. Dado: 11 3, 32 Exercı cios Objetivos 1. (009/1) Paulo e Marta esta o brincando de jogar dardos. O alvo e um disco circular de centro O. Paulo joga um dardo, que atinge o alvo num onto, que vamos denotar or P; em seguida,

Leia mais

Física. Resolução das atividades complementares. F12 Eletrodinâmica

Física. Resolução das atividades complementares. F12 Eletrodinâmica esolução das atividades comlementares Física F Eletrodinâmica. 7 (FS) m fio condutor é ercorrido or uma corrente elétrica constante de 0,5. alcule, em coulombs, a carga que atravessa uma secção reta do

Leia mais

Probabilidade parte 2. Robério Satyro

Probabilidade parte 2. Robério Satyro Probabilidade arte Robério Satyro Definição de robabilidade Vamos analisar o fenômeno aleatório lançamento de uma moeda erfeita. Nesse caso, temos: = {C, C} () = Os subconjuntos de são, {C}, { C} e {C,

Leia mais

Modelagem Conceitual parte II

Modelagem Conceitual parte II Modelagem Conceitual arte II Vitor Valerio de Souza Camos Objetivos Aresentar o conceito de. Mostrar a cardinalidade de. Aresentar os tios de s. Aresentar o conceito de entidade fraca Aresentar o conceito

Leia mais

Lista 1. Sistema cartesiano ortogonal. 1. Observe a figura e determine os pontos, ou seja, dê suas coordenadas: a) A b) B c) C d) D e) E

Lista 1. Sistema cartesiano ortogonal. 1. Observe a figura e determine os pontos, ou seja, dê suas coordenadas: a) A b) B c) C d) D e) E Sistema cartesiano ortogonal Lista. Observe a figura e determine os pontos, ou seja, dê suas coordenadas: a) A b) B c) C d) D e) E. Marque num sistema de coordenadas cartesianas ortogonais os pontos: a)

Leia mais

PRINCÍPIO FUNDAMENTAL DA CONTAGEM, PERMUTAÇÕES, ARRANJOS E COMBINATÓRIA

PRINCÍPIO FUNDAMENTAL DA CONTAGEM, PERMUTAÇÕES, ARRANJOS E COMBINATÓRIA MATEMÁTICA PRINCÍPIO FUNDAMENTAL DA CONTAGEM, PERMUTAÇÕES, ARRANJOS E COMBINATÓRIA 1 1. UFMS Sendo A n,3 = 3(n 1), então, n é: a) 3 ou 1 b) 1 ou 3 c) 3 d) 1 e) 3 ou 1 2. UFBA Com base nos conhecimentos

Leia mais

Elasticidade - Demanda e Preço

Elasticidade - Demanda e Preço José Lásaro Cotta Elasticidade - Demanda e Preço Monografia aresentada ao Curso de Esecialização em Matemática Para Professores, elaborado elo Deartamento de Matemática da Universidade Federal de Minas

Leia mais

COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO ACADÊMICO DOS INGRESSANTES EM GEOGRAFIA PELO VESTIBULAR E PELO PAIES

COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO ACADÊMICO DOS INGRESSANTES EM GEOGRAFIA PELO VESTIBULAR E PELO PAIES COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO ACADÊMICO DOS INGRESSANTES EM GEOGRAFIA PELO VESTIBULAR E PELO PAIES Sylio Luiz Andreozzi 1 Fláia Aarecida Vieira de Araújo 2 Introdução As uniersidades úblicas brasileiras determinam

Leia mais

ANÁLISE COMBINATÓRIA - ITA. Princípios Fundamentais

ANÁLISE COMBINATÓRIA - ITA. Princípios Fundamentais ANÁLISE COMBINATÓRIA - ITA Princípios Fundamentais...Pag.01 Permutações..Pag.04 Combinações.Pag.07 Permutações com Repetição...Pag.11 Princípios Fundamentais 01. Determine o número de maneiras de um professor

Leia mais

c) Repita as alíneas (a) e (b), admitindo que o investidor pretende agora obter um rendimento esperado de 12%.

c) Repita as alíneas (a) e (b), admitindo que o investidor pretende agora obter um rendimento esperado de 12%. Casos Práticos Caso 3.1 Considere as seguintes inormações relativas a duas acções: cção cção Rendibilidade eserada 15% 10% Desvio adrão da rentabilidade eserada 1% 8% Valor de cotação EUR10 EUR15 Coeiciente

Leia mais

Nome: Calcule a probabilidade de que os dois alunos sorteados falem Inglês e. Análise Quantitativa e Lógica Discursiva - Prova B

Nome: Calcule a probabilidade de que os dois alunos sorteados falem Inglês e. Análise Quantitativa e Lógica Discursiva - Prova B 1. Uma escola irá sortear duas pessoas dentre os seus 20 melhores alunos para representá-la em um encontro de estudantes no Canadá, país que possui dois idiomas oficiais, Inglês e Francês. Sabe-se que,

Leia mais

EXERCÍCIOS - ANÁLISE COMBINATÓRIA

EXERCÍCIOS - ANÁLISE COMBINATÓRIA EXERCÍCIOS - ANÁLISE COMBINATÓRIA CONTAGEM 1) A cantina do meu colégio vende 4 tipos de salgados e 5 marcas de refrigerantes. De quantas formas distintas posso escolher meu lanche (um salgado e um refrigerante)?

Leia mais

Colégio Adventista Portão EIEFM MATEMÁTICA Funções 1º Ano APROFUNDAMENTO/REFORÇO

Colégio Adventista Portão EIEFM MATEMÁTICA Funções 1º Ano APROFUNDAMENTO/REFORÇO Colégio Adventista Portão EIEFM MATEMÁTICA Funções º Ano APROFUNDAMENTO/REFORÇO Professor: Hermes Jardim Disciplina: Matemática Lista º Bimestre/0 Aluno(a): Número: Turma: ) Na função f : R R, com f()

Leia mais

2. MÓDULO DE UM NÚMERO REAL

2. MÓDULO DE UM NÚMERO REAL 18 2. MÓDULO DE UM NÚMERO REAL como segue: Dado R, definimos o módulo (ou valor absoluto) de, e indicamos por,, se 0 =, se < 0. Interpretação Geométrica O valor absoluto de um número é, na reta, a distância

Leia mais

Exercícios de Análise Combinatória ano: 2013

Exercícios de Análise Combinatória ano: 2013 Página1 Exercícios de Análise Combinatória ano: 2013 1. (Pucrj) Em uma sorveteria há sorvetes nos sabores morango, chocolate, creme e flocos. De quantas maneiras podemos montar uma casquinha com duas bolas

Leia mais

NOTAS DE AULA: LÓGICA, INDUÇÃO E INICIAÇÃO MATEMÁTICA

NOTAS DE AULA: LÓGICA, INDUÇÃO E INICIAÇÃO MATEMÁTICA NOTAS DE AULA: LÓGICA, INDUÇÃO E INICIAÇÃO MATEMÁTICA André Luiz Galdino Notas de Aula: Lógica, Indução e Iniciação Matemática 3 SUMÁRIO 3 1 Noções de Análise Combinatória 4 11 Princípio da Regra da Soma

Leia mais

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - ACUMULATIVA - 2º TRIMESTRE TIPO A

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - ACUMULATIVA - 2º TRIMESTRE TIPO A PROA DE FÍSICA º ANO - ACUMULATIA - º TRIMESTRE TIPO A 0) Considere as seguintes roosições referentes a um gás erfeito. I. Na transformação isotérmica, o roduto. é roorcional à temeratura do gás. II. Na

Leia mais

UFRGS 2005 - MATEMÁTICA. 01) Considere as desigualdades abaixo. 2 2 3 3. 1 1 3 3. III) 3 2. II) Quais são verdadeiras?

UFRGS 2005 - MATEMÁTICA. 01) Considere as desigualdades abaixo. 2 2 3 3. 1 1 3 3. III) 3 2. II) Quais são verdadeiras? UFRGS 005 - MATEMÁTICA 0) Considere as desigualdades abaixo. I) 000 3000 3. II) 3 3. III) 3 3. Quais são verdadeiras? a) Apenas I. b) Apenas II. Apenas I e II. d) Apenas I e III e) Apenas II e III 0) Observe

Leia mais

01 - (PUC RJ) O campeonato brasileiro tem, em sua primeira fase, 28 times que jogam todos entre si. Nesta primeira etapa, o número de jogos é de:

01 - (PUC RJ) O campeonato brasileiro tem, em sua primeira fase, 28 times que jogam todos entre si. Nesta primeira etapa, o número de jogos é de: 01 - (PUC RJ) O campeonato brasileiro tem, em sua primeira fase, 28 times que jogam todos entre si. Nesta primeira etapa, o número de jogos é de: a) 376 b) 378 c) 380 d) 388 e) 396 02 - (MACK SP) Um juiz

Leia mais

EXERCÍCIOS. 02) (UFBA) Com os dígitos 1, 2, 3, 4, 6, e 8, quantos números naturais ímpares podem-se formar com três algarismos distintos cada um?

EXERCÍCIOS. 02) (UFBA) Com os dígitos 1, 2, 3, 4, 6, e 8, quantos números naturais ímpares podem-se formar com três algarismos distintos cada um? EXERCÍCIOS 0) Considerando os algarismos,,,, 5, 6, 7 e 8, responda: a) Quantos números de quatro algarismos podemos formar? b) Quantos números pares de quatro algarismos podemos formar? c) Quantos números

Leia mais

Prova TRE/RJ 2012. Ao iniciar uma sessão plenária na câmara municipal de uma pequena cidade, apenas

Prova TRE/RJ 2012. Ao iniciar uma sessão plenária na câmara municipal de uma pequena cidade, apenas Prova TRE/RJ 202 Ao iniciar ua sessão lenária na câara unicial de ua equena cidade, aenas destinados aos vereadores fora ocuados o a chegada do vereador eron, a ficar ocuados Nessa situação hiotética,

Leia mais

Uma análise aplicada de decisão com opção de venda utilizando cadeias de Markov

Uma análise aplicada de decisão com opção de venda utilizando cadeias de Markov UMA ANÁLISE APLICADA DE DECISÃO COM OPÇÃO DE VENDA UTILIZANDO CADEIAS DE MARKOV JOSÉ CÉSAR CRUZ JÚNIOR; RICARDO MENDONÇA FONSECA; LUIZ FERNANDO OHARA KAMOGAWA; ESALQ/USP PIRACICABA - SP - BRASIL cesarcruzjr@hotmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS UFGD FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS FACET WILHELM DOS SANTOS PAES

UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS UFGD FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS FACET WILHELM DOS SANTOS PAES UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS UFGD FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS FACET WILHELM DOS SANTOS PAES CRIPTOGRAFIA EM BLOCOS: UM ENFOQUE EM SUA APLICAÇÃO NO ENSINO DE MATRIZES DISSERTAÇÃO

Leia mais

Colégio Adventista Portão EIEFM MATEMÁTICA Funções Composta e Inversa APROFUNDAMENTO/REFORÇO 1º Ano. Aluno(a): Número: Turma:

Colégio Adventista Portão EIEFM MATEMÁTICA Funções Composta e Inversa APROFUNDAMENTO/REFORÇO 1º Ano. Aluno(a): Número: Turma: Colégio Adventista Portão EIEFM MATEMÁTICA Funções Composta e Inversa APROFUNDAMENTO/REFORÇO º Ano Professor: Hermes Jardim Disciplina: Matemática Lista º Bimestre/0 Aluno(a): Número: Turma: ) Sendo f()

Leia mais

MATEMÁTICA. 01. Considere a função f, com domínio e contradomínio o conjunto dos números

MATEMÁTICA. 01. Considere a função f, com domínio e contradomínio o conjunto dos números MATEMÁTICA 01. Considere a função f, com domínio e contradomínio o conjunto dos números reais, dada por f(x) = 3 cos x sen x, que tem parte de seu gráfico esboçado a seguir. Analise a veracidade das afirmações

Leia mais

FINANCEIRA. Reginaldo J. Santos. Universidade Federal de Minas Gerais http://www.mat.ufmg.br/~regi Agosto de 2005. 10 de abril de 2009

FINANCEIRA. Reginaldo J. Santos. Universidade Federal de Minas Gerais http://www.mat.ufmg.br/~regi Agosto de 2005. 10 de abril de 2009 INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA Reginaldo J. Santos Deartamento de Matemática-ICEx Universidade Federal de Minas Gerais htt://www.mat.ufmg.br/~regi Agosto de 2005 última atualização em 10 de abril de

Leia mais

Princípio Fundamental da Contagem

Princípio Fundamental da Contagem Princípio Fundamental da Contagem 1. (Uem 2013) Seja A o seguinte conjunto de números naturais: A {1, 2, 4, 6, 8}. Assinale o que for correto. 01) Podem ser formados exatamente 24 números ímpares com 4

Leia mais

MATEMÁTICA Geometria Analítica 3º Ano APROFUNDAMENTO/REFORÇO. Aluno(a): Número: Turma:

MATEMÁTICA Geometria Analítica 3º Ano APROFUNDAMENTO/REFORÇO. Aluno(a): Número: Turma: Colégio Adventista Portão EIEFM MATEMÁTICA Geometria Analítica 3º Ano APROFUNDAMENTO/REFORÇO Professor: Hermes Jardim Disciplina: Matemática Lista 1 1º Bimestre/013 Aluno(a): Número: Turma: 1) Determine

Leia mais

Existe, mas não sei exibir!

Existe, mas não sei exibir! Existe, mas não sei exibir! Você já teve aquela sensação do tipo ei, isso deve existir, mas não sei exibir um exemplo quando resolvia algum problema? O fato é que alguns problemas existenciais são resolvidos

Leia mais

Aula 16. Integra»c~ao por partes

Aula 16. Integra»c~ao por partes Aula 16 Integra»c~ao or artes H a essencialmente dois m etodos emregados no c alculo de integrais inde nidas (rimitivas) de fun»c~oes elementares. Um deles e a integra»c~ao or substitui»c~ao, elorada na

Leia mais

APOSTILA 2015 MATEMÁTICA PROFESSOR: DENYS YOSHIDA MATEMÁTICA - 3º ANO ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2015 1

APOSTILA 2015 MATEMÁTICA PROFESSOR: DENYS YOSHIDA MATEMÁTICA - 3º ANO ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2015 1 APOSTILA 015 MATEMÁTICA PROFESSOR: DENYS YOSHIDA MATEMÁTICA - 3º ANO ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 015 1 Sumário 1.Análise combinatória...4 1.1 Princípio Fundamental da Contagem...4 1. Fatorial...6 1.3 Permutações

Leia mais

CAPÍTULO 03 ANÁLISE COMBINATÓRIA

CAPÍTULO 03 ANÁLISE COMBINATÓRIA CPÍTULO 0 NÁLISE COMBINTÓRI 1. PRINCÍPIO FUNDMENTL D CONTGEM nálise Combinatória é a parte da Matemática que, dotada de técnicas de contagem, pretende responder à pergunta: De quantas formas é possível

Leia mais

Projeto de Trabalho de Conclusão de Curso

Projeto de Trabalho de Conclusão de Curso MARCELO RIBEIRO DA LUZ MARCOS KUFNER Projeto de Trabalho de Conclusão de Curso Trabalho aresentado ara a discilina de Laboratório de Estatística II do curso de graduação em Estatística da Universidade

Leia mais

RECUPERAÇÃO PARALELA UNIDADE II LISTA DE EXERCÍCIOS

RECUPERAÇÃO PARALELA UNIDADE II LISTA DE EXERCÍCIOS Aluno(a) Turma N o Série 5 a Ensino Fundamental Data / / 06 Matéria Matemática Professora Ynez RECUPERAÇÃO PARALELA UNIDADE II LISTA DE EXERCÍCIOS 01. Observe o quadro ao lado e responda: 75 67 83 105

Leia mais

CURSO ANUAL DE MATEMÁTICA REVISÃO ENEM RETA FINAL

CURSO ANUAL DE MATEMÁTICA REVISÃO ENEM RETA FINAL CURSO ANUAL DE MATEMÁTICA REVISÃO ENEM RETA FINAL Tenho certeza que você se dedicou ao máximo esse ano, galerinha! Sangue no olho, muita garra nessa reta final! Essa vaga é de vocês! Forte abraço prof

Leia mais

1) Na figura abaixo, a reta r tem equação x+3y-6=0 e a reta s passa pela origem e tem coeficiente angular 3

1) Na figura abaixo, a reta r tem equação x+3y-6=0 e a reta s passa pela origem e tem coeficiente angular 3 ) Na figura abaixo, a reta r tem equação x+y-6=0 e a reta s passa pela origem e tem coeficiente angular. A área do triângulo OAB, em unidades de área, é igual a: a) b) c) d)4 (correta) e)5 O(0,0) 0 6 0

Leia mais

Função Quadrática Função do 2º Grau

Função Quadrática Função do 2º Grau Colégio Adventista Portão EIEFM MATEMÁTICA Função Quadrática 1º Ano APROFUNDAMENTO/REFORÇO Professor: Hermes Jardim Disciplina: Matemática Lista 5 º Bimestre/13 Aluno(a): Número: Turma: Função Quadrática

Leia mais

MICROECONOMIA II (2010-11) João Correia da Silva (joao@fep.up.pt) 11-04-2011

MICROECONOMIA II (2010-11) João Correia da Silva (joao@fep.up.pt) 11-04-2011 MICROECONOMIA II E08 00- -04-0 João Correia da Silva joao@fe.u.t . Estruturas de Mercado.. Concorrência Perfeita... Monoólio. MONOPÓLIO O Monoólio é uma estrutura de mercado na ual:. Existe aenas emresa

Leia mais

Protocolo Internacional Harmonizado para ensaios de proficiência de laboratórios analíticos (químicos)

Protocolo Internacional Harmonizado para ensaios de proficiência de laboratórios analíticos (químicos) Protocolo Internacional Harmonizado ara ensaios de roficiência de laboratórios analíticos (químicos) (Relatório Técnico IUPAC) Resumo: As organizações internacionais de normalização AOAC International,

Leia mais

RELATÓRIO DE CONSULTORIA

RELATÓRIO DE CONSULTORIA Recomendação ao Sr. Silva RELATÓRIO DE CONSULTORIA CONSTITUIÇÃO DO ÍNDICE PSI0 ALTRI SGPS, S.A. BCP Banco Comercial Português, S.A. BES Banco Esírito Santo, S.A. BPI Banco Português de Investimento, S.A.

Leia mais

Pré-Seleção OBM Nível 3

Pré-Seleção OBM Nível 3 Aluno (a) Pré-Seleção OBM Nível 3 Questão 1. Hoje é sábado. Que dia da semana será daqui a 99 dias? a) segunda-feira b) sábado c) domingo d) sexta-feira e) quinta feira Uma semana tem 7 dias. Assim, se

Leia mais

Exercícios de Matemática Análise Combinatória - Princípio Fundamental da Contagem

Exercícios de Matemática Análise Combinatória - Princípio Fundamental da Contagem Exercícios de Matemática Análise Combinatória - Princípio Fundamental da Contagem 1. (Fuvest 2004) Três empresas devem ser contratadas para realizar quatro trabalhos distintos em um condomínio. Cada trabalho

Leia mais

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU FUNÇÃO IDENTIDADE... FUNÇÃO LINEAR... FUNÇÃO AFIM... GRÁFICO DA FUNÇÃO DO º GRAU... IMAGEM... COEFICIENTES DA FUNÇÃO AFIM... ZERO DA FUNÇÃO AFIM... 8 FUNÇÕES CRESCENTES OU DECRESCENTES... 9 SINAL DE UMA

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA Camus de Ilha Solteira PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA Análise da Relação entre o Faturamento do Consumo de Energia Elétrica e Demanda de Potência Ativa e Reativa Utilizando Hierbolóides

Leia mais

QUESTÃO 1 ALTERNATIVA D

QUESTÃO 1 ALTERNATIVA D OBMEP 015 Nível 3 1 QUESTÃO 1 Como,5 = 5 x 0,5, o tempo que o frango deve ficar no forno é 5 x 1 = 60 minutos. Logo, Paula deve colocar o frango no forno às 19 h, mas 15 minutos antes deve acender o forno.

Leia mais

, podemos afirmar que:

, podemos afirmar que: PROOFMATH WWW.PROOFMATH.WORDPRESS.COM MAIS UM BLOG DE MATEMÁTICA FOLHA DE TRABALHO º ANO DE ESCOLARIDADE PREPARAR EXAME NACIONAL. Considere as seguintes sucessões a n, b n Sendo a lim an, b limbn e c lim

Leia mais

Função Afim Função do 1º Grau

Função Afim Função do 1º Grau Colégio Adventista Portão EIEFM MATEMÁTICA Função Afim 1º Ano APROFUNDAMENTO/REFORÇO Professor: Hermes Jardim Disciplina: Matemática Lista 4 1º Bimestre/01 Aluno(: Número: Turma: Função Afim Função do

Leia mais

ROGÉRIO S. COSTA, RODRIGO S. TEIXEIRA, DARIZON A. DE ANDRADE, AUGUSTO A. FLEURY

ROGÉRIO S. COSTA, RODRIGO S. TEIXEIRA, DARIZON A. DE ANDRADE, AUGUSTO A. FLEURY MOTOR A RELUTÂNCIA CHAVEADO MONOFÁSICO ROGÉRIO S COSTA, RODRIGO S TEIXEIRA, DARIZON A DE ANDRADE, AUGUSTO A FLEURY Laboratório de Acionamentos Elétricos, Deartamento de Engenharia Elétrica, Universidade

Leia mais

Combinação. Calcule o número de mensagens distintas que esse sistema pode emitir.

Combinação. Calcule o número de mensagens distintas que esse sistema pode emitir. Combinação 1. (Uerj 2013) Um sistema luminoso, constituído de oito módulos idênticos, foi montado para emitir mensagens em código. Cada módulo possui três lâmpadas de cores diferentes vermelha, amarela

Leia mais

ITA - 2005 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

ITA - 2005 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR ITA - 2005 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Matemática Questão 01 Considere os conjuntos S = {0,2,4,6}, T = {1,3,5} e U = {0,1} e as afirmações: I. {0} S e S U. II. {2} S\U e S T U={0,1}.

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M16 Probabilidade

Matemática. Resolução das atividades complementares. M16 Probabilidade Resolução das atividades complementares Matemática M Probabilidade p. 7 (FGV-SP) Uma urna contém quinze bolinhas numeradas de a. a) Se uma bolinha for sorteada, qual a probabilidade de que o número observado

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 2009 1 a Fase Professora Maria Antônia Gouveia.

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 2009 1 a Fase Professora Maria Antônia Gouveia. RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 009 1 a Fase Professora Maria Antônia Gouveia. QUESTÕES de 01 a 08 INSTRUÇÃO: Assinale as proposições verdadeiras, some os números a elas associados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA CURSO: LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: PROGRAMAÇÃO PARALELA E DISTRIBUÍDA PROFESSOR: JONES OLIVEIRA ALUNO: JONAS FRANCISCO

Leia mais

Revisão e Dicas de Projeto Conceitual Modelo ER

Revisão e Dicas de Projeto Conceitual Modelo ER Revisão e Dicas de Projeto Conceitual Modelo ER Modelo definido or Peter Chen em 1976 modelo sofreu diversas extensões e notações ao longo do temo Padrão ara modelagem conceitual de BD modelo simles oucos

Leia mais

CURSO ONLINE RACIOCÍNIO LÓGICO. AULA ONZE: Análise Combinatória (Parte II)

CURSO ONLINE RACIOCÍNIO LÓGICO. AULA ONZE: Análise Combinatória (Parte II) 1 AULA ONZE: Análise Combinatória (Parte II) Olá, amigos! Tudo bem com vocês? Esta é nossa décima primeira aula, e ainda sequer chegamos à metade de nosso curso! Longo é o caminho do Raciocínio Lógico...

Leia mais

Exemplos de Problemas Aplicando o Princípio Fundamental da Contagem. Professor: Flávio dos Reis Moura Skype; mineironegrogalo75

Exemplos de Problemas Aplicando o Princípio Fundamental da Contagem. Professor: Flávio dos Reis Moura Skype; mineironegrogalo75 Exemplos de Problemas Aplicando o Princípio Fundamental da Contagem Professor: Flávio dos Reis Moura Skype; mineironegrogalo75 Este material tem por objetivo ajudar o aluno a aplicar o Princípio Fundamental

Leia mais

www.exatas.clic3.net

www.exatas.clic3.net www.exatas.clic.net 8)5*6±0$7(0È7,&$± (67$59$6(5 87,/,=$'66 6(*8,7(66Ì0%/6(6,*,),&$'6 i: unidade imaginária número complexo : a +bi; a, b números reais log x: logaritmo de x na base 0 cos x: cosseno de

Leia mais

ANÁLISE COMBINATÓRIA. 9 9 8 7 4536 números, já que os algarismos PRÍNCIPIO FUNDAMENTAL DA CONTAGEM

ANÁLISE COMBINATÓRIA. 9 9 8 7 4536 números, já que os algarismos PRÍNCIPIO FUNDAMENTAL DA CONTAGEM 1 ANÁLISE COMBINATÓRIA Considere os dois problemas abaixo: Em uma corrida envolvendo quatro corredores, quantas são as possibilidades de pódio? Para cada possível 1º lugar, existem três possíveis 2ºs lugares

Leia mais

instituto politécnico do porto instituto superior de contabilidade e administração micro economia compêndio curso de contabilidade e administração

instituto politécnico do porto instituto superior de contabilidade e administração micro economia compêndio curso de contabilidade e administração instituto suerior de contabilidade e administração instituto olitécnico do orto micro economia I comêndio curso de contabilidade e administração MICROECONOMIA II 1. Tecnologia da rodução... 3 1.1. Função

Leia mais

Teoria das Probabilidades

Teoria das Probabilidades Teoria das Probabilidades Qual a probabilidade de eu passar no vestibular? Leandro Augusto Ferreira Centro de Divulgação Científica e Cultural Universidade de São Paulo São Carlos - Abril / 2009 Sumário

Leia mais

1º LISTÃO QUINZENAL DE MATEMÁTICA MAIO/2011 2º ANO PARTE 1 SISTEMAS LINEARES

1º LISTÃO QUINZENAL DE MATEMÁTICA MAIO/2011 2º ANO PARTE 1 SISTEMAS LINEARES º LISTÃO QUINZENAL DE MATEMÁTICA MAIO/0 º ANO PARTE SISTEMAS LINEARES 0. (FGV/SP) Resolvendo o sistema abaixo, obtém-se para z o valor: x + y + z = 0 x y z = 6y + z = a) - b) - c) 0 d) e) 0. (Mack-007)

Leia mais

(A) (B) (C) (D) (E) RESPOSTA: (A)

(A) (B) (C) (D) (E) RESPOSTA: (A) 1. Assinale, dentre as regiões a seguir, pintadas de cinza, aquela que é formada pelos pontos do quadrado cuja distância a qualquer um dos vértices não é maior do que o comprimento do lado do quadrado.

Leia mais

Contagem I. Figura 1: Abrindo uma Porta.

Contagem I. Figura 1: Abrindo uma Porta. Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Combinatória - Nível 2 Prof. Bruno Holanda Aula 4 Contagem I De quantos modos podemos nos vestir? Quantos números menores que 1000 possuem todos os algarismos pares?

Leia mais

Atividade extra. Exercício 1. Exercício 2. Exercício 3. Matemática e suas Tecnologias Matemática

Atividade extra. Exercício 1. Exercício 2. Exercício 3. Matemática e suas Tecnologias Matemática Atividade extra Exercício 1 Considere o produto dos números naturais ímpares, 19 17 15... 3 1: Como pode ser reescrito utilizando fatorial? (a) 19! (b) 19! 20! (c) 19! 18 16... 2 (d) 19! 20 Exercício 2

Leia mais

Considere um triângulo eqüilátero T 1

Considere um triângulo eqüilátero T 1 Considere um triângulo eqüilátero T de área 6 cm. Unindo-se os pontos médios dos lados desse triângulo, obtém-se um segundo triângulo eqüilátero T, que tem os pontos médios dos lados de T como vértices.

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO ESCOLA SUPEIO NÁUTICA INFANTE D. HENIQUE DEPATAMENTO DE ENGENHAIA MAÍTIMA INSTUMENTAÇÃO E CONTOLO APONTAMENTOS SOBE CONTOLADOES ANALÓGICOS Elementos coligidos or: Prof. Luís Filie Batista E.N.I.D.H. /3

Leia mais

B 01. Combinações e Permutações

B 01. Combinações e Permutações IME ITA Apostila ITA B 0 Combinações e Permutações Introdução Neste capítulo são apresentadas as ferramentas básicas que nos permitem determinar o número de elementos de conjuntos formados de acordo com

Leia mais

Módulo 1 Combinações Completas

Módulo 1 Combinações Completas Professor: Rômulo Garcia Email: machadogarcia@gmail.com Conteúdo Programático: Análise Combinatória - Outros Métodos de Contagem Material exclusivo para preparação do vestibular para o IME Módulo 1 Combinações

Leia mais

3)Seno de alguns arcos importantes

3)Seno de alguns arcos importantes Aula 4-A -Funções trigonométricas no ciclo trigonométrico ) Função seno (definição) )Gráfico da função seno )Seno de alguns arcos imortantes 4) Equações e inequações 5) Resolução de exercícios ) Função

Leia mais