C O F F I T O CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL EXAME DE CONHECIMENTO TERAPIA OCUPACIONAL EM CONTEXTOS HOSPITALARES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "C O F F I T O CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL EXAME DE CONHECIMENTO TERAPIA OCUPACIONAL EM CONTEXTOS HOSPITALARES"

Transcrição

1 C O F F I T O CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL EXAME DE CONHECIMENTO TERAPIA OCUPACIONAL EM CONTEXTOS HOSPITALARES

2 ESPECIALIDADE: TERAPIA OCUPACIONAL EM CONTEXTOS HOSPITALARES LEGISLAÇÃO DO SUS E PROFISSIONAL 01 O profissional que infringir as disposições do Código de Ética e Deotonlogia da Terapia Ocupacional será submetido a processo ético, que poderá aplicar-lhe as penas de advertência, repreensão, multa, suspensão do exercício profissional ou cassação do registro profissional. Todavia, o Conselho Regional deverá observar os prazos de prescrição da pretensão punitiva, sob pena de não mais poder aplicar a sanção legalmente prevista em razão da prescrição. Diante do exposto, assinale a alternativa correta. A) O Código de Ética e Deontologia da Terapia Ocupacional admitiu hipótese de suspensão da prescrição. B) A pretensão à punibilidade das infrações disciplinares prescreve em dez anos, contados da constatação oficial do fato. C) A pretensão à punibilidade das infrações disciplinares prescreve em cinco anos, contados da constatação oficial do fato. D) A prescrição não se interrompe pela instauração de processo disciplinar ou pela notificação válida feita diretamente ao representado. E) Aplica-se a prescrição a todo processo disciplinar paralisado por mais de dois anos, pendente de despacho ou julgamento, devendo ser arquivado de ofício, ou a requerimento da parte interessada, sem prejuízo de serem apuradas as responsabilidades pela paralisação. 02 O Título de Especialidade Profissional em Terapia Ocupacional significa a exação do exercício profissional da Terapia Ocupacional e representa, sobretudo, uma atenção especial e especializada em face das solicitudes dos clientes, dos familiares e da coletividade, para os quais a referida atenção está dirigida. A Resolução COFFITO nº 378, de 11 de junho de 2010, dispõe sobre as normas e procedimentos para o registro de títulos de especialidade profissional em Terapia Ocupacional e dá outras providências. Considerando o enunciado, assinale a alternativa correta. A) O profissional terapeuta ocupacional poderá obter do COFFITO o registro de até dois títulos de Especialidade. B) A Prova de Títulos e o Exame de Conhecimento para a obtenção do Título de Especialidade Profissional poderão ser convocados a cada dois anos, dependendo da demanda ou obrigatoriamente a cada cinco anos. C) Os profissionais que já possuem títulos de especialidade profissional reconhecidos pelo COFFITO deverão se submeter à prova de especialidades, uma vez que a Resolução COFFITO nº 378/2010 alcança de forma indistinta todos os profissionais. D) O COFFITO, para a realização da Prova de Títulos e o Exame de Conhecimento, não poderá estabelecer convênio com Entidades Associativas de Caráter Nacional da Terapia Ocupacional para a concessão dos títulos de especialidades profissionais. E) É possível aos circunscricionados a divulgação de título de especialidade profissional e áreas de atuação que estejam sob a análise do COFFITO, uma vez que o profissional não poderá ser prejudicado pelo lapso temporal comum aos procedimentos administrativos do Sistema COFFITO/CREFITOS. 03 As ações e serviços públicos de saúde e os serviços privados contratados ou conveniados que integram o Sistema Único de Saúde (SUS), são desenvolvidos de acordo com as diretrizes previstas no art. 198 da Constituição Federal, obedecendo ainda ao seguinte princípio: A) A iniciativa privada poderá participar do Sistema Único de Saúde (SUS), em caráter complementar. B) Segundo a Lei Federal nº 8.080/90, está excluído do Sistema Único de Saúde (SUS) a execução de ações relacionadas à vigilância sanitária. C) As ações e serviços de saúde, executados pelo Sistema Único de Saúde (SUS), seja diretamente ou mediante participação complementar da iniciativa privada, serão organizados de forma centralizada e hierarquizada em níveis de complexidade crescente. D) O conjunto de ações e serviços de saúde, prestados por órgãos e instituições públicas federais e estaduais, excluídas as instituições municipais, da Administração direta e indireta e das fundações mantidas pelo Poder Público, constitui o Sistema Único de Saúde (SUS). E) As ações e serviços públicos de saúde e os serviços privados contratados ou conveniados que integram o Sistema Único de Saúde (SUS), são desenvolvidos de acordo com as diretrizes previstas na Constituição Federal, obedecendo ainda como princípio a modicidade dos serviços prestados pela iniciativa privada em caráter complementar

3 04 A Resolução COFFITO nº 425/2013 estabelece o Código de Ética e Deontologia da Terapia Ocupacional que define as responsabilidades fundamentais dos profissionais terapeutas ocupacionais. Considerando a afirmativa anterior, marque a alternativa INCORRETA. A) O terapeuta ocupacional deve portar sua identificação profissional sempre que em exercício. B) Constitui responsabilidade fundamental do terapeuta ocupacional a atualização cadastral, que deverá ocorrer minimamente a cada dois anos, respeitadas as regras específicas quanto ao recadastramento nacional. C) No exercício de sua atividade profissional, o terapeuta ocupacional deve observar as recomendações e normatizações relativas à capacitação e à titulação, emanadas pelo Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional. D) O terapeuta ocupacional avalia sua capacidade técnica e somente aceita atribuição ou assume encargo quando capaz de desempenho seguro para o cliente/paciente/usuário, família/grupo/comunidade, em respeito aos direitos humanos. E) O terapeuta ocupacional presta assistência ao ser humano, tanto no plano individual quanto coletivo, participando da promoção, prevenção de agravos, tratamento, recuperação e reabilitação da sua saúde e cuidados paliativos, bem como estabelece a diagnose, avaliação e acompanhamento do histórico ocupacional de pessoas, famílias, grupos e comunidades, por meio da interpretação do desempenho ocupacional dos papéis sociais contextualizados, sem discriminação de qualquer forma ou pretexto, segundo os princípios do sistema de saúde, de assistência social, educação e cultura, vigentes no Brasil. 05 Com base nas Resoluções COFFITO n os 382/2010 e 425/2010, analise as afirmativas. I. O terapeuta ocupacional no âmbito da sua atuação profissional é competente para elaborar e emitir parecer, atestado ou laudo pericial indicando o grau de capacidade ou incapacidade funcional, com vistas a apontar competências ou incompetências laborais (transitórias ou definitivas), mudanças ou adaptações nas funcionalidades (transitórias ou definitivas). II. Salvo em casos regulamentados pelo Conselho Federal de Fisioterapia e de Terapia Ocupacional é vedado ao terapeuta ocupacional dar consulta ou prescrever tratamento terapêutico ocupacional de forma não presencial. III. O terapeuta ocupacional deve se responsabilizar pela elaboração do diagnóstico terapêutico ocupacional, elaborar e aplicar o plano de tratamento, conceder alta para o cliente/paciente/usuário e, quando julgar necessário, encaminhar para outro profissional. IV. A emissão de atestado, parecer e laudo pericial pelo terapeuta ocupacional prescinde de encaminhamento médico ou de qualquer outro profissional da saúde. Estão corretas as afirmativas A) I, II, III e IV. B) I e IV, apenas. C) II e III, apenas. D) II e IV, apenas. E) I, II e III, apenas. CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 06 Em relação ao delirium e à demência, é INCORRETO afirmar que A) a demência provoca déficits de memória e compromete habilidades intelectuais. B) o delirium tem início abrupto e provoca um rebaixamento do nível de consciência. C) as causas da demência podem ser degenerativas, vasculares, metabólicas, tóxicas, inflamatórias e mecânicas. D) as causas do delirium não estão relacionadas a infecções, doenças cardiovasculares, doenças do sistema nervoso central, distúrbios metabólicos e uso de medicações. E) a demência é a expressão clínica de várias doenças, tais como: Doença de Alzheimer, demência com corpúsculo de Lewy, demência frontotemporal e demência vascular. 07 No hospital geral é comum a ocorrência de transtornos emocionais relacionados às repercussões do adoecer e da internação. Os transtornos relacionados a seguir são morbidades psiquiátricas que possuem relação entre enfermidades físicas e mentais encontradas no hospital, EXCETO: A) Transtorno mental esquizotípico. B) Transtorno mental psicossomático. C) Transtorno mental como reação à doença física. D) Transtorno mental provocando doença orgânica. E) Transtorno mental como manifestação de doença física de base

4 Texto I para responder às questões de 08 a 10. Pedro, uma criança de 5 anos, tem diagnóstico de fibrose cística. Desde o nascimento vivencia internações hospitalares decorrentes de pneumonia de repetição e baixo peso, numa frequência média de 8 vezes ao ano. Seu desenvolvimento neuropsicomotor é normal, exceto em relação ao brincar, que é quase inexistente, interagindo pouco com outras crianças e familiares. Apresenta comportamento regredido. Sua principal atividade é assistir desenhos na TV. Não frequenta a escola. Pedro, fruto de uma gravidez indesejada em função da pouca idade dos pais, tem um irmão de 2 anos de idade, que fica com familiares e vizinhos quando a mãe está no hospital. O pai trabalha o dia todo, pouco participando da criação dos filhos. O relacionamento do casal está fragilizado, pois o marido reclama com a esposa da falta de atenção e cuidado com a casa, o casamento e o filho mais novo. A equipe de assistência solicitou o apoio da Terapia Ocupacional, devido à agressividade da criança com a mãe, a equipe e outras crianças, além do fato de brincar pouco. Na solicitação, a equipe refere estar cansada desta relação, pois a criança frequentemente cria atritos entre os membros da equipe. 08 O processo de adoecimento e hospitalização de Pedro pode ser compreendido a partir das seguintes variáveis, EXCETO: A) Hospitalismo. D) Reações de ajustamento. B) Transtorno mental. E) Mecanismos de adaptação e defesa. C) Paciente-problema. 09 Identifique, a partir da taxonomia do brincar, a etapa lúdica esperada para a idade de Pedro. A) Jogo. D) Sensório-motora. B) Dramática. E) Simbólica e construtiva. C) Recreativa. 10 São ações prioritárias na intervenção terapêutico-ocupacional junto a Pedro, EXCETO: A) Orientação à equipe. B) Prescrição de tecnologias assistivas. C) Envolvimento e participação social em atividades de educação e lazer. D) Estímulo ao desenvolvimento neuropsicomotor, especialmente ao brincar. E) Mudanças nos padrões de desempenho, especialmente em relação a hábitos, rotinas e papéis sociais da família. 11 Segundo Morais (2001), a interconsulta psiquiátrica em Terapia Ocupacional apresenta as seguintes funções, EXCETO: A) Auxiliar a equipe de profissionais no manejo do caso. B) Estabelecer com a equipe um plano de tratamento que ajude a prevenir o agravamento do quadro biopsicossocial. C) Avaliar o paciente, sua história de vida, conhecendo seu modo de viver e de se relacionar, assim como a história de sua doença. D) Criar condições para que a internação não interrompa gravemente a rotina de vida do paciente, diminuindo o sofrimento causado por estar longe de seus objetos e pessoas queridas. E) Manter a atenção sobre os aspectos socioemocionais do paciente, o estado de desadaptação, a repercussão sobre as relações sociais, os possíveis desajustes frente à doença e hospitalização. 12 Assinale, a seguir, um critério que NÃO se refere exclusivamente ao reconhecimento da modalidade de trabalho em equipe integração (Peduzzi, 2001). A) Projeto assistencial comum. D) Comunicação intrínseca ao trabalho. B) Comunicação externa ao trabalho. E) Especificidades dos trabalhos especializados. C) Flexibilidade da divisão do trabalho

5 Texto II para responder às questões de 13 a 15. A atriz Cristiane Torloni pensou em desistir da carreira após a morte do filho Guilherme, um dos gêmeos que teve com Dennis Carvalho. O menino morreu aos 12 anos, em 1991, num acidente de carro. Ela relembra a época em que se refugiou em Portugal por três anos com a família. O luto não passa nunca. Só vai diminuindo de potência, mas está sempre lá. É um convívio diário. Não existe ex-mãe ou ex-filho. Você conviver com isso é o grande desafio da vida. E principalmente não achar que isso foi um castigo. Isso me fez desapegar mais do Leo (o ator Leonardo Carvalho, seu filho), porque temos que aprender que não somos donos de nada. Não temos controle sobre a vida e a morte. A arte veio salvar a minha vida. O coração é o que mantém a mente inteira. O maior órgão, o mais delicado é o coração. Na hora que ele se espatifa, a mente se descontrola. Manter seu coração inteiro para a sua mente ficar em ordem é sobre-humano. Christiane contou que recebe cartas de apoio até hoje. Quando morei em Portugal continuei recebendo as cartas que mandavam para a TV Globo. Eram cartas de suporte. É impressionante como existe uma rede amorosa. (Entrevista ao programa Alta definição, Emissora SIC, Adaptado.) 13 Em relação ao luto, é correto afirmar que A) é um processo patológico. B) não gera transtornos físicos. C) não interfere no desempenho ocupacional. D) gera, necessariamente, transtornos psíquicos. E) é uma reação natural ao rompimento de um vínculo afetivo significativo. 14 Durante o processo de perdas e luto é comum observar reações, comportamento, expressão de emoções e sentimentos do enlutado e de seu entorno. Sobre o processo de luto, considerando a situação apresentada, é INCORRETO afirmar que A) provoca isolamento social. D) provoca uma reestruturação de projetos de vida. B) altera papéis sociais, hábitos e rotina. E) sempre é vivenciado segundo estágios evolutivos. C) necessita de apoio de rede social segura. 15 Perante o luto, as ações terapêuticas ocupacionais devem priorizar a possibilidade de rever perdas pessoais, afetivas, ocupacionais ao longo do ciclo da vida (Corrêa, 2010). Portanto, são objetivos de atenção da intervenção junto ao enlutado, EXCETO: A) (Des)construir, habilitar e ampliar sonhos. B) Produzir inquietações para desacomodar o inativo. C) Repensar o contexto ocupacional e (re)viver ocupações. D) Promover e (re)criar histórias e projetos de vida, experiências e trocas sociais. E) Reduzir, miminizar a expressão de emoções e sentimentos relacionados à perda e ao luto. 16 O texto fictício refere-se a uma postura observada em algumas práticas profissionais mediante a doença e a pessoa adoecida: Ao encerrar sua jornada de trabalho em uma unidade de emergência, Suzana, uma profissional da saúde com 20 anos de exercício profissional, comenta com seus familiares: Hoje auxiliei no atendimento a dezenas de pessoas que foram vítimas de um grave acidente de trânsito, dez morreram... Ah, este fato já é comum em minha prática profissional... um a mais, um a menos!! Comunicar a família? Eu não, isso é serviço para minha colega de trabalho, ela é que tem paciência pra isso!! Amanhã é outro dia, a vida segue... Identifique, dentre as posturas a seguir, a que mais corresponde ao conteúdo descrito anteriormente. A) Empatia genuína. D) Calosidade profissional. B) Despersonificação. E) Profissionalismo afetivo. C) Distanciamento crítico

6 Texto III para responder às questões de 17 a 19. Berenice, 27 anos, feminina, mulata, solteira, evangélica, empregada doméstica, foi admitida na Unidade de Transplante de Medula Óssea de um Hospital Escola, com o diagnóstico: pós-transplante alogênico (96 dias) pós-leucemia Mieloide Crônica, pneumonia a esclarecer e atelectasia global de pulmão esquerdo. O transplante foi indicado após 2 anos de tratamento intensivo que não obteve sucesso. Teve a irmã como doadora. Após o transplante, continuou o tratamento no ambulatório de Hematologia do Hospital, alternando entre internação hospitalar e alta-licença para a Casa do Grupo de Apoio a Transplantados de Medula Óssea, sendo esta a primeira internação após o transplante, ficando hospitalizada em leito de isolamento. A família é oriunda de outro estado, distante 1000 quilômetros do local da internação, e tem baixo poder aquisitivo. Berenice tem um relacionamento amoroso em sua cidade há quatro anos, com quem planeja se casar assim que receber alta. 17 Acerca dos distúrbios hematológicos, assinale a afirmativa INCORRETA. A) As principais modalidades de tratamento são: quimioterapia, radioterapia e transplante de medula óssea. B) Os principais distúrbios hematológicos são: leucemias, linfomas, mieloma múltiplo e síndromes mielodisplásicas. C) Os transplantes de medula óssea classificam-se de acordo com o tipo de doador e denominam-se exclusivamente: transplante alogênico e transplante autólogo. D) A finalidade do transplante de medula óssea é reconstruir o órgão hematopoiético enfermo, nos casos de aplasia, ou devido à proliferação celular neoplásica, como nos casos de leucemia. E) O transplante de medula óssea é um procedimento que consiste na infusão, por via intravenosa, do sangue de medula óssea, obtido de um doador previamente selecionado, em um receptor adequadamente condicionado. 18 Diante da atual internação de Berenice, são objetivos da intervenção em Terapia Ocupacional, considerando as prioridades e as condições ambientais (internação hospitalar-isolamento) da paciente, EXCETO: A) Auxiliar Berenice e sua família a entender o processo de perdas e enfrentamento da morte. B) Orientar o familiar/cuidador quanto aos cuidados com a paciente e sobre a importância da manutenção dos papéis sócio-ocupacionais de Berenice. C) Proporcionar conforto, alívio da dor e sofrimento por meio de recursos não farmacológicos, inclusive órteses ou outros tipos de recursos de tecnologia assistiva. D) Orientar e treinar o desempenho das Atividades da Vida Diária (AVD), Atividades Instrumentais da Vida Diária (AIVD), trabalho e lazer, como auxílio para reorganização do cotidiano. E) Prevenir limitações funcionais e incapacidades para o desempenho ocupacional, com vista à independência e autonomia nas atividades de vida diária e atividades de vida prática, ainda que em condições de fragilidade. 19 Sobre a hipótese de Berenice receber alta, com orientação de seguimento ambulatorial e retorno à Casa de Apoio, NÃO é objetivo da intervenção em Terapia Ocupacional, considerando as prioridades e condições ambientais da paciente: A) Auxiliar Berenice e sua família a entender o processo de perdas e enfrentamento da morte. B) Orientar o familiar/cuidador quanto aos cuidados com o paciente e sobre a importância da manutenção dos papéis sócio-ocupacionais de Berenice. C) Orientar e treinar o desempenho das Atividades da Vida Diária (AVD), Atividades Instrumentais da Vida Diária (AIVD), trabalho e lazer, como auxílio para reorganização do cotidiano. D) Ampliar o espaço vital de Berenice e as vivências saudáveis, ajudando na percepção de habilidades e capacidades interrompidas ou perdidas com o processo de adoecimento e internação. E) Criar condições para resgatar a rotina de Berenice, construindo formas adaptativas de lidar com o espaço temporário de moradia, condições de adoecimento e tratamento, tendo em vista minimizar o impacto da ruptura do cotidiano e o sofrimento causado por estar longe de seus projetos de vida e pessoas queridas

7 20 São estratégias relacionadas às práticas de cuidado humanizado desenvolvidas por terapeutas ocupacionais no contexto hospitalar, EXCETO: A) Cuidar do cuidador. B) Promover ambiência que diminui o sofrimento causado pela hospitalização. C) Articular redes de suporte, a fim de garantir a persistência do cuidado para além dos muros do hospital e das ações da equipe de saúde. D) Estabelecer processos de trabalhos coletivos, a fim de promover a saúde de todos os envolvidos e possibilitar melhor resolutividade da atenção. E) Construir projetos terapêuticos, que respeitem as singularidades pessoais e os contextos sociais e culturais, colaborando para uma maior aderência e resolutividade do tratamento. 21 Segundo a Organização Mundial da Saúde, o sistema de saúde ainda é organizado de acordo com um modelo de tratamento que enfatiza os casos agudos e episódicos, que não mais atende as necessidades de muitos pacientes que apresentam condições crônicas (OMS, 2003, p. 8). Assinale a afirmativa correta referente às condições necessárias para o aprimoramento dos sistemas de saúde para a atenção às condições crônicas. A) Centralizar o tratamento no paciente e na família, apoiando-os em suas comunidades. B) Enfatizar a prevenção das condições crônicas, embora a maioria delas não seja evitável. C) Construir práticas inovadoras para gerenciar os recursos escassos ou inexistentes, ainda que não possam redirecionar seus serviços em respeito à hierarquização do sistema. D) Melhor gerenciamento dos recursos humanos do setor saúde, que contemple, mas que não seja restringido, pelas políticas setoriais para a saúde e pelo gerenciamento do ambiente político. E) Ter um sistema de saúde hierarquizado, baseado em ações específicas nos diferentes cenários de atenção à saúde e no compartilhamento de informações entre os prestadores de serviços de saúde. 22 Caso clínico: José, sexo masculino, 58 anos, procedente de cidade do interior do Paraná, tem E. M. completo, casado, mora em casa própria com a esposa e dois filhos e trabalhava como motorista de ônibus. Começou a sentir dores nas costas e fraqueza muscular e foi afastado de sua função profissional com benefícios. Foi internado na enfermaria de traumato-ortopedia para investigação diagnóstica e conduta, quando foi constatado compressão medular patológica e iniciou-se investigação diagnóstica com a hipótese (confirmada posteriormente) de mieloma múltiplo. Submetido à cirurgia de descompressão e artrodese, foi identificada infiltração em vértebras e nódulos hepáticos. O paciente foi encaminhado para atendimento da Terapia Ocupacional durante internação, quando foram identificadas: dependência nas AVDs e AIVDs e comprometimentos sensorial e neuromuscular; funções sensoperceptivas e cognitivas preservadas; demonstrou ansiedade e irritação devido à internação prolongada. Sofreu um choque séptico (intercorrência), foi entubado e levado ao CTI, onde ficou em coma até a morte. (Dados fictícios) Em relação ao quadro clínico apresentado, é INCORRETO afirmar que A) o objetivo fundamental do programa terapêutico-ocupacional, quando o paciente se encontra em cuidados paliativos, é oferecer confortos físico, psicossocial e espiritual. B) o adoecimento e o tratamento onco-ortopédico impõem restrições físico-funcionais ao paciente, como também o medo da incapacidade e da morte, gerando conflitos, angústias e sofrimentos que podem intensificar a dor e os desconfortos. C) mesmo internado numa clínica de ortopedia e traumatologia, os aspectos físico-funcionais podem não ser as demandas prioritárias do paciente para o atendimento pelo terapeuta ocupacional, mas, sim, os desconfortos psicossociais e espirituais. D) a abordagem do terapeuta ocupacional deve ser eminentemente clínica, visando a recuperação do paciente dentro de um contexto medicalizado, como é o hospital, motivo pelo qual considera-se que não são relevantes as diferenças entre as orientações metodológicas de Terapia Ocupacional. E) segundo o Manual de Cuidados Paliativos do CREMESP (2008), ao paciente em terminalidade devem ser fornecidas apenas as medicações essenciais; ele deve ser mantido limpo e seco, cuidando das possíveis incontinências (fraldas), sem realizar a mudança de decúbito a cada 2 horas para evitar úlceras de pressão

8 23 Segundo De Carlo (2004), hospital é uma instituição que, somente na Idade Moderna, se organizou com o objetivo de cuidado à saúde. Diante do exposto, assinale a afirmativa correta. A) Apresenta grande complexidade administrativa, diversidade de problemas clínicos e de serviços prestados e tem funcionamento subordinado às necessidades locorregionais, sem autonomia administrativo-financeira por estar inserido e depender do SUS. B) No hospital geral, pode-se encontrar diversos tipos de isolamentos protetores respiratório, sistêmico, aerossóis e contato e, diante deles, o terapeuta ocupacional deverá paramentar-se com diferentes acessórios, como: máscaras, luvas e capotes, para sua segurança e do paciente. C) A função do hospital é, essencialmente, a manutenção de condições essenciais para a sobrevivência biológica do ser humano e a recuperação da saúde orgânica, baseada na racionalização dos cuidados e serviços, na organização disciplinar dos espaços, atividades e comportamentos. D) O hospital faz parte do modelo assistencial hegemônico, que privilegia a manutenção e o funcionamento dos equipamentos de atenção terciária no sistema de saúde, que tem funcionamento ininterrupto e imprevisibilidade das demandas exclusivamente na atenção terciária e que prove serviço diagnóstico e tratamento médico e cirúrgico no tempo ótimo de defesa da vida. E) Devido a seu alcance populacional e a alta complexidade dos atendimentos realizados, os profissionais de um hospital secundário devem ter grande flexibilidade e conhecimentos técnico-científicos para atuar com populações e condições clínicas de alta complexidade, atendendo, fundamentalmente, pacientes que têm problemas agudos ou que se encontram numa fase de exacerbação da doença crônica. 24 Assinale a alternativa INCORRETA em relação à Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF). A) Aplica-se a todas as pessoas, não somente àquelas com incapacidade física. B) Oferece base conceitual para definir, mensurar e formular políticas de saúde, com foco na funcionalidade e incapacidade. C) Assume uma posição política ativa em relação à etiologia, aos cuidados à saúde, bem-estar ou do sofrimento e adoecimento. D) É um instrumento científico que permite organizar e registrar informações referentes à saúde e comparar experiências em plano nacional e internacional. E) Foi elaborada para registrar o estado funcional da pessoa que sofreu perdas e incapacidades em decorrência de doenças que afetam o desempenho ocupacional e a vida social. 25 Analise as afirmativas e assinale a INCORRETA. A) Os cuidados paliativos domiciliares oferecidos por equipe hospitalar permitem que o paciente, em processo de final de vida, mantenha interação com seu ambiente, dentro dos limites de suas potencialidades, e que desenvolva melhor as relações entre os familiares, tendo um maior contato com sua própria identidade. B) Ortotanásia é o processo de morte natural, sem intervenções, que prolonga o processo de morte do paciente. Distanásia é o processo de prolongamento da vida através do uso de recursos tecnológicos e procedimentos médicos invasivos. Eutanásia é o processo de aceleração da morte. Mistanásia é a morte provocada por condições sociais. C) Nos cuidados paliativos domiciliares, podem ser realizadas pelo terapeuta ocupacional: orientação a família/cuidador com relação à utilização de tecnologia assistiva para a promoção da independência e autonomia nas AVDs; avaliação de barreiras arquitetônicas da casa, propondo alternativas em relação ao acesso, locomoção, iluminação e ventilação, quando necessárias, dentre outros procedimentos. D) Os pacientes que estão na UTI, num contexto em que nada mais pode ser feito para a preservação da vida, vão perdendo irremediavelmente várias funções, mas a linha divisória no continuum entre vida e morte pode não ser muito clara, quando a continuidade da função cardiopulmonar é sustentada apenas pelos artefatos técnicos modernos e há perda irreversível da atividade cerebral. E) Segundo os princípios norteadores da Política Nacional de Humanização Hospitalar, devem ser fortalecidos os trabalhos em equipe multiprofissional, de modo cooperativo e solidário; devem ser valorizadas as dimensões subjetiva e social em todas as práticas de atenção e gestão; devem ser estimulados os processos comprometidos com a produção individual e com projetos que visam centralizar os serviços

9 26 Sobre a Política Nacional de Humanização da assistência à saúde, analise as afirmativas. I. Implica uma série de dimensões organizacionais, institucionais, profissionais e pessoais. Neste sentido, são parâmetros para a humanização da assistência hospitalar: acolhimento e atendimento dos usuários, trabalho dos profissionais e lógicas de gestão e gerência. II. Desenvolve um conjunto de parâmetros de resultados e sistema de incentivos ao serviço de saúde humanizado, o que não inclui a rede privada de hospitais, que não é credenciada ao SUS. III. Contempla projetos de caráter humanizador desenvolvidos nas diferentes instituições de saúde, estimulando a comunicação, a livre expressão, o respeito e a solidariedade. IV. O SUS preconiza um plano de ações coordenado e descentralizado, segundo o qual, para a humanização da saúde pública, é necessária a articulação entre os gestores municipais e estaduais, as Conferências de Saúde e os Conselhos de Saúde e as instâncias colegiadas de participação social. Estão corretas as afirmativas A) I, II, III e IV. B) I e II, apenas. C) II e III, apenas. D) I, III e IV, apenas. E) II, III e IV, apenas. 27 Sobre o Domínio e Processo da Terapia Ocupacional (Carleto et al., 2010), marque V para as afirmativas verdadeiras e F para as falsas. ( ) A intervenção envolve as etapas de planejamento, com o estabelecimento de metas e escolhas das abordagens, de implementação da intervenção, com monitoramento de respostas e revisão dos resultados alcançados. ( ) A avaliação deve considerar necessidades, prioridades e demandas do cliente em relação à sua história clínica e história de vida ocupacional, assim como o perfil ocupacional e a análise do desempenho ocupacional, para o estabelecimento dos objetivos desejados e apoiar a participação social através do envolvimento em ocupações. ( ) Em relação aos fatores do cliente, a presença ou a ausência de funções e de estruturas específicas do corpo não asseguram necessariamente o sucesso ou as dificuldades de um cliente nas ocupações da vida diária. A sequência está correta em A) F, V, V B) V, V, V C) F, F, F D) F, V, F E) F, F, V 28 Em relação ao Modelo da Ocupação Humana (MOH), marque V para as afirmativas verdadeiras e F para as falsas. ( ) Os humanos têm uma natureza ocupacional, a doença interrompe a ocupação humana causando disfunções; a ocupação é um organizador do comportamento e pode ser usada terapeuticamente. ( ) Os níveis de adaptação e inadaptação propostos no MOH são: realização, competência, exploração, ineficácia, incompetência e impotência. ( ) O homem é conceituado como um sistema aberto, seu comportamento ocupacional é o throughput desse sistema; e uma informação pode ser, ao mesmo tempo, input em um sistema e output em outro. ( ) É um modelo colaborativo e de parceria entre terapeuta e cliente, utilizado para possibilitar o exercício da ocupação de seus clientes, baseado nas suas experiências prévias. A sequência está correta em A) V, V, V, V B) V, V, F, F C) F, F, F, F D) F, V, F, V E) V, F, V, F 29 Acerca da atuação em contextos hospitalares, analise as afirmativas. I. O terapeuta ocupacional deve utilizar uma abordagem reabilitadora funcional ou biomecânica no paciente oncológico com dor e disfunção ocupacional, pois é a mais eficaz em contextos intra-hospitalares. II. O programa terapêutico ocupacional com pacientes com HIV/aids hospitalizados, acometidos por dor e fadiga, deve incluir atividades motoras para a recuperação da funcionalidade, aumento da força e da resistência. III. O terapeuta ocupacional pode empregar recursos não farmacológicos para o manejo da dor em pacientes hospitalizados, como massagens, técnicas de relaxamento, termoterapia, crioterapia superficial e biofeedback. IV. Os aspectos psicossociais, ansiedade e depressão, envolvidos no processo doloroso, são motivos de encaminhamento a serviços de saúde mental, pois não fazem parte das competências do terapeuta ocupacional em contextos hospitalares. Está(ão) correta(s) a(s) afirmativa(s) A) I, II e III. B) I, apenas. C) III, apenas. D) I e II, apenas. E) II e III, apenas

10 30 Sobre o trabalho de Interconsulta de Terapia Ocupacional no hospital geral, analise as afirmativas. I. O terapeuta ocupacional interconsultor tem seu foco de ação no paciente, mas pode também colaborar com a equipe multiprofissional no diagnóstico, análise e intervenção junto aos familiares, outros profissionais e equipes em diferentes contextos hospitalares. II. A Terapia Ocupacional contribui para o desenvolvimento ou manutenção das potencialidades e da autonomia do paciente hospitalizado, através da criação de estratégias para instrumentalizar o paciente na utilização de elementos capazes de integrá-lo, por meio de seus próprios recursos, à realidade social, tanto dentro quanto fora do hospital. III. A consultoria refere-se ao trabalho profissional de forma contínua com um serviço, como membro efetivo da equipe assistencial e a ligação refere-se à assistência de um profissional que avalia e indica um tratamento específico para os pacientes sob seus cuidados e de outros especialistas. IV. O interconsultor não atua de forma direta junto a pacientes internados, atua somente com consultoria a equipes e intermedia a relação de forma mais satisfatória entre o paciente, a equipe hospitalar e o meio. Estão corretas as afirmativas A) I, II, III e IV. B) I e II, apenas. C) I e III, apenas. D) II e III, apenas. E) I, II e III, apenas. 31 Caso clínico: Ana, 18 anos, sexo feminino, natural e procedente de uma pequena cidade do interior de São Paulo, solteira, católica, tem ensino médio completo e reside com seus pais e irmã mais velha; profissão: design gráfica, mas está desempregada e é dependente financeiramente dos pais. Motivo da Internação: investigação de quadro clínico na Unidade de Terapia Imunológica. Hipótese diagnóstica: Lúpus Eritematoso Sistêmico, comorbidade: Síndrome de Sjogrën. Ficou desesperada com a notícia de que faria quimioterapia, com possibilidade de alopecia. Ana foi atendida pelo Serviço de Interconsulta Hospitalar de Terapia Ocupacional. Mostrou-se inicialmente passiva, dependente e desmotivada; ao longo do processo terapêutico, tornou-se capaz de fazer escolhas e de criar novos projetos de atividades, desenvolvendo uma postura ativa e produtiva até o fim da internação. (Dados fictícios) Assinale a alternativa correta referente ao serviço de Interconsulta Hospitalar de Terapia Ocupacional em hospital geral. A) A criação de espaços de saúde durante a internação, propostos neste tipo de atendimento, possibilitou que os efeitos da hospitalização fossem minimizados, bem como o sofrimento deles advindo. B) O terapeuta ocupacional interconsultor centrou sua atenção na ruptura da vida cotidiana do paciente, decorrente dos processos de adoecimento e hospitalização, independente do diagnóstico que ele apresenta. C) As atividades propostas somente puderam ser desenvolvidas individualmente no contexto hospitalar, porque a paciente apresenta uma condição clínica que exige isolamento de contato e restrição do uso de materiais que exalem odor. D) Devido às características clínicas das doenças apresentadas por Ana, os terapeutas ocupacionais não podem intervir precocemente, com pacientes na fase de agudização, devendo aguardar a alta para contrarreferenciá-los ao serviço ambulatorial na cidade de origem. E) Segundo Carleto et al (AOTA, 2010), pode-se entender que esse processo de intervenção terapêutico ocupacional foi composto por ações qualificadas numa relação de parceria com o cliente, para facilitar o envolvimento nas atividades, como uma prática de humanização da assistência hospitalar. 32 Segundo De Carlo Luzo (org., 2004), analise as afirmativas sobre o processo terapêutico em contextos hospitalares. I. Devem ser priorizados os procedimentos de intervenção breve, com a adaptação das formas e procedimentos de avaliação e de intervenção, segundo a especificidade das demandas clínicas, psicossociais e o tempo de permanência no hospital. II. Os aspectos físicos e orgânicos e a necessidade de manutenção ou recuperação da capacidade funcional da pessoa que tem seu desempenho ocupacional comprometido pelo adoecimento e hospitalização são o foco do trabalho do terapeuta ocupacional em contextos hospitalares. III. As intervenções dos terapeutas ocupacionais podem contemplar os aspectos físicos, orgânicos e funcionais do sujeito, tanto quanto as relações intra e intersubjetivas que se constroem nas interações cotidianas. Está(ão) correta(s) a(s) afirmativa(s) A) I, II e III. B) I, apenas. C) III, apenas. D) I e III, apenas. E) II e III, apenas

11 33 Sobre o atendimento a pacientes oncológicos, marque V para as afirmativas verdadeiras e F para as falsas. ( ) Quando atua na central de quimioterapia como profissional de ligação, o terapeuta ocupacional deve sempre esperar o encaminhamento do paciente por parte de outro profissional e propor um plano de tratamento que vise fundamentalmente as questões extra-hospitalares, visto que se trata da atuação num contexto ambulatorial. ( ) No atendimento a pacientes oncológicos que estão fora de possibilidades terapêuticas, o terapeuta ocupacional deve priorizar o acompanhando terapêutico a familiares e/ou cuidadores, pois seus recursos terapêuticos são ineficazes durante a realização de quimioterapia paliativa. ( ) O terapeuta ocupacional atua prioritariamente na reabilitação dos pacientes oncológicos em contextos ambulatoriais, pois a internação é uma situação breve e passageira. ( ) O terapeuta ocupacional deve atender o paciente oncológico desde o momento do diagnóstico e acompanhar seu tratamento até a recuperação e o retorno ao convívio social, educacional e familiar ou até o final da sua vida, inclusive no período de luto da família. A sequência está correta em A) F, F, V, V B) V, V, F, F C) V, V, V, V D) F, F, F, V E) F, V, F, V 34 Assinale a alternativa INCORRETA referente às estratégias e recursos terapêutico-ocupacionais a serem empregados em contextos hospitalares. A) As atividades significativas proporcionam experiências saudáveis e prazerosas para o paciente no ambiente hospitalar, que favorecem a recuperação da saúde. B) Os projetos de Terapia Ocupacional devem ser a curto e médio prazos, para que o paciente se adapte às possíveis perdas ao longo do curso da doença e da hospitalização. C) Permite o uso de quaisquer materiais ou atividades ao paciente hospitalizado, desde que estes possam ser higienizados ou descartados após o uso e que o terapeuta utilize luvas e máscara. D) O terapeuta ocupacional deve utilizar recursos múltiplos não farmacológicos para controlar a dor e o sofrimento do paciente hospitalizado, de modo que o treinamento para independência nas AVDs possa ser estratégia secundária. E) O terapeuta ocupacional pode prescrever a utilização de tecnologias assistivas para que o paciente mantenha máxima autonomia e independência durante a internação e após a alta, apesar das possíveis limitações ou incapacidades. 35 Caso clínico: João, sexo masculino, 10 anos, estudante do ensino fundamental, procedente de uma cidade do interior de Minas Gerais, onde reside com os pais, uma irmã e a avó materna. Apresenta Diabetes mellitus tipo 1 desde os 5 anos. Sofreu queimadura de 2º grau em 8% da superfície corporal, por escaldamento com café quente em abdômen e genitália; após ser atendido em Pronto-Socorro da sua cidade, foi encaminhado para a unidade de queimados de um hospital terciário de grande porte. Durante a avaliação de Terapia Ocupacional, o paciente não quis sair do leito, estava desacompanhado e relatou dependência da mãe para AVDs (vestuário e higiene); a equipe de enfermagem relatou falta de colaboração do paciente na hora do banho e curativo. (Dados fictícios) De acordo com o quadro clínico apresentado, assinale a afirmativa correta. A) Segundo Periti e Donati (Apud: Uchôa-Figueiredo e Negrini, 2009), o acidente com queda de líquidos fervendo sobre o corpo é a terceira causa mais comum de queimadura em crianças e idosos. B) Para o atendimento do paciente queimado é imprescindível o trabalho de uma equipe multiprofissional coesa, baseado na comunicação entre os agentes, em que o foco maior deve ser a colaboração para a realização de procedimentos clínicos. C) A desfiguração, tanto física quanto emocional, decorrente da queimadura, exige uma abordagem físico-funcional por parte do terapeuta ocupacional, pois a recuperação estética e a reelaboração de sua imagem corporal são fatores fundamentais para a reinclusão social. D) O envolvimento dessa criança em atividades lúdicas permite tanto o ganho de coordenação motora e integração visomotora, ganho de amplitude de movimentos (ADM) global e posicionamento de membros inferiores, quanto uma maior comunicação, expressão e interação. E) Em queimaduras de 2º grau ocorre uma destruição da epiderme e da derme, com dor mais intensa e, normalmente, aparecem flictenas no local ou desprendimento total ou parcial da pele afetada. A recuperação dos tecidos é mais lenta e não costuma deixar cicatrizes ou manchas, devido ao fato de ter atingido baixa extensão corporal

12 36 Sobre o trabalho do terapeuta ocupacional em Unidades de Terapia Intensiva para adultos, marque V para as afirmativas verdadeiras e F para as falsas. ( ) Devido à restrição do paciente ao leito e imobilização prolongada, o terapeuta ocupacional deve focar sua atuação no processo de reabilitação física e promover suas trocas posturais, de modo que o paciente seja mais colaborativo na rotina de trabalho da equipe com procedimentos necessários, como a intubação. ( ) Devido à privação sensoperceptiva e à ventilação mecânica prolongada, o terapeuta ocupacional deve fornecer estimulação sensorial adequada e auxiliar a equipe multiprofissional no processo de desmame ventilatório, com o uso de técnicas de relaxamento e realização de atividades. ( ) Devido à alteração do sono e isolamento social, o terapeuta ocupacional deve usar técnicas de relaxamento e estimulação sensorial alternadamente, com orientação à realidade para a redução de episódios de delirium. ( ) Para a redução do estresse e contribuição para que o paciente tenha melhor organização pessoal, cabe ao terapeuta ocupacional orientar a realização de atividades de vida diária e de exercícios ativos de forma independente. A sequência está correta em A) V, V, F, F B) F, V, F, F C) F, F, F, V D) V, V, V, V E) V, F, V, F 37 Sobre os cuidados paliativos que podem ser oferecidos a pacientes em condições oncológicas e não oncológicas, analise. I. Nas doenças neuromusculares crônico-degenerativas e progressivas, a deterioração do estado físico exige o aumento das manobras para ganho de força e de amplitude de movimento, para aumentar a independência funcional. II. No cuidado a pacientes com Esclerose Lateral Amiotrófica, o terapeuta ocupacional deve considerar que, à medida que o estado físico se deteriora, há maior necessidade de equipamentos adaptativos visando compensar a perda de função. III. Em pacientes com doenças neurodegenerativas avançadas (como Doença de Alzheimer, Esclerose Lateral Amiotrófica e Esclerose múltipla), o terapeuta ocupacional deve focalizar o oferecimento de confortos e promover bem-estar e qualidade de vida, uma vez que o estado funcional do paciente muda constantemente e a intervenção física é limitada. IV. Pacientes com HIV/aids, na maioria dos casos, têm sua qualidade de vida significativamente comprometida quando apresentam declínio físico associado à piora do quadro clínico, o que exige o estabelecimento de rotina para conforto e desempenho das AVDs e AIVDs, realização de atividades significativas, orientação para a manutenção da autonomia e independência e abordagens físicas e psicossociais de manejo e controle da dor. Está(ão) INCORRETA(S) apenas a(s) afirmativa(s) A) I. B) III. C) IV. D) I e IV. E) II e III. 38 Acerca dos cuidados paliativos, de acordo com CREMESP (2008) e De Carlo et al (2008), marque V para as afirmativas verdadeiras e F para as falsas. ( ) São condizentes com os princípios de integralidade e universalidade do SUS, permitem a racionalização e humanização da assistência e devem ser parte integrante do sistema de saúde, promovendo uma intervenção técnica que requer formação e treino específicos obrigatórios por parte dos profissionais que os prestam. ( ) Caracteriza-se por ser um conjunto de cuidados ativos e preventivos, destinados a um grupo amplo de condições clínicas oncológicas e não oncológicas, oferecidos necessariamente de forma multiprofissional, nos quais o doente e família são o centro gerador das decisões da equipe. ( ) Destinam-se especificamente aos pacientes terminais e, pela especificidade dos cuidados, diferenciam-se dos cuidados continuados, sendo que ambos buscam manter a dignidade da pessoa, ainda que doente, vulnerável e limitada, aceitando a morte como uma etapa natural da vida. ( ) Buscam ajudar as pessoas com doenças crônico-degenerativas a viver tão ativamente quanto possível até a sua morte (e este período pode ser de semanas, meses ou anos), pautados por princípios caritativos nas suas intervenções. A sequência está correta em A) F, F, F, F B) V, V, V, V C) V, F, F, F D) V, V, F, F E) V, F, F, V

13 39 Caso clínico: Maria, sexo feminino, 42 anos, do lar, divorciada, tem um filho do segundo casamento. Refere nódulo em mama direita há 2 meses. Nega patologias prévias, tabagismo e etilismo. Nega cirurgias anteriores. Mama D: nódulo em QSE com cerca de 3 cm, sem retração de pele ou outras lesões. Exame anátomo-patológico: carcinoma ductal invasivo, grau histológico 3, com múltiplas lesões osteolíticas em toda coluna, sugestivas de acometimento secundário, sem sinais de compressão medular. Estadiamento clínico: T2N1M1 EC IV, com metástases ósseas. Fez quadrantectomia com esvaziamento axilar, seguidos de quimioterapia e radioterapia. A doença progrediu, tendo acometido ossos, fígado, pulmão e SNC. Tinha KPS de 50%, com anorexia e perda significativa de peso, quando foi encaminhada para atendimento de Terapia Ocupacional. (Dados fictícios) Com base no caso clínico apresentado, assinale a afirmativa INCORRETA. A) Em relação ao cuidado do filho da paciente, a assistente social e a psicóloga da equipe devem ser acionadas para mostrar a ela que precisa se preocupar consigo mesma e passar a guarda do filho para o pai dele. B) Uma mulher com câncer de mama, que se submeteu a uma cirurgia de mastectomia simples, teve a ressecção do tecido mamário envolvido, da clavícula até a reborda costal e da linha médio-esternal até a borda lateral do grande dorsal. C) O acompanhamento/tratamento por uma equipe de cuidados paliativos deve ser iniciado o mais precocemente possível, sendo a sedação contínua a melhor opção para o alívio de sintomas na fase de terminalidade da vida, após ser discutida com a família e o paciente. D) A paciente evoluiu com piora importante de dispneia, considerada refratária, atribuída às metástases pulmonares. Neste caso, a opção terapêutica mais correta para alívio de sintomas na fase de terminalidade da vida é a sedação contínua, que deve ser discutida antes de sua realização com a família e o paciente. E) O cotidiano, as relações sociofamiliares e as expectativas foram radicalmente modificadas, comprometendo sua qualidade de vida. Apesar de apresentar dor controlada com medicações, o fato de passar a maior parte do tempo acamada e necessitar de auxílio para o seu autocuidado evidencia fadiga e capacidade funcional bastante comprometida. 40 Em relação à dor oncológica, marque V para as afirmativas verdadeiras e F para as falsas. ( ) O relaxamento promove aumento do fluxo sanguíneo, oxigenação, melhora do sono e humor, o que pode levar ao alívio da dor. ( ) O calor superficial diminui o metabolismo e a circulação sanguínea local, provocando alívio da dor. ( ) A técnica manual por deslizamento aumenta a sensação de conforto, bem-estar e alívio da tensão psíquica, gerando alívio da dor. ( ) A técnica em que o paciente é estimulado a limpar sua mente de imagens mentais agradáveis, usualmente aliada ao relaxamento, proporciona alívio da dor. ( ) A dor oncológica pode se originar de tumores ósseos, infecções, compressão do sistema nervoso central, metástase, radioterapia, quimioterapia, punções venosas e coleta liquórica. A sequência está correta em A) V, F, V, F, V B) F, V, V, F, V C) V, F, V, F, F D) V, V, F, F, V E) F, V, F, V, F

14 PROVA DISCURSIVA ORIENTAÇÕES GERAIS A prova discursiva, de caráter eliminatório, é constituída de 04 (quatro) questões de Conhecimentos Específicos por Especialidade, sendo que o candidato deverá escolher apenas 02 (duas) questões para responder, as quais abordarão situações-problema envolvendo os objetos de avaliação na especialidade. O candidato disporá de, no mínimo, 10 (dez) e, no máximo, 15 (quinze) linhas para elaborar a resposta de cada questão da prova discursiva, sendo desconsiderado para efeito de avaliação qualquer fragmento de texto que for escrito fora do local apropriado ou que ultrapassar a extensão máxima de 15 (quinze) linhas permitida para a elaboração de seu texto. As respostas às questões discursivas deverão ser manuscritas em letra legível, com caneta esferográfica de tinta azul ou preta, não sendo permitida a interferência e/ou a participação de outras pessoas, salvo em caso de candidato na condição de pessoa com deficiência que o impossibilite de redigir textos, como também no caso de candidato que solicitou atendimento especial para este fim, nos termos do Edital. Nesse caso, o candidato será acompanhado por um fiscal da CONSULPLAN devidamente treinado, para o qual deverá ditar o texto, especificando oralmente a grafia das palavras e os sinais gráficos de pontuação. O candidato receberá nota zero na prova discursiva em casos de não atendimento ao conteúdo avaliado e ao tema proposto, de manuscrever em letra ilegível ou de grafar por outro meio que não o determinado no item anterior; apresentar acentuada desestruturação na organização textual ou atentar contra o pudor; redigir seu texto a lápis ou à tinta em cor diferente de azul ou preta; não apresentar as questões redigidas no Caderno de Textos Definitivos ou entregar em branco; apresentar identificação, em local indevido, de qualquer natureza (nome parcial, nome completo, outro nome qualquer, números, letras, sinais, desenhos ou códigos); e, apresentar sua resposta com extensão inferior a 10 (dez) linhas. Cada questão discursiva terá o valor de 5 (cinco) pontos. Para efeito de avaliação das questões discursivas serão considerados os seguintes elementos de avaliação: Critérios Aspectos Formais e Aspectos Textuais Aspectos Técnicos TOTAL DE PONTOS ELEMENTOS DE AVALIAÇÃO DA PROVA DISCURSIVA POR QUESTÃO Elementos da Avaliação Observância das normas de ortografia, pontuação, concordância, regência e flexão, paragrafação, estruturação de períodos, coerência e lógica na exposição das ideias. Pertinência da exposição relativa ao tema, à ordem de desenvolvimento proposto e ao conteúdo programático proposto. Total de pontos por critério 2 pontos 3 pontos 5 pontos Questão 01 Sr. João tem 52 anos de idade e é hipertenso desde os 40 anos. É casado, pai de dois filhos adolescentes, sendo o único provedor financeiro da família. Trabalha em indústria de eletrodomésticos. No início deste mês sofreu um acidente vascular encefálico. Atualmente, está hospitalizado e tem previsão de alta em uma semana. Encontra-se afastado do trabalho pela empresa, mas este período se prorrogará em função de processo de reabilitação das sequelas decorrentes do quadro orgânico. Elabore projeto terapêutico em terapia ocupacional para os períodos de internação hospitalar e pós-alta, considerando atenção integral à saúde do Sr. João. Questão 02 Elza, 54 anos, cor branca, separada, sem filhos, é costureira afastada. Atualmente, recebe auxílio-doença e reside com a mãe e a irmã. Possui diagnóstico de câncer de mama, linfangite carcinomatosa de pulmão, insuficiência cardíaca congestiva grau IV, hipertensão arterial, Diabetes mellitus e pneumonia. Está parcialmente independente para as atividades cotidianas, inclusive para a realização de atividades de autocuidado, alimentação e locomoção. Receberá alta em breve, porém necessitará de apoio para oxigenoterapia em ambiente domiciliar. Elabore um projeto terapêutico em terapia ocupacional para Elza, considerando os princípios dos cuidados paliativos

15 Questão 03 Refletir sobre a atuação do terapeuta ocupacional especialista em contextos hospitalares no caso clínico descrito a seguir: Pedro, sexo masculino, 64 anos de idade, natural de cidade de médio porte do interior do Estado do RJ, solteiro, sem filhos, reside com a irmã mais velha (sua cuidadora), mas ela o visita com pouca frequência no hospital; é alfabetizado, mas não conseguiu informar sua escolaridade. Antecedentes de etilismo e tabagismo desde os 18 anos. Diagnóstico após cirurgia: Carcinoma espinocelular invasivo e moderadamente diferenciado de hipofaringe e língua, com invasão de laringe e cartilagem tireoide, ulcerado no assoalho de boca e na ponta da língua. O câncer de boca e orofaringe está relacionado principalmente ao tabagismo e etilismo e acomete principalmente pessoas do sexo masculino com idade acima de 50 anos. 90% dos casos desse tipo de câncer são neoplasias epiteliais do tipo carcinoma espinocelular (CEC), que tem um comportamento bastante agressivo, com metastatização cervical precoce. Foram realizados os seguintes procedimentos: exerese de lesão maligna da boca, faringolaringectomia total com esvaziamento cervical bilateral, glossectomia parcial; rotação de retalho peitoral miocutâneo; osteotomia de reborde alveolar da mandíbula. No pós-operatório evoluiu com fístula na faringe e derrame pleural; foi traqueostomizado, colocada sonda nasoentética, suporte de O2, coletor urinário e dreno no pulmão. Estava internado na enfermaria de cirurgia de cabeça e pescoço quando foi avaliado pela terapeuta ocupacional, que verificou comprometimento em todas as áreas ocupacionais, em múltiplas funções e estruturas do corpo, nos fatores do cliente e nos contextos de desempenho. (Dados fictícios) Discuta o processo terapêutico ocupacional em contextos hospitalares ao paciente cujas características foram anteriormente descritas, considerando: a atuação do terapeuta ocupacional em equipe multiprofissional; raciocínio clínico; fundamentação teórico-metodológica proposta; possíveis modalidades de atendimento; possíveis condutas e recursos terapêutico-ocupacionais em contextos intra-hospitalares. Questão 04 Aqueles que tiverem força e amor para ficar ao lado de um paciente moribundo, com o silêncio que vai além das palavras, saberá que tal momento não é assustador nem doloroso, mas um cessar em paz do funcionamento do corpo. (E. Kubler Ross. Sobre a morte e o morrer.) Analise a citação e discuta a intervenção do terapeuta ocupacional com pacientes em cuidados paliativos, em diferentes áreas clínicas e contextos hospitalares

16 QUESTÃO DISCURSIVA QUESTÃO DISCURSIVA

17 QUESTÃO DISCURSIVA QUESTÃO DISCURSIVA

18

19

20 INSTRUÇÕES 1. Material a ser utilizado: caneta esferográfica de tinta azul ou preta. Os objetos restantes devem ser colocados em local indicado pelo fiscal da sala, inclusive aparelho celular desligado e devidamente identificado. 2. Não é permitida, durante a realização das provas, a utilização de máquinas calculadoras e/ou similares, livros, anotações, impressos ou qualquer outro material de consulta, protetor auricular, lápis, borracha, corretivo. Especificamente, não é permitido que o candidato ingresse na sala de provas sem o devido recolhimento, com respectiva identificação, dos seguintes equipamentos: bip, telefone celular, walkman, agenda eletrônica, notebook, palmtop, ipod, ipad, tablet, smartphone, mp3, mp4, receptor, gravador, calculadora, câmera fotográfica, controle de alarme de carro, relógio digital etc. 3. Durante a prova, o candidato não deve levantar-se, comunicar-se com outros candidatos e nem fumar. 4. A duração da prova é de 04 (quatro) horas, já incluindo o tempo destinado à entrega do Caderno de Provas e à identificação que será feita no decorrer da prova e ao preenchimento do Cartão de Respostas (Gabarito) e Caderno de Textos Definitivos (Prova Discursiva). 5. Somente em caso de urgência pedir ao fiscal para ir ao sanitário, devendo no percurso permanecer absolutamente calado, podendo antes e depois da entrada sofrer revista através de detector de metais. Ao sair da sala no término da prova, o candidato não poderá utilizar o sanitário. Caso ocorra uma emergência, o fiscal deverá ser comunicado. 6. O Caderno de Provas consta de 40 (quarenta) questões de múltipla escolha. Leia-o atentamente. 7. As questões das provas objetivas são do tipo múltipla escolha, com 05 (cinco) alternativas (A a E) e uma única resposta correta. 8. Será aplicada Prova Escrita Discursiva, constituída de 04 (quatro) questões de Conhecimentos Específicos por Especialidade, sendo que o candidato deverá escolher apenas 02 (duas) questões para responder. 9. Ao receber o material de realização das provas, o candidato deverá conferir atentamente se o Caderno de Provas corresponde à especialidade pretendida, bem como se os dados constantes no Cartão de Respostas (Gabarito) e do Caderno de Textos Definitivos (Prova Discursiva) que lhe foram fornecidos estão corretos. Caso os dados estejam incorretos, ou o material esteja incompleto, ou tenha qualquer imperfeição, o candidato deverá informar tal ocorrência ao fiscal. 10. Os fiscais não estão autorizados a emitir opinião e prestar esclarecimentos sobre o conteúdo das provas. Cabe única e exclusivamente ao candidato interpretar e decidir. 11. O candidato poderá retirar-se do local de provas somente a partir dos 90 (noventa) minutos após o início de sua realização, contudo não poderá levar consigo o Caderno de Provas, sendo permitida essa conduta apenas no decurso dos últimos 30 (trinta) minutos anteriores ao horário previsto para o seu término. 12. Os 3 (três) últimos candidatos de cada sala somente poderão sair juntos. Caso o candidato insista em sair do local de aplicação das provas, deverá assinar um termo desistindo do certame e, caso se negue, deverá ser lavrado Termo de Ocorrência, testemunhado pelos 2 (dois) outros candidatos, pelo fiscal da sala e pelo coordenador da unidade. RESULTADOS E RECURSOS - As provas aplicadas, assim como os gabaritos preliminares das provas objetivas, serão divulgados na Internet, no endereço eletrônico a partir das 16h00min do dia subsequente ao da realização da prova escrita. - O candidato que desejar interpor recursos contra os gabaritos oficiais preliminares das provas objetivas disporá de 02 (dois) dias úteis, a partir do dia subsequente à divulgação, em requerimento próprio disponibilizado no link correlato ao certame no endereço eletrônico - A interposição de recursos poderá ser feita somente via Internet, através do Sistema Eletrônico de Interposição de Recursos, com acesso pelo candidato ao fornecer dados referentes à sua inscrição apenas no prazo recursal, à CONSULPLAN, conforme disposições contidas no endereço eletrônico no link correspondente ao certame.

TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS

TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS TERAPIA OCUPACIONAL UMA PROFISSÃO NATURALMENTE PARA A SAÚDE PUBLICA Senhor Gestor, gostaríamos de apresentar as possibilidades de cuidado que o terapeuta ocupacional oferece

Leia mais

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM ATENÇÃO HOSPITALAR - PRIMAH

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM ATENÇÃO HOSPITALAR - PRIMAH PROGRAMA DE RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM ATENÇÃO HOSPITALAR - PRIMAH DIRETRIZES PEDAGÓGICAS DO PROGRAMA ESTÃO BASEADAS NAS AÇÕES QUE COMPORTAM ATIVIDADES Multiprofissionalidade e interdisciplinaridade:

Leia mais

Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba:

Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba: Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba: Tem por objetivo prestar atendimento aos pacientes internados ou de forma ambulatorial no Hospital, bem como aos seus familiares,

Leia mais

Demências na Terceira idade. Enfª Mda Josiane Steil Siewert

Demências na Terceira idade. Enfª Mda Josiane Steil Siewert Demências na Terceira idade Enfª Mda Josiane Steil Siewert Grandes síndromes neuropsiquiatricas na terceira idade: Delirium Demencias Depressão Doenças Orgânicas do Cérebro Quando uma pessoa idosa de repente

Leia mais

ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS DIRETOR GERAL: DAMIÃO MENDONÇA VIEIRA CREDENCIAMENTO DE DOCENTE ESP-MG Nº 006/2013

ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS DIRETOR GERAL: DAMIÃO MENDONÇA VIEIRA CREDENCIAMENTO DE DOCENTE ESP-MG Nº 006/2013 ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS DIRETOR GERAL: DAMIÃO MENDONÇA VIEIRA CREDENCIAMENTO DE DOCENTE ESP-MG Nº 006/2013 Projeto: Qualificação em Cuidado Domiciliar da pessoa Idosa Frágil INSCRIÇÃO/CRECENCIAMENTO

Leia mais

RESOLUÇÃO No- 454, DE 25 DE ABRIL DE 2015

RESOLUÇÃO No- 454, DE 25 DE ABRIL DE 2015 RESOLUÇÃO No- 454, DE 25 DE ABRIL DE 2015 Reconhece e disciplina a Especialidade Profissional de Fisioterapia Cardiovascular. O Plenário do Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (COFFITO),

Leia mais

RESOLUÇÃO N 445 de 26 de abril de 2014. DOU nº 203, Seção 1,em 21/10/2014, páginas 128,129,130, 131 e 132.

RESOLUÇÃO N 445 de 26 de abril de 2014. DOU nº 203, Seção 1,em 21/10/2014, páginas 128,129,130, 131 e 132. RESOLUÇÃO N 445 de 26 de abril de 2014. DOU nº 203, Seção 1,em 21/10/2014, páginas 128,129,130, 131 e 132. Altera a Resolução-COFFITO n 418/2011, que fixa e estabelece os Parâmetros Assistenciais Terapêuticos

Leia mais

Circular 574/2014 São Paulo, 24 de Outubro de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) Prezados Senhores,

Circular 574/2014 São Paulo, 24 de Outubro de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) Prezados Senhores, Circular 574/2014 São Paulo, 24 de Outubro de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) S ASSISTENCIAIS TERAPÊUTICOS OCUPACIONAIS NAS DIVERSAS MODALIDADES PRESTADAS PELO TERAPEUTA OCUPACIONAL Diário Oficial da

Leia mais

TERMINALIDADE NORMA Nº 643

TERMINALIDADE NORMA Nº 643 Página: 1/7 1- OBJETIVO 1.1- Garantir os Direitos dos pacientes relacionados aos seus valores pessoais, preservando sua individualidade e sua dignidade humana, tais como: 1.2- Diminuir o sofrimento do

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO 1) História da Terapia Ocupacional (30 hs) EMENTA: Marcos históricos que antecederam o surgimento formal da profissão de

Leia mais

DIAS AULA TEMA CONTEÚDO

DIAS AULA TEMA CONTEÚDO MARÇO 04/03 Teórica Noções em Geriatria e Gerontologia - Histórico - Temas básicos: saúde, autonomia, independência, incapacidade e fragilidade - Epidemiologia do envelhecimento - Papel do cuidador - Qualidade

Leia mais

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Linamara Rizzo Battistella 04.10.2012 Universal Irreversível Heterôgeneo Perda Funcional Progressiva

Leia mais

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TERAPEUTA OCUPACIONAL. Leia as assertivas abaixo sobre a história da Terapia Ocupacional no Brasil:

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TERAPEUTA OCUPACIONAL. Leia as assertivas abaixo sobre a história da Terapia Ocupacional no Brasil: 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TERAPEUTA OCUPACIONAL QUESTÃO 21 Leia as assertivas abaixo sobre a história da Terapia Ocupacional no Brasil: 1. Em 1936, a ONU implantou o Instituto Nacional de Reabilitação

Leia mais

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology RESIDÊNCIA MÉDICA Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology José Luiz Miranda Guimarães* Neste número estamos divulgando o resultado parcial do Seminário

Leia mais

INSTRUÇÕES. O tempo disponível para a realização das duas provas e o preenchimento da Folha de Respostas é de 5 (cinco) horas no total.

INSTRUÇÕES. O tempo disponível para a realização das duas provas e o preenchimento da Folha de Respostas é de 5 (cinco) horas no total. INSTRUÇÕES Para a realização desta prova, você recebeu este Caderno de Questões. 1. Caderno de Questões Verifique se este Caderno de Questões contém a prova de Conhecimentos Específicos referente ao cargo

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL. RESOLUÇÃO No- 418, DE 4 DE JUNHO DE 2012

CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL. RESOLUÇÃO No- 418, DE 4 DE JUNHO DE 2012 CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL RESOLUÇÃO No- 418, DE 4 DE JUNHO DE 2012 Fixa e estabelece os Parâmetros Assistenciais Terapêuticos Fisioterapêuticos Ocupacionais nas diversas modalidades

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015 PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU Ano: 2014/2015 1 - JUSTIFICATIVA A hospitalização pode ser experienciada como um dos momentos mais delicados e difíceis do processo do adoecer. Isso porque

Leia mais

Protocolos de acesso do Serviço Social 1- Caracterização do Serviço

Protocolos de acesso do Serviço Social 1- Caracterização do Serviço Protocolos de acesso do Serviço Social 1- Caracterização do Serviço A finalidade do trabalho do Assistente Social junto ao usuário do Hospital Universitário da UFJF, implica em favorecer o acesso deste

Leia mais

FISIOTERAPEUTAS! Cura. Diagnóstico Funcional. Bem Estar. Tratamento. Reabilitação. Prevenção O SEU MUNICÍPIO TEM MUITO A GANHAR COM A CONTRATAÇÃO DE

FISIOTERAPEUTAS! Cura. Diagnóstico Funcional. Bem Estar. Tratamento. Reabilitação. Prevenção O SEU MUNICÍPIO TEM MUITO A GANHAR COM A CONTRATAÇÃO DE O SEU MUNICÍPIO TEM MUITO A GANHAR COM A CONTRATAÇÃO DE FISIOTERAPEUTAS! Tudo o que o gestor deve saber sobre fisioterapia e como implantá-la em seu município. Cura Diagnóstico Funcional Bem Estar Qualidade

Leia mais

www.cuiaba.mt.gov.br

www.cuiaba.mt.gov.br www.cuiaba.mt.gov.br COLABORADORES DA PERÍCIA MÉDICA SETOR MÉDICO: Dr. george salvador brito alves lima - assessor téc. em perícia médica dr. jaime pereira frank - assessor téc. em perícia médica SETOR

Leia mais

Valores de Referência nacional de honorários dos Psicólogos em (R$), por hora de trabalho, atualizados pelo INPC (1,4382) de novembro/02 a junho/07

Valores de Referência nacional de honorários dos Psicólogos em (R$), por hora de trabalho, atualizados pelo INPC (1,4382) de novembro/02 a junho/07 Valores de Referência nacional de honorários dos Psicólogos em (R$), por hora de trabalho, atualizados pelo INPC (1,4382) de novembro/02 a junho/07 Fonte - CFP/CRPs/FENAPSI (Última atualização agosto/2007)

Leia mais

Gestão do Trabalho em Saúde

Gestão do Trabalho em Saúde Universidade Federal de Alagoas Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Prova de Conhecimentos Específicos da Especialização Lato Sensu UFAL 2012.1 Gestão do Trabalho em Saúde CADERNO DE QUESTÕES INSTRUÇÕES

Leia mais

Procedimentos terapêuticos associados no tratamento da Fibromialgia

Procedimentos terapêuticos associados no tratamento da Fibromialgia Procedimentos terapêuticos associados no tratamento da Fibromialgia Felipe Azevedo Moretti "Se você só fizer aquilo que sempre fez, só obterá aquilo que sempre obteve. Se o que você está fazendo não está

Leia mais

A Atuação da Terapia Ocupacional Junto ao Idoso

A Atuação da Terapia Ocupacional Junto ao Idoso A Atuação da Terapia Ocupacional Junto ao Idoso Apresentação: O objetivo deste texto é apresentar a Terapia Ocupacional, em sua atuação específica junto ao idoso (área geronto-geriátrica). No mundo atual

Leia mais

II CURSO DE FORMAÇÃO DE CUIDADOR DE IDOSOS EDITAL REALIZAÇÃO:

II CURSO DE FORMAÇÃO DE CUIDADOR DE IDOSOS EDITAL REALIZAÇÃO: II CURSO DE FORMAÇÃO DE CUIDADOR DE IDOSOS EDITAL REALIZAÇÃO: OBJETIVO: Desenvolver e instrumentalizar as pessoas interessadas em se profissionalizar como cuidador de idosos. Estimular a reflexão em relação

Leia mais

QUESTOES DE CONCURSO

QUESTOES DE CONCURSO QUESTOES DE CONCURSO 1. Com o envelhecimento populacional, um dos maiores desafios das políticas de saúde é alcançar um equilíbrio entre o apoio ao autocuidado, o apoio informal (familiares e amigos) e

Leia mais

respectivamente, do Hospital das Clinicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto USP, SP - Brasil; E-mail: marcelarb.to@gmail.

respectivamente, do Hospital das Clinicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto USP, SP - Brasil; E-mail: marcelarb.to@gmail. A ATUAÇÃO DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DO AMBULATÓRIO DE NEUROCIRURGIA ONCOLÓGICA DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO USP. Marcela dos Reis Bigatão 1 ; Marysia M. R. Prado

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO. Nº de Identidade Órgão Expedidor UF Nº de Inscrição TERAPIA OCUPACIONAL ATENÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO. Nº de Identidade Órgão Expedidor UF Nº de Inscrição TERAPIA OCUPACIONAL ATENÇÃO SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE GESTÃO DO TRABALHO E EDUCAÇÃO EM SAÚDE DIRETORIA GERAL DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE GERÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO

Leia mais

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA)

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) SERVIÇO DE PSIQUIATRIA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE (HCPA) DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA UNIVERSIDADE

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde Tatiana Thiago Mendes Psicóloga Clínica e do Trabalho Pós-Graduação em Saúde e Trabalho pelo HC FM USP Perita Judicial em Saúde Mental Panorama da Saúde dos Trabalhadores

Leia mais

DOENÇA DE PARKINSON E QUALIDADE DE VIDA: CONSIDERAÇÕES TERAPÊUTICAS OCUPACIONAIS.

DOENÇA DE PARKINSON E QUALIDADE DE VIDA: CONSIDERAÇÕES TERAPÊUTICAS OCUPACIONAIS. DOENÇA DE PARKINSON E QUALIDADE DE VIDA: CONSIDERAÇÕES TERAPÊUTICAS OCUPACIONAIS. Marcela Maria Medeiros de Melo¹; Ádila Siqueira de Basto Lima¹; Mirella Bruna Felix de Freitas¹; Elma Eloi Melo da Silva¹;

Leia mais

FISIOTERAPIA - GRADUAÇÃO

FISIOTERAPIA - GRADUAÇÃO FISIOTERAPIA - GRADUAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: Curso De Graduação Em Fisioterapia. DIPLOMA CONFERIDO: BACHAREL NÚMERO DE VAGAS: 225 VAGAS ANUAIS TURNOS DE OFERTA: NOTURNO REGIME LETIVO:

Leia mais

RESOLUÇÃO COFFITO Nº 418, DE 4 DE JUNHO DE 2012.

RESOLUÇÃO COFFITO Nº 418, DE 4 DE JUNHO DE 2012. RESOLUÇÃO COFFITO Nº 418, DE 4 DE JUNHO DE 2012. Diário Oficial da União nº 109, de 6 de Junho de 2012 (quarta-feira) Seção 1 Págs. 227_232 Entidades de Fiscalização do Exercício das Profissões Liberais

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

OS ASSISTENTES SOCIAIS NOS HOSPITAIS DE EMERGÊNCIA. Marcelo E. Costa, Jacqueline Benossi, João Paulo C.Silva e orientadora Nancy J. Inocente.

OS ASSISTENTES SOCIAIS NOS HOSPITAIS DE EMERGÊNCIA. Marcelo E. Costa, Jacqueline Benossi, João Paulo C.Silva e orientadora Nancy J. Inocente. OS ASSISTENTES SOCIAIS NOS HOSPITAIS DE EMERGÊNCIA. Marcelo E. Costa, Jacqueline Benossi, João Paulo C.Silva e orientadora Nancy J. Inocente. Universidade do Vale do Paraíba, Faculdade de Ciências da Saúde,

Leia mais

Suplementar após s 10 anos de regulamentação

Suplementar após s 10 anos de regulamentação Atenção à Saúde Mental na Saúde Suplementar após s 10 anos de regulamentação Kátia Audi Congresso Brasileiro de Epidemiologia Porto Alegre, 2008 Mercado de planos e seguros de saúde: cenários pré e pós-regulamentap

Leia mais

ÉTICA NO ATENDIMENTO PROFISSIONAL: RELATO DE VIVÊNCIA NO PROGRAMA PRÁTICAS INTEGRADAS EM SAÚDE COLETIVA (PISC)

ÉTICA NO ATENDIMENTO PROFISSIONAL: RELATO DE VIVÊNCIA NO PROGRAMA PRÁTICAS INTEGRADAS EM SAÚDE COLETIVA (PISC) ÉTICA NO ATENDIMENTO PROFISSIONAL: RELATO DE VIVÊNCIA NO PROGRAMA PRÁTICAS INTEGRADAS EM SAÚDE COLETIVA (PISC) Solange Pinheiro Moura 1, Denise Maia Leão 2, Bruna Cristiane Furtado Gomes 3, Ana Paula Castro

Leia mais

Saúde psicológica na empresa

Saúde psicológica na empresa Saúde psicológica na empresa introdução Nos últimos tempos muito tem-se falado sobre qualidade de vida no trabalho, e até sobre felicidade no trabalho. Parece que esta discussão reflete a preocupação contemporânea

Leia mais

Necessidades das diferentes populações e possibilidades de respostas na construção da Rede de Cuidados da Pessoa com Deficiência no SUS

Necessidades das diferentes populações e possibilidades de respostas na construção da Rede de Cuidados da Pessoa com Deficiência no SUS XXVIII CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO ABRIL 2014 UBATUBA/SP Necessidades das diferentes populações e possibilidades de respostas na construção da Rede de Cuidados da

Leia mais

Assistência. Assistência no INCA

Assistência. Assistência no INCA Assistência A qualidade do tratamento oferecido aos pacientes pelo Sistema Único de Saúde é de alta prioridade entre as ações desenvolvidas para o controle do câncer no Brasil. Por tratar-se de uma doença

Leia mais

Reabilitação Pós câncer de mama Assistência às mulheres mastectomizadas

Reabilitação Pós câncer de mama Assistência às mulheres mastectomizadas Reabilitação Pós câncer de mama Assistência às mulheres mastectomizadas Profª Drª Fabiana Flores Sperandio O que é câncer de mama? É uma doença que surge quando células da mama sofrem uma mutação e se

Leia mais

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM.

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. RESUMO Karyn Albrecht SIQUEIRA, 1. Aline MASSAROLI, 2. Ana Paula LICHESKI, 2. Maria Denise Mesadri GIORGI, 3. Introdução: Com os diversos avanços

Leia mais

Cuidados Paliativos em Câncer

Cuidados Paliativos em Câncer Cuidados Paliativos em Câncer Temos assistido nas últimas décadas a um envelhecimento progressivo da população, assim como o aumento da prevalência do câncer. O avanço tecnológico alcançado, associado

Leia mais

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Desastre: interrupção grave do funcionamento normal de uma comunidade que supera sua capacidade de resposta e recuperação. Principais causas de

Leia mais

INTRODUÇÃO (WHO, 2007)

INTRODUÇÃO (WHO, 2007) INTRODUÇÃO No Brasil e no mundo estamos vivenciando transições demográfica e epidemiológica, com o crescente aumento da população idosa, resultando na elevação de morbidade e mortalidade por doenças crônicas.

Leia mais

Doenças Graves Doenças Terminais

Doenças Graves Doenças Terminais MINISTÉRIO DA SAÚDE Comissão Nacional de Ética em Pesquisa - CONEP Universidade Federal de Minas Gerais Doenças Graves Doenças Terminais José Antonio Ferreira Membro da CONEP/ MS Depto de Microbiologia

Leia mais

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Eliane Maria Monteiro da Fonte DCS / PPGS UFPE Recife PE - Brasil Pesquisa realizada pelo NUCEM,

Leia mais

PROVA OBJETIVA. 17 O psicólogo que atua em uma instituição pode fazer. 18 O autocontrole e a disciplina são os elementos que determinam

PROVA OBJETIVA. 17 O psicólogo que atua em uma instituição pode fazer. 18 O autocontrole e a disciplina são os elementos que determinam SESFUBMULT_P_06N8977 De acordo com o comando a que cada um dos itens a seguir se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o

Leia mais

Competências para o Cuidado do Idoso na Atenção Básica. Dr. Leandro Minozzo

Competências para o Cuidado do Idoso na Atenção Básica. Dr. Leandro Minozzo Competências para o Cuidado do Idoso na Atenção Básica Dr. Leandro Minozzo Justificativa Desde a criação do SUS em 1988 a população idosa aumentou 2x; Hoje, aprox. 9 mil campobeneses são idosos (15%);

Leia mais

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças 5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças Refletir sobre as resposta de saúde e a inclusão da família Relembrar os objetivos das famílias Questionar as

Leia mais

Questão 01. Questão 02

Questão 01. Questão 02 Questão 01 Paciente com amputação de mão dominante procurou o serviço de Terapia Ocupacional. Entre suas queixas, a primária, seria a falta de independência em suas atividades de vida diária. Qual a estrutura

Leia mais

Discussão de caso clínico Paciente Terminal. Lara Torreão

Discussão de caso clínico Paciente Terminal. Lara Torreão Discussão de caso clínico Paciente Terminal Lara Torreão Caso clínico E.M.S, 3 anos, sexo masculino, natural e procedente de Salvador, foi admitido na enfermaria de Pediatria do Hospital Universitário

Leia mais

FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS

FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS ENADE-2007- PADRÃO DE RESPOSTA FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS QUESTÃO 37 a) O início da resposta inflamatória é determinado por uma vasoconstrição originada de um reflexo nervoso que lentamente vai

Leia mais

Especialização em Clínica de Dor - NOVO

Especialização em Clínica de Dor - NOVO Especialização em Clínica de Dor - NOVO Apresentação Previsão de Início Julho Inscrições em Breve - Turma 01 - Campus Stiep O curso de Especialização em Clínica de Dor deverá enriquecer os currículos daqueles

Leia mais

Evanir Soares da Fonseca

Evanir Soares da Fonseca CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde AÇÕES DE COMBATE AO ESTRESSE: PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DE PARACATU - MG Evanir Soares

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001 DO 9-E, de 12/1/01 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria SAS/MS nº 224, de

Leia mais

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES Simone Lemos 1 ; Suzei Helena Tardivo Barbosa 2 ; Giseli

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

45-Terapeuta Ocupacional - Residencia Multiprofissional em Clinica Especializada/Cuidados Paliativos

45-Terapeuta Ocupacional - Residencia Multiprofissional em Clinica Especializada/Cuidados Paliativos 45-Terapeuta Ocupacional - Residencia Multiprofissional em Clinica Especializada/ LOCAL: CADEIRA: / As questões 1 a 20 são referentes a prova Específica de SAÚDE COLETIVA. 1. Quais dos sistemas de informações

Leia mais

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO - Abordagem multiprofissional e interdisciplinar - assistência prestada por

Leia mais

MANIFESTO DOS TERAPEUTAS OCUPACIONAIS À REDE DE HOSPITAIS PÚBLICOS FEDERAIS DO RIO DE JANEIRO

MANIFESTO DOS TERAPEUTAS OCUPACIONAIS À REDE DE HOSPITAIS PÚBLICOS FEDERAIS DO RIO DE JANEIRO MANIFESTO DOS TERAPEUTAS OCUPACIONAIS À REDE DE HOSPITAIS PÚBLICOS FEDERAIS DO RIO DE JANEIRO O Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão editou a portaria n 292 no dia 4 de julho de 2012 que autoriza

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Avaliação e Monitorização do Paciente em Cuidados Paliativos

Diretrizes Assistenciais. Avaliação e Monitorização do Paciente em Cuidados Paliativos Diretrizes Assistenciais Avaliação e Monitorização do Paciente em Cuidados Paliativos Versão eletrônica atualizada em mar/2012 Esta política descreve as ações a serem realizadas para a identificação, avaliação

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANALISTA EM SAÚDE/ ASSISTENTE SOCIAL PLANTONISTA REQUISITOS: Certificado ou Declaração de conclusão do Curso de Serviço Social, registrado no MEC; E

Leia mais

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL SAÚDE DO IDOSO CURSO ESPECÍFICOS ENFERMAGEM - A Saúde do Idoso aparece como uma das prioridades no Pacto pela Vida, o que significa que, pela primeira vez na história das políticas públicas no Brasil,

Leia mais

A morte cerebral é diferente da morte cardíaca: a primeira permite a doação de órgãos e tecidos; a segunda, só a doação de tecidos.

A morte cerebral é diferente da morte cardíaca: a primeira permite a doação de órgãos e tecidos; a segunda, só a doação de tecidos. Doação de órgãos A doação de órgãos é um ato de caridade e amor ao próximo. A cada ano, muitas vidas são salvas por esse gesto altruísta. A conscientização da população sobre a importância da doação de

Leia mais

Resoluções, conquistas e desafios

Resoluções, conquistas e desafios Eventos pré-congresso Cuidados Paliativos Conselhos e Associações de Classe Demências - diagnóstico diferencial TNT Geriatria - Abbott GeriatRio2013 - Programação Preliminar Como responder às demandas

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 261/02-CEE/MT.

RESOLUÇÃO N. 261/02-CEE/MT. RESOLUÇÃO N. 261/02-CEE/MT. Fixa normas para a Educação Especial na Educação Básica do Sistema Estadual de Ensino O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO, no uso de atribuições que lhe confere os

Leia mais

AUTOVIOLÊNCIA. Dalila Santos Daniela Soares Colombi

AUTOVIOLÊNCIA. Dalila Santos Daniela Soares Colombi AUTOVIOLÊNCIA Dalila Santos Daniela Soares Colombi Automutilação Conceito: Comportamento autolesivo deliberado, causando dano tissular, com a intenção de provocar lesão não fatal para obter alívio de tensão.

Leia mais

Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R

Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R As fases do câncer ANTERIOR AO DIAGNÓSTICO RECUPERAÇÃO OU MORTE DIAGNÓSTICO A FASE

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH Brasília, outubro de 2015 População Masculina 99 milhões (48.7%) População alvo: 20 a 59 anos População Total do Brasil 202,7 milhões de

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

Reabilitação após o câncer

Reabilitação após o câncer assistência Fisioterapia ajuda a prevenir e superar as sequelas decorrentes do tratamento oncológico Reabilitação após o câncer Durante muito tempo, o único foco do tratamento do câncer era a sobrevivência

Leia mais

PROVA SELETIVA - 2016 RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL INTEGRADA EM SAÚDE DO IDOSO PSICOLOGIA

PROVA SELETIVA - 2016 RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL INTEGRADA EM SAÚDE DO IDOSO PSICOLOGIA PROVA SELETIVA - 2016 RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL INTEGRADA EM SAÚDE DO IDOSO PSICOLOGIA Antes de iniciar a prova, leia atentamente as instruções abaixo: 1. A duração da prova, incluindo o tempo para

Leia mais

PROJETO DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JN.M@TOS RNC REDE NOVO CURSO END.: AV. 15 DE NOVEMBRO, N 200 GUARANI PIABETÁ MAGÉ/ RJ www.rnc.org.

PROJETO DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JN.M@TOS RNC REDE NOVO CURSO END.: AV. 15 DE NOVEMBRO, N 200 GUARANI PIABETÁ MAGÉ/ RJ www.rnc.org. PROJETO DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JN.M@TOS RNC REDE NOVO CURSO END.: AV. 15 DE NOVEMBRO, N 200 GUARANI PIABETÁ MAGÉ/ RJ www.rnc.org.br ÍNDICE FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES DO CUIDADOR... 01 a 03 CUIDADOR...

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA GABINETE DA DEPUTADA LUZIA TOLEDO PROJETO DE LEI Nº 157/2010

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA GABINETE DA DEPUTADA LUZIA TOLEDO PROJETO DE LEI Nº 157/2010 PROJETO DE LEI Nº 157/2010 A semana de conscientização sobre transtornos de aprendizagem, no âmbito do Estado do Espírito Santo. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Fica

Leia mais

O modelo biomédico da medicina pode ser entendido partir do nível das respostas que dá às seguintes questões:

O modelo biomédico da medicina pode ser entendido partir do nível das respostas que dá às seguintes questões: Ogden, J.(1999). Psicologia da Saúde. Lisboa: Climepsi Editores, Capitulo 1. Capítulo 1. Uma Introdução a Psicologia da Saúde Antecedentes da Psicologia da Saúde O século XIX Foi no decorrer do século

Leia mais

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC ALGUNS TERMOS TÉCNICOS UNESC FACULDADES - ENFERMAGEM PROFª.: FLÁVIA NUNES Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica Ortopneia: É a dificuldade

Leia mais

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria O programa de Residência em Pediatria prevê 60 horas de jornada de trabalho semanal, sendo 40 horas de atividades rotineiras e 20 horas de

Leia mais

SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA, IDOSAS E SUAS FAMÍLIAS NO SUAS Tipificação Nacional dos Serviços SUAS/2009

SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA, IDOSAS E SUAS FAMÍLIAS NO SUAS Tipificação Nacional dos Serviços SUAS/2009 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SNAS DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL - DPSE SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL PARA PESSOAS COM

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM NEFROLOGIA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM NEFROLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM NEFROLOGIA OBJETIVOS DO PROGRAMA Objetivo Geral Capacitar o profissional médico durante os dois anos de treinamento de conteúdo programático teórico e prático essenciais,

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS / DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE MENTAL COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

Leia mais

Circular 059/2012 São Paulo, 01 de Fevereiro de 2012.

Circular 059/2012 São Paulo, 01 de Fevereiro de 2012. Circular 059/2012 São Paulo, 01 de Fevereiro de 2012. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) NORMAS DE FUNCIONAMENTO E HABILITAÇÃO DO SERVIÇO HOSPITALAR DE REFERÊNCIA ATENÇÃO PSICOSSOCIAL Diário Oficial da União

Leia mais

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE-PSF. 05 Matemática. 05 Conhecimentos Específicos. 30 Total de questões 40

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE-PSF. 05 Matemática. 05 Conhecimentos Específicos. 30 Total de questões 40 CONCURSO PÚBLICO Nº 002/2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHEIRO PRETO - SC AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE-PSF Nome do (a) Candidato (a) Número de Inscrição Este caderno de questões está assim constituído: DISCIPLINAS

Leia mais

FISCO. Saúde. Programa de Atenção. Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS ANS 41.766-1

FISCO. Saúde. Programa de Atenção. Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS ANS 41.766-1 FISCO Saúde ANS 41.766-1 Programa de Atenção Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS Prezados Associados, Para facilitar a comunicação e dirimir as principais dúvidas sobre a utilização dos nossos serviços, o

Leia mais

CADERNO DE PROVA FUNÇÃO: COORDENADOR PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL 01/2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE BARÃO DE COCAIS/MG INSTRUÇÕES:

CADERNO DE PROVA FUNÇÃO: COORDENADOR PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL 01/2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE BARÃO DE COCAIS/MG INSTRUÇÕES: PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL 01/2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE BARÃO DE COCAIS/MG CADERNO DE PROVA FUNÇÃO: COORDENADOR NOME: DATA: / / INSCRIÇÃO Nº: CPF ou RG: INSTRUÇÕES: 1. Você recebeu sua folha

Leia mais

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO HU/UFJF SERVIÇO SOCIAL. Anna Cláudia Rodrigues Alves. Chefe do Serviço Social HU/UFJF Mestre em Saúde Coletiva / UFJF

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO HU/UFJF SERVIÇO SOCIAL. Anna Cláudia Rodrigues Alves. Chefe do Serviço Social HU/UFJF Mestre em Saúde Coletiva / UFJF HOSPITAL UNIVERSITÁRIO HU/UFJF SERVIÇO SOCIAL Anna Cláudia Rodrigues Alves Chefe do Serviço Social HU/UFJF Mestre em Saúde Coletiva / UFJF FALSO VERDADES E INVERDADES SOBRE O SERVIÇO SOCIAL VERDADEIRO

Leia mais

Carta dos Direitos dos Usuários da Saúde

Carta dos Direitos dos Usuários da Saúde Carta dos Direitos dos Usuários da Saúde 1 Considerando o art. 196, da Constituição Federal, que garante o acesso universal e igualitário a ações e serviços para promoção proteção e recuperação da saúde;

Leia mais

As Mulheres e o Trabalho de Cuidar SÃO PAULO,07 DE NOVEMBRO DE 2014.

As Mulheres e o Trabalho de Cuidar SÃO PAULO,07 DE NOVEMBRO DE 2014. As Mulheres e o Trabalho de Cuidar MYRIAN MATSUO II Seminário de Sociologia da FUNDACENTRO: Condições de Trabalho das Mulheres no Brasil SÃO PAULO,07 DE NOVEMBRO DE 2014. Doutora em Sociologia pelo Departamento

Leia mais

CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO

CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO O que fazer para ajudar seu familiar quando ele se encontra na UTI Versão eletrônica atualizada em Abril 2010 A unidade de terapia intensiva (UTI) é um ambiente de trabalho

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I EXERCÍCIOS RESISTIDOS Parte I DESEMPENHO MUSCULAR Capacidade do músculo realizar trabalho. Elementos fundamentais: Força Potência muscular Resistência à fadiga FATORES QUE AFETAM O DESEMPENHO MUSCULAR

Leia mais

PONTA DELGADA AÇORES 08 a 10 de MAIO de 2013 Emmanuel Fortes S. Cavalcanti 3º Vice Presidente CFM - Brasil

PONTA DELGADA AÇORES 08 a 10 de MAIO de 2013 Emmanuel Fortes S. Cavalcanti 3º Vice Presidente CFM - Brasil PONTA DELGADA AÇORES 08 a 10 de MAIO de 2013 Emmanuel Fortes S. Cavalcanti 3º Vice Presidente CFM - Brasil Trabalho de educação continuada desenvolvido pelo CRM-AL em 2002. Atendimento de profissionais

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R O QUE SÃO AS LESÕES POR ESFORÇOS REPETITIVOS LER são doenças do trabalho provocadas pelo uso inadequado e excessivo do

Leia mais

A atuação da terapia ocupacional em Geronto-Geriatria. Marcia Pontes Mendonça

A atuação da terapia ocupacional em Geronto-Geriatria. Marcia Pontes Mendonça A atuação da terapia ocupacional em Geronto-Geriatria Marcia Pontes Mendonça A terapia Ocupacional (TO) tem um papel fundamental no tratamento de pessoas que apresentam disfunções/distúrbios de ordem física,

Leia mais

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A Serviço Social DISCURSIVA Residência Saúde 2012 ATIVIDADE DATA LOCAL Divulgação do gabarito - Prova Objetiva (PO) 31/10/2011

Leia mais

Prof. MS. Ellen H. Magedanz

Prof. MS. Ellen H. Magedanz Prof. MS. Ellen H. Magedanz As transformações nos padrões de saúde/doença constituíram-se em uma das características do último século, estão associadas às mudanças na estrutura etária populacional. América

Leia mais