AVALIAÇÃO DO PACIENTE COM SUSPEITA DE MORTE ENCEFÁLICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DO PACIENTE COM SUSPEITA DE MORTE ENCEFÁLICA"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO DO PACIENTE COM SUSPEITA DE MORTE ENCEFÁLICA Coordenação do Sistema Estadual de Transplantes - COSET Sociedade de Terapia Intensiva da Bahia - SOTIBA Conselho Regional de Medicina - CRM Associação Baiana de Medicina - ABM Sociedade de Neurologia da Bahia SNB Instituto de Saúde pela Promoção da Vida - PROVIVER O que é Morte Encefálica? É a morte do cérebro e tronco encefálico e equivale á morte clínica estabelecida pelos critérios neurológicos. É a morte da pessoa. 16, 18 Por que fazer o diagnóstico de Morte Encefálica? Deve ser aberto protocolo para todos pacientes com suspeita de morte encefálica, independente da possibilidade de doação ou não de órgãos e tecidos. O diagnóstico de Morte Encefálica é obrigatório, e a notificação é compulsória para Central de Notificação Captação e Distribuição de Órgãos - CNCDO. Todo médico deve saber fazer o diagnóstico de morte encefálica pelas seguintes razoes: 9 Conhecer a real situação do paciente (vivo ou morto); Passar informação segura para os familiares, qual a real situação do seu parente; Evitar terapia inútil (tratar cadáver); Reduzir custos e otimizar leitos de Terapia Intensiva; Oferecer a família opção de ajudar outras pessoas através da doação de órgãos e tecidos. 5 Quais os pré-requisitos para abertura de protocolo de morte encefálica? A causa do coma deve ser necessariamente conhecida. Estruturas vitais do encéfalo, necessárias para manter a consciência e a vida, devem estar com lesão irreversível. Não estar em uso de drogas depressoras do sistema nervoso central em doses capazes de causar o coma;

2 Ausência de hipotermia, sendo considerado hipotermia uma temperatura menor que 32 ºC; Sem severos distúrbios metabólicos, acido básico e/ou eletrolíticos capazes de levar ao coma; Não estar com hipotensão arterial (PAS igual ou maior a 90 mmhg ou PAM > 65mmHg); Estar em coma arreativo; Em ventilação mecânica; Apresentar pontuação três na escala de coma de Glasgow 5, 11,19 Quem regulamenta o diagnóstico de Morte Encefálica? A resolução 1.480/97 do CFM. No Brasil são necessários dois exames clínicos e um exame complementar, as avaliações clínicas devem ser realizadas por dois médicos diferentes, sendo uma destas avaliações efetuada por um neurologista ou neurocirurgião. Esses médicos não podem fazer parte de equipes de captação e transplante. 17, 18 A avaliação clínica deve buscar ausência de atividade do tronco encefálico e cérebro. O exame complementar deve avaliar: ausência de atividade elétrica cerebral (EEG); ou ausência de fluxo sanguíneo cerebral (Doppler transcraniano, Cintilografia cerebral TC com xenônio, arteriografia) ou ausência de atividade metabólica cerebral (PET, extração cerebral de oxigênio). Pode ser realizado após a abertura do protocolo ou após segunda avaliação clinica. 5 O intervalo entre as avaliações clínicas depende da idade do paciente. Tabela 1. Intervalo de tempo entre avaliações clínicas conforme idade. Idade Intervalo de tempo em horas de 7 dias a 2 meses incompletos 48 de 2 meses a 1 ano incompleto 24 de 1 ano a 2 anos incompletos 12 Acima de 2 anos 06 Fonte: Adaptado da resolução 1480/97 do CFM O óbito será constatado na hora da segunda avaliação ou do exame complementar, o que ocorrer por último. 11

3 Quais as causas mais freqüentes que evoluem para morte encefálica? Pacientes traumatizados (TCE) 60% Acidente vascular cerebral (AVCH /AVCI) 30 a 40% Tumores cerebrais primários 5% Anóxia cerebral (afogamentos, vítimas de intoxicação exógena se não tóxica para o órgão a ser doado, pos parada cardiorespiratória) 2 a 5%.Intoxicação exógena 1% Quais os parâmetros hemodinâmicos e metabólicos para abertura de protocolo de Morte Encefálica? Hemodinâmicos PAS >= 90 mmhg PAM >= 65 mmhg Ventilatório Sat O 2 >90% Pa CO 2 : mmhg PaO 2 / FiO 2 > 100 Metabólico Uréia <250 Sódio plasmático meq/l Glicemia 80 a 300 mg/dl Hematológico Hemoglobina >que 10 Temperatura Maior que 35 C Obs: Devemos sempre buscar os parâmetros da normalidade. 5 O que fazer se o paciente fez uso de Drogas depressoras do Sistema Nervoso Central - SNC? Conhecer a via de metabolização e liminação da droga, idade do paciente e funcionamento dos órgãos que metabolizam e eliminam esses fármacos. As medicações mais usadas nas emergências são: derivados benzodiazepnicos, barbitúricos, opióides, bloqueadores neuromusculares. Considerar duas meias vidas quando forem utilizadas drogas depressoras do sistema nervoso central (SNC) em doses terapêuticas. Considerar quatro meias vidas quando usado em doses capazes de levar a depressão do SNC. Ainda podemos titular

4 níveis séricos para identificarmos a possibilidade de depressão ou não de SNC ou usarmos antagonista quando disponível. 10 Drogas sem antagonistas: 1. Fenitoina - pode causar inicialmente alterações das funções cerebelares e posteriormente depressão do sistema nervoso central, sendo necessário níveis séricos maiores que 60 micro gramas para atingir tal efeito. Meia vida 7 a 26 horas Propofol -Meia vida 30 a 60 minutos 3. Thiopental- Meia vida 5 a 12 horas 4. Fenobarbital- Meia vida 2 a 6 dias 5. Pentobarbital - Meia vida 15 a 20 horas. 10 Drogas com antagonistas: 1. Benzodiazepinicos (diazepam, midazolam, aprazolam, lorazepam etc). 1.1 Midazolam -Meia vida 1.9 horas 1.2 Diazepan Meia vida 5 à 30 horas. 10 Antagonista - Flumazenil dose de 1 a 5 mg o efeito do benzodiazepnico é antagonizado e esta ação se mantém por aproximadamente 1 hora. Nos benzodiazepnicos de meia vida longa, infusão continua 0,1 a 0.4 mg/hora em soro até a próxima avaliação. 2. Opióides (morfina, fentanil). 2.1 Morfina - Meia vida. 1,5 a 2 horas 2.2 Fentanil - Meia vida. 2 a 4 horas 2.3 Meperidina - meia vida 3 a 4 horas Antagonista - Naloxona 0,2 a 0,4 mg/kg IV lentamente com resposta em 2 minutos. Obs: podemos considerar o menor tempo quando a via de eliminação da medicação esteja preservada. 10 Obs: Todo paciente com suspeita de morte encefálica deve ser coletado: hemograma, glicose, uréia, creatinina, sódio, potássio, hemogasometria, avaliação de função hepática e classificação sanguínea. 2 Como é feito o exame físico para diagnóstico de Morte Encefálica? 1.Arreatividade supra-espinhal - Ausência total de atividade do tronco cerebral e cérebro.

5 Teste: Proceda estimulo doloroso por meio de pressão do leito ungueal dos 4 membros e região supra-orbitária. Interpretação: Ausência de resposta motora voluntária supraespinhal nos quatro membros e face. Atenção: A presença de reatividade infra-espinhal pode ocorrer em pacientes com morte encefálica e se deve a atividade reflexa da medula como: reflexos osteotendinosos, cutâneoabdominal, cutâneo-plantar em flexão ou extensão, cremastérico, ereção peniana, arrepio e reflexo de retirada dos membros, sinal de Lazarus, opistótono. Portanto não afastando o diagnóstico de morte encefálica Pupilas paralíticas (II e III nervos cranianos) Pupilas midriáticas (4-9 mm), sendo que pode haver discreta anisocoria, devendo as mesmas estar fixas e arreativas ao estímulo luminoso. Interpretação: Ausência de resposta ao estímulo luminoso 3. Ausência do reflexo córneo palpebral (V e VII nervos cranianos). - Estimulamos a córnea com um cotonete ou gaze e observamos se ocorre piscamento. Interpretação: Ausência de reflexo palpebral quando não ocorre o piscamento. 4. Ausência de reflexo oculocefálico (III, IV, VI e VIII nervos cranianos) Deve ser feito após exclusão de lesão da coluna cervical. Movendo a cabeça em movimento de rotação com pausa no final do movimento, e após com movimentos de extensão e flexão do pescoço. Observando se há movimentos oculares. Interpretação: Considerado positivo para o diagnóstico de ME quando não há movimentos dos olhos (olhos fixos). 5. Ausência de resposta às provas calóricas (III, VI e VIII nervos cranianos). - Deve ser avaliada a integridade da membrana timpânica através de um exame de otoscopia. Colocar cabeceira do paciente elevada a 30 0 e usar 50ml de soro fisiológico 0,9% ou água gelada, (próximo a 0 0 C) procedemos à irrigação de cada conduto auditivo separadamente aguardamos 5 minutos entre um exame e outro. Durante o exame mantemos os olhos do paciente aberto. Interpretação: Observamos se existem movimentos dos olhos, sem movimentos o teste é considerado positivo.

6 6. Ausência de reflexo de tosse (IX e X nervos cranianos) - Estimulamos a traquéia ou orofaringe com uma sonda longa e observamos se existe alguma resposta ao estímulo. Interpretação: Ausência de movimentos respiratórios e tosse. 7. Teste da apnéia Deve ser o último teste a ser realizado. Tem como objetivo avaliar se a região baixa do tronco encefálico (bulbo) está íntegra. É o exame mais importante, pois a hipercapnia é o maior estímulo ao centro respiratório. Pré Requisitos para que não ocorram riscos durante o exame: Vale reforçar que quanto mais precoce for iniciado o diagnostico mais facilmente encontraremos as melhores condições para que o teste se realize sem intercorrências. Devemos buscar parâmetros normais hemodinâmicos, metabólicos e temperatura. 1. Pré-oxigenação até PO 2 arterial de 200 mmhg com O 2 a 100% por 10 minutos. Monitorização cardíaca e oximetria contínua; 2. Temperatura maior ou igual a 35C; 3. Pressão arterial sistólica maior ou igual a 90mmHg; 4. Estabilidade do ritmo cardíaco ao monitor (ausência de bradiarritmia ou taquiarritmia); 5. Balanço hídrico positivo nas últimas 6 horas; 6. Eucapnia; 7. Pressão parcial arterial de oxigênio maior ou igual 200mmHg (após préoxigenação com Fio2 de 100%); 8. ph arterial maior ou igual a 7,30. TESTE: 1. Oxigenar o paciente com O 2 a 100% por 10 minutos e, após este período, colher uma gasometria. 2. Desconectar o ventilador, colocar um cateter com oxigênio 6 a 8 L no tubo traqueal e observar movimentos respiratórios e/ou outros movimentos por 8 a 10 minutos. 3. Estes pacientes devem estar monitorizados com oxímetro de pulso e eletrocardiografia contínua.

7 4. O teste deve ser interrompido se houver sinais de instabilidade como: queda de pressão arterial < 90 mmhg, hipóxia em que saturação de oxigênio seja < 90% e arritmia cardíaca. Devemos conectar o paciente ao ventilador e tratado conforme protocolo do ACLS (Suporte Avançado de Vida em Cardiologia), colher nova gasometria onde será avaliado o resultado. Se o paciente apresentar movimentos respiratórios ou movimentos supra espinhais o protocolo é interrompido. INTERPRETAÇÃO: -Positivo PCO 2 maior que 55mmHg 2- Aumento da PCO 2 em 20 mmhg comparada com a gasometria inicial e ausência de movimentos respiratórios. -Negativo Movimentos respiratórios, resultados de PCO 2 na gasometria inferior aos resultados anteriores. -Inconclusivos - Instabilidade hemodinâmica durante exame, hipóxia (queda da SaO 2 < 90%) e arritmias. 11 O intervalo para reabertura de protocolo é de 12 horas para os pacientes estáveis e 6 horas para pacientes instáveis. Entre abertura e fechamento de protocolo em pacientes acima de 2 anos não deve ultrapassar 10 horas. 13 Texto elaborado por: Coordenação do Sistema Estadual de Transplantes - COSET Sociedade de Terapia Intensiva da Bahia - SOTIBA Conselho Regional de Medicina - CRM Associação Baiana de Medicina - ABM Sociedade de Neurologia da Bahia SNB Instituto de Saúde pela Promoção da Vida - PROVIVER REFERÊNCIAS

8 1. BRAUNFELD, M.Y. Cadaveric Donors. V. 22: Elsevier Saunders: Los Angeles, CHARNEY, D.S.; MIHIC, S.J.; HARRIS, R.A. Hypnotics and Sedatives in: The Pharmacological Basis of Therapeutics. 10 ed p. McGraw-Hill: USA, CINTRA, E.A.; MACIEL JUNIOR, J.A. Vasopressina e Morte Encefálica. Rev. Neuro-Psiquiatria. vol.58 n.1. São Paulo Mar CRANSTON, R.E. The Diagnosis of Brain Death. V. 345: The New England Journal of Medicine: England, DOOB, G.J.; WEEKES, J.W. Clinical Confirmation of Brain Death in: Anaesthesia Intensive Care. V. 23: Western Australia, EELCO, F.M. The Diagnosis of Brain Death. V. 344: The New England Journal of Medicine: England, Electrolytic disorders, hyperosmolar states and lactic acidosis in brain-dead patients. V. 37: Journal of Transplantation Proceedings, GRAMM, H.J.; MEINHOLD, H.; BICKEL, U. et al. Acute endocrine failure after brain death? Transplantation 1992; 54: KAUFMANN, M.L.; RODRIGUES FILHO, E.M. Doação de Órgãos Morte Encefálica in: DAVID, C.M. Medicina Intensiva Revinter: Rio de Janeiro, LAGO, P.M.; PIVA, J.P.; et al. Analgesia e sedação em situações de emergências e unidades de tratamento intensivo pediátrico. V. 79: Jornal de Pediatria: Porto Alegre, NOTHEN, R.R. A Doação de Órgãos no Cenário da Unidade de Terapia Intensiva. Associação Brasileira de Transplante de Órgãos. 12. NOVITZKY, D.; COOPER, D.K.; REICHART, B. Hemodynamic and metabolic responses to hormonal therapy in brain-dead potential organ donors. Transplantation 1987; 43: POWNER, D.J. Donor Management Issues in: Progress in Transplantation. The Journal for Procurement and Clinical Transplant Professionals. V.10. n

9 14. ROSENDALE, J.D.; CHABALEWSKI, F.L.; MCBRIDE, M.A. et al. Increased transplanted organs from the use of a standardized donor management protocol. Am J. Transplant 2002; 2: SAPOSNIK, G.; MAURINO, J.; et al. Spontaneous and reflex movements in 107 patients with brain death. The American Journal of Medicine: Buenos Aires, : SAÚDE. Dúvidas mais freqüentes sobre transplantes. Ministério da Saúde SILVA, N.M. Morte Encefálica - aspectos legais para desligar os aparelhos. Processo Consulta CFM nº 7.311/ SILVA, S.P. Morte Encefálica. Processo Consulta CFM nº 2.231/ Teasdale G, Jennett B. Assessment of coma and impaired consciousness. A practical scale. Lancet Jul 13;2 (7872): UENO, T.Z.C.; ITOH, T. Unique Circulatory responses to exogenous catecholamines after brain death. Transplantation, : WOOD, K.E; BECKER, B.N.; MCCARTNEY, J.G.; et al. Care of Potential Organ Donor. The New England Journal of Medicine, :

Manual de Rotinas CIHDOTT Hospital... Índice

Manual de Rotinas CIHDOTT Hospital... Índice Manual de Rotinas CIHDOTT... Índice 1. Dos Registros da CIHDOTT 2. Busca Ativa de Potencial Doador (PD) 3. Notificação de Potencial Doador ao Serviço de Procura de Órgãos e Tecidos (SPOT) 4. Entrada dos

Leia mais

Morte Encefálica. Dr. Camilo Vieira

Morte Encefálica. Dr. Camilo Vieira Morte Encefálica Dr. Camilo Vieira Diagnóstico da Morte Critério de Determinação: 1. Tradicional a) rigor cadáverico, pele fria e pálida b) parada cardio respiratória 2. Encefálica Diagnóstico da Morte

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM nº 1.480/97

RESOLUÇÃO CFM nº 1.480/97 RESOLUÇÃO CFM nº 1.480/97 O Conselho Federal de Medicina, no uso das atribuições conferidas pela Lei nº 3.268, de 30 de setembro de 1957, regulamentada pelo Decreto nº 44.045, de 19 de julho de 1958 e,

Leia mais

Talvez não exista nenhum aspecto na. resistido tanto às transformações da sociedade

Talvez não exista nenhum aspecto na. resistido tanto às transformações da sociedade Talvez não exista nenhum aspecto na história da humanidade que tenha resistido tanto às transformações da sociedade quanto o conceito de morte. falta de compreensão do homem primitivo. constatação dos

Leia mais

TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA

TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA Yuri Andrade Souza Serviço de Neurocirurgia Hospital São Rafael Hospital Português INTRODUÇÃO Lesão primária x lesão secundária Atendimento inicial Quando

Leia mais

MORTE ENCEFÁLICA E DOAÇÃO DE ORGÃOS

MORTE ENCEFÁLICA E DOAÇÃO DE ORGÃOS MORTE ENCEFÁLICA E DOAÇÃO DE ORGÃOS CONCEITO Parada total do funcionamento cerebral. Perda da função do Tronco Cerebral Os parâmetros clínicos a serem observados para constatação de morte encefálica são:

Leia mais

[208] a. CONSIDERAÇÕES GERAIS DE AVALIAÇÃO

[208] a. CONSIDERAÇÕES GERAIS DE AVALIAÇÃO [208] p r o t o c o l o s d a s u n i d a d e s d e p r o n t o a t e n d i m e n t o 2 4 h o r a s Imobilizar manualmente a cabeça e pescoço até a vítima estar fixada em dispositivo imobilizador. Estar

Leia mais

PROF. ESP. Dra Thaiacyra Medeiros thaiacyra.fisio@hotmail.com

PROF. ESP. Dra Thaiacyra Medeiros thaiacyra.fisio@hotmail.com PROF. ESP. Dra Thaiacyra Medeiros thaiacyra.fisio@hotmail.com INTRODUÇÃO AO ATENDIMENTO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA UTI - "unidade complexa dotada de sistema de monitorização contínua que admite pacientes

Leia mais

COMA. Recuperação da Consciência. Morte Encefálica

COMA. Recuperação da Consciência. Morte Encefálica Avaliação do Paciente Neurológico Dra. Viviane Cordeiro Veiga Unidades de Terapia Intensiva Neurológica Hospital Beneficência Portuguesa Alterações do nível de consciência Sonolência: indivíduos que despertam

Leia mais

OXIMETRIA DE BULBO JUGULAR. - saturação venosa é utilizada como indicador de hipóxia e isquemia cerebral

OXIMETRIA DE BULBO JUGULAR. - saturação venosa é utilizada como indicador de hipóxia e isquemia cerebral OXIMETRIA DE BULBO JUGULAR - indicações: trauma cranioencefálico grave hipertensão intracraniana - cateterização da veia jugular interna - saturação venosa é utilizada como indicador de hipóxia e isquemia

Leia mais

DR.JAIRO B.NETTO NEUROCIRURGIÃO NEUROINTENSIVISTA

DR.JAIRO B.NETTO NEUROCIRURGIÃO NEUROINTENSIVISTA NEURO-INTENSIVA CTI-EINSTEIN NEURO-INTENSIVA UTI-H.SÍRIO LIBANEZ MORTE ENCEFÁLICA DR.JAIRO B.NETTO NEUROCIRURGIÃO NEUROINTENSIVISTA That when the brain were out,the man would die Sheakespeare,Macbeth Act.III,scene

Leia mais

O Processo de Doação Transplante Introdução

O Processo de Doação Transplante Introdução O Processo de Doação Transplante Introdução Desde o início da história dos transplantes, inúmeras dificuldades são enfrentadas para efetiva implantação desta prática terapêutica, essencialmente no que

Leia mais

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO Lilian Caram Petrus, MV, Msc Equipe Pet Cor de Cardiologia Doutoranda FMVZ-USP Vice- Presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia Veterinária Estado de baixa perfusão

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

Diretrizes de reanimação cardiopulmonar

Diretrizes de reanimação cardiopulmonar Enf: Karin Scheffel Diretrizes de reanimação cardiopulmonar Atendimento inicial suporte básico (BLS) ou suporte primário Atendimento avançado ACLS (Circulation. 2010;122[suppl 3]:S787 S817.) http://circ.ahajournals.org/content/122/18_suppl_3/s787.full

Leia mais

Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante

Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante POR QUE CRIAR CIHDOTTs? 6294 hospitais no país Necessidade de descentralização Equipes localizadas dentro do hospital notificante

Leia mais

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO)

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) DADOS DO PACIENTE PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) Iniciais: Registro: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino Data de nascimento: / /

Leia mais

Hospital Beneficência Portuguesa SP GEAPANC JULHO 2008

Hospital Beneficência Portuguesa SP GEAPANC JULHO 2008 Monitorização Clínica do Paciente Neurológico em Terapia Intensiva Prof. Dr. Salomón S. Ordinola Rojas Hospital Beneficência Portuguesa SP GEAPANC JULHO 2008 FILOSOFIA DE ATENDIMENTO Profilaxia Diagnóstico

Leia mais

Obstáculos enfrentados pelo enfermeiro na manutenção de potenciais doadores de órgãos

Obstáculos enfrentados pelo enfermeiro na manutenção de potenciais doadores de órgãos Obstáculos enfrentados pelo enfermeiro na manutenção de potenciais doadores de órgãos Deise dos Santos Campos 1 Emanuela Batista Ferreira 2 Jael Maria de Aquino 3 Sílvia Elizabeth Gomes de Medeiros 4 Thassia

Leia mais

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP)

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) É parada súbita e inesperada da atividade mecânica ventricular útil e suficiente

Leia mais

CAPÍTULO 7 ENCEFALOPATIA HIPÓXICO-ISQUÊMICA. Maria Francielze Holanda Lavor INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 7 ENCEFALOPATIA HIPÓXICO-ISQUÊMICA. Maria Francielze Holanda Lavor INTRODUÇÃO CAPÍTULO 7 ENCEFALOPATIA HIPÓXICO-ISQUÊMICA Maria Francielze Holanda Lavor INTRODUÇÃO A encefalopatia hipóxico-isquêmica (EHI) é uma síndrome neurológica que usualmente está relacionada a asfixia perinatal

Leia mais

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial GASOMETRIA ARTERIAL Processo pelo qual é feita a medição das pressões parciais dos gases sangüíneos, a partir do qual é possível o cálculo do PH sangüíneo, o que reflete o equilíbrio Ácido-Básico 2 GASOMETRIA

Leia mais

Protocolo de Monitorização Neurológica

Protocolo de Monitorização Neurológica Cuidados Intensivos de Enfermagem no Paciente Vítima de Trauma Elaine Morais Gerente de Unidades de Terapia Intensiva Unidade São Joaquim Protocolo de Monitorização Neurológica Investigação neurológica:

Leia mais

COMISSÃO INTRAHOSPITALAR DE DOAÇÃO DE ÓRGÃOS E TECIDOS PARA TRANSPLANTES

COMISSÃO INTRAHOSPITALAR DE DOAÇÃO DE ÓRGÃOS E TECIDOS PARA TRANSPLANTES COMISSÃO INTRAHOSPITALAR DE DOAÇÃO DE ÓRGÃOS E TECIDOS PARA TRANSPLANTES A Comissão Intra Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes-CIHDOTT tem por objetivo a organizar todo o processo

Leia mais

Rotinas do Transplante no Estado da Bahia

Rotinas do Transplante no Estado da Bahia SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA Rotinas do Transplante no Estado da Bahia Diagnóstico de Morte Encefálica e Manutenção do Potencial Doador Salvador - Bahia Junho - 2007 ENTIDADES ENVOLVIDAS GOVERNADOR

Leia mais

O Procedimento Operacional Padrão (POP) No. 04/2013 do Manual de Normas e Rotinas do Núcleo Interno de Regulação da Santa Casa:

O Procedimento Operacional Padrão (POP) No. 04/2013 do Manual de Normas e Rotinas do Núcleo Interno de Regulação da Santa Casa: PARECER CRM/MS N 001-2014 PROCESSO CONSULTA N 13/2013 INTERESSADO: ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE DE CAMPO GRANDE ASSUNTO: SOLICITAÇÃO DE PARECER PRIORIZAÇÃODE ACESSO ÀS VAGAS EM UTI. Temas correlatos: Priorização

Leia mais

ROTINAS DO SETOR 1- ABORDAGEM

ROTINAS DO SETOR 1- ABORDAGEM REGIMENTO INTERNO A Comissão Intra-hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante CIH-DOTT atende às exigências da legislação vigente, tendo sido instituída pelas Portarias n. os 191, de 09

Leia mais

RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012

RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012 RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012 Define e regulamenta as atividades da sala de recuperação pós-anestésica (SRPA) O Conselho Regional de Medicina do Estado do Ceará, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

ADA. ão, acesso venoso, e drogas. desfibrilação

ADA. ão, acesso venoso, e drogas. desfibrilação C - CIRCULAÇÃO BÁSICA B E AVANÇADA ADA Monitoração, desfibrilação ão, acesso venoso, e drogas Hospital Municipal Miguel Couto Centro de Terapia Intensiva Dr David Szpilman CONCEITO DE PCR: Cessação súbita

Leia mais

Prof. André Silva Carissimi Faculdade de Veterinária - UFRGS. Anestesia: É o ato anestésico reversível que produz:

Prof. André Silva Carissimi Faculdade de Veterinária - UFRGS. Anestesia: É o ato anestésico reversível que produz: Prof. André Silva Carissimi Faculdade de Veterinária - UFRGS Conceitos Básicos Anestesia: É o ato anestésico reversível que produz: - perda da consciência (narcose), - supressão da percepção dolorosa (analgesia)

Leia mais

CUIDADOS FISIOTERAPÊUTICOS NO PÓS OPERATÓRIO DE. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta RBAPB Hospital São Joaquim

CUIDADOS FISIOTERAPÊUTICOS NO PÓS OPERATÓRIO DE. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta RBAPB Hospital São Joaquim CUIDADOS FISIOTERAPÊUTICOS NO PÓS OPERATÓRIO DE ANEURISMAS CEREBRAIS Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta RBAPB Hospital São Joaquim AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA Nível de consciência Pupilas

Leia mais

UTP UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ EXAMES CLÍNICOS NO DIAGNÓSTICO DA MORTE ENCEFÁLICA

UTP UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ EXAMES CLÍNICOS NO DIAGNÓSTICO DA MORTE ENCEFÁLICA UTP UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ EXAMES CLÍNICOS NO DIAGNÓSTICO DA MORTE ENCEFÁLICA CURITIBA 2011 DAIANE CORDEIRO DOS SANTOS MACHOWSKI GEORGEA SANTANA GLUCHOWISKI EXAMES CLÍNICOS NO DIAGNÓSTICO DA MORTE

Leia mais

Pressão Intracraniana - PIC. Aula 10

Pressão Intracraniana - PIC. Aula 10 Pressão Intracraniana - PIC Aula 10 Definição É a pressão encontrada no interior da caixa craniana. Pressão exercida pelo líquor nas paredes dos ventrículos cerebrais. Quando essa pressão é alterada significa

Leia mais

Protocolo de Ventilação Mecânica

Protocolo de Ventilação Mecânica 1 de 6 RESULTADO ESPERADO: Sistematizar a assistência ventilatória e o processo de desmame objetivando na redução do tempo de ventilação mecânica e as complicações associadas. 1554 PROCESSOS RELACIONADOS:

Leia mais

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO EM MEDICINA INTENSIVA

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO EM MEDICINA INTENSIVA SISTEMA DE EDUCAÇÃO MÉDICA CONTINUADA A DISTÂNCIA PROAMI PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO EM MEDICINA INTENSIVA ORGANIZADO PELA ASSOCIAÇÃO DE MEDICINA INTENSIVA BRASILEIRA Diretores acadêmicos Cleovaldo T. S. Pinheiro

Leia mais

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial PET Medicina CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Paulo Marcelo Pontes Gomes de Matos OBJETIVOS Conhecer o que é Edema Agudo

Leia mais

rim medula óssea familiar tecidos córneas tecidos órgãos fígado fígado pulmão pulmão pâncreas pâncreas intestino intestino pâncreas pâncreas

rim medula óssea familiar tecidos córneas tecidos órgãos fígado fígado pulmão pulmão pâncreas pâncreas intestino intestino pâncreas pâncreas familiar rim medula óssea fígado fígado pulmão pulmão pâncreas pâncreas intestino intestino tecidos córneas rim rim pâncreas pâncreas fígado fígado pulmão pulmão órgãos tecidos órgãos rins rins coração

Leia mais

Endereços e telefones importantes para a notificação e obtenção de informações gerais sobre transplantes de órgãos

Endereços e telefones importantes para a notificação e obtenção de informações gerais sobre transplantes de órgãos Endereços e telefones importantes para a notificação e obtenção de informações gerais sobre transplantes de órgãos Contatos úteis para a notifi cação sobre transplantes de órgãos em São Paulo Secretaria

Leia mais

Manutenção do Potencial Doador. Dra. Viviane Cordeiro Veiga

Manutenção do Potencial Doador. Dra. Viviane Cordeiro Veiga Manutenção do Potencial Doador Dra. Viviane Cordeiro Veiga 2009 Fila de Transplantes São Paulo 13.244 pacientes 9.911 - rim 2.556 fígado 391 pâncreas/rim 114 coração 80 pulmão 56 - pâncreas TRANSPLANTES:

Leia mais

PROCESSO-CONSULTA CFM Nº 2.231/2002 PC/CFM/Nº 07/2003. O consulente solicita ao CFM que se pronuncie sobre o que se segue:

PROCESSO-CONSULTA CFM Nº 2.231/2002 PC/CFM/Nº 07/2003. O consulente solicita ao CFM que se pronuncie sobre o que se segue: PROCESSO-CONSULTA CFM Nº 2.231/2002 PC/CFM/Nº 07/2003 INTERESSADO: C. R. C. F. ASSUNTO: Morte encefálica RELATOR: Cons. Solimar Pinheiro da Silva RELATÓRIO EMENTA: O médico que participa da retirada de

Leia mais

DISTÚRBIOS DE CONSCIÊNCIA. Alunas: Natalie Rios Reginara Souza Sara Felipe Tatiane Costa Thamy Marques

DISTÚRBIOS DE CONSCIÊNCIA. Alunas: Natalie Rios Reginara Souza Sara Felipe Tatiane Costa Thamy Marques DISTÚRBIOS DE CONSCIÊNCIA Alunas: Natalie Rios Reginara Souza Sara Felipe Tatiane Costa Thamy Marques Caso Clínico H.M.A. C.S.T, 72 ANOS, COM HISTÓRIA DE AVCI HÁ 04 ANOS FICANDO COM A FALA EMBOLADA E DIFICULDADE

Leia mais

PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DE UTI

PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DE UTI PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DE UTI PROTOCOLO D EREGULAÇÃO DE UTI Introdução A Política Nacional de Regulação traz como responsabilidade das três esferas do governo, em seu âmbito administrativo, o exercício

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM)

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) Protocolo: Nº 63 Elaborado por: Manoel Emiliano Última revisão: 30/08/2011 Revisores: Samantha Vieira Maria Clara Mayrink TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) DEFINIÇÃO: O Trauma Raquimedular (TRM) constitui o conjunto

Leia mais

VENTILAÇÃO MECÂNICA NA DPOC

VENTILAÇÃO MECÂNICA NA DPOC VENTILAÇÃO MECÂNICA NA DPOC Unidade de Terapia Intensiva Adulto Versão eletrônica atualizada em Março 2009 CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS: Tabagismo importante Tosse crônica, dispnéia e ou broncoespasmo Gasometria

Leia mais

cateter de Swan-Ganz

cateter de Swan-Ganz cateter de Swan-Ganz Dr. William Ganz Dr. Jeremy Swan A introdução, por Swan e Ganz, de um cateter que permitia o registro de parâmetros hemodinâmicos na artéria pulmonar a partir de 1970 revolucionou

Leia mais

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA Policial BM Espínola LEMBRE-SE Antes de administrar cuidados de emergência, é preciso garantir condições de SEGURANÇA primeiramente

Leia mais

Projeto Elaboração de Jogos sobre Doação de Órgãos e Tecidos

Projeto Elaboração de Jogos sobre Doação de Órgãos e Tecidos 1 Projeto Elaboração de Jogos sobre Doação de Órgãos e Tecidos Márcia Ferret Renner Graduação: Ciências Biológicas Licenciatura Plena/1996 PUCRS. Especialização: Venenos Animais/1997 Instituto Butantan.

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA REANIMAÇÃO CÁRDIO RESPIRATÓRIA NO ADULTO Enf. KEYLA CRISTIANE DO NASCIMENTO Dr. MARIO COUTINHO GRAU DE URGÊNCIA A Parada Cárdio-Respiratória (PCR) é uma urgência

Leia mais

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH 1. APRESENTAÇÃO A SEPSE TEM ALTA INCIDÊNCIA, ALTA LETALIDADE E CUSTO ELEVADO, SENDO A

Leia mais

TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO

TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

HOSPITAL ESTADUAL DA CRIANÇA. Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica

HOSPITAL ESTADUAL DA CRIANÇA. Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica HOSPITAL ESTADUAL DA CRIANÇA PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica Programa de Pós-Graduação 2014 Caracterização do curso: Instituições: Instituto D Or de Pesquisa e

Leia mais

Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial

Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial Sequência de interpretação e estratificação de risco 08/01/2013 Daniela Carvalho Objectivos da Tertúlia Sequência de interpretação da GSA - Método dos 3

Leia mais

ELABORADORES. Maíza Sandra Ribeiro Macedo Coordenação Geral. Robson Batista Coordenação Administrativa

ELABORADORES. Maíza Sandra Ribeiro Macedo Coordenação Geral. Robson Batista Coordenação Administrativa ELABORADORES Maíza Sandra Ribeiro Macedo Coordenação Geral Robson Batista Coordenação Administrativa Fabrícia Passos Pinto Coordenação de Enfermagem José Luiz Oliveira Araújo Júnior Coordenador Médico

Leia mais

Acidente vascular cerebral

Acidente vascular cerebral Acidente vascular cerebral Acidente vascular cerebral Manifestações neurológicas de origem vascular que apresentam-se de forma aguda ou rapidamente progressiva como sintoma único ou associado em quadros

Leia mais

Lanexat. (flumazenil) Produtos Roche Químicos e Farmacêuticos S.A. Solução injetável 0,1mg/mL

Lanexat. (flumazenil) Produtos Roche Químicos e Farmacêuticos S.A. Solução injetável 0,1mg/mL Lanexat (flumazenil) Produtos Roche Químicos e Farmacêuticos S.A. Solução injetável 0,1mg/mL 1 Lanexat flumazenil Roche Antagonista de benzodiazepínicos APRESENTAÇÃO Solução injetável de 0,1 mg/ml. Caixa

Leia mais

Projeto Medicina. Dr. Onésimo Duarte Ribeiro Júnior Professor Assistente da Disciplina de Anestesiologia da Faculdade de Medicina do ABC

Projeto Medicina. Dr. Onésimo Duarte Ribeiro Júnior Professor Assistente da Disciplina de Anestesiologia da Faculdade de Medicina do ABC Projeto Medicina Dr. Onésimo Duarte Ribeiro Júnior Professor Assistente da Disciplina de Anestesiologia da Faculdade de Medicina do ABC Neurociência DIVISÃO DO SISTEMA NERVOSO Sistema Nervoso Central Sistema

Leia mais

Qual é a função do Sistema Nervoso Central?

Qual é a função do Sistema Nervoso Central? Câncer de SNC Qual é a função do Sistema Nervoso Central? O Sistema Nervoso Central (SNC) é constituído pelo cérebro, cerebelo e tronco cerebral. O cérebro é dividido em quatro lobos que controlam funções

Leia mais

Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial. Classificação das Arritmias (Segundo a Freqüência Cardíaca Associada)

Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial. Classificação das Arritmias (Segundo a Freqüência Cardíaca Associada) Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial Prof. Dr. Luiz F. Junqueira Jr. Universidade de Brasília Departamento de Clínica Médica - Laboratório Cardiovascular Hospital Universitário de

Leia mais

PARECER CREMEC N.º 27/2013 06/12/2013

PARECER CREMEC N.º 27/2013 06/12/2013 PARECER CREMEC N.º 27/2013 06/12/2013 PROCESSO-CONSULTA PROTOCOLO CREMEC nº 10242/2013 ASSUNTO: ADMINISTRAÇÃO DE HIDRATO DE CLORAL A CRIANÇAS PARA REALIZAÇÃO DE EXAME EEG PARECERISTA: CONSELHEIRO JOSÉ

Leia mais

POLÍTICA DE SEDAÇÃO PARA MÉDICOS NÃO ANESTESIOLOGISTAS. Versão eletrônica atualizada em Março 2009

POLÍTICA DE SEDAÇÃO PARA MÉDICOS NÃO ANESTESIOLOGISTAS. Versão eletrônica atualizada em Março 2009 POLÍTICA DE SEDAÇÃO PARA MÉDICOS NÃO ANESTESIOLOGISTAS Versão eletrônica atualizada em Março 2009 POLÍTICA DE SEDAÇÃO PARA MÉDICOS NÃO ANESTESIOLOGISTAS Definição Diretriz que expressa os limites entre

Leia mais

INFECÇÃO DA CORRENTE SANGUÍNEA

INFECÇÃO DA CORRENTE SANGUÍNEA INFECÇÃO DA CORRENTE SANGUÍNEA Enfª Marcia Daniela Trentin Serviço Municipal de Controle de Infecção Esta aula foi apresentada na Oficina de Capacitação para a utilização do Sistema Formsus na notificação

Leia mais

Associação Brasileira de Transplante de Órgãos - ABTO ABTO

Associação Brasileira de Transplante de Órgãos - ABTO ABTO Doação de órgãos e tecidos A vida em suas mãos... Associação Brasileira de Transplante de Órgãos - O que é Doação de Órgãos? É um ato pelo qual você manifesta a vontade de que, a partir do momento de sua

Leia mais

TRANSPORTE INTRA-HOSPITALAR

TRANSPORTE INTRA-HOSPITALAR UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIVISÃO DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM TRANSPORTE INTRA-HOSPITALAR Instrutora: Enf. Thaís S Guerra Stacciarini Finalidades Regulamentar as responsabilidade

Leia mais

Monitorização/ Dispositivos de Oferta/Benefícios e Malefícios Oxigenoterapia. Mariana C. Buranello Fisioterapeuta Nayara C. Gomes - Enfermeira

Monitorização/ Dispositivos de Oferta/Benefícios e Malefícios Oxigenoterapia. Mariana C. Buranello Fisioterapeuta Nayara C. Gomes - Enfermeira Monitorização/ Dispositivos de Oferta/Benefícios e Malefícios Oxigenoterapia Mariana C. Buranello Fisioterapeuta Nayara C. Gomes - Enfermeira Monitorização Oximetria de pulso É a medida da saturação da

Leia mais

Comissão Examinadora do Título Superior em Anestesiologia

Comissão Examinadora do Título Superior em Anestesiologia Rua Professor Alfredo Gomes, 36 - Botafogo - Rio de Janeiro/RJ - CEP 22251-080 Tel: (21) 2537-8100 Fax: (21) 2537-8188 Portal: http://www.sba.com.br E-Mail: sba2000@openlink.com.br Departamento de Anestesiologia

Leia mais

Organização do sistema nervoso

Organização do sistema nervoso Sistema nervoso Organização do sistema nervoso Sistema Nervoso Central (SNC) O encéfalo: O encéfalo dos mamíferos é dividido em: telencéfalo (cérebro), diencéfalo (tálamo, epitálamo e hipotálamo), mesencéfalo

Leia mais

Soluções em Monitoração GE. Alta tecnologia agora ao seu alcance.

Soluções em Monitoração GE. Alta tecnologia agora ao seu alcance. Soluções em Monitoração GE Alta tecnologia agora ao seu alcance. Monitorização GE A GE Healthcare tem tecnologias inovadoras para oferecer o melhor atendimento na hora de monitorizar o paciente. Com monitores

Leia mais

A morte cerebral é diferente da morte cardíaca: a primeira permite a doação de órgãos e tecidos; a segunda, só a doação de tecidos.

A morte cerebral é diferente da morte cardíaca: a primeira permite a doação de órgãos e tecidos; a segunda, só a doação de tecidos. Doação de órgãos A doação de órgãos é um ato de caridade e amor ao próximo. A cada ano, muitas vidas são salvas por esse gesto altruísta. A conscientização da população sobre a importância da doação de

Leia mais

SEPSE. - SEPSE GRAVE SEPSE + disfunção (cardiovascular, respiratória, hematológica, renal, metabólica, hepática, neurológica)

SEPSE. - SEPSE GRAVE SEPSE + disfunção (cardiovascular, respiratória, hematológica, renal, metabólica, hepática, neurológica) SEPSE Definições: - Síndrome da resposta inflamatória sistêmica (SIRS) - febre ou hipotermia - taquicardia - taquipnéia - leucocitose, leucopenia, desvio do hemograma - edema - alteração da glicemia -

Leia mais

Pós operatório em Transplantes

Pós operatório em Transplantes Pós operatório em Transplantes Resumo Histórico Inicio dos programas de transplante Dec. 60 Retorno dos programas Déc 80 Receptor: Rapaz de 18 anos Doador: criança de 9 meses * Não se tem informações

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE CAPTAÇÃO DE ÓRGÃOS E TECIDOS PARA TRANSPLANTES DA CIHDOTT/ HUJM

REGIMENTO INTERNO DE CAPTAÇÃO DE ÓRGÃOS E TECIDOS PARA TRANSPLANTES DA CIHDOTT/ HUJM FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MÜLLER Diretoria Clínica do HUJM COMISSÃO INTRA-HOSPITALAR PARA DOAÇÃO DE ÓRGÃOS E TECIDOS PARA TRANSPLANTES (CIHDOTT) REGIMENTO

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC)

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC) INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC) Categorias: - ICC aguda sem diagnóstico prévio - ICC crônica agudizada - ICC crônica refratária Apresentações clínicas: - Edema agudo de pulmão: rápido aumento da

Leia mais

Informação Nutricional Quantidade por porção

Informação Nutricional Quantidade por porção 01. A tabela abaixo reúne informações nutricionais de três diferentes tipos de alimentos industrializados. Alguns dados foram intencionalmente omitidos. Rótulo I Rótulo II Rótulo III Informação Nutricional

Leia mais

Logística da Captação de Múltiplos Órgãos

Logística da Captação de Múltiplos Órgãos Logística da Captação de Múltiplos Órgãos Introdução O Sistema Nacional de Transplante (SNT) adotado no Brasil tem a concepção de fila única de transplante com o propósito de garantir o acesso universal,

Leia mais

Tylex 7,5 mg / 30 mg comprimidos paracetamol, fosfato de codeína

Tylex 7,5 mg / 30 mg comprimidos paracetamol, fosfato de codeína 1 IDENTIFICAÇÃO MEDICAMENTO DO Tylex 7,5 mg / 30 mg comprimidos paracetamol, fosfato de codeína APRESENTAÇÕES Comprimidos de 7,5 mg de fosfato de codeína e 500 mg de paracetamol em embalagens com 12 comprimidos

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO. Lidonostrum 20 mg/ml Gel bucal 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO. Lidonostrum 20 mg/ml Gel bucal 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO Lidonostrum 20 mg/ml Gel bucal 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA 1 ml de Lidonostrum contém 20 mg de cloridrato de lidocaína. Lista

Leia mais

Ato Normativo PORTARIA Nº 511, DE 27 DE SETEMBRO DE 2010

Ato Normativo PORTARIA Nº 511, DE 27 DE SETEMBRO DE 2010 Ato Normativo PT SAS nº 511 Publicação DOU Diário Oficial da União Data: 27/09/2010 Data: 28/09/2010 PORTARIA Nº 511, DE 27 DE SETEMBRO DE 2010 O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições,

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a:

SISTEMA NERVOSO. Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a: SISTEMA NERVOSO Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a: perceber as variações do meio (interno e externo), a difundir as modificações que essas variações produzem executar as respostas

Leia mais

CÓRNEA O que você precisa saber...

CÓRNEA O que você precisa saber... CÓRNEA O que você precisa saber... Enf. Adriana Reña É a parte anterior do globo ocular.função de proteção e permitir uma perfeita visão pela sua transparência. CÓRNEA FLUXO PARA DOAÇÃO DE CÓRNEA Unidade

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM 1.986/2012

RESOLUÇÃO CFM 1.986/2012 RESOLUÇÃO CFM 1.986/2012 (Publicada no D.O.U. de 02 de maio de 2012, Seção I, p. 88) Reconhecer a Estimulação Magnética Transcraniana (EMT) superficial como ato médico privativo e cientificamente válido

Leia mais

Abordagem do Choque. Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis

Abordagem do Choque. Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis Abordagem do Choque Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis CONCEITO Hipóxia tecidual secundária ao desequilíbrio na relação entre oferta e consumo de oxigênio OU a incapacidade celular na

Leia mais

Aparelho Cardiovascular

Aparelho Cardiovascular Aparelho Cardiovascular DOR TORÁCICA Angina IAM Dissecção Hidrotórax Pneumotórax TEP Pericardite Perfuração do esôfago ECG. Raio X Enzimas Cardíacas. Gasometria arterial se FR alta ou cianose Estável Instituir

Leia mais

APAR e CNCDO-SC. Estatísticas de Captação e Transplantes de Órgãos e Tecidos em Santa Catarina - 2006

APAR e CNCDO-SC. Estatísticas de Captação e Transplantes de Órgãos e Tecidos em Santa Catarina - 2006 APAR e CNCDO-SC Estatísticas de Captação e Transplantes de Órgãos e Tecidos em Santa Catarina - 26 Notificações Notificações ME e ME Doações e Doações em SC em / 26 SC / até 26 JULHO 26 Nro. De Notificações

Leia mais

Diário Oficial Imprensa Nacional

Diário Oficial Imprensa Nacional Diário Oficial Imprensa Nacional REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL BRASÍLIA - DF DOU de 28/09/2010 seção 1 Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA Nº 511, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2010 O Secretário

Leia mais

Palabras claves INTRODUÇÃO

Palabras claves INTRODUÇÃO Obstáculos enfrentados pelo enfermeiro na manutenção de potenciais doadores de órgãos Obstacles faced by the nurse in the maintenance of potentials organs donors Los obstáculos que enfrentan la enfermería

Leia mais

MANEJO DA SEPSE: ENFOQUE MULTIPROFISSIONAL. Belo Horizonte 2014

MANEJO DA SEPSE: ENFOQUE MULTIPROFISSIONAL. Belo Horizonte 2014 MANEJO DA SEPSE: ENFOQUE MULTIPROFISSIONAL Belo Horizonte 2014 RESIDENTES MULTIPROFISSIONAIS EM INTENSIVISMO Camilla Serva Camilo Brandão Christina Tinti Cleunice Oliveira Daniela Falcão Gabriela Reis

Leia mais

Palavras-Chave: Cuidado de enfermagem. Doação de órgãos. Transplante.

Palavras-Chave: Cuidado de enfermagem. Doação de órgãos. Transplante. MORTE ENCEFÁLICA: CUIDADOS DE ENFERMAGEM NA MANUTENÇÃO DO POTENCIAL DOADOR DE ÓRGÃOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA *Fernanda Martins Iunes RESUMO A enfermagem tem papel norteador perante os cuidados

Leia mais

Monitorização Neurofisiológica Intra-Operatória. Dr. Carlo Domênico Marrone Neurofisiologia Clínica Marrone POA / RS

Monitorização Neurofisiológica Intra-Operatória. Dr. Carlo Domênico Marrone Neurofisiologia Clínica Marrone POA / RS Monitorização Neurofisiológica Intra-Operatória Dr. Carlo Domênico Marrone Neurofisiologia Clínica Marrone POA / RS A monitoração neurofisiológica intraoperatória é baseada em métodos neurofisiológicos

Leia mais

O PROCESSO LOGÍSTICO DE CAPTAÇÃO DE ÓRGÃOS

O PROCESSO LOGÍSTICO DE CAPTAÇÃO DE ÓRGÃOS 1 UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - UNIPAC FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE BARBACENA FASAB CURSO DE ENFERMAGEM VANESSA DE OLIVEIRA O PROCESSO LOGÍSTICO DE CAPTAÇÃO DE ÓRGÃOS BARBACENA 2012 2 O

Leia mais

Cetoacidose Diabética. Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF

Cetoacidose Diabética. Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF Cetoacidose Diabética Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF Complicações Agudas do Diabetes Mellitus Cetoacidose diabética: 1 a 5% dos casos de DM1 Mortalidade de 5% Coma hiperglicêmico

Leia mais

[129] 50. TAQUIARRITMIAS

[129] 50. TAQUIARRITMIAS [129] d. ALGORITMO DE BRADICARDIA Algoritmo de atendimento a pacientes com bradicardia. 50. TAQUIARRITMIAS a. CONSIDERAÇÕES GERAIS Frequentemente encontradas nas emergências. São definidas como ritmos

Leia mais

Sistema Nervoso. Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico (SNP) Cérebro. Cerebelo. Encéfalo. Mesencéfalo Ponte Bulbo Medula

Sistema Nervoso. Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico (SNP) Cérebro. Cerebelo. Encéfalo. Mesencéfalo Ponte Bulbo Medula Introdução O corpo humano é coordenado por dois sistemas: o nervoso e o endócrino. O sistema nervoso é o que coordena, por meio da ação dos neurônios, as respostas fisiológicas, como a ação dos músculos

Leia mais

UNIVERSIDADE TIRADENTES DIREÇÃO DE SAÚDE COORDENAÇÃO DE ENFERMAGEM DANIELLE LINO DORIA PAULA MARA GOMES LEITE

UNIVERSIDADE TIRADENTES DIREÇÃO DE SAÚDE COORDENAÇÃO DE ENFERMAGEM DANIELLE LINO DORIA PAULA MARA GOMES LEITE UNIVERSIDADE TIRADENTES DIREÇÃO DE SAÚDE COORDENAÇÃO DE ENFERMAGEM DANIELLE LINO DORIA PAULA MARA GOMES LEITE ANÁLISE DO CONHECIMENTO DO ENFERMEIRO NO PROCESSO DE DOAÇÃO DE ÓRGÃOS EM UM HOSPITAL GERAL

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho NUTRIÇÃO ENTERAL INDICAÇÕES: Disfagia grave por obstrução ou disfunção da orofaringe ou do esôfago, como megaesôfago chagásico,

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA Curso de Extensão ASSISTÊNCIA AO PACIENTE GRAVE PARA TÉCNICOS EM ENFERMAGEM PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA Docentes: Thiago Christel Truppel, Adriano Yoshio Shimbo, Giulianno Tkaczuk de Souza, Cleberson Ribeiro

Leia mais

Sistema nervoso Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico

Sistema nervoso Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico SISTEMA NERVOSO Sistema nervoso Funções: Coordena o funcionamento dos outros sistemas. Controla os movimentos (voluntários e involuntários). É responsável pela recepção de estímulos externos e pela resposta

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Anestesia no Transplante Renal

Diretrizes Assistenciais. Anestesia no Transplante Renal Diretrizes Assistenciais Anestesia no Transplante Renal Versão eletrônica atualizada em 2011 Anestesia no Transplante Renal Protocolo 1. Transplante renal intervivos 1.1. Doador: - Medicação pré-anestésica:

Leia mais

Gestos que Salvam Vidas..

Gestos que Salvam Vidas.. Gestos que Salvam Vidas.. O que é o SBV (suporte básico de vida)? Conjunto de medidas utilizadas para restabelecer a vida de uma vitima em paragem cardio-respiratória. Com o objectivo de recuperar a vitima

Leia mais

INSTITUTO LATINO AMERICANO DE SEPSE CAMPANHA DE SOBREVIVÊNCIA A SEPSE PROTOCOLO CLÍNICO. Atendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico

INSTITUTO LATINO AMERICANO DE SEPSE CAMPANHA DE SOBREVIVÊNCIA A SEPSE PROTOCOLO CLÍNICO. Atendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico CAMPANHA DE SOBREVIVÊNCIA A SEPSE PROTOCOLO CLÍNICO Atendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico 1. Importância do protocolo Elevada prevalência Elevada taxa de morbidade Elevada taxa de mortalidade

Leia mais