03 de dezembro de 2008

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "03 de dezembro de 2008"

Transcrição

1 Processo Seletivo de Residência Médica da Aliança Saúde PUCPR Santa Casa para de dezembro de 2008 ESPECIALIDADES: CIRURGIA PLÁSTICA CIRURGIA TORÁCICA CIRURGIA VASCULAR CIRURGIA CARDIOVASCULAR CIRURGIA DO TRAUMA CIRURGIA VIDEOLAPAROSCÓPICA COLOPROCTOLOGIA * Pré-Requisito: 2 anos de Cirurgia Geral N.º DO CARTÃO NOME (LETRA DE FORMA) ASSINATURA INFORMAÇÕES / INSTRUÇÕES: 1. A prova é constituída de 50 questões objetivas. 2. Verifique se a prova está completa. 3. A compreensão e a interpretação das questões constituem partes integrantes da prova, razão pela qual os fiscais não poderão interferir. 4. Transcreva as respostas para o Cartão-Resposta com caneta esferográfica com tinta preta, assinalando uma única resposta para cada questão. 5. Preencha totalmente o espaço correspondente, conforme o modelo: 6. Não serão consideradas questões não assinaladas ou que contenham mais de uma resposta, emenda ou rasura. 7. É de plena e total responsabilidade do candidato o correto preenchimento do Cartão-Resposta. 8. Os candidatos deverão entregar a prova juntamente com o Cartão-Resposta. 9. O Cartão-Resposta é personalizado, não podendo ser substituído. Duração total da prova: 3 horas Anote o seu gabarito

2 Pág. 1 E. O transplante de pâncreas pós-rim tem o mesmo índice de rejeição que o transplante duplo de rimpâncreas. 1. Paciente do sexo feminino, 70 anos, submetida à colecistectomia por colecistite aguda e evoluindo com fístula biliar de alto débito no terceiro dia de pósoperatório. Suspeita-se de deiscência do coto cístico. Nesse caso, qual a melhor conduta a ser tomada? A. Laparotomia exploradora com clipagem do ducto cístico. B. Jejum e nutrição parenteral total. C. Colangiorressonância e conduta expectante. D. Colangiopancreatografia endoscópica retrógrada (CPER) e papilotomia. E. CPER, papilotomia e endoprótese. Referência Bibliográfica: GARCIA, V. D.; FILHO, M. A.; NEUMANN, J. M; PESTANA, J. M. Transplante de órgãos e tecidos. 2 ed. São Paulo: Farma, O diagnóstico de Colecistite Calculosa Aguda com cálculos impactados no infundíbulo causando cólicas biliares pode ser confirmado pelos exames de imagem abaixo, EXCETO: Referência Bibliográfica: SOBED Soc. Brasileira de Endoscopia Digestiva. Endoscopia Gastrointestinal Terapêutica. 1 ed. São Paulo: Tecmedd, Pág Em relação às cadeias de disseminação linfáticas do câncer gástrico, é CORRETO afirmar: A. As cadeias correspondentes à curagem ganglionar D1 incluem além das cadeias anteriormente mencionadas, também a cadeia da gástrica esquerda. B. As cadeias correspondentes ao grupo N1 incluem: os grupos gangionares paracárdicos direito e esquerdo, da pequena e da grande curvatura e supra e infra pilóricos. C. A curagem gangionar D 3 é consenso atualmente como a melhor alternativa para o câncer gástrico. D. Uma ressecção oncológica R1 significa presença de resíduo tumoral macroscópico. E. A radiofreqüência é, no consenso médico, a melhor alternativa no tratamento paliativo do câncer gástrico avançado. Referência Bibliográfica: MARESCAUX, J. ; EVRARD, S. C. Ganglionnaires Dans le Cancer de l`estomac: Enjeux et Techniques Chirurgicales. Encycl Méd Chir (Elsevier Paris), Techniques chirurgicales Appareil digestif, ,1997, 5p. 3. Em relação ao transplante pancreático, é CORRETO afirmar: A. Paciente de 32 anos, diabético do tipo 1, com clearance de creatinina < de 20 ml/min, tem indicação de transplante isolado de pâncreas, pois ainda tem função renal residual. B. Paciente de 32 anos com infecção abdominal por bactéria fora transplantado de pâncreas há 2 meses. Nesse caso, o ideal é aumentar a imunossupressão pelo risco de a infecção desencadear rejeição. C. O transplante pancreático é feito de forma dita ortotópica. D. Paciente de 50 anos, diabético tipo 1, transplantado de rim há 5 anos, com alteração de creatinina pela diabetes, pode receber um transplante isolado de pâncreas. A. Colecistograma oral. B. Tomografia computadorizada. C. Ressonância Magnética. D. Ultrassonografia. E. Pet-Scan. Referência Bibliográfica: WAY, L. W; DOHERTY, G.M. Cirurgia Diagnóstico e Tratamento. 11 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, Pág Para investigação de icterícia obstrutiva, o exame mais indicado atualmente é: A. Colangiografia transparietohepática. B. Colangiografia trans-cística. C. Colangiorressonância. D. Colangiopancreatografia endoscópica retrógrada. E. Colecistograma oral. Referência Bibliográfica: DANI, R. Gastroenterologia Essencial. 3 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan Pág Em relação ao câncer do terço superior da via biliar (Klatskin), é CORRETO afirmar: A. Os do tipo I atingem e obstruem a convergência primária. B. Os do tipo III atingem ambas as convergências secundárias. C. A paliação através de anastomose bíleo-digestiva para o segmento VIII é a melhor opção cirúrgica. D. Apresenta um dos melhores prognósticos a longo prazo dos tumores digestivos. E. A tendência atual curativa é associar à ressecção de toda via biliar também a ressecção do lobo caudado. Referência Bibliográfica: LAUNOIS, B. ; HEAN, T. ; MEUNIER, B. Cancers de la voie biliaire principale. Encycl Méd Chir, Techniques Chirurgicales-Appareil Digestif,4-970-B, 2002, 24p.

3 Pág Paciente masculino, 65 anos, etilista, admitido no pronto atendimento com história de hematêmese há algumas horas. HMP: vômitos com sangue anterior. Ao exame: PA 90X50 P: 110. Emagrecido, palidez cutâneo-mucosa +++/4. Sudorese fria. Aranhas vasculares no tórax e abdômen. Ginecomastia. Piparote ++. Nesse caso, qual a conduta inicial mais adequada, segundo o consenso de Baveno IV: 7. Nos casos de Púrpura Trombocitopênica Idiopática, podemos afirmar que: A. A esplenectomia é a forma mais efetiva de tratamento para as formas de moderadas a graves. B. Os casos graves têm a alternativa de tratamento conservador, sem a necessidade de corticosteróides. C. A esplenomegalia geralmente está presente. D. Após a esplenectomia não há necessidade de vacinas anti-haemophilus. E. As plaquetas levam de 6 a 8 semanas para normalizarem. M. Cirurgia Diagnóstico e Tratamento. 11 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, Pág No Esôfago de Barrett, podemos AFIRMAR que: A. O conceito atual de Esôfago de Barrett restringese somente à metaplasia intestinal no esôfago distal. B. O aspecto histológico da metaplasia intestinal no esôfago distal mostra células caliciformes também chamadas de células azuis quando coradas pelo corante alcian blue. C. A incidência de adenocarcinoma é elevada nas metaplasias intestinais do esôfago distal e tem aumentado nos últimos anos. D. É consenso que o esôfago de Barrett deve ser tratado por meio de cirurgia anti-refluxo. E. Na presença de displasia de alto grau, é consenso que este paciente deva ser encaminhado para terapia por ablação com a coagulação por plasma de argônio. Referência Bibliográfica: SOBED Soc. Brasileira de Endoscopia Digestiva. Endoscopia Gastrointestinal Terapêutica. 1 ed. São Paulo: Tecmed, Pág Quanto ao câncer retal, é CORRETO afirmar: A. Quanto à preservação da ejaculação, esta é dependente do parassimpático lombar. B. A radioterapia para os tumores de terço médio e inferior deve ser, quando indicada, preferencialmente realizada após a cirurgia. C. A quimioterapia não deve ser feita para os tumores N1. D. Para pacientes com tumores aderidos à bexiga, o ideal é fazer o descolamento desses tumores dos órgãos vizinhos. E. A moderna cirurgia retal prevê total ressecção do mesoreto com preservação nervosa, sendo que a ereção é dependente do parassimpático sacral. Referência Bibliográfica: Tiret E. Exérèse totale du mésorectum et conservation de l innervation autonome à destinée génito-urinaire dans la chirurgie du rectum. Encycl Méd Chir Techniques Chirurgicales-Appareil Digestif,40-610,1998,6p. A. Endoscopia Digestiva de urgência para diagnóstico e ligadura elástica das varizes para tratamento do sangramento agudo. B. Balão de Sengstaken-Blakemore como primeira alternativa para o tratamento. C. Tratamento clínico com Inibidor da Bomba de Próton em altas doses, betabloqueadores e análogo da Somatostatina como a Terlipressina. D. Iniciar reposição rápida de Solução salina isotônica por acesso venoso calibroso. Podem-se utilizar expansores de plasma para estabilidade hemodinâmica. E. TIPS, Shunts cirúrgicos ou Transplante hepático. Referência Bibliográfica: SOBED Soc. Brasileira de Endoscopia Digestiva. Endoscopia Gastrointestinal Terapêutica. 1 ed. São Paulo: Tecmedd, Pág Detectado câncer colo-retal na presença de metástases hepáticas e pulmonares, por onde começar? A. Pelo intestino devido ao risco de obstrução. B. Por onde a doença for mais avançada. C. Pelo fígado. D. Pelos pulmões. E. Pelo intestino e fígado simultaneamente. Referência Bibliográfica: CONSENSOS DO XXVI CONGRESSO BRASILEIRO DE CIRURGIA, (à disposição no site do Colégio Brasileiro de Cirurgiões 12. Com relação à Hemorragia Digestiva Baixa, é CORRETO afirmar que: A. Doença diverticular cólica foi a principal causa de sangramento, segundo uma revisão apresentada no DDW B. Devido à baixa resolução espontânea das hemorragias digestivas baixas, a abordagem inicial deve ser agressiva, e o tratamento cirúrgico indicado de forma rotineira. C. Em casos de dificuldade diagnóstica por meio da colonoscopia, a angiografia possui uma sensibilidade maior que a cintilografia. D. O débito acima de 0,1 ml por minuto é suficiente para o diagnóstico angiográfico e posterior embolização. E. Não é possível a realização de colonoscopia de urgência na vigência de sangramento, pois o paciente não está com o cólon preparado. Referência Bibliográfica: SOBED Soc. Brasileira de Endoscopia Digestiva. Endoscopia Gastrointestinal Terapêutica. 1 ed. São Paulo: Tecmedd, Pág. 979.

4 13. Paciente do sexo masculino, 50 anos, apresentando dor retroesternal há 4 semanas com investigação cardiológica normal. Nesse caso, qual exame solicitar e por quê? A. Endoscopia Digestiva Alta para investigação de esofagite. B. PHmetria de 24 horas para investigação de refluxo gastro-esofágico com sintoma atípico. C. Mais de uma correta. D. Manometria esofágica para investigação de distúrbio de motilidade (esôfago em quebranozes e espasmo difuso do esôfago). E. Iniciar tratamento clínico com bloqueador de canal de cálcio ou vasodilatador, pois estão indicados tanto para isquemia miocárdica quanto para distúrbios de motilidade esofágica. Pág. 3 Referência Bibliográfica: GARCIA, V. D.; FILHO, M. A.; NEUMANN, JM; PESTANA, JM. Transplante de Órgãos e Tecidos. 2 ed. São Paulo: Farma, Em paciente com carcinoma de canal anal, o ideal é: A. Amputação abdomino-perineal seguido de radioquimioterapia. B. Radioquimio exclusiva, reservando-se a cirurgia para os casos de resgate. C. Ressecção local. D. Crioablação. E. Ressecção anterior. Referência Bibliográfica: STEWART, F.A.; SAUNDERS, M.I. Combined radiotherapy and chemotherapy: Clinical application and evaluation. Basic clinical radiobiology. London: Arnold, 1997: M. Cirurgia Diagnóstico e Tratamento. 11 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, Pág Qual das lesões polipóides colônicas abaixo possui maior risco para uma transformação maligna? A. Adenoma viloso. B. Hamartoma. C. Adenoma serrilhado. D. Adenoma Tubular. E. Pólipo hiperplásico. M. Cirurgia Diagnóstico e Tratamento. 11 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, Pág Paciente de 52 anos sem co-morbidades faz diagnóstico de tumor de corpo gástrico de 4 cm ulcerado, com biópsia de adenocarcinoma pouco diferenciado e sem doença à distância. Nesse caso, a conduta seria: A. Radio-quimio somente. B. Gastrectomia subtotal com curagem D2. C. Gastrectomia polar superior. D. Gastrectomia total com curagem D2. E. Ressecção local. Referência Bibliográfica: LY, Q. P; SASSON, A. R. Modern Surgical Considerations for Gastric Cancer. J Natl Compr Canc Netw Oct; 6(9): Em paciente cirrótico com nódulo hipervascularizado medindo 4 cm, com trombose portal associada e alfafetoproteína com alteração significativa, o provável diagnóstico é: A. Doença metastática de provável origem coloretal. B. Colangiocarcinoma, pois a alfafetoproteína é marcador específico desse tipo de câncer. C. Doença de Caroli. D. Hepatocarcinoma. E. Rabdomiossarcoma. Referência Bibliográfica: FORNER, A.; RODRÍGUEZ, L. C.; REIG, M.; RIMOL; J.; VARELA; M. Early Diagnosis of Primary Liver Cancer: Imaging Versus Genetics. Rev Esp Enferm Dig Jul; 100(7): Nos casos de pacientes com cirrose, são indicações de transplante de fígado: A. Hemorragia alta de repetição. B. Ascite descompensada. C. Hepatocarcinoma de 10 cm. D. Todas corretas. E. Questões b e c estão corretas. Leia o enunciado a seguir e responda às questões 19 e 20: O paciente J. L., 55 anos, foi internado em um hospital desta cidade para correção de hérnia incisional. A história mórbida pregressa revelou que o paciente é portador de enfisema pulmonar, não incapacitante para as atividades normais diárias, diagnosticado há mais de 5 anos. É fumante há mais de 30 anos (20 cigarros ao dia). Há 3 anos foi operado em situação de emergência para tratamento de úlcera perfurada. Após 2 dias de internação, o paciente foi submetido à correção da eventração, em que se utilizou uma tela de polipropileno. Três meses após a operação para correção da hérnia incisional, o paciente retornou com dor na área da incisão e com sinais flogisticos locais. Em consulta ao prontuário médico desse doente, obtivemos as seguintes informações: 1. Foi operado há 3 anos para tratamento de úlcera duodenal perfurada com 6 horas de evolução. 2. Foi realizado sutura da úlcera, omentoplastia e drenagem ampla da cavidade abdominal. A síntese da parede abdominal foi realizada em 2 planos: músculo aponeurótico, com sutura

5 Pág. 4 contínua de poliglactina, e cutâneo com náilon Apesar da infecção pulmonar, a evolução pósoperatória foi satisfatória, e o doente recebeu alta em 7 dias. A mobilização do reto foi difícil devido à extensão do tumor e à extirpação total do mesorreto, o que resultou na transfusão de 4 unidades de papa de hemácias. Foi realizada uma anastomose há 5 cm da margem anal, utilizando-se de sutura mecânica. No sexto dia de pós-operatório, o paciente começou a apresentar distensão abdominal, náuseas e vômitos. 19. Assinale a alternativa CORRETA: Através de ecografia abdominal, observou-se grande quantidade de líquido livre na cavidade peritoneal. O A. A hérnia incisional é conseqüência do paciente foi levado à laparotomia, que evidenciou fechamento incorreto da parede abdominal com sutura contínua de um fio absorvível sintético como a poliglactina, quando foi submetido ao deiscência de anastomose associada à peritonite fecal. Optou-se por lavagem e drenagem da cavidade e desvio do trânsito fecal por meio de ileostomia em alça. tratamento da úlcera perfurada. B. A hérnia incisional geralmente aparece nos primeiro 3 meses após a operação. 21. Assinale a alternativa CORRETA: C. A infecção pulmonar não pode ser considerada infecção hospitalar, visto que era esperada num doente portador de enfizema. D. O uso de pontos totais de reforço teria diminuído os riscos de hérnia incisional. E. A drenagem da cavidade abdominal foi primordial no tratamento de úlceras duodenais perfuradas com peritonite difusa. Referência Bibliográfica: Surgery: basic science and clinica evidence (Norton: Surgery) Norton JÁ, Barie PS, Bollinger RR, Chang AE. Surgery: basic science and clinica evidence (Norton: Surgery). 2008; Springer, New York. Pág. 813 ; Sabiston Textbook of Surgery: Expert Consult: On line print,townsend CM, Beauchamp DR, Ever MB, Mattox KL Pág. 213; Surgical Infectious Diseases. Richard Howard & Richard Simmons. Pág A. Em relação ao grau de contaminação, poderemos classificar a primeira operação como Classe III e a segunda como Classe IV. B. O aumento da resposta inflamatória sistêmica decorrente da transfusão sangüínea aumenta os riscos de recidiva tumoral. C. As anastomoses gastrintestinais realizadas com sutura mecânica apresentam resultados melhores que as realizadas manualmente. D. A transfusão sangüínea não aumenta os riscos de infecção. E. Do ponto de vista oncológico, a ressecção do mesorreto não tem relação com a recidiva tumoral. 20. Assinale a alternativa CORRETA: A. A infecção de área cirúrgica é a segunda causa mais freqüente de infecção hospitalar. B. Quanto à classificação ASA, poderemos considerar o paciente como ASA 4. C. As infecções de área cirúrgica ocorrem até 30 dias após a intervenção. O diagnóstico mais provável é de rejeição da tela. D. As telas de polipropileno são microporosas; logo, não são incorporadas no local da implantação e sim encapsuladas. E. O tabagismo por si só não é fator de risco no que concerne às infecções cirúrgicas. Referência Bibliográfica: American Journal of Infectious Control, vol 27, n 2, april Guidelines for prevention of Surgical Site Infection, Center of Disease Control and Preventio Hospital Infection Control Practices Advisory Committee; Surgical Infectious Diseases. Richard Howard & Richard Simmons. Pág. 401 a 503. The influence of porosity on the integration histology of two polypropylene meshes fot the treatment of abdominal wall defects in dogs. Greca, Fernando et als. Hernia 12: Leia o enunciado a seguir e responda às questões 21, 22 e 23: O paciente T. S., 67 anos, foi submetido à ressecção anterior do reto por adenocarcinoma em seu 1/3 médio. Referência Bibliográfica: American Journal of Infectious Control, vol 27, n 2, april Guidelines for prevention of Surgical Site Infection Center of Disease Control and Preventio Hospital Infection Control Practices Advisory Committee.; Mecanical sutures in digestive surgery. Guidelines of the French Society of Digestive Surgery. Journal de Chirurgie, 2000, feb 137 (1) 5.; Surgical treatment of rectal cancer in the ASCRS Texbook of colon and rectal surgery. Bruce Wolff, James W. Fleshman, David Beck, John Pemberton and Steven Wexner.; Infectiou and immunologic consequences of blood transfusion. Critical care. June 2004 vol 8, supl 2, S ; Perioperative allogenic blood transfusion, the related cytokine response and long-term survival after potentially curative resection of colorectal cancer. Clinical Oncology (2006) 18: Assinale a alternativa CORRETA: A. Tanto no intestino como na pele, as células musculares lisas não estão envolvidas na produção do colágeno. B. O choque, e conseqüentemente a diminuição da perfusão tecidual, não tem influência na cicatrização das anastomoses intestinais. C. As deiscências de anastomoses intestinais geralmente ocorrem no início da fase inflamatória da cicatrização. D. O ganho da força tênsil é mais rápido na pele que no intestino. E. A deiscência de anastomose pode resultar futuramente em estenose da mesma. Referência Bibliográfica: Wound healing Surgical Clinics of North America, vol 77, june 1997.;

6 Postoperative Complications in the ASCRS Texbook of colon and rectal surgery. Bruce Wolff, James W. Fleshman, David Beck, John Pemberton and Steven Wexner. Pág. 5 Atheneu, Cap Quanto a deiscências de anastomoses, podemos AFIRMAR: A. Raramente as deiscências ocorrem por falhas técnicas. B. A criação de um estoma, como ileostomia ou colostomia, teria evitado a deiscência da anastomose. C. Nas anastomoses colorretais, a incidência de deiscências está relacionada com a distância da anastomose em relação à margem anal. D. Entre as anastomoses gastrintestinais, as anastomoses colo-anais têm os mesmos índices de complicações que as anastomoses entre o íleo e o cólon transverso. E. A conduta tomada durante a segunda operação foi precipitada. Sendo uma deiscência bloqueada, o paciente não necessitaria de uma laparotomia. Referência Bibliográfica: Postoperative Complications in the ASCRS Texbook of colon and rectal surgery. Bruce Wolff, James W. Fleshman, David Beck, John Pemberton and Steven Wexner. 25. Com relação às hérnias inguinais, assinale a resposta CERTA: A. A hérnia inguinal indireta, também chamada de oblíqua externa, é formada por um saco peritoneal que se exterioriza pelo ânulo inguinal profundo medialmente aos vasos epigástricos. B. A hérnia inguinal direta é mais comumente encontrada em pacientes jovens, sendo incomum em pacientes com idade avançada. C. A cirurgia para hérnia inguinal é classificada como cirurgia contaminada e haverá indicação de antibióticoprofilaxia. D. A hérnia crural femoral é mais comum em mulheres. Durante a correção cirúrgica desse tipo de hérnia, é imprescindível o uso de uma técnica que inclua o fechamento do espaço femoral. E. A técnica de Lichtenstein para reparo cirúrgico de hérnias inguinais é pouco utilizada pelo alto índice de recidiva herniário. Atheneu, Cap Paciente feminina, 47 anos, previamente hígida, deu entrada, no pronto atendimento, às 20 horas, com história de dor em hipocôndrio direito de forte intensidade, de início pela manhã do mesmo dia, associado à náusea e vômitos biliosos. Nega episódios semelhantes anteriores. Nega comorbidades associadas. Ao exame físico, a paciente mostra-se estável hemodinamicamente, anictérica, com dor à palpação abdominal em quadrante superior direito e sinal de Murphy positivo. O restante do exame físico apresenta-se sem alterações. Referente ao provável diagnóstico do enunciado acima, assinale a alternativa CORRETA: A. O sintoma mais importante de um quadro de colecistite aguda é a dor. Ao contrário da cólica biliar, a dor da colecistite aguda persiste por mais de seis horas. B. A paciente referida apresenta quadro clínico compatível com cólica biliar dor biliar, podendo ser liberada sem maiores investigações. Deverá apenas ser submetida à analgesia intra-hospitalar e receber alta com orientações dietéticas. C. A colangioressonância é o exame diagnóstico de escolha no caso de colecistite aguda e sempre deverá ser realizado na investigação desse quadro clínico. D. A prioridade do tratamento da colecistite aguda é o uso de antibióticos parenterais, sendo o tratamento cirúrgico uma segunda opção. E. A colecistectomia no caso de um quadro de colecistite aguda não deverá ser realizada precocemente pelo risco aumentado de lesão de vias biliares nesses casos. 26. Em relação aos tumores endócrinos do pâncreas, assinale a alternativa CORRETA: A. A tríade de Whipple, caracterizada por sintomas de hipoglicemia, níveis séricos de glicose abaixo de 50mg/dl e a melhora imediatados sintomas após administração de glicose, é encontrada em pacientes com somatostatinoma, o tumor endócrino mais comum do pâncreas. B. A hipoglicemia é responsável pela maioria dos sintomas e sinais de pacientes com insulinoma e é decorrente do excesso de insulina, que, por sua vez, inibe a produção hepática de glicose e estimula a utilização periférica de glicose pelos músculos e pelo tecido adiposo. C. A histologia é capaz de diferenciar gastrinoma benigno e maligno, não sendo necessária a avaliação da presença ou não de metástases. D. A grande maioria dos glucagonomas são benignos. Os glucagonomas malignos são raros e ocorrem em menos de 5% dos casos. E. A associação de hipergastrinemia e hiposecreção gástrica é altamente sugestiva de gastrinoma. Atheneu, Cap Em relação aos tumores do trato biliar extra-hepático, assinale a alternativa CORRETA:

7 Pág. 6 A. Todas as abaixo. B. Presença de abscesso intra-abdominal adjacente à fístula. C. Presença de corpo estranho. D. Fístula de trajeto curto. E. Doença residual (câncer, doença inflamatória intestinal, enterite actínica). A. Colelitíase é considerado um fator de risco para o desenvolvimento de carcinoma de vesícula biliar, e o risco de desenvolvimento dessa neoplasia não tem relação direta com o tamanho do cálculo. B. Recorrência tumoral locorregional é rara em pacientes com colangiocarcinoma. C. Colangiocarcinoma hilar tem melhor prognóstico do que os carcinomas da metade ou do terço distal do ducto biliar extra-hepático. D. Colangite esclerosante primária bem como as doenças inflamatórias intestinais são um fator de risco para o desenvolvimento de colangiocarcinoma. E. Em pacientes com carcinoma de vesícula biliar T1b (tumor invade a muscular), está indicada a colecistectomia ampliada, que inclui colecistectomia com ressecção em cunha da fossa vesicular, incluindo 3 5 cm de margem do parênquima hepático normal, seguido de linfadenectomia cística, pericoledociana, gastroepática, pancreatoduodenal e paraaórtica. Atheneu, Atheneu, Cap Paciente de 27 anos dá entrada no pronto-socorro vítima de ferimento de arma branca em abdome (parede abdominal anterior periumbilical esquerda) e ferimento de arma branca em tórax (parede torácica anterior ao nível do quarto espaço intercostal à direita). Ao exame físico: paciente hemodinamicamente estável, freqüência respiratória de 18ipm, saturação de oxigênio 95%, murmúrio vesicular diminuído à direita, timpanismo à percussão torácica, dor abdominal difusa de moderada intensidade à palpação com sinais de irritação peritoneal. Em relação ao caso clínico exposto, assinale a alternativa CORRETA: 28. Paciente masculino, 61 anos de idade, refere início, há três meses, de disfagia progressiva para sólidos, pastosos e líquidos associada a emagrecimento de 7Kg nesse mesmo período. Após investigação detalhada do caso, foi diagnosticado câncer de esôfago. Em relação à essa patologia, assinale a alternativa INCORRETA: A. A dor de garganta e sialorréia são comuns nos estágios avançados dessa doença quando localizados nos segmentos cervical e torácico proximal. B. Disseminação hematogênica ocorre nas fases precoces da doença, sendo o fígado e os pulmões os órgãos preferências nesse processo. C. O objetivo comum do tratamento radical, curativo ou não, é realizar ressecção da maior extensão esofágica possível, já que a disseminação linfática submucosa axial é sempre extensa, mesmo em tumores não avançados. D. O procedimento cirúrgico de Akiyama (três acessos) apresenta grande agressividade operatória, porém das técnicas cirúrgicas utilizadas é aquela em que os princípios de ressecção oncológica são mais respeitados. E. O estômago é a víscera preferencial para substituir o esôfago nas ressecções por tumores do segmento torácico. Atheneu, Cap Assinale os fatores locais que impedem ou dificultam o fechamento espontâneo das fístulas: A. Este paciente deve ser levado imediatamente ao centro cirúrgico e submetido à laparotomia mediana e à toracotomia antero-lateral direita pelo grande risco de lesão vascular torácica. B. Este paciente pode ser submetido a tratamento conservador em relação ao ferimento abdominal. C. Se durante a laparotomia para tratamento do ferimento abdominal fosse evidenciado lesão de intestino delgado a 40 cm do ângulo de Treitz grau II, a melhor conduta a ser adotada seria enterectomia segmentar. D. RX de tórax AP pode ser realizado como método de imagem diagnóstico auxiliar após avaliação primária, uma vez que o paciente está hemodinamicamente estável. E. A Toracocentese de alívio deveria ser realizada já na sala de emergência, após exame físico do paciente, pelo risco de pneumotórax hipertensivo. Atheneu, Cap. 11. Advenced Trauma Life Support for Doctors ATLS- SAVT Manual do Curso para Alunos Última Edição Colégio Americano de Cirurgiões Comitê de Trauma. 31. Referente ao diagnóstico e tratamento das fístulas pancreáticas: I. O diagnóstico é estabelecido pela dosagem de amilase na secreção, podendo alcançar Somogyi/dl. II. O volume de drenagem pode ser bastante variável, de poucos mililitros a 1000 ml/dia. III. Fístulas com drenagem de 500 ml/dia são consideradas de baixo débito.

8 Pág. 7 IV. O tratamento clínico que consiste I. O antígeno carcinoembrionário (CEA) é útil na principalmente em jejum, nutrição parenteral e identificação de metástases colorretais e octreotida, não apresenta sucesso na maioria apresenta valor prognóstico no dos casos. V. Nos casos refratários ao tratamento clínico e endoscópico, para as fístulas localizadas na cauda do pâncreas e com ducto pancreático normal, está indicada a pancreatectomia distal com sutura do coto e ducto pancreático. acompanhamento de pacientes. II. Concentrações séricas elevadas de alfa-1- fetoproteína (AFP) estão presentes em 90-95% dos casos de carcinoma hepatocelular. III. A aplicação principal do antígeno carboidrato 19-9 (CA 19-9) acontece no diagnóstico e no acompanhamento de pacientes com carcinoma São consideradas VERDADEIRAS as afirmações: de pâncreas, hepatobiliar e gástrico. IV. Entre as principais causas benignas de A. II, III, IV. B. I, II, V. C. I, II, III. D. III, IV, V. aumento do CA 19-9 estão icterícia obstrutiva, colelitíase, hepatite crônica ativa e necrose hepática fulminante. V. O CEA é utilizado para screening e possui E. I, IV, V. importância no diagnóstico diferencial de tumores primários do aparelho digestivo. Atheneu, Vol. II, Cap. 143, Pág São consideradas VERDADEIRAS as afirmações: 32. Referente às doenças que acometem a via biliar: I. Na hemobilia, quando o sangramento é ativo e intenso, pode ocorrer solidificação de coágulos e icterícia obstrutiva. II. A discinesia do esfíncter de Oddi é uma constrição funcional devido a uma alteração primária da motilidade e pode estar presente em pequena porcentagem de pacientes com síndrome pós-colecistectomia. III. Em caso de suspeita de cálculo em via biliar principal, a exploração transcística é a técnica mais comumente utilizada nas cirurgias videolaparoscópicas. IV. O câncer de ducto biliar extra-hepático é encontrado em mais da metade dos casos nas porções mais distais do ducto biliar comum. V. A síndrome de Mirizzi tipo II é definida como a compressão externa da via biliar principal por um cálculo impactado no infundíbulo vesicular, com processo inflamatório associado. São consideradas VERDADEIRAS as afirmações: A. II, III, IV. B. III, IV, V. C. I, II, V. D. I, IV,V. E. I, II, III. Atheneu, Vol. II, Cap. 133, Pág. 1733; Cap. 135, Pág. 1758; Cap. 131, Pág. 1714; Cap. 129, Pág. 1701; Cap. 123, Pág Marcadores tumorais são substâncias próprias do organismo, cujo aparecimento ou aumento indica a presença e/ou estado de disseminação de tumores. Referente aos marcadores tumorais do aparelho digestivo: A. I, II, III, IV. B. I, II, III, V. C. III, IV, V. D. I, III, IV. E. Todas estão corretas. Atheneu, Vol. I, Cap. 2, Pág A mensuração das pressões em vários pontos da luz do corpo do esôfago e nos esfíncteres superior e inferior é denominada manometria esofágica. Alterações motoras associadas aos dados clínicos determinam doenças e distúrbios da motilidade esofágica. Referente ao diagnóstico e tratamento das doenças motoras do esôfago: I. A acalasia apresenta disfagia e dor torácica como sintomas mais proeminentes. Na manometria apresenta ondas não peristálticas no corpo do esôfago, associadas ao relaxamento parcial ou incompleto do esfíncter esofágico inferior e freqüentemente à hipertensão esfincteriana (acima de 45mmHg). II. Muitas vezes confundida com dor torácica de origem coronariana, o esôfago em Quebra- Nozes (Nutcracker Esophagus) apresenta principalmente dor torácica de forte intensidade e contrações peristálticas de elevada amplitude (180mmHg), principalmente no esôfago distal. III. Na doença de Chagas, o paciente apresenta disfagia, regurgitação, dor torácica e retenção dos alimentos ingeridos. A manometria demonstra ondas peristálticas, abertura esfincteriana completa e ondas de pressão de baixa amplitude. IV. O tratamento invasivo na acalasia tem por objetivo romper a musculatura do esfíncter esofágico inferior por meio de dilatação pneumática ou por miotomia.

9 Pág. 8 V. Os bloqueadores de canais de cálcio têm sido A. Aumento da motilidade gástrica. indicados nas disfunções hipercontráteis. B. Diarréia. C. Maior absorção de vitamina B 12. São consideradas VERDADEIRAS as afirmações: D. Redução da absorção de sais biliares e aumento da incidência de cálculos biliares. A. I, II, III, V. E. Maior absorção de oxalato de cálcio e aumento B. II, III, IV, V. da incidência de cálculos renais. C. I, II, IV, V. D. I, III, IV. E. Todas estão corretas. Atheneu, Cap. 58, Pág Atheneu, Vol. I, Cap. 19, Pág Homem de 25 anos, trazido ao hospital por equipe especializada em socorro pré-hospitalar, vítima de acidente automobilístico com colisão lateral de alta energia (auto x auto), apresenta na avaliação inicial TCE leve, FCC em região frontal esquerda, FCC em antebraço esquerdo, contusão toraco-abdominal à esquerda, dor e rigidez abdominal em hipocôndrio esquerdo. PA 110x80 mmhg. Glasgow de 15. O exame tomográfico de abdome aponta lesão grau II de baço. Referente ao paciente acima, leia as afirmações abaixo: I. O tratamento conservador da lesão do baço pode ser indicado desde que o paciente permaneça estável hemodinamicamente. II. Mesmo havendo piora do TCE, com rebaixamento do nível de consciência e necessidade de intervenção neurocirúrgica, mantém-se a conduta expectante para a lesão de baço. III. O paciente pode apresentar lesão traumática em cauda do pâncreas e do intestino delgado. IV. São complicações do tratamento conservador da lesão esplênica: pseudoaneurisma, cistos e abscessos esplênicos. V. A lesão grau II citada é definida como hematoma em mais de 50% na área superficial ou em expansão, laceração maior que 3cm de profundidade. São consideradas VERDADEIRAS as afirmações: A. I, II, III B. I, III, IV C. III, IV, V D. I, II, V E. II, IV, V Referência Bibliográfica: FELICIANO, D. V.; MATTTOX, K. L.; MOORE, E. E. Trauma. 5 ed. Estados Unidos da América: McGraw-Hill, Cap. 32, Pág Após ressecção distal extensa de intestino delgado (íleo), o paciente apresenta efeitos relacionados à absorção. A partir desse contexto, assinale a alternativa INCORRETA: 37. Paciente de 25 anos, masculino, deu entrada no pronto-socorro trazido por familiares, vítima de ferimento por arma branca em hemitórax esquerdo, local de entrada com ferimento inciso, linear de 2 cm de extensão, localizado em 5º. espaço intercostal na linha axilar anterior. Na avaliação inicial, apresenta: vias áreas pérvias, taquipnéia, diminuição do MV e timpanismo à percussão em hemitórax esquerdo, jugulares distendidas, saturação de 80%, com O 2 10 litros/min, taquicardia, bulhas cardíacas normofonéticas, PA de 90 X 60 mmhg, extremidades com perfusão lentificada. Nesse caso, as condutas preconizadas seriam: I. Drenagem torácica imediata com dreno em selo d água para tratamento do pneumotórax. II. Punção no 2º. espaço intercostal, na linha hemiclavicular esquerda para descompressão de pneumotórax hipertensivo. III. Radiografia de tórax e confirmação do pneumotórax. Somente após a confirmação, deve-se realizar procedimento cirúrgico. IV. Administração de cristalóides através de dois acessos venosos de grosso calibre em membros superiores. V. Administração imediata de sangue O negativo para reposição volêmica. São consideradas VERDADEIRAS as afirmações: A. II, IV. B. I, IV. C. II, V. D. III, IV. E. I, V. Referência Bibliográfica: FELICIANO, D. V.; MATTTOX, K. L.; MOORE, E. E. Trauma. 5 ed. Estados Unidos da América: McGraw-Hill, Cap. 25, Pág ; Suporte Avançado de Vida par Médicos. 7 ed. Colégio Americano dos Cirurgiões e Comitê de Trauma. Cap. 1 e (ANULADA) São causas de pancreatite aguda: A. Coledocolitíase, pâncreas bífido, iatrogenia (pósoperatória). B. Alcoolismo, picada de escorpião, trauma. C. Hipercalcemia, infecções virais, pancreatite familiar. D. Hiperlipidemia, diuréticos tiazídicos, corticosteróides. E. Todas as alternativas abaixo.

10 Pág O abdome agudo oclusivo possui várias causas. Das de Janeiro: Guanabara-Koogan, afirmativas abaixo, qual está ERRADA: 39. No trauma abdominal fechado, com paciente estável hemodinamicamente, após uma ecografia positiva para líquido livre em cavidade abdominal, qual seria a próxima conduta? A. Observação. B. Tomografia abdominal. C. Laparotomia exploradora. D. Radiografia para abdome agudo. E. Repetir ecografia após 1 hora. A. A obstrução mecânica da luz intestinal pode ocorrer por íleo biliar, fecaloma e bezoar. B. Pode haver obstrução por lesão da parede intestinal como ocorre nas doenças inflamatórias, diverticulite de cólon e neoplasias. C. Os vômitos são fecalóides quando a obstrução ocorre antes do ângulo de Treitz. D. A obstrução extrínseca ao intestino pode ser decorrente de aderências, hérnias, volvo intestinal, abscessos e hematomas. E. Neoplasia de cólon e diverticulite são causas mais freqüentes de obstrução nos idosos. Referência Bibliográfica: MACHI, J.; STAREN, E. Ultrasound for Surgeons. Lippincott, USA: Landes Bioscience, Referência Bibliográfica: SCHWARTZ, S. I.; SHIRES, G. T.; SPENCER, F. C. Princípios de Cirurgia. 5 ed. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan, Um paciente, vítima de ferimento por arma de fogo em abdome, foi submetido à laparotomia, múltiplas rafias de intestino delgado, ressecção de 20 cm de jejuno com anastomose término-terminal, colostomia a Hartman devido à perfuração de reto. O paciente teve episódios de vômitos no pós-operatório imediato, sendo aplicado metoclopramida 10 mg EV, havendo melhora dos vômitos. No primeiro dia pósoperatório, o paciente referiu ter dor, que não foi aliviada com dipirona EV. Foi então medicado com tramadol 50 mg EV, havendo alívio da dor. Após 15 minutos, o paciente começou novamente com vômitos. Qual é a provável causa desses últimos vômitos? A. Estase gástrica. B. Liberação maciça de 5 HT. C. Estimulação vagal. D. Nenhuma das alternativas. E. Estimulação da zona quimiorreceptora pelo opióide. Referência Bibliográfica: SCHWARTZ, S. I.; SHIRES, G. T.; SPENCER, F. C. Princípios de Cirurgia. 5 ed. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan, Cap.24 Pág Qual das afirmativas abaixo sobre neoplasia de esôfago está ERRADA: A. Ocorre disfagia progressiva a sólidos e depois a líquidos. B. Acalasia, esôfago de Barret, tilose palmo-plantar, síndrome de Plummer-Vison são fatores associados à neoplasia de esôfago. C. Geralmente os 2/3 proximais do esôfago são acometidos por carcinoma epidermóide. D. Adenocarcinoma de esôfago tem boa resposta à radioterapia. E. Geralmente o 1/3 distal do esôfago é acometido por adenocarcinoma. Referência Bibliográfica: SCHWARTZ, S. I.; SHIRES, G. T.; SPENCER, F. C. Princípios de Cirurgia. 5 ed. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan, Em relação à cicatrização normal de feridas por segunda intenção, qual das situações abaixo está ERRADA: A. Os macrófagos não interferem na formação do tecido de granulação. B. Na fase de hemostasia, ocorre a ativação do complemento e seqüência de eventos de inflamação. C. A formação do tecido de granulação é estimulada por níveis baixos de bactérias na ferida, mas é inibida quando o nível de contaminação é alto. D. A presença da fibronectina na matriz provisória do tecido conjuntivo auxilia a migração dos fibroblastos para o interior da ferida. E. A reepitalização da ferida ocorre a partir da movimentação dos ceratinócitos das bordas livres, dos folículos pilosos e glândulas sudoríparas. Referência Bibliográfica: IRION G. Feridas - Novas Abordagens, Manejo Clínico e Atlas em Cores. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, Cap. 2 - Cicatrização Normal, Pág A respeito de translocação bacteriana, qual das afirmativas abaixo está ERRADA: A. A translocação bacteriana é a passagem de bactérias viáveis do trato gastrointestinal para tecidos estéreis, após ultrapassarem a barreira mucosa. B. A prevenção da translocação bacteriana está ligada ao tratamento exclusivo com antibióticos. C. Obstrução intestinal, doenças inflamatórias intestinais, radioterapia, quimioterapia, hipovolemia e sepses são fatores que favorecem a translocação bacteriana. D. O uso da glutamina por via enteral é efetivo na prevenção da translocação bacteriana. E. Nos pacientes graves em UTI, a redução do fluxo sangüíneo e desfuncionalização entérica por jejum prolongado fazem com que ocorra rapidamente atrofia da mucosa intestinal e perda sua função de barreira.

11 Pág. 10 Referência Bibliográfica: ZILBERSTEIN, B. ; C. O testículo se apresenta retraído e hipersensível. CECCONELLO, I. ; FELIX, V N ; PINOTTI, H. W. Infecção em Cirurgia do Aparelho Digestivo. São D. Orquite e epididimite são diagnósticos Paulo: Robe Editorial, Cap. 4, Pág. 83. diferenciais. E. Na torção completa pode haver infarto testicular dentro de 4 a 6 horas. 45. (ANULADA) Em relação à pielonefrite aguda, é CORRETO afirmar: A. Colicistite aguda, apendicite aguda, pancreatite, diverticulite e angina intestinal são diagnósticos diferenciais. B. Nos casos graves, além da dor, febre e calafrios, pode haver insuficiência renal aguda e hipotensão. C. A não identificação do fator predisponente, como obstrução das vias urinarias, é a principal causa de ausência de resposta ao tratamento e evolução para pielonefrite crônica. D. Todas as alternativas abaixo estão corretas. E. Pielonefrite enfisematosa ocorre comumente em pacientes diabéticos com obstrução do trato urinário superior, e os tratamentos operatórios para diminuir a mortalidade incluem nefrectomia e drenagem. de Janeiro: Guanabara-Koogan, Cap. 41, Pág A respeito de carcinoma de próstata, qual das afirmativas abaixo está ERRADA: A. O paciente pode apresentar como um dos sintomas iniciais déficit neurológico agudo nos membros inferiores. B. O tratamento paliativo sob forma de privação androgênica, como orquiectomia bilateral ou uso de dietilestilbestrol, é eficaz em 70 a 80% dos pacientes sintomáticos. C. A radioterapia é eficaz nas dores ósseas de origem metastática. D. O uso de flutamida não tem demonstrado melhora na sobrevida dos pacientes em tratamento paliativo. E. Pacientes com linfonodos pélvicos visivelmente positivos não são candidatos à prostatectomia total. de Janeiro: Guanabara-Koogan, Cap. 41, Pág e Cap. 47, Pág Dado que a torção do cordão espermático, que é uma emergência cirúrgica, é mais comum no adolescente, qual das alternativas abaixo está ERRADA: A. Ocorre dor no abdome inferior de início súbito e edema escrotal. B. A orquipexia contralateral não é necessária. de Janeiro: Guanabara-Koogan, Cap.41, Pág.904; SCHWARTZ, S. I.; SHIRES, G. T.; SPENCER, F. C.; Princípios de Cirurgia. 5 ed. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan, Cap. 40, Pág A doença de Hirschsprung ocorre devido à falha da migração das células nervosas mioentéricas parassimpáticas para o intestino distal. É correto afirmar que: A. As técnicas cirúrgicas utilizadas no tratamento definitivo são Swenson, Duhamel e Soave. B. Antes do tratamento cirúrgico definitivo, sempre deve ser realizada a colostomia. C. O tratamento conservador com enemas é muito eficaz para prevenir um quadro obstrutivo. D. O diagnóstico definitivo é feito pelo enema contrastado. E. É uma doença predominantemente do sexo feminino. de Janeiro: Guanabara-Koogan, Cap.46, Pág ; SCHWARTZ, S. I.; SHIRES, G. T.; SPENCER, F. C. Princípios de Cirurgia. 5 ed. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan, Cap. 39, Pág Considerando que o tumor de Wilms é uma neoplasia embrionária do rim, também chamado de nefroblastoma, qual das alternativas abaixo está ERRADA: A. Uma tumoração abdominal palpável está presente em quase todos os casos. B. A ecografia e tomografia abdominais geralmente distinguem o nefroblastoma de outros tumores. C. O tumor de Wilms está associado a anomalias geniturinárias. D. O pico de incidência dessa neoplasia ocorre dos 2 aos 3 anos de idade. E. É necessário realização de quimioterapia e radioterapia pré-operatória. de Janeiro: Guanabara-Koogan, Cap. 46, Pág SCHWARTZ, S. I.; SHIRES, G. T.; SPENCER, F. C. Princípios de Cirurgia. 5 ed. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan, Cap. 39, Pág

12 50. Considerando que a ruptura de aneurisma aórtico abdominal necessita de cirurgia de emergência, qual das afirmativas abaixo está ERRADA? Pág. 11 A. O paciente refere dor abdominal súbita com irradiação para dorso e região inguinal, sensação de desmaio e síncope. B. A tomografia de abdome é fidedigna para hemorragia por aneurisma roto; portanto, deve ser realizada mesmo com paciente instável. C. Podem ocorrer vasoconstrição periférica, hipotensão e anúria, indicando choque e necessidade de reposição imediata de solução salina isotônica endovenosa. D. Pode haver massa abdominal pulsátil se o sangramento permanecer contido no tecido periaórtico. E. A ecografia abdominal revela a presença de aneurisma, mas não é fidedigna para a presença de hemorragia. de Janeiro: Guanabara-Koogan, Cap.35, Pág.700. LAWRENCE W. WAY, CURRENT. Surgical Diagnosis & Treatment.10 ed. Appleton & Lange, Cap.35, Pág.753.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ALCIDES CARNEIRO DIA - 20/12/2009 CARGO: CIRURGIÃO GERAL C O N C U R S O P Ú B L I C O - H U A C / 2 0 0 9 Comissão de Processos

Leia mais

COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA

COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA X COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA ( ) 18.01 Abdome Agudo Diagnóstico (algoritmo) ( ) 18.02 Abdome Agudo Inflamatório Diagnóstico e Tratamento ( ) 18.03 Abdome Agudo na Criança ( ) 18.04 Abdome Agudo

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES.

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES. MAPA AUDITÓRIO ÓPERA DE ARAME (200 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:00 8:15 TEMA LIVRE SELECIONADO. 8:15 8:30 TEMA LIVRE SELECIONADO.

Leia mais

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny DATA hora AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR 25/10/2013 14:00-14:55 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 14:55-15:50 Abdome Agudo - perfurativo e vascular/hemorrágico Clínica

Leia mais

GABARITO DE CIRURGIA GERAL

GABARITO DE CIRURGIA GERAL GABARITO DE CIRURGIA GERAL QUESTÃO 1 Paciente com febre, tosse e escarro purulento bastante fétido, apresenta os exames abaixo. Qual é a conduta mais adequada? A. Antibioticoterapia e fisioterapia. B.

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR Aulas teórica s Amb. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL 13:15 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 24/7/2015 Abdome Agudo

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

Introdução. Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada

Introdução. Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada Introdução Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada BI + Albumina Hepatócitos Bilirrubina Direta (BD) ou conjugada Canalículos biliares Duodeno

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 DATA SALA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR 6/2/2015 102. D 13:15-14:10 Tratamento

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO GERAL

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO GERAL 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO GERAL QUESTÃO 21 São afirmativas verdadeiras sobre o Hiperparatireoidismo, EXCETO: a) É mais comum no sexo feminino. b) Os adenomas são a causa mais

Leia mais

Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo

Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo Cirurgia do Esôfago Painel de perguntas e filmes cirúrgicos

Leia mais

TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES. Dr. Francisco R. de Carvalho Neto

TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES. Dr. Francisco R. de Carvalho Neto TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES Dr. Francisco R. de Carvalho Neto TUMORES BENIGNOS ( classificação de Christensen & Ishate A) TUMORES BENIGNOS VERDADEIROS 1) De origem epitelial adenoma papilar ( papiloma)

Leia mais

Residência Médica Seleção 2013 Prova de Cirurgia Geral Expectativa de Respostas. Caso Clínico 1

Residência Médica Seleção 2013 Prova de Cirurgia Geral Expectativa de Respostas. Caso Clínico 1 Caso Clínico 1 Paciente de 55 anos, sexo feminino, chega ao ambulatório de Cirurgia Geral com quadro de icterícia, colúria e acolia fecal. Segundo a paciente, já era portadora de colelitíase sintomática,

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

Obstrução Intestinal no Adulto

Obstrução Intestinal no Adulto Obstrução Intestinal no Adulto Dra. Ana Cecília Neiva Gondim Cirurgia Geral / Coloproctologia Serviço de Coloproctologia do HUWC/UFC Introdução Obstrução intestinal é causa frequente de abdome agudo 20%

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA - INCA / 2016 PROVA DISCURSIVA - 2ª ETAPA PRM EM CANCEROLOGIA CIRÚRGICA

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA - INCA / 2016 PROVA DISCURSIVA - 2ª ETAPA PRM EM CANCEROLOGIA CIRÚRGICA PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA - INCA / 2016 PROVA DISCURSIVA - 2ª ETAPA PRM EM CANCEROLOGIA CIRÚRGICA Você recebeu o seguinte material: 1. Um CADERNO DE PROVA ESCRITA

Leia mais

PROVA E GABARITO PROVISÓRIO. Conforme previsto no ítem 5 do edital 02/13 (página 8 disponível no site):

PROVA E GABARITO PROVISÓRIO. Conforme previsto no ítem 5 do edital 02/13 (página 8 disponível no site): PROVA E GABARITO PROVISÓRIO Conforme previsto no ítem 5 do edital 02/13 (página 8 disponível no site): 1. Para interposição de recursos os interessados deverão recolher a taxa de R$ 100,00 (cem reais)

Leia mais

DIVERTÍCULO DIVERTÍCULO VERDADEIRO FALSO Composto por todas as camadas da parede intestinal Não possui uma das porções da parede intestinal DIVERTICULOSE OU DOENÇA DIVERTICULAR Termos empregados para

Leia mais

Secretaria de Saúde de Pernambuco SES Segundo Processo Seletivo à Residência 2006 Especialidade com exigência de pré-requisito em Cirurgia Geral

Secretaria de Saúde de Pernambuco SES Segundo Processo Seletivo à Residência 2006 Especialidade com exigência de pré-requisito em Cirurgia Geral QUESTÃO 01 Representa contra-indicação absoluta à colonoscopia: a) Volvo de sigmóide b) Doença inflamatória intestinal c) Câncer colorretal d) Doença diverticular e) Megacólon tóxico QUESTÃO 02 São fatores

Leia mais

PROVA E GABARITO FINAL MATRÍCULAS. 1. Primeira chamada para todos os candidatos aprovados para preencher as vagas a que

PROVA E GABARITO FINAL MATRÍCULAS. 1. Primeira chamada para todos os candidatos aprovados para preencher as vagas a que PROVA E GABARITO FINAL MATRÍCULAS 1. Primeira chamada para todos os candidatos aprovados para preencher as vagas a que fizeram juz deverão efetuar sua matrícula nos dias 20 a 21 de janeiro de 2014, das

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO QUESTÃO 21 Paciente portador de miatenia gravis e timoma, submetido a tratamento cirúrgico. Durante o ato operatório, constatou-se que o

Leia mais

TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas anexiais da pelve.

TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas anexiais da pelve. 24 de Outubro de 2006. Professor Amphilophio. Tomografia computadorizada do abdome e da pelve TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO)

02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO) 02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO) Horário Programação 8:00: 08:30 Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. Procedimentos Robóticos em Cirurgia abdominal 8:45-9:00 Cirurgia Robótica das afecções do

Leia mais

Tumor carcinoide de duodeno: um tumor raro em local incomum. Série de casos de uma única instituição

Tumor carcinoide de duodeno: um tumor raro em local incomum. Série de casos de uma única instituição Tumor carcinoide de duodeno: um tumor raro em local incomum. Série de casos de uma única instituição Jaques Waisberg- Orientador do Programa de Pós Graduação do Instituto de Assistência Médica ao Servidor

Leia mais

Câncer do pâncreas. Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente UFMA

Câncer do pâncreas. Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente UFMA Câncer do pâncreas Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente UFMA Diagnóstico A tomografia helicoidal com dupla fase é o melhor exame de imagem para diagnosticar e estadiar uma suspeita de carcinoma

Leia mais

HM Cardoso Fontes Serviço o de Cirurgia Geral Sessão Clínica

HM Cardoso Fontes Serviço o de Cirurgia Geral Sessão Clínica HM Cardoso Fontes Serviço o de Cirurgia Geral Sessão Clínica 22/07/04 Anastomoses Bilio-digestivas Intra-hep hepáticas em Tumores da Convergência Diego Teixeira Alves Rangel Tratamento Paliativo em 10

Leia mais

Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda

Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda Dor abdominal Difusa Localizada Abdome agudo Sem abdome agudo Exames específicos Tratamento específico Estabilizar paciente (vide algoritmo específico) Suspeita

Leia mais

AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL

AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL MALFORMAÇÕES NA REGIÃO INGUINAL As afecções congênitas da região inguinal correspondem, na sua maioria, a alterações dependentes da persistência de uma estrutura

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC)

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Figura 1: Radiografia de abdome em incidência anteroposterior, em ortostatismo (à esquerda) e decúbito dorsal (à direita) Figura 2: Tomografia

Leia mais

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê Neoplasias Gástricas Pedro Vale Bedê Introdução 95% dos tumores gástricos são malignos 95% dos tumores malignos são adenocarcinomas Em segundo lugar ficam os linfomas e em terceiro os leiomiosarcomas Ate

Leia mais

Intestino Delgado. Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu

Intestino Delgado. Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu Intestino Delgado Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu Irrigação do Intestino Delgado Duodeno Artérias duodenais Origem Irrigação Duodeno proximal Duodeno distal Anastomose Jejuno e íleo

Leia mais

Avaliação por Imagem do Pâncreas. Aula Prá8ca Abdome 4

Avaliação por Imagem do Pâncreas. Aula Prá8ca Abdome 4 Avaliação por Imagem do Pâncreas Aula Prá8ca Abdome 4 Obje8vos 1. Entender papel dos métodos de imagem (RX, US, TC e RM) na avaliação de lesões focais e difusas do pâncreas. 2. Revisar principais aspectos

Leia mais

Linfomas gastrointestinais

Linfomas gastrointestinais Linfomas gastrointestinais Louise Gracielle de Melo e Costa R3 do Serviço de Patologia SAPC/HU-UFJF Introdução Linfomas extranodais: a maioria é de TGI. Ainda assim, linfomas primários gastrointestinais

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento:

CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento: CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para encaminhamento: 1. Alterações no exame de urina (urinálise) 2. Infecção urinária de repetição 3. Litíase renal 4. Obstrução do trato

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA PÓS PARTO HEMORRAGIA PAULO ROBERTO MUNIZ DANTAS Universidade Federal da Paraíba CONSIDERAÇÕES HEMORAGIA PÓS PARTO SITUAÇÃO DRAMÁTICA

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS BENIGNOS Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS

Leia mais

CURSO DE APERFEIÇOAMENTO NOS MOLDES FELLOW CIRURGIA PEDIÁTRICA EM ONCOLOGIA

CURSO DE APERFEIÇOAMENTO NOS MOLDES FELLOW CIRURGIA PEDIÁTRICA EM ONCOLOGIA PROCESSO SELETIVO 02/2015 PARA INGRESSO NOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA ANOS OPCIONAIS E ÁREAS DE ATUAÇÃO E CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO NOS MOLDES FELLOW INCA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO NOS MOLDES FELLOW

Leia mais

DOR ABDOMINAL. Intensidade Localização Freqüência Irradiação Duração e tipo Sinais e sintomas associados Fatores de exacerbação ou de Melhora

DOR ABDOMINAL. Intensidade Localização Freqüência Irradiação Duração e tipo Sinais e sintomas associados Fatores de exacerbação ou de Melhora DOR ABDOMINAL Intensidade Localização Freqüência Irradiação Duração e tipo Sinais e sintomas associados Fatores de exacerbação ou de Melhora DOR ABDOMINAL Diagnóstico: História Clinica Exame Físico Avaliação

Leia mais

PATOLOGIAS DA PRÓSTATA. Prostata

PATOLOGIAS DA PRÓSTATA. Prostata AULA PREPARADA POR: PATOLOGIAS DA PRÓSTATA Prostata A próstata é um órgão interno que só o homem possui; tem a forma de uma maçã muito pequena, e fica logo abaixo da bexiga. ANATOMIA Tem o tamanho aproximado

Leia mais

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE Hospital Municipal Cardoso Fontes Serviço de Cirurgia Geral Chefe do serviço: Dr. Nelson Medina Coeli Expositor: Dra. Ana Carolina Assaf 16/09/04 René Lambert DEFINIÇÃO Carcinoma

Leia mais

OBJETIVOS GERAIS OBJETIVOS ESPECÍFICOS

OBJETIVOS GERAIS OBJETIVOS ESPECÍFICOS OBJETIVOS GERAIS O Programa de Residência Médica opcional de Videolaparoscopia em Cirurgia do Aparelho Digestivo (PRMCAD) representa modalidade de ensino de Pós Graduação visando ao aperfeiçoamento ético,

Leia mais

Distúrbios Gastrointetinais

Distúrbios Gastrointetinais Distúrbios Gastrointetinais Anatomia Gastrointestinal Doenças do tubo digestivo Patologias do Esôfago Classificação segundo o mecanismo da doença Anomalias do desenvolvimento (exs: Atresias; hérnias;estenoses)

Leia mais

da Junção Esofagogástrica

da Junção Esofagogástrica HM Cardoso Fontes Serviço o de Cirurgia Geral Sessão Clínica 15/04/04 Carcinoma da Junção Esofagogástrica strica Diego Teixeira Alves Rangel Casos do Serviço (2001 2004) Nome Idade Diagnóstico Acesso Cirurgia

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo TRATAMENTO CIRÚRGICO DAS METÁSTASES HEPÁTICAS Carcinoma Metastático do Fígado METÁSTASES HEPÁTICAS Neoplasia primeira

Leia mais

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM. Radiografia simples e contrastada (sulfato de bário e iodinas) Endoscopia

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM. Radiografia simples e contrastada (sulfato de bário e iodinas) Endoscopia AFECÇÕES CIRÚRGICAS DO ESÔFAGO Carmen Helena de Carvalho Vasconcellos DIAGNÓSTICO DA DOENÇA ESOFÁGICA SINAIS CLÍNICOS Regurgitação Disfagia, dificuldade de preensão Ptialismo Tosse, estertores Dispnéia

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CIRURGIÃO PEDIÁTRICO. Com relação ao tratamento da hérnia inguinal na criança é INCORRETO afirmar:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CIRURGIÃO PEDIÁTRICO. Com relação ao tratamento da hérnia inguinal na criança é INCORRETO afirmar: 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CIRURGIÃO PEDIÁTRICO QUESTÃO 21 Com relação ao tratamento da hérnia inguinal na criança é INCORRETO afirmar: a) O reforço da parede posterior só estaria indicado em

Leia mais

Relatos de casos de Strongyloides stercoralis. Isabelle Assunção Nutrição

Relatos de casos de Strongyloides stercoralis. Isabelle Assunção Nutrição Relatos de casos de Strongyloides stercoralis Isabelle Assunção Nutrição RECIFE/2011 INTRODUÇÃO A estrongiloidíase é uma helmintíase predominantemente intestinal causada pelo Strongyloides stercoralis,

Leia mais

Oclusão do tubo digestivo

Oclusão do tubo digestivo ABDOME AGUDO O diagnóstico sindrômico de abdome agudo (AA) é caracterizado pela presença de dor abdominal intensa e aguda (horas até 4 dias). O número de causas é enorme e ainda assim, a maioria dos casos

Leia mais

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar FÍGADO É o maior órgão interno È a maior glândula É a mais volumosa de todas as vísceras, pesa cerca de 1,5 kg no homem adulto, e na mulher adulta entre 1,2 e 1,4 kg Possui a coloração arroxeada, superfície

Leia mais

Abordagem. Fisiologia Histologia. Aspectos Clínicos. ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações

Abordagem. Fisiologia Histologia. Aspectos Clínicos. ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações Intestino Delgado Abordagem ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações Fisiologia Histologia Aspectos Clínicos Anatomia Do estômago ao intestino grosso Maior porção do trato digestivo

Leia mais

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ENDOSCOPIA

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ENDOSCOPIA 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ENDOSCOPIA QUESTÃO 21 A Hemorragia digestiva é uma complicação da Moléstia Diverticular dos Cólons. Assim é ERRADO afirmar: a) O tratamento das enfermidades

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 355/2014 Informações sobre Questran Light

RESPOSTA RÁPIDA 355/2014 Informações sobre Questran Light RESPOSTA RÁPIDA 355/2014 Informações sobre Questran Light SOLICITANTE Drª. Mônika Alessandra Machado Gomes Alves, Juíza de Direito do Juizado Especial de Unaí NÚMERO DO PROCESSO 0049989-72.2014 DATA 07/06/2014

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO UROLOGISTA. Cerca de 90% dos cânceres da bexiga são classificados como:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO UROLOGISTA. Cerca de 90% dos cânceres da bexiga são classificados como: 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO UROLOGISTA QUESTÃO 21 Cerca de 90% dos cânceres da bexiga são classificados como: a) Papilomas vesicais. b) Carcinomas epidermóides. c) Carcinomas de células

Leia mais

FUNDAÇÃO HOSPITALAR DE TERESINA CADERNO DE PROVA CLÍNICA CIRÚRGICA E OBSTETRÍCIA

FUNDAÇÃO HOSPITALAR DE TERESINA CADERNO DE PROVA CLÍNICA CIRÚRGICA E OBSTETRÍCIA 01. Paciente de 27 anos dá entrada no pronto-socorro vítima de ferimento de arma branca em abdome (parede abdominal anterior periumbilical esquerda) e ferimento de arma branca em tórax (parede torácica

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas Diretrizes Assistenciais Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas Versão eletrônica atualizada em Julho - 2012 Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos:

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax

7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax 7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Legenda da Imagem 1: Radiografia de tórax em incidência póstero-anterior Legenda da Imagem 2: Radiografia de tórax em perfil Enunciado: Homem de 38 anos, natural

Leia mais

Hospital. Sala 5. Sala 1. Hospital Figueira da Foz. Intervenção cirúrgica com transmissão (TAPP) Como ultrapassar as dificuldades da técnica

Hospital. Sala 5. Sala 1. Hospital Figueira da Foz. Intervenção cirúrgica com transmissão (TAPP) Como ultrapassar as dificuldades da técnica Quinta feira, 5 de Março 2015 Cursos pré Congresso 08:30 13:00 Cirurgia mamária Cancro da mama e tratamento sistémico primário Indicação para quimioterapia neoadjuvante Como monitorizar a resposta com

Leia mais

Estomas intestinais (ileostomias e colostomias) e anastomoses intestinais

Estomas intestinais (ileostomias e colostomias) e anastomoses intestinais Simpósio: FUNDAMENTOS EM CLÍNICA CIRÚRGICA - 3ª Parte Capítulo V Estomas intestinais (ileostomias e colostomias) e anastomoses intestinais Intestinal stomas (Ileostomy and Colostomy) and intestinal anastomosis

Leia mais

Módulo: Câncer de Rim Localizado

Módulo: Câncer de Rim Localizado Módulo: Câncer de Rim Localizado Caso 1 CAL, 56 anos, masculino Paciente médico, obeso (IMC = 41; peso 120 kg) Antecedentes clínicos: nefrolitíase Antecedentes cirúrgicos: Laparotomia mediana por divertículo

Leia mais

Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal. Aula Prá:ca Abdome 1

Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal. Aula Prá:ca Abdome 1 Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal Aula Prá:ca Abdome 1 Obje:vos Entender como decidir se exames de imagem são necessários e qual o método mais apropriado para avaliação de pacientes com

Leia mais

Hospital Figueira da Foz. Sala 5. Sala 1. Intervenção cirúrgica com transmissão (TAPP) Hospital

Hospital Figueira da Foz. Sala 5. Sala 1. Intervenção cirúrgica com transmissão (TAPP) Hospital Quinta feira, 5 de Março 2015 Cursos pré Congresso 08:30 13:00 Cirurgia mamária Cancro da mama e tratamento sistémico primário Indicação para quimioterapia neoadjuvante Como monitorizar a resposta com

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 81

PROVA ESPECÍFICA Cargo 81 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 81 QUESTÃO 26 Todas as estruturas descritas abaixo estão no Canal Anal, EXCETO: a) Criptas Anais. b) Linha Denteada. c) Colunas de Morgani. d) Valva inferior de Houston. QUESTÃO

Leia mais

PATOLOGIAS DO SISTEMA DIGESTIVO, ÚLCERA PÉPTICA E GASTRITE

PATOLOGIAS DO SISTEMA DIGESTIVO, ÚLCERA PÉPTICA E GASTRITE PATOLOGIAS DO SISTEMA DIGESTIVO, ÚLCERA PÉPTICA E GASTRITE Como prevenir? Como diagnosticar? Como tratar? SISTEMA DIGESTIVO O sistema digestivo se estende da boca até o ânus. É responsável pela recepção

Leia mais

Avaliação Semanal Correcção

Avaliação Semanal Correcção Avaliação Semanal Correcção 1. Mulher de 32 anos, caucasiana. Antecedentes pessoais e familiares irrelevante. 11 Gesta, 11 Para, usa DIU. Recorreu ao S.U. por dor abdominal de início súbito, localizada

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CANCEROLOGIA 21. O melhor esquema terapêutico para pacientes com neoplasia maligna de bexiga, os quais são clinicamente inelegíveis para cirurgia radical, é: a) Ressecção

Leia mais

Transplante Intestinal: indicações e manejo

Transplante Intestinal: indicações e manejo Transplante Intestinal: indicações e manejo Marcio Miasato Residente de 4 Ano Disciplina de Gastroenterologia Departamento de Pediatria Escola Paulista de Medicina Universidade Federal de São Paulo Introdução

Leia mais

PROVA TEÓRICO-PRÁTICA

PROVA TEÓRICO-PRÁTICA PROVA TEÓRICO-PRÁTICA 1. Na atresia de esôfago pode ocorrer fistula traqueoesofágica. No esquema abaixo estão várias opções possíveis. A alternativa indica a forma mais freqüente é: Resposta B 2. Criança

Leia mais

Tudo Exige Preparo. Para a guerra. Para o sexo. Para o banho

Tudo Exige Preparo. Para a guerra. Para o sexo. Para o banho Dr. Gustavo Santos Tudo Exige Preparo Para a guerra Para o sexo Para o banho Falhar em se preparar é preparar-se para falhar Benjamin Franklin Preparo Pré-Operatório: Por Quê? Identificar problemas não-conhecidos

Leia mais

NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL

NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL Camila Forestiero 1 ;Jaqueline Tanaka 2 ; Ivan

Leia mais

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO)

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) DADOS DO PACIENTE PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) Iniciais: Registro: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino Data de nascimento: / /

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais

Autópsia-Carcinoma de Reto

Autópsia-Carcinoma de Reto Autópsia-Carcinoma de Reto RESULTADO DE EXAME ANATOMOPATOLÓGICO N.º PG 163 NOME: PCQ RESID.: CIDADE: São Paulo - SP FONE: ( ) SEXO M IDADE 31 COR P PROFISSÃO: PEDIDO pelo Dr Clínica Cirúrgica TEL. ( )

Leia mais

A IMAGIOLOGIA NA PATOLOGIA PANCREÁTICA 5º ANO

A IMAGIOLOGIA NA PATOLOGIA PANCREÁTICA 5º ANO 5º ANO SUMÁRIO Métodos de imagem (MI) Pancreatite aguda (PA) Pancreatite crónica (PC) Tumores do pâncreas MÉTODOS DE IMAGEM Ecografia ( ECO ) Tomografia computorizada ( TC ) Ressonância magnética ( RM

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais

Comissão de Processos Vestibulares 23/03/2014. Médico Cirurgião Geral

Comissão de Processos Vestibulares 23/03/2014. Médico Cirurgião Geral Comissão de Processos Vestibulares 23/03/2014 Médico Cirurgião Geral Comissão de Processos Vestibulares PROCESSO SELETIVO - HUAC 23 de março de 2014 Nível Superior Médico Cirurgião Geral GABARITO DO CANDIDATO

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Infecção do sítio cirúrgico Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA Data de Realização: 29/04/2009 Data de Revisão: Data da Última Atualização:

Leia mais

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ 5ª Reunião de Casos www.digimaxdiagnostico.com.br/ Caso 1 Paciente J.M., 81 anos, sexo masculino. TC sem contraste TC com contraste Diagnóstico Aneurisma roto da aorta abdominal, parcialmente trombosado,

Leia mais

CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES

CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES Escrito por: Dr. Carlos Augusto Sousa de Oliveira 01. INTRODUÇÃO Os tumores carcinóides são incluídos em um grupo maior de neoplasias, os carcinomas neuroendócrinos

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR. Epidemiologia: Incidência : de 32 a 52 casos/m. Sexo : preferencialmente masculino. Faixa etária : entre 15 e 40 anos

TRAUMA RAQUIMEDULAR. Epidemiologia: Incidência : de 32 a 52 casos/m. Sexo : preferencialmente masculino. Faixa etária : entre 15 e 40 anos TRAUMA RAQUIMEDULAR Dr Antonio Eulalio TRAUMA RAQUIMEDULAR Epidemiologia: Incidência : de 32 a 52 casos/m Nº casos/ano : 8.000 Sexo : preferencialmente masculino Faixa etária : entre 15 e 40 anos Custo

Leia mais

LINFOMAS. Maria Otávia da Costa Negro Xavier. Maio -2013

LINFOMAS. Maria Otávia da Costa Negro Xavier. Maio -2013 LINFOMAS GASTROINTESTINAIS Maria Otávia da Costa Negro Xavier Maio -2013 1 INTRODUÇÃO Cerca de 1 a 4% de todas as malignidades gastrointestinais são linfomas. Por definição os linfomas gastrointestinais

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM)

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) Protocolo: Nº 63 Elaborado por: Manoel Emiliano Última revisão: 30/08/2011 Revisores: Samantha Vieira Maria Clara Mayrink TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) DEFINIÇÃO: O Trauma Raquimedular (TRM) constitui o conjunto

Leia mais

203 A. 16:30-17:20 Trauma cervical Clinica Cirúrgica Raphael 17:20-18:10 Queimaduras Clínica Cirúrgica Raphael

203 A. 16:30-17:20 Trauma cervical Clinica Cirúrgica Raphael 17:20-18:10 Queimaduras Clínica Cirúrgica Raphael CRONOGRAMA INTERNATO DE CIRURGIA 1º 2013 9º PERÍODO DATA/LOCAL HORÁRIO AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR 24/5/2013 11:00-11:50 Lesões corporais Medicina Legal Andressa 11:50-12:40 Lesões corporais Medicina

Leia mais

III EGEPUB/COPPE/UFRJ

III EGEPUB/COPPE/UFRJ Luiz Otávio Zahar III EGEPUB/COPPE/UFRJ 27/11/2014 O que é a próstata? A próstata é uma glândula pequena que fica abaixo da bexiga e envolve o tubo (chamado uretra) pelo qual passam a urina e o sêmen.

Leia mais

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX 1 RADIOGRAFIAS AS RADIOGRAFIAS APRESENTAM 4 DENSIDADES BÁSICAS: AR: traquéia, pulmões,

Leia mais

14º Imagem da Semana: Cintilografia para pesquisa de mucosa gástrica ectópica

14º Imagem da Semana: Cintilografia para pesquisa de mucosa gástrica ectópica 14º Imagem da Semana: Cintilografia para pesquisa de mucosa gástrica ectópica Enunciado Paciente de 13 anos, sexo masculino, foi levado ao PA-HCUFMG queixando melena. Peso e estatura adequados para a idade

Leia mais

DATA hora SALA AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR

DATA hora SALA AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR DATA hora SALA AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR 14:00-14:55 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 14:55-15:50 Abdome Agudo - perfurativo e vascular/hemorrágico Clínica

Leia mais

GETH REUNIÃO CIENTÍFICA. Polipose Adenomatosa Familiar (FAP) Tumor desmóide e FAP Dra.Júnea Caris de Oliveira São Paulo 08 de maio de 2015

GETH REUNIÃO CIENTÍFICA. Polipose Adenomatosa Familiar (FAP) Tumor desmóide e FAP Dra.Júnea Caris de Oliveira São Paulo 08 de maio de 2015 GETH REUNIÃO CIENTÍFICA Polipose Adenomatosa Familiar (FAP) Tumor desmóide e FAP Dra.Júnea Caris de Oliveira São Paulo 08 de maio de 2015 Caso Caso 1 Polipose Adenomatosa Familiar (FAP) A.R.P, masculino,

Leia mais

www.bahiagastrocenter.com.br Cálculos (pedras) da Vesícula biliar Manual do paciente João Ettinger Euler Ázaro Paulo Amaral

www.bahiagastrocenter.com.br Cálculos (pedras) da Vesícula biliar Manual do paciente João Ettinger Euler Ázaro Paulo Amaral www.bahiagastrocenter.com.br Cálculos (pedras) da Vesícula biliar Manual do paciente João Ettinger Euler Ázaro Paulo Amaral Copyright Bahia Gastro Center - 2009 1 Quem pode ter pedra (cálculo) na vesícula?

Leia mais

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 Doença Inflamatória Intestinal Acometimento inflamatório crônico do TGI. Mulheres > homens. Pacientes jovens (± 20 anos). Doença

Leia mais

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME PROTOCOLO DE ABDOME TOTAL POSIÇÃO DORSAL: Paciente em decúbito dorsal, entrando primeiro com a cabeça, apoiada sobre o suporte reto, braços elevados acima da cabeça.

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais