Quartos femininos em manuais de prescrição de conduta, São Paulo ( )

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Quartos femininos em manuais de prescrição de conduta, São Paulo (1870-1920)"

Transcrição

1 Quartos femininos em manuais de prescrição de conduta, São Paulo ( ) SIMONE ANDRIANI DOS SANTOS * * Historiadora, bacharel em História pela FFLCH-USP; mestranda do Programa de História Social da FFLCH- USP. Este trabalho é parte da dissertação financiada pelo CNPq.

2 2 Introdução Este trabalho tem como objetivo analisar as descrições de dois tipos de quartos: o quarto da senhora dona da casa/patroa e o quarto da criada doméstica 2. As descrições são encontradas em manuais femininos de prescrição de conduta que circularam pela cidade de São Paulo entre as décadas 1870 e Esse intervalo compreende o período em que a capital paulista passou por expressivas mudanças advindas com a disseminação dos novos hábitos de consumo, intensificados pelas transformações urbanas relacionadas à produção cafeeira (OLIVEIRA, 2005; PINTO, 1994). Além das transformações políticas, sociais, econômicas e da instauração de um projeto político, cujo objetivo era tornar o país uma nação moderna e civilizada, esse foi o momento em que houve uma grande disponibilização de bens de consumo, sobretudo, de produtos para a casa. O palacete, tipo de habitação com estilo inspirado em modelos aristocráticos europeus do século XVIII e altamente especializada (segregação de ambientes sociais, privados e de serviço, intermediados por áreas de transição), foi a melhor expressão do que se denominou como casa moderna (CARVALHO, 1996; HOMEM, 1996). Tais características atendiam às aspirações burguesas baseadas no consumo conspícuo e privado como forma de construção de identidades social e individual 3. Para as famílias menos abastadas, pertencentes aos segmentos médios emergentes, o novo modo de vida foi caracterizado pela aquisição de bens de consumo. Para essa parcela da sociedade, se não era possível comprar uma casa nova e moderna ou reformar a antiga, a ascensão social poderia ser demonstrada por meio da aquisição de objetos para a casa, como itens do mobiliário e peças de decoração encontradas 2 A escolha pela análise dessas descrições está relacionada ao tema da pesquisa de mestrado, em andamento. Iniciada em 2011, um ano antes do ingresso no programa de Pós-Graduação em História Social da FFLCH-USP, a pesquisa tem como objetivo analisar as relações entre patroas e suas empregadas, na cidade de São Paulo, entre as décadas de 1870 e Sua atenção está voltada para as diferenças étnicas, sociais e de gênero (re)produzidas no espaço doméstico. O intuito é compreender a formação identitária a partir do uso de objetos e espaços, entendidos estes como indutores de comportamentos e hábitos corporais. Tal hipótese baseia-se no papel ativo que as práticas domésticas diferenciadas entre patroas e empregadas teriam na conformação de identidades sociais e de gênero igualmente diferenciadas. Isto quer dizer que tais diferenças estariam baseadas não em valores abstratos, ou valores exportados de conformações produzidas fora da convivência, mas em diferenças étnicas, sociais e de gênero que foram construídas diariamente no uso diferenciado do espaço da casa, bem como de seus objetos, inclusive do corpo. Considera-se que as relações se davam a partir de um jogo de práticas de aproximações e distanciamentos, as quais mostram que as identidades dessas mulheres, em alguns momentos, não se constituíam com características tão distantes. 3 Segundo Daniel Miller, o consumo, com as novas possibilidades de agenciamento de bens, pode ser entendido como uma forma de construção de autonomia e identidade individual e social (MILLER, 2007).

3 3 em lojas de departamentos, como o Mappin Stores, ou confeccionadas a partir de receitas divulgadas em revistas e manuais femininos de comportamento (CARVALHO, 2008; 2011). Os manuais prescritivos que circulavam pela cidade, além de conter receitas de como reformar espaços e artefatos da casa, normatizavam comportamentos, ensinavam o que era ser uma pessoa elegante, educada e civilizada, prescreviam ações em eventos sociais e festas, davam dicas de higiene (pessoal e da habitação), ajudavam a organizar a rotina de trabalhos domésticos, forneciam informações sobre como tratar os empregados e, sobretudo, informavam o que era o que era ser uma boa mãe, esposa e dona-de-casa. Ao se pensar os preceitos veiculados por meio dos manuais femininos e a forma como buscavam transmitir um ideal de comportamento à mulher, pode-se dizer que eles contribuíram para a construção de representações e papeis sociais destinados ao gênero feminino, como no seguinte trecho: Será polida, affavel, carinhosa; será vigilante e activa; será garrida e requintada; fará do ménage uma arte, da vida de familia uma religião, e do seu lar o mais divino dos sanctuarios (CARVALHO, 1909: 64-5). De acordo com Teresa De Lauretis (1994), a construção de gênero ocorre por meio de várias tecnologias e discursos com o poder de controlar o campo de significado social e, assim, promover e implantar representações de gênero. Com a consolidação do capitalismo, o desenvolvimento da vida urbana e o surgimento de novas formas de sociabilidade, as vivências familiares e domésticas foram reorganizadas. A divisão sexual do trabalho atribuiu a esfera privada, do lar e da intimidade, à mulher, e o espaço público, da política e dos negócios, ao homem. Um conjunto de valores, entre eles a valorização da intimidade, do amor entre os cônjuges e da maternidade, atribuiu à mulher o papel de mãe responsável pela educação e criação dos filhos e de esposa dedicada ao lar e ao casamento, e ao homem coube o papel de pai provedor da família (D INCAO, 2004: 223; GONÇALVES, 2006). Nesse novo contexto de aprofundamento da divisão social do trabalho e intensificação da produção industrial em grande escala, ascensão dos segmentos médios urbanos, a casa burguesa funcionou como um campo operacional importante na construção do gênero através de dispositivos materiais. Como afirma Carvalho (2011: 445), o espaço doméstico, por ser entendido como um lugar de práticas corporais envolvendo, desde a infância, o uso cotidiano de objetos, torna-se um espaço importante para a constituição das identidades sociais e de gênero. Nesse sentido, o quarto pode ser um interessante objeto de

4 4 análise e trazer questões para ajudar na reflexão sobre as diferenças entre patroas e criadas domésticas. Para se fazer esta análise, o texto se apoia em diferentes áreas do conhecimento, uma delas é a de Estudos de Cultura Material. Não importa em qual contexto (social, cultural, ritualístico ou econômico), não se pode negar a ubiquidade das coisas físicas para a humanidade. A cultura material é indissociável e constitutiva da condição humana desde o seu surgimento. Por esse motivo, esta é uma importante plataforma para o estudo das dimensões materiais da vida social. O historiador não precisa necessariamente fazer uso de artefatos, mas pode estudar as sociedades humanas por meio da utilização de diferentes tipologias documentais (fontes materiais, textuais, orais, visuais, entre outras). Não se trata de uma história dos objetos ou dos contextos físicos (produção, circulação, usos, etc.), mas dos grupos sociais. Em outras palavras, os estudos históricos que utilizam a cultura material como perspectiva de análise se preocupam em entender a constituição, o funcionamento e as transformações sociais em determinado contexto (GONÇALVES, 2007; REDE, 2012; MENESES, 1983). Como afirma Meneses (2003: 26), é, contudo, a dimensão material da produção/reprodução social que é observada pelo historiador. Espera-se, portanto, neste trabalho, verificar se as diferenças sociais podem ser notadas materialmente no espaço doméstico. Acredita-se que as relações entre senhoras e criadas se davam a partir de um jogo de aproximações e distanciamentos. Quanto da senhora e quarto da criada Dentre os preceitos de higiene pessoal e da habitação, as orientações sobre a rotina de trabalho e o relacionamento entre patrões e empregados, as regras de etiqueta, as informações do que era ser uma boa mãe, esposa e dona-de-casa, os manuais de comportamento do final do século XIX e início do XX, que circularam por São Paulo, trazem uma série de descrições de ambientes e objetos domésticos 4. Um dos espaços ao qual os autores dedicaram capítulos inteiros é o quarto. 4 Ainda que de forma idealizada, tais obras, descrevem ações e cenas domésticas de maneira valorativa, sendo facilitada ao pesquisador o inventário dos sentidos associados aos agentes, espaços e objetos. Se aos historiadores é impossível observar sociedades do passado em funcionamento, diferente do que faz, por exemplo,

5 Segundo Perrot (2011: 15), o quarto é um ambiente relacionado a uma série de necessidades: o repouso, o sono, o nascimento/parto, o desejo sexual, o amor, a meditação, a leitura, a escrita, a procura de si mesmo, a reclusão, o contato com a religião, a doença e até a morte. Fazendo referência a Michel de Foucault, a autora afirma a necessidade de se estudar esse cômodo da casa como um local de poder, de pequenas táticas do hábitat: A fixação espacial é uma forma econômico-política que se faz necessário estudar detalhadamente (FOUCAULT, 2010 apud PERROT, 2011: 16). Nesse sentido, os quartos, com toda a estrutura que compõe sua materialidade (estrutura e objetos), suas dimensões, formas, decoração, usos e funções, variam historicamente e culturalmente. Ou seja, eles também são produções sociais e muito podem dizer ao historiador sobre a sociedade que é estudada e as pessoas que os acessam. No seguinte trecho do manual A arte de viver em sociedade, da autora Maria Amália Vaz de Carvalho, encontra-se a ideia de que as casas e seus espaços (incluindo os quartos) podem informar sobre as pessoas que os frequentam, muito sobre uma sociedade em determinado período histórico: A casa em que se vive, o quarto em que se dorme, o escriptorio em que se trabalha, a sala em que se recebe, tudo denuncia o nosso apuro ou o nosso desarranjo (CARVALHO, 1909: 215). Este, portanto, foi o tema da obra História dos Quartos, de Michelle Perrot, e um pouco a preocupação deste trabalho. Nos manuais femininos são descritos diferentes tipos de quartos: de rapazes e moças, casal, criadas, crianças. Aqui o que interessa são os dormitórios das patroas e/ou de casal e os das criadas, que viviam na mesma casa 5. O objetivo é demonstrar que, na casa, o acesso a espaços, o uso de objetos e as práticas domésticas diferenciadas de patroas e criadas teriam contribuído para a formação de identidades sociais e de gênero diferenciadas. Ou seja, as diferenças socialmente existentes entre essas mulheres poderiam ser observadas, por exemplo, na constituição de seus quartos. Segundo Carvalho (2008: 159), os quartos femininos e os de casal aparecem fortemente como um espaço associado ao gênero feminino. Para Perrot (2011: 132), esse cômodo representa uma forma de clausura, identificada com a própria feminilidade. É o que um antropólogo ou etnólogo (praticante de uma microssociologia ), a partir dos vestígios preservados no presente (imagens, relatos de viajantes e de memorialistas, artefatos e, no neste caso, obras como os manuais femininos), pode-se inferir os objetos em ação e, assim, relações interpessoais (CARVALHO, 2003: 308). 5 Algumas empregadas domésticas não moravam na casa de seus patrões, viviam em casas simples, cortiços, precárias moradias (PINTO, 1994). 5

6 se observa já com a leitura de um trecho do manual L art de bientenir une maison: o quarto de uma mulher é o reflexo de si mesma; tudo deve ser modesto e casto, se é que eu poderia usar estas palavras pomposas para me referir a decoração e mobiliário 6 (DEBASSAVILLE, 1888: 42, tradução nossa). As descrições desses ambientes apresentam uma grande profusão de objetos, sobretudo, decorativos. É o que se pode notar no seguinte excerto do manual de civilidade Codigo de bom tom, de José IgnánioRoquette: A mesma simplicidade te recomendo na mobília e alfaias de rua câmara ou camarim. Que loucura não é a de muitas damas e donzelas que ornam mais ricamente seus quartos de dormir ou camarins de toucar do que suas capelas ou oratórios, quando os têm! Vêem-se ali com profusão quadros, pinturas de preço, sanefas, bambinelas, cortinas tomadas a trechos com rosas de maravalhas, ou apanhadas em florões dourados; banquinhas de madeira aromática e preciosa, ou guarnecidas de damasco, franjadas de seda ou de ouro; pias de cristal ou de raríssimas conchas; guarda-roupas de grande custo pelo precioso da madeira e bem-acabado da obra; caçoletas, espelhos, jarras, ramalhetes, porcelanas, frasquinhos, figuras de alabastro ou de gesso; caixas, cofrinhos, escrínios, escaparates, escritorinhos; carteiras de gabinete e de viagem; carteirinhas de algibeira para memórias ou cartas de visita ou para marcar contradanças nos bailes; estojos de toucar e de costura; papeleirinhas recheadas de cabos de marfim ou de ágata para penas metálicas, lacres aromatizados, sinetes de camafeus ou emblemáticos, obreias transparentes ou efêmeras, papel de cores, estampado, aberto em tarjas, guarnecido de debuxos entrelaçando armas, iniciais ou emblemas; uma prateleira cheia de bagatelas, de marfim, porcelana, cristal e filigrana... (ROQUETTE, 1997: p ). Nota-se uma grande quantidade de objetos descritos compondo o quarto de uma moça (Eugenia); são artefatos de vários tamanhos, cores e matérias-primas que resultavam em diferentes estímulos, táteis, olfativos e visuais, junto a suas funções de sentar, conter, escrever, ver, limpar. Muitos eram utilizados somente para ornamentar, como as bambinelas, franjadas, escrínios, caçoletas, espelhos, frasquinhos ; outros eram feitos de materiais de alta qualidade e bastante delicados: seda, porcelana, marmore, cristal, damasco, ouro 7. Possivelmente eram objetos de alto custo e que só poderiam ser 6 6 No original: la chambre d une femme est lereflet d elle-même; tout doitdonc y êtremodeste et chaste, si jepeux me servir de cesmotspompeuxpour une décoration et unameublement (DEBASSAVILLE, 1888: 42). 7 Alfaia é um utensílio de adorno, tanto de casas como de pessoas; toucador é uma spécie de mesa ou.cômoda, contendo um espelho, utilizado para se pentear e se vestir penteadeira; bambinellas são cortinas internas que ornamentam portas e janelas; maravalhas são aparas de madeira; damasco identifica o tecido de seda com flores ou desenhos em relevo, originalmente era fabricado em Damasco, na Síria; caçoletas são vasos de metal ou de porcelana em que se queima incenso; alabastro é uma espécie de mármore branco, translúcido, pouco duro e.suscetível de um belo polido; escaparate denomina tanto um pequeno armário, que pode ser de cantoneira para louça, como mesa ou banquinha de cabeceira; algibeira é

7 adquiridos por pessoas com grande poder aquisitivo. Quando são observados os inúmeros trechos de viajantes, literatos e cronistas coletados por Ernani Silva Bruno 8, nota-se que as casas, até meados do século XIX, eram extremamente pobres em mobiliário e objetos de decoração. Possuir uma habitação, e um quarto, ricamente ornamentada de peças feitas com materiais de ótima qualidade significava pertencer aos grupos sociais mais abastados e, consequentemente, distintos do restante da população. Como é possível observar mais adiante, as características encontradas nas descrições dos quartos da dona da casa se estendiam para o espaço destinado à higiene/ao cuidado pessoal, o chamado quarto de toilette ou quarto de banho. Mesmo não sendo indicado, muitas vezes essa prática era realizada dentro do quarto de dormir : Muitas mulheres fazem sua higiene pessoal em seu próprio quarto, o que é errado, quando elas possuem um quarto de toilette, e é triste quando não o possuem; isso porque a limpeza, os pós e as pomadas podem cair e manchar os móveis e o chão (DEBASSAVILLE, 1888: 46, tradução nossa) 9. No quarto de toilette é muito elegante ter sobre o toucador e lavatorio com todos os objectos de uso, taes como escovas, pentes, caixas de pós de arroz, estojo de unhas, frascos de vinagre de toilette ou de perfumes, de agua de Colonia etc., etc., - mas é necessario, para que esta exposição se admitta, que os objectos sejam de apurada elegancia(carvalho, 1909: 178). O quarto [de toilette] era amplo, com tresjanellas para o jardim, de paredes pintadas a oleo, numa côr de rosa suavissima. A mobilia era leve, graciosa, composta de cinco ou seis peças o guarda-casacas com o espelho, o guardavestidos, o toucador, uma commoda e um divan. O lavatorio era de agua corrente, amplo e todo de marmore. Não rodava alli nenhum tapetinho embirrativo, nem quebrava a harmonia do conjuncto nenhum quadro a missangas nem flores de papel. Juncto ás janellas os jasmineiros emmaranhavam as suas hastes em arrendados verdes, e um pé de murta fornecia aroma mais deliciante ao quarto que todas as essencias de Guerlain expostas no toucador (ALMEIDA, 1905: 156). 7 uma espécie de bolsinha; escrínios referem-se a guarda-joias ou escrivaninhas; ágata refere-se a pedras preciosas (CARVALHO, 2008: 159; DICIONÁRIOPriberam da Língua Portuguesa) 8 Os trechos retirados de obras de viajantes, cronistas, memorialistas estão organizados em um fichário que foi criado para atender às necessidades de pesquisas, desenvolvidas no Museu da Casa Brasileira, sobre equipamentos domiciliares utilizados em diferentes épocas (séculos XV ao XIX). Hoje o Acervo Equipamentos da Casa Brasileira, Usos e Costumes Arquivo Ernani Silva Bruno pode ser acessado por meio de CD-ROM ou pelo site do Museu. Cf. MUSEU DA CASA BRASILEIRA. Disponível em <http://www.mcb.org.br/>. Acesso em 17 abr Beaucoup de femmesfontleurtoilettecomplètedansleur chambre, cequi est untortquandellesontuncabinet de toilette, et cequi est triste quandelles n enontpas; carleslavages, lespoudres, le pomades peuventsalirlesmeublesquilesentourent et notammentle parquet (DEBASSAVILLE, 1888: 46).

8 8 Eu aconselharia a todas as moças ricas luxo de marmores e de metaes nos seus quartos de banho. Uma mulher moça e formosa [...] ao escorregar na agua quente, em todo o corpo enlaça, lambe e amollenta, que doces sonhos teceria, vendo por entre as pestanas cerradas as côres eternamente fugitivas dos marmores e os reflexos dos vidros e dos metaes! (ALMEIDA, 1906: 52). O quarto de toiletteé também descrito contendo uma série de objetos de ( espelho, guarda vestidos, toucador, commoda, divan, escovas, pentes, caixas de pós de arroz, frascos de vinagre de toilette, perfumes, quadros ), feitos em diversas cores, formatos e materiais (mármore, vidro, metal, flores, etc.). Os adjetivos utilizados para descrever o espaço, a mobília e a decoração, tais como leve, graciosa, simples, risonho suavissima, elegante, modesto, casto, formosa, são caraterísticas que eram atribuídas também ao gênero feminino. Ou seja, os manuais, quando aconselhavam comportamentos, gestos, ações para as leitoras, utilizavam os mesmos adjetivos para se referir ao gênero feminino. Para ser uma boa mãe, esposa e dona-de-casa, a mulher deveria se dedicar à educação dos filhos, ao bem estar do marido e da família, portanto manter o conforto, o cuidado e a higiene do lar; ela deveria ter características como ser carinhosa, suave, benevolente, risonha, formosa, casta. Além disso, como o público alvo dos manuais pertencia aos segmentos mais abastados da sociedade paulistana 10, os autores ainda prescreviam comportamentos para que a leitora pudesse ser/parecer ser elegante, educada, civilizada. Essa informação se torna mais clara quando são observados os conselhos de comportamento como: seja bella, elegante, graciosa, carinhosa, affavel, requintada, com aspecto encantador e prestigioso, bellaá força da arte. [...] de encantador e prestigioso aspecto, que se faz bellaá força da arte [...], que sorri, anda, pára, dansa, cumprimenta, sempre com suprema arte; que acolhe com uma infinidade extraordinaria de nuances diversas as differentes pessoas que lhe são apresentadas; que se veste na perfeição, conversa com uma ligeireza e uma graça inimitável, preside a um salão com uma mestria genial, e não tem um pensamento que não dimane da sociedade ou não convirja para ella(carvalho, 1909: 31). [...] uma benevola e caridosa disposição para com os defeitos alheios (Idem: 60). 10 Vale lembrar que a maior parte da população nesse período era analfabeta. Em 1890, apenas 15% da população era alfabetizada, taxa que atingiu, de acordo com o censo realizado em 1920, o patamar de 20%. (DE LUCA, 1999: 59; MARTINS, 2001).

9 Será polida, affavel, carinhosa; será vigilante e activa; será garrida e requintada; fará do ménage uma arte, da vida de familia uma religião, e do seu lar o mais divino dos sanctuarios(idem: 64-5). Marshall Sahlins (2003), quando estuda o sistema de vestuário norte-americano, observa que a consubstancialidade entre sujeito e objeto é predicada como uma identidade de essências, de modo que as características dos tecidos, peças do vestuário, cortes, cores são atribuídas ao indivíduo que os utilizam. Por exemplo, a seda é considerada um tecido feminino e as mulheres são sedosas, finas como sedas, macias como seda. Em oposição, outros tecidos como a lã, que é essencialmente menos feminino, macio e delicado é, portanto, atribuído ao gênero masculino. O mesmo fenômeno é possível verificar quando são analisadas descrições dos cômodos da casa encontradas nos manuais femininos; há uma correspondência entre os atributos materiais e as características pessoais das mulheres e seus quartos, como se houvesse uma essência subjacente. Esse fenômeno, como será verificado mais adiante, também é corrente para a criada doméstica. Para as mulheres de famílias modestas, os manuais femininos traziam conselhos de comportamentos e descrições de espaços contendo uma menor variedade de objetos, feitos com materiais mais baratos e simples ( cabides, porta-toalhas fixadas na parede, perto da banheira, e ao alcance da mão, indispensavel cama, criado-mudo e um cabide de pés, móveis tão commodos quão elegantes e de preços relativamente baixos ), assim como é possível observar no seguinte trecho que descreve o quarto de toilette retirado do Livro das Donas e Donzellas, de Julia Lopes de Almeida: Para a burgueza apressada ou fraca o caso é outro o quarto de banho deverá ser simples, amplo e risonho. Um oleado rodeará ahi a banheira, para que a agua não apodreça o assoalho, se não houver ladrilho; bastará mais um tapete para os pés, uma larga cadeira de encostos, cabides, um porta-toalhas, e, fixadas na parede, perto da banheira, e ao alcance da mão, a cesta da esponja e a concha do sabonete. Além d isso, numa solida cantoneira de marmore, as escovas e o pulverisador, o porta-grampos, etc. (ALMEIDA, 1906: 52). Neste caso, ideias como a de cada coisa em seu lugar, objetos facilmente disponíveis e ao alcance das mãos, limpeza, higiene, ordem e simplicidade são consideradas como elegantes e atributos importantes para habitações mais modestas ( convem que o quarto de dormir seja bem simples, para que o ar circule livre, levemente, soalho encerado é o mais asseiado e mais hygienico, como tudo, do gosto e posses da dona de casa ). Como afirma Carvalho (2008: 160), há uma adaptação dos hábitos higienistas, seguindo uma proposta 9

10 funcional, aos hábitos considerados elegantes. Dessa maneira, mesmo com poucos móveis e itens de decoração, o importante era que o quarto (a casa) fosse simples, limpo, sem poeira acumulada, arejado e disposto de uma forma que pudesse receber luz solar, ou seja, um espaço higiênico e bem organizado, o chamado quarto higiênico 11. Os quartos de cama devem ter, quanto possivel, bastante ar e bastante luz. A hygiene moderna e as exigencias do nosso clima proscrevem d elles os cortinados pezados, os tapetes, etc., etc. (CARVALHO, 1909: 184). Somno para ser hygienicamente aproveitado deve ser á noite, em quarto bem arejado [...] Reservar-se-á o melhor quarto da casa para dormitório; será mantido durante o dia com as janellas abertas para ser convenientemente arejado e insolado, e sempre desatravancando de trastes e moveis inuteis(kehl, 1926: ). O quarto [de dormir] não era grande, mas fresco, bem illuminado por uma janella larga, sem cortinas. O chão, todo encerado, não tinha tapetes e nas paredes reinava a mesma simplicidade. Como mobilia a indispensavel cama, criado-mudo e um cabide de pés, nesse momento espanado e desoccupado, posto alli para receber á noite a roupa que despissem, o que é mais hygienico que deixal-a sobre cadeiras ou pendurada rente ás paredes. [...] Em um clima como o nosso convem que o quarto de dormir seja bem simples, para que o ar circule livre, levemente (ALMEIDA, 1905: ). Um quarto hygienico deve ter janellas por onde entre ar, luz e sol [...]. A ventilação é de importancia capital: logo ao levantar deve-se descobrir a cama, abrir as janellas e então passar para o quarto de vestir. [...] Para as paredes não ha nada comparavelá pintura a óleo [...]. O soalho encerado é o mais asseiado e mais hygienico que conheço [...]. A dona de casa não acumule trastes dispensaveis no dormitorio, porque estes impedem a franca circulação do ar. [...] Como a mobilia não ha nada comparavel aos modelos ingleses, tão commodos quão elegantes e de preços relativamente baixos. A moda actual favorece os moveis claros, pintados e envernisados; mas tambem com moveis simples e antigos póde uma senhora delicada conseguir arranjos elegantes. [...] Uma chaise-longue, duas poltronas, um genuflexorio e, a cada lado da cama, um criado mudo completam a mobília do dormitoriohygienico (CLESER, 1913: ). A dona de casa que não possuir um lavatoriopóde, sem grande despreza, suppril-o vantajosamente [...]. A escolha da bacia, do jarro, dos diversos frascos de Crystal depende, como tudo, do gosto e posses da dona de casa. A saboneteira e o recipiente para as escovas não devem estar tampadas; as escovas privadas de ar adquirem um cheiro repugnante de mofo [...]. O toucador é um objeto indispensavel (Idem: ). Se não fosse possível para a dona-de-casa ter um quarto ricamente ornamentado, ela poderia confeccionar seus próprios móveis seguindo as receitas dos manuais: Uma dona de 11 Segundo Dibie (1988: 140), esse foi o espaço que recebeu grande atenção dos higienistas e arquitetos, sendo tratado em manuais de higiene e saúde e obras de arquitetura. 10

11 casa economica e industriosa póde [...] aprontar tambem este movel, que será lindíssimo si se esmerar na sua confecção (CLESER: ). Mas o mais importante era que a habitação fosse higiênica e livre de artefatos sem uso prático. A cama de metal, considerada uma cama higiênica e uma das peças essenciais para esse ambiente, deveria estar bem disposta no espaço (próxima a janelas para receber luz solar) e ser extremamente limpa ( deve ser solida e rigorosamente asseiada ). Se a roupa de cama não fosse decorada (com almofadas e travesseirinhos de paina de seda, com as capas de damasco de linho ou de seda ), obrigatoriamente deveria ser organizada ( nada mais desagradavel do que lençóes cheios de rugas e pregas ) e trocada frequentemente (Idem, 1913: ). Quando se trata das descrições dos quartos das criadas domésticas que habitavam a mesma residência de seus patrões são encontradas características diferentes. Segundo Lemos (1976: ), nas casas que possuíam dormitórios para os empregados, esse espaço normalmente ficava localizado próximo a áreas de serviço, cozinhas, porões e quintais. É o que se observa no seguinte excerto do manual O lar domestico, de Vera Cleser, onde o quarto da criada é descrito como um ambiente improvisado e mal localizado (em qualquer canto da casa), muitas vezes onde toda a tralha doméstica era guarda (PERROT, 2011: 148): No peior canto da casa, ás vezes debaixo de uma escada, tem ella [a criada] de estender uma esteira, servindo-lhe de travesseiros alguns molambos enrolados e completando a cama um velho cobertor esfarrapado. A madrugada tem a obrigação de enrolar este miseravel arranjo e de escondel-oatraz de uma porta(cleser, 1913: ). Embora fossem indicados os mesmos preceitos de ordem e higiene para o quarto da empregada, observam-se algumas diferenças no que se refere ao tamanho do espaço, à decoração, aos materiais de que eram feitos os móveis, às formas e à quantidade de objetos disponíveis. [...] entrou no quarto da lavadeira. Era um cubículo estreito e oprimido pelo teto. Gustavo deu alguns passos e parou, afrontado pela escuridão e pela insalubridade de ar que respirava ali [...]. - Abre-se aquele postigo [...]. E, depois de trepar-se na cadeira, abriu uma janela de dois palmos, que ficava sobre a cabeceira da cama [...]. Foi então que Gustavo viu distintamente a miséria repulsiva que o cercava [...]. Este olhava em torno de si, oprimido pelo aspecto cru e nojento de tudo aquilo [...] (AZEVEDO, 1973: ) Para a pesquisa de mestrado outros documentos são utilizados como relatos de viajantes, textos memorialistas, peças publicitárias e o Fichário do Equipamento e dos Costumes da Casa Brasileira, organizado por Ernani Silva Bruno, do Museu da Casa Brasileira. Como está de acordo com a temática do texto, este excerto também foi incluído.

12 Aqui tens o quarto da criada, que é o ultimo da casa. [...] O quarto era pequeno, caiado, com uma janella, um cabide de prateleira coberto de chita de ramagens azul e branca, um lavatorio de ferro com bacia de jarro de louça branca e azul, como a chita. A um canto, um bahú para roupa branca e no outro canto uma bacia de agatha para banho, encostada á parede. No leito de ferro (os menos sujeitos ás invasões de insectos e do pó) os lençóes, a colxa de chita e a fronha do travesseiro bem alisados e limpos. Aos pés da cama o enxugador do banho e juncto ao lavatorio a toalha de algodão para o rosto (ALMEIDA, 1905: ). As paredes devem ser caiadas e limpas. A caição a ocre é a mais conveniente e deve se fazer todos os annos; assim o quarto nunca chegará a estar sujo. A criada deve ao levantar-se abrir a janella e conserval-a aberta todo o dia. Varrerá o soalho todas as manhãs e o lavará ás sextas-feiras. Isto é indispensavel; a limpeza deste commodocontribue extraordinariamente para o asseio de toda a casa [...] E iniludível dever nosso dar-lhe um quartinho limpo e arejado, provido de um catre solido com um bom colchão de palha, travesseiros decentes e cobertas suficientes para resistir ao frio. Além da cama devemos fornecer um cabide de prateleira, um lavatorio de ferro com bacia e jarro de ágatha branca (com ramagens, para distinguil-os das vasilhas da cosinha e da despensa), um espelho, uma mesinha, uma cadeira um bahú para roupa branca e, encostada á parede, uma bacia para o banho diário (CLESER, 1913: ). Quero descrever-lhe minha cama [...]. Imagine um banco rústico de madeira, sem cabeceira mas com braços aos lados [...]. Em cima de um estrado, o colchão, cujo enchimento é composto de ervas selvagens, misturadas, por movimento ignorado, com gracioso galhos e gravetos. Sobre este banco de tortura coberto com um lençol, oculta-se um travesseiro em miniatura (BINZER, 2004: 32). Meu conforto material também deixa muito a desejar. Meu quarto é uma alcova sem janelas [...] recebendo luz apenas através da porta! Sua mobília consiste somente numa cama [...], um lavatório, uma cadeira. Não tenho armário, nem cômoda. Minha mala serve de rouparia e para meus vestidos melhores espero poder conquistar [...]. Escrevo justamente do quarto da francesa, que, apesar da tradicional inimizade, é com quem mais simpatizo nesta casa. Seu quarto não é muito melhor que o meu, mas possui uma mesa e uma janelinha alta, perto do teto; ao passo que no meu buraco escuro, que existe em todas as casas brasileiras, sintome quase asfixiada (Idem, 2004: 88). Comparado com o quarto da patroa, o da empregada é descrito como um espaço pequeno, apertado ( oprimido ), contendo apenas uma janela (quando havia), era mal arejado, mal iluminado e, possivelmente, um ambiente com umidade e mofo; as paredes não possuíam quadros e recebiam pinturas simples ( caiada no lugar da pintura a óleo ) 13 ; a quantidade de objetos disponíveis no espaço era muito pequena ( sua mobília consiste somente numa cama [...] um lavatório, uma cadeira ) e eram somente aqueles de uso prático ( lavatório, bahu, banco rústico de madeira, cabide ), ou seja, não serviam para ornamentar; os Pintura feita a base de cal, branca. No sentido figurado quer dizer mascarado, disfarçado.

13 materiais de que eram feitos era de qualidade inferior ( chita de ramagens azul e branca, lavatorio de ferro, bacia de jarro de louça branca e azul, bacia de agatha para banho, lençóes, a colxa de chita ) e, portanto, mais baratos do que aqueles que compunham o quarto da patroa; no lugar armário de roupas, apenas um baú; ao invés de quarto de toilette, somente um enxugador do banho e juncto ao lavatorio a toalha de algodão para o rosto. Para compreender as diferenças entre os dois quartos presentes na habitação burguesa, vale acrescentar informações sobre o que significava ser empregada doméstica nesse período. Com o crescimento da cidade de São Paulo, uma grande quantidade de pessoas migrou (exescravos e imigrantes europeus) para a capital em busca de emprego e melhores condições de sobrevivência. O comércio e a incipiente indústria não absorveram a grande quantidade desempregados. Às mulheres restou a possibilidade de trabalhar em casas de famílias: casadas ou solteiras, imigrantes ou nacionais (negras ou brancas), algumas começaram a trabalhar ainda crianças ou adolescentes, em casas de famílias abastadas e de médios recursos, como cozinheiras, criadas, lavadeiras, passadeiras, arrumadeiras, copeiras, amas-de-leite e amas secas, pajens e ajudantes 14 ; algumas empregavam-se sozinhas, outras junto de seus filhos ou de toda a família; mas na maioria dos casos, os trabalhadores residiam na casa dos patrões, em troca de moradia e alimentação (MATOS, 1994, 2002; PINTO, 1994: 97). Além disso, vale acrescentar que, embora a escravidão tivesse sido abolida em 1888, a herança escravista ainda era muito forte. Quem trabalhava no serviço doméstico, atividade realizada anteriormente por escravos, era visto como uma ameaça, um possível inimigo dentro de casa, alguém que poderia roubar ou transmitir doenças para os familiares e, portanto, deveria ficar sob constante vigilância da patroa (vigilância de seus corpos e de seus quartos). Nos manuais femininos, características como rude, indolente, desobediente, grosseira, desordeira, inimigas, vadios, gananciosos, aspereza, brutalidade eram atributos utilizados pelos autores para fazer referência aos empregados. A dona de casa no Brasil é a martyr mais digna de commiseração, entre todas as citadas pela historia. Viver em baixo das mesmas telhas com uma inimiga que faz tudo o que póde para atormentar as nossas horas, pagar-lhe os serviços e ainda fazel-os de parceria, assumindo a responsabilidade dos máos jantares que ella faz e O serviço doméstico empregou uma grande quantidade de mulheres pobres. Em 1914, estimava-se cerca de 40 mil trabalhadores no setor e de 10 a 15 mil substituições por ano, período em que a população paulistana era em torno de 375 mil habitantes. Na mesma época, em 1906, no Rio de Janeiro, havia 77 mil criadas, o que significava uma taxa de 76% das mulheres ativas (GRAHAM, 1992: 18-26; MATOS, 1994: 206; 2002).

14 da maneira desleixada por que arrasta a vassoura pela casa; ordenar e ser desobedecida; pedir e obter más respostas; fallar com doçura e ouvir resmungar com aspereza; advertir com justiça e ouvir responder com aggressão e brutalidade; recommendar limpeza, economia, ordem e calma, e vêr só desperdícios, porcaria, desordem e violência, confessa que é coisa de fazer abalar em vibrações dolorosas os nervos os mais modestos, mais tranquillos e mais saudavelmente pacatos do mundo! (ALMEIDA, 1906: 64). Como foi possível observar, os atributos utilizados para descrever os quartos também eram aplicados para se referir às criadas ( esfarrapado, miseravel, nojento, rustico ). Os artefatos quem compunham o espaço eram feitos com materiais de menor qualidade, mais grosseiros, ásperos e sem representar qualquer luxo ou elegância. Os quartos eram miseráveis, sujos, nojentos, rústicos, com um velho cobertos esfarrapado, porque essas eram as características pessoas atribuídas às empregadas; a chita é um tecido de algodão com estampas de cores fortes, geralmente florais, e com tramas simples, portanto feito com material rústico e grosseiro assim como as criadas também eram. Eram pessoas estranhas para a família empregadora, moravam na mesma casa, mas eram consideradas um inimigo em potencial (poderiam roubar ou portar doenças contagiosas). Portanto, o mesmo fenômeno de consubstancialidade entre sujeito e objeto, estudado por Sahlins (2003) e verificado nas análises das características dos quartos das patroas, é observado também nas descrições dos quartos das empregadas. Como senhoras e criadas possuíam nítidas diferenças sociais (uma é rica, a outra é pobre; uma é a dona da casa; a outra é a pessoa de fora, possível inimiga; uma é civilizada e elegante, a outra é ex-escrava e imigrante pobre), seus dormitórios representavam materialmente essas distinções. Embora fossem do mesmo gênero (mulheres), por serem de grupos sociais diferentes, possuíam papéis sociais distintos nessa sociedade (uma é patroa, a outra é criada). 14 Considerações Finais Portanto, ao analisar os trechos que descrevem os quartos de patroas e os de criadas domésticas, é possível verificar que as características materiais dos espaços representavam as diferenças sociais existentes entre essas mulheres. Os excertos encontrados em manuais femininos do final do século XIX e início do XX ajudam a perceber que a cultura material pode ser interpretada como um símbolo, possui significados dentro de determinado contexto cultural e histórico; são fenômenos que variam de acordo com a cultura e o tempo e podem

15 15 ser analisados pelos historiadores. A cultura material, como importante plataforma para o estudo, permite ao historiador entender a constituição, o funcionamento e as transformações de grupos sociais em determinado contexto. Os manuais de prescrição de comportamento feminino, além de trazerem informações sobre o que era ser mulher (mãe, esposa e dona-decasa) nesse contexto histórico, ajudam ao pesquisador a inferir, a partir das descrições dos espaços, das ações e dos objetos, informações sobre as relações interpessoais. O objetivo deste texto foi fazer uma análise dos quartos de patroas e de empregadas domésticas, apoiando-se em autores das áreas de Estudos de Gênero e de Cultura Material. A intenção foi verificar se as diferenças sociais entre as duas mulheres poderiam ser notadas materialmente no espaço doméstico. Fontes ALMEIDA, Júlia Lopes de. Livro das Noivas. 2a. edição. Rio de Janeiro/São Paulo/ Minas: Francisco Alves & Cia., Livro das Donas e Donzellas. Desenhos de Jeanne Mahieu. Rio de Janeiro/ São Paulo/ Belo Horizonte: Francisco Alves &C.a, AZEVEDO, Aluísio. A Condessa Vésper ( ). 10º edição, São Paulo, Martins Editora/ Instituto Nacional do Livro (MEC), p BINZER, Ina von. Os meus romanos: alegrias e tristezas de uma educadora alemã no Brasil. São Paulo: Paz e Terra, CARVALHO, Maria Amalia Vaz de. A arte de viver na sociedade. 4.ª ed. Lisboa, Parceria Antonio Maria Pereira. 4.ª ed., [S.l.]: CLESER, Vera A. O lar domestico: conselhos praticos sobre a boa direcção de uma casa. Sabará/MG: Unico agente vendedor A. Dilli/ S.PauloTypographia de Oscar Monteiro, DEBASSAVILLE, MmelaComtesse. L art de BienTenir une Maison. Paris: Librairie H. Anière A. Broussois, Librairie Éditeur, KEHL, Renato. Bíblia da Saúde: Hygiene. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, ROQUETTE, José Ignácio.Codigo do bom tom; ou, Regras da civilidade e de bem viver no século XIX. São Paulo: Companhia das Letras, Referências bibliográficas CARVALHO, Maria Cristina Wolff de. Bem-morar em São Paulo, : Ramos de Azevedo e os modelos europeus. Anais do Museu Paulista, São Paulo, v. 4, p , jan./dez CARVALHO, Vânia Carneiro de. Gênero e cultura material: uma introdução bibliográfica. Anais do Museu Paulista, vol.8-9, no.1, p , Gênero e Artefato: O sistema doméstico na perspectiva da cultura material - São Paulo, São Paulo: EDUSP/FAPESP, 2008.

16 . Cultura material, espaço doméstico e musealização. VARIA HISTORIA, Belo Horizonte, vol. 27, nº 46: p , jul.-dez., DE LAURETIS, Teresa. "A Tecnologia do Gênero". In: HOLLANDA, Heloísa Buarque de (Org.).Tendências e Impasses: O Feminismo como crítica da Cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994, p DE LUCA, Tânia Regina. A Revista do Brasil: um diagnóstico para a (n)ação. São Paulo: Fundação Editora da Unesp, DIBIE, Pascal. O quarto de dormir: um estudo etnológico. Rio de Janeiro: Globo, DICIONÁRIOPriberam da Língua Portuguesa (DPLP). Disponível em <http://www.priberam.pt/dlpo/default.aspx>. Acesso em: 20 abr D INCAO, Maria Ângela. A mulher e família burguesa. In: DEL PRIORE, Mary (Org.). História das mulheres no Brasil. 7.ª ed. São Paulo: Contexto, 2004, p GONÇALVES, Andréa Lisly. História&Gênero. Belo Horizonte: Autêntica, GONÇALVES, José Reginaldo Santos. Antropologia dos objetos: coleções, museus e patrimônios. Rio de Janeiro: IPHAN, GRAHAM, Sandra Lauderdale. Proteção e obediência: criadas e seus patrões no Rio de Janeiro, Trad. Viviana Bosi. São Paulo: Cia das Letras, HOMEM, Maria Cecília Naclério. O Palacete Paulistano e Outros Formas de Morar da Elite Cafeeira ( ). São Paulo: Martins Fontes, LEMOS, Carlos A. C. Cozinhas, etc.: um estudo sobre as zonas de serviço da Casa Paulista. São Paulo: Perspectiva, MARTINS, Ana Luiza. Revistas em Revista: Imprensa e Práticas Culturais em Tempos de República, São Paulo ( ). São Paulo: Edusp/Fapesp/Imesp, MATOS, Maria Izilda Santos de. Porta adentro: Criados de servir em São Paulo de 1890 a In: BRUSCHINI, Cristina; SORJ, Bila. Novos Olhares: Mulheres e Relações de Gênero no Brasil. São Paulo: Marco Zero/Fundação Carlos Chagas, 1994, p Cotidiano e Cultura: História, Cidade e Trabalho. Bauru: Edusc, MENESES, Ulpiano T. Bezerra de. A cultura material no estudo das sociedades antigas. Revista de História, São Paulo, n.115 (Nova Série), jul.-dez. 1983, p Fontes visuais, cultura visual, História visual. Balanço provisório, propostas cautelares. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 23, n. 45, p , MILLER, Daniel. Material cultureandmassconsumption. Oxford: Blackwell, Consumo como cultura material. In: Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 13, n.28, p , jul./dez MUSEU DA CASA BRASILEIRA. Disponível em <http://www.mcb.org.br/>. Acesso em 17 abr OLIVEIRA, Maria Luiza Ferreira de. Entre a casa e o armazém: relações sociais e experiência da urbanização, São Paulo, São Paulo: Alameda, PERROT, Michelle. História dos Quartos. Trad. Alcilda Brant. São Paulo: Paz e Terra, PINTO, Maria Inez Machado Borges. Cotidiano e Sobrevivência: A Vida do Trabalhador Pobre na cidade de São Paulo, São Paulo: Edusp, REDE, Marcelo. História e cultura material. In: CARDOSO, Ciro Flamarion; VAINFAS, Ronaldo. Novos Domínios da História. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012, p SAHLINS, Marshall. Cultura e razão prática. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.,

Quartos. aula 9. www.casa.com.br/cursodedecoracao2012. Por Zize Zink

Quartos. aula 9. www.casa.com.br/cursodedecoracao2012. Por Zize Zink www.casa.com.br/cursodedecoracao2012 aula 9 Por Zize Zink Quartos Num projeto destinado para um casal e em outro habitado por três crianças, a arquiteta Zize Zink passa boas lições de como criar ambientes

Leia mais

Uma oportunidade única de criar e decorar

Uma oportunidade única de criar e decorar Uma oportunidade única de criar e decorar a sua CASA DE PRAIA em miniatura. Descubra o prazer do coleccionador e a delicadeza do miniaturista. O coleccionismo das casas em miniatura é um passatempo com

Leia mais

Referência FAMILIAR. Situada no Estoril, esta moradia, projeto. sob medida projetos

Referência FAMILIAR. Situada no Estoril, esta moradia, projeto. sob medida projetos sob medida projetos Referência FAMILIAR A decoração desta moradia, no Estoril, ficou a cargo das arquitetas de interiores Maria Ana Franco e Teresa Matos Correia, da Fusion. TEXTO: patrícia ROCHA PRODUÇÃO:

Leia mais

Os Móveis da Casa Reis

Os Móveis da Casa Reis Os Móveis da Casa Reis 1 Este texto tem como objectivo dar a conhecer os móveis que fazem parte da riqueza da Ourivesaria Reis, no Porto. Foi fundada em 1880 por António Alves dos Reis, pai de Seraphim

Leia mais

Pisos de Madeira. Pisos de Cerâmica. Equipamentos. Equipamentos. Segurança. Vassoura Esfregão (se necessário) Pá de lixo Cesto de lixo

Pisos de Madeira. Pisos de Cerâmica. Equipamentos. Equipamentos. Segurança. Vassoura Esfregão (se necessário) Pá de lixo Cesto de lixo Pisos de Madeira 1. Varra bordas, cantos e atrás das portas. 2. Varra o restante do piso, começando de um lado da sala até o outro. Para pisos amplos, use um esfregão, sacudindo-o quando terminar. 3. Junte

Leia mais

SEJAM BEM VINDOS AO NOSSO JARDIM, E APRECIEM AS NOSSAS MAIS BELAS FLOWERS.

SEJAM BEM VINDOS AO NOSSO JARDIM, E APRECIEM AS NOSSAS MAIS BELAS FLOWERS. A natureza é sempre contemplativa em qualquer época do ano. Nosso irmão sol, nosssa irmã lua, água fonte de vida, e a mãe terra com inúmeras espécies de flores. Flores agraciadas e perfumadas, no quarto,

Leia mais

O curativo do umbigo

O curativo do umbigo Higiene do bebê O curativo do umbigo Organizo meu futuro porque o presente já passou. O curativo do umbigo deve ser feito todos os dias, depois do banho, até que o cordão do umbigo seque e caia. Isso leva

Leia mais

Inventário dos bens do Município de Guimarães afetos à Pousada da Oliveira. Entrada do restaurante. Restaurante

Inventário dos bens do Município de Guimarães afetos à Pousada da Oliveira. Entrada do restaurante. Restaurante Inventário dos bens do Município de Guimarães afetos à Pousada da Oliveira Entrada do restaurante Banca para máquina de registar em madeira com 1 prateleira Relógio de parede com caixa em madeira 2 Apliques

Leia mais

Sugestões de Presentes. Eletrodoméstico

Sugestões de Presentes. Eletrodoméstico Sugestões de Presentes Eletrodoméstico Ar condicionado Aspirador de pó Batedeira de bolo Cafeteira elétrica Centrífuga de frutas Depurador Espremedor de frutas Faca elétrica Ferro elétrico Fogão Forno

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 18.4 Áreas de Vivência 18.4.1. Os canteiros de obras devem dispor de: a) instalações sanitárias; b) vestiário; c) alojamento; d)

Leia mais

CONSERVAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE ACERVOS: PONTAPÉ INICIAL

CONSERVAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE ACERVOS: PONTAPÉ INICIAL PRESERVE SEU ACERVO CONSERVAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE ACERVOS: PONTAPÉ INICIAL Sabe aquelas fotos, textos, recortes de jornal, roupas, flâmulas e outros objetos que guardamos em casa, na sede do clube, no comércio

Leia mais

Guia de Puericultura. Alimentação

Guia de Puericultura. Alimentação Guia de Puericultura Com o nascimento do bebé, os pais necessitam de adquirir uma série de artigos. A oferta no mercado é cada vez maior, por isso é importante estar informado: com este guia ajudamo-la

Leia mais

MANUAIS DE INSTRUÇÃO FEMININOS E A EDUCAÇÃO DAS MULHERES DÉCADAS DE 1950 E 1960

MANUAIS DE INSTRUÇÃO FEMININOS E A EDUCAÇÃO DAS MULHERES DÉCADAS DE 1950 E 1960 MANUAIS DE INSTRUÇÃO FEMININOS E A EDUCAÇÃO DAS MULHERES DÉCADAS DE 1950 E 1960 TOMÉ, Dyeinne Cristina (UEM) MACHADO, Maria Cristina Gomes (Orientadora/UEM) Este estudo é o resultado da dissertação de

Leia mais

18.4. Áreas de vivência

18.4. Áreas de vivência 18.4. Áreas de vivência 18.4.1. Os canteiros de obras devem dispor de: a) instalações sanitárias; (118.015-0 / I4) b) vestiário; (118.016-9 / I4) c) alojamento; (118.017-7 / I4) d) local de refeições;

Leia mais

Grande em todos os sentidos

Grande em todos os sentidos Arquitetura Maurício Karam Paisagismo Gilberto Elkis Fotos Sérgio Israel Grande em todos os sentidos 62 CASA DE CAMPO Espaçosa, confortável e elegante, a casa tem atrações para toda a família e espaço

Leia mais

Decoração de inverno. Hora de mudar o visual da casa, preparando-a para receber o frio

Decoração de inverno. Hora de mudar o visual da casa, preparando-a para receber o frio Foto Sérgio Israel Com a chegada da estação fria, vem também a oportunidade de tirar do armário os tapetes felpudos, as mantas de tricô e as almofadas de veludo. É o período do ano em que a casa se torna

Leia mais

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa.

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa. A Criada Russa Sandra Pinheiro Interior. Noite. Uma sala de uma casa de família elegantemente decorada. Um sofá ao centro, virado para a boca de cena. Por detrás do sofá umas escadas que conduzem ao andar

Leia mais

ACOMPANHAMENTO EM CRECHE E JARDIM DE INFÂNCIA TÉCNICAS PEDAGÓGICAS 50 Horas

ACOMPANHAMENTO EM CRECHE E JARDIM DE INFÂNCIA TÉCNICAS PEDAGÓGICAS 50 Horas ACOMPANHAMENTO EM CRECHE E JARDIM DE INFÂNCIA TÉCNICAS PEDAGÓGICAS 50 Horas UFCD 3275 Formadora Fátima Pires Gomes Ação Educativa I Programa da UFCD Objetivos do Módulo Reconhecer as principais técnicas

Leia mais

Agradecemos todos os nossos amigos e clientes, porque sem vocês não teríamos motivação paracontinuar a fazer o que achamos ser o nosso melhor!

Agradecemos todos os nossos amigos e clientes, porque sem vocês não teríamos motivação paracontinuar a fazer o que achamos ser o nosso melhor! Para que serve esse e-book? Criamos esse guia para você, que como nós, é apaixonado por decoração de interiores. Aqui você vai encontrar sugestões de como criar quartos decorados incríveis para seu(s)

Leia mais

IDENTIDADES FEMININAS: PATROAS E CRIADAS EM MANUAIS FEMININOS, SÃO PAULO (1875-1928)

IDENTIDADES FEMININAS: PATROAS E CRIADAS EM MANUAIS FEMININOS, SÃO PAULO (1875-1928) IDENTIDADES FEMININAS: PATROAS E CRIADAS EM MANUAIS FEMININOS, SÃO PAULO (1875-1928) Simone Andriani dos Santos (simone.santos@usp.br) Mestranda da FFLCH-USP/MP-Universidade de São Paulo (USP) Resumo:

Leia mais

Alegria. Internacional. que contagia

Alegria. Internacional. que contagia Internacional Texto Patricia Galleto Fotos divulgação ARte Beth Nito Alegria que contagia O estilo remete ora ao shabby chic, ora ao contemporâneo. O resultado dessa mistura é uma casa cheia de vida, incrementada

Leia mais

Entre 1940 a 1960, uma coleção de romances intitulada Biblioteca

Entre 1940 a 1960, uma coleção de romances intitulada Biblioteca I M A G E M N O B R A S I L COM A PALAVRA, AS IMAGENS! representações do feminino nas capas dos romances da Biblioteca das Moças (1940-1960) Maria Teresa Santos Cunha Entre 1940 a 1960, uma coleção de

Leia mais

A PINTORA Era madrugada, fumaça e pincéis estampavam a paisagem interna de um loft. Lá fora uma grande lua pintava as ruas semi-iluminadas com um fantasmagórico prateado. Uma mão delicada retocava a gravata

Leia mais

Inventário Página 1 de 6

Inventário Página 1 de 6 Hall de entrada: Página 1 de 6 01 mesa c/ base de ferro e tampo de granito; 02 esculturas barrocas (Santa e Cristo) 02 cadeiras de madeira com assento de veludo e encosto de palha traçada; Sala de jantar:

Leia mais

Projeto de cromoterapia para Quarto de Estudos Baseado em informações oferecidas e confirmadas pelo cliente. Observação: o amarelo deve ser aplicado

Projeto de cromoterapia para Quarto de Estudos Baseado em informações oferecidas e confirmadas pelo cliente. Observação: o amarelo deve ser aplicado Projeto de cromoterapia para Quarto de Estudos Baseado em informações oferecidas e confirmadas pelo cliente. Observação: o amarelo deve ser aplicado em tonalidades claras, lembramos que no momento da aplicação

Leia mais

Dicas de conservação e limpeza

Dicas de conservação e limpeza Dicas de conservação e limpeza No uso diário de seus armários, alguns cuidados devem ser tomados a fim de prolongar a vida útil do produto. Água Tome cuidado particular em torno da pia, do forno e dos

Leia mais

Uma do norte e outra do sul 3. Glória e Lúcia moram em partes diferentes da cidade. Depois de ouvi-las, complete as lacunas.

Uma do norte e outra do sul 3. Glória e Lúcia moram em partes diferentes da cidade. Depois de ouvi-las, complete as lacunas. Rio, de norte a sul Aproximando o foco: atividades Moradores da Zona Norte e da Zona Sul O din-dim 1. Ouça Kedma e complete as lacunas: Quem mora na Zona Norte na Zona Sul é quem tem mais. Na Zona Su na

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação

ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação Ponto 8 Ambientes de Trabalho Prof. Mario S. Ferreira, Maio, 2012 Fatores Ambientais Intervenientes na Relação Tarefa-Atividade Elementos ativos: pessoas e equipamentos

Leia mais

NR 24 - INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO

NR 24 - INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO NR 24 - INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO 24.1 Instalações Sanitárias 24.1.1 Todo estabelecimento deve ser dotado de instalações sanitárias, constituídas por vasos sanitários,

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS CONDIÇÕES DAS ÁREAS DE VIVÊNCIA DOS CANTEIROS DE OBRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NO ESTADO DA BAHIA.

QUESTIONÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS CONDIÇÕES DAS ÁREAS DE VIVÊNCIA DOS CANTEIROS DE OBRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. QUESTIONÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS CONDIÇÕES DAS ÁREAS DE VIVÊNCIA DOS CANTEIROS DE OBRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. O presente trabalho é resultado de um consenso estabelecido

Leia mais

Residencial. Poucos móveis e muito espaço: minimalista, a casa aposta em espaço para circulação

Residencial. Poucos móveis e muito espaço: minimalista, a casa aposta em espaço para circulação Residencial Poucos móveis e muito espaço: minimalista, a casa aposta em espaço para circulação 22 outono NAS CORES DO Casa de 230m² é aposta em tons terrosos, integração de ambientes e muita iluminação

Leia mais

triunfam mistura de estilos efeitos em casas com vida em mudança ideias para renovar uma sala austera transparências metalizados espírito marroquino

triunfam mistura de estilos efeitos em casas com vida em mudança ideias para renovar uma sala austera transparências metalizados espírito marroquino CASA CLÁUDIA SETEMBRO 2007 ANO 19 Setembro 2007 Ano 19 Nº 236 Portugal (Continente) 3,30 triunfam transparências metalizados espírito marroquino em mudança ideias para renovar uma sala austera GRANDES

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

Treinamento Organização

Treinamento Organização Treinamento Organização Conceitos básicos O que é organização? A organização é um talento nato, para os que não tiveram essa sorte existe treinamento e equipamento. Essa é a nossa proposta, ninguém precisa

Leia mais

Guia de Estilos de Decoração. Volume 1

Guia de Estilos de Decoração. Volume 1 Guia de Estilos de Decoração Volume 1 Índice de Estilos Clean Romântico Retrô Rústico Clássico Contemporâneo Decoração é uma arte, um dom. Como diz o dicionário, decorar é o ato de embelezar, aformosear,

Leia mais

EXPLORANDO O MUNDO COM OS SENTIDOS RESUMO INTRODUÇÃO

EXPLORANDO O MUNDO COM OS SENTIDOS RESUMO INTRODUÇÃO EXPLORANDO O MUNDO COM OS SENTIDOS RESUMO Andrea Cristina Lombardo Debora Cristina Millan Maria Conceição Olimpio de Almeida deboramillan@yahoo.com.br Ouvir o barulho da chuva, saborear os alimentos, cheirar

Leia mais

Quem mora na Zona Norte na Zona Sul é quem tem mais din-dim. Na Zona Su na Zona Norte é quem tem menos recursos.

Quem mora na Zona Norte na Zona Sul é quem tem mais din-dim. Na Zona Su na Zona Norte é quem tem menos recursos. Rio, de norte a sul Aproximando o foco: atividades RESPOSTAS Moradores da Zona Norte e da Zona Sul O din-dim 1. Ouça Kedma e complete as lacunas: Quem mora na Zona Norte na Zona Sul é quem tem mais din-dim.

Leia mais

DECRETO Nº 1627 DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

DECRETO Nº 1627 DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 DECRETO Nº 1627 DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Dispõe sobre a atualização do artigo 1º, da Lei da Lei Complementar nº 241 de 24 de Fevereiro de 2015, onde trata da Tabela nº 05, Anexo II - Planta Genérica

Leia mais

USOS E COSTUMES: LIXO DOMÉSTICO NO MUSEU DA ENERGIA DE ITU

USOS E COSTUMES: LIXO DOMÉSTICO NO MUSEU DA ENERGIA DE ITU USOS E COSTUMES: LIXO DOMÉSTICO NO MUSEU DA ENERGIA DE ITU O jantar no Brasil, de Jean Baptiste Debret Com este material de apoio é possível entender como os fragmentos arqueológicos nos ajudam a decifrar

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

Anexo II Tarefas de limpeza a efectuar pelas equipas de limpeza

Anexo II Tarefas de limpeza a efectuar pelas equipas de limpeza Anexo II Tarefas de limpeza a efectuar pelas equipas de limpeza TAREFA 1 2 3 4 Abastecer e efectuar a manutenção de equipamentos dispensadores, desinfectantes, e desodorizantes Arejar o espaço de forma

Leia mais

Doce abrigo. ninho decoração. Texto Stéphanie Durante Realização Nuria Uliana Fotos Edu Castello

Doce abrigo. ninho decoração. Texto Stéphanie Durante Realização Nuria Uliana Fotos Edu Castello Fachada Com estrutura de toras de eucalipto citriodora e detalhes de pedras da região de Luminosa, MG, a cabana fica em terreno alto na Serra da Mantiqueira. A claraboia ilumina a sala de estar Doce abrigo

Leia mais

Manual do Proprietário

Manual do Proprietário Manual do Proprietário Produtos A Salapronta possui uma rigorosa seleção de seus móveis, começando pela qualidade de madeiras maciças, placas de madeira, laminados e outros acessórios. Escolhendo sempre

Leia mais

NR 18 NR 18 Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção (118.000-2)

NR 18 NR 18 Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção (118.000-2) NR 18 NR 18 Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção (118.000-2) Resumo da NR 18 para áreas de vivência 18.1. Objetivo e campo de aplicação. 18.1.1. Esta Norma Regulamentadora NR

Leia mais

Em alta, assessora de casamento se tornou peça-chave para preparar cerimônia e festa do grande dia. ISABELA LEAL Colaboração para o UOL

Em alta, assessora de casamento se tornou peça-chave para preparar cerimônia e festa do grande dia. ISABELA LEAL Colaboração para o UOL Em alta, assessora de casamento se tornou peça-chave para preparar cerimônia e festa do grande dia ISABELA LEAL Colaboração para o UOL Vai longe o tempo em que era a mãe da noiva que organizava os preparativos

Leia mais

Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 42 ISSN - 2317-1871 VOL 02 2º Edição Especial JUL DEZ 2013 PAULO HENRIQUE PRESSOTTO

Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 42 ISSN - 2317-1871 VOL 02 2º Edição Especial JUL DEZ 2013 PAULO HENRIQUE PRESSOTTO Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 42 PAULO HENRIQUE PRESSOTTO Labirinto de vidro 2013 Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 43 Início e fim? Um silêncio denso

Leia mais

ACTIVIDADES: NOTA: A utilização destes símbolos em documentos impressos e electrónicos encontra-se protegida por copyright:

ACTIVIDADES: NOTA: A utilização destes símbolos em documentos impressos e electrónicos encontra-se protegida por copyright: ACTIVIDADES: Actividade 1 Quais são os frutos iguais? Actividade 2 Onde está a banana descascada? Actividade 3 O que veste o menino? Actividade 4 O que serve para calçar? Actividade 5 Qual a ordem correcta?

Leia mais

O curativo do umbigo

O curativo do umbigo Higiene do bebê O curativo do umbigo Organizo meu futuro porque o presente já passou. A presença de pus ou de vermelhidão ao redor do umbigo sugere infecção e deve ser avaliada pelo profissional de saúde.

Leia mais

UMA PROPOSTA DE EMPREENDEDORISMO E INSERÇÃO SOCIAL FEMININA: Projeto Paidéia em Campo Mourão

UMA PROPOSTA DE EMPREENDEDORISMO E INSERÇÃO SOCIAL FEMININA: Projeto Paidéia em Campo Mourão UMA PROPOSTA DE EMPREENDEDORISMO E INSERÇÃO SOCIAL FEMININA: Projeto Paidéia em Campo Mourão Eva Simone de Oliveira (acadêmica) e-mail: UNESPAR/Campo Mourão e- mail: Claudia Priori (Orientadora) INTRODUÇÃO

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

SALAS DE TV. Casa & Construção

SALAS DE TV. Casa & Construção CIANO MAGENTA AMARELOPRETO Casa & Construção SALAS DE TV A sala de televisão ocupa lugar de honra em muitas residências. Em tempos de Copa do Mundo então, apresentam-se como ambientes para receber amigos

Leia mais

PORQUE É QUE NÃO DANÇAM?

PORQUE É QUE NÃO DANÇAM? PORQUE É QUE NÃO DANÇAM? Na cozinha, ele serviu se de mais uma bebida e olhou para a mobília de quarto de cama que estava no pátio da frente. O colchão estava a descoberto e os lençóis às riscas estavam

Leia mais

a) VISUAL MERCHANDISING

a) VISUAL MERCHANDISING a) VISUAL MERCHANDISING (1) Introdução Enquanto o marketing planeja, pesquisa avalia e movimenta o produto desde a sua fabricação até sua chegada ao ponto-de- venda, o merchandising representa o produto

Leia mais

retirado 001 LEVANTAMENTO PARA LEILÃO - UNIDADE CENTRO-OESTE LANCE TOTAL SUGESTÃO LANCE MÍNIMO Lote CATEGORIA Descrição id categoria retirado 002

retirado 001 LEVANTAMENTO PARA LEILÃO - UNIDADE CENTRO-OESTE LANCE TOTAL SUGESTÃO LANCE MÍNIMO Lote CATEGORIA Descrição id categoria retirado 002 LEVANTAMENTO PARA LEILÃO - UNIDADE CENTRO-OESTE LANCE TOTAL Foto retirado 001 retirado 002 Mesa de centro em laca marrom. Alt.0,20, 003 larg.1,00 prof. 0,60 R$ 40,00 retirado 004 re Uma cabeceira de cama

Leia mais

Entrevista Descrição da demanda: Relatório da Entrevista:

Entrevista Descrição da demanda: Relatório da Entrevista: Entrevista Dia 21/05, às 19:00, no MOM Família de 2 pessoas: Roney e Helena Endereço da casa: Rua Uberlândia, 531 (esquina com Rua Padre Eustáquio) Tempo: 2h Presentes: Amanda Descrição da demanda: Os

Leia mais

Apoio: Patrocínio: Realização:

Apoio: Patrocínio: Realização: 1 Apoio: Patrocínio: Realização: 2 O ANJO Hans Christian Andersen 3 Contos de Hans Christian Andersen Hans Christian Andersen nasceu em Odensae, em 2 de abril de 1805, e faleceu em Conpenhague em 1875.

Leia mais

Condições estéticas Arquitetura Destacável

Condições estéticas Arquitetura Destacável Frentes: Laminado seda mate Orlas poliméricas mate 1 mm Tampo: Ferrostone Cinzento Pedra Código imagem: 0132520G01D2011 Condições estéticas Arquitetura Destacável Ampla, luminosa e funcional. Assim poderia

Leia mais

2 Kit decoração contendo 2 quadros e 1 vaso. R$ 30,00. 4 Uma adega de vinhos GE. R$ 200,00. Lote Foto Descrição

2 Kit decoração contendo 2 quadros e 1 vaso. R$ 30,00. 4 Uma adega de vinhos GE. R$ 200,00. Lote Foto Descrição ** informações sujeitas a alterações sem aviso prévio. EMPREENDIMENTO: UPPER LIVING E UPPER OFFICE - VILA LEOPOLDINA Lote Foto Descrição Lance Inicial 1 01 TELEVISOR COM DVD. LOCALIZAÇÃO SALA INFANTIL

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

A INDA RESTAM AVELEIRAS

A INDA RESTAM AVELEIRAS CAPÍTULO I ESTARIA EU, naquela manhã, mais ou menos feliz do que nos outros dias? Não tenho a menor ideia, e a palavra felicidade não faz mais muito sentido para um homem de 74 anos. Em todo caso, a data

Leia mais

MANUAL DE CONSERVAÇÃO DOS PRODUTOS CRIARE

MANUAL DE CONSERVAÇÃO DOS PRODUTOS CRIARE MANUAL DE CONSERVAÇÃO DOS PRODUTOS CRIARE Para que a vida útil do seu produto seja maior, recomendamos que estas informações sejam transmitidas às pessoas que executam a limpeza da sua casa. DE OLHO NA

Leia mais

Case de Treinamento de Empregada em Domicílio

Case de Treinamento de Empregada em Domicílio 1 Case de Treinamento de Empregada em Domicílio Treinamento de mensalista 2 Cenário: O empregador tem uma mensalista de muita confiança e amorosa, a empregada toma conta do bebê de 9 meses até início da

Leia mais

NORMAS REGULADORAS DAS CONDIÇÕES DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS CENTROS DE ACTIVIDADES DE TEMPOS LIVRES COM FINS LUCRATIVOS

NORMAS REGULADORAS DAS CONDIÇÕES DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS CENTROS DE ACTIVIDADES DE TEMPOS LIVRES COM FINS LUCRATIVOS A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Despacho Normativo n.º 96/89, de 21 de Outubro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Despacho Normativo n.º 96/89 de

Leia mais

Seu bebê chegou, conte com a gente. 1º mês de vida do recém-nascido.

Seu bebê chegou, conte com a gente. 1º mês de vida do recém-nascido. Seu bebê chegou, conte com a gente. 1º mês de vida do recém-nascido. A Fundação Fiat, por meio do Programa Vida Nova, elaborou este material com o intuito de relembrar para as mamães e papais as informações

Leia mais

CASA MINIMA API 5. Habitação social - Memorial. Projeto implantado no Jardim Holanda Uberlândia. Mapa do Bairro. Acesso a área de estudo:

CASA MINIMA API 5. Habitação social - Memorial. Projeto implantado no Jardim Holanda Uberlândia. Mapa do Bairro. Acesso a área de estudo: CASA MINIMA API 5 Habitação social - Memorial Projeto implantado no Jardim Holanda Uberlândia Mapa do Bairro Acesso a área de estudo: a- mapa regional Localização escolhida - Por que? Perto de vias rápidas.

Leia mais

Ato Único (peça em um ato)

Ato Único (peça em um ato) A to Ú nico Gil V icente Tavares 1 Ato Único (peça em um ato) de Gil Vicente Tavares Salvador, 18 de agosto de 1997 A to Ú nico Gil V icente Tavares 2 Personagens: Mulher A Mulher B Minha loucura, outros

Leia mais

XI Semana de Extensão, Pesquisa e Pós-Graduação - SEPesq Centro Universitário Ritter dos Reis. A casa # 8 1

XI Semana de Extensão, Pesquisa e Pós-Graduação - SEPesq Centro Universitário Ritter dos Reis. A casa # 8 1 A casa # 8 1 Marta Peixoto 2 1 Este trabalho se insere em uma pesquisa desenvolvida aqui no UniRitter - junto com o professor da FAU Sergio Moacir Marques - intitulada Domesticidade, tecido e o gosto neoplástico:

Leia mais

Disciplina: Gestão da Qualidade Prof. Patricio Vasconcelos. Curso de Administração 5º periodo - Turmas A e B 2º Bimestre

Disciplina: Gestão da Qualidade Prof. Patricio Vasconcelos. Curso de Administração 5º periodo - Turmas A e B 2º Bimestre Disciplina: Gestão da Qualidade Prof. Patricio Vasconcelos Curso de Administração 5º periodo - Turmas A e B 2º Bimestre Pode-se criar um ambiente de qualidade em torno de si, usando as mãos para agir,

Leia mais

SofiSticação despojada

SofiSticação despojada [ D E C O R A Ç Ã O ] Sofá na cor uva ganha destaque em meio à decoração sóbria com cores neutras e poucos modismos, apartamento de jovem casal ganha requinte na medida certa A busca do casamento perfeito

Leia mais

Anexo III Caracterização do serviço a prestar face à tipologia de uso

Anexo III Caracterização do serviço a prestar face à tipologia de uso Aneo III Caracterização do serviço a prestar face à tipologia de uso As diferentes tipologias de áreas de utilização estão divididas em três zonas que reflectem o nível de criticidade dos serviços a prestar.

Leia mais

Móveis Antigos. Baú de Madeira Restaurado. Maio 2011 pag 3

Móveis Antigos. Baú de Madeira Restaurado. Maio 2011 pag 3 Os preços e valores constantes deste catálogo substituem os apresentados nas versões anteriores. Visite o nosso site: http://coisasantigas.webnode.com.br/ Catálogo Maio/2.011 Móveis Antigos...3 Baú de

Leia mais

Princípios de Higiene Pessoal para Manipuladores da Indústria de Latícinios

Princípios de Higiene Pessoal para Manipuladores da Indústria de Latícinios MINISTERIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO 55 ISSN 0103-6068 Dezembro, 2003 Princípios de Higiene Pessoal para Manipuladores da Indústria de Latícinios Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

Antes. Depois. Escritórios Os escritórios são espaços físicos que correspondem às necessidades

Antes. Depois. Escritórios Os escritórios são espaços físicos que correspondem às necessidades CIANO MAGENTA AMARELOPRETO Casa & Construção É tempo de renovação A atmosfera é de renovação, regeneração, expectativas e esperanças. Páscoa vem do hebraico Pessach e significa passagem. A Ressurreição

Leia mais

Introdução. Esses acidentes são os mais variados possíveis. Ingestão de água sanitária ou outros

Introdução. Esses acidentes são os mais variados possíveis. Ingestão de água sanitária ou outros Introdução Quase todos os dias vemos nos noticiários ou ouvimos dos colegas relatos de acidentes ocorridos em residências, principalmente com crianças. Estatísticas de acidentes indicam que acidentes fatais

Leia mais

copyright Todos os direitos reservados

copyright Todos os direitos reservados 1 2 Espaço das folhas 3 copyright Todos os direitos reservados 4 Autor Jorge Luiz de Moraes Minas Gerais 5 6 Introdução Folha é apenas uma folha, uma branca cor cheia de paz voltada para um querer, um

Leia mais

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL Índice 1. Turismo no espaço rural: tipologias.2 2. Exploração e funcionamento.... 5 3. Legislação aplicável.17 Bibliografia. 18 1 1.Turismo no espaço rural: tipologias

Leia mais

Dados Pessoais. Feriados. Nome Morada. E-mail. SAÚDE Grupo Sanguíneo. Alergias Dador de órgãos e tecidos Sim Não Médico Contacto em caso de emergência

Dados Pessoais. Feriados. Nome Morada. E-mail. SAÚDE Grupo Sanguíneo. Alergias Dador de órgãos e tecidos Sim Não Médico Contacto em caso de emergência Dados Pessoais Nome Morada Localidade Cidade Telefone E-mail Distrito Cód. Postal Telemóvel SAÚDE Grupo Sanguíneo Alergias Dador de órgãos e tecidos Sim Não Médico Contacto em caso de emergência Telefone

Leia mais

Todo dia ela faz tudo sempre igual... : Reflexões sobre o Cotidiano e gênero

Todo dia ela faz tudo sempre igual... : Reflexões sobre o Cotidiano e gênero Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008 Todo dia ela faz tudo sempre igual... : Reflexões sobre o Cotidiano e gênero Maria Eduarda Ramos (UFSC) 1 Cotidiano

Leia mais

Questões de gênero. Masculino e Feminino

Questões de gênero. Masculino e Feminino 36 Questões de gênero Masculino e Feminino Pepeu Gomes Composição: Baby Consuelo, Didi Gomes e Pepeu Gomes Ôu! Ôu! Ser um homem feminino Não fere o meu lado masculino Se Deus é menina e menino Sou Masculino

Leia mais

Leveza para morar MORAR VISITE O DECORADO. Luptat alit nullaor periure mincip eugait ipit dolesto ipsusciliasas ectet periure mincip

Leveza para morar MORAR VISITE O DECORADO. Luptat alit nullaor periure mincip eugait ipit dolesto ipsusciliasas ectet periure mincip MORAR VISITE O DECORADO Leveza para morar Além de três quartos, sala ampliada e muito espaço para a interação, o apê tem área de churrasco e delicadezas por todos os ambientes TEXTO DOUGLAS GALAN FOTOS

Leia mais

Pegadas de Neil Armstrong na superfície lunar. Créditos: NASA.

Pegadas de Neil Armstrong na superfície lunar. Créditos: NASA. Em 20 de julho comemoramos o aniversário de 45 anos da viagem do homem à Lua. Neil Armstrong é o dono de uma das pegadas mais famosas que a humanidade conhece. Como você tem cuidado de quem o ajuda com

Leia mais

MORADIA DOS POBRES: CORTIÇOS, CASEBRES E PALHOÇAS UMA AMEAÇA À SAÚDE PÚBLICA EM SÃO LUÍS NA PRIMEIRA REPÚBLICA (1889-1920).

MORADIA DOS POBRES: CORTIÇOS, CASEBRES E PALHOÇAS UMA AMEAÇA À SAÚDE PÚBLICA EM SÃO LUÍS NA PRIMEIRA REPÚBLICA (1889-1920). MORADIA DOS POBRES: CORTIÇOS, CASEBRES E PALHOÇAS UMA AMEAÇA À SAÚDE PÚBLICA EM SÃO LUÍS NA PRIMEIRA REPÚBLICA (1889-1920). Profa. Msc. Maria da Conceição Pinheiro de Almeida. A cidade de São Luís, no

Leia mais

ESTUDO DE CASO. São Paulo, novembro de 2009

ESTUDO DE CASO. São Paulo, novembro de 2009 ESTUDO DE CASO São Paulo, novembro de 2009 O PROJETO PATRIMÔNIO DO CARMO Local: residência em condomínio fechado em São Roque / SP Área: 2.700 m² (que se unem às áreas de reserva, comuns a todos os condôminos)

Leia mais

O GIGANTE EGOÍSTA. Autor: Oscar Wilde Nacionalidade: Irlandesa

O GIGANTE EGOÍSTA. Autor: Oscar Wilde Nacionalidade: Irlandesa O GIGANTE EGOÍSTA Autor: Oscar Wilde Nacionalidade: Irlandesa Todas as tardes, quando vinham da escola, as crianças costumavam ir brincar para o jardim do Gigante. Era um grande e belo jardim, todo atapetado

Leia mais

PELOTAS: Cidade rica em patrimônio cultural e histórico imaterial e material.

PELOTAS: Cidade rica em patrimônio cultural e histórico imaterial e material. PELOTAS: Cidade rica em patrimônio cultural e histórico imaterial e material. O surgimento das Charqueadas e sua importância econômica Ogadofoiabasedaeconomiagaúchaduranteumlongoperíododahistória do Rio

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Iluminação ponto a ponto

Iluminação ponto a ponto luminotécnico Iluminação ponto a ponto Atender aos diferentes usos de cada ambiente sem deixar de proporcionar muito conforto aos moradores: eis os objetivos da proposta luminotécnica dessa casa em Itu,

Leia mais

Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo

Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal de Cultura Departamento do Patrimônio Histórico Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São

Leia mais

Apoio: Patrocínio: Realização:

Apoio: Patrocínio: Realização: 1 Apoio: Patrocínio: Realização: 2 CINDERELA 3 CINDERELA Cinderela era uma moça muito bonita, boa, inteligente e triste. Os pais tinham morrido e ela morava num castelo. A dona do castelo era uma mulher

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

Um Museu Super Divertido Boston Children s Museum

Um Museu Super Divertido Boston Children s Museum Um Museu Super Divertido Boston Children s Museum É só entrar e ver a alegria das crianças escorregando, subindo e descendo por uma escultura de madeira que mais parece um trepa trepa gigante. É incrível!

Leia mais

Documento de apoio à correção das fichas de avaliação

Documento de apoio à correção das fichas de avaliação Documento de apoio à correção das fichas de avaliação ARS NORTE, I.P. Departamento de Saúde Pública PRESSE: Caderno PRESSE 1º Ciclo O presente documento é um instrumento de apoio aos professores titulares

Leia mais

AQUECIMENTO, VENTILAÇÃO E AR CONDICIONADO ILUMINAÇÃO COZINHA/ LAVANDARIA DIVERSOS

AQUECIMENTO, VENTILAÇÃO E AR CONDICIONADO ILUMINAÇÃO COZINHA/ LAVANDARIA DIVERSOS P O U P A R AQUECIMENTO, VENTILAÇÃO E AR CONDICIONADO ILUMINAÇÃO COZINHA/ LAVANDARIA DIVERSOS AQUECIMENTO, VENTILAÇÃO E AR CONDICIONADO Caso tenha ar condicionado nos quartos ou áreas comuns do empreendimento,

Leia mais

Villaggio Panamby Condomínio Fechado

Villaggio Panamby Condomínio Fechado Incorporação, Construção e Acabamento Gerenciamento GAFISA S/A Villaggio Panamby Condomínio Fechado Incorporação e ATLÂNTICA MEMORIAL DESCRITIVO DE CONSTRUÇÃO EDIFÍCIO DOPPIO SPAZIO Rua Itapaiuna, 1800

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

Vínculo entre mãe e bebê

Vínculo entre mãe e bebê Vínculo mãe/bebê Vínculo entre mãe e bebê Tenha uma idéia audaciosa hoje. Amanhã ela já não será nova. O bebê precisa reconhecer quem cuida dele, por isso, precisa ser cuidado sempre pela mesma pessoa.

Leia mais

UM SOL ALARANJADO. Roteiro de Eduardo Valente, a partir de argumento e com a colaboração de Rubio Campos. SEQUÊNCIA 1 - INTERIOR - DIA QUARTO

UM SOL ALARANJADO. Roteiro de Eduardo Valente, a partir de argumento e com a colaboração de Rubio Campos. SEQUÊNCIA 1 - INTERIOR - DIA QUARTO SEQUÊNCIA 1 - INTERIOR - DIA UM SOL ALARANJADO Roteiro de Eduardo Valente, a partir de argumento e com a colaboração de Rubio Campos. Por uma janela, vemos o sol nascendo ao fundo de uma série de casas

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

DEDICATÓRIA. Dedico esta obra a todos os leitores de Uma. Incrível História Euro-Americana no período em

DEDICATÓRIA. Dedico esta obra a todos os leitores de Uma. Incrível História Euro-Americana no período em DEDICATÓRIA Dedico esta obra a todos os leitores de Uma Incrível História Euro-Americana no período em que esta foi postada no blog Dexaketo, tornando-a o folhetim mais lido na história do blog até meados

Leia mais

A MODA JOVEM NOS ANOS 1980 E A TRANSFORMAÇÃO DO JEANS EM ROUPA ELEGANTE

A MODA JOVEM NOS ANOS 1980 E A TRANSFORMAÇÃO DO JEANS EM ROUPA ELEGANTE 11º Colóquio de Moda 8ªEdição Internacional 2º Congresso Brasileiro de Iniciação Científica em Design e Moda 2015 A MODA JOVEM NOS ANOS 1980 E A TRANSFORMAÇÃO DO JEANS EM ROUPA ELEGANTE The youth fashion

Leia mais