Susana Monteiro 1 e Sandra Silva 2. CeFIPsi: Centro de Formação e Investigação em Psicologia 3

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Susana Monteiro 1 e Sandra Silva 2. CeFIPsi: Centro de Formação e Investigação em Psicologia 3"

Transcrição

1 Intervenção psicossocial em comunidade de risco social Susana Monteiro 1 e Sandra Silva 2 CeFIPsi: Centro de Formação e Investigação em Psicologia 3 O projeto de Intervenção na Comunidade iniciada em janeiro de 2006 e com termino em março de 2011 surge duma parceria entre o CeFIPsi e Câmara Municipal de Santarém, para o terreno foi destacada uma equipa de psicólogos que atuaram em articulação com o Serviço de Ação Social da CMS e com outras entidades no domínio social. A intervenção psicossocial realizou-se num Bairro ribeirinho junto às margens do Rio Tejo, que se localiza na Cidade de Santarém, na parte inferior das barreiras das Portas do Sol. Comunidade com imagem negativa e marginalizada por elementos exteriores à comunidade. No início da intervenção foram estabelecidos os seguintes objetivos: desenvolver estratégias de diminuição do stress sentido face à possibilidade de derrocada; monitorizar as reações dos moradores face a uma eventual evacuação e traçar perfil sócio-psicológico da população. Após entrevista a todos os moradores nas suas habitações (realizadas no primeiro fim-de-semana de Janeiro de 2006 por seis técnicos do CeFIPsi) para recolha de informação, levantamento das necessidades e para auscultação da percepção dos moradores sobre a situação de risco identificou-se a necessidade de uma intervenção psicossocial no sentido de promover a coesão social entre os moradores, o seu sentimento de pertença a Alfange e o empowerment (autonomia) de cada habitante. Paralelamente destacou-se a necessidade de se intervir junto de algumas famílias (designadas na literatura por famílias em risco ) no sentido de melhorar/aumentar as competências parentais dos adultos e estimular, desse modo, o desenvolvimento das crianças a seu cargo. Alargou-se o âmbito dos objetivos iniciais e procurouse a promoção da coesão social, identidade local e competências parentais - combate à exclusão social e promoção do desenvolvimento harmonioso das crianças e jovens e a prevenção do risco e preparação dos moradores para uma evacuação apoio antes, durante e após uma situação de emergência. Da avaliação inicial destetaram-se alguns fatores de risco, nomeadamente, ausência de percepção de risco, inexistência de comportamentos pautados por normas sociais e regras, comportamentos de risco na adolescência (ao nível de consumos e da sexualidade), abandono escolar precoce, insucesso escolar (em 2006 apenas 1 menina de 10 anos e um jovem de 15 nunca haviam ficado retidos), baixa escolaridade, absentismo escolar e profissional, pequenos atos de delinquência e marcadas carências económicas. 1 Doutoranda em Psicologia; Assistente Convidada no Instituto Superior de Ciências da Saúde Egas Moniz; 2 Psicóloga 3 CeFIPsi: Centro de Formação e Investigação em Psicologia (www.cefipsi.com;

2 Em termos de enquadramento teórico, realça-se o conceito de comunidade enquanto unidade psico-sócio-territorial mínima, no interior da qual se desenvolvem relações significativas (Fernandes,2000). No âmbito da intervenção psicossocial em comunidades problemáticas, do combate à exclusão social e da intervenção em famílias de risco utilizamos três modelos de referência de acordo com a literatura: o Modelo Ecológico de Desenvolvimento Humano de Bronfenbrenner (1979), o Community Counseling Model de Lewis, Lewis, Daniels e D Andrea, (2002) e o Modelo de Avaliação Diagnóstica junto de famílias em risco de Jan Horwath (2000). De acordo com Bronfenbrenner (1979) (esquema 1) o desenvolvimento e comportamento humanos apenas são plenamente compreendidos quando analisados nos contextos em que os indivíduos se inserem (sistemas). Modelo Ecológico de Desenvolvimento Humano (Bronfenbrenner s, 1979) Casa Micro-sistema SOCIEDADE REDES SOCIAIS e/ou LABORAIS DOS PAIS Casa Sistemas Modelo holístico Escola Bairro Meso-sistema Exo-sistema Macro-sistema Esquema 1 - Modelo Ecológico de Desenvolvimento Humano (Bronfenbrenner, 1979) Na perspetiva de Horwath (2000) e de acordo com o seu modelo de avaliação Diagnostico (modelo utilizado pelo ISS nas comissões de promoção e proteção de crianças e jovens em perigo/risco) a avaliação completa sobre o bem-estar da criança/jovem é necessário atender a três grandes dimensões: as necessidades de desenvolvimento da criança, as competências parentais e os fatores familiares e ecológicos (Esquema 2). Estes domínios constituíram não só as áreas a focar na avaliação inicial com famílias em risco como as metas da intervenção realizada com as crianças e jovens da aldeia.

3 Dimensões da Avaliação Diagnóstica (Horwath, 2000) Necessidades de desenvolvimento da criança Educação Desenvolvimento emocional e comportamental Identidade Relacionamento familiar e social Apresentação social Capacidade de autonomia Saúde Protecção e Promoção dos Direitos da criança/jovem Cuidados básicos Segurança Afetividade História e funcionamento familiar Família alargada Condições habitacionais Rendimento familiar Integração social da família Recursos comunitários Fatores familiares e ecológicos Estimulação intelectual e cognitiva Estabelecimento de regras/ limites Estabilidade Competências Parentais Esquema 2 - Modelo de Avaliação Diagnóstica (Horwath, 2000) Lewis et al. (2002) no Community Counseling Model preconiza a importância de utilizar um quadro de referência que se centra em estratégias de intervenção e serviços que promovam o desenvolvimento e bem-estar dos indivíduos e das comunidades (esquema 3). SERVIÇOS À COMUNIDADE SERVIÇOS AO INDIVÍDUO Intervenção Direta Ações de sensibilização Aconselhamento Intervenção com indivíduos vulneráveis Intervenção Indireta Influenciar políticas públicas Defesa do cliente Consultoria Esquema 3 - Modelo de Aconselhamento Comunitário (Lewis et al., 2002) Em termos da descrição socio-demográfica da comunidade podemos referir que em janeiro de 2006, contabilizou-se um total de 189 pessoas, com faixa etária distribuída entre os 6 meses e os 85 anos, cerca de 34 crianças e jovens e 39 idosos com mais de 65 anos. Atualmente, abril de 2012, em resultado do contato frequente com elementos da comunidade após o término da intervenção, como etapa de follow-up, contabiliza-se um total de 145 pessoas, uma faixa etária distribuída entre os 5 meses e os 91 anos, entre este 23 crianças e jovens e 44 idosos com mais de 65 anos.

4 A intervenção psicossocial foi delineada em 2 fases distintas e complementares, designadamente, o diagnóstico das necessidades, o estabelecimento da relação (aproximação aos moradores) e nesta comunicação iremos apresentar genericamente algumas das estratégias implementadas ao nível da intervenção direta, destacando-se as estratégias realizadas para cada uma das faixas etárias (crianças em idade escolar e adolescentes, adultos e Idosos e a comunidade). Na fase de diagnóstico das necessidades foram realizadas entrevistas para recolha de informação levantamento das necessidades e identificação das áreas de intervenção, os objetivos e as áreas abordadas nas entrevistas são apresentadas na tabela 1. ATIVIDADES OBJETIVOS ÁREAS ABORDADAS Entrevistas aos moradores da aldeia nas suas habitações Traçar o perfil sócioeconómico, emocional e psicológico; Recolher informação e preparar a população para uma evacuação de emergência. - Identificação do Inquirido/proprietário da habitação; - Agregado familiar; - Dados de identificação; - Saúde; - Suporte Familiar; - Evacuação por meios próprios; -Animais domésticos e de subsistência; -Bens a Salvaguardar; Tabela 1 Objetivos e áreas abordadas nas entrevistas iniciais aos moradores Tendo como referência os pressupostos do Community Counseling Model de Lewis et al. (2002) na fase de estabelecimento da relação (aproximação aos moradores) realizaram-se atividades com objetivos definidos e que obtiveram mudanças atitudinais ao nível do comportamento individual e coletivo da comunidade, tal como está descrito na Tabela 2. COMUNIDADE INDIVÍDUO Intervenção Direta Informação sobre o estado das barreiras; Treino através de simulações de evacuação; Ações de sensibilização; Atividades Comunitárias: - Festa da aldeia e reinauguração da Igreja; -Comemorações de datas simbólicas (Carnaval; 25 de Abril; 1 de Maio; Dia do Pai; Dia da Mãe; Dia da Criança; Natal) - Visitas/passeios (atividades pedagógicas e didáticas de reforço); Acompanhamento Psicológico (individual e familiar); Avaliações Psicológicas; Grupos de apoio (adultos) e de treino de competências pessoais e sociais (crianças e jovens); Formação Parental Amigo à Distância Cantinho da Leitura

5 Intervenção Indireta Articulação constante com autarquia e freguesia locais; Realização de Simulacro de Evacuação (articulação com bombeiros e proteção civil). Através das parcerias com IEFP, CPCJ, IPSSs locais, Escolas, Santa Casa da Misericórdia, Rádio; Jornais Regionais, Pastelarias; Tabela 2 Estratégias de Intervenção direta e indireta ao nível da comunidade e do individuo As mudanças atitudinais não ocorreram de imediato mas ao longo da implementação e desenvolvimento da intervenção foi possível constatar as mudanças identificadas. As atividades realizadas tiveram o objetivo central de provocar essas mudanças ao nível das atitudes e comportamentos dos elementos da aldeia. Por questões de limitação de tempo e tendo em conta as diversas atividades/estratégias realizadas ao longo dos cerca de 5 anos e meio da intervenção psicossocial passamos apenas a descrever algumas das estratégias efetuadas com as crianças em idade escolar e os adolescentes, os adultos e Idosos e a globalidade da comunidade. Para as crianças em idade escolar e adolescentes foram inúmeras as atividades/estratégias realizadas com objetivos bem definidos para a sua implementação tal como se apresenta na tabela 3. De realçar a incidência de atividades e acompanhamento muito próximo e regular junto das crianças enquanto futuros agentes de mudança da Comunidade. ATIVIDADES/ESTRATÉGIAS OBJETIVOS Avaliações Cognitivas e Emocionais Acompanhamento psicológico Grupos de competências pessoais e sociais Cantinho da Leitura Amigo à Distância Quermesse da Festa da Aldeia Visita a Exposições e Museus Caracterizar e estimular/potenciar o desenvolvimento cognitivo, emocional e sócio-cognitivo; Promover um desenvolvimento saudável; Fomentar o interesse pela leitura, promover hábitos de leitura e escrita, prevenir o abandono e/ou a desmotivação escolar, expor as crianças/jovens a adultos com um percurso escolar/profissional positivo (modelagem); Promover a coesão de grupo e a autonomia individual (empowerment) por modelagem; Reforçar o envolvimento nas atividades através de momentos pedagógicos e didáticos; Tabela 3 Atividades/estratégias implementadas com crianças em idade escolar e adolescentes

6 No que concerne às atividades/estratégias para adultos e idosos foram estabelecidos objetivos na implementação de todas as atividades tal como descrito na tabela 4. ATIVIDADES/ESTRATÉGIAS OBJETIVOS Apoio psicológico Manter uma resposta de suporte em situações de maior fragilidade; Sessões de formação parental Reconhecer os modelos parentais e estilos educativos praticados; Promover/Enriquecer as competências parentais; Atividades de Sensibilização e Prevenção de Risco Estratégias de modificação de comportamentos; Adquirir competências para situações de riscos; Tabela 4 Atividades/estratégias com adultos e idosos Em relação às atividade/estratégias realizadas com toda a comunidade passamos a descrever algumas delas e os objetivos estabelecidos na sua implementação (tabela 5). ATIVIDADES/ESTRATÉGIAS OBJETIVO Reinauguração da Igreja São João Evangelista Valorizar um elemento de identidade comunitária, de sentimento de pertença (local) e mecanismo de coesão grupal. Festa da Aldeia Estimular a coesão social e o empowerment da comunidade. Passeios/Visitas Reforçar o envolvimento em atividades anteriores; Fomentar o convívio entre os elementos da comunidade num espaço neutro ; Promover a coesão grupal e espírito de interajuda. Encerramento da Intervenção da Equipa de Psicólogos Marcar o momento chave de desvinculação face aos técnicos. Tabela 5 - Atividades/estratégias com a comunidade As atividades desenvolvidas visaram o envolvimento dos vários elementos da comunidade, a intervenção direta e indireta quer ao indivíduo, quer à comunidade no seu todo tal como conceptualiza Lewis et al., (2002).

7 Em termos dos resultados da intervenção apresentam-se os resultados obtidos no Questionário de Avaliação da Intervenção Psicossocial, realizados numa 1ªfase em dezembro de 2006 e numa 2ªfase em janeiro de 2011 (momento em que preconizava o término da intervenção para março de 2011). Passamos a apresentar alguns dos resultados obtidos na avaliação realizada em dezembro de 2006, designadamente para os parâmetros continuidade da intervenção e avaliação da equipa de psicólogos, em que verifica um número maioritário de habitantes que consideram necessário e muito necessário a continuação da intervenção psicossocial (gráfico 1) e a maioria dos habitantes que responderam ao questionário que avaliaram com muito bom o trabalho realizado pela equipa de psicólogos (gráfico 2). Gráfico 1 Continuidade da intervenção psicossocial Gráfico 2 Avaliação da equipa de psicólogos

8 Para a avaliação realizada em janeiro de 2011, apresentamos genericamente alguns dos parâmetros avaliados, tais como, avaliação da equipa de psicólogos e finalizar da intervenção psicossocial, em que verifica um número maioritário de habitantes que responderam ao questionário que avaliaram com bom e muito bom o trabalho realizado pela equipa de psicólogos (gráfico 3) e um número significativo de habitantes refere não concordo com o finalizar da intervenção de psicólogos, mas de destacar que alguns respondem concordo que poderá indicar a aquisição de competências ao nível de autonomia individual e comunitária e empowerment (gráfico 4). Gráfico 3 - Avaliação da equipa de psicólogos Gráfico 4 - Finalizar da intervenção psicossocial Apresentamos seguidamente uma breve comparação ao nível da percepção de risco, um dos parâmetros avaliados nas duas avaliações realizadas, destacamos esta comparação pelos

9 resultados verificado, entre dezembro de 2006 e janeiro de 2011 verificou-se um aumento significativo ao nível da percepção de risco dos habitantes (gráfico 5 e gráfico 6), não foram apresentadas mais comparações entre as duas avaliações uma vez que o número de questionários realizados aos habitantes era substancialmente diferente. Gráfico 5 Percepção de Risco em dez.2006 Gráfico 6 Percepção de Risco em jan Da avaliação realizada em janeiro de 2006 destacamos o parâmetro que avaliava as alterações pessoais decorrentes da intervenção realizada, onde se verificou um numero significativo de respostas que indicam apoio /suporte individual, apoio /suporte individual e segurança e bem-estar (gráfico 7). Gráfico 7 - alterações pessoais decorrentes da intervenção Em jeito de balanço final podemos indicar que após 5 anos e meio de intervenção psicossocial se verifica uma diminuição de conflitos interpessoais (maior capacidade para gerir conflitos), um aumento da coesão social que possibilitou um aumento do sentido de pertença local, a motivação para o envolvimento em tarefas que envolvem o grupo comunitário, um aumento significativo da

10 identidade grupal e local, resultando na assimilação de mecanismos de autonomia comunitária e implica diretamente e positivamente no Empowerment individual e comunitário e a diminuição de Situações de Risco Social. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Amaro, J. (2007). Sentimento Psicológico de Comunidade: uma revisão. Análise Psicológica, vol.25, no.1, p Bronfenbrenner, U. (1979). The Ecology of Human Development: Experiments by Nature and Design. Cambridge, MA: Harvard University Press. Cameron, R. J., & Maginn, C. (2009). Achieving positive outcomes for children in care. Sage. Fernandes, A. (2000). (Alguns) quadros teóricos da Psicologia Comunitária. Análise Psicológica, vol.18, no.2, p Horwath, J. (Ed.) (2010). The Child s World: the comprehensive guide to assessing children in need (2nd ed.). London: Jessica Kingsley Publishers. Lewis, J. A.., Lewis, M. D., Daniels, J. A., & D Andrea, M. J. (2002). Community Counselling: empowerment strategies for a diverse society. Brooks Cole. Ornelas, J. (1997) Psicologia comunitária: Origens, fundamentos e áreas de intervenção. Análise Psicológica, vol.15, no.3, p Trevithick, Pamela (2005). Ecological perspectives in social work. In P. Trevithick. Social Work Skills: A Practice Handbook. Berkshire: Open University Press. pp Vidal, A. (1996). lntervención comunitaria: concepto, proceso y panorámica. ln Vidal, A. (Ed.), Psicología Comunitaria. Bases conceptuales y métodos intervención (p ). Barcelona, EUB.

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016 PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016 MARÇO DE 2014 FICHA TÉCNICA Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Águeda março de 2014 Equipa de elaboração: Núcleo Executivo do CLAS de Águeda Colaboraram

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

Escolher o futuro O papel do/a psicólogo/a clínico/a no contexto de intervenção em comunidades socioeconómicas desfavorecidas 1

Escolher o futuro O papel do/a psicólogo/a clínico/a no contexto de intervenção em comunidades socioeconómicas desfavorecidas 1 Escolher o futuro O papel do/a psicólogo/a clínico/a no contexto de intervenção em comunidades socioeconómicas desfavorecidas 1 Mário Jorge Silva (psicólogo clínico) e Marli Godinho (psicóloga clínica)

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO 2014 ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO 2014 ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL CLAS /2015 Área de Intervenção: Equipamentos e Respostas Sociais e Serviços 1 Objetivo Geral Objetivos Específicos Ação População - Alvo

Leia mais

Rede Social. Conselho Local de Ação Social do Entroncamento PLANO DE AÇÃO 2012

Rede Social. Conselho Local de Ação Social do Entroncamento PLANO DE AÇÃO 2012 Rede Social Conselho Local de Ação Social do Entroncamento PLANO DE AÇÃO 2012 2012 Índice Introdução... 3 1 - Eixo de Intervenção Famílias... 5 2 - Eixo de Intervenção Educação e Cidadania... 8 3- Eixo

Leia mais

- RELATÓRIO - AVALIAÇÃO DO GAP

- RELATÓRIO - AVALIAÇÃO DO GAP 214/1 Avaliação Intercalar - Gabinete de Apoio aos Pais, Avós e Alunos - RELATÓRIO - AVALIAÇÃO DO GAP (Setembro 214 Maio 21) 1. Junho. 21 Apresentação do GAP A Academia de Solidariedade e Cultura Ramiro

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais:

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: PROGRAMA AÇÃO 2015 O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: - Preservar a identidade da Instituição, de modo especial no que respeita a sua preferencial ação junto das pessoas, famílias e grupos

Leia mais

Plano de Formação. Psicologia e Orientação em Contexto Escolar 2014/2015

Plano de Formação. Psicologia e Orientação em Contexto Escolar 2014/2015 Plano de Formação Psicologia e Orientação em Contexto Escolar 2014/2015 Enquadramento A evolução tecnológica e a incerteza com que atualmente todas as sociedades se confrontam colocam desafios acrescidos

Leia mais

Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009

Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009 Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009 1 1. ÁREA DE INTERVENÇÃO ACÇÃO SOCIAL Promover a integração social dos grupos socialmente mais vulneráveis * Romper

Leia mais

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA II ENCONTRO DA CPCJ SERPA Ninguém nasce ensinado!? A família, a Escola e a Comunidade no Desenvolvimento da criança Workshop: Treino de Competências com famílias um exemplo de intervenção e de instrumentos

Leia mais

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha A Cáritas Diocesana de Viseu no Bairro Social de Paradinha A Cáritas continua com um trabalho de relevante interesse social no Bairro Social de Paradinha. No ano de 2008, a Cáritas continuou a desenvolver

Leia mais

Plano Local de Promoção e Protecção dos Direitos da Criança

Plano Local de Promoção e Protecção dos Direitos da Criança Plano Local de Promoção e Protecção dos Direitos da Criança 2012-2014 Índice Introdução. 3 I. Fundamentação...4 II. Eixos Estratégicos... 7 1 Articulação Interinstitucional... 7 2 Estudo e análise da realidade

Leia mais

Ação Social e Inclusão

Ação Social e Inclusão Ação Social e Inclusão Ação Social O campo de actuação da Ação Social compreende, em primeira instância, a promoção do bem estar e qualidade de vida da população e a promoção duma sociedade coesa e inclusiva,

Leia mais

XXXII PLENÁRIO DO CLAS DE CASCAIS

XXXII PLENÁRIO DO CLAS DE CASCAIS XXXII PLENÁRIO DO CLAS DE CASCAIS 11 Agosto 2015 Centro Cultural de Cascais Candidatura CLDS 3G Enquadramento Legal - CLDS Os Contratos Locais de Desenvolvimento Social de 3ª Geração (CLDS3G), atentos

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA G.A.A.F. Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família

ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA G.A.A.F. Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA G.A.A.F. Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família Ano Letivo 2013/14 G.A.A.F. O é um projeto de mediação escolar e social que funciona na Escola Secundária de S. Pedro

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

A nossa população alvo são crianças e jovens com problemas comportamentais que condicionam as aprendizagens formais e não formais, assim como uma

A nossa população alvo são crianças e jovens com problemas comportamentais que condicionam as aprendizagens formais e não formais, assim como uma Apresentação A nossa população alvo são crianças e jovens com problemas comportamentais que condicionam as aprendizagens formais e não formais, assim como uma plena integração social e profissional; Crianças

Leia mais

Fórum de Boas Práticas

Fórum de Boas Práticas Câmara Municipal de Torres Vedras Sandra Colaço Fórum de Boas Práticas Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis 28 de Outubro de 2009 TORRES VEDRAS População -72 259(2001) Área 407 Km2 O concelho no país Na

Leia mais

Rede Social no Concelho de Azambuja Plano de Ação 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014

Rede Social no Concelho de Azambuja Plano de Ação 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014 1 EDUCAÇÃO ÁREA ATIVIDADES RESPONSAVEIS PARTICIPANTES/ INTERVENIENTES Calendarização Manter os projetos existentes nos Agrupamentos de Escolas (Fénix, tutorias, Aprender a Estudar,

Leia mais

Proposta de Plano de Ação 2012/2013 CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE PENALVA DO CASTELO

Proposta de Plano de Ação 2012/2013 CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE PENALVA DO CASTELO Proposta de Plano de Ação 2012/ 1 Proposta de Plano de Ação 2012/ Eixo de Desenvolvimento: Promover a qualificação escolar/profissional, o empreendedorismo e a empregabilidade. Objetivo geral: Dinamização

Leia mais

Associação de Apoio a Crianças e Jovens em Risco. Plano de Atividades 2015

Associação de Apoio a Crianças e Jovens em Risco. Plano de Atividades 2015 Associação de Apoio a Crianças e Jovens em Risco Plano de Atividades 2015 INTRODUÇÃO Depois de escalar uma montanha muito alta, descobrimos que há muitas mais montanhas por escalar. (Nelson Mandela) A

Leia mais

Plano de Atividades 2014-15. Gabinete de Serviço Social

Plano de Atividades 2014-15. Gabinete de Serviço Social Plano de Atividades 2014-15 Gabinete de Serviço Social 1. Voluntariado e Dinamização da Comunidade 1.1. Clube Social 1.2. Projeto Conhecer a Terceira Idade 1.3. Campanha de Natal 1.4. Campanha Papel por

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/9 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Apoios Sociais Pessoas com Deficiência

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2010 CPCJ

PLANO DE ACÇÃO 2010 CPCJ PLANO DE ACÇÃO 2010 CPCJ COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DO PESO DA RÉGUA Modalidade Alargada Divulgar os Direitos da Criança na Comunidade OBJECTIVOS ACÇÕES RECURSOS HUMANOS DA CPCJ RECURSOS

Leia mais

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil º Uma iniciativa: Com apoio: 1 Encontros do Observatório, 23 Maio 2014 1. Contextualização O Observatório de Luta contra a Pobreza na Cidade de Lisboa definiu como prioridade temática para 2014 a, problema

Leia mais

Liga para o Estudo e Apoio à Inserção Social RELATÓRIO DE ATIVIDADES

Liga para o Estudo e Apoio à Inserção Social RELATÓRIO DE ATIVIDADES Liga para o Estudo e Apoio à Inserção Social RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 INTRODUÇÃO Promover ações que visem a melhoria da qualidade de vida de grupos socialmente desfavorecidos, nomeadamente crianças

Leia mais

- RELATÓRIO - 1.ª AVALIAÇÃO DO GAP

- RELATÓRIO - 1.ª AVALIAÇÃO DO GAP 1 Avaliação Intercalar - Gabinete de Apoio aos Pais, Avós e Alunos - RELATÓRIO - 1.ª AVALIAÇÃO DO GAP A Academia de Solidariedade e Cultura Ramiro Freitas iniciou, no dia 11 de Setembro de 1, um serviço

Leia mais

Ficha de Caracterização de Projecto

Ficha de Caracterização de Projecto Ficha de Caracterização de Projecto Projecto +Skillz E5G Programa Escolhas Promotor: Associação Mais Cidadania 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto Projecto +Skillz E5G Promotor: Associação Mais

Leia mais

TÍTULO DO CAMPO Data de submissão 13 de Março de 2014 NOME DA ORGANIZAÇÃO AUTORA DO COMPROMISSO. SAAP Sociedade Anti-Alcoolica Portuguesa

TÍTULO DO CAMPO Data de submissão 13 de Março de 2014 NOME DA ORGANIZAÇÃO AUTORA DO COMPROMISSO. SAAP Sociedade Anti-Alcoolica Portuguesa FÓRUM NACIONAL ÁLCOOL E SAÚDE FORMULÁRIO DE SUBMISSÃO TÍTULO DO CAMPO Data de submissão 13 de Março de 2014 NOME DA ORGANIZAÇÃO AUTORA DO COMPROMISSO SAAP Sociedade Anti-Alcoolica Portuguesa TÍTULO DO

Leia mais

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM APROVADO POR MAIORIA EM ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 20 DE NOVEMBRO DE 2010 Proposta

Leia mais

Plano Anual de Atividades. Resposta Social: Serviço de Apoio Domiciliário

Plano Anual de Atividades. Resposta Social: Serviço de Apoio Domiciliário 2015 CENTRO SOCIAL DA SÉ CATEDRAL DO PORTO Plano Anual de Atividades Resposta Social: Serviço de Apoio Domiciliário Porto, 2015 Índice Introdução 2 Serviço de Apoio Domiciliário SAD 3 Princípios/regras

Leia mais

PROGRAMA ESCOLHAS 5ª GERAÇÃO

PROGRAMA ESCOLHAS 5ª GERAÇÃO PROGRAMA ESCOLHAS 5ª GERAÇÃO O Programa Escolhas visa promover a inclusão social de crianças e jovens provenientes de contextos socioeconómicos mais vulneráveis, tendo em vista a igualdade de oportunidades

Leia mais

Plano Gerontológico de Monchique Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011

Plano Gerontológico de Monchique Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011 Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011 Trajectórias de envelhecimento Após os 65 anos de idade a estimulação cognitiva diminui significativamente. A diminuição da estimulação desencadeia/agrava o declínio

Leia mais

III Simpósio Nacional Desafios do Profissional de Serviço Social

III Simpósio Nacional Desafios do Profissional de Serviço Social III Simpósio Nacional Desafios do Profissional de Serviço Social Porto, 12 de Fevereiro de 2009 A Importância da Inserção dos Técnicos de Serviço Social nas Escolas Miguel Ângelo F. M. Valério Trabalhador

Leia mais

Plano de acção. Outubro 2011

Plano de acção. Outubro 2011 Plano de acção Outubro 2011 Ano Lectivo 2011/2012 PÁGINA - 2 INTRODUÇÃO A legislação em vigor determina que o Projecto Educativo da Escola (PEE) deve incluir temáticas relacionadas com a Promoção e Educação

Leia mais

GRUPO: DESENVOLVIMENTO COMUNITÁRIO COM AS FAMILIAS ATENDIDAS NO PAIF Em Parceria com Ação Social São João Evangelista

GRUPO: DESENVOLVIMENTO COMUNITÁRIO COM AS FAMILIAS ATENDIDAS NO PAIF Em Parceria com Ação Social São João Evangelista GRUPO: DESENVOLVIMENTO COMUNITÁRIO COM AS FAMILIAS ATENDIDAS NO PAIF Em Parceria com Ação Social São João Evangelista CRAS- CENTRO DE REFERÊNCIA DA ASSITÊNCIA SOCIAL Março, 2012 I-IDENTIFICAÇÃO: Nome Projeto:

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/12 FICHA TÉCNICA

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular Contextos de Desenvolvimento Humano Ano Lectivo 2010/2011

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular Contextos de Desenvolvimento Humano Ano Lectivo 2010/2011 Programa da Unidade Curricular Contextos de Desenvolvimento Humano Ano Lectivo 2010/2011 1. Unidade Orgânica Serviço Social (1º Ciclo) 2. Curso Serviço Social 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016

FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016 FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016 QUEM SOMOS A APF Associação para o Planeamento da Família, é uma Organização Não Governamental com estatuto de IPSS (Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA (2011) Dayana Lima Dantas Valverde Psicóloga, graduada pela Faculdade de Tecnologia e Ciências de Feira de Santana, BA. Pós-graduanda em Saúde Mental

Leia mais

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE E DA SEGURANÇA SOCIAL

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE E DA SEGURANÇA SOCIAL 1942 Diário da República, 1.ª série N.º 64 2 de abril de 2013 MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE E DA SEGURANÇA SOCIAL Portaria n.º 139/2013 de 2 de abril Centro de Apoio Familiar e Aconselhamento Parental A

Leia mais

Pelouro do Desenvolvimento Social

Pelouro do Desenvolvimento Social Pelouro do Desenvolvimento Social Novembro de 2012 ENQUADRAMENTO A problemática do envelhecimento da população constitui uma importante oportunidade de desenvolvimento social, uma vez que uma sociedade

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS FAMÍLIA E COMUNIDADE EM GERAL

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS FAMÍLIA E COMUNIDADE EM GERAL Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS FAMÍLIA E COMUNIDADE EM GERAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/9 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO. Projeto do. CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO. Projeto do. CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO Projeto do CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz Uma ação educativa de abertura para a comunidade Ano letivo 2014/2015 Índice 1. Introdução

Leia mais

Plano de Ação MARÇO DE 2014

Plano de Ação MARÇO DE 2014 Plano de Ação 2014 MARÇO DE 2014 FICHA TÉCNICA Plano de Ação do Concelho de Águeda março de 2014 Equipa de elaboração: Núcleo Executivo do CLAS de Águeda Colaboraram neste documento os seguintes autores:

Leia mais

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Actividade Formativa - Intervenção Comunitária Data - 1 de Abril de 2009 Local Auditório do Edifício Cultural Município de Peniche Participação:

Leia mais

EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação

EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL de ODEMIRA 2014-2015 EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação Promover o conhecimento e o acesso dos empresários aos apoios e incentivos no âmbito do empreendedorismo

Leia mais

PROGRAMA DE INTERVENÇÃO EM OBESIDADE INFANTIL. Centro de Saúde da Marinha Grande Ana Laura Baridó

PROGRAMA DE INTERVENÇÃO EM OBESIDADE INFANTIL. Centro de Saúde da Marinha Grande Ana Laura Baridó PROGRAMA DE INTERVENÇÃO EM OBESIDADE INFANTIL Centro de Saúde da Marinha Grande Ana Laura Baridó 1 A obesidade é considerada a epidemia do séc. XXI (OMS) Em Portugal tem vindo a aumentar vertiginosamente

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS 1. APRESENTAÇÃO PRINCÍPIOS E VALORES Acreditamos pela força dos factos que o desenvolvimento desportivo de um Concelho ou de uma Freguesia, entendido na sua vertente quantitativa e qualitativa, exige uma

Leia mais

Índice INTRODUÇÃO... 3 I- FUNDAMENTAÇÃO... 3 A. QUESTIONÁRIOS... 7 B. DINÂMICA PARTICIPATIVA... 21

Índice INTRODUÇÃO... 3 I- FUNDAMENTAÇÃO... 3 A. QUESTIONÁRIOS... 7 B. DINÂMICA PARTICIPATIVA... 21 Índice INTRODUÇÃO... 3 I- FUNDAMENTAÇÃO... 3 A. QUESTIONÁRIOS... 7 B. DINÂMICA PARTICIPATIVA... 21 C. ANÁLISE DOS RELATÓRIOS DA CPCJ DE SINES DOS ANOS 2012 E 2013... 29 II - PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO...

Leia mais

Carla Ribeirinho. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Carla Ribeirinho. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Carla Ribeirinho Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Lisboa, 10 de Maio de 2012 Desafios e oportunidades Crescimento em massa da população idosa. Adopção de medidas que visem minorar situações

Leia mais

Promotor Parcerias Financiamento

Promotor Parcerias Financiamento Promotor Parcerias Financiamento RESUMO PROMove-te, A NOVA EQUIPA MÓVEL DE APOIO A CRIANÇAS E JOVENS COM PROBLEMAS DE SAÚDE MENTAL A ARIA Associação de Reabilitação e Integração Ajuda é promotora de um

Leia mais

Iniciativa Portugal Inovação Social Novos programas de financiamento da inovação social no Portugal2020

Iniciativa Portugal Inovação Social Novos programas de financiamento da inovação social no Portugal2020 Iniciativa Portugal Inovação Social Novos programas de financiamento da inovação social no Portugal2020 Santa Casa da Misericórdia de Santarém 28 Maio 2015 Tema ENTIDADES PÚBLICAS PORTUGAL 2020 Objetivos

Leia mais

Compromisso para IPSS Amigas do Envelhecimento Ativo CONFEDERAÇÃO NACIONAL INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE

Compromisso para IPSS Amigas do Envelhecimento Ativo CONFEDERAÇÃO NACIONAL INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE 2014 Compromisso para IPSS Amigas do Envelhecimento Ativo CONFEDERAÇÃO NACIONAL INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE MANIFESTO E COMPROMISSO DA CNIS IPSS AMIGAS DO ENVELHECIMENTO ATIVO As modificações significativas

Leia mais

Lions Clube Centro-São José dos Campos

Lions Clube Centro-São José dos Campos Lions Clube Centro-São José dos Campos Projeto Transformação BRASIL Transformação é um projeto que visa ampliar as oportunidades educativas, investindo no desenvolvimento do potencial de cada criança e

Leia mais

Acção Sócio-Educativa

Acção Sócio-Educativa Acção Sócio-Educativa Dinamizar estratégias que visam prevenir situações de absentismo e abandono escolar, voltar a colocar os jovens no Sistema Educativo. Estruturar os cursos de Alfabetização e Formação

Leia mais

Afirmamos desde a primeira hora a coesão Social como um desígnio Regional.

Afirmamos desde a primeira hora a coesão Social como um desígnio Regional. Inclusão e Assuntos Sociais No mandato que agora se inicia, coube-me a difícil mas honrosa tarefa de assumir a pasta da Inclusão e Assuntos Sociais, o que faço com enorme motivação e empenhamento. Questões

Leia mais

Planificação Anual. Psicologia e Sociologia. 10º Ano de Escolaridade Curso Profissional de Técnico de Secretariado. Ano Letivo 2014/2015

Planificação Anual. Psicologia e Sociologia. 10º Ano de Escolaridade Curso Profissional de Técnico de Secretariado. Ano Letivo 2014/2015 Governo dos Açores Escola Básica e Secundária de Velas Planificação Anual Psicologia e Sociologia 10º Ano de Escolaridade Curso Profissional de Técnico de Secretariado Ano Letivo 2014/2015 Prof. João Manuel

Leia mais

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.psi.uminho.pt/ www.ardh-gi.com Esta apresentação não substitui a leitura

Leia mais

Considerandos integração social das crianças e jovens responsabilidade de toda a comunidade - territorial e

Considerandos integração social das crianças e jovens responsabilidade de toda a comunidade - territorial e Considerandos Considerando que a integração social das crianças e jovens com necessidades educativas especiais e/ou em risco de insucesso e abandono escolar deve também ser da responsabilidade de toda

Leia mais

Mulheres de rabo de peixe e homens de rosto de cão :

Mulheres de rabo de peixe e homens de rosto de cão : Mulheres de rabo de peixe e homens de rosto de cão : dilemas e soluções contingenciais para evitar a exclusão social na investigação Isabel Estrela Rego & Ana Moura Arroz Métodos Qualitativos em Ciências

Leia mais

ÁREA COMPORTAMENTAL E DESENVOLVIMENTO PESSOAL

ÁREA COMPORTAMENTAL E DESENVOLVIMENTO PESSOAL ÁREA COMPORTAMENTAL E DESENVOLVIMENTO PESSOAL COMUNICAÇÃO E IMAGEM COMO FACTORES COMPETITIVOS A sua empresa tem problemas ao nível da comunicação interna? Promover a Comunicação assertiva no relacionamento

Leia mais

I. Apresentação do Projecto. - Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família

I. Apresentação do Projecto. - Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família I. Apresentação do Projecto - Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família Falar em sucesso educativo implica olhar o processo educativo segundo uma abordagem sistémica, em que o aluno, a escola, a família e

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Rede Social de Aljezur Plano de Acção (2009) Equipa de Elaboração do Plano de Acção de 2009 / Parceiros do Núcleo Executivo do CLAS/Aljezur Ana Pinela Centro Distrital

Leia mais

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha A Cáritas Diocesana de Viseu no Bairro Social de Paradinha Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha A Cáritas Diocesana de Viseu desenvolve no Bairro um trabalho de relevante interesse social, nomeadamente

Leia mais

Centro de Atendimento, Acompanhamento e Animação para pessoas com Deficiência Plano de Atividades 2015

Centro de Atendimento, Acompanhamento e Animação para pessoas com Deficiência Plano de Atividades 2015 ATENDIMENT Realizar o atendimento às pessoas com Centro de Atendimento, Acompanhamento e Animação para pessoas com Deficiência Plano de Ativ 2015 CALENDARIZA- ÇÃ Informar, apoiar e orientar as pessoas

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO HENRIQUE MEDINA PROJETO PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO HENRIQUE MEDINA PROJETO PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO HENRIQUE MEDINA PROJETO PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE Ano letivo 2014/2015 1. Enquadramento Entre os objetivos prioritários da atual política educativa encontram-se os

Leia mais

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Andrea da Silveira Rossi Brasília, 15 a 18 out 2013 Relato de adolescentes e jovens vivendo com HIV Todo adolescente pensa

Leia mais

1.1.1.1. Objectivo Especifico Garantir que os alunos de 1.º e 2.º Ciclo assistam a acções de prevenção primária da toxicodependência.

1.1.1.1. Objectivo Especifico Garantir que os alunos de 1.º e 2.º Ciclo assistam a acções de prevenção primária da toxicodependência. Conselho Local de Acção Social de de Ourique Cuba Plano de Acção 2008 - Rede Social Programação Anual. Prioridade Promover a melhoria das condições de vida das crianças, dos idosos e das famílias através

Leia mais

Conselho Local de Ação Social de Vila Nova de Cerveira. Núcleo Executivo

Conselho Local de Ação Social de Vila Nova de Cerveira. Núcleo Executivo Conselho Local de Ação Social de Vila Nova de Cerveira Núcleo Executivo 2 CLAS de Vila Nova de Cerveira Plano de Ação de 2015 Índice Nota Prévia... 6 Sumário... 7 Metodologia... 7 Planificação... 8 EIXO

Leia mais

Plano de Ação 2013. I Eixo De Intervenção: QUALIFICAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES E RESPONSABILIDADE SOCIAL

Plano de Ação 2013. I Eixo De Intervenção: QUALIFICAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES E RESPONSABILIDADE SOCIAL 0 Plano de Ação I Eixo De Intervenção: QUALIFICAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES E RESPONSABILIDADE SOCIAL OBJETIVO GERAL: Dotar as Instituições do Município de competências na área da qualidade para melhorar a resposta

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

MISSÃO VISÃO. Lidamos com o contexto social em permanente mudança, procurando soluções inovadoras e criativas.

MISSÃO VISÃO. Lidamos com o contexto social em permanente mudança, procurando soluções inovadoras e criativas. MISSÃO Promover o desenvolvimento integral de cada pessoa, família, grupo ou organização, oferecendo um serviço de qualidade e contribuindo para gerar mudanças que proporcionem um maior nível de bem-estar.

Leia mais

Plan International e IIDAC com recursos do Fundo União Europeia

Plan International e IIDAC com recursos do Fundo União Europeia INSTITUTO INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO DA CIDADANIA TERMO DE REFERÊNCIA No. 012/2015 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR PRODUTO 1. PROJETO Pontes para o Futuro 2. RECURSOS

Leia mais

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social O Serviço Social é uma profissão de intervenção e uma disciplina académica que promove o desenvolvimento e a mudança social, a coesão

Leia mais

CONTRATO LOCAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL (CLDS) ESPINHO VIVO

CONTRATO LOCAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL (CLDS) ESPINHO VIVO CONTRATO LOCAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL (CLDS) ESPINHO VIVO EIXO 1 EMPREGO, FORMAÇÃO, QUALIFICAÇÃO E EMPREENDEDORISMO 01 - BALCÃO DE EMPREGABILIDADE; O Balcão de Empregabilidade pretende apoiar os desempregados

Leia mais

Plano de Atividades de 2016

Plano de Atividades de 2016 GRUPO DE ACÇÃO COMUNITÁRIA IPSS Plano de Atividades de 2016 Fórum Sócio Ocupacional do GAC Unidade de Vida Protegida UPRO Formação Profissional Novembro de 2015 Plano de atividades 2016 1 Grupo de Ação

Leia mais

Seminário Final. 18 de Junho 2008

Seminário Final. 18 de Junho 2008 O impacto do (des)emprego na pobreza e exclusão social na sub-região Porto-Tâmega pistas de acção estratégicas Porto Rua Tomás Ribeiro, 412 2º 4450-295 Matosinhos tel.: 22 939 91 50 fax.: 22 909 91 59

Leia mais

VISEU PRIMEIRO, VISEU EDUCA

VISEU PRIMEIRO, VISEU EDUCA Setembro 2014 VISEU PRIMEIRO, VISEU EDUCA O lançamento de um programa pedagógico e de desenvolvimento educativo de crianças e jovens, partilhado por todos os agentes do sistema escolar e educativo local,

Leia mais

Rede Social Plano de Ação 2015

Rede Social Plano de Ação 2015 Rede Social Plano de Ação 2015 1 R E D E SOCIAL DO CONCELHO DE VILA DO BISPO Rede Social Rede Social do Concelho de Vila do Bispo PLANO DE AÇÃO 2015 Ficha Técnica Entidade Promotora: Câmara Municipal de

Leia mais

Clique para editar o estilo

Clique para editar o estilo Clique para editar o estilo LXBabysitting + Faça clique para editar o estilo I Encontro dos Direitos da Criança 17-06-2014 Desafio A Horas de Sonho tem permitido a manutenção das crianças nos seus agregados,

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Um percurso formativo Fátima Fonseca (*)

Um percurso formativo Fátima Fonseca (*) 1 Um percurso formativo Fátima Fonseca (*) Este trabalho prende-se com o estudo que fizemos na formação na área das Competências Interpessoais, sendo que o grande objectivo é o de sermos capazes, nas nossas

Leia mais

FREGUESIA DE VILARINHO SANTO TIRSO MANDATO 2014/2017. Grandes opções do plano de atividades e investimentos ANO 2014

FREGUESIA DE VILARINHO SANTO TIRSO MANDATO 2014/2017. Grandes opções do plano de atividades e investimentos ANO 2014 1 FREGUESIA DE VILARINHO SANTO TIRSO MANDATO 2014/2017 Grandes opções do plano de atividades e investimentos ANO 2014 2 ÍNDICE - INTRODUÇÃO 3 - AÇÃO SOCIAL E EMPREGO 3,4 - EDUCAÇÃO SAÚDE 4 CULTURA, DESPORTO

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Inclusão Social e Emprego

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Inclusão Social e Emprego Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Inclusão Social e Emprego Eixo 5 - Emprego e Valorização Económica dos Recursos Endógenos Objectivo Temático 8 - Promoção da sustentabilidade e qualidade

Leia mais

ESTATUTO DO ANIMADOR SOCIOCULTURAL

ESTATUTO DO ANIMADOR SOCIOCULTURAL ESTATUTO DO ANIMADOR SOCIOCULTURAL PREÂMBULO A Animação Sociocultural é o conjunto de práticas desenvolvidas a partir do conhecimento de uma determinada realidade, que visa estimular os indivíduos, para

Leia mais

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA (PSE): Saúde e educação integral das crianças, adolescentes e jovens

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA (PSE): Saúde e educação integral das crianças, adolescentes e jovens PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA (PSE): Saúde e educação integral das crianças, adolescentes e jovens O que é o PSE? O PSE é uma política intersetorial do Saúde e do, instituído em 2007, por decreto presidencial.

Leia mais

F U N C I O N A M E N T O

F U N C I O N A M E N T O Plano de Ação 2015 ENQUADRAMENTO F U N C I O N A M E N T O» Regulamento Interno da CPCJ de S. P. Sul» Lei de Proteção de Crianças e Jovens em Perigo - Lei nº 147/99 de 1 de Setembro» Lei que altera a Lei

Leia mais

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL 3926-(2) Diário da República, 1.ª série N.º 116 17 de junho de 2015 MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL Portaria n.º 179-B/2015 de 17 de junho O Programa de Contratos Locais de Desenvolvimento

Leia mais

Colaborar com as várias estruturas da escola nas tarefas inerentes ao cargo.

Colaborar com as várias estruturas da escola nas tarefas inerentes ao cargo. Atualizar e divulgar a composição da equipa. Divulgar as atividades. Atualizar e divulgar diversos materiais. ano lectivo Informação/divulgação dos serviços especializados na página da escola /EE Representar

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas Levante da Maia 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas

Leia mais

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 INDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4 Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 Eixo de Desenvolvimento 2: Empregabilidade de Formação Profissional... 13 Eixo

Leia mais

Juventude com Arte, Saúde e Cidadania Autores: Ellen da Silva Mourão; Giovanna Grasiane de Sousa; Preceptora de Serviço: Maria Regina de Paula Fagundes Netto; Preceptora Acadêmica: Lêda Maria Leal de Oliveira.

Leia mais

PLANOS INDIVIDUAIS DE TRANSIÇÃO (PIT) TRABALHO DESENVOLVIDO NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO COMUNIDADES DE PRÁTICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL

PLANOS INDIVIDUAIS DE TRANSIÇÃO (PIT) TRABALHO DESENVOLVIDO NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO COMUNIDADES DE PRÁTICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL PLANOS INDIVIDUAIS DE TRANSIÇÃO (PIT) TRABALHO DESENVOLVIDO NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO COMUNIDADES DE PRÁTICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL PLANO INDIVIDUAL DE TRANSIÇÃO (PIT) O Decreto-Lei nº3/ 2008, de 7 de janeiro

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Página 2 de 29 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Índice Índice de Siglas. 4 Nota Prévia... 5 Exposição e Explicação dos

Leia mais

Ficha de Caracterização de Projecto

Ficha de Caracterização de Projecto Ficha de Caracterização de Projecto Há escolhas no bairro-e5g Programa Escolhas Promotor: Mediar - Associação Nacional de Mediação Sócio-Cultural 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto Projecto

Leia mais