Psicologia Social da Saúde

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Psicologia Social da Saúde"

Transcrição

1 Psicologia Social da Saúde Uma nova forma de olhar para a saúde e a doença Maria Luísa Lima Sónia F. Bernardes Sibila Marques Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL), CIS-IUL A solidão é mais prejudicial à saúde do que o consumo de tabaco ou álcool. É esta a conclusão de uma meta-análise recente (Holt-Lunstad, Smith & Layton, 2010), realizada com base em cerca de 150 estudos que recolheram dados objetivos sobre as taxas de mortalidade ou de morbilidade, e indicadores de apoio ou de integração social, envolvendo mais de 300 mil participantes. As pessoas que têm (ou que sentem que têm) mais relações sociais disponíveis e as que estão inseridas em mais redes sociais ou que desempenham uma maior diversidade de papéis sociais têm menor probabilidade de adoecer e de morrer. Estes dados são extremamente robustos. Foram obtidos excluindo as relações mais óbvias com a solidão, como é o caso do suicídio; aplicam-se em todas as populações, e portanto não apenas em amostras particulares como as de pessoas mais velhas ou em determinadas classes sociais; foram obtidos com dados provenientes de todo o mundo, e por isso não são resultado de uma especificidade cultural. E mostram de forma muito clara que as relações sociais não estão apenas relacionadas com a qualidade das nossas vidas, mas também com a sua duração, e que o apoio social não é apenas uma variável psicológica que produz stress, mas é uma variável social que produz doença e morte. Estes resultados chamam a atenção para a importância da dimensão social da saúde. A Psicologia da Saúde tem reconhecido a importância das relações sociais enquanto fonte de emoções (e.g., Salovey, Rothman, Detweiler & Steward, 2000) e deste modo associadas à imunidade e à doença (e.g., Cohen et al., 1998, Cohen 2004). Tem reconhecido a importância do apoio social enquanto recurso pessoal ou enquanto estratégia de gestão do stress (e.g., Steptoe & Ayers, 2004). Tem reconhecido a importância de considerar a posição dos outros na tomada de decisão relativa a comportamentos de saúde (e.g., Conner & Norman, 2005). No entanto, a perspetiva dominante da Psicologia da Saúde tem sido a da tomada de decisão individual, e a aplicação do conhecimento sobre os processos de interação social, de funcionamento dos grupos e de influência social tem estado afastada da investigação e da produção teórica neste domínio. No entanto, a Psicologia Social tem contributos teóricos e empíricos que permitem reforçar esta dimensão social numa conceção bio-psico-social da saúde e ter um papel relevante numa perspetiva da educação terapêutica centrada no doente.

2 14 PSICOLOGIA SOCIAL DA SAÚDE A abordagem da Psicologia Social da Saúde salienta a importância de um Modelo Biopsicossocial, que não se cinge apenas pelo reconhecimento do papel ativo do indivíduo no processo de resposta à doença, mas realça uma visão integrada desta, incluindo, a par de variáveis psicológicas, fatores contextuais de nível relacional, grupal, societal e cultural. Em particular, aborda o indivíduo como ser social, que, em interação com outros, dá sentido ao seu estado de saúde, toma decisões acerca da doença e vive os problemas do seu corpo. Neste sentido, o entendimento que temos da Psicologia Social da Saúde corresponde ao alargamento de uma visão individual da saúde e da doença para o seu enquadramento mais geral, aproximando-se das abordagens da Psicologia Social e Comunitária. Nos últimos anos tem havido contributos importantes para a construção de um domínio de pesquisa da Psicologia Social da Saúde. Por exemplo, Alex Haslam, Jolanda Jetten e colaboradores no livro The Social Cure (Jetten et al., 2011) procuraram articular a perspetiva da identidade social com a saúde. Num número recente da Health Psychology, Sheeran, Gollwitzer e Bargh (2013) defendem uma relação mais profunda da cognição social e nomeadamente dos processos automáticos e das variáveis situacionais na compreensão dos comportamentos de saúde. E a teoria das representações sociais tem dado um contributo importante para a concetualização de uma nova perspetiva da educação terapêutica (Tourette-Turgis, 2013) e para a integração da psicologia nas ciências sociais que ajudam a compreender as doenças, a vida e a morte no contexto da saúde global (Nichter, 2008). Enquadrados neste movimento de construir uma Psicologia Social da Saúde, temos procurado desenvolver no ISCTE-IUL uma equipa de investigação que se situa neste domínio, e o grupo de investigação que criámos recentemente (H4A Health for All 1 ) é o resultado desse trabalho. Neste grupo existem já algumas linhas de pesquisa bem estabilizadas, e que são um bom exemplo de uma Psicologia Social da Saúde. No âmbito do comportamento alimentar, temos vindo a solidificar algum trabalho de caraterísticas inovadoras. Por exemplo, Luísa Lima e Maria Batista desenvolveram um conjunto de pesquisas que ligam uma variável com uma forte tradição de pesquisa em Psicologia Social (a ambivalência das atitudes) com a alimentação, para mostrar o papel da ambivalência como moderador do impacto dos fatores situacionais. Os seus estudos experimentais indicam que o consumo de alimentos saudáveis está dependente do contexto onde é realizado (por exemplo, é mais provável na presença de desconhecidos do que de amigos), mas que este resultado se verifica principalmente em pessoas com atitudes ambivalentes relativamente a alimentos não saudáveis (Batista & Lima, 2010; Batista & Lima, 2013; Batista, Lima, Pereira & Alves, no prelo). O trabalho de Gaspar et al. (2014) e o de Godinho et al. (2013, e também o capítulo que esta autora apresenta no presente livro) são ainda bons exemplos de pesquisa psicossocial no campo da alimentação, desenvolvida no H4A. Mas há também outras temáticas investigadas de forma consistente no nosso grupo. A pesquisa de Sónia Bernardes tem explorado a influência de fatores psicossociais nos (1) Health for All (H4A) é um dos grupos de investigação do no Centro de Investigação e Intervenção Social, CIS-IUL,

3 PSICOLOGIA SOCIAL DA SAÚDE 15 processos de avaliação e tratamento da dor por profissionais de saúde, mas também nas experiências pessoais de dor e incapacidade funcional associada. A primeira linha de pesquisa tem mostrado que profissionais de saúde possuem representações genderizadas de dor(es) e comportamentos de dor que estão subjacentes a enviesamentos de género nos processos de avaliação e tratamento da dor (Bernardes, 2010; Bernardes, Costa & Carvalho, 2013; Bernardes, Silva, Carvalho, Costa e Pereira, 2014). A segunda linha de pesquisa, mais recente e da qual faz parte o capítulo de Mariana Domingues, que aqui se apresenta, tem analisado a influência do papel do suporte social promotor de autonomia/dependência na dor e procurado identificar os processos mediadores de tal relação (e.g., Matos & Bernardes, 2013). Para além da alimentação e da dor, o H4A tem já um grupo consistente de trabalhos sobre o envelhecimento. Sibila Marques tem procurado demonstrar como as representações associadas ao envelhecimento e à idade determinam os comportamentos de saúde. Seguindo trabalhos publicados internacionalmente (Levy, 1996; Levy, Ashman & Dror, ), a autora mostra que as decisões médicas das pessoas idosas são determinadas pela saliência dos traços estereotípicos associados ao envelhecimento: quando traços mais negativos se tornam contextualmente salientes (e.g., quando as pessoas idosas estão perante situações em que estão salientes os traços de doença ou incapacidade) estas tendem a aceitar menos um tratamento médico numa situação hipotética de doença terminal do que quando traços mais positivos se tornam salientes (e.g., quando as pessoas idosas estão perante situações em que estão salientes os traços de sabedoria ou sociabilidade) (Marques, Lima, Abrams & Swift, 2014). Estes efeitos ocorrem de forma automática e sem consciência por parte das pessoas idosas e são importantes porque demonstram como as representações que temos sobre os grupos sociais a que pertencemos podem ter um efeito determinante nos nossos comportamentos de saúde (Marques, 2011). Com base na investigação produzida no grupo, foi possível criar um Mestrado em Psicologia Social da Saúde no ISCTE que, desde 2010, vem formando alunos nesta perspetiva. As três editoras deste livro têm assegurado a direção deste mestrado que conta já com cerca de 20 teses terminadas com sucesso nas suas duas primeiras edições. Neste livro juntamos algumas das pesquisas que ilustram a qualidade dos trabalhos que desenvolvemos, produzidas principalmente por alunos deste mestrado. Inclui contributos que salientam a importância de abordar diversos níveis de análise para a compreensão das questões da saúde, desde as variáveis culturais e societais (ver o capítulo de Denise Jodelet onde se aborda as representações sociais da saúde) até às ao nível das relações interpessoais (com diversos trabalhos sobre o apoio social) ou mesmo das variáveis intrapessoais (a gestão do stress, orientações motivacionais ou os recursos pessoais). Esperamos que este seja o primeiro de uma série de livros em que procuraremos dar corpo à produção científica nesta área, e que incluem não apenas capítulos teóricos e dados de investigação empírica, mas também instrumentos práticos, como instrumentos e avaliação de programas. A primeira parte abre com um capítulo teórico, de uma investigadora que desde há muito vem fazendo notar a importância da Psicologia Social no domínio da Saúde: Denise Jodelet. O seu capítulo faz uma abordagem histórica dos contributos da perspe-

4 16 PSICOLOGIA SOCIAL DA SAÚDE tiva das representações sociais na saúde, mostrando o seu caráter inovador na psicologia e a sua articulação com os contributos de outras ciências sociais. Na última parte, o capítulo salienta a importância desta abordagem para os debates atuais sobre uma perspetiva da saúde centrada no doente, a propósito o lugar do paciente na educação terapêutica. É assim um capítulo teórico extremamente rico e interessante, uma vez que faz a ponte entre o passado e o futuro da investigação neste domínio e pode constituir uma boa introdução a esta abordagem teórica. A segunda parte do livro inclui estudos empíricos realizados em Portugal e inicia-se com o capítulo de Cristina Godinho, Maria João Alvarez e Maria Luísa Lima. As autoras seguem de perto a tendência preventiva da abordagem em Psicologia da Saúde, tecendo um conjunto de recomendações relativamente à adoção de comportamentos de alimentação saudável, partindo de variáveis psicossociais. Baseando-se na investigação neste domínio e nos estudos realizados pelas próprias autoras, neste capítulo é dado um realce especial à identificação dos principais preditores do consumo de frutas e vegetais, evidenciando a relevância dos fatores psicossociais de ordem contextual e individual, os quais constituem determinantes muito importantes deste comportamento. Neste capítulo são ainda apresentados os resultados de dois estudos experimentais que mostram a importância da adaptação das mensagens persuasivas ao tipo de crenças e expectativas dos indivíduos. O capítulo de Ana Rita Laranjeira e Maria Luísa Lima apresenta um estudo que se reveste de enorme atualidade e relevância social. Partindo de um quadro teórico familiar da Psicologia Social a Teoria do Comportamento Planeado (TCP; Ajzen, 1980, 1991) procura identificar fatores preditores da intenção de doação de ovócitos entre uma amostra de 130 potenciais dadoras. Para além do rigoroso enquadramento ético-legal das questões relativas à reprodução assistida em Portugal, este capítulo apresenta dados que sugerem ser a TCP uma teoria útil, embora não suficiente, para o entendimento deste fenómeno tão complexo. Mais especificamente, os resultados centrais destas autoras mostram que embora a maioria das mulheres inquiridas tenha uma atitude favorável à doação de ovócitos, apenas uma minoria afirma ter intenção de doar, sendo as atitudes e as perceções de controlo comportamental percebido os principais preditores desta intenção. O trabalho de Susana Tavares e Ana Dias traz para este livro uma dimensão extremamente relevante a para a saúde e o bem-estar: o conflito trabalho-família. O seu estudo, realizado junto de uma amostra de trabalhadores de duas empresas portuguesas, reforça resultados anteriores de que quanto mais o individuo considera que o seu trabalho interfere com o desempenho dos seus papéis na esfera familiar, menor será a sua satisfação com a vida. Mas este trabalho vai mais longe. Articula de forma inovadora este resultado com a Teoria da Conservação dos Recursos, mostrando que a relação entre conflito trabalho família e a satisfação com a vida é feita através de uma diminuição do vigor. Esta mediação através recursos energéticos abre caminho para se aprofundar o conhecimento sobre o conflito trabalho-família e o seu efeito na vida das pessoas. O capítulo de Filomena Sousa, Maria Luísa Lima e António Barbosa faz uma verdadeira articulação entre as dimensões biológicas, e psicossociais da doença, neste caso em particular, do cancro da mama. Na linha de estudos da psiconeuroimunologia, estes

5 PSICOLOGIA SOCIAL DA SAÚDE 17 autores procuraram, pela primeira vez em Portugal, analisar a associação entre stress percebido e satisfação com o suporte social e a resposta imunitária de mulheres com cancro da mama. Embora e contrariamente aos resultados presentes na literatura internacional, não se tenha verificado uma associação significativa entre os níveis de stress percebido e a resposta imunitária, os dados sugerem associações significativas entre a satisfação com o suporte social e o funcionamento do sistema imunitário. Tais resultados salientam a importância das intervenções na esfera psicossocial para o fortalecimento do sistema imunitário de pessoas com doenças crónicas. O último trabalho nesta parte dos estudos empíricos é da autoria de Rita Morais, Gabriela Palhares, Bebiana Sousa e Maria Luísa Lima. Procura compreender de que modo a perceção e a vivência dos ambientes residenciais afeta as perceções e a saúde dos indivíduos. Adotando a perspetiva da Psicologia Ambiental, as autoras procuram explorar os processos subjacentes à mobilidade residencial forçada e a sua influência no bem-estar subjetivo dos indivíduos. Tem como objetivo analisar os processos psicossociais envolvidos na adaptação à mudança residencial e compreender o papel que desempenha o estádio do ciclo de vida em que se encontram os moradores num processo de requalificação urbana e num processo de realojamento forçado, ambos em Angola. Os resultados revelam efeitos no bem-estar subjetivo dos participantes que resultam da interação deste tipo de fatores contextuais e individuais. Este livro inclui ainda um capítulo dedicado à construção de instrumentos de avaliação. O trabalho de Mariana Domingues e Sónia Bernardes situa-se uma área clássica na Psicologia Social da Saúde o apoio social. Como referimos acima, a investigação tem mostrado uma relação sistemática entre a saúde e o apoio social; no entanto, no domínio da dor crónica, os resultados não são consistentes. A hipótese avançada pelas autoras é de que estas inconsistências se devem ao facto de não se distinguir entre o tipo de comportamento a que se refere o apoio social se a promoção de autonomia ou a promoção da dependência funcional. Neste sentido, propõem e validam um novo instrumento na área do apoio social que diferencia estes dois tipos de comportamento em contexto familiar: a Escala de Suporte Informal para a Autonomia e Dependência na Dor (ESIAD_DOR). Os resultados, obtidos junto de uma amostra maioritariamente constituída por pessoas com dor crónica ou aguda, mostram que a ESIAD_DOR evidencia características psicométricas promissoras (sensibilidade, fidelidade, validade). O livro termina com a apresentação de um Programa de Intervenção. O capítulo do Tiago Pinto e Carla Moleiro apresenta um importante contributo para a prevenção de um fenómeno prevalente e com sérias repercussões sociais e para a saúde dos jovens portugueses a violência nas relações íntimas juvenis. Tendo por base a TCP e os resultados de dois estudos empíricos que, triangulando metodologias quantitativas e qualitativas, contribuem para a avaliação das necessidades de jovens e professores, estes autores apresentam em detalhe um programa de prevenção da violência no namoro de aplicação em contexto escolar. Este programa visa a modificação de crenças, atitudes de estudantes e professores face à violência no namoro, bem como o desenvolvimento de competências promotoras de comportamentos não-violentos nas relações íntimas. Para além da apresentação do programa é proposta uma estratégia para a avaliação da eficá-

6 18 PSICOLOGIA SOCIAL DA SAÚDE cia e eficiência do mesmo, processo esse que permitirá aferir a qualidade do programa proposto aquando da sua implementação. Este livro espelha alguns dos resultados do nosso esforço como grupo, e por isso estamos muito orgulhosas de os podermos partilhar. Estamos extremamente gratas aos revisores (ver a lista dos revisores na página 9 deste livro) que, através da sua leitura crítica das versões iniciais destes textos, permitiram garantir a qualidade dos trabalhos que agora apresentamos. Agradecemos ainda os contributos na organização deste livro dados por Filipa Cunha. Trabalhando temas tão diversos como a promoção da alimentação saudável ou a prevenção da violência no namoro, o conflito trabalho família ou a doação de ovócitos, o apoio social quer em situação de dor ou na sua relação com a função imunitária, estamos seguras de que este livro poderá interessar a um grupo alargado de pessoas que estudam e investigam na área da saúde Uma vez que é recente esta articulação dos conhecimentos da Psicologia Social com as necessidades do campo da Saúde, sabemos que há muitas perspetivas a explorar e muito trabalho a desenvolver. Esperamos por isso que este livro seja útil para suscitar a curiosidade a jovens investigadores e abrir caminhos a quem queira pesquisar neste domínio. Referências BATISTA, M. T., & LIMA, M. L. (2010). Seleção de estímulos alimentares ambivalentes e comparação de medidas em quatro indicadores de ambivalência atitudinal. Laboratório de Psicologia, 8(1), BATISTA, M. T., & LIMA, M. L. (2013). Quem está comendo comigo?: Influência social indireta no comportamento alimentar ambivalente. Psicologia: Reflexão e Crítica, 26(1), BATISTA, M. T., LIMA, M. L., PEREIRA, C., & ALVES, H. (in press). I Love Chips and (H)ate Them Too: The Role of Ambivalence and Contextual Cues on Attitudinally Based Eating Behavior. Revista de Psicologia Social. BERNARDES, S. F. (2010). Sobre a Contextualidade dos Enviesamentos de Sexo nos Julgamentos de Dor. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian/ Fundação para a Ciência e Tecnologia. BERNARDES, S. F., COSTA, M. & CARVALHO, H. (2013). Engendering pain management practices: The role of physicians sex on chronic low-back pain assessment and treatment prescriptions. The Journal of Pain, 14, 9, BERNARDES, S. F., SILVA, S., CARVALHO, H., COSTA, M., & PEREIRA, S. (2014). Is it a (fe)male pain? Portuguese Nurses and Laypeople s Gendered Representations of Common Pains. European Journal of Pain, 18, COHEN, S. (2004). Social relationships and health. American Psychologist, 59 (8), COHEN, S., FRANK, E., DOYLE, W. J., SKONER, D. P., RABIN, B. S., & GWALTNEY Jr, J. M. (1998). Types of stressors that increase susceptibility to the common cold in healthy adults. Health Psychology,17(3), CONNER, M., & NORMAN, P. (2005). Predicting Health Behaviour(2nd ed). London: Open University Press. GASPAR, R., GORJÃO, S., SEIBT, B., LIMA, M. L., BARNETT, J., MOSS, A., & WILLS, J. (2014). Tweeting during food crises: A psychosocial analysis of EHEC threat coping expressions on social. International Journal of Human-Computer Studies, 72(2),

7 PSICOLOGIA SOCIAL DA SAÚDE 19 GODINHO, C., ALVAREZ, M. J., & LIMA, M. L. (2013). Formative research on HAPA model determinants for fruit and vegetable intake: Target beliefs for audiences at different stages of change. Health Education Research, 28 (6): HOLT-LUNSTAD, J., SMITH, T. B., & LAYTON, J. B. (2010). Social relationships and Mortality Risk: A meta-analytic review. PLOS Medicine, 7(7): e JETTEN, J., HASLAM, C., & HASLAM, S. A. (2011). The Social Cure: Identity, Health and Well Being. London: Taylor & Francis. LEVY, B. (1996). Improving memory in old age through implicit self-stereotyping. Journal of Personality and Social Psychology, 71(6), LEVY, B., ASHMAN, O., & DROR, I. ( ). To be or not to be: The effects of aging self- -stereotypes on the will-to-live. Omega: Journal of Death and Dying, 40, MARQUES, S. (2011). A discriminação da terceira idade. Lisboa: Relógio d Água. MARQUES, S., LIMA, M. L., ABRAMS, D. & SWIFT, H. J. (2014). Will-to-live in older people s medical decisions: immediate and delayed effects of aging stereotypes. Journal of Applied Social Psychology. E-pub ahead of print retrieved from / /jasp.12231/abstract. MATOS, M. & BERNARDES, S. F. (2013). The Portuguese Formal Social Support for Autonomy and Dependence in Pain Inventory (FSSADI_PAIN): A preliminary validation study. The British Journal of Health Psychology, 18, NICHTER, M. (2008). Global Health: Why Cultural Perceptions, Social Representations, and Biopolitics Matter. Tucson: University of Arizona Press. SALOVEY, P., ROTHMAN, A. J., DETWEILER, J. B., & STEWARD, W. (2000). Emotional states and physical health. American Psychologist, 55(1), SHEERAN P., GOLLWITZER, P. M., & BARGH, J. A. (2013). Nonconscious processes and health. Health Psychology, 32(5), STEPTOE, A., & AYERS, S. (2004). Stress, Health and Illness. In Sutton, S., Baum, A., Johnston, M. (Eds.). Sage Handbook of Health Psychology (pp ). London: Sage. TOURETTE-TURGIS, C. (Ed.) (2013). Numero special: Apprendre du malade. Education Permanente, 195.

Gripe e os Estudantes da área da Saúde Estudo de crenças e comportamentos face à doença

Gripe e os Estudantes da área da Saúde Estudo de crenças e comportamentos face à doença Gripe e os Estudantes da área da Saúde Estudo de crenças e comportamentos face à doença Autores André Coelho Ana Margarida Costa João Dias Pedro Teresa Guimarães Escola Superior de Tecnologia da Saúde

Leia mais

FICHA DE UNIDADE CURRICULAR

FICHA DE UNIDADE CURRICULAR ANO LECTIVO: 2013/2014 FICHA DE UNIDADE CURRICULAR MESTRADO/LICENCIATURA 1.Unidade Curricular Nome: PSICOLOGIA DO ENVELHECIMENTO Área Científica: Psicologia Curso: Mestrado em Gerontologia Social Semestre:

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

II Congresso Internacional TIC e Educação

II Congresso Internacional TIC e Educação ITIC: UM PROJETO PARA CONTRIBUIR PARA O APERFEIÇOAMENTO E EMBASAMENTO DO CORPO DE PROFESSORES DO PROGRAMA APRENDIZAGEM DO SENAC NO DOMÍNIO DA UTILIZAÇÃO DAS TIC Claudia Machado, Maria João Gomes Universidade

Leia mais

Comunicação em saúde. Relação Técnicos de Saúde Utentes NOTAS DIDÁCTICAS JOSÉ A. CARVALHO TEIXEIRA (*)

Comunicação em saúde. Relação Técnicos de Saúde Utentes NOTAS DIDÁCTICAS JOSÉ A. CARVALHO TEIXEIRA (*) NOTAS DIDÁCTICAS Comunicação em saúde Relação Técnicos de Saúde Utentes JOSÉ A. CARVALHO TEIXEIRA (*) 1. INTRODUÇÃO 1.1. O que é a comunicação em saúde Comunicação em saúde diz respeito ao estudo e utilização

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

COMO OS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS AVALIAM OS SEUS CUSTOS Tomás Patrocínio Universidade de Lisboa, Instituto de Educação

COMO OS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS AVALIAM OS SEUS CUSTOS Tomás Patrocínio Universidade de Lisboa, Instituto de Educação COMO OS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS AVALIAM OS SEUS CUSTOS Tomás Patrocínio Universidade de Lisboa, Instituto de Educação Resumo Como tem sido descrito na literatura (e.g., Johnstone, 1986;

Leia mais

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE RESUMO Esterfania Silva Lucena; Manoel Freire de Oliveira Neto Universidade Estadual da Paraíba, Email:

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA DOR (PENPCDor)

PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA DOR (PENPCDor) PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA DOR (PENPCDor) 1. Introdução A dor é uma perceção pessoal que surge num cérebro consciente, tipicamente em resposta a um estímulo nóxico provocatório,

Leia mais

ALIANÇA PARA A PREVENÇÃO RODOVIÁRIA

ALIANÇA PARA A PREVENÇÃO RODOVIÁRIA ALIANÇA PARA A PREVENÇÃO RODOVIÁRIA ESTUDO DAS ATITUDES E COMPORTAMENTOS DOS PORTUGUESES FACE À SINISTRALIDADE RODOVIÁRIA Este documento procura ilustrar, de forma sucinta, a relevância do estudo a realizar.

Leia mais

Plano de Formação. Psicologia e Orientação em Contexto Escolar 2014/2015

Plano de Formação. Psicologia e Orientação em Contexto Escolar 2014/2015 Plano de Formação Psicologia e Orientação em Contexto Escolar 2014/2015 Enquadramento A evolução tecnológica e a incerteza com que atualmente todas as sociedades se confrontam colocam desafios acrescidos

Leia mais

Estudo epidemiológico realizado de 4 em 4 anos, em colaboração com a Organização Mundial de Saúde.

Estudo epidemiológico realizado de 4 em 4 anos, em colaboração com a Organização Mundial de Saúde. Mafalda Ferreira, Margarida Gaspar de Matos, Celeste Simões & Equipa Aventura Social Estudo epidemiológico realizado de 4 em 4 anos, em colaboração com a Organização Mundial de Saúde. Objectivo: Conhecer

Leia mais

Escola Superior de Enfermagem de Vila Real. Gabinete de Apoio ao Estudante (GAE) na ESEnfVR-UTAD

Escola Superior de Enfermagem de Vila Real. Gabinete de Apoio ao Estudante (GAE) na ESEnfVR-UTAD Escola Superior de Enfermagem de Vila Real Gabinete de Apoio ao Estudante (GAE) na ESEnfVR-UTAD 1. Introdução No seguimento de uma estratégia há muito adoptada pela maioria das instituições de Ensino Superior

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO DOS SENIORES NUMA OFICINA DE MÚSICA E TEATRO: IMPACTOS NA AUTO-ESTIMA E AUTO-IMAGEM. Sandra Maria Franco Carvalho

A PARTICIPAÇÃO DOS SENIORES NUMA OFICINA DE MÚSICA E TEATRO: IMPACTOS NA AUTO-ESTIMA E AUTO-IMAGEM. Sandra Maria Franco Carvalho CENTRO DE COMPETÊNCIAS DE CIÊNCIAS SOCIAIS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO A PARTICIPAÇÃO DOS SENIORES NUMA OFICINA DE MÚSICA E TEATRO: IMPACTOS NA AUTO-ESTIMA E AUTO-IMAGEM ESTUDO DE CASO NUMA UNIVERSIDADE

Leia mais

Desempenho no trabalho: Revisão da literatura [I] Job performance: An overview of literature

Desempenho no trabalho: Revisão da literatura [I] Job performance: An overview of literature PSICOLOGIA ARGUMENTO doi: 10.7213/psicol.argum.5895 ARTIGOS [T] Desempenho no trabalho: Revisão da literatura [I] Job performance: An overview of literature [R] [A] Pedro Fernando Bendassolli Resumo Received

Leia mais

Um outro objetivo ajudar os doentes a atingirem a aceitação da vida vivida e a aceitarem morte! Ter medo da morte é humano

Um outro objetivo ajudar os doentes a atingirem a aceitação da vida vivida e a aceitarem morte! Ter medo da morte é humano CUIDADOS PALIATIVOS A diversidade das necessidades da pessoa humana em sofrimento intenso e em fim de vida encerram, em si mesmo, uma complexidade de abordagens de cuidados de Saúde a que só uma equipa

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DAS TAIPAS CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DAS TAIPAS CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DAS TAIPAS CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Planificação Psicologia º Ano ANO LETIVO 2015/2016 º GRUPO B MÓDULO 1- Descobrindo a Psicologia 26 1. Especificidade da Psicologia

Leia mais

TAVARES, David Doutorado em Ciências da Educação Especialidade de Sociologia da Educação;,

TAVARES, David Doutorado em Ciências da Educação Especialidade de Sociologia da Educação;, ÁREA TEMÁTICA: Sociologia da Saúde O CONGRESSO PORTUGUÊS DE SOCIOLOGIA E AS TENDÊNCIAS DE EVOLUÇÃO DA SOCIOLOGIA DA SAÚDE EM PORTUGAL (COMUNICAÇÃO DE ABERTURA DA ÁREA TEMÁTICA DE SOCIOLOGIA DA SAÚDE) TAVARES,

Leia mais

OS JOVENS PORTUGUESES E O CONSUMO DE DROGAS

OS JOVENS PORTUGUESES E O CONSUMO DE DROGAS OS JOVENS PORTUGUESES E O CONSUMO DE DROGAS Tema 1, Nº 2 Junho 2001 Margarida Gaspar de Matos e Susana Fonseca Carvalhosa Equipa do Aventura Social e Saúde Estudo realizado em co-financiamento pela Faculdade

Leia mais

AS ATITUDES DOS EMPRESÁRIOS ALGARVIOS FACE AO EMPREGO DE PESSOAS SOCIALMENTE DISCRIMINADAS: Um estudo empírico

AS ATITUDES DOS EMPRESÁRIOS ALGARVIOS FACE AO EMPREGO DE PESSOAS SOCIALMENTE DISCRIMINADAS: Um estudo empírico AS ATITUDES DOS EMPRESÁRIOS ALGARVIOS FACE AO EMPREGO DE PESSOAS SOCIALMENTE DISCRIMINADAS: Um estudo empírico Ileana Monteiro Docente da Escola de Gestão, Hotelaria e Turismo da Universidade do Algarve

Leia mais

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e os desportos saudáveis são essenciais para a nossa saúde e bem-estar. Actividade física adequada e desporto

Leia mais

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO a que alude o n.º 5 do art. 83 da Lei n.º 112/2009 de 16 de setembro

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO a que alude o n.º 5 do art. 83 da Lei n.º 112/2009 de 16 de setembro POPH Eixo 7 Tipologia de Intervenção 7.4 Projetos de Formação para Públicos Estratégicos REFERENCIAL DE FORMAÇÃO a que alude o n.º 5 do art. 83 da Lei n.º 112/2009 de 16 de setembro Formação de agentes

Leia mais

Prémio Inovação em Intervenção Psicológica

Prémio Inovação em Intervenção Psicológica Prémio Inovação em Intervenção Psicológica ABRIL 2015 Índice 03 05 11 1. Programa OPP Inovação em Intervenção Psicológica 1.1. Prémio Inovação em Intervenção Psicológica 1.2. Summer Camp - Inovação em

Leia mais

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação 1.º Ano / 1.º Semestre Marketing Estratégico Formar um quadro conceptual abrangente no domínio do marketing. Compreender o conceito

Leia mais

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL O processo de envelhecimento e a velhice devem ser considerados como parte integrante do ciclo de vida. Ao longo dos tempos, o conceito de envelhecimento e as

Leia mais

Associação Portuguesa de Psicologia da Saúde Ocupacional. Gerir Pessoas e Competências - Uma Estratégia de Sucesso - http://www.appso.

Associação Portuguesa de Psicologia da Saúde Ocupacional. Gerir Pessoas e Competências - Uma Estratégia de Sucesso - http://www.appso. Associação Portuguesa de Psicologia da Saúde Ocupacional http://www.appso.pt Gerir Pessoas e Competências - Uma Estratégia de Sucesso - Apresentação do Relatório de Avaliação de Perfil de Riscos Psicossociais

Leia mais

vivem cada vez mais tempo,

vivem cada vez mais tempo, Portuguesas vivem cada vez mais tempo, mas com menos saúde Têm uma esperança de vida que é das maiores do mundo, mas desfrutam de muito menos anos saudáveis do que as mulheres dos países mais bem classificados

Leia mais

Envelhecimento Ativo e seus Eixos

Envelhecimento Ativo e seus Eixos Envelhecimento Ativo e seus Eixos Profa. Ruth Gelehrter da Costa Lopes Novembro / 2014 ENVELHECIMENTO ACTIVO / ATIVO REFERENCIAL BIBLIOGRÁFICO Machado,Paulo, REFLECTINDO SOBRE O CONCEITO DE ENVELHECIMENTO

Leia mais

Tema 1, Nº 1 Junho 2001

Tema 1, Nº 1 Junho 2001 Tema 1, Nº 1 Junho 2001 Margarida Gaspar de Matos e Susana Fonseca Carvalhosa Equipa do Aventura Social e Saúde Estudo realizado no âmbito do protocolo entre a Faculdade de Motricidade Humana e o Gabinete

Leia mais

A perceção de (in)justiça no sistema avaliação de desempenho: o caso de uma empresa da indústria automóvel

A perceção de (in)justiça no sistema avaliação de desempenho: o caso de uma empresa da indústria automóvel Escola de Economia e Gestão A perceção de (in)justiça no sistema avaliação de desempenho: o caso de uma empresa da indústria automóvel Orientadora: Prof.ª Dra Emília Fernandes Orientada: Marta Relvas Braga,

Leia mais

Planificação Anual da Disciplina de Psicologia. MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário

Planificação Anual da Disciplina de Psicologia. MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Planificação Anual da Disciplina de MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Componente de Formação Científica Ano lectivo 2013-2014 1 MÓDULO 1 - DESCOBRINDO

Leia mais

FICHA DE UNIDADE CURRICULAR 2011/2012. Docente (s) Maria João Alvarez (docente responsável pela UC) e Alexandra Marques Pinto

FICHA DE UNIDADE CURRICULAR 2011/2012. Docente (s) Maria João Alvarez (docente responsável pela UC) e Alexandra Marques Pinto FICHA DE UNIDADE CURRICULAR 2011/2012 Designação Temas de Desenvolvimento Pessoal e Social Docente (s) Maria João Alvarez (docente responsável pela UC) e Alexandra Marques Pinto Creditação (ECTS) 6 ECTS

Leia mais

TÍTULO DO CAMPO Data de submissão 2014-03-25. FPAT Federação Portuguesa de Instituições Sociais Afectas à Prevenção de Toxicodependências

TÍTULO DO CAMPO Data de submissão 2014-03-25. FPAT Federação Portuguesa de Instituições Sociais Afectas à Prevenção de Toxicodependências FÓRUM NACIONAL ÁLCOOL E SAÚDE FORMULÁRIO DE SUBMISSÃO TÍTULO DO CAMPO Data de submissão 2014-03-25 NOME DA ORGANIZAÇÃO AUTORA DO COMPROMISSO TÍTULO DO COMPROMISSO SUMÁRIO DO COMPROMISSO FPAT Federação

Leia mais

Psicologia da saúde em Portugal (II)

Psicologia da saúde em Portugal (II) NOTAS DIDÁCTICAS Psicologia da saúde em Portugal (II) JOSÉ A. CARVALHO TEIXEIRA (*) Em continuidade com o referido em artigo anteriormente publicado (Carvalho Teixeira, Cima & Santa Cruz, 1999) pretende-se

Leia mais

Serviço externo de Psicologia para Empresas

Serviço externo de Psicologia para Empresas Serviço externo de Psicologia para Empresas.Porque as pessoas são a essência da empresa. Cada vez mais ouvimos falar na necessidade urgente de locais de trabalho saudáveis e são diversas as campanhas que

Leia mais

Atividades, envolvimento social e boa saúde: bases de uma boa velhice

Atividades, envolvimento social e boa saúde: bases de uma boa velhice II Seminário da Unicamp sobre longevidade e qualidade de vida Atividades, envolvimento social e boa saúde: bases de uma boa velhice 1 Anita Liberalesso Neri Gerontologia FCM Unicamp 2015 2 CONCEPÇÕES DE

Leia mais

TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA APLICADA ÁS FAMILIAS

TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA APLICADA ÁS FAMILIAS TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA APLICADA ÁS FAMILIAS XXI ABEAD - RECIFE ROBERTA PAYÁ ROBERTAPAYA@HOTMAIL.COM TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA PARA O TRANSTORNO DO ABUSO DE SUBSTANCIAS Um Modelo Integrativo

Leia mais

A singularidade do apoio aos idosos: cuidadores formais e informais, que articulação? Maria Laurência Gemito

A singularidade do apoio aos idosos: cuidadores formais e informais, que articulação? Maria Laurência Gemito 1 A singularidade do apoio aos idosos: cuidadores formais e informais, que articulação? Maria Laurência Gemito 2 Com início no século passado, foi efetivamente nos últimos anos que se tornou mais visível

Leia mais

PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE)

PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE) PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE) INSTITUIÇÃO Nome Morada Código Postal CONTEXTO PRÁTICA CLÍNICA ou UNIDADE DE SAÚDE FUNCIONAL Nome CONTATOS Enfermeiro(a) Chefe

Leia mais

Psicologia da Saúde e Saúde Pública: convergência histórica

Psicologia da Saúde e Saúde Pública: convergência histórica Psicologia da Saúde e Saúde Pública: convergência histórica Margarida Gaspar de Matos Psicóloga Profª. FMH/UTL, Investigadora CMDT/UNL Junho, 2004 1- Conceitos, polémicas - Saúde /bem estar 2- ; convergência

Leia mais

Estudo psicométrico do PMA(*)

Estudo psicométrico do PMA(*) Análise Psicológica (1989), 123 (Vil): 209213 Estudo psicométrico do PMA(*) RUI BÁRTOLO RIBEIRO (* *) CARLOS ALVES MARQUES (**), O estudo das aptidões mentais primárias foi inicialmente desenvolvido por

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

ATA Nº 01/12 Reunião Plenária do Conselho Local de Ação Social (CLAS)

ATA Nº 01/12 Reunião Plenária do Conselho Local de Ação Social (CLAS) ATA Nº 01/12 Reunião Plenária do Conselho Local de Ação Social (CLAS) Data: 26-01-2012 Local: Auditório do Edifício Cultural da Câmara Municipal de Peniche Hora de início: 21h15mn Hora do fecho: 23h30mn

Leia mais

Mestrado em Psicologia da Educação, especialidade em Contextos Comunitários. Sónia Pavão & Ana Moura Arroz

Mestrado em Psicologia da Educação, especialidade em Contextos Comunitários. Sónia Pavão & Ana Moura Arroz Mestrado em Psicologia da Educação, especialidade em Contextos Comunitários Sónia Pavão & Ana Moura Arroz II Fórum Internacional de Pedagogia Universidade dos Açores, 13 e 14 de Abril de 2012 http://www.alea.pt/html/actual/html/act51.html

Leia mais

Planificação Anual. Psicologia e Sociologia. 10º Ano de Escolaridade Curso Profissional de Técnico de Secretariado. Ano Letivo 2014/2015

Planificação Anual. Psicologia e Sociologia. 10º Ano de Escolaridade Curso Profissional de Técnico de Secretariado. Ano Letivo 2014/2015 Governo dos Açores Escola Básica e Secundária de Velas Planificação Anual Psicologia e Sociologia 10º Ano de Escolaridade Curso Profissional de Técnico de Secretariado Ano Letivo 2014/2015 Prof. João Manuel

Leia mais

I - EXERCISE IS MEDICINETM

I - EXERCISE IS MEDICINETM I EXERCISE IS MEDICINETM Objectivo Generalização da inclusão do aconselhamento para a actividade física no âmbito do plano terapêutico para a prevenção e o tratamento de doenças, e referenciação quando

Leia mais

163 educação, ciência e tecnologia

163 educação, ciência e tecnologia 163 A DOENÇA MENTAL: DETERMINAÇÃO INDIVIDUAL OU CONSTRUÇÃO SOCIAL AMADEU MATOS GONÇALVES * RESUMO Neste artigo procura-se reflectir sobre as representações da doença mental à luz da evolução social. Centra-se

Leia mais

Workshop SESI SC Florianopolis 27 Setembro

Workshop SESI SC Florianopolis 27 Setembro Workshop SESI SC Florianopolis 27 Setembro 1. Por que Promoção da Saúde no Trabalho (PST)? 2. PST funciona? 3. Tendências Globais e Programas em PST 4. Guias e Critérios Internacionais de Qualidade 5.

Leia mais

ENFERMAGEM HUMANITÁRIA. - Que competências? - - Que futuro? -

ENFERMAGEM HUMANITÁRIA. - Que competências? - - Que futuro? - ENFERMAGEM HUMANITÁRIA - Que competências? - - Que futuro? - Filomena Maia Presidente do Conselho de Enfermagem Regional Norte Vice-Presidente do Conselho de Enfermagem Universidade Fernando Pessoa Porto

Leia mais

A Institucionalização da Pessoa Idosa

A Institucionalização da Pessoa Idosa UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Ciências Sociais e Humanas A Institucionalização da Pessoa Idosa Ana Paula Leite Pereira de Carvalho Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Empreendedorismo e Serviço

Leia mais

A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos. auditivos. Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia

A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos. auditivos. Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos auditivos Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia Karlin Fabianne Klagenberg Fonoaudióloga Doutorado em Distúrbios

Leia mais

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e o Bem-Estar Conferência de alto nível da ue JUNTOS PELA SAÚDE MENTAL E PELO BEM-ESTAR Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Slovensko predsedstvo EU 2008 Slovenian Presidency

Leia mais

TRABALHO DE GRUPO E AJUSTAMENTO ACADÉMICO IMPLICAÇÕES

TRABALHO DE GRUPO E AJUSTAMENTO ACADÉMICO IMPLICAÇÕES TRABALHO DE GRUPO E AJUSTAMENTO ACADÉMICO IMPLICAÇÕES PARA A TUTORIA NO ENSINO SUPERIOR COSTA LOBO, Cristina (mcqm@isep.ipp.pt) Instituto de Educação e Psicologia da Universidade do Minho TAVEIRA, Maria

Leia mais

Atitudes de mulheres em relação à amamentação - Um estudo exploratório

Atitudes de mulheres em relação à amamentação - Um estudo exploratório Atitudes de mulheres em relação à amamentação - Um estudo exploratório JOANA COUTINHO (*) ISABEL LEAL (*) Poucos sectores da vida humana são tão influenciados por modas e filosofias médicas como a gravidez,

Leia mais

A APAV. é uma organização de solidariedade social que apoia as vítimas de crime.

A APAV. é uma organização de solidariedade social que apoia as vítimas de crime. Formação APAV A APAV é uma organização de solidariedade social que apoia as vítimas de crime. Visão da APAV A APAV acredita e trabalha para que em Portugal o estatuto da vítima de crime, seja plenamente

Leia mais

Avaliação de resultados do gerenciamento de casos

Avaliação de resultados do gerenciamento de casos Módulo 3 - Gerenciamento de caso como estratégia de atenção aos usuários de crack e outras drogas Unidade 4 Avaliação de resultados do gerenciamento de casos 93 Avaliação de resultados do gerenciamento

Leia mais

COMO PENSA, SENTE O CONSUMIDOR? CONTRIBUTOS DA PSICOLOGIA NO MARKETING PROGRAMA AVANÇADO. Think, Create and Share

COMO PENSA, SENTE O CONSUMIDOR? CONTRIBUTOS DA PSICOLOGIA NO MARKETING PROGRAMA AVANÇADO. Think, Create and Share COMO PENSA, SENTE O CONSUMIDOR? CONTRIBUTOS DA PSICOLOGIA NO MARKETING PROGRAMA AVANÇADO DESTINATÁRIOS Profissionais de gestão, marketing e publicidade, comunicação e vendas. OBJETIVOS O mercado nunca

Leia mais

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social A investigação do Serviço Social em Portugal: potencialidades e constrangimentos Jorge M. L. Ferreira Professor Auxiliar Universidade Lusíada Lisboa (ISSSL) Professor Auxiliar Convidado ISCTE IUL Diretor

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO MARKETING SOCIAL DESENVOLVIDO PELA CÁRITAS EM PARCERIA COM A IPI CONSULTING NETWORK PORTUGAL As virtualidades da interação entre a economia social e o empreendedorismo

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS NECESSIDADES DO IDOSO ACAMADO NA COMUNIDADE

AVALIAÇÃO DAS NECESSIDADES DO IDOSO ACAMADO NA COMUNIDADE AVALIAÇÃO DAS NECESSIDADES DO IDOSO ACAMADO NA COMUNIDADE Cristina Katya Torres Teixeira Mendes 1, Maria Adelaide Silva Paredes Moreira 2, Luípa Michele Silva 3, Antonia Oliveira Silva 4 INTRODUÇÃO O envelhecimento

Leia mais

Psicologia do Empreendedorismo

Psicologia do Empreendedorismo Psicologia do Empreendedorismo António Caetano, Susana Correia Santos e Sílvia Fernandes Costa Psicologia do Empreendedorismo Processos, Oportunidades e Competências LISBOA, 2012 António Caetano, Susana

Leia mais

Marketing Social. & Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re) Conhecer as Mudanças 22 novembro 2014

Marketing Social. & Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re) Conhecer as Mudanças 22 novembro 2014 Marketing Social & Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re) Conhecer as Mudanças 22 novembro 2014 Cristina Vaz de Almeida cvalmeida@iol.pt cristina.vazalmeida@scml.pt MARKETING SOCIAL E HOSPITAIS, 22

Leia mais

MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário. Componente de Formação Científica. Ano lectivo 2015-2016

MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário. Componente de Formação Científica. Ano lectivo 2015-2016 Planificação Anual da Disciplina de Psicologia MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Componente de Formação Científica Ano lectivo 2015-2016 MÓDULO

Leia mais

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA (2011) Dayana Lima Dantas Valverde Psicóloga, graduada pela Faculdade de Tecnologia e Ciências de Feira de Santana, BA. Pós-graduanda em Saúde Mental

Leia mais

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM.

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. RESUMO Karyn Albrecht SIQUEIRA, 1. Aline MASSAROLI, 2. Ana Paula LICHESKI, 2. Maria Denise Mesadri GIORGI, 3. Introdução: Com os diversos avanços

Leia mais

Desafios contemporâneos da clínica psicológica na promoção de saúde mental

Desafios contemporâneos da clínica psicológica na promoção de saúde mental Desafios contemporâneos da clínica psicológica na promoção de saúde mental Resumo Simpósio DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS DA CLÍNICA PSICOLÓGICA NA PROMOÇÃO DE SAÚDE MENTAL. Neuza Cristina dos Santos Perez (Grupo

Leia mais

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM APROVADO POR MAIORIA EM ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 20 DE NOVEMBRO DE 2010 Proposta

Leia mais

SATISFAÇÃO DO UTENTE E ATITUDES FACE AOS MÉDICOS E MEDICINA: UM ESTUDO PILOTO 1

SATISFAÇÃO DO UTENTE E ATITUDES FACE AOS MÉDICOS E MEDICINA: UM ESTUDO PILOTO 1 PSICOLOGIA, SAÚDE & DOENÇAS, 2001, 2 (2), 69-80 SATISFAÇÃO DO UTENTE E ATITUDES FACE AOS MÉDICOS E MEDICINA: UM ESTUDO PILOTO 1 Maria da Graça Pereira 2, Vera Araújo-Soares & Teresa McIntyre Universidade

Leia mais

Estudos Avançados em Atividade Física Relacionada à Saúde: Avaliação de programas de saúde pela proposta RE-AIM

Estudos Avançados em Atividade Física Relacionada à Saúde: Avaliação de programas de saúde pela proposta RE-AIM March 6, 2014 Estudos Avançados em Atividade Física Relacionada à Saúde: Avaliação de programas de saúde pela proposta RE-AIM Fabio Almeida, PhD, MSW (falmeida@vt.edu) Virginia Tech Translational Obesity

Leia mais

Paula Encarnação*, Clara Costa Oliveira**, Teresa Martins***

Paula Encarnação*, Clara Costa Oliveira**, Teresa Martins*** Paula Encarnação*, Clara Costa Oliveira**, Teresa Martins*** *Universidade do Minho, Escola de Enfermagem, Braga, Portugal, Instituto de Ciências Biomédicas de Abel Salazar (ICBAS), Porto, Portugal **Universidade

Leia mais

FICHA TÉCNICA AUTORIA DESIGN IMPRESSÃO TIRAGEM ISBN DEPÓSITO LEGAL EDIÇÃO. Relatório Síntese. Rita Espanha, Patrícia Ávila, Rita Veloso Mendes

FICHA TÉCNICA AUTORIA DESIGN IMPRESSÃO TIRAGEM ISBN DEPÓSITO LEGAL EDIÇÃO. Relatório Síntese. Rita Espanha, Patrícia Ávila, Rita Veloso Mendes Relatório Síntese FICHA TÉCNICA AUTORIA Rita Espanha, Patrícia Ávila, Rita Veloso Mendes DESIGN IP design gráfico, Lda. IMPRESSÃO Jorge Fernandes, Lda. TIRAGEM 200 exemplares ISBN 978-989-8807-27-4 DEPÓSITO

Leia mais

J O S É L U I Z T E L L E S E S C O L A N A C I O N A L D E S A Ú D E P Ú B L I C A F U N D A Ç Ã O O S W A L D O C R U Z

J O S É L U I Z T E L L E S E S C O L A N A C I O N A L D E S A Ú D E P Ú B L I C A F U N D A Ç Ã O O S W A L D O C R U Z J O S É L U I Z T E L L E S E S C O L A N A C I O N A L D E S A Ú D E P Ú B L I C A F U N D A Ç Ã O O S W A L D O C R U Z P Ó S - D O U T O R A N D O N A E N S P - UNL POPULACIONAL ENVELHECIMENTO INDIVIDUAL

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ 1 EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ Renise Bastos Farias Dias (UFAL) renisebastos@gmail.com RESUMO: Trata-se de uma pesquisa de campo, de análise quantitativa, realizada

Leia mais

C O M P E T Ê N C I A S A D E S E N V O L V E R :

C O M P E T Ê N C I A S A D E S E N V O L V E R : AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO DA SILVA CORREIA ANO LETIVO 2015-2016 CURSO PROFISSIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE DISCIPLINA: HIGIENE, SEGURANÇA E CUIDADOS GERAIS 11º ANO TURMA F DOCENTE:

Leia mais

silêncio impresso pela família. Os sentimentos são proibidos por serem muito doloridos e causarem muito incômodo. O medo e a vergonha dominam.

silêncio impresso pela família. Os sentimentos são proibidos por serem muito doloridos e causarem muito incômodo. O medo e a vergonha dominam. Introdução O objetivo deste trabalho é compreender a possível especificidade das famílias nas quais um ou mais de seus membros apresentam comportamento adictivo a drogas. Para isto analisaremos que tipos

Leia mais

HABILIDADE EMPÁTICA EM GRADUANDOS DE ENFERMAGEM: DIMENSÕES COGNITIVA E AFETIVA. Célia Caldeira Fonseca Kestenberg¹, Natalia André Barbosa Silva²

HABILIDADE EMPÁTICA EM GRADUANDOS DE ENFERMAGEM: DIMENSÕES COGNITIVA E AFETIVA. Célia Caldeira Fonseca Kestenberg¹, Natalia André Barbosa Silva² HABILIDADE EMPÁTICA EM GRADUANDOS DE ENFERMAGEM: DIMENSÕES COGNITIVA E AFETIVA Célia Caldeira Fonseca Kestenberg¹, Natalia André Barbosa Silva² INTRODUÇÃO A empatia é uma habilidade socialmente aprendida,

Leia mais

International Family Nursing Association (IFNA) DECLARAÇÃO DE POSIÇÃO SOBRE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO GENERALISTA NA PRÁTICA DE CUIDADOS À FAMÍLIA

International Family Nursing Association (IFNA) DECLARAÇÃO DE POSIÇÃO SOBRE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO GENERALISTA NA PRÁTICA DE CUIDADOS À FAMÍLIA International Family Nursing Association (IFNA) DECLARAÇÃO DE POSIÇÃO SOBRE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO GENERALISTA NA PRÁTICA DE CUIDADOS À FAMÍLIA 3 de Setembro de 2014 Aprovada pelo Conselho Diretivo

Leia mais

Papel do Enfermeiro de Saúde Familiar nos CSP. Pressupostos para a sua implementação

Papel do Enfermeiro de Saúde Familiar nos CSP. Pressupostos para a sua implementação Papel do Enfermeiro de Saúde Familiar nos CSP Pressupostos para a sua implementação Documento de trabalho - versão de 2012.09.30 Membros do Grupo Carlos Nunes; Cristina Correia; Cristina Ribeiro; Cristina

Leia mais

SATISFAÇÃO DO IDOSO NO PROGRAMA JOÃO PESSOA VIDA SAUDÁVEL

SATISFAÇÃO DO IDOSO NO PROGRAMA JOÃO PESSOA VIDA SAUDÁVEL SATISFAÇÃO DO IDOSO NO PROGRAMA JOÃO PESSOA VIDA SAUDÁVEL Priscilla Pinto Costa da Silva 1 Emília Amélia Pinto Costa da Silva 2 Luiz Arthur Cavalcanti Cabral 1 Eronaldo de Sousa Queiroz Junior 1 Nayrla

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA DA SAÚDE E CLÍNICA Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA DA SAÚDE E CLÍNICA Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA DA SAÚDE E CLÍNICA Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Psicologia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

O papel do psicólogo pediátrico

O papel do psicólogo pediátrico O papel do psicólogo pediátrico MARIA TERESA ANDRÉ FONSECA (*) 1. PSICOLOGIA PEDIÁTRICA Ao surgir o actual conceito de saúde vista como um processo global foi necessário abandonar o modelo biomédico tradicional

Leia mais

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil º Uma iniciativa: Com apoio: 1 Encontros do Observatório, 23 Maio 2014 1. Contextualização O Observatório de Luta contra a Pobreza na Cidade de Lisboa definiu como prioridade temática para 2014 a, problema

Leia mais

Políticas 2013. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão de Processos e Documentos. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão de Processos e Documentos

Políticas 2013. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão de Processos e Documentos. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão de Processos e Documentos Sistema de Gestão da Qualidade Políticas 2013 1 Índice 1. Enquadramento 2. Visão, Missão e Políticas 3. Posicionamento Estratégico 4. Políticas 5. Mapa de controlo das alterações efetuadas 2 1. Enquadramento

Leia mais

Renato Veras Diretor da UnATI/UERJ. É possível prevenir para chegar bem na 3ª Idade? : as ações de promoção e prevenção entre idosos.

Renato Veras Diretor da UnATI/UERJ. É possível prevenir para chegar bem na 3ª Idade? : as ações de promoção e prevenção entre idosos. Renato Veras Diretor da UnATI/UERJ É possível prevenir para chegar bem na 3ª Idade? : as ações de promoção e prevenção entre idosos. Renato P. Veras veras@uerj.br Médico, formado pela UFRJ. Residência

Leia mais

ORDEM DOS FARMACÊUTICOS - RESPOSTA A PEDIDO DE CREDITAÇÃO

ORDEM DOS FARMACÊUTICOS - RESPOSTA A PEDIDO DE CREDITAÇÃO Filipe Leonardo De: suporte@sensocomum.pt Enviado: sexta-feira, 16 de Novembro de 2012 17:40 Para: mguedes.silva@mjgs.pt ; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt Assunto:

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES 96 HORAS

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES 96 HORAS FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES 96 HORAS MÓDULOS HORAS FORMADOR 1 - FORMADOR: SISTEMA, CONTEXTOS E PERFIL 10H FRANCISCO SIMÕES 2 SIMULAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL 13H FILIPE FERNANDES 3 COMUNICAÇÃO

Leia mais

PROMOÇÃO DA SAÚDE NAS ESCOLAS

PROMOÇÃO DA SAÚDE NAS ESCOLAS PROMOÇÃO DA SAÚDE NAS ESCOLAS E s c o l a N a c i o n a l d e S a ú d e P ú b l i c a 7 / 1 2 / 2 0 1 2 A s s o c i a ç ã o P o r t u g u e s a p a r a a P r o m o ç ã o d a S a ú d e Saúde Escolar Palmela

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

UMA OFERTA FORMATIVA INOVADORA FORTE COMPONENTE DE TRABALHO DE CAMPO AULAS EM MÓDULOS SEMINÁRIOS TEMÁTICOS TUTORIAS

UMA OFERTA FORMATIVA INOVADORA FORTE COMPONENTE DE TRABALHO DE CAMPO AULAS EM MÓDULOS SEMINÁRIOS TEMÁTICOS TUTORIAS 4 www.estesl.ipl.pt UMA OFERTA FORMATIVA INOVADORA FORTE COMPONENTE DE TRABALHO DE CAMPO AULAS EM MÓDULOS SEMINÁRIOS TEMÁTICOS TUTORIAS PARCERIAS INSTITUCIONAIS PROJETO EM INTERVENÇÃO COMUNITÁRIA E CUIDADOS

Leia mais

EFEITOS IMEDIATOS DA ESCOLA DE POSTURAS DA UFPB NA DIMINUIÇAO DA DOR DE COLUNA, ESTRESSE E FADIGA

EFEITOS IMEDIATOS DA ESCOLA DE POSTURAS DA UFPB NA DIMINUIÇAO DA DOR DE COLUNA, ESTRESSE E FADIGA EFEITOS IMEDIATOS DA ESCOLA DE POSTURAS DA UFPB NA DIMINUIÇAO DA DOR DE COLUNA, ESTRESSE E FADIGA CARDIA, Maria Cláudia Gatto 1 ; LIMA, Junio Alves 2 ; NÓBREGA JR, José Carlos Nogueira 3 ; OLIVEIRA, Rayssa

Leia mais

Necessidades e preocupações em doentes oncológicos

Necessidades e preocupações em doentes oncológicos Necessidades e preocupações em doentes oncológicos CLÁUDIA NG DEEP (*) ISABEL LEAL (*) o despertar da comunidade científica para a doença oncológica assenta no facto desta problemática constituir uma das

Leia mais

PAF Programa de Acompanhamento Funcional

PAF Programa de Acompanhamento Funcional PAF Programa de Acompanhamento Funcional MINISTÉRIO PÚBLICO MILITAR Márcio de Moura Pereira Motivação do Projeto SITUAÇÃO PROBLEMA Necessidade de atender a demandas já existentes de servidores e membros

Leia mais

ENVELHECIMENTO, SUBJETIVIDADE E SAÚDE: EXPERIÊNCIAS DE INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA POR MEIO DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

ENVELHECIMENTO, SUBJETIVIDADE E SAÚDE: EXPERIÊNCIAS DE INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA POR MEIO DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA ENVELHECIMENTO, SUBJETIVIDADE E SAÚDE: EXPERIÊNCIAS DE INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA POR MEIO DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Hilma Khoury Psicóloga, Doutora em Psicologia, Professora na Universidade Federal do Pará

Leia mais

Metodologia Científica

Metodologia Científica Metodologia Científica Prof. William Costa Rodrigues FAETEC/IST Paracambi 2007 Metodologia Científica: Conceitos e Definições É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para

Leia mais

1. Problema Geral de Investigação

1. Problema Geral de Investigação O CONTRIBUTO DO DISTRESS, BURNOUT E BEM-ESTAR PARA O ABSENTISMO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO COM TRABALHADORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EM CONTEXTO UNIVERSITÁRIO Sónia Borges Índice 1. Enquadramento Geral da

Leia mais

Satisfação dos cuidadores de doentes de Alzheimer em relação à qualidade dos cuidados de saúde hospitalares (*)

Satisfação dos cuidadores de doentes de Alzheimer em relação à qualidade dos cuidados de saúde hospitalares (*) NOTAS DE INVESTIGAÇÃO Satisfação dos cuidadores de doentes de Alzheimer em relação à qualidade dos cuidados de saúde hospitalares (*) ANA MARGARIDA CAVALEIRO (**) JOSÉ A. CARVALHO TEIXEIRA (***) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

O modelo biomédico da medicina pode ser entendido partir do nível das respostas que dá às seguintes questões:

O modelo biomédico da medicina pode ser entendido partir do nível das respostas que dá às seguintes questões: Ogden, J.(1999). Psicologia da Saúde. Lisboa: Climepsi Editores, Capitulo 1. Capítulo 1. Uma Introdução a Psicologia da Saúde Antecedentes da Psicologia da Saúde O século XIX Foi no decorrer do século

Leia mais

Compromisso para IPSS Amigas do Envelhecimento Ativo CONFEDERAÇÃO NACIONAL INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE

Compromisso para IPSS Amigas do Envelhecimento Ativo CONFEDERAÇÃO NACIONAL INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE 2014 Compromisso para IPSS Amigas do Envelhecimento Ativo CONFEDERAÇÃO NACIONAL INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE MANIFESTO E COMPROMISSO DA CNIS IPSS AMIGAS DO ENVELHECIMENTO ATIVO As modificações significativas

Leia mais