Síndrome caracterizada por: Urgência miccional (principal sintoma) COM ou SEM incontinência, Também associada a: Polaciúria. Noctúria......

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Síndrome caracterizada por: Urgência miccional (principal sintoma) COM ou SEM incontinência, Também associada a: Polaciúria. Noctúria......"

Transcrição

1 27/06/16

2 Síndrome caracterizada por: Urgência miccional (principal sintoma) COM ou SEM incontinência, Também associada a: Polaciúria. Noctúria na ausência de causa infecciosa ou outra doença que cause sintomas similares.

3 Urgência: sintoma definido como necessidade de urinar, súbita e imperiosa, de difícil adiamento. (não necessariamente associada à incontinência). Portanto: é uma disfunção associada ao armazenamento de urina por contração involuntária do músculo detrusor da bexiga (hiperatividade).

4 Causas: Neurogênica. Idiopática. Assim: bexiga hiperativa é de diagnóstico clínico e hiperatividade detrusora (HD) é de diagnóstico urodinâmico. HD não é obrigatória para o Dx de bexiga hiperativa (em 40% dos casos de urgência não há contração involuntária do detrusor).

5 BH no mundo: milhões. Prevalência: 7-27% em homens. 9-43% em mulheres. Estudos contraditórios (em alguns há similaridade entre os gêneros). Estudo NOBLE EUA: 16% em homens. 16,9% em mulheres.

6 ... por anormalidades na sinalização aferente. Hipóteses: Neurogênica: lesões cerebrais (AVC, trauma raquimedular) causam supressão da atividade neurológica sobre o detrusor. Miogênica: por hipersensibilidade do detrusor à acetilcolina. Urotelial: alterações uroteliais que interferem no limiar de excitabilidade da contração vesical em reposta à distensão vesical. Fibras do tipo C: estímulo a essas fibras após lesões medulares.

7 CLÍNICO. Documentar sinais e sintomas que caracterizam a bexiga neurogênica e excluir outras causas que poderiam justificar a presença da síndrome. Itens fundamentais: Hx, EF e PU. Itens complementares: U, resíduo pós-miccional, diário miccional e questionário. Hx: sintomas de armazenamento e esvaziamento, caracterização da urgência, doenças neurológicas, déficits motores, DM, dor pélvica crônica, ITU de repetição, etc.

8 Avaliação urodinâmica (somente se falha do tratamento conservador e medicamentoso). Apresenta: HD, aumento da sensibilidade vesical e, eventualmente, OIV e hipocontratilidade detrusora. Ausência de HD não exclui o Dx. Cistoscopia (afastar neo vesical). US de aparelho urinário.

9 Doença sem efeitos na sobrevida. Portanto, cautela na escolha do tratamento para evitar efeitos adversos da terapia que possam causar mais desconforto do que alívio dos sintomas. 1ª linha: terapia comportamental, treinamento vesical e fisioterapia do assoalho pélvico. 2ª linha: antimuscarínicos. 3ªlinha: neuromodulação sacral central ou periférica, toxina botulínica, cirurgia.

10 Eficaz, não-invasiva, sem efeitos colaterais. Treinamento vesical, retardo das micções, fisioterapia do assoalho e técnicas de supressão de urgência. Também: exercícios de oclusão uretral, redução de cafeína, mudanças alimentares, redução de peso, MEV. Ex: tentativa de urinar antes de atingir o volume vesical que desencadeia o sintoma e aumentar progressivamente o intervalo. Melhora da incontinência em 50-80% Estudo: resultado comparável entre terapia comportamental e uso de medicamento.

11 Contração vesical é fenômeno parassimpático M2 e M3 os mais frequentes na bexiga. Possíveis efeitos colaterais: boca seca, constipação, secura ocular, visão turva, dispepsia, retenção urinária, taquicardia. A abundância de efeitos adversos justificam o antimuscarínico como 2ª linha. Opções: Oxibutinina, Tolterodina, Fesoterodina, Solifenacina. Opção somente para casos mais graves. Estudos não mostram melhora para urgência e noctúria.

12 Pode haver associação tríplice: antimuscarínico + ADT + alfa-bloq (não há evidências adequadas para a indicação). Cuidados: glaucoma de ângulo agudo, retenção urinária ou retardo de esvaziamento gástrico.

13 Se falha da 1ª e 2ª linha e/ou contra-indicação a elas. Neuromodulação sacral central: implantação cirúrgica de dispositivo no forame S3 para aplicação de estímulo elétrico em fibras sacrais aferentes sensitivas. Indicações: casos graves com: 5-11 episódios de incontinência por dia, uso de 4+ absorventes/dia e poliúria >13x/dia. Neuromodulação periférica: estimulação percutânea do nervo tibial posterior, no nível do maléolo medial.

14 Toxina Botulínica. Toxina tipo A injetada por cistoscopia em múltiplos pontos da parede vesical. Dose de UI (média de UI). Bloqueio da liberação da Acho na fenda sináptica, com relaxamento muscular. Efeito não é definitivo (3-6 meses). Complicações: ITU, retenção e hematúria macroscópica.

Bexiga Hiperativa: Diagnóstico e Tratamento. Marcelle Rodrigues Pereira R2 Orientadora: Dra. Rebecca Sotelo

Bexiga Hiperativa: Diagnóstico e Tratamento. Marcelle Rodrigues Pereira R2 Orientadora: Dra. Rebecca Sotelo Bexiga Hiperativa: Diagnóstico e Tratamento Marcelle Rodrigues Pereira R2 Orientadora: Dra. Rebecca Sotelo Diagnóstico Síndrome clínica que constitui-se por urgência, frequência e noctúria com ou sem incontinência

Leia mais

Bexiga hiperativa. Cássio. Riccetto Disciplina de Urologia - Unicamp

Bexiga hiperativa. Cássio. Riccetto Disciplina de Urologia - Unicamp Bexiga hiperativa Cássio Riccetto Disciplina de Urologia - Unicamp Caso Qual o clínico diagnóstico provável vel? Mulher, 65 anos, menopausa háh 15 anos sem TRH Há 12 anos: urgência, 10 micções/dia e 3/noite

Leia mais

Bexiga Neurogênica por TRM. Alfredo Felix Canalini

Bexiga Neurogênica por TRM. Alfredo Felix Canalini Bexiga Neurogênica por TRM Alfredo Felix Canalini TRM Mortalidade 1 a guerra 80% Morton (1901) Elsberg (1913) Ludwig Guttmann 1939 1944 (Trueta) 1948 Donald Munro (1947) 2 a guerra 45% Guerra da Coréia

Leia mais

Abordagem contemporânea da Bexiga hiperativa refratária

Abordagem contemporânea da Bexiga hiperativa refratária Abordagem contemporânea da Bexiga hiperativa refratária 43 anos, casada, gerente comercial Urgência miccional com perdas há 6 anos Intervalo entre as micções 1 hora Noctúria 3x/noite com perdas ao se levantar

Leia mais

Incontinência urinária Resumo de diretriz NHG M46 (setembro 2006)

Incontinência urinária Resumo de diretriz NHG M46 (setembro 2006) Incontinência urinária Resumo de diretriz NHG M46 (setembro 2006) Lagro-Janssen ALM, Breedveldt Boer HP, Van Dongen JJAM, Lemain TJJ, Teunissen D, Van Pinxteren B traduzido do original em holandês por

Leia mais

Incontinência de urgência Tratamento medicamentoso

Incontinência de urgência Tratamento medicamentoso Incontinência de urgência Tratamento medicamentoso Dr. Carlos A. R. Sacomani Departamento de Cirurgia Pélvica Núcleo de Urologia Setor de Urodinâmica e Disfunção Miccional Síndrome da bexiga hiperativa

Leia mais

Sessão Televoter Urologia. Incontinência Urinária na Mulher e no Homem

Sessão Televoter Urologia. Incontinência Urinária na Mulher e no Homem 25 de Outubro Sexta-Feira 2013 Norte Sessão Televoter Urologia Incontinência Urinária na Mulher e no Homem Tomé Lopes Palma dos Reis Principais tipos de incontinência urinária Tipo Incontinência por imperiosidade

Leia mais

Urologia Fundamental CAPÍTULO. Bexiga Hiperativa. Rogério Simonetti Alves

Urologia Fundamental CAPÍTULO. Bexiga Hiperativa. Rogério Simonetti Alves Urologia Fundamental CAPÍTULO 28 Bexiga Hiperativa Rogério Simonetti Alves UROLOGIA FUNDAMENTAL INTRODUÇÃO Em 2002, a Sociedade Internacional de Continência definiu que bexiga hiperativa (BH) é uma síndrome

Leia mais

ENURESE MAPA DE REVISÕES PROTOCOLO CLINICO. Destinatários. Data Palavras-Chave: ENURESE

ENURESE MAPA DE REVISÕES PROTOCOLO CLINICO. Destinatários. Data Palavras-Chave: ENURESE Palavras-Chave: Destinatários Médicos dos ACES da Unidade Coordenadora Funcional (UCF) de Leiria Elaboração Dr.ª Carla Loureiro, Dr.ª Carmen Costa, Dr.ª Teresa Rezende Aprovação Diretor do Serviço Dr.

Leia mais

BEXIGA HIPERATIVA. Atualidades no tratamento medicamentoso Carlos A Bezerra

BEXIGA HIPERATIVA. Atualidades no tratamento medicamentoso Carlos A Bezerra BEXIGA HIPERATIVA Atualidades no tratamento medicamentoso 2013 Carlos A Bezerra BEXIGA HIPERATIVA Definições BEXIGA HIPERATIVA ( Overactive bladder ) Sintomas urgência urge incontinência frequencia nocturia

Leia mais

TUTORIAL DE URO-NEUROLOGIA DISFUNÇÃO MICCIONAL NO IDOSO

TUTORIAL DE URO-NEUROLOGIA DISFUNÇÃO MICCIONAL NO IDOSO TUTORIAL DE URO-NEUROLOGIA DISFUNÇÃO MICCIONAL NO IDOSO Márcio Augusto Averbeck, MD, MSc Márcio Augusto Averbeck, MD Médico Urologista UFCSPA EAU Clinical Fellowship (Neurourology Unit Innsbruck/Austria)

Leia mais

TÍTULO: ELETROESTIMULAÇÃO DO NERVO TIBIAL POSTERIOR COMO TRATAMENTO DA BEXIGA NEUROGÊNICA NA ESCLEROSE MÚLTIPLA.

TÍTULO: ELETROESTIMULAÇÃO DO NERVO TIBIAL POSTERIOR COMO TRATAMENTO DA BEXIGA NEUROGÊNICA NA ESCLEROSE MÚLTIPLA. 16 TÍTULO: ELETROESTIMULAÇÃO DO NERVO TIBIAL POSTERIOR COMO TRATAMENTO DA BEXIGA NEUROGÊNICA NA ESCLEROSE MÚLTIPLA. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

OXIBUTININA (CLORIDRATO DE OXIBUTININA) E TOLTERODINA (TARTARATO DE TOLTERODINA): CRITÉRIOS DE UTILIZAÇÃO.

OXIBUTININA (CLORIDRATO DE OXIBUTININA) E TOLTERODINA (TARTARATO DE TOLTERODINA): CRITÉRIOS DE UTILIZAÇÃO. OXIBUTININA (CLORIDRATO DE OXIBUTININA) E TOLTERODINA (TARTARATO DE TOLTERODINA): CRITÉRIOS DE UTILIZAÇÃO. 1) Introdução O sistema geniturinário inferior funcionalmente consiste da bexiga (músculo detrusor

Leia mais

Anatomia e Fisiologia da Micção. José Carlos Truzzi Doutor em Urologia UNIFESP Chefe do Departamento de Uroneurologia da SBU

Anatomia e Fisiologia da Micção. José Carlos Truzzi Doutor em Urologia UNIFESP Chefe do Departamento de Uroneurologia da SBU Anatomia e Fisiologia da Micção José Carlos Truzzi Doutor em Urologia UNIFESP Chefe do Departamento de Uroneurologia da SBU Urotélio Epitélio do TUI (pelve bexiga) Camada basal Camada intermediária Camada

Leia mais

CURSO DE UROLOGIA PEDIÁTRICA. Associação Portuguesa de Urologia

CURSO DE UROLOGIA PEDIÁTRICA. Associação Portuguesa de Urologia CURSO DE UROLOGIA PEDIÁTRICA Associação Portuguesa de Urologia Nunca é demais lembrar Enurese Definição International Children s Continence Society 1997 Micção activa, completa e involuntária num momento

Leia mais

Nos primeiros lugares das dores de cabeça da Urologia

Nos primeiros lugares das dores de cabeça da Urologia N i i l d d d b d Nos primeiros lugares das dores de cabeça da Urologia Câncer de próstata :malignidade mais diagnosticada em homens Incontinência urinária afeta diretamente qualidade de vida Cirurgia:

Leia mais

Casos Clínicos Disfunção Miccional

Casos Clínicos Disfunção Miccional Casos Clínicos Disfunção Miccional Fabrício Leite de Carvalho Doutor em Urologia USP Prof. Adjunto Faculdade de Ciências Médicas de MG Hospital Universitário Ciências Médicas Belo Horizonte MG 1 Caso 1

Leia mais

Professor Adelmo Aires Negre

Professor Adelmo Aires Negre Professor Adelmo Aires Negre Apresentação Urologista pela Sociedade Brasileira de Urologia Membro da American Urological Association (AUA) Urologista no Hospital Geral Público de Palmas Urologista no Hospital

Leia mais

Síndrome da Bexiga Hiperativa

Síndrome da Bexiga Hiperativa Síndrome da Bexiga Hiperativa Miriam Dambros Livre Docente em Urologia Síndrome da Bexiga Hiperativa - conceito Síndrome caracterizada por urgência miccional (100%) associada ou não à incontinência (30%),

Leia mais

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências Sumário das Evidências e Recomendações sobre o Dispositivo de Neuroestimulação Sacral Contínua para Incontinência Urinária Porto Alegre, julho de 2015 Câmara

Leia mais

DIRETRIZES PARA DISFUNÇÃO NEUROGÊNICA DO TRATO URINÁRIO INFERIOR

DIRETRIZES PARA DISFUNÇÃO NEUROGÊNICA DO TRATO URINÁRIO INFERIOR DIRETRIZES PR DISFUNÇÃO NEUROGÊNIC DO TRTO URINÁRIO INFERIOR (Texto atualizado em Março de 2009) M. Stöhrer (presidente), B. Blok, D. Castro-Diaz, E. Chartier- Kastler, P. Denys, G. Kramer, J. Pannek,

Leia mais

informando o código F46E5C1F.5F9C2F3A.2DE5A864.

informando o código F46E5C1F.5F9C2F3A.2DE5A864. Nº 249912/2015 ASJCIV/SAJ/PGR Relator: Ministro Presidente Requerente: Estado da Bahia Requerido: Tribunal de Justiça do Estado da Bahia Interessada: Noelia Maria Nogueira Oliveira SUSPENSÃO DE TUTELA

Leia mais

I Data: 24/05/05. II Grupo de Estudo: III Tema: IV Especialidade(s) envolvida(s):

I Data: 24/05/05. II Grupo de Estudo: III Tema: IV Especialidade(s) envolvida(s): Parecer do Grupo Técnico de Auditoria em Saúde 016/05 Tema: Ultra-sonografia dinâmica de vias urinárias I Data: 24/05/05 II Grupo de Estudo: Silvana Márcia Bruschi Kelles Lélia Maria de Almeida Carvalho

Leia mais

URODINÂMICA Proteus Prof. Dra. Ana Paula Bogdan Disciplina de Urologia Faculdade de Medicina de SJRP FUNFARME

URODINÂMICA Proteus Prof. Dra. Ana Paula Bogdan Disciplina de Urologia Faculdade de Medicina de SJRP FUNFARME URODINÂMICA Proteus 2016 Prof. Dra. Ana Paula Bogdan Disciplina de Urologia Faculdade de Medicina de SJRP FUNFARME Good urodynamic practices: uroflowmetry, filling cystometry, and pressure-flow studies.

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto

Universidade de São Paulo Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Universidade de São Paulo Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Murilo Ferreira de Andrade Médico Assistente da Divisão de Urologia FMRP USP Mestrado em Clínica Cirúrgica (Urologia) pela FMRP - USP Membro

Leia mais

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO Trato urinário superior Rins Ureteres Professora: Juliana Peloi Vides Trato urinário inferior Bexiga Uretra FREQUENTES!!! Parênquima renal Pelve renal Ureteres Bexiga Uretra

Leia mais

AMANDA DE SOUZA MARTINS ESTIMULAÇÃO TRANSCUTÂNEA DO NERVO TIBIAL POSTERIOR NO TRATAMENTO DE INCONTINÊNCIA URINARIA FEMININA UMA REVISÃO DE LITERATURA

AMANDA DE SOUZA MARTINS ESTIMULAÇÃO TRANSCUTÂNEA DO NERVO TIBIAL POSTERIOR NO TRATAMENTO DE INCONTINÊNCIA URINARIA FEMININA UMA REVISÃO DE LITERATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA UEPB CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CCBS CURSO DE FISIOTERAPIA AMANDA DE SOUZA MARTINS ESTIMULAÇÃO TRANSCUTÂNEA DO NERVO TIBIAL POSTERIOR NO TRATAMENTO DE INCONTINÊNCIA

Leia mais

INCONTINÊNCIA URINÁRIA

INCONTINÊNCIA URINÁRIA INCONTINÊNCIA URINÁRIA O que é a incontinência urinária? A incontinência urinária (IU) é uma situação patológica que resulta da incapacidade em armazenar e controlar a saída da urina. É caraterizada por

Leia mais

Síndromes medulares. Amilton Antunes Barreira Departamento de Neurologia, Psiquiatria e Psicologia Médica FMRP - USP

Síndromes medulares. Amilton Antunes Barreira Departamento de Neurologia, Psiquiatria e Psicologia Médica FMRP - USP Síndromes medulares Amilton Antunes Barreira Departamento de Neurologia, Psiquiatria e Psicologia Médica FMRP - USP Transsecção completa da medula espinal *Interrupção dos tratos motores e sensitivos

Leia mais

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA TÍTULO: INFLUÊNCIA DA ELETROESTIMULAÇÃO PARASSACRAL E DO BIOFEEDBACK NA INCONTINÊNCIA URINÁRIA COMO SEQUELA DE UMA MIELITE TRANSVERSA AGUDA: ESTUDO DE CASO. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

Leia mais

Internato de Anestesiologia

Internato de Anestesiologia Internato de Anestesiologia Serviço de Anestesiologia do C.H.S. João, EPE Estágio opcional em Dor Crónica (Portaria nº 49/2011 de 26 de janeiro de 2011) O tratamento da dor crónica deve ser encarado como

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia ISSN

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia ISSN Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Fisioterapia 2011-2 ALTERAÇÕES DA BIOMECÂNICA TÓRACO-ABDOMINAL NO RN COM DISPLASIA BRONCO-PULMONAR

Leia mais

Ciclo Miccional Simplificado

Ciclo Miccional Simplificado Hipocontratilidade detrusora Dr. Cristiano M. Gomes Professor Livre Docente de Urologia FMUSP Setor de Disfunções Miccionais HCFMUSP Ciclo Miccional Simplificado Esvaziamento vesical contração adequada

Leia mais

Alterações Fisiológicas e Fisiopatológicas no Envelhecimento: Sistema Geniturinário. Profª Ms. Simone Alves Landim FASM 1 sem 2014

Alterações Fisiológicas e Fisiopatológicas no Envelhecimento: Sistema Geniturinário. Profª Ms. Simone Alves Landim FASM 1 sem 2014 Alterações Fisiológicas e Fisiopatológicas no Envelhecimento: Sistema Geniturinário Profª Ms. Simone Alves Landim FASM 1 sem 2014 Glomérulo Nos glomérulos, o sangue que chega aos rins (através da artéria

Leia mais

CUIDADOS COM CATETERES E SONDAS

CUIDADOS COM CATETERES E SONDAS FACULDADE UNIGRAN CAPITAL TECNÓLOGO EM RADIOLOGIA PRINCÍPIOS E TÉCNICAS DA ENFERMAGEM CUIDADOS COM CATETERES E SONDAS ACESSO VENOSO PERIFÉRICO Definido como acesso ao sistema venoso sistêmico por punção

Leia mais

Workshops 06 de abril de 2017

Workshops 06 de abril de 2017 Workshops 06 de abril de 2017 Workshop 1 Ultra-Sonografia em Assoalho Pélvico / Pelvic Floor US Workshop Coordenador: Dr. Arceu Scanavini Neto Dia e horário: 06 de abril de 2017 08h00 as 16h30 Carga horária:

Leia mais

DOSSIER INFORMATIVO Doenças da Próstata

DOSSIER INFORMATIVO Doenças da Próstata DOSSIER INFORMATIVO Doenças da Próstata 2013 O que é a próstata? A próstata é uma glândula do aparelho genital masculino localizada à frente do recto e logo abaixo da bexiga, órgão onde a urina está temporariamente

Leia mais

NORM.TEC.Nº003/2010/DIR (Normativa possui ANEXOS I e II) Maringá, 17 de março de 2010

NORM.TEC.Nº003/2010/DIR (Normativa possui ANEXOS I e II) Maringá, 17 de março de 2010 NORM.TEC.Nº003/2010/DIR (Normativa possui ANEXOS I e II) Maringá, 17 de março de 2010 Ref.: Protocolo para liberação de Toxina Botulínica. (De acordo com Portaria Nº 376 e 377 de 10 de novembro de 2009)

Leia mais

Manual de Orientações para o. Paciente Lesado Medular. Reeducação vesical. Cateterismo Feminino

Manual de Orientações para o. Paciente Lesado Medular. Reeducação vesical. Cateterismo Feminino Manual de Orientações para o Paciente Lesado Medular Reeducação vesical Cateterismo Feminino REEDUCAÇÃO VESICAL A Lesão Medular consiste em trauma ou doença, que altera a função da medula e produz como

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA ELETROESTIMULAÇÃO TRANSVAGINAL NO TRATAMENTO DA INCONTINÊNCIA URINÁRIA POR BEXIGA HIPERATIVA: ESTUDO DE CASO

UTILIZAÇÃO DA ELETROESTIMULAÇÃO TRANSVAGINAL NO TRATAMENTO DA INCONTINÊNCIA URINÁRIA POR BEXIGA HIPERATIVA: ESTUDO DE CASO UTILIZAÇÃO DA ELETROESTIMULAÇÃO TRANSVAGINAL NO TRATAMENTO DA INCONTINÊNCIA URINÁRIA POR BEXIGA HIPERATIVA: ESTUDO DE CASO Patrícia Lima Ventura 1, Marcela Soares Silva 2, Liana Rodrigues da Rocha 3 Regiane

Leia mais

DOR PROTOCOLO DO TRATAMENTO CLÍNICO PARA O NEUROLOGISTA. Laura Sousa Castro Peixoto

DOR PROTOCOLO DO TRATAMENTO CLÍNICO PARA O NEUROLOGISTA. Laura Sousa Castro Peixoto DOR PROTOCOLO DO TRATAMENTO CLÍNICO PARA O NEUROLOGISTA Laura Sousa Castro Peixoto DOR Dor é uma sensação ou experiência emocional desagradável, associada com dano tecidual real ou potencial. IASP Tratamento

Leia mais

INICIATIVA E REALIZAÇÃO PARCERIA

INICIATIVA E REALIZAÇÃO PARCERIA INICIATIVA E REALIZAÇÃO WWW.LADOALADOPELAVIDA.ORG.BR PARCERIA Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução total ou parcial desta cartilha, por qualquer meio ou sistema, sem prévia autorização dos

Leia mais

GUIA PRÁTICO PARA A BEXIGA HIPERATIVA

GUIA PRÁTICO PARA A BEXIGA HIPERATIVA GUIA PRÁTICO PARA A BEXIGA HIPERATIVA Com o apoio de: Saiba mais sobre incontinência urinária e bexiga hiperativa O que é a Bexiga Hiperativa? A bexiga hiperativa (BH) é um problema de saúde que afeta

Leia mais

Padronizar os métodos propedêuticos e terapêuticos (conservador, medicamentoso e cirúrgico) nas patologias urogenitais femininas.

Padronizar os métodos propedêuticos e terapêuticos (conservador, medicamentoso e cirúrgico) nas patologias urogenitais femininas. 293 Protocolo 014 INTRODUÇÃO / RACIONAL A incontinência urinária é uma patologia crônica cuja prevalência aumenta com a idade da mulher, sendo fator limitante da atividade diária com redução da qualidade

Leia mais

Oxibutinina. Eficaz na terapia da disfunção miccional.

Oxibutinina. Eficaz na terapia da disfunção miccional. Eficaz na terapia da disfunção miccional. Eficaz na Terapia da disfunção miccional. Introdução Aproximadamente uma em cada três pessoas de idade avançada tem problemas em controlar a sua bexiga; as mulheres

Leia mais

Acta Urológica. Urologia e Medicina Familiar. Incontinência Urinária Feminina. Francisco Botelho, Carlos Silva, Francisco Cruz

Acta Urológica. Urologia e Medicina Familiar. Incontinência Urinária Feminina. Francisco Botelho, Carlos Silva, Francisco Cruz Associação Portuguesa de Urologia Separata Volume 24 Número 1 2007 Acta Urológica Urologia e Medicina Familiar Incontinência Urinária Feminina Francisco Botelho, Carlos Silva, Francisco Cruz Director Editor

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO DE FISIOTERAPIA EM SAÚDE DA MULHER

ESPECIALIZAÇÃO DE FISIOTERAPIA EM SAÚDE DA MULHER INSTITUTO CENTRAL Hospital das Clínicas da Faculdade da Medicina da Universidade de São Paulo Av. Enéas de Carvalho Aguiar n.º 255 CEP 05403-900 São Paulo Brasil ANEXO 1 ESPECIALIZAÇÃO DE FISIOTERAPIA

Leia mais

PARÉSIA MONOMÉLICA COMPLICAÇÃO RARA E GRAVE

PARÉSIA MONOMÉLICA COMPLICAÇÃO RARA E GRAVE Reunião do Núcleo de Acessos Vasculares SPACV - 2014 Mª TERESA VIEIRA Cirurgia Vascular CHLN Isquémia distal complicação conhecida da cirurgia dos acessos Incidência varia de 1 a 6% Sintomas variam desde

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE MARCELA SOUZA BERQUÓ

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE MARCELA SOUZA BERQUÓ UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE MARCELA SOUZA BERQUÓ ESTUDO COMPARATIVO RANDOMIZADO DO TRATAMENTO DA BEXIGA HIPERATIVA COM ELETROESTIMULAÇÃO VAGINAL E ELETROESTIMULAÇÃO

Leia mais

O estado da arte da Radioterapia na abordagem de Tumores de Bexiga. Dr. Baltasar Melo Neto R3 - UNIFESP

O estado da arte da Radioterapia na abordagem de Tumores de Bexiga. Dr. Baltasar Melo Neto R3 - UNIFESP O estado da arte da Radioterapia na abordagem de Tumores de Bexiga Dr. Baltasar Melo Neto R3 - UNIFESP Introdução EUA (2014): 6º mais comum 75.000 casos novos; 15.600 mortes. Brasil (2014): 9940 casos

Leia mais

Urgency: Etiology, Related diseases/conditions and Management. Prof. Dr Rogério de Fraga Coordenador Ambulatório de Disfunções Miccionais CHC / UFPR

Urgency: Etiology, Related diseases/conditions and Management. Prof. Dr Rogério de Fraga Coordenador Ambulatório de Disfunções Miccionais CHC / UFPR Urgency: Etiology, Related diseases/conditions and Management Prof. Dr Rogério de Fraga Coordenador Ambulatório de Disfunções Miccionais CHC / UFPR Qual o tamanho do problema? Visão Leiga Urgência Urinária

Leia mais

Dr. Cristiano M. Gomes

Dr. Cristiano M. Gomes Myrbetric (Mirabegrona) O primeiro e único beta3 agonista para o tratamento da Bexiga Hiperativa: Uma nova classe terapêutica. Dr. Cristiano M. Gomes Professor Livre Docente de Urologia FMUSP Setor de

Leia mais

ESCLEROSE MÚLTIPLA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves

ESCLEROSE MÚLTIPLA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves ESCLEROSE MÚLTIPLA Prof. Fernando Ramos Gonçalves Unidade anatômica e funcional do SNC ESCLEROSE MÚLTIPLA Sinonímia: Esclerose em placas Esclerose insular Esclerose disseminada Conceito É uma doença crônica,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ONABOTULINUMTOXINA TIPO A NO TRATAMENTO DA BEXIGA HIPERATIVA ASSOCIADA AO HTLV-1 REFRATÁRIA À ANTICOLINÉRGICO ORAL

AVALIAÇÃO DA ONABOTULINUMTOXINA TIPO A NO TRATAMENTO DA BEXIGA HIPERATIVA ASSOCIADA AO HTLV-1 REFRATÁRIA À ANTICOLINÉRGICO ORAL Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina da Bahia Programa de Pós Graduação de Ciências da Saúde AVALIAÇÃO DA ONABOTULINUMTOXINA TIPO A NO TRATAMENTO DA BEXIGA HIPERATIVA ASSOCIADA AO HTLV-1

Leia mais

ELETROESTIMULAÇÃO TRANSCUTÂNEA DO NERVO TIBIAL NO TRATAMENTO DA INCONTINÊNCIA URINÁRIA DE URGÊNCIA EM IDOSAS: EFICÁCIA E SEGUIMENTO

ELETROESTIMULAÇÃO TRANSCUTÂNEA DO NERVO TIBIAL NO TRATAMENTO DA INCONTINÊNCIA URINÁRIA DE URGÊNCIA EM IDOSAS: EFICÁCIA E SEGUIMENTO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GERONTOLOGIA BIOMÉDICA LUCAS SCHREINER ELETROESTIMULAÇÃO TRANSCUTÂNEA DO NERVO TIBIAL NO TRATAMENTO DA INCONTINÊNCIA URINÁRIA

Leia mais

A INCONTINÊNCIA URINÁRIA DURANTE A PRÁTICA DE EXERCÍCIOS

A INCONTINÊNCIA URINÁRIA DURANTE A PRÁTICA DE EXERCÍCIOS A INCONTINÊNCIA URINÁRIA DURANTE A PRÁTICA DE EXERCÍCIOS INTRODUÇÃO KETTELIN KEITY SANTANA ANA CARLA OSÓRIO Faculdade Assis Gurgacz FAG Cascavel - Brasil kettelinkeity@hotmail.com De acordo com a definição

Leia mais

REFERENCIAL DE FISIOTERAPIA - ATUALIZADA 01/01/2017 Adequado à terminologia Unificada da Saúde Suplementar TUSS do Padrão TISS, regulamentado pela ANS

REFERENCIAL DE FISIOTERAPIA - ATUALIZADA 01/01/2017 Adequado à terminologia Unificada da Saúde Suplementar TUSS do Padrão TISS, regulamentado pela ANS REFERENCIAL DE FISIOTERAPIA - ATUALIZADA 01/01/2017 Adequado à terminologia Unificada da Saúde Suplementar TUSS do Padrão TISS, regulamentado pela ANS Código Procedimento Autorização Prévia Valor 2.01.03.00-0

Leia mais

VESICARE (succinato de solifenacina) Astellas Farma Brasil Importação e Distribuição de Medicamentos Ltda Comprimidos 5mg e 10mg PACIENTE

VESICARE (succinato de solifenacina) Astellas Farma Brasil Importação e Distribuição de Medicamentos Ltda Comprimidos 5mg e 10mg PACIENTE VESICARE (succinato de solifenacina) Astellas Farma Brasil Importação e Distribuição de Medicamentos Ltda Comprimidos 5mg e 10mg PACIENTE IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO VESICARE (succinato de solifenacina)

Leia mais

Sintomas do trato urinário inferior em homens Resumo de diretriz NHG M42 (Março 2013)

Sintomas do trato urinário inferior em homens Resumo de diretriz NHG M42 (Março 2013) Sintomas do trato urinário inferior em homens Resumo de diretriz NHG M42 (Março 2013) Blanker MH, Breed SA, van der Heide WK, Norg RJC, de Vries A, Wolters RJ, van den Donk M, Burgers JS, Opstelten W,

Leia mais

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ CENTRO DE PESQUISAS GONÇALO MONIZ CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA EM SAÚDE E MEDICINA INVESTIGATIVA

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ CENTRO DE PESQUISAS GONÇALO MONIZ CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA EM SAÚDE E MEDICINA INVESTIGATIVA FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ CENTRO DE PESQUISAS GONÇALO MONIZ FIOCRUZ CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA EM SAÚDE E MEDICINA INVESTIGATIVA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO PREVALÊNCIA E GRAU DE DESCONFORTO DE BEXIGA

Leia mais

Sistemas e Serviços de Saúde Plano Nacional de Saúde, Dados Isabel de Souza 2. Isabel de Souza 09 às 13

Sistemas e Serviços de Saúde Plano Nacional de Saúde, Dados Isabel de Souza 2. Isabel de Souza 09 às 13 Posgraduação em Fisioterapia na Saúde da mulher_015 Ano 015 Inicio 16 de janeiro Fim 8 de novembro Mês Dias Introdução e Temas Complementar es à Saúde da Mulher : Sistemas de saúde, Gestão e marketing

Leia mais

4. O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

4. O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO? I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO AKINETON cloridrato de biperideno APRESENTAÇÕES AKINETON (cloridrato de biperideno) 2 mg comprimido: embalagem com 80 comprimidos. VIA ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA

Leia mais

Ana Luisa Monteiro Fisioterapeuta, Prática Privada

Ana Luisa Monteiro Fisioterapeuta, Prática Privada 1 Ana Luisa Monteiro (mailto:monteiro.analuisa@gmail.com) Fisioterapeuta, Prática Privada Elisabete Nave Leal (mailto:elisabete.nave.leal@estesl.ipl.pt) Docente Escola Superior de Tecnologia da Saúde de

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 184/2014

RESPOSTA RÁPIDA 184/2014 RESPOSTA RÁPIDA 184/2014 OXIBUTININA, BACLOFENO, COLAGENASE COM CLORAFENICOL (POMADA), COLÇHÃO CAIXA DE OVO OU COLCHÃO DE AR E BÓIA DE AR SOLICITANTE Drª. Juliana Mendes Pedrosa, Juíza de Direito NÚMERO

Leia mais

Seminário Grandes Síndromes

Seminário Grandes Síndromes Seminário Grandes Síndromes TEMA: DISPEPSIA Residente: Paloma Porto Preceptor: Dr. Fortunato Cardoso DEFINIÇÃO De acordo com os critérios de Roma III, dispepsia é definida por 1 ou mais dos seguintes sintomas:

Leia mais

Ureter, Bexiga e Uretra

Ureter, Bexiga e Uretra Ureter, Bexiga e Uretra 1 Ureter, Bexiga e Uretra 2 URETER 3 Estrutura do Ureter Tubo muscular que conecta o rim à bexiga Porção superior (abdominal) e inferior (pélvica) 4 Trajeto do Ureter Ao nível do

Leia mais

APNUG ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE NEUROUROLOGIA E UROGINECOLOGIA IATROGENIAS ÉTICA E JURISPRUDÊNCIA SEQUELAS SOCIAIS E SEXUAIS INTERAÇÕES PSÍQUICAS

APNUG ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE NEUROUROLOGIA E UROGINECOLOGIA IATROGENIAS ÉTICA E JURISPRUDÊNCIA SEQUELAS SOCIAIS E SEXUAIS INTERAÇÕES PSÍQUICAS XI CONGRESSO APNUG ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE NEUROUROLOGIA E UROGINECOLOGIA 03 e 04. MARÇO. 2017 SHERATON PORTO HOTEL INCONTINÊNCIAS E PAVIMENTO PÉLVICO COMPLICAÇÕES IATROGENIAS ÉTICA E JURISPRUDÊNCIA SEQUELAS

Leia mais

CICLOMIDRIN BULA PARA O PACIENTE LATINOFARMA INDÚSTRIAS FARMACÊUTICAS LTDA. Solução Oftálmica Estéril. tropicamida 10 mg/ml

CICLOMIDRIN BULA PARA O PACIENTE LATINOFARMA INDÚSTRIAS FARMACÊUTICAS LTDA. Solução Oftálmica Estéril. tropicamida 10 mg/ml CICLOMIDRIN LATINOFARMA INDÚSTRIAS FARMACÊUTICAS LTDA. Solução Oftálmica Estéril tropicamida 10 mg/ml BULA PARA O PACIENTE COLÍRIO CICLOMIDRIN tropicamida 1% MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO

Leia mais

BEXIGA HIPERATIVA E TOXINA BOTULÍNICA- BOTOX

BEXIGA HIPERATIVA E TOXINA BOTULÍNICA- BOTOX BEXIGA HIPERATIVA E TOXINA BOTULÍNICA- BOTOX 1 - O que é bexiga hiperativa? Bexiga hiperativa é um conjunto de sinais e sintomas, o que caracteriza uma síndrome. O principal componente é a urgência miccional,

Leia mais

Sistema Renal. Profa Msc Melissa Kayser

Sistema Renal. Profa Msc Melissa Kayser Sistema Renal Profa Msc Melissa Kayser Componentes anatômicos Rins Ureteres Bexiga urinária Uretra O sangue é filtrado nos rins, onde os resíduos são coletados em forma de urina, que flui para pelve renal,

Leia mais

Avaliação Urodinâmica

Avaliação Urodinâmica Avaliação Urodinâmica Redigido por Dra. Miriam Dambros Objetivo: Possibilitar ao aluno o aprendizado dos conhecimentos básicos do estudo urodinâmico, dando condições ao mesmo de compreender e interpretar

Leia mais

DRA. DOLORES GONZALEZ FABRA

DRA. DOLORES GONZALEZ FABRA DRA. DOLORES GONZALEZ FABRA MÉDICA RESPONSÁVEL PELA DERMATOCOSMIATRIA DA FACULDADE DE MEDICINA DO ABC. SERVIÇO DO PROF. LUIZ HENRIQUE C. PASCHOAL Musculatura de Expressão Facial x Toxina Botulínica Dra

Leia mais

APRESENTAÇÕES Comprimidos de liberação prolongada com 7,5 mg ou 15 mg. Caixas com 14 ou 28 comprimidos.

APRESENTAÇÕES Comprimidos de liberação prolongada com 7,5 mg ou 15 mg. Caixas com 14 ou 28 comprimidos. ENABLEX bromidrato de darifenacina APRESENTAÇÕES Comprimidos de liberação prolongada com 7,5 mg ou 15 mg. Caixas com 14 ou 28 comprimidos. VIA ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido de 7,5 mg contém:

Leia mais

E FISIOTERAPIA EM UROPEDIATRIA CURSO TEÓRICO-PRÁTICO MINISTRANTE

E FISIOTERAPIA EM UROPEDIATRIA CURSO TEÓRICO-PRÁTICO MINISTRANTE RADIOFREQUÊNCIA NAS DISFUNÇÕES UROGENITAIS E FISIOTERAPIA EM UROPEDIATRIA CURSO TEÓRICO-PRÁTICO DATA 01 A 04 DE NOVEMBRO DE 2014 BELO HORIZONTE- MG MINISTRANTE Dra. Patrícia Lordêlo Especialista em Metodologia

Leia mais

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA 16 TÍTULO: PROPOSTA DE PROTOCOLO FISIOTERAPÊUTICO E SUA INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA E NOS SINTOMAS URINÁRIOS DE MENINAS COM DISFUNÇÃO DO TRATO URINÁRIO INFERIOR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

Defeitos osteoarticulares

Defeitos osteoarticulares Osteoartrite Descrição Osteoartrite ou doença articular degenerativa ( artrose ) caracteriza-se pela perda progressiva da cartilagem articular e alterações reacionais no osso subcondral e margens articulares,

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM NOITE - BH SEMESTRE: 2 ANO: 2012 C/H: 60 PLANO DE ENSINO

CURSO: ENFERMAGEM NOITE - BH SEMESTRE: 2 ANO: 2012 C/H: 60 PLANO DE ENSINO CURSO: ENFERMAGEM NOITE - BH SEMESTRE: 2 ANO: 2012 C/H: 60 DISCIPLINA: ENFERMAGEM NA SAUDE DO ADULTO I PLANO DE ENSINO OBJETIVOS: Estudar o estado de doença do indivíduo em sua fase adulta. Intervir adequadamente

Leia mais

Aula Prática administrada aos alunos do 4º e 5º períodos do curso de graduação em medicina no Ambulatório de Ginecologia do UH-UMI.

Aula Prática administrada aos alunos do 4º e 5º períodos do curso de graduação em medicina no Ambulatório de Ginecologia do UH-UMI. 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE MEDICINA III CURSO DE MEDICINA Prof. Antonio Augusto Pereira Martins Especialista em Docência do Ensino Superior

Leia mais

Espinha Bífida. Dr. Fábio Agertt

Espinha Bífida. Dr. Fábio Agertt Espinha Bífida Dr. Fábio Agertt Neurônio Motor Superior/Inferior Espinha Bífida Defeito de fechamento do tubo neural; Variedade de apresentações e gravidade; As características podem ser diagnosticadas

Leia mais

ALINE TEIXEIRA ALVES RESPOSTA MOTORA E SENSITIVA APÓS ESTIMULAÇÃO EM NERVO TIBIAL POSTERIOR EM IDOSAS COM SÍNDROME DA BEXIGA HIPERATIVA

ALINE TEIXEIRA ALVES RESPOSTA MOTORA E SENSITIVA APÓS ESTIMULAÇÃO EM NERVO TIBIAL POSTERIOR EM IDOSAS COM SÍNDROME DA BEXIGA HIPERATIVA ALINE TEIXEIRA ALVES RESPOSTA MOTORA E SENSITIVA APÓS ESTIMULAÇÃO EM NERVO TIBIAL POSTERIOR EM IDOSAS COM SÍNDROME DA BEXIGA HIPERATIVA BRASÍLIA, 2014 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA

Leia mais

Profa. Cláudia Herrera Tambeli

Profa. Cláudia Herrera Tambeli Profa. Cláudia Herrera Tambeli Tipos de Músculos Estriado Liso Cardíaco Involuntário Esquelético Voluntário Involuntário Funções do músculo esquelético Relação Movimento/Força O músculo se contrai e encurta.

Leia mais

ODONTOLOGIA PREVENTIVA. Saúde Bucal. Dores na mandíbula e na face.

ODONTOLOGIA PREVENTIVA. Saúde Bucal. Dores na mandíbula e na face. ODONTOLOGIA PREVENTIVA Saúde Bucal Dores na mandíbula e na face. O que é ATM? ATM significa articulação temporomandibular, que é a articulação entre a mandíbula e o crânio. Portanto, temos duas ATM, cada

Leia mais

Eletroestimulação Parassacral Transcutânea versus Oxibutinina no Tratamento da Bexiga Hiperativa em Crianças. Um Ensaio Clínico Randomizado

Eletroestimulação Parassacral Transcutânea versus Oxibutinina no Tratamento da Bexiga Hiperativa em Crianças. Um Ensaio Clínico Randomizado Programa de Pós-Graduação em Medicina e Saúde Humana Eletroestimulação Parassacral Transcutânea versus Oxibutinina no Tratamento da Bexiga Hiperativa em Crianças. Um Ensaio Clínico Randomizado Dissertação

Leia mais

ANEXO I TABELA DE AVALIAÇÃO DE SINTOMAS DE BOYARSKY MODIFICADA

ANEXO I TABELA DE AVALIAÇÃO DE SINTOMAS DE BOYARSKY MODIFICADA ANEXO I TABELA DE AVALIAÇÃO DE SINTOMAS DE BOYARSKY MODIFICADA TABELA DE AVALIAÇÃO DE SINTOMAS DE BOYARSKY MODIFICADA. 1- HESITAÇÃO (OBSTRUTIVO) 0 Ocasional (ocorre em 20% ou menos das tentativas de urinar).

Leia mais

Emergências Clínicas

Emergências Clínicas 1 Emergências Clínicas 2 OBJETIVOS: -Descrever as Emergências clínicas mais comuns no ambiente préhospitalar. -Orientar as condutas frente às emergências clinicas discutidas; 3 Emergências Clinicas Estado

Leia mais

GABARITO DO CANDIDATO - RASCUNHO

GABARITO DO CANDIDATO - RASCUNHO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO EMPRESA BRASILEIRA DE SERVIÇOS HOSPITALARES HUB - HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA CONCURSO PÚBLICO - EDITAL Nº 03 EBSERH - ÁREA ASSISTENCIAL FISIOTERAPEUTA - UROGINECOLOGIA -

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde: Ginecologia e Obstetrícia

Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde: Ginecologia e Obstetrícia Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Medicina Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde: Ginecologia e Obstetrícia Avaliação urodinâmica ambulatorial em mulheres com sintoma de urgência

Leia mais

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União Nota Técnica N 90 /2012 Brasília, maio de 2012. Princípio Ativo: oxibutinina. Nomes Comerciais 1 : Incontinol, Frenurin, Retemic, Retemic Ud. Medicamento de Referência: Retemic, Retemic Ud. Medicamentos

Leia mais

DISFUNÇÃO DO TRATO URINÁRIO INFERIOR NA INFÂNCIA: FOCO NA HIPERATIVIDADE VESICAL

DISFUNÇÃO DO TRATO URINÁRIO INFERIOR NA INFÂNCIA: FOCO NA HIPERATIVIDADE VESICAL DISFUNÇÃO DO TRATO URINÁRIO INFERIOR NA INFÂNCIA: FOCO NA HIPERATIVIDADE VESICAL Patrícia Lordelo 1, Alcina Teles 2 Autora para correspondência: Patrícia Lordelo - pvslordelo@hotmail.com 1 Fisioterapeuta.

Leia mais

aprendendo por imagem

aprendendo por imagem aprendendo por imagem Convivendo com a Incontinência Urinária Dr. Juliano Moro, Dr. Osamu Ikari Disciplina de Urologia, FCM UNICAMP Paciente de 56 anos, do sexo feminina com incontinência urinária desde

Leia mais

Sylvia Cavalcanti. Dispareunia e vaginismo:qual a diferença e como fazer este diagnóstico?

Sylvia Cavalcanti. Dispareunia e vaginismo:qual a diferença e como fazer este diagnóstico? Sylvia Cavalcanti Dispareunia e vaginismo:qual a diferença e como fazer este diagnóstico? PRINCÍPIOS DA ESPÉCIE HUMANA ROGER X BUSCA DO PRAZER FUGA DA DOR Disfunções sexuais Disfunção do desejo Estímulo

Leia mais

I MÓDULO Grandes Síndromes Clínicas: Sinais e Sintomas 6 Semanas: 1ª a 6ª semana SEMANA DIA HORÁRIO PROF. SALA CONTEÚDO

I MÓDULO Grandes Síndromes Clínicas: Sinais e Sintomas 6 Semanas: 1ª a 6ª semana SEMANA DIA HORÁRIO PROF. SALA CONTEÚDO Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE 4º PERÍODO Semana Unidades Curriculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 Módulo

Leia mais

Epilepsia.! Causas prováveis:! infarto cerebral! tumor! infecção! trauma! doença degenerativa

Epilepsia.! Causas prováveis:! infarto cerebral! tumor! infecção! trauma! doença degenerativa Anticonvulsivantes Epilepsia! Transtorno neurológico crônico que atinge 0,5 1% da população.! Caracterizada por crises súbitas e espontâneas associadas à descarga anormal, excessiva e transitória de células

Leia mais

Alterações no Trato Urinário

Alterações no Trato Urinário Alterações no Trato Urinário PPCSA Profª Daniele C D Zimon Profª Adriana Cecel Guedes Aparelho Urinário Rim Infecções do Trato Urinário As infecções do trato urinário (ITUs) são causadas por micoorganismos

Leia mais

- Descrito na década de 70, mas com aumento constante na incidência desde os anos 90

- Descrito na década de 70, mas com aumento constante na incidência desde os anos 90 INTRODUÇÃO - Descrito na década de 70, mas com aumento constante na incidência desde os anos 90 - Caracterizada pela infiltração de eosinófilos na mucosa esofágica - Pode ser isolada ou como manifestação

Leia mais

Professor livre-docente da Disciplina de Ginecologia da FMUSP São Paulo (SP), Brasil 4

Professor livre-docente da Disciplina de Ginecologia da FMUSP São Paulo (SP), Brasil 4 REVISÃO Aspectos atuais no tratamento da bexiga hiperativa Overactive bladder treatment: up to date Jeane Marie Peter 1 Homero G. C. Guidi 2 Ricardo Muniz Ribeiro 3 Edmund Chada Baracat 4 Jorge Milhem

Leia mais

ENSINANDO MULHERES A FORTALECER A MUSCULATURA PERINEAL: ESTUDO DA EFETIVIDADE DO USO DE AUTOMONITORAMENTO NA PRÁTICA DE EXERCÍCIOS

ENSINANDO MULHERES A FORTALECER A MUSCULATURA PERINEAL: ESTUDO DA EFETIVIDADE DO USO DE AUTOMONITORAMENTO NA PRÁTICA DE EXERCÍCIOS ENSINANDO MULHERES A FORTALECER A MUSCULATURA PERINEAL: ESTUDO DA EFETIVIDADE DO USO DE AUTOMONITORAMENTO NA PRÁTICA DE EXERCÍCIOS Enf. Msc. ET Aline Fernanda Negri Enf. Dra. ET Gisele Regina de Azevedo

Leia mais

Prostatic Stromal Neoplasms: Differential Diagnosis of Cystic and Solid Prostatic and Periprostatic Masses

Prostatic Stromal Neoplasms: Differential Diagnosis of Cystic and Solid Prostatic and Periprostatic Masses Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Departamento de Diagnóstico por Imagem Setor Abdome Prostatic Stromal Neoplasms: Differential Diagnosis of Cystic and Solid Prostatic and Periprostatic

Leia mais

PORTUGUES DE UROSEXOPATIA NEUROGENIA PROGRAMA CIENTÍFICO HOTEL TRYP LISBOA AEROPORTO DE NOVEMBRO DE 2014

PORTUGUES DE UROSEXOPATIA NEUROGENIA PROGRAMA CIENTÍFICO HOTEL TRYP LISBOA AEROPORTO DE NOVEMBRO DE 2014 PORTUGUES DE UROSEXOPATIA 2.ºCONGRESSO NEUROGENIA HOTEL TRYP LISBOA AEROPORTO 21 22 DE NOVEMBRO DE 2014 PROGRAMA CIENTÍFICO ORGANIZAÇÃO PRESIDENTES DO CONGRESSO A. Pepe Cardoso (SPA) Luís Abranches Monteiro

Leia mais

LUÍS FELIPE ORSI GAMEIRO

LUÍS FELIPE ORSI GAMEIRO LUÍS FELIPE ORSI GAMEIRO ESTIMULAÇÃO ELÉTRICA COM ELETRODOS NÃO IMPLANTÁVEIS NO TRATAMENTO DA BEXIGA HIPERATIVA EM ADULTOS: REVISÃO SISTEMÁTICA DE ENSAIOS CLINICOS RANDOMIZADOS BOTUCATU SP 2014 LUÍS FELIPE

Leia mais