DO DOMÍNIO DA INFORMAÇÃO A CONSTRUÇÃO COLETIVA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DO DOMÍNIO DA INFORMAÇÃO A CONSTRUÇÃO COLETIVA."

Transcrição

1 Resumo: DO DOMÍNIO DA INFORMAÇÃO A CONSTRUÇÃO COLETIVA. Janaína Leonardo Garcia, profª. de Marketing Fac-Senac-DF. Diferentes autores vêm pesquisando a comunicação no decorrer do último século, são diversas teorias que trazem a tona pontos de vistas diferentes para evidenciar a relevância da comunicação. Um elo comum entre as teorias é o estudo de sua prática. O presente artigo objetiva realizar um apanhado de algumas teorias da comunicação, buscando pontos convergentes e divergentes de suas perspectivas, além de trazer a discussão de como a comunicação atual, mediada pela cibercultura, vem absorvendo os conceitos mais antigos. Para realizar esta análise, o presente estudo pretende realizar uma análise de um vídeo postado em uma rede social, o YouTube. Palavras chave: Teorias da comunicação. Cibercultura. Novas mídias. Abstract: Different authors have been researching the communication during the last century, are several theories that bring out different viewpoints to show the relevance of communication. A common link between the theories is the study of their practice. This article aims to achieve an overview of some theories of communication, emphasizing similarities and the differences in their perspectives, and bring the discussion of how current communication, mediated by cyberspace, has incorporated the earliest concepts. In this analysis, this study intends to conduct an analysis of a video posted on a social network, YouTube. Key Words: Communication theories. Cyberculture. New media 1. INTRODUÇÃO: O avanço das novas tecnologias de informação e comunicação cria novos modelos de construção coletiva, baseados principalmente na idéia de redes sociais. Este fator abre espaço para a discussão sobre as transformações que as teorias da comunicação veem passando no decorrer do tempo. O objetivo primordial deste estudo é criar um diálogo entre as teorias: Crítica, Estudos Culturais e a mais recente Cibercultura, levando em conta

2 seus pontos semelhantes e destoantes para a construção de uma análise da evolução destas vertentes teóricas do estudo da Comunicação. Em um primeiro momento será realizada uma reflexão sobre os pontos contrastantes das teorias e, em seguida, será demonstrado um retrato da comunicação atual, focada em uma rede social, o Youtube. O presente estudo pretende realizar uma análise de uma rede social YouTube e realizar uma revisão bibliográfica para comparação das idéias propostas primeiramente pela Teoria Crítica, após pelos Cultural Studies e contrapondo-os aos conceitos modernos da Cibercultura. 2. ESTUDOS SOBRE COMUNICAÇÃO: Quando pensamos em pesquisas sobre comunicação, não podemos deixar de citar a Escola de Frankfurt, na qual vários cientistas sociais alemães, tais como Theodor Adorno, Max Horkheimer, Hebert Marcuse, entre outros, começaram a realizar uma análise crítica da ciência e da cultura. É importante levarmos em conta que os pioneiros do estudo nos anos 1930, não faziam parte dos estudos exclusivamente de comunicação, eram sim pensadores de diversos campos do conhecimento. Segundo Rüdiguer, buscavam elaborar uma ampla teoria crítica da sociedade. (2008, p.132) Os frankfurtianos estudavam à luz de Marx, Freud e Nietzsche e baseavam suas teorias nas novas realidades originadas com o desenvolvimento do capitalismo no século passado, além de levar em conta também o tema do Iluminismo. Wolf acrescenta ainda sobre a Escola de Frankfurt: Denunciando a separação e a oposição do indivíduo em relação a sociedade como resultante histórica da divisão de classes, a teoria crítica confirma sua tendência para a crítica dialética da economia política. (1995, p.74) Na primeira fase desta teoria surgira o importante conceito da Indústria Cultural. A qual era justificada da seguinte forma, conforme Wolf: O

3 mercado de massas impõe estandardização e organização; os gostos do público e suas necessidades impõem estereótipos e baixa qualidade. (1995, p.75) Conforme Rüdiguer: Nas sociedades capitalistas avançadas, defenderam, a população é mobilizada a se engajar nas tarefas necessárias à manutenção do sistema econômico e social através do consumo estético massificado, articulado pela indústria cultural. As tendências à crise sistêmica e deserção individual são combatidas, entre outros meios, através da exploração mercantil da cultura e dos processos de formação da consciência. (2008, p.133) Assim, depreende-se que conforme a Teoria Crítica, a comunicação estaria muito próxima a ordem social dominante, representando as formas de dominação desta categoria. Wolf acrescenta: o indivíduo deixa de decidir autonomamente; o conflito entre impulsos e consciência soluciona-se com a adesão a crítica aos valores impostos. (1995, p.76) Segundo Adorno e Horkheimer em Lima: A racionalidade técnica hoje é a racionalidade do próprio domínio, é o caráter repressivo da sociedade que se auto-aliena. (2000, p.170) Outro ponto relevante da Teoria Crítica é o que diz respeito à obra de arte na era da técnica. Segundo Rüdiguer: Os pesquisadores manifestaram repúdio pela idéia de cultura burguesa e simpatia pelas novas formas de arte tecnológicas. Começava uma nova visão acerca do cinema, rádio e artes gráficas, onde o capitalismo auxiliava na democratização da cultura, à medida que tornava os bens culturais objeto de produção industrial. (2008, p.135) Freitas acrescenta ainda: A obra de arte, alienada de uma realidade material de exploração, assume uma função alienante na medida em que faz com que os homens se ajustem e se adequem as formas desumanas de organização da sociedade, remetendo para o futuro de seus desejos de felicidade e realização. (1986, p.69)

4 Assim, percebe-se, segundo a ótica crítica, que os mass media utilizavam-se da produção cultural como forma de prometer uma felicidade utópica e alienante aos receptores. Lima explica: A relação da arte dependia da instauração de três elementos: aura, valor cultural e autenticidade (2000, p.217). Gerando desta forma, a interpretação de que a arte teria maior valor cultural, caso fosse percebidida como autêntica e sem a capacidade de múltiplas reproduções. Nas palavras de Adorno e Horkheimer em Lima: Filme e rádio não tem mais necessidade de serem empacotados como arte. A verdade, cujo nome real é negócio, serve-lhes de ideologia. (2000, p.170) Para Kelnner: Os produtos da indústria cultural apresentavam as mesmas características dos produtos fabricados em massa: transformação em mercadoria, padronização e massificação. (2001, p. 44) A Teoria Crítica vem sendo contestada por outras teorias mais recentes. Quando falamos nos estudos culturais 1, percebemos que uma grande diferença entre as duas linhas é que os estudos culturais não vêem mais o receptor como amorfo, sem a capacidade de escolher ou questionar determinada produção cultural ou mensagem de qualquer meio. Os estudos culturais britânicos surgiram nos anos 1960 com uma perspectiva a partir da multidisciplinariedade. Conforme Kelnner: Os estudos culturais britânicos situam a cultura no âmbito de uma teoria da produção e reprodução social, especificando os modos como as formas culturais serviam para aumentar a dominação social ou para possibilitar a resistência e a luta contra a dominação. (2001, p. 47) Os estudos culturais trouxeram uma nova ótica para os estudos da comunicação e na forma de observar o mundo. Para Kelnner: Na conjuntura 1 Teoria Culturológica, também chamada de Cultural Studies ou Estudos Culturais serão os nomes da Teoria aplicados neste trabalho para evitar repetições dos vocábulos.

5 em que nos encontramos os estudos culturais podem desempenhar importante papel na elucidação das alterações significativas que têm ocorrido na cultura e na sociedade dos nossos dias (2001, p. 29). A teoria culturológica para Wolf: não diz diretamente respeito aos mass media e, muito menos aos seus efeitos sobre os destinatários: o objeto de análise que se procura atingir é a definição de nova forma de cultura da sociedade contemporânea (1995, p.89). O conceito da cultura de massa é de extrema relevância aos estudos culturais, conforme Wolf (1995, p.90): A cultura de massa forma um sistema de cultura, constituindo-se como um conjunto de símbolos, valores, mitos e imagens que dizem respeito quer à vida prática quer o imaginário coletivo. Para Kelnner (2001, p. 27): A cultura da mídia em grande parte promove os interesses das classes que possuem e controlam os grandes conglomerados dos meios de comunicação, seus produtos também participam dos conflitos sociais entre grupos concorrentes e veiculam posições conflitantes, promovendo às vezes forças de resistência e progresso. Desta forma, depreende-se que os estudos culturais concordam com a Escola de Frankfurt quanto aos fatos dos produtos culturais trazerem consigo a ideologia de um grupo dominante, só que no caso proposto por Kellner, o grupo dominante não são as classes sociais dominantes, mas sim as grandes corporações de comunicação que controlam as informações da mídia, principalmente nos Estados Unidos e na maior parte dos países capitalistas. Um dos maiores diferenciais das teorias é que a segunda segundo Wolf: a elevada capacidade de adaptação dos públicos e contexto sociais diversos. Sobre o interesse dos cultural studies(1995, p.90), Wolf acrescenta ainda: centra-se, principalmente na análise se uma forma específica de processo social, relativa á atribuição de sentido à realidade, à evolução de

6 uma cultura, de práticas sociais partilhadas, de uma área comum de significados (1995, p.96). Neste momento vemos um importante contraponto à teoria crítica, uma vez que a os estudos culturais, conforme Wolf: Estabelece-se a contradição entre as exigências produtivas e técnicas de estandardização e o caráter individualizado e inovador do consumo cultural. É a própria estrutura do imaginário que permite a mediação entre os opostos requeridos: os modelos guias e as formas arquétipas do imaginário. (1995, p.91) Para Kelnner (2001, p. 45): A posição da Escola de Frankfurt, de que toda a cultura de massa é ideológica e aviltada, tendo como efeito engordar uma massa passiva de consumidores, é também questionável. Outro fator de distinção entre as duas teorias é que enquanto a teoria crítica valorizava a cultura considerada superior, os estudos culturais, tendiam a ignorar este tipo de cultura, eximindo-se até de investigá-las. Kellner (2001) 3. UM PANORAMA DA COMUNICAÇÃO NOS DIAS ATUAIS Hoje vivemos um novo panorama no universo da comunicação social, conforme nos alerta Kelnner: Na última década também surgiram às novas tecnologias que mudaram os padrões da vida cotidiana e reestruturaram poderosamente o trabalho e o lazer (2001, p.26). Atualmente o Brasil vive uma nova sociabilidade voltada aos processos virtuais. O crescente acesso as tecnologias de informação e da comunicação (TIC s) nos disponibilizam uma sociedade de rede, onde as interações baseiam-se muitas vezes em mais contatos via internet do que encontros pessoais, fator que torna o homem cada vez mais um ser virtual. Segundo Castells: A grande transformação da sociabilidade em sociedades complexas ocorreu com a substituição de comunidades espaciais por redes como formas fundamentais de sociabilidade (2003, p.107). Se de um lado a

7 presencialidade se dilui, por outro lado, aumentam a formação de redes sociais de trabalho, pesquisa e entretenimento. Vivemos em uma sociedade de redes, que fazem aqueles que podem pagar pelo acesso a internet, seres cada vez mais individualizados e detentores do poder de escolha das informações e dos grupos que vai participar. Ainda para Castells: O individualismo em rede é um padrão social, não um acúmulo de indivíduos isolados. O que ocorre é antes que os indivíduos montem suas redes, on-line e off-line, com base em seus interesses, valores, afinidades e projetos. Por causa da flexibilidade e do poder de comunicação da internet, a interação social on-line desempenha crescente papel na organização social como um todo. (2003, p. 109) A interação hoje em dia, não está ligada apenas ao computador, propriamente dito, mas a inúmeras formas de acesso a rede principalmente móvel, como por exemplo, os celulares, que possibilitam ao sujeito manter-se conectado em qualquer lugar e a qualquer momento. Não é por acaso que Castells, em 2008, passa a falar em redes móveis. Aliado a este panorama, encontra-se também a idéia da cultura da convergência. Segundo Jenkins (2009, p. 29) esta idéia de convergência refere-se: Ao fluxo de conteúdos através de múltiplas plataformas de mídias, a cooperação entre múltiplos mercados midiáticos e ao comportamento migratório dos públicos dos meios de comunicação. Neste universo de convergência de meios, também é relevante acrescentar a idéia de transmídia, onde ainda conforme Jenkins: Uma história transmídia desenrola-se através de múltiplas plataformas de mídia, com cada novo texto contribuindo de maneira distintiva e valiosa para o todo. (2009, p.138) A idéia de comunicação transmidiática tem sido bastante assimilada pelos jovens, que tem grande contato com as narrativas que podem ser assistidas em qualquer tipo de mídia, além de trazer cada vez mais desdobramentos em games, livros ou blogs. Existe também reality shows que permitem grandes interações e criação de comunidades específicas.

8 Junto a esta mudança de padrões sociais e comportamentais, variam também algumas percepções na relação dos usuários com as mídias, principalmente devido à capacidade de interação entre emissor e receptor, conforme Levy: O termo interatividade em geral ressalta a participação ativa do beneficiário de uma transação de informação. (1999, p.81) Nos dias atuais, o muitas vezes o próprio receptor constrói o conteúdo e interage com sua rede, criando um universo de construção coletiva. Jenkins afirma: A circulação dos conteúdos - por meio de diferentes sistemas de mídia, sistemas administrativos de mídias concorrentes e fronteiras nacionais- depende fortemente da participação ativa dos consumidores. (2009, p.29) Jenkins (2009) entende este processo coletivo de consumo como inteligência coletiva, conceito proposto anteriormente por Pierre Levy. Para o primeiro autor (2009, p.30): nenhum de nós pode saber tudo; cada um de nós sabe alguma coisa; e podemos juntar peças; e podemos juntar as peças, se associarmos nossos recursos e unirmos novas habilidades. A inteligência coletiva pode ser vista como uma fonte alternativa de poder midiático. Levy infere que: O ciberespaço como suporte da inteligência coletiva é uma das principais condições de seu próprio desenvolvimento (1999, p.29). E ainda acrescenta: O crescimento de ciberespaço não determina automaticamente o desenvolvimento da inteligência competitiva, apenas fornece a esta inteligência um ambiente propício. (1999, p.30) Neste universo virtual, como diz Jenkins: Cada um de nós constrói a própria mitologia pessoal, a partir de pedaços e fragmentos de informações extraídos do fluxo midiáticos e transformados em recursos através dos quais compreendemos a vida cotidiana. (2009, p.29): Nesta mitologia pessoal, espaços como YouTube 2, exibe vídeos muitas vezes produzidos pelos internautas. Conforme Jenkins: O YouTube 2 Rede social que disponibiliza vídeos:

9 emergiu como um site fundamental para a produção e distribuição da mídia alternativa. (2009, p.349) Um exemplo desta criação é um vídeo que está disponível no YouTube, chamado United Breaks Guitars 3. Esta produção, acessível também com legendas em português, é um vídeoclipe do cantor norte-americano Dave Caroll. O vídeo (de 4 min. e 37 seg.) conta uma história de uma viagem aérea que o cantor e sua banda fizeram para Nebraska. Já no início da viagem o cantor deparou-se com um descuido com as bagagens e, posteriormente, com a quebra de seu violão. Dave Caroll no vídeo, além da história, mostra a experiência negativa da viagem e o descaso da companhia aérea United Airlines com suas reclamações. O refrão da canção de Dave Caroll traduzida para o português tem as seguintes frases: United! Vocês quebraram meu violão Taylor United! Muito úteis vocês são! Vocês quebraram, deviam arrumar! Vocês são responsáveis apenas admitam! Eu devia ter voado com outra ou ter ido de carro! United quebram violões! Este vídeo teve uma grande quantidade de exibições, mais de 9 milhões de exibições na versão original e na legendada para o português, mais de visualizações, e em cada uma encontram-se dezenas de comentários dos expectadores julgando o vídeo e contando suas experiências com companhias aéreas. 3 Disponível em Acesso em 09 dez

10 Esta é a idéia de construção coletiva a qual nos referimos acima. Conforme Jenkins A expressão cultura participativa contrasta com noções mais antigas sobre passividade dos espectadores dos meios de comunicação (2009, p.30). Aqui notamos alguns contrapontos entre as teorias vistas anteriormente com a prática da comunicação nos dias atuais. Hoje, conforme salienta Rüdiguer (2007, p. 136): As pessoas possuem o poder de reinventar em sentido simbólico o caráter funcional dos aparatos tecnológicos (2007, p. 136). Jenkins alerta: Quando pessoas assumem o controle das mídias, os resultados podem ser maravilhosamente criativos; podem ser também uma má notícia para todos os envolvidos (2009, p.45). Ora, se cada sujeito é capaz de apropriar-se das novas tecnologias e criar novos sentidos para os meios, então é importante o questionamento de como vídeos como o acima referido, podem interferir negativamente na imagem de uma organização. Se cada um utiliza e interpreta a informação de forma diferenciada, os impactos destes vídeos podem ser inimagináveis. Quando contrapormos a realidade presente, representada pelo caso do cantor supracitado, notamos um diferencial muito forte relacionado a visão de obra de arte proposta pela teoria crítica, Os frankfurtianos viam as produções artísticas com um conceito de não reprodutibilidade, quando comparado a um vídeo visto por milhares de pessoas e ainda constituído por música ligeira, este material, sob a ótica da Escola de Frankfurt, não teria aura, e, além disso, teria baixo valor cultural. No modelo atual de comunicação, que forma uma nova sociabilidade, devido às interações diferentes, a comunicação não se torna apenas descendente, como proposto na Teoria Crítica, mas construída por diversas mãos. Rüdiguer ensina: A desmaterialização do processo de geração de riqueza, porque agora o conhecimento se torna a mola da acumulação e seguindo este caminho, a sociabilidade passa a se reproduzir no campo da realidade virtual (2007,p.137).

11 Jenkins (2009, p.46) falando das tendências americanas de controle de mídia, afirma: Alguns temem que os meios de comunicação fujam ao controle, outros temem que sejam controlados demais. Alguns veem o mundo sem gatekeepers 4, outros um mundo onde os gatekeppers têm um poder sem precedentes. Mais uma vez a verdade está no meio termo. Levy (1999, p.236) acrescenta ainda: Aqueles cujo papel consistia em gerenciar limites e territórios estão ameaçados por uma comunicação descompartimentalizadora, transversal, multipolar. A comunicação transversal conforme Levy permite que várias pessoas troquem impressões sobre determinado assunto, inclusive impressões negativas como no exemplo supracitado. Para Levy (1999, p.236): O Ciberespaço, ao menos até o momento, é mais acolhedor do que dominador.não é um instrumento de difusão a partir de centros (como imprensa, rádio e a televisão), mas sim um dispositivo de comunicação interativa de coletivos humanos com eles mesmos e de colocação em contato com comunidades heterogêneas. Levy (1999, p.81) acrescenta ainda: Um receptor de informação, a menos que esteja morto, nunca é passivo. Mesmo sentado em frente a televisão sem controle remoto, o destinatário decodifica, interpreta, participa, mobiliza seus sistema nervoso de múltiplas maneiras e sempre de forma diferente de seu vizinho. Relacionado ao conceito atual e fazendo uma crítica as teorias antigas Rüdiguer (2007,p.134) alerta: À crítica convém mostrar que a tecnologia não é uma força neutra, mas também não é, em si mesma, malévola ou benéfica. Visões como essas obscurecem os processos que de fato a explicaram, através da geração ou mesmo de reforço de todo tipo de mistificação cotidiana a cerca de suas circunstâncias. 4 Selecionador (porteiro), conceito eleborado por Kurt Lewin. Relativo à Hipótese do Newsmakking

12 Este contraponto está bastante presente nas discussões do autor, que acrescenta ainda: O fundamento da teoria crítica da tecnologia é a tese de que a técnica se desenvolve a partir da conquista do poder sobre a natureza e, a partir dessa, do homem sobre o homem. (2007, p.134). E logo em seguida ainda comenta: A possibilidade de reapropriação e de recombinação material da mensagem por seu receptor é um parâmetro fundamental para avaliar o grau de interatividade do produto. 4. Considerações finais: No presente artigo foi realizada uma breve discussão sobre algumas das mais importantes teorias da comunicação. Foram criados paralelos entre elas, na busca de pontos comuns entre as abordagens. Qualquer que seja a teoria da comunicação precisa levar em conta não apenas a mídia propriamente dita, mas sim diversos fatores que influenciam este sistema, tais como aspectos sociológicos, comportamentais, culturais, econômicos, políticos, entre outros. O fenômeno da comunicação é muito complexo, é necessário que levemos em conta mais de um paradigma, para conseguirmos entender a complexidade do estudo da comunicação. É relevante também, que possamos avaliar as teorias, conforme o período histórico em que foram criadas, pois muitos fatores novos poderiam ainda não ser percebidos em determinada época. Mas é primordial levarmos em conta que precisamos estudar as pioneiras, para que auxilie na construção de novas abordagens. Percebemos que a cultura contemporânea, assim como a sociedade, está em um processo de constante mudança e apefeiçoamento. Precisamos das antigas referências para reconhecer e quem sabe explicar o desenvolvimento do processo de comunicação. Quando pensamos nas mudanças acarretadas pelas novas tecnologias, deparamo-nos ainda com dúvidas sobre seus processos, mas acredita-se que elas também podem, a exemplo do pensamento frankfurtiano,

13 representar a idéia de controle e dominação, por qualquer que seja o grupo, desta forma, os conceitos da teoria crítica nos fazem refletir na interpretação das mensagens em redes sociais, blogs,entre outros. Os consumidores de informação hoje são mais interativos, embora isolados. É necessário que reavaliemos sempre novos processos comunicacionais, pois novas alternativas de interação vêm surgindo quase diariamente. Jenkins resume a idéia da comunicação dos dias atuais: O conteúdo de um meio pode mudar, seu público pode mudar, e seu status social pode subir ou cair, mas uma vez que um meio se estabelece, ao satisfazer alguma demanda humana essencial, ele continua a funcionar dentro de um sistema maior de operações de comunicação. (2009, p.41) Mesmo com a necessidade crescente de criação de conteúdos, precisamos nos embasar nos estudos anteriores a este processo e o presente trabalho buscou exatamente isto. Devido ao curto espaço, muitos pontos importantes das teorias crítica, dos estudos culturais e também da cibercultura, não puderam ser profundamente abordados. É necessário uma pesquisa ainda mais intensa nesta área. Ainda existe muito espaço para pesquisa em comunicação, principalmente no que diz respeito às novas mídias, desta forma, como agenda de pesquisa, é interessante avaliarmos em um estudo ainda mais profundo o resultado da nova sociabilidade criada a partir deste novo universo comunicacional interativo.

14 5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: CASTELLS, Manuel: A galáxia da internet: reflexões sobre a internet, os negócios e a sociedade. Rio de Janeiro: Zahar, JENKINS, Henry. Cultura da convergência. 2ªed. São Paulo: Aleph, 2009 LÉVY, Pierre: Cibercultura. 3ª Ed. São Paulo: Ed. 34, 2010 LIMA, Luis Costa. Teoria da cultura de massa: introdução, comentários e seleção de Luiz Costa Lima. 7ª.ed. São Paulo: Paz e Terra, KELNNER, Douglas.A cultura da mídia: estudos culturais: identidade e política entre o moderno e o pós moderno. Bauru, EDUSC, RUDIGUER, Francisco. Introdução as teorias da cibercultura: perspectiva do pensamento tecnológico contemporâneo. Porto Alegre: Sulina, 2007 em HOHFELDT, A. MARTINO, L.,FRANÇA, V. (org). Teorias da comunicação: Conceitos, escolas e tendências. 8ª Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, WOLF, Mauro. Teorias da comunicação. 4ªed.Lisboa, Ed. Presença, 1995.

TEORIAS DA COMUNICAÇÃO ENADE VOLUME

TEORIAS DA COMUNICAÇÃO ENADE VOLUME CADERNO PEDAGÓGICO TEORIAS DA COMUNICAÇÃO ENADE VOLUME 4 ISBN: 2015/1 ALUNO(A): APOIO PEDAGÓGICO: NUCLEO DE FORMAÇÃO GERAL ANNA PAULA SOARES LEMOS JOAQUIM HUMBERTO COELHO DE OLIVEIRA LUCIMAR LEVEGNHAGEN

Leia mais

PROSUMERODY. É possível sobreviver em um mercado com consumidores cada vez mais insatisfeitos, criativos e poderosos? PRODUCER CONSUMER PARODY

PROSUMERODY. É possível sobreviver em um mercado com consumidores cada vez mais insatisfeitos, criativos e poderosos? PRODUCER CONSUMER PARODY PROSUMERODY PRODUCER CONSUMER PARODY É possível sobreviver em um mercado com consumidores cada vez mais insatisfeitos, criativos e poderosos? 01 O que é? PROSUMER? O termo PROSUMER foi originado da junção

Leia mais

TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO.

TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO. CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS

Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS Com objetivo de auxiliar na elaboração dos trabalhos, apresentamos critérios relacionados a Economia Criativa e Inovação, conceitos

Leia mais

Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP

Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP Movimentos sociais e internet: uma análise sobre as manifestações de 2013 no Brasil Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista,

Leia mais

REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE LITERATURA

REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE LITERATURA REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE LITERATURA Elenice KOZIEL (UEM) [1] Márcio Roberto do PRADO (UEM) [2] Introdução É perceptível que os sujeitos da pós-modernidade estão conectados, dedicando

Leia mais

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa Como implementar Social Media na empresa 1 As razões: Empresas ainda desconhecem benefícios do uso de redes sociais Das 2,1 mil empresas ouvidas em estudo do SAS Institute e da Harvard Business Review,

Leia mais

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA.

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Autor: Paulo Vitor Tavares, Ms. Palavras-chave: EAD, Televisão, Videoaula, IFSC.

Leia mais

COMO CONQUISTAR CLIENTES COM APLICATIVOS PARA CELULAR

COMO CONQUISTAR CLIENTES COM APLICATIVOS PARA CELULAR COMO CONQUISTAR CLIENTES COM APLICATIVOS PARA CELULAR CONTEÚDO 1 2 3 4 5 6 Por que as empresas precisam estar conectadas ao mundo mobile Como os aplicativos mobile podem atrair mais clientes. Como os aplicativos

Leia mais

As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil

As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil Samira NOGUEIRA 2 Márcio Carneiro dos SANTOS 3 Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA

Leia mais

Crie seu mecanismo de envolvimento: parte 3

Crie seu mecanismo de envolvimento: parte 3 ESCRITO POR David Mogensen PUBLICADO EM Dezembr o 2013 Crie seu mecanismo de envolvimento: parte 3 RESUMO Em um período em que os profissionais de marketing acham que seu trabalho mudou mais em dois anos

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

Moodle - CEAD Manual do Estudante

Moodle - CEAD Manual do Estudante Moodle - CEAD Manual do Estudante Índice Introdução 3 Acessando o Ambiente 4 Acessando o Curso 5 Navegando no Ambiente do Curso 5 Box Participantes 5 Box Atividades 5 Box Buscar nos Fóruns 5 Box Administração

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE INDIVÍDUO, NATUREZA E CULTURA: ELEMENTOS PARA PENSAR A RELAÇÃO INSTRUMENTAL COM O MEIO AMBIENTE.

A RELAÇÃO ENTRE INDIVÍDUO, NATUREZA E CULTURA: ELEMENTOS PARA PENSAR A RELAÇÃO INSTRUMENTAL COM O MEIO AMBIENTE. A RELAÇÃO ENTRE INDIVÍDUO, NATUREZA E CULTURA: ELEMENTOS PARA PENSAR A RELAÇÃO INSTRUMENTAL COM O MEIO AMBIENTE. Juliana de Castro Chaves 1 ; Zuzy dos Reis Pereira 2 1 Professora Doutora da UnUCSEH-UEG

Leia mais

CLAUDINEI ZAGUI PARESCHI Núcleo de Estudos e Pesquisas: História e Filosofia da Educação Mestrando Orientador: Prof. Dr. Bruno Pucci I Introdução

CLAUDINEI ZAGUI PARESCHI Núcleo de Estudos e Pesquisas: História e Filosofia da Educação Mestrando Orientador: Prof. Dr. Bruno Pucci I Introdução AS NOVAS TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE FILOSOFIA A DISTÂNCIA NO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO DA REDE SÃO PAULO DE FORMAÇÃO DOCENTE (REDEFOR): ANÁLISES. CLAUDINEI ZAGUI PARESCHI Núcleo

Leia mais

Convergência e Narrativa Transmidiática

Convergência e Narrativa Transmidiática Convergência e Narrativa Transmidiática O que é convergência? Convergência: processo que torna imprecisas as fronteiras entre as comunicações ponto a ponto (correio, telefone) e de massa. O que é convergência?

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA PLANO DE DISCIPLINA 1. UNIDADE: Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação 2. PROGRAMA: Pós-graduação em Televisão Digital: Informação e Conhecimento 3. NÍVEL: Mestrado Profissional 4. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO:

Leia mais

ANÁLISE DA CONVERGÊNCIA NA RÁDIO SÃO FRANCISCO FM

ANÁLISE DA CONVERGÊNCIA NA RÁDIO SÃO FRANCISCO FM ANÁLISE DA CONVERGÊNCIA NA RÁDIO SÃO FRANCISCO FM INTRODUÇÃO/DESENVOLVIMENTO Bruna Vieira de Oliveira Ricardo Rigaud Salmito 1 Esta pesquisa pretende analisar se a criação do site da rádio São Francisco

Leia mais

Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo. Copyright 2015. Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda.

Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo. Copyright 2015. Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda. Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo Copyright 2015 Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda. Todos os direitos reservados. Pode ser compartilhado com conteúdo,

Leia mais

O USO DA INTERNET E SEUS EFEITOS SOBRE O PROCESSO DE SUBJETIVAÇÃO DE USUÁRIOS BRASILEIROS

O USO DA INTERNET E SEUS EFEITOS SOBRE O PROCESSO DE SUBJETIVAÇÃO DE USUÁRIOS BRASILEIROS O USO DA INTERNET E SEUS EFEITOS SOBRE O PROCESSO DE SUBJETIVAÇÃO DE USUÁRIOS BRASILEIROS Lucas Germani Wendt; Leonardo Pestillo de Oliveira; Letícia Rossi RESUMO: O presente projeto terá por objetivo

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

Arte como mercadoria: crítica materialista desde Benjamin. A comunicação propõe discutir a idéia de que entre Walter Benjamin e Siegfried Kracauer

Arte como mercadoria: crítica materialista desde Benjamin. A comunicação propõe discutir a idéia de que entre Walter Benjamin e Siegfried Kracauer Arte como mercadoria: crítica materialista desde Benjamin Francisco Alambert 1 Resumen: A comunicação propõe discutir a idéia de que entre Walter Benjamin e Siegfried Kracauer formulou-se uma chave dialética

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C Mídias sociais como apoio aos negócios B2C A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

Principais Sociólogos

Principais Sociólogos Principais Sociólogos 1. (Uncisal 2012) O modo de vestir determina a identidade de grupos sociais, simboliza o poder e comunica o status dos indivíduos. Seu caráter institucional assume grande importância

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

Importância da Comunicação Digital para o mercado corporativo

Importância da Comunicação Digital para o mercado corporativo Importância da Comunicação Digital para o mercado corporativo Cláudio Coelho Café da Manhã 22.05.2012 Agenda Evolução da Comunicação Serviços de Comunicação Digital Importância do Planejamento Estratégico

Leia mais

A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1

A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1 A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1 Bárbara Fernandes Valente da Cunha 2 * Palavras-chaves: Comunicação

Leia mais

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 (Orientador) Profa. Dra. Tatiana Machiavelli Carmo Souza 2 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

Música e internet: uma expressão da Cultura Livre

Música e internet: uma expressão da Cultura Livre Música e internet: uma expressão da Cultura Livre Auta Rodrigues Moreira Irene Guerra Salles Lilian Braga Carmo Luana Roberta Salazar Resumo: Atualmente, com a presença marcante das tecnologias, torna-se

Leia mais

Rastreamento da notícia: a produção jornalística no Jornal De Fato 1

Rastreamento da notícia: a produção jornalística no Jornal De Fato 1 Rastreamento da notícia: a produção jornalística no Jornal De Fato 1 André Luís da SILVA 2 Tamara de Sousa SENA 3 Marcília Luzia Gomes da Costa MENDES 4 Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Mossoró,

Leia mais

Uma análise sobre a produção de conteúdo e a interatividade na TV digital interativa

Uma análise sobre a produção de conteúdo e a interatividade na TV digital interativa Uma análise sobre a produção de conteúdo e a interatividade na TV digital interativa Mariana da Rocha C. Silva Mariana C. A. Vieira Simone C. Marconatto Faculdade de Educação-Unicamp Educação e Mídias

Leia mais

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões MÍDIA KIT INTERNET Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões Segundo pesquisa da Nielsen IBOPE, até o 1º trimestre/2014 número 18% maior que o mesmo período de 2013. É a demonstração

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS Guia Inicial de Acesso e Utilização Para Docentes Versão 1.0b Outubro/2010 Acesso e utilização do Ambiente Virtual de Ensino

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações

5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações 5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações O presente trabalho tem caráter descritivo-exploratório e portanto não tem o intuito de se chegar a conclusões definitivas, sendo sua principal contribuição a

Leia mais

ESTRUTURA IDEOLÓGICA E POÉTICA NO TEATRO DE GRUPO: QUAL RAZÃO PARA QUE SE CONTINUE? 1 Vinicius Pereira (IC)

ESTRUTURA IDEOLÓGICA E POÉTICA NO TEATRO DE GRUPO: QUAL RAZÃO PARA QUE SE CONTINUE? 1 Vinicius Pereira (IC) 009 ESTRUTURA IDEOLÓGICA E POÉTICA NO TEATRO DE GRUPO: QUAL RAZÃO PARA QUE SE CONTINUE? 1 Vinicius Pereira (IC) André Carreira (Orientador) (UDESC - CNPq) RESUMO: Esta pesquisa busca compreender como a

Leia mais

SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE. Resumo

SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE. Resumo SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE Cleide Aparecida Carvalho Rodrigues 1 Resumo A proposta para a realização do SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE surgiu durante uma das atividades do Grupo de Estudos de Novas Tecnologias

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos.

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos. Atividade extra Fascículo 2 Sociologia Unidade 3 Questão 1 Leia com atenção o texto de Paul Lovejoy sobre escravidão: Enquanto propriedade, os escravos eram bens móveis: o que significa dizer que eles

Leia mais

Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail...

Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail... FACEBOOK Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail... 8 Características do Facebook... 10 Postagens... 11

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Comunicação em Rede e a Experiência Digital Contemporânea

Comunicação em Rede e a Experiência Digital Contemporânea Comunicação em Rede e a Experiência Digital Contemporânea Carlos Alberto Messeder Pereira 1 A primeira ideia que deve ficar clara para que possamos entender a natureza da comunicação em rede e sua dinâmica

Leia mais

ENSINO DE CIÊNCIA DOS MATERIAIS, COM AUXÍLIO DA PLATAFORMA MOODLE, A EXPERIÊNCIA DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

ENSINO DE CIÊNCIA DOS MATERIAIS, COM AUXÍLIO DA PLATAFORMA MOODLE, A EXPERIÊNCIA DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO 1 ENSINO DE CIÊNCIA DOS MATERIAIS, COM AUXÍLIO DA PLATAFORMA MOODLE, A EXPERIÊNCIA DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO MAIO 2008 Ericksson Rocha e Almendra - Escola Politécnica

Leia mais

Redesenhando o papel da Televisão no cenário tecnológico: O caso Haiti: 1

Redesenhando o papel da Televisão no cenário tecnológico: O caso Haiti: 1 Redesenhando o papel da Televisão no cenário tecnológico: O caso Haiti: 1 Kátia Cristina dos REIS 2 1. Introdução Observa-se que a televisão tem sido afetada, de maneira direta, pelos meios de produção

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

Titulo do projeto: O USO DAS REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA DE MARKETING DE VAREJO E INSTITUCIONAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

Titulo do projeto: O USO DAS REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA DE MARKETING DE VAREJO E INSTITUCIONAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS IMESB NÚCLEO DE ETENSÃO E PESQUISA (NUPES) Identificação da Faculdade: IMESB Titulo do projeto: O USO DAS REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA DE MARKETING DE VAREJO E INSTITUCIONAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

Leia mais

UM PRODUTO EDUCATIVO PARA FAZER EDUCAÇÃO AMBIENTAL

UM PRODUTO EDUCATIVO PARA FAZER EDUCAÇÃO AMBIENTAL UM PRODUTO EDUCATIVO PARA FAZER EDUCAÇÃO AMBIENTAL Se, na verdade, não estou no mundo para simplesmente a ele me adaptar, mas para transformá-lo [...] devo usar toda possibilidade que tenha para não apenas

Leia mais

Pedro de Almeida CANTO 2 Universidade Federal do maranhão

Pedro de Almeida CANTO 2 Universidade Federal do maranhão Conexão Brasil: presença de educação com música através da radiodifusão e formação de rede 1 Pedro de Almeida CANTO 2 Universidade Federal do maranhão RESUMO Contextualiza a educação dentro da história

Leia mais

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO Gustavo Cançado de Azevedo O autor relaciona educação e tecnologia, tomando como ponto de partida a maneira com que os avanços

Leia mais

Considerações sobre Walter Benjamin e a Reprodutibilidade Técnica. mais possível. Com efeito, uma certeza acerca do conceito de arte é sua indefinição

Considerações sobre Walter Benjamin e a Reprodutibilidade Técnica. mais possível. Com efeito, uma certeza acerca do conceito de arte é sua indefinição Considerações sobre Walter Benjamin e a Reprodutibilidade Técnica Danilo L. Brito (UFRJ) A arte tem sido alvo de discussões de diferentes teóricos ao longo da história, desde os gregos, com sua concepção

Leia mais

As 5 grandes tendências em tecnologia para Educação. Compartilhe este guia:

As 5 grandes tendências em tecnologia para Educação. Compartilhe este guia: As 5 grandes tendências em tecnologia para Educação 1 Introdução: A educação iniciou o século XXI de maneira bastante disruptiva. Uma série de inovações por parte de educadores e alunos fez com que os

Leia mais

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 Nathália Sene GARIERI/ Licenciada em História Aline Rafaela Portílio LEMES Aline Aparecida SILVA Samuel Douglas Farias COSTA RESUMO A propaganda ocupa um largo

Leia mais

Contextualização. *http://www.sophiamind.com/noticias/acesso-a-internet-movel-entre-as-mulherescresce-575-em-dois-anos/

Contextualização. *http://www.sophiamind.com/noticias/acesso-a-internet-movel-entre-as-mulherescresce-575-em-dois-anos/ Mobile Marketing Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado. Cem por cento

Leia mais

Saberes da Docência Online

Saberes da Docência Online Saberes da Docência Online Edméa Santos Professora do PROPED-Faculdade de Educação da UERJ E-mail: mea2@uol.com.br Web-site: http://www.docenciaonline.pro.br/moodle http://www.proped..pro.br/moodle Fones

Leia mais

As Tecnologias de Informação e Comunicação para Ensinar na Era do Conhecimento

As Tecnologias de Informação e Comunicação para Ensinar na Era do Conhecimento As Tecnologias de Informação e Comunicação para Ensinar na Era do Conhecimento Nirave Reigota Caram Universidade Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: nirave.caram@usc.br Comunicação Oral Pesquisa em Andamento

Leia mais

Introdução. 1. O que é e-commerce?

Introdução. 1. O que é e-commerce? Introdução As vendas na internet crescem a cada dia mais no Brasil e no mundo, isto é fato. Entretanto, dominar esta ferramenta ainda pode ser um mistério tanto para micro quanto para pequenos e médios

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores.

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores. Brand Equity O conceito de Brand Equity surgiu na década de 1980. Este conceito contribuiu muito para o aumento da importância da marca na estratégia de marketing das empresas, embora devemos ressaltar

Leia mais

AULA 6.2 Conteúdo: Suportes de gêneros contemporâneos / Redes Sociais INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

AULA 6.2 Conteúdo: Suportes de gêneros contemporâneos / Redes Sociais INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA 6.2 Conteúdo: Suportes de gêneros contemporâneos / Redes Sociais Habilidades: Distinguir os gêneros de linguagem cibernética e apropriar-se dessas ferramentas de mídias sociais. REVISÃO O Internetês Grafolinguística:

Leia mais

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Por Raquel Recuero (*) Nos últimos anos, assistimos a um crescimento espantoso das chamadas tecnologias de comunicação. Essas tecnologias tornaram-se mais rápidas,

Leia mais

OS FORMATOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

OS FORMATOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EAD se diversifica e assume modelos de aprendizagem que atendem a necessidades específicas do mundo corporativo Quem conhece pouco sobre Educação a Distância tem a sensação de que estudar de maneira não

Leia mais

REDE DE INTERCÂMBIO ENTRE ESTUDANTES: UMA NOVA PROPOSTA DE INTERATIVIDADE E COMUNICAÇÃO PARA O ENSINO À DISTÂNCIA

REDE DE INTERCÂMBIO ENTRE ESTUDANTES: UMA NOVA PROPOSTA DE INTERATIVIDADE E COMUNICAÇÃO PARA O ENSINO À DISTÂNCIA 1 REDE DE INTERCÂMBIO ENTRE ESTUDANTES: UMA NOVA PROPOSTA DE INTERATIVIDADE E COMUNICAÇÃO PARA O ENSINO À DISTÂNCIA Indaial - SC Abril/2011 Francieli Stano Torres UNIASSELVI chellystano@yahoo.com.br Luis

Leia mais

Participação política na internet: o caso do website Vote na web

Participação política na internet: o caso do website Vote na web Participação política na internet: o caso do website Vote na web Lívia Cadete da Silva 1 Lucas Arantes Zanetti 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP RESUMO

Leia mais

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança.

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. Jaquelaine SOUSA 1 Dalva Borges de SOUZA 2 Programa de Pós-Graduação em Sociologia/Faculdade de Ciências

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

Mova São Luís e a Experiência de um Movimento Social no Facebook 1

Mova São Luís e a Experiência de um Movimento Social no Facebook 1 Mova São Luís e a Experiência de um Movimento Social no Facebook 1 Ana Paula Pereira COELHO 2 Patrícia AZAMBUJA 3 Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA RESUMO Este trabalho foi realizado a partir

Leia mais

A importância de videoaulas na educação

A importância de videoaulas na educação A importância de videoaulas na educação Leonardo Senna Zelinski Silvia Leticia Ludke Resumo: Este artigo apresentará análise da necessidade da produção de videoaulas para divulgação online, visando principalmente

Leia mais

Projeto Leve Amor. Bruno Barros de Souza 1 Helber Lopes de Souza 2 Leticia Abreu 3 AEV Associação Educacional de Vitória.

Projeto Leve Amor. Bruno Barros de Souza 1 Helber Lopes de Souza 2 Leticia Abreu 3 AEV Associação Educacional de Vitória. Projeto Leve Amor Bruno Barros de Souza 1 Helber Lopes de Souza 2 Leticia Abreu 3 AEV Associação Educacional de Vitória. Vitória - ES RESUMO Exposição de conteúdo referente a idealização de um projeto

Leia mais

f/radar 14ª edição internet móvel, cidadania e consumo no Brasil

f/radar 14ª edição internet móvel, cidadania e consumo no Brasil f/radar 14ª edição internet móvel, cidadania e consumo no Brasil f/nazca + datafolha abril 2014 A computação social aumenta as possibilidades da inteligência coletiva e, por sua vez, a potência do povo

Leia mais

Crie seu mecanismo de engajamento: parte 2. David Mogensen. Novembro 2013

Crie seu mecanismo de engajamento: parte 2. David Mogensen. Novembro 2013 Crie seu mecanismo de engajamento: ESCRITO POR David Mogensen PUBLICADO Novembro 2013 parte 2 O RESUMO A jornada de decisão do consumidor já foi uma linha reta, mas agora é um caminho circular e em desenvolvimento.

Leia mais

Ciência Tecnologia - Inovação

Ciência Tecnologia - Inovação Ciência Tecnologia - Inovação Tecnologias da informação A Tecnologia da Informação assumiu nos últimos anos um papel imprescindível no contexto das Instituições de Ensino Superior. agilidade flexibilidade

Leia mais

TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS.

TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS. CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MÍDIAS SOCIAIS CLUBE TURISMO

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MÍDIAS SOCIAIS CLUBE TURISMO MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MÍDIAS SOCIAIS CLUBE TURISMO INTRODUÇÃO: As mídias sociais estão cada vez mais presentes no dia-a-dia das pessoas, oferecendo soluções e transformando as relações pessoais e comerciais.

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO SEJA UM PROTAGONISTA e PROJETO PROTAGONISTAS

REGULAMENTO DO CONCURSO SEJA UM PROTAGONISTA e PROJETO PROTAGONISTAS REGULAMENTO DO CONCURSO SEJA UM PROTAGONISTA e PROJETO PROTAGONISTAS O Serviço Social da Indústria Departamento Regional Sesi/DR/PR faz saber, para conhecimento das unidades do Colégio Sesi/PR da microrregião

Leia mais

Imagem Global e Reputação da Indústria Automobilística

Imagem Global e Reputação da Indústria Automobilística Imagem Global e Reputação da Indústria Automobilística Contexto Durante a história recente, as percepções públicas a respeito da indústria automobilística tem reagido de acordo com eventos e marcos globais

Leia mais

WEB SITE COMO MEDIADOR DE LEITURA E LETRAMENTO

WEB SITE COMO MEDIADOR DE LEITURA E LETRAMENTO WEB SITE COMO MEDIADOR DE LEITURA E LETRAMENTO Juliana da Silva Cabral PIBID Universidade Estadual da Paraíba/ julianacabralletras2@gmail.com Janaína da Costa Barbosa PIBID Universidade Estadual da Paraíba/

Leia mais

Manual do Ambiente Moodle para Professores

Manual do Ambiente Moodle para Professores UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL Manual do Ambiente Moodle para Professores Tarefas Versão 1.0b Setembro/2011 Direitos Autorais: Essa apostila está licenciada sob uma Licença Creative Commons 3.0

Leia mais

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula.

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Sabrine Denardi de Menezes da Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha - Campus São Vicente do Sul RESUMO: A

Leia mais

MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA

MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA Mário Taveira Martins 1 (IF-SERTÃO PE) Lucas Samir Silva de Matos 2 (IF-SERTÃO PE) Resumo: Este artigo foi elaborado

Leia mais

Vídeo denúncia: o impacto da indústria cultural no cotidiano de uma família brasileira

Vídeo denúncia: o impacto da indústria cultural no cotidiano de uma família brasileira UNIIVERSIIDADE METODIISTA DE SÃO PAULO Professora orientadora: Maria Cristina Gobbi A TEORIA CRÍTICA Vídeo denúncia: o impacto da indústria cultural no cotidiano de uma família brasileira Autores: MÔNICA

Leia mais

1. Capacitação Docente em Informática na Educação

1. Capacitação Docente em Informática na Educação DO EDITOR DE TEXTOS A PLATAFORMA MOODLE: UM PROJETO PILOTO INOVADOR DE CAPACITAÇÃO DOCENTE CONSTRUCIONISTA EM UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Maria Beatriz

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

SOFTWARES SOCIAIS E MUNDOS VIRTUAIS: MAPEAMENTO DAS FERRAMENTAS PARA A MOBILIZAÇÃO EM SAÚDE 1

SOFTWARES SOCIAIS E MUNDOS VIRTUAIS: MAPEAMENTO DAS FERRAMENTAS PARA A MOBILIZAÇÃO EM SAÚDE 1 SOFTWARES SOCIAIS E MUNDOS VIRTUAIS: MAPEAMENTO DAS FERRAMENTAS PARA A MOBILIZAÇÃO EM SAÚDE 1 Bruna Mayara de Lima Cibotto 2 ; Patrícia Marques da Silva Prado 2 ; Ana Paula Machado Velho 3. RESUMO: O presente

Leia mais

Inteligência coletiva e função social da propriedade

Inteligência coletiva e função social da propriedade Apresentação As transformações no modo de produção capitalista rumo a um regime de acumulação global e flexível traduzem-se na fuga para adiante em relação aos aspectos materiais, fixos e territoriais

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Comunicação de Governo Redes Sociais e Convergência de Mídias Ministério da Saúde

Comunicação de Governo Redes Sociais e Convergência de Mídias Ministério da Saúde Comunicação de Governo Redes Sociais e Convergência de Mídias Ministério da Saúde Abordagem A comunicação do Ministério Circulação aposta Correio na Braziliense internet e na convergência de mídias para

Leia mais

UMA REFLEXÃO SOBRE A REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES

UMA REFLEXÃO SOBRE A REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES Uma reflexão sobre a rede mundial de computadores 549 UMA REFLEXÃO SOBRE A REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES por Guilherme Paiva de Carvalho * CASTELLS, Manuel. A galáxia da Internet: reflexões sobre a Internet,

Leia mais

SEMINÁRIO ABMES BASES DO MARKETING DIGITAL. Expositor. Júlio César de Castro Ferreira julio.ferreira@produtoranebadon.com.

SEMINÁRIO ABMES BASES DO MARKETING DIGITAL. Expositor. Júlio César de Castro Ferreira julio.ferreira@produtoranebadon.com. SEMINÁRIO ABMES BASES DO MARKETING DIGITAL Expositor Júlio César de Castro Ferreira julio.ferreira@produtoranebadon.com.br (61) 9613-6635 5 PILARES DO MARKETING DIGITAL 1 2 3 4 5 Presença digital: Ações

Leia mais

A INTERNET COMO INSTRUMENTO DE EDUCOMUNICAÇÃO PARA O TERCEIRO SETOR: UMA QUESTÃO ÉTICA. Palavras-Chave: Educomunicação. Terceiro setor. Internet.

A INTERNET COMO INSTRUMENTO DE EDUCOMUNICAÇÃO PARA O TERCEIRO SETOR: UMA QUESTÃO ÉTICA. Palavras-Chave: Educomunicação. Terceiro setor. Internet. A INTERNET COMO INSTRUMENTO DE EDUCOMUNICAÇÃO PARA O TERCEIRO SETOR: UMA QUESTÃO ÉTICA Beatriz Jucá Universidade Federal do Ceará Resumo Esse artigo apresenta uma reflexão sobre a inclusão digital para

Leia mais

Marcia Avruch Tel: (11) 3674-3762 marcia.avruch@br.pwc.com

Marcia Avruch Tel: (11) 3674-3762 marcia.avruch@br.pwc.com Press release Data 30 de abril de 2014 Contato Guilherme Meireles Tel: (11) 3526-4567 guilherme.meireles@imagemcorporativa.com.br Marcia Avruch Tel: (11) 3674-3762 marcia.avruch@br.pwc.com Páginas 4 Anúncios

Leia mais

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social A INFLUÊNCIA DO USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO COTIDIANO

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social A INFLUÊNCIA DO USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO COTIDIANO A INFLUÊNCIA DO USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO COTIDIANO Dennys Rodrigues de Sousa* (Graduando em psicologia pela Faculdades Metropolitanas de Maringá - UNIFAMMA, Maringá-PR, Brasil); André Henrique Scarafiz,

Leia mais

Inteligência em. redes sociais. corporativas. Como usar as redes internas de forma estratégica

Inteligência em. redes sociais. corporativas. Como usar as redes internas de forma estratégica Inteligência em redes sociais corporativas Como usar as redes internas de forma estratégica Índice 1 Introdução 2 Por que uma rede social corporativa é um instrumento estratégico 3 Seis maneiras de usar

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Amarante Oliveira, Wellington Em busca

Leia mais

Programa Sonora Eletrônica 1. Márcio Farias de MELLO 2 Raquel RECUERO 3 Universidade Católica de Pelotas, Pelotas, RS

Programa Sonora Eletrônica 1. Márcio Farias de MELLO 2 Raquel RECUERO 3 Universidade Católica de Pelotas, Pelotas, RS Programa Sonora Eletrônica 1 Márcio Farias de MELLO 2 Raquel RECUERO 3 Universidade Católica de Pelotas, Pelotas, RS RESUMO O uso e a produção áudio-visual no jornalismo hoje, não depende mais exclusivamente

Leia mais

Resumo. Autoras: 1 - Clarissa Freitas de Almeida, UERJ. 2 - Veronica Santana Queiroz, UERJ. Endereços Eletrônicos: 1 - cla.raposa@gmail.

Resumo. Autoras: 1 - Clarissa Freitas de Almeida, UERJ. 2 - Veronica Santana Queiroz, UERJ. Endereços Eletrônicos: 1 - cla.raposa@gmail. Título: Desafios da Orientação Profissional Um caso prático no SPA da UERJ Autoras: 1 - Clarissa Freitas de Almeida, UERJ. 2 - Veronica Santana Queiroz, UERJ. Endereços Eletrônicos: 1 - cla.raposa@gmail.com

Leia mais