Coordenador: Prof. Marcelo Pilon

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Coordenador: Prof. Marcelo Pilon"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO PADRE ANCHIETA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Portfólio Acadêmico Coordenação: Prof. Marcelo Pilon JUNDIAÍ 2011 /

2 CENTRO UNIVERSITÁRIO PADRE ANCHIETA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Portfólio Acadêmico O portfólio acadêmico apresenta coerência entre as intenções do curso, suas decorrentes práticas e seu alinhamento com a comunidade acadêmica. Ele expõe as atividades acadêmicas de pesquisa, extensão, monitoria e eventos realizados pelos docentes e discentes do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial do Centro Universitário Padre Anchieta. Coordenador: Prof. Marcelo Pilon Jundiaí 2011 /

3 AGRADECIMENTOS A realização deste trabalho só foi possível graças à colaboração direta ou indireta de muitas pessoas. Manifestamos nossa gratidão a todas elas e de forma particular: a todos os colegas do departamento de pesquisa e extensão universitária, aos profissionais da biblioteca e secretaria; e a todos os funcionários do Centro Universitário Padre Anchieta, UNIANCHIETA. 3

4 EPÍGRAFE O que sabemos é uma gota. O que ignoramos é um oceano. Isaac Newton ( ) 4

5 RESUMO O portfólio acadêmico é um instrumento pedagógico de identificação da qualidade do ensino-aprendizagem mediante a avaliação do desempenho do aluno e do professor. O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial busca integrar a realidade de seus discentes com a comunidade, que reverbera em suas ações extensionistas, que atende a sociedade como um todo. O processo de execução deste portfólio acadêmico revelase bastante desafiador, com ações integradas com a missão do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial. Formar profissionais éticos, criativos, críticos e reflexivos, comprometidos com o bem-estar social, o desenvolvimento econômico e o aperfeiçoamento político da sociedade em que atuam, mediante a busca do conhecimento e a geração de novos empreendimentos. Enfim, um portfólio acadêmico que apresenta de forma objetiva nossa produção extensionista para o desenvolvimento do setor de Gestão Comercial. 5

6 SUMÁRIO AGRADECIMENTOS 3 EPÍGRAFE 4 RESUMO 5 SUMÁRIO 6 1 AÇÕES DE EXTENSÃO GESTÃO COMERCIAL Atividades de extensão Merchandising Atividades de extensão Merchandising Atividades de extensão Estudo de Caso Hypermarcas: Pesquisa de mercado Atividades de extensão Criação e produção de musica publicitário Atividades de extensão Desafio SEBRAE Atividades de extensão Encontro de Comunicação e Marketing Atividades de extensão Curso complementar de formação geral e específica: Gestão Comercial Atividades de extensão 2013 Rede sustentabilidade: um novo paradigma Jornal em foco Jornal em foco Jornal em foco Jornal em foco Jornal em foco Jornal em foco Jornal em foco Jornal em foco Jornal em foco Jornal em foco Jornal em foco Parcerias Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial Parceria SEBRAE SP Desafio SEBRAE Programa Educação empreendedora Parceria - ACEJ Associação Comercial e Empresarial de Jundiaí Parceria - ACEJ Gestão Comercial Parceria - ACEJ MBA em Gestão Estratégica de Varejo Parceria - Blaise Cloud Solutions Cessão de direito de uso de Software de ERP Monitoria Iniciação Científica Projeto de Pesquisa. Gestão Comercial - Prof. Dr. Juliano Schimiguel Tecnologias de informação e comunicação no processo ensino-aprendizagem Moodle Ambiente Virtual: Projeto Integrador. Prof. Carlos Gaspari Redes e mídias sociais Sistema de Gestão Acadêmica Lyceum Website Prof. Marcelo Pilon Referências bibliográficas

7 1 AÇÕES DE EXTENSÃO GESTÃO COMERCIAL 1.1 Atividades de extensão Merchandising RELATÓRIO DE ATIVIDADE DE EXTENSÃO Curso: Gestão Comercial Título da atividade: Merchandising Professor: Marcelo Pilon Carga horária proposta: 02 horas Período: 21/11/2011 Local: Sala de aula do curso de Gestão Comercial- Prédio Multidisciplinar- Campus Prof. Pedro Clarismundo Fornari Justificativa A atividade complementar flexibiliza o currículo pleno e a promoção da autonomia intelectual do aluno, proporciona aprofundamento temático, participação dos graduandos em atividades acadêmicas, científicas e culturais realizadas na instituição e fora dela e oportunidades de compartilhamento de conhecimentos e experiências com a comunidade acadêmica e com a comunidade local. A participação dos alunos do Centro Universitário Padre Anchieta em muito engrandece os debates e aprendizados de seus colegas do curso de Gestão Comercial, como também contribui para o melhor entrosamento dos alunos com a comunidade, associações de classe e empresas locais, além de exercitarem a dinâmica em administrar parcerias. Objetivos O objetivo da ação é proporcionar aos alunos a oportunidade de colocar em prática os conceitos discutidos em sala de aula por meio do desenvolvimento de um planejamento promocional focando especificamente uma ação de merchandising. Considerações finais Os trabalhos superaram as expectativas permitindo aos universitários conhecer o planejamento e a execução de ação promocional em um ambiente real. 7

8 FOTOS: Inicio do evento, ingressantes de Coordenador Marcelo Pilon comemorando com a turma de

9 Em plena luz do dia alunos iniciam trabalhos. Bexigas sendo cheias. 9

10 Parcerias. Montagem de estandes. 10

11 Sorteio, exercitando atividade de promoção de vendas. Descontração. 11

12 Muito trabalho. Preparativos para o evento. 12

13 Montagem de estande. Montagem de estande. 13

14 Alunos uniformizados e prontos para receber a comunidade acadêmica. Professora Claudia incentivando, mas atenta aos trabalhos. 14

15 Recepção ao público. Atividade lúdica. 15

16 Atividade lúdica. Uso de equipamentos de mídia. 16

17 Apresentação produtos (desenvolvimento de novos produtos). Demonstração e abordagem. 17

18 Abordagem. Preparativos. 18

19 Apresentação de produtos, folders e degustação. Equipe preparada. 19

20 Amostragem e abordagem. Amostragem e abordagem. 20

21 Brindes e promoção de vendas. Comunidade acadêmica participando ativamente. 21

22 Comunidade acadêmica participando ativamente. Comunidade acadêmica participando ativamente. 22

23 1.2 Atividades de extensão Merchandising RELATÓRIO DE ATIVIDADE DE EXTENSÃO Curso: Gestão Comercial / Marketing Título da atividade: Merchandising Professor: Marcelo Pilon / Cláudia Cervantes Carga horária proposta: 02 horas Período: 14 de junho de das 19h30 às 21h30 Local: Centro Universitário Padre Anchieta - Prédio Multidisciplinar Justificativa A atividade tem a proposta de complementar os estudos realizados em sala de aula por meio de um trabalho acadêmico que deve apresentar a solução para um problema mercadológico utilizando o planejamento promocional. Nessa ação, cada grupo, representando uma empresa real da região, interage com os demais estudantes da instituição colocando em prática uma estratégia de merchandising, planejada conforme os objetivos de comunicação da instituição analisada. Objetivos O objetivo da ação é proporcionar aos alunos a oportunidade de colocar em prática os conceitos discutidos em sala de aula por meio do desenvolvimento de um planejamento promocional focando especificamente uma ação de merchandising. Considerações Finais Os trabalhos realizados estiveram de acordo com a proposta atingindo os objetivos definidos em seu planejamento. Os alunos puderam, a partir de uma atividade acadêmica, aprimorar o conhecimento obtido em sala de aula por meio da interação com empresas (mercado externo), com funcionários, professores e estudantes de outros cursos da instituição. A qualidade dos projetos escritos e das apresentações foram extremamente satisfatória. 23

24 FOTOS: Alunos preparados, ingressantes de Estande pronto e equipe preparada para recepcionar a comunidade acadêmica. 24

25 Alunos uniformizados e prontos para receber a comunidade acadêmica. Turma de 2012 reunida para foto. 25

26 Trabalho impresso. Relação trabalho e atividade acadêmica. 26

27 Simulando degustação. Expectativa para inicio do evento. 27

28 Equipe reunida. Inicio do evento turma de

29 1.3 Atividades de extensão Estudo de Caso Hypermarcas: Pesquisa de mercado RELATÓRIO DE ATIVIDADE DE EXTENSÃO Curso: Gestão Comercial Título da atividade: Palestra estudo de caso Hypermarcas: Pesquisa de mercado. Professor: Marcelo Dezani Carga horária proposta: 02 horas Período: 10/09/2012 Local: Sala 27 - Multidisciplinar Justificativa Proporcionar conteúdo prático á matéria de pesquisa de mercado. Objetivos Identificar na palestra proposta o conteúdo visto em sala. Metodologia Palestra Expositiva Considerações finais A palestra foi um sucesso, a palavra do palestrante veio totalmente ao encontro com o conteúdo apresentado em aula e demonstrou como se trabalha com pesquisa de mercado. A receptividade da turma na prática, foi muito boa e de grande valia para todos. 29

30 FOTOS: Palestrante iniciando exposição. Segundo semestre de

31 1.4 Atividades de extensão Criação e produção de música publicitária. RELATÓRIO DE ATIVIDADE DE EXTENSÃO Curso: Gestão Comercial / Publicidade e Propaganda Título da atividade: Criação e Produção de Música Publicitária Professor: Marcelo Pilon Carga horária proposta: 03 horas Período: 18/09/2012 Local: Anfiteatro Campus Profº. Pedro Fornari FOTOS: Alunos de Gestão Comercial no anfiteatro. 31

32 Anfiteatro lotado. Profº Luis Henrique Néris, marcando presença. 32

33 1.5 Atividades de extensão Desafio SEBRAE RELATÓRIO DE ATIVIDADE DE EXTENSÃO Curso: Gestão Comercial Título da atividade: Desafio SEBRAE Professor: Marcelo Pilon Carga horária proposta: 03 horas Período: 03/05/2012 Local: Anfiteatro Justificativa O Desafio SEBRAE é um jogo virtual que simula o dia-a-dia de uma empresa, durante mais de seis meses. O jogo difunde conceitos de competitividade, ética e associativismo e desenvolve a capacidade gerencial em pequenos e médios negócios. Universitários de todo o pais, organizados em equipes, testam sua capacidade de administrar um negócio, tomar decisões e trabalhar em equipe. 1 passo da parceria do UNICHIETA e o SEBRAE Objetivos Objetivo principal é disseminar a cultura empreendedora para os universitários que buscam caminhos para o começo de sua vida profissional. Metodologia Palestra Expositiva Considerações finais A Palestra foi um sucesso e contou com quase 500 participantes. Após a palestra tivemos dois grupos de alunos do curso de Gestão Comercial que participaram do Desafio SEBRAE. 33

34 FOTOS: Palestrante do SEBRAE, Marcelo da Silva Duarte. Professores e alunos lotaram o anfiteatro. 34

35 1.6 Atividades de extensão Encontro de Comunicação e Marketing RELATÓRIO DE ATIVIDADE DE EXTENSÃO Curso: Marketing / Publicidade e Propaganda e Gestão Comercial Título da atividade: Palestras: Marketing em uma Sociedade Criativa O Real Conceito de Marketing Esportivo e Ativação dos Contratos de Patrocínio tanto nas marcas Esportivas, Quanto das Empresas Patrocinadoras Marketing Sensorial. O significado da experiência sensorial no desenvolvimento de produtos e em estratégias de Marketing. Professores responsáveis: Antonio Valini / Juliana Fornari / Marcelo PIlon Carga horária proposta: 12 horas Período: 30/05/2012 a 01/06/2012 Local: Anfiteatro - Campus Prof. Pedro Clarismundo Fornari Justificativa Este evento é de grande importância, pois proporciona ao aluno ter maior contato com o mercado de trabalho. O encontro de comunicação e marketing tem como proposta abordar os conceitos, que sinaliza a relação cada vez mais estreita entre comunicação, entretenimento e consumo. Objetivo Proporcionar aos alunos informações e contato com a prática do material teórico transmitido diariamente em sala de aula. 35

36 FOTOS: Abertura oficial pelo Prof. Leo Ferreira Arantes. Abertura oficial pelo Prof. Leo Ferreira Arantes. 36

37 Palestrantes iniciando evento. Tema atual, marketing esportivo. 37

38 1.7 Atividades de extensão Curso complementar de formação geral e específica: Gestão Comercial. 1 - Atividade complementar: As Atividades Complementares (AC) integram a matriz curricular do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial desta Instituição, totalizam uma carga horária de 60 horas a serem integralizadas ao longo dos quatro períodos de duração do curso. O programa preparatório terá temas complementares e será na forma de aulas abertas, simulados e debates. O programa preparatório será gratuito e os alunos que tiverem ao menos 75% de presença receberão certificado de 10 horas de Atividade Complementar e 100% de presença receberão certificado de 15 horas de Atividade Complementar. 2 - CRONOGRAMA 2012 Apresentação do programa e informações etapas: Formação geral Conhecimento específico Aula sobre interpretação de texto Interpretar, compreender e analisar textos, charges e figuras, fotos e gráficos. Estabelecer comparações, contextualizações e relações. Elaborar sínteses e extrair conclusões. Questões e componentes de formação geral Atividade, gabarito e padrões de resposta. 15/09/ /09/2012 Simulado Formação Geral 29/09/2012 Questões e componentes específicos de Gestão Comercial. Atividade, gabarito e padrões de resposta. 20/10/2012 Revisão laboratório informática 27/10/2012 Simulado Formação Específica 10/11/2012 Simulado geral. 24/11/2012 Reunião de planejamento do Curso preparatório* 01/09/2012 Total: Carga horária 4h/aula: Profº Fernando Costa e Silva. Professor Marcelo Pilon, 8 aulas Coordenador do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial 38

39 1.8 Atividades de extensão 2013 Rede sustentabilidade: um novo paradigma RELATÓRIO DE ATIVIDADE DE EXTENSÃO Curso Gestão Comercial Título da atividade Rede sustentabilidade: um novo paradigma Professor Responsável Marcelo Pilon Palestrante Marina Silva Publico alvo Comunidade acadêmica e população de Jundiaí Carga horária proposta 03h30min Vagas 500 Data e Horário 04 de abril de 2013 às 19h40min Local 2º Andar auditório do prédio da biblioteca BIOGRAFIA: Prof.ª Marina Silva. Ambientalista, historiadora, pedagoga e política brasileira. Foi senadora pelo Acre durante 16 anos, Ministra do Meio Ambiente no Governo Lula entre 2003 e Em 2010 foi candidata à Presidência da República pelo PV (Partido Verde). Em quase 30 anos de vida pública, Marina Silva ganhou reconhecimento dentro e fora do país pela defesa da ética, da valorização dos recursos naturais e do desenvolvimento sustentável. OBJETIVOS Propor o debate e reflexão de temas ligados ao desenvolvimento sustentável e inclusão social que estão presentes no dia a dia da comunidade acadêmica, no ambiente de trabalho, na vida política e em outras áreas da vida. CONCLUSÃO: A simplicidade, ética e a humildade de um ícone brasileiro comoveu o auditório improvisado dentro da biblioteca. Marina Silva falou sobre sustentabilidade, nos aspectos econômicos, político e ambiental. A ativista ficou ao lado do coordenador do curso de Gestão Comercial, Marcelo Pilon e da coordenadora de Marketing, Juliana Fornari e do empresário e ativista Getúlio Sá, que é membro da REDE Sustentabilidade. 39

40 FOTOS: Panorâmica, anexo da biblioteca. Prof. Marina Silva com a Prof. Juliana Savoy Fornari. Início da palestra, Prof. Marcelo Pilon, Getulio de Sá e a Prof. Marina Silva. 40

41 Prof. Marcelo Pilon dando as boas vindas à Prof. Marina Silva Comunidade acadêmica prestigiando o evento. 41

42 Prof. Marina Silva sendo presenteada pelo Dr. Norberto Fornari. Funcionários do UniAnchieta (Sem eles o evento não seria possível) 42

43 2 Jornal em foco 2.1 Jornal em foco

44 44

45 45

46 2.2 Jornal em foco

47 47

48 2.3 Jornal em foco

49 49

50 2.4 Jornal em foco

51 2.5 Jornal em foco

52 52

53 53

54 2.6 Jornal em foco

55 55

56 2.7 Jornal em foco

57 57

58 2.8 Jornal em foco

59 59

60 2.9 Jornal em foco

61 61

62 2.10 Jornal em foco

63 O Prof. Marcelo Pilon, Prof. Catia Aparecida Anselmo Siqueira e a Prof. Flaviana de C. Maschietto Biffi do colegiado do Curso de Gestão Comercial foram coautores deste livro. 63

64 3 Parcerias Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial A celebração de parcerias, estabelecida por meio de instrumentos jurídicos que configuram convênios, acordos de cooperação e/ou protocolos de Intenções, contribui para o aprimoramento das capacidades institucionais, para o uso de recursos materiais e intelectuais. No Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial temos parcerias com a ACEJ - Associação Comercial e Empresarial de Jundiaí e o SEBRAE. Acreditamos que a cooperação é uma das mais fortes evidências para integrar os discentes ao contexto social em que se situa e nele contribuir para a execução de políticas públicas, para a melhoria da qualidade de vida da população e para o desenvolvimento econômico e social. 64

65 3.1 Parceria SEBRAE SP. 65

66 3.1.1 Desafio SEBRAE. O Desafio Sebrae é um jogo virtual que simula o dia a dia de uma empresa, durante mais de seis meses. Universitários de todo o país, organizados em equipes, testam sua capacidade de administrar um negócio, tomar decisões e trabalhar em equipe. O objetivo principal é disseminar a cultura empreendedora para os universitários que buscam caminhos para o começo de sua vida profissional. O jogo difunde conceitos de competitividade, ética e associativismo e desenvolve a capacidade gerencial em pequenos e médios negócios. Quem pode participar: estudantes de cursos de graduação em instituições de ensino superior credenciados pelo Ministério da Educação (MEC), que estejam, na data da inscrição, com a matrícula ativa no 1º semestre de Folheto informativo do evento.

67 Press Release, manual do Desafio SEBRAE. Informativo Desafio SEBRAE. 67

68 3.1.2 Programa Educação empreendedora. Por meio de iniciativa firmada entre o UniAnchieta e o SEBRAE-SP, trinta educadores da instituição participaram da capacitação do programa Educação Empreendedora. A atividade, cuja responsabilidade esteve a cargo do SEBRAE, foi realizada no campus Professor Pedro C. Fornari. A carga horária foi de 40 horas. Nesta oportunidade capacitamos os professores para o empreendedorismo que por sua vez terão a oportunidade de abordar o assunto em sala de aula. Sendo possível colocar o pensamento empreendedor no dia a dia dos discentes, estaremos colaborando não só para seu desenvolvimento acadêmico, mas também para o crescimento regional. 68

69 69

70 Programação da capacitação: CARGA HORÁRIA 40 HORAS CAPACITAÇÃO DOS PROFESSORES 1º Dia 08 HORAS Pauta: a importância do empreendedorismo para a instituição e depois contextualizar em relação à missão do SEBRAE. Sessão Abertura Formação Acadêmica e Garantia de Emprego Atividade 2 Grupos de Discussão Discussão em grupo: Empreendedores nascem ou se formam e se empreendedorismo pode ser aprendido. Intervalo para o almoço Questionário sobre motivações Introdução Empreendedorismo Histórico Bases Motivacionais Motivação para Realização Motivação para Associação Motivação para Poder Realização, Associação, Poder Texto Pesquisa MSI Competências e Habilidades 2º dia 08 HORAS Competências Empreendedoras Almoço Visão de Futuro Exercícios sobre a visão 3º dia 08 HORAS Gente que Faz Aprendizado Valores SMART construir um smart. Brainstorming Lista de negócios e recursos subutilizados MERCADO. 70

71 4º dia 08 HORAS As oportunidades de negócio Análise FOFA ou SWOT com o microfiltro. Foco e diferencial competitivo do negócio. Negociação, a importância da negociação, Trabalho de campo Foco do negócio e o diferencial competitivo e quais as competências internas que serão desenvolvidas para o incremento do negócio. Negócios e Soluções - Caso da Banca de Jornal de Artur Alvim. Técnicas de negociação 5º dia 08 horas Plano de Negócios/ FECHAMENTO FOTOS: Professores participantes da capacitação. 71

72 Retorno a sala de aula. Prof. Carlos Alberto Gaspari do NDE de Gestão Comercial. 72

73 Prof. Luiz Henrique Neris do NDE de Gestão Comercial. Prof. Catia Aparecida Anselmo Siqueira e Prof. Edison Bucieri de Gestão Comercial. 73

74 3.2 Parceria - ACEJ Associação Comercial e Empresarial de Jundiaí. Programa: Parceria para uma Educação Superior. É uma iniciativa do Centro Universitário Padre Anchieta e a ACE-Jundiaí, com a proposta de melhoria do nível de educação de seus associados e colaboradores Parceria - ACEJ Gestão Comercial. A parceria com a Associação Comercial e Empresarial de Jundiaí com o Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial (UniAnchieta). oferecer descontos especiais para os associados da ACEJ, que obtiverem sucesso no vestibular, nas parcelas mensais da anuidade escolar para o Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial. Folheto promocional da parceria. 74

75 3.2.2 Parceria - ACEJ MBA em Gestão Estratégica de Varejo. Capacitar e qualificar executivos e gestores para o gerenciamento profissional de organizações do segmento de varejo e serviços e promover a pesquisa e a transmissão do conhecimento entre os alunos o Centro Universitário Padre Anchieta, empresas e associações de classe que estejam ligadas à área de varejo, serviços e comercial. Folheto promocional da parceria. 75

76 3.3 Parceria - Blaise Cloud Solutions Cessão de direito de uso de Software de ERP. O software, Enterprise Resource Planning (ERP), apoia a gestão comercial e abrange todo o processo de vendas, composição de custos, preços de vendas e sua lucratividade, elaboração de metas baseado em histórico de vendas e etc. por meio do Trabalho Integrado de determinadas disciplinas. 76

77 4 Monitoria Em consonância com o PPI da Instituição, o curso Superior de Tecnologia em Gestão de Comercial entende a Monitoria é uma atividade discente cujo objetivo é o de propiciar ao aluno oportunidade de desenvolver experiência prática aproximada ao exercício profissional futuro, aliando ensino, pesquisa e extensão e, aos alunos atendidos, uma oportunidade adicional de estudos no contexto acadêmico. A monitoria tem como objetivos precípuos: promover a cooperação dos corpos discente e docente, nas atividades de ensino, pesquisa e extensão; estimular no aluno o interesse pela carreira a ser escolhida; dinamizar as ações didático-pedagógicas por meio do envolvimento de alunos; contribuir para a melhoria da qualidade de ensino. As atividades para o trabalho de Monitoria são elaboradas pelo professor da disciplina e pelo aluno-monitor, sob a supervisão do Coordenador do Curso, havendo o compromisso de que essa ação educativa alie ensino, pesquisa e extensão. O curso de Tecnologia em Gestão Comercial prevê monitoria para as disciplinas Leitura e Produção de Textos, Raciocínio Lógico e Estatístico e Estudos Aplicados Planejamento de novos negócios. Os projetos dos Monitores são avaliados e aprovados no Colegiado do curso e na Diretoria de Graduação. O acompanhamento e avaliação da monitoria são feitos pelo professor responsável pela disciplina, sob supervisão da Coordenação. As atividades básicas de monitoria, as bolsas, os critérios de seleção e as atribuições e obrigações dos alunos-monitor, o período de exercício da monitoria, a possibilidade de recondução e o benefício concedido, constam no Regulamento das Atividades de Monitoria. (anexo 07). 77

78 ANEXO 07 CENTRO UNIVERSITÁRIO PADRE ANCHIETA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Artigo 1º. Monitoria é uma atividade discente cujo objetivo é o de propiciar ao aluno oportunidade de desenvolver suas habilidades para a carreira docente, nas funções de ensino, pesquisa e extensão, assim como assegurar cooperação didática ao corpo docente e discente nas atividades universitárias. Parágrafo Único. Monitor é o aluno que exerce a atividade de monitoria. CAPÍTULO II DO OBJETIVO Artigo 2º O presente regulamento tem por finalidade disciplinar as atividades de monitoria realizadas nos diversos cursos do Centro Universitário Padre Anchieta. CAPÍTULO III DAS ATIVIDADES DO MONITOR Artigo 3º. São atividades básicas do monitor: I - auxiliar os docentes em tarefas didático-científicas, inclusive preparação de aulas, atividades e trabalhos didáticos, atendimento e orientação de alunos; II - auxiliar os alunos em atividades práticas de pesquisa e de extensão, desde que acompanhadas pelo docente responsável; III - auxiliar os alunos em trabalhos práticos e experimentais; IV - quando designado, auxiliar/orientar os alunos, sob a supervisão docente, em trabalhos de laboratório, de biblioteca, de campo e outros compatíveis com seu grau de conhecimento e experiência. Parágrafo único. É vedado ao monitor ministrar aulas sem acompanhamento do professor da disciplina. CAPÍTULO IV 78

79 DO PROCESSO SELETIVO Artigo 4º Para a seleção dos candidatos devem ser seguidos os seguintes critérios: I. somente pode se inscrever para o processo de seleção o aluno que tenha sido aprovado, na disciplina ou atividade em que pretenda atuar, com nota igual ou superior a sete; II. a inscrição será realizada segundo edital da Diretoria de Graduação, conforme número de vagas também fixado pela mesma diretoria; III. o processo de seleção é organizado e aplicado por uma comissão composta de, no mínimo, três professores, designada pelo coordenador do curso. Parágrafo Único. Cabe à Coordenação do Curso homologar a classificação indicada pela comissão. CAPÍTULO V DO REGIME DE TRABALHO DO MONITOR Artigo 5º O monitor não tem qualquer vínculo empregatício com o UniAnchieta e suas atividades obedecem aos seguintes critérios: I. o monitor exerce suas atividades sob orientação de professor responsável pela disciplina ou atividade; II. o horário das atividades de monitoria não pode, em hipótese alguma, prejudicar as atividades discentes e será fixado, no ato de designação do monitor, com carga horária compatível com as funções e atividades; III. as atividades do monitor obedecem, em cada período, ao plano estabelecido pelo professor, aprovado pela Coordenação do Curso. CAPÍTULO VI BOLSA DE MONITORIA Artigo 6º Para o exercício de suas funções, será concedida ao monitor uma bolsa cujo valor é fixado pela Diretoria de Graduação, obedecido o orçamento anual. 1º A bolsa de monitoria tem a duração de um período letivo, podendo ser renovada. 2º A renovação da bolsa de monitoria depende do desempenho do monitor, conforme avaliação da Coordenação de Curso. 3º A monitoria poderá ser exercida sem o auxílio de bolsa, desde que o monitor concorde e aceite os termos deste regulamento. 79

80 CAPÍTULO VI DA SUPERVISÃO DOS MONITORES Artigo 7º A supervisão dos monitores é exercida pela Coordenação do Curso, que é responsável pelas seguintes atribuições: I. - recrutar e selecionar monitores, obedecidas as normas fixadas pela Coordenação do Curso; II. - aprovar os planos de trabalho dos monitores, elaborado pelos professores orientadores; III. - promover a substituição dos monitores que deixarem o programa; IV. - expedir e registrar o Certificado de Monitoria aos que integralizarem, no mínimo, um período de efetivo trabalho. CAPÍTULO VII PROFESSOR ORIENTADOR DE MONITORIA Artigo 8º A coordenação e orientação dos monitores é exercida por um professor orientador, designado pela Coordenação do Curso, preferencialmente em Tempo Integral, que é responsável pelas seguintes atribuições: I. elaborar o plano de trabalho dos monitores; II. coordenar e supervisionar o desempenho dos monitores; III. promover a avaliação dos monitores, ao final de cada período letivo; IV. controlar e encaminhar a frequência dos monitores ao setor competente. Jundiaí, 02 de fevereiro de Prof. João Antonio Vasconcellos Diretora de Graduação, Extensão e Pós-Graduação 80

81 5 Iniciação Científica Iniciação Científica no Centro Universitário Padre Anchieta (UniaAnchieta) é um instrumento que permite introduzir os estudantes na pesquisa científica, colocando-os desde cedo em contato direto com as atividades científicas, fortalecendo a formação, por meio da tríade ensino pesquisa - extensão. Com vistas a intensificar a formação dos estudantes, o UniAnchieta solidifica sua trajetória para produção científica e formação de pesquisadores com a implementação do Programa Institucional de Iniciação Científica (IC), com base na Resolução Normativa 017/2006 do CNPq. Tem como objetivo fomentar as atividades de pesquisas de docentes e discentes, nas áreas de conhecimento relacionadas aos cursos vigentes na Instituição. Tem como Modalidades: BIC UniAnchieta (Bolsas de Iniciação Científica); PIBIC CNPq/UniAnchieta (CNPq e Programa Institucional de Iniciação Científica); VIC UniAnchieta (Voluntários em Iniciação Científica) e IPIC (Parceria entre Unianchieta e Iniciativa Privada) O Programa Institucional de Iniciação Científica tem o acompanhamento do Comitê Interno de Pesquisa (CPIC); Comitê Externo de Pesquisa (CNPq); do Comitê de Ética (CEP) e da CEUA (Comissão de Ética no Uso de Animais), ambos em pleno funcionamento e devidamente regulamentados e registrados no CONEP/CNS/MS. 81

82 82

83 83

84 84

85 5.1 Projeto de Pesquisa. Gestão Comercial - Prof. Dr. Juliano Schimiguel. CENTRO UNIVERSITÁRIO PADRE ANCHIETA DIRETORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO Programa Institucional de Incentivo à Pesquisa PROJETO INICIAL DESENVOLVIMENTO DE UMA REDE SOCIAL PARA O CURSO DE GESTÃO COMERCIAL E A INTEGRAÇÃO COM FERRAMENTAS PARA EDUCAÇÃO JUNDIAÍ / SP Abril/2013 ALUNO: Antonio dos Santos Reis Dias CURSO: Tecnologia em Gestão Comercial ORIENTADOR: Prof. Dr. Juliano Schimiguel COORIENTADOR: Prof. Marcelo Pilon SOLICITAÇÃO DA MODALIDADE: (BIC) 85

86 DESENVOLVIMENTO DE UMA REDE SOCIAL PARA O CURSO DE GESTÃO COMERCIAL E A INTEGRAÇÃO COM FERRAMENTAS PARA EDUCAÇÃO Projeto Inicial apresentado ao Programa Institucional de Iniciação Científica, para análise do Comitê Interno de Pesquisa e Parecer da Diretoria de Pós Graduação, Pesquisa e Extensão do Centro Universitário Padre Anchieta. Jundiaí / SP 86

87 SUMÁRIO 1. RESUMO 4 2. JUSTIFICATIVA 4 3. PROBLEMATIZAÇÃO QUE GEROU O PROJETO 7 4. OBJETIVOS 9 5. METODOLOGIA 9 6. REFERENCIAL TEÓRICO BIBLIOGRAFIA CRONOGRAMA DAS ATIVIDADES PLANO FINANCEIRO 16 87

88 1. RESUMO Atualmente, grande parte dos usuários de computadores faz uso das mídias e das redes sociais, seja para realizar contatos profissionais, para realizar trabalhos em grupo, ou mesmo para manter laços familiares e de amizade. Podemos até chegar ao ponto no qual empresas disponibilizam e comercializam seus produtos por meio do uso das Redes Sociais, como é o caso do Facebook, uma das redes sociais mais utilizadas no mundo. O propósito deste trabalho de pesquisa será desenvolver uma rede social específica para o curso de Tecnologia em Gestão Comercial, como forma de possibilitar a interação e a troca de informações entre professores e alunos. Além disso, iremos integrar a essa rede social ferramentas educativas relacionadas à área de gestão comercial, disponíveis na própria rede social, ou mesmo fora dela. 2. JUSTIFICATIVA A seguir descrevemos as justificativas e relevâncias para o desenvolvimento deste trabalho de pesquisa, no âmbito pessoal, acadêmico, profissional e social. 2.1 Relevância Pessoal Este projeto tomará como ponto inicial a pesquisa de outras páginas de redes sociais disponíveis tanto na Rede Social Facebook, como em outras, como o Hi5, MySpace, Orkut, Sonico, Linkedin, etc. O intuito desta pesquisa será fazer um levantamento de outras páginas de redes sociais na área de gestão comercial disponíveis, bem como, detectar quais tipos de aplicativos e ferramentas educacionais estão sendo utilizadas por eles. Esse estudo também será feito no âmbito das características dessas páginas de redes sociais, focando seus pontos fortes e fracos, suas vantagens e desvantagens. Meu interesse por esse assunto surgiu pelo fato de já ser um visionário pela internet e pela WWW (world wide web) há bastante tempo. Faço o uso frequente de ferramentas de tecnologia da informação (TI) para impulsionar meus estudos e aprimorar minhas habilidades e competências, tanto acadêmicas quanto profissionais. O que influenciou também na escolha por esse tema para o projeto foi o fato de eu passar praticamente uma hora por dia acessando as redes sociais para realizar meu 88

89 trabalho e também para conversar com os amigos, postar comentários, fotos, etc. Meu conhecimento e experiência atual em redes sociais certamente serão fundamentais para o desenvolvimento do projeto de pesquisa. Certamente, este tema do projeto irá contribuir diretamente com minha formação pessoal, e também profissional, pois poderei entrar em contato quase que diariamente com novas tecnologias de informação e comunicação, que estão sendo amplamente utlizadas pela academia e pelo mercado. 2.2 Relevância Acadêmica Este projeto poderá trazer contribuições no que diz respeito ao aumento das possibilidades interativas, realizadas entre professor para professor, professor para aluno e aluno para aluno. Além disso, pretendemos montar uma catalogação de aplicativos e ferramentas educativas na área de gestão comercial, disponíveis na rede social Facebook. Este tema de trabalho será colocado como de carater prospectivo, isso porque pretendemos propor uma abordagem para o uso das redes sociais na área de gestão comercial, focando principamente os aspectos de interação e a catalogação dos aplicativos educativos. Essa abordagem certamente poderá ser aplicada e adotada por outros profissionais e docentes da área de gestão comercial, que estejam interessados em elaborar iniciativas semelhantes as que estamos propondo. O projeto em questão se relaciona com o conhecimento científico contemporâneo, contribuindo com o Ensino Superior Brasileiro, especificamente na área de Gestão Comercial, podendo ser estendido para outros cursos; e também se relaciona com as áreas de Internet e Tecnologia da Informação (TI). A escolha pela área de Gestão Comercial é exatamente porque ela está presente em todos os segmentos e empresas no mercado e envolve todos os recursos necessários para a aprendizagem da atividade comercial e mercadológica. De acordo com o PPC (Projeto Pedagógico de Curso), de Tecnologia em Gestão Comercial, na pág. 17, é destacado o crescimento e a evolução da tecnologia, e sua influência nas empresas, e é desta forma que este trabalho de pesquisa se interesse e se justifica: Os fatores econômicos, o novo comportamento do consumidor frente à oferta de novas marcas e cada vez mais exigente, a expansão da concorrência e a crescente evolução da tecnologia impõem às empresas, industriais e comerciais, a necessidade de buscar maior especialização. Também é colocado no PPC, na pág. 19, 89

90 nos objetivos específicos do curso: promover a necessidade e motivação para o aprendizado contínuo e permanente a fim de que seja capaz de adaptar-se às exigências da sociedade, do mercado de trabalho e às novas tecnologias. Em específico, no PPC do curso, e também no PPI (Projeto Pedagógico Institucional), podemos destacar como práticas pedagógicas: tecnologia na educação: práticas de integração das tecnologias às disciplinas e aos conteúdos ministrados, por meio de projetos integrados da área de negócios, cada qual atendendo as suas especificidades. 2.3 Relevância Profissional Este assunto que estamos tratando no projeto poderá contribuir para resolver os problemas relacionados à minha profissão, isto porque possuimos algumas deficiências em minha empresa, relacionadas à comunicação, principalmente entre a matriz e suas filiais. Certamente, a rede social através do Facebook será um instrumento importante para reduzirmos as falhas de comunicação. Além disso, poderemos usar a rede social para identificar softwares e ferramentas específicas que poderão ajudar no dia a dia do trabalho realizado em nossa empresa. O tema apresentado no projeto poderá contribuir inclusive em minha função na empresa, pois poderei aprimorar minhas habilidades e competências no uso da rede social, em pró da atividade de comunicação realizada entre a matriz e suas filiais. O assunto abordado poderá inclusive abrir novas perspectivas para os desafios apresentados em minha profissão, visto que atualmente temos na empresa um gasto muito grande com a conta telefônica. Poderemos reduzir drasticamente os custos, usando a rede social, e também a ferramenta de chat (bate-papo), vinculada à rede social Facebook. 2.4 Relevância Social O assunto que estamos abordando poderá contribuir para um melhor conhecimento do problema, na sociedade e na comunidade de Jundiaí e região; isso porque pretendemos divulgar amplamente nossa rede social entre as empresas, escolas, e instituições não governamentais da região. 90

91 Pelo fato de estarmos divulgando a rede social dentro da sociedade e da comunidade, estaremos aplicando o conceito de inclusão social e digital, e tornando de acesso público e aberto, informações que poderiam ser fechadas, mas estarão disponíveis em pró de jovens estudantes, que queiram decidir e optar por um curso de graduação na área de Gestão Comercial. 3. PROBLEMATIZAÇÃO QUE GEROU O PROJETO Muito já foi feito com relação à pesquisa sobre redes sociais, mas pouco se tem visto sobre o tema de interação relacionado às redes sociais, e também a catalogação de aplicativos educacionais. Neste caso, abrem-se as possibilidades de pesquisa para este tema, para novas discussões, análises e investigações sobre o assunto. Pretendemos fazer um levantamento inicial de páginas de redes sociais na área de gestão comercial disponíveis em várias redes, entre elas: Facebook, Hi5, Myspace, Orkut, Sonico, Linkedin, Lemill, Ning, Xing, etc. Poderemos aprofundar o estudo sobre as redes sociais Facebook (que é mais utilizada atualmente no mercado) Figura 1, e a Lemill (que tem temática educativa) Figura 2. Iremos levantar informações como: nome da página de rede social, dados do proprietário, se possui vinculo com alguma faculdade, centro universitário, universidade ou outra instituição de ensino, quantidade de usuários, grau de participação dos usuários na rede social, se faz uso de aplicativos para o ensino, pontos fortes, pontos fracos, vantagens, desvantagens, etc. 91

92 Figura 1: Tela do Facebook, e um grupo (página) sobre Educação Mundo Educação Figura 2: Página inicial da Rede Social Lemill - voltada para o tema de educação Mais especificamente, pretendemos analisar aspectos de interação e também no âmbito dos aplicativos usados nessas redes sociais. Nosso grande problema será identificar as 92

93 causas dos problemas de interação, e também os recursos utilzados, ou a falta deles, na rede social analisada. Sinteticamente, os problemas que iremos atacar serão os seguintes: A interação nas redes sociais está sendo realizada de maneira apropriada? Esta sendo feito uso adequado de ferramentas dentro das redes sociais? Os elementos de interação identificados são aplicáveis no âmbito da área de gestão comercial? Os aplicativos identificados poderão ser aplicados em sua totalidade na área de gestão comercial? Que tipos de ajustes na interação deveriam ser feitos para melhor nos comportarmos na área de gestão comercial? 4. OBJETIVOS O objetivo geral deste trabalho de pesquisa será desenvolver uma rede social específica para o curso de Tecnologia em Gestão Comercial, focando em ferramentas educativas e também em elementos de interação. Como objetivos específicos, temos: Investigar as características de páginas de redes sociais voltadas para a área de gestão comercial; Analisar aspectos de interação relacionadas a paginas de redes sociais em gestão comercial; Analisar e comparar várias redes sociais, e decidir qual será mais apropriada no âmbito do projeto em questão; Implementar a rede social; Validar a sua utilização, colocando em situações reais de uso. 93

94 5. METODOLOGIA Faremos uma pesquisa bibliográfia sobre o tema de redes sociais, além disso, realizaremos um estudo de caso para a implementação de uma rede social, provavelmente dentro do sistema Facebook. Ainda iremos decidir, com base em análises, se optaremos por esta rede social ou outra, dependendo de suas características. O Facebook é a maior rede social on-line do Mundo. O perfil e a lista de amigos só podem ser vistos por quem foi autorizado. É o mais flexível e tem boa variedade de ferramentas, como lembrete de aniversários por exemplo. O seu poder de atratividade tem contribuído para que cada vez mais jovens usem esta rede social. A internet em geral e as tecnologias web fazem parte do cotidiano dos nossos alunos, e os professores procuram acompanhá-los utilizando ferramentas da web em atividades de interação, integradas ao processo de aprendizagem. As redes sociais possibilitam diversas oportunidades para a criação de ambientes de aprendizagem significativos. A inovação, a colaboração, a interação, o compartilhamento, a pró-atividade, a participação, o pensamento crítico e reflexivo, são algumas das palavras-chave na utilização das redes sociais em contexto educativo (Patrício e Gonçalves, 2010). Pretenderemos com base em nossa experiência, e também nos baseando em artigos, livros, monografias, teses e dissertações, definir os critérios de análise, que irão nortear a avaliação dos sistemas de redes sociais. Após implementarmos a rede social na prática, e depois de colocarmos a mesma em situações reais de uso, pretendemos aplicar um questionário aos alunos e também aos professores envolvidos, para que coloquem sua percepção sobre o uso do sistema. Esse questionário será desenvolvido ao longo do projeto de pesquisa em questão. Esses questionários serão aplicados junto aos professores e alunos, após a utilização da página de rede social. Ainda iremos decidir se o uso será feito em um laboratório de informática específico dentro do Centro Universitário Anchieta, ou se será feito de qualquer local (da faculdade, de casa, do trabalho). Provavelmente utilizaremos a segunda opção, ou seja, usar a rede social de algum outro local; pois no primeiro caso, os usuários acabariam conversando entre si, pessoalmente, e a ideia da rede social é exatamente a interação e a comunicação pelo próprio sistema. Os dados provenientes da análise das redes sociais serão representados na forma tabular e gráfica. No caso dos dados provenientes da aplicação do questionário faremos 94

95 uma análise qualitativa e quantitativa, e também representá-los na foma tabular e gráfica. Para relacionarmos o trabalho prático com o referencial teórico proposto, vamos identificar nos artigos, teses, dissertações e monografias, provenientes da revisão da literatura, os critérios a serem adotados na análise e avaliação das redes sociais. 6. REFERENCIAL TEÓRICO O termo redes sociais na internet vem sendo utilizado, tanto na mídia, quanto em estudos acadêmicos, para se referir a tipos de relações sociais e de sociabilidade virtuais que se diferenciam em propósitos. Os chamados SNS Social Network Sites, possuem vínculos que não se delimitam as fronteiras geográficas e culturais (etnias, religião, idioma, gênero, etc.), e essas novas formas relacionais e suas possibilidades de apropriação das TICs Tecnologias de Informação e Comunicação, representam novos desafios teóricos e práticos em termos de pesquisa (Aguiar, 2007). De acordo com Tomaél et al. (2005), as redes sociais são considerados espaços importantes para o compartilhamento das informações e para a construção colaborativa do novo conhecimento. Em seu artigo, os autores avaliaram as relações entre informação, conhecimento, aprendizagem organizacional e inovação, além da interação envolvida dentro de um sistema de rede social. Ainda, segundo os autores, a interação entre os atores possibilita promover o compartilhamento das informações e do novo conhecimento, norteando a geração de inovações tecnológica. O trabalho proposto por Tomaél et al., vem ao encontro com o trabalho que estamos propondo neste projeto de pesquisa, isto porque os autores consideram as redes sociais como ambientes para compartilhamento das informações, além de possibilitarem a construção do novo conhecimento, por meio da interação entre os atores envolvidos no processo, que no nosso caso são os professores e os alunos. De acordo com Marteleto (2001, p. 72), as redes sociais representam um conjunto de participantes autônomos, unindo ideias e recursos em torno de valores e interesses compartilhados. Esta definição é importante, pois envolve a abordagem de compartilhamento de interesses, que estão relacionados ao compartilhamento da informação e do conhecimento. Para Castells (1999, p. 385), uma comunidade virtual trata-se de: como uma rede eletrônica de comunicação interativa autodefinida, organizada em torno de um interesse ou finalidade compartilhada, embora algumas vezes a própria comunicação se 95

96 transforme no objetivo. Ainda, para este autor, o desenvolvimento tecnológico fornece um suporte apropriado para a comunicação, favorecendo a desnacionalização e desestatização da informação. Para Aguiar (2007), a expressão redes sociais na internet vem sendo utilizada para designar sites que oferecem serviços e ferramentas de comunicação e interação centrados em um padrão de relacionamentos. Davenport (1994) ressalta a importância das pessoas no compartilhamento das informações, nestes elementos: (i) as empresas precisam refletir sobre como as pessoas usam a informação, e não como usam os recursos tecnológicos, (ii) as informações que as pessoas consideram importantes nas empresas, em boa parte, não são passíveis de serem gerenciadas por recursos tecnológicos, (iii) as pessoas agregam valor aos dados, interpretando-os, gerando informações pertinentes para os gerentes, (iv) as pessoas são elementos importantes no contexto informacional, assim qualquer mapa informacional deve incluí-las, (v) a comunicação tecnológica somente será possível, se houver antes a comunicação pessoal. O artigo de Recuero (2004) discute a teoria das redes sociais e a insuficiência dos modelos de redes igualitárias, mundos pequenos e redes sem escalas para dar conta do problema das redes sociais, estabelecidas por intermédio da comunicação mediada por computador. A autora realizou uma análise e discussão apresentando exemplos da aplicação direta desses modelos no sistema Orkut e em Weblogs e Fotologs. Nos trabalhos de Machado e Tijiboy (2005), foi apresentado um artigo que pretendia trazer uma contribuição para o campo educacional através da análise das relações sociais provenientes da criação e proliferação das comunidades virtuais. Os autores buscaram lançar um olhar sobre as redes virtuais como espaços de construção e produção de discursos, manifestação de múltiplas verdades sociais e suas representações. Estes autores disponibilizaram e discutiram um gráfico que contém o percentual de usuários do sistema Orkut por faixa etária, conforme Figura 3. Pode-se observar no gráfico que os jovens compõem a maior parte dos usuários do sistema. 96

97 Figura 3: Percentual de usuários do sistema Orkut por faixa etária (Machado e Tijiboy, 2005) A abordagem adotada neste projeto de pesquisa vai além do foco principal das redes sociais, que é o de interação, comunicação e compartilhamento de informações. Temos também um objetivo pedagógico e de uso da rede social no âmbito da educação e do ensino-aprendizagem auxiliado pelo computador. Podemos destacar abaixo alguns trabalhos já desenvolvidos nesta área. Carvalho (2008) foi organizadora de um livro muito interessante intitulado manual de ferramentas da web 2.0 para professores. Cada um dos capítulos do livro descreve ferramentas e aplicações úteis no contexto do ensino-aprendizagem. Foram descritas as ferramentas: web 2.0, podcast, blog, youtube, flickr, delicious, dandelife, wiki, goowy, ferramentas google, tecnologias móveis, popfly, second life, movie maker, mapas conceituais, e o cmaptools. Patrício e Gonçalves (2010), em seu artigo, propuseram explorar e identificar o potencial educativo do facebook, por meio de aplicações, recursos e atividades que pudessem suportar o processo de ensino-aprendizagem. O estudo de caso proposto pelos autores incidiu sobre os alunos de uma turma de primeiro ano de licenciatura em Educação Básica na unidade curricular de Tecnologias da Informação e Comunicação em Educação. No artigo, os autores apresentaram a rede social facebook como um recurso importante para professores, para a prática da interação, da colaboração e das competências tecnológicas no ensino superior. Fernandes (2011), em seu artigo, pretendeu explorar alguns conceitos no âmbito de redes sociais online e equacionar as potencialidades que a rede social Facebook pode evidenciar no contexto das comunidades virtuais de aprendizagem. Munidos destes e de outros referenciais teóricos, pretendemos desenvolver nosso projeto de pesquisa em questão. 97

98 7. BIBLIOGRAFIA AGUIAR, S. (2007). Redes Sociais na Internet: desafios à pesquisa. Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, e XXX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Santos-SP. CARVALHO, A.A.A. (2008). Manual de Ferramentas da Web 2.0 para Professores. Ministério da Educação. DGIDC Direção Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular. ISBN: Universidade do Minho, Portugal. [on-line]. Disponível em: Último acesso: 11/03/2013. CASTELLS, M. (1999). A Sociedade em Rede - A era da informação: economia, sociedade e cultura; v. 1, 3a. Editora São Paulo, Paz e Terra. DAVENPORT, T.H. (1994). Saving it s soul: human-centered information management. Harvard Business Review, v. 72, n. 2, p , Mar./Apr FERNANDES, L.. (2011). Redes Sociais Online e Educação: Contributo do Facebook no Contexto das Comunidades Virtuais de Aprendentes. Lisboa: Universidade de Nova Lisboa. MACHADO, J.R., TIJIBOY, A.V. (2005). Redes Sociais Virtuais: um espaço para efetivação da aprendizagem cooperativa. CINTED-UFRGS Novas Tecnologias na Educação, V.3, N.1, maio/2005. MARTELETO, R.M.. (2001). Análise de redes sociais: aplicação nos estudos de transferência da informação. Ciência da Informação, Brasília, v. 30, n. 1, p , jan./abr PATRÍCIO, M.R., GONÇALVES, V.. (2010). Utilização educativa do facebook no ensino superior. Biblioteca Digital IPB Repositório Institucional do Instituto Politécnico de Bragança. Universidade de Évora, Portugal. UNIANCHIETA (2013). PPC Projeto Pedagógico do Curso de Tecnologia em Gestão Comercial, do Centro Universitário Padre Anchieta, Jundiaí-SP. UNIANCHIETA (2013). PPI Projeto Pedagógico Institucional do Centro Universitário Padre Anchieta, Jundiaí-SP. RECUERO, R. da C. (2004). Teria das Redes e Redes Sociais na Internet. IV Encontro dos Núcleos de Pesquisa da XXVII Intercom, Porto Alegre, RS. TOMAÉL, M.I.; ALCARÁ, A.R.; DI CHIARA, I.G.. (2005). Das Redes Sociais à Inovação. Ci. Inf. Brasília, v.34, n.2, p , maio/ago

99 8. CRONOGRAMA DAS ATIVIDADES 2013 Atividades Agosto Levantamento de referencial teórico sobre o tema de redes sociais e aplicativos educativos Setembro Levantamento de referencial teórico sobre o tema de redes sociais e aplicativos educativos. Identificação dos critérios para análise das páginas de redes sociais na área de gestão comercial Outubro Levantamento de páginas de redes sociais na área de gestão comercial Novembro Análise das características de páginas de redes sociais na área de gestão comercial Dezembro Análise das características de páginas de redes sociais na área de gestão comercial 2014 Atividades Janeiro Escrita do Relatório Parcial de Atividades. Implementação da página de rede social na área de gestão comercial, dentro da rede social escolhida para tal Fevereiro Escrita e entrega do Relatório Parcial de Atividades. Finalização da implementação da página de rede social na área de gestão comercial, dentro da rede social escolhida para tal. Levantamento de aplicativos educativos para serem disponibilizados na página de rede social Março Disponibilização na rede social dos aplicativos educativos levantados. Teste de uso da página de rede social com usuários reais (professores e alunos) Abril Teste de uso da página de rede social com usuários reais (professores e alunos) Maio Escrita do Relatório Final Junho Finalização da Escrita do Relatório Final e sua entrega 10. PLANO FINANCEIRO Não haverá custos, pois a base de estudos, que são as redes sociais, são sistemas disponibilizados gratuitamente na internet. 99

100 6 Tecnologias de informação e comunicação no processo ensinoaprendizagem A presença de artefatos tecnológicos cada vez mais acessíveis às diversas camadas socioeconômicas proporciona facilidades e promove mudanças significativas nos ambientes educativos, permitindo uma gama de linguagens próximas do universo de interesses dos alunos. Essas facilidades permitem manifestações de ideias e a expressão do pensamento imagético, criando melhores condições para a aprendizagem e o desenvolvimento do ser humano e da civilização. O curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial aplica, tanto no âmbito educativo como no organizacional, as Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) que assumem um papel cada vez mais influente e imprescindível, sendo notória a evolução permanente nos paradigmas relacionados com a sua utilização. O curso conta ainda com recursos didáticos constituídos por diferentes mídias e tecnologias, tecnologias de telefonia, TV convencional, data shows, programas específicos de computadores, conteúdos disponibilizados em livros e em CD/DVD, grupos nas redes sociais (facebook) e plataforma EAD, entre outros. 6.1 Moodle Ambiente Virtual: Projeto Integrador. Prof. Carlos Gaspari. O curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial aplica o uso da Plataforma Moodle para auxílio em algumas disciplinas do curso. O acesso aos materiais e envios de trabalho do Projeto Integrador do curso de Gestão Comercial será efetuado no Ambiente Virtual da disciplina. 100

101 Moodle: 101

102 Acesso aos materiais: Envio de trabalhos: Alunos participantes: 102

103 6.2 Redes e mídias sociais. Destacamos também o uso de redes sociais (tais como Facebook) com grupos do curso, nas quais os alunos possuem intensa participação. 103

104 6.3 Sistema de Gestão Acadêmica Lyceum. No âmbito institucional, o gerenciamento do Controle Acadêmico é realizado por meio do Sistema de Gestão Acadêmica Lyceum. Os registros acadêmicos, tais como presenças e faltas, são realizados todas as aulas e mensalmente informados eletronicamente pelo professor de cada disciplina, no módulo docente online, pelo Sistema Lyceum. Da mesma forma ocorre com a avaliação do discente. Pelo aluno online, o estudante tem acesso, além da frequência e notas, os materiais de aula das disciplinas, disponibilizados pelo professor. 104

105 6.4 Website Prof. Marcelo Pilon. A página dos alunos, em meu website, é uma iniciativa pessoal. Neste espaço compartilho ideias, pensamentos, artigos, e-books e materiais de apoio didático. Acesso aos materiais. Acesso com senhas. 105

106 Acesso aos materiais. 106

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições:

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições: 1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições: Professor-autor é aquele que possui pleno domínio da área

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

A Faculdade Certificada pela FGV em Goiás. Acordo de Parceria - Convênios 2011. AFFEGO Associação Funcionários do Fisco de Goiás

A Faculdade Certificada pela FGV em Goiás. Acordo de Parceria - Convênios 2011. AFFEGO Associação Funcionários do Fisco de Goiás A Faculdade Certificada pela FGV em Goiás Acordo de Parceria - Convênios 2011 AFFEGO Associação Funcionários do Fisco de Goiás ACORDO DE PARCERIA - CONVÊNIOS 2011 Preparada Por: Empreza Educação e Serviços

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO PIC/PIBITI/UniCEUB EDITAL DE 2015

PROGRAMA DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO PIC/PIBITI/UniCEUB EDITAL DE 2015 PROGRAMA DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO PIC/PIBITI/UniCEUB EDITAL DE 2015 O reitor do Centro Universitário de Brasília UniCEUB, no uso de suas atribuições legais e estatutárias,

Leia mais

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA Cachoeira, março de 2011 REGULAMENTO DE MONITORIA ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º

Leia mais

Regulamento de Monitoria do Curso de Medicina da UNOESTE. REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA CAPÍTULO I DA APRESENTAÇÃO

Regulamento de Monitoria do Curso de Medicina da UNOESTE. REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA CAPÍTULO I DA APRESENTAÇÃO Regulamento de Monitoria do Curso de Medicina da UNOESTE. REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA CAPÍTULO I DA APRESENTAÇÃO Art. 1º O presente Regulamento estabelece as finalidades, objetivos, atribuições

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA DO ENSINO DE GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA DO ENSINO DE GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA DO ENSINO DE GRADUAÇÃO Aprovado no Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) e Conselho de Administração Superior (CAS) em 18 de junho de 2015, Processo 016/2015

Leia mais

Capítulo I Da Origem. Capítulo II Dos Órgãos Colegiados

Capítulo I Da Origem. Capítulo II Dos Órgãos Colegiados NORMATIZAÇÃO ADMINISTRATIVA, DIDÁTICO-PEDAGÓGICA PARA AS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NOS CURSOS TÉCNICOS NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão de Marketing e Vendas

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão de Marketing e Vendas DESCRITIVO DE CURSO MBA em Gestão de Marketing e Vendas 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

MBA em Gestão Estratégica e Marketing Digital Objetivo do curso:

MBA em Gestão Estratégica e Marketing Digital Objetivo do curso: Com carga horária de 420 horas o curso MBA em Gestão Estratégica e Marketing Digital é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros no curso: 04) para avaliação nos

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES - Curso de Comunicação Social

ATIVIDADES COMPLEMENTARES - Curso de Comunicação Social ATIVIDADES COMPLEMENTARES - Curso de Comunicação Social As Atividades Complementares são práticas acadêmicas, obrigatórias para os alunos do UniFIAMFAAM. Essas atividades são apresentadas sob múltiplos

Leia mais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E GERENCIAIS 2012 GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais CURSOS ADMINISTRAÇÃO CIÊNCIAS ATUARIAIS CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIÊNCIAS

Leia mais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais CURSOS : ADMINISTRAÇÃO CIÊNCIAS ATUARIAIS CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS CIÊNCIAS

Leia mais

GUIA ACADÊMICO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURRICULARES

GUIA ACADÊMICO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURRICULARES GUIA ACADÊMICO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURRICULARES Válido para ingressantes a partir do 1º/2010 Prezado (a) acadêmico (a), Seja bem vindo ao Centro Universitário Instituto de Educação Superior de Brasília

Leia mais

Formação de Formadores

Formação de Formadores REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: Formação de Formadores São Paulo 2012 1 Sumário Título I Da Constituição do Programa... 03 Capítulo I Dos Fins e Objetivos... 03 Capítulo II

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG ESCOLA DE DESIGN ED COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO NUCLEO INTEGRADOR DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - NIPP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 Aprovado pelo

Leia mais

PROJETO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO INFANTIL 2014.2

PROJETO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO INFANTIL 2014.2 PROJETO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO INFANTIL 2014.2 APRESENTAÇÃO A Educação Infantil é a primeira etapa da Educação Básica e tem como finalidade o desenvolvimento integral

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO FIC PRONATEC Canoas

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011)

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas DESCRITIVO DE CURSO MBA em Liderança e Gestão de Pessoas 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que

Leia mais

Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação

Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação Os cursos oferecidos pela instituição de Ensino Superior IES devem ter seus projetos pedagógicos construídos

Leia mais

Fornecer conteúdos e refletir sobre práticas atualizadas de comunicação e marketing, como as técnicas e ferramentas de marketing digital.

Fornecer conteúdos e refletir sobre práticas atualizadas de comunicação e marketing, como as técnicas e ferramentas de marketing digital. MBA em Marketing Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições em Breve Turma 09 --> A globalização e os avanços tecnológicos estão abrindo oportunidades de negócios, novas formas de comercialização e despertando

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão de Projetos

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão de Projetos DESCRITIVO DE CURSO MBA em Gestão de Projetos 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que apontam a

Leia mais

Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF)

Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF) FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF) Introdução O Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de

Leia mais

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu VICE-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu CAPÍTULO I DA FINALIDADE E DA ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO Art. 1º Os Programas de

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. Sumário

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. Sumário REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL Sumário Capítulo I: DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... Capítulo II: DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO

REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO Artigo 1º A unidade acadêmico-gerencial modelo designado Escritório de Práticas de Gestão e com nome fantasia

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS REGULAMENTO

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS REGULAMENTO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS REGULAMENTO Guarapuava 2013 1 CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES INICIAIS Art. 1º As atividades de Estágio Curricular Supervisionado do Curso de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO: PEDAGOGIA

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO: PEDAGOGIA 1 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DE CRUZEIRO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO: PEDAGOGIA 2 CRUZEIRO - SP 2014 APRESENTAÇÃO De acordo com a Resolução n o 1, de 02 de fevereiro de 2004,

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS EM SAÚDE (STRICTO SENSU)

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS EM SAÚDE (STRICTO SENSU) REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS EM SAÚDE (STRICTO SENSU) MESTRADO TÍTULO I DOS FINS Art. 1 o O curso de Pós-Graduação Mestrado em Tecnologias em Saúde, da Fundação Bahiana para Desenvolvimento

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC 2014 ÍNDICE CAPÍTULO I... 3 Da Constituição, Natureza, Finalidade e Objetivos dos Cursos... 3 CAPÍTULO II... 3 Da Implantação dos Cursos...

Leia mais

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida CETEC EDUCACIONAL S.A Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP Mantida PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 1 SUMÁRIO

Leia mais

MBA EM CONSULTORIA E GESTÃO DE NEGÓCIOS 2014.1

MBA EM CONSULTORIA E GESTÃO DE NEGÓCIOS 2014.1 NÚMERO DE VAGAS: 45 (Quarenta e cinco) vagas. PREVISÃO DE INÍCIO DAS AULAS Abril de 2014 APRESENTAÇÃO / JUSTIFICATIVA MBA EM CONSULTORIA E GESTÃO DE NEGÓCIOS 2014.1 O MBA EM CONSULTORIA & GESTÃO DE NEGÓCIOS,

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Carga Horária Total exigida no curso: 200 horas

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Carga Horária Total exigida no curso: 200 horas REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Carga Horária Total exigida no curso: 200 LONDRINA/PR 2014 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso março 2011. ESPM Unidade Porto Alegre. Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS.

MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso março 2011. ESPM Unidade Porto Alegre. Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. MANUAL DO CANDIDATO Ingresso março 2011 ESPM Unidade Porto Alegre Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. Informações: Central de Candidatos: (51) 3218-1400 Segunda a sexta-feira 9h00

Leia mais

Como ter sucesso na educação a distância

Como ter sucesso na educação a distância Metodologia Diferenciada Ambiente de Aprendizagem Moderno Inovação Continuada e Empreendedorismo Como ter sucesso na educação a distância 1 Regulamento 2 1 Como ter sucesso na educação a distância Para

Leia mais

SELEÇÃO DE PROJETOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

SELEÇÃO DE PROJETOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Associação Teresinense de Ensino S/C Ltda FACULDADE SANTO AGOSTINHO SELEÇÃO DE PROJETOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA EDITAL Nº 003/2014 A Direção Geral da Faculdade Santo Agostinho e a Coordenação de Pós-Graduação,

Leia mais

Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL

Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL A DIRETORA DA ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS no exercício de suas atribuições legais, com fundamento no art. 65, inciso II da Lei

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO. Ji-Paraná RO, 2015.

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO. Ji-Paraná RO, 2015. CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO Ji-Paraná RO, 15. CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 Aprova a Reformulação do Regimento da Educação a Distância O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições, de acordo com o Art. 25 do Estatuto da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

REGULAMENTO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA REGULAMENTO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA O Programa de Iniciação Científica da Universidade Nove de Julho UNINOVE destinase a alunos de graduação para desenvolvimento de pesquisa científica (IC) ou tecnológica

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá GABINETE DA REITORIA

Universidade Estadual de Maringá GABINETE DA REITORIA R E S O L U Ç Ã O N o 119/2005-CEP CERTIDÃO Certifico que a presente Resolução foi afixada em local de costume, nesta Reitoria, no dia 1º/9/2005. Esmeralda Alves Moro, Secretária. Aprova normas para organização

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Cacoal RO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS

Leia mais

3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria

3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria 3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria RESOLUÇÃO N.º 06/2006 - CONSUN APROVA O SISTEMA DE AVALIAÇÃO E PROMOÇÃO PARA OS ALUNOS DE GRADUAÇÃO E CURSOS SEQÜENCIAIS DA PUCPR INGRESSANTES A PARTIR DE 2000. O Presidente

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DA ÁREA INFORMÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL SUL- RIOGRANDENSE - CAMPUS PASSO FUNDO

REGULAMENTO DOS CURSOS DA ÁREA INFORMÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL SUL- RIOGRANDENSE - CAMPUS PASSO FUNDO REGULAMENTO DOS CURSOS DA ÁREA INFORMÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL SUL- RIOGRANDENSE - CAMPUS PASSO FUNDO O Regulamento dos Cursos da Área de Informática foi aprovado pelo Colegiado do Curso em 09 de outubro

Leia mais

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos.

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos. Resolução n.º 03/2010 Regulamenta os Cursos de Pós-Graduação da Faculdade Campo Real. O CONSU Conselho Superior, por meio do Diretor Geral da Faculdade Campo Real, mantida pela UB Campo Real Educacional

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Andréa Tonini José Luiz Padilha Damilano Vera Lucia Marostega Universidade Federal de Santa Maria RS RESUMO A UFSM vem ofertando Cursos de Formação

Leia mais

REGULAMENTO BOLSA ESTÁGIO FACULDADES FUTURÃO

REGULAMENTO BOLSA ESTÁGIO FACULDADES FUTURÃO REGULAMENTO BOLSA ESTÁGIO FACULDADES FUTURÃO A Diretora Geral da Faculdades Futurão, mantida por CENTEFF Centro Técnico e Faculdades Futurão, faz saber aos interessados que a IES oferece Bolsa de Estágio

Leia mais

Instituto Nacional de Ensino e Pesquisa

Instituto Nacional de Ensino e Pesquisa REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE INESP INSTITUTO NACIONAL DE ENSINO E PESQUISA Em conformidade com o Parecer CES/CNE 146/2002, homologado em 13 de maio de

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA

REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA BARRETOS 2010 REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA Art. 1 - O Programa de Monitoria da Faculdade Barretos, destinado a alunos regularmente matriculados, obedecerá às normas

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância - Dresead Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

Público Alvo: Investimento: Disciplinas:

Público Alvo: Investimento: Disciplinas: A Universidade Católica Dom Bosco - UCDB com mais de 50 anos de existência, é uma referência em educação salesiana no país, sendo reconhecida como a melhor universidade particular do Centro-Oeste (IGC/MEC).

Leia mais

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ME FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA PRELIMINARES POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA Santa Maria, RS Junho - 2010 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO... 1 2. POLÍTICAS DE ENSINO

Leia mais

N de cursos ofertados; % de vagas ocupadas/ formas de ingresso.

N de cursos ofertados; % de vagas ocupadas/ formas de ingresso. Anexo II Dimensões Elementos Indicadores quantitativos Indicadores qualitativos % de cursos com projeto pedagógico/ adequados ao Projeto Condições de implementação dos Projetos Projeto Pedagógico dos Institucional

Leia mais

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Projeto de Implantação do Núcleo Tecnológico de Educação Aberta - NTEA Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Ourinhos - 2012 2 1- DADOS GERAIS 1.1 UNIDADE EXECUTORA FIO - FACULDADES INTEGRADAS DE OURINHOS

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL Política Pedagógica Institucional Faculdade Eniac Ver. 02 (2010 / 2011) APRESENTAÇÃO

PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL Política Pedagógica Institucional Faculdade Eniac Ver. 02 (2010 / 2011) APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO O presente documento tem por finalidade apresentar o PPI que é o Projeto Pedagógico Institucional do ENIAC, conjunto das melhores práticas pedagógicas, tecnológicas, administrativas e de gestão

Leia mais

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica Edital 1/2014 Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica A (PoloSul.org) torna pública a presente chamada e convida os interessados para apresentar propostas de incubação

Leia mais

Texto orientador para a audiência pública sobre o marco regulatório dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu Especialização

Texto orientador para a audiência pública sobre o marco regulatório dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu Especialização CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Texto orientador para a audiência pública sobre o marco regulatório dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu Especialização Comissão da Câmara de Educação Superior Erasto Fortes

Leia mais

FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGIMENTO INTERNO DA AGÊNCIA EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO INTEGRADA - AGEX CAPÍTULO I NOÇÕES INTRODUTÓRIAS

FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGIMENTO INTERNO DA AGÊNCIA EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO INTEGRADA - AGEX CAPÍTULO I NOÇÕES INTRODUTÓRIAS FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGIMENTO INTERNO DA AGÊNCIA EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO INTEGRADA - AGEX Aprovado no CONSEPE na 30ª sessão realizada em 16 de abril de 2012 e homologado na 140ª sessão

Leia mais

PROGRAMA DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NO CAMPUS ARARANGUÁ DO IF-SC EDITAL INTERNO- N0 XX/2010

PROGRAMA DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NO CAMPUS ARARANGUÁ DO IF-SC EDITAL INTERNO- N0 XX/2010 PROGRAMA DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NO DO IF-SC EDITAL INTERNO- N0 XX/2010 CHAMADA DE PROJETOS DE PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA EXECUÇÃO: 19 DE ABRIL DE 2010 A 10 DE MAIO DE 2010

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO

ESPECIALIZAÇÃO EM PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO CONCEPÇÃO DO CURSO O curso de Pós-graduação Lato Sensu Especialização em Propriedade Intelectual e Inovação faz parte do Programa de Capacitação dos

Leia mais

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são:

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são: 1) Formas de participação do Corpo Discente: O Colegiado do Curso é um órgão consultivo, deliberativo e normativo, onde é possível a participação do corpo discente nas decisões que competem a exposição

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES 2015 SUMÁRIO CAPÍTULO I...4 Disposições preliminares...4 CAPÍTULO II...4 Das atividades complementares...4 Seção I...4 Atividades de iniciação científica...4 Seção

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL (PCI) Edital nº002/2015. 2º Processo Seletivo do PCI/IBICT de 2015

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL (PCI) Edital nº002/2015. 2º Processo Seletivo do PCI/IBICT de 2015 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL (PCI) Edital nº002/2015 2º Processo Seletivo do PCI/IBICT de 2015 O INSTITUTO BRASILEIRO DE INFORMAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA (IBICT), Unidade de Pesquisa do Ministério

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

Duvidas administrativas dos cursos da EAD Metodista:

Duvidas administrativas dos cursos da EAD Metodista: Duvidas administrativas dos cursos da EAD Metodista: A metodista é credenciada pelo MEC para o oferecimento de cursos a distância? Sim. A Universidade Metodista de São Paulo recebeu o credenciamento do

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICA REGIONAL E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 18/00 - CEPE R E S O L V E:

RESOLUÇÃO Nº 18/00 - CEPE R E S O L V E: RESOLUÇÃO Nº 18/00 - CEPE Aprova as normas básicas da atividade acadêmica dos Cursos de Graduação na modalidade de Educação à Distância da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE BELÉM ESTÁCIO BELÉM REGULAMENTO DE PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA BELÉM PARÁ

FACULDADE ESTÁCIO DE BELÉM ESTÁCIO BELÉM REGULAMENTO DE PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA BELÉM PARÁ FACULDADE ESTÁCIO DE BELÉM ESTÁCIO BELÉM REGULAMENTO DE PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA BELÉM PARÁ 1 2015 O Programa de Iniciação Científica da Faculdade Estácio de Belém, doravante denominada Estácio

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CONSELHO UNIVERSITÁRIO

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CONSELHO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CONSELHO UNIVERSITÁRIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE FISIOTERAPIA (Ato de Aprovação:

Leia mais

Regulamenta a validação e registro das Atividades Complementares dos cursos de Graduação das Faculdades Projeção.

Regulamenta a validação e registro das Atividades Complementares dos cursos de Graduação das Faculdades Projeção. RESOLUÇÃO Nº 01/2011 Regulamenta a validação e registro das Atividades Complementares dos cursos de Graduação das Faculdades Projeção. O Conselho Superior da Faculdade Projeção, com base nas suas competências

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE UBERABA - CESUBE CAPÍTULO I

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE UBERABA - CESUBE CAPÍTULO I REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE UBERABA - CESUBE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento disciplina

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu

Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu TÍTULO I Do Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu Capítulo I Das Disposições Preliminares Artigo 1º - O Regime de Pós-Graduação Stricto Sensu, nos níveis de

Leia mais

Texto orientador para a audiência pública sobre o marco regulatório dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu Especialização

Texto orientador para a audiência pública sobre o marco regulatório dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu Especialização CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Texto orientador para a audiência pública sobre o marco regulatório dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu Especialização Comissão da Câmara de Educação Superior Erasto Fortes

Leia mais

PROF. RAIMUNDO NONATO DA COSTA SABÓIA VILARINS Presidente do Conselho Universitário Reitor Pro Tempore da UERR

PROF. RAIMUNDO NONATO DA COSTA SABÓIA VILARINS Presidente do Conselho Universitário Reitor Pro Tempore da UERR Dispõe sobre a aprovação do Regulamento Geral da Pós Lato Sensu da Universidade Estadual de Roraima. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO E REITOR PRO TEMPORE DA - UERR, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

lato sensu na modalidade de educação a

lato sensu na modalidade de educação a DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 122/2011 Regulamenta os Cursos de Pós-graduação lato sensu na modalidade de educação a distância (EAD) na Universidade de Taubaté. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade

Leia mais

MANUAL NORMATIVO PARA PROGRAMAS DE INTERCÂMBIO INTERNACIONAL

MANUAL NORMATIVO PARA PROGRAMAS DE INTERCÂMBIO INTERNACIONAL MANUAL NORMATIVO PARA PROGRAMAS DE INTERCÂMBIO INTERNACIONAL APRESENTAÇÃO Em sintonia com a sua missão de promover o desenvolvimento das habilidades empreendedoras de nosso público-alvo, a ETFG-BH incentiva

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIAS. CAPÍTULO I Dos objetivos

FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIAS. CAPÍTULO I Dos objetivos FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIAS CAPÍTULO I Dos objetivos Art.1º Adotar e estimular a Monitoria Acadêmica, que será desenvolvida em conformidade com o regulamento abaixo,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURITIBA 2015 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas São Paulo, 20 de maio de 2009. ASSUNTO: NORMA ADMINISTRATIVA PARA A REALIZAÇÃO DE MONITORIA NO CCSA Prezado(a) Aluno(a), Considerando: I. a importância da monitoria como um dos meios para a operacionalização

Leia mais