Os 11 Elementos da Motivação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os 11 Elementos da Motivação"

Transcrição

1 INTRODUÇÃO Os 11 Elementos da Motivação If you pick the right people and give them the opportunity to spread their wings and put compensation as a carrier behind it you almost don t have to manage them. Jack Welch Quais são os objetivos deste livro? O que é que realmente motiva as pessoas? E o que é que as empresas fazem para criar impacto motivacional nos colaboradores? Este livro pretende demonstrar em pormenor o que algumas empresas e chefias de destaque fazem para motivar os seus colaboradores. Mais especificamente, os objetivos do livro são: 1. Fornecer uma abordagem prática para analisar e planificar as ações de motivação, tanto ao nível da organização, como ao nível da equipa. A abordagem explicitada neste livro pode ser utilizada como uma base para criar estratégias de motivação adaptadas aos colaboradores do leitor. 2. Levar as pessoas a pensar em novas maneiras de motivação. O presente livro recorre a muitos exemplos, com o intuito de inspirar o leitor para que tenha ainda melhores ideias no seio da sua organização e da sua equipa. Motivação implica criatividade! Em que premissas se baseia este livro? Lidel-Edições Técnicas Premissa 1: Não existe nenhuma fórmula mágica. Motivar pessoas é uma tarefa complexa que envolve diversas variáveis que iremos explorar ao longo do livro. Mas a combinação perfeita, a fórmula mágica, não foi encontrada até agora. Premissa 2: A motivação é sempre automotivação. Afinal, não se trata de motivar outras pessoas ; na realidade, são as próprias pessoas que vão criar a motivação dentro delas. Motivar outras pessoas é criar os mecanismos e contextos necessários para que estas se consigam automotivar. 3

2 Os 11 Elementos da Motivação Na literatura sobre motivação, diistingue-se motivação intrínseca (ou interna) de motivação extrínseca (ou externa). Tal como sugere a própria expressão, a motivação intrínseca vem da pessoa (por exemplo, o sentido que alguém atribui a uma ação), por seu turno, a motivação extrínseca advém de fatores externos (por exemplo, o salário). Todas as intervenções da organização e da chefia são intervenções da categoria extrínseca. A ideia principal consiste em criar sistemas pelos quais as pessoas se consigam automotivar, de modo a criar uma motivação sustentável. Desafio Motivar a seleção nacional Imagine por momentos a seguinte situação: É técnico da seleção portuguesa de futebol no Campeonato do Mundo. O jogo é contra a Espanha. Infelizmente a primeira parte não correu nada bem. A Espanha marcou três golos e Portugal não marcou nenhum. A sua equipa está extremamente desmoralizada. Há um silêncio profundo no balneário. O que faria para motivar a sua equipa? Disponibilize algum tempo para pensar na sua própria estratégia. O que faria? Teria uma atitude positiva, gritando Somos os melhores, Vamos ganhar, ou mais pela negativa, queixando-se do pouco envolvimento da equipa e pedindo explicações? Uma estratégia que é atribuída a um dos grandes técnicos portugueses é a seguinte: em vez de este falar à frente da sua equipa para a motivar, identifica os dois jogadores mais desmotivados e pede-lhes que falem com a equipa: Queria colocar-vos um desafio. Gostaria que motivassem a equipa durante os próximos 10 minutos. Os jogadores, um pouco surpreendidos, levantam- -se e iniciam o seu discurso de motivação. Por que razão terá este técnico escolhido os jogadores mais desmotivados? De que forma os elementos mais desmotivados poderão ajudar nesta situação? A razão principal desta decisão do treinador prende-se com um fator essencial deste livro: motivação é sobretudo automotivação. Na realidade, não podemos motivar outras pessoas. Sempre que falamos em motivar outras pessoas, estamos a referir-nos à criação de contextos adequados para que a própria pessoa se possa automotivar. Retomemos o exemplo dos dois jogadores desmotivados. Talvez estes até nem consigam motivar a equipa, mas, falando de forma motivada para a mesma, pelo menos, eles próprios ficarão mais motivados. Além disso, e o mais importante ainda, é que os dois jogadores se sentirão de tal maneira responsáveis que ficarão a motivar a restante equipa não só no balneário, mas sobretudo quando esta se encontrar a jogar novamente. Visto desta maneira, o objetivo principal do treinador não era o de motivar a equipa, mas os dois jogadores em questão. Assim, o treinador propiciou o contexto para que os dois jogadores se automotivassem e conseguiu! 4

3 Introdução Premissa 3: A motivação tem um limite. Como a base da motivação é a automotivação do colaborador, existe um limite natural: a decisão do próprio colaborador. A empresa pode investir muito esforço na motivação, a chefia pode estar constantemente a motivar, mas, se o próprio colaborador não quiser ficar motivado, não haverá nenhum impacto de motivação. Premissa 4: A motivação vai além do dinheiro. A partir de um certo nível de salário, as pessoas precisam de mais do que de dinheiro para ficarem motivadas. Neste livro, iremos explorar diferentes elementos de motivação que podem ajudar a criar motivação para si, para a sua equipa e para a organização. Premissa 5: Cada pessoa é diferente e motiva-se de forma diferente. Somos todos seres singulares, diferentes nas nossas personalidades, nas nossas atitudes e nos nossos recursos. A mistura de motivações de cada pessoa é diferente. Poderão existir pessoas que partilhem o mesmo elemento de motivação, mas o grau da intensidade deste elemento é com toda a certeza diferente. Por exemplo, muitas pessoas conseguem motivar-se através da aprendizagem, mas o grau de impacto da aprendizagem difere de colaborador para colaborador. Premissa 6: A motivação depende do contexto. Esta premissa não é absoluta, mas tendencialmente podem existir pessoas que num contexto se motivam por um determinado elemento e noutro contexto procuram outro tipo de motivação. Onde se sente mais feliz: no trabalho ou fora do trabalho? O psicólogo americano Mihaly Czikszentmihalyi (2008), desenvolveu durante muitos anos estudos sobre felicidade. Num dos seus estudos perguntou aos participantes: Quando é que se sente mais feliz: quando está no trabalho ou quando está em casa?. Como seria previsível, a maior parte dos participantes respondeu que se sentia mais feliz em casa. Mas Czikszentmihalyi queria ainda aprofundar este facto com a seguinte experiência: deu a cada um dos participantes uma máquina com a qual, de vez em quando, tinham de indicar o nível (subjetivo) de felicidade numa escala de 1 a 10. Qual foi a surpresa quando viram os resultados da segunda experiência? As pessoas sentiram-se mais felizes no trabalho do que fora dele. Porquê? O que é que estas tiveram no trabalho que não tiveram fora dele? A que correspondem estes momentos de felicidade no trabalho e o que lhes faltou em casa? Lidel-Edições Técnicas A experiência de um dos entrevistados pode servir de resposta. O pai deste entrevistado aposentou-se. O primeiro ano, depois de deixar de trabalhar, foi muito difícil para ele. Porquê? O motivo prende-se com o facto de o trabalho satisfazer algumas necessidades que em casa não poderiam ser satisfeitas: (continua) 5

4 Os 11 Elementos da Motivação (continuação) Status social Era administrador de uma pequena empresa; agora é aposentado dois níveis de status completamente diferentes; Na empresa tinha objetivos; em casa (pelo menos no primeiro ano) não tinha nenhum; No trabalho teve contacto social com muitas pessoas; hoje o contacto social limita-se à esposa e a alguns amigos; No trabalho teve uma estrutura muito clara: início às 8:30, almoço às 12:30 e regresso a casa 18 horas; hoje os horários não obedecem a uma estrutura tão rígida; E, finalmente, faltou ao pai do entrevistado algo que Czikszentmihalyi identificou como o ponto mais importante: desafios. No trabalho, todos os dias, tinha de lidar com pequenos e grandes desafios. E estes desafios são verdadeiros potenciadores de felicidade 1. Premissa 7: A motivação é um trabalho contínuo. As nossas motivações são diferentes não só em cada fase da vida, como também podem mudar consoante a situação. Por exemplo, uma pessoa muito ambiciosa, de um momento para o outro, pode ficar mais focalizada na motivação de estabilidade se ficar doente. Como consequência das mudanças que se verificam ao nível da motivação, as empresas, as chefias e o próprio colaborador têm de adaptar as estratégias de motivação continuamente, com vista à automotivação deste último. Note-se que motivar uma vez por ano e considerar que depois toda a equipa fica motivada é um mito. Exemplo Não vou motivar ninguém! Numa conferência sobre motivação um CEO, de uma empresa de informática levantou-se e pediu para falar, referindo: Tudo o que se fala aqui sobre motivação é bonito. Mas digo-vos uma coisa: na minha empresa, não quero ouvir falar de motivação, nem de elogios. O que quero na minha empresa é muito simples. Quero apenas ter pessoas que são autocríticas, pessoas que continuamente se automotivem e que lutem para conseguirem ser melhores. Estou farto daqueles que se queixam sempre e não criam a motivação suficiente para fazerem o seu trabalho. De facto, o que o CEO descreve seria mesmo o ideal. Todas as empresas gostariam de ter colaboradores assim. A única questão é: Quantas empresas 1 No capítulo sobre o elemento curiosidade, vamos ainda explorar mais a vertente do desafio. (continua) 6

5 Introdução (continuação) têm apenas colaboradores deste género? Infelizmente, na maior parte das organizações, iremos encontrar muitas pessoas que não têm estas capacidades, nem estas atitudes. Para clarificar, o caso do CEO mencionado é mais um caso de recrutamento. Uma organização como a que ele descreveu precisaria de fazer um recrutamento muito seletivo, o que é possível, como mostra o caso dos US Marines, a tropa de elite dos Estados Unidos da América. Contudo, nem este grupo dos US Marines consegue o truque mágico de estar sempre motivado. Tal como não existem pessoas 100% desmotivadas, o contrário também é utopia. Nível de Motivação Tempo figura 1.1 Ilusão: motivação é para sempre Como mostra a Figura 1.1, pensar que as suas ações de motivação vão ter um impacto sustentável para sempre é ilusório. A motivação pode ajudar a aquecer o motor, mas é a própria pessoa que precisa de colocar a gasolina, isto é, automotivar-se continuamente. Quais são os 11 elementos da motivação? Lidel-Edições Técnicas Baseada nas premissas descritas acima, a definição de motivação que vamos utilizar para a abordagem deste livro é a seguinte: motivar outra pessoa é criar o sistema adequado para que esta inicie, mantenha ou abandone um comportamento. Para criarmos este sistema, iremos explicar os 11 elementos que podem ser utilizados na definição de estratégias e ações de motivação (ver Figura 1.2). Os 11 elementos são agrupados em três grandes tipos: 7

6 Os 11 Elementos da Motivação base estrutura apoio significado ambição status social estabilidade autonomia contacto social reconhecimento curiosidade competição justiça contributo incentivar penalizar Figura 1.2 Os 11 elementos da motivação Tipo 1: Elementos base. A premissa é a seguinte: se estes elementos forem inexistentes na organização, conduzem rapidamente a um nível de desmotivação dos colaboradores. Alguns dos elementos-base são uma forma adaptada da teoria de Herzberg (2003), que os define como fatores de higiene (ver caixa de texto da página seguinte). Os elementos-base, apresentados de seguida têm importância para a motivação dos colaboradores a médio e longo prazo: significado. O elemento de significado tem como enfoque a missão, a visão e os valores da empresa, tal como os objetivos, que dão sentido ao trabalho do colaborador; estabilidade. O elemento de estabilidade divide-se em três áreas: a estabilidade financeira, a estabilidade organizacional e a estabilidade mental e fisiológica; reconhecimento. O elemento de reconhecimento inclui o reconhecimento financeiro e não financeiro; justiça. O elemento de justiça refere-se ao facto de os colaboradores sentirem necessidade de serem tratados de forma justa (por exemplo, nos aumentos de salário, nas promoções, etc.). 8

7 Introdução Teoria de Herzberg Herzberg (2003) dividiu a motivação em dois tipos de fatores: os fatores higiénicos (também designados por fatores de insatisfação) e os fatores de motivação (também denominados fatores de satisfação). Como exemplos de fatores higiénicos, podemos ter a remuneração, as regalias, o ambiente de trabalho, etc. Segundo Herzberg, estes fatores servem para que as pessoas não fiquem desmotivadas, mas não para motivá-las. Em relação ao nosso tema, o autor vê o dinheiro como um fator de higiene. Se o salário não é adequado, as pessoas ficam desmotivadas. Mas, por outro lado, ganhar mais dinheiro não as vai motivar de forma sustentável. Assim, existem outros fatores, os chamados fatores de motivação, que têm esta função: desafios, responsabilidade, promoção, crescimento. Tipo 2: Elementos de estrutura. Enquanto os elementos de base criam a infraestrutura de motivação, que tem como principal objetivo não desmotivar os colaboradores, os elementos de estrutura são elementos que são aplicados às funções e às tarefas dos colaboradores com o intuito de os motivar. Em quase todas as entrevistas realizadas para este livro, os seguintes três elementos foram sempre referidos como os mais importantes relativamente à motivação no dia a dia. ambição. O elemento de ambição tem como enfoque motivar a pessoa através da progressão na carreira; Autonomia. O elemento de autonomia refere-se à criação de ambientes de trabalho nos quais os colaboradores podem tomar decisões autonomamente e trabalhar independentemente; Curiosidade. O elemento de curiosidade proporciona crescimento intelectual através de um ambiente de trabalho adequado, estratégias relacionadas com o enriquecimento da função e das tarefas e diferentes formas de formação. Tipo 3: Elementos de apoio. Um colaborador pode ser motivado simplesmente através dos elementos-base e estruturais. Na abordagem dos 11 elementos, os elementos de apoio são elementos adicionais que podem catalisar a motivação ao longo do tempo para níveis mais altos: Lidel-Edições Técnicas Status social. O elemento de status social refere-se ao status atribuído (por exemplo, pela idade) ou ao status adquirido (por exemplo, pelo título hierárquico); contacto social. O elemento de contacto social consiste em tudo aquilo que a empresa promova para aumentar o trabalho em equipa e ações que visem o convívio entre os colaboradores; 9

8 Os 11 Elementos da Motivação competição. O elemento de competição inclui a competição entre empresas, a competição entre entidades da mesma empresa, a competição dentro da equipa e a gestão dos aspetos negativos da competição; contributo. O elemento de contributo refere-se, por um lado, a ações de responsabilidade social e, por outro lado, todas as ações que visem a melhoria do meio ambiente. A seguir, exploraremos cada um dos elementos com mais pormenor e daremos uma panóplia de exemplos de diferentes empresas que participaram nas entrevistas. Cada capítulo finaliza sempre com pontos de reflexão que poderão ajudá- -lo a identificar o seu status quo e a inspirá-lo a implementar algumas das ideias expostas. Os pontos de reflexão serão sempre vistos segundo duas perspetivas: a da empresa globalmente e a do gestor de equipas. Esta diferenciação entre vista macro (da empresa) e vista micro (gestor de equipas) será igualmente efetuada na última parte do livro, na qual integraremos todos os elementos, explicando como o sistema dos 11 elementos pode ser utilizado passo a passo. Como já foi referido na primeira premissa, Não existe nenhuma fórmula mágica. No fundo, este livro pretende mostrar perspetivas, inspirar e ser uma ferramenta simples para o ajudar a analisar e planificar as suas estratégias e ações de motivação. Se for capaz de o motivar a implementar uma ou duas ideias, o objetivo será alcançado. 10

9 Os 11 Elementos da Motivação Capítulo 7 CURIOSIDADE do job enlargement ao mini-mba If a man empties his purse into his head no one can take it away from him. An investment in knowledge always pays the best interest. Benjamin Franklin Onde se situa na curva de aprendizagem do seu trabalho? Sente que todos os dias está a aprender alguma coisa nova ou já está há muito no mesmo ponto? O elemento curiosidade descreve a motivação que continuamente as pessoas sentem por aprenderem novas informações, técnicas ou capacidades. Geralmente são pessoas que: São muito abertas à aprendizagem; Fazem mais perguntas do que outras pessoas do seu grupo; São curiosas relativamente a diferentes temáticas; Aprendem igualmente fora do posto de trabalho. Existem várias formas de satisfazer o fator curiosidade do colaborador: estratégias que estão diretamente relacionadas com a alteração da função do colaborador e outras mais associadas à aquisição de conhecimento em geral. elemento curiosidade 7.1. Criar um ambiente de crescimento intelectual 7.2. Estratégias relacionadas com a alteração da função 7.3. Formação: impulsos para crescer 92

10 Curiosidade Do job Enlargement ao mini-mba 7.1. Criar um ambiente de crescimento intelectual Um dos fatores mais importantes no crescimento intelectual dos colaboradores é o próprio ambiente de trabalho. A seguir, expomos algumas ideias sobre como pode criar um ambiente de crescimento intelectual: Ideia 1: Contrate as pessoas certas: intelectual horsepower. Antes de mais, o ambiente dentro da empresa é formado pelas pessoas que lá trabalham. Se conseguir contratar uma massa crítica de pessoas abertas à aprendizagem e desafiantes entre si, criará a base de um sistema que se autossustenta no crescimento intelectual. Exemplo Trabalhar com os melhores Uma empresa portuguesa de software contrata pessoas com perfis técnicos muito avançados. Trabalhar num ambiente com pessoas altamente inteligentes cria desafios intelectuais todos os dias. Quando apresentas as tuas ideias, os outros desafiam-te continuamente e isso fomenta a nossa aprendizagem, refere um dos colaboradores da empresa numa formação. Ideia 2: Crie projetos desafiadores. Sobretudo em empresas mais tecnológicas, existem muitas pessoas que se motivam com projetos desafiadores. Estes projetos podem ser fonte de crescimento intelectual dos colaboradores. Exemplo Ydreams: Romper paradigmas Na nossa empresa, o que mais motiva as pessoas são os desafios que colocamos, refere Nuno Ferreira, diretor de recursos humanos da YDreams. Trabalhamos em tecnologia avançada, em conceitos que são pioneiros. Queremos romper paradigmas. As pessoas até poderiam ir trabalhar para outras empresas e ganhar mais dinheiro, mas a grande diferença está nos projetos desafiantes que lhes proporcionamos. Acredito que, se continuarmos a criar desafios inovadores, a motivação destas pessoas será ainda maior. Lidel-Edições Técnicas Ideia 3: Envie aos colaboradores estímulos intelectuais. Os estímulos intelectuais podem traduzir-se numa newsletter que a empresa envia, numa biblioteca da empresa, numa sala de convívio com revistas de diferentes áreas que a empresa subscreve para leitura, ou simplesmente num do administrador, como ilustra o exemplo que se segue. 93

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Capítulo 9 Emprego. 9.1 Introdução

Capítulo 9 Emprego. 9.1 Introdução Capítulo 9 Emprego 9.1 Introdução Hoje em dia, as redes sociais são as grandes responsáveis pelas contratações de emprego. Muitos dos responsáveis por recrutamento e recursos humanos das empresas avaliam

Leia mais

Desmotivação no Trabalho

Desmotivação no Trabalho Desmotivação no Trabalho Carolline de MORAIS¹ RGM 89552 Karen C. P. S. PENHAVEL¹ RGM 88579 Renata SORIO¹ RGM 88861 Romerianne BATISTA¹ RGM 088671 Orientadora² : Viviane Regina de Oliveira Silva Resumo

Leia mais

Motivação. O que é motivação?

Motivação. O que é motivação? Motivação A motivação representa um fator de sobrevivência para as organizações, pois hoje é um dos meios mais eficazes para atingir objetivos e metas. Além de as pessoas possuírem conhecimento, habilidades

Leia mais

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching,

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, 5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, Consultoria, Terapias Holísticas e Para Encher Seus Cursos e Workshops. Parte 01 Como Se Posicionar e Escolher os Clientes dos Seus Sonhos 1 Cinco Etapas Para

Leia mais

O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS

O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS QUE OPORTUNIDADES PÓS-LICENCIATURA ESPERAM? EXPECTATIVAS QUE INQUIETAÇÕES TÊM OS ALUNOS DE DC? MADALENA : M QUAL É A TUA PERSPECTIVA DO MERCADO

Leia mais

A Tua Frase Poderosa. Coaches Com Clientes: Carisma. Joana Areias e José Fonseca WWW.COACHESCOMCLIENTES.COM

A Tua Frase Poderosa. Coaches Com Clientes: Carisma. Joana Areias e José Fonseca WWW.COACHESCOMCLIENTES.COM A Tua Frase Poderosa Coaches Com Clientes: Carisma Joana Areias e José Fonseca WWW.COACHESCOMCLIENTES.COM Introdução Neste pequeno texto pretendo partilhar contigo onde os coaches falham ao apresentarem-se

Leia mais

TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE

TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Dos contributos dos diferentes intervenientes do evento

Leia mais

Recrutamento e seleção como

Recrutamento e seleção como Recrutamento e seleção como ferramentas de Gestão de Pessoas Glaucia Falcone Fonseca Atualmente, os processos de captação de pessoas são reconhecidos como importantes ferramentas alinhadas às estratégias

Leia mais

Midas. Toque de. [entrevista]

Midas. Toque de. [entrevista] [entrevista] Toque de Midas Tem 29 anos, nasceu no Porto e é apostador profissional. Pelo menos, para o Estado inglês onde está colectado, porque para as finanças nacionais não passa de um indivíduo com

Leia mais

Aprendizes do Futuro: como incorporar conhecimento e transformar realidades Eduardo Carmello

Aprendizes do Futuro: como incorporar conhecimento e transformar realidades Eduardo Carmello Aprendizes do Futuro: como incorporar conhecimento e transformar realidades Eduardo Carmello Para suportar as intensas mudanças nos próximos 10 anos, Aprendizes do Futuro compreendem que é necessário criar

Leia mais

claro que o emprego existe enquanto houver trabalho para cada empregado.

claro que o emprego existe enquanto houver trabalho para cada empregado. Automotivação Antes de abordarmos a importância da motivação dentro do universo corporativo, vale a pena iniciarmos esta série de artigos com uma definição sobre esta palavra tão em voga nos dias atuais.

Leia mais

AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG

AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG 1. Introdução 2. Maslow e a Hierarquia das necessidades 3. Teoria dos dois Fatores de Herzberg 1. Introdução Sabemos que considerar as atitudes e valores dos

Leia mais

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL Daniele Cristine Viana da Silva 1 Maria José Vencerlau 2 Regiane da Silva Rodrigues 3 André Rodrigues da Silva 4 Fábio Fernandes 5 RESUMO O Artigo Científico tem

Leia mais

Eduarda Teixeira A realização do estágio noutro país é um meio para abrir portas no futuro para o mundo do trabalho. Não só por vivenciarmos novas experiências e nos tornarmos aptos para qualquer local

Leia mais

Você Dona do Seu Tempo Editora Gente

Você Dona do Seu Tempo Editora Gente INTRODUÇÃO Basta ficar atento ao noticiário para ver que o assunto mais citado nos últimos tempos varia entre os temas de estresse, equilíbrio e falta de tempo. A Qualidade de Vida está em moda no mundo

Leia mais

31 descobertas sobre liderança

31 descobertas sobre liderança ALTA GERÊNCIA 31 descobertas sobre liderança Estudo Leadership Forecast 2005-2006, realizado pela firma de consultoria Development Dimensions International (DDI), buscou analisar como são percebidas em

Leia mais

FEED FORWARD #31 SETEMBRO 2014. Coaching, a arte secreta de convidar a Felicidade

FEED FORWARD #31 SETEMBRO 2014. Coaching, a arte secreta de convidar a Felicidade WWW.MINDCOACH.PT FEED FORWARD Coaching, a arte secreta de convidar a Felicidade #31 SETEMBRO 2014 Alexandra Lemos Executive Coach International Coach Trainer da ICC para Portugal MAFALDA FERREIRA TERAPEUTA

Leia mais

Agora que já sabemos como funciona a atuação da Psicopedagogia Institucional,

Agora que já sabemos como funciona a atuação da Psicopedagogia Institucional, Psicopedagogia institucional na escola: desafios e processos Agora que já sabemos como funciona a atuação da Psicopedagogia Institucional, vamos nos deter na atuação psicopedagógica institucional escolar

Leia mais

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.)

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) O ATO DE ESTUDAR 1 (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) Paulo Freire, educador da atualidade, aponta a necessidade de se fazer uma prévia reflexão sobre o sentido do estudo. Segundo suas palavras:

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

A MAGIA DA MATEMÁTICA

A MAGIA DA MATEMÁTICA A MAGIA DA MATEMÁTICA Helena Rocha, Isabel Oitavem Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa hcr@fct.unl.pt, oitavem@fct.unl.pt Introdução Todos os professores se preocupam com as

Leia mais

FACULDADE DE EDUCACAO DE COSTA RICA

FACULDADE DE EDUCACAO DE COSTA RICA FACULDADE DE EDUCACAO DE COSTA RICA DISCIPLINA: MOTIVACAO E ETICA LIDERAR PESSOAS ATRAVÉS DA MOTIVAÇÃO Por que as pessoas se comportam de certos modos? Liderar - é o processo de dirigir e influenciar as

Leia mais

PONTO DE VISTA SEM TÍTULO, JAZIEL DA SILVA LINS. PAPEL RECICLADO S/ EUCATEX. por Marcelo de Andrade Pinheiro FGV-EAESP

PONTO DE VISTA SEM TÍTULO, JAZIEL DA SILVA LINS. PAPEL RECICLADO S/ EUCATEX. por Marcelo de Andrade Pinheiro FGV-EAESP PONTO DE VISTA Extraindo o melhor de recursos humanos SEM TÍTULO, JAZIEL DA SILVA LINS. PAPEL RECICLADO S/ EUCATEX. O imperativo categórico de uma organização é o resultado. A mesma exigência de desempenho

Leia mais

PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS: EXPECTATIVAS E PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO

PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS: EXPECTATIVAS E PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS: EXPECTATIVAS E PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO 2014 APRESENTAÇÃO Já faz tempo que as empresas estão trabalhando com o desafio

Leia mais

O PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE SILVICULTURA

O PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE SILVICULTURA O PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE SILVICULTURA Flávia Regina Graciano; Lucimara Araújo; Priscila Siqueira Campos; Sabrina Eduarda Mendes Magalhães; Tathiane Mendes Barbosa;

Leia mais

Falhar em se preparar é se preparar para falhar. (Benjamin Franklin).

Falhar em se preparar é se preparar para falhar. (Benjamin Franklin). 1- Planejamento Falhar em se preparar é se preparar para falhar. (Benjamin Franklin). Planejamento é uma etapa administrativa que auxilia o administrador a perceber a realidade, avaliar ações e definir

Leia mais

Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres

Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Professora Ani Torres Visão estratégica Visão estratégica está relacionada com alcançar os objetivos empresariais. Considera: Tipos psicológicos, Motivação:

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS. Como Atrair e Reter Talentos Humanos nas Empresas

GESTÃO DE PESSOAS. Como Atrair e Reter Talentos Humanos nas Empresas FACULDADE MACHADO DE ASSIS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS GESTÃO DE PESSOAS Como Atrair e Reter Talentos Humanos nas Empresas Rio de Janeiro 2003 1 COMO ATRAIR E RETER TALENTOS HUMANOS NAS EMPRESAS

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

José Epifânio da Franca (entrevista)

José Epifânio da Franca (entrevista) (entrevista) Podemos alargar a questão até ao ensino secundário Eu diria: até à chegada à universidade. No fundo, em que os jovens já são maiores, têm 18 anos, estarão em condições de entrar de uma maneira,

Leia mais

TEORIA COMPORTAMENTAL. Surgiu no final da década de 40 e fundamenta-se no comportamento humano nas organizações.

TEORIA COMPORTAMENTAL. Surgiu no final da década de 40 e fundamenta-se no comportamento humano nas organizações. TEORIA COMPORTAMENTAL Surgiu no final da década de 40 e fundamenta-se no comportamento humano nas organizações. Teoria Comportamental Um dos temas fundamentais é a Motivação Humana, pois para explicar

Leia mais

Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça?

Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça? Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça? Caro amigo (a) Se sua empresa está sofrendo com a falta de clientes dispostos a comprar os

Leia mais

Fique a vontade para responder o questionário, seja o mais verdadeiro possível.

Fique a vontade para responder o questionário, seja o mais verdadeiro possível. MODELO DE PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 1 FICHA DE INSTRUÇÕES A proposta deste questionário é conhecer as pessoas que trabalham na empresa, analisar suas necessidades e insatisfações, e tornar a organização

Leia mais

Teorias Contemporâneas

Teorias Contemporâneas Teorias Contemporâneas 1-Teoria ERG 2-Teoria das Necessidades, de McClelland 3-Teoria da Avaliação Cognitiva 4-Teoria da Fixação dos Objetivos 5-Teoria do Reforço 6-Teoria da Equidade 7-Teoria da Expectativa

Leia mais

Corpo Ás As 10 Páginas Que Vão Transformar o Seu Corpo 2013 www.luisascensao.pt

Corpo Ás As 10 Páginas Que Vão Transformar o Seu Corpo 2013 www.luisascensao.pt Corpo Ás As 10 Páginas Que Vão Transformar o Seu Corpo www.luisascensao.pt Página 1 de 10 Termos e Condições Madeira, Portugal. Autor: Luís Ascensão (o Ás). Todos os direitos reservados. Copyright 2012,

Leia mais

PASSADO, PRESENTE E FUTURO DAS DIVISÕES DE BASE NO FUTEBOL DO BRASIL

PASSADO, PRESENTE E FUTURO DAS DIVISÕES DE BASE NO FUTEBOL DO BRASIL PASSADO, PRESENTE E FUTURO DAS DIVISÕES DE BASE NO FUTEBOL DO BRASIL Tenho lido e ouvido muitos comentários nos últimos dias sobre o trabalho de formação no Brasil. Algumas pessoas, alguns profissionais

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Pronunciamento na primeira reunião

Leia mais

A grande farsa da evolução do processo de gestão empresarial

A grande farsa da evolução do processo de gestão empresarial A grande farsa da evolução do processo de gestão empresarial Começo minha reflexão de hoje pensando um pouco na história da Administração, nos princípios de gestão e formas como as empresas hoje são geridas.

Leia mais

A importância da Psicologia no Desporto

A importância da Psicologia no Desporto ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE ESCOLAS DE FUTEBOL APEF A importância da Psicologia no Desporto Pedro Teques Departamento de Psicologia e Comunicação da APEF Direcção de Contacto: Pedro Teques, Departamento de

Leia mais

Apresentação. Acompanho os acontecimentos relativos à sexualidade

Apresentação. Acompanho os acontecimentos relativos à sexualidade A Apresentação Acompanho os acontecimentos relativos à sexualidade desde 1966, ano da minha graduação na faculdade de Medicina. É difícil imaginar outro período de tempo assim curto no qual tenham ocorrido

Leia mais

Faça amizades no trabalho

Faça amizades no trabalho 1 Faça amizades no trabalho Amigos verdadeiros ajudam a melhorar a saúde, tornam a vida melhor e aumentam a satisfação profissional. Você tem um grande amigo no local em que trabalha? A resposta para essa

Leia mais

Considerações Finais. Resultados do estudo

Considerações Finais. Resultados do estudo Considerações Finais Tendo em conta os objetivos definidos, as questões de pesquisa que nos orientaram, e realizada a apresentação e análise interpretativa dos dados, bem como a sua síntese final, passamos

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

www.dalecarnegie.com.br Como Impulsionar o Engajamento de Colaboradores em PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Dale Carnegie Training White Paper

www.dalecarnegie.com.br Como Impulsionar o Engajamento de Colaboradores em PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Dale Carnegie Training White Paper Como Impulsionar o Engajamento de Colaboradores em PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Dale Carnegie Training White Paper www.dalecarnegie.com.br Copyright 2014 Dale Carnegie & Associates, Inc. All rights reserved.

Leia mais

Pessoas e negócios em evolução.

Pessoas e negócios em evolução. Silvestre Consultoria Pessoas e negócios em evolução. Silvestre Consultoria desde 2001 Nossos Serviços: Pesquisa de Clima Cargos e Salários Avaliação de Desempenho Recrutamento Especializado Mapeamento

Leia mais

5Passos fundamentais. Conseguir realizar todos os seus SONHOS. para. Autora: Ana Rosa. www.novavitacoaching.com

5Passos fundamentais. Conseguir realizar todos os seus SONHOS. para. Autora: Ana Rosa. www.novavitacoaching.com 5Passos fundamentais para Conseguir realizar todos os seus SONHOS Autora: Ana Rosa www.novavitacoaching.com O futuro pertence àqueles que acreditam na beleza dos seus sonhos! Eleanor Roosevelt CONSIDERA

Leia mais

VELHOS MITOS E NOVO MUNDO

VELHOS MITOS E NOVO MUNDO VELHOS MITOS E NOVO MUNDO 2 As mudanças nunca ocorrem sem inconvenientes, até mesmo do pior para o melhor. Richard Hooker WWW.RICARDOPEIXE.COM WWW.CONSEGUIREMPREGO.PT 7 MITOS INTRODUÇAO O Mercado de Trabalho

Leia mais

Em conversa com Rita Maia. Celorico de Basto é o meu porto de refúgio, onde me sinto bem (Rita Maia,

Em conversa com Rita Maia. Celorico de Basto é o meu porto de refúgio, onde me sinto bem (Rita Maia, Celoricenses de Sucesso Em conversa com Rita Maia Celorico de Basto é o meu porto de refúgio, onde me sinto bem (Rita Maia, 21 de fevereiro de 2015) Nascida e criada em Celorico de Basto, Rita Maia é uma

Leia mais

Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você.

Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você. Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você. A HR Academy e a NextView realizaram uma pesquisa focada em geração y, com executivos de RH das principais

Leia mais

Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador. 1. Leia as afirmativas a seguir.

Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador. 1. Leia as afirmativas a seguir. Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador 1. Leia as afirmativas a seguir. I. O comportamento organizacional refere-se ao estudo de indivíduos e grupos

Leia mais

09/07/2013. Apresenta

09/07/2013. Apresenta Apresenta 1 por Diana Santos 2 Muitos estudos sobre políticas de gestão de pessoas com vistas a melhorar o desempenho dos colaboradores; Durante toda existência humana, as equipes constituíram a forma

Leia mais

Motivação e a Atividade de Relações Públicas Ana Cristina Woicickoski

Motivação e a Atividade de Relações Públicas Ana Cristina Woicickoski 1 Motivação e a Atividade de Relações Públicas Ana Cristina Woicickoski Resumo O presente artigo pretende demonstrar que a motivação é complexa, mas ao mesmo tempo necessária em todos os momentos da vida

Leia mais

LIDERANÇA. O silêncio, e não a discordância, é a única resposta que os verdadeiros líderes deveriam se recusar a aceitar". Warren Bennis.

LIDERANÇA. O silêncio, e não a discordância, é a única resposta que os verdadeiros líderes deveriam se recusar a aceitar. Warren Bennis. LIDERANÇA O silêncio, e não a discordância, é a única resposta que os verdadeiros líderes deveriam se recusar a aceitar". Warren Bennis. João Alfredo Biscaia(*) Primeiras observações Resumir as principais

Leia mais

Noções de Liderança e Motivação

Noções de Liderança e Motivação Liderança A questão da liderança pode ser abordada de inúmeras formas: Liderança e Poder (recursos do poder) Liderança e Dominação (teorias da dominação legítima de Max Weber) Líder pela tradição Líder

Leia mais

5.2.2. TEORIAS MOTIVACIONAIS

5.2.2. TEORIAS MOTIVACIONAIS Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Campus de Poços de Caldas 5.2.2. TEORIAS MOTIVACIONAIS 2º Per. Administração: 5.3. Alessandra Valim Ribeiro Cristiane Moreira de Oliveira Denise Helena

Leia mais

XLM Innovation & Technology

XLM Innovation & Technology 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A XLM, sedeada em Aveiro, iniciou a sua atividade em 1995. Nesta data, a sua área de atuação cingia-se à venda, instalação e assistência técnica

Leia mais

ESTIMA SOCIAIS SEGURANÇA NECESSIDADES FISIOLÓGICAS. Motivação AUTO- REALIZAÇÃO. Por: Arthur Diniz

ESTIMA SOCIAIS SEGURANÇA NECESSIDADES FISIOLÓGICAS. Motivação AUTO- REALIZAÇÃO. Por: Arthur Diniz Motivação Por: Arthur Diniz Falar sobre motivação é sempre um grande desafio. Se formos nos basear na semântica, motivação é simplesmente aquilo que motiva pessoas para uma ação. Uma das questões mais

Leia mais

Administração de Recursos Humanos

Administração de Recursos Humanos Administração de Recursos Humanos Profª Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame O que é a Administração de Recursos Humanos? Refere-se às práticas e às políticas necessárias para conduzir os aspectos relacionados

Leia mais

Assunto: Cooperação Vertical e Horizontal em equipa 50

Assunto: Cooperação Vertical e Horizontal em equipa 50 Assunto: Cooperação Vertical e Horizontal em equipa 50 Autor: TCor Inf Mário Álvares Como já referido nesta newsletter, no próximo mês de maio a Escola iniciará um período de formação em liderança destinado

Leia mais

CURSO DE 2º CICLO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL. Manual de ESTÁGIOS A COORDENAÇÃO DO CURSO DE 2º CICLO EM GRHCO

CURSO DE 2º CICLO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL. Manual de ESTÁGIOS A COORDENAÇÃO DO CURSO DE 2º CICLO EM GRHCO CURSO DE 2º CICLO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Manual de ESTÁGIOS A COORDENAÇÃO DO CURSO DE 2º CICLO EM GRHCO Coimbra 2014-2015 1 Introdução 1. Competências gerais do estágio

Leia mais

Como desmotivar pessoas?

Como desmotivar pessoas? Como desmotivar pessoas? Por Jaime Moggi Fonte: www.adigoempresasfamiliares.com.br Você deve estar estranhando a pergunta do título deste artigo. Mas quando comecei minha carreira como educador de executivos,

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

Padrão Resposta às Questões Discursivas Psicologia do Trabalho

Padrão Resposta às Questões Discursivas Psicologia do Trabalho Concurso Público 2015 Padrão Resposta às Questões Discursivas Psicologia do Trabalho Questão 1 a) Para Walton, QVT refere-se a valores ambientais e humanos, negligenciados pelas sociedades industriais

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

Marketing Para Coaches

Marketing Para Coaches Marketing Para Coaches Coaches Com Clientes: Comunicação Joana Areias e José Fonseca WWW.COACHESCOMCLIENTES.COM Introdução Existem um grande problema com o marketing em qualquer área: Toda a gente pensa

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira As necessidades de seleção de pessoal na organização são inúmeras e vão exigir diferentes ações da área de Gestão de Pessoas para cada uma delas. A demanda de seleção de pessoal

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Manifeste Seus Sonhos

Manifeste Seus Sonhos Manifeste Seus Sonhos Índice Introdução... 2 Isso Funciona?... 3 A Força do Pensamento Positivo... 4 A Lei da Atração... 7 Elimine a Negatividade... 11 Afirmações... 13 Manifeste Seus Sonhos Pág. 1 Introdução

Leia mais

O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES

O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES Dione Nunes Franciscato 1 ;

Leia mais

Você já teve a experiência de enviar um email e, em pouco tempo, ver pedidos de orçamento e vendas sendo concretizadas?

Você já teve a experiência de enviar um email e, em pouco tempo, ver pedidos de orçamento e vendas sendo concretizadas? 2 Você já teve a experiência de enviar um email e, em pouco tempo, ver pedidos de orçamento e vendas sendo concretizadas? É SOBRE ISSO QUE VOU FALAR NESTE TEXTO. A maioria das empresas e profissionais

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO 2013 / 2014. agrupamentodeescolasdagafanhadaencarnação

PLANO DE FORMAÇÃO 2013 / 2014. agrupamentodeescolasdagafanhadaencarnação PLANO DE FORMAÇÃO 2013 / 2014 agrupamentodeescolasdagafanhadaencarnação Índice I. CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 5 II. FUNDAMENTAÇÃO... 7 2.1. PESSOAL DOCENTE... 7 2.1.1 DEPARTAMENTO DO PRÉ-ESCOLAR...

Leia mais

Motivação: uma viagem ao centro do conceito

Motivação: uma viagem ao centro do conceito FATOR HUMANO Motivação: uma viagem ao centro do conceito Muitos executivos ainda acreditam que é possível gerar motivação condicionando os comportamentos por meio de prêmios e punições. Mas a verdadeira

Leia mais

Processos de Recursos Humanos

Processos de Recursos Humanos Gestão Integrada RH Recursos Humanos Unida 2 Rosemeri da Silva Paixão Recursos Humanos 28 Gestão Integrada RH Sumário Introdução... 30 Objetivos... 31 Estrutura da Unida... 31 UNIDADE 2: Recursos Humanos

Leia mais

PAP (Perfil de Avanço Profissional)

PAP (Perfil de Avanço Profissional) PAP (Perfil de Avanço Profissional) Relatório para: Suzanne Example Data concluida: 14 de junho de 2012 14:03:23 2012 PsychTests AIM Inc. Índice analítico Índice analítico 1/10 Índice analítico Índice

Leia mais

COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL

COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL 1.Osnei FranciscoAlves 2. Jéssica Barros 1. Professor das Faculdades Integradas Santa Cruz. Administrador, MBA Executivo em Gestão de Pessoas e

Leia mais

TEORIAS DE CONTÉUDO DA MOTIVAÇÃO:

TEORIAS DE CONTÉUDO DA MOTIVAÇÃO: Fichamento / /2011 MOTIVAÇÃO Carga horária 2 HORAS CONCEITO: É o desejo de exercer um alto nível de esforço direcionado a objetivos organizacionais, condicionados pela habilidade do esforço em satisfazer

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO

PROJETO DE INTERVENÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES CANDIDATURA A DIRETOR PROJETO DE INTERVENÇÃO (2013-2017) Pedro Paulo da Costa Cerqueira Amares, maio de 2013 As organizações, tal como os organismos vivos, têm os seus

Leia mais

Módulo 4: Competências Organizacionais

Módulo 4: Competências Organizacionais Módulo 4: Competências Organizacionais Índice 1. Introdução do Módulo 2. Conteúdos teóricos 3. Hora de organizar: Sensibilização para a Auto-gestão da Identidade Digital e eportfólio Feira Anual de Metalúrgica

Leia mais

MOTIVAÇÃO: A MOLA PROPULSORA DA GESTÃO DE PESSOAS RESUMO

MOTIVAÇÃO: A MOLA PROPULSORA DA GESTÃO DE PESSOAS RESUMO MOTIVAÇÃO: A MOLA PROPULSORA DA GESTÃO DE PESSOAS RESUMO Considerando que o ser humano é formado por características de personalidade únicas e complexas, o seu comportamento no trabalho e em outros lugares,

Leia mais

Reflexão Crítica AÇÃO DE FORMAÇÃO (25 Horas)

Reflexão Crítica AÇÃO DE FORMAÇÃO (25 Horas) Reflexão Crítica AÇÃO DE FORMAÇÃO (25 Horas) A Biblioteca Escolar 2.0 FORMADORA Maria Raquel Medeiros Oliveira Ramos FORMANDA Regina Graziela Serrano dos Santos Chaves da Costa Azevedo Período de Realização

Leia mais

Escrito por. Guilherme guinor Cunha Ex-tenista profissional, campeão mundial de poker online FTOPS #35 e criador do método GuinorBets

Escrito por. Guilherme guinor Cunha Ex-tenista profissional, campeão mundial de poker online FTOPS #35 e criador do método GuinorBets s O 6 s o i cíp Prin Bá s o sic o d o ét M o D r o n s i t u e G B Escrito por Guilherme guinor Cunha Ex-tenista profissional, campeão mundial de poker online FTOPS #35 e criador do método Índice Quem

Leia mais

O O MELHOR MINUTO É O QUE INVISTO NAS PESSOAS RÁPIDO, SIMPLES E RESULTA

O O MELHOR MINUTO É O QUE INVISTO NAS PESSOAS RÁPIDO, SIMPLES E RESULTA 1906-1964 O O MELHOR MINUTO É O QUE INVISTO NAS PESSOAS É UM MÉTODO M RÁPIDO, R SIMPLES E RESULTA Ken Blanchard e Spencer Johnson THE MANAGER S S JOB IS TO ENSURE THAT WORKERS PERFORM THEIR BORING, REPETITIVE

Leia mais

Desafios imediatos das cadeias de abastecimento. Cadeias de Abastecimento Contemporâneas a revolução provocada pela

Desafios imediatos das cadeias de abastecimento. Cadeias de Abastecimento Contemporâneas a revolução provocada pela Desafios imediatos das cadeias de abastecimento Cadeias de Abastecimento Contemporâneas a revolução provocada pela globalização aliada às grandes exigências dos clientes, às evoluções tecnológicas e às

Leia mais

Por que fazer Gestão de Pessoas?

Por que fazer Gestão de Pessoas? Por que fazer Gestão de Pessoas? A U L A Metas da aula Descrever a importância das pessoas na organização; demonstrar os diversos significados do termo administração de Recursos Humanos; apresentar os

Leia mais

9. A realidade da inclusão

9. A realidade da inclusão 9. A realidade da inclusão A filosofia da inclusão ainda está muito aquém de ser posta em prática da forma como realmente se espera. Para que se tenha uma escola para todos, temos que conceber professores

Leia mais

O RH dos sonhos dos CEOs

O RH dos sonhos dos CEOs O RH dos sonhos dos CEOs Expectativas e estratégias da liderança para os Recursos Humanos Presidentes de empresas de todos os portes falaram sobre a importância dos Recursos Humanos para as suas empresas

Leia mais

Como é que esta tecnologia me pode beneficiar?... 3. Etapas do Planeamento de uma Conferência Online... 4

Como é que esta tecnologia me pode beneficiar?... 3. Etapas do Planeamento de uma Conferência Online... 4 APRENDA A SER INOVADOR PARA FICAR À FRENTE DA CONCORRÊNCIA QUAIS OS PASSOS NECESSÁRIOS PARA PLANEAR E REALIZAR UMA CONFERÊNCIA ONLINE DE SUCESSO! COMO DAR AULAS NUMA SALA DE AULA VIRTUAL! CONTEÚDOS Como

Leia mais

Capítulo II O QUE REALMENTE QUEREMOS

Capítulo II O QUE REALMENTE QUEREMOS Capítulo II O QUE REALMENTE QUEREMOS Neste inicio de curso de Formação em Coaching e Mentoring do Sistema ISOR, eu quero fazer a seguinte pergunta: o que vocês mais querem da vida hoje? Alguém pode começar?

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 14 Discurso: em encontro com professores

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2013.1

SEMIPRESENCIAL 2013.1 SEMIPRESENCIAL 2013.1 MATERIAL COMPLEMENTAR II DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA: MONICA ROCHA LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO Liderança e Motivação são fundamentais para qualquer empresa que deseja vencer

Leia mais

ENTREVISTA AO DR. PEDRO CARAMEZ 3ª PARTE Podcast # 5. As Redes Sociais e as Vendas

ENTREVISTA AO DR. PEDRO CARAMEZ 3ª PARTE Podcast # 5. As Redes Sociais e as Vendas ENTREVISTA AO DR. PEDRO CARAMEZ 3ª PARTE Podcast # 5 As Redes Sociais e as Vendas www.clubedasvendas.com 1 CDV (Clube das Vendas) Podíamos abordar um pouco a questão do recrutamento, pois há muitos ouvintes

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 24

Transcrição de Entrevista n º 24 Transcrição de Entrevista n º 24 E Entrevistador E24 Entrevistado 24 Sexo Feminino Idade 47 anos Área de Formação Engenharia Sistemas Decisionais E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Transcrição da entrevista aos Stakeholders realizada no dia 16 de junho de 2014 no âmbito do Mestrado em Educação e Comunicação Multimédia.

Transcrição da entrevista aos Stakeholders realizada no dia 16 de junho de 2014 no âmbito do Mestrado em Educação e Comunicação Multimédia. Transcrição da entrevista aos Stakeholders realizada no dia 16 de junho de 2014 no âmbito do Mestrado em Educação e Comunicação Multimédia. Q1. Na sua opinião, quais são as principais motivações que podem

Leia mais

Planejamento estratégico de vendas, com foco na formação e desenvolvimento da equipe de vendas. Alexandre C. Steil

Planejamento estratégico de vendas, com foco na formação e desenvolvimento da equipe de vendas. Alexandre C. Steil Planejamento estratégico de vendas, com foco na formação e desenvolvimento da equipe de vendas Alexandre C. Steil Definições Planejamento Estratégico É o processo gerencial de desenvolver e manter um ajuste

Leia mais

11. Abordagem Comportamental

11. Abordagem Comportamental 11. Abordagem Comportamental Conteúdo 1. Behaviorismo 2. Novas Proposições sobre a Motivação Humana 3. Teoria da Hierarquia das de Maslow 4. Teoria dos dois fatores 5. Teoria X & Y de McGregor 6. Outros

Leia mais

ITIL V3 Expert: escolhas são sempre os primeiros passos.

ITIL V3 Expert: escolhas são sempre os primeiros passos. ITIL V3 Expert: escolhas são sempre os primeiros passos. Este será um post meio longo, e eu não medirei esforços pra fazer os interessados entenderem o processo de certificação ITIL Expert, e por quem

Leia mais