Os 11 Elementos da Motivação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os 11 Elementos da Motivação"

Transcrição

1 INTRODUÇÃO Os 11 Elementos da Motivação If you pick the right people and give them the opportunity to spread their wings and put compensation as a carrier behind it you almost don t have to manage them. Jack Welch Quais são os objetivos deste livro? O que é que realmente motiva as pessoas? E o que é que as empresas fazem para criar impacto motivacional nos colaboradores? Este livro pretende demonstrar em pormenor o que algumas empresas e chefias de destaque fazem para motivar os seus colaboradores. Mais especificamente, os objetivos do livro são: 1. Fornecer uma abordagem prática para analisar e planificar as ações de motivação, tanto ao nível da organização, como ao nível da equipa. A abordagem explicitada neste livro pode ser utilizada como uma base para criar estratégias de motivação adaptadas aos colaboradores do leitor. 2. Levar as pessoas a pensar em novas maneiras de motivação. O presente livro recorre a muitos exemplos, com o intuito de inspirar o leitor para que tenha ainda melhores ideias no seio da sua organização e da sua equipa. Motivação implica criatividade! Em que premissas se baseia este livro? Lidel-Edições Técnicas Premissa 1: Não existe nenhuma fórmula mágica. Motivar pessoas é uma tarefa complexa que envolve diversas variáveis que iremos explorar ao longo do livro. Mas a combinação perfeita, a fórmula mágica, não foi encontrada até agora. Premissa 2: A motivação é sempre automotivação. Afinal, não se trata de motivar outras pessoas ; na realidade, são as próprias pessoas que vão criar a motivação dentro delas. Motivar outras pessoas é criar os mecanismos e contextos necessários para que estas se consigam automotivar. 3

2 Os 11 Elementos da Motivação Na literatura sobre motivação, diistingue-se motivação intrínseca (ou interna) de motivação extrínseca (ou externa). Tal como sugere a própria expressão, a motivação intrínseca vem da pessoa (por exemplo, o sentido que alguém atribui a uma ação), por seu turno, a motivação extrínseca advém de fatores externos (por exemplo, o salário). Todas as intervenções da organização e da chefia são intervenções da categoria extrínseca. A ideia principal consiste em criar sistemas pelos quais as pessoas se consigam automotivar, de modo a criar uma motivação sustentável. Desafio Motivar a seleção nacional Imagine por momentos a seguinte situação: É técnico da seleção portuguesa de futebol no Campeonato do Mundo. O jogo é contra a Espanha. Infelizmente a primeira parte não correu nada bem. A Espanha marcou três golos e Portugal não marcou nenhum. A sua equipa está extremamente desmoralizada. Há um silêncio profundo no balneário. O que faria para motivar a sua equipa? Disponibilize algum tempo para pensar na sua própria estratégia. O que faria? Teria uma atitude positiva, gritando Somos os melhores, Vamos ganhar, ou mais pela negativa, queixando-se do pouco envolvimento da equipa e pedindo explicações? Uma estratégia que é atribuída a um dos grandes técnicos portugueses é a seguinte: em vez de este falar à frente da sua equipa para a motivar, identifica os dois jogadores mais desmotivados e pede-lhes que falem com a equipa: Queria colocar-vos um desafio. Gostaria que motivassem a equipa durante os próximos 10 minutos. Os jogadores, um pouco surpreendidos, levantam- -se e iniciam o seu discurso de motivação. Por que razão terá este técnico escolhido os jogadores mais desmotivados? De que forma os elementos mais desmotivados poderão ajudar nesta situação? A razão principal desta decisão do treinador prende-se com um fator essencial deste livro: motivação é sobretudo automotivação. Na realidade, não podemos motivar outras pessoas. Sempre que falamos em motivar outras pessoas, estamos a referir-nos à criação de contextos adequados para que a própria pessoa se possa automotivar. Retomemos o exemplo dos dois jogadores desmotivados. Talvez estes até nem consigam motivar a equipa, mas, falando de forma motivada para a mesma, pelo menos, eles próprios ficarão mais motivados. Além disso, e o mais importante ainda, é que os dois jogadores se sentirão de tal maneira responsáveis que ficarão a motivar a restante equipa não só no balneário, mas sobretudo quando esta se encontrar a jogar novamente. Visto desta maneira, o objetivo principal do treinador não era o de motivar a equipa, mas os dois jogadores em questão. Assim, o treinador propiciou o contexto para que os dois jogadores se automotivassem e conseguiu! 4

3 Introdução Premissa 3: A motivação tem um limite. Como a base da motivação é a automotivação do colaborador, existe um limite natural: a decisão do próprio colaborador. A empresa pode investir muito esforço na motivação, a chefia pode estar constantemente a motivar, mas, se o próprio colaborador não quiser ficar motivado, não haverá nenhum impacto de motivação. Premissa 4: A motivação vai além do dinheiro. A partir de um certo nível de salário, as pessoas precisam de mais do que de dinheiro para ficarem motivadas. Neste livro, iremos explorar diferentes elementos de motivação que podem ajudar a criar motivação para si, para a sua equipa e para a organização. Premissa 5: Cada pessoa é diferente e motiva-se de forma diferente. Somos todos seres singulares, diferentes nas nossas personalidades, nas nossas atitudes e nos nossos recursos. A mistura de motivações de cada pessoa é diferente. Poderão existir pessoas que partilhem o mesmo elemento de motivação, mas o grau da intensidade deste elemento é com toda a certeza diferente. Por exemplo, muitas pessoas conseguem motivar-se através da aprendizagem, mas o grau de impacto da aprendizagem difere de colaborador para colaborador. Premissa 6: A motivação depende do contexto. Esta premissa não é absoluta, mas tendencialmente podem existir pessoas que num contexto se motivam por um determinado elemento e noutro contexto procuram outro tipo de motivação. Onde se sente mais feliz: no trabalho ou fora do trabalho? O psicólogo americano Mihaly Czikszentmihalyi (2008), desenvolveu durante muitos anos estudos sobre felicidade. Num dos seus estudos perguntou aos participantes: Quando é que se sente mais feliz: quando está no trabalho ou quando está em casa?. Como seria previsível, a maior parte dos participantes respondeu que se sentia mais feliz em casa. Mas Czikszentmihalyi queria ainda aprofundar este facto com a seguinte experiência: deu a cada um dos participantes uma máquina com a qual, de vez em quando, tinham de indicar o nível (subjetivo) de felicidade numa escala de 1 a 10. Qual foi a surpresa quando viram os resultados da segunda experiência? As pessoas sentiram-se mais felizes no trabalho do que fora dele. Porquê? O que é que estas tiveram no trabalho que não tiveram fora dele? A que correspondem estes momentos de felicidade no trabalho e o que lhes faltou em casa? Lidel-Edições Técnicas A experiência de um dos entrevistados pode servir de resposta. O pai deste entrevistado aposentou-se. O primeiro ano, depois de deixar de trabalhar, foi muito difícil para ele. Porquê? O motivo prende-se com o facto de o trabalho satisfazer algumas necessidades que em casa não poderiam ser satisfeitas: (continua) 5

4 Os 11 Elementos da Motivação (continuação) Status social Era administrador de uma pequena empresa; agora é aposentado dois níveis de status completamente diferentes; Na empresa tinha objetivos; em casa (pelo menos no primeiro ano) não tinha nenhum; No trabalho teve contacto social com muitas pessoas; hoje o contacto social limita-se à esposa e a alguns amigos; No trabalho teve uma estrutura muito clara: início às 8:30, almoço às 12:30 e regresso a casa 18 horas; hoje os horários não obedecem a uma estrutura tão rígida; E, finalmente, faltou ao pai do entrevistado algo que Czikszentmihalyi identificou como o ponto mais importante: desafios. No trabalho, todos os dias, tinha de lidar com pequenos e grandes desafios. E estes desafios são verdadeiros potenciadores de felicidade 1. Premissa 7: A motivação é um trabalho contínuo. As nossas motivações são diferentes não só em cada fase da vida, como também podem mudar consoante a situação. Por exemplo, uma pessoa muito ambiciosa, de um momento para o outro, pode ficar mais focalizada na motivação de estabilidade se ficar doente. Como consequência das mudanças que se verificam ao nível da motivação, as empresas, as chefias e o próprio colaborador têm de adaptar as estratégias de motivação continuamente, com vista à automotivação deste último. Note-se que motivar uma vez por ano e considerar que depois toda a equipa fica motivada é um mito. Exemplo Não vou motivar ninguém! Numa conferência sobre motivação um CEO, de uma empresa de informática levantou-se e pediu para falar, referindo: Tudo o que se fala aqui sobre motivação é bonito. Mas digo-vos uma coisa: na minha empresa, não quero ouvir falar de motivação, nem de elogios. O que quero na minha empresa é muito simples. Quero apenas ter pessoas que são autocríticas, pessoas que continuamente se automotivem e que lutem para conseguirem ser melhores. Estou farto daqueles que se queixam sempre e não criam a motivação suficiente para fazerem o seu trabalho. De facto, o que o CEO descreve seria mesmo o ideal. Todas as empresas gostariam de ter colaboradores assim. A única questão é: Quantas empresas 1 No capítulo sobre o elemento curiosidade, vamos ainda explorar mais a vertente do desafio. (continua) 6

5 Introdução (continuação) têm apenas colaboradores deste género? Infelizmente, na maior parte das organizações, iremos encontrar muitas pessoas que não têm estas capacidades, nem estas atitudes. Para clarificar, o caso do CEO mencionado é mais um caso de recrutamento. Uma organização como a que ele descreveu precisaria de fazer um recrutamento muito seletivo, o que é possível, como mostra o caso dos US Marines, a tropa de elite dos Estados Unidos da América. Contudo, nem este grupo dos US Marines consegue o truque mágico de estar sempre motivado. Tal como não existem pessoas 100% desmotivadas, o contrário também é utopia. Nível de Motivação Tempo figura 1.1 Ilusão: motivação é para sempre Como mostra a Figura 1.1, pensar que as suas ações de motivação vão ter um impacto sustentável para sempre é ilusório. A motivação pode ajudar a aquecer o motor, mas é a própria pessoa que precisa de colocar a gasolina, isto é, automotivar-se continuamente. Quais são os 11 elementos da motivação? Lidel-Edições Técnicas Baseada nas premissas descritas acima, a definição de motivação que vamos utilizar para a abordagem deste livro é a seguinte: motivar outra pessoa é criar o sistema adequado para que esta inicie, mantenha ou abandone um comportamento. Para criarmos este sistema, iremos explicar os 11 elementos que podem ser utilizados na definição de estratégias e ações de motivação (ver Figura 1.2). Os 11 elementos são agrupados em três grandes tipos: 7

6 Os 11 Elementos da Motivação base estrutura apoio significado ambição status social estabilidade autonomia contacto social reconhecimento curiosidade competição justiça contributo incentivar penalizar Figura 1.2 Os 11 elementos da motivação Tipo 1: Elementos base. A premissa é a seguinte: se estes elementos forem inexistentes na organização, conduzem rapidamente a um nível de desmotivação dos colaboradores. Alguns dos elementos-base são uma forma adaptada da teoria de Herzberg (2003), que os define como fatores de higiene (ver caixa de texto da página seguinte). Os elementos-base, apresentados de seguida têm importância para a motivação dos colaboradores a médio e longo prazo: significado. O elemento de significado tem como enfoque a missão, a visão e os valores da empresa, tal como os objetivos, que dão sentido ao trabalho do colaborador; estabilidade. O elemento de estabilidade divide-se em três áreas: a estabilidade financeira, a estabilidade organizacional e a estabilidade mental e fisiológica; reconhecimento. O elemento de reconhecimento inclui o reconhecimento financeiro e não financeiro; justiça. O elemento de justiça refere-se ao facto de os colaboradores sentirem necessidade de serem tratados de forma justa (por exemplo, nos aumentos de salário, nas promoções, etc.). 8

7 Introdução Teoria de Herzberg Herzberg (2003) dividiu a motivação em dois tipos de fatores: os fatores higiénicos (também designados por fatores de insatisfação) e os fatores de motivação (também denominados fatores de satisfação). Como exemplos de fatores higiénicos, podemos ter a remuneração, as regalias, o ambiente de trabalho, etc. Segundo Herzberg, estes fatores servem para que as pessoas não fiquem desmotivadas, mas não para motivá-las. Em relação ao nosso tema, o autor vê o dinheiro como um fator de higiene. Se o salário não é adequado, as pessoas ficam desmotivadas. Mas, por outro lado, ganhar mais dinheiro não as vai motivar de forma sustentável. Assim, existem outros fatores, os chamados fatores de motivação, que têm esta função: desafios, responsabilidade, promoção, crescimento. Tipo 2: Elementos de estrutura. Enquanto os elementos de base criam a infraestrutura de motivação, que tem como principal objetivo não desmotivar os colaboradores, os elementos de estrutura são elementos que são aplicados às funções e às tarefas dos colaboradores com o intuito de os motivar. Em quase todas as entrevistas realizadas para este livro, os seguintes três elementos foram sempre referidos como os mais importantes relativamente à motivação no dia a dia. ambição. O elemento de ambição tem como enfoque motivar a pessoa através da progressão na carreira; Autonomia. O elemento de autonomia refere-se à criação de ambientes de trabalho nos quais os colaboradores podem tomar decisões autonomamente e trabalhar independentemente; Curiosidade. O elemento de curiosidade proporciona crescimento intelectual através de um ambiente de trabalho adequado, estratégias relacionadas com o enriquecimento da função e das tarefas e diferentes formas de formação. Tipo 3: Elementos de apoio. Um colaborador pode ser motivado simplesmente através dos elementos-base e estruturais. Na abordagem dos 11 elementos, os elementos de apoio são elementos adicionais que podem catalisar a motivação ao longo do tempo para níveis mais altos: Lidel-Edições Técnicas Status social. O elemento de status social refere-se ao status atribuído (por exemplo, pela idade) ou ao status adquirido (por exemplo, pelo título hierárquico); contacto social. O elemento de contacto social consiste em tudo aquilo que a empresa promova para aumentar o trabalho em equipa e ações que visem o convívio entre os colaboradores; 9

8 Os 11 Elementos da Motivação competição. O elemento de competição inclui a competição entre empresas, a competição entre entidades da mesma empresa, a competição dentro da equipa e a gestão dos aspetos negativos da competição; contributo. O elemento de contributo refere-se, por um lado, a ações de responsabilidade social e, por outro lado, todas as ações que visem a melhoria do meio ambiente. A seguir, exploraremos cada um dos elementos com mais pormenor e daremos uma panóplia de exemplos de diferentes empresas que participaram nas entrevistas. Cada capítulo finaliza sempre com pontos de reflexão que poderão ajudá- -lo a identificar o seu status quo e a inspirá-lo a implementar algumas das ideias expostas. Os pontos de reflexão serão sempre vistos segundo duas perspetivas: a da empresa globalmente e a do gestor de equipas. Esta diferenciação entre vista macro (da empresa) e vista micro (gestor de equipas) será igualmente efetuada na última parte do livro, na qual integraremos todos os elementos, explicando como o sistema dos 11 elementos pode ser utilizado passo a passo. Como já foi referido na primeira premissa, Não existe nenhuma fórmula mágica. No fundo, este livro pretende mostrar perspetivas, inspirar e ser uma ferramenta simples para o ajudar a analisar e planificar as suas estratégias e ações de motivação. Se for capaz de o motivar a implementar uma ou duas ideias, o objetivo será alcançado. 10

9 Os 11 Elementos da Motivação Capítulo 7 CURIOSIDADE do job enlargement ao mini-mba If a man empties his purse into his head no one can take it away from him. An investment in knowledge always pays the best interest. Benjamin Franklin Onde se situa na curva de aprendizagem do seu trabalho? Sente que todos os dias está a aprender alguma coisa nova ou já está há muito no mesmo ponto? O elemento curiosidade descreve a motivação que continuamente as pessoas sentem por aprenderem novas informações, técnicas ou capacidades. Geralmente são pessoas que: São muito abertas à aprendizagem; Fazem mais perguntas do que outras pessoas do seu grupo; São curiosas relativamente a diferentes temáticas; Aprendem igualmente fora do posto de trabalho. Existem várias formas de satisfazer o fator curiosidade do colaborador: estratégias que estão diretamente relacionadas com a alteração da função do colaborador e outras mais associadas à aquisição de conhecimento em geral. elemento curiosidade 7.1. Criar um ambiente de crescimento intelectual 7.2. Estratégias relacionadas com a alteração da função 7.3. Formação: impulsos para crescer 92

10 Curiosidade Do job Enlargement ao mini-mba 7.1. Criar um ambiente de crescimento intelectual Um dos fatores mais importantes no crescimento intelectual dos colaboradores é o próprio ambiente de trabalho. A seguir, expomos algumas ideias sobre como pode criar um ambiente de crescimento intelectual: Ideia 1: Contrate as pessoas certas: intelectual horsepower. Antes de mais, o ambiente dentro da empresa é formado pelas pessoas que lá trabalham. Se conseguir contratar uma massa crítica de pessoas abertas à aprendizagem e desafiantes entre si, criará a base de um sistema que se autossustenta no crescimento intelectual. Exemplo Trabalhar com os melhores Uma empresa portuguesa de software contrata pessoas com perfis técnicos muito avançados. Trabalhar num ambiente com pessoas altamente inteligentes cria desafios intelectuais todos os dias. Quando apresentas as tuas ideias, os outros desafiam-te continuamente e isso fomenta a nossa aprendizagem, refere um dos colaboradores da empresa numa formação. Ideia 2: Crie projetos desafiadores. Sobretudo em empresas mais tecnológicas, existem muitas pessoas que se motivam com projetos desafiadores. Estes projetos podem ser fonte de crescimento intelectual dos colaboradores. Exemplo Ydreams: Romper paradigmas Na nossa empresa, o que mais motiva as pessoas são os desafios que colocamos, refere Nuno Ferreira, diretor de recursos humanos da YDreams. Trabalhamos em tecnologia avançada, em conceitos que são pioneiros. Queremos romper paradigmas. As pessoas até poderiam ir trabalhar para outras empresas e ganhar mais dinheiro, mas a grande diferença está nos projetos desafiantes que lhes proporcionamos. Acredito que, se continuarmos a criar desafios inovadores, a motivação destas pessoas será ainda maior. Lidel-Edições Técnicas Ideia 3: Envie aos colaboradores estímulos intelectuais. Os estímulos intelectuais podem traduzir-se numa newsletter que a empresa envia, numa biblioteca da empresa, numa sala de convívio com revistas de diferentes áreas que a empresa subscreve para leitura, ou simplesmente num do administrador, como ilustra o exemplo que se segue. 93

O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS

O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS QUE OPORTUNIDADES PÓS-LICENCIATURA ESPERAM? EXPECTATIVAS QUE INQUIETAÇÕES TÊM OS ALUNOS DE DC? MADALENA : M QUAL É A TUA PERSPECTIVA DO MERCADO

Leia mais

FACULDADE DE EDUCACAO DE COSTA RICA

FACULDADE DE EDUCACAO DE COSTA RICA FACULDADE DE EDUCACAO DE COSTA RICA DISCIPLINA: MOTIVACAO E ETICA LIDERAR PESSOAS ATRAVÉS DA MOTIVAÇÃO Por que as pessoas se comportam de certos modos? Liderar - é o processo de dirigir e influenciar as

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Capítulo 9 Emprego. 9.1 Introdução

Capítulo 9 Emprego. 9.1 Introdução Capítulo 9 Emprego 9.1 Introdução Hoje em dia, as redes sociais são as grandes responsáveis pelas contratações de emprego. Muitos dos responsáveis por recrutamento e recursos humanos das empresas avaliam

Leia mais

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL Daniele Cristine Viana da Silva 1 Maria José Vencerlau 2 Regiane da Silva Rodrigues 3 André Rodrigues da Silva 4 Fábio Fernandes 5 RESUMO O Artigo Científico tem

Leia mais

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching,

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, 5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, Consultoria, Terapias Holísticas e Para Encher Seus Cursos e Workshops. Parte 01 Como Se Posicionar e Escolher os Clientes dos Seus Sonhos 1 Cinco Etapas Para

Leia mais

Desmotivação no Trabalho

Desmotivação no Trabalho Desmotivação no Trabalho Carolline de MORAIS¹ RGM 89552 Karen C. P. S. PENHAVEL¹ RGM 88579 Renata SORIO¹ RGM 88861 Romerianne BATISTA¹ RGM 088671 Orientadora² : Viviane Regina de Oliveira Silva Resumo

Leia mais

www.dalecarnegie.com.br Como Impulsionar o Engajamento de Colaboradores em PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Dale Carnegie Training White Paper

www.dalecarnegie.com.br Como Impulsionar o Engajamento de Colaboradores em PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Dale Carnegie Training White Paper Como Impulsionar o Engajamento de Colaboradores em PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Dale Carnegie Training White Paper www.dalecarnegie.com.br Copyright 2014 Dale Carnegie & Associates, Inc. All rights reserved.

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

Considerações Finais. Resultados do estudo

Considerações Finais. Resultados do estudo Considerações Finais Tendo em conta os objetivos definidos, as questões de pesquisa que nos orientaram, e realizada a apresentação e análise interpretativa dos dados, bem como a sua síntese final, passamos

Leia mais

TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE

TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Falhar em se preparar é se preparar para falhar. (Benjamin Franklin).

Falhar em se preparar é se preparar para falhar. (Benjamin Franklin). 1- Planejamento Falhar em se preparar é se preparar para falhar. (Benjamin Franklin). Planejamento é uma etapa administrativa que auxilia o administrador a perceber a realidade, avaliar ações e definir

Leia mais

Capítulo 15: TÉCNICAS PARA UMA ENTREVISTA DE TRABALHO

Capítulo 15: TÉCNICAS PARA UMA ENTREVISTA DE TRABALHO Capítulo 15: TÉCNICAS PARA UMA ENTREVISTA DE TRABALHO 15.1 Como se Preparar para as Entrevistas É absolutamente essencial treinar-se para as entrevistas. Se você não praticar, poderá cometer todos os tipos

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

A MAGIA DA MATEMÁTICA

A MAGIA DA MATEMÁTICA A MAGIA DA MATEMÁTICA Helena Rocha, Isabel Oitavem Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa hcr@fct.unl.pt, oitavem@fct.unl.pt Introdução Todos os professores se preocupam com as

Leia mais

Reflexão Crítica AÇÃO DE FORMAÇÃO (25 Horas)

Reflexão Crítica AÇÃO DE FORMAÇÃO (25 Horas) Reflexão Crítica AÇÃO DE FORMAÇÃO (25 Horas) A Biblioteca Escolar 2.0 FORMADORA Maria Raquel Medeiros Oliveira Ramos FORMANDA Regina Graziela Serrano dos Santos Chaves da Costa Azevedo Período de Realização

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS?

A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS? A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS? Ana Carolina Gimenes Figueiredo Graduanda em Administração - Universidade

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres

Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Professora Ani Torres Visão estratégica Visão estratégica está relacionada com alcançar os objetivos empresariais. Considera: Tipos psicológicos, Motivação:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NAS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NAS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NAS EMPRESAS ALCIDES DE SOUZA JUNIOR, JÉSSICA AMARAL DOS SANTOS, LUIS EDUARDO SILVA OLIVEIRA, PRISCILA SPERIGONE DA SILVA, TAÍS SANTOS DOS ANJOS ACADÊMICOS DO PRIMEIRO ANO DE

Leia mais

Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você.

Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você. Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você. A HR Academy e a NextView realizaram uma pesquisa focada em geração y, com executivos de RH das principais

Leia mais

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS questionários de avaliação da satisfação creche CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS 2ª edição (revista) UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Governo da República Portuguesa SEGURANÇA SOCIAL INSTITUTO DA

Leia mais

A Tua Frase Poderosa. Coaches Com Clientes: Carisma. Joana Areias e José Fonseca WWW.COACHESCOMCLIENTES.COM

A Tua Frase Poderosa. Coaches Com Clientes: Carisma. Joana Areias e José Fonseca WWW.COACHESCOMCLIENTES.COM A Tua Frase Poderosa Coaches Com Clientes: Carisma Joana Areias e José Fonseca WWW.COACHESCOMCLIENTES.COM Introdução Neste pequeno texto pretendo partilhar contigo onde os coaches falham ao apresentarem-se

Leia mais

Para Entender o Resultado Do Seu Autodiagnóstico: EM QUE CASOS O EMAIL É MAIS RECOMENDADO?

Para Entender o Resultado Do Seu Autodiagnóstico: EM QUE CASOS O EMAIL É MAIS RECOMENDADO? Para Entender o Resultado Do Seu Autodiagnóstico: EM QUE CASOS O EMAIL É MAIS RECOMENDADO? Saber se o email é mais ou menos apropriado para o seu negócio depende do tipo de produto ou serviço que vende,

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Processo de melhoria Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Recomendações do conselho pedagógico Não houve recomendações emanadas do Conselho Pedagógico. Data de apresentação à direção/ conselho

Leia mais

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO RESUMO

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO RESUMO COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO Fábio William da Silva Granado 1 Marluci Silva Botelho 2 William Rodrigues da Silva 3 Prof Ms. Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO Realizou-se uma análise

Leia mais

Sumário. Introdução - O novo hábito... 1. Capítulo 1 - Pra que serve tudo isso?... 3. Sobre o vocabulário... 4. Benefícios... 7

Sumário. Introdução - O novo hábito... 1. Capítulo 1 - Pra que serve tudo isso?... 3. Sobre o vocabulário... 4. Benefícios... 7 Sumário Introdução - O novo hábito... 1 Capítulo 1 - Pra que serve tudo isso?... 3 Sobre o vocabulário... 4 Benefícios... 7 Perguntas Frequentes sobre o Orçamento Doméstico... 10 Capítulo 2 - Partindo

Leia mais

AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG

AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG 1. Introdução 2. Maslow e a Hierarquia das necessidades 3. Teoria dos dois Fatores de Herzberg 1. Introdução Sabemos que considerar as atitudes e valores dos

Leia mais

Aprendizes do Futuro: como incorporar conhecimento e transformar realidades Eduardo Carmello

Aprendizes do Futuro: como incorporar conhecimento e transformar realidades Eduardo Carmello Aprendizes do Futuro: como incorporar conhecimento e transformar realidades Eduardo Carmello Para suportar as intensas mudanças nos próximos 10 anos, Aprendizes do Futuro compreendem que é necessário criar

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Gestão de carreiras nas organizações

Gestão de carreiras nas organizações Gestão de carreiras nas organizações A expressão "Plano de carreira", nas organizações, sempre corre o risco de ser interpretada como algo antiquado, retrógrado, que interessa aos funcionários e, principalmente,

Leia mais

Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça?

Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça? Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça? Caro amigo (a) Se sua empresa está sofrendo com a falta de clientes dispostos a comprar os

Leia mais

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.psi.uminho.pt/ www.ardh-gi.com Esta apresentação não substitui a leitura

Leia mais

Palavras-chaves: Formação de professores; Estágio Supervisionado; Reflexão sobre a prátida; Escrita docente; Diários de aula.

Palavras-chaves: Formação de professores; Estágio Supervisionado; Reflexão sobre a prátida; Escrita docente; Diários de aula. DIÁRIOS DE AULA ONLINE: ANÁLISE DE UM DISPOSITIVO DE FORMAÇÃO DOCENTE NA LICENCIATURA EM MATEMÁTICA Jane Bittencourt 1 Alice Stephanie Tapia Sartori 2 Resumo Esse trabalho tem como foco a formação inicial

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA Elaine Schweitzer Graduanda do Curso de Hotelaria Faculdades Integradas ASSESC RESUMO Em tempos de globalização, a troca de informações

Leia mais

membros do time, uma rede em que eles possam compartilhar desafios, conquistas e que possam interagir com as postagens dos colegas.

membros do time, uma rede em que eles possam compartilhar desafios, conquistas e que possam interagir com as postagens dos colegas. INTRODUÇÃO Você, provavelmente, já sabe que colaboradores felizes produzem mais. Mas o que sua empresa tem feito com esse conhecimento? Existem estratégias que de fato busquem o bem-estar dos funcionários

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

A importância da Psicologia no Desporto

A importância da Psicologia no Desporto ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE ESCOLAS DE FUTEBOL APEF A importância da Psicologia no Desporto Pedro Teques Departamento de Psicologia e Comunicação da APEF Direcção de Contacto: Pedro Teques, Departamento de

Leia mais

COMO PROCURAR UM EMPREGO/ESTÁGIO

COMO PROCURAR UM EMPREGO/ESTÁGIO 1 COMO PROCURAR UM EMPREGO/ESTÁGIO 1 INTRODUÇÃO: Empregos sempre existem. Bons empregos são mais raros, portanto mais difíceis de serem encontrados; A primeira coisa a ser feita é encontrar o emprego,

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

Os 7 Mandamentos da Destroika

Os 7 Mandamentos da Destroika Os 7 Mandamentos da Destroika 1 Intitula-se DESTROIKA. Trata-se de um Programa de Gestão de Mudança inovador. Afirma-se positivo e centrado nas pessoas e tem como objetivo salvar empresas e empregos. Este

Leia mais

Comunicação Não Violenta

Comunicação Não Violenta Comunicação Não Violenta Ana Paula Franke Eder Conrado de Oliveira Mariangela Marini SIPAT 2013 21 de outubro O QUE É CNV? A Comunicação Não-Violenta é um processo de entendimento que facilita a harmonização

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Plano de Desenvolvimento Relação Ergonomia e Moda e Educação Corporativa Ilca Maria Moya de Oliveira Segundo Dutra (2004), a preparação para o futuro exige investimentos simultâneos: um na modernização

Leia mais

XLM Innovation & Technology

XLM Innovation & Technology 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A XLM, sedeada em Aveiro, iniciou a sua atividade em 1995. Nesta data, a sua área de atuação cingia-se à venda, instalação e assistência técnica

Leia mais

Liderança. www.propeople-brasil.com.br

Liderança. www.propeople-brasil.com.br P Liderança para Chefias ara que as organizações subsistam no contexto atual é necessário que possuam colaboradores motivados, pró-ativos, dinâmicos, capazes de trabalhar em equipe e com elevado grau de

Leia mais

Tendências em Gestão de Pessoas

Tendências em Gestão de Pessoas Tendências em Gestão de Pessoas Iniciamos um novo ano, 2011. Dois meses já se passaram, e voltamos aos artigos sobre RH estratégico, Tendências de Recursos Humanos, Novos Rumos para a área de Recursos

Leia mais

1º Trabalho Listas de Discussão

1º Trabalho Listas de Discussão 1º Trabalho Listas de Discussão Catarina Santos Meios Computacionais no Ensino 05-03-2013 Índice Introdução... 3 Resumo e análise da mensagem da lista Matemática no secundário... 4 Resumo e análise da

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

O RH dos sonhos dos CEOs

O RH dos sonhos dos CEOs O RH dos sonhos dos CEOs Expectativas e estratégias da liderança para os Recursos Humanos Presidentes de empresas de todos os portes falaram sobre a importância dos Recursos Humanos para as suas empresas

Leia mais

Gestão de Equipas. Lisboa, 11 e 18 de abril de 2013. www.pwc.pt/academy. Academia da PwC

Gestão de Equipas. Lisboa, 11 e 18 de abril de 2013. www.pwc.pt/academy. Academia da PwC www.pwc.pt/academy Gestão de Equipas Lisboa, 11 e 18 de abril de 2013 Academia da PwC O sucesso das organizações depende cada vez mais de equipas de alto desempenho. Venha conhecer connosco as melhores

Leia mais

Capítulo 16 - Motivação

Capítulo 16 - Motivação Capítulo 16 - Motivação Objetivos de aprendizagem Após estudar este capítulo, você deverá estar capacitado para: Definir o processo motivacional. Descrever a hierarquia das necessidades humanas. Diferenciar

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM DISCIPLINA: Gestão de Pessoas EMENTA: O sistema clássico de estruturação da gestão de recursos humanos e suas limitações: recrutamento e seleção, treinamento

Leia mais

PROJECTO PEDAGÓGICO Sala 1-2 anos

PROJECTO PEDAGÓGICO Sala 1-2 anos PROJECTO PEDAGÓGICO Sala 1-2 anos Ano letivo 2015/2016 «Onde nos leva uma obra de arte» Fundamentação teórica (justificação do projeto): As crianças nesta faixa etária (1-2 anos) aprendem com todo o seu

Leia mais

9. A realidade da inclusão

9. A realidade da inclusão 9. A realidade da inclusão A filosofia da inclusão ainda está muito aquém de ser posta em prática da forma como realmente se espera. Para que se tenha uma escola para todos, temos que conceber professores

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

A grande farsa da evolução do processo de gestão empresarial

A grande farsa da evolução do processo de gestão empresarial A grande farsa da evolução do processo de gestão empresarial Começo minha reflexão de hoje pensando um pouco na história da Administração, nos princípios de gestão e formas como as empresas hoje são geridas.

Leia mais

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS COACHING EXECUTIVO O DESAFIO DOS EXECUTIVOS Os executivos das empresas estão sujeitos a pressões crescentes para entregarem mais e melhores resultados, liderando as suas organizações através de mudanças

Leia mais

Pessoas e negócios em evolução.

Pessoas e negócios em evolução. Silvestre Consultoria Pessoas e negócios em evolução. Silvestre Consultoria desde 2001 Nossos Serviços: Pesquisa de Clima Cargos e Salários Avaliação de Desempenho Recrutamento Especializado Mapeamento

Leia mais

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo Ministério da Educação Primavera 2014 Atualização do Redesenho do Currículo Em 2010, o Ministério da Educação começou a transformar o sistema educacional de British Columbia, Canadá, Ensino Infantil Médio

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados Aperfeiçoamento Gerencial para Supermercados Liderança Liderança é a habilidade de influenciar pessoas, por meio da comunicação, canalizando seus esforços para a consecução de um determinado objetivo.

Leia mais

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Boas práticas na utilização de plataformas de aprendizagem colaborativa como modo de incentivar a criatividade e identificar boas práticas no setor da metalúrgica Relatório

Leia mais

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Motivação para o Desempenho Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Heitor Duarte asbornyduarte@hotmail.com Márcio Almeida marciobalmeid@yahoo.com.br Paulo F Mascarenhas

Leia mais

Anexo F Grelha de Categorização da Entrevista à Educadora Cooperante

Anexo F Grelha de Categorização da Entrevista à Educadora Cooperante Anexo F Grelha de Categorização da Entrevista à Educadora Cooperante CATEGORIAS SUBCATEGORIAS INDICADORES 1.1. Tempo de serviço docente ( ) 29 anos (1) 1.2. Motivações pela vertente artística ( ) porque

Leia mais

BOLSA DO EMPREENDEDORISMO 2015. Sara Medina saramedina@spi.pt. IDI (Inovação, Investigação e Desenvolvimento) - Algumas reflexões

BOLSA DO EMPREENDEDORISMO 2015. Sara Medina saramedina@spi.pt. IDI (Inovação, Investigação e Desenvolvimento) - Algumas reflexões BOLSA DO EMPREENDEDORISMO 2015 INSERIR IMAGEM ESPECÍFICA 1 I. Sociedade Portuguesa de Inovação (SPI) Missão: Apoiar os nossos clientes na gestão de projetos que fomentem a inovação e promovam oportunidades

Leia mais

VELHOS MITOS E NOVO MUNDO

VELHOS MITOS E NOVO MUNDO VELHOS MITOS E NOVO MUNDO 2 As mudanças nunca ocorrem sem inconvenientes, até mesmo do pior para o melhor. Richard Hooker WWW.RICARDOPEIXE.COM WWW.CONSEGUIREMPREGO.PT 7 MITOS INTRODUÇAO O Mercado de Trabalho

Leia mais

O guia do profissional de Recursos Humanos. Como melhorar o desenvolvimento da equipe

O guia do profissional de Recursos Humanos. Como melhorar o desenvolvimento da equipe O guia do profissional de Recursos Humanos Como melhorar o desenvolvimento da equipe 1 Introdução 03 Conhecendo as dores do seu time 05 Investir nos colaboradores! 08 Estabelecendo metas 11 A meditação

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Midas. Toque de. [entrevista]

Midas. Toque de. [entrevista] [entrevista] Toque de Midas Tem 29 anos, nasceu no Porto e é apostador profissional. Pelo menos, para o Estado inglês onde está colectado, porque para as finanças nacionais não passa de um indivíduo com

Leia mais

Trabalho 3 Scratch na Escola

Trabalho 3 Scratch na Escola Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade de Coimbra Departamento de Matemática Trabalho 3 Scratch na Escola Meios Computacionais de Ensino Professor: Jaime Carvalho e Silva (jaimecs@mat.uc.pt)

Leia mais

Realização e Organização. www.vamaislonge.com.br

Realização e Organização. www.vamaislonge.com.br Realização e Organização www.vamaislonge.com.br Quem somos... Leonardo Alvarenga, tenho 23 anos, sou criador do Não Tenho Ideia e do #VáMaisLonge. Sou formado em Educação Física mas larguei tudo logo após

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2013.1

SEMIPRESENCIAL 2013.1 SEMIPRESENCIAL 2013.1 MATERIAL COMPLEMENTAR II DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA: MONICA ROCHA LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO Liderança e Motivação são fundamentais para qualquer empresa que deseja vencer

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Os 7 Pilares da Gestão - Ciclo de Workshops Qualidade da Gestão nas PMEs Portuguesas -

Os 7 Pilares da Gestão - Ciclo de Workshops Qualidade da Gestão nas PMEs Portuguesas - Vários estudos provam que a Gestão de Recursos Humanos é a área mais problemática nas organizações e a que consome grande parte do tempo do empresário. Por outro lado, a área da inovação e do Marketing

Leia mais

A Necessidade de Realizar a Avaliação de Desempenho dos Recursos Humanos: O Ponto de Concórdia

A Necessidade de Realizar a Avaliação de Desempenho dos Recursos Humanos: O Ponto de Concórdia A Necessidade de Realizar a Avaliação de Desempenho dos Recursos Humanos: O Ponto de Concórdia Alexandre Pires DREAlentejo "Aprender sem pensar é tempo perdido." Confúcio A avaliação é-nos familiar a todos.

Leia mais

Planejamento. Futuro. Técnica ou processo que serve para lidar com o futuro. O que aumenta a incerteza nas organizações. Incerteza nas organizações

Planejamento. Futuro. Técnica ou processo que serve para lidar com o futuro. O que aumenta a incerteza nas organizações. Incerteza nas organizações Fonte: Introdução à Administração de Antonio Cesar Amaru Maximiano Índice Definição de planejamento Incertezas Eventos previsíveis Processo de planejamento Decisões de planejamento Planejar Atitudes em

Leia mais

TEORIAS DE CONTÉUDO DA MOTIVAÇÃO:

TEORIAS DE CONTÉUDO DA MOTIVAÇÃO: Fichamento / /2011 MOTIVAÇÃO Carga horária 2 HORAS CONCEITO: É o desejo de exercer um alto nível de esforço direcionado a objetivos organizacionais, condicionados pela habilidade do esforço em satisfazer

Leia mais

09/07/2013. Apresenta

09/07/2013. Apresenta Apresenta 1 por Diana Santos 2 Muitos estudos sobre políticas de gestão de pessoas com vistas a melhorar o desempenho dos colaboradores; Durante toda existência humana, as equipes constituíram a forma

Leia mais

Departamento das Educação Pré-escolar

Departamento das Educação Pré-escolar Departamento das Educação Pré-escolar A melhoria da qualidade das aprendizagens, a avaliação implica, no quadro da relação entre o jardim-de-infância, a família e a escola, uma construção partilhada que

Leia mais

Você é comprometido?

Você é comprometido? Você é comprometido? Não, isso não é uma cantada. O que o seu chefe quer saber é se você veste a camisa da organização. Você adora seu trabalho e desempenha suas funções com eficiência, mas não aposta

Leia mais

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade...

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade... Entrevista com PEDRO MANDELLI Consultor na área de mudança organizacional, Pedro Mandelli é um dos maiores especialistas em desenho e condução de processos de mudança em organizações. É professor da Fundação

Leia mais

5Passos fundamentais. Conseguir realizar todos os seus SONHOS. para. Autora: Ana Rosa. www.novavitacoaching.com

5Passos fundamentais. Conseguir realizar todos os seus SONHOS. para. Autora: Ana Rosa. www.novavitacoaching.com 5Passos fundamentais para Conseguir realizar todos os seus SONHOS Autora: Ana Rosa www.novavitacoaching.com O futuro pertence àqueles que acreditam na beleza dos seus sonhos! Eleanor Roosevelt CONSIDERA

Leia mais

Módulo 4: Competências Organizacionais

Módulo 4: Competências Organizacionais Módulo 4: Competências Organizacionais Índice 1. Introdução do Módulo 2. Conteúdos teóricos 3. Hora de organizar: Sensibilização para a Auto-gestão da Identidade Digital e eportfólio Feira Anual de Metalúrgica

Leia mais

Você, no entanto, pode nos ajudar!

Você, no entanto, pode nos ajudar! Este livro pode ser adquirido por educação, negócios, vendas ou uso promocional. Embora toda precaução tenha sido tomada na preparação deste livro, o autor não assume nenhuma responsabilidade por erros

Leia mais

A Gestão da experiência do consumidor é essencial

A Gestão da experiência do consumidor é essencial A Gestão da experiência do consumidor é essencial Sempre que um cliente interage com a sua empresa, independentemente do canal escolhido para efetuar esse contacto, é seu dever garantir uma experiência

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização

O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização Juliana Ferreira Universidade Estadual Paulista UNESP- Araraquara E-mail: juliana.ferreiraae@gmail.com Silvio Henrique

Leia mais

Plano de Formação. Psicologia e Orientação em Contexto Escolar 2014/2015

Plano de Formação. Psicologia e Orientação em Contexto Escolar 2014/2015 Plano de Formação Psicologia e Orientação em Contexto Escolar 2014/2015 Enquadramento A evolução tecnológica e a incerteza com que atualmente todas as sociedades se confrontam colocam desafios acrescidos

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

Avaliação das Necessidades e Expetativas Stakeholders. Relatório Final Análise Comparativa

Avaliação das Necessidades e Expetativas Stakeholders. Relatório Final Análise Comparativa Avaliação das Necessidades e Expetativas Stakeholders Relatório Final Análise Comparativa AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE SATISFAÇÃO DAS NECESSIDADES E EXPETATIVAS, POR MEIO DA AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO - 2014

Leia mais

Apresentações Impactantes e Atractivas! 28 de Abril

Apresentações Impactantes e Atractivas! 28 de Abril EXPRESS SESSIONS CURTAS, EXPERIENCIAIS ENERGIZANTES! As Express Sessions são cursos intensivos (120 minutos) e altamente práticos e experienciais, focados em competências comportamentais específicas, desenvolvidos

Leia mais

TEORIA COMPORTAMENTAL. Surgiu no final da década de 40 e fundamenta-se no comportamento humano nas organizações.

TEORIA COMPORTAMENTAL. Surgiu no final da década de 40 e fundamenta-se no comportamento humano nas organizações. TEORIA COMPORTAMENTAL Surgiu no final da década de 40 e fundamenta-se no comportamento humano nas organizações. Teoria Comportamental Um dos temas fundamentais é a Motivação Humana, pois para explicar

Leia mais

PLANO DE AÇÃO INVERTIDO

PLANO DE AÇÃO INVERTIDO 1 PLANO DE AÇÃO INVERTIDO 2 Perseverança não é uma corrida longa, são muitas corridas curtas, uma após a outra. Walter Elliot Esta é uma ferramenta de coaching muito utilizada para a determinação das estratégias

Leia mais

PONTO DE VISTA SEM TÍTULO, JAZIEL DA SILVA LINS. PAPEL RECICLADO S/ EUCATEX. por Marcelo de Andrade Pinheiro FGV-EAESP

PONTO DE VISTA SEM TÍTULO, JAZIEL DA SILVA LINS. PAPEL RECICLADO S/ EUCATEX. por Marcelo de Andrade Pinheiro FGV-EAESP PONTO DE VISTA Extraindo o melhor de recursos humanos SEM TÍTULO, JAZIEL DA SILVA LINS. PAPEL RECICLADO S/ EUCATEX. O imperativo categórico de uma organização é o resultado. A mesma exigência de desempenho

Leia mais

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA DE QUE FORMA OS GESTORES DE VENDAS ADICIONAM VALOR À SUA ORGANIZAÇÃO? Desenvolver Gestores de Vendas eficazes tem sido uma das grandes preocupações

Leia mais