ELEIÇÕES 2016 O QUE VOCÊ PRECISAR SABER

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ELEIÇÕES 2016 O QUE VOCÊ PRECISAR SABER"

Transcrição

1 ADVOCACIA & CONSULTORIA EVILSON BRAZ Rua Rodrigues de Aquino, n.º 267, 9º Andar/Sala 903 Edf. Asplan, Centro, João Pessoa/PB - (083) / / / Site: evilsonbraz.jur.adv.br ****************************** ELEIÇÕES 2016 O QUE VOCÊ PRECISAR SABER Em 02 de outubro de 2016, o Brasil terá eleições municipais para os cargos de prefeito, vice-prefeito e vereador, que serão exercidos em um mandato de 4 anos. A eleição para o cargo de Prefeito é conduzido pelo sistema majoritário, onde o candidato que obtiver a maioria dos votos, excluindo os brancos e nulos, é eleito, juntamente com o vice-prefeito. Nos municípios com mais de 200 mil eleitores, se nenhum candidato alcançar mais de 50% dos votos, a eleição será definida no segundo turno entre os dois mais votados no primeiro turno. No caso dos Vereadores, o sistema eleitoral adotado é o proporcional. Os candidatos com mais votos de cada partido obtêm as vagas disponíveis na Câmara Municipal proporcionalmente aos votos recebidos pelos partidos ou coligações. O que faz o Prefeito e o Vice-Prefeito: O Prefeito eleito ocupa o posto máximo do Poder Executivo Municipal e é responsável por administrar o município de acordo com o interesse da região e da população. Já o Vice-Prefeito auxilia o Prefeito na gestão e é aquele que o substitui em caso de licença, viagens, cassação do mandato ou morte. É função do Prefeito decidir como será gasto o dinheiro vindo dos impostos e o que é repassado pelo Estado e pela União. É o Prefeito quem sanciona ou revoga as leis que são votadas pelos Vereadores. O salário de um Prefeito pode mudar de cidade para cidade, e é decidido por votação na Câmara Municipal, mas não pode ser superior aos R$ ,93 brutos, recebido pelos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). 1

2 O que faz o Vereador: Como integrante do Poder Legislativo, o Vereador atua como um representante da população. As principais funções vão além da criação de leis que serão votadas na Câmara Municipal, ele também supervisiona a gestão do Prefeito e do Vice-Prefeito, bem como todas as ações realizadas na administração do município. O salário de um vereador tem relação com o salário dos servidores públicos e não pode ultrapassar os R$ ,76 brutos, que equivale a 75% do salário máximo de um Deputado Estadual. Além disso, a soma da remuneração de todos os Vereadores dependerá do tamanho da cidade e não pode ultrapassar 5% da receita total do município. Como Funcionam as Eleições Municipais: As próximas eleições municipais no Brasil acontecerão em 2016, o primeiro turno no dia 2 de outubro e o segundo turno no dia 30 de outubro. Serão eleitos Prefeitos, Vice-Prefeitos e Vereadores de municípios brasileiros. O voto é obrigatório para a população maior de 18 anos e menor de 70 anos alfabetizados, que sabem ler e escrever. As pessoas analfabetas ou que tenham entre 16 e 18 anos, e os maiores de 70 anos não são obrigadas a votar, mas têm permissão. As eleições no Brasil ocorrem por meio do voto secreto, que é coletado através da urna eletrônica. Em 2008 o sistema eleitoral brasileiro incluiu a identificação biométrica na votação, que usa impressões digitais para evitar que um eleitor vote no lugar de outro. De acordo com a Lei 9.504, de , o primeiro turno das eleições devem ocorrer no primeiro domingo do mês outubro do ano eleitoral, e o segundo turno no último domingo de outubro, que em 2016 serão nos dias 02 e 30 de outubro, respectivamente. A votação tem início às 8 horas e vai até as 17 horas, sem qualquer intervalo. Como os candidatos são eleitos? No Brasil há dois tipos de sistemas para eleger os candidatos nas eleições municipais, onde cada um deles está relacionado ao cargo disputado. O Prefeito é escolhido através da eleição majoritária e o Vereador pela proporcional. 2

3 Eleição majoritária: Nesse sistema, o candidato para ser eleito precisa alcançar a maioria absoluta dos votos válidos, isto é, 50% dos votos mais um, excluindo os em branco e nulos, que não são válidos. Quando nenhum candidato atinge a maioria absoluta no primeiro turno, a disputa pode ser definida no segundo turno entre os dois candidatos mais votados, nas cidades com mais de 200 mil eleitores. Nos outros municípios o Prefeito eleito é aquele que obtiver a maior quantidade de votos válidos, sem a possibilidade de segundo turno. Eleição proporcional: Também conhecido como Sistema de Lista Aberta, na eleição proporcional é permitido votar diretamente no candidato ou em algum partido. Nesse sistema, as vagas ao cargo de Vereador são distribuídas de acordo com o número de votos recebidos por cada partido, quem alcançar mais votos tem direito a mais cadeiras na Câmara Municipal. Como Funciona o Sistema Proporcional: Na eleição proporcional é possível votar tanto diretamente no candidato quanto no partido ou coligação, diferentemente da eleição majoritária, onde só é permitido votar no candidato. A eleição para Vereador é definida através do sistema proporcional, onde primeiramente são calculados os partidos e coligações que obtiveram mais votos, e só a partir daí as vagas disponíveis em cada município são distribuídas entre os candidatos mais votados de cada partido. Quantidade de Vereadores por município: Para entender o sistema proporcional é necessário saber que o número de vagas disponíveis para o cargo de Vereador dependerá do número de habitantes e da lei de cada município, juntamente com o que diz o art. 29 da Constituição Federal. Este artigo limita as vagas de vereadores de acordo com o número de habitantes, por exemplo, um município com habitantes pode ter no máximo 9 vereadores, enquanto as cidades com mais de 8 milhões de habitantes devem ter até 55 vereadores. 3

4 Etapas do sistema proporcional: A divisão das vagas entre os partidos e coligações se dá através de três etapas. Primeiramente é preciso conhecer o quociente eleitoral, que determina a quantidade de vagas para cada partido. Apenas com o quociente eleitoral é possível definir o quociente partidário, que estabelece os candidatos de cada partido ou coligação que ocuparão as vagas. Quociente eleitoral: É o número obtido ao dividir todos os votos válidos alcançados na eleição para Vereador, os recebidos pelos partidos e diretamente aos candidatos, pelo número de vagas disponíveis na Câmara Municipal. Vamos supor que um município com 20 mil habitantes obteve 10 mil votos válidos na eleição para Vereador, e possui 10 vagas para o cargo. O quociente eleitoral será alcançado ao dividir 10 mil por 10, que neste caso será Quociente partidário: Sabendo que o quociente eleitoral é 1.000, é possível calcular quantas vagas cada partido ou coligação ocupará, dividindo os votos válidos pelo quociente eleitoral. Vamos supor que neste município existirem quatro partidos: X, Y, Z e W, onde X e Y estão coligados, enquanto os outros não. A Coligação X-Y recebeu votos válidos, o Partido Z obteve 4.600, e o Partido W alcançou 400. Ao dividir o número de votos válidos pelo quociente eleitoral, neste caso 1.000, a Coligação X-Y terá direito a 5 vagas e o Partido Z ocupará 4 vagas, enquanto o Partido W não terá direito a nenhuma vaga, já que recebeu menos de votos válidos. Com a Reforma Eleitoral de 2015, os candidatos que ocuparão as vagas devem receber votos numa quantidade igual ou maior que 10% do quociente eleitoral. Isto quer dizer que no caso do nosso exemplo, só os candidatos que obtiverem 100 votos ou mais seriam eleitos. Sobra de vagas: Quando há sobra de vagas, é preciso fazer um novo cálculo, dividindo a quantidade de votos válidos do partido ou coligação pelo número de vagas alcançados no cálculo anterior mais 1. O partido ou coligação que obtiver a maior média recebe a primeira vaga disponível, desde que o candidato tenha recebido a exigência mínima dos votos citada anteriormente. 4

5 Aplicando ao exemplo citado acima, a Coligação X-Y ficou com uma média de 833,3 e o Partido Z com 920. Como sobrou apenas uma vaga e o Partido Z alcançou a maior média, será o que ficará com a vaga. Se houver mais vagas, o cálculo deve ser repetido até todas as vagas serem preenchidas. Quando não existir mais partidos ou coligações com candidatos que obtiveram a quantidade de votos mínima exigida, as vagas serão ocupadas pelos partidos com as maiores médias, seguindo a ordem dos candidatos mais votados. Que São Votos Válidos? São os votos utilizados para calcular o resultado das eleições. Os votos válidos são determinados pela soma dos votos nominais e dos votos de legenda, e não incluem os votos em branco e os nulos, pois não são considerados válidos. Votos nominais: são os votos direcionados somente a um candidato. O voto nominal ocorre quando o eleitor digita o número completo do candidato na urna eletrônica e aperta a tecla Confirma. Votos de legenda: são aqueles onde o eleitor escolhe votar no partido ou coligação e só é permitido nos cargos que possuem mais de uma vaga. Para validar o voto de legenda na urna eletrônica, o eleitor deve inserir os dois primeiros números do candidato, que correspondem ao número do partido ou coligação, e apertar a tecla Confirma. DRº EVILSON BRAZ ADVOGADO/OAB-PB

Myrian Massarollo Presidente

Myrian Massarollo Presidente Cálculos eleitorais No Brasil adotamos o sistema político denominado Democracia Representativa. Nele os eleitores concedem um mandato eletivo, ou seja, através do voto, a alguns cidadãos que se candidataram

Leia mais

DIAP Quadro comparativo: PEC do GT da reforma política no Congresso Qua, 13 de Novembro de :43

DIAP Quadro comparativo: PEC do GT da reforma política no Congresso Qua, 13 de Novembro de :43 Departamento Intersindical de Assessoria Parlametar organiza uma tabela comparativa a partir da PEC aprovada pelo Grupo de Trabalho sobre Reforma Política na Camâra dos Deputados. O Grupo de Trabalho sobre

Leia mais

(Do Senhor Marcus Pestana)

(Do Senhor Marcus Pestana) PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Senhor Marcus Pestana) Dispõe sobre o sistema eleitoral para as eleições proporcionais, alterando a Lei nº 4.737, de 15 de julho de 1965 (Código Eleitoral), a Lei nº 9.096,

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sistema Político Brasileiro Professor Cássio Albernaz www.acasadoconcurseiro.com.br Administração Pública SISTEMA POLÍTICO BRASILEIRO O Brasil é uma república federal presidencialista,

Leia mais

CURSO FORMAÇÃO CIDADÃ DEMOCRACIA REPRESENTATIVA. Victor Barau

CURSO FORMAÇÃO CIDADÃ DEMOCRACIA REPRESENTATIVA. Victor Barau CURSO FORMAÇÃO CIDADÃ DEMOCRACIA REPRESENTATIVA Victor Barau 1- O Conceito da palavra Democracia Democracia demos = povo, e kratos = autoridade Origem Conceito Moderno: Revoluções Francesa e Americana.

Leia mais

GUIA DAS CONVENÇÕES DAS ELEIÇÕES 2016

GUIA DAS CONVENÇÕES DAS ELEIÇÕES 2016 GUIA DAS CONVENÇÕES DAS ELEIÇÕES 2016 Modelos de EDITAL DE CONVOCAÇÃO CÉDULA DE VOTAÇÃO ATA DA CONVENÇÃO PALAVRA DO PRESIDENTE Prezados filiados do PSD Pará, O PSD está cada vez mais forte e unido em todo

Leia mais

DICAS PARA UM VOTO MAIS CONSCIENTE E CRITERIOSO

DICAS PARA UM VOTO MAIS CONSCIENTE E CRITERIOSO ARQUIDIOCESE DE BRASÍLIA ELEIÇÕES 2010 DICAS PARA UM VOTO MAIS CONSCIENTE E CRITERIOSO Elaboração: ARQUIDIOCESE DE BRASÍLIA Assessoria de Imprensa Comissão Justiça e Paz CJP Movimento dos Focolares Contato:

Leia mais

1ª Avaliação Caderno de Textos

1ª Avaliação Caderno de Textos CEFET/RN PRIMEIRA AVALIAÇÃO DO PROCEFET-2007 1 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE Núcleo Permanente de Processos Seletivos - FUNCERN 2007 1ª Avaliação Caderno de Textos Considere

Leia mais

LEI Nº 9.504, DE 30 DE SETEMBRO DE Estabelece normas para as eleições.

LEI Nº 9.504, DE 30 DE SETEMBRO DE Estabelece normas para as eleições. LEI Nº 9.504, DE 30 DE SETEMBRO DE 1997. Estabelece normas para as eleições. O grande mérito desta lei é o de, a princípio, tornar permanentes as regras para todas as eleições,pois, até sua edição, o que

Leia mais

SISTEMA ELEITORAL BRASILEIRO

SISTEMA ELEITORAL BRASILEIRO Gerente de Relações Institucionais: Sheila Tussi da Cunha Barbosa Analista de Relações Institucionais: Cláudia Fernanda Silva Almeida Assistente Administrativa: Quênia Adriana Camargo Ferreira Estagiários:

Leia mais

FIDELIDADE E INFIDELIDADE PARTIDÁRIA

FIDELIDADE E INFIDELIDADE PARTIDÁRIA FIDELIDADE E INFIDELIDADE PARTIDÁRIA Baseado no texto adaptado e condensado Democracia, um reflexo da filiação partidária, de Saulo Henrique da Silva Fonte: http://jus.com.br/revista/texto/19600/democracia-um-reflexo-da-filiacao-partidaria

Leia mais

Relatório sobre Reforma Política

Relatório sobre Reforma Política Relatório sobre Reforma Política Veja como ficariam as bancadas, por estado, por partido e região, nas hipóteses do fim das coligações nas eleições proporcionais e da adoção do voto Distritão Relatório

Leia mais

Quem reforma o sistema eleitoral?

Quem reforma o sistema eleitoral? Quem reforma o sistema eleitoral? O nó que amarra a reforma política no Brasil nunca foi desatado. O motivo é simples. Não há interesse. Historicamente, parlamentares só mudam as regras em benefício próprio.

Leia mais

PORTARIA IME n.º 502 de 12 de março de 1997

PORTARIA IME n.º 502 de 12 de março de 1997 PORTARIA IME n.º 502 de 12 de março de 1997 Dispõe sobre as normas que regem as eleições de representantes dos servidores não docentes e respectivos suplentes junto aos colegiados do Instituto de Matemática

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA AS ELEIÇÕES DE 2016

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA AS ELEIÇÕES DE 2016 ORIENTAÇÕES GERAIS PARA AS ELEIÇÕES DE 2016 1. PRAZOS ELEITORAIS PARA OS PARTIDOS: 1.1 ESCOLHA DOS CANDIDATOS: 20.07.2016 a 05.08.2016 (Lei nº 9.504/1997, art. 8º, caput); 1.2 REGISTRO DE CANDIDATURA:

Leia mais

Presidente: Des. Walter de Almeida Guilherme. Vice-Presidente e Corregedor Regional Eleitoral: Des. Alceu Penteado Navarro

Presidente: Des. Walter de Almeida Guilherme. Vice-Presidente e Corregedor Regional Eleitoral: Des. Alceu Penteado Navarro Presidente: Des. Walter de Almeida Guilherme Vice-Presidente e Corregedor Regional Eleitoral: Des. Alceu Penteado Navarro Diretora-Geral: Jade Almeida Prometti Realização: Assessoria de Comunicação Social

Leia mais

PODER LEGISLATIVO PODER LEGISLATIVO PODER LEGISLATIVO DIVISÃO DE FUNÇÕES ESTATAIS ORGANIZAÇÃO DOS PODERES ESTUDO DOS PODERES SEPARAÇÃO DE PODERES

PODER LEGISLATIVO PODER LEGISLATIVO PODER LEGISLATIVO DIVISÃO DE FUNÇÕES ESTATAIS ORGANIZAÇÃO DOS PODERES ESTUDO DOS PODERES SEPARAÇÃO DE PODERES ORGANIZAÇÃO DOS PODERES SEPARAÇÃO DE PODERES ART. 2.º,, DA CF/88: São Poderes da União, independentes e harmônicos entre si, o Legislativo,, o Executivo e o Judiciário rio. FUNÇÕES LEGISLATIVA EXECUTIVA

Leia mais

O ESTADO E A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA

O ESTADO E A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA O ESTADO E A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA ESTADO Conjunto de regras, pessoas e organizações que se separam da sociedade para organizá-la. - Só passa a existir quando o comando da comunidade

Leia mais

Cotas para mulheres?

Cotas para mulheres? Cotas para mulheres? Direito: PEC propõe alterar a Constituição Federal para que, nas eleições para Câmara dos Deputados, Assembleias Legislativas dos Estados, Câmara Legislativa do Distrito Federal e

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 01/2017

EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 01/2017 1 EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 01/2017 O Diretor Clínico do Hospital das Clínicas Samuel Libânio - HCSL faz saber aos membros do Corpo Clínico desta Instituição que estão abertas as inscrições para as eleições

Leia mais

PRODUÇÃO INTELECTUAL Denilson Mariano de Brito. REVISORA Marisa Batista Alvarenga Webler. CAPA/EDITORAÇÃO/DIAGRAMAÇÃO: Adriano Ferreira de Mendonça

PRODUÇÃO INTELECTUAL Denilson Mariano de Brito. REVISORA Marisa Batista Alvarenga Webler. CAPA/EDITORAÇÃO/DIAGRAMAÇÃO: Adriano Ferreira de Mendonça 2015 Tribunal Regional Eleitoral do Tocantins Qualquer parte desta publicação pode ser reproduzida, desde que citada a fonte. Disponível também em: http//www.tre-to.jus.br ENDEREÇO PARA CORRESPONDÊNCIA

Leia mais

Justiça Eleitoral. Eleição Municipal º Turno. Resultado da totalização JAQUIRANA

Justiça Eleitoral. Eleição Municipal º Turno. Resultado da totalização JAQUIRANA Justiça Eleitoral Eleição Municipal 212-1º Turno Resultado da totalização JAQUIRANA 7 de outubro de 212 21::2 Gerenciamento 212 Eleição Municipal 212 Página 2 de 17 7/1/212 21::2 Relatório do Resultado

Leia mais

Resultados sob embargo até divulgação no dia 25 de setembro às 20h00

Resultados sob embargo até divulgação no dia 25 de setembro às 20h00 SONDAGEM COM SIMULAÇÃO DE VOTO EM URNA SINTRA 2013 CESOP/UCP, PARA RTP, ANTENA 1 E DIÁRIO DE NOTÍCIAS Resultados sob embargo até divulgação no dia 25 de setembro às 20h00 1. Ficha técnica Ficha técnica

Leia mais

SISTEMAS ELEITORAIS E DE GOVERNO Prof. Vitor Marchetti

SISTEMAS ELEITORAIS E DE GOVERNO Prof. Vitor Marchetti SISTEMAS ELEITORAIS E DE GOVERNO Prof. Vitor Marchetti Instituições importam O desenho das instituições faz diferença para a forma como funcionam os sistemas políticos. Diferentes desenhos institucionais

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO E NORMAS

EDITAL DE CONVOCAÇÃO E NORMAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA EDITAL Nº 02/2014/CPA EDITAL DE CONVOCAÇÃO E NORMAS ELEIÇÃO

Leia mais

Principais alterações promovidas pela Lei aprovada no Congresso Nacional e que espera a sanção da Presidencia da República.

Principais alterações promovidas pela Lei aprovada no Congresso Nacional e que espera a sanção da Presidencia da República. Principais alterações promovidas pela Lei aprovada no Congresso Nacional e que espera a sanção da Presidencia da República. Observação: como podemos perceber as mudanças propostas são justamente pra não

Leia mais

Princípios do sistema eleitoral autárquico da Baixa Saxónia

Princípios do sistema eleitoral autárquico da Baixa Saxónia Portugiesisch Niedersächsischer Landeswahlleiter Informações do Presidente da Comissão Eleitoral da Baixa Saxónia Princípios do sistema eleitoral autárquico da Baixa Saxónia Princípios do sistema eleitoral

Leia mais

NORMAS PARA REALIZAÇÃO DE ELEIÇÃO PARA CHEFE E VICE CHEFE DO DCA

NORMAS PARA REALIZAÇÃO DE ELEIÇÃO PARA CHEFE E VICE CHEFE DO DCA NORMAS PARA REALIZAÇÃO DE ELEIÇÃO PARA CHEFE E VICE CHEFE DO I INTRODUÇÃO Art. 1. Art. 2. O Chefe e Vice Chefe do Departamento de Engenharia de Computação e Automação () da Universidade Federal do Rio

Leia mais

PORTARIA IME n.º 500 de 12 de março de 1997

PORTARIA IME n.º 500 de 12 de março de 1997 PORTARIA IME n.º 500 de 12 de março de 1997 Dispõe sobre as normas que regem as eleições de representantes docentes, e respectivos suplentes junto aos colegiados do Instituto de Matemática e Estatística

Leia mais

69) Acrescentar uma mensagem de VALOR INVÁLIDO no exercício [68], caso o segundo valor informado seja ZERO.

69) Acrescentar uma mensagem de VALOR INVÁLIDO no exercício [68], caso o segundo valor informado seja ZERO. Exercícios 65 ao 72 - Estrutura de Repetição: Enquanto 65) Escreva um algoritmo para ler um valor entre 1 (inclusive) e 10 (inclusive). Se o valor lido não estiver entre 1 (inclusive) e 10 (inclusive),

Leia mais

INSTITUIÇÕES DE DIREITO

INSTITUIÇÕES DE DIREITO INSTITUIÇÕES DE DIREITO Prof. Rogério Dias Correia Tipos de democracia Democracia direta Democracia indireta Democracia semidireta 2 Conceito de Sistemas eleitorais Conjunto de regras e procedimentos utilizados

Leia mais

PORTARIA Nº 063, DE 30 DE MAIO DE 2012

PORTARIA Nº 063, DE 30 DE MAIO DE 2012 1 PORTARIA Nº 063, DE 30 DE MAIO DE 2012 ESTABELECE NORMAS PARA A ELEIÇÃO DE DIRETOR E VICE-DIRETOR DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS DA UNESP - CAMPUS DE MARÍLIA HERALDO LORENA GUIDA, Vice-Diretor

Leia mais

UEPP União das Entidades de Presidente Prudente

UEPP União das Entidades de Presidente Prudente A Campanha Voto Consciente é uma iniciatia da UEPP União das Entidades de Presidente Prudente, com a finalidade de sensibilizar o eleitor sobre a importância de seu oto e de como irá otar nas próximas

Leia mais

O aumento dos Senadores e Deputados Federais e seu impacto nas outras esferas

O aumento dos Senadores e Deputados Federais e seu impacto nas outras esferas O aumento dos Senadores e Deputados Federais e seu impacto nas outras esferas A Constituição Federal em seu art. 29, inciso VI, estabelece que os subsídios dos Vereadores estão vinculados aos subsídios

Leia mais

Direito Eleitoral. Da Apuração nos Tribunais Regionais. Professor Pedro Kuhn.

Direito Eleitoral. Da Apuração nos Tribunais Regionais. Professor Pedro Kuhn. Direito Eleitoral Da Apuração nos Tribunais Regionais Professor Pedro Kuhn www.acasadoconcurseiro.com.br Direito Eleitoral DA APURAÇÃO NOS TRIBUNAIS REGIONAIS CAPÍTULO III DA APURAÇÃO NOS TRIBUNAIS REGIONAIS

Leia mais

Edital de Eleição para Membros Docentes do Colegiado do Curso de Bacharelado em Administração Pública Edital 05/2016

Edital de Eleição para Membros Docentes do Colegiado do Curso de Bacharelado em Administração Pública Edital 05/2016 Edital de Eleição para Membros Docentes do Colegiado do Curso de Bacharelado em Administração Pública Edital 05/2016 Abertura de processo eleitoral para membros do colegiado do curso de Bacharelado em

Leia mais

Cooperativismo e Eleições 2014 Resultados do 2º turno

Cooperativismo e Eleições 2014 Resultados do 2º turno Cooperativismo e Eleições 2014 Resultados do 2º turno Apresentação Dando continuidade ao estudo realizado após o fim do 1º turno, o Sistema OCB apresenta esta análise com a intenção de subsidiar as lideranças

Leia mais

Resultados sob embargo até divulgação no dia 26 de setembro às 18h00

Resultados sob embargo até divulgação no dia 26 de setembro às 18h00 SONDAGEM COM SIMULAÇÃO DE VOTO EM URNA PORTO 2013 CESOP/UCP, PARA RTP, ANTENA 1 E DIÁRIO DE NOTÍCIAS Resultados sob embargo até divulgação no dia 26 de setembro às 18h00 1. Ficha técnica Ficha técnica

Leia mais

Cartilha de Campanha:

Cartilha de Campanha: Cartilha de Campanha: Segunda Edição PRAZO DAS CONVENÇÕES PARTIDÁRIAS: De 20 de julho a 5 de agosto. QUANTIDADE DE CANDIDATOS A VEREADOR: REGRA GERAL Partidos e coligações podem registrar até 150% do número

Leia mais

HIDERALDO LUIZ DE ALMEIDA Presidente da Diretoria Executiva da ASCT

HIDERALDO LUIZ DE ALMEIDA Presidente da Diretoria Executiva da ASCT EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE ELEIÇÃO GERAL DA DIRETORIA EXECUTIVA E CONSELHO FISCAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SERVIDORES DO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO ASCT O Presidente da Diretoria Executiva

Leia mais

EDITAL 648, de 21 de setembro de 2016

EDITAL 648, de 21 de setembro de 2016 EDITAL 648, de 21 de setembro de 2016 EDITAL DE ELEIÇÃO PARA O COLEGIADO DE CURSO DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL DO - CÂMPUS GUARULHOS. O grupo de trabalho para eleição dos Membros do Colegiado

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br As origens da infidelidade partidária no Brasil Daniel Gouveia de Mello Martins Segundo Jairo Nicolau, sistema eleitoral é o procedimento utilizado em uma eleição para transformar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR - CAMPUS NOVA IGUAÇU. EDITAL Nº 01/2013, de 21 de outubro de 2013.

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR - CAMPUS NOVA IGUAÇU. EDITAL Nº 01/2013, de 21 de outubro de 2013. UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR - CAMPUS NOVA IGUAÇU EDITAL Nº 01/2013, de 21 de outubro de 2013. Convoca e regulamenta a eleição para o preenchimento de 01 (uma)

Leia mais

Direito Constitucional -Poder Legislativo- Profº. Cleiton Coutinho

Direito Constitucional -Poder Legislativo- Profº. Cleiton Coutinho Direito Constitucional -Poder Legislativo- Profº. Cleiton Coutinho 01. Quanto ao Congresso Nacional, considere: I. O número total de Deputados, bem como a representação por Estado e pelo Distrito Federal,

Leia mais

EDITAL Nº 001/2014 COMISSÃO ELEITORAL DO DIRETÓRIO LIVRE DO DIREITO CONVOCAÇÃO PARA ELEIÇÃO 2014

EDITAL Nº 001/2014 COMISSÃO ELEITORAL DO DIRETÓRIO LIVRE DO DIREITO CONVOCAÇÃO PARA ELEIÇÃO 2014 EDITAL Nº 001/2014 COMISSÃO ELEITORAL DO DIRETÓRIO LIVRE DO DIREITO CONVOCAÇÃO PARA ELEIÇÃO 2014 A Comissão Eleitoral Discente do Curso de Direito da UFSM, composta nos termos do art. 45 e do Estatuto

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO CÂMPUS MORRINHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO CÂMPUS MORRINHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO CÂMPUS MORRINHOS EDITAL Nº 16 De 18 de SETEMBRO DE 2015 ELEIÇÃO PARA COORDENADOR DE CURSO O Diretor

Leia mais

EDITAL Nº 01/2015 PROCESSO ELEITORAL PARA RECOMPOSIÇÃO DAS VAGAS REMANESCENTES DO NIPE CÂMPUS INCONFIDENTES

EDITAL Nº 01/2015 PROCESSO ELEITORAL PARA RECOMPOSIÇÃO DAS VAGAS REMANESCENTES DO NIPE CÂMPUS INCONFIDENTES EDITAL Nº 01/2015 PROCESSO ELEITORAL PARA RECOMPOSIÇÃO DAS VAGAS REMANESCENTES DO NIPE O NIPE do IFSULDEMINAS Câmpus Inconfidentes, no uso de suas atribuições, torna público o presente Edital, referente

Leia mais

2- DO CONSELHO SUPERIOR DA FAPEAL E SEUS CONSELHEIROS

2- DO CONSELHO SUPERIOR DA FAPEAL E SEUS CONSELHEIROS EDITAL FAPEAL no. 05/2015 - Eleição de lista tríplice para preenchimento de vaga de membro do Conselho Superior da FAPEAL. A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Alagoas FAPEAL, por intermédio do

Leia mais

Lula Geraldo Alckmin Em branco/ nulo/ nenhum Não sabe

Lula Geraldo Alckmin Em branco/ nulo/ nenhum Não sabe Lula Geraldo Alckmin Em branco/ nulo/ nenhum P.1 No dia 29 de outubro haverá o segundo turno das eleições para presidente da República. Se o segundo turno da eleição fosse hoje, em quem você votaria: Geraldo

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO E NORMAS DO PROCESSO ELEITORAL ESCOLHA DOS MEMBROS DA COMISSÃO PERMANENTE DE PESSOAL DOCENTE CPPD

EDITAL DE CONVOCAÇÃO E NORMAS DO PROCESSO ELEITORAL ESCOLHA DOS MEMBROS DA COMISSÃO PERMANENTE DE PESSOAL DOCENTE CPPD EDITAL DE CONVOCAÇÃO E NORMAS DO PROCESSO ELEITORAL ESCOLHA DOS MEMBROS DA COMISSÃO PERMANENTE DE PESSOAL DOCENTE CPPD A PRESIDENTE DA torna públicas as normas que regulamentam o processo de eleição dos

Leia mais

Secretaria de Transparência Coordenação de Controle Social Serviço de pesquisa DataSenado Apoio: Ouvidoria. Reforma Política 2015

Secretaria de Transparência Coordenação de Controle Social Serviço de pesquisa DataSenado Apoio: Ouvidoria. Reforma Política 2015 Secretaria de Transparência Coordenação de Controle Social Serviço de pesquisa DataSenado Apoio: Ouvidoria Reforma Política 2015 Reforma Política: maioria da população acompanha o debate O DataSenado realizou

Leia mais

Pesquisa de Opinião com os Prefeitos sobre a Reforma Política

Pesquisa de Opinião com os Prefeitos sobre a Reforma Política Pesquisa de Opinião com os Prefeitos sobre a Reforma Política Objetivos: Fazer um levantamento da opinião dos prefeitos brasileiros sobre a Reforma Política que está tramitando na Câmara dos Deputados.

Leia mais

Sergipe nas Eleições. Eleições Eleições 2014

Sergipe nas Eleições. Eleições Eleições 2014 Sergipe nas Eleições Eleições 2010 Peculiaridades: Nas eleições de 2010, dos três candidatos à reeleição para a Câmara dos Deputados, apenas dois obtiveram êxito, ou seja, houve uma renovação de 75% em

Leia mais

EDITAL N 001/CECIS, DE 17 DE OUTUBRO DE ABERTURA DE PROCESSO ELEITORAL PARA CONSTITUIÇÃO DA COMISSÃO

EDITAL N 001/CECIS, DE 17 DE OUTUBRO DE ABERTURA DE PROCESSO ELEITORAL PARA CONSTITUIÇÃO DA COMISSÃO EDITAL N 001/CECIS, DE 17 DE OUTUBRO DE 2016. ABERTURA DE PROCESSO ELEITORAL PARA CONSTITUIÇÃO DA COMISSÃO INTERNA DE SUPERVISÃO (CIS) DO PLANO DE CARREIRA DOS CARGOS TÉCNICOS ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO

Leia mais

SEMINÁRIO Reforma Política: Sistema Eleitoral em Debate. LOCAL: Auditório Prof. Oswaldo Fadigas Fontes - USP DATA: 30 de maio de 2011 RELATÓRIO

SEMINÁRIO Reforma Política: Sistema Eleitoral em Debate. LOCAL: Auditório Prof. Oswaldo Fadigas Fontes - USP DATA: 30 de maio de 2011 RELATÓRIO SEMINÁRIO Reforma Política: Sistema Eleitoral em Debate LOCAL: Auditório Prof. Oswaldo Fadigas Fontes - USP DATA: 30 de maio de 2011 RELATÓRIO O seminário teve a duração de um dia e contou com a participação

Leia mais

Continuando o conteúdo que vimos no início da semana 3, vamos estudar a medida provisória e as leis de iniciativa popular.

Continuando o conteúdo que vimos no início da semana 3, vamos estudar a medida provisória e as leis de iniciativa popular. 1 Continuando o conteúdo que vimos no início da semana 3, vamos estudar a medida provisória e as leis de iniciativa popular. Medidas provisórias A justificativa para a existência da medida provisória,

Leia mais

Faculdade de Ciências e Letras de Assis

Faculdade de Ciências e Letras de Assis NORMAS E CALENDÁRIO DA ELEIÇÃO PARA ESCOLHA DE SUPERVISOR E VICE- SUPERVISOR DO CENTRO DE PESQUISA E PSICOLOGIA APLICADA DR a BETTI KATZENSTEIN - CPPA FACULDADE DE CIÊNCIAS E LETRAS DE ASSIS UNESP Artigo

Leia mais

Para você conhecer melhor seus direitos, trago, nesta edição, informações sobre o que se pode fazer com que idade.

Para você conhecer melhor seus direitos, trago, nesta edição, informações sobre o que se pode fazer com que idade. ANTONIO BULHÕES Deputado Federal PRB/SP Brasília Maio/2008 Prezados amigos, Para você conhecer melhor seus direitos, trago, nesta edição, informações sobre o que se pode fazer com que idade. É muito importante

Leia mais

EDITAL DE ELEIÇÃO PARA O CONSU MEMBROS EXTERNOS MANDATO 2017

EDITAL DE ELEIÇÃO PARA O CONSU MEMBROS EXTERNOS MANDATO 2017 EDITAL DE ELEIÇÃO PARA O CONSU MEMBROS EXTERNOS MANDATO 2017 O Presidente do Conselho Universitário (Consu) faz saber à comunidade em geral acerca da realização da eleição de 04 (quatro) membros externos,

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL PEÇA PROFISSIONAL O governo brasileiro, preocupado com os índices crescentes de ataques terroristas no mundo, vinculou-se à Convenção sobre os Direitos Humanos das Vítimas de Atividades

Leia mais

Regulamento Eleitoral para a eleição dos Órgãos Sociais da APM CAPÍTULO I. Dos princípios gerais. Artigo 1º. Assembleia Eleitoral

Regulamento Eleitoral para a eleição dos Órgãos Sociais da APM CAPÍTULO I. Dos princípios gerais. Artigo 1º. Assembleia Eleitoral Regulamento Eleitoral para a eleição dos Órgãos Sociais da APM CAPÍTULO I Dos princípios gerais Artigo 1º Assembleia Eleitoral 1 - Em cumprimento do disposto no capítulo sexto dos Estatutos da APM, o presente

Leia mais

Regulamento Eleitoral para o Conselho de Gestão da Escola de Engenharia

Regulamento Eleitoral para o Conselho de Gestão da Escola de Engenharia Regulamento Eleitoral para o Conselho de Gestão da Escola de Engenharia Universidade do Minho, julho 2016 Universidade do Minho Regulamento Eleitoral para o Conselho de Gestão da Escola de Engenharia O

Leia mais

4ª Lista de Exercícios de Programação I

4ª Lista de Exercícios de Programação I 4ª Lista de Exercícios de Programação I Instrução As questões devem ser implementadas em C. 1. Faça um algoritmo que leia 10 valores inteiros armazenando-os em um vetor e depois calcule a soma dos valores

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 3/2015, DO CONSELHO DA FACULDADE DE ODONTOLOGIA - UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

RESOLUÇÃO Nº. 3/2015, DO CONSELHO DA FACULDADE DE ODONTOLOGIA - UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA RESOLUÇÃO Nº. 3/2015, DO CONSELHO DA - Estabelece normas e procedimentos para escolha do Colegiado do Programa de Pós-graduação, da Faculdade de Odontologia, da - Universidade Federal de Uberlândia (biênio

Leia mais

O PERFIL SOCIECONÔMICO DOS SENADORES DA REPUBLICA EM RELAÇÃO AO PERFIL DA POPULAÇÃO BRASILEIRA

O PERFIL SOCIECONÔMICO DOS SENADORES DA REPUBLICA EM RELAÇÃO AO PERFIL DA POPULAÇÃO BRASILEIRA O PERFIL SOCIECONÔMICO DOS SENADORES DA REPUBLICA EM RELAÇÃO AO PERFIL DA POPULAÇÃO BRASILEIRA Autores : SANTOS, Edvanderson Ramalho dos¹; ALMIRON, Adriana de²; PIPINO, Wictoria Gabriely de Souza²; OLIVEIRA,

Leia mais

REVISAO DE DIREITO ELEITORAL Prof. Thais Nunes

REVISAO DE DIREITO ELEITORAL Prof. Thais Nunes REVISAO DE DIREITO ELEITORAL Prof. Thais Nunes thais@concursoecarreira.com.br Para um melhor aproveitamento da revisão, aguarde a orientação do professor. 01. (FCC/2005 - Analista Administrativo do TRE/RN)

Leia mais

NORMAS PARA ESCOLHA DO COLEGIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO (2011/2013), DA FACULDADE DE ODONTOLOGIA - UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

NORMAS PARA ESCOLHA DO COLEGIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO (2011/2013), DA FACULDADE DE ODONTOLOGIA - UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA NORMAS PARA ESCOLHA DO COLEGIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO (2011/2013), DA - A Comissão Eleitoral constituída pela Portaria FOUFU 15/2011, de 17 de agosto de 2011 da Faculdade de Odontologia, Universidade Federal

Leia mais

OS RESULTADOS DO FENÔMENO DA REELEIÇÃO EM 2008 E UMA COMPARAÇÃO COM OS DOIS ÚLTIMOS PLEITOS MUNICIPAIS

OS RESULTADOS DO FENÔMENO DA REELEIÇÃO EM 2008 E UMA COMPARAÇÃO COM OS DOIS ÚLTIMOS PLEITOS MUNICIPAIS 11 OS RESULTADOS DO FENÔMENO DA REELEIÇÃO EM 2008 E UMA COMPARAÇÃO COM OS DOIS ÚLTIMOS PLEITOS MUNICIPAIS As análises das reeleições em 2008 nesta primeira parte do estudo foram feitas com base nos dados

Leia mais

Sistemas de representação proporcional

Sistemas de representação proporcional MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS RESUMO - Teoria das Eleições Sistemas Eleitorais de representação proporcional 10º ano Cláudia Henriques Sistemas de representação proporcional Nestes sistemas verifica-se

Leia mais

1. DA PROPAGANDA ELEITORAL

1. DA PROPAGANDA ELEITORAL Período de veiculações de propaganda eleitoral: 06 de julho a 03 de outubro de 2014. 1. DA PROPAGANDA ELEITORAL A propaganda eleitoral não pode ultrapassar, por edição, 35 cm no formato tabloide ou revista

Leia mais

Diretório Acadêmico de Letras Luiz Eurico Tejera Lisbôa Universidade Federal do Pampa Campus Bagé

Diretório Acadêmico de Letras Luiz Eurico Tejera Lisbôa Universidade Federal do Pampa Campus Bagé EDITAL DE ELEIÇÕES PARA OS CARGOS DA DIRETORIA EXECUTIVA DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DE LETRAS LUIZ EURICO TEJERA LISBÔA - UNIPAMPA/BAGÉ A atual diretoria executiva do Diretório Acadêmico de Letras Luiz Eurico

Leia mais

REGULAMENTO DAS ELEIÇÕES PARA O COLEGIADO DO DEPARTAMENTO DE ÁREAS ACADÊMICAS E CONSELHO DEPARTAMENTAL CAPÍTULO I DA FINALIDADE

REGULAMENTO DAS ELEIÇÕES PARA O COLEGIADO DO DEPARTAMENTO DE ÁREAS ACADÊMICAS E CONSELHO DEPARTAMENTAL CAPÍTULO I DA FINALIDADE REGULAMENTO DAS ELEIÇÕES PARA O COLEGIADO DO DEPARTAMENTO DE ÁREAS ACADÊMICAS E CONSELHO DEPARTAMENTAL A comissão eleitoral designada pela Chefia de Departamento do Instituto Federal de Goiás, campus Água

Leia mais

LUCIENI PEREIRA AUDITORA DO TCU PRESIDENTE DA ANTC ENTIDADE DA REDE MCCE

LUCIENI PEREIRA AUDITORA DO TCU PRESIDENTE DA ANTC ENTIDADE DA REDE MCCE 6 de agosto de 2014 LUCIENI PEREIRA AUDITORA DO TCU PRESIDENTE DA ANTC ENTIDADE DA REDE MCCE Movimento de Combate a Corrupção Eleitoral: Conquistas e Desafios para Eleições Limpas PROJETO DE LEI 6.316,

Leia mais

REGIMENTO ELEITORAL CIPA/CISDESTE 2016/2017

REGIMENTO ELEITORAL CIPA/CISDESTE 2016/2017 REGIMENTO ELEITORAL CIPA/CISDESTE 2016/2017 Em cumprimento aos preceitos legais, a Comissão Eleitoral CE, legalmente constituída, define os seguintes procedimentos para a organização e acompanhamento do

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2016

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2016 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2016 Altera os 1º, 2º e 3º, do art. 17 da Constituição Federal e a ele acrescenta os 5º, 6º, 7º e 8º, para autorizar distinções entre partidos políticos, para fins

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 029/2004-COU/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 029/2004-COU/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 029/2004-COU/UNICENTRO OBS: ESTA RESOLUÇÃO ESTÁ REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 024/2006-COU/UNICENTRO. Aprova o Regulamento da eleição para Diretor de Centro de Conhecimento da UNICENTRO. O REITOR

Leia mais

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2016

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2016 ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2016 MODELOS de ATAS, OFÍCIOS e REQUERIMENTOS OFÍCIO PARA REGíSTRO DE CHAPA DE DE 2016. llustrlsslmo Senhor (nome do Presidente do Partido) Presidente Municipal do PR de,pr. Senho1r

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 013, DE 05 DE SETEMBRO DE 2016

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 013, DE 05 DE SETEMBRO DE 2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 013, DE 05 DE SETEMBRO DE 2016 Dispõe sobre o Regulamento do processo de consulta à comunidade

Leia mais

Eleições 2010: calendário eleitoral, com prazos de desincompatibilização

Eleições 2010: calendário eleitoral, com prazos de desincompatibilização Eleições 2010: calendário eleitoral, com prazos de desincompatibilização Dirigentes sindicais e servidores que pretendem disputar as eleições de 2010 devem ficar atentos às datas e prazos de desincompatibilização.

Leia mais

IGEPP QUESTÕES COMENTADAS DE CIÊNCIA POLÍTICA ELABORADO PELA EQUIPE IGEPP

IGEPP QUESTÕES COMENTADAS DE CIÊNCIA POLÍTICA ELABORADO PELA EQUIPE IGEPP IGEPP QUESTÕES COMENTADAS DE CIÊNCIA POLÍTICA ELABORADO PELA EQUIPE IGEPP O chefe de governo da forma de governo denominada república deve, obrigatoriamente, ser escolhido de forma direta pelo povo, por

Leia mais

REGIMENTO ELEITORAL ELEIÇÕES DO DIRETORIO CENTRAL DOS ESTUDANTES DA UFABC 2013/2014

REGIMENTO ELEITORAL ELEIÇÕES DO DIRETORIO CENTRAL DOS ESTUDANTES DA UFABC 2013/2014 REGIMENTO ELEITORAL ELEIÇÕES DO DIRETORIO CENTRAL DOS ESTUDANTES DA UFABC 2013/2014 Artigo 1 - O presente regimento tem por objetivo regulamentar as eleições do Diretório Central dos Estudantes da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES DOS CORPOS DOCENTE, DISCENTE E TÉCNICO-ADMINISTRATIVO DO CONSELHO ACADÊMICO DO IFMG CAMPUS CONGONHAS

REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES DOS CORPOS DOCENTE, DISCENTE E TÉCNICO-ADMINISTRATIVO DO CONSELHO ACADÊMICO DO IFMG CAMPUS CONGONHAS REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES DOS CORPOS DOCENTE, DISCENTE E TÉCNICO-ADMINISTRATIVO DO CONSELHO ACADÊMICO DO IFMG CAMPUS CONGONHAS I. DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Tendo em vista o

Leia mais

Conforme os Estatutos da Associação Brasileira de Estudos Populacionais ABEP, em seus artigos seguintes estabelece:

Conforme os Estatutos da Associação Brasileira de Estudos Populacionais ABEP, em seus artigos seguintes estabelece: Normas e Regulamentos do Processo Eleitoral para a Diretoria, Conselho Fiscal e Membros do Conselho Consultivo da Associação Brasileira de Estudos Populacionais (ABEP) Biênio 2015-2016. Em conformidade

Leia mais

PORTARIA IEE Nº D007/2015

PORTARIA IEE Nº D007/2015 PORTARIA IEE Nº D007/2015 Dispõe sobre as eleições para Diretor e Vice- Diretor do Instituto de Energia e Ambiente da Universidade de São Paulo (USP). O Diretor do Instituto de Energia e Ambiente da Universidade

Leia mais

Subprefeitura de Itaim Paulista

Subprefeitura de Itaim Paulista Proposta de Lei Orçamentária Anual 2016 Audiência Pública Eleição da Comissão Eleitoral Local dos CPMs Plenária Subprefeitura de Itaim Paulista 18 de julho de 2015 Audiência Pública da PLOA 2016 Pactuação

Leia mais

O programa Parlamento dos Jovens é uma iniciativa da Assembleia da República (AR) dirigida aos jovens do 2.º e do 3.ºciclos do ensino básico e do

O programa Parlamento dos Jovens é uma iniciativa da Assembleia da República (AR) dirigida aos jovens do 2.º e do 3.ºciclos do ensino básico e do O programa Parlamento dos Jovens é uma iniciativa da Assembleia da República (AR) dirigida aos jovens do 2.º e do 3.ºciclos do ensino básico e do ensino secundário Quem orienta este programa na Escola?

Leia mais

Edital n o 001/2016/CCI/DCTJ

Edital n o 001/2016/CCI/DCTJ Joinville, 06 de outubro de 2016. Edital n o 001/2016/CCI/DCTJ Normas para realização da consulta informal para Diretor e Vice- Diretor do Centro Tecnológico de Joinville (CTJ) A Comissão designada pela

Leia mais

REGULAMENTO DA ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES DO CONSELHO CONSULTIVO REFERIDOS NAS ALS. D) A F) DO N.º 2 DO ART. 109.º DA LEI N. 26.º, N.

REGULAMENTO DA ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES DO CONSELHO CONSULTIVO REFERIDOS NAS ALS. D) A F) DO N.º 2 DO ART. 109.º DA LEI N. 26.º, N. Comarca de REGULAMENTO DA ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES DO CONSELHO CONSULTIVO REFERIDOS NAS ALS. D) A F) DO N.º 2 DO ART. 109.º DA LEI N.º 62/2013, DE 26 DE AGOSTO (LOSJ) E ART. 26.º, N.º 2 DO DL N.º 49/2014,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES E EMPREGADOS PÚBLICOS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO IMEDIATO AO CIDADÃO - NA HORA - ASSOSEHORA

ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES E EMPREGADOS PÚBLICOS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO IMEDIATO AO CIDADÃO - NA HORA - ASSOSEHORA ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES E EMPREGADOS PÚBLICOS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO IMEDIATO AO CIDADÃO - NA HORA - ASSOSEHORA REGULAMENTO DA ELEIÇÃO PARA CARGOS DA DIRETORIA EXECUTIVA E CONSELHO FISCAL Em atendimento

Leia mais

COMISSÃO EXECUTIVA ESTADUAL DO PT-PE REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DE PAULISTA : TÁTICA ELEITORAL E ALIANÇA VOTO DO DIRIGENTE BRUNO RIBEIRO

COMISSÃO EXECUTIVA ESTADUAL DO PT-PE REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DE PAULISTA : TÁTICA ELEITORAL E ALIANÇA VOTO DO DIRIGENTE BRUNO RIBEIRO COMISSÃO EXECUTIVA ESTADUAL DO PT-PE REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DE 04.08.2016 PAULISTA : TÁTICA ELEITORAL E ALIANÇA VOTO DO DIRIGENTE BRUNO RIBEIRO FUNDAMENTAÇÃO ESCRITA O presente voto é fundamentado com

Leia mais

COMISSÃO ELEITORAL EDITAL Nº 01/2016

COMISSÃO ELEITORAL EDITAL Nº 01/2016 COMISSÃO ELEITORAL EDITAL Nº 01/2016 ELEIÇÃO DOS COORDENADORES DO CENTRO ACADÊMICO RITA LOBATO E DA ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA ACADÊMICA DO CURSO DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS

Leia mais

REFORMA ELEITORAL LEI n.º /15

REFORMA ELEITORAL LEI n.º /15 REFORMA ELEITORAL LEI n.º 13.165/15 Lei n.º 13.165/15, de 29 de setembro de 2015, altera dispositivos da Lei das Eleições (Lei n.º 9.504/97), da Lei dos Partidos Políticos (Lei n.º 9.096/95) e do Código

Leia mais

QUEM GANHOU AS ELEIÇÕES DE 2012? UMA ANÁLISE DE DESEMPENHO ELEITORAL DOS PARTIDOS

QUEM GANHOU AS ELEIÇÕES DE 2012? UMA ANÁLISE DE DESEMPENHO ELEITORAL DOS PARTIDOS 24 QUEM GANHOU AS ELEIÇÕES DE 2012? UMA ANÁLISE DE DESEMPENHO ELEITORAL DOS Denise Paiva Universidade Federal de Goiás (UFG) denise@cienciassociais.ufg.br Ana Lúcia Henrique Universidade Federal de Goiás

Leia mais

4º EDITAL DE CONVOCAÇÃO ELEIÇÃO DE CONSELHEIROS DO CONSELHO DE USUÁRIOS DA SKY DA REGIÃO NORDESTE

4º EDITAL DE CONVOCAÇÃO ELEIÇÃO DE CONSELHEIROS DO CONSELHO DE USUÁRIOS DA SKY DA REGIÃO NORDESTE 4º EDITAL DE CONVOCAÇÃO ELEIÇÃO DE CONSELHEIROS DO CONSELHO DE USUÁRIOS DA SKY DA REGIÃO NORDESTE São convocados os senhores Usuários dos Serviços de Telecomunicações e as Associações ou Entidades que

Leia mais

A República da Espada. Prof. Thiago História C Aula 08

A República da Espada. Prof. Thiago História C Aula 08 A República da Espada Prof. Thiago História C Aula 08 O Novo Regime Proclamação da República Militares ideário positivista Cafeicultores defesa do federalismo Classe Média desenvolvimento industrial e

Leia mais

EDITAL FACEPE 18/2010 ELEIÇÃO DE MEMBRO DO CONSELHO SUPERIOR DA FACEPE

EDITAL FACEPE 18/2010 ELEIÇÃO DE MEMBRO DO CONSELHO SUPERIOR DA FACEPE EDITAL FACEPE 18/2010 ELEIÇÃO DE MEMBRO DO CONSELHO SUPERIOR DA FACEPE NA ÁREA DE CIÊNCIAS EXATAS E ENGENHARIAS A Comissão Eleitoral, instituída pela Portaria FACEPE nº 021/2010, no uso de suas atribuições,

Leia mais

EDITAL N. 007/2011-D

EDITAL N. 007/2011-D i. e x e EDITAL N. 007/2011-D O Diretor da UEPR Universidade Estadual do Paraná Campus de Campo Mourão/Fecilcam no uso de suas atribuições legais e considerando o artigo 49 do Regimento Interno da Fecilcam,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 001 DE 15 DE JULHO DE 2016.

RESOLUÇÃO Nº 001 DE 15 DE JULHO DE 2016. RESOLUÇÃO Nº 001 DE 15 DE JULHO DE 2016. Dispõe sobre a aprovação Ad Referendum do Regulamento para eleição dos representantes dos corpos discente, docente e técnico-administrativo do Conselho Acadêmico

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS/ ADMINISTRATIVOS

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS/ ADMINISTRATIVOS PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS/ ADMINISTRATIVOS SETEMBRO DE 2016 JOB0572-2 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO O projeto tem por objetivo geral levantar um conjunto de informações

Leia mais