Prova de Valor (SIB) Instruções e exemplos para o planejamento e especificação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prova de Valor (SIB) Instruções e exemplos para o planejamento e especificação"

Transcrição

1 Prova de Valor (SIB) Instruções e exemplos para o planejamento e especificação

2 1. CLIENTE Neste item serão fornecidas informações gerais sobre o cliente, tais como, nome, setor de atuação, local e período de realização do SIB e o principal interessado pelo mesmo (o sponsor ). São informações obrigatórias. 2. EQUIPE A SER ALOCADA O Cliente deverá disponibilizar recursos internos para execução da Prova de Valor contemplando: Suporte aos requisitos funcionais Homologação da Prova de Valor Suporte técnico Avaliação de resultados Para tal, minimamente, serão necessários os seguintes perfis: Sponsor: Gestor responsável pelo projeto que possa garantir a alocação dos recursos e que tenha autonomia para aprovar a adoção do QLIKVIEW. Ponto Focal TI: Responsável em intermediar ou responder às dúvidas do consultor quanto às fontes de dados e ambiente interno. Responsável por Infraestrutura: Responsável em providenciar a infraestrutura solicitada. O ponto focal TI pode exercer este papel. Responsável Funcional: Usuário que irá informar ao consultor os requisitos funcionais do SIB, sendo responsável ainda pela homologação e decisivo na avaliação dos resultados. 3. ESCOPO É o objetivo do SIB. Deve-se aliar o resultado desejado com o esforço para obtenção dos dados, ou seja, o escopo deve ser algo que agregue valor sem, no entanto, exigir um esforço interno e externo que dure mais que uma semana. Deve ser informado claramente, de forma sucinta, o objetivo do SIB (o que se espera obter?), premissas (quais as restrições e referencias para o SIB?), a situação atual (qual o problema ou dificuldade enfrentada?) e os benefícios tangíveis e intangíveis esperados (o que o QLIKVIEW poderá trazer de valor?). 3.1 FONTE DE DADOS Informa os sistemas e as fontes macros de dados e sistemas envolvidos. Com essa informação será elaborado o ETL (extração, carga e transformação) dos dados do cliente para o QLIKVIEW. A elaboração dessa informação é extremamente importante, pois todo o desenvolvimento será sustentado por este. Sistemas e fontes macros de dados envolvidas Pagina 1

3 Listar as fontes de dados (tabelas/arquivos/sistemas/sgbd) que serão utilizados, definindo quais campos devem ser lidos, relacionamentos e regras de negócio necessárias e os indicadores a serem calculados. Sistema Nome da tabela de dados Descrição da tabela Nome da tabela Nome do campo Descrição do campo É importante que seja relatado, em ordem de grandeza, o volume de dados que se pretende manipular, para dimensionamento e cuidados inerentes a infraestrutura a ser alocada durante o SIB. 3.2 ESPECIFICAÇÃO FUNCIONAL Deverá ser informado as regras de negócio para transformação dos dados da origem para o QLIKVIEW, durante o ETL. 3.3 VISÃO Listar as visões desejadas, definindo layout, atributos, métricas, filtros e regras dos indicadores que se desejam calcular. 3.4 INDICADORES Descrever os indicadores dos painéis e as fórmulas de cálculos, métricas e filtros inerentes aos mesmos. 4. INFRA-ESTRUTURA DE TI 4.1 AMBIENTE QLIKVIEW RESPONSABILIDADE ADITI A ADITI irá providenciar os licenciamentos de QLIKVIEW necessários junto a QLIKTECH. O licenciamento fica disponível durante o SIB e um período posterior de 15 dias, para que o cliente possa usar, testar, divulgar e tirar duvidas sobre o SIB. Todo esse detalhamento é feito junto com o cliente, de acordo com os requisitos e necessidades para o SIB. Pagina 2

4 4.2 SERVIDOR RESPONSABILIDADE CLIENTE Caberá ao cliente providenciar a infraestrutura necessária para o SIB, cabendo ao mesmo a instalação dos softwares QLIKVIEW. A instalação normalmente exige 1 dia de trabalho, sem complexidades. A ADITI dará todo apoio durante esta fase. No formulário consta os requisitos mínimos necessários que deverão ser disponibilizados. Abaixo a configuração mínima exigida: Windows 2003 Server x64 Edition DOTNET framework 4 Microsoft IIS 7 Drivers ODBC para todos os SGBDs necessários Caso a Prova de Valor queira realizar Teste de Performance do QLIKVIEW, é exigido no mínimo: 04 Processadores (2GHz ou superior) compatíveis com x64 24GB RAM Informações importantes: A configuração acima suportará os picos de processamento, caso todos os 10 usuários estejam conectados, realizando consultas ao mesmo tempo. Não é necessário a instalação de nenhum SGBD adicional para o QLIKVIEW. O QLIKVIEW Server pode usar máquinas Virtuais (VMWARE ou outro sistema), sem nenhuma restrição. Nesse caso é necessário configurar para o SERVER QLIKVIEW acesso direto na memória. Deverá ser criado um usuário no Servidor Windows, onde o QLIKVIEW Server será instalado, com direitos totais de Administrador. Este será responsável pela Instalação, Manutenção e Gerenciamento do QLIKVIEW Server; O login do QLIKVIEW Server é integrado ao Windows (AD), garantindo segurança e facilidade de administração. O acesso ao QLIKVIEW é realizado via http, internet ou intranet, ou até mesmo off-line, obedecendo as políticas de acesso do cliente. Assim, o acesso para tablet ou smartphone será disponibilizado, não necessitando de nenhum recurso, ação ou formatação adicional do aplicativo original disponível (o acesso é o mesmo, via WEB). Deverá ser disponibilizado uma conexão com a Internet para o QLIKVIEW Server, exigida no momento da validação da licença Qlikview no site da QLIKTECH (www.qlikview.com); Pagina 3

5 Serão necessárias que as portas abaixo estejam disponíveis (abertas ou liberadas). Estas portas são utilizadas pelo Qlikview Management Console e Controle Qlikview Web Server : QVP: 4747; QVP (tunneling): 4774; HTTP: 80, 4720, 4730, 4750, 4780, 4799; SNMP: 4721, 4731, USO DO SAP CONNECTOR Para instalação Conector SAP será disponibilizado o manual do QLIKVIEW SAP CONECTOR Em caso de necessidade de acesso à base de dados do SAP é extremamente importante que as REQUESTS referentes ao SAP BASIS, que dependem da versão deste, sejam implementadas corretamente. Deverá ser instalado o SAP CONNECTOR versão 5.3 (arquivos ) para o SAP 4.6 ou o SAP CONNECTOR versão 5.7 (arquivos ) para o SAP 6.4 e 7.0. O SAP CONNECTOR é disponibilizado pela ADITI. Após a Instalação acima, devem ser criados usuários dentro do SAP com base no Manual do SAP CONNECTOR. Além do usuário de comunicação entre o QLIKVIEW SERVER e o SAP, se possível, criar um usuário (com atividade 03 somente), onde esse usuário será usado para analisar as tabelas dentro do SAP, visando uma melhor análise e identificação dos campos que deverão ser usados no SIB. Para finalizar as transações abaixo devem estar disponibilizadas: DB02 - Nessa transação será utilizada para visualizar o tamanho da base atual, maiores tabelas, índices, taxa de crescimento, evolução mensal. DB15 Será de grande utilidade, pois a mesma é suada para cruzar as principais tabelas com os processos/documentos do SAP. Exemplo: Tabela MARA x Dados Mestre de Material; SE11 Transação serve para visualizar os campos e suas descrições, extremamente importante. SE16 Transação serve para visualizar os campos e efetuar a contagem dos registros sem detalhes, Analise simplificada. TAANA - Nessa transação é feito a contagem de registros das tabelas de acordo com ano, período, centro, empresa entre outros. Pagina 4

6 4.4 SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Definir quais as diretrizes e/ou considerações referentes a segurança da informação que envolva o SIB acesso, confidencialidade e como a ADITI deverá trabalhar. Deverão ser providenciados: Permissão de acesso para os consultores durante, no mínimo, 03 dias consecutivos; Recomendado uma sala para trabalho dos consultores e equipe do cliente. Procedimento para solicitação de login/acesso à rede corporativa Procedimento para solicitação de login/acesso às fontes de dados (SGBD, Sistema de Arquivos,...) e SAP. Autorização para entrada de notebooks de terceiros Configuração para uso de notebook de terceiros na rede corporativa Acesso à Internet com autorização para download no servidor que suportará o QLIKVIEW SERVER Demais procedimentos de segurança e acesso às dependências, tais como treinamento, documentos etc. 5. ASPECTOS PARA AVALIAÇÃO DA PROVA DE VALOR Informar os aspectos que devem fazer parte da entrega do SIB e pelos quais o mesmo será avaliado Escolha no máximo três aspectos, para que o SIB tenha um foco de validação. ASPECTO S/N PRIORIDADE (1/2/3) Benefício da solução da dor Produtividade no desenvolvimento Facilidade de uso pelo usuário Capacidade de integração com o SAP Aspecto gráfico Análise de oportunidades e melhorias Performance Pagina 5

7 6. CRONOGRAMA Estabelecer todas as principais atividades envolvidas no SIB com os seus respectivos responsáveis e datas limites para conclusão de cada uma delas. Este cronograma deve ser rigorosamente cumprido sem o que, o objetivo da Prova de Valor poderá não ser atingido dentro do período acordado. É fundamental a reunião de abertura (alinhamento e apresentações) e de fechamento (validação e feedback). ATIVIDADE RESPONSABILIDADE DATA LIMITE Disponibilizar infraestrutura Instalar QLIKVIEW Mapear/disponibilizar fontes de dados Kickoff do SIB Desenvolvimento do SIB Apresentação dos Resultados Reunião de Avaliação 7. INFORMAÇÕES GERAIS Campo livre para informações adicionais que sejam relevantes para o sucesso do SIB. Pagina 6

8 8. EXEMPLOS DE ESPECIFICAÇÃO FUNCIONAL 8.1 EXEMPLO 1 - SIB EMPRESA XYZ ESCOPO Desenvolver consultas orçamentárias nos mais diversos períodos de tempo para análise do cumprimento dos valores orçados pelas unidades responsáveis e pelos executores. Atualmente, a empresa XYZ convive com orçamentos que são normalmente superados, acarretando gastos não previstos e, consequentemente,prejudicando seu desempenho e resultado financeiro. Será utilizado a base do sistema de Orçamentos e serão desenvolvidas consultas que permitirão identificar os responsáveis e as causas destas superações. Parte-se da premissa que a base do sistema fonte está confiável e, espera-se com as consultas, realizar um acompanhamento e controle dos orçamentos evitando surpresas, má gestão dos projetos e desperdício de dinheiro. FONTE DE DADOS Banco de Dados: ORACLE: CONTAS_UNIDADE_EXECUTORA_ CONTAS_UNIDADE_ORÇAMENTÁRIA CONTAS_PLANO_CONTAS CONTAS_SALDO_CONTÁBIL RELACIONAMENTOS ESPECIFICAÇÃO FUNCIONAL Elaborar consultas a partir da(s) conta(s) contábil(eis) desejada(s) e período. Selecionar Executora Selecionar Unidade Orçamentária Selecionar campo complemento Indicador a ser calculado: Para cada unidade orçamentária: (Valor realizado/valor planejado) x 100 Identificar a unidade executora para cada indicador > 100% Pagina 7

9 8.1.5 VISÕES A) EXIBIR PAINÉIS CONTENDO: Conta Contábil Período Unidade orçamentária Unidade Executora Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Final B) TOTALIZAR GRUPO DE CONTAS C) EXIBIR BALANCETES ASPECTOS PARA AVALIAÇÀO DA PROVA DE VALOR ASPECTO S/N PRIORIDADE (1/2/3) Benefício da solução da dor Produtividade no desenvolvimento Facilidade de uso pelo usuário Capacidade de integração com o SAP Aspecto gráfico Análise de oportunidades e melhorias Performance OBSERVAÇÕES ADICIONAIS As visões terão objetos gráficos e possibilidade de aplicar todos os filtros possíveis Não faz parte do escopo a exibição dos eventos que compuseram os respectivos saldos Pagina 8

10 8.2 EXEMPLO 2 - SIB EMPRESA ABC QLIKVIEW - SIB SEEING IS BELIEVING DESCRIÇÃO Baseado em informações mensais de vendas de produtos, fazer variações das margens dos mesmos. As informações básicas a serem consideradas serão as de vendas dos produtos e seus custos de produção. O objetivo desta funcionalidade é identificar quais os produtos com as maiores margens visando direcionar ações táticas e estratégicas para incrementar o aumento do seu volume de vendas. Atualmente por falta destas visões a empresa realiza esforços em certos produtos que, em que pese contribuir para o aumento do faturamento, não repercutem na lucratividade FONTE DE DADOS SAP APPLICATION SERVER: SERVERAPP01 CLIENT: 7000 NUMBER: USUÁRIO: USER SENHA: XYZ SISTEMA NOME DA TABELA DE DADOS DESCRIÇÃO DA TABELA SAP TABELA Z -ZMRG Contém dados até o mês atual NOME DA TABELA NOME DO CAMPO DESCRIÇÃO DO CAMPO TABELA Z - ZMRG FKIMG Unidade (VRKME) Quantidade vendida VALMI Unidade (WAERS) PRONIT Unidade (WAERS) Valor Líquido Valor unitário PRONIT = VALMI/FKIMG CUSTOR Unidade (WAERS) ESTRATIFICAÇÃO DO CUSTO CPVMPM CPVMOD CPVGGF CPVEMB Custo de produção Somatórios destes valores = CUSTOR Matéria prima Mão de Obra Custos Gerais Embalagem Pagina 9

11 CSUNIT Custo Unitário CSUNIT = CUSTOR/FKIMG Margem Líquida MARGEM INDICADOR A SER CALCULADO Valor da margem projetada: (Quantidade vendida x Valor unitário) (Matéria prima + Mão de obra + Custos gerais + Embalagem + Custo unitário).permitir o cálculo alterando-se qualquer um dos campos que participam da fórmula VISÕES Produzir visões que simulem os efeitos sobre a margem projetada quando se alterar quaisquer um dos campos ASPECTOS PARA AVALIAÇÃO DA PROVA DE VALOR ASPECTO S/N PRIORIDADE (1/2/3) Benefício da solução da dor Produtividade no desenvolvimento Facilidade de uso pelo usuário Capacidade de integração com o SAP Aspecto gráfico Análise de oportunidades e melhorias Performance Pagina 10

Prova de Valor (SIB)

Prova de Valor (SIB) Prova de Valor (SIB) Planejamento e Especificação A Prova de Valor é uma verdadeiro Ver para Crer (SIB "SEEING IS BELIEVING"), como denominado pela própria pela Qliktech, para mostrar o potencial do Qlikview.

Leia mais

Request For Proposal (RFP) Desenvolvimento de um Web Site para a Varella Vídeo

Request For Proposal (RFP) Desenvolvimento de um Web Site para a Varella Vídeo Request For Proposal (RFP) Desenvolvimento de um Web Site para a Varella Vídeo OBJETIVO O objetivo deste documento elaborado pela Varella Vídeo é fornecer as informações necessárias para que empresas cuja

Leia mais

INTRODUÇÃO REQUISITOS TECNOLÓGICOS E DE AMBIENTE

INTRODUÇÃO REQUISITOS TECNOLÓGICOS E DE AMBIENTE INTRODUÇÃO Na intenção de realizar um novo sistema financeiro para a gestão de recursos de convênios celebrados pela Academia Brasileira de Ciências, o setor de informática juntamente com o setor financeiro

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE MANUAL PARA REQUISITANTES

SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE MANUAL PARA REQUISITANTES UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO UNIVERSITÁRIO DIRETORIA GERAL DE ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE MANUAL PARA REQUISITANTES SISTEMA 1ª EDIÇÃO SETEMBRO/2013

Leia mais

Manual Geral do OASIS

Manual Geral do OASIS Manual Geral do OASIS SISTEMA DE GESTÃO DE DEMANDA, PROJETO E SERVIÇO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO OASIS Introdução Esse manual tem como objetivo auxiliar aos usuários nos procedimentos de execução do sistema

Leia mais

Orientações sobre o Novo Produto SACR Sistema de Acolhimento com Classificação de Risco. Versão 1.0, 30/11/2009

Orientações sobre o Novo Produto SACR Sistema de Acolhimento com Classificação de Risco. Versão 1.0, 30/11/2009 Orientações sobre o Novo Produto SACR Sistema de Acolhimento com Classificação de Risco Versão 1.0, 30/11/2009 Sumário Objetivo Introdução Características do SACR Organização Questões Funcionais Infraestrutura

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Universidade Federal de Pernambuco Ciência da Computação Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Professora: Carla Taciana Lima Lourenço Silva Schuenemann Estudo de Viabilidade Clínica médica

Leia mais

1º No módulo de Gestão Contábil é possível acessar o relatório através do menu Relatórios Razão.

1º No módulo de Gestão Contábil é possível acessar o relatório através do menu Relatórios Razão. Impairment Produto : TOTVS Gestão Contábil 12.1.1 Processo : Relatórios Subprocesso : Razão Data publicação da : 12/11/2014 O relatório razão tem a finalidade de demonstrar a movimentação analítica das

Leia mais

Utilizando o BI para promover o aumento da eficiência da atuação do 1º Grau

Utilizando o BI para promover o aumento da eficiência da atuação do 1º Grau Utilizando o BI para promover o aumento da eficiência da atuação do 1º Grau do Rio Grande do Sul Ana Cristina Cusin Petrucci Motivação do Projeto Situação fática: Embora o MPRS tivesse uma base de dados

Leia mais

ASI. Automatos Service Intelligence. management as a service

ASI. Automatos Service Intelligence. management as a service ASI Automatos Service Intelligence management as a service Sumário INTRODUÇÃO 3 O que é o ASI? 4 Como funciona o ASI? 4 Funcionalidades 4 Portfólio 6 IMPLANTAÇÃO 7 Cloud Automatos 8 Interno no cliente

Leia mais

Foglight A solução ideal para o gerenciamento de aplicações e serviços SAP

Foglight A solução ideal para o gerenciamento de aplicações e serviços SAP Parceria: Foglight A solução ideal para o gerenciamento de aplicações e serviços SAP Uma nova visão no Gerenciamento da Aplicação INDICE 1. Parceria Union e Quest Software... 3 2. Foglight Gerenciando

Leia mais

Despachante Express - Software para o despachante documentalista veicular DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1

Despachante Express - Software para o despachante documentalista veicular DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1 DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1 1 Sumário 1 - Instalação Normal do Despachante Express... 3 2 - Instalação do Despachante Express em Rede... 5 3 - Registrando o Despachante Express...

Leia mais

Manual sobre Flight of Icarus

Manual sobre Flight of Icarus Manual sobre Flight of Icarus Definição do Sistema O Flight of Icarus é um sistema voltado para conexão com o banco de dados do ORION por meio da Internet, tendo como objetivo criar e consultar Pedido

Leia mais

SPEKX Platform Service Process Engineering and Knowledge exchange. Visão Inicial. Release 01

SPEKX Platform Service Process Engineering and Knowledge exchange. Visão Inicial. Release 01 SPEKX Platform Service Process Engineering and Knowledge exchange Visão Inicial Release 01 ÍNDICE ANALITÍCO 1. O que é?...3 2. Que tipo de aplicações WEB podem ser geradas pelo SPEKX Platform?...4 3. Que

Leia mais

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 2. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc.

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 2. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. MODELAGEM DE DADOS PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS Aula 2 Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord 1 Objetivos: Revisão sobre Banco de Dados e SGBDs Aprender as principais

Leia mais

Relatório Gerencial. Coordenação de Tecnologia da Informação e Comunicação FUNDEPAG 17/01/2013

Relatório Gerencial. Coordenação de Tecnologia da Informação e Comunicação FUNDEPAG 17/01/2013 2013 Relatório Gerencial Coordenação de Tecnologia da Informação e Comunicação FUNDEPAG 17/01/2013 Sumário 1. Objetivo... 4 2. Seleção dos registros... 4 2.1 Seleção dos executores... 4 2.2 Parâmetros...

Leia mais

FORMULÁRIO RELATO DA INICIATIVA INOVADORA 1

FORMULÁRIO RELATO DA INICIATIVA INOVADORA 1 Nome da iniciativa inovadora: FORMULÁRIO RELATO DA INICIATIVA INOVADORA 1 Painel de BI (Inteligência nos negócios) para publicação dos dados associados ao controle estadual Responsável pela Iniciativa

Leia mais

Manual de Instalação, Configuração e Uso

Manual de Instalação, Configuração e Uso Manual de Instalação, Configuração e Uso Este Manual destina-se ao usuário do sistema Smart Manager. É proibida a duplicação ou reprodução, no todo ou em parte, sob quaisquer formas ou qualquer meio, sem

Leia mais

Manual de Usuário - Flight of Icarus

Manual de Usuário - Flight of Icarus Manual de Usuário - Flight of Icarus Desenvolvido por: Elvis Venâncio S. Nogueira Data: 21/02/2013 Versão: 1.7 Sumário Conteúdo Manual sobre Flight of Icarus... 4 Formas de Conexão... 4 Tela de Login...

Leia mais

CATÁLOGO DE SERVIÇOS

CATÁLOGO DE SERVIÇOS Partner MASTER RESELLER CATÁLOGO DE SERVIÇOS SUPORTE TÉCNICO in1.com.br Explore Mundo! seu Conteúdo 1 - Objetivo 2 - Serviços prestados por meio do contrato de manutenção e suporte anual 2.1 - Primeira

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos

Sistema de Automação Comercial de Pedidos Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos Cabana - Versão 1.0 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.5 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalação Produto: n-server Versão: 4.5 Versão do Doc.: 1.0 Autor: César Dehmer Trevisol Data: 13/12/2010 Aplica-se à: Clientes e Revendas Alterado por: Release Note: Detalhamento de Alteração

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

5 Implantação. 5.1. Plano do Piloto

5 Implantação. 5.1. Plano do Piloto 5 Implantação Neste capítulo será abordada a fase de implantação do novo sistema de gerenciamento de conhecimento baseado em Web Semântica. O capítulo 4 (Desenvolvimento) modelou, arquitetou e desenvolveu

Leia mais

Telefonia v.1.3 TI / PUCPR. Manual do Usuário. Versão 01.00

Telefonia v.1.3 TI / PUCPR. Manual do Usuário. Versão 01.00 Manual do Usuário Versão 01.00 TI / PUCPR Manual do Usuário PDS-TI-MU Versão: 01.03 Data: 31/01/2007 Histórico da Criação DATA VERSÃO DESCRIÇÃO AUTOR 13/08/2006 01.00 Manual de Instruções Criação Marcos

Leia mais

BANCO POSTAL - Plataforma Tecnológica

BANCO POSTAL - Plataforma Tecnológica BANCO POSTAL - Plataforma Tecnológica 1. Arquitetura da Aplicação 1.1. O Banco Postal utiliza uma arquitetura cliente/servidor WEB em n camadas: 1.1.1. Camada de Apresentação estações de atendimento, nas

Leia mais

As partes interessadas incluem todos os membros da equipe de projetos, assim como todas entidades interessadas, tanto externas quanto internas; Cabe

As partes interessadas incluem todos os membros da equipe de projetos, assim como todas entidades interessadas, tanto externas quanto internas; Cabe Aula 04 1 2 As partes interessadas incluem todos os membros da equipe de projetos, assim como todas entidades interessadas, tanto externas quanto internas; Cabe ao gestor de projetos compreender e gerenciar

Leia mais

Sistema de Controle de Solicitação de Desenvolvimento

Sistema de Controle de Solicitação de Desenvolvimento Sistema de Controle de Solicitação de Desenvolvimento Introdução O presente documento descreverá de forma objetiva as principais operações para abertura e consulta de uma solicitação ao Setor de Desenvolvimento

Leia mais

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS PROJETO NOVAS FRONTEIRAS DECLARAÇÃO DE TRABALHO TREINAMENTO STATEMENT OF WORK Preparado por Nelson Azevedo Membro do Time Versão 1 Aprovado por Rodrigo Mendes Lemos Gerente do Projeto 28/11/2010 Propósito

Leia mais

Análise Estruturada de Sistemas

Análise Estruturada de Sistemas Análise Estruturada de Sistemas Capítulo 3 Estudo de Viabilidade Definição das Necessidades Funcionais O propósito desta etapa é produzir um documento formal que contenha uma descrição detalhada da proposta,

Leia mais

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS. II - Nome do gerente do projeto, suas responsabilidades e sua autoridade

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS. II - Nome do gerente do projeto, suas responsabilidades e sua autoridade PROJETO NOVAS FRONTEIRAS DECLARAÇÃO DE ESCOPO SCOPE STATEMENT Preparado por Rodrigo Mendes Lemos Gerente do Projeto Versão 3 Aprovado por Ricardo Viana Vargas Patrocinador 01/11/2010 I - Patrocinador Ricardo

Leia mais

Runs With. Características Comerciais e Técnicas do Produto

Runs With. Características Comerciais e Técnicas do Produto Runs With Características Comerciais e Técnicas do Produto Introdução Com o objetivo de automatizar os procedimentos relacionados com a Comunicação Bancária no ambiente do Business One TM, a Sistema Informática

Leia mais

SPEKX Platform DATA SHEET. Visão Resumida da Plataforma. Release 3.3. Versão 1.0

SPEKX Platform DATA SHEET. Visão Resumida da Plataforma. Release 3.3. Versão 1.0 SPEKX Platform DATA SHEET Visão Resumida da Plataforma Release 3.3 Versão 1.0 ÍNDICE ANALÍTICO Introdução... 3 Funcionalidade Modular... 4 de s SPEKX Platform...5 Funcionalidades Adicionais...7 Introdução

Leia mais

PRIMAVERA PORTFOLIO MANAGEMENT DA ORACLE

PRIMAVERA PORTFOLIO MANAGEMENT DA ORACLE PRIMAVERA PORTFOLIO MANAGEMENT DA ORACLE RECURSOS GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO Entrega valor por meio de uma abordagem de estratégia em primeiro lugar para selecionar o conjunto ideal de investimentos Aproveita

Leia mais

Apresentação. Módulos integrantes

Apresentação. Módulos integrantes Apresentação O Sistema de Informações Gerenciais de Acompanhamento de Projetos (SIGAP) tem por objetivo organizar informações referentes ao acompanhamento da execução de projetos de cooperação técnica

Leia mais

INFINITY TARIFADOR ALTIS. Mais que um Tarifador, é a evolução na gestão em telecomunicações.

INFINITY TARIFADOR ALTIS. Mais que um Tarifador, é a evolução na gestão em telecomunicações. TARIFADOR ALTIS INFINITY Mais que um Tarifador, é a evolução na gestão em telecomunicações. O Tarifador Altis Infinity foi desenvolvido para atender empresas de qualquer porte, podendo controlar uma ou

Leia mais

Documento de Requisitos Sistema WEB GEDAI

Documento de Requisitos Sistema WEB GEDAI Universidade Federal de São Carlos Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia Departamento de Computação GEDAI-Grupo de Estudo e Desenvolvimento em Automação Industrial Documento de Requisitos Sistema WEB

Leia mais

Guia de Recursos e Funcionalidades

Guia de Recursos e Funcionalidades Guia de Recursos e Funcionalidades Sobre o Treasy O Treasy é uma solução completa para Planejamento e Controladoria, com o melhor custo x benefício do mercado. Confira alguns dos recursos disponíveis para

Leia mais

ANEXO TÉCNICO REQUERIMENTO E PREPARAÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA TEF

ANEXO TÉCNICO REQUERIMENTO E PREPARAÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA TEF ANEXO TÉCNICO REQUERIMENTO E PREPARAÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA TEF Introdução Antes da efetiva implementação e uso do sistema TEF, alguns requesitos de infraestrutura devem estar prontos e preparados

Leia mais

Redução de impacto ambiental no consumo diário de líquidos. TERMO DE ABERTURA

Redução de impacto ambiental no consumo diário de líquidos. TERMO DE ABERTURA Redução de impacto ambiental no consumo diário de líquidos. TERMO DE ABERTURA Preparado por Cassius Marcellus de Freitas Rodrigues Versão: 1.1 Renata Rossi de Oliveira Aprovado por 17/09/12 Nome do Projeto:

Leia mais

Guia De Utilização Do Ambiente LMS

Guia De Utilização Do Ambiente LMS Conteúdo Introdução... 2 1. O que é o ambiente LMS... 3 2. Acesso ao ambiente LMS (Learning Management System)... 3 3. Localização e visualização dos cursos disponíveis... 4 4. Navegação entre categorias...

Leia mais

qlikview.com INTERATIVIDADE VOLTADA PARA O USUÁRIO USUÁRIO DE PROFISSIONAL DE TI

qlikview.com INTERATIVIDADE VOLTADA PARA O USUÁRIO USUÁRIO DE PROFISSIONAL DE TI A família de produtos O é a primeira plataforma de Business Discovery associativa em memória do mundo. Ele permite que os usuários das empresas reúnam dados de diversas fontes, os explorem, façam descobertas

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Gerenciamento das Comunicações

GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Gerenciamento das Comunicações GERENCIAMENTO DE PROJETOS Gerenciamento das Comunicações Gerenciamento das Comunicações Gerenciamento de Projetos Gerenciamento das Comunicações!!" #!$%& &#$%& '# # $(# ) Gerenciamento das Comunicações

Leia mais

ARQUITETURA TRADICIONAL

ARQUITETURA TRADICIONAL INTRODUÇÃO Atualmente no universo corporativo, a necessidade constante de gestores de tomar decisões cruciais para os bons negócios das empresas, faz da informação seu bem mais precioso. Nos dias de hoje,

Leia mais

Server & Application Monitor

Server & Application Monitor Server & Application Monitor monitoramento de aplicativos e servidores sem agentes O SolarWinds Server & Application Monitor oferece informações preditivas para identificar problemas de desempenho de aplicativos.

Leia mais

MANUAL CONSIGFÁCIL Acesso: Servidor

MANUAL CONSIGFÁCIL Acesso: Servidor Sistema de Gestão e Controle de Consignações On-Line - CONSIGFÁCIL MANUAL CONSIGFÁCIL Acesso: Servidor V.4.2 (Agosto/2014) 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. ACESSANDO O CONSIGFÁCIL... 4 1.1. NAVEGADOR... 4

Leia mais

OPCEM 1.0. Versão 1.0 Copyright 2013 OpServices 1

OPCEM 1.0. Versão 1.0 Copyright 2013 OpServices 1 OPCEM 1.0 Versão 1.0 Copyright 2013 OpServices 1 OpCEM CONCEITO... 4 REQUISITOS MÍNIMOS... 4 INSTALANDO... 4 CONHECENDO A INTERFACE DO OPCEM... 7 CONFIGURAÇÃO DO GERENCIADOR... 7 ADICIONAR NOVO ROBÔ...

Leia mais

Requisitos técnicos dos produtos Thema

Requisitos técnicos dos produtos Thema Requisitos técnicos dos produtos Thema 1 Sumário 2 Apresentação...3 3 Servidor de banco de dados Oracle...4 4 Servidor de aplicação Linux...4 5 Servidor de terminal service para acessos...4 6 Servidor

Leia mais

O sistema operacional onde a solução será implementada não foi definido.

O sistema operacional onde a solução será implementada não foi definido. Respostas aos Questionamentos Nº Itens Pergunta Resposta 1 R T-1. 2. 4. 4; R T-1.3.2. 2; R T-1.3.3. 3; RT-2. 2.8; RT-5.7; RT-1.2.4. 3; RT-1. 3.2.1; RT-1. 3. 3. 2; R T- 2. 1. 2; R T-2. 2. 11; O sistema

Leia mais

Proposta de serviços de apoio consultivo para utilização da ferramenta:

Proposta de serviços de apoio consultivo para utilização da ferramenta: Proposta de serviços de apoio consultivo para utilização da ferramenta: EAGLE VIEW Simuladores Estratégicos. A) A METODOS CONSULTORIA. B) OBJETIVOS E PRINCIPAIS BENEFICIOS C) A FERRAMENTA - EAGLE VIEW

Leia mais

CSI IT Solutions. WebReport2.5. Relatórios abertos. Acesso controlado Extensibilidade de módulos IMPACTO AMBIENTAL

CSI IT Solutions. WebReport2.5. Relatórios abertos. Acesso controlado Extensibilidade de módulos IMPACTO AMBIENTAL CSI IT Solutions 2.5 solução CSI PrintManager G e s t ã o d e A m b i e n t e d e I m p r e s s ã o O CSI dá aos gestores de TI o poder de uma gestão integral através do acesso fácil às informações gerenciais

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalação Sumário 1. Sobre este documento...3 2. Suporte técnico...3 3. Requisitos de hardware...3 3.1. Estação...3 3.2. Servidor...4 4. Instalação...4 4.1. Instalação do Group Folha no servidor...6

Leia mais

Fluxo de Caixa por Demonstrativo Contábil

Fluxo de Caixa por Demonstrativo Contábil Fluxo de Caixa por Demonstrativo Contábil Introdução O cadastro de demonstrativos contábeis possibilita que o usuário relacione dados financeiros com os valores contábeis podendo criar visões por período

Leia mais

Manual Software Controle de Jukebox. Manual. Software Controle de Jukebox

Manual Software Controle de Jukebox. Manual. Software Controle de Jukebox Manual Software Controle de Jukebox Versão 1.0 2014 Sumário 1. Principais Características... 2 2. Software Controle de Jukebox... 3 I. Tela Principal... 4 1 Data Cobrança... 4 2 Linha... 4 3 Cobrador...

Leia mais

MANUAL DO SERVICE DESK SYSTEM

MANUAL DO SERVICE DESK SYSTEM Manual do Sumário Conhecendo o SERVICE DESK SYSTEM... 3 - A tela de Acesso ao sistema:... 3 - A tela do sistema após o acesso(exemplo):... 3 OCORRÊNCIAS... 4 - Abertura de chamados:... 4 - Atendendo um

Leia mais

jfinanç as Empresa Versão 2.0 - Fevereiro/2015

jfinanç as Empresa Versão 2.0 - Fevereiro/2015 jfinanças Empresa Versão 2.0 - Fevereiro/2015 Índice 1 INTRODUÇÃO E VISÃO GERAL... 1 2 INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO INICIAL DO JFINANÇAS EMPRESA... 2 2.1 Download... 3 2.2 Instalação do jfinanças Empresa...

Leia mais

Esses recursos aplicados possibilitaram gerar soluções desktop e WEB para atividades de:

Esses recursos aplicados possibilitaram gerar soluções desktop e WEB para atividades de: Curitiba, de de 20. REF. AQUISIÇÃO DE LICENÇAS DE USO. A Empresa A Kankei é uma empresa com mais de 10 anos de atuação na área de gerenciamento de Relacionamentos, seja entre empresa e clientes, empresa

Leia mais

FACSENAC. SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO DRP (Documento de Requisitos do Projeto de Rede)

FACSENAC. SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO DRP (Documento de Requisitos do Projeto de Rede) FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Descrição Autor 1.0 03/10/2011 Primeira Edição

Leia mais

Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br

Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br 1. Abordagem geral Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br Em primeiro plano, deve-se escolher com qual banco de dados iremos trabalhar. Cada banco possui suas vantagens,

Leia mais

Software Web para: Empresas, Governo, Organizações, Entidades de Classe, Sindicatos, ONG's e Profissionais Liberais

Software Web para: Empresas, Governo, Organizações, Entidades de Classe, Sindicatos, ONG's e Profissionais Liberais MANUAL DO USUÁRIO BITÁVEL GERENCIADOR ONLINE DE NEWSLETTERS (GOLNEWS) Software Web para: Empresas, Governo, Organizações, Entidades de Classe, Sindicatos, ONG's e Profissionais Liberais Versão 1.0 1 Índice

Leia mais

Automidia Service Management Desbloqueio de Contas e Provisionamento via Autoatendimento

Automidia Service Management Desbloqueio de Contas e Provisionamento via Autoatendimento Automidia Service Management Desbloqueio de Contas e Provisionamento via Autoatendimento Automidia Quem Somos Empresa Brasileira, fundada em 1992 Desenvolvimento de Softwares Centrais de Serviços, Service

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento dos sistemas e demais aplicações informatizadas do TJAC.

Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento dos sistemas e demais aplicações informatizadas do TJAC. Código: MAP-DITEC-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Sistemas Aprovado por: Diretoria de Tecnologia da Informação 1 OBJETIVO Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento

Leia mais

Especificação Técnica Sistema ABS TEM+

Especificação Técnica Sistema ABS TEM+ Especificação Técnica Sistema ABS TEM+ A solução ABS TEM+ desenvolvida pela Vergence é baseada no conceito de TEM (Telecom Expenses Management), o qual visa a aplicação de melhoras em relação à tecnologia,

Leia mais

IV PLANO DE GERENCIAMENTO DE TEMPO

IV PLANO DE GERENCIAMENTO DE TEMPO IV PLANO DE GERENCIAMENTO DE TEMPO 1 - Descrição do Plano de Gerenciamento detempo (PMBOK) O gerenciamento de tempo do projeto inclui os processos necessários para realizar o término do projeto no prazo.

Leia mais

TUTORIAL INSTALAÇÃO DA ROTINA 2075 FRENTE DE CAIXA

TUTORIAL INSTALAÇÃO DA ROTINA 2075 FRENTE DE CAIXA Apresentação A rotina 2075 Frente de Caixa foi desenvolvida com a finalidade de atender as empresas do segmento varejo, sendo utilizada para a venda de produtos em pequenas quantidades. Este tutorial descreve

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II Primeiro Trabalho Descrição do trabalho: Escrever um Documento de Visão. Projeto: Automatização do sistema que

Leia mais

Engenharia de Software II: Desenvolvendo o Orçamento do Projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Desenvolvendo o Orçamento do Projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Desenvolvendo o Orçamento do Projeto Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Criação do Plano de Gerenciamento de Custos do Projeto Estimar os Custos Determinar

Leia mais

Projeto: Simul-e Documento de Arquitetura de Software

Projeto: Simul-e Documento de Arquitetura de Software Projeto: Simul-e Documento de Arquitetura de Software Versão 1.0 Página 1 de 9 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 12.09.2015 1.0 Criação do Documento Hugo Pazolline 20.10.2015 1.0 Atualização

Leia mais

2075 - Instalação Windows

2075 - Instalação Windows 2075 - Instalação Windows Introdução O departamento de Varejo evoluiu o processo de instalação do caixa para a rotina PCAUX2075. O processo foi simplificado a fim de garantir a instalação pelo próprio

Leia mais

Pós-Graduação Senac. Gerenciamento de Custos. Lista de Exercícios

Pós-Graduação Senac. Gerenciamento de Custos. Lista de Exercícios Pós-Graduação Senac Gerenciamento de Custos Lista de Exercícios Prof. Geovani Maciel 1 EXERCÍCIO 01 A empresa Tecnologia por Projetos Ltda atua no desenvolvimento de sistemas de gestão para seus clientes.

Leia mais

Sicoobnet Empresarial. Manual do Usuário. Versão 1.3

Sicoobnet Empresarial. Manual do Usuário. Versão 1.3 Sicoobnet Empresarial Manual do Versão. Manual do Data: /07/00 Histórico Data Versão Descrição Autor 04/0/008.0 Criação do Manual Ileana Karla 0//008. Revisão Luiz Filipe Barbosa /07/00. Atualização Márcia

Leia mais

Política de Software Seguro da empresa Produção S.A

Política de Software Seguro da empresa Produção S.A Política de Software Seguro da empresa Produção S.A 1 Índice 1.0 - Introdução ----------------------------------------------------------------------------------3 2.0 - Objetivo -------------------------------------------------------------------------------------4

Leia mais

Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos. Plano de Testes. Versão <1.1> DeltaInfo. Soluções para web Soluções para o mundo

Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos. Plano de Testes. Versão <1.1> DeltaInfo. Soluções para web Soluções para o mundo Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos Plano de Testes Versão DeltaInfo Soluções para web Soluções para o mundo DeltaInfo 2 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autores

Leia mais

Procedimentos para Instalação do SISLOC

Procedimentos para Instalação do SISLOC Procedimentos para Instalação do SISLOC Sumário 1. Informações Gerais...3 2. Instalação do SISLOC...3 Passo a passo...3 3. Instalação da Base de Dados SISLOC... 11 Passo a passo... 11 4. Instalação de

Leia mais

Integração Logix x Totvs Colaboração Compras e Vendas

Integração Logix x Totvs Colaboração Compras e Vendas Integração Logix x Totvs Colaboração Compras e Vendas 1 Data da revisão Responsável Descrição da revisão 21/09/2012 Roberta Patricio Postai Vieira Versão inicial 09/10/2012 Roberta Patricio Postai Vieira

Leia mais

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS. Descrição dos processos de gerenciamento da qualidade

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS. Descrição dos processos de gerenciamento da qualidade PROJETO NOVAS FRONTEIRAS PLANO DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE QUALITY MANAGEMENT PLAN Preparado por Mara Lúcia Menezes Membro do Time Versão 3 Aprovado por Rodrigo Mendes Lemos Gerente do Projeto 15/11/2010

Leia mais

1. Introdução. 2. Funcionamento básico dos componentes do Neteye

1. Introdução. 2. Funcionamento básico dos componentes do Neteye 1. Introdução Esse guia foi criado com o propósito de ajudar na instalação do Neteye. Para ajuda na utilização do Software, solicitamos que consulte os manuais da Console [http://www.neteye.com.br/help/doku.php?id=ajuda]

Leia mais

Gerência de Operações

Gerência de Operações Gerência de Operações Versão Manual Solicitação de Atendimento Chat e Conexão Remota Índice 1. Solicitação de Atendimento Login... 3 2. Início do Chat.... 4 3. Conexão Remota... 7 4. Download....

Leia mais

Manual de Operação do Mercanet HelpDesk

Manual de Operação do Mercanet HelpDesk Manual de Operação do Mercanet HelpDesk Preparada por: Jaime Fenner Revisada por: Kelen Turmina Versão Documento: 02 Data: 12 de Maio de 2009 Sumário Executivo Este documento visa divulgar todas as funcionalidades

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

V PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTOS

V PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTOS V PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTOS 1 - Descrição do Plano de Gerenciamento de Integração (PMBOK) O gerenciamento de custos do projeto inclui os processos envolvidos em planejamento, estimativa, orçamentação

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Declaração de Escopo. Projeto PDTI Informações Gerenciais

Declaração de Escopo. Projeto PDTI Informações Gerenciais Declaração de Escopo Projeto PDTI Informações Gerenciais Maio/2008 PRESIDÊNCIA Belo Horizonte, MG 3 3 Revisão 2 após replanejamento do projeto Fátima Freiria 05/05/2008 2 2 Revisão 1 após contratação Consist

Leia mais

Documento de Requisitos

Documento de Requisitos UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Documento de Requisitos Sistema Gerenciador de Atendimento de Chamados Técnicos Grupo: Luiz Augusto Zelaquett

Leia mais

Analista de Negócio 3.0

Analista de Negócio 3.0 Introdução: Você deverá demonstrar viabilidade financeira deste Business Case de uma solução para a melhoria na Gestão do Estoque de Produtos Acabados da empresa CELTA. Conteúdo: 1. Declaração do Problema

Leia mais

Índice. Especificações Técnicas Abril/2015

Índice. Especificações Técnicas Abril/2015 Índice 1. Sumário...4 2. Arquitetura de Banco de Dados...5 2.1. Database...5 2.2. Processamento...5 2.3. Visualização...5 3. Arquitetura Lógica...6 3.1. DataSource...6 3.2. RecordSet...6 3.3. View...7

Leia mais

COMERCIAL) 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. E-

COMERCIAL) 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. E- 2014 ÍNDICE 1. Cadastros básicos 2. Módulos básicos (Incluso em todas as versões) CMC BASE 3. Agenda 4. Arquivos 5. Empresas ou Cadastros de empresas 6. Pessoas ou cadastro de pessoas 7. Módulos que compõem

Leia mais

da deusa Athena, da sabedoria na mitologia grega PROPOSTA COMERCIAL Fone: 51 3212.7055 11 4152.8439 WWW.ATHENEUM.COM.BR

da deusa Athena, da sabedoria na mitologia grega PROPOSTA COMERCIAL Fone: 51 3212.7055 11 4152.8439 WWW.ATHENEUM.COM.BR da deusa Athena, da sabedoria na mitologia grega PROPOSTA COMERCIAL Fone: 51 3212.7055 11 4152.8439 WWW.ATHENEUM.COM.BR O ATHENEUM O Atheneum é uma plataforma que possibilita o acesso principalmente de

Leia mais

SIGEP WEB - Gerenciador de Postagens dos Correios Manual do Usuário

SIGEP WEB - Gerenciador de Postagens dos Correios Manual do Usuário MANUAL DO USUÁRIO 2 ÍNDICE 1. PRÉ REQUISITOS PARA UTILIZAÇÃO DO SIGEP WEB 04 2. PROCEDIMENTOS PARA DOWNLOAD DO SISTEMA 04 3. INSTALANDO O SIGEP WEB 07 4. CONFIGURAÇÕES DO SISTEMA 09 COMPARTILHANDO O BANCO

Leia mais

SPEKX DATA SHEET. Visão Serviços. Release 4.5

SPEKX DATA SHEET. Visão Serviços. Release 4.5 SPEKX DATA SHEET Visão Serviços Release 4.5 Versão 2.0 ÍNDICE ANALÍTICO 1. Introdução 3 1.1. Solução Única 3 2. Visão Resumida 4 2.1 Diagrama de Etapas de Projetos / Serviços 4 2.2. Resumo Descritivo Etapas

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1.2 Novo modelo operacional do Sistema do Cadastro Único

1 INTRODUÇÃO. 1.2 Novo modelo operacional do Sistema do Cadastro Único Instrução Operacional nº 35 SENARC/MDS Brasília, 15 de abril de 2010. Assunto: Divulga as orientações necessárias para a solicitação de cadastramento de usuários municipais no novo sistema de Cadastro

Leia mais

PREFEITURA DA CIDADE DO RECIFE

PREFEITURA DA CIDADE DO RECIFE PREFEITURA DA CIDADE DO RECIFE Secretaria de Finanças Secretaria Executiva do Tesouro Gerência Geral de Administração Financeira Gerência de Programação Financeira e Dívida Pública Unidade de Controle

Leia mais

Produto 2. Proposta de PPM (Project and Portfólio Management) alinhando os conceitos, processos e melhores práticas à plataforma Microsoft EPM 2013

Produto 2. Proposta de PPM (Project and Portfólio Management) alinhando os conceitos, processos e melhores práticas à plataforma Microsoft EPM 2013 Produto 2 Proposta de PPM (Project and Portfólio Management) alinhando os conceitos, processos e melhores práticas à plataforma Microsoft EPM 2013 Autor: Carlos Eduardo Freire Gurgel Sumário 1. Introdução...

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE Pág. 1 0. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...2 2. OBJETIVOS....2 3. ESTIMATIVAS DO PROJETO....4 4. RISCOS DO PROJETO....5 4.1. Identificação e Análise dos Riscos....5 4.1.1. Riscos de Projeto...6 4.1.2. Riscos Técnicos....6

Leia mais

www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação

www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação Índice 1. Introdução... 3 2. Funcionamento básico dos componentes do NetEye...... 3 3. Requisitos mínimos para a instalação dos componentes do NetEye... 4 4.

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Estudo de Viabilidade SorveTech (Sistema de Gerenciamento) Professora: Carla Silva Disciplina: Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas

Leia mais

MANUAL LOJA VIRTUAL - PORTAL PHARMA LINK

MANUAL LOJA VIRTUAL - PORTAL PHARMA LINK Data: Abril de 2014 MANUAL LOJA VIRTUAL - PORTAL PHARMA LINK ÍNDICE Objetivo:... 2 Premissas:... 2 1 CADASTRO NA LOJA VIRTUAL... 3 1.1 Acesso...3 1.2. Cadastrar Loja...3 1.3 Ativação de Cadastro...6 1.3.1

Leia mais