LARA Uma Resposta ao Envelhecimento. Pacote de Formação. Parte 3 : Toolkit

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LARA Uma Resposta ao Envelhecimento. Pacote de Formação. Parte 3 : Toolkit"

Transcrição

1 LARA Uma Resposta ao Envelhecimento Pacote de Formação Parte 3 : Toolkit

2 2

3 LARA Uma Resposta ao Envelhecimento Pacote de Formação Parte 3: Toolkit 1

4 2

5 Este toolkit contém recursos e informações para que possa aprofundar os seus próprios conhecimentos e para usar nas sessões de formação para líderes de grupo e professores. O toolkit de ferramentas está organizado em secções que correspondem às unidades principais deste manual: Envelhecimento; Literacias para o Envelhecimento; Fazer a Experiência Contar. No início de cada secção há um esquema para a formação presencial. Esta é uma versão resumida do quadro de formação utilizado para os cursos de formação pilotos. Se estiver a usar o manual para desenvolver um curso de formação, pode querer consultar o website do LARA (www.laraproject.net) para uma visão completa das experiências de formação dos parceiros do LARA, e para ideias adicionais para actividades e recursos. Se estiver a usar o manual para auto-estudo, será orientado ao longo do tempo para as actividades e recursos que estão no toolkit, para além das referidas no corpo principal do texto. O toolkit contém ideias práticas para o ensino que pode querer adaptar e utilizar para os seus próprios grupos. Consideramos o toolkit como um trabalho em progresso, o início de uma colecção de ideias e recursos que irão contribuir para o desenvolvimento de um ensino mais eficaz, que leva ao envelhecimento bem-sucedido. À medida que pesquisar mais profundamente os conceitos e métodos envolvidos no projecto LARA, irá encontrar outros recursos que podem ser adicionados ao toolkit. 3

6 4

7 Envelhecimento Curso de formação LARA esquema de trabalho Unidade: Envelhecimento e aprendizagem Temas Sugestões de actividades Sugestões de recursos A demografia da Europa Envelhecimento Pesquisa individual / trabalho de grupo, seguido de discussão plenária: O context Europeu. Dados Europeus e nacionais, no que se refere à idade. Perfis regionais. Trabalho em pequeno grupo: como se sente o envelhecimento? Partilhem experiências pessoais no grupo. Trabalho em pares: Definições do dicionário de palavras como: idade/envelhecer, velho. Discutam as imagens criadas pelas palavras. Criem definições positivas para envelhecimento e velho. Trabalho de grupo: como é que os outros definem envelhecer? Avaliação de definições comuns; científicas; sociais; políticas. Trabalho individual: Um plano de acção de envelhecimento pessoal. Liste as atitudes que tem sobre envelhecimento. Divida-as em positivas e negativas. Que acções pode tomar para transformar as negativas em positivas? Como pode realizar essas acções? Quem/o que pode ajudar? Envelhecimento na Europa (Estudo do Eurobarometro: Family Life and the needs of an Ageing Population: Section 5 policy indicators) (Estudo do Eurobarometro: Intergenerational Solidarity) Population in Europe cache/ity_offpub/ks-sf / EN/KS-SF EN.PDF Definições de envelhecimento recolhidas em fontes nacionais. 5

8 Temas Sugestões de actividades Sugestões de recursos Estádios de vida e transições Contextos em que envelhecemos Trabalho individual: pesquisa de conceitos de estádios de vida e transições. Trabalho de grupo / plenário: Estádios de vida / transições experienciados pelo grupo. Trabalho em pares/pequeno grupo: As transições nas vossas vidas. Que competências precisou / aplicou/ aprendeu para fazer a transição? De onde vieram essas competências? Alguma delas é uma competência que usou mais tarde numa situação diferente? Plenário: que competências de vida são necessárias para envelhecer bem? Trabalho de grupo: agendas políticas e sociais que têm impacto no processo de envelhecimento. Impacto positivo ou negativo? Trabalho individual: pense numa situação ou factor externo que tenha causado uma transição na sua vida ou na vida dos que lhe são próximos. Analise o que aconteceu. Grupo (pequeno, todo): partilhe as suas reflexões. Foque-se na aprendizagem que realizou para lidar coma mudança imposta externamente. O que necessitou de saber? Como é que descobriu? Quem o/a ajudou? Manual de formação LARA Documento da pesquisa LARA (http://www.laraproject.net/) Informação de políticas pesquisadas em fontes nacionais. 6

9 Temas Sugestões de actividades Sugestões de recursos Aprendizagem Trabalho em pequeno grupo: 1. Liste todas as formas de os adultos aprenderem que se lembre; porque aprendem; onde aprendem e o que utilizam para aprender. 2. Junte-se a outro grupo; partilhem e acrescentem às listas. Manual de formação LARA, unidade Envelhecimento definições europeias de aprendizagem; círculo de aprendizagem de Kolb & Fry Plenário: criar uma lista total com a informação dos grupos do exercício anterior. Trabalho com o grupo todo: Definições europeias de aprendizagem. Classifique as experiências de aprendizagem (identificadas no exercício anterior) em aprendizagem formal, não-formal e informal. Trabalho em pequeno grupo: 1. Enuncie 5 benefícios de aprender num grupo (formal ou informalmente) 2. Reportem os resultados; criar uma lista do grupo total. Aplicar os princípios do círculo de aprendizagem de Kolb & Fry para descrever como os benefícios de aprendizagem que identificaram podem ser transferidos para diferentes experiências de vida e situações. Plenário: Avaliar o lugar da aprendizagem na luta contra as imagens negativas do envelhecimento. Como pode a participação num grupo de aprendizagem promover e apoiar o envelhecimento activo no indivíduo? 7

10 Wikipedia Envelhecimento é a acumulação de mudanças num organismo ou objecto que ocorrem ao longo do tempo. O envelhecimento nos humanos refere-se a um processo multidimensional de mudanças físicas, psicológicas e sociais. Algumas dimensões do envelhecimento crescem e expandem ao longo do tempo, enquanto outras declinam. O tempo de reacção, por exemplo, pode piorar com a idade, enquanto o conhecimento sobre acontecimentos mundiais e o bom senso podem expandir-se. A pesquisa mostra que mesmo em fases tardias da vida existe potencial para crescimento e desenvolvimento físico, mental e social. O envelhecimento é uma parte importante de todas as sociedades humanas, que reflecte as mudanças biológicas que ocorrem, mas que também reflectem as convenções culturais e sociais. Organização Mundial de Saúde Envelhecimento Activo O envelhecimento activo é o processo de optimizar as oportunidades para a saúde, a participação e a segurança, a fim de melhorar a qualidade de vida á medida que as pessoas envelhecem. Isto aplica-se tanto aos indivíduos como aos grupos populacionais. O envelhecimento activo permite que as pessoas realizem o seu potencial de desenvolvimento de bem-estar físico, social e mental ao longo da vida e que participem na sociedade, proporcionando-lhes uma protecção adequada, segurança e cuidados quando eles precisam. A palavra activo refere-se à participação contínua em questões sociais, económicas, culturais, espirituais e cívicas, e não apenas à capacidade de estar fisicamente activo ou a participar na força laboral. As pessoas mais velhas que se aposentam do trabalho, doentes ou que vivem com uma deficiência podem permanecer contribuintes activos para as suas famílias, amigos, comunidades e nações. O envelhecimento activo tem como objectivo aumentar a expectativa de vida saudável e a qualidade de vida para todas as pessoas à medida que envelhecem. A manutenção da autonomia e independência para as pessoas idosas é um objectivo fundamental no quadro da política do envelhecimento activo. O envelhecimento tem lugar no contexto de amigos, colegas de trabalho, vizinhos e familiares. É por isso que a interdependência, bem como a solidariedade intergeracional são princípios importantes do envelhecimento activo. 8

11 Em discussão de grupo, adicionem itens às listas de cada secção. Aspectos demográficos do envelhecimento - A população mais velha está a aumentar Aspectos políticos e económicos do envelhecimento - o envelhecimento da população afecta as decisões económicas e políticas O que precisa saber sobre o envelhecimento? Aspectos físicos e biológicos do envelhecimento - o envelhecimento físico é um processo lento ao longo da vida Aspectos sociais do envelhecimento - envelhecer está enraizado em crenças culturais que são aprendidas Aspectos psicológicos do envelhecimento - perda significativa de memória não é envelhecimento normal 9

12 O seguinte excerto de Learning for Long Life: Educational Agenda for the 21st Century (NA- TLA, 1998) sugere o que os professores e os seus alunos precisam saber sobre o envelhecimento. O conselho é, na verdade, para aqueles que ensinam na escola e que estão de acordo com nossa premissa de que a aprendizagem sobre o envelhecimento não é algo que se faz quando já se está velho. Os alunos em geral necessitam de conhecimento prático do envelhecimento que seja aplicável à vida quotidiana, mas não informação técnica especializada. Os educadores podem integrar estes conceitos-chave relacionadas com o envelhecimento dentro de disciplinas e níveis de escolaridade adequados. Aspectos Demográficos do Envelhecimento A estrutura etária das diferentes populações varia histórica e geograficamente. A população idosa está a aumentar. A população idosa é cada vez mais idosa. As mulheres idosas superam os homens idosos. A população idosa é cada vez mais diversa etnicamente. O tempo de vida é constante, a esperança de vida muda. A esperança de vida aumentou dramaticamente durante o século XX. A continuação de ganhos na esperança de vida não está garantida. Aspectos Físicos e Biológicos do Envelhecimento A mudança física relacionada com o envelhecimento não é tão importante como se pensava. O envelhecimento físico é um processo inevitável, multifacetado. O envelhecimento físico é um processo lento, gradual, ao longo da vida. A maioria das coisas vivas têm ciclos de vida de padrões de mudanças biológicas. A deficiência, a perda sensorial, e doenças crónicas aumentam com a idade, mas não são condições inevitáveis do envelhecimento. A taxa de envelhecimento físico entre os seres humanos varia amplamente. A sexualidade é uma característica das pessoas em todas as idades. A morte e a invalidez podem ocorrer em qualquer idade. A maioria dos adultos mais velhos mantém vidas activas, independentes. As opções de estilo de vida influenciam a qualidade e a duração das nossas vidas. Os alicerces para o envelhecimento saudável são desenvolvidos durante a juventude. 10

13 Aspectos Psicológicos do Envelhecimento O bem-estar psicológico está interligado com a saúde física e social. A perda significativa da memória não é envelhecimento normal. A aprendizagem pode ser um caminho a seguir ao longo da vida. A personalidade e capacidade de adaptação não mudam como resultado da idade. A sabedoria não é automática com a idade. A maioria das pessoas idosas está em boa saúde mental. As perspectivas do tempo mudam com a idade. Aspectos Sociais do Envelhecimento As pessoas mais velhas são mais diversificadas do que qualquer outro grupo etário. Cada grupo de idosos traz a sua única experiência histórica e cultural com eles à medida que envelhecem. A maioria das pessoas reformadas é socialmente activa. Os papéis, os estatutos e as normas dos grupos de idade variam entre as culturas. Envelhecer está enraizado em crenças culturais que são aprendidas. A linguagem reforça os estereótipos dos adultos idosos. A estrutura e a dinâmica das famílias multigeracionais estão a mudar. Aspectos Políticos e Económicos do Envelhecimento 1. O estatuto financeiro varia muito entre as pessoas mais velhas. 2. As desigualdades de género, raça e etnia persistem para o fim da vida. 3. A economia da saúde no fim da vida relaciona-se com as condições financeiras ao longo de todo o curso da vida. 4. O planeamento antecipado e economizar fortalecem a economia da saúde no final da vida. 5. As fontes de rendimento e as necessidades financeiras mudam no final da vida. 6. O envelhecimento da população afecta as decisões económicas e as políticas públicas. 7. As políticas públicas afectam o bem-estar dos idosos. 8. Os programas públicos para os idosos afectam o bem-estar dos jovens. 9. A percepção da reforma muda com as condições económicas. 10. As pessoas mais velhas, por vezes, enfrentam a discriminação por idade no local de trabalho. 11. O envelhecimento da população confronta a sociedade com escolhas éticas difíceis. 12. O envelhecimento da população cria novos negócios e oportunidades de carreira 11

14 Encontre alguém que Nome Veio hoje de transportes públicos É voluntário Gosta de trabalhar em rede Trabalha com adultos idosos Viaja frequentemente em trabalho Ensinou na escola É muito bom em TIC Gasta algum tempo todos os dias a exercitar-se Vive sozinho Está à espera ansiosamente pela reforma Tem uma ambição realmente interessante Foi mandado para esta formação pela chefia 12

15 Literacias para o Envelhecimento Curso de formação LARA esquema de trabalho Unidade: Literacias para o envelhecimento Temas Sugestões de actividades Sugestão de recursos Literacia de aprendizagem Literacias e a sua relação com o envelhecimento Trabalho em pequenos grupos: partilha das transições de vida experienciadas pelo grupo. Categorizem as transições em esferas de actividade (saúde, finanças, etc.). Criar um modelo que ilustre as Literacias para o Envelhecimento. Plenário: compare o seu modelo com o paradigma de literacias do LARA. Analisar e avaliar as diferenças. Trabalho individual: escolha um exemplo de um momento de transição que já experimentou. Use o Ciclo de vida para analisar a experiência. Trabalho em pares: partilhe fases da sua vida e do Ciclo de vida. Existem algumas similaridades nos processos que passou para enfrentar essas fases e/ou existem quaisquer acções que tenha em comum com seu parceiro de grupo? Plenário: partilhe as acções que as pessoas utilizaram para lidar com os estádios de vida. Ordene as acções, das mais utilizadas para as menos utilizadas. Trabalho em pares: Cada par tem um cartão com uma acção. Discutam e façam uma lista das competências e conhecimentos necessários para colocar a acção do cartão em prática. Manual de formação LARA; Literacias para o envelhecimento O paradigma de literacias Manual de formação LARA Ciclo de vida Cartões de acção 13

16 Temas Sugestões de actividades Sugestão de recursos Literacias e a sua relação com o envelhecimento Literacia de aprendizagem Competências de literacia de aprendizagem em grupos de aprendizagem formal e informal Plenário: recolha as listas dos trabalhos em pares. Analise como as competências na lista são adquiridas (formalmente, de forma informal, ou não-formal). Trabalho em grupo: Agrupe os cartões com os estádios de vida debaixo dos títulos apropriados das literacias. Acrescente estádios de vida adicionais a cada título. Trabalho em pares: Aplique as competências da literacia de aprendizagem a casos reais e a estudos de caso realizados a partir de outras categorias de literacias para o envelhecimento. Plenário: analise quais das competências de aprendizagem do paradigma das literacias se aplicam aos cenários que o grupo escolheu. Identifique competências necessárias adicionais e/ou as que são supérfluas Defina um conjunto de competências de aprendizagem que podem constituir um núcleo de aprendizagem para a maioria, se não para todas, as literacias para o envelhecimento. Plenário: partilhe experiências de grupos de aprendizagem formal e informal. Analise até que ponto as competências de literacias de aprendizagem são evidentes nessas experiências. Trabalho de grupo: Identifique que mudanças podem ocorrer nos grupos de aprendizagem actuais de forma a incluir as competências nucleares da literacia de aprendizagem (aos níveis de gestão e de sala de aula/formação). Manual de formação LARA Ciclo de vida Cartões de acção Manual de formação LARA Paradigma de literacias Manual de formação LARA Estudo de caso SeniorenUni Website LARA: de Formação para professores de línguas 14

17 Escolha um exemplo de um momento de transição que tenha experienciado. Responda às seguintes questões. 1. Qual foi o impacto geral do acontecimento para si? Positivo? Negativo? 2. Até que ponto (e como) esse acontecimento o/a mudou? Totalmente? Um pouco? 3. Que acções tomou para lidar com o acontecimento? 4. Qual dessas acções foi totalmente nova para si? 5. Como descobriu o que precisava de fazer? Quem o/a ajudou a realizar uma nova acção? 6. Que acções já tinha utilizado noutros contextos? 7. Se passasse por esse acontecimento outra vez, o que faria diferente? E o que sabe que irá funcionar? 15

18 Distribua os cartões por áreas de actividade de vida (saúde; finanças, etc.). Acrescente às competências da experiência individual e de grupo. Poupanças e dívidas Dieta Gestão de orçamentos Dependência (álcool; fumar) Ganhar a vida Perda de visão; surdez Comprar uma casa Doença aguda Transacções utilizando a tecnologia Tomar conta Relacionamentos Participação na comunidade Estatuto Grupos de pressão (Lobbying) Família Conflito e contacto intergeracional Identidade Amigos Perda Vizinhos Reforma Comunicação electrónica Estilo de vida Gestão financeira on-line 16

19 Literacias para o Envelhecimento Idade Literacia Financeira Poupanças e dívidas; gestão de orçamentos; apoio familiar; ganhar a vida; comprar uma casa; transacções usando a tecnologia Género Literacia Tecnológica Competências tecnológicas para: emprego; compromisso; gestão financeira; controlo de comunicação Cultura Literacia de Aprendizagem Análise; posição de auditoria; identificar forças, fraquezas; ganhar conhecimento; agir; rever; avaliar e planear; transferabilidade de competências e conhecimentos Literacia Emocional Relacionamentos; estatuto; mudança; família; perda; identidade; deixar o trabalho; conflito de expectativas Orientação sexual Literacia Cívica / Comunitária Participação; compromisso; propósito; influência; lobbying; contacto e conflito intergeracional; amigos; vizinhos, locais Religião Literacia da Saúde Mudanças na saúde relacionadas com a idade; estilo de vida; dieta; dependências (fumar, álcool); faculdades (visão, audição) 17

20 Aprendizagem na SeniorenUni 1 Palestra Literacia cívica, emocional e de saúde Aprendizagem passiva Cientista-referente Ensinar Grandes grupos ( ) Tempo de Questionar Literacia cívica, emocional e de saúde Aprendizagem passiva Cientista-referente Ensinar Grandes grupos (50-100) Aprendizagem na SeniorenUni 2 Seminário Literacia cívica, emocional e de saúde Aprendizagem (activa) passiva Cientista-referente Ensinar Grupos médios (30-40) Trabalho em grupo Literacia cívica, emocional e de saúde Aprendizagem (passiva) activa Cientista-moderador (Ensinar) - facilitação Grupos pequenos (<20) Palestras, tempo para questões e seminários são uma parte de sucesso do programa da SeniorenUni, mas oferecem essencialmente aprendizagem passiva. O trabalho em grupo é um novo contexto no qual professores e aprendentes podem experimentar com conteúdo de uma forma activa. Procurar ajuda Pesquisa Resolução de problemas Análise da situação Tomada de decisão Explicar necessidades e assuntos Colocar questões Verificar informação Comunicar sentimentos e emoções Verificar o progresso 18

21 Fazer com que a Experiência Conte Curso de formação LARA esquema de trabalho Unidade: Fazer com que a experiência conte Tema Sugestões para actividades Sugestões para recursos Aprendizagem experiencial Trabalho individual: criar uma linha de tempo transaccional que mostre passos chave no envelhecimento pelos quais passamos. Trabalho em pares / pequenos grupos: partilhar as linhas do tempo e discutir as semelhanças, diferenças, sucessos e competências ganhas. Actualize a sua linha do tempo, se necessário. Trabalho de grupo: criar uma linha do tempo com as experiências do grupo. Utilize a linha do tempo colectiva para analisar as competências presentes no grupo. Trabalho individual / em pares: avalie as suas competências no contexto do grupo; identifique que competências necessita, ou precisa melhorar. Teorias e características da aprendizagem experiencial. Manual de formação LARA: a medição do LARA O método 5 + Trabalho individual: Seleccione uma aspiração de estilo de vida. Analise as razões para a aspiração e sua actual posição no que se refere a conseguir atingi-la. Unidade Fazer com que a experiência conte. Trabalho de grupo: partilhe as aspirações e seleccione um exemplo para o grupo. Debata os passos e competências necessárias para atingir a aspiração. Identifique a natureza e a fonte de qualquer aprendizagem que contribua para atingir a aspiração. Discuta como é que o progresso para uma aspiração pode ser registado e celebrado. Trabalho individual: baseado na experiência do trabalho de grupo, desenvolva um plano de acção individual para a sua aspiração. 19

22 Tema Sugestões para actividades Sugestões para recursos Facilitação Estratégias e actividades para a aprendizagem facilitada Trabalho de grupo: comparação da andragogia com a pedagogia. Análise do papel do professor e dos aprendentes numa opção de aprendizagem facilitada. Trabalho de grupo: avaliação da prática andragógica e pedagógica como contextos para a oferta de competências nucleares de literacias de aprendizagem. Trabalho individual: auto-avaliação de competências de facilitação. Análise de competências individuais para a facilitação. Formador + indivíduos: plano de acção para desenvolver novas competências para a facilitação. Trabalho com o grupo total: partilhe e discuta os prós e os contras das metodologias actuais. Apresentação e prática: métodos para apoiar a facilitação: Estudo de caso Diferenciação Escuta activa Questões abertas e fechadas Trabalho com o grupo total / pequeno grupo / pares: Estudo de caso Differenciação Escuta activa Questionamento aberto e fechado Trabalho em: pares / pequeno grupo/todo o grupo: transferência dos métodos para a facilitação do ensino actual. Plano de acção para a implementação. Manual de formação LARA, unidade Fazer com que a Experiência Conte. Exemplos de textos para leituras adicionais (facilitação e aprendizagem experiencial) Carl Rogers thinkers/et-rogers.htm Paulo Freire org/thinkers/et-freir.htm Projecto EUFACINET facilitatinglearning.eu/ Experiência Australiana: Facilitação e mudança social Papéis na equipa de Belbin: page/2944/trsumm.pdf Tarefa de auto-percepção Manual de formação LARA, Fazer com que a Experiência Conte. Website LARA Programa de formação; pesquisa. 20

23 O aprendente A experiência do aprendente Prontidão para aprender Orientação para a aprendizagem Andragogia Mais próximo da independência. Auto-dirigido. O professor encoraja e alimenta este movimento Um recurso rico para a aprendizagem. Logo os métodos de ensino incluem a discussão, a resolução de problemas, etc. As pessoas aprendem o que precisam de saber. Assim os programas de aprendizagem são organizados à volta da aplicação à vida. As experiências de aprendizagem devem ser baseadas em experiências, uma vez que as pessoas estão centradas na prática na sua aprendizagem Pedagogia Dependente. O professor dirige o quê, quando, como um assunto é aprendido e avalia que foi bem aprendido De pouco valor. Logo, os métodos de ensino são didácticos As pessoas aprendem o que a sociedade espera delas. Assim o currículo é padronizado. A aquisição da matéria é importante. O currículo é organizado por temas. 21

24 Veja a lista de competências e traços do facilitador. Classifique-se em cada item numa escala de 1 a 5 (1 é excelente e 5 nada bom). Facilitação efectiva significa: Classificação Guiar, não controlar Compreender diferentes estilos de aprendizagem Compreender a dinâmica de grupo Compreender a diversidade Promover o respeito Gerir a interacção dentro do grupo Interpretar o comportamento Construir a confiança dos indivíduos Utilizar técnicas activas de aprendizagem Estruturar (não impôr)a aprendizagem Manter-se focado/a no processo e nos resultados Organizar, oferecer e receber feedback 22

25 Assim como incentivar o desenvolvimento de uma gama de estilos de aprendizagem, os tutores podem considerar como os seus próprios estilos de ensino afectam os diferentes aprendentes. Os tutores têm os seus próprios estilos de aprendizagem preferidos e estes influenciam a maneira como eles ensinam. Variando os métodos de ensino, é possível tanto acomodar as necessidades dos alunos com diferentes estilos de aprendizagem como incentivar o desenvolvimento de outros estilos de aprendizagem. Os pontos seguintes indicam as oportunidades de aprendizagem óptimas e mínimas para cada estilo. Os activistas aprendem melhor se: Utilizar métodos de ensino centrados no aluno, tal como tarefas de grupo, role playing, jogos; Utilizar actividades não estruturadas que lhes podem dar a oportunidade de tomar a liderança Os activistas aprendem menos a partir de: situações de aprendizagem passivas, tais como palestras, ler sozinho, observar os procedimentos abordagens de ensino estruturadas, incluindo coaching, ensino de precisão, demonstrações estruturadas Os reflexivos aprendem melhor a partir de: todas as actividades que lhes permitam observar e pensar sobre as coisas. Eles normalmente ficam felizes por ouvir palestras e assistir a demonstrações desde que não sejam muito directivas tarefas individuais ou de grupo que envolvam recolha e pesquisa de dados discussões em grupo e estudos de caso Os reflexivos aprendem menos a partir de: Programas de ensino/aprendizagem altamente estruturados Actividades que exigem uma acção sem planeamento, especialmente se tiverem que assumir um papel de liderança Os teóricos aprendem melhor a partir de: actividades de aprendizagem estruturadas que seguem uma sequência lógica palestras, demonstrações, coaching bem preparado e ensino precisão Os teóricos aprendem menos a partir de: actividades não estruturadas, sem um propósito óbvio trabalho em grupo, especialmente se se trata de explorar os sentimentos e emoções 23

26 Os pragmáticos aprendem melhor a partir de: demonstrações práticas, coaching, simulações, experiência de trabalho, trabalho de projecto qualquer actividade prática, que oferece a oportunidade de experimentar o que foi aprendido actividades de grupo ou individuais que envolvam planeamento de acções e trabalho de projecto Os pragmáticos aprendem menos a partir de: aulas teóricas e debates que exploram conceitos actividades não estruturadas, sem um propósito claro Verifique a lista de métodos de ensino. Assinale sim se o usa e não se não utiliza. Utilizando a descrição acima, descubra que tipos de aprendentes o método apelará. Se existem métodos na lista que não usa, mas que acha que poderiam ser úteis, assinale-os. Quando tiver concluído a tarefa, circule em torno do grupo para encontrar alguém que tenha utilizado um método em que esteja particularmente interessado/a. Discuta como e por que usam esse método. Métodos de Ensino Sim Não Activista Reflexivo Teórico Pragmático Palestras Geração de ideias (brainstorming) Visitas Role play Jogos Uso interactivo do computador Tarefas individuais Trabalhos escritos Apresentação em Powerpoint ou OHP 24

27 Métodos de Ensino Sim Não Activista Reflexivo Teórico Pragmático Experiências Resolução de problemas Estudos de caso Coaching individual Trabalho em pequenos grupos Trabalho em pares Utilização de uma biblioteca ou recursos de centro de aprendizagem Visualizar um vídeo Apresentações dos aprendentes Carrossel Demonstração Café Escuta Diferentes tipos de escuta: 1. O falsário. Todos os sinais exteriores de escuta estão lá, mas a mente está num outro lugar. 2. O que interrompe Não permite que o porta-voz termine de falar, muito ansioso para ter o seu próprio momento de falar. 3. O ouvinte lógico Sempre a tentar interpretar o que o interlocutor está dizendo e por quê. Falta de interesse na emoção subjacente. 25

28 4. O ladrão da cena Usa as palavras do orador como uma forma de chegar à sua própria mensagem. Quando o orador diz alguma coisa, o ouvinte rouba-lhe o foco. 5. O argumentador Ouve apenas o tempo suficiente para usar as palavras do orador contra ele. Quer sempre impor o seu ponto de vista. 6. O que dá conselhos Não permite que o orador articule os pensamentos antes de apressar-se em soluções inadequadas. Boa escuta Ser interessado e atento Manter contacto com os olhos e dar sinais não-verbais que está a ouvir Ouça pacientemente Ouça o orador; não lhe corte a palavra ou interrompa Incentivar a falar Responda ao que ouve, mas não tire conclusões precipitadas Confira o que ouve, repetindo frases ou re-formulando Respeitar o direito do orador de esconder e expressar opinião Ouvir pistas não-verbais Adopte uma abordagem contínua ao questionamento. Certifique-se de que usa uma variedade de questões e que os tipos de perguntas que seleccionou são adequados à finalidade. Fechadas Abertas Questão leva a respostas de sim ou não Questão leva a uma resposta em particular Questão dirigida mas dá alguma opção de escolha de resposta Questão dá o máximo de escolha de resposta Já se inscreveu na formação? O que é o projecto LARA? Como preparou o seu programa de formação? O que pensa sobre o envelhecimento? 26

29 O projecto LARA foi promovido pela Hamburger Volkshochshule em Hamburgo Alemanha, com a coordenação realizada pela BIA- NET [Network Bildung in Alter] de Graz, na Áustria. O manual LARA foi escrito pelo Institute of Lifelong Learning (Instituto de Aprendizagem ao Longo da Vida) da Universidade de Leicester, em Inglaterra, e a avaliação do projecto foi realizada pela AidLearn Consultoria em Recursos Humanos, de Lisboa - Portugal. Athena, a Associação para a Educação e Desenvolvimento das Mulheres, em Ostrava, República Checa; ZDUS, a Federação Eslovena de Organizações Pensionistas, em Ljubljana, Eslovenia; com os parceiros de Hamburgo e Graz, realizaram focus groups para testar as ideias, e testaram também os materiais com diferentes formadores a aprendentes. A Federação Suíça de Volkshochschulen UP-VHS (www.up-vhs.ch), na Suiça, foi parceira associada, juntamente com a Universidade de Basileia, no projecto. Esta instituição oferece vários serviços aos seus membros, e representa as universidades nacionais na Suíça e na Europa. Descrição dos parceiros: VHS, Hamburg é o centro municipal de educação contínua de adultos de Hamburgo. Tem como oferta cerca de 700 cursos de educação contínua e de adultos, abrangendo perto de aprendentes por ano. Bia-net, Graz é uma organização sem fins lucrativos. É uma plataforma para organizações e pessoas interessadas que lidam com o tema da aprendizagem ao longo da vida em seniores. Institute of Lifelong Learning, Universidade de Leicester A Universidade de Leicester é uma universidade líder em pesquisa com mais de estudantes, incluindo mais de pós-graduados. Leicester tem vasta tradição de fornecer uma grande variedade de educação de adultos. Cada ano há cerca de inscrições nos cursos do Leicester Institute of Lifelong Learning (LILL), enquanto mais de pessoas participam em outros eventos, incluindo actividades no Richard Attenborough Centre for Disabilities and the Arts. O LILL trabalha em parcerias na região, incluindo muitos grupos voluntários. Tal como actividades de ensino, o Institute of Lifelong Learning tem um extenso programa de pesquisa. 27

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo)

PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo) PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo) Duração: 5 Sessões (45 minutos) Público-Alvo: 6 a 7 anos (1º Ano) Descrição: O programa A Família é constituído por uma série de cinco actividades. Identifica o

Leia mais

Construint ponts de convivència i camins alternatius per a la gestió de conflictes. Trabalho de Equipa em Sala de Aula Inclusiva

Construint ponts de convivència i camins alternatius per a la gestió de conflictes. Trabalho de Equipa em Sala de Aula Inclusiva Construint ponts de convivència i camins alternatius per a la gestió de conflictes Trabalho de Equipa em Sala de Aula Inclusiva CONTEÚDO Porque é o trabalho de equipa importante em salas de aula inclusivas?

Leia mais

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR INTRODUÇÃO ÍNDICE - Objectivos de Educação Pré-Escolar - Orientações Curriculares - Áreas de Conteúdo/Competências - Procedimentos de Avaliação - Direitos e Deveres dos Encarregados de Educação - Calendário

Leia mais

MANIFESTO. A voz dos adultos aprendentes nas acções de alfabetização na Europa

MANIFESTO. A voz dos adultos aprendentes nas acções de alfabetização na Europa QUEM SOMOS NÓS? MANIFESTO A voz dos adultos aprendentes nas acções de alfabetização na Europa Somos adultos que participam em acções de alfabetização oriundos da Bélgica, França, Alemanha, Irlanda, Holanda,

Leia mais

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS CARTA DAS ONGD EUROPEIAS Princípios Básicos do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária das ONGD da União Europeia O Comité de Liaison das ONG de Desenvolvimento da UE O Comité de Liaison ONGD-UE representa,

Leia mais

Áreas de Desenvolvimento Pessoal

Áreas de Desenvolvimento Pessoal Renovação do Programa para Jovens (Aprovado na XLII Conferência Nacional) Áreas de Desenvolvimento Pessoal: A XLII Conferência Nacional da AEP, no âmbito do processo em curso de renovação do Programa para

Leia mais

SENTE FAZ PARTILHA IMAGINA. Kit do Professor

SENTE FAZ PARTILHA IMAGINA. Kit do Professor Kit do Professor A Associação High Play pretende proporcionar a crianças e jovens um Projecto Educativo preenchido de experiências positivas que permitam o desenvolvimento de competências transversais

Leia mais

MAIS PRÓXIMO DA COMUNIDADE

MAIS PRÓXIMO DA COMUNIDADE MAIS PRÓXIMO DA COMUNIDADE RESPONSABILIDADE SOCIAL Com vista a promover uma cultura de responsabilidade social, o Millennium bcp tem procurado desenvolver um conjunto de acções junto dos vários grupos

Leia mais

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal 18 DE FEVEREIRO A 13 DE MARÇO DE 2008 A inducar (http://www.inducar.pt) é uma organização de direito

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO EPSU, UNI Europa, ETUCE, HOSPEEM, CEMR, EFEE, EuroCommerce,

Leia mais

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Orientações para as visitas às escolas 1 Introdução As visitas às escolas realizadas segundo o modelo

Leia mais

Auto-formação para colaboradores

Auto-formação para colaboradores Formação e familiarização directa com o posto de trabalho é, muitas vezes, da responsabilidade da organização. Para uma organização eficaz desta tarefa, o instrutor/tutor necessita não só do conhecimento

Leia mais

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.psi.uminho.pt/ www.ardh-gi.com Esta apresentação não substitui a leitura

Leia mais

Glossário. Competência para a acção. (questionário em competências para a acção e actividade)

Glossário. Competência para a acção. (questionário em competências para a acção e actividade) Conceito Competência para a acção Explicação Competência para a acção compreende todas as habilidades, competências e experiências de uma pessoa, que lhe possibilita auto-organizar-se para realizar correctamente

Leia mais

O papel do amigo crítico no apoio à autoavaliação como mecanismo de introdução de melhoria Vitor Alaiz

O papel do amigo crítico no apoio à autoavaliação como mecanismo de introdução de melhoria Vitor Alaiz O papel do amigo crítico no apoio à autoavaliação como mecanismo de introdução de melhoria Vitor Alaiz (com a colaboração de José Borges Palma) Lisboa, DGIDC, Webinar, 18 Maio2011, 16:30 h http://webinar.dgidc.min-edu.pt

Leia mais

Perto de si, mudamos consigo! www.wechange.pt

Perto de si, mudamos consigo! www.wechange.pt Hotel Alvalade LUANDA 16 a 27 de RH Os Ciclos de RH, consistem em planos de desenvolvimento de competências no domínio da gestão de Recursos Humanos, nomeadamente ao nível das áreas de Selecção, Formação

Leia mais

Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS

Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS Um bom plano de divulgação deverá assegurar que todos os envolvidos estão a par do que está a ser proposto e do que irá acontecer

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação LEARNING MENTOR Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219 Perfil do Learning Mentor Módulos da acção de formação 0. Pré-requisitos para um Learning Mentor 1. O papel e a função que um Learning Mentor

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO EM COACHING EXECUTIVO

PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO EM COACHING EXECUTIVO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO EM COACHING EXECUTIVO de acção mediante a aquisição de novas formas de pensamento que lhes permitam levar a cabo diferentes acções. O percurso formativo do coach está dividido

Leia mais

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE Quem somos A nossa equipa apresenta um atendimento personalizado ao nível da Osteopatia através de uma abordagem multidisciplinar de qualidade, avaliação, diagnóstico e

Leia mais

Avaliação Interna e Qualidade das Aprendizagens

Avaliação Interna e Qualidade das Aprendizagens Avaliação Interna e Qualidade das Aprendizagens Perspectivas da OCDE www.oecd.org/edu/evaluationpolicy Paulo Santiago Direcção da Educação e das Competências, OCDE Seminário, Lisboa, 5 de Janeiro de 2015

Leia mais

Preparação de um Plano de Trabalho

Preparação de um Plano de Trabalho Preparação de um Plano de Trabalho Tomando em consideração os limites de tempo e recursos dos implementadores, as ferramentas da série Straight to the Point (Directo ao Ponto), da Pathfinder International,

Leia mais

Carla Ribeirinho. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Carla Ribeirinho. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Carla Ribeirinho Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Lisboa, 10 de Maio de 2012 Desafios e oportunidades Crescimento em massa da população idosa. Adopção de medidas que visem minorar situações

Leia mais

Corpo e Fala EMPRESAS

Corpo e Fala EMPRESAS Corpo e Fala EMPRESAS A Corpo e Fala Empresas é o braço de serviços voltado para o desenvolvimento das pessoas dentro das organizações. Embasado nos pilares institucionais do negócio, ele está estruturado

Leia mais

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP Entidade interlocutora: Identificação do Projecto AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça Nº do projecto: 2001/EQUAL/A2/AD/139 Designação do projecto: Área

Leia mais

15º Congresso Português. De Gerontologia Social. Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer?

15º Congresso Português. De Gerontologia Social. Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer? 15º Congresso Português De Gerontologia Social Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer? Dia: 28/11/13 Envelhecimento em Portugal Portugal, de acordo com os Censos 2011, apresenta um quadro

Leia mais

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal SAÚDEGLOBAL AON Portugal Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Saúdeglobal N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010

Leia mais

EDIÇÃO ESPECIAL 2009

EDIÇÃO ESPECIAL 2009 EDIÇÃO ESPECIAL 2009 BUSINESS COACHING Curso Profissional de Formação de Coach Certificação Internacional em Coaching MORE E ECA (Para Reconhecimento pela ICI contactar-nos.) Entidade: MORE Institut, Ltd

Leia mais

Planificação da Formação Total

Planificação da Formação Total Planificação da Formação Total Mobility Coach - Introdução e Indução - Duração 5 horas Tempo: Assunto: Método: Resultado: Material: Introdução à Formação e ao Projeto Mobility Coach Apresentação-PP Os

Leia mais

Competências avaliadas pela ICF

Competências avaliadas pela ICF Competências avaliadas pela ICF ð Estabelecendo a Base: 1. Atendendo as Orientações Éticas e aos Padrões Profissionais Compreensão da ética e dos padrões do Coaching e capacidade de aplicá- los adequadamente

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO A actual transformação do mundo confere a cada um de nós professores, o dever de preparar os nossos alunos, proporcionando-lhes as qualificações básicas necessárias a indivíduos

Leia mais

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL Escola Secundária com 3º CEB de Coruche 0 EDUCAÇÃO SEXUAL INTRODUÇÃO A Educação da sexualidade é uma educação moral porque o ser humano é moral. É, também, uma educação das atitudes uma vez que, com base

Leia mais

Avaliando o Cenário Político para Advocacia

Avaliando o Cenário Político para Advocacia Avaliando o Cenário Político para Advocacia Tomando em consideração os limites de tempo e recursos dos implementadores, as ferramentas da série Straight to the Point (Directo ao Ponto), da Pathfinder International,

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

Coaching I Formação I Certificação

Coaching I Formação I Certificação Coaching I Formação I Certificação 2011 Business Consultants, Inc. Publicado por EHP, Elemento Humano Portugal. www.thehumanelement.com.pt 1 Uma solução integrada à problemática humana nas organizações

Leia mais

A PROMOÇÃO DA SAÚDE A CARTA DE OTTAWA

A PROMOÇÃO DA SAÚDE A CARTA DE OTTAWA A PROMOÇÃO DA SAÚDE A CARTA DE OTTAWA A primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa em 21 de Novembro de 1986, aprovou a presente Carta, que contém as orientações para

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS.

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. AÇÃO Nº 1 DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. BREVE DESCRIÇÃO DA AÇÃO: conceber, discutir e aplicar planificações, metodologias, práticas

Leia mais

OPQ Perfi l OPQ. Relatório para as Vendas. Nome Sra. Exemplo 3

OPQ Perfi l OPQ. Relatório para as Vendas. Nome Sra. Exemplo 3 OPQ Perfi l OPQ Relatório para as Vendas Nome Sra. Exemplo 3 Data 28 Agosto 2014 www.ceb.shl.com www.transformece.com.br INTRODUÇÃO O Relatório para as Vendas da SHL ajuda a compreender a adequação potencial

Leia mais

Moçambique. Agenda EVENTOS 2013 NEW!! INSCREVA-SE EM. Também in Company. inscrip@iirportugal.com. VISITE www.iirportugal.com

Moçambique. Agenda EVENTOS 2013 NEW!! INSCREVA-SE EM. Também in Company. inscrip@iirportugal.com. VISITE www.iirportugal.com Moçambique Agenda EVENTOS 2013 NEW!! Também in Company INSCREVA-SE EM inscrip@iirportugal.com VISITE www.iirportugal.com INOVAÇÃO Estimado cliente, Temos o prazer de lhe apresentar em exclusiva o novo

Leia mais

EDIÇÃO ESPECIAL 2009

EDIÇÃO ESPECIAL 2009 EDIÇÃO ESPECIAL 2009 LIFE COACHING Curso Profissional de Formação de Coach Certificação Internacional em Coaching MORE E ECA (Para Reconhecimento pela ICI contactar-nos.) Entidade: MORE Institut, Ltd Actualmente

Leia mais

Planificação Anual da Disciplina de Psicologia. MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário

Planificação Anual da Disciplina de Psicologia. MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Planificação Anual da Disciplina de MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Componente de Formação Científica Ano lectivo 2013-2014 1 MÓDULO 1 - DESCOBRINDO

Leia mais

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS COACHING EXECUTIVO O DESAFIO DOS EXECUTIVOS Os executivos das empresas estão sujeitos a pressões crescentes para entregarem mais e melhores resultados, liderando as suas organizações através de mudanças

Leia mais

Código de Ética para Psicólogos de acordo com a FEAP

Código de Ética para Psicólogos de acordo com a FEAP Código de Ética para Psicólogos de acordo com a FEAP Federação Europeia de Associações de Psicólogos Código Geral de Ética Aceite pela Assembleia Geral, Atenas, 1 Julho 1995. 1. Preâmbulo. Os Psicólogos

Leia mais

CURSO CEAD COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E ANÁLISE DE DADOS. e learning. Uma parceria entre:

CURSO CEAD COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E ANÁLISE DE DADOS. e learning. Uma parceria entre: CURSO CEAD COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E ANÁLISE DE DADOS e learning Uma parceria entre: Curso CEAD - Comunicação Empresarial e Análise de Dados NECESSITA DE PREPARAR PROPOSTAS, RELATÓRIOS OU OUTRAS COMUNICAÇÕES

Leia mais

2010/2011 Plano Anual de Actividades

2010/2011 Plano Anual de Actividades 2010/2011 Plano Anual de Actividades Cristiana Fonseca Departamento de Educação para a Saúde 01-07-2010 2 Plano Anual de Actividades Introdução Quando em 1948 a Organização Mundial de Saúde definiu a saúde

Leia mais

MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário. Componente de Formação Científica. Ano lectivo 2015-2016

MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário. Componente de Formação Científica. Ano lectivo 2015-2016 Planificação Anual da Disciplina de Psicologia MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Componente de Formação Científica Ano lectivo 2015-2016 MÓDULO

Leia mais

Plano de Aula 1. Nível de Ensino: Básico e Secundário. Tópico : Finanças Tema: Consumo

Plano de Aula 1. Nível de Ensino: Básico e Secundário. Tópico : Finanças Tema: Consumo Plano de Aula 1 Nível de Ensino: Básico e Secundário. Tópico : Finanças Tema: Consumo Competências - Comparar as taxas associadas aos diferenets cartões de crédito. - Comparar as taxas com a inflação.

Leia mais

RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE

RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE COACHING EDUCATION By José Roberto Marques Diretor Presidente - Instituto Brasileiro de Coaching Denominamos de Coaching Education a explicação, orientação e aproximação

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004)

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) por António Jorge Costa, Presidente do Instituto de Planeamento

Leia mais

Psicologia da Educação

Psicologia da Educação Psicologia da Educação A dimensão pessoal do ensinar PROFESSOR COMO PESSOA ATITUDES FACE AO ENSINO E APRENDIZAGEM ATITUDES FACE AOS ALUNOS ATITUDES FACE A SI PRÓPRIO Copyright, 2006 José Farinha, Prof.

Leia mais

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9.

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9. Índice: Introdução 3 Princípios Orientadores 3 Definição do projecto 4 Objectivos a alcançar 5 Implementação do projecto 5 Recursos necessários 6 Avaliação do projecto 7 Divulgação Final do Projecto 7

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

Os Modelos de Gestão da Qualidade das Respostas Sociais - Novos desafios

Os Modelos de Gestão da Qualidade das Respostas Sociais - Novos desafios Qualidade e Sustentabilidade das Organizações Sociais Os Modelos de Gestão da Qualidade das Respostas Sociais - Novos desafios Instituto da Segurança Social, I.P. Gabinete de Qualidade e Auditoria 17 de

Leia mais

Worldwide Charter for Action on Eating Disorders

Worldwide Charter for Action on Eating Disorders Worldwide Charter for Action on Eating Disorders - CARTA MUNDIAL DE ACÇÃO PARA AS PARTURBAÇÕES ALIMENTARES- DIREITOS E EXPECTATIVAS PARA PESSOAS COM PERTURBAÇÕES ALIMENTARES E AS SUAS FAMÍLIAS PREÂMBULO

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

Partilha de informação com as comunidades

Partilha de informação com as comunidades Briefing da CAFOD sobre : Nível 1 (Básico) com as comunidades Este Briefing apresenta um guia básico passo-a-passo para os parceiros da CAFOD sobre a partilha de informação com as comunidades que apoiam

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM APROVADO POR MAIORIA EM ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 20 DE NOVEMBRO DE 2010 Proposta

Leia mais

WORKSHOPS. CONTEÚDOS E PÚBLICO-ALVO.

WORKSHOPS. CONTEÚDOS E PÚBLICO-ALVO. WORKSHOPS. CONTEÚDOS E PÚBLICO-ALVO. Workshop 1 Web 2.0 na educação (dinamizado por Fernando Delgado EB23 D. Afonso III) Os serviços da Web 2.0 têm um enorme potencial para a educação, pois possibilitam

Leia mais

Jornadas da Educação, 2015

Jornadas da Educação, 2015 República de Moçambique Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano Instituto Nacional do Desenvolvimento da Educação Jornadas da Educação, 2015 A nossa escola por uma educação inclusiva, humanista

Leia mais

ROSETTA STONE LANGUAGE LEARNING SUITE PARA O SETOR PÚBLICO

ROSETTA STONE LANGUAGE LEARNING SUITE PARA O SETOR PÚBLICO ROSETTA STONE LANGUAGE LEARNING SUITE PARA O SETOR PÚBLICO Garanta o sucesso da missão. Garanta o sucesso da missão. A Rosetta Stone ajuda organizações governamentais e sem fins lucrativos a capacitar

Leia mais

I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado e cidadania - A REDE -

I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado e cidadania - A REDE - Rede Portuguesa de Jovens para a Igualdade de Oportunidades entre Mulheres e Homens (REDE) I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado

Leia mais

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações Representado por: 1 OBJECTIVOS PEDAGÓGICOS! Adquirir as 11 competências do coach de acordo com o referencial da ICF! Beneficiar

Leia mais

História e Atividades de Aprendizagem do Ciclo 4

História e Atividades de Aprendizagem do Ciclo 4 História e Atividades de Aprendizagem do Ciclo 4 História e Atividades de Aprendizagem para o Ciclo 4 de pilotagens, a iniciar em fevereiro de 2013. Instruções Histórias de Aprendizagem do Ciclo 4 Contar

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

Conteúdo. Como ler artigos científicos... 2

Conteúdo. Como ler artigos científicos... 2 Comol era r t i gos c i ent íc os Conteúdo Como ler artigos científicos... 2 Dicas de como ler o artigo... 4 Guia de como ler um artigo:... 5 Atividade 1... 7 Etapa 1... 7 Etapa 2... 8 Etapa 3... 8 Etapa

Leia mais

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA POR UMA ESCOLA INCLUSIVA Sílvia Ferreira * Resumo: A promoção de uma escola democrática, onde incluir se torne um sinónimo real de envolver, é um desafio com o qual os profissionais de Educação se deparam

Leia mais

Espaço t Associação para o Apoio à Integração Social e Comunitária. Instituição Particular de Solidariedade Social

Espaço t Associação para o Apoio à Integração Social e Comunitária. Instituição Particular de Solidariedade Social Associação para o Apoio à Integração Social e Comunitária Instituição Particular de Solidariedade Social Missão O Espaço t Associação para Apoio à Integração Social e Comunitária, criada em 1994, é uma

Leia mais

O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA. Pretoria Africa du Sul

O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA. Pretoria Africa du Sul O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA Pretoria Africa du Sul Conteúdo 1. Apresentação da FOJASSIDA 2. Introdução 3. Diferentes formas de parcerias

Leia mais

Versão Final aprovada pela Equipe do Executivo da CARE em Março 2007 CÓDIGO DE CONDUTA PARA A PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR DAS MICRO-FINANÇAS DA CARE

Versão Final aprovada pela Equipe do Executivo da CARE em Março 2007 CÓDIGO DE CONDUTA PARA A PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR DAS MICRO-FINANÇAS DA CARE CÓDIGO DE CONDUTA PARA A PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR DAS MICRO-FINANÇAS DA CARE Fundamentação Originalmente, as micro-finanças (MF) surgiram como uma forma alternativa de finanças para os pobres que eram antes

Leia mais

Quem Contratar como Coach?

Quem Contratar como Coach? Quem Contratar como Coach? por Rodrigo Aranha, PCC & CMC Por diversas razões, você tomou a decisão de buscar auxílio, através de um Coach profissional, para tratar uma ou mais questões, sejam elas de caráter

Leia mais

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE A IBIS visa contribuir para o empoderamento dos jovens como cidadãos activos da sociedade, com igual usufruto de direitos, responsabilidades e participação

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Madalena. Projeto do Clube de Música. Ano Lectivo 2012-2013 1

Agrupamento de Escolas da Madalena. Projeto do Clube de Música. Ano Lectivo 2012-2013 1 Agrupamento de Escolas da Madalena Projeto do Clube de Música Ano Lectivo 2012-2013 1 Projectos a desenvolver/participar: Projetos Dinamizado por: 1º Concurso de Flauta Prof. Teresa Santos - Participação

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) por António Jorge Costa, Presidente do Instituto de Planeamento

Leia mais

2011 O Ano Europeu do Voluntariado

2011 O Ano Europeu do Voluntariado 2011 O Ano Europeu do Voluntariado Mais de 100 milhões de Europeus e Europeias estão envolvidos(as) em actividades voluntárias, são solidários(as) e, assim fazem a diferença na nossa sociedade. Uma pesquisa

Leia mais

LEITURA DA ENTREVISTA 2. E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste

LEITURA DA ENTREVISTA 2. E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste LEITURA DA ENTREVISTA 2 E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste trabalho que estou a desenvolver. Como lhe foi explicado inicialmente, esta entrevista está

Leia mais

Práticas na Educação Básica. Sandra Sequeira (sandrasequeira@ua.pt) Ana Carvalhal (anaccarvalhal@ua.pt) Manuela Figueiredo (manuelasfigueiredo@ua.

Práticas na Educação Básica. Sandra Sequeira (sandrasequeira@ua.pt) Ana Carvalhal (anaccarvalhal@ua.pt) Manuela Figueiredo (manuelasfigueiredo@ua. Práticas na Educação Básica Sandra Sequeira (sandrasequeira@ua.pt) Ana Carvalhal (anaccarvalhal@ua.pt) Manuela Figueiredo (manuelasfigueiredo@ua.pt) Sumário Educação Financeira Enquadramento Teórico Educação

Leia mais

O CONSELHO DA UE E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, REUNIDOS NO CONSELHO,

O CONSELHO DA UE E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, REUNIDOS NO CONSELHO, C 172/8 PT Jornal Oficial da União Europeia 27.5.2015 Conclusões do Conselho sobre a maximização do papel do desporto de base no desenvolvimento de competências transversais, especialmente entre os jovens

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

Avaliação do Projecto Curricular

Avaliação do Projecto Curricular Documento de Reflexão Avaliação do Projecto Curricular 2º Trimestre Ano Lectivo 2006/2007 Actividade Docente desenvolvida Actividade não lectiva Com base na proposta pedagógica apresentada no Projecto

Leia mais

TÉCNICAS/MÉTODOS DE ENSINO. 1. Objectivos 2. Selecção dos conteúdos 3. Métodos a serem usados

TÉCNICAS/MÉTODOS DE ENSINO. 1. Objectivos 2. Selecção dos conteúdos 3. Métodos a serem usados TÉCNICAS/MÉTODOS DE ENSINO 1. Objectivos 2. Selecção dos conteúdos 3. Métodos a serem usados 1 Método : Caminho para se chegar a um determinado lugar alcançar objetivos estabelecidos no planeamento. Os

Leia mais

Directrizes para serviços de bibliotecas para crianças

Directrizes para serviços de bibliotecas para crianças Directrizes para serviços de bibliotecas para crianças Os serviços de bibliotecas para crianças são mais importantes do que nunca para as crianças e para as suas famílias em todo o mundo Prefácio A sociedade

Leia mais

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência)

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência) SEREI UM EMPREENDEDOR? Este questionário pretende estimular a sua reflexão sobre a sua chama empreendedora. A seguir encontrará algumas questões que poderão servir de parâmetro para a sua auto avaliação

Leia mais

3ª Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Confiança e Compromisso nos Canais Digitais

3ª Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Confiança e Compromisso nos Canais Digitais 3ª Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Confiança e Compromisso nos Canais Digitais 29 de setembro de 2014 Auditório da BMAG Apoio Patrocinadores Globais APDSI Internet, Negócio e Redes Sociais

Leia mais

JOGO ONLINE DE GESTÃO PARA ALUNOS DO ENSINO SECUNDÁRIO

JOGO ONLINE DE GESTÃO PARA ALUNOS DO ENSINO SECUNDÁRIO JOGO ONLINE DE GESTÃO PARA ALUNOS DO ENSINO SECUNDÁRIO Junior Business Challenge by IPAM O IPAM The Marketing School é uma Instituição de Ensino Superior, especializada e líder, na formação de profissionais

Leia mais

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching,

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, 5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, Consultoria, Terapias Holísticas e Para Encher Seus Cursos e Workshops. Parte 01 Como Se Posicionar e Escolher os Clientes dos Seus Sonhos 1 Cinco Etapas Para

Leia mais

Índice. Porque fazer um curso de Coaching? Tendências do Mercado de Coaching. Um dia na vida de um Coach. Teste: Tornando-se um Coach

Índice. Porque fazer um curso de Coaching? Tendências do Mercado de Coaching. Um dia na vida de um Coach. Teste: Tornando-se um Coach Índice Porque fazer um curso de Coaching? Metodologia Comprovada. Resultados sem precedentes As maiores razões para escolher um coach Tendências do Mercado de Coaching Oportunidades da Carreira de Coaching

Leia mais

O contexto na Administração Pública

O contexto na Administração Pública 1.º Workshop ENIDH/MÚTUA DOS PESCADORES e-aprendizagem ou aprendizagem tecnologicamente assistida? Teresa Salis Gomes Directora da Unidade de Inovação Pedagógica O contexto na Administração Pública Aumento

Leia mais

OS PROJECTOS EDUCATIVOS A PARTIR DA CRECHE O Projecto Pedagógico na Creche. Maria Teresa de Matos

OS PROJECTOS EDUCATIVOS A PARTIR DA CRECHE O Projecto Pedagógico na Creche. Maria Teresa de Matos OS PROJECTOS EDUCATIVOS A PARTIR DA CRECHE O Projecto Pedagógico na Creche Maria Teresa de Matos Projecto Pedagógico de Sala Creche Princípios Orientadores Projecto Pedagógico de Sala * Projecto Curricular

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

Capítulo 9 Emprego. 9.1 Introdução

Capítulo 9 Emprego. 9.1 Introdução Capítulo 9 Emprego 9.1 Introdução Hoje em dia, as redes sociais são as grandes responsáveis pelas contratações de emprego. Muitos dos responsáveis por recrutamento e recursos humanos das empresas avaliam

Leia mais