Sistemas de Controle: Especificação e Implantação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistemas de Controle: Especificação e Implantação"

Transcrição

1 Sistemas de Controle: Especificação e Implantação A NORMA IEC Anísio Chagas Bernardino Alves Outubro/2008 Parceria Apoio

2 Conceitos Um problema: Existem no mercado de automação nacional e mundial, dezenas de fabricantes de CLP s, cada um com sua arquitetura, rede de comunicação, linguagem e software de programação diferentes. À exceção de alguns poucos fabricantes que, por força do mercado, tiveram que desenvolver interfaces com outros Fornecedores, ainda a grande maioria permanece isolado, incomunicável com outras marcas. Isto obriga as indústrias a conviver com verdadeiras ilhas tecnológicas, em muitos casos possuindo CLP s de diferentes fabricantes ou, abrigando CLP s de mesmo fabricante mas com tecnologias diferentes por conta de diferentes versões instaladas.

3 Conceitos Fabricantes de CLP s fecham pacotes com Fornecedores de equipamentos maiores, onde a automação representa um custo minoritário no investimento total. Equipamentos tais como Filtros eletrostáticos, Prensas de Rolos, sistemas de lubrificação automáticos, máquinas CNC, sistemas de robotização, máquinas de pátio, etc. os exemplos são enormes e diversos. Ao Cliente final indústria só resta receber aquela solução caixa-preta e conseguir deste Fornecedor o máximo de treinamentos e documentação possíveis, para que consiga prosseguir com as manutenções necessárias após a aceitação definitiva.

4 Conceitos Como tentativa de alteração deste cenário, seja por pressão de Clientes, seja de alguns pequenos Fornecedores que não conseguiam acesso aos grandes fornecimentos, surgiu a exigência de padronização de linguagens que cumprissem com a maioria das exigências de software. Em 1992, somente após mais de 20 anos de criação do primeiro CLP, o IEC International Electrotechnical Commission publicou a norma IEC 61131, a qual estabeleceu padrões para Controladores Programáveis. Portanto a norma IEC se aplica a Controladores Programáveis e seus periféricos, tais como Ferramentas de Programação e Depuração, Equipamentos de Testes e Interfaces Homem-Máquina. Portanto a norma não se aplica a todos os componentes de um Sistema de Automação, atendo-se somente àqueles que compõem os Controladores.

5 Conceituação das partes A norma é dividida em 8 partes: Informações gerais (General Overview, Definitions) Requisitos de hardware (Hardware) Linguagens de programação (Programming Languages) Guia de orientação ao usuário (User Guidelines) Comunicação (Message Service Specifications) Comunicação via Fieldbus (Fieldbus Communication) Programação utilizando Lógica Fuzzy (Fuzzy Logic) Guia para implementação das linguagens (Implementation Guidelines)

6 Objetivos da Norma Estabelecer critérios e características para seleção e aplicação de Controladores Programáveis (CP s). Especificar os requisitos mínimos para funcionalidades, condições de trabalho, características construtivas, segurança geral e testes aplicáveis para os Controladores Programáveis e seus periféricos. Definir regras de semântica e sintaxe para as linguagens de programação mais comuns, para que os fabricantes possam expandir e adaptar estas regras para suas próprias implementações de CP s. Definir a comunicação entre CP s e outros Sistemas usando o MMS Manufacturing Message Specification, conforme norma ISO/IEC 9508.

7 Benefícios Redução de custos com implantação devido às diferentes tecnologias: treinamentos, debugging, manutenção de software, engenharia e consultoria. Foco na solução do problema e não na construção do software. Redução na dependência de Fornecedores de Consultorias e hardwares. Redução de Erros e Inconsistências na construção de lógicas. Soluções iguais para áreas iguais em diferentes indústrias ou em mesmas indústrias porém em lugares diferentes. Mudam algumas parametrizações, mas não o software. Usos de Bibliotecas padrões construídas por diferentes programadores.

8 IEC Parte 1 Informações Gerais A Parte 1 conceitua os CP s e as Linguagens de Programação, trazendo definições de termos como: - Sistemas de Automação; - Disponibilidade; - Desligamentos Falha-Segura (Fail-safe); - Entradas e Saídas conceituação e Tabelas-Imagens; - Linguagens Textuais x Gráficas; - Estações Remotas de E/S; - Reinicializações (Cold, Hot, Warm); - Tempos (scan, atrasos, tempo de resposta total, etc);

9 IEC Parte 1 Informações Gerais A parte 1 da norma define ainda as Características Funcionais de um CP, entre elas: - A Estrutura Funcional básica do hardware; - O processamento dos sinais: armazenamento do aplicativo e dados, leitura das Entradas, a execução da lógica de programação e as correspondentes respostas obtidas; - Comunicação entre CP s; - Interfaces Homem-máquina; - Programação, Depuração, Testes e Documentação; - Fontes de alimentação; - Confiabilidade e Disponibilidade; - Ergonomia. Nota: a especificação e formas de instalação é encontrada na parte 4.

10 IEC Parte 2 Requisitos de Equipamentos e Testes A parte 2 da norma estabelece requisitos funcionais de Segurança de Manuseio, proteções e recomendações contra Interferências eletromagnéticas e requisitos construtivos elétricos, mecânicos e ambientais. Outro ponto definido por esta parte da norma refere-se a memórias de backup: tipos, especificação, capacidades. Por conseqüência das definições de hardware, a parte 2 define também todos os testes necessários à certificação de um determinado CP conforme definido por esta norma.

11 IEC Parte 3 Linguagens de Programação Conceitos Básicos A norma IEC em sua parte 3 tem por objetivo, entre outros: -Fornecer metodologias de construção de lógicas de programação de forma estruturada e modular, permitindo a quebra dos programas em partes gerenciáveis; -Definir 5 linguagens de programação, cada uma com suas características, de forma a cobrir a maioria das necessidades de controle atuais; -Permite o uso de outras linguagens de programação, desde que obedecidas as mesmas formas de chamadas e trocas de dados (Visual Basic, Flow Chart, C++, etc); -Abordagem e estruturação top-down e botton-up, fundamentada em 3 princípios: -Modularização; -Estruturação; -Reutilização;

12 IEC Linguagens de Programação - Modelo de Software

13 IEC Parte 3 Linguagens de Programação Principais Conceitos: Configurações (Configurations): corresponde ao software necessário a um CP ou conjunto de CP s para que este(s) cumpra(m) suas funções de controle. A configuração define todos os elementos interagentes com suas configurações individuais e uma configuração total dada pelo resultado das diversas configurações. Recursos (Resources): qualquer elemento com capacidade de processamento dentro de uma configuração, capaz de executar programas. O recurso pode existir fisicamente (CPU do processador, interfaces de operação IHM, gateways de comunicação) ou virtualmente (uso ompartilhado de memórias de processamento por softwares distintos. Tarefas (tasks): controla a execução de programas ou blocos funcionais de forma periódica ou por disparo por eventos ( triggers )

14 IEC Parte 3 Linguagens de Programação Unidade de Organização de Programas (POU): é a forma definida pela norma para se implementar o software do CP através da associação de variáveis e instruções, utilizando as linguagens da norma ou linguagens adicionais. Portanto, o software aplicativo do CP consiste na criação e associação de POUs entre si. POUs podem ser formadas a partir de associação de outras POUs, de forma a estruturar a programação e reutilizar o código. Estruturam-se em Programas, Blocos Funcionais e Funções, reutilizáveis mediante réplicas. Podem ser de fornecimento do fabricante do CP ou desenvolvidas pelo usuário.

15 IEC Parte 3 Linguagens de Programação Programas (programs): construído a partir de Blocos Funcionais e Funções em qualquer das linguagens da norma. Pode acessar diretamente as Entradas e Saídas e comunicar com outros programas. Diferentes partes de um programa podem ser controladas por tarefas. Blocos Funcionais: Partes de programas hierarquizados e estruturados de forma a serem parametrizáveis e reutilizáveis. Os dados nos Blocos possuem persistência, mantendo-se inalterados entre cada execução do bloco. Exemplos de blocos funcionais são PID, temporizadores, contadores e blocos criados com funções específicas como controle de motores. Podem ser usados como partes integrantes de Blocos Funcionais mais complexos. Funções (Functions): funções ou procedimentos (procedures) são elementos de programação que, diferentemente de blocos funcionais, não possuem persistência, gerando resultados a cada execução. Exemplos de funções são blocos aritméticos, comparadores e lógicos.

16 IEC Parte 3 Linguagens de Programação Variáveis Globais e Locais: Variáveis são declaradas de duas formas: localmente e globalmente. Uma variável é dita Global quando é declarada na Configuração ou no Recurso, passando a ser aceita por todas as partes dentro do nível declarado. Variáveis globais podem ser aceitas também por outras Configurações ou mesmo diferentes CP s, dede que devidamente declaradas em cada um deles.

17 IEC Parte 3 Linguagens de Programação Comportamentos na Partida e Parada segundo a norma: Partida: - Quando uma configuração parte, todas as variáveis globais são inicializadas e todos os recursos são ativados; - Quando um recurso parte, todas as variáveis dentro do recurso são inicializadas e todas as tarefas são habilitadas; - Uma vez habilitadas as tarefas, todos os programas e blocos funcionais associados a esta tarefa serão executados uma vez, quando a tarefa estiver ativa; Parada: Quando uma configuração para, todos os recursos param; Quando um recurso para, todas as tarefas são desabilitadas interrompendo a execução de programas e blocos funcionais;

18 IEC Parte 3 Linguagens de Programação As cinco linguagens definidas pela norma IEC : - Texto Estruturado (ST) - Lista de Instruções (IL) - Ladder Diagrams (LD) - Diagramas de Blocos Funcionais (FBD) - Funções Gráficas de Seqüenciamento (SFC) As duas primeiras linguagens acima são ditas TEXTUAIS por conterem instruções na forma de texto. As duas seguintes são ditas gráficas por possuírem representação na forma de símbolos. A linguagem SFC é normalmente tida como linguagem gráfica, porém também permite programações textuais.

19 IEC Parte 3 Linguagens de Programação As cinco linguagens definidas pela norma IEC :

20 IEC Parte 3 Linguagens de Programação As linguagens definidas pela norma IEC : Instruction List (IL) LD A ANDN B Structured Text (ST) C:= A AND NOT B ST C Function Block Diagram (FBD) Ladder Diagram (LD) AND A C B A B C - -- / ( )

21 IEC Parte 3 Linguagens de Programação As linguagens definidas pela norma IEC : Na figura anterior, as quatro linguagens descrevem a mesma lógica de programa. A escolha da linguagem de programação depende: - da formação do programador - do problema a resolver - do nível da descrição do problema - da estrutura do sistema de controle - da interface com outras pessoas/departamentos

22 IEC Parte 3 Linguagens de Programação As cinco linguagens definidas pela norma IEC : Texto Estruturado (ST) -Linguagem de alto nível; -Muito próxima de outras linguagens como C e Pascal, permitindo a programação de funções e blocos que ficariam de difícil solução com outras linguagens; -Adequada para: - Tomada de decisões; - Cálculos; - Uso de Algoritmos (IF-THEM-ELSE, CASE, REPEAT, WHILE-DO); - Excelente para criação de Blocos Funcionais complexos; - Outras.

23 IEC Parte 3 Linguagens de Programação As cinco linguagens definidas pela norma IEC : Texto Estruturado (ST)

24 IEC Parte 3 Linguagens de Programação As cinco linguagens definidas pela norma IEC : Lista de Instruções (IL) -Linguagem de baixo nível, semelhante ao Assembler; - Uso em pequenas aplicações ou otimizações de códigos ao nível de bits e variáveis; -Bastante eficiente e rápida ao nível de bits por se aproximar do código da CPU; -Linguagem pouco estruturada e de difícil compreensão se usada em grande escala; -Muito usada por pequenos fabricantes de CPs devido à simplicidade em pequenas aplicações e sem necessidade de uso de compiladores como as demais;

25 IEC Parte 3 Linguagens de Programação As cinco linguagens definidas pela norma IEC : Lista de Instruções (IL)

26 IEC Parte 3 Linguagens de Programação As cinco linguagens definidas pela norma IEC : Ladder Diagram (LD) -A mais popular, de fácil entendimento e visualização; -Baseada em Diagrama Elétrico de Contatos (diagrama trifilar) e graficamente próxima do entendimento do mantenedor; -Adequada para: -Controle/comando discreto de equipamentos e sinais; -Uso de lógicas sequenciais e combinacionais (Boole) And-Or-XOr com visualizaçao na forma de contatos de relés: / - -(G)- -Permite o uso de funções especiais como blocos PID, controles regulatórios, contadores e temporizadores; -Destaca graficamente o fluxo de energia entre os elementos;

27 IEC Parte 3 Linguagens de Programação As cinco linguagens definidas pela norma IEC : Ladder Diagram (LD)

28 IEC Parte 3 Linguagens de Programação As cinco linguagens definidas pela norma IEC : Diagramas de Blocos Funcionais (FBD) -Baseada em Diagramas Lógicos de Circuitos; -De fácil entendimento, desde que o mantenedor esteja familiarizado com representações gráficas das lógicas de Boole; -Bastante próxima do Ladder à exceção da representação gráfica e algumas funcionalidades específicas de cada linguagem; -Adequada para: -Controle/comando discreto de equipamentos e sinais; -Uso de lógicas sequenciais e combinacionais (Boole) And-Or-XOr com representação na forma de blocos lógicos; -Permite o uso de funções especiais como blocos PID, controles regulatórios, contadores e temporizadores;

29 IEC Parte 3 Linguagens de Programação As cinco linguagens definidas pela norma IEC : Diagramas de Blocos Funcionais (FBD)

30 IEC Parte 3 Linguagens de Programação As cinco linguagens definidas pela norma IEC : Seqüenciamento Gráfico de Funções (SFC) -Usada para descrever o comportamento seqüencial de lógicas; -Permite a programação em forma textual; -Estrutura as ações em partes a serem usadas de forma hierárquica e com abordagem top-down; -Promove ganhos de desempenho por só executar passos ativos na estrutura do programa; -Baseada no anterior padrão europeu Grafset; -Foi adotada pela norma ISA SP 88 para descrição de processos em batelada; -Fluxo de Informações normalmente de cima para baixo, podendo haver ramos que retornem a lógica para passos anteriores; -Fácil rastreabilidade de eventos;

31 IEC Parte 3 Linguagens de Programação As cinco linguagens definidas pela norma IEC : Seqüenciamento Gráfico de Funções (SFC)

32 IEC Parte 3 Linguagens de Programação Exemplo de tipos de linguagens

33 IEC Parte 3 Linguagens de Programação Exemplo de tipos de linguagens

34 IEC Parte 4 Orientações para o usuário Esta parte apresenta as orientações necessárias para que os usuários (indústrias, empresas de engenharia, programadores e mantenedores, etc), possam adquirir e instalar os CPs e seus periféricos associados. Tratam-se portanto de diretrizes que permitem a esses usuários: - Especificar hardware e software necessários ao projeto; - Instalar, comissionar e certificar o sistema de automação instalado. - Formalizar a comunicação entre Fornecedores e usuários finais; Esta parte trata ainda de: - Requisitos Gerais de Instalação; - Condições ambientais e principais recomendações; - Uso de fiações corretas e aterramento(s); - Supressões de ruídos e transientes; - Interação com as normas IEC61508 e IEC que tratam de aplicação de CPs em sistemas de segurança.

35 IEC Parte 5 Comunicações Esta parte define o modelo de comunicação, seus blocos funcionais e mecanismos para relacionamentos entre CPs e demais dispositivos de Sistemas de Automação. Atualmente com o avanço do padrão OPC, a comunicação entre CP e outros sistemas de nível hierárquico superior (SCADA, PIMS, MÊS, ERP) tem sido delegadas a este padrão OPC, ficando a parte 5 da norma para as orientações para trocas de dados entre CPs. Esta parte define tecnicamente: - Os subsistemas de comunicação de um CP; - Blocos funcionais de comunicação; - Meios de comunicação entre diferentes tipos de redes de comunicação; - Comunicação da saúde (Health) do CP e estados internos

36 IEC Parte 7 Programação de controle FUZZY Face ao surgimento e uso crescente das lógicas nebulosas ou difusas (fuzzy logics), foi incorporado recentemente à norma a parte 7 que trata desse assunto. A norma define e estrutura o uso de linguagem utilizada em programação difusa Fuzzy Control Language (FCL). Composta de 6 tópicos, essa parte define: - O escopo e objetivo da programação Fuzzy; - Referências normativas; - Termos técnicos; - Integração da lógica Fuzzy com os CPs; - Semânticas e sintaxes da FCL; - 5 anexos contendo definições, exemplos práticos, símbolos, abreviações e sinônimos ;

37 IEC Parte 8 Implementação das Linguagens A parte 8 da norma trata de orientações necessárias à implementação de elementos comuns e linguagens de programação definidas na parte 3. Tem por objetivo: - Orientar usuários envolvidos com programação, configuração, instalação e manutenção de CPs; - Melhorar as práticas e a garantia de qualidade durante a construção dos softwares mediante sistematização de ferramentas; - Orientar quanto ao uso de linguagens adicionais; - Orientação quanto ao uso de variáveis globais e locais;

38 IEC Parte 8 Implementação das Linguagens A parte 8 da norma trata de orientações necessárias à implementação de elementos comuns e linguagens de programação definidas na parte 3. Tem por objetivo: - Orientar usuários envolvidos com programação, configuração, instalação e manutenção de CPs; - Melhorar as práticas e a garantia de qualidade durante a construção dos softwares mediante sistematização de ferramentas; - Orientar quanto ao uso de linguagens adicionais; - Orientação quanto ao uso de variáveis globais e locais;

39 A organização PLCOPEN A PLCOPEN é uma organização mundial responsável pela divulgação, intercâmbio de soluções e certificação de projetos que venham a utilizar a norma IEC A PLCOPEN possui internamente diversos grupos de trabalhos ou Comitês Técnicos (TC), cada um deles responsável pela gestão de processos relacionados à norma: TC1 Normas: trabalha na melhoria da IEC 61131, recebendo sugestões e modificações de colaboradores interessados; TC2 Funções: padroniza o uso de funções e blocos já definidos e debugados por outros programadores e fornecedores de softwares;

40 A organização PLCOPEN TC3 Certificação: licencia laboratórios ou certifica instalações que implantem sistemas de automação projetados e instalados de acordo com a norma IEC 61131; TC4 Comunicações: trabalha na relação entre a comunicação e as linguagens de programação, via IEC sobre a IEC ; TC5 Software Seguro: faz recomendações quanto ao uso da norma IEC com relação a seu uso em sistemas de segurança, em especial a utilização em conformidade com as norma de segurança IEC E 61511; TC6 XML: trabalha na especificação e divulgação da padronização da norma IEC para uso com a linguagem XML (extensible Markup Language);

41 A organização PLCOPEN Finalmente, a PLCOPEN possui Comitês promocionais, responsáveis pela divulgação, promoção, distribuição de materiais, newsletters, etc, além de eventos e encontros da comunidade de programadores, fabricantes e usuários da norma a nível mundial. Para consultas e participação dessa comunidade, consulte o site da organização:

42 OBRIGADO! Anísio Chagas Bernardino Alves (27) (27)

Fundamentos de Automação. Controladores

Fundamentos de Automação. Controladores Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Controladores

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FICHA DE COMPONENTE CURRICULAR CÓDIGO: COMPONENTE CURRICULAR: CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS (CLPs) E DISPOSITIVOS INDUSTRIAIS UNIDADE ACADÊMICA OFERTANTE: SIGLA:

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DO NÍVEL DE CONTROLE EM SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL COM ÊNFASE AOS ASPECTOS DE SOFTWARES DOS CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS CLP s

OTIMIZAÇÃO DO NÍVEL DE CONTROLE EM SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL COM ÊNFASE AOS ASPECTOS DE SOFTWARES DOS CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS CLP s MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE PESQUISA E

Leia mais

Parte V Linguagem de Programação

Parte V Linguagem de Programação www.spei.br Sociedade Paranaense de Ensino e Informática Parte V Linguagem de Programação 2 1 Linguagens de Programação de CLPs As linguagens de programação permitem aos usuários se comunicar com o CLP

Leia mais

Automação Industrial. Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki. http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html

Automação Industrial. Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki. http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Automação Industrial Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html -Duas Aulas quinzenais -Datas: Engenharia Elétrica 08 e 18 de agosto 01, 15, 29 de setembro 13 e 27

Leia mais

CLP Controlador Lógico Programável

CLP Controlador Lógico Programável CLP Controlador Lógico Programável Luiz Carlos Farkas (LCF) Eduardo Calsan (EDC) Aula no. 05 CPU e Ciclo de Varredura CPU e Ciclo de Varredura - CPU - gerenciamento e processamento das informações do sistema.

Leia mais

Projetando Controladores Digitais com FPGA César da Costa

Projetando Controladores Digitais com FPGA César da Costa Projetando Controladores Digitais com FPGA César da Costa Novatec Editora Capítulo 1 Introdução No primeiro capítulo é feita uma introdução geral sobre controladores digitais baseados em microprocessador

Leia mais

Descrição do Produto. Altus S. A. 1

Descrição do Produto. Altus S. A. 1 Descrição do Produto O software MasterTool IEC é um ambiente completo de desenvolvimento de aplicações para os controladores programáveis da Série Duo. Esta ferramenta permite a programação e a configuração

Leia mais

A01 Controle Linguagens: IL e LD

A01 Controle Linguagens: IL e LD A01 Controle Linguagens: IL e LD Prof. Dr. Diolino J santos Filho Modelo Estrutural Interação entre os dispositivos A partir de agora adotaremos como modelo estrutural padrão o diagrama a seguir. Dispositivo

Leia mais

DIFERENÇAS ENTRE FUNÇÃO E BLOCO FUNCIONAL; CRIAÇÃO DE FUNÇÃO / BLOCO FUNCIONAL; UTILIZAÇÃO NO LADDER; EXEMPLO DE BLOCO FUNCIONAL;

DIFERENÇAS ENTRE FUNÇÃO E BLOCO FUNCIONAL; CRIAÇÃO DE FUNÇÃO / BLOCO FUNCIONAL; UTILIZAÇÃO NO LADDER; EXEMPLO DE BLOCO FUNCIONAL; Boletim Técnico EP3 11/07 Utilizando Funções e Blocos Funcionais de usuário pelo software A1 19 de outubro de 2007 O objetivo deste boletim é mostrar como utilizar o recurso de Funções (Functions) e Blocos

Leia mais

altus evolução em automação

altus evolução em automação Suporte Técnico 2010 altus evolução em automação Suporte Técnico Serviços altamente qualificados, para atender de forma eficiente todas as suas necessidade. 80% dos casos resolvidos em até 2 horas 89%

Leia mais

Automação Industrial Parte 2

Automação Industrial Parte 2 Automação Industrial Parte 2 Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Perspectiva Histórica Os primeiros sistemas de controle foram desenvolvidos durante a Revolução

Leia mais

Linguagens de Programação Bloco de Função, SFC e Texto Estruturado Automação Semestre 01/2015

Linguagens de Programação Bloco de Função, SFC e Texto Estruturado Automação Semestre 01/2015 Linguagens de Programação Bloco de Função, SFC e Texto Estruturado Automação Semestre 01/2015 Engenharia de Controle e Automação FENG ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO Linguagens de Programação Select

Leia mais

TECNOLOGIA EM MECATRÔNICA INDUSTRIAL CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS

TECNOLOGIA EM MECATRÔNICA INDUSTRIAL CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS TECNOLOGIA EM MECATRÔNICA INDUSTRIAL CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS TECNOLOGIA EM MECATRÔNICA INDUSTRIAL CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS Autor: Prof. Heliliano Carlos Sartori Guedes prof.helilianoguedes@gmail.com

Leia mais

Treinamento. ACE Schmersal Boituva - SP. Duvidas (15)3263-9800 suporte.linhalogica@schmersal.com.br

Treinamento. ACE Schmersal Boituva - SP. Duvidas (15)3263-9800 suporte.linhalogica@schmersal.com.br Treinamento ACE Schmersal Boituva - SP Duvidas (15)3263-9800 suporte.linhalogica@schmersal.com.br Produtos Schmersal Controladores e Inversores Princípio de Funcionamento de um Controlador Programavél

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Sistemas de Automação

Sistemas de Automação Sistemas de Automação Introdução Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

Controladores Lógicos Programáveis (CLPs)

Controladores Lógicos Programáveis (CLPs) Controladores Lógicos Programáveis (CLPs) A UU L AL A Uma empresa fabrica clipes em três tamanhos: grande, médio e pequeno. Seus clientes consomem os produtos dos três tamanhos, mas a empresa nunca conseguiu

Leia mais

Aperfeiçoamento Técnico com respeito ao Profissional.

Aperfeiçoamento Técnico com respeito ao Profissional. Política de Treinamento DME Aperfeiçoamento Técnico com respeito ao Profissional. A DME é uma empresa voltada para o atendimento das necessidades em conclusão e consumo de Energia Elétrica, consagrou-se

Leia mais

BlueWave Wide Automation System - WAS

BlueWave Wide Automation System - WAS BlueWave Wide Automation System - WAS www..com.br Simplesmente completo Convergente: recursos de vanguarda reunidos em um só produto Amigável: ambiente intuitivo e de fácil utilização Abrangente: soluções

Leia mais

Office São Paulo Rua Caçapava, 49 Jardim Paulista São Paulo SP Brasil CEP 01408-010 +55 (11)3061.5994 Fax +55 (11)3061.9796 www.bcmautomacao.com.

Office São Paulo Rua Caçapava, 49 Jardim Paulista São Paulo SP Brasil CEP 01408-010 +55 (11)3061.5994 Fax +55 (11)3061.9796 www.bcmautomacao.com. Este Treinamento abrange a configuração e programação da linha de Controladores Programáveis fabricados e comercializados pela e o Software de Programação PROCP. Indústria Porto Alegre Av. Ernesto Neugebauer,

Leia mais

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL Automação e Controle AR026 SUMÁRIO I. Sistemas Supervisórios... 3 II. Automação... 4 III. Arquitetura de Redes Industriais... 5 IV. Comunicação entre Supervisório e CLP...7 V. O Protocolo

Leia mais

Evolução dos Sistemas de Controle

Evolução dos Sistemas de Controle Nº Doc.: 0682-228 Rev.: 00 Data: 13/08/2002 Evolução dos Sistemas de Controle Índice 1. EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE CONTROLE...1 1.1 Introdução... 1 1.2 História dos Controladores de Processos... 1 1.3 Aplicações

Leia mais

CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMAVEL

CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMAVEL CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMAVEL Controlador Lógico Programável ( Hardware ) Para aprendermos como funciona um CLP, é necessário uma análise de seus componentes básicos, utilizados por todos os CLPs disponíveis

Leia mais

MasterTool Extended Edition

MasterTool Extended Edition Descrição do Produto O software MasterTool Extended Edition é a ferramenta de configuração e programação de equipamentos ALTUS (Série Grano, Série Ponto, Série PX e AL-2004), incluindo CPs e remotas. Esta

Leia mais

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Artigos Técnicos Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Marcelo Salvador, Diretor de Negócios da Elipse Software Ltda. Já faz algum tempo que ouvimos falar do controle e supervisão

Leia mais

Bancada Didática para CLP SIEMENS S7-1200 com Inversor - XC124 -

Bancada Didática para CLP SIEMENS S7-1200 com Inversor - XC124 - T e c n o l o g i a Bancada Didática para CLP SIEMENS S7-1200 com Inversor - XC124 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. Bancada Didática para CLP SIEMENS

Leia mais

4. Controlador Lógico Programável

4. Controlador Lógico Programável 4. Controlador Lógico Programável INTRODUÇÃO O Controlador Lógico Programável, ou simplesmente PLC (Programmiable Logic Controller), pode ser definido como um dispositivo de estado sólido - um Computador

Leia mais

Tecnologia da Informação. Visão Geral sobre Informática

Tecnologia da Informação. Visão Geral sobre Informática 9/18/2014 1 Tecnologia da Informação Visão Geral sobre Informática Trabalho compilado da internet Prof. Claudio Passos 9/18/2014 2 PROBLEMAS ADMINISTRATIVOS Volume de Informação Tempo de Resposta Aumento

Leia mais

Carlos Matias Billo Reivax Automação e Controle cmb@reivax.com.br. Gabriel Aurélio de Oliveira. Daniel Maurício Kamers. João Marcos Castro Soares

Carlos Matias Billo Reivax Automação e Controle cmb@reivax.com.br. Gabriel Aurélio de Oliveira. Daniel Maurício Kamers. João Marcos Castro Soares Carlos Matias Billo cmb@reivax.com.br João Marcos Castro Soares jms@reivax.com.br Tiago César Busatta tcb@reivax.com.br Daniel Maurício Kamers dmk@reivax.com.br Rafael Bertolini Paiva rbp@reivax.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO. Profª Danielle Casillo

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO. Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO Profª Danielle Casillo Utilizar os mesmos processos do trabalho anterior (Ladder já existente). Implementar este sistema

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS)

Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS) Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS) Definição Geral: Disciplina de Compiladores Prof. Jorge Bidarra (UNIOESTE) A especificação de requisitos tem como objetivo

Leia mais

SEGURANÇA NR12 AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

SEGURANÇA NR12 AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL SEGURANÇA NR12 AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL SOLUÇÕES INDUSTRIAIS. A EMPRESA Para a SAFE, a tecnologia é somente um dos elementos de qualquer solução industrial. Suporte e serviços técnicos de alto nível são ingredientes

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Conceito de Computador Um computador digital é

Leia mais

Migração de sistemas antigos. Avançando para um futuro competitivo

Migração de sistemas antigos. Avançando para um futuro competitivo Migração de sistemas antigos Avançando para um futuro competitivo A automação e controle é um dos mais importantes investimentos para garantir o sucesso da manufatura de qualquer indústria. Porém, por

Leia mais

Industrial SOLUÇÕES EM AUTOMAÇÃO

Industrial SOLUÇÕES EM AUTOMAÇÃO Industrial SOLUÇÕES EM AUTOMAÇÃO Soluções em Automação INDUSTRIAL TRAINING. STEP 5 Standard ( Básico). Duração: 40 horas. Público Alvo. Este curso se destina a profissionais das áreas de planejamento,

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE SELEÇÃO DE PEÇA USANDO CONCEITOS DE PROGRAMAÇÃO DE SISTEMA DE AUTOMAÇÃO. João Alvarez Peixoto*

IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE SELEÇÃO DE PEÇA USANDO CONCEITOS DE PROGRAMAÇÃO DE SISTEMA DE AUTOMAÇÃO. João Alvarez Peixoto* IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE SELEÇÃO DE PEÇA USANDO CONCEITOS DE PROGRAMAÇÃO DE SISTEMA DE AUTOMAÇÃO João Alvarez Peixoto* * Mestrando do Programa de Pós-graduação em Engenharia Elétrica - UFRGS Porto

Leia mais

Bancada Didática para CLP SCHNEIDER _ TWIDO - XC110 -

Bancada Didática para CLP SCHNEIDER _ TWIDO - XC110 - T e c n o l o g i a Bancada Didática para CLP SCHNEIDER _ TWIDO - XC110 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. Bancada Didática para CLP Schneider TWIDO

Leia mais

Bem-vindo à geração Nextoo. altus evolução em automação

Bem-vindo à geração Nextoo. altus evolução em automação Bem-vindo à geração Nextoo evolução em automação Série Nexto A nova geração de controladores A Altus apresenta a nova geração de Controladores Programáveis. A Série Nexto foi desenvolvida com o conceito

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Boletim Técnico R&D 03/08 CARACTERÍSTICAS DO DRIVER MPC6006L 14 de março de 2008

Boletim Técnico R&D 03/08 CARACTERÍSTICAS DO DRIVER MPC6006L 14 de março de 2008 Boletim Técnico R&D 03/08 CARACTERÍSTICAS DO DRIVER MPC6006L 14 de março de 2008 O objetivo deste boletim é mostrar as características do driver MPC6006L. Tópicos abordados neste boletim: APRESENTAÇÃO

Leia mais

Adicionando valor na produção

Adicionando valor na produção Adicionando valor na produção Em um mercado global altamente competitivo e em constantes transformações, a otimização do resultado dos processos de produção é fundamental. Pressões ambientais e de custo,

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente em sistemas ERP (Enterprise Resource

Leia mais

A Engenharia de Automação Automação Semestre 01/2015

A Engenharia de Automação Automação Semestre 01/2015 A Engenharia de Automação Automação Semestre 01/2015 Engenharia de Controle e Automação Sistemas Dinâmicos Classe dos Sistemas Dinâmicos: Tempo time-driven Descritos por equações diferenciais na variável

Leia mais

Bancada Didática para CLP SCHNEIDER _ TWIDO - XC113 -

Bancada Didática para CLP SCHNEIDER _ TWIDO - XC113 - T e c n o l o g i a Bancada Didática para CLP SCHNEIDER _ TWIDO - XC113 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. Bancada Didática para CLP Schneider TWIDO

Leia mais

CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS - CLP

CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS - CLP CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS - CLP O primeiro CLP surgiu na indústria automobilística, até então um usuário em potencial dos relés eletromagnéticos utilizados para controlar operações sequenciadas

Leia mais

Treinamentos 2014. GE Intelligent Platforms

Treinamentos 2014. GE Intelligent Platforms Treinamentos 2014 GE Intelligent Platforms Curso de Configuração e Operação Painel de Operação IHM Quick Panel Permitir ao aluno conhecer o Painel de Operação Quick Panel View IHM, suas características

Leia mais

Até meados da década de 60, todo o controle dos processos fabris, nas indústrias e fabricações em geral, era feito através de lógica de relês.

Até meados da década de 60, todo o controle dos processos fabris, nas indústrias e fabricações em geral, era feito através de lógica de relês. - Introdução Até meados da década de 60, todo o controle dos processos fabris, nas indústrias e fabricações em geral, era feito através de lógica de relês. Os relês são elementos versáteis que possuem

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas. Engenharia de Software. Análise e Projeto de Sistemas. Contextualização. Perspectiva Histórica. A Evolução do Software

Análise e Projeto de Sistemas. Engenharia de Software. Análise e Projeto de Sistemas. Contextualização. Perspectiva Histórica. A Evolução do Software Análise e Projeto de Sistemas Análise e Projeto de Sistemas Contextualização ENGENHARIA DE SOFTWARE ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS ENGENHARIA DA INFORMAÇÃO Perspectiva Histórica Engenharia de Software 1940:

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software Revista Cadware Ed.22 versão online 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente

Leia mais

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Todos direitos reservados. Proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer processo mecânico, eletrônico, reprográfico, etc., sem a autorização, por escrito, do(s) autor(es) e da editora. LÓGICA DE

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

Automação. Industrial. Prof. Alexandre Landim

Automação. Industrial. Prof. Alexandre Landim Automação Industrial Prof. Alexandre Landim Automação Industrial Controladores Lógicos Programáveis Parte 1 1. Introdução O Controlador Lógico Programável, ou simplesmente CLP, tem revolucionado os comandos

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos Introdução a Engenharia de Requisitos Professor: Ricardo Argenton Ramos Aula 08 Slide 1 Objetivos Introduzir a noção de requisitos do sistema e o processo da engenharia de requisitos.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Profª Danielle Casillo

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Profª Danielle Casillo Nome: Automação e Controle Créditos: 4 60 horas Período: 2010.2 Horário: quartas e sextas das 20:40 às 22:20

Leia mais

Sistemas de Supervisão e IHM s Automação Semestre 01/2015

Sistemas de Supervisão e IHM s Automação Semestre 01/2015 Sistemas de Supervisão e IHM s Automação Semestre 01/2015 Engenharia de Controle e Automação Introdução Sistemas Supervisórios são sistemas digitais de monitoração e operação da planta que gerenciam as

Leia mais

Capítulo X Automação elétrica industrial Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL)

Capítulo X Automação elétrica industrial Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) 52 Apoio Automação de subestações Capítulo X Automação elétrica industrial Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) A instalação de relés microprocessados em indústrias tornou-se

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 1 OBJETIVOS 1. Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações e transações empresariais?

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1 6 OBJETIVOS OBJETIVOS ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6.1 2003 by Prentice Hall Qual é a capacidade de processamento e armazenagem

Leia mais

TABELA DE EQUIVALÊNCIA FECOMP Curso de Engenharia de Computação

TABELA DE EQUIVALÊNCIA FECOMP Curso de Engenharia de Computação TABELA DE EQUIVALÊNCIA FECOMP Curso de Engenharia de Computação Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 66303 ESTRUTURA DE DADOS I 68/0 ENG. DE

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - O NÍVEL DA MICROARQUITETURA 1. INTRODUÇÃO Este é o nível cuja função é implementar a camada ISA (Instruction Set Architeture). O seu projeto depende da arquitetura do conjunto das instruções

Leia mais

GUIA DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DIGITAIS PARA O CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO

GUIA DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DIGITAIS PARA O CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO GUIA DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DIGITAIS PARA O CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO Agosto/2004 V2 INTRODUÇÃO Este guia foi preparado para auxilio às aulas de laboratório para o curso de Engenharia

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica Laboratório de Informática Industrial

Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica Laboratório de Informática Industrial Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica Laboratório de Informática Industrial 8ª AULA - PROGRAMAÇÃO SOB A NORMA IEC 61131-3 (I): INTRODUÇÃO Objetivos:

Leia mais

SOLUÇÕES INDUSTRIAIS

SOLUÇÕES INDUSTRIAIS Soluções em Tecnologia de Automação e Informação SOLUÇÕES INDUSTRIAIS LOGANN Soluções Especiais ESPECIALIDADES AUTOMAÇÃO E CONTROLE INDUSTRIAL Atuação em sistemas de controle, aquisição de dados e supervisão

Leia mais

Aula 03 Redes Industriais. Informática Industrial II ENG1023 Profª. Letícia Chaves

Aula 03 Redes Industriais. Informática Industrial II ENG1023 Profª. Letícia Chaves 1 Aula 03 Redes Industriais Informática Industrial II ENG1023 Profª. Letícia Chaves Plano de aula Tópicos da aula: 1 Introdução 2 Benefícios na utilização de redes 3 Dificuldades na utilização de redes

Leia mais

MC-102 Aula 01. Instituto de Computação Unicamp

MC-102 Aula 01. Instituto de Computação Unicamp MC-102 Aula 01 Introdução à Programação de Computadores Instituto de Computação Unicamp 2015 Roteiro 1 Por que aprender a programar? 2 Hardware e Software 3 Organização de um ambiente computacional 4 Algoritmos

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

IEC 1131-3 Ladder SUPORTE DE CURSO. Livro Texto: Programming industrial control systems using IEC 1131-3 R.W. Lewis

IEC 1131-3 Ladder SUPORTE DE CURSO. Livro Texto: Programming industrial control systems using IEC 1131-3 R.W. Lewis SUORTE DE CURSO IEC 1131-3 Ladder Livro Texto: rogramming industrial control systems using IEC 1131-3 R.W. Lewis UFMG Informática Industrial rof. Constantino Seixas Filho IEC1131-3 - Ladder 1 IEC 1131-3

Leia mais

Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS

Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS 2012 Relevância: Impacta diretamente na saúde do paciente, na qualidade do produto e na integridade dos dados que devem provar que o sistema

Leia mais

Programação Básica em STEP 7 Operações Binárias. SITRAIN Training for Automation and Drives. Página 6-1

Programação Básica em STEP 7 Operações Binárias. SITRAIN Training for Automation and Drives. Página 6-1 Conteúdo Página Operações Lógicas Binárias: AND, OR...2 Operações Lógicas Binárias: OR Exclusivo (XOR)...3 Contatos Normalmente Abertos e Normalmente Fechados. Sensores e Símbolos... 4 Exercício...5 Resultado

Leia mais

Arquitetura de Computadores Paralelismo, CISC X RISC, Interpretação X Tradução, Caminho de dados

Arquitetura de Computadores Paralelismo, CISC X RISC, Interpretação X Tradução, Caminho de dados Arquitetura de Computadores Paralelismo, CISC X RISC, Interpretação X Tradução, Caminho de dados Organização de um Computador Típico Memória: Armazena dados e programas. Processador (CPU - Central Processing

Leia mais

DOCUMENTO DE REQUISITOS

DOCUMENTO DE REQUISITOS DOCUMENTO DE REQUISITOS ID documento: Data: / / Versão : Responsável pelo documento: ID Projeto: HISTÓRICO DE REVISÕES Data de criação/ atualização Descrição da(s) Mudança(s) Ocorrida(s) Autor Versão do

Leia mais

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador P7C - HI Tecnologia 7C O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador P7C da HI tecnologia (PMU10700100). A lista de verbetes consta na versão

Leia mais

Introdução a UML. Hélder Antero Amaral Nunes haanunes@gmail.com

Introdução a UML. Hélder Antero Amaral Nunes haanunes@gmail.com Introdução a UML Hélder Antero Amaral Nunes haanunes@gmail.com Introdução a UML UML (Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada) é uma linguagem-padrão para a elaboração da estrutura de

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

SIS17-Arquitetura de Computadores

SIS17-Arquitetura de Computadores Sistema de Computação SIS17-Arquitetura de Computadores Apresentação da Disciplina Peopleware Hardware Software Carga Horária: 40 horas 2 Computadores atuais Unidade Central de Processamento Entrada Computadores

Leia mais

Software Médico. Embarcado

Software Médico. Embarcado Software Médico Embarcado III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica Porto Alegre 24 de Novembro de 2012 Tecnologias utilizadas no século passado em EEm s nas décadas de 60/70 Programação de Sistemas

Leia mais

1. CAPÍTULO COMPUTADORES

1. CAPÍTULO COMPUTADORES 1. CAPÍTULO COMPUTADORES 1.1. Computadores Denomina-se computador uma máquina capaz de executar variados tipos de tratamento automático de informações ou processamento de dados. Os primeiros eram capazes

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

Série Hadron Xtorm Unidades Terminais Remotas

Série Hadron Xtorm Unidades Terminais Remotas Série Hadron Xtorm Unidades Terminais Remotas www.altus.com.br Superando seus desafios Rápido: processamento superior e protocolos de alto desempenho Robusto: design para operação em ambientes críticos

Leia mais

SERVIÇOS DE ADEQUAÇÃO CONFIGURAÇÃO E INSTALAÇÃO DE REDES ADEQUAÇÃO DE PAINÉIS

SERVIÇOS DE ADEQUAÇÃO CONFIGURAÇÃO E INSTALAÇÃO DE REDES ADEQUAÇÃO DE PAINÉIS SERVIÇOS DE ADEQUAÇÃO SERVIÇOS DE ADEQUAÇÃO ENGENHARIA MONTAGEM DE PAINÉIS AUTOMAÇÃO CONFIGURAÇÃO E INSTALAÇÃO DE REDES A EMPRESA A Altercon Engenharia em Automação e Sistemas Industriais Ltda., foi constituída

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de Computadores I Organização Básica B de Computadores

Leia mais

Política de Treinamento DME

Política de Treinamento DME Política de Treinamento DME Aperfeiçoamento Técnico com respeito ao Profissional. A DME é uma empresa voltada para o atendimento das necessidades em conclusão e consumo de Energia Elétrica, consagrou-se

Leia mais

MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE AUTOMAÇAO DE UMA FABRICA DE CIMENTO

MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE AUTOMAÇAO DE UMA FABRICA DE CIMENTO MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE AUTOMAÇAO DE UMA FABRICA DE CIMENTO Giancarlo Borges de Avelar - Automaton Integração de Sistemas Leopoldo José Naves Alves, AUTOMATON Marcio L Martins Neto - MULTIPLUS 19 a

Leia mais

A automação em nossas vidas 25/10/2015. Módulo IV Tecnologia. TECNOLOGIA Conceito e História

A automação em nossas vidas 25/10/2015. Módulo IV Tecnologia. TECNOLOGIA Conceito e História Módulo IV Tecnologia Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. TECNOLOGIA Conceito e História A automação em nossas vidas Objetivo: Facilitar nossas vidas no dia-a-dia Em casa: Lavando roupa Esquentando leite

Leia mais

Funções de Posicionamento para Controle de Eixos

Funções de Posicionamento para Controle de Eixos Funções de Posicionamento para Controle de Eixos Resumo Atualmente muitos Controladores Programáveis (CPs) classificados como de pequeno porte possuem, integrados em um único invólucro, uma densidade significativa

Leia mais

Controle de Temperatura de Transformador

Controle de Temperatura de Transformador Controle de Temperatura de Transformador Eng. Vitor Donaduzzi Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS Email: vitordonaduzzi@gmail.com Resumo Este artigo tem o objetivo de apresentar um projeto

Leia mais

AUTOMAÇÃO. Entende-se por automático todo processo que se desenvolve sem a necessidade de intervenção humana (medição, decisão e ação corretiva).

AUTOMAÇÃO. Entende-se por automático todo processo que se desenvolve sem a necessidade de intervenção humana (medição, decisão e ação corretiva). AUTOMAÇÃO 1. INTRODUÇÃO Atualmente a automação tornou-se parte do cotidiano com diversas aplicações na área doméstica, comercial e, principalmente, industrial. Entende-se por automático todo processo que

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Profª Danielle Casillo

Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Automação e Controle Aula 07 Linguagem Ladder Profª Danielle Casillo A LINGUAGEM LADDER Foi a primeira que surgiu para programação

Leia mais

FERRAMENTA DE APOIO AO ENSINO DE LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO INDUSTRIAL

FERRAMENTA DE APOIO AO ENSINO DE LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO INDUSTRIAL FERRAMENTA DE APOIO AO ENSINO DE LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO INDUSTRIAL Calos E. Pereira cpereira@delet.ufrgs.br Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Departamento de Engenharia Elétrica Osvaldo Aranha

Leia mais