Brain-Computer Interface Charles Moyes, Mengxiang Jiang Cornell University, USA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Brain-Computer Interface Charles Moyes, Mengxiang Jiang Cornell University, USA"

Transcrição

1 Resumo de Artigo: Brain-Computer Interface Charles Moyes, Mengxiang Jiang Cornell University, USA Adaptado e traduzido por Francisco Fambrini Faccamp- Brazil Este artigo apresenta um resumo do artigo em referência [1]. l Introdução Trata-se da descrição de um equipamento de EEG (eletroencefalograma) de um único canal de amostragem, usando um microcontrolador AVR (Atmel ATMega 644) capaz de gerar um vídeo-game do tipo pong e controlar uma das raquetes do jogo usando ondas cerebrais. Exemplifica como se pode construir um simples BCI (Brain-Computer Interface) a partir de uma placa eletrônica amplificador de EEG. 1. Sensores e Eletrodos Inicialmente, os autores construíram os sensores de EEG usando um velho capacete de baseball modificado e adaptando a este um conjunto de eletrodos seguindo o Sistema Internacional de posicionamento, incluindo eletrodos nos seguinte locais no couro cabeludo: lobo occipital (O), lobo Central (Fz, Pz, C3, C4, Cz), e do lobo frontal (Fp1, Fp2, G) conforme a figura 1, referência [9]. Figura 1: Localização dos eletrodos sensores no couro cabeludo [9].

2 2 Blocos que compõe o hardware Os blocos que compõe o hardware proposto pelos autores são mostrados na figura 2. Um amplificador de Instrumentação mais um amplificador operacional no modo não-inversor formam um amplificador com ganho total de 1500 vezes. A seguir temos filtros com a finalidade de atenuar ruídos de 60 Hz provenientes da rede elétrica, eliminar a componente DC do sinal e outras fontes de ruídos. O ruído de modo comum é medido usando-se um circuito denominado excitador de perna direita (o termo em inglês é right-leg driver ), ligado na região do osso mastóide ou no lóbulo da orelha do paciente. Nos equipamentos de ECG (eletrocardiograma) esse sinal de excitador é ligado realmente à perna direita do paciente, advindo daí esse nome. Após os filtros, o sinal é aplicado ao Conversor AD (Analógico/Digital) interno ao microcontrolador ATMega644 (do fabricante ATMEL ) e será digitalizado. Figura 2: Diagrama de blocos do hardware proposto. Após ser digitalizado pelo microcontrolador, o sinal é entregue ao computador via porta USB, usando-se para isso um chip FTDI (transceiver serial-usb). O computador é um notebook alimentado a bateria, para evitar o uso de fontes a partir da rede elétrica, que poderia aumentar o ruído e oferecer maiores riscos ao paciente pela conexão com a rede elétrica. O computador roda um algoritmo escrito no programa MATLAB que consiste de um FFT (Fast Fourier Transformer) ou Transformada Rápida de Fourier, com a finalidade de extrair a composição espectral do sinal aplicado, além de um filtro Butterworth digital escrito em linguagem C, para permitir velocidade de processamento em tempo real. A finalidade desse filtro digital é eliminar o ruído de 60 Hz ( notch filter). Além desses, o computador roda ainda um software escrito em linguagem OpenGL que simula o game pong onde duas raquetes com gráficos bem simples defendem uma bola que rebate nos cantos da tela, semelhante a um jogo de ping-pong. A raquete esquerda é controlada pelas ondas cerebrais do jogador que usa o capacete com os eletrodos.

3 3 Amplificador A figura 3 mostra o esquema eletrônico do amplificador. O estágio inicial consiste de um circuito integrado amplificador de instrumentação (AI) modelo AD620 do fabricante Analog Devices, que possui um ganho de 23 vezes. Os eletrodos ativos são aplicados aos pinos 2 e 3 (respectivamente entradas não-inversora e inversora do AI). Um eletrodo denominado neutro (que faz o sinal de terra) também é ligado a esse estágio. Esse circuito foi baseado em [8]. A seguir, a saída desse primeiro amplificador é aplicada a outro estágio que além de amplificar, contém também um filtro passa-altas e um filtro passa-baixas RC passivo. O ganho desse segundo estágio pode ser ajustado desde 1 até 65. Quando o ganho do segundo estágio é ajustado para 65 vezes, o ganho total do sistema será G = 23 x 65 = 1485 vezes. Esse segundo estágio faz uso de um dos Amplificadores Operacionais contidos internamente dentro do chip CA3140 do fabricante Texas. O ganho do segundo estágio é ajustado pelo potenciômetro R3. O filtro passa-altas tem freqüência de corte aproximada igual a 0,13Hz e o filtro passa-baixas tem freqüência de corte de 48 Hz, valores esses determinados pelos autores do projeto. Outro amplificador operacional (AO) contido dentro desse mesmo chip CA3140 é usado para produzir a fonte de tensão de referência de 2,5 volts. Essa referência de 2,5V é necessária porque o sistema todo é alimentado com 5 volts e torna-se necessário um terra virtual que seja a metade da tensão da fonte. Desse modo, o amplificador é alimentado com +Vcc= 5V, -Vcc=0 volt e Terra=2,5V. Isso é necessário para o correto funcionamento dos amplificadores operacionais, os quais exigem o uso de fonte simétrica. Na figura 3 temos o esquema completo do amplificador descrito acima. Esse amplificador é baseado no projeto de Chip Epstein [8]. Figura 3: Amplificador de EEG usado pelos autores do artigo.

4 4. Sinal de Calibração e Testes Um sinal de 125 µv (Vpp), frequencia de 10 Hz, forma de onda quadrada, foi gerado pelo microcontrolador AVR como sinal de calibração e está dentro da faixa de tensão de referência do conversor ADC (0-1,1 V). Tal sinal foi aplicado pelos autores à entrada do amplificador para efeito de testes de todo o sistema e foi lido e amostrado na tela do computador. O sinal de calibração aparece na tela do MATLAB com o aspecto mostrado na figura 4. A onda quadrada originalmente gerada, após aplicada aos filtros, é diferenciada pelo filtro passa-altas, e o resultado é um sinal que correpsonde à derivada do sinal original [8]. Figura 4: sinal de calibração sendo mostrado no computador através do MATLAB 5 Sinal de Eletroencefalograma O Sinal de Eletroencefalograma possui diversas componentes separadas por freqüência. a) Ondas Delta: características do sono profundo, possuem elevadas amplitudes e freqüência entre 0 e 4 Hz; b) Ondas Teta: possuem freqüências na faixa de 4 a 8 Hz e ocorrem em estados de meditação, ritmo lento ou de sonolência; c) Ondas Alfa: tem freqüência entre 8 e 14 Hz e ocorrem nos estados de relaxamento ou reflexão ou ao fechar os olhos (sendo essa característica importante, pois está sob controle voluntário do indivíduo); d) Ondas Beta: tem freqüências entre 13 e 30 Hz e são características do usuário alerta ou ativo; aparecem quando o usuário está concentrado; e) Ondas Gama: freqüências entre 30 Hz e 100 Hz e ocorrem durante o processamento sensorial de sons e de visão; f) Ondas Mu: ocorrem na faixa de frequência 8-13 Hz, enquanto os neurônios motores estão em repouso. Supressão das ondas Mu ocorre quando o usuário imagina mover ou realmente move as partes do seu corpo. A figura 5 mostra um diagrama dos sinais que aparecem em EEG.

5 Figura 5 : Sinais que aparecem no EEG, de [12,13,14] Os sinais de EEG também contém Potenciais Relacionados a Eventos (ERPs). Um exemplo de ERP é o sinal P300 que ocorre quando usuário reconhece um item em uma seqüência de eventos que ocorrem aleatoriamente apresentados com uma distribuição de Bernoulli. É emitido com uma latência de cerca de ms e mostra-se se como uma deformação do sinal EEG, conforme mostrado na figura 6: Figura 6: Potencial Relacionado a Eventos (ERP) do tipo P300 extraído de [7]. Outras manifestacões apresentam-se no sinal de EEG, como por exemplo o movimento de piscar de olhos [7]. Uma ilustração de um sinal interrompido pelo piscar de olhos é mostrado na figura 7:

6 7 Filtros Digitais Figura 7: Sinal interrompido pelo piscar de olhos do usuário de EEG Com a finalidade de filtrar os dados da onda captada pelo amplificador de EEG no MATLAB, foi usado um filtro digital do tipo FIR (Filtro de Resposta ao Impulso Finito) que opera sobre as últimas N +1 amostas recebidos do conversor AD do microcontrolador Atmega. Em processamento de sinais, a saída y de um Sistema Linear e invariante no tempo (LTI) é obtida através da convolução do sinal de entrada x com a resposta de impulso h. Esta função h "caracteriza o" sistema LTI, ref. [16, 36]. A equação do filtro FIR, em termos de sequência de saída y [n] e a sequência de entrada x [n] é: y[n]=h0x[n]+h1x[n 1]+ +hnx[n N] (1) Apenas N coeficiente são utilizados para este filtro (portanto, trata-se de um filtro resposta ao impulso finito ). Se deixar N, então o filtro torna-se um Filtro de resposta de impulso infinito ( Fitro do tipo IIR ) [16, 36]. Um filtro digital para eliminar o sinal de 60 Hz proveniente da rede elétrica também foi acrescentado e escrito no software MATLAB [37]. 8 Transformada Discreta de Fourier (DFT) A transformada de Fourier discreta (DFT) transforma uma sequência de N números complexos no domínio do tempo em uma outra sequência N no domínio de frequência através da relação (2): e (2) Um algoritmo denominado Transformada Rápida de Fourier (FFT) ( Cooley e Tukey, 2004, [4] ), existe para executar DFT em complexidade computacional O (n.log n) em vez de O ( ). Os autores aproveitaram este aumento de velocidade para executar DFTs em tempo real sobre os sinais de entrada, citado em detalhes em [4]. 9 Máquina de Suporte Vetorial (SVM) Para que o computador aprenda a interpretar corretamente os sinais provenientes do cerebro do usuário (ondas captadas no EEG) um algoritmo de aprendizagem foi usado. O algoritmo de aprendizado de máquina utilizado foi uma Máquina de Suporte Vetorial (SVM), que é um classificador que opera em um espaço dimensional maior e faz tentativas de rotular os vetores dos dados usando uma divisão do hiperplano [3]. O método de aprendizagem supervisionada toma um conjunto de dados de treinamento e constrói um modelo que seja capaz de rotular os dados de teste desconhecidos [3].

7 Durante o treinamento, passa-se um conjunto de pares da forma {(, yi): i = 1,..., l}, onde as instâncias são vetores n-dimensionais tais que. As n dimensões representam n "características" distintas. Além disso, os identificadores são na forma y {1, -1}, em que 1 e -1 representam acerto e nãoacerto respectivamente. Para "treinar" a máquina SVM para reconhecer vetores de entrada desconhecidos, o problema é resolvido através da minimização dada pela equação (4): (4) Note-se que φ é uma função que mapeia os vectores de formação para um espaço de dimensão mais elevada, ao passo que C> 0 e ξi actuam como termos de erro (as chamadas "variáveis de folga"). Além disso, K é a função de núcleo, que é definido como: Para os propósitos dos autores, foi utilizada uma função de núcleo de base radial (RBF), que tem uma função K tal que: (5) onde γ> 0 representa um parâmetro ajustável pelo usuário. Isso está descrito em detalhs no artigo [3]. 10 Ajustes de Software e de Hardware MATLAB usa Linguagem interpretada, o que impõe redução de velocidade para processamento de sinais em tempo real, sendo impossivel para o computador capturar sinais a uma velocidade de bauds a partir da porta USB e processar em tempo real no MATLAB. Assim, os autores optaram por escrever um aplicativo em C usando o ambiente OpenGL [37], que é capaz de plotar gráficos a uma taxa de frames por segundo na tela do computador (bem acima da taxa de amostragem de 200 Hz do conversor AD do microcontrolador) e é capaz de realizar FFT (Transformada Rápida de Fourier) em tempo real. Outra opção, melhor, mais cara e mais rápida, seria fazer todo esse processamento usando-se um chip FPGA, especficamente projetado para tal. A comunicação serial seguiu as normas RS232/USB graças ao uso de um chip especifico da FTDI. Existe um formato padrão de dados para transmitir sinais de EEG que é normalmente usado para transmitir dados de EEG sobre porta serial de computador, no entanto, os autores usaram a saída do terminal ASCII (valores de 16-bits inteiros em ASCII separados por quebras de linha) por uma questão de simplicidade, facilidade de depuração, e compatibilidade com MATLAB, ref.[36]. Padrão IEC601: trata-se de um padrão de segurança médica para os dispositivos que garante que eles são seguros para uso em pacientes. Os autores tentaram seguir essa norma tanto quanto possivel, alimentando todos os circuitos com baterias (ao invés de fontes a partir da rede elétrica) visando a segurança do usuário/paciente do ponto de vista de isolamento de choques elétricos. Ainda por questões de segurança (6)

8 do paciente, o isolamento eletrico entre o computador e conversor AD foi garantido pelo uso de um optoisolador conforme esquematizado na figura 8. Figura 8: Opto-isolador usado para separar eletricamente o computador do conversor AD. A figura 9 mostra o resultado da tela gráfica gerada pelo OpenGL, já com o sinal de EEG sendo mostrado e também com o video-game pong cuja raquete esquerda (em vermelho) é controlada pelo padrão de ondas cerebral do usuário do capacete [ 37 ]: Figura 9: tela gráfica do computador mostrando o sinal de EEG junto com o game pong.

9 O código-fonte completo usado pelos autores está em [15]. 11 Código do BCI (Brain Computer Interface) A parte mais importante do software Pong é o código main.cpp que atualiza a posição da raquete esquerda de acordo com as ondas do cérebro do usuário. Existem dois modos de controle: através da Modulação do Ritmo Alfa (8 até 13 Hz) que possibilita um controle proporcional através das ondas alfa e através da Supressão do Ritmo Mu. Durante o modo de controle de Ritmo Alfa, os eletrodos são colocados na frente da cabeça do usuário (perto do lobo frontal) sendo que o usuário se concentra para mover a raquete para baixo e relaxa para mover a raquete para cima. No método de controle baseado na Supressão de Ritmo Mu (8 a 13 Hz) o usuário imagina que está movimentando seu pé para cima e para baixo (ou pode mover de fato) e se a Supressão Mu atinge um limite pré-estabelecido e ajustável através de uma variável chamada mu_threshold, então a raquete se move para baixo, caso contrário ela se move para cima. Nesse caso o usuário posiciona o eletrodo no topo do couro cabeludo perto do córtex sensoriomotor (localizações 10-20, posições C3 e C4, figura 1). Ambos os métodos trabalham igualmente bem [1] mas existem usuários que preferem o controle através da modulação do Ritmo Alfa e outros que preferem a modulação através do método de Supressão do Ritmo Mu, ref. [11]. 12 Detetor do Pulso P300 O código de detecção do P300 foi uma tentativa de monitorar eletronicamente quais cores um usuário está pensando a partir de um conjunto discreto de cores mostradas aleatoriamente na tela do computador. Cores são mostradas na tela do computador e as variações do P300 são gravadas e são usadas pela Máquina SVM para o aprendizado do software. Depois, o usuário tentaria reproduzir tais cores na tela do computador apenas pensando nelas. Esse experimento não foi bem sucedido, a repetibilidade ficou inferior a 64% (os motivos não são explicados pelos autores no artigo), mas mesmo assim o código é apresentado em [15] para que outros pesquisadores possam reproduzir o experimento em novas tentativas. 13 Outras Aplicações Existem diversas aplicações para esse sistema além do simples controle do vídeo-game pong proposto neste artigo. Num outro experimento, os usuários controlaram um cursor em duas dimensões através da tela do computador, apenas imaginando que eles estavam movendo a mão esquerda, mão direita ou movendo os pés. Esse esquema de controle necessita três canais de medida em três localizações do córtex sensoriomotor perto do topo da cabeça: lado esquerdo do usuário (ponto C3, figura 1), centro (Cz) e lado direito do usuário (C4). Embora o sistema descrito nesse artigo tenha apenas um canal, foi possível estender o sistema para suportar o controle de um cursor em 2 dimensões detectando o piscar dos olhos e usando isso como o click do mouse. Outra aplicação importante dessa tecnologia seria entre os usuários com necessidades especiais para controlar o movimento do mouse do computador, sem usar as mãos. Outras aplicações envolvem o neurofeedback : cria-se uma malha fechada para prender a atenção do usuário ou para tratar distúrbios de atenção e hiperatividade. O usuário visualiza ou ouve sons e ao mesmo tempo tenta manipular a intensidade do seu ritmo Alfa. Esse neurofeedback tem aplicações militares e bélicas também, pois os soldados podem ser treinados para não perderem o foco e a atenção em situações de stress. O jogo pong pode ser visto como um dispositivo de neurofeedback uma vez que o nível de concentração do usuário é monitorado através do controle da posição da raquete esquerda.

10 Referências Bibliográficas [1] l, site na internet acessado em Fevereiro de [2] [3] [4] [5] [7] [8] https://sites.google.com/site/chipstein/home-page/eeg-with-an-arduino [9] [10] ftp://ansuk.org/pub/clinical_governance/dig_eeg.pdf [11] https://github.com/thechuckster/eeg_bci [12] [13] (http://en.wikipedia.org/wiki/stage_2_sleep [14] [15] https://github.com/thechuckster/eeg_bci [16] Bilbiografia citada pelos autores do trabalho original: [17] Matsuoka, G. and Sugi, T. and Kawana, F. and Nakamura, M. Automatic detection of apnea and EEG arousals for sleep apnea syndrome. In ICCAS-SICE, 2009, pages [18] F. Lotte. A review of classification algorithms for EEG-based brain computer interfaces. In Journal of Neural Engineering, [19] Hazrati MKh and Efranian A. An online EEG-based brain-computer interface for controlling hand grasp using an adaptive probabilisitc neural network. In PubMed, [20] Jorge Baztarrica Ochoa. EEG Signal Classification for Brain Computer Interface Applications. Thesis, École Polytechnique Federale de Lausanne, [21] Kouhyar Tavakolian, Faratash Vasefi, Kaveh Naziripour, and Siamak Reazei. Mental task classification for brain computer interface applications. In First Canadian Student Conference on Biomedical Programming.

11 [22] Yuanqing Li, Chuanchu Wang, Haihong Zhang, and Cuntai Guan. An EEG-based BCI System for 2D Cursor Control. [23] Ali S. AlMejrad. Human Emotions Detection using Brain Wave Signals. In European Journal of Scientific Research, 2010, pages [24] Akinari Onishi, Yu Zhang, Qibin Zhao, Andrzej Cichocki. Fast and Reliable P300-Based BCI with Facial Images. [25] Christoph Guger, et al. Rapid Prototyping of an EEG-based Brain-Computer Interface (BCI). University of Technology Graz, Austria. [26] Schoresch Presentation Slides: Neurofeedback - applied neuroscience Kompetenzzentrum für Neurofeedback. [27] Hideaki Touyama. EEG-Based Personal Identification Toyama Perfectural University, Japan. [28] Chih-Wei Hsu, Chih-Chung Chang, and Chih-Jen Lin. A Practical Guide to Support Vector Classification Department of Computer Science, National Taiwan University, Taiwan. [29] Muhammad Bilal Khalid, et al. Think. Done! A Brain Computer Interface (BCI) Thesis, National University of Sciences and Technology, Rawalpindi. [30] Kana Omori, Tomonari Yamaguchi, and Katsuhiro Inoue. Feature Extraction from EEG Signals in P300 Spelling System ICROS-SICE International Joint Conferent 2009, Fukuoka International Congress Center, Japan. [31] Dandan Huang, et al. Decoding human motor activity from EEG single trials for a discrete twodimensional cursor control. IOP Publishing, Journal of Neural Engineering, [32] Ulrich Hoffmann, et al. An efficient P300-based brain-computer interface for disabled subjects. Elsevier, Journal of Neuroscience Methods 2008, pages [33] Cornell ECE 4760 Lab 2 ADC Sleep Example [34] chipstein: Homebrew DIY EEG, EKG, and EMG https://sites.google.com/site/chipstein/home-page/eeg-with-an-arduino [35] Joerg Wunsch's UART AVR C Code [36] MATLAB Notch Filter Implementation Example [37] NeHe Productions: OpenGL Tutorials (Template code for OpenGL font rendering and "OpenGL with SDL" example) [38] flipcode - Safe sprintf Example

ESTUDO E DESENVOLVIMENTO DA INTERAÇÃO CÉREBRO-COMPUTADOR: CONTROLE DE DISPOSITIVOS MECATRÔNICOS ATRAVÉS DA MENTE

ESTUDO E DESENVOLVIMENTO DA INTERAÇÃO CÉREBRO-COMPUTADOR: CONTROLE DE DISPOSITIVOS MECATRÔNICOS ATRAVÉS DA MENTE 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 ESTUDO E DESENVOLVIMENTO DA INTERAÇÃO CÉREBRO-COMPUTADOR: CONTROLE DE DISPOSITIVOS MECATRÔNICOS ATRAVÉS DA MENTE Humberto Vinicius Paulino Baena 1 ; Munif

Leia mais

Monitor Cardíaco. Universidade Federal de Santa Maria Centro de Tecnologia Departamento de Eletrônica e Computação

Monitor Cardíaco. Universidade Federal de Santa Maria Centro de Tecnologia Departamento de Eletrônica e Computação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Tecnologia Departamento de Eletrônica e Computação Monitor Cardíaco Proposta de Trabalho de Conclusão de Curso Prof. Giovani Baratto Santa Maria Agosto de

Leia mais

Sistemas de Aquisição de Dados Baseado em Microcontroladores

Sistemas de Aquisição de Dados Baseado em Microcontroladores Universidade Federal do Pará Laboratório de Sensores e Sistemas Embarcados (LASSE) Sistemas de Aquisição de Dados Baseado em Microcontroladores Rodrigo Williams Rodrigues Ataíde rodrigowra@ufpa.br 26 de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA SÉRIE DE EXERCÍCIO #A (1) CONVERSOR A/D APROXIMAÇÃO SUCESSIVA (SAR) A figura

Leia mais

Espectro da Voz e Conversão A/D

Espectro da Voz e Conversão A/D INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES GUIA DO 1º TRABALHO DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES I Espectro da Voz e Conversão A/D Ano Lectivo de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS CONVERSORES DIGITAL-ANALÓGICOS PARA CONTROLE DE POLARIZAÇÃO

DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS CONVERSORES DIGITAL-ANALÓGICOS PARA CONTROLE DE POLARIZAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS CONVERSORES DIGITAL-ANALÓGICOS PARA CONTROLE DE POLARIZAÇÃO Aluno: Joaquim Masset Lacombe Dias Garcia Aluna: Ana Sofia Viotti Daker Aranha Orientador: Guilherme Penello Temporão

Leia mais

Definições de Sinais e Sistemas

Definições de Sinais e Sistemas Definições de Sinais e Sistemas O que é um Sinal? O que é um Sistema? Visão Geral de Sistemas Específicos Processamento de Sinais Analógicos Versus Digitais Definições de Sinais e Sistemas 1 O que é um

Leia mais

Introdução... 2. Características das placas de som... 2

Introdução... 2. Características das placas de som... 2 á Placa de som: principais características... 2 Introdução... 2 Características das placas de som... 2 Conversores ADC e DAC... 2 Resolução das placas de som... 2 Taxa de amostragem... 3 Resposta de freqüência...

Leia mais

Características técnicas Baseado no ATMega da empresa AVR, fabricante de micro-controladores em plena ascensão e concorrente do PIC Pode usar ATMega

Características técnicas Baseado no ATMega da empresa AVR, fabricante de micro-controladores em plena ascensão e concorrente do PIC Pode usar ATMega ARDUINO O que é Arduino Arduino foi criado na Itália por Máximo Banzi com o objetivo de fomentar a computação física, cujo conceito é aumentar as formas de interação física entre nós e os computadores.

Leia mais

Sistema de Aquisição de Dados

Sistema de Aquisição de Dados Sistema de Aquisição de Dados Versão 2013 RESUMO Nesta experiência será desenvolvido o projeto de um sistema de aquisição e armazenamento de dados analógicos em formato digital. O sinal de um sensor de

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE INTERFACE CÉREBRO COMPUTADOR E SUA UTILIZAÇÃO EM DISPOSITIVOS ROBÓTICOS

UM ESTUDO SOBRE INTERFACE CÉREBRO COMPUTADOR E SUA UTILIZAÇÃO EM DISPOSITIVOS ROBÓTICOS UM ESTUDO SOBRE INTERFACE CÉREBRO COMPUTADOR E SUA UTILIZAÇÃO EM DISPOSITIVOS ROBÓTICOS Guilherme Rodrigues Ribeiro¹, Wyllian Fressatti¹, José de Moura Júnior¹ 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí

Leia mais

2 Objetivos Execução e análise de circuitos amplificadores lineares nas suas configurações como inversor, não-inversor e buffer.

2 Objetivos Execução e análise de circuitos amplificadores lineares nas suas configurações como inversor, não-inversor e buffer. Universidade Federal de Juiz de Fora Laboratório de Eletrônica CEL 037 Página 1 de 5 1 Título Prática 9 Aplicações Lineares dos Amplificadores Operacionais 2 Objetivos Execução e análise de circuitos amplificadores

Leia mais

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Quim. Nova, Vol. 38, No. 3, S1-S6, 2015 O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Fernando Arruda Mendes de Oliveira a,b, Eduardo Ribeiro

Leia mais

Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem

Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem Autores: Caio Felipe Favaretto, Henrique Corrêa Ramiro, Rômulo de Oliveira Souza e Marcelo Barboza Silva Professor orientador:

Leia mais

Título: EMG Biofeedback por Eletro-estimulação Autores:

Título: EMG Biofeedback por Eletro-estimulação Autores: Título: EMG Biofeedback por Eletro-estimulação Autores: Alan Nogueira Sanches Felippe de Carvalho Barros Fernando Felizate Pereira Leandro de Marchi Sérgio Antônio Mathias da Silva Professor Orientador:

Leia mais

TUTORIAL Arduino Nano

TUTORIAL Arduino Nano Conceito: O é uma plataforma de prototipagem eletrônica de hardware livre e de placa única, projetada com um microcontrolador Atmel AVR com circuitos de entrada/saída embutido que podem ser facilmente

Leia mais

Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações.

Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações. Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações. A partir de agora, iremos conhecer o hardware do Arduino e suas caracteristicas

Leia mais

Módulo de captura de imagens do sistema Scisoccer

Módulo de captura de imagens do sistema Scisoccer 1 Módulo de captura de imagens do sistema Scisoccer Rafael Antonio Barro [1] Jailton Farias de Carvalho [2] Resumo: Este artigo descreve como funciona o módulo de captura de imagens do software Sci-soccer,

Leia mais

MYOSYSTEMBR1 PXX MyosystemBr1_Pxx DataHominis Tecnologia Ltda

MYOSYSTEMBR1 PXX MyosystemBr1_Pxx DataHominis Tecnologia Ltda MYOSYSTEMBR1 PXX O MyosystemBr1_Pxx é um sistema completo para eletromiografia e foi projetado para suprir suas necessidades em uma grande variedade de trabalhos. Suas possibilidades de aplicação vão desde

Leia mais

Controlo de servomotores com o microcontrolador BX-24

Controlo de servomotores com o microcontrolador BX-24 Controlo de servomotores com o microcontrolador BX-24 Introdução Este documento descreve como se podem controlar servomotores através do BX- 24. É exemplificado o controlo de servomotores normais, assim

Leia mais

Controle para Motores de Passo usando módulo USB-6008

Controle para Motores de Passo usando módulo USB-6008 Departamento de Física e Ciência dos Materiais Caixa Postal 369-13560-970 São Carlos SP Brasil e-mail : andretec@ifsc.usp.br Controle para Motores de Passo usando módulo USB-6008 Introdução Neste projeto

Leia mais

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010 Oficina de Multimédia B ESEQ 12º i 2009/2010 Conceitos gerais Multimédia Hipertexto Hipermédia Texto Tipografia Vídeo Áudio Animação Interface Interacção Multimédia: É uma tecnologia digital de comunicação,

Leia mais

O AMPLIFICADOR LOCK-IN

O AMPLIFICADOR LOCK-IN O AMPLIFICADOR LOCK-IN AUTORES: MARCELO PORTES DE ALBUQUERQUE LEONARDO CORREIA RESENDE JORGE LUÍS GONZALEZ RAFAEL ASTUTO AROUCHE NUNES MAURÍCIO BOCHNER FEVEREIRO 2008 SUMÁRIO RESUMO... 3 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM TUBULAÇÕES PREDIAIS DE GÁS ATRAVÉS DA ANÁLISE ESPECTRAL DE TRANSIENTES DE PRESSÃO

DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM TUBULAÇÕES PREDIAIS DE GÁS ATRAVÉS DA ANÁLISE ESPECTRAL DE TRANSIENTES DE PRESSÃO DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM TUBULAÇÕES PREDIAIS DE GÁS ATRAVÉS DA ANÁLISE ESPECTRAL DE TRANSIENTES DE PRESSÃO R. B. SANTOS 1, M.M. de F. SILVA e A. M. F. FILETI Universidade Estadual de Campinas, Faculdade

Leia mais

REAL LACOS: CONTROLE DIGITAL EM TEMPO REAL

REAL LACOS: CONTROLE DIGITAL EM TEMPO REAL REAL LACOS: CONTROLE DIGITAL EM TEMPO REAL Andreya Prestes da Silva 1, Rejane de Barros Araújo 1, Rosana Paula Soares Oliveira 1 e Luiz Affonso Guedes 1 Universidade Federal do ParáB 1 Laboratório de Controle

Leia mais

Estrutura de um Computador. Linguagem de Programação Rone Ilídio UFSJ - CAP

Estrutura de um Computador. Linguagem de Programação Rone Ilídio UFSJ - CAP Estrutura de um Computador Linguagem de Programação Rone Ilídio UFSJ - CAP Hardware e Software HARDWARE: Objetos Físicos que compões o computador Circuitos Integrados, placas, cabos, memórias, dispositivos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM ELETROCARDIÓGRAFO COM MICROCONTROLADOR MSP 430

DESENVOLVIMENTO DE UM ELETROCARDIÓGRAFO COM MICROCONTROLADOR MSP 430 19 a 21 de mar o de 2010 152 DESENVOLVIMENTO DE UM ELETROCARDIÓGRAFO COM MICROCONTROLADOR MSP 430 Luiz Dionisio Pedrini, Walter Antonio Gontijo Engenharia de Computação Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI)

Leia mais

SISTEMA INTELIGENTE DE NAVEGAÇÃO E LOCALIZAÇÃO DE ROBÔS MÓVEIS

SISTEMA INTELIGENTE DE NAVEGAÇÃO E LOCALIZAÇÃO DE ROBÔS MÓVEIS SISTEMA INTELIGENTE DE NAVEGAÇÃO E LOCALIZAÇÃO DE ROBÔS MÓVEIS Aluno: Lucas Grativol Ribeiro Orientador: Karla Tereza Figueiredo Leite Introdução As aplicações da robótica fora do contexto industrial têm

Leia mais

Conversão Analógica Digital

Conversão Analógica Digital Slide 1 Conversão Analógica Digital Até agora, discutimos principalmente sinais contínuos (analógicos), mas, atualmente, a maioria dos cálculos e medições é realizada com sistemas digitais. Assim, precisamos

Leia mais

Interfaces para Instalações Interativas

Interfaces para Instalações Interativas Interfaces para Instalações Interativas Conceito de sistema Interação Homem-máquina Segundo Eugenio Tisseli: Sensores e atuadores São transdutores: dispositivos que traduzem sinais de um domínio para outro.

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO ELETRÔNICA Modelo: ED-2950

SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO ELETRÔNICA Modelo: ED-2950 SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO ELETRÔNICA Modelo: DESCRIÇÃO O sistema de treinamento em comunicação apresenta experimentos planejados para desenvolver comunicações eletrônicas fundamentais. O é

Leia mais

SISTEMA DE APONTAMENTO

SISTEMA DE APONTAMENTO Introdução SISTEMA DE APONTAMENTO Alunos: Lucas Castro Faria Carolina do Amaral Galhardo Orientador: Hans Ingo Weber Foi feito um estudo para aquisição de dados através da placa NI USB-6229, usando o programa

Leia mais

5 Sistema Experimental

5 Sistema Experimental 5 Sistema Experimental Este capitulo apresenta o sistema experimental utilizado e é composto das seguintes seções: - 5.1 Robô ER1: Descreve o robô utilizado. É dividida nas seguintes subseções: - 5.1.1

Leia mais

Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados

Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados Mauricélio Alves de Sousa, Eng o Fernando Luiz Marcelo Antunes, PhD Ricardo Silva Thé Pontes, MSc Grupo de Processamento de

Leia mais

RECONHECIMENTO DE PADRÕES RECONHECIMENTO DE VOZ

RECONHECIMENTO DE PADRÕES RECONHECIMENTO DE VOZ RECONHECIMENTO DE PADRÕES RECONHECIMENTO DE VOZ O ESQUEMA DE CLASSIFICAÇÃO É GERALMENTE BASEADO NA DISPONIBILIDADE DE UM CONJUNTO DE PADRÕES QUE FORAM ANTERIORMENTE CLASSIFICADOS, O "CONJUNTO DE TREINAMENTO";

Leia mais

CONTROLAR O PONTEIRO DO MOUSE UTILIZANDO O MOVIMENTO DE UM OLHO CAPTURADO ATRAVÉS DE UMA CÂMERA INFRAVERMELHA FIXA

CONTROLAR O PONTEIRO DO MOUSE UTILIZANDO O MOVIMENTO DE UM OLHO CAPTURADO ATRAVÉS DE UMA CÂMERA INFRAVERMELHA FIXA CONTROLAR O PONTEIRO DO MOUSE UTILIZANDO O MOVIMENTO DE UM OLHO CAPTURADO ATRAVÉS DE UMA CÂMERA INFRAVERMELHA FIXA Eduardo Henrique Sasse Acadêmico Paulo César Rodacki Gomes - Orientador Introdução Roteiro

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADEMICA DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADEMICA DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADEMICA DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA LISTA DE EXERCÍCIOS #11 (1) O circuito a seguir é usado como pré-amplificador

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO EM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL

SISTEMA DE TREINAMENTO EM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL SISTEMA DE TREINAMENTO EM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL MODELO: CARACTERÍSTICAS 32 Pontos de Entrada / 32 Pontos de Saída. 3 Módulos Básicos: Controlador de Entrada, Simulador de Saída, Contador & Simulador

Leia mais

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Laboratório da Disciplina CTA-147 Controle I Análise da Resposta Transitória (Este laboratório foi uma adaptação

Leia mais

Sistema de Processamento e Difusão de Sinais Cardíacos na Web

Sistema de Processamento e Difusão de Sinais Cardíacos na Web Sistema de Processamento e Difusão de Sinais Cardíacos na Web Ricardo Godoi Vieira, Ciro José Egoavil Montero Grupo de Pesquisa de Ciência da Computação Faculdades Intergradas FACVEST Mal. Floriano, 947

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO DIGITAL Modelo: ED-2970

SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO DIGITAL Modelo: ED-2970 SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO DIGITAL Modelo: DESCRIÇÃO O sistema de treinamento em comunicação digital apresenta fácil aprendizado em princípios e aplicações da moderna tecnologia de comunicação

Leia mais

Codificação neural. Natureza da Informação UFABC. Prof. João Henrique Kleinschmidt Material elaborado pelos professores de NI

Codificação neural. Natureza da Informação UFABC. Prof. João Henrique Kleinschmidt Material elaborado pelos professores de NI Codificação neural Natureza da Informação UFABC Prof. João Henrique Kleinschmidt Material elaborado pelos professores de NI 1 Princípios gerais do Sistema Nervoso Neurônio: unidade funcional do SNC Introdução

Leia mais

XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 SENSOR DE TEMPERATURA WIRELESS

XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 SENSOR DE TEMPERATURA WIRELESS XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 SENSOR DE TEMPERATURA WIRELESS Antonio Carlos Lemos Júnior, Ednaldo Lopes Rosa e Leandro Aureliano

Leia mais

Comunicações a longas distâncias

Comunicações a longas distâncias Comunicações a longas distâncias Ondas sonoras Ondas electromagnéticas - para se propagarem exigem a presença de um meio material; - propagam-se em sólidos, líquidos e gases embora com diferente velocidade;

Leia mais

1 Problemas de transmissão

1 Problemas de transmissão 1 Problemas de transmissão O sinal recebido pelo receptor pode diferir do sinal transmitido. No caso analógico há degradação da qualidade do sinal. No caso digital ocorrem erros de bit. Essas diferenças

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA SÉRIE DE EXERCÍCIO #A7 () Analise o circuito a seguir e determine V A e V o. V A V

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADEMICA DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADEMICA DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADEMICA DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA LISTA DE EXERCÍCIOS #12 (1) FILTRO PASSA-FAIXA Mostre que o circuito

Leia mais

CAIXA DE CALIBRAÇÃO DE RELÉS DE PROTEÇÃO CE-6003

CAIXA DE CALIBRAÇÃO DE RELÉS DE PROTEÇÃO CE-6003 CE 6003 CAIXA DE CALIBRAÇÃO DE RELÉS DE PROTEÇÃO CE-6003 APLICAÇÕES: Testes manuais em relés (eletromecânicos, estáticos, numéricos) Testes automáticos em relés. Testes dinâmicos em relés com reprodução

Leia mais

A idéia hardware sugerida é colocar a placa entre o PC e o microcontrolador, conforme mostrado no esquema abaixo.

A idéia hardware sugerida é colocar a placa entre o PC e o microcontrolador, conforme mostrado no esquema abaixo. Circuito de gravação (AVR programmer) Introdução Nossa proposta, nesta parte do trabalho, é apresentar um circuito para gravação ISP (In-System- Programming) para microcontroladores AVR. Este circuito,

Leia mais

AMPLIFICADOR LOCK-IN DIGITAL UTILIZANDO PLACA DE AQUISIÇÃO DE DADOS E MATLAB

AMPLIFICADOR LOCK-IN DIGITAL UTILIZANDO PLACA DE AQUISIÇÃO DE DADOS E MATLAB AMPLIFICADOR LOCK-IN DIGITAL UTILIZANDO PLACA DE AQUISIÇÃO DE DADOS E MATLAB José E. O. Reges - jose_edenilson@yahoo.com.br Laboratório de Dispositivos e Nanoestruturas Departamento de Eletrônica e Sistemas

Leia mais

Centro Universitário Positivo - UnicenP Núcleo de Ciências Exatas e Tecnológicas NCET Engenharia da Computação

Centro Universitário Positivo - UnicenP Núcleo de Ciências Exatas e Tecnológicas NCET Engenharia da Computação Centro Universitário Positivo - UnicenP Núcleo de Ciências Exatas e Tecnológicas NCET Engenharia da Computação MINI OSCILOSCÓPIO DIGITAL PORTÁTIL BASEADO EM MICROCONTROLADOR PIC Curitiba 2004 1 Ederson

Leia mais

De: Luis Alberto Katz Data: Janeiro 17 2007 Número: PA1906

De: Luis Alberto Katz Data: Janeiro 17 2007 Número: PA1906 ANÚNCIO DE PRODUTO De: Luis Alberto Katz Data: Janeiro 17 2007 Número: PA1906 Fluke 345 Alicate de medição de qualidade de energia Apresentamos o alicate de medição de qualidade de energia mais avançado

Leia mais

Introdução à Eletrônica de Potência

Introdução à Eletrônica de Potência Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Eletrônica de Potência Introdução à Eletrônica de Potência Florianópolis, setembro de 2012. Prof.

Leia mais

Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 INTRODUÇÃO

Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 INTRODUÇÃO Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 Curso Técnico em Eletrônica Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM Prof. Ariovaldo Ghirardello INTRODUÇÃO Os controles de potência,

Leia mais

ARDUINO UNO Guia do Usuário

ARDUINO UNO Guia do Usuário ARDUINO UNO Guia do Usuário Heco Mecatrônica Ltda. e-mail: vendas@hecomecatronica.com.br Visite nosso site: www.hecomecatronica.com.br Loja Virtual: shop.hecomecatronica.com.br Guia do Usuário - Página

Leia mais

O AMPLIFICADOR LOCK-IN

O AMPLIFICADOR LOCK-IN O AMPLIFICADOR LOCK-IN AUTORES: RAFAEL ASTUTO AROUCHE NUNES MARCELO PORTES DE ALBUQUERQUE MÁRCIO PORTES DE ALBUQUERQUE OUTUBRO 2007-1 - SUMÁRIO RESUMO... 3 INTRODUÇÃO... 4 PARTE I: O QUE É UM AMPLIFICADOR

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS ENG JR ELETRON 2005 29 O gráfico mostrado na figura acima ilustra o diagrama do Lugar das Raízes de um sistema de 3ª ordem, com três pólos, nenhum zero finito e com realimentação de saída. Com base nas

Leia mais

Relatório Iniciação Científica

Relatório Iniciação Científica Relatório Iniciação Científica Ambientes Para Ensaios Computacionais no Ensino de Neurocomputação e Reconhecimento de Padrões Bolsa: Programa Ensinar com Pesquisa-Pró-Reitoria de Graduação Departamento:

Leia mais

Funções de Posicionamento para Controle de Eixos

Funções de Posicionamento para Controle de Eixos Funções de Posicionamento para Controle de Eixos Resumo Atualmente muitos Controladores Programáveis (CPs) classificados como de pequeno porte possuem, integrados em um único invólucro, uma densidade significativa

Leia mais

ILHA I GERENCIAMENTO DE CONTEÚDO CMS DISCIPLINA: Introdução à Computação MÓDULO II Memórias e Processamento

ILHA I GERENCIAMENTO DE CONTEÚDO CMS DISCIPLINA: Introdução à Computação MÓDULO II Memórias e Processamento MÓDULO II Memórias e Processamento Esse módulo irá relatar sobre as memórias seus tipos e a ligação com os tipos variados de processamento. Leia atentamente todo o conteúdo e participe dos fóruns de discursão,

Leia mais

TRATAMENTO E ANÁLISE DE SINAIS DE BAIXA FREQUÊNCIA PARA EMULAÇÃO DE CANAL RÁDIO

TRATAMENTO E ANÁLISE DE SINAIS DE BAIXA FREQUÊNCIA PARA EMULAÇÃO DE CANAL RÁDIO TRATAMENTO E ANÁLISE DE SINAIS DE BAIXA FREQUÊNCIA PARA EMULAÇÃO DE CANAL RÁDIO Davi Schmutzler Valim Faculdade de Engenharia Elétrica CEATEC davi_valim@puccampinas.edu.br Resumo: O trabalho trata de fazer

Leia mais

Desenvolvimento do Módulo de Pré-processamento e Geração de Imagens de. Imagens de Teste do Sistema DTCOURO

Desenvolvimento do Módulo de Pré-processamento e Geração de Imagens de. Imagens de Teste do Sistema DTCOURO Desenvolvimento do Módulo de Pré-processamento e Geração de Imagens de Teste do Sistema DTCOURO Willian Paraguassu Amorim 27 de julho de 2005 1 Título Desenvolvimento do Módulo de Pré-processamento e Geração

Leia mais

NI LabVIEW 2013 Biomedical Toolkit

NI LabVIEW 2013 Biomedical Toolkit ni.com NI LabVIEW 2013 Biomedical Toolkit Barbara Pracek Engenheira de Aplicação NI Graphical System Design no ensino e pesquisa Circuitos eletrônicos NI ELVIS Medição & Instrumentação NI mydaq RF & Comunicação

Leia mais

Sistema de Teste Para um Torquímetro Dinâmico Telemétrico Aplicado a Eixos Rotativos

Sistema de Teste Para um Torquímetro Dinâmico Telemétrico Aplicado a Eixos Rotativos Sistema de Teste Para um Torquímetro Dinâmico Telemétrico Aplicado a Eixos Rotativos Eudisley G. dos Anjos eudisley@les.ufpb.br Francisco A. Belo belo@les.ufpb.br Manuella D. C. Silva manuella@les.ufpb.br

Leia mais

Filtros Digitais. Capítulo 6.0 PDS Prof. César Janeczko (2 o semestre 2009) 10 A

Filtros Digitais. Capítulo 6.0 PDS Prof. César Janeczko (2 o semestre 2009) 10 A Capítulo 6.0 PDS Prof. César Janeczko (2 o semestre 2009) Filtros Digitais Filtros digitais são usados em geral para dois propósitos: 1 o separação de sinais que foram combinados, por exemplo, modulados;

Leia mais

AD / DA. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 M-1116A

AD / DA. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 M-1116A AD / DA M-1116A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 Conteúdo 1. Objetivos 3 2. Experiência

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

II Encontro do Projeto Neutrinos Angra

II Encontro do Projeto Neutrinos Angra Eletrônica de front-end e teste de PMT s no CBPF II Encontro do Projeto Neutrinos Angra Laudo Barbosa, Rogério Machado (10 de Dezembro, 2007) 1 V(t) 30µs evento PMT cintilador sinal t 2 Sinal típico na

Leia mais

HARDWARE GRÁFICO. Adair Santa Catarina Curso de Ciência da Computação Unioeste Campus de Cascavel PR

HARDWARE GRÁFICO. Adair Santa Catarina Curso de Ciência da Computação Unioeste Campus de Cascavel PR HARDWARE GRÁFICO Adair Santa Catarina Curso de Ciência da Computação Unioeste Campus de Cascavel PR Mar/2012 Introdução Características do hardware Funcionalidades do hardware gráfico Influência da área

Leia mais

Roteiro Vídeo Aula Substituição e Restauração das Funções Sensoriais e Motoras

Roteiro Vídeo Aula Substituição e Restauração das Funções Sensoriais e Motoras Roteiro Vídeo Aula Substituição e Restauração das Funções Sensoriais e Motoras Ana Carolina Cardoso de Sousa [hh:mm:ss] [Slide 01] Substituição e Restauração das funções sensoriais e motoras [00:00:03].

Leia mais

Instituição: CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA

Instituição: CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA PROPOSTA DE REABILITAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM PACIENTES COM DIFICULTADADES EM EXECUTAR MOVIMENTOS EM MEMBROS SUPERIORES OU INFERIORES UTILIZANDO-SE SINAIS MIOELÉTRICOS NOS JOGOS VIRTUAIS COM APLICAÇÃO EM

Leia mais

LABORATÓRIO 3 Análise dinâmica do controle do motor PARTE 1. ANÁLISE DO CONTROLE DE VELOCIDADE

LABORATÓRIO 3 Análise dinâmica do controle do motor PARTE 1. ANÁLISE DO CONTROLE DE VELOCIDADE LABORATÓRIO 3 Análise dinâmica do controle do motor OBJETIVOS: - analisar a resposta transitória a mudanças degrau pelas variações de ganho, pela inclusão de atraso e pelo aumento do momento de inércia;

Leia mais

Objetivo A presente prática tem por objetivo verificar na prática os diferentes modos de disparo dos TRIACs.

Objetivo A presente prática tem por objetivo verificar na prática os diferentes modos de disparo dos TRIACs. Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica Laboratório de Engenharia Elétrica V TE067 Prof. James Alexandre Baraniuk Equipe: Data: / / EXPERIMENTO PRÁTICO COM TRIAC Objetivo A presente

Leia mais

OSCILOSCÓPIO DIGITAL MODELO: MVB DSO

OSCILOSCÓPIO DIGITAL MODELO: MVB DSO OSCILOSCÓPIO DIGITAL MODELO: CARACTERÍSTICAS Interface USB DE 50 ATÉ Display: LCD de 7 (400 x 240) colorido. Largura de Banda: Inicial de 50MHz podendo ser atualizada para 70MHz e. Contraste: Ajustável

Leia mais

Projetos de Eletrônica Básica II

Projetos de Eletrônica Básica II Projetos de Eletrônica Básica II MUITO CUIDADO NA MONTAGEM DOS CIRCUITOS, JÁ QUE SE ESTÁ TRABALHANDO COM A REDE ELÉTRICA. Projete um sistema para uma casa inteligente, com as seguintes características:

Leia mais

Comunicações e Rádios Digitais

Comunicações e Rádios Digitais UERJ - Circuitos de Comunicação Prof. Gil Pinheiro Comunicações e Rádios Digitais Gil Pinheiro UERJ-FEN-DETEL Conteúdo Comunicação Digital x Transmissão Digital Os SDR (Software Defined Radios) Arquiteturas

Leia mais

Hardware e Software. Professor: Felipe Schneider Costa. felipe.costa@ifsc.edu.br

Hardware e Software. Professor: Felipe Schneider Costa. felipe.costa@ifsc.edu.br Hardware e Software Professor: Felipe Schneider Costa felipe.costa@ifsc.edu.br Agenda Hardware Definição Tipos Arquitetura Exercícios Software Definição Tipos Distribuição Exercícios 2 Componentesde um

Leia mais

V SBQEE ESTUDO, PROJETO E CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRADOR E ANALISADOR PORTATIL DE QUALIDADE DE ENERGIA ELÉTRICA

V SBQEE ESTUDO, PROJETO E CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRADOR E ANALISADOR PORTATIL DE QUALIDADE DE ENERGIA ELÉTRICA V SBQEE Seminário Brasileiro sobre Qualidade da Energia Elétrica 17 a 20 de Agosto de 2003 Aracaju Sergipe Brasil Código: AJU 05 102 Tópico: Sistemas de Monitoramento e Tratamento de Dados ESTUDO, PROJETO

Leia mais

Material apresentado exclusivamente aos alunos da disciplina, com conteúdo referenciado da literatura e disponível na www NÃO CIRCULAR

Material apresentado exclusivamente aos alunos da disciplina, com conteúdo referenciado da literatura e disponível na www NÃO CIRCULAR Coletor automático de dados (datalogger) e sensores elétricos Disciplina ACA 221 Instrumentos Meteorológicos e Métodos de Observação Humberto Ribeiro da Rocha, Helber Freitas, Eduardo Gomes apoio à Aula

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO TREINAMENTO:

PROGRAMAÇÃO DO TREINAMENTO: PROGRAMAÇÃO DO TREINAMENTO: Página 2 0. Objetivos deste treinamento Quem está fazendo este módulo avançado II é porque já passou pelos módulos anteriores. Portanto não serão abordados aqui os tópicos já

Leia mais

SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO.

SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. J. A. P. MOUTINHO Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A ELETRONORTE Brasil RESUMO

Leia mais

PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição

PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição Uma solução completa para a medição e monitoramento de um vasto conjunto de grandezas elétricas, com indicações de valores individuais para

Leia mais

Apresentação. ECG Digital. Life Card. Telemedicina

Apresentação. ECG Digital. Life Card. Telemedicina ECG Digital Apresentação O WinCardio é composto por um eletrocardiógrafo USB em 12 derivações simultâneas, software compatível com Windows XP, Vista (32 bits), Windows 7 (32 bits) e filtros digitais que

Leia mais

Introdução ao CoolEdit c : programa de edição de som digital

Introdução ao CoolEdit c : programa de edição de som digital Introdução ao CoolEdit c : programa de edição de som digital J. M. B. Lopes dos Santos 19 de Julho de 2005 Departamento de Física, Faculdade de Ciências, Universidade do Porto, R. Campo Alegre, 687, 4169-007

Leia mais

SISTEMA BASEADO EM ELETROOCULOGRAMA PARA CONTROLE DE DISPOSITIVOS COMPUTACIONAIS

SISTEMA BASEADO EM ELETROOCULOGRAMA PARA CONTROLE DE DISPOSITIVOS COMPUTACIONAIS SISTEMA BASEADO EM ELETROOCULOGRAMA PARA CONTROLE DE DISPOSITIVOS COMPUTACIONAIS Leonardo Araújo Lima - Danilo Veloso Daher - Edgard A. Lamounier Jr. - Adriano O. Andrade (leoaraujolima@hotmail.com - veloso.danilo@gmail.com

Leia mais

Componentes de um Sistema de Computador

Componentes de um Sistema de Computador Componentes de um Sistema de Computador HARDWARE: unidade responsável pelo processamento dos dados, ou seja, o equipamento (parte física) SOFTWARE: Instruções que dizem o que o computador deve fazer (parte

Leia mais

Servos - Analo gicos e Digitais - Funcionamento, uso e diferenças entre eles!

Servos - Analo gicos e Digitais - Funcionamento, uso e diferenças entre eles! Servos - Analo gicos e Digitais - Funcionamento, uso e diferenças entre eles! É importante lembrar que esta matéria serve para qualquer tipo de servo utilizado em aeromodelismo. Figura 1 Um dos diversos

Leia mais

Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia básica. Objetivos da Disciplina

Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia básica. Objetivos da Disciplina Circuitos Digitais Cap. 1 Prof. José Maria P. de Menezes Jr. Circuitos Digitais Tópicos Digitais I- Engenharia Elétrica -UFPI Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia

Leia mais

SCD 912. Dispositivo de comunicação e armazenamento. Apresentação. Dados Técnicos. Conexões

SCD 912. Dispositivo de comunicação e armazenamento. Apresentação. Dados Técnicos. Conexões Conv. USB-Serial Baudrate, stop bit e nro de dados programável. Baudrate de 1200 a 38400 bauds. Emula porta COM virtual. Led de indicação de operação como conversor USB-serial. Não possui linhas de controle

Leia mais

PROTÓTIPO DE UM ELETROMIÓGRAFO DIGITAL

PROTÓTIPO DE UM ELETROMIÓGRAFO DIGITAL UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO BACHARELADO PROTÓTIPO DE UM ELETROMIÓGRAFO DIGITAL ROBERTO PANERAI VELLOSO BLUMENAU 2004 2004/1-XX

Leia mais

Processadores clock, bits, memória cachê e múltiplos núcleos

Processadores clock, bits, memória cachê e múltiplos núcleos Processadores clock, bits, memória cachê e múltiplos núcleos Introdução Os processadores (ou CPUs, de Central Processing Unit) são chips responsáveis pela execução de cálculos, decisões lógicas e instruções

Leia mais

Palavras-chave: turbina eólica, gerador eólico, energia sustentável.

Palavras-chave: turbina eólica, gerador eólico, energia sustentável. Implementação do modelo de uma turbina eólica baseado no controle de torque do motor cc utilizando ambiente matlab/simulink via arduino Vítor Trannin Vinholi Moreira (UTFPR) E-mail: vitor_tvm@hotmail.com

Leia mais

3.1.6 Entradas digitais Quantidade: 8. Tipo: NPN / PNP conforme configuração, dividida em 2 grupos de 4 entradas. Impedância de entrada: 8.8KΩ.

3.1.6 Entradas digitais Quantidade: 8. Tipo: NPN / PNP conforme configuração, dividida em 2 grupos de 4 entradas. Impedância de entrada: 8.8KΩ. 8 Tecla Cancelar. Utilizado para retorno de nível de programação. 9 Tecla Enter. Utilizado para acessar programação. Obs.: Todas as teclas podem ser utilizadas no diagrama Ladder. 3. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

Leia mais

Realidade Virtual e Aumentada Bruno Madeira Luiz Velho (orientador) Technical Report TR-10-01 Relatório Técnico. January - 10 - Janeiro

Realidade Virtual e Aumentada Bruno Madeira Luiz Velho (orientador) Technical Report TR-10-01 Relatório Técnico. January - 10 - Janeiro Laboratório VISGRAF Instituto de Matemática Pura e Aplicada Realidade Virtual e Aumentada Bruno Madeira Luiz Velho (orientador) Technical Report TR-10-01 Relatório Técnico January - 10 - Janeiro The contents

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE GRÁFICA PARA ANÁLISE DO ESTADO DE POLARIZAÇÃO DA LUZ ATRAVÉS DE PLATAFORMA FPGA

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE GRÁFICA PARA ANÁLISE DO ESTADO DE POLARIZAÇÃO DA LUZ ATRAVÉS DE PLATAFORMA FPGA DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE GRÁFICA PARA ANÁLISE DO ESTADO DE POLARIZAÇÃO DA LUZ ATRAVÉS DE PLATAFORMA FPGA Aluno: Felipe Calliari Orientador: Jean Pierre von der Weid Co-Orientador: Gustavo Castro do

Leia mais

Módulo WCM200. Controlador WSI250 - HI Tecnologia

Módulo WCM200. Controlador WSI250 - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador WSI250 - HI Tecnologia W i re l e s s S i g n a l I n t e r fa c e O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador WSI250 da HI tecnologia

Leia mais

Realizando o ensaio de ultra-som

Realizando o ensaio de ultra-som Realizando o ensaio de ultra-som A UU L AL A Na aula anterior, você ficou sabendo que o ultra-som é uma onda mecânica que se propaga de uma fonte emissora até uma fonte receptora, através de um meio físico.

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO EM ELETRÔNICA ANALÓGICA E DIGITAL

SISTEMA DE TREINAMENTO EM ELETRÔNICA ANALÓGICA E DIGITAL SISTEMA DE TREINAMENTO EM ELETRÔNICA ANALÓGICA E DIGITAL MODELO: CARACTERÍSTICAS Terminais banhados à ouro Fácil visualização dos circuitos 18 Módulos envolvendo os principais conceitos de elétrica e eletrônica

Leia mais

FORMULÁRIOS DR PARANÁ ELABORAÇÃO DE SITUAÇÕES DE APRENDIZAGEM

FORMULÁRIOS DR PARANÁ ELABORAÇÃO DE SITUAÇÕES DE APRENDIZAGEM FORMULÁRIOS DR PARANÁ ELABORAÇÃO DE SITUAÇÕES DE APRENDIZAGEM SENAI/PR 1 PLANO DE SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM N.º 1 (1) Seleção de capacidades, conteúdos formativos e definição da estratégia Unidade do SENAI:

Leia mais