Ser espaço permanente de diálogo da sociedade sobre as florestas no sul e extremo sul da Bahia.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ser espaço permanente de diálogo da sociedade sobre as florestas no sul e extremo sul da Bahia."

Transcrição

1 Missão Ser espaço permanente de diálogo da sociedade sobre as florestas no sul e extremo sul da Bahia. Princípios O Fórum como Espaço Coletivo O é um espaço coletivo, com abertura permanente às organizações da sociedade civil e empresas de base florestal que atuam na região ou que tenham como objeto de seu trabalho assuntos afins às questões socioambientais do território. Não há, para ser membro do Fórum Florestal, nenhum critério de exclusão. Todo cidadão poderá participar das reuniões plenárias do Fórum Florestal e os que se fizerem representar organizações/empresas poderão se tornar membros. O compromisso dos participantes do Fórum Florestal é o de esclarecer qualquer questão trazida à plenária, ainda que nem todas sejam razão de discussão e deliberação, devido ao objeto de atenção do Fórum Florestal. O exercício de Cidadania Antes de representar os interesses de uma organização ou empresa, o membro do Fórum Florestal é um cidadão, e é considerado como tal nos seus pronunciamentos e posicionamentos, que devem ser sempre vertidos para o bem coletivo. O Fórum Florestal é um colegiado de práticas democráticas, onde há o respeito à ideologia e à liberdade de pensamento e expressão. Deste modo, a participação no exercício da cidadania não enseja nenhum tipo de ganho econômico. 1

2 O espírito da Boa Fé Os cidadãos membros do Fórum Florestal participam deste espaço coletivo na presunção da boa fé de todos, o que representa sinceridade, respeito e credibilidade. O princípio da boa convivência se faz necessário ao diálogo, ainda que as idéias possam ser divergentes. A Ética O Fórum Florestal é regido pela ética entre os cidadãos, entre as empresas e as organizações da sociedade civil, entre as empresas, e entre as próprias organizações da sociedade civil. Perpassa na convivência entre todos o princípio da boa fé, da credibilidade, transparência e respeito na construção do bem coletivo, não sendo possível nas relações dentro do Fórum Florestal, seja virtualmente ou nos momentos de suas reuniões, o uso desta para aferir ganhos particulares de qualquer natureza. O nome e a imagem do Fórum Florestal não poderão ser utilizados como forma de obter benefícios próprios ou da instituição representada, sendo que as relações comerciais que por ventura venham a se estabelecer entre seus membros devem ser realizadas fora do âmbito do fórum. Pela preservação da ética, os membros do Fórum Florestal devem estar comprometidos com a autoria de dados e informações, como também, por ser uma instância dialógica e não executiva, estabelece-se que toda e qualquer contratação de serviços por iniciativa ou que obtenha o apoio do Fórum Florestal deve ser de caráter seletivo, aberto ao público interessado, desde de que este esteja em consonância com o objeto de trabalho. Os membros do Fórum Florestal por compartilharem de valores e princípios, devem estar imbuídos, dentro de uma ética que preserva a construção coletiva, 2

3 da crença e do trabalho para que as deliberações, acordos e princípios do próprio Fórum Florestal sejam efetivos e alcancem o maior número de atores. A preservação da imagem do Fórum Florestal em respeito ao trabalho e seriedade de seus membros é uma atribuição de todos. O Diálogo A palavra é o instrumento por excelência do Fórum Florestal, não cabendo outra forma de atuação dos seus membros, a não ser a prática do diálogo para a resolução de conflitos. Parte-se, portanto, do exercício do debate, argumentação e persuasão para a formação de conceitos e para a deliberação. A palavra deverá ser sempre usada de forma respeitosa e em direção ao bom andamento da resolução das questões apresentadas. Para que se possa praticar o diálogo é necessário que ocorra a interação entre os iguais. Todos os participantes do Fórum Florestal têm igualmente direito à voz e os seus membros a voz e ao veto, não sendo cabível nenhum tipo de coerção ou opressão de poder. A Busca do Consenso Na premissa de que é na palavra que se busca o entendimento é que o exercício do diálogo se faz necessário para o acordo coletivo, e neste sentido o debate sempre procurará a formação de consenso. O Fórum Florestal entende que o consenso não significa a concordância uníssona das opiniões, mas que do dissenso de questões emergem a construção de idéias, refletindo o espírito conciliador para a resolução dos problemas. O Fórum Florestal prega não o consenso de pensamento, mas de que a solução encontrada, para aquele momento, seja a mais adequada e assim, aceita por todos. Destarte, a existência da possibilidade do veto por seus membros sinaliza a necessidade de um maior amadurecimento da questão, que se dará sempre pelo debate na busca do consenso. O uso do veto vem a refletir a possibilidade de 3

4 continuidade do diálogo, e deverá ser usado com responsabilidade e comprometimento para a construção do bem coletivo. Transparência A transparência das intenções, seja por parte das empresas ou das organizações, deve ser respaldada pelo princípio da boa fé, alicerçada pela intenção da construção do diálogo, de deliberações e de acordos em prol do bem coletivo. As discussões, deliberações e acordos do Fórum Florestal devem ser publicizadas para que toda a sociedade possa ter conhecimento e acesso. Complementariedade O é mais um espaço público, como outras instâncias do território, com a peculiaridade de ser uma iniciativa dialógica entre a sociedade civil e as empresas de base florestal. Não é da finalidade do Fórum Florestal fazer o papel de outras instâncias de cogestão do Estado atuantes no território, ainda que seja do alcance e de interesse de suas discussões e ações a colaboração na formulação de Políticas Públicas. O Fórum Florestal entende que a sua atuação no território do Sul e Extremo Sul da Bahia possui uma função complementar as demais instâncias democráticas e que a busca de sinergia nas discussões e ações com estes outros espaços são desejadas, por considerar agregador para a construção do desenvolvimento sustentável. Objetivos Os assuntos discutidos e deliberados pelo Plenário do Fórum Florestal versam sobre o bem comum. Assim sendo, participar do Fórum Florestal é o 4

5 compromisso de construir coletivamente o desenvolvimento socioeconômico e ambientalmente sustentável. O bem comum diz respeito à conservação da biodiversidade da Mata Atlântica, o ordenamento territorial, a adequação ambiental das propriedades rurais, em direcionar ações para mitigar/potencializar impactos sociais/culturais e ambientais devido à presença da atividade de plantios florestais em grande escala na região. Assim, o Fórum Florestal se propõe a mediar conflitos da silvicultura com outras atividades e com as comunidades e a fomentar o uso múltiplo de madeira e produtos florestais não madeireiros de forma sustentável e legalizada, fortalecendo suas cadeias produtivas. Para tanto, é de interesse de o Fórum Florestal facilitar a integração de ações das suas organizações participantes. Sistema de decisão Somente a plenária é deliberativa. Grupos de trabalho e grupo de mensagens são consultivos, podendo tomar apenas decisões operacionais (metodologia de trabalho, pautas, data e local de reuniões etc.). Todas as organizações aceitam os princípios acima para participação no Fórum Florestal. 5

O Papel dos Conselhos de Educação no Sistema Nacional Articulado de Educação

O Papel dos Conselhos de Educação no Sistema Nacional Articulado de Educação Conselho Estadual de Educação da Bahia CEE-BA O Papel dos Conselhos de Educação no Sistema Nacional Articulado de Educação Ana Maria Silva Teixeira Conselhos de Educação Órgãos colegiados, compostos por

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA NATUREZA E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DA NATUREZA E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º O Fórum Florestal do Sul e Extremo Sul da Bahia é um espaço permanente de diálogo da sociedade sobre as florestas deste território, de caráter

Leia mais

CONSIDERANDO a Resolução 172 de 04 de Dezembro de 2014 do CONANDA resolve:

CONSIDERANDO a Resolução 172 de 04 de Dezembro de 2014 do CONANDA resolve: BA-Itagibá, 01 de Abril de 2015. Resolução nº. 001/CMDCA/2015 Dispõe sobre a CONVOCAÇÃO da Conferência Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente e outras Providências. O Conselho Municipal dos

Leia mais

Política de Comunicação do IFRS: conceito, metodologia e participação. Wilson da Costa Bueno Bento Gonçalves/RS 05/03/2015

Política de Comunicação do IFRS: conceito, metodologia e participação. Wilson da Costa Bueno Bento Gonçalves/RS 05/03/2015 Política de Comunicação do IFRS: conceito, metodologia e participação Wilson da Costa Bueno Bento Gonçalves/RS 05/03/2015 Conceito Política de Comunicação é o conjunto sistematizado de princípios, valores,

Leia mais

LEI MUNICIPAL N 013/97. SÚMULA: Dispõe sobre a Instituição do Conselho Municipal de Saúde e dá outras providencias.

LEI MUNICIPAL N 013/97. SÚMULA: Dispõe sobre a Instituição do Conselho Municipal de Saúde e dá outras providencias. LEI MUNICIPAL N 013/97 SÚMULA: Dispõe sobre a Instituição do Conselho Municipal de Saúde e dá outras providencias. A Câmara Municipal de Carlinda, no uso de suas atribuições legais aprovou e eu, Geraldo

Leia mais

ESTRATÉGIA. As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades:

ESTRATÉGIA. As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades: FINALIDADE A conservação da biodiversidade e de demais atributos da Mata Atlântica depende de um conjunto articulado de estratégias, incluindo a criação e a implantação de Unidades de Conservação, Mosaicos

Leia mais

Mosaico Mantiqueira. Clarismundo Benfica. São Paulo, Maio de 2009

Mosaico Mantiqueira. Clarismundo Benfica. São Paulo, Maio de 2009 Mosaico Mantiqueira Integração de Ações Regionais Foto: Clarismundo Benfica Clarismundo Benfica São Paulo, Maio de 2009 Mosaicos de UCs rede formal de UCs trabalhando para melhorar as capacidades individuais

Leia mais

O PAPEL DOS CONSELHOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO NO ÂMBITO DO SNE: DESAFIOS PARA A PRÓXIMA DÉCADA POR: GILVÂNIA NASCIMENTO

O PAPEL DOS CONSELHOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO NO ÂMBITO DO SNE: DESAFIOS PARA A PRÓXIMA DÉCADA POR: GILVÂNIA NASCIMENTO O PAPEL DOS CONSELHOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO NO ÂMBITO DO SNE: DESAFIOS PARA A PRÓXIMA DÉCADA POR: GILVÂNIA NASCIMENTO "Que tristes os caminhos se não fora a presença distante das estrelas"? (Mario Quintana)

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Declaração Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável das áreas onde atuamos e das

Leia mais

NOVO PROGRAMA. Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL

NOVO PROGRAMA. Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL NOVO PROGRAMA Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL 2014-2018 1 PETROBRAS Fundada em 1953, a partir de uma campanha popular O petróleo é nosso. Empresa integrada de energia Sociedade anônima de capital aberto

Leia mais

FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS, PESQUISAS E ESTUDOS TECNOLÓGICOS - COPPETEC.

FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS, PESQUISAS E ESTUDOS TECNOLÓGICOS - COPPETEC. FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS, PESQUISAS E ESTUDOS TECNOLÓGICOS - COPPETEC. CHAMADA PÚBLICA PARA CONTRATAÇÃO DE AGENTES DE DESENVOLVIMENTO SOLIDÁRIO DO PROJETO BRASIL LOCAL ETNODESENVOLVIMENTO E ECONOMIA

Leia mais

Senhores Membros do Congresso Nacional,

Senhores Membros do Congresso Nacional, Mensagem n o 691 Senhores Membros do Congresso Nacional, Nos termos do disposto no art. 49, inciso I, combinado com o art. 84, inciso VIII, da Constituição, submeto à elevada consideração de Vossas Excelências,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS TECNOLOGIAS SOCIAIS PARA ENFRENTAR A ESCASSEZ HÍDRICA E PARA O DESENVOLVIMENTO

A IMPORTÂNCIA DAS TECNOLOGIAS SOCIAIS PARA ENFRENTAR A ESCASSEZ HÍDRICA E PARA O DESENVOLVIMENTO A IMPORTÂNCIA DAS TECNOLOGIAS SOCIAIS PARA ENFRENTAR A ESCASSEZ HÍDRICA E PARA O DESENVOLVIMENTO ANDREA VENTURA LUZ FERNÁNDEZ CARLA GUALDANI PRIMERAS JORNADAS INTERNACIONALES SOBRE BOMBAS INTRODUÇÃO Como

Leia mais

Prefeitura Municipal de Valente-BA. A Prefeitura Municipal de Valente, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

Prefeitura Municipal de Valente-BA. A Prefeitura Municipal de Valente, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. ANO. 2013 DIÁRIO DO MUNICÍPIO DE VALENTE - BAHIA 1 A Prefeitura Municipal de Valente, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. LEI N.º 598, DE. Valente - Bahia Gestor: Ismael

Leia mais

ASPECTOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DO CONTRATO ORGANIZATIVO DE AÇÃO PÚBLICA

ASPECTOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DO CONTRATO ORGANIZATIVO DE AÇÃO PÚBLICA MINISTÉRIO DA SAÚDE ASPECTOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DO CONTRATO ORGANIZATIVO DE AÇÃO PÚBLICA Brasília, 25 de agosto de 2011 22/06/2015 1 PRESSUPOSTOS DO CONTRATO ORGANIZATIVO DE AÇÃO PÚBLICA I PRESSUPOSTOS

Leia mais

REDE NACIONAL PRIMEIRA INFÂNCIA CARTA DE PRINCÍPIOS. 10 de Dezembro 2013

REDE NACIONAL PRIMEIRA INFÂNCIA CARTA DE PRINCÍPIOS. 10 de Dezembro 2013 REDE NACIONAL PRIMEIRA INFÂNCIA CARTA DE PRINCÍPIOS 10 de Dezembro 2013 I Denominação Fundada no Brasil em 16 de março de 2007, denomina-se REDE NACIONAL PRIMEIRA INFÂNCIA o conjunto de organizações da

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO FORO CONSULTIVO DE MUNICÍPIOS, ESTADOS FEDERADOS, PROVÍNCIAS E DEPARTAMENTOS DO MERCOSUL

REGULAMENTO INTERNO DO FORO CONSULTIVO DE MUNICÍPIOS, ESTADOS FEDERADOS, PROVÍNCIAS E DEPARTAMENTOS DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES Nº 26/07 REGULAMENTO INTERNO DO FORO CONSULTIVO DE MUNICÍPIOS, ESTADOS FEDERADOS, PROVÍNCIAS E DEPARTAMENTOS DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto

Leia mais

pos Secretaria-Geral da Presidência da República

pos Secretaria-Geral da Presidência da República pos Regulamentação dos mecanismos de consulta previstos na Convenção 169 da OIT III Seminário Intersetorial Empresas e Povos Indígenas São Paulo, 13 de março de 2014 1. Linha do Tempo 2. Direitos previstos

Leia mais

Mecanismos financeiros para a conservação

Mecanismos financeiros para a conservação Mecanismos financeiros para a conservação FUNDOS PARA A VIDA Fundo Kayapó Fundo Amapá Fundo de apoio ao uso público BA/ES Photo 1 4.2 x 10.31 Position x: 8.74, y:.18 Fundo Kayapó Uma aliança de longo prazo

Leia mais

Fortalecendo o mercado de seguros para um desenvolvimento sustentável

Fortalecendo o mercado de seguros para um desenvolvimento sustentável Fortalecendo o mercado de seguros para um desenvolvimento sustentável Confederação Nacional de Seguros São Paulo 15 de Setembro Francisco Gaetani Secretário Executivo do Ministério do Meio Ambiente A Nova

Leia mais

PROCESSO DE SELEÇÃO DO PROJETO VIVÊNCIAS E ESTÁGIOS NA REALIDADE DO

PROCESSO DE SELEÇÃO DO PROJETO VIVÊNCIAS E ESTÁGIOS NA REALIDADE DO PROCESSO DE SELEÇÃO DO PROJETO VIVÊNCIAS E ESTÁGIOS NA REALIDADE DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE DO BRASIL VER-SUS SÃO PAULO 2016: VIVER A REALIDADE DA SAÚDE E MORADIA EM SÃO PAULO. 1- APRESENTAÇÃO Os estágios

Leia mais

Fortalecimento do extrativismo sustentável: a participação do Ipea

Fortalecimento do extrativismo sustentável: a participação do Ipea Fortalecimento do extrativismo sustentável: a participação do Ipea Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Júlio César Roma Técnico de Planejamento e Pesquisa da Diretoria de Estudos e Políticas

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA BB PREVIDÊNCIA FUNDO DE PENSÃO BANCO DO BRASIL

CÓDIGO DE ÉTICA DA BB PREVIDÊNCIA FUNDO DE PENSÃO BANCO DO BRASIL CÓDIGO DE ÉTICA DA BB PREVIDÊNCIA FUNDO DE PENSÃO BANCO DO BRASIL 0 8 0 0 7 2 9 1 1 1 2 w w w. b b p r e v i d e n c i a. c o m. b r Código de Ética da BB Previdência Fundo de Pensão Banco do Brasil Introdução

Leia mais

Lei n o de 28/12/1990

Lei n o de 28/12/1990 Lei n o 8.142 de 28/12/1990 Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS) e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e

Leia mais

Políticas públicas: o que elas podem fazer por todos? Novembro, 2016

Políticas públicas: o que elas podem fazer por todos? Novembro, 2016 Políticas públicas: o que elas podem fazer por todos? Novembro, 2016 Qual contexto atuamos? Museus no Estado de São Paulo 415 museus em 190 cidades 18 museus da Secretaria da Cultura do Estado Museus no

Leia mais

PPP Perfil Profissiográfico Previdenciário quais as prerrogativas do sindicato.

PPP Perfil Profissiográfico Previdenciário quais as prerrogativas do sindicato. Ações do PIS/PASEP (Programa de Integração Social/ Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público e FGTS Detalhes no site www.fsindical.org.br - www.sindicatodosaposentados.org.br PPP Perfil Profissiográfico

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSUP Nº 51, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2015.

RESOLUÇÃO CONSUP Nº 51, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2015. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO CONSUP Nº 51, DE 23 DE DEZEMBRO

Leia mais

VIX LOGÍSTICA S/A COMITÊ DE GOVERNANÇA CORPORATIVA E GESTÃO DE PESSOAS

VIX LOGÍSTICA S/A COMITÊ DE GOVERNANÇA CORPORATIVA E GESTÃO DE PESSOAS VIX LOGÍSTICA S/A COMITÊ DE GOVERNANÇA CORPORATIVA E GESTÃO DE PESSOAS 1. Objetivo O Comitê de Governança Corporativa e Gestão de Pessoas é um órgão acessório ao Conselho de Administração (CAD) da VIX

Leia mais

NÚCLEO ESTADUAL DE REGULAMENTAÇÃO DA ANS Regimento Interno

NÚCLEO ESTADUAL DE REGULAMENTAÇÃO DA ANS Regimento Interno NÚCLEO ESTADUAL DE REGULAMENTAÇÃO DA ANS Regimento Interno 1. DAS ATRIBUIÇÕES 1.1. O Núcleo Estadual de Regulamentação da ANS tem por atribuições: a) padronizar ações, modelos e processos que envolvam

Leia mais

Divisão de Educação Infantil e Complementar DedIC Conselho Escolar

Divisão de Educação Infantil e Complementar DedIC Conselho Escolar Divisão de Educação Infantil e Complementar DedIC Conselho Escolar É o órgão colegiado responsável pela gestão da escola, em conjunto com a direção, representado pelos seguimentos da comunidade escolar,

Leia mais

O papel das Ouvidorias Públicas na Mediação de Conflitos Organizacionais

O papel das Ouvidorias Públicas na Mediação de Conflitos Organizacionais O papel das Ouvidorias Públicas na Mediação de Conflitos Organizacionais Tania Almeida. Consultora, docente e pesquisadora em Mediação de Conflitos e Facilitação de Diálogos. Diretora-Presidente do MEDIARE

Leia mais

BASES CONCEITUAIS - SISTEMA DE NEGOCIAÇÃO PERMANENTE da Administração Pública Federal - SINP/FEDERAL

BASES CONCEITUAIS - SISTEMA DE NEGOCIAÇÃO PERMANENTE da Administração Pública Federal - SINP/FEDERAL BASES CONCEITUAIS - SISTEMA DE NEGOCIAÇÃO PERMANENTE da Administração Pública Federal - SINP/FEDERAL 1- As bases conceituais do Sistema de Negociação Permanente da Administração Pública Federal - SINP/FEDERAL

Leia mais

Universidade Federal da Grande Dourados CNPJ: /

Universidade Federal da Grande Dourados CNPJ: / PLANO DE AÇÃO 2011 Dourados MS Maio/2011 ÍNDICE PROJETOS EM EXECUÇÃO... 3 PROJETO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SEGURANÇA PÚBLICA E CIDADANIA... 3 PROJETO CURSOS DE GRADUAÇÃO EM LETRAS LICENCIATURA E BACHARELADO

Leia mais

Plataforma da Informação. Fundamentos da Excelência

Plataforma da Informação. Fundamentos da Excelência Plataforma da Informação Fundamentos da Excelência Modelo de Excelência em Gestão Fundamentos da Excelência O Modelo de Excelência em Gestão estimula e apoia as organizações no desenvolvimento e na evolução

Leia mais

PPLE - Partido Popular de Liberdade de Expressão

PPLE - Partido Popular de Liberdade de Expressão COMISSÃO EXECUTIVA MUNICIPAL do PPLE Nome do Município/UF Vice- Geral Organização Jurídico Finanças Formação Comunicação Secretária da Mulher da Juventude A Comissão Executiva será eleita pelo Diretório,

Leia mais

Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia Departamento de Teologia. Orientações para o Estágio Obrigatório Supervisionado

Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia Departamento de Teologia. Orientações para o Estágio Obrigatório Supervisionado 1 Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia Departamento de Teologia Orientações para o Estágio Obrigatório Supervisionado O Estágio Supervisionado se desenvolve ao longo dos três anos de teologia totalizando

Leia mais

NORMATIVO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO AVINTES IDEIAS 2016 DA FREGUESIA DE AVINTES

NORMATIVO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO AVINTES IDEIAS 2016 DA FREGUESIA DE AVINTES NORMATIVO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO AVINTES 2016- IDEIAS 2016 DA FREGUESIA DE AVINTES Introdução O Orçamento Participativo Avintes 2016 IDEIAS 2016, adiante designado por IDEIAS, é uma iniciativa da Junta

Leia mais

1ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE AMBIENTAL

1ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE AMBIENTAL 1ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE AMBIENTAL A ação humana sobre a natureza faz parte da história da civilização. Neste inicio de século, porém, a consciência sobre os impactos desta intervenção tem adquirido

Leia mais

Produção de Conhecimento - ação-reflexão constantes permitiram avançar no campo museológico. Organização e Participação dos Profissionais

Produção de Conhecimento - ação-reflexão constantes permitiram avançar no campo museológico. Organização e Participação dos Profissionais AVANÇOS DO CAMPO MUSEAL BRASILEIRO Formação Profissional Produção de Conhecimento - ação-reflexão constantes permitiram avançar no campo museológico Organização e Participação dos Profissionais Revisão

Leia mais

Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica

Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica Rede de ONGs da Mata Atlântica RMA Apoio: Funbio e MMA Papel do Município no meio ambiente Constituição Federal Art 23 Competência Comum,

Leia mais

DELIBERAÇÃO CBHSF Nº 88, de 10 de dezembro de 2015

DELIBERAÇÃO CBHSF Nº 88, de 10 de dezembro de 2015 DELIBERAÇÃO CBHSF Nº 88, de 10 de dezembro de 2015 Aprova o Plano de Aplicação Plurianual - PAP dos recursos da cobrança pelo uso de recursos hídricos na bacia hidrográfica do rio São Francisco, referente

Leia mais

Comitê de Bacia Hidrográfica

Comitê de Bacia Hidrográfica Comitê de Bacia Hidrográfica ENCONTROS REGIONAIS PARA RENOVAÇÃO DO CSBH BAIXO JAGUARIBE 2016-2020 O QUE É UM COMITÊ DE BACIA HIDROGRÁFICA: É o instrumento de participação da sociedade na gestão dos recursos

Leia mais

Lei Nº , de 26 de junho de 2009

Lei Nº , de 26 de junho de 2009 Lei Nº 11.958, de 26 de junho de 2009 Altera as Leis nos 7.853, de 24 de outubro de 1989, e 10.683, de 28 de maio de 2003; dispõe sobre a transformação da Secretaria Especial de Aquicultura e Pesca da

Leia mais

Fato Relevante. Por meio do referido Termo de Compromisso, as Partes concordaram em:

Fato Relevante. Por meio do referido Termo de Compromisso, as Partes concordaram em: Fato Relevante A Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A. ( Companhia, Taesa ) vem, com base no 4 do art. 157 da Lei n 6.404/76 e na Instrução CVM n 358/02, comunicar aos seus acionistas, ao mercado

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS & RECURSOS HUMANOS IPEA, 06 de dezembro de 2010 EXTRA Nº3 DEZEMBRO INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA

GESTÃO DE PESSOAS & RECURSOS HUMANOS IPEA, 06 de dezembro de 2010 EXTRA Nº3 DEZEMBRO INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA Boletim GESTÃO DE PESSOAS & RECURSOS HUMANOS IPEA, 06 de dezembro de 2010 EXTRA Nº3 DEZEMBRO INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 458 DE 06 DE DEZEMBRO DE 2010. Institui o Código de Ética

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL MDA e MDS e MMA Nº 239 DE 21 DE JULHO DE 2009

PORTARIA INTERMINISTERIAL MDA e MDS e MMA Nº 239 DE 21 DE JULHO DE 2009 PORTARIA INTERMINISTERIAL MDA e MDS e MMA Nº 239 DE 21 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações para a implementação do Plano Nacional de Promoção das Cadeias de Produtos da Sociobiodiversidade, e dá outras

Leia mais

PROTOCOLO DE INTENÇÕES

PROTOCOLO DE INTENÇÕES PROTOCOLO DE INTENÇÕES O presente documento tem por objetivo formalizar a participação das entidades abaixo assinadas na iniciativa do código de conduta voluntário para plantas ornamentais. CAPÍTULO I

Leia mais

Eng. Civil Marcos Túlio de Melo Presidente do Confea

Eng. Civil Marcos Túlio de Melo Presidente do Confea Eng. Civil Marcos Túlio de Melo Presidente do Confea Importância de Planejar "O planejamento não diz respeito a decisões futuras, mas às implicações futuras de decisões presentes" (Peter Drucker). O PLANEJAMENTO

Leia mais

Portaria nº 98, de 11 de outubro de 2007

Portaria nº 98, de 11 de outubro de 2007 Portaria nº 98, de 11 de outubro de 2007 Disciplina as formas de colaboração e os procedimentos de escolha dos consultores científicos para fins do assessoramento tratado no artigo 3º do Estatuto da CAPES.

Leia mais

Prémio Floresta e Sustentabilidade 2016

Prémio Floresta e Sustentabilidade 2016 Prémio Floresta e Sustentabilidade 2016 Formulário de Candidatura Categoria Sustentabilidade Florestal Iniciativa desenvolvida pela CELPA em associação com o Correio da Manhã e o Jornal de Negócios, com

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 03/2016

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 03/2016 EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 03/2016 APOIO AO FÓRUM DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA NORDESTE CAPAIXABA 2016: INTEGRANDO AGENDAS PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL O Diretor-Geral do Instituto Federal

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA NACIONAL DE ARTICULAÇÃO SOCIAL

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA NACIONAL DE ARTICULAÇÃO SOCIAL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA NACIONAL DE ARTICULAÇÃO SOCIAL TERMO DE ADESÃO AO COMPROMISSO NACIONAL PELA PARTICIPAÇÃO SOCIAL O Município (NOME), representado

Leia mais

RELATÓRIO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS PROJETO SEMENTE

RELATÓRIO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS PROJETO SEMENTE RELATÓRIO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS PROJETO SEMENTE Introdução Submissão de projetos SEMENTE: Transformando ideias em projetos é uma plataforma virtual que se destina a subsidiar os Promotores de Justiça

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL MS/ME Nº 3.019, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2007

PORTARIA INTERMINISTERIAL MS/ME Nº 3.019, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2007 PORTARIA INTERMINISTERIAL MS/ME Nº 3.019, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2007 Dispõe sobre o Programa Nacional de Reorientação da Formação Profissional em Saúde - Pró-Saúde - para os cursos de graduação da área

Leia mais

Sistema Nacional de Cultura

Sistema Nacional de Cultura Sistema Nacional de Cultura O Sistema Nacional de Cultura (SNC) é um instrumento de gestão compartilhada de políticas públicas de cultura entre os entes federados e a sociedade civil. Seu principal objetivo

Leia mais

MINUTA DO PROJETO DE LEI QUE CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DE TRANSPARÊNCIA E CONTROLE SOCIAL

MINUTA DO PROJETO DE LEI QUE CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DE TRANSPARÊNCIA E CONTROLE SOCIAL MINUTA DO PROJETO DE LEI QUE CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DE TRANSPARÊNCIA E CONTROLE SOCIAL PROJETO DE LEI Nº... Cria o Conselho Municipal de Transparência e Controle Social de São Paulo, estabelecendo suas

Leia mais

EIXO 2 DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

EIXO 2 DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL EIXO 1 DIMENSÃO 8 PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO 1 O plano de desenvolvimento do instituto PDI ( http://www.ufopa.edu.br/arquivo/portarias/2015/pdi20122016.pdf/view ) faz referência a todos os processos internos

Leia mais

Consumo Sustentável e a Política Federal de Contratações

Consumo Sustentável e a Política Federal de Contratações Sustentabilidade nas Contratações Públicas Agosto de 2013 Consumo Sustentável e a Política Federal de Contratações Fernanda Capdeville Analista Ambiental, Especialista em Gestão Pública Departamento de

Leia mais

REGULAMENTO DA OUVIDORIA

REGULAMENTO DA OUVIDORIA REGULAMENTO DA OUVIDORIA Ribeirão Preto - SP 1 Sumário CAPÍTULO I... 3 Da Natureza, Objetivos e Finalidade... 3 CAPÍTULO II... 4 Da Vinculação Administrativa... 4 CAPÍTULO III... 4 Da Competência e Atribuições

Leia mais

ATER PARA MULHERES. O processo de organização das mulheres na construção do Feminismo e da Agroecologia no Brasil

ATER PARA MULHERES. O processo de organização das mulheres na construção do Feminismo e da Agroecologia no Brasil ATER PARA MULHERES O processo de organização das mulheres na construção do Feminismo e da Agroecologia no Brasil PARA NÓS A AGROECOLOGIA É Um modo de produzir, relacionar e viver na agricultura que implica

Leia mais

FICHA PROJETO - nº199-ma Mata Atlântica Pequeno Projeto

FICHA PROJETO - nº199-ma Mata Atlântica Pequeno Projeto FICHA PROJETO - nº199-ma Mata Atlântica Pequeno Projeto 1) TÍTULO: Estudos para a criação de UC com objetivo de proteger e regulamentar o uso sustentável dos recursos naturais nas áreas ocupadas pelas

Leia mais

PROPOSTA DE FORMAÇÃO SOCIOAMBIENTAL NO CONTEXTO DA FISCALIZAÇÃO

PROPOSTA DE FORMAÇÃO SOCIOAMBIENTAL NO CONTEXTO DA FISCALIZAÇÃO PROPOSTA DE FORMAÇÃO SOCIOAMBIENTAL NO CONTEXTO DA FISCALIZAÇÃO outubro/2012 Beatriz Alves Rodrigo Machado PRESSUPOSTOS Campo Ambiental Campo Educacional Campo Educacional Educação Ambiental Campo Ambiental

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DOS ADOLESCENTES NA 9 CONFERÊNCIA DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES

PARTICIPAÇÃO DOS ADOLESCENTES NA 9 CONFERÊNCIA DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES PARTICIPAÇÃO DOS ADOLESCENTES NA a 9 CONFERÊNCIA DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES Mobilizando, implementando e monitorando a política e o plano decenal de direitos humanos de crianças e adolescentes

Leia mais

Atenção: - a palavra-chave de tem menos de 4 letras, por isso não foi destacada. LEI Nº 2767, DE 18 DE MAIO DE 2012.

Atenção: - a palavra-chave de tem menos de 4 letras, por isso não foi destacada. LEI Nº 2767, DE 18 DE MAIO DE 2012. Atenção: - a palavra-chave de tem menos de 4 letras, por isso não foi destacada. LEI Nº 2767, DE 18 DE MAIO DE 2012. INSTITUI O PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO, INSTRUMENTO DA POLITICA MUNICIPAL DE

Leia mais

COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO

COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO Aprovado na Reunião do Conselho de Administração realizada em 8 de maio de 2015 COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO 1. Regimento. O presente Regimento

Leia mais

NORMAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

NORMAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NORMAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL Resulta do consenso entre peritos de 90 países e 45 organizações internacionais Processo multi-parte interessada, envolveu 450 peritos de países desenvolvidos e em desenvolvimento

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO Nº, de de Dispõe sobre as audiências públicas no âmbito do Ministério Público da União e dos Estados.

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO Nº, de de Dispõe sobre as audiências públicas no âmbito do Ministério Público da União e dos Estados. PROPOSTA DE RESOLUÇÃO Nº, de de 2012. Dispõe sobre as audiências públicas no âmbito do Ministério Público da União e dos Estados. O CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO, no exercício da competência

Leia mais

Desafios para Programas de Sustentabilidade nas Cadeias de Soja e Pecuária de Corte

Desafios para Programas de Sustentabilidade nas Cadeias de Soja e Pecuária de Corte Desafios para Programas de Sustentabilidade nas Cadeias de Soja e Pecuária de Corte Campo Grande - 2013 Fabiano Luiz da Silva Gestor de Cooperativas Doutor em Ciências Florestais http://www.smcnucleus.com.br/

Leia mais

Iniciar uma discussão sobre a elaboração de uma. Estratégia Nacional de Comunicação e Educação Ambiental. no âmbito do

Iniciar uma discussão sobre a elaboração de uma. Estratégia Nacional de Comunicação e Educação Ambiental. no âmbito do OBJETIVO Iniciar uma discussão sobre a elaboração de uma Estratégia Nacional de Comunicação e Educação Ambiental no âmbito do Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza - SNUC DOCUMENTOS DE

Leia mais

E.E. Professora Lurdes Penna Carmelo Sala 1/ Sessão 1

E.E. Professora Lurdes Penna Carmelo Sala 1/ Sessão 1 Debate Regrado - desenvolvendo a argumentação e promovendo o protagonismo dos alunos E.E. Professora Lurdes Penna Carmelo Sala 1/ Sessão 1 Professor Apresentador: Celina Aparecida Rodrigues Machado dos

Leia mais

Plano de Ação Socioambeintal - PAS: construindo a cidadania

Plano de Ação Socioambeintal - PAS: construindo a cidadania Plano de Ação Socioambeintal - PAS: construindo a cidadania Construído sob os princípios da educação ambiental e de educomunicação, o Plano de Ação Socioambiental PAS é fruto de um trabalho coletivo, onde

Leia mais

GA079 Cadastro Técnico e Planejamento Urbano, Plano Diretor. Resultante das Ações do Planejamento Urbano Integrado

GA079 Cadastro Técnico e Planejamento Urbano, Plano Diretor. Resultante das Ações do Planejamento Urbano Integrado GA079 Cadastro Técnico e Planejamento Urbano, 2011 Plano Diretor Resultante das Ações do Planejamento Urbano Integrado CONCEITO: O Plano Diretor é uma lei municipal que estabelece diretrizes para a ocupação

Leia mais

Normas de Participação Concurso «Eu e a minha bicicleta»

Normas de Participação Concurso «Eu e a minha bicicleta» Artigo Primeiro Designação do concurso e entidades 1. O Concurso EU E A MINHA BICICLETA é um concurso organizado pela Câmara Municipal do Seixal, no âmbito do projeto da Rede Ciclável do Concelho do Seixal,

Leia mais

Política Territorial da Pesca e Aquicultura

Política Territorial da Pesca e Aquicultura Política Territorial da Pesca e Aquicultura Esplanada dos Ministérios, bloco D, CEP 70.043-900 - Brasília/DF Telefone: (61) 3218-3865 Fax (61)3218-3827 www.mpa.gov.br comunicacao@mpa.gov.br APRESENTAÇÃO

Leia mais

Nove áreas temáticas do programa

Nove áreas temáticas do programa Nove áreas temáticas do programa Com base no Plano de Ação FLEGT da União Europeia, a gerência do programa estabeleceu nove áreas temáticas apoiadas pelo programa. Sob cada tema, há uma lista indicativa

Leia mais

I SEMINÁRIO ESTADUAL SOBRE POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO. 1º de outubro de 2009

I SEMINÁRIO ESTADUAL SOBRE POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO. 1º de outubro de 2009 I SEMINÁRIO ESTADUAL SOBRE POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO 1º de outubro de 2009 (112 MUNICÍPIOS) (64 MUNICÍPIOS) (91 MUNICÍPIOS) (16 MUNICÍPIOS) (10 MUNICÍPIOS) (IDH Médio M Nacional = 0,766) Especificação

Leia mais

PARANAPANEMA EM FOCO

PARANAPANEMA EM FOCO Encontro Ampliado do PIRH Nos dias 15 e 16 de fevereiro, acontece no Hotel Sumatra, em Londrina (PR), o primeiro Encontro Ampliado do Plano Integrado de Recursos Hídricos (PIRH) da Unidade de Gestão dos

Leia mais

CONSTRUINDO A QUALIDAE DOS CONSELHOS DE EDUCAÇÃO. Paulo Hentz

CONSTRUINDO A QUALIDAE DOS CONSELHOS DE EDUCAÇÃO. Paulo Hentz CONSTRUINDO A QUALIDAE DOS CONSELHOS DE EDUCAÇÃO Paulo Hentz paulohentz@gmail.com DADOS HISTÓRICOS A década de 1960 e o surgimento da maior parte dos Conselhos Estaduais de Educação. Decorrência da Lei

Leia mais

REDE ECOVIDA AGROECOLOGIA E CERTIFICAÇÃO PARTICIPATIVA NO SUL DO BRASIL. Florianópolis, setembro de 2004

REDE ECOVIDA AGROECOLOGIA E CERTIFICAÇÃO PARTICIPATIVA NO SUL DO BRASIL. Florianópolis, setembro de 2004 REDE ECOVIDA AGROECOLOGIA E CERTIFICAÇÃO PARTICIPATIVA NO SUL DO BRASIL Florianópolis, setembro de 2004 Luiz Carlos Rebelatto dos Santos: luiz@ecovida.org.br Cepagro/Ecovida/CNPq www.ecovida.org.br O

Leia mais

INSTITUTO PACTO NACIONAL PELA ERRADICAÇÃO DO TRABALHO ESCRAVO INPACTO. Código de Conduta

INSTITUTO PACTO NACIONAL PELA ERRADICAÇÃO DO TRABALHO ESCRAVO INPACTO. Código de Conduta INSTITUTO PACTO NACIONAL PELA ERRADICAÇÃO DO TRABALHO ESCRAVO INPACTO Código de Conduta Nos termos do parágrafo quarto, do artigo quarto do Estatuto Social do INSTITUTO PACTO NACIONAL PELA ERRADICAÇÃO

Leia mais

Foi base para a estruturação da Lei Nº /2014 Estatuto da Metrópole. Criação: 1973 Lei LC14/1973; LCE 88/2006 e LCE 89/2006

Foi base para a estruturação da Lei Nº /2014 Estatuto da Metrópole. Criação: 1973 Lei LC14/1973; LCE 88/2006 e LCE 89/2006 1 SBC 09/06/2016 1 2 Criação: 1973 Lei LC14/1973; LCE 88/2006 e LCE 89/2006 Cidade Pólo: Belo Horizonte Foi base para a estruturação da Lei Nº 13.089 /2014 Estatuto da Metrópole Área: 9.472,4 Km 2 (1,6%

Leia mais

COORDENAÇÃO NACIONAL DAS CENTRAIS DE SERVIÇOS ELETRÔNICOS COMPARTILHADOS DO REGISTRO DE IMÓVEIS COMITÊ GESTOR REGIMENTO INTERNO CAPITULO I

COORDENAÇÃO NACIONAL DAS CENTRAIS DE SERVIÇOS ELETRÔNICOS COMPARTILHADOS DO REGISTRO DE IMÓVEIS COMITÊ GESTOR REGIMENTO INTERNO CAPITULO I COORDENAÇÃO NACIONAL DAS CENTRAIS DE SERVIÇOS ELETRÔNICOS COMPARTILHADOS DO REGISTRO DE IMÓVEIS COMITÊ GESTOR REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA APRESENTAÇÃO Art. 1º O presente Regimento Interno disciplina

Leia mais

ESTADO DO PARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE PIÇARRA

ESTADO DO PARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE PIÇARRA LEI MUNICIPAL N.183/2013. Institui o Plano Manicipal de Saneamento Básico do Município de Piçarra, instrumento da Política Municipal de Saneamento Básico e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

II -Propor objetivos e metas para a Política Estadual de Meio Ambiente;

II -Propor objetivos e metas para a Política Estadual de Meio Ambiente; DECRETO N 40.744 DE 25 DE ABRIL DE 2007. Dispõe sobre a organização, competência e funcionamento do Conselho Estadual de Meio Ambiente - CONEMA. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas

Leia mais

REGULAMENTO: II CONGRESSO REGIONAL DA PSICOLOGIA II COREP-RN

REGULAMENTO: II CONGRESSO REGIONAL DA PSICOLOGIA II COREP-RN 1 REGULAMENTO: II CONGRESSO REGIONAL DA PSICOLOGIA II COREP-RN CRP-17/RN 2013 1 REGULAMENTO DO II CONGRESSO REGIONAL DA PSICOLOGIA II COREP-RN - CRP-17/RN 2 CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º - São objetivos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAÇOIABA DA SERRA

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAÇOIABA DA SERRA DECRETO Nº. 1491, DE 10 DE JANEIRO DE 2013. Institui a Mesa Permanente de Negociação com os Servidores Municipais - MESA e dá outras providências.. MARA LÚCIA FERREIRA DE MELO, Prefeita Municipal da Cidade

Leia mais

Construindo a cultura da sustentabilidade

Construindo a cultura da sustentabilidade Construindo a cultura da sustentabilidade Fabio Pozza Superintendente de Desenvolvimento e Mercado Unimed Londrina Muito se discute a respeito do tema, mas em termos empresariais, o que é sustentabilidade?

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2005 (Do Sr. Fernando de Fabinho)

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2005 (Do Sr. Fernando de Fabinho) PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2005 (Do Sr. Fernando de Fabinho) Autoriza o Poder Executivo a criar o Pólo de Desenvolvimento e Turismo da região geográfica Nordeste, com sede na cidade de Paulo Afonso

Leia mais

Atribuições do professor-tutor da Seed/PR

Atribuições do professor-tutor da Seed/PR GESTÃO EM FOCO Programa de Fortalecimento da Gestão Escolar Secretaria de Estado da Educação do Paraná Governo do Paraná Atribuições do professor-tutor da Seed/PR Pauta da Reunião a) Edital de seleção

Leia mais

IV EXPEDIÇÃO BRASIL/ARGENTINA TECHO NÃO É UMA CIDADE SE NÃO É PARA TODXS (Novembro/2016).

IV EXPEDIÇÃO BRASIL/ARGENTINA TECHO NÃO É UMA CIDADE SE NÃO É PARA TODXS (Novembro/2016). IV EXPEDIÇÃO BRASIL/ARGENTINA TECHO NÃO É UMA CIDADE SE NÃO É PARA TODXS (Novembro/2016). A Assessoria de Assuntos Internacionais junto com a Coordenação de Extensão da Universidade de Cruz Alta disponibiliza

Leia mais

PROJETO DE LEI N 047/2012

PROJETO DE LEI N 047/2012 PROJETO DE LEI N 047/2012 Institui a Política Intersetorial de Plantas Medicinais e de Medicamentos Fitoterápicos no Município de Gramado e dá outras providências. Art. 1º. Fica instituída a Política Intersetorial

Leia mais

XXI Congresso Nacional das Guardas Municipais. Novo Hamburgo/RS, 17 a 19 de agosto de 2011

XXI Congresso Nacional das Guardas Municipais. Novo Hamburgo/RS, 17 a 19 de agosto de 2011 XXI Congresso Nacional das Guardas Municipais Novo Hamburgo/RS, 17 a 19 de agosto de 2011 Em 2011, a Secretaria Nacional de Segurança Pública criou Grupo de Trabalho para iniciar processo de discussão

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO CIDADÃ PROBEC

APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO CIDADÃ PROBEC APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO CIDADÃ PROBEC I Considerações Preliminares: A ideia nasceu da experiência vivenciada por mais de dez (10) anos de trabalho e parceria entre o Juiz Jarbas

Leia mais

O Ibmec Online se reinventando tendo a Blackboard como parceiro estratégico

O Ibmec Online se reinventando tendo a Blackboard como parceiro estratégico O Ibmec Online se reinventando tendo a Blackboard como parceiro estratégico 1 Do começo aos dias de hoje A história do Grupo Ibmec Criação e Desenvolvimento Nasce o Ibmec-RJ, como Instituto para Pesquisa

Leia mais

Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma

Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma.é nomeado/eleito na primeira reunião de Pais e Encarregados de Educação da Turma; Tem participação nos Conselhos de Turma; É a

Leia mais

A BIODIVERSIDADE NA ENCÍCLICA DO PAPA FRANCISCO LAUDATO SI

A BIODIVERSIDADE NA ENCÍCLICA DO PAPA FRANCISCO LAUDATO SI A BIODIVERSIDADE NA ENCÍCLICA DO PAPA FRANCISCO LAUDATO SI 1. Primeira encíclica na história da Igreja com este enfoque ecológico. 2. Convergência: preocupações da ciência, da sociedade e da Igreja, como

Leia mais

Plataforma dos Consumidores

Plataforma dos Consumidores Plataforma dos Consumidores REDUÇÃO DOS IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS MELHORIA NAS AGÊNCIAS REGULADORAS MUDANÇAS NOS PADRÕES DE PRODUÇÃO CDC NAS ESCOLAS O candidato à Presidência da República escolhido nas

Leia mais

ESTATUTO DO SINDICATO DOS TRABALHADORES E TRABALHADORAS TÉCNICOS EM MEIO AMBIENTE DO ESTADO DO PARANÁ SINDITTEMA-PR

ESTATUTO DO SINDICATO DOS TRABALHADORES E TRABALHADORAS TÉCNICOS EM MEIO AMBIENTE DO ESTADO DO PARANÁ SINDITTEMA-PR ESTATUTO DO SINDICATO DOS TRABALHADORES E TRABALHADORAS TÉCNICOS EM MEIO AMBIENTE DO ESTADO DO PARANÁ SINDITTEMA-PR TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO, PRERROGATIVAS, DIREITOS E DEVERES DOS ASSOCIADOS Capítulo I

Leia mais

PROJETO DE COMUNICAÇÃO INTEGRADA. Por Débora Horn Assessoria de Comunicação da Anprotec

PROJETO DE COMUNICAÇÃO INTEGRADA. Por Débora Horn Assessoria de Comunicação da Anprotec PROJETO DE COMUNICAÇÃO INTEGRADA Por Débora Horn Assessoria de Comunicação da Anprotec A RELATA A Relata Editorial tem por objetivo apoiar empresas e entidades na gestão do processo de comunicação com

Leia mais

Trabalho no SUS. Programa Sala Virtual de Apoio

Trabalho no SUS. Programa Sala Virtual de Apoio Programa Sala Virtual de Apoio à Negociação do Trabalho no SUS Conteúdos para suporte, monitoramento e atividades de formação no âmbito do Sistema Nacional de Negociação Permanente do SUS Regimento Interno

Leia mais