DIREITOS FUNDAMENTAIS LIMITAÇÕES NECESSÁRIAS: APLICAÇÃO DO EXAME PERICIAL DO DNA PARA A IDENTIFICAÇÃO DE PESSOAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIREITOS FUNDAMENTAIS LIMITAÇÕES NECESSÁRIAS: APLICAÇÃO DO EXAME PERICIAL DO DNA PARA A IDENTIFICAÇÃO DE PESSOAS"

Transcrição

1 FUNDAÇÃO ESCOLA SUPERIOR DO MINSTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS - FESMPDFT CURSO DE PÓS GRADUÇÃO LATO SENSU ORDEM JURÍDICA E MINISTÉRIO PÚBLICO DIREITOS FUNDAMENTAIS LIMITAÇÕES NECESSÁRIAS: APLICAÇÃO DO EXAME PERICIAL DO DNA PARA A IDENTIFICAÇÃO DE PESSOAS ELIETE GOÇALVES RODRIGUES ALVES BRASÍLIA-DF 2009

2 ELIETE GONÇALVES RODRIGUES ALVES DIREITOS FUNDAMENTAIS LIMITAÇÕES NECESSÁRIAS: APLICAÇÃO DO EXAME PERICIAL DO DNA PARA A IDENTIFICAÇÃO DE PESSOAS Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como requisito à obtenção de título de Pós- Graduação Lato Sensu em Ordem Jurídica e Ministério Público. Orientador: Dr. Paulo Gustavo Gonet Branco BRASÍLIA - DF 2009

3 ALVES, Eliete Gonçalves Rodrigues. Direitos Fundamentais Limitações necessárias: aplicação do exame pericial do DNA para a identificação de pessoas. Orientador: Dr. Paulo Gustavo Gonet Branco. Brasília: FESMPDFT, p. 54. Monografia apresentada ao Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Ordem Jurídica e Ministério Público Fundação Escola Superior do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios. 1. Direitos Fundamentais. 2. Padrões Internacionais de Direitos Humanos. 3. Realização de Exame Pericial de DNA Forense. 4. Termo de Consentimento.

4 Dedico o trabalho ao meu amado esposo, pelo estímulo e apoio aos momentos dedicados à pesquisa, pois o seu incentivo foi fundamental à realização do estudo. Aos meus filhos pelo carinho e paciência... Ah! Filhos amados, que este estudo seja mais um instrumento de incentivo na formação acadêmica que ora, inicia-se em suas vidas.

5 AGRADECIMENTO Ao nosso Deus, Aos meus pais, Aos meus filhos, À Escola Superior do MPDFT e todo corpo acadêmico, Ao meu Orientador, Dr. Paulo Gustavo Gonet Branco, com respeito.

6 RESUMO O trabalho consiste no estudo sobre as limitações aos direitos fundamentais, previstos no artigo 5º, da Constituição Federal de 1988 e, de forma mais específica, aborda a limitação necessária ao direito à intimidade/privacidade. Descreve de forma breve a teoria geral dos direitos fundamentais bem como os fundamentos históricos. Apresenta a diferença conceitual entre direitos e garantias a partir do conteúdo das normas gerais expressas na Carta Magna. Enfoca a cláusula de reserva de jurisdição e reserva legal como mecanismos de controle a possíveis interferências na esfera dos cidadãos, tanto pelo Legislador Constituinte (derivado), quanto pelo legislador infraconstitucional. Nesse entendimento, o estudo aborda a gênese dos direitos fundamentais no sentido da norma e do princípio e, como esses direitos insurgirem-se no mundo jurídico já com conteúdo limitado a outros direitos. O que implica em alguma inferências, tais como, não são absolutos os direitos fundamentais, eis que surgem já com algumas limitações; limitações, estas, impostas por direitos que estão no mesmo grau de aplicabilidade. Ou seja, encontram-se na mesma linha de hierarquização. Ao enfocar a discussão sobre a existência de hierarquia entre os direitos fundamentais, o estudo aborda as propostas de Alexy, e volta-se para o entendimento da necessidade de ponderação desses direitos. Assim, ao tratar do estudo do exame pericial do DNA, a pesquisa enfoca a aplicabilidade do princípio da razoabilidade ou proporcionalidade quando surgir o conflito de interesses. Ademais, apresenta o interesse público contrapondo-se ao interesse particular diante da possível exigência legal para que o acusado/réu seja apresentado para a realização do exame pericial do DNA, em situações impostas por meio de lei (reserva legal) e após análise do judiciário (reserva de jurisdição). Palavras chave: Direitos Fundamentais. Direito à Privacidade/Intimidade. Ponderação. Conflito de Interesses: público e particular.

7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 8 CAPÍTULO 1 - DIREITOS FUNDAMENTAIS Abordagem dogmática dos direitos fundamentais Limitações necessárias O exame de dna e as garantias constitucionais Colisão de direitos fundamentais Exame compulsório de dna e o princípio da razoabilidade CAPÍTULO 2 - PADRÕES INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS. 2.1 Princípios norteadores da investigação de crimes Identificação criminal Âmbito de aplicação da lei nº / Exame pericial do dna na identificação criminal Investigação de crimes e exame pericial do dna Contexto histórico CAPÍTULO 3 - A REALIZAÇÃO DO EXAME DE DNA FORENSE 3.1. Competência técnico-científica das polícias para a realização do exame 36 de dna Instituto de Pesquisa de DNA Forense - IPDNA/PCDF Investigação de eventos criminais subsidiados pela perícia do dna Material biológico suscetível de análise Padrões de qualidade da amostra biológica utilizada para a análise 38 CAPÍTULO 4 TERMO DE CONSENTIMENTO Consentimento para coleta de material biológico Critérios jurídicos adotados para a realização do exame pericial de dna forense 4.3Finalidade do exame pericial do DNA 42 CONCLUSÃO 44 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 50 42

8 INTRODUÇÃO Esta pesquisa encontra fundamento jurídico na Constituição Federal, artigo 5º, e na lei infraconstitucional, que cuida do procedimento identificatório do acusado/réu. A primeira parte apresenta uma breve digressão sobre a teoria geral dos direitos fundamentais, com explicação sobre os conceitos de direitos e de garantias. Complementando a análise conceitual, a pesquisa apresenta uma abordagem sobre a cláusula de reserva legal, matéria que reflete diretamente no papel do legislador constituinte derivado quando há necessidade de regulamentação de determinado dispositivo constitucional. Assim, há menção das normas de eficácia contida e de eficácia limitada, cuja eficácia depende de norma regulamentar e, complementando, apresenta um estudo sobre normas já regulamentadas, mas que dependem, em última análise, da interferência do poder judiciário, porque se subordinam à cláusula de reserva de jurisdição. Sobre a aplicação da cláusula de reserva de jurisdição no sistema processual brasileiro, a lei /96, que regulamenta a interceptação de escutas telefônicas é instrumento hábil a exemplificar o caso, e demonstra o grau de efetividade desse instrumento de controle na persecução criminal: Art. 3 A interceptação das comunicações telefônicas poderá ser determinada pelo juiz, de ofício ou a requerimento: I - da autoridade policial, na investigação criminal; II - do representante do Ministério Público, na investigação criminal e na instrução processual penal. Art. 4 O pedido de interceptação de comunicação telefônica conterá a demonstração de que a sua realização é necessária à apuração de infração penal, com indicação dos meios a serem empregados. 1 Excepcionalmente, o juiz poderá admitir que o pedido seja formulado verbalmente, desde que estejam presentes os pressupostos que autorizem a interceptação, caso em que a concessão será condicionada à sua redução a termo. 2 O juiz, no prazo máximo de vinte e quatro horas, decidirá sobre o pedido. Art. 5 A decisão será fundamentada, sob pena de nulidade, indicando também a forma de execução da diligência, que não poderá exceder o prazo de quinze dias, renovável por igual tempo uma vez comprovada a indispensabilidade do meio de prova. Este trabalho, a partir do estudo dos direitos fundamentais e das garantias constitucionais, traz o tema exame pericial do DNA como meio de identificação humana;

9 9 enfoca a aplicação da medida na persecução criminal, e os resultados dessa interferência estatal na esfera privada da pessoa. Aponta uma condição de procedibilidade consentimento do ofendido para a realização do exame, com discussão jurídica e jurisprudencial. Sobre a capacidade técnica para a realização do exame pericial do DNA, optou-se por apresentar um estudo sobre o Distrito Federal, como referência, mas sabendo-se que, os demais Estados encontram-se em condições de igualdade para a realização desse tipo de procedimento. No âmbito do Distrito Federal, a atividade investigatória da polícia, no que se refere à identificação humana pelo perfil genético, é competência da Polícia Técnica da Polícia Civil do Distrito Federal, especificamente do Instituto de Pesquisa de DNA Forense IPDNA. As atividades desenvolvidas pelo IPDNA são focalizadas a partir dos eventos criminais passíveis de serem subsidiados pelo exame do DNA, do material biológico necessário à análise, de critérios técnicos aplicados ao manejo das evidências, e da importância do registro da cadeia de custódia dos vestígios encaminhados ao laboratório. Sobre os padrões internacionais de direitos humanos aplicáveis à investigação de crimes e o tema exame de DNA forense na identificação humana, há uma reflexão sobre o conteúdo de normas internacionais que regem a proteção da pessoa, especialmente quanto à necessidade de obtenção do consentimento do ofendido ante o caráter irrenunciável dos direitos fundamentais. Engloba essa questão a relevância do consentimento expresso do investigado para a coleta do material biológico necessário à análise, os critérios jurídicos aplicáveis à perícia do DNA, bem como a finalidade do exame pericial. A pesquisa apresenta uma análise sobre a aceitação do exame do DNA nos tribunais brasileiros; um estudo sobre conflitos de direitos: o exame compulsório do DNA e o direito à intimidade, contrapondo-se ao interesse público, este último sob o fundamento do princípio da proporcionalidade. Questões que envolvem as dificuldades em compreender um laudo pericial de exame de DNA, a importância do controle da qualidade dos laboratórios forenses, a necessidade de criação de um banco de dados de perfil genético para o judiciário, e as necessárias alterações da Lei n.º /2000 são apresentadas na conclusão da pesquisa. O objetivo é demonstrar a necessidade de limitações de direitos fundamentais, havendo conflitos de interesses em que, a interferência do Estado, para fazer prevalecer o interesse público, vê-se compelido a interferir na esfera privada (intimidade) do cidadão.

10 10 Como fundamento da pesquisa, além das bases doutrinárias e jurisprudenciais, enfatizou-se a aplicação do princípio da proporcionalidade, a partir do trinômio da razoabilidade, necessidade e utilidade da medida restritiva de direitos.

11 11 CAPÍTULO I DIRIETOS FUNDAMENTAIS 1.1 ABORDAGEM DOGMÁTICA DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS Neste estudo, considerou-se a doutrina de Robert Alexy, que aborda os direitos fundamentais sob uma categoria dogmática, analisados sob três dimensões: analítica, empírica e normativa. A dimensão analítica ocupa-se com a construção sistemática e conceitual do direito enquanto norma, ou seja, a compreensão do caráter positivo do direito; essa é uma condição essencial à análise de conceitos essenciais à compreensão. Assim, em primeira análise, conceituam-se premissas maiores, como regras; princípios e direitos, v.g. Em segunda análise, passa-se pelas construções jurídicas atinentes à eficácia dos direitos fundamentais, momento em que se aplicam as restrições a direitos fundamentais; concorrência dos direitos fundamentais; quando estão configurados esses direitos e, quando se estabelecem colisões entre tais direitos. Para que se possa chegar a esses níveis de entendimento, faz-se necessário perpassar por toda estrutura do sistema jurídico, quando se torna possível alcançar os limites das dimensões dos direitos fundamentais, exemplo da dimensão objetiva. Esse processo alcança um eixo de fundamentação jurídica, exemplo da aplicação da regra da proporcionalidade e seus elementos: razoabilidade, necessidade e utilidade. A dimensão empírica ocupa-se da compreensão e da avaliação da eficácia do direito, numa análise da condição de validade e eficácia da lei e da jurisprudência. Dessa forma, a dimensão empírica volta-se para o conhecimento da ordem jurídica objetiva, consolidada na lei e nas decisões dos tribunais, logo, a lei aplicada ao caso concreto e a resposta dessa aplicação, que constitui as jurisprudências, como resposta à condição de eficácia dessa ordem objetiva. No âmbito da dimensão normativa dos direitos fundamentais a análise volta-se para as possibilidades de respostas críticas e fundamentadas às lacunas não preenchidas nas duas dimensões anteriores e, o que torna possível uma nova interpretação do eixo dogmático dos direitos fundamentais.

12 LIMITAÇÕES NECESSÁRIAS A teoria geral dos direitos fundamentais encontra seus fundamentos históricos no início no século XVIII, inicialmente com as declarações de direitos formulados pelos americanos, passando à declaração universal desses direitos na Revolução Francesa. Direitos e garantias são expressões que não se confundem, apesar da relação de similaridade de conteúdo. Direitos são institutos principais e autônomos, dos quais a garantia torna-se um acessório. Como institutos autônomos, os direitos possuem características intrínsecas que são a imprescritibilidade; inalienabilidade; irrenunciabilidade; inviolabilidade; universalidade; efetividade; interdependência e complementariedade. Ao tratar do exame de DNA forense para fins de identificação, a interferência estatal dá-se no campo dos direitos de primeira geração, os quais representam o princípio da liberdade e exigem autolimitação e a não interferência dos poderes públicos, como forma de garantia constitucional. A própria Constituição outorga ao legislador o poder de restringir os direitos fundamentais, apresentando as circunstâncias em que se darão as reservas legais e as modalidades dessas reservas: - Reserva legal simples: ocorre quando a constituição estabelece (numa norma de eficácia limitada) que a restrição será prevista em lei. - Reserva legal qualificada: em norma de eficácia contida, a constituição estabelece a restrição a ser regulada por lei, além de definir condições ou limites que deverão ser seguidos pelo legislador ordinário. A limitação apresentada pelo legislador ordinário deve obedecer ao princípio dos limites dos limites, ou seja, não pode estabelecer limitações inadequadas ou excessivas aos direitos. No caso do estado de defesa, poderão ser restritos deveres e garantias fundamentais compreendidas pelo sigilo de correspondência, comunicações telegráficas e telefônicas e ao direito de reunião. Já em estado de sítio (Art. 139) poderão ser tomadas contra as pessoas as seguintes medidas: I - obrigação de permanência em localidade determinada; II - detenção em edifício não destinado a acusados ou condenados por crimes comuns;

13 13 III - restrições relativas à inviolabilidade da correspondência, ao sigilo das comunicações, à prestação de informações e à liberdade de imprensa, radiodifusão e televisão, na forma da lei; IV - suspensão da liberdade de reunião; V - busca e apreensão em domicílio; VI - intervenção nas empresas de serviços públicos; VII - requisição de bens. Sobre as limitações a direitos fundamentais, a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal já se posicionou sobre o caráter não absoluto desses direitos, em diversas situações, especialmente, na esfera probatória. Nesse sentido, em várias situações, os direitos fundamentais previstos no artigo 5º, da Constituição Federal de 1988, exigem regulamentação legal, quando o Estado necessita adentrar na esfera da intimidade da pessoa, exemplo da quebra de sigilo bancário; quebra de sigilo de dados; autorizações para interceptações telefônicas; dentre outras possibilidades, todas afetas a cláusulas de reserva legal e, também, reserva de jurisdição. Sobre a reserva legal e a intervenção do legislador e, e sobre os procedimentos que demandam a intervenção do Estado na esfera individual da pessoa humana, o Excelso Pretório fixou o seguinte entendimento: A RESERVA DE LEI EM SENTIDO FORMAL QUALIFICA-SE COMO INSTRUMENTO CONSTITUCIONAL DE PRESERVAÇÃO DA INTEGRIDADE DE DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS. - O princípio da reserva de lei atua como expressiva limitação constitucional ao poder do Estado, cuja competência regulamentar, por tal razão, não se reveste de suficiente idoneidade jurídica que lhe permita restringir direitos ou criar obrigações. Nenhum ato regulamentar pode criar obrigações ou restringir direitos, sob pena de incidir em domínio constitucionalmente reservado ao âmbito de atuação material da lei em sentido formal. - O abuso de poder regulamentar, especialmente nos casos em que o Estado atua "contra legem" ou "praeter legem", não só expõe o ato transgressor ao controle jurisdicional, mas viabiliza, até mesmo, tal a gravidade desse comportamento governamental, o exercício, pelo Congresso Nacional, da competência extraordinária que lhe confere o art. 49, inciso V, da Constituição da República e que lhe permite "sustar os atos normativos do Poder Executivo que exorbitem do poder regulamentar (...)". Doutrina. Precedentes (RE AgR/SC, Rel. Min. CELSO DE MELLO, v.g.). Plausibilidade jurídica da pretensão cautelar deduzida pelo Estado do Rio Grande do Sul. Reconhecimento de situação configuradora do "periculum in mora". ACO 1048 QO, Relator(a): Min. CELSO

14 14 DE MELLO, Tribunal Pleno, julgado em 30/08/2007. DJe -134 DIVULG PUBLIC DJ PP EMENT VOL PP ). No mesmo sentido, ao se referir à necessidade de interferência, a cláusula de reserva de jurisdição remete-se ao principio constitucional da proporcionalidade ou razoabilidade. No entendimento prevalente na Corte Superior, o critério legitimador da aplicação da medida está assim apresentado. PROCESSO PENAL. PRISÃO CAUTELAR. EXCESSO DE PRAZO. CRITÉRIO DA RAZOABILIDADE. INÉPCIA DA DENÚNCIA. AUSÊNCIA DE JUSTA CAUSA. INOCORRÊNCIA. INDIVIDUALIZAÇÃO DE CONDUTA. VALORAÇÃO DE PROVA. IMPOSSIBILIDADE EM HABEAS CORPUS. 1. Caso a natureza da prisão dos pacientes fosse a de prisão preventiva, não haveria dúvida acerca do direito à liberdade em razão do reconhecimento do arbítrio na prisão - hipótese clara de relaxamento da prisão em flagrante. Contudo, não foi o que ocorreu. 2. A jurisprudência é pacífica na admissão de relaxamento da prisão em flagrante e, simultaneamente, do decreto de prisão preventiva, situação que em tudo se assemelha à presente hipótese, motivo pelo qual improcede o argumento de que há ilegalidade da prisão dos pacientes. 3. Na denúncia, houve expressa narração dos fatos relacionados à prática de dois latrocínios (CP, art. 157, 3 ), duas ocultações de cadáveres (CP, art. 211), formação de quadrilha (CP, art. 288), adulteração de sinal identificador de veículo motor (CP, art. 311) e corrupção de menores (Lei n 2.252/54, art. 1 ). 4. Na via estreita do habeas corpus, não há fase de produção de prova, sendo defeso ao Supremo Tribunal Federal adentrar na valoração do material probante já realizado. A denúncia atende aos requisitos do art. 41, do Código de Processo Penal, não havendo a incidência de qualquer uma das hipóteses do art. 43, do CPP. 5. Somente admite-se o trancamento da ação penal em razão de suposta inépcia da denúncia, em sede de habeas corpus, quando houver clara constatação de ausência de justa causa ou falta de descrição de conduta que, em tese, configura crime. Não é a hipótese, eis que houve individualização das condutas dos pacientes, bem como dos demais denunciados. 6. Na contemporaneidade, não se reconhece a presença de direitos absolutos, mesmo de estatura de direitos fundamentais previstos no art. 5º, da Constituição Federal, e em textos de Tratados e Convenções Internacionais em matéria de direitos humanos. Os critérios e métodos da razoabilidade e da proporcionalidade se afiguram fundamentais neste contexto, de modo a não permitir que haja prevalência de determinado direito ou interesse sobre outro de igual ou maior estatura jurídicovalorativa. 7. Ordem denegada. (HC 93250, Relator(a): Min. ELLEN GRACIE,

15 15 Segunda Turma, julgado em 10/06/2008, DJe-117 DIVULG PUBLIC EMENT VOL PP-00644). Sobre a cláusula de reserva de jurisdição, o Supremo Tribunal Federal, na relatoria do ministro Celso de Mello, apresenta o seguinte entendimento: Postulado constitucional da reserva de jurisdição: um tema ainda pendente de definição pelo Supremo Tribunal Federal. O postulado da reserva constitucional de jurisdição importa em submeter à esfera única de decisão dos magistrados a prática de determinados atos cuja realização, por efeito de explícita determinação constante do próprio texto da Carta Política, somente pode emanar do juiz, e não de terceiros, inclusive daqueles a quem se haja eventualmente atribuído o exercício de poderes de investigação próprios das autoridades judiciais. A cláusula constitucional da reserva de jurisdição que incide sobre determinadas matérias, como a busca domiciliar (CF, art. 5º, XI), a interceptação telefônica (CF, art. 5º, XII) e a decretação da prisão de qualquer pessoa, ressalvada a hipótese de flagrância (CF, art. 5º, LXI) traduz a noção de que, nesses temas específicos, assiste ao Poder Judiciário, não apenas o direito de proferir a última palavra, mas, sobretudo, a prerrogativa de dizer, desde logo, a primeira palavra, excluindo-se, desse modo, por força e autoridade do que dispõe a própria Constituição, a possibilidade do exercício de iguais atribuições, por parte de quaisquer outros órgãos ou autoridades do Estado... 1 Ainda sobre a cláusula de reserva de jurisdição, são relevantes os ensinamentos de Canotilho: A idéia de reserva de jurisdição implica a reserva de juiz relativamente a determinados assuntos. Em sentido rigoroso, reserva de juiz significa que em determinadas matérias cabe ao juiz não apenas a última palavra mas também a primeira palavra. É o que se passa, desde logo, no domínio tradicional das penas restritivas da liberdade e das penas de natureza criminal na sua globalidade. Os tribunais são os guardiões da liberdade e das penas de natureza criminal e daí a consagração do princípio nulla poena sine judicio... Sobre a inviolabilidade da privacidade/intimidade e o direito à instrução probatória, ambas são normas-princípio, e é possível conflitarem-se entre si. Não se pretende a aplicação, nesse ponto, de divergências conceituais entre normas e princípios. Tem-se, conquanto, a idéia de que é possível haver ponderação entre ambos os institutos, quando se trata de matéria de ordem constitucional. 1 STF, MS RJ, Tribunal Pleno, DJ 12/05/2000, Min. Celso de Mello.

16 16 Até porque o Legislador Constituinte previu expressamente as possibilidades de regulamentação de interferência (limitação) na esfera dos direitos fundamentais, sendo, assim, são situações autorizativas de restrição ou de limitação necessária, uma tarefa árdua de ponderação de princípios e de prevalência de interesses: O legislador constituinte, que opta conscientemente pela normativização constitucional das liberdades, vê-se, assim, a braços com o seguinte dilema: ou acolhe o mundo dos direitos fundamentais de forma bastante lapidar, genérica ou programática ou se orienta para conferir às normas de direitos fundamentais, particularmente às de direitos, liberdades e garantias, o carácter de verdadeiras regras jurídicas, minuciosas e de concretização pormenorizadamente regulada. A primeira opção abriga o risco da recuperação, por parte de legislador e Administração, da disponibilidade de outrora sob a aparência das necessidades de concretização e, por outro, na ausência de parâmetros de controlo indiscutíveis, estimula uma correspondente e tendencialmente expansiva intervenção de controlo do juiz constitucional. A segunda opção, se levada a sério, pode tolher aquelas tarefas de realização e compatibilização de bens e valores constitucionais num espartilho inviável. O mesmo autor dá o exemplo da regra que proíbe a pena de morte (p. 372), dizendo não ser possível qualquer ponderação ou relativização da norma de direito fundamental, no caso da Constituição Portuguesa 2. Assim, percebe-se que os direitos fundamentais, desde a origem, já de consubstanciaram-se de modo não absoluto, eis que há exceções, que serão regulamentadas por lei e, considerando a não existência de limite imanente entre um direito e outro, conquanto já haveria uma ponderação formal de todas as possibilidades de restrição. Contudo, não se trata de apresentar uma nova roupagem aos direitos fundamentais, diante da norma principiológica; o entendimento é que um princípio é ilimitado; e a sua aplicação dá-se por inteiro; ocorre que, é comum haver choques de um com outro princípio, o que impede a aplicação integral, quando se tem a necessária ponderação, buscando resolver qual princípio e em que grau será aplicado ao caso concreto. Por exemplo, quando há colisão de dois interesses: o interesse público colidindo com o interesse particular, representados por direitos (normas-princípio), ambos 2 NOVAIS. As restrições aos direitos fundamentais não expressamente autorizadas pela Constituição, p. 25. Apud KANAYAMA, Luís Rodrigo. Limites às restrições aos direitos fundamentais na atividade de investigação do Poder Legislativo. Dissertação de Mestrado: Disponível em: %20Fundamentais%20na%20Atividade%20.pdf. Acessado em 17/05/2009.

17 17 fundamentais: não produção de provas contra si mesmo, ou a não violação da intimidade colidindo com o princípio da integridade física/intimidade. E, resta esclarecer que a referência ao direito à preservação da intimidade dá-se em virtude desta pesquisa apresentar a produção de provas através da realização do exame de DNA, como procedimento identificatório necessário ao deslinde processual. Considera-se, portanto, relevante para a solução dos conflitos na esfera processual penal a possibilidade de indicação da autoria de um crime mediante a aplicação de um método identificatório diverso dos previstos pelo legislador infraconstitucional. A colisão ocorre quando a Constituição Federal apresenta que são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas (...) (art. 5o, X, CF/88). Para tanto, com base na ponderação, segundo Alexy, estudou-se que, no conflito entre dois direitos colidentes, pressupondo que são representados por princípios, podendo ser aplicados em diferentes graus, ou afastados sem retirá-los do ordenamento, um se sobreporá ao outro, conforme o caso concreto que servirá de substrato para a ponderação O EXAME DE DNA E AS GARANTIAS CONSTITUCIONAIS Uma das preocupações atuais com o exame de DNA, diante da sua efetiva aplicação como prova nos tribunais, tem sido o grau de valoração, implicitamente e, em alguns casos, expressamente demonstrados, além do risco de hierarquização das provas processuais. Sobre a admissibilidade das provas no processo, destacam-se os seguintes dispositivos legais: a) Art. 5.º, LVI da CF/88: São inadmissíveis no processo as provas obtidas por meios ilícitos. b) Art. 332, do CPC: Todos os meios legais, bem como os moralmente legítimos, ainda que não especificados neste Código, são hábeis para provar a verdade dos fatos, em que funda a ação da defesa. Oportunas são as palavras de Antônio Magalhães Gomes Filho, sobre as provas no Processo Penal: No ordenamento jurídico brasileiro não há que se cogitar em provas plenas ou semiplenas, nem de hierarquia legal das provas, salvo os casos expressamente indicados em lei. 3 3 Apud: Adauto Suannes. Provas eticamente inadmissíveis no Processo Penal. Revista Brasileira de Ciências Criminais, n. 31, p.87.

18 18 A questão da admissibilidade de provas refere-se à validade e eficácia dos atos processuais, que devem ser realizados segundo modelos traçados pelo legislador, pois ao contrário, a desconformidade poderá levar à invalidade e ineficácia. 4 Não obstante, o exame de DNA não afasta o poder discricionário do julgador. A doutrina e as leis brasileiras sempre admitiram que a finalidade do processo não é aceitar, o que certas provas, em seu aspecto exterior ou formal, indicam, mas descobrir a verdade dos fatos, a verdade real 5. Sobre a relevância do exame do DNA como peça fundamental para o alcance da verdade real no processo, veja entendimento do Juízo: HC. Excesso de Prazo. Exame de DNA. A Turma denegou de hábeas corpus, entendendo que, apesar de existir prazo para o término da instrução criminal, este não é peremptório, visto que, no caso, é de se considerar normal, pela incidência do princípio da razoabilidade, eventual demora na conclusão da colheita fático-probatória, notadamente porque da dependência única de um laudo de exame de DNA, inclusive com exumação, fundamental para o alcance da verdade real. HC RS, Rel. min. Fernando Gonçalves, julgado em 3/4/2001. Eis que são afastadas, nessa linha de raciocínio, o exame pericial do DNA como prova, já que o livre convencimento do juiz se forma exatamente na consciência do magistrado, em virtude das provas do processo: O juiz, não obstante aprecie as provas livremente, não segue as suas impressões pessoais, mas tira a sua convicção das provas produzidas, ponderando sobre a qualidade e a vis probandi destas; a convicção está na consciência formada pelas provas, não arbitrária e sem peias, e sim condicionada a regras jurídicas, a regras de lógica, a regras de experiência, tanto que o juiz deve mencionar na sentença os motivos que a formaram. 6 Para ilustrar, não basta, por exemplo, que o exame pericial individualize o DNA extraído do material biológico encontrado nos órgãos genitais de uma vítima de estupro (sêmen), como sendo o material biológico do seu real agressor. 4 Antônio Magalhães Gomes Filho. Direito à Prova no Processo Penal : RT, 1997, p Apud: Adauto Suannes. Provas eticamente inadmissíveis no Processo Penal. Revista Brasileira de Ciências Criminais, n. 31, p Moacyr Amaral dos Santos. A prova judiciária no cível e no comercial. v. I, p. 359.

19 19 Há casos comprovados de estupros em que o agressor usou preservativo, não deixando resíduo biológico em sua(s) vítima(s). Após satisfazer sua lasciva, o indivíduo descarta o preservativo no local do crime, facilitando o trabalho investigativo da polícia. A certeza advinda dos exames do DNA não dispensa a instrução judicial, até porque o agente pode vir a comprovar algumas das excludentes de ilicitude na prática delituosa, ou que a relação sexual aconteceu com o consentimento da vítima. Há casos e casos! Justamente por isso, o julgador caberá ao julgador um estudo sucinto e minucioso do conjunto probatório, a fim de ver concluídos os elementos da condenação. São as evidências que conduzirão a um juízo de condenação ou de absolvição; o exame do DNA soma-se às demais evidências necessárias ao deslinde processual; mas em alguns casos, o exame pericial do DNA é o único elemento disponível para a solução do conflito, sem o qual, o qual se torna irresoluto. As provas compõem as evidências. Por evidências tem-se a definição etimológica de que é o caráter objetivo de conhecimento que não comporta nenhuma dúvida quanto à sua verdade ou falsidade. 7 O exame do DNA não se apresenta como prova infalível à condenação de uma pessoa, mas como um instrumento de alto poder de individualização da pessoa COLISÃO DE DIREITOS FUNDAMENTAIS Robert Alexy entende que as colisões de direitos fundamentais devem ser analisadas sob dois aspectos distintos: a) colisão de direito fundamental em sentido estrito e; b) colisão de direitos fundamentais em sentido amplo. Quando o exercício ou realização do direito fundamental irradia efeitos negativos sobre direitos fundamentais de outrem, mesmo que idênticos ou diversos, fala-se em colisão em sentido estrito, tema deste trabalho, porque apresenta a colisão de direitos fundamentais entre si. Na colisão de direitos fundamentais em sentido amplo, o conflito está na manifestação da liberdade de opinião, que afeta negativamente os direitos fundamentais de 7 As perícias, por sua essência, têm as propriedades de tornar evidentes os fatos por elas examinados e constatados por suas conclusões.este é o entendimento de Plácido e Silva, em seu Dicionário Jurídico, p. 329, ed JEFREYS, A.J., WILSON, V., THEIN, S. L. Individual specific fingerprint of human DNA. Nature n. 316, p , 1985.

20 20 outrem; envolvem, por isso, outros princípios e valores voltados à proteção da comunidade, em geral. Não há, no ordenamento jurídico brasileiro, qualquer dispositivo legal que obrigue o réu, ou qualquer pessoa, em sede de investigação de paternidade ou em sede processual penal, a submeter-se ao exame pericial solicitado 9. Quando o objeto da prova pericial é o próprio ser humano pode-se estabelecer o confronto entre o direito à prova e o direito à resistência à prova, já que a Constituição Federal considera invioláveis a dignidade, a vida privada, a intimidade, a honra e a imagem das pessoas. (Art. 5.º, X). O tema abrange a questão da realização compulsória do exame do DNA forense. Sobre a relevância da prova pericial, José Rubens da Costa 10 disserta que caberá ao julgador ponderar entre um e outro valor para decidir, como em qualquer questão probatória, se necessário for a utilização da prova para sedimentar a verdade dos fatos. Também apresenta o remédio ao confronto de direitos, para saber, se o que deve prevalecer é o interesse na produção da prova, em face ao direito de recusa à compulsoriedade da produção da prova sobre o corpo humano. Nessa linha de raciocínio, em não se admitindo a recusa à prova, se o exigir o interesse público, mormente nas ações relativas ao estado e capacidade das pessoas, ou se não puder obter de outro modo a prova necessária ao julgamento do mérito, resolve-se o conflito de direitos. 11 Logo, o exame compulsório do DNA caberá a requerimento das partes, ou de ofício, obedecendo às regras gerais da prova pericial, elencadas nos artigos 155, 156, 157, todos do CPP. O direito ao próprio corpo não é absoluto ou ilimitado. 12 A realização do exame de DNA forense encontra resistência quando a parte alega em seu favor o direito à integridade física, à intangibilidade do corpo humano, e à intimidade. Sobre a tutela da intimidade, Edson Ferreira da Silva apresenta que é possível compatibilizar o direito à intimidade com os demais valores tutelados pela ordem jurídica. Direito algum é indisponível em termos absolutos (Direito à intimidade, p. 130). 9 RASKIN, Salmo. Validade da técnica de PCR-STR na determinação de paternidade em DNA. Revista Laes & Haes, n. 108, p.86-94, agosto/setembro, COSTA, José Rubens. Direito indisponível à verdade histórica: Exame compulsório de DNA. RT 793, nov/ p idem 12 Esse é o entendimento de José Rubens da Costa em Direito indisponível à verdade histórica: exame compulsório de DNA. RT 793, nov/ 2001, p ; e Edson Ferreira da Silva. Direito à intimidade. SP : Oliveira Mendes, 1998, p. 125.

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

No dia 29 de março de 2007, entrou em vigor a lei nº 11.464/07 que alterou a redação do artigo 2º, da lei nº 8.072, de 28 de julho de 1990.

No dia 29 de março de 2007, entrou em vigor a lei nº 11.464/07 que alterou a redação do artigo 2º, da lei nº 8.072, de 28 de julho de 1990. A NOVA DISCIPLINA DA PROGRESSÃO DE REGIME TRAZIDA PELA LEI Nº 11.464/07. MAURICIO MAGNUS FERREIRA JUIZ DE DIREITO DO TJ/RJ No dia 29 de março de 2007, entrou em vigor a lei nº 11.464/07 que alterou a redação

Leia mais

PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL

PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL Carlos Antonio da Silva 1 Sandro Marcos Godoy 2 RESUMO: O Direito Penal é considerado o ramo jurídico mais incisivo, uma vez que restringe um dos maiores bens do

Leia mais

unanimidade, denegar a ordem. Os Srs. Ministros Arnaldo Esteves Lima, Felix Fischer e Gilson Dipp votaram com a Sra. Ministra Relatora.

unanimidade, denegar a ordem. Os Srs. Ministros Arnaldo Esteves Lima, Felix Fischer e Gilson Dipp votaram com a Sra. Ministra Relatora. Súmula Vinculante nº. 14: É direito do defensor, no interesse do representado, ter acesso amplo aos elementos de prova que, já documentados em procedimento investigatório realizado por órgão com competência

Leia mais

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador RENATO CASAGRANDE

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador RENATO CASAGRANDE PARECER Nº, DE 2010 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em caráter terminativo, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 37, de 2010, da Senadora Lúcia Vânia, que altera o art. 10 do Código de

Leia mais

PARECERES JURÍDICOS. Para ilustrar algumas questões já analisadas, citamos abaixo apenas as ementas de Pareceres encomendados:

PARECERES JURÍDICOS. Para ilustrar algumas questões já analisadas, citamos abaixo apenas as ementas de Pareceres encomendados: PARECERES JURÍDICOS Partindo das diversas obras escritas pelo Prof.Dr. AURY LOPES JR., passamos a oferecer um produto diferenciado para os colegas Advogados de todo o Brasil: a elaboração de Pareceres

Leia mais

QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL

QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL Kiyoshi Harada * O debate em torno da quebra do sigilo bancário voltou à baila após a manifestação do Procurador-Geral do Banco Central no sentido de que as

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

PROVAS ILÍCITAS E A JURISPRUDÊNCIA DO STF

PROVAS ILÍCITAS E A JURISPRUDÊNCIA DO STF PROVAS ILÍCITAS E A JURISPRUDÊNCIA DO STF Elaborado em 01.2009 Zélio Maia da Rocha Procurador do Distrito Federal, advogado e Professor de Direito Constitucional no IDJ Instituto de Desenvolvimento Jurídico,

Leia mais

REGIME PRISIONAL FECHADO NO DELITO DE TRÁFICO DE ENTORPECENTES. Autor: Fábio Soares Valera. Promotor de Justiça. Comarca de Araxá.

REGIME PRISIONAL FECHADO NO DELITO DE TRÁFICO DE ENTORPECENTES. Autor: Fábio Soares Valera. Promotor de Justiça. Comarca de Araxá. REGIME PRISIONAL FECHADO NO DELITO DE TRÁFICO DE ENTORPECENTES. Autor: Fábio Soares Valera. Promotor de Justiça. Comarca de Araxá. Em sede do julgamento do habeas corpus n. 97.256/RS, o Supremo Tribunal

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz da Vara Criminal de Medianeira/PR

Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz da Vara Criminal de Medianeira/PR Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz da Vara Criminal de Medianeira/PR PONTE, por seu defensor que esta subscreve, vem, respeitosamente, perante Vossa Excelência, requerer a concessão de LIBERDADE PROVISÓRIA

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Direito Teoria Geral do Processo 2

Universidade de Brasília Faculdade de Direito Teoria Geral do Processo 2 Universidade de Brasília Faculdade de Direito Teoria Geral do Processo 2 Letícia Bettina Granados Goulart Análise de Acórdão do Supremo Tribunal Federal - Habeas Corpus 93.050-6 Rio de Janeiro. Brasília

Leia mais

10/06/2008 SEGUNDA TURMA : MIN. CELSO DE MELLO : LUIZ FELIPE DA CONCEIÇÃO RODRIGUES

10/06/2008 SEGUNDA TURMA : MIN. CELSO DE MELLO : LUIZ FELIPE DA CONCEIÇÃO RODRIGUES 10/06/2008 SEGUNDA TURMA HABEAS CORPUS 93.050-6 RIO DE JANEIRO RELATOR PACIENTE(S) IMPETRANTE(S) COATOR(A/S)(ES) : MIN. CELSO DE MELLO : LUIZ FELIPE DA CONCEIÇÃO RODRIGUES : GUSTAVO EID BIANCHI PRATES

Leia mais

22/10/2015 https://pje.tjdft.jus.br/pje/consultapublica/detalheprocessoconsultapublica/documentosemloginhtml.seam?ca=e7a42b30ee6f6d0ff5bb5ab6f2d34

22/10/2015 https://pje.tjdft.jus.br/pje/consultapublica/detalheprocessoconsultapublica/documentosemloginhtml.seam?ca=e7a42b30ee6f6d0ff5bb5ab6f2d34 Poder Judiciário da União TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS 2JEFAZPUB 2º Juizado Especial da Fazenda Pública do DF Número do processo: 0706261 95.2015.8.07.0016 Classe judicial:

Leia mais

MATERIAL DE AULA LEI Nº 9.296, DE 24 DE JULHO DE 1996.

MATERIAL DE AULA LEI Nº 9.296, DE 24 DE JULHO DE 1996. MATERIAL DE AULA I) Ementa da aula Interceptação Telefônica. II) Legislação correlata LEI Nº 9.296, DE 24 DE JULHO DE 1996. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM?

Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM? Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM? A Justiça Militar Estadual por força de expressa vedação contida no art. 125, 4º, da CF/88, não tem competência

Leia mais

DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS: Teoria Geral Alexandre de Moraes

DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS: Teoria Geral Alexandre de Moraes DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS: Teoria Geral Alexandre de Moraes Sinopse Este livro divide-se em duas partes, analisando primeira e detalhadamente a Teoria Geral dos Direitos Humanos, para a seguir enfocar

Leia mais

LEI N.º 8.072, DE 25 DE JULHO DE 1990

LEI N.º 8.072, DE 25 DE JULHO DE 1990 LEI N.º 8.072, DE 25 DE JULHO DE 1990 O PRESIDENTE DA REPÚBLICA: LEI DOS CRIMES HEDIONDOS Dispõe sobre os crimes hediondos, nos termos do art. 5º, inciso XLIII, da Constituição Federal, e determina outras

Leia mais

Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros

Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros Os direitos fundamentais previstos na Constituição brasileira de 1988 são igualmente garantidos aos brasileiros e aos

Leia mais

O contraditório e a ampla defesa no processo administrativo

O contraditório e a ampla defesa no processo administrativo SEM REVISÃO O contraditório e a ampla defesa no processo administrativo Ary César Hernandez (*) Promotor de Justiça SP SUMÁRIO: 1 Generalidades. 1.1 O poder disciplinar. 1.2 Requisitos da aplicação de

Leia mais

ASSOCIACAO DE RADIO COMUNITARIA AMIGOS DO CASSINO ADVOGADO : Humberto da Silva Alves e outro REMETENTE : JUÍZO SUBSTITUTO DA 02A VF DE PORTO ALEGRE

ASSOCIACAO DE RADIO COMUNITARIA AMIGOS DO CASSINO ADVOGADO : Humberto da Silva Alves e outro REMETENTE : JUÍZO SUBSTITUTO DA 02A VF DE PORTO ALEGRE APELAÇÃO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 2004.71.00.045184-6/RS RELATORA Juíza VÂNIA HACK DE ALMEIDA APELANTE AGENCIA NACIONAL DE TELECOMUNICACOES - ANATEL ADVOGADO Guilherme Andrade Lucci APELADO ASSOCIACAO

Leia mais

PROCESSO PENAL - DPU. PONTO 1: Inquérito policial. PONTO 2: Ação Penal

PROCESSO PENAL - DPU. PONTO 1: Inquérito policial. PONTO 2: Ação Penal PROCESSO PENAL aula I Professor: David Data: 20.01.1020 PONTO 1: Inquérito policial PONTO 2: Ação Penal Artigos 4º a 23º do CPP 1. CONCEITO/NATUREZA. Trata-se de espécie de procedimento administrativo,

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR PRISÃO REALIZADA PELA GUARDA MUNICIPAL Denis Schlang Rodrigues Alves - Delegado de Polícia do Estado de Santa Catarina. Pós- Graduado em Direito Penal pela Universidade Paulista. Professor de Direito Penal

Leia mais

HC 6017-PB (0002378-25.2015.4.05.0000). RELATÓRIO

HC 6017-PB (0002378-25.2015.4.05.0000). RELATÓRIO HC 6017-PB (0002378-25.2015.4.05.0000). IMPTTE : CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL ADV/PROC : OSWALDO PINHEIRO RIBEIRO JÚNIOR E OUTROS IMPTDO : JUÍZO DA 8ª VARA FEDERAL DA PARAÍBA (SOUSA)

Leia mais

Capítulo I - Dos Direitos e deveres individuais e coletivos (art. 5º) Diferenciação entre Direitos, Garantias e Remédios Constitucionais.

Capítulo I - Dos Direitos e deveres individuais e coletivos (art. 5º) Diferenciação entre Direitos, Garantias e Remédios Constitucionais. Diferenciação entre Direitos, Garantias e Remédios Constitucionais. Direitos: Declarações que limitam a atuação do Estado ou dos cidadãos. Garantias: Blindagem que envolve o Direito, evitando sua violação.

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A iniciativa probatória do juiz Manuela Pazos Lorenzo 1.OBJETIVO O presente trabalho tem o objetivo de analisar criticamente o ponto de vista do autor José Roberto dos santos Bedaque

Leia mais

PC-SE. Polícia Civil do Estado do Sergipe. Agente de Polícia Judiciária Substituto - Escrivão Substituto ÍNDICE VOLUME 1

PC-SE. Polícia Civil do Estado do Sergipe. Agente de Polícia Judiciária Substituto - Escrivão Substituto ÍNDICE VOLUME 1 Polícia Civil do Estado do Sergipe PC-SE Agente de Polícia Judiciária Substituto - Escrivão Substituto ÍNDICE VOLUME 1 CONHECIMENTOS GERAIS LINGUA PORTUGUESA 1 Compreensão de textos. 2 Denotação e conotação...

Leia mais

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 Sumário Prefácio... 11 Apresentação dos autores... 13 Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 1. Para entender a lei... 26 2. Aspectos gerais... 28 2.1 Fundamento constitucional... 28 2.2 A Lei dos

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL PEÇA PROFISSIONAL Petição inicial: Queixa-crime. Endereçamento: Vara Criminal da Comarca de São Paulo SP. Vara criminal comum, visto que as penas máximas abstratas, somadas, ultrapassam dois anos. Como

Leia mais

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV Caso do Campo de Algodão: Direitos Humanos, Desenvolvimento, Violência e Gênero ANEXO I: DISPOSITIVOS RELEVANTES DOS INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS

Leia mais

Questões de Processo Penal

Questões de Processo Penal Questões de Processo Penal 1º) As Contravenções Penais (previstas na LCP) são punidas com: a) ( ) Prisão Simples; b) ( ) Reclusão; c) ( ) Detenção; d) ( ) Não existe punição para essa espécie de infração

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe www.jfse.gov.br

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe www.jfse.gov.br 1 Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe www.jfse.gov.br PROCESSO Nº 2008.85.00.001172-4 CLASSE: 126 MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRANTE: MARIA DE LOURDES VIEIRA LIMA IMPETRADO:

Leia mais

PARECER APROVADO PELO PLENO DO CFESS EM 09/09/2010

PARECER APROVADO PELO PLENO DO CFESS EM 09/09/2010 ASSUNTO: Relação do Assistente Social com autoridades do Sistema Judiciário/ Determinações ou exigências emanadas, que não se coadunam com o Código de Ética do Assistente Social e com as normas previstas

Leia mais

A REVOGAÇÃO TÁCITA DOS ARTIGOS 30 E 31 DA LEI DO COLARINHO BRANCO EM RAZÃO DA ALTERAÇÃO LEGISLATIVA PROMOVIDA PELA LEI 12.403/11.

A REVOGAÇÃO TÁCITA DOS ARTIGOS 30 E 31 DA LEI DO COLARINHO BRANCO EM RAZÃO DA ALTERAÇÃO LEGISLATIVA PROMOVIDA PELA LEI 12.403/11. A REVOGAÇÃO TÁCITA DOS ARTIGOS 30 E 31 DA LEI DO COLARINHO BRANCO EM RAZÃO DA ALTERAÇÃO LEGISLATIVA PROMOVIDA PELA LEI 12.403/11. Ricardo Henrique Araújo Pinheiro Recentemente publicamos um artigo no qual

Leia mais

Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23

Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23 Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23 CAPÍTULO I... 25 1. Novos riscos, novos danos... 25 2. O Estado como responsável por danos indenizáveis... 26 3.

Leia mais

Excelentíssimo Dr. Roberto Monteiro Gurgel Santos, DD. Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público:

Excelentíssimo Dr. Roberto Monteiro Gurgel Santos, DD. Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público: Excelentíssimo Dr. Roberto Monteiro Gurgel Santos, DD. Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público: Venho à presença de Vossa Excelência, nos termos do Regimento Interno deste Conselho, apresentar

Leia mais

O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO E O JULGAMENTO POR E-MAIL

O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO E O JULGAMENTO POR E-MAIL O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO E O JULGAMENTO POR E-MAIL Ana Victoria de Paula Souza Souza, Ana Victoria de Paula. O tribunal de justiça do Estado de São Paulo e o julgamento por e-mail.

Leia mais

A PRISÃO DO DIREITO PENAL. Aurélio Wander Bastos

A PRISÃO DO DIREITO PENAL. Aurélio Wander Bastos A PRISÃO DO DIREITO PENAL Aurélio Wander Bastos O moderno Direito Penal Brasileiro tem evoluído em três grandes linhas teóricas: a do Direito Penal Comum, que trata principalmente da criminalidade comum;

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO fls. 359 ACÓRDÃO Registro: 2014.0000557534 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 1043649-38.2013.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante AMIL SAÚDE S/A, é apelado FELLIPE

Leia mais

AS GARANTIAS CONSTITUCIONAIS EM RELAÇÃO AO PRINCÍPIO DA INOCÊNCIA PRESUMIDA

AS GARANTIAS CONSTITUCIONAIS EM RELAÇÃO AO PRINCÍPIO DA INOCÊNCIA PRESUMIDA AS GARANTIAS CONSTITUCIONAIS EM RELAÇÃO AO PRINCÍPIO DA INOCÊNCIA PRESUMIDA * Luis Fernando da Silva Arbêlaez Júnior ** Professora Vânia Maria Bemfica Guimarães Pinto Coelho Resumo A Constituição Federal

Leia mais

CAPÍTULO I - FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO...

CAPÍTULO I - FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO...19 DEDICATÓRIA...21 CAPÍTULO I - FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... 23 1. Antecedentes históricos da função de advogado...23 2. O advogado na Constituição Federal...24 3. Lei de

Leia mais

PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 3 Rosivaldo Russo 1) AÇÃO PENAL: 2. INÍCIO DA AÇÃO PENAL

PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 3 Rosivaldo Russo 1) AÇÃO PENAL: 2. INÍCIO DA AÇÃO PENAL PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 3 Rosivaldo Russo 1) AÇÃO PENAL: 2. INÍCIO DA AÇÃO PENAL AÇÃO PENAL PÚBLICA tem início através de uma peça que se chama denúncia. Essa é a petição inicial dos crimes

Leia mais

Espelho da 2ª Redação_ Simulado Policia Federal_30.11.13. Delimitação do tema.

Espelho da 2ª Redação_ Simulado Policia Federal_30.11.13. Delimitação do tema. Espelho da 2ª Redação_ Simulado Policia Federal_30.11.13 Um policial federal, ao executar a fiscalização em um ônibus interestadual procedente da fronteira do Paraguai, visando coibir o contrabando de

Leia mais

Dos Direitos e Garantias Fundamentais.

Dos Direitos e Garantias Fundamentais. MATERIAL DE AULA I) Ementa da aula e breve resumo Dos Direitos e Garantias Fundamentais. Os direitos e garantias fundamentais correspondem às normas constitucionais que possibilitam as condições mínimas

Leia mais

ARTHUR TRIGUEIROS e WANDER GARCIA. Edição 2013. Coordenadores CONCURSOS POLICIAIS. 2 a Edição 2013 2.000 QUESTÕES COMENTADAS

ARTHUR TRIGUEIROS e WANDER GARCIA. Edição 2013. Coordenadores CONCURSOS POLICIAIS. 2 a Edição 2013 2.000 QUESTÕES COMENTADAS Edição 2013 ARTHUR TRIGUEIROS e WANDER GARCIA Coordenadores CONCURSOS POLICIAIS 2 a Edição 2013 2.000 QUESTÕES COMENTADAS SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Direito Constitucional 13 1. PODER CONSTITUINTE... 13 2. TEORIA

Leia mais

Súmulas em matéria penal e processual penal.

Súmulas em matéria penal e processual penal. Vinculantes (penal e processual penal): Súmula Vinculante 5 A falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar não ofende a Constituição. Súmula Vinculante 9 O disposto no artigo

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL João e José são pessoas com deficiência física, tendo concluído curso de nível superior. Diante da abertura de vagas para preenchimento de cargos vinculados ao Ministério

Leia mais

Prisão Preventiva e Clamor Público

Prisão Preventiva e Clamor Público Prisão Preventiva e Clamor Público José Carlos Fragoso 1. A prisão preventiva é medida excepcional, que se funda exclusivamente na imperiosa necessidade. O normal é que as pessoas recebam a pena depois

Leia mais

MATERIAL DE AULA DOS DOCUMENTOS. Art. 231. Salvo os casos expressos em lei, as partes poderão apresentar documentos em qualquer fase do processo.

MATERIAL DE AULA DOS DOCUMENTOS. Art. 231. Salvo os casos expressos em lei, as partes poderão apresentar documentos em qualquer fase do processo. MATERIAL DE AULA I) Ementa da aula Documentos, Indícios e Busca e Apreensão. II) Legislação correlata DOS DOCUMENTOS Art. 231. Salvo os casos expressos em lei, as partes poderão apresentar documentos em

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 5.237, DE 2013 (Apenso: Projeto de Lei nº 385, de 2015)

PROJETO DE LEI Nº 5.237, DE 2013 (Apenso: Projeto de Lei nº 385, de 2015) PROJETO DE LEI Nº 5.237, DE 2013 (Apenso: Projeto de Lei nº 385, de 2015) Acrescenta inciso V ao art. 3º da Lei 9.474, de 22 de agosto de 1997, e inciso VI e parágrafo único ao art. 7º da Lei nº 6.815,

Leia mais

A progressão de regime e o exame criminológico à luz da Súmula Vinculante 26 e Súmula 439 do STJ

A progressão de regime e o exame criminológico à luz da Súmula Vinculante 26 e Súmula 439 do STJ A progressão de regime e o exame criminológico à luz da Súmula Vinculante 26 e Súmula 439 do STJ Irving Marc Shikasho Nagima Bacharel em Direito. Especialista em Direito Criminal. Advogado Criminalista

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES PROJETO DE LEI Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o Esta Lei estabelece princípios,

Leia mais

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25 Espelho Penal Peça O examinando deve redigir uma apelação, com fundamento no artigo 593, I, do Código de Processo Penal. A petição de interposição deve ser endereçada ao juiz de direito da 1ª vara criminal

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL PROFESSOR RODRIGO MENEZES facebook.com/prof.rodrigomenezes Art. 5º. Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo se aos brasileiros e aos estrangeiros

Leia mais

Sentença. 1. Relatório. Relatório dispensado (artigo 38 da Lei 9.099/95). 2. Fundamentação

Sentença. 1. Relatório. Relatório dispensado (artigo 38 da Lei 9.099/95). 2. Fundamentação Processo : 2013.01.1.151018-6 Classe : Procedimento do Juizado Especial Cível Assunto : Contratos de Consumo Requerente : CELSO VIEIRA DA ROCHA JUNIOR Requerido : EMPRESA EBAZAR Sentença 1. Relatório Relatório

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA Gabinete do Presidente

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA Gabinete do Presidente Gabinete do Presidente Despacho n.º /2009//Pres/CADE Data: 18 de agosto de 2009 Protocolado: 08700.002615/2009-31 Natureza: Protocolado Interbno Interessado: Conselho Administrativo de Defesa Econômica

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão VOTO Nº 220 /2008 - WG PROCESSO MPF Nº 1.00.000.006569/2008-99 ORIGEM: 1ª VARA FEDERAL DE CAMPINAS/SP RELATOR: WAGNER GONÇALVES EMENTA PEÇAS

Leia mais

Proteção do Sigilo de Informações e Marco Civil da Internet

Proteção do Sigilo de Informações e Marco Civil da Internet Proteção do Sigilo de Informações e Marco Civil da Internet 2 Não há lei brasileira que regule a atividade de navegação na internet ou traga disposições específicas e exclusivas sobre os dados que circulam

Leia mais

As interceptações telefônicas como prova cautelar e os princípios do contraditório e da ampla defesa

As interceptações telefônicas como prova cautelar e os princípios do contraditório e da ampla defesa As interceptações telefônicas como prova cautelar e os princípios do contraditório e da ampla defesa Evandro Dias Joaquim* José Roberto Martins Segalla** 1 INTRODUÇÃO A interceptação de conversas telefônicas

Leia mais

SIGNIFICADO DE BUSCA E APREENSÃO

SIGNIFICADO DE BUSCA E APREENSÃO SIGNIFICADO DE BUSCA E APREENSÃO * Nayara Humberto Ferreira ** Vânia Maria Bemfica Guimarães Pinto Coelho 1 Resumo Busca e apreensão é o interesse de reaver a pessoa ou a coisa que encontra-se em poder

Leia mais

Luiz Eduardo de Almeida

Luiz Eduardo de Almeida Luiz Eduardo de Almeida Apresentação elaborada para o curso de atualização do Instituo Brasileiro de Direito Tributário IBDT Maio de 2011 Atividade da Administração Pública: ato administrativo Em regra

Leia mais

EXCLUSÃO DE REGISTROS DE ANTECEDENTES CRIMINAIS. JUSTIÇA COMUM e JUSTIÇA MILITAR. Por Cid Sabelli 1

EXCLUSÃO DE REGISTROS DE ANTECEDENTES CRIMINAIS. JUSTIÇA COMUM e JUSTIÇA MILITAR. Por Cid Sabelli 1 EXCLUSÃO DE REGISTROS DE ANTECEDENTES CRIMINAIS. JUSTIÇA COMUM e JUSTIÇA MILITAR Por Cid Sabelli 1 INTRODUÇÃO Fato tormentoso na vida do cidadão diz respeito às informações lançadas em sua folha de antecedentes

Leia mais

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões:

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões: DIREITOS FUNDAMENTAIS Exame - 16.06.2015 Turma: Dia I Responda, sucintamente, às seguintes questões: 1. Explicite o sentido, mas também as consequências práticas, em termos de densidade do controlo judicial,

Leia mais

ROTEIRO DE AULA TEORIA GERAL DAS PRISÕES CAUTELARES.

ROTEIRO DE AULA TEORIA GERAL DAS PRISÕES CAUTELARES. CURSO DIREITO DISCIPLINA PROCESSO PENAL II SEMESTRE 7º Turma 2015.1 ROTEIRO DE AULA TEORIA GERAL DAS PRISÕES CAUTELARES. 1. DO CONCEITO DE PRISAO A definição da expressão prisão para fins processuais.

Leia mais

IMPOSSIBILIDADE DE RECOLHIMENTO DE PRESO CIVIL EM PRISÃO MILITAR

IMPOSSIBILIDADE DE RECOLHIMENTO DE PRESO CIVIL EM PRISÃO MILITAR ELBERT DA CRUZ HEUSELER Mestre em Direito da Administração Pública Doutorando em Ciências Jurídicas e Sociais Pós Graduado em Estratégia e Relações Internacionais Especialista em Globalização e Brasil

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça HABEAS CORPUS Nº 197.783 - SP (2011/0034092-9) RELATORA : MINISTRA MARILZA MAYNARD (DESEMBARGADORA CONVOCADA DO TJ/SE) IMPETRANTE : FABIANA JULIA OLIVEIRA RESENDE - DEFENSORA PÚBLICA IMPETRADO : TRIBUNAL

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECLAMAÇÃO Nº 14.696 - RJ (2013/0339925-1) RELATORA : MINISTRA MARIA ISABEL GALLOTTI RECLAMANTE : BANCO BRADESCO FINANCIAMENTOS S/A ADVOGADO : JOSÉ ANTÔNIO MARTINS E OUTRO(S) RECLAMADO : TERCEIRA TURMA

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL JOSÉ MARIA LUCENA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL JOSÉ MARIA LUCENA IMPTTE IMPTDO PACTE ORIGEM RELATOR : CLÁUDIO PIO DE SALES CHAVES E OUTRO : JUÍZO DA 12ª VARA FEDERAL DA PARAÍBA (GUARABIRA) : SAULO GONÇALVES COELHO : 12ª VARA FEDERAL DA PARAíBA (GUARABIRA - PB) : DESEMBARGADOR

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 31.648 - MT (2010/0037619-1) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO PROCURADOR : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES : AMAGGI EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO LTDA : EUCLIDES RIBEIRO

Leia mais

CONDICIONAR A EXPEDIÇÃO DO CRLV AO PAGAMENTO DE MULTAS É LEGAL?

CONDICIONAR A EXPEDIÇÃO DO CRLV AO PAGAMENTO DE MULTAS É LEGAL? CONDICIONAR A EXPEDIÇÃO DO CRLV AO PAGAMENTO DE MULTAS É LEGAL? A matéria que pretendemos colocar em discussão neste breve estudo concerne na legalidade do condicionamento da expedição do CRLV Certificado

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DE VAGAS DE DELEGADO DE POLÍCIA DO ESTADO DO MARANHÃO PADRÃO DE RESPOSTAS DAS QUESTÕES DISCURSIVAS

CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DE VAGAS DE DELEGADO DE POLÍCIA DO ESTADO DO MARANHÃO PADRÃO DE RESPOSTAS DAS QUESTÕES DISCURSIVAS CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DE VAGAS DE DELEGADO DE POLÍCIA DO ESTADO DO MARANHÃO PADRÃO DE RESPOSTAS DAS QUESTÕES DISCURSIVAS DIREITO PENAL E PROCESSUAL PENAL 1ª Questão (Tráfico de entorpecentes

Leia mais

érito, o pedido do benefício pensão por morte encontra respaldo legal no artigo 74 da Lei nº 8.213 de 24 de julho de 1991, que assim prevê:

érito, o pedido do benefício pensão por morte encontra respaldo legal no artigo 74 da Lei nº 8.213 de 24 de julho de 1991, que assim prevê: Vistos, etc. Trata-se de pedido de concessão do benefício previdenciário de pensão por morte, pleiteado pelo autor na condição de companheiro, tendo em vista a união homoafetiva mantida com o falecido

Leia mais

LEI Nº 4.898, DE 9 DE DEZEMBRO DE 1965

LEI Nº 4.898, DE 9 DE DEZEMBRO DE 1965 LEI Nº 4.898, DE 9 DE DEZEMBRO DE 1965 Regula o Direito de Representação e o Processo de Responsabilidade Administrativa Civil e Penal, nos casos de abuso de autoridade. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO EM HABEAS CORPUS Nº 21.628 - SP (2007/0158779-3) RELATORA : MINISTRA LAURITA VAZ RECORRENTE : AGOSTINHO FERRAMENTA DA SILVA JÚNIOR ADVOGADO : JULIANA FERRAMENTA DA SILVA RECORRIDO : TRIBUNAL DE

Leia mais

ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014

ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014 ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014 Dispõe sobre a regulamentação e a metodologia da inteligência de sinais a ser utilizada no âmbito do Ministério Público do Estado de Goiás. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA

Leia mais

DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL PENAL I. Professor: João Guilherme Lages Mendes.

DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL PENAL I. Professor: João Guilherme Lages Mendes. UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ Coordenação do Curso de Direito DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL PENAL I. Professor: João Guilherme Lages Mendes. Assunto: Do Inquérito Policial. Noções Gerais. Características.

Leia mais

Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006. (pt. nº. 3.556/06)

Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006. (pt. nº. 3.556/06) Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006 (pt. nº. 3.556/06) Constitui, na comarca da Capital, o Grupo de Atuação Especial de Inclusão Social, e dá providências correlatas. O Colégio de Procuradores

Leia mais

ok PACIENTE: Antônio Carlos da Silva Felipe

ok PACIENTE: Antônio Carlos da Silva Felipe PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAIBA GABINETE DO DESEMBARGADOR LUIZ SILVIO RAMALHO JÚNIOR ACÓRDÃO HABEAS CORPUS (Processo n 999.2012.001461-11001) RELATOR: Marcos William de Oliveira,

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL AO ILUSTRÍSSIMO SENHOR SÉRGIO FRANKLIN QUINTELLA VICE-PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS RECOMENDAÇÃO 1. Considerando que a Constituição Federal de 1988 atribui ao Ministério Público, nos termos do

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 5. RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES Teoria Geral do Processo; Direito Penal I; Direito Penal II; Direito Constitucional II.

PLANO DE ENSINO. 5. RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES Teoria Geral do Processo; Direito Penal I; Direito Penal II; Direito Constitucional II. PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professora: Ms. Anna Karyne Turbay Palodetto anakaryne@uniarp.edu.br Período/ Fase: 6º Semestre:

Leia mais

1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito:

1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito: 1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito: (A) desapropriação de terras improdutivas. (B) penhora de bens em execução

Leia mais

RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS.

RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS. RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS. 1. RELAÇÃO COM O DIREITO ADMINISTRATIVO: Classificado no Direito Público Interno, de quem é um de seus ramos, o Direito Administrativo,

Leia mais

apresentação... 29 capítulo i - atuação cível do ministério público (tutela coletiva especializada e tutela individual geral)...

apresentação... 29 capítulo i - atuação cível do ministério público (tutela coletiva especializada e tutela individual geral)... Sumário SUMÁRIO sobre o autor leonardo barreto moreira alves... 5 sobre o autor márcio soares berclaz... 7 prefácio... 27 apresentação... 29 capítulo i - atuação cível do ministério público (tutela coletiva

Leia mais

EXECUÇÕES ESPECÍFICAS

EXECUÇÕES ESPECÍFICAS EXECUÇÕES ESPECÍFICAS Prof. Ms. Bernardo Ribeiro Câmara Advogado e sócio do Escritório Freire, Câmara & Ribeiro de Oliveira Advogados; Mestre em Direito Processual Civil pela PUC/MG Especialista em Direito

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N.º, DE 2015 (Do Sr. ELI CORRÊA FILHO)

CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N.º, DE 2015 (Do Sr. ELI CORRÊA FILHO) CÂMARA DOS DEPUTADOS CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N.º, DE 2015 (Do Sr. ELI CORRÊA FILHO) Susta os efeitos da Decisão da Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Saúde Suplementar

Leia mais

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados São Paulo, 17 de maio de 2012 I. Apresentação II. Legislação Federal Básica III. Responsabilidade Ambiental

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL PROF. DRA. VÂNIA HACK DE ALMEIDA

DIREITO CONSTITUCIONAL PROF. DRA. VÂNIA HACK DE ALMEIDA 1 DIREITO CONSTITUCIONAL PONTO 1: DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS PONTO 2: a) CLASSIFICAÇÃO DOS DIR. E GARANTIAS FUNDAMENTAIS. b) PRINCÍPIOS E REGRAS ART. 5º, 3º 1 - CF - Dir. Humanos. No caput do art.

Leia mais

REF: EXERCÍCIO DO DIREITO DE GREVE DOCENTES EM ESTÁGIO PROBATÓRIO, SUBSTITUTOS E VISITANTES ANÁLISE JURÍDICA.

REF: EXERCÍCIO DO DIREITO DE GREVE DOCENTES EM ESTÁGIO PROBATÓRIO, SUBSTITUTOS E VISITANTES ANÁLISE JURÍDICA. 1 Brasília (DF), 7 de maio de 2012. Ilustríssimo Senhor Professor LUIZ HENRIQUE SCHUCH, 1º Vice-Presidente do SINDICATO NACIONAL DOS DOCENTES DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR- ANDES-SINDICATO NACIONAL.

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal RECLAMAÇÃO 15.309 SÃO PAULO RELATORA RECLTE.(S) PROC.(A/S)(ES) RECLDO.(A/S) ADV.(A/S) INTDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. ROSA WEBER :MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO :PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO

Leia mais

Sobre o autor leonardo barreto moreira alves... 5. Sobre o autor márcio soares berclaz... 7. Prefácio... 25. apresentação... 27

Sobre o autor leonardo barreto moreira alves... 5. Sobre o autor márcio soares berclaz... 7. Prefácio... 25. apresentação... 27 Sumário SUMÁRIO Sobre o autor leonardo barreto moreira alves... 5 Sobre o autor márcio soares berclaz... 7 Prefácio... 25 apresentação... 27 capítulo i atuação cível do ministério público (tutela coletiva

Leia mais

C0NTEÚDO PROGRAMÁTICO CURSO TROPA DE ELITE POLÍCIA MILITAR DO DISTRITO FEDERAL

C0NTEÚDO PROGRAMÁTICO CURSO TROPA DE ELITE POLÍCIA MILITAR DO DISTRITO FEDERAL C0NTEÚDO PROGRAMÁTICO CURSO TROPA DE ELITE POLÍCIA MILITAR DO DISTRITO FEDERAL 1. CONHECIMENTOS GERAIS 1.1. LÍNGUA PORTUGUESA: 1. Compreensão e intelecção de textos. 2. Tipologia textual. 3. Ortografia

Leia mais

Leopoldo Augusto Brüggemann RELATOR

Leopoldo Augusto Brüggemann RELATOR Habeas Corpus n. 2012.023453-6, de Blumenau Relator: Des. Leopoldo Augusto Brüggemann HABEAS CORPUS. PRETENSÃO DE REVOGAÇÃO DA SEGREGAÇÃO CAUTELAR DA PACIENTE. AVENTADA A NULIDADE DA PRISÃO EM FLAGRANTE.

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL. Autor: Ministério Público do Estado de São Paulo. Réu: Vivo S/a, Claro S/A, Tim Celular S/A e TNL PCS S/A

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL. Autor: Ministério Público do Estado de São Paulo. Réu: Vivo S/a, Claro S/A, Tim Celular S/A e TNL PCS S/A Registro nº /2013 Processo nº 0009617-48.2012.403.6109 Autor: Ministério Público do Estado de São Paulo Réu: Vivo S/a, Claro S/A, Tim Celular S/A e TNL PCS S/A DECISÃO Cuida-se de ação civil pública ajuizada

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Dos Srs. Paulo Teixeira, Fábio Trad, Delegado Protógenes e Miro Teixeira)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Dos Srs. Paulo Teixeira, Fábio Trad, Delegado Protógenes e Miro Teixeira) PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Dos Srs. Paulo Teixeira, Fábio Trad, Delegado Protógenes e Miro Teixeira) Altera os arts. 161, 162, 164, 165, 169 e 292 do Decreto-Lei n o 3.689, de 3 de outubro de 1941- Código

Leia mais

08/11/2012 PLENÁRIO : MIN. GILMAR MENDES

08/11/2012 PLENÁRIO : MIN. GILMAR MENDES Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 11 08/11/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 675.505 RIO DE JANEIRO RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S) RECDO.(A/S)

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.228.778 - MT (2010/0217471-4) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO RECORRIDO : MINISTRO SIDNEI BENETI : WANDER CARLOS DE SOUZA : SÉRGIO DONIZETE NUNES : GILBERTO LUIZ DE REZENDE : DANIELA

Leia mais

PRINCIPAIS JULGAMENTOS DE 2015 STF E STJ DIREITO PENAL E PROCESSO PENAL

PRINCIPAIS JULGAMENTOS DE 2015 STF E STJ DIREITO PENAL E PROCESSO PENAL PRINCIPAIS JULGAMENTOS DE 2015 STF E STJ DIREITO PENAL E PROCESSO PENAL Olá amigos do Sabermaisdireito.com, Segue os principais julgamentos sobre Direito Penal e Processo Penal dos Tribunais Superiores

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O direito à saúde na Constituição Federal de 1988: caracterização e efetividade Alexandre Gonçalves Lippel* 1. Caracterização do direito à saúde O direito à saúde emerge no constitucionalismo

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão VOTO Nº 5076/2012 PROCEDIMENTO MPF nº 1.00.000.002444/2012-76 ORIGEM: PRM TUBARÃO / SC PROCURADOR OFICIANTE: MICHAEL VON MÜHLEN DE BARROS GONÇALVES

Leia mais

ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS

ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS Prof. Dr. Eduardo Daruge Titular de Odontologia Legal e Deontologia da FOP-UNICAMP Prof. Medicina Legal da Faculdade de Direito da UNIMEP DEFINIÇÃO: PERÍCIAS

Leia mais