Dúvidas Frequentes 1) O que é o teste de paternidade por DNA?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dúvidas Frequentes 1) O que é o teste de paternidade por DNA?"

Transcrição

1 Dúvidas Frequentes 1) O que é o teste de paternidade por DNA? A análise em DNA é o meio mais preciso disponível atualmente para a determinação de paternidades ou maternidades duvidosas. É a extrema sensibilidade e especificidade do exame de DNA que supera a variabilidade de outros sistemas utilizados anteriormente (ABO, Rh, HLA, etc). As técnicas de análise do DNA requerem quantidade menor de sangue do que os testes de paternidade usados anteriormente. Isto torna o procedimento de coleta mais rápido e ordenado, principalmente em bebês e crianças. O exame em DNA pode ser feito com sangue coletado há semanas, meses ou até mesmo anos. Porém, a maior vantagem, sem dúvida, é a precisão deste exame. A tipagem antigamente utilizada só conseguia excluir 13 a 95% dos indivíduos falsamente acusados. Os resultados dos exames de DNA alcançam mais que 99,99% de probabilidade de paternidade (quando de não-exclusão) levandose em conta que o exame exclui 100% dos falsos pais biológicos. Através de sua análise podemos diferenciar um indivíduo do outro, já que todas as pessoas apresentam um padrão único em seu DNA, com exceção dos gêmeos idênticos (univitelinos mesma placenta). Para gêmeos dizigóticos (de placentas separadas) é possível identificação. A investigação de paternidade por DNA analisa o material que carrega toda a informação genética do indivíduo. Quando uma criança é gerada, recebe metade do material genético da mãe e a outra metade do pai. Graças à análise dessas metades que ele recebeu de sua mãe e de seu pai, pode-se confirmar a existência ou não de vínculo genético. O exame para investigação de vínculo genético é relativamente simples, apesar de todo o aparato tecnológico necessário. O que se procura é a comparação entre marcadores genéticos das pessoas envolvidas. Uma vez identificado os marcadores genéticos comuns entre mãe e filho, os marcadores remanescentes são comparados aos marcadores do Suposto Pai. Na eventualidade de discordância entre marcadores genéticos entre o filho e suposto pai, ocorre a exclusão de paternidade. No caso de uma correspondência entre os marcadores genéticos entre suposto pai e filho, pode-se indicar paternidade biológica.

2 2) Onde está localizado o DNA? O DNA pode ser detectado no núcleo (centro) de qualquer célula de um organismo, assim, o DNA das células brancas de seu sangue é exatamente igual ao DNA das células de sua pele, dos tecidos, da raiz do cabelo, dos ossos, do sêmen, da saliva, dos músculos, das células contidas na urina. Seu DNA é formado no momento da concepção e jamais mudará, mesmo depois da morte. 3) O que é o teste de DNA por P.C.R.? PCR é um método que reproduz seqüências específicas de DNA. Esta reação utiliza um DNA que é usado como molde primers, que são pequenas seqüências que complementam o DNA. Uma série de ciclos repetitiva faz que o molde seja separado em duas fitas, os primers ligam-se ao DNA e com a ajuda de uma enzima (proteína que acelera a reação) forma uma nova cópia da região de interesse do DNA. Em aproximadamente 20 ciclos, a concentração de DNA aumenta aproximadamente de vezes. 4) Qual a exatidão do teste de paternidade em DNA? A análise em DNA é o teste de paternidade mais preciso possível atualmente. Tomadas as devidas precauções no controle de qualidade do teste, este é um teste absolutamente preciso. Um resultado de exclusão significa com 100% de certeza que o suposto pai não é o pai biológico. Um resultado de inclusão vem acompanhado de cálculos estatísticos baseados na frequência de aparecimento destes marcadores na população. Desta maneira chegamos aos valores que são significativamente expressivos, que são indicativos de paternidade biológica. 5) Qual o material utilizado para se fazer o exame? Normalmente obtemos amostras de sangue ou outros fluidos biológicos, como saliva, sêmen, líquido amniótico e ainda tecidos como ossos. Caso a coleta não seja realizada no DNAVIDA, este deve ser consultado previamente para orientação correta da coleta.

3 Não é necessário que as pessoas que irão realizar a investigação utilizem do mesmo método para obtenção das amostras, pois o DNA é o mesmo em cada célula do corpo, não importando se as amostras sejam obtidas através da raiz do cabelo ou do método bucal. 6) Quanto de material é coletado? É doloroso? O exame de investigação de paternidade pode ser feito através do fio de cabelo, mas cabe lembrar que este não possui DNA, ao menos que seja arrancado do couro cabeludo e venha com a raiz (bulbo capilar) onde existem células que podem ser examinadas. Este procedimento deve ser realizado com muito critério usando luvas estéreis para não haver contaminação com o DNA presente na mão da pessoa que for colher o material, ou no pente ou escova de cabelo quando usado por outras pessoas que não a investigante em questão. A saliva (ou raspado bucal) é o segundo material mais utilizado depois do sangue para a investigação de paternidade frequentemente utilizado em recém-nascidos e pessoas que não podem ou não querem doar o sangue por motivos religiosos, e sobretudo, em pessoas que receberam a transfusão sanguínea nos últimos 90 dias. 7) Quanto de material é coletado? É doloroso? Normalmente é feita a coleta de uma pequena gota de sangue da ponta do dedo. O procedimento é rápido e semelhante ao procedimento de coleta de sangue realizado com exames para dosar taxas de açúcar no sangue de diabéticos, sendo praticamente indolor. Nos casos de coleta de saliva (swab bucal), é feito um raspado bucal (parte interna da bochecha) com uma escova de cerdas macias a fim de obter células em quantidade suficiente para a realização do exame. Este método também é indolor. 8)Em quais situações devem ser tomadas precauções extras antes ou após a realização do teste em DNA?

4 Casos de transfusão sanguínea nos últimos 90 dias antes da coleta do sangue ou transplante de medula óssea, merecem uma precaução especial. Neste caso o exame de DNA detectará a presença de componente genético de dois indivíduos em uma única amostra (doador e receptor) indicando que o teste deve ser repetido com uma nova coleta. Quando alguma parte declarar alguma destas duas situações possa estar ocorrendo, basta solicitar que na coleta seja coletada amostra de mucosa oral (saliva) que contêm o DNA original da pessoa. Como última alternativa caso esta suspeita seja posterior a coleta, basta solicitar uma contra-prova com este tipo de material. 9) Existe uma idade certa para a criança se submeter ao exame? Não, crianças de qualquer idade podem ser examinadas. Com o método utilizado (PCR), mesmo quantidades mínimas de DNA podem ser multiplicadas milhões de vezes, permitindo inclusive que a coleta seja feita através de raspado da mucosa oral (saliva), para evitar a coleta de sangue de crianças. 10) É possível realizar o teste se a mãe estiver morta ou ausente? O exame de investigação de paternidade também pode ser feito na ausência da mãe, comparando-se o DNA do filho e o DNA do suposto pai. Caso o filho seja menor de idade, o exame só poderá ser feito sem a autorização da mãe caso o filho esteja oficialmente registrado pelo suposto pai, ou sobre guarda judicial do suposto pai. Os resultados finais deste serão tão precisos quanto aqueles realizados com o trio completo (mãe-criança-suposto pai). Cabe aqui lembrar que quando o DNA da mãe esta disponível, o exame é ao mesmo tempo um exame de maternidade e paternidade, podendo ser usado também em situações como troca de crianças em maternidade e em situações onde há crianças desaparecidas que são encontradas muitos anos mais tarde.

5 11) No caso de o suposto pai ter falecido ou não ser facilmente localizado (p.e.: reside no exterior), é possível realizar este exame? Sim, o exame será realizado com amostras de parentes biológicos do suposto pai (pais, irmão e/ou filhos) a partir dos quais se procura reconstituir o seu perfil. Quando não existem parentes biológicos vivos, ou não é possível colher amostras biológicas do parentes próximos, o DNAVIDA poderá ainda estudar juntamente com os interessados a análise de DNA obtida a partir dos restos mortais do falecido coletados após a exumação. A exumação deve ser realizada quando devidamente autorizado e acompanhado de representantes legais que atestarão ter presenciado a exumação no referido cemitério, da referida sepultura, etc. Os restos mortais do exumado (dentes, mandíbulas, costelas, esterno, clavícula, ilíaco, e/ou fêmur) se houverem, serão avaliados para possível aproveitamento para extração do DNA. 12) Esse teste pode ser realizado quando a criança ainda encontra-se em gestação? (ainda não nasceu) Sim, obtendo amostras do feto a partir da 12ª semana de gestação por biópsia de vilosidade coriônica (uma parte da placenta que contem células do feto), ou por volta da 16ª semana de gestação com coleta de líquido amniótico, ou ainda a partir da 20ª semana de gestação por cordocentese (sangue do cordão umbilical). Porém a avaliação do estado gestacional e a coleta do material são de responsabilidade exclusiva do médico da paciente com expresso consentimento do casal e ciência dos riscos possíveis. Essas são intervenções com riscos para o feto e para a gestante. Uma vez coletada a amostra do feto procede-se a coleta da mãe e do Suposto Pai (usualmente sangue), para se iniciar a realização do exame.

6 13) As pessoas que usam medicamentos ou drogas podem fazer o exame em DNA? Sim, uma vez que o uso de qualquer medicamento, a ingestão de bebidas alcoólicas ou uso de drogas não afetará o exame. O padrão de DNA de um individuo não é alterado por drogas, álcool, medicamentos, alimentos, idade ou modo de vida. 14) É preciso estar de jejum para realizar a coleta de material? Não existe esta necessidade. Os participantes podem se alimentar normalmente. 15) Preciso de ordem judicial ou pedido médico para fazer o teste? Não há necessidade de pedido médico ou ordem judicial e sim um acerto entre as partes envolvidas. 16) Há necessidade de apresentação de algum documento de identificação? Quais? Sim. Na data estabelecida para a coleta e identificação das partes envolvidas na perícia, as pessoas maiores de dezoito anos deverão apresentar a Cédula de Identidade, Carteira Profissional ou qualquer documento similar que contenha fotografia. Os menores de dezoito anos deverão apresentar a Certidão de Nascimento, Cédula de Identidade ou no caso de recém nascido, sem registro de nascimento, poderá ser apresentado o registro de Nascido Vivo da maternidade. Caso algum documento não seja apresentado, o exame ficará pendente. É explicado as partes envolvidas na perícia, que o participante que não apresentar nenhum dos documentos acima descrito no momento da coleta, será cadastrado como Amostra não identificada. Só após a apresentação do documento que será incluído o seu nome no cadastro. Caso não seja apresentado o documento até o prazo de liberação do exame, o resultado será liberado como Amostra não identificada.

7 17) Quando as pessoas não podem realizar a coleta no mesmo dia, existe a possibilidade de se fazer a coleta separadamente? A coleta poderá ser feita em local e data distintas, porém, para se evitar desconfiança entre os participantes, é preferível que seja realizada com todos juntos. Se optarem pela coleta separada, os mesmos deverão assinar o Termo de concordância pelo procedimento. 18) A coleta do material poderá ser feita fora da cidade de Goiânia onde esta a sede do DNAVIDA? Sim, para uma maior conveniência dos participantes do exame, o DNAVIDA possui laboratórios conveniados em diversas cidades brasileiras. Esses laboratórios possuem kits de coleta do DNAVIDA com FTA, tubos com EDTA ou mesmo para a coleta de raspado bucal, contendo ainda todas as informações para a coleta e envio juntamente com os Termos de consentimento e de Responsabilidade. 19) A coleta do material poderá ser feita em laboratórios não identificados pelo DNAVIDA? Sim, mais é sempre preferível contatar anteriormente o DNAVIDA para acertar detalhes da coleta. O DNAVIDA poderá enviar gratuitamente ao laboratório em questão o kit de coleta contendo todo o material e instruções necessárias a coleta, para que esta seja feita de acordo com nosso estrito padrão de qualidade. 20) Como agendo uma coleta para realizar o exame? Para se evitar espera e garantir total sigilo, poderá ser feito um agendamento do exame pessoalmente ou por telefone. Para um maior conforto de seus clientes, o DNAVIDA também tem convênios para a realização do exame com diversos laboratórios em diferentes cidades brasileiras.

8 21) Como fico sabendo o resultado do exame? O resultado do exame é descrito em um laudo pericial e pode ser retirado diretamente na sede do DNAVIDA ou enviado pelo correio, em duas vias, em envelopes separados para o suposto pai e a mãe, quando se trata de um caso amigável ou extrajudicial. Em breve o laudo estará disponível na internet, no site do DNAVIDA, sendo confidencial aos participantes do exame. 22) Qual o prazo de entrega do laudo? Atualmente o DNAVIDA possui um dos menores prazos de liberação de laudos que é em média de 4 dias úteis após a coleta do material no DNAVIDA, ou a partir da chegada do kit coleta ao laboratório. Para alguns exames, como aquele envolvendo suposto pai falecido, o prazo poderá ser maior. 23) Existe um prazo menor? Sim, o DNAVIDA realiza exames de urgência com prazo de 24 / 48 horas. Basta solicitar no momento do agendamento do exame. 24) Qual o preço do exame? Existe possibilidade de parcelamento? O DNAVIDA possui um dos menores preços do mercado e também parcela os exames em até 3 vezes. Além disso, ao entrar em contato com nossa equipe de atendimento, ela irá buscar a melhor forma de atender as necessidades de pagamento de nossos clientes.

DIFERENCIAIS: TIPOS DE EXAMES. Investigação de paternidade e/ou maternidade

DIFERENCIAIS: TIPOS DE EXAMES. Investigação de paternidade e/ou maternidade HOME O laboratório Sabin, desde 2002, emprega a biologia molecular no estudo do DNA. Essa tecnologia é conhecida pela alta qualidade nos procedimentos adotados que asseguram os resultados dos exames oferecidos.

Leia mais

Lista de Genética 2º EM Colégio São José - 2013

Lista de Genética 2º EM Colégio São José - 2013 1. (Fuvest 92) Nos anos 40, o famoso cineasta Charlie ChapIin foi acusado de ser o pai de uma criança, fato que ele não admitia. Os exames de sangue revelaram que a mãe era do grupo A, a criança do grupo

Leia mais

LUIZ FERNANDO JOBIM LUÍS RENATO DA SILVEIRA COSTA MOACYR DA SILVA

LUIZ FERNANDO JOBIM LUÍS RENATO DA SILVEIRA COSTA MOACYR DA SILVA LUIZ FERNANDO JOBIM LUÍS RENATO DA SILVEIRA COSTA MOACYR DA SILVA IDENTIFICAÇÃO HUMANA Identificação pelo DNA - Identificação Médico-Legal - Perícias Odontológicas VOLUME II Editora Millennium CAMPINAS/SP

Leia mais

Teste Pré-Natal. Sem riscos para a mãe ou para o feto. Não Invasivo em Sangue Materno

Teste Pré-Natal. Sem riscos para a mãe ou para o feto. Não Invasivo em Sangue Materno Teste Pré-Natal Não Invasivo em Sangue Materno Teste para a Detecção das Síndromes de Down, Edwards, Patau e Turner (e outras alterações cromossómicas do feto) Sem riscos para a mãe ou para o feto Panorama

Leia mais

Secretaria Nacional de Segurança Pública PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO (POP) PERÍCIA CRIMINAL

Secretaria Nacional de Segurança Pública PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO (POP) PERÍCIA CRIMINAL Ministério da Justiça Secretaria Nacional de Segurança Pública PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO (POP) PERÍCIA CRIMINAL POP nº 2.1 - GENÉTICA FORENSE Publicado em SET/2013 COLETA DE MATERIAL BIOLÓGICO REFERÊNCIA

Leia mais

Genética Grupos sanguíneos

Genética Grupos sanguíneos Genética Grupos sanguíneos 1- Em um banco de sangue, existe o seguintes estoque: 12 litros de sangue do tipo A, 7 litros de sangue do tipo B, 3 litros de sangue do tipo AB e 10 litros de sangue do tipo

Leia mais

GENÉTICA FORENSE E PATERNIDADE

GENÉTICA FORENSE E PATERNIDADE GENÉTICA FORENSE E PATERNIDADE Alessandra Dias Laboratório de Biologia Molecular O primeiro teste de DNA para investigação de paternidade era feito através do sistema de HLA, entretanto o resultado era

Leia mais

Conhecendo os Bancos de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário

Conhecendo os Bancos de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário Conhecendo os Bancos de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário Ajudando futuros pais a tomar uma decisão consciente Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa O que é sangue de cordão umbilical

Leia mais

UF: CEP: UF: Orientais Nome do pai: Outras DN: Indicação clínica para investigação laboratorial (QUAIS MOTIVOS PARA SOLICITAÇÃO DOS EXAMES)

UF: CEP: UF: Orientais Nome do pai: Outras DN: Indicação clínica para investigação laboratorial (QUAIS MOTIVOS PARA SOLICITAÇÃO DOS EXAMES) PROTOCOLO PARA SOLICITAÇÃO DE INVESTIGAÇÃO LABORATORIAL E REGISTRO CLÍNICO Rede Brasileira de Referência e Informação em Síndromes de Microdeleção Centro Coordenador: Serviço de Genética Médica - HCPA

Leia mais

01 - (UNIMEP RJ) 02 - (GAMA FILHO RJ) 03 - (UFPA) 04 - (UFRJ) 05 - (FUVEST SP)

01 - (UNIMEP RJ) 02 - (GAMA FILHO RJ) 03 - (UFPA) 04 - (UFRJ) 05 - (FUVEST SP) 01 - (UNIMEP RJ) Assinale a alternativa que apresenta um casal que pode ter descendentes com todos os tipos sangüíneos do sistema ABO. a) IA i x IA IB b) i i x i I c) IA IB x IA IB d) IA IA x IB i e) nenhuma

Leia mais

Aula 14 Sistema ABO. Grupo sangüíneo (fenótipo) Aglutinogênio (hemácias) Aglutinina (soro) Anti - B. Anti - A. A e B.

Aula 14 Sistema ABO. Grupo sangüíneo (fenótipo) Aglutinogênio (hemácias) Aglutinina (soro) Anti - B. Anti - A. A e B. Aula 14 Sistema ABO A transfusão de sangue incompatível pode provocar queda de pressão, escurecimento da visão, desmaio e até a morte. Esses efeitos são devidos a uma reação de aglutinação, ou seja reunião

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC Laboratório de Análises Genéticas DNA UDESC

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC Laboratório de Análises Genéticas DNA UDESC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC Laboratório de Análises Genéticas DNA UDESC PROPOSTA DE IMPLANTAÇAO DE COLETA DE MATERIAL GENÉTICO PARA ANÁLISE DE VÍNCULO DE PATERNIDADE PELO DNA, DURANTE

Leia mais

Apresentação. É uma iniciativa da Fundação Ecarta para contribuir na formação de uma cultura de solidariedade

Apresentação. É uma iniciativa da Fundação Ecarta para contribuir na formação de uma cultura de solidariedade Apresentação Projeto Cultura Doadora É uma iniciativa da Fundação Ecarta para contribuir na formação de uma cultura de solidariedade e uma atitude proativa para a doação de órgãos e tecidos, bem como na

Leia mais

CAPACITAÇÃO TÉCNICA PARA COLETA DE DURANTE AUDIÊNCIA

CAPACITAÇÃO TÉCNICA PARA COLETA DE DURANTE AUDIÊNCIA Laboratório de Análises Genéticas - DNA UDESC Secretaria de Estado da Saúde - SES SC Consórcio Intermunicipal de Saúde - AMURES Programa de DNA em Audiência em SC - PRODNASC CAPACITAÇÃO TÉCNICA PARA COLETA

Leia mais

RASTREIO PRÉ-NATAL DE DEFEITOS ABERTOS DO TUBO NEURAL E SÍNDROME DE DOWN O QUE É A SÍNDROME DE DOWN? A Síndrome de Down (vulgarmente conhecida como mongolismo ou mongoloidismo) é uma doença causada pela

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. POP-I 67 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-½ - OraQuick ADVANCE 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica O ensaio

Leia mais

O valor de testes pré-natais não invasivos (TPNI). Um suplemente ao livreto do Conselheiro Genético

O valor de testes pré-natais não invasivos (TPNI). Um suplemente ao livreto do Conselheiro Genético O valor de testes pré-natais não invasivos (TPNI). Um suplemente ao livreto do Conselheiro Genético TPNIs usam DNA livre de células. Amostra de sangue materno cfdna materno cfdna fetal TPNIs usam DNA livre

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO SISTEMA PRODNASC

MANUAL DE UTILIZAÇÃO SISTEMA PRODNASC Página 1/20 MANUAL DE UTILIZAÇÃO SISTEMA PRODNASC PROGRAMA DE DNA EM AUDIÊNCIA EM SANTA CATARINA PRODNASC O presente manual tem por objetivo orientar os usuários quanto à utilização do Sistema PRODNASC

Leia mais

- CAPÍTULO 12 - RESUMO CICLO MENSTRUAL E GRAVIDEZ

- CAPÍTULO 12 - RESUMO CICLO MENSTRUAL E GRAVIDEZ - CAPÍTULO 12 - RESUMO CICLO MENSTRUAL E GRAVIDEZ No início de cada ciclo menstrual (primeiro dia do fluxo menstrual), a hipófise anterior lança no sangue feminino o FSH (hormônio folículo-estimulante),

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO. PROJETO DE LEI Nº. 3.078, DE 2000 (Apenso o Projeto de Lei nº. 6.

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO. PROJETO DE LEI Nº. 3.078, DE 2000 (Apenso o Projeto de Lei nº. 6. COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO PROJETO DE LEI Nº. 3.078, DE 2000 (Apenso o Projeto de Lei nº. 6.079/2002) Dispõe sobre a coleta de amostras de materiais orgânicos para identificação

Leia mais

DIAGNÓSTICO PRÉ-NATAL

DIAGNÓSTICO PRÉ-NATAL DIAGNÓSTICO PRÉ-NATAL Like A saúde da mãe e o desenvolvimento do bebé podem ser seguidos passo a passo, graças a um conjunto de exames clínicos que permitem manter a gravidez sob controlo. Além disso,

Leia mais

LOCALÍSTICA FORENSE. Rogéria M. Ventura, Ph D FMU - 2011

LOCALÍSTICA FORENSE. Rogéria M. Ventura, Ph D FMU - 2011 LOCALÍSTICA FORENSE Rogéria M. Ventura, Ph D FMU - 2011 PERÍCIA CRIMINAL INVESTIGAÇÃO DO CRIME Chegada do perito investigador ao local do crime e certificação da preservação; Reconhecimento inicial da

Leia mais

Exame hospitalar post mortem de um bebé. Informação para os pais

Exame hospitalar post mortem de um bebé. Informação para os pais Exame hospitalar post mortem de um bebé Informação para os pais Conteúdo Página Introdução 3 O que é um exame PM? 3 Porquê realizar um exame PM hospitalar? 4 Quem pode autorizar um exame PM hospitalar?

Leia mais

BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA. Aplicação no Laboratório Clínico - PCR APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO

BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA. Aplicação no Laboratório Clínico - PCR APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO Conteúdos abordados -Relembrar alguns conceitos da Replicação do DNA in vivo Aplicação no Laboratório Clínico - PCR -Algumas

Leia mais

O que acontece num Laboratório de Genética?

O que acontece num Laboratório de Genética? 12 a sua amostra seja usada para esse fim. Tal com todas as amostras clínicas armazenadas, o ADN é parte do processo clínico do paciente, e está sujeito ao sigilo médico. Isto significa que o acesso é

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PARA COLETA DE MATERIAL GENÉTICO EM CARTÃO FTA, DURANTE AUDIÊNCIA COM OS INTERESSADOS

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PARA COLETA DE MATERIAL GENÉTICO EM CARTÃO FTA, DURANTE AUDIÊNCIA COM OS INTERESSADOS PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PARA COLETA DE MATERIAL GENÉTICO EM CARTÃO FTA, DURANTE AUDIÊNCIA COM OS INTERESSADOS 1. OBJETIVO: Estabelecer o procedimento operacional padrão para coleta de material

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA. PROJETO DE LEI N o 586, DE 2007 I RELATÓRIO. Cria o Dia Nacional do Doador Voluntário de Medula Óssea.

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA. PROJETO DE LEI N o 586, DE 2007 I RELATÓRIO. Cria o Dia Nacional do Doador Voluntário de Medula Óssea. COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI N o 586, DE 2007 Cria o Dia Nacional do Doador Voluntário de Medula Óssea. Autora: Deputada ALICE PORTUGAL Relator: Deputado LELO COIMBRA I RELATÓRIO O Projeto

Leia mais

Diabetes Gestacional

Diabetes Gestacional Diabetes Gestacional Introdução O diabetes é uma doença que faz com que o organismo tenha dificuldade para controlar o açúcar no sangue. O diabetes que se desenvolve durante a gestação é chamado de diabetes

Leia mais

No início do século XX, o austríaco Karl Landsteiner, misturando o sangue de indivíduos diferentes, verificou que apenas algumas combinações eram

No início do século XX, o austríaco Karl Landsteiner, misturando o sangue de indivíduos diferentes, verificou que apenas algumas combinações eram No início do século XX, o austríaco Karl Landsteiner, misturando o sangue de indivíduos diferentes, verificou que apenas algumas combinações eram compatíveis. Descobriu, assim, a existência do chamado

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS O presente Projeto de Lei tem como base e inspiração a Lei Federal nº 11.930, de 22 de abril de 2009, de autoria do deputado federal Beto Albuquerque uma homenagem a seu filho e a

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 46 SISTEMA AB0

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 46 SISTEMA AB0 BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 46 SISTEMA AB0 Fenótipo Aglutinogênio (hemácias) Aglutinina (plasma) A A Anti-B B B Anti-A Genótipos I A I A ou I A i/ AA ou AO I B I B ou I B i/ BB ou BO AB A e B - I A I B /

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO ESTADO DO PARANÁ CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO ESTADO DO PARANÁ CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO ESTADO DO PARANÁ CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ MANUAL DO PACIENTE TRANSPLANTE DE RIM CURITIBA 2012 Índice 1. Objetivo... 3 2. O que é a Central Estadual de

Leia mais

Cytothera Baby O serviço Cytothera Baby permite recolher e criopreservar células estaminais obtidas a partir do sangue do cordão umbilical do bebé.

Cytothera Baby O serviço Cytothera Baby permite recolher e criopreservar células estaminais obtidas a partir do sangue do cordão umbilical do bebé. A Cytothera pertence ao grupo farmacêutico MEDINFAR e dedica a sua actividade à investigação e criopreservação de células estaminais. O método pioneiro de isolamento e criopreservação de células estaminais

Leia mais

Professora Leonilda Brandão da Silva

Professora Leonilda Brandão da Silva COLÉGIO ESTADUAL HELENA KOLODY E.M.P. TERRA BOA - PARANÁ Pág. 46 Professora Leonilda Brandão da Silva E-mail: leonildabrandaosilva@gmail.com http://professoraleonilda.wordpress.com/ PROBLEMATIZAÇÃO Você

Leia mais

Manual do Doador Voluntário de Medula Óssea

Manual do Doador Voluntário de Medula Óssea Manual do Doador Voluntário de Medula Óssea Manual do Doador Voluntário O desconhecimento sobre a doação de medula óssea é enorme. Quando as pessoas são informadas de como é fácil ser doador voluntário

Leia mais

TRANSMISSÃO DA VIDA ÉTICA E MANIPULAÇÃO GÊNICA

TRANSMISSÃO DA VIDA ÉTICA E MANIPULAÇÃO GÊNICA TRANSMISSÃO DA VIDA ÉTICA E MANIPULAÇÃO GÊNICA OS FUNDAMENTOS DA HEREDITARIEDADE EXPERIMENTO Teste de paternidade 1. Resumo Essa aula propõe a simulação de um teste de paternidade por meio da análise de

Leia mais

FAZER EXERCÍCIOS NA GRAVIDEZ PREJUDICA O BEBÊ? QUAIS TIPOS DE EXERCÍCIO SÃO INDICADOS?

FAZER EXERCÍCIOS NA GRAVIDEZ PREJUDICA O BEBÊ? QUAIS TIPOS DE EXERCÍCIO SÃO INDICADOS? A gestação é um período em que a mulher passa por diversas emoções e é natural surgirem dúvidas principalmente quando se trata do primeiro filho. Segundo o Ginecologista e Obstetra do Hospital e Maternidade

Leia mais

CADASTRO DE EXAME SEM SOLICITAÇÃO MÉDICA. Eu: RG: Órgão expedidor: UF: CPF: - Cidade: Estado: Telefone: ( ) -

CADASTRO DE EXAME SEM SOLICITAÇÃO MÉDICA. Eu: RG: Órgão expedidor: UF: CPF: - Cidade: Estado: Telefone: ( ) - CADASTRO DE EXAME SEM SOLICITAÇÃO MÉDICA Este formulário foi desenvolvido pelo departamento de Controle de Qualidade do Bioanálise para atendimento a clientes que desejam realizar exame(s) por conta própria

Leia mais

BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS

BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS Resolução da Diretoria Colegiada RDC no 57, de 16 de dezembro de 2010. Determina o Regulamento Sanitário para Serviços que desenvolvem atividades relacionadas

Leia mais

Tipos de Transplantes

Tipos de Transplantes TRANSPLANTADOS Tipos de Transplantes Doador Vivo Um dos Rins Parte dos Pulmões Parte do Fígado Medula Óssea Doador Falecido Diagnóstico de Morte Encefálica Rins, Pulmões, Coração, Valvas Cardíacas, Fígado

Leia mais

PROFESSOR: MARIO NETO

PROFESSOR: MARIO NETO GOIÂNIA, / / 2015 No Anhanguera você é PROFESSOR: MARIO NETO DISCIPLINA: CIÊNCIA NATURAIS SÉRIE: 3º ALUNO (a): + Enem 1. (UFAL) Em determinada raça animal, a cor preta é determinada pelo alelo dominante

Leia mais

Lista de Exercícios GENÉTICA Grupos Sanguíneos Profº Fernando Teixeira fernando@biovestiba.net

Lista de Exercícios GENÉTICA Grupos Sanguíneos Profº Fernando Teixeira fernando@biovestiba.net Lista de Exercícios GENÉTICA Grupos Sanguíneos Profº Fernando Teixeira fernando@biovestiba.net 01 - (MACK SP/2013) b) os candidatos III e IV podem ser excluídos da paternidade. c) o candidato I é o pai

Leia mais

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente Carrefour Guarujá Bárbara Pereira Quaresma Enfermeira Docente Enfª Bárbara Pereira Quaresma 2 O que é DST? Toda doença transmitida através de relação sexual. Você sabe como se pega uma DST? SEXO VAGINAL

Leia mais

I. Os anticorpos são transferidos através da placenta.

I. Os anticorpos são transferidos através da placenta. Revisão para recuperação Questão 01) A descoberta dos sistemas sanguíneos ABO e Rh teve grande impacto na área médica, pois permitiu realizar transfusões de sangue apenas entre pessoas de grupos sanguíneos

Leia mais

células Vários tipos de

células Vários tipos de Células tronco Bioquímicas Maria Alice Vieira Willrich Adriana Helena Sedrez Patricia Bernardi Curso de Gestantes Unimed Brusque, 03 de setembro de 2007. O que são células tronco? Tipos de Células-Tronco

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES Elisandro Luis Lima Saldanha Orientadora: Profª Themis Dovera Porto Alegre

Leia mais

Clonagem A Medicina regenerativa vai ser uma realidade nos próximos anos

Clonagem A Medicina regenerativa vai ser uma realidade nos próximos anos Clonagem A Medicina regenerativa vai ser uma realidade nos próximos anos Entrevista concedida pelo Prof. Carolino Monteiro à revista Oxigénio A classe científica dividiu-se perante o anúncio do nascimento

Leia mais

SEPARAÇÃO ELETROFORÉTICA DE DNA

SEPARAÇÃO ELETROFORÉTICA DE DNA A eletroforese em gel de agarose consiste no método mais usado para separar, identificar, analisar, caracterizar e purificar fragmentos de DNA. Uma molécula de DNA, quando exposta a um campo elétrico,

Leia mais

DOCUMENTOS E ORIENTAÇÕES QUE DEVEM SER OBSERVADOS PARA TRANSPLANTES COM DOADOR VIVO EM RELAÇÃO A CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ

DOCUMENTOS E ORIENTAÇÕES QUE DEVEM SER OBSERVADOS PARA TRANSPLANTES COM DOADOR VIVO EM RELAÇÃO A CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ DOCUMENTOS E ORIENTAÇÕES QUE DEVEM SER OBSERVADOS PARA TRANSPLANTES COM DOADOR VIVO EM RELAÇÃO A CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ Através do presente sintetizamos as exigências legais previstas

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. XV Jornada Interiorana de Hematologia e Hemoterapia II Encontro Interiorano de Enfermagem em Hemoterapia e Hemovigilância TESTES PRÉ

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI N o 3.055, DE 2004 (Apensados Projetos de Lei nº 4.555, de 2004, e nº 7.216, de 2006) Cria o Programa Nacional de Coleta, Armazenamento,

Leia mais

Base de Dados de Perfis Genéticos

Base de Dados de Perfis Genéticos Base de Dados de Perfis Genéticos Faculdade de Medicina, Universidade de Lisboa Instituto Nacional de Medicina Legal Cadeira: Medicina Legal e Ciências Forenses Janeiro de 2010 Introdução Definição Conjunto

Leia mais

Portaria n.º 1315/GM, de 30 de novembro de 2000

Portaria n.º 1315/GM, de 30 de novembro de 2000 Portaria n.º 1315/GM, de 30 de novembro de 2000 O Ministro de Estado da Saúde no uso de suas atribuições legais, Considerando a Lei nº 9.434, de 04 de fevereiro de 1997, que dispõe sobre a remoção de órgãos,

Leia mais

O fígado e a deficiência de alfa-1. antitripsina (Alfa-1) 1 ALPHA-1 FOUNDATION

O fígado e a deficiência de alfa-1. antitripsina (Alfa-1) 1 ALPHA-1 FOUNDATION O fígado e a deficiência de alfa-1 antitripsina (Alfa-1) 1 ALPHA-1 FOUNDATION O que é deficiência de alfa-1 antitripsina? Alfa-1 é uma condição que pode resultar em graves doenças pulmonares em adultos

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS PARA O EXAME DE PESQUISA DE CORPO INTEIRO (PCI)

INFORMAÇÕES GERAIS PARA O EXAME DE PESQUISA DE CORPO INTEIRO (PCI) INFORMAÇÕES GERAIS PARA O EXAME DE PESQUISA DE CORPO INTEIRO (PCI) Importante: A Pesquisa de Corpo Inteiro (PCI) NÃO deve ser realizada em mulheres grávidas! Caso haja qualquer dúvida de risco de gestação,

Leia mais

APRESENTAÇÃO CYTOTHERA CORD E CYTOTHERA PLUS

APRESENTAÇÃO CYTOTHERA CORD E CYTOTHERA PLUS APRESENTAÇÃO CYTOTHERA CORD E CYTOTHERA PLUS Garantir o futuro da saúde do seu filho com Patrícia SEGURANÇA Cruz e INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Apresentação de um serviço único na Europa na área da Biotecnologia

Leia mais

HIGIENE BUCAL PARA BEBÊS

HIGIENE BUCAL PARA BEBÊS HIGIENE BUCAL PARA BEBÊS Deve-se pensar em higiene bucal do bebê desde o momento em que se introduz alguma coisa que não esteja esterilizada em sua boca, como por exemplo o bico do peito. A higiene, enquanto

Leia mais

ANEXO I REGRAS PARA COLETA, ACONDICIONAMENTO, PRESERVAÇÃO E ENCAMINHAMENTO DE MATERIAIS BIOLÓGICOS PARA ANÁLISE BIOLÓGICA.

ANEXO I REGRAS PARA COLETA, ACONDICIONAMENTO, PRESERVAÇÃO E ENCAMINHAMENTO DE MATERIAIS BIOLÓGICOS PARA ANÁLISE BIOLÓGICA. Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Segurança Pública e Defesa do Cidadão Instituto Geral de Perícias Instituto de Análises Laboratoriais Laboratório de Genética Forense ANEXO I REGRAS PARA

Leia mais

Diversidade Genética das Populações Amazônicas

Diversidade Genética das Populações Amazônicas PAINEL I Particularidades genéticas das populações amazônicas e suas possíveis implicações Coordenação de Mesa: Wim Degrave. Diversidade Genética das Populações Amazônicas Sidney dos Santos Será apresentado

Leia mais

PORTARIA SVS/MS Nº 151, DE 14 DE OUTUBRO DE 2009 DOU 16.10.2009

PORTARIA SVS/MS Nº 151, DE 14 DE OUTUBRO DE 2009 DOU 16.10.2009 SVS/MS - Portaria nº 151/2009 16/10/2009 PORTARIA SVS/MS Nº 151, DE 14 DE OUTUBRO DE 2009 DOU 16.10.2009 A SECRETÁRIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUBSTITUTA, no uso das atribuições que lhe confere o Art. 45,

Leia mais

DETERMINAÇÃO DOS GRUPOS SANGÜÍNEOS ABO

DETERMINAÇÃO DOS GRUPOS SANGÜÍNEOS ABO DETERMINAÇÃO DOS GRUPOS SANGÜÍNEOS ABO INTRODUÇÃO Foi no início do século XX que a transfusão de sangue, adquiriu bases mais científicas. Em 1900 foram descritos os grupos sanguíneos A, B e O por Landsteiner

Leia mais

Glossário genético. Informação para doentes e familiares. Revisão do texto e tradução de Jorge Sequeiros. Agosto 2008

Glossário genético. Informação para doentes e familiares. Revisão do texto e tradução de Jorge Sequeiros. Agosto 2008 12 Glossário genético Revisão do texto e tradução de Jorge Sequeiros Agosto 2008 Modificado a partir de um glossário originalmente produzido por London IDEAS Genetic Knowledge Park. Este trabalho foi apoiado

Leia mais

A finalidade do referido método é determinar a classificação sanguínea do paciente quanto aos sistemas ABO e Rh.

A finalidade do referido método é determinar a classificação sanguínea do paciente quanto aos sistemas ABO e Rh. 1/7 1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO A finalidade do referido método é determinar a classificação sanguínea do paciente quanto aos sistemas ABO e Rh. 2. NOME DO TESTE E SINONÍMIAS Grupo Sanguíneo,

Leia mais

DNA A molécula da vida. Prof. Biel Série: 9º ano

DNA A molécula da vida. Prof. Biel Série: 9º ano DNA A molécula da vida Prof. Biel Série: 9º ano DNA FINGER-PRINTING A expressão DNA "Finger-Print" (ou Impressões Genéticas) designa uma técnica de separação de segmentos de DNA que permite a identificação

Leia mais

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 41 EMBRIOLOGIA: FECUNDAÇÃO

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 41 EMBRIOLOGIA: FECUNDAÇÃO BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 41 EMBRIOLOGIA: FECUNDAÇÃO Membrana que impede a penetração de outros espermatozóides Fusão das membranas plasmáticas do óvulo e do espermatozóide Núcleo do espermatozóide no

Leia mais

Colaboradores Acadêmicos Selene Círio Leite Diego Lunelli Marcelle Círio Leite

Colaboradores Acadêmicos Selene Círio Leite Diego Lunelli Marcelle Círio Leite 3267-4303 Orientações para Colheita e Remessa de Material para Exames Laboratoriais VOLUME 1 Histopatologia Citologia Necropsia www.petimagem.com PET IMAGEM - Diagnósticos Veterinários foi criado em abril

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 37 BIOTECNOLOGIA

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 37 BIOTECNOLOGIA BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 37 BIOTECNOLOGIA Bactéria Plasmídeo Enzima de restrição corta o plasmídeo DNA Célula humana Gene para insulina Gene para insulina combinado ao DNA da bactéria com a DNA-ligase

Leia mais

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Vírus da Rubéola Togavirus Vírus de RNA fita simples Principal epítopo dominante:

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A investigação de paternidade por análise de DNA André Luís dos Santos Figueiredo Eduardo Ribeiro Paradela * Em termos de impacto social, é muito difícil estabelecer um paralelo

Leia mais

III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA

III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA, O TRABALHO DE CAPTAÇÃO DE CANDIDATOS E A POSSIBILIDADE DE ENVOLVIMENTO DAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA Déborah Carvalho Gerência

Leia mais

LEI Nº 9.434, DE 04 DE FEVEREIRO DE 1997

LEI Nº 9.434, DE 04 DE FEVEREIRO DE 1997 LEI Nº 9.434, DE 04 DE FEVEREIRO DE 1997 Dispõe sobre a remoção de órgãos, tecidos e partes do corpo humano para fins de transplante e tratamento e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço

Leia mais

Atividade prática Quem é o pai? Quem é o criminoso?

Atividade prática Quem é o pai? Quem é o criminoso? Aluno: nº Atividade prática Quem é o pai? Quem é o criminoso? OBJETIVOS Compreender a importância prática da Engenharia Genética na identificação das pessoas. Conhecer os princípios básicos da manipulação

Leia mais

Importância do rigor técnico-científico dos exames de DNA Relato de casos

Importância do rigor técnico-científico dos exames de DNA Relato de casos Importância do rigor técnico-científico dos exames de DNA Relato de casos Autora: Cristiane Lommez de Oliveira Bióloga. Mestre em Bioquímica e Imunologia pela UFMG. Atua desde 1992 nas áreas de Biologia

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/2013

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/2013 RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/2013 (Publicada no D.O.U. de 09 de maio de 2013, Seção I, p. 119) Adota as normas éticas para a utilização das técnicas de reprodução assistida, anexas à presente resolução, como

Leia mais

INFECÇÃO ASSOCIADA AO ZIKA VÍRUS ORIENTAÇÕES: COLETA AMOSTRAS LABORATORIAIS VERSÃO PARANÁ

INFECÇÃO ASSOCIADA AO ZIKA VÍRUS ORIENTAÇÕES: COLETA AMOSTRAS LABORATORIAIS VERSÃO PARANÁ INFECÇÃO ASSOCIADA AO ZIKA VÍRUS ORIENTAÇÕES: COLETA AMOSTRAS LABORATORIAIS VERSÃO PARANÁ 15 Fone: (41) 3330 4467. Página 1 Diagnóstico Laboratorial Lacen/PR Amostras de Recém-Natos (RN) com Microcefalia

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/13

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/13 RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/13 Adota as normas éticas para a utilização das técnicas de reprodução assistida, anexas à presente resolução, como dispositivo deontológico a ser seguido pelos médicos e revoga

Leia mais

Grupos Sanguíneos e Anticorpos contra Glóbulos Vermelhos na Gravidez

Grupos Sanguíneos e Anticorpos contra Glóbulos Vermelhos na Gravidez Grupos Sanguíneos e Anticorpos contra Glóbulos Vermelhos na Gravidez Durante a gravidez, ser-lhe-ão oferecidos testes para identificar o seu grupo sanguíneo e para determinar se tem anticorpos contra glóbulos

Leia mais

ANTÍGENO OU AGLUTINOGÊNIO (nas hemácias)

ANTÍGENO OU AGLUTINOGÊNIO (nas hemácias) HERANÇA DOS GRUPOS SANGÜÍNEOS NA ESPÉCIE HUMANA SISTEMA ABO É um caso de polialelia porque existem três alelos envolvidos (I A, I B, i); O alelo I A determina a produção do antígeno ou aglutinogênio A

Leia mais

Alelos múltiplos na determinação de um caráter

Alelos múltiplos na determinação de um caráter Alelos múltiplos na determinação de um caráter Determinados gene pode sofrer ao longo do tempo diversas mutações e originar vários alelos esse fenômeno é chamado de polialelia. São bastante frequentes

Leia mais

DNA profiling parte 2

DNA profiling parte 2 Faculdade Milton Campos Curso Lato Sensu em Medicina Legal Disciplina: Bioinformática e Investigação Criminal Professor: Eduardo Campos dos Santos DNA profiling parte 2 Belo Horizonte Outubro/Novembro

Leia mais

POLIALELISMO E GRUPOS SANGUÍNEOS

POLIALELISMO E GRUPOS SANGUÍNEOS POLIALELISMO E GRUPOS SANGUÍNEOS 1) UFRS - Coelhos podem ter quatro tipos de pelagem: chinchila, himalaia, aguti e albina, resultantes das combinações de quatro diferentes alelos de um mesmo loco. Num

Leia mais

Genética humana e saúde. Grupos sanguíneos (ABO e Rh): transfusão e incompatibilidade T E M A 2

Genética humana e saúde. Grupos sanguíneos (ABO e Rh): transfusão e incompatibilidade T E M A 2 Genética humana e saúde T E M A 2 Neste tema, você conhecerá algumas características do ser humano que possuem base genética, como os grupos sanguíneos. Também estudará doenças decorrentes de mau funcionamento

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM nº 2.121/2015

RESOLUÇÃO CFM nº 2.121/2015 RESOLUÇÃO CFM nº 2.121/2015 Adota as normas éticas para a utilização das técnicas de reprodução assistida sempre em defesa do aperfeiçoamento das práticas e da observância aos princípios éticos e bioéticos

Leia mais

D I R E T O R I A D E S A Ú D E

D I R E T O R I A D E S A Ú D E Saúde In Forma Junho/2013 Dia 26 de Junho Dia Nacional do Diabetes Diabetes é uma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal da glicose ou açúcar no sangue. A glicose é a principal fonte de

Leia mais

Panorama. Teste Pré-natal não invasivo. Revista Médica

Panorama. Teste Pré-natal não invasivo. Revista Médica Grupo Revista Médica :: Edição Especial :: Teste Pré-natal não invasivo Panorama Shutterstock TM Exame inovador permite rastreio de doenças genéticas fetais no sangue materno, já na nona semana de gestação.

Leia mais

PATERNIDADE DUVIDOSA SÉRGIO PERES

PATERNIDADE DUVIDOSA SÉRGIO PERES 25 PATERNIDADE DUVIDOSA SÉRGIO PERES 952 CAPÍTULO 25 - PATERNIDADE DUVIDOSA CAPÍTULO 25 - PATERNIDADE DUVIDOSA Capítulo 25 953 PATERNIDADE DUVIDOSA SÉRGIO PERES QUAIS SÃO OS FATORES QUE DEVEM SER CONSIDERADOS

Leia mais

Nele também são averbados atos como o reconhecimento de paternidade, a separação, o divórcio, entre outros, além de serem expedidas certidões.

Nele também são averbados atos como o reconhecimento de paternidade, a separação, o divórcio, entre outros, além de serem expedidas certidões. No Cartório de Registro Civil das Pessoas Naturais são regis- trados os atos mais importantes da vida de uma pessoa, como o nascimento, o casamento e o óbito, além da emancipação, da interdição, da ausência

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA RAZÃO DE PROBABILIDADE BAYESIANA COMO EVIDÊNCIA PARA TESTE DE VÍNCULO DE PATERNIDADE Curitiba 2012 I Dianna Lo Wai Yan Maurício Fernandes do Nascimento

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Nelson Bornier)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Nelson Bornier) PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Nelson Bornier) Dispõe sobre doação de sangue e células do corpo humano vivo para fins de transplante de medula óssea e de outros precursores hematopoéticos, e estabelece

Leia mais

CLONAGEM E CÉLULAS-TRONCO Mayana Zatz (pesquisadora da USP)

CLONAGEM E CÉLULAS-TRONCO Mayana Zatz (pesquisadora da USP) CLONAGEM E CÉLULAS-TRONCO Mayana Zatz (pesquisadora da USP) O QUE É CLONAGEM? A clonagem é um mecanismo comum de propagação da espécie em plantas ou bactérias. Um clone é definido como uma população de

Leia mais

Escrito por Administrator Ter, 02 de Fevereiro de 2010 09:14 - Última atualização Qua, 10 de Março de 2010 08:44

Escrito por Administrator Ter, 02 de Fevereiro de 2010 09:14 - Última atualização Qua, 10 de Março de 2010 08:44 Mitos e Verdades da Odontologia Mitos: Quanto maior e colorida for nossa escova dental, melhor! Mentira. A escova dental deve ser pequena ou média para permitir alcançar qualquer região da nossa boca.

Leia mais

c) Macrófagos e células B apresentam antígenos a células T helper. (Preencha as lacunas.). 2 pontos.

c) Macrófagos e células B apresentam antígenos a células T helper. (Preencha as lacunas.). 2 pontos. Questão 1 Você é um imunologista que quer ficar rico e decide deixar o mundo da ciência, conseguindo um emprego como consultor de roteiro em um novo seriado de drama médico. Você avalia o conhecimento

Leia mais

Diário Oficial Imprensa Nacional

Diário Oficial Imprensa Nacional Diário Oficial Imprensa Nacional REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL BRASÍLIA - DF Ano CXXXVIII Nº 232-E Brasília - DF, 4/12/00 ISSN 1415-1537 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.315, DE

Leia mais

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR)

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) Área de Ciências da Saúde Curso de Medicina Módulo: Saúde do Adulto e Idoso II GENÉTICA HUMANA Professora: Dra. Juliana Schmidt REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) A molécula de DNA é um longo polímero

Leia mais

ENSINO MÉDIO. Disciplina: BIOLOGIA Professor: GUSTAVO Série: 2ª ABC

ENSINO MÉDIO. Disciplina: BIOLOGIA Professor: GUSTAVO Série: 2ª ABC ENSINO MÉDIO Disciplina: BIOLOGIA Professor: GUSTAVO Série: 2ª ABC 1- A Doença de Huntington (DH) é uma anomalia autossômica com caráter dominante, cuja manifestação ocorre na fase adulta, com uma progressiva

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA COLETA E TRANSPORTE DE SECREÇÃO RESPIRATÓRIA - 2015

ORIENTAÇÕES PARA COLETA E TRANSPORTE DE SECREÇÃO RESPIRATÓRIA - 2015 Secretaria da Saúde do Rio Grande do Sul Instituto de Pesquisas Biológicas Laboratório Central de Saúde Pública- IPB-LACEN/RS SEÇÃO DE VIROLOGIA - LABORATÓRIO DE VÍRUS RESPIRATÓRIOS INVESTIGAÇÃO DA INFLUENZA

Leia mais