Trabalhando a ansiedade do paciente

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Trabalhando a ansiedade do paciente"

Transcrição

1 Trabalhando a ansiedade do paciente Juliana Ono Tonaki Psicóloga Hospitalar

2 Título SOFRIMENTO... principal Sofrimento humano como condição à todos; Cada um sente à sua forma e intensidade; Manifestação através da fala, sonhos, corpo; Percepção da finitude. ansiedade ao câncer. Rev SBPH; 2008:11)

3 Título SOFRIMENTO... principal Para Freud (1920), o sofrimento é o estado de expectativa diante do perigo e da preparação para ele, ainda que seja um perigo desconhecido; ou medo quando ele é conhecido; ou susto quando o sujeito topa com um perigo sem estar preparado para enfrentá-lo. ansiedade ao câncer. Rev SBPH; 2008:11)

4 O adoecer oncológico SOFRIMENTO Essa negação de forma constrita cerceia toda e qualquer tentativa de compreensão das implicações da morte no cotidiano das pessoas (Angerami-Camon 2002) CÂNCER A doença e o tratamento representam uma marca, um acréscimo na vida de cada pessoa. O ser humano não está preparado para muitos desses acréscimos, as doenças ditas incuráveis fazem uma trajetória de forma dolorosa. FINITUDE A morte em si está ligada à uma ação má, a um acontecimento medonho, a algo que em si clama por recompensa ou castigo (Kubler-Ross,2001). ansiedade ao câncer. Rev SBPH; 2008:11)

5 O adoecer oncológico Experiências psicológicas Estigma Sofrimento físico Câncer Vasconcelos,AS, Costa C, Barbosa NF. Do transtorno de ansiedade ao câncer. Rev SBPH; 2008:11

6 O adoecer oncológico Realistas Limitações impostas pela doença/tratamento Sofrimento emocional: pensamentos negativos Distorcidos Medo da morte Idéias auto referenciadas, auto depreciadoras à incapacidade de enfrentamento da vida e o fracasso enquanto pessoas Depressão e Ansiedade (Lopes RFF, Santos MR, Lopes EJ. Efeitos do Relaxamento sobre a ansiedade e desesperança em mulheres com câncer. Rev Bras Terapia. Comportamental e Cognitiva, 2008; 10)

7 O adoecer oncológico Esse adoecimento que influencia na atividade mental, física e emocional, tende a amparar o sintoma da ansiedade como forma de descarga de energia de constantes inquietações. ansiedadeaocâncer.rev SBPH;2008:11)

8 Título Ansiedade principal Ansiedade como componente da personalidade anterior ao processo de adoecer após intensifica; Diagnostic and Statical Manual of Mental Disorders DSM IV (1994): Ansiedade Patológica: Provocada por uma situação subjetiva de medo, insegurança, terror ou até mesmo, emoção desagradável, repercutindo tanto em manifestações corporais voluntárias e involuntárias, quanto em alterações biológicas e químicas. Ansiedade passou a ser motivo da nossa existência e não da nossa sobrevivência. ansiedadeaocâncer.rev SBPH;2008:11)

9 Título Ansiedade principal Pelo DSM-IV(1994), ansiedade patológica passa a ser classificada como distúrbios de ansiedade (ansiedade generalizada, pânico e distúrbio obsessivo-compulsivo), fobia(agorafobia, social e simples), distúrbios de estresse pós-traumático e distúrbio de ansiedade típica. ansiedadeaocâncer.rev SBPH;2008:11)

10 Título Ansiedade principal Condição do Homem Moderno (Brandão), cotidiano agitado, competitivo e consumista. Ao ser considerada a necessidade fisiológica de nos adaptarmos às diversas circunstâncias através da ansiedade, falamos em ansiedade normal. Uma reação normal. Ex febre. ansiedade ao câncer. Rev SBPH; 2008:11)

11 Ansiedade x Medo Ansiedade Sinal de alerta, que adverte sobre perigos iminentes e capacita o indivíduo a tomar medidas para enfrentar ameaças. Resposta a uma ameaça desconhecida, vaga, possui papel de preparar o organismo para tomar as medidas necessárias para impedir a concretização desses possíveis prejuízos, ou pelo menos diminuir suas conseqüências. ansiedade ao câncer. Rev SBPH; 2008:11)

12 Ansiedade x Medo Medo Resposta imediata a uma ameaça conhecida, definida. Portanto, a ansiedade é uma reação natural e necessária para a auto preservação. A tensão oriunda da ansiedade pode gerar comportamento agressivo e isso não quer dizer que seja patológica. ansiedade ao câncer. Rev SBPH; 2008:11)

13 Normal x Patológico Ansiedade Normal Acompanha o crescimento, mudança, experiência de algo novo e nunca tentado, e do encontro da nossa própria identidade e do significado da vida. Ansiedade patológica Excessiva intensidade e prolongada duração à situação precipitante. Ao invés de contribuir com o enfrentamento do objeto de origem da ansiedade, ela atrapalha, dificulta ou impossibilita a adaptação. ansiedadeaocâncer.rev SBPH;2008:11)

14 Título O que fazer? principal Psicologia; Psiquiatria - psicofármacos; Encaminhamento rede, particular, ONGs, clínicas escola; Solicitação de Serviço de Saúde Mental; ansiedadeaocâncer.rev SBPH;2008:11)

15 Título Psicologia principal Avaliação psicológica; Formas de Intervenção: - relaxamento; - suporte psicológico; - psicoterapia;.

16 Reações psicológicas durante a radioterapia Estágios do tratamento I. Pré tratamento primeiras consultas com radioterapêuta Reações Psicológicas Possíveis Causas Intervenções Aumento da ansiedade; Medos; Insegurança; Raiva. Crenças irracionais sobre a radioterapia; dúvidas relativas ao tratamento; experiências anteriores traumáticas relacionadas ao câncer; Falta de informação. aumentar a habilidade de reconhecer as reações mais comuns; incentivar a comunicação; proporcionar suporte emocional e informativo; visita a RDT; encaminhamento multi. II. Tratamento (aprox.4 a 6 semanas) diminuição da ansiedade; aumento da depressão; aumento da raiva; efeitos colaterais; fantasias; falta de esclarecimento sobre possíveis efeitos. suporte educativo; encaminhamento ao psicólogo ou outro profissional adequado. III. Conclusão do tratamento persistem a depressão e a raiva; aumento da ansiedade; persistência e intensidade dos efeitos colaterais; medo da perda damonitoração médica; aumento da vulnerabilidade quanto à doença; medo da recidiva. suporte e apoio psicológico; se necessário encaminhamento para psiquiatria; followup. (Garcia I, Kosminsky F C. Radioterapia em Oncologia - Aspectos Psicossociais do paciente em radioterapia)

17 Título Como fazer? principal Vale destacar que a história de vida de cada pessoa, suas experiências passadas, educação, sexo, idade, personalidade, repercutem de forma positiva ou negativa para o enfrentamento de um sintoma, por isso, alguns indivíduos enfrentam melhor determinada situação que outros. Todopacienteestáembuscadealgoquandosepropõeatratar, nosrestarespeitaralutaqueeletravacomaformadevidaque se apresenta à ele neste momento.

18 Quem tem por que viver pode suportar quase qualquer como. (Nietzche) OBRIGADA!

Sinais visíveis de transtornos psicológicos: como identificar e lidar com estes pacientes?

Sinais visíveis de transtornos psicológicos: como identificar e lidar com estes pacientes? Sinais visíveis de transtornos psicológicos: como identificar e lidar com estes pacientes? Sávia M. Emrich Pinto Psicóloga Serviço de Radioterapia Sinais visíveis de transtornos psicológicos: como identificar

Leia mais

Enfrentamento da Dor. Avaliação de Situação 10/05/2013. Enfrentamento da Dor Crônica. Processo de Avaliação Cognitiva. Profa. Dra. Andréa G.

Enfrentamento da Dor. Avaliação de Situação 10/05/2013. Enfrentamento da Dor Crônica. Processo de Avaliação Cognitiva. Profa. Dra. Andréa G. Enfrentamento da Dor Crônica Enfrentamento da Dor Profa. Dra. Andréa G. Portnoi BIO PSICO SOCIAL Sensação Incapacitação Diagnóstico Medicamentos Procedimentos Tratamentos Emoção Cognição Comportamento

Leia mais

RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DA SES UNIDADE III (Parte 1)

RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DA SES UNIDADE III (Parte 1) RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DA SES UNIDADE III (Parte 1) TAUANE PAULA GEHM Mestre e doutorando em Psicologia Experimental TEMAS Psicopatologia geral. Transtornos psicológicos, cognitivos, relacionados ao uso

Leia mais

RESSIGNIFICAR: PSICOLOGIA E ONCOLOGIA 1. Jacson Fantinelli Dos Santos 2, Flávia Flach 3.

RESSIGNIFICAR: PSICOLOGIA E ONCOLOGIA 1. Jacson Fantinelli Dos Santos 2, Flávia Flach 3. RESSIGNIFICAR: PSICOLOGIA E ONCOLOGIA 1 Jacson Fantinelli Dos Santos 2, Flávia Flach 3. 1 Trabalho de Extensão Departamento de Humanidades e Educação, Curso de Graduação em Psicologia 2 Acadêmico do 8ºsemestre

Leia mais

Patologias psiquiátricas mais prevalentes na atenção básica: Alguns sintomas físicos ocorrem sem nenhuma causa física e nesses casos,

Patologias psiquiátricas mais prevalentes na atenção básica: Alguns sintomas físicos ocorrem sem nenhuma causa física e nesses casos, Diretrizes Gerais de Abordagem das Somatizações, Síndromes ansiosas e depressivas Alexandre de Araújo Pereira Patologias psiquiátricas mais prevalentes na atenção básica: Somatizações Transtornos Depressivos

Leia mais

Anaí Machado Resende- Psicóloga Elizene dos Reis Oliveira - Psicóloga Marnia Santos Muniz- Psicóloga

Anaí Machado Resende- Psicóloga Elizene dos Reis Oliveira - Psicóloga Marnia Santos Muniz- Psicóloga Anaí Machado Resende- Psicóloga Elizene dos Reis Oliveira - Psicóloga Marnia Santos Muniz- Psicóloga Forma como construímos a nossa imagem a partir de conceitos que temos de nós mesmos, e de como os outros

Leia mais

Estruturas da Personalidade e Funcionamento do Aparelho Psíquico

Estruturas da Personalidade e Funcionamento do Aparelho Psíquico Estruturas da Personalidade e Funcionamento do Aparelho Psíquico Para Freud, a personalidade é centrada no crescimento interno. Dá importância a influência dos medos, dos desejos e das motivações inconscientes

Leia mais

Determinantes do processo saúde-doença. Identificação de riscos à saúde. Claudia Witzel

Determinantes do processo saúde-doença. Identificação de riscos à saúde. Claudia Witzel Determinantes do processo saúde-doença. Identificação de riscos à saúde Claudia Witzel CONCEITOS DE SAÚDE E DOENÇA Saúde pode ser definida como ausência de doença Doença ausência de saúde... Saúde é um

Leia mais

PROJETO DE ATENDIMENTO PSICOLóGICO AOS CANDIDATOS à OBTENçãO DA CNH COORDENADOR DA AÇÃO DE EXTENSÃO: FERNANDA MARIA SIQUEIRA TAVARES INTRODUÇÃO

PROJETO DE ATENDIMENTO PSICOLóGICO AOS CANDIDATOS à OBTENçãO DA CNH COORDENADOR DA AÇÃO DE EXTENSÃO: FERNANDA MARIA SIQUEIRA TAVARES INTRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS II SIMPÓSIO DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS 13 e 14 de junho de 2013 PROJETO DE ATENDIMENTO PSICOLóGICO

Leia mais

CONFLITO. Processo onde as partes envolvidas percebe que a outra parte frustrou ou irá frustrar os seus interesses.

CONFLITO. Processo onde as partes envolvidas percebe que a outra parte frustrou ou irá frustrar os seus interesses. CONFLITO Conceito de Conflito Processo onde as partes envolvidas percebe que a outra parte frustrou ou irá frustrar os seus interesses. Fator inevitável seja na dinâmica pessoal ou organizacional. Existem

Leia mais

PROJETO DE ATENDIMENTO PSICOLóGICO AOS CANDIDATOS à OBTENçãO DA CNH INTRODUÇÃO

PROJETO DE ATENDIMENTO PSICOLóGICO AOS CANDIDATOS à OBTENçãO DA CNH INTRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS II SIMPÓSIO DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS 13 e 14 de junho de 2013 PROJETO DE ATENDIMENTO PSICOLóGICO

Leia mais

A consequência da modernidade

A consequência da modernidade A consequência da modernidade A sociedade pós-moderna tem como uma das suas principais características a pressa generalizada, esteja ela presente nas respostas eletrônicas, na expectativa das respostas

Leia mais

Mente Sã Corpo São! Abanar o Esqueleto - Os factores que influenciam as doenças osteoarticulares. Workshop 1

Mente Sã Corpo São! Abanar o Esqueleto - Os factores que influenciam as doenças osteoarticulares. Workshop 1 Abanar o Esqueleto - Os factores que influenciam as doenças osteoarticulares. Workshop 1 Mente Sã Corpo São! Unidade de Cuidados na Comunidade Centro de Saúde de Alfândega da Fé Elaborado por: Rosa Correia

Leia mais

MENSUTE 2014 PSICOPEDAGOGIA. Prof.ª Suzane Maranduba AULA 4. Freire e mandella

MENSUTE 2014 PSICOPEDAGOGIA. Prof.ª Suzane Maranduba AULA 4. Freire e mandella MENSUTE 2014 PSICOPEDAGOGIA AULA 4 Prof.ª Suzane Maranduba Freire e mandella 1 A MINHA PRÁTICA PESSOAL REFLETE A MINHA PRÁTICA PROFISSIONAL Suzane Maranduba sumário SUMÁRIO 1. Anamnese 2. Desenvolvimento

Leia mais

Módulo 1 Gestão de stresse

Módulo 1 Gestão de stresse Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.ardh-gi.com Módulo 1 Gestão de stresse 1 Esta apresentação não substitui a leitura dos manuais do

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSISTÊNCIA DOMICILIAR

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSISTÊNCIA DOMICILIAR A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSISTÊNCIA DOMICILIAR PROGRAMA DE ATENÇÃO DOMICILIAR UNIMED-BH CAMILA CARNEIRO DA FONSECA Assistente Social Serviço de Atenção Domiciliar Atenção Domiciliar

Leia mais

Cuidados paliativos com foco no cuidador: criança x cuidador

Cuidados paliativos com foco no cuidador: criança x cuidador Encontro Nacional Unimed de Assistentes Sociais Cuidados paliativos com foco no cuidador: criança x cuidador Elaine de Freitas Assistente Social Instituto da Criança - HCFMUSP Família A família, desde

Leia mais

Teorias Motivacionais

Teorias Motivacionais Teorias Motivacionais A perspectiva biológica A perspectiva Biológica da Motivação pode subdividir-se em 3 categorias: As contribuições genéticas para o comportamento motivado A Motivação como estimulação

Leia mais

Superando traumas, medos e fobias

Superando traumas, medos e fobias 15/06/2013 Superando traumas, medos e fobias Métodos eficazes, como o EMDR, terapia cognitivo-comportamental e hipnose, podem ajudar a resolver, de forma célere, problemas como traumas e transtornos de

Leia mais

ESTRESSE E QUALIDADE DE VIDA. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

ESTRESSE E QUALIDADE DE VIDA. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior ESTRESSE E QUALIDADE DE VIDA Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior O QUE É ESTRESSE? Estresse não é um diagnóstico, doença, ou síndrome. Estresse é um conjunto de sintomas emocionais ou físicos, não

Leia mais

Ciências Genéticas. Atividades Complementares 20. Ciências Humanas Ciências Sociais Ciências Biológicas. Atividades Complementares 20

Ciências Genéticas. Atividades Complementares 20. Ciências Humanas Ciências Sociais Ciências Biológicas. Atividades Complementares 20 MÓDULO I Bases Elementares para o Estudo e Compreensão do Comportamento: Aspectos Históricos INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE LONDRINA - INESUL CARGA HORÁRIATOTAL DO CURSO 4250 horas relógio CARGA HORÁRIA

Leia mais

Caracterização clínica e demográfica dos militares contratados internados no Serviço de Psiquiatria do Hospital Militar Principal em 2007

Caracterização clínica e demográfica dos militares contratados internados no Serviço de Psiquiatria do Hospital Militar Principal em 2007 Caracterização clínica e demográfica dos militares contratados internados no Serviço de Psiquiatria do Hospital Militar Principal em 2007 Dra. Joana Alexandre Dra. Teresa Babo Dra. Sofia Moreira Introdução

Leia mais

26ª Reunião, Extraordinária Comissão de Assuntos Sociais

26ª Reunião, Extraordinária Comissão de Assuntos Sociais 26ª Reunião, Extraordinária Comissão de Assuntos Sociais Dr. Sandro José Martins Coordenador Geral de Atenção às Pessoas com Doenças Crônicas Diretoria de Atenção Especializada e Temática Secretaria de

Leia mais

Atuação do Psicólogo na Radioterapia. Psicóloga: Alyne Lopes Braghetto

Atuação do Psicólogo na Radioterapia. Psicóloga: Alyne Lopes Braghetto Atuação do Psicólogo na Radioterapia Psicóloga: Alyne Lopes Braghetto Hospital Israelita Albert Einstein 650 leitos História Década de 50: nascimento da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert

Leia mais

Burnout. Debate Câmara dos Deputados. Ministério da Saúde CGST-DSAST-SVS. 10 de dezembro de 2015

Burnout. Debate Câmara dos Deputados. Ministério da Saúde CGST-DSAST-SVS. 10 de dezembro de 2015 Burnout Debate Câmara dos Deputados Ministério da Saúde CGST-DSAST-SVS 10 de dezembro de 2015 OBJETIVOS DA PNST PORTARIA GM/MS 1.823/2012 Fortalecer a Vigilância em Saúde do Trabalhador e a integração

Leia mais

O trabalho mental Fernando Gonçalves Amaral

O trabalho mental Fernando Gonçalves Amaral O trabalho mental Fernando Gonçalves Amaral Assuntos Atividade mental Processamento de informação Captação de informação Cognição IHC/IHM Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção - UFRGS Atividade

Leia mais

PREVENÇÃO DE RECAÍDA

PREVENÇÃO DE RECAÍDA PREVENÇÃO DE RECAÍDA Alessandro Alves Noventa por cento do sucesso se baseia simplesmente em insistir. Woody Allen A recaída tem sido descrita tanto como um resultado a visão dicotômica de que a pessoa

Leia mais

Rita Tiziana Verardo Polastrini

Rita Tiziana Verardo Polastrini Rita Tiziana Verardo Polastrini Mesmo sendo universal, a dor não é sentida de modo idêntico por todas as pessoas. Nem é expressada da mesma maneira em todas as culturas. Crianças admitidas em hospitais,

Leia mais

DOENÇAS MENTAIS E OS RISCOS PSICOSSOCIAIS NO TRABALHO

DOENÇAS MENTAIS E OS RISCOS PSICOSSOCIAIS NO TRABALHO DOENÇAS MENTAIS E OS RISCOS PSICOSSOCIAIS NO TRABALHO Prof. Duílio Antero de Camargo Psiquiatra clínico e forense Médico do Trabalho Instituto de Psiquiatria HC FM USP Núcleo de Psiquiatria Forense (NUFOR)

Leia mais

Stress e a caracterização de doenças psicológicas. Camila Helaehil Alfredo Médica do Trabalho

Stress e a caracterização de doenças psicológicas. Camila Helaehil Alfredo Médica do Trabalho Stress e a caracterização de doenças psicológicas Camila Helaehil Alfredo Médica do Trabalho camila@azevedonetto.com.br Definição Uma força que deforma corpos processo corporal para se adaptar a todas

Leia mais

GRAVE. DEPRESSAo O QUE É A DEPRESSAO GRAVE? A depressão grave é uma condição médica comum e afeta 121 MILHÕES de pessoas em todo o mundo.

GRAVE. DEPRESSAo O QUE É A DEPRESSAO GRAVE? A depressão grave é uma condição médica comum e afeta 121 MILHÕES de pessoas em todo o mundo. APRESENTA GRAVE DEPRESSAo O QUE É A DEPRESSAO GRAVE? Indivíduos com depressão grave geralmente apresentam pelo menos 4 destes sintomas por pelo menos 2 semanas: Estado de ânimo depressivo; * Movimento,

Leia mais

A PSICOLOGIA COMO PROFISSÃO

A PSICOLOGIA COMO PROFISSÃO Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica A PSICOLOGIA COMO PROFISSÃO Profa. Ms. Joanna Heim PSICOLOGIA Contribuições Histórica Filosóficas Fisiológicas FILOSÓFICA(psyché = alma e logos=razão)

Leia mais

Infarto Agudo do Miocárdio Avaliação de Saúde Mental. Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2009

Infarto Agudo do Miocárdio Avaliação de Saúde Mental. Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2009 Infarto Agudo do Miocárdio Avaliação de Saúde Mental Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2009 Grupo de Trabalho: Dra. Ana Luiza Camargo Psicóloga Ana Lucia Martins da Silva Implementação do Protocolo:

Leia mais

Depressão. Um distúrbio que tem solução.

Depressão. Um distúrbio que tem solução. Depressão Um distúrbio que tem solução. DEPRESSÃO Depressão é um transtorno psiquiátrico sem causa definida. Afeta o humor, levando à perda de interesse e de prazer por quase todas as atividades do dia

Leia mais

Matutino. Primeiro Período

Matutino. Primeiro Período GRADE CURRICULAR DE PSICOLOGIA 2016/1 Matutino CÓDIGO DISCIPLINAS CARGA HORÁRIA SEMESTRAL COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO PSI0465 FILOSOFIA DA PSICOLOGIA 30 PSI0277 PSICOLOGIA E DESENVOLVIMENTO HUMANO I 60 PSI0278

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Morfofisiológica e Comportamento Humano Estudo anátomo-funcional de estruturas orgânicas na relação com manifestações emocionais. Comunicação e

Leia mais

Envelhecimento e Doenças Reumáticas

Envelhecimento e Doenças Reumáticas Envelhecimento e Doenças Reumáticas Armando Malcata CHUC XVII Forum de Apoio ao Doente Reumático Envelhecimento e Doenças Reumáticas Variações demográficas e sociais. Impacto crescente; multidimensional.

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO. Programa de Orientação. Psicopedagógica

FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO. Programa de Orientação. Psicopedagógica 1 FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO Programa de Orientação Psicopedagógica 2 Regulamento do Programa de Orientação Psicopedagógica da Faculdade Sudoeste Paulistano INTRODUÇÃO A necessidade de atenção às dificuldades

Leia mais

TÍTULO: O IMPACTO DA INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA EM PACIENTES OSTOMIZADOS POR CÂNCER

TÍTULO: O IMPACTO DA INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA EM PACIENTES OSTOMIZADOS POR CÂNCER TÍTULO: O IMPACTO DA INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA EM PACIENTES OSTOMIZADOS POR CÂNCER CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES

Leia mais

TRANSTORNO DE ANSIEDADE GENERALIZADA: Diagnóstico e Tratamento

TRANSTORNO DE ANSIEDADE GENERALIZADA: Diagnóstico e Tratamento TRANSTORNO DE ANSIEDADE GENERALIZADA: Diagnóstico e Tratamento Prof. Giovanni K. Pergher Critérios Diagnósticos A. Ansiedade e preocupação excessivas (expectativa apreensiva), ocorrendo na maioria dos

Leia mais

Estresse. Saiba identifi car o excesso de preocupação e nervosismo.

Estresse. Saiba identifi car o excesso de preocupação e nervosismo. Estresse Saiba identifi car o excesso de preocupação e nervosismo. EsTREssE O estresse é uma reação física e mental diante de estímulos que podem ser positivos ou negativos. As pessoas não reagem da mesma

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE HIPNOSE (IBH) Gil Gomes. Mestre em Psicologia Diretor do IBH

INSTITUTO BRASILEIRO DE HIPNOSE (IBH) Gil Gomes. Mestre em Psicologia Diretor do IBH INSTITUTO BRASILEIRO DE HIPNOSE (IBH) Gil Gomes Mestre em Psicologia Diretor do IBH O TRABALHO COM IMAGENS MENTAIS Gil Gomes PASSOS DA TERAPIA: 1. Identificação do Esquema (QE Young et al.,2008). 2. Identificação

Leia mais

Fatores associados à depressão relacionada ao trabalho de enfermagem

Fatores associados à depressão relacionada ao trabalho de enfermagem Estudos de Psicologia Fatores associados à depressão relacionada ao trabalho de enfermagem Marcela Luísa Manetti Maria Helena Palucci Marziale Universidade de São Paulo Ribeirão Preto Resumo ao trabalho

Leia mais

REDUÇÃO & REEDUCAÇÃO PROGRAMA DE EMAGRECIMENTO

REDUÇÃO & REEDUCAÇÃO PROGRAMA DE EMAGRECIMENTO Go Mag R do o Os Efeitos negativos da Obesidade na sua saúde e na sua vida: Menor expectativa de vida Baixa autoestima Mobilidade limitada Problemas nas articulações Ataque cardíaco Pressão alta 2R QUE

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL. Profa. Fátima Soares

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL. Profa. Fátima Soares PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL Profa. Fátima Soares Definições: A psicologia é a ciência que estuda o comportamento e os processos mentais do ser humano e todos os animais. Psicologia como ciência A psicologia

Leia mais

Esquizofrenia. O Que Você Precisa Saber

Esquizofrenia. O Que Você Precisa Saber Esquizofrenia O Que Você Precisa Saber O que é Esquizofrenia? A esquizofrenia é uma doença mental crônica, que se manifesta na adolescência ou no início da idade adulta. Sua freqüência na população em

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA 1 - JUSTIFICATIVA A cada dia cresce a expectativa de que os profissionais da área da Psicologia possam oferecer para a população em geral,

Leia mais

Cuidado e desmedicalização na atenção básica

Cuidado e desmedicalização na atenção básica Rio de Janeiro, agosto de 2012 Cuidado e desmedicalização na atenção básica Laura Camargo Macruz Feuerwerker Profa. Associada FSP-USP Medicalização e a disputa pela vida Movimento de compreender todos

Leia mais

Como inovar transformando velhos dilemas em novas práticas.

Como inovar transformando velhos dilemas em novas práticas. Como inovar transformando velhos dilemas em novas práticas. Letícia Andrade Assistente Social HC-FMUSP: Ambulatório de Cuidados Paliativos e Núcleo de Assistência Domiciliar Interdisciplinar Cuidados Paliativos:

Leia mais

TERAPIA RACIONAL EMOTIVA E COMPORTAMENTAL TREC Albert Ellis (1955) Gil Gomes - Me

TERAPIA RACIONAL EMOTIVA E COMPORTAMENTAL TREC Albert Ellis (1955) Gil Gomes - Me TERAPIA RACIONAL EMOTIVA E COMPORTAMENTAL TREC Albert Ellis (1955) Gil Gomes - Me Fundador: Albert Ellis (1955) Principais motivos Decepção com os níveis de efetividade e eficiência das terapias psicanalíticas.

Leia mais

Insônia é a percepção ou queixa de sono inadequado, ou de baixa qualidade, por causa das seguintes razões:

Insônia é a percepção ou queixa de sono inadequado, ou de baixa qualidade, por causa das seguintes razões: O que é Insônia? Insônia é a percepção ou queixa de sono inadequado, ou de baixa qualidade, por causa das seguintes razões: Dificuldade em cair no sono Levantar freqüentemente durante a noite com dificuldade

Leia mais

SÍNDROME DE BURNOUT SÍNDROME DO ESGOTAMENTO PROFISSIONAL

SÍNDROME DE BURNOUT SÍNDROME DO ESGOTAMENTO PROFISSIONAL SÍNDROME DO ESGOTAMENTO PROFISSIONAL BETYNA SALDANHA CORBAL Perita Médica Previdenciária DPSSO/SPPS/MTPS dpsso@previdencia.gov.br 1 Termo Burnout: derivado do verbo inglês to burn out: queimar por completo

Leia mais

Sylvia Cavalcanti. Dispareunia e vaginismo:qual a diferença e como fazer este diagnóstico?

Sylvia Cavalcanti. Dispareunia e vaginismo:qual a diferença e como fazer este diagnóstico? Sylvia Cavalcanti Dispareunia e vaginismo:qual a diferença e como fazer este diagnóstico? PRINCÍPIOS DA ESPÉCIE HUMANA ROGER X BUSCA DO PRAZER FUGA DA DOR Disfunções sexuais Disfunção do desejo Estímulo

Leia mais

O que é doença? Doença é: Como as doenças acontecem? Qual o padrão das doenças? Quais os tipos de doenças?

O que é doença? Doença é: Como as doenças acontecem? Qual o padrão das doenças? Quais os tipos de doenças? CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA E SAÚDE - EACH/USP Disciplina de Fundamentos da Atividade Física Docente responsável: Alex Antonio Florindo (aflorind@usp.br) Roteiro da aula 1. Conceito de doença;

Leia mais

Cuidados Paliativos e Decisões no Paciente Oncológico Terminal

Cuidados Paliativos e Decisões no Paciente Oncológico Terminal Cuidados Paliativos e Decisões no Paciente Oncológico Terminal Curso de atualização 2013 Ilka Lopes Santoro Disciplina de Pneumologia Unifesp - EPM Objetivos Definições e Princípios Ações Controle da dor

Leia mais

Acompanhamento Psicoterapêutico

Acompanhamento Psicoterapêutico Acompanhamento Psicoterapêutico O Acompanhamento Psicológico/Psicoterapêutico possui características específicas de acordo com a população e faixa etária a que se destina. Corresponde a um encontro com

Leia mais

CURSO SAÚDE VOCAL. Material de Apoio. Roteiro- aula 2. Desenvolvimento da voz. Teoria. Prática

CURSO SAÚDE VOCAL. Material de Apoio. Roteiro- aula 2. Desenvolvimento da voz. Teoria. Prática Programa de Educação Corporativa CURSO SAÚDE VOCAL Material de Apoio Roteiro- aula 2 Teoria 1. Desenvolvimento da voz: evolução da voz do neonato ao senescente 2. Psicodinâmica vocal: impacto psicológico

Leia mais

Informação para os pacientes e seus familiares

Informação para os pacientes e seus familiares Psicose Psychosis - Portuguese UHN Informação para os pacientes e seus familiares Leia esta brochura para aprender: o que é a psicose o que a causa os sinais ou sintomas de psicose que tratamentos podem

Leia mais

DISTÚRBIOS, TRANSTORNOS, DIFICULDADES E PROBLEMAS DE APRENDIZAGEM

DISTÚRBIOS, TRANSTORNOS, DIFICULDADES E PROBLEMAS DE APRENDIZAGEM DISTÚRBIOS, TRANSTORNOS, DIFICULDADES E PROBLEMAS DE APRENDIZAGEM Os termos distúrbios, transtornos, dificuldades e problemas de aprendizagem tem sido utilizados de forma aleatória, tanto na literatura

Leia mais

300 QUESTÕES DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PARA PSICÓLOGO

300 QUESTÕES DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PARA PSICÓLOGO Caro Leitor, A equipe técnica do Concurseiro da Saúde empenha-se em desenvolver apostilas e materiais atualizados de acordo com as leis recentemente publicadas a fim de estar sempre em consonância com

Leia mais

Gestão de Riscos Psicossociais

Gestão de Riscos Psicossociais Gestão de Riscos Psicossociais Lisboa, 04 de Julho de 2013 Lúcia Simões Costa Centro de Psicologia da Universidade do Porto; Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra Ao contrário de outros tipos

Leia mais

INTRODUÇÃO... 15. Capítulo 1 -A ENTREVISTA... 19 RESUMO... 19. Introdução... 23. 1. O Que Designamos por Entrevista?... 25

INTRODUÇÃO... 15. Capítulo 1 -A ENTREVISTA... 19 RESUMO... 19. Introdução... 23. 1. O Que Designamos por Entrevista?... 25 índice INTRODUÇÃO... 15 Capítulo 1 -A ENTREVISTA... 19 RESUMO... 19 ÍNDICE DO CAPÍTULO... 21 Introdução... 23 1. O Que Designamos por Entrevista?... 25 1.1 Os Sentidos Quotidianos... 25 1.2 Direcções da

Leia mais

Transtorno de estresse pós-traumático! e Transtornos de Adaptação. Prof. Eduardo Henrique Teixeira PUC - Campinas!

Transtorno de estresse pós-traumático! e Transtornos de Adaptação. Prof. Eduardo Henrique Teixeira PUC - Campinas! Transtorno de estresse pós-traumático e Transtornos de Adaptação Prof. Eduardo Henrique Teixeira PUC - Campinas Transtorno de estresse pós-traumático TEPT É uma condição que se desenvolve quando a pessoa

Leia mais

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE Maio de 2010 Estresse O estresse é um conjunto de sinais que o corpo usa para mostrar que a pessoa está num estado que não corresponde ao que ela realmente

Leia mais

= {números irracionais} = {números reais positivos} = {números reais negativos} = {números reais não positivos} = {números reais não negativos}

= {números irracionais} = {números reais positivos} = {números reais negativos} = {números reais não positivos} = {números reais não negativos} = {números irracionais} = {números reais positivos} = {números reais negativos} = {números reais não positivos} = {números reais não negativos} 2 2 = 1 + 1 = 2 = 2 = 2 2 3 + 2 3 2 < > < > < < < > > > 3

Leia mais

Grupo de medicina Integrativa Centro de Oncologia e Hematologia HIAE

Grupo de medicina Integrativa Centro de Oncologia e Hematologia HIAE Grupo de medicina Integrativa Centro de Oncologia e Hematologia HIAE O que é Medicina Integrativa Medicina Integrativa é a pratica da Medicina que reafirma a importância da relação entre o paciente e o

Leia mais

Gelder M, Mayou R, Geddes J. Psiquiatria. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 1999.

Gelder M, Mayou R, Geddes J. Psiquiatria. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 1999. Diretrizes de abordagem psicoterápica na atenção primária Alexandre de Araújo Pereira ASPECTOS GERAIS Os profissionais que atuam em serviços de atenção primária de saúde frequentemente interagem com uma

Leia mais

Técnicas de Animação Pedagógica. gica

Técnicas de Animação Pedagógica. gica Técnicas de Animação Pedagógica gica Educação SéniorS 1 A intervenção educativa com idosos deve incluir-se no quadro da educação de adultos. Idoso Adulto Segregação Categoria abrangente Áreas de Intervenção

Leia mais

Qualidade de Vida 02/03/2012

Qualidade de Vida 02/03/2012 Prof. Dr. Carlos Cezar I. S. Ovalle Descreve a qualidade das condições de vida levando em consideração fatores como saúde, educação, expectativa de vida, bem estar físico, psicológico, emocional e mental.

Leia mais

HORÁRIOS DE AULAS PARA O ANO LETIVO 2016 CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA - NOVA ESTRUTURA CURRICULAR

HORÁRIOS DE AULAS PARA O ANO LETIVO 2016 CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA - NOVA ESTRUTURA CURRICULAR 4 O. ANO 1 O. SEMESTRE MATUTINO/VESPERTINO - TURMA A 8h00 10h00 10h15 12h15 Psicodiagnóstico: Fundamentos Teóricos e Técnicos Vínculos Amorosos, Conjugalidade e Arranjos Familiares no Contemporâneo Thassia

Leia mais

Competências Pessoais e Sociais I Inteligência Emocional Sessão 2 20 e 21 de Outubro. Isabel Paiva de Sousa

Competências Pessoais e Sociais I Inteligência Emocional Sessão 2 20 e 21 de Outubro. Isabel Paiva de Sousa Competências Pessoais e Sociais I Sessão 2 20 e 21 de Outubro Isabel Paiva de Sousa isabelmpsousa@netcabo.pt Outubro 2015 1 Alegria Confiança Apego Prazer Alivio Esperança Euforia Surpresa Raiva Tristeza

Leia mais

MANEJO FARMACOLÓGICO DO OFENSOR SEXUAL. Prof. MSc. Thiago Blanco

MANEJO FARMACOLÓGICO DO OFENSOR SEXUAL. Prof. MSc. Thiago Blanco MANEJO FARMACOLÓGICO DO OFENSOR SEXUAL Prof. MSc. Thiago Blanco Do currículo do apresentador Médico, Psiquiatra Geral e Psiquiatra da Infância e Adolescência Mestre em Psiquiatria e Psicologia Médica pela

Leia mais

NIDA National Institute on Drug Abuse NIH - National Institute of Health

NIDA National Institute on Drug Abuse NIH - National Institute of Health NIDA National Institute on Drug Abuse NIH - National Institute of Health Dependência química doença complexa busca compulsiva e incontrolável o uso persiste apesar das conseqüências negativas pode se tornar

Leia mais

3.5 Medos e ansiedade na criança e no adolescente

3.5 Medos e ansiedade na criança e no adolescente Páginas para pais: Problemas na criança e no adolescente 3.5 Medos e ansiedade na criança e no adolescente Introdução À medida que cresce e descobre o mundo à sua volta, a criança vai-se apercebendo como

Leia mais

É POSSÍVEL VIVER MAIS E MELHOR? Prof. Carlos Iglézias

É POSSÍVEL VIVER MAIS E MELHOR? Prof. Carlos Iglézias É POSSÍVEL VIVER MAIS E MELHOR? O QUE MUDOU DE IMPORTANTE EM NOSSAS VIDAS? Expectativa de Vida: 1900 = 33 anos 1940 = 38 anos 1994 = 66 anos 2000 = 70 anos 2005 = 71,9 anos 2007 = 72,7 anos 2010 = 73,4

Leia mais

Uso de Substâncias e Dependência: Visão Geral

Uso de Substâncias e Dependência: Visão Geral Capítulo 1 Uso de Substâncias e Dependência: Visão Geral Do ponto de vista comportamental, dependência pode ser conceitualizada como um prejuízo na capacidade de inibir a busca por determinada droga em

Leia mais

Psicologia e Educação

Psicologia e Educação Psicologia e Educação 2016.2 Profª. MSc. Fernanda Lima. Unidade III: O que pode fazer o psicólogo na escola. Psicólogo escolar: Papéis e funções na escola. Escola é um espaço social onde pessoas convivem

Leia mais

Feedback. Conceito de. Sumário. Conceito de Feedback. Escuta ativa. Obstáculos (dar / receber feedback) Feedback STAR

Feedback. Conceito de. Sumário. Conceito de Feedback. Escuta ativa. Obstáculos (dar / receber feedback) Feedback STAR Sumário Conceito de Feedback Escuta ativa Obstáculos (dar / receber feedback) Feedback STAR Recomendações para eficácia de sua sessão de feedback Conceito de Feedback Feedback é o retorno que alguém obtém

Leia mais

BULLYING E CYBRBULLYING: UMA DISCUSSÃO NECESSÁRIA NAS ESCOLAS. Eixo Temático: Temas Transversais

BULLYING E CYBRBULLYING: UMA DISCUSSÃO NECESSÁRIA NAS ESCOLAS. Eixo Temático: Temas Transversais ISSN 2359-1277 BULLYING E CYBRBULLYING: UMA DISCUSSÃO NECESSÁRIA NAS ESCOLAS Lueni Alves Porto, lueniporto2@gmail.com; Keila Pinna Valensuela (Orientadora), keilapinna@hotmail.com; Universidade Estadual

Leia mais

SOBMEDIDA CONTROLE DO PESO DURANTE O TRATAMENTO ONCOLÓGICO: A PSICOLOGIA FACILITANDO A PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA INTEGRALIDADE: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

SOBMEDIDA CONTROLE DO PESO DURANTE O TRATAMENTO ONCOLÓGICO: A PSICOLOGIA FACILITANDO A PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA INTEGRALIDADE: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Sabe-se que o câncer é um dos maiores problemas de saúde dos países desenvolvidos e em desenvolvimento. Atualmente, é certamente uma das patologias mais temidas. O diagnóstico de câncer é vivenciado como

Leia mais

TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR

TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR Até recentemente o Transtorno Bipolar era conhecido como psicose ou doença maníaco-depressiva. É um transtorno no qual ocorrem alternâncias do humor, caracterizando-se por períodos

Leia mais

Disciplina: Saúde no Trabalho Professora: Elisabeth Rossi

Disciplina: Saúde no Trabalho Professora: Elisabeth Rossi Saúde Mental e Trabalho Abordagens de estudo Disciplina: Saúde no Trabalho Professora: Elisabeth Rossi Considerações gerais: Le Guillant (há 50 anos). - De um lado, o trabalho que demandava intervenção

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCORRÊNCIA

RELATÓRIO DE CONCORRÊNCIA 23 - ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA 11 65 5,9 ENFERMAGEM EM CANCEROLOGIA 8 41 5,1 ENFERMAGEM EM CARDIOLOGIA 9 41 4,6 ENFERMAGEM EM CENTRO CIRÚRGICO 2 11 5,5 ENFERMAGEM EM EMERGÊNCIA GERAL 5 40 8,0 ENFERMAGEM

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 12.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto) PROVA 140/C/5 Págs. Duração da prova: 120 minutos 2007 1.ª FASE PROVA ESCRITA DE PSICOLOGIA 1. CRITÉRIOS

Leia mais

Instituto de Psiquiatria Universidade Federal do Rio de Janeiro Divisão de Ensino Secretaria Acadêmica

Instituto de Psiquiatria Universidade Federal do Rio de Janeiro Divisão de Ensino Secretaria Acadêmica CURSO DE EXTENSÃO QUALIFICAÇÃO E TREINAMENTO PROFISSIONAL EM TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL TCC 2012 Estarão abertas as inscrições para o Curso de Extensão Qualificação e Treinamento Profissional em

Leia mais

Áreas Temáticas BVS Atenção Primária à Saúde

Áreas Temáticas BVS Atenção Primária à Saúde Áreas Temáticas BVS Atenção Primária à Saúde SINAIS E SINTOMAS Sinais, sintomas, observações e manifestações clínicas que podem ser tanto objetivas (quando observadas por médicos) como subjetivas (quando

Leia mais

TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENTA

TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENTA Atendimento: +55 15 3326-6784 MENU E-mail atendimentoctes@gmail.com TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENTAL Desenvolve vínculo e promove novos horizontes na vida do paciente em recuperação no Centro de Tratamento.

Leia mais

Resiliência: Superando sua dificuldades. Kaique Mathias Da Silva Wendel Juan Oliveira Reolon

Resiliência: Superando sua dificuldades. Kaique Mathias Da Silva Wendel Juan Oliveira Reolon Resiliência: Superando sua dificuldades Kaique Mathias Da Silva Wendel Juan Oliveira Reolon Dedicamos este livro ao Professor Marcelino Felix, por nos incentivar a faze-lo. ÍNDICE 1 O que é Resiliência

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 44/2014 Informações sobre carbamazepina, Gardenal,Rivotril e Risperidona

RESPOSTA RÁPIDA 44/2014 Informações sobre carbamazepina, Gardenal,Rivotril e Risperidona RESPOSTA RÁPIDA 44/2014 Informações sobre carbamazepina, Gardenal,Rivotril e Risperidona SOLICITANTE Drª Sabrina da Cunha Peixoto Ladeira Juíza de Direito do Juizado Especial -Pirapora NÚMERO DO PROCESSO

Leia mais

Estresse: Teu Gênero é Feminino... Dr. Renato M.E. Sabbatini Faculdade de Ciências Médicas UNICAMP

Estresse: Teu Gênero é Feminino... Dr. Renato M.E. Sabbatini Faculdade de Ciências Médicas UNICAMP Estresse: Teu Gênero é Feminino... Dr. Renato M.E. Sabbatini Faculdade de Ciências Médicas UNICAMP O nosso amiguinho do dia a dia: Estresse Você é estressada? 1. Sim, muito estressada, sou ansiosa e reajo

Leia mais

Avaliação da prevalência de ansiedade e depressão dos pacientes estomizados da microregião de Divinopólis/Santo Antonio do Monte-MG

Avaliação da prevalência de ansiedade e depressão dos pacientes estomizados da microregião de Divinopólis/Santo Antonio do Monte-MG Avaliação da prevalência de ansiedade e depressão dos pacientes estomizados da microregião de Divinopólis/Santo Antonio do Monte-MG Juliano Teixeira Moraes 1,Isabela Teixeira Rezende Guimarães 2, Magda

Leia mais

MEDO ANSIEDADE. Conjunto de respostas comportamentais e neurovegetativas a uma ameaça ao bem-estar, integridade ou sobrevivência do indivíduo

MEDO ANSIEDADE. Conjunto de respostas comportamentais e neurovegetativas a uma ameaça ao bem-estar, integridade ou sobrevivência do indivíduo Prof. José Reinaldo do Amaral Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Psicologia PSICOPATOLOGIA CLÍNICA 2013 / 2 Conjunto de respostas comportamentais e neurovegetativas a uma ameaça

Leia mais

Faculdade Pernambucana de Saúde PSICOLOGIA. Detalhamento da Matriz Curricular

Faculdade Pernambucana de Saúde PSICOLOGIA. Detalhamento da Matriz Curricular Faculdade Pernambucana de Saúde PSICOLOGIA Detalhamento da Matriz Curricular Eixo Temático Módulo Carga Horária Código subjetividade: o sujeito o seu meio e a cultura O Homem como ser Social 70 PSI01-01

Leia mais

UM COTIDIANO DE EXPERIÊNCIAS NO JAPÃO.

UM COTIDIANO DE EXPERIÊNCIAS NO JAPÃO. UM COTIDIANO DE EXPERIÊNCIAS NO JAPÃO. Relato de Experiências de atividades desenvolvidas pelo Programa de Intercâmbio entre Governos Locais Japão-Brasil, 2013. Por ETHNA THAISE UNBEHAUN. Psicóloga Este

Leia mais

Faculdades Integradas de Taquara

Faculdades Integradas de Taquara Faculdades Integradas de Taquara DEPRESSÃO Disciplina: Fisiologia Humana Semestre: 1/2016 Docente: Debora Morsch Acadêmicas: Haiesha Wolff Katieli Córdova Vanessa A. Brocker Vanessa S. Ferreira Priscila

Leia mais

CURSO: PSICOLOGIA EMENTAS º PERÍODO DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO PENSAMENTO PSICOLÓGICO EMENTA:

CURSO: PSICOLOGIA EMENTAS º PERÍODO DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO PENSAMENTO PSICOLÓGICO EMENTA: CURSO: PSICOLOGIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: ANATOMIA HUMANA Estudo da forma, estrutura, localização e função dos órgãos e sistemas do corpo humano de forma geral e segmentar. DISCIPLINA:

Leia mais

Jogo patológico e família. Proposta de um modelo sistémico integrador. Diana Cunha & Ana Paula Relvas

Jogo patológico e família. Proposta de um modelo sistémico integrador. Diana Cunha & Ana Paula Relvas Jogo patológico e família. Proposta de um modelo sistémico integrador Diana Cunha & Ana Paula Relvas Enquadramento (I) Modelo teórico (em avaliação empírica) Base: revisão da literatura 2 Passos de pesquisa

Leia mais

Sobrecarga emocional em familiares de portadores de sofrimento psíquico de Pelotas-RS.

Sobrecarga emocional em familiares de portadores de sofrimento psíquico de Pelotas-RS. Sobrecarga emocional em familiares de portadores de sofrimento psíquico de Pelotas-RS. Os CAPs Elaine TOMASI Luiz Augusto FACCHINI Roberto Xavier PICCINI Elaine THUMÉ Ricardo Azevedo da SILVA Helen Denise

Leia mais

ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL

ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL Natureza Buscar e consumir alimentos Evitar predadores Buscar, competir e atrair parceiros sexuais Interagir com ambiente em constante mudança VIDA CHEIA DE DESAFIOS comportamento

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SONO EDUCAÇÃO FÍSICA PROFESSOR: JOÃO PAULO PEREIRA

A IMPORTÂNCIA DO SONO EDUCAÇÃO FÍSICA PROFESSOR: JOÃO PAULO PEREIRA A IMPORTÂNCIA DO SONO EDUCAÇÃO FÍSICA PROFESSOR: JOÃO PAULO PEREIRA CONCEITO: O sono é um estado transitório e reversível, que se alterna com a vigília (estado desperto). Trata-se de um processo ativo

Leia mais