Trabalhando a ansiedade do paciente

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Trabalhando a ansiedade do paciente"

Transcrição

1 Trabalhando a ansiedade do paciente Juliana Ono Tonaki Psicóloga Hospitalar

2 Título SOFRIMENTO... principal Sofrimento humano como condição à todos; Cada um sente à sua forma e intensidade; Manifestação através da fala, sonhos, corpo; Percepção da finitude. ansiedade ao câncer. Rev SBPH; 2008:11)

3 Título SOFRIMENTO... principal Para Freud (1920), o sofrimento é o estado de expectativa diante do perigo e da preparação para ele, ainda que seja um perigo desconhecido; ou medo quando ele é conhecido; ou susto quando o sujeito topa com um perigo sem estar preparado para enfrentá-lo. ansiedade ao câncer. Rev SBPH; 2008:11)

4 O adoecer oncológico SOFRIMENTO Essa negação de forma constrita cerceia toda e qualquer tentativa de compreensão das implicações da morte no cotidiano das pessoas (Angerami-Camon 2002) CÂNCER A doença e o tratamento representam uma marca, um acréscimo na vida de cada pessoa. O ser humano não está preparado para muitos desses acréscimos, as doenças ditas incuráveis fazem uma trajetória de forma dolorosa. FINITUDE A morte em si está ligada à uma ação má, a um acontecimento medonho, a algo que em si clama por recompensa ou castigo (Kubler-Ross,2001). ansiedade ao câncer. Rev SBPH; 2008:11)

5 O adoecer oncológico Experiências psicológicas Estigma Sofrimento físico Câncer Vasconcelos,AS, Costa C, Barbosa NF. Do transtorno de ansiedade ao câncer. Rev SBPH; 2008:11

6 O adoecer oncológico Realistas Limitações impostas pela doença/tratamento Sofrimento emocional: pensamentos negativos Distorcidos Medo da morte Idéias auto referenciadas, auto depreciadoras à incapacidade de enfrentamento da vida e o fracasso enquanto pessoas Depressão e Ansiedade (Lopes RFF, Santos MR, Lopes EJ. Efeitos do Relaxamento sobre a ansiedade e desesperança em mulheres com câncer. Rev Bras Terapia. Comportamental e Cognitiva, 2008; 10)

7 O adoecer oncológico Esse adoecimento que influencia na atividade mental, física e emocional, tende a amparar o sintoma da ansiedade como forma de descarga de energia de constantes inquietações. ansiedadeaocâncer.rev SBPH;2008:11)

8 Título Ansiedade principal Ansiedade como componente da personalidade anterior ao processo de adoecer após intensifica; Diagnostic and Statical Manual of Mental Disorders DSM IV (1994): Ansiedade Patológica: Provocada por uma situação subjetiva de medo, insegurança, terror ou até mesmo, emoção desagradável, repercutindo tanto em manifestações corporais voluntárias e involuntárias, quanto em alterações biológicas e químicas. Ansiedade passou a ser motivo da nossa existência e não da nossa sobrevivência. ansiedadeaocâncer.rev SBPH;2008:11)

9 Título Ansiedade principal Pelo DSM-IV(1994), ansiedade patológica passa a ser classificada como distúrbios de ansiedade (ansiedade generalizada, pânico e distúrbio obsessivo-compulsivo), fobia(agorafobia, social e simples), distúrbios de estresse pós-traumático e distúrbio de ansiedade típica. ansiedadeaocâncer.rev SBPH;2008:11)

10 Título Ansiedade principal Condição do Homem Moderno (Brandão), cotidiano agitado, competitivo e consumista. Ao ser considerada a necessidade fisiológica de nos adaptarmos às diversas circunstâncias através da ansiedade, falamos em ansiedade normal. Uma reação normal. Ex febre. ansiedade ao câncer. Rev SBPH; 2008:11)

11 Ansiedade x Medo Ansiedade Sinal de alerta, que adverte sobre perigos iminentes e capacita o indivíduo a tomar medidas para enfrentar ameaças. Resposta a uma ameaça desconhecida, vaga, possui papel de preparar o organismo para tomar as medidas necessárias para impedir a concretização desses possíveis prejuízos, ou pelo menos diminuir suas conseqüências. ansiedade ao câncer. Rev SBPH; 2008:11)

12 Ansiedade x Medo Medo Resposta imediata a uma ameaça conhecida, definida. Portanto, a ansiedade é uma reação natural e necessária para a auto preservação. A tensão oriunda da ansiedade pode gerar comportamento agressivo e isso não quer dizer que seja patológica. ansiedade ao câncer. Rev SBPH; 2008:11)

13 Normal x Patológico Ansiedade Normal Acompanha o crescimento, mudança, experiência de algo novo e nunca tentado, e do encontro da nossa própria identidade e do significado da vida. Ansiedade patológica Excessiva intensidade e prolongada duração à situação precipitante. Ao invés de contribuir com o enfrentamento do objeto de origem da ansiedade, ela atrapalha, dificulta ou impossibilita a adaptação. ansiedadeaocâncer.rev SBPH;2008:11)

14 Título O que fazer? principal Psicologia; Psiquiatria - psicofármacos; Encaminhamento rede, particular, ONGs, clínicas escola; Solicitação de Serviço de Saúde Mental; ansiedadeaocâncer.rev SBPH;2008:11)

15 Título Psicologia principal Avaliação psicológica; Formas de Intervenção: - relaxamento; - suporte psicológico; - psicoterapia;.

16 Reações psicológicas durante a radioterapia Estágios do tratamento I. Pré tratamento primeiras consultas com radioterapêuta Reações Psicológicas Possíveis Causas Intervenções Aumento da ansiedade; Medos; Insegurança; Raiva. Crenças irracionais sobre a radioterapia; dúvidas relativas ao tratamento; experiências anteriores traumáticas relacionadas ao câncer; Falta de informação. aumentar a habilidade de reconhecer as reações mais comuns; incentivar a comunicação; proporcionar suporte emocional e informativo; visita a RDT; encaminhamento multi. II. Tratamento (aprox.4 a 6 semanas) diminuição da ansiedade; aumento da depressão; aumento da raiva; efeitos colaterais; fantasias; falta de esclarecimento sobre possíveis efeitos. suporte educativo; encaminhamento ao psicólogo ou outro profissional adequado. III. Conclusão do tratamento persistem a depressão e a raiva; aumento da ansiedade; persistência e intensidade dos efeitos colaterais; medo da perda damonitoração médica; aumento da vulnerabilidade quanto à doença; medo da recidiva. suporte e apoio psicológico; se necessário encaminhamento para psiquiatria; followup. (Garcia I, Kosminsky F C. Radioterapia em Oncologia - Aspectos Psicossociais do paciente em radioterapia)

17 Título Como fazer? principal Vale destacar que a história de vida de cada pessoa, suas experiências passadas, educação, sexo, idade, personalidade, repercutem de forma positiva ou negativa para o enfrentamento de um sintoma, por isso, alguns indivíduos enfrentam melhor determinada situação que outros. Todopacienteestáembuscadealgoquandosepropõeatratar, nosrestarespeitaralutaqueeletravacomaformadevidaque se apresenta à ele neste momento.

18 Quem tem por que viver pode suportar quase qualquer como. (Nietzche) OBRIGADA!

Sinais visíveis de transtornos psicológicos: como identificar e lidar com estes pacientes?

Sinais visíveis de transtornos psicológicos: como identificar e lidar com estes pacientes? Sinais visíveis de transtornos psicológicos: como identificar e lidar com estes pacientes? Sávia M. Emrich Pinto Psicóloga Serviço de Radioterapia Sinais visíveis de transtornos psicológicos: como identificar

Leia mais

Fobia Específica. Simpósio de Terapia Cognitivo Comportamental Instituto Brasileiro de Hipnose IBH

Fobia Específica. Simpósio de Terapia Cognitivo Comportamental Instituto Brasileiro de Hipnose IBH Fobia Específica Simpósio de Terapia Cognitivo Comportamental Instituto Brasileiro de Hipnose IBH - 20015 A origem da palavra Fobia Phobos" significa "medo" e serve de raiz para a palavra fobia. Os critérios

Leia mais

A Importância dos Cuidados com o Cuidador. Lívia Kondrat

A Importância dos Cuidados com o Cuidador. Lívia Kondrat A Importância dos Cuidados com o Cuidador Lívia Kondrat ABRALE 22 de Julho de 2011 CÂNCER é uma doença crônica; possui tratamentos com possibilidade de cura; traz consigo estigmas; está cercada por mitos,

Leia mais

Mente Sã Corpo São! Abanar o Esqueleto - Os factores que influenciam as doenças osteoarticulares. Workshop 1

Mente Sã Corpo São! Abanar o Esqueleto - Os factores que influenciam as doenças osteoarticulares. Workshop 1 Abanar o Esqueleto - Os factores que influenciam as doenças osteoarticulares. Workshop 1 Mente Sã Corpo São! Unidade de Cuidados na Comunidade Centro de Saúde de Alfândega da Fé Elaborado por: Rosa Correia

Leia mais

Medo, Fobia, Vergonha e Estresse no Esporte

Medo, Fobia, Vergonha e Estresse no Esporte Medo, Fobia, Vergonha e Estresse no Esporte Curso de Ed. Física Prof. Ana Catarina Correia Mesquita Medo Estado emocional desencadeado no sistema nervoso central ante a um perigo iminente, que gera uma

Leia mais

PROJETO DE ATENDIMENTO PSICOLóGICO AOS CANDIDATOS à OBTENçãO DA CNH INTRODUÇÃO

PROJETO DE ATENDIMENTO PSICOLóGICO AOS CANDIDATOS à OBTENçãO DA CNH INTRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS II SIMPÓSIO DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS 13 e 14 de junho de 2013 PROJETO DE ATENDIMENTO PSICOLóGICO

Leia mais

Enfrentamento da Dor. Avaliação de Situação 10/05/2013. Enfrentamento da Dor Crônica. Processo de Avaliação Cognitiva. Profa. Dra. Andréa G.

Enfrentamento da Dor. Avaliação de Situação 10/05/2013. Enfrentamento da Dor Crônica. Processo de Avaliação Cognitiva. Profa. Dra. Andréa G. Enfrentamento da Dor Crônica Enfrentamento da Dor Profa. Dra. Andréa G. Portnoi BIO PSICO SOCIAL Sensação Incapacitação Diagnóstico Medicamentos Procedimentos Tratamentos Emoção Cognição Comportamento

Leia mais

A esquizofrenia é uma perturbação psiquiátrica caracterizada pela presença de comportamento psicótico ou amplamente desorganizado;

A esquizofrenia é uma perturbação psiquiátrica caracterizada pela presença de comportamento psicótico ou amplamente desorganizado; A esquizofrenia é uma perturbação psiquiátrica caracterizada pela presença de comportamento psicótico ou amplamente desorganizado; Afeta homens e mulheres na mesma proporção; Eugen Bleuler, importante

Leia mais

PSICOLOGIA B - 12º ano

PSICOLOGIA B - 12º ano PSICOLOGIA B - 12º ano Tema 2: EU Processos emocionais A professora: Antónia Couto Ano letivo: 2011-2012 Índice Introdução Distinção entre afeto, sentimento e emoção (D5) Definição de emoção (D6 e D7)

Leia mais

Determinantes do processo saúde-doença. Identificação de riscos à saúde. Claudia Witzel

Determinantes do processo saúde-doença. Identificação de riscos à saúde. Claudia Witzel Determinantes do processo saúde-doença. Identificação de riscos à saúde Claudia Witzel CONCEITOS DE SAÚDE E DOENÇA Saúde pode ser definida como ausência de doença Doença ausência de saúde... Saúde é um

Leia mais

PROVA PARA AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE PARA FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS 2013/2014. Faculdade de Ciências Humanas e Sociais

PROVA PARA AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE PARA FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS 2013/2014. Faculdade de Ciências Humanas e Sociais PROVA PARA AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE PARA FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS 2013/2014 Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Licenciatura em Psicologia Componente Específica de Psicologia

Leia mais

A consequência da modernidade

A consequência da modernidade A consequência da modernidade A sociedade pós-moderna tem como uma das suas principais características a pressa generalizada, esteja ela presente nas respostas eletrônicas, na expectativa das respostas

Leia mais

Superando traumas, medos e fobias

Superando traumas, medos e fobias 15/06/2013 Superando traumas, medos e fobias Métodos eficazes, como o EMDR, terapia cognitivo-comportamental e hipnose, podem ajudar a resolver, de forma célere, problemas como traumas e transtornos de

Leia mais

MENSUTE 2014 PSICOPEDAGOGIA. Prof.ª Suzane Maranduba AULA 4. Freire e mandella

MENSUTE 2014 PSICOPEDAGOGIA. Prof.ª Suzane Maranduba AULA 4. Freire e mandella MENSUTE 2014 PSICOPEDAGOGIA AULA 4 Prof.ª Suzane Maranduba Freire e mandella 1 A MINHA PRÁTICA PESSOAL REFLETE A MINHA PRÁTICA PROFISSIONAL Suzane Maranduba sumário SUMÁRIO 1. Anamnese 2. Desenvolvimento

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSISTÊNCIA DOMICILIAR

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSISTÊNCIA DOMICILIAR A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSISTÊNCIA DOMICILIAR PROGRAMA DE ATENÇÃO DOMICILIAR UNIMED-BH CAMILA CARNEIRO DA FONSECA Assistente Social Serviço de Atenção Domiciliar Atenção Domiciliar

Leia mais

Vitiligo e psicossomática

Vitiligo e psicossomática Vitiligo e psicossomática Roberto Azambuja Hospital Universitário de Brasília Vitiligo é o paradigma de dermatose psicossomática. Psicossomática É uma ciência interdisciplinar que integra diversas especialidades

Leia mais

DOENÇAS MENTAIS E OS RISCOS PSICOSSOCIAIS NO TRABALHO

DOENÇAS MENTAIS E OS RISCOS PSICOSSOCIAIS NO TRABALHO DOENÇAS MENTAIS E OS RISCOS PSICOSSOCIAIS NO TRABALHO Prof. Duílio Antero de Camargo Psiquiatra clínico e forense Médico do Trabalho Instituto de Psiquiatria HC FM USP Núcleo de Psiquiatria Forense (NUFOR)

Leia mais

Cuidados paliativos com foco no cuidador: criança x cuidador

Cuidados paliativos com foco no cuidador: criança x cuidador Encontro Nacional Unimed de Assistentes Sociais Cuidados paliativos com foco no cuidador: criança x cuidador Elaine de Freitas Assistente Social Instituto da Criança - HCFMUSP Família A família, desde

Leia mais

Análise do Artigo para leitura

Análise do Artigo para leitura Conflitos e gerações Análise do artigo solicitado para leitura; Conflitos geracionais no ambiente de trabalho; Stress e conflitos organizacionais; Stress, conflitos e doenças do trabalho. Prof. Dr. Alexandre

Leia mais

AULA 7 BENZODIAZEPÍNICOS E HIPNÓTICOS FARMACOTERAPIA DOS DISTÚRBIOS NEUROLÓGICOS. Prof. Márcio Batista

AULA 7 BENZODIAZEPÍNICOS E HIPNÓTICOS FARMACOTERAPIA DOS DISTÚRBIOS NEUROLÓGICOS. Prof. Márcio Batista AULA 7 FARMACOTERAPIA DOS DISTÚRBIOS NEUROLÓGICOS BENZODIAZEPÍNICOS E HIPNÓTICOS Prof. Márcio Batista INTRODUÇÃO USO RACIONAL: Brasil é o 9º país do mundo em consumo per capita de medicamentos. Brasil

Leia mais

PREVENÇÃO DE RECAÍDA

PREVENÇÃO DE RECAÍDA PREVENÇÃO DE RECAÍDA Alessandro Alves Noventa por cento do sucesso se baseia simplesmente em insistir. Woody Allen A recaída tem sido descrita tanto como um resultado a visão dicotômica de que a pessoa

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL CONTRA A FIBROMIALGIA E SÍNDROME DEFADIGACRÓNICA (MYOS) APIFARMA / ASSOCIAÇÕES DE DOENTES NOTAS DE UMA PARCERIA

ASSOCIAÇÃO NACIONAL CONTRA A FIBROMIALGIA E SÍNDROME DEFADIGACRÓNICA (MYOS) APIFARMA / ASSOCIAÇÕES DE DOENTES NOTAS DE UMA PARCERIA ASSOCIAÇÃO NACIONAL CONTRA A FIBROMIALGIA E SÍNDROME DEFADIGACRÓNICA (MYOS) APIFARMA / ASSOCIAÇÕES DE DOENTES V 4 APIFARMA / ASSOCIAÇÕES DE DOENTES b) Âmbito da Associação A Myos Associação Nacional

Leia mais

Comunicação Definição: A comunicação humana é um processo que envolve a troca de informações e utiliza os sistemas simbólicos como suporte para este f

Comunicação Definição: A comunicação humana é um processo que envolve a troca de informações e utiliza os sistemas simbólicos como suporte para este f Comunicação em Cuidados Paliativos Ana Valeria de Melo Mendes Comunicação Definição: A comunicação humana é um processo que envolve a troca de informações e utiliza os sistemas simbólicos como suporte

Leia mais

Rita Tiziana Verardo Polastrini

Rita Tiziana Verardo Polastrini Rita Tiziana Verardo Polastrini Mesmo sendo universal, a dor não é sentida de modo idêntico por todas as pessoas. Nem é expressada da mesma maneira em todas as culturas. Crianças admitidas em hospitais,

Leia mais

Qualidade de Vida 02/03/2012

Qualidade de Vida 02/03/2012 Prof. Dr. Carlos Cezar I. S. Ovalle Descreve a qualidade das condições de vida levando em consideração fatores como saúde, educação, expectativa de vida, bem estar físico, psicológico, emocional e mental.

Leia mais

Serão as emoções importantes? Sim

Serão as emoções importantes? Sim As emoções Emoções Uma reação complexa a estímulos externos (mais frequentemente) e também a estímulos internos, que se traduz em reações fisiológicas, comportamentais, cognitivas, afetivas, sentimentais

Leia mais

TRANSTORNO DE ANSIEDADE GENERALIZADA: Diagnóstico e Tratamento

TRANSTORNO DE ANSIEDADE GENERALIZADA: Diagnóstico e Tratamento Critérios Diagnósticos TRANSTORNO DE ANSIEDADE GENERALIZADA: Diagnóstico e Tratamento Prof. Giovanni K. Pergher A. Ansiedade e preocupação excessivas (expectativa apreensiva), ocorrendo na maioria dos

Leia mais

O prazer de voar e a arte de se manter vivo.

O prazer de voar e a arte de se manter vivo. 3º Workshop Aeronáutico do Detran/DF O prazer de voar e a arte de se manter vivo. Ten-Cel QOBM Dilene - Psicóloga 29 e 30 de junho de 2011 Brasília Fala baseada em leituras especializada, escutas e contatos

Leia mais

TRANSTORNO DE ANSIEDADE GENERALIZADA: Diagnóstico e Tratamento

TRANSTORNO DE ANSIEDADE GENERALIZADA: Diagnóstico e Tratamento TRANSTORNO DE ANSIEDADE GENERALIZADA: Diagnóstico e Tratamento Prof. Giovanni K. Pergher Critérios Diagnósticos A. Ansiedade e preocupação excessivas (expectativa apreensiva), ocorrendo na maioria dos

Leia mais

Estresse. Saiba identifi car o excesso de preocupação e nervosismo.

Estresse. Saiba identifi car o excesso de preocupação e nervosismo. Estresse Saiba identifi car o excesso de preocupação e nervosismo. EsTREssE O estresse é uma reação física e mental diante de estímulos que podem ser positivos ou negativos. As pessoas não reagem da mesma

Leia mais

ESTRESSE E QUALIDADE DE VIDA. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

ESTRESSE E QUALIDADE DE VIDA. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior ESTRESSE E QUALIDADE DE VIDA Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior O QUE É ESTRESSE? Estresse não é um diagnóstico, doença, ou síndrome. Estresse é um conjunto de sintomas emocionais ou físicos, não

Leia mais

MENTAL PARA PROFISSIONAIS DE

MENTAL PARA PROFISSIONAIS DE SAúDE MENTAL PARA PROFISSIONAIS DE SAúDE (JUN 2015) PORTO Está preparado para lidar com indivíduos com perturbações mentais? A resposta da maioria dos profissionais de saúde em Portugal será certamente

Leia mais

Atuação do Psicólogo na Radioterapia. Psicóloga: Alyne Lopes Braghetto

Atuação do Psicólogo na Radioterapia. Psicóloga: Alyne Lopes Braghetto Atuação do Psicólogo na Radioterapia Psicóloga: Alyne Lopes Braghetto Hospital Israelita Albert Einstein 650 leitos História Década de 50: nascimento da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert

Leia mais

Michael Zanchet Psicólogo Kurotel Centro Médico de Longevidade e Spa

Michael Zanchet Psicólogo Kurotel Centro Médico de Longevidade e Spa Entendendo e Gerenciando o Estresse Michael Zanchet Psicólogo Kurotel Centro Médico de Longevidade e Spa ORIGEM 1936 pelo médico Hans Selye na revista científica Nature. MODELO COGNITIVO DO ESTRESSE AMBIENTE

Leia mais

Fatores associados à depressão relacionada ao trabalho de enfermagem

Fatores associados à depressão relacionada ao trabalho de enfermagem Estudos de Psicologia Fatores associados à depressão relacionada ao trabalho de enfermagem Marcela Luísa Manetti Maria Helena Palucci Marziale Universidade de São Paulo Ribeirão Preto Resumo ao trabalho

Leia mais

300 QUESTÕES DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PARA PSICÓLOGO

300 QUESTÕES DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PARA PSICÓLOGO Caro Leitor, A equipe técnica do Concurseiro da Saúde empenha-se em desenvolver apostilas e materiais atualizados de acordo com as leis recentemente publicadas a fim de estar sempre em consonância com

Leia mais

CONTROLE DE CONTEÚDO - TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE SÃO PAULO ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA: PSICOLOGIA (TRE-SP AJAP)

CONTROLE DE CONTEÚDO - TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE SÃO PAULO ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA: PSICOLOGIA (TRE-SP AJAP) CONTROLE DE CONTEÚDO - TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE SÃO PAULO ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA: PSICOLOGIA (TRE-SP AJAP) 1 Ortografia oficial. GRAMÁTICA E INTERPRETAÇÃO DE TEXTO DA LÍNGUA PORTUGUESA CONTEÚDO

Leia mais

Gelder M, Mayou R, Geddes J. Psiquiatria. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 1999.

Gelder M, Mayou R, Geddes J. Psiquiatria. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 1999. Diretrizes de abordagem psicoterápica na atenção primária Alexandre de Araújo Pereira ASPECTOS GERAIS Os profissionais que atuam em serviços de atenção primária de saúde frequentemente interagem com uma

Leia mais

FUNDAMENTOS DA TERAPIA DO ESQUEMA

FUNDAMENTOS DA TERAPIA DO ESQUEMA FUNDAMENTOS DA TERAPIA DO ESQUEMA Denise Rodrigues Mestre em Psicologia Professora, supervisora e coordenadora do Serviço de Psicologia Aplicada da Universidade Estácio de Sá E-mail: deniserodriguespsi@hotmail.com

Leia mais

PROGRAMA DE MÉTODOS E HÁBITOS DE ESTUDO

PROGRAMA DE MÉTODOS E HÁBITOS DE ESTUDO PROGRAMA DE MÉTODOS E HÁBITOS DE ESTUDO MOTIVAR PARA O SUCESSO PRESSUPÕE INTERESSE, INVESTIMENTO, DISPONIBILIDADE, VONTADE, COMPETÊNCIA E ENVOLVIMENTO DE TODOS OS INTERVENIENTES NO PROCESSO EDUCATIVO!

Leia mais

Depressão. Um distúrbio que tem solução.

Depressão. Um distúrbio que tem solução. Depressão Um distúrbio que tem solução. DEPRESSÃO Depressão é um transtorno psiquiátrico sem causa definida. Afeta o humor, levando à perda de interesse e de prazer por quase todas as atividades do dia

Leia mais

Farmacoterapia na Depressão

Farmacoterapia na Depressão Farmacoterapia na Depressão TRANSTORNOS MENTAIS Entendem-se como transtornos mentais e comportamentais condições clinicamente significativas caracterizadas por alterações do modo de pensar e do humor (emoções)

Leia mais

Neurose FóbicaF. Neurose Fóbica Psicopatologia Geral e Especial Carlos Mota Cardoso

Neurose FóbicaF. Neurose Fóbica Psicopatologia Geral e Especial Carlos Mota Cardoso Neurose Fóbica 1 Conceito Temor excessivo e persistente relacionado com um objecto ou situação, que objectivamente não sejam fonte significativa de perigo. É desproporcionado É inexplicável Está fora do

Leia mais

Uso de Substâncias e Dependência: Visão Geral

Uso de Substâncias e Dependência: Visão Geral Capítulo 1 Uso de Substâncias e Dependência: Visão Geral Do ponto de vista comportamental, dependência pode ser conceitualizada como um prejuízo na capacidade de inibir a busca por determinada droga em

Leia mais

UM COTIDIANO DE EXPERIÊNCIAS NO JAPÃO.

UM COTIDIANO DE EXPERIÊNCIAS NO JAPÃO. UM COTIDIANO DE EXPERIÊNCIAS NO JAPÃO. Relato de Experiências de atividades desenvolvidas pelo Programa de Intercâmbio entre Governos Locais Japão-Brasil, 2013. Por ETHNA THAISE UNBEHAUN. Psicóloga Este

Leia mais

PARECER CREMEC nº 10/ /11/2016

PARECER CREMEC nº 10/ /11/2016 PARECER CREMEC nº 10/2016 28/11/2016 Processo - Consulta Protocolo CREMEC nº 4174/2016 Assunto Escala de Depressão de Beck e Escala de Ansiedade de Beck Relatora: Conselheira Stela Norma Benevides Castelo

Leia mais

Caracterização clínica e demográfica dos militares contratados internados no Serviço de Psiquiatria do Hospital Militar Principal em 2007

Caracterização clínica e demográfica dos militares contratados internados no Serviço de Psiquiatria do Hospital Militar Principal em 2007 Caracterização clínica e demográfica dos militares contratados internados no Serviço de Psiquiatria do Hospital Militar Principal em 2007 Dra. Joana Alexandre Dra. Teresa Babo Dra. Sofia Moreira Introdução

Leia mais

1 Manual do atendimento psicopedagógico

1 Manual do atendimento psicopedagógico Manual do atendimento psicopedagógico 1 Manual do atendimento psicopedagógico Manual do atendimento psicopedagógico FACULDADE DE ARTES DULCINA DE MORAES APRESENTAÇÃO Neste manual você irá encontrar as

Leia mais

Semanas após o início do tratamento, o paciente obteve um diagnóstico. Ele tinha o

Semanas após o início do tratamento, o paciente obteve um diagnóstico. Ele tinha o O que é o Transtorno da Aversão Sexual? Após uma tentativa de suicídio, William, com pouco mais de 40 anos, recebeu indicação médica para fazer terapia. Ele nunca havia tido qualquer tipo de contato sexual.

Leia mais

LEGISLAÇÃO PSICOLOGIA APRESENTAÇÃO CIENTÍFICA DOS SETORES DA APADEV PSICOLOGIA LINHAS TEÓRICAS DA PSICOLOGIA PSICOLOGIA

LEGISLAÇÃO PSICOLOGIA APRESENTAÇÃO CIENTÍFICA DOS SETORES DA APADEV PSICOLOGIA LINHAS TEÓRICAS DA PSICOLOGIA PSICOLOGIA APRESENTAÇÃO CIENTÍFICA DOS SETORES DA APADEV Psicóloga: Joselaine de Barros Em 1879 em Leipzig, Wundt criou o primeiro laboratório dedicado aos estudos psíquicos É a ciência que estuda o comportamento

Leia mais

SOBMEDIDA CONTROLE DO PESO DURANTE O TRATAMENTO ONCOLÓGICO: A PSICOLOGIA FACILITANDO A PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA INTEGRALIDADE: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

SOBMEDIDA CONTROLE DO PESO DURANTE O TRATAMENTO ONCOLÓGICO: A PSICOLOGIA FACILITANDO A PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA INTEGRALIDADE: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Sabe-se que o câncer é um dos maiores problemas de saúde dos países desenvolvidos e em desenvolvimento. Atualmente, é certamente uma das patologias mais temidas. O diagnóstico de câncer é vivenciado como

Leia mais

Sylvia Cavalcanti. Dispareunia e vaginismo:qual a diferença e como fazer este diagnóstico?

Sylvia Cavalcanti. Dispareunia e vaginismo:qual a diferença e como fazer este diagnóstico? Sylvia Cavalcanti Dispareunia e vaginismo:qual a diferença e como fazer este diagnóstico? PRINCÍPIOS DA ESPÉCIE HUMANA ROGER X BUSCA DO PRAZER FUGA DA DOR Disfunções sexuais Disfunção do desejo Estímulo

Leia mais

O NOVO CENÁRIO DAS DOENÇAS OCUPACIONAIS Tecnologia e stress

O NOVO CENÁRIO DAS DOENÇAS OCUPACIONAIS Tecnologia e stress O NOVO CENÁRIO DAS DOENÇAS OCUPACIONAIS Tecnologia e stress III Congresso Brasileiro dos serviços de saúde do PODER JUDICIÁRIO São Paulo, novembro 2011 (apresentação baseada nos artigos de Tânia Franco

Leia mais

Males da Alma......são transtornos que causam sofrimento intenso, comprometem a rotina da pessoa afetada, alteram

Males da Alma......são transtornos que causam sofrimento intenso, comprometem a rotina da pessoa afetada, alteram Males da Alma......são transtornos que causam sofrimento intenso, comprometem a rotina da pessoa afetada, alteram seu comportamento e trazem prejuízos em todas as áreas da vida de quem está doente. Ansiedade,

Leia mais

ATENDIMENTO AMBULATORIAL DE RETAGUARDA À PACIENTES ADULTOS ONCOLÓGICOS: RELATO TEÓRICO-CLÍNICO DE UMA EXPERIÊNCIA

ATENDIMENTO AMBULATORIAL DE RETAGUARDA À PACIENTES ADULTOS ONCOLÓGICOS: RELATO TEÓRICO-CLÍNICO DE UMA EXPERIÊNCIA 1 ATENDIMENTO AMBULATORIAL DE RETAGUARDA À PACIENTES ADULTOS ONCOLÓGICOS: RELATO TEÓRICO-CLÍNICO DE UMA EXPERIÊNCIA DUVAL, Melissa. R. Hospital Espírita Fabiano de Cristo, Caieiras - SP RESUMO : Partindo

Leia mais

Distúrbios e doenças ligadas à obesidade. Trabalho realizado por: Álvaro Santos Nº1 9ºA Miguel Oliveira Nº19 9ºA Carlos Azevedo Nº5 9ºA

Distúrbios e doenças ligadas à obesidade. Trabalho realizado por: Álvaro Santos Nº1 9ºA Miguel Oliveira Nº19 9ºA Carlos Azevedo Nº5 9ºA Distúrbios e doenças ligadas à obesidade Trabalho realizado por: Álvaro Santos Nº1 9ºA Miguel Oliveira Nº19 9ºA Carlos Azevedo Nº5 9ºA Índice Introdução O que é a Obesidade? Doenças e distúrbios físicos

Leia mais

TERAPIA RACIONAL EMOTIVA E COMPORTAMENTAL TREC Albert Ellis (1955) Gil Gomes - Me

TERAPIA RACIONAL EMOTIVA E COMPORTAMENTAL TREC Albert Ellis (1955) Gil Gomes - Me TERAPIA RACIONAL EMOTIVA E COMPORTAMENTAL TREC Albert Ellis (1955) Gil Gomes - Me Fundador: Albert Ellis (1955) Principais motivos Decepção com os níveis de efetividade e eficiência das terapias psicanalíticas.

Leia mais

Sobrecarga emocional em familiares de portadores de sofrimento psíquico de Pelotas-RS.

Sobrecarga emocional em familiares de portadores de sofrimento psíquico de Pelotas-RS. Sobrecarga emocional em familiares de portadores de sofrimento psíquico de Pelotas-RS. Os CAPs Elaine TOMASI Luiz Augusto FACCHINI Roberto Xavier PICCINI Elaine THUMÉ Ricardo Azevedo da SILVA Helen Denise

Leia mais

Envelhecimento e Doenças Reumáticas

Envelhecimento e Doenças Reumáticas Envelhecimento e Doenças Reumáticas Armando Malcata CHUC XVII Forum de Apoio ao Doente Reumático Envelhecimento e Doenças Reumáticas Variações demográficas e sociais. Impacto crescente; multidimensional.

Leia mais

Neurose Obsessiva. Neurose Obsessiva Psicopatologia Geral e Especial Carlos Mota Cardoso

Neurose Obsessiva. Neurose Obsessiva Psicopatologia Geral e Especial Carlos Mota Cardoso Neurose Obsessiva 1 Definição Ideias parasitas, as quais, permanecendo intacta a inteligência, e sem que exista um estado emotivo ou passional que o justifique, surgem conscientemente; impõem-se contra

Leia mais

UM PSICANALISTA NO HOSPITAL GERAL

UM PSICANALISTA NO HOSPITAL GERAL UM PSICANALISTA NO HOSPITAL GERAL Áreas de atuação: Psiquiatria de Ligação não vou abordar (platéia de psicólogos) Psicologia Hospitalar Futuro é a união Psicologia Médica UM PSICANALISTA NO HOSPITAL GERAL

Leia mais

Técnicas de Animação Pedagógica. gica

Técnicas de Animação Pedagógica. gica Técnicas de Animação Pedagógica gica Educação SéniorS 1 A intervenção educativa com idosos deve incluir-se no quadro da educação de adultos. Idoso Adulto Segregação Categoria abrangente Áreas de Intervenção

Leia mais

ESTÁGIO: PSICOLOGIA HOSPITALAR: INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA EM UMA UNIDADE DE TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA

ESTÁGIO: PSICOLOGIA HOSPITALAR: INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA EM UMA UNIDADE DE TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA CENTRO DE PESQUISA E PSICOLOGIA APLICADA ESTÁGIO: PSICOLOGIA HOSPITALAR: INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA 1 - JUSTIFICATIVA A cada dia cresce a expectativa de que os profissionais da área da Psicologia possam oferecer para a população em geral,

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCORRÊNCIA

RELATÓRIO DE CONCORRÊNCIA 23 - ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA 11 65 5,9 ENFERMAGEM EM CANCEROLOGIA 8 41 5,1 ENFERMAGEM EM CARDIOLOGIA 9 41 4,6 ENFERMAGEM EM CENTRO CIRÚRGICO 2 11 5,5 ENFERMAGEM EM EMERGÊNCIA GERAL 5 40 8,0 ENFERMAGEM

Leia mais

Cuidados Paliativos e Decisões no Paciente Oncológico Terminal

Cuidados Paliativos e Decisões no Paciente Oncológico Terminal Cuidados Paliativos e Decisões no Paciente Oncológico Terminal Curso de atualização 2013 Ilka Lopes Santoro Disciplina de Pneumologia Unifesp - EPM Objetivos Definições e Princípios Ações Controle da dor

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: : Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

3.4 A criança que não vai à escola (Recusa escolar e Gazeta às aulas)

3.4 A criança que não vai à escola (Recusa escolar e Gazeta às aulas) Páginas para pais: Problemas na criança e no adolescente 3.4 A criança que não vai à escola (Recusa escolar e Gazeta às aulas) Introdução É relativamente frequente que, pontualmente, a criança se recuse

Leia mais

ENTENDENDO A DOMA DOS EQUINOS DIOGO GONZAGA JAYME

ENTENDENDO A DOMA DOS EQUINOS DIOGO GONZAGA JAYME ENTENDENDO A DOMA DOS EQUINOS DIOGO GONZAGA JAYME QUEM SÃO OS EQUINOS? ETOLOGIA DEFINIÇÃO Vida em grupo Predados Fuga PERCEPÇÃO Capacidade de adaptação COMUNICAÇÃO CURIOSIDADE CLAUSTROFOBIA HIERARQUIA

Leia mais

Gestão de Riscos Psicossociais

Gestão de Riscos Psicossociais Gestão de Riscos Psicossociais Lisboa, 04 de Julho de 2013 Lúcia Simões Costa Centro de Psicologia da Universidade do Porto; Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra Ao contrário de outros tipos

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO ACADÊMICO NAAC

NÚCLEO DE APOIO ACADÊMICO NAAC NÚCLEO DE APOIO ACADÊMICO Universidade de Santa Cruz do Sul Pró-Reitoria de Graduação COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA NAP Núcleo de Apoio Pedagógico Núcleo de Apoio Acadêmico Ações Gerais Coordenadora Profª Drª

Leia mais

OS CICLOS DOS 7 ANOS

OS CICLOS DOS 7 ANOS OS CICLOS DOS 7 ANOS Os mistérios que envolvem a nossa vida, desde o nascimento, como as experiências, os fatos, os acontecimentos, bons e ruins, as pessoas que surgem ou desaparecem, de nossas vidas,

Leia mais

ATENDIMENTO DE CASAIS

ATENDIMENTO DE CASAIS ATENDIMENTO DE CASAIS ÁREA DA INTERVENÇÃO PSICOTERÁPICA PROPOSTA DE AJUDA A PERCEIROS NO ENFRENTAMENTO DOS PROBLEMAS DE RELACIONAMENTO ENTRE ELES E SUAS DIFICULDADES PESSOAIS NECESSÁRIO EXAMINAR TODA SUA

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Unidade Universitária Centro de Ciências Biológicas e da Saúde - 040 Curso Psicologia Disciplina Psicologia Hospitalar Professor(es) e DRTs Sandra Ribeiro de Almeida Lopes 111696-0 Sandra Fernandes de

Leia mais

TRATAMENTO INVOLUNTÁRIO PARA DEPENDÊNCIA QUÍMICA

TRATAMENTO INVOLUNTÁRIO PARA DEPENDÊNCIA QUÍMICA Atendimento: +55 15 3326-6784 MENU E-mail atendimentoctes@gmail.com TRATAMENTO INVOLUNTÁRIO PARA DEPENDÊNCIA QUÍMICA A cura e libertação da Dependência Química, mesmo às pessoas que ainda não perceberam

Leia mais

PSICOLOGIA MATUTINO / NOTURNO

PSICOLOGIA MATUTINO / NOTURNO PSICOLOGIA MATUTINO / NOTURNO 1º Ano / 1º Semestre / 1º Período Epistemologia e História da Psicologia I Estatística Instrumentos e Projetos de Pesquisa em Psicologia I Metodologia de Pesquisa @ Neurofisiologia

Leia mais

REUNIÃO DE EQUIPE PSICOLOGIA ONLINE. Ana Carolina Schmidt de Oliveira CRP: 06/99198

REUNIÃO DE EQUIPE PSICOLOGIA ONLINE. Ana Carolina Schmidt de Oliveira CRP: 06/99198 REUNIÃO DE EQUIPE PSICOLOGIA ONLINE Ana Carolina Schmidt de Oliveira CRP: 06/99198 anacarolina@vidamental.com.br TEMAS Normas do CFP para Psicologia Online Evidências científicas sobre atendimento online

Leia mais

Coordenação de Psicologia

Coordenação de Psicologia Coordenação de Psicologia ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA INESP/FUNEDI/UEMG 2º SEMESTRE 2011 ESTÁGIOS OFERECIDOS PARA OS ALUNOS DE 5º ao 7º PERÍODOS (Núcleo Básico) 1. ANÁLISE INSTITUCIONAL

Leia mais

SÍNDROME DE BURNOUT das causas ao cuidado

SÍNDROME DE BURNOUT das causas ao cuidado SÍNDROME DE BURNOUT das causas ao cuidado PELA MANHÃ VOCÊ SE SENTE ASSIM? E NO TRABALHO, VOCÊ SE SENTE ASSIM? SUA VIDA ESTA ASSIM? OU TUDO ESTA ASSIM? ESTRESSE Ocorre diante de uma situação (real ou imaginária)

Leia mais

HORÁRIOS DE AULAS PARA O ANO LETIVO 2016 CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA - NOVA ESTRUTURA CURRICULAR

HORÁRIOS DE AULAS PARA O ANO LETIVO 2016 CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA - NOVA ESTRUTURA CURRICULAR 4 O. ANO 1 O. SEMESTRE MATUTINO/VESPERTINO - TURMA A 8h00 10h00 10h15 12h15 Psicodiagnóstico: Fundamentos Teóricos e Técnicos Vínculos Amorosos, Conjugalidade e Arranjos Familiares no Contemporâneo Thassia

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Pró-Reitoria de Graduação Departamento de Psicologia Plano de Ensino 2014/1

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Pró-Reitoria de Graduação Departamento de Psicologia Plano de Ensino 2014/1 Pontifícia Universidade Católica de Goiás Pró-Reitoria de Graduação Departamento de Psicologia Plano de Ensino 2014/1 Disciplina: Psicopatologia Clínica Curso: Psicologia Prof a. Drª Ilma A. Goulart S.

Leia mais

11/23/2008. Dor leve, moderada - Fuga. Trauma agudo. A na lgesia sedação. C a racterísticas farmacológicas das substâncias usadas

11/23/2008. Dor leve, moderada - Fuga. Trauma agudo. A na lgesia sedação. C a racterísticas farmacológicas das substâncias usadas Introdução - EXPERIÊNCIA INDIVIDUAL AVALIAÇÃO DA DOR - COMPONENTES FISIOLÓGICO EMOCIONAL VERBAL COMPORTAMENTAL - IDENTIFICAÇÃO TRATAMENTO EVOLUÇÃO PONTOS CHAVE Pontos chave A na lgesia sedação C omportamento

Leia mais

PSICOLOGIA COMPORTAMENTAL? / CIÊNCIA DO COMPORTAMENTO / ANALISE DO COMPORTAMENTO / PRINCÍPIOS BÁSICOS DA ANALISE DO COMPORTAMENTO.

PSICOLOGIA COMPORTAMENTAL? / CIÊNCIA DO COMPORTAMENTO / ANALISE DO COMPORTAMENTO / PRINCÍPIOS BÁSICOS DA ANALISE DO COMPORTAMENTO. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE FURG INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E DA INFORMAÇÃO ICHI CURSO DE PSICOLOGIA FUNDAMENTOS PSIC COG COMP - AULA 01 (04.03.10) PSICOLOGIA COMPORTAMENTAL? / CIÊNCIA DO COMPORTAMENTO

Leia mais

Colaboradores...5 Dedicatória...6 Agradecimentos...7 Prefácio...9

Colaboradores...5 Dedicatória...6 Agradecimentos...7 Prefácio...9 Sumário Colaboradores...5 Dedicatória...6 Agradecimentos...7 Prefácio...9 PARTE I Introdução à profissão de enfermagem 1 Enfermagem uma profissão em evolução...21 Visão geral...22 Revisão histórica...22

Leia mais

I Jornadas de Psico-Oncologia da UTAD. A Psico-oncologia em Trás-os-Montes: da realidade presente aos desafios futuros

I Jornadas de Psico-Oncologia da UTAD. A Psico-oncologia em Trás-os-Montes: da realidade presente aos desafios futuros I Jornadas de Psico-Oncologia da UTAD A Psico-oncologia em Trás-os-Montes: da realidade presente aos desafios futuros COMISSÃO ORGANIZADORA Professora Doutora Sónia Remondes Costa (UTAD) Dr. Miguel Barbosa

Leia mais

TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENTA

TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENTA Atendimento: +55 15 3326-6784 MENU E-mail atendimentoctes@gmail.com TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENTAL Desenvolve vínculo e promove novos horizontes na vida do paciente em recuperação no Centro de Tratamento.

Leia mais

OFICINA DE FUTEBOL MASCULINO E FEMININO TRABALHANDO MENTES E FORMANDO CIDADÃOS ATRAVÉS DO ESPORTE

OFICINA DE FUTEBOL MASCULINO E FEMININO TRABALHANDO MENTES E FORMANDO CIDADÃOS ATRAVÉS DO ESPORTE OFICINA DE FUTEBOL MASCULINO E FEMININO TRABALHANDO MENTES E FORMANDO CIDADÃOS ATRAVÉS DO ESPORTE É sabido que através da prática esportiva, o indivíduo pode ser norteado a caminhos contrários a violência,

Leia mais

ANSIEDADE: E AGORA? Carlos Marinho. humanas; numa ou outra altura, já todos nos sentimos ou menos ansiosos.

ANSIEDADE: E AGORA? Carlos Marinho. humanas; numa ou outra altura, já todos nos sentimos ou menos ansiosos. ANSIEDADE: E AGORA? Carlos Marinho A Ansiedade faz parte do espectro normal das experiências emocionais humanas; numa ou outra altura, já todos nos sentimos ou menos ansiosos. Dentro de certos limites,

Leia mais

Matriz Curricular do Curso de Psicologia Bacharelado 2014 Ênfase II Ênfase II Psicologia e Processos Educativos

Matriz Curricular do Curso de Psicologia Bacharelado 2014 Ênfase II Ênfase II Psicologia e Processos Educativos Matriz Curricular do Curso de Psicologia Bacharelado 2014 Ênfase II Ênfase II Psicologia e Processos Educativos 1º PERÍODO HR Antropologia Epistemologia e História da Psicologia I Filosofia Leitura e Produção

Leia mais

AGITAÇÃO PSICOMOTORA. Karoline Senna Juliana Suzano Gabriela Vieira Orientador: Dr. Alexandre Pereira

AGITAÇÃO PSICOMOTORA. Karoline Senna Juliana Suzano Gabriela Vieira Orientador: Dr. Alexandre Pereira AGITAÇÃO PSICOMOTORA Karoline Senna Juliana Suzano Gabriela Vieira Orientador: Dr. Alexandre Pereira CONCEITO Estado de excitação mental e de atividade motora aumentada, associada a uma experiência subjetiva

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: TÉCNICO DE ENFERMAGEM Qualificação: Técnico

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 2017 FORMAÇÃO DE PSICÓLOGO CICLO BÁSICO. 1º Período

MATRIZ CURRICULAR 2017 FORMAÇÃO DE PSICÓLOGO CICLO BÁSICO. 1º Período PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE PSICOLOGIA MATRIZ CURRICULAR 2017 FORMAÇÃO DE PSICÓLOGO CICLO BÁSICO 1º Período Teórica Prática Semipresen cial 01 Anatomia Humana 40 40-80 02 História da Psicologia 80

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA PRÁTICA REGULAR DE EXERCÍCIO FÍSICO NA PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DE IDOSOS DO GÉNERO FEMININO

A INFLUÊNCIA DA PRÁTICA REGULAR DE EXERCÍCIO FÍSICO NA PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DE IDOSOS DO GÉNERO FEMININO Universidade de Coimbra Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física A INFLUÊNCIA DA PRÁTICA REGULAR DE EXERCÍCIO FÍSICO NA PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DE IDOSOS DO GÉNERO FEMININO Dissertação

Leia mais

1 ª sessão. Sessão com o treinador. Participantes. Treinador. Psicólogo. Motivação para o programa

1 ª sessão. Sessão com o treinador. Participantes. Treinador. Psicólogo. Motivação para o programa 1 ª sessão Sessão com o treinador Treinador Motivação para o programa Discussão sobre a importância das competências psicológicas Descrição do programa Importância do reforço Importância da colaboração

Leia mais

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social A RELAÇÃO DA EQUIPE MULTIDISCIPLINAR COM O PACIENTE SECUNDÁRIO NUMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Michely Mileski Zuliani* (Projeto de Extensão 0725/04, Psicologia Hospitalar e Equipe Multiprofissional

Leia mais