FACULDADE DE SERVIÇO SOCIAL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO DOUTORADO EM SERVIÇO SOCIAL CAROLINE GOERCK

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE DE SERVIÇO SOCIAL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO DOUTORADO EM SERVIÇO SOCIAL CAROLINE GOERCK"

Transcrição

1 0 FACULDADE DE SERVIÇO SOCIAL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO DOUTORADO EM SERVIÇO SOCIAL CAROLINE GOERCK PROGRAMA DE ECONOMIA SOLIDÁRIA EM DESENVOLVIMENTO: SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A VIABILIDADE DAS EXPERIÊNCIAS COLETIVAS DE GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA NO RIO GRANDE DO SUL Porto Alegre 2009

2 CAROLINE GOERCK PROGRAMA DE ECONOMIA SOLIDÁRIA EM DESENVOLVIMENTO: SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A VIABILIDADE DAS EXPERIÊNCIAS COLETIVAS DE GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA NO RIO GRANDE DO SUL Tese apresentada como requisito final para obtenção do título de Doutor em Serviço Social do Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Serviço Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Orientadora: Profa. Pós-Dra. Leonia Capaverde Bulla Porto Alegre 2009

3 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) G597p Goerck, Caroline Programa de Economia Solidária em Desenvolvimento: sua contribuição para a viabilidade das experiências coletivas de geração de trabalho e renda no Rio Grande do Sul. Porto Alegre, f. Tese (Doutorado em Serviço Social) da Faculdade de Serviço Social, PUCRS. Orientação: Profa. Pós-Dra. Leonia C. Bulla. 1. Serviço Social. 2. Geração de Trabalho e Renda. 3. Instituições de Apoio. 4. Programa de Economia Solidária. I. Bulla, Leonia C. II. Título. CDD Ficha elaborada pela bibliotecária Cíntia Borges Greff CRB 10/1437

4 2 CAROLINE GOERCK PROGRAMA DE ECONOMIA SOLIDÁRIA EM DESENVOLVIMENTO: SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A VIABILIDADE DAS EXPERIÊNCIAS COLETIVAS DE GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA NO RIO GRANDE DO SUL Tese apresentada como requisito parcial para obtenção do título de Doutor em Serviço Social do Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Serviço Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Tese apresentada à Comissão Examinadora: Profa. Dra. Leonia Capaverde Bulla PUCRS Profa. Dra. Berenice Rojas Couto Profa. Dra. Elizabeth Maria K. Pedroso Profa. Dra. Sheila Kocourek

5 3 À minha Filha TÃO AMADA Anna Lívia, aos meus PAIS Ilo e Elydia, a minha IRMÃ Susana, ao meu SOBRINHO lindo Pedro, e, minha irmã de coração Carina, pois, parece-me, que essas nossas histórias, já haviam Sido escritas em algum lugar...

6 4 AGRADECIMENTOS Inicialmente gostaria de agradecer a minha família, principalmente a MINHA MÃE Elydia e ao MEU PAI Ilo, sem os quais este Sonho não poderia ter se Concretizado. Agradeço a minha filha linda Anna Lívia por ter me ensinado a ser mais tolerante e paciente com a vida, principalmente com os meus sonhos e objetivos, pois existem situações que se sobrepõem a todas as outras circunstâncias, e, mesmo assim, o novo, o inesperado, e quem sabe, o acaso também pode ser maravilhoso. Agradeço também a minha a minha irmã Susana, o meu sobrinho lindo Pedro e aos meus amigos sinceros, Carina Santos de Almeida (minha irmã de coração), Alexandre Rauber, Deise Santos de Almeida, Elisangela Maria Wenzel, Daiana da Silva, pelos momentos de renúncia. Sem vocês, essa tese, não faria sentido. Agradeço a professora Leonia Capaverde Bulla minha sempre orientadora, pela ótima orientação, pelo apoio, pela compreensão, pelo carinho, pela tolerância, humildade, simplicidade, sabedoria, e, principalmente, por ter confiado em mim e ter me dado liberdade de escolha em todas as circunstâncias e nas mais variadas situações nestes últimos seis anos; Agradeço também em especial à banca, representada pela professora Elizabeth K. Pedroso, Sheila kocourek e Berenice Rojas Couto que me possibilitou a troca de bolsa integral para parcial no mestrado bem como pela professora Leonia Capaverde Bulla, por terem aceitado o convite e colaborado ao aprimoramento desta tese, com sugestões propositivas. Agradeço também a Cristina Fraga e Sheila Kocourek por sempre estar presente nos momentos difíceis, bem como pela colaboração, pelo incentivo, apoio e pelas críticas sempre construtivas ao meu processo de aprendizagem e amadurecimento profissional. Agradeço a minha amiga e bolsista Monique Bronzoni Damascena, por ter me auxiliado nesta pesquisa de doutoramento. Jamais esquecerei... Agradeço também a Caroline da Rosa e a Maria Eliane, que também me auxiliaram nesta pesquisa. Agradeço ao apoio da Cristina kologeski Fraga por estar ao meu lado no momento mais difícil da minha vida, por ser sempre uma grande amiga e companheira. Agradeço principalmente ainda ao apoio que a Sheila e a Cristina me deram em relação a minha gestação e ao nascimento da minha filha, minha Gatinha Mimosa Anna Lívia.

7 Agradeço a Carolina Ritter e Fábio Gaviraghi, e, ainda, Jaqueline Vicensi, meus amigos de coração e seres fantásticos, por terem sempre me auxiliado em todas as demandas que necessitei ao longo destes últimos 5 anos e terem abrilhantado e colorido tanto a minha vida, mesmo nos momentos de dificuldades... Gostaria de agradecer, também, a outras pessoas e instituições fundamentais na minha breve trajetória profissional, que contribuíram com a minha formação e transformação profissional e pessoal: Agradeço a CAPES e ao CNPq (agências de fomento) pela oportunidade de obter as respectivas bolsas de estudo, sem as quais não teria condições de cursar o Doutorado,bem como o Mestrado. Agradeço a UNISC por ter me disponibilizado a bolsa de Iniciação Científica PUIC entre os anos de 2002 e Agradeço as instituições e experiências pesquisadas, bem como ao apoio da Senaes e do Fórum Nacional e Estadual de Economia Solidária. Agradeço à UNIPAMPA, a UNIJUÍ e a URI por terem me possibilitado ingressar na academia como docente em Serviço Social, bem como por terem colaborado com minhas viagens a Porto Alegre para cursar o doutorado. Agradeço em especial a Unipampa por ter colaborado com o processo de elaboração da tese. Agradeço à Professora Jane Prates, que, desde o dia 18 de maio de 2001 (ao realizar sua primeira palestra na UNISC), me ensinou a tirar do ordinário o extraordinário e, desde aquele ano, vem sendo um marco e um exemplo de garra e ética da categoria profissional para mim. Você faz parte desta tese. Agradeço aos meus colegas de trabalho e amigos pelo apoio, principalmente a Cristina K. Fraga, Sheila Kocourek e Eliana Cogoy, Gerri A. Mendes, Laura Fonseca, Cárlida Emerim, ao Eduardo e a Rafaela Rios da Unipampa, ao Marcos e ao Ivo da Unijuí. Agradeço em especial à colega Laura Fonseca por ter assegurado o meu direito de licença maternidade durante o período de seis meses, extremamente importante para a elaboração desta tese. Agradeço aos professores e demais colegas das instituições e trabalhadores das experiências coletivas pesquisadas no Rio Grande do Sul que colaboram com o processo de coleta das informações para esta pesquisa. Agradeço aos professores (Jussara Mendes, Beatriz Aguinsky, Jane Prates, Berenice Couto, Carlos Nelson dos Reis, Gleny Guimarães, Patrícia Grossi, Márcia Faustini) do Programa de Pós- Graduação em Serviço Social da PUCRS, por terem me lapidado e feito com que me aprimorasse tanto teórica quanto empiricamente, nesses últimos anos. Agradeço, também, à professora Alzira 5

8 Lewgoy, durante o mestrado, por ter me disponibilizado uma de suas disciplinas (que lecionava), para realização do estágio docência. Agradeço ao Antonio, a Patrícia e a Juliana, da secretaria da Faculdade de Serviço Social da PUCRS, por terem sempre me auxiliado nas demandas apresentadas por mim à secretaria. Agradeço o professor Marco André Cadoná meu professor querido, que foi a pessoa que mais me incentivou a realizar esse sonho cursar o Mestrado e Doutorado, assim como foi o professor que introduziu e aproximou a pesquisa no meu trabalho profissional. Agradeço a Márcia Forster Watzlawick, por ter me acrescentado, tanto profissional quanto pessoalmente, demonstrando que os nossos sonhos e objetivos se transformam em realidade na medida em que contribuímos com eles, superando as dificuldades e as intempéries da vida. Agradeço a Noëlle Lechat por ter me convidado para participar e assessorar experiências de Economia Popular Solidária, pela incubadora da UNIJUÍ, enquanto assistente social. Este convite surgiu a partir da pesquisa que foi realizada durante o Mestrado, no PPGSS da PUCRS. Esta experiência foi fundamental para o meu atual exercício profissional e intelectual. Agradeço aos meus professores do Ensino Fundamental, Médio e de Graduação que me incentivaram a estudar juntamente com os meus pais e colaboram com meu processo de aprendizagem pois o conhecimento é cumulativo. Agradeço aos meus amigos, colegas e pessoas com as quais me relacionei por meio da Liga Feminina de Combate ao Câncer em anexo ao Hospital Santa Cruz, por se constituir num dos períodos mais significativos de minha vida. E agradeço, por último, as minhas amigas Nádia Scheid do Brasil, Mônica Tankersley e Rosi por sempre estarem comigo, mesmo que em forma de lembranças, aprendizagens e saudades. 6 Enfim, a todos os referidos, os meus mais sinceros agradecimentos. Obrigado por terem colaborado de tantas formas diferentes para que este sonho se tornasse realidade!

9 7 Longe se vai, sonhando demais, mas onde se chega assim, vou descobrir, o que me faz sentir, eu, caçador de mim. (MAGRÃO; SÁ, 1981).

10 8 RESUMO Esta tese teve como embasamento o método dialético-crítico. Pretendeu-se pesquisar a contribuição do Programa de Economia Solidária em Desenvolvimento para a viabilidade das experiências coletivas de geração de trabalho e renda no Rio Grande do Sul. O referido programa social foi criado em 2003, pelo governo federal, com vistas a fortalecer os empreendimentos de geração de trabalho e renda. A temática que deu origem a esta pesquisa está relacionada com as experiências constituídas no Brasil nas últimas décadas do século XX. Estes empreendimentos coletivos podem ser considerados uma das alternativas de geração de trabalho e renda aos sujeitos especialmente os menos qualificados, a partir do processo de reestruturação produtiva. A operacionalização do Programa vem ocorrendo por meio de parcerias estabelecidas entre o Estado (Secretaria Nacional de Economia Solidária Senaes), instituições da sociedade civil, outros setores governamentais e incubadoras universitárias. Além de análises documentais, foram coletadas informações de 11 instituições existentes no Rio Grande do Sul, que tem ou tiveram algum vínculo com o Programa de Economia Solidária em Desenvolvimento por meio da Senaes. Foram realizadas também 46 entrevistas com lideranças e demais trabalhadores de 17 empreendimentos coletivos existentes nos meios urbanos, em municípios escolhidos de forma intencional. As informações quantitativas foram tratadas por procedimentos estatísticos e as qualitativas foram submetidas à análise de conteúdo. Neste estudo partiu-se do pressuposto que o Programa de Economia Solidária em Desenvolvimento constitui-se como elemento potencializador de geração de renda para os sujeitos que estão à margem do mercado formal de trabalho, mas que, contraditoriamente, constituem-se, também, em mecanismos de regulação do capital, para atenuar os conflitos de classe e reproduzir o sistema. Constatou-se por meio desta pesquisa, que, tanto o Estado, por meio do Programa de Economia Solidária em Desenvolvimento Senaes, em parceria com instituições da sociedade civil, outros setores governamentais e incubadoras universitárias podem, mesmo que de forma incipiente, potencialmente viabilizar as experiências de Economia Popular Solidária. Palavras-chave: Geração de Trabalho e Renda. Instituições de Apoio. Viabilidade. Programa de Economia Solidária.

11 9 ABSTRACT This thesis had as basement the dialectical-critical method. Was intended to research the Solidarity Economy on Development Program contribution to the viability of the collective experiences of work and income generations on Rio Grande do Sul. That social program was created on 2003, by the Federal Govern, looking for the strengthen of the work and income generation developments. The subject that gave start to this research is related with the experiences constituted in Brazil on the last 20 th century decades. These collective developments can be considered one of the alternatives of word and income generations to the citizens especially the less qualified starting from the productive restructuring process. The operacionalization of the Program been occurring by partners established between the State (Economy Solidarity National Secretary Senaes), civil society institutions, other governmental sectors and university incubators. In addition of documental analysis, were collected information from 11 institutions of Rio Grande do Sul, which has or had any link to the Economy Solidarity on Development Program by the Senaes. It were realized 46 interviews with leaders and workers of 17 collective existing developments on urban, on municipalities chosen in a intentional way. The quantitative information were treated by statistical procedures and the qualitative were submitted to content analysis. On this study, it started from the assumption that the Economy Solidarity on Development Program it s constituted as a potentate element of income generation to the people that are on the board of the formal labor market, but those, contradictorily, are constituted, paradoxically, on mechanisms of capital regulation, to mitigate the class conflict and to reproduce the system. It was found with this research, that, the State, by the Economy Solidarity on Development Program Senaes, in partnership with civil society institutions, other governmental sectors and university incubators can, even in a incipient way, make possible potentializate the Popular Solidarity Economy experiences. Key-words: Work and income generation. Support Institutions. Viability. Solidarity Economy Program.

12 10 RESUMEN Esta tesis tuvo como embasamiento el método dialéctico-crítico. Se pretendió investigar la contribución del Programa de Economía Solidaria en Desarrollo para la viabilidad de las experiencias colectivas de generación de trabajo y renta en el Río Grande del Sur. El programa social referido fue creado en 2003 por el gobierno federal, con el objetivo de fortalecer los emprendimientos de generación de trabajo y renta. La temática que originó esta investigación está relacionada a las experiencias constituidas en el Brasil en las últimas décadas del siglo XX. Estos emprendimientos colectivos pueden ser considerados una de las alternativas de generación de trabajo y renta a los sujetos especialmente a los menos cualificados, a partir del proceso de reestructuración productiva. La realización del Programa está ocurriendo por medio de aparcerías establecidas entre el Estado (Secretaria Nacional de Economía Solidaria Senaes), entidades de la sociedad civil, otros sectores gubernamentales e incubadoras universitarias. Además de análisis de documentos, se colectó informaciones de 11 instituciones existentes en el Río Grande del Sur, que tienen o tuvieron algún vínculo con el Programa de Economía Solidaria en Desarrollo por medio de las Senaes. Fueron realizadas también 46 entrevistas con lideres y demás trabajadores de 17 emprendimientos colectivos existentes en las áreas urbanas, en municipios escogidos de forma intencional. Las informaciones cuantitativas fueron tratadas por procedimientos estadísticos y las cualitativas fueron sometidas a análisis del contenido. Para la realización de este estudio se partió del presupuesto de que el Programa de Economía Solidaria en Desarrollo se constituyó como elemento potencializador de generación de renta para los sujetos que están a la margen del mercado formal de trabajo, pero que, contradictoriamente, se constituyen, también, en mecanismos de regulación del capital, para atenuar los conflictos de clases y reproducir el sistema. Se constató por medio de esta investigación que el Estado, con el Programa de Economía Solidaria en Desarrollo Senaes, en conjunto con entidades de la sociedad civil, otros sectores gubernamentales e incubadoras universitarias puede, mismo que de manera incipiente, potencialmente viabilizar las experiencias de Economía Popular Solidaria. Palabras-clave: Generación de trabajo y renta. Entidades de apoyo. Viabilidad. Programa de economía solidaria.

13 11 LISTA DE QUADROS Quadro 1 - Sistematização de Leis/Decretos sobre o cooperativismo e associativismo no Brasil...65 Quadro 2 - Analogias e diferenças entre Economia Popular, Economia Popular Solidária e Economia Solidária...93 Quadro 3 - Diferenças entre Cooperativas e Associações...98 Quadro 4 - Instituições Pesquisadas Quadro 5 - Instituições relacionadas com as experiências pesquisadas Quadro 6 - Ações/atividades desenvolvidas pela Senaes e pelo Programa de Economia Solidária em Desenvolvimento Quadro 7 - Programas Sociais articulados com o Programa de Economia Solidária em Desenvolvimento e com a Senaes Quadro 8 - Características do Programa de Economia Solidária em Desenvolvimento Quadro 9 - Síntese das características das experiências coletivas de geração de trabalho e renda no Brasil e no Rio Grande do Sul Quadro 10 - Atividades desenvolvidas pelas Instituições de Apoio Pesquisadas Quadro 11 - Vinculação das Instituições pesquisadas com o Programa de Economia Solidária em Desenvolvimento e com a Senaes Quadro 12 - Caracterização das Instituições Pesquisadas Quadro 13 - Motivos de criação das experiências coletivas Quadro 14 - Princípios Cooperativistas nas 17 experiências pesquisadas Quadro 15 - Síntese de Metodologia de Incubação...392

14 12 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 - Comparação salarial entre homens e mulheres por grau de instrução...81 Gráfico 2 - Formas de organização das experiências coletivas no Brasil Gráfico 3 - Inserção exclusiva de mulheres e homens nas experiências coletivas Gráfico 4 - Participação dos trabalhadores nas reuniões e assembleias Gráfico 5 - Formas de organização das experiências coletivas no Rio Grande do Sul Gráfico 6 - Inserção exclusiva de homens e mulheres nas experiências coletivas no Rio Grande do Sul Gráfico 7 - Produtos e serviços das atividades desenvolvidas Gráfico 8 - Forma de organização das Instituições de Apoio Gráfico 9 - Participações das Instituições nas instâncias dos Fóruns de Economia Solidária Gráfico 10 - Constituição das experiências de geração de trabalho e renda Gráfico 11 - Locais dos empreendimentos coletivos Gráfico 12 - Objetos de trabalho das experiências coletivas Gráfico 13 - Taxa de desemprego das cônjuges e das chefias femininas segundo o tipo de família na Região Metropolitana de Porto Alegre ( )...313

15 13 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Precursores do Cooperativismo...52 Figura 2 - Economia Popular Solidária...90 Figura 3 - Processo Dialético Figura 4 - Metodologia de Pesquisa Figura 5 - Mapa 1: Estado do Rio Grande do Sul Figura 6 - Tese Figura 7 - Compreensão do trabalho desenvolvido pelo Assistente Social...388

16 14 LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Instituições de apoio vinculadas no Rio Grande do Sul com o Programa de Economia Solidária em Desenvolvimento por meio da Senaes ( ) Tabela 2 - Sexo dos trabalhadores das experiências pesquisadas Tabela 3 - Analogias e diferenças entre as características das 17 experiências coletivas pesquisadas e do Mapeamento realizado pela Senaes no Rio Grande do Sul Tabela 4 - Faixa etária dos sujeitos da pesquisa Tabela 5 - Escolaridade dos sujeitos da pesquisa...311

17 15 LISTA DE SIGLAS ABEPSS - Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço ABICRED - Associação Brasileira de Instituições de Microcrédito ACI - Aliança Cooperativa Internacional ADS - Agencia de Desenvolvimento Solidário ANCOSOL - Associação do Cooperativismo de Economia Familiar e Solidária ANTEAG - Associação Nacional de Trabalhadores e Empresas de Autogestão ASCOOB - Associação das Cooperativas de Apoio a Economia Familiar ATER - Programa Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural BNDES - Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BPC - Benefício de Prestação Continuada CAMP - Centro de Educação Popular CAPES - Sistema Público de Atendimento a Saúde Mental CBAS - Congresso Brasileiro de Assistentes Sociais CCA - Cooperativas Centrais dos Assentados CCQ - Círculos de Controle de Qualidade CEAPE - Centro de Apoio aos Pequenos Empreendimentos CFES - Centros de Formação em Economia Solidária CFESS - Conselho Federal de Serviço Social CLT - Constituição das Leis Trabalhistas CNES - Conselho Nacional de Economia Solitária CNM - Confederação Nacional dos Metalúrgicos CNRT - Conselho Nacional das Relações do Trabalho CODEFAT - Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador COEP - Centro de Orientação e Encaminhamento Profissional COFINS - Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social CONAES - Conferencia Nacional de Economia Solidária CONAFIS - Conselho Nacional de Finanças Populares e Solidárias CONCRAB - Confederação das Cooperativas de Reforma Agrária do Brasil CONTAG - Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura

18 16 COOPERSOL - Programa de Fomento ao Cooperativismo da Agricultura Familiar e Economia Solidária COREDE - Conselho Regional de Desenvolvimento CPA - Cooperativa de Produção Agropecuária CPMF - Contribuição Provisória sobre Movimentação ou Transmissão CPS - Cooperativa de Prestação de Serviços CPT - Comissão Pastoral da Terra CRAS - Centro de Referência da Assistência Social CREAS - Centro de Referência Especializado da Assistência Social CREDITAG - Sistema Nacional de Cooperativas de Crédito da Agricultura Familiar CRESOL - Sistema de Cooperativas de Crédito Rural com Interação Rural CUT - Central Única dos Trabalhadores DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos DTR - Delegacia Regional do Trabalho EAF - Entidades de Apoio, Assessoria e Fomento ECOSOL - Sistema Nacional de Cooperativas de Economia e Credito Solidário EES - Empreendimentos Econômicos Solidários EGEs - Equipe de Gestores Estaduais EJA - Educação de Jovens e Adultos EMATER - Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural ENPESS - Encontro Nacional de Pesquisadores em Serviço Social EUA - Estados Unidos da América FASE - Federação de Órgãos para a Assistência Social e Educacional FAT - Fundo de Amparo do Trabalhador FATES - Fundo de Assistência Técnica, Educacional e Social FBB - Fundação Banco do Brasil FBES - Fórum Brasileiro de Economia Solidária FEE - Fundação de Economia e Estatística FETAGS - Federação dos Trabalhadores na Agricultura FGEPS - Fórum Gaúcho de Economia Popular Solidária FGTS - Fundo de Garantia pó Tempo de Serviço

19 17 FINEP - Financiadora de Estudos e Projetos FIOCRUZ - Fundação Oswaldo Cruz FORPROEXT - Fórum de Pró-Reitores de Extensão FURB - Universidade Regional de Blumenau FURG - Universidade Federal do Rio Grande GEA - Formação e Assessoria Sindical GT - Grupo de Trabalho IBASE - Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Socioeconomicas IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística ICMS - Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços IGK - Instituto Genaro Krebs INCRA - Instituto Nacional da Colonização e Reforma Agrária INSS - Instituto Social de Segurança Social INTEGRAR - Associação de Integração de Empresa Escola IOF - Imposto Sobre Operações Financeiras IPEA - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada IPI - Imposto Sobre Produtos Industrializados IPTU - Imposto Predial e Territorial Urbano IPVA - Imposto Sobre a Propriedade de Veiculos Automotores ISS - Imposto Sobre Serviço de Qualquer Natureza ITCPs - Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares ITR - Imposto Sobre a Propriedade Territorial Rural LBA - Legião Brasileira de Assistência LOAS - Lei Orgânica de Assistência Social MCT - Ministério da Ciência e Tecnologia MDA - Ministério do Desenvolvimento Agrária MDS - Ministério do Desenvolvimento Social MEC - Ministério da Educação e Cultura MME - Ministério de Minas e Energia MS - Ministério da Saúde MST - Movimento dos Sem Terra MTE - Ministério do Trabalho e Emprego NEATES - Núcleo Estadual de Assistência Técnica NUDESE - Núcleo de desenvolvimento Social e Econômico

20 18 OBJ. ESP - Objetivo Específico OCA - Organização das Cooperativas Americanas OCB - Organização das Cooperativas Brasileiras OCE - Organização das Cooperativas do Estado OCERGS - Organização e Sindicato das Cooperativas do Estado do Rio Grande do Sul OIT - Organização Internacional do Trabalho ONG - Organização Não Governamental OSCIP - Organização da Sociedade Civil de Interesse Público PAC - Projetos Alternativos Comunitários PACS - Instituto Políticas Públicas para o Conesul PADRSS - Projeto Alternativo de Desenvolvimento Rural Sustentável e Solidário PAIF - Programa de Integração à Família PDT - Partido Democrático Trabalhista PEA - População Economicamente Ativa PED - Pesquisa de Emprego e Desemprego PETI - Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PFL - Partido da Frente Liberal PIA - População em Idade Ativa PIB - Produto Interno Bruto PIS - Programa de Integração Social PITCE - Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior PLANFOR - Programa Nacional de Formação Profissional PLC - Projeto de Lei Completar PLS - Projeto de Lei do Senado PMDB - Partido do Movimento Democrático Brasileiro PNAD - Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNQ - Plano Nacional de Qualificação POF - Pesquisa de Orçamentos Familiares PPA - Plano Plurianual PPGSS - Programa de Pós Graduação em Serviço Social PROEMPREGO - Programa de Emprego PROGER - Programa de Geração de Emprego e Renda

21 19 PROMESO - Programa da Sustentabilidade de Espaços Sub-Regionais PRONACOOP - Programa Nacional de Fomento as Cooperativas de Trabalho PRONAF - Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar PRONERA - Programa de Educação do Campo PRONINC - Programa Nacional de Incubadoras PSB - Partido Socialista Brasileiro PT - Partido dos Trabalhadores PUCRS - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul QN - Questão Norteadora RBSES - Rede de Socioeconomia Solidária RITCP - Rede de Incubadoras Tecnológicas de Cooperativas Populares RS - Rio Grande do Sul SCA - Sistema Cooperativista dos Assentados SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SENAC - Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial SENAES - Secretaria Nacional de Economia Solidária SENAI - Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial SESC - Serviço Social do Comércio SESI - Serviço Social da Indústria SFS - Sistema de Finanças Solidárias SIES - Sistema Nacional de Informações em Economia Solidária SINE - Sistema Nacional de Emprego SNCR - Sistema Nacional de Crédito Rural SNES - Sistema Nacional de Economia Solidária STTRS - Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais SUAS - Sistema Único de Assistência Social SUS - Sistema Único de Saúde SUSEPE - Superintendência dos Serviços Penitenciários UCPEL - Universidade Católica de Pelotas UFPEL - Universidade Federal de Pelotas UFPR - Universidade Federal do Paraná UFRGS - Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRN - Universidade Federal do Rio grande do Norte

22 20 UFRPe - Universidade Federal Ruaral de Pernambuco UFScar - Universidade Federal de São Carlos UFSJ - Universidade Federal de São João del-rei UFSM - Universidade Federal de Santa Maria UFV - Universidade Federal de Viçosa UNICAFES - União das Cooperativas da Agricultura Familiar e Economia Solidária UNICAMP - Universidade Federal de Campinas UNIJUÍ - Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul UNIPAMPA - Universidade Federal do Pampa UNISC - Universidade de Santa Cruz do Sul UNISINOS - Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISOL - Central de Cooperativas de Empreendimentos Solidários do Brasil UNITRABALHO - Fundação Interuniversitária de Estudos e Pesquisas sobre o Trabalho URI - Universidade Regional Integrada URSS - União das Repúblicas Socialistas Soviéticas USP - Universidade de São Paulo

23 21 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO PRECURSORES DO COOPERATIVISMO E ASSOCIATIVISMO E O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO DO CAPITAL BREVE HISTÓRICO DO COOPERATIVISMO-ASSOCIATIVISMO NA EUROPA PRIMEIRAS EXPERIÊNCIAS COOPERATIVISTAS E ASSOCIATIVISTAS NO BRASIL FINAL DO SÉCULO XX E LIMIAR DO SÉCULO XXI: NOVAS TRANSFORMAÇÕES NO PROCESSO DE TRABALHO ECONOMIA POPULAR SOLIDÁRIA E INSTITUIÇÕES DE APOIO: COMO UMA DAS ALTERNATIVAS AOS TRABALHADORES NO BRASIL DE GERAR TRABALHO E RENDA ECONOMIA POPULAR SOLIDÁRIA NO BRASIL Economia Popular Solidária e o processo de comercialização Diferenciações entre as Cooperativas e Associações Falsas Cooperativas e o novo Marco Legal APOIO DA SOCIEDADE CIVIL E DAS INCUBADORAS UNIVERSITÁRIAS À ECONOMIA POPULAR SOLIDÁRIA Fórum Brasileiro de Economia Popular Solidária Instituições da Sociedade Civil e Governamentais apoiadoras da Economia Popular Solidária no Brasil Instituições da Sociedade Civil e Governamentais Apoiadoras da Economia Popular Solidária no Rio Grande do Sul Incubadoras universitárias e o trabalho de incubação METODOLOGIA DE PESQUISA...143

24 MÉTODO DIALÉTICO-CRÍTICO Leis da Dialética Categorias Teórico-Metodológicas TIPO DE PESQUISA PROCESSO DE PESQUISA Pressupostos éticos da pesquisa e coleta das informações Delimitação geográfica da pesquisa Análise das Informações PROGRAMA DE ECONOMIA SOLIDÁRIA EM DESENVOLVIMENTO INTRODUZINDO OS PROGRAMAS DE GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA E A PARTICIPAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL NOS PROGRAMAS SOCIAIS Programa de Economia Solidária em Desenvolvimento e a Secretaria Nacional de Economia Solidária Ações do Programa de Economia Solidária em Desenvolvimento e sua articulação com outros Programas Sociais Conselho Nacional de Economia Solidária MAPEAMENTO DAS EXPERIÊNCIAS DE ECONOMIA POPULAR SOLIDÁRIA NO BRASIL E NO RIO GRANDE DO SUL REALIZADO PELA SENAES COM A PARCERIA DAS INSTITUIÇÕES DE APOIO Caracterização do mapeamento de Economia Popular Solidária no Brasil Caracterização do mapeamento de Economia Popular Solidária no Rio Grande do Sul INSTITUIÇÃO DO PROGRAMA DE ECONOMIA SOLIDÁRIA EM DESENVOLVIMENTO POR MEIO DA SENAES NO RIO GRANDE DO SUL INSTITUIÇÕES GOVERNAMENTAIS E DA SOCIEDADE CIVIL E AS INCUBADORAS UNIVERSITÁRIAS: SUAS VINCULAÇÕES COM O PROGRAMA DE ECONOMIA SOLIDÁRIA EM DESENVOLVIMENTO POR MEIO DA SENAES NO RIO GRANDE DO SUL Caracterização das Instituições de Apoio mapeadas e pesquisadas...236

Título: Programa de Economia Solidária no Rio Grande do Sul: sua contribuição

Título: Programa de Economia Solidária no Rio Grande do Sul: sua contribuição 1 Título: Programa de Economia Solidária no Rio Grande do Sul: sua contribuição para a viabilidade das experiências coletivas de geração de trabalho e renda Autora: Profa. Dra. Caroline Goerck Capa: Editora

Leia mais

Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia.

Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia. Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia. Autores: Ana Claudia Carlos 1 Raquel Aparecida Celso 1 Autores e Orientadores: Caroline Goerck 2 Fabio Jardel

Leia mais

Incubadoras Universitárias: sua contribuição aos empreendimentos de economia popular solidária 1

Incubadoras Universitárias: sua contribuição aos empreendimentos de economia popular solidária 1 Incubadoras Universitárias: sua contribuição aos empreendimentos de economia popular solidária 1 College incubators: its contribution to the popular solidarity economy enterprises Caroline Goerk Resumo:

Leia mais

O FÓRUM BRASILEIRO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA E SUA RELAÇÃO COM O CONSELHO NACIONAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA 1

O FÓRUM BRASILEIRO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA E SUA RELAÇÃO COM O CONSELHO NACIONAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA 1 O FÓRUM BRASILEIRO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA E SUA RELAÇÃO COM O CONSELHO NACIONAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA 1 Benedito Anselmo Martins de Oliveira 2 A Economia Solidária no Brasil, em conformidade com as informações

Leia mais

Caroline Goerck 1 Fabio Jardel Gaviraghi 2

Caroline Goerck 1 Fabio Jardel Gaviraghi 2 O processo de trabalho em empreendimentos vinculados ao Programa de Economia Solidária / The process of work in enterprises related to the solidarity economy program Caroline Goerck 1 Fabio Jardel Gaviraghi

Leia mais

DATA 22 / 06 / 2006 PÁGINA : 02

DATA 22 / 06 / 2006 PÁGINA : 02 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.811, DE 21 DE JUNHO DE 2006. Dispõe sobre a composição, estruturação, competência e funcionamento do Conselho Nacional

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.811, DE 21 DE JUNHO DE 2006. Dispõe sobre a composição, estruturação, competência e funcionamento do Conselho Nacional

Leia mais

TRABALHO COMO DIREITO

TRABALHO COMO DIREITO Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 CEP: 05403-000 São Paulo SP Brasil TRABALHO COMO DIREITO () 04/12/2013 1 O direito ao trabalho no campo da Saúde Mental: desafio para a Reforma Psiquiátrica brasileira

Leia mais

A DEMOCRATIZAÇÃO DO CONHECIMENTO E DA TECNOLOGIA: UMA DAS NECESSIDADES PARA O FORTALECIMENTO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA E DA UNIVERSIDADE 1

A DEMOCRATIZAÇÃO DO CONHECIMENTO E DA TECNOLOGIA: UMA DAS NECESSIDADES PARA O FORTALECIMENTO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA E DA UNIVERSIDADE 1 A DEMOCRATIZAÇÃO DO CONHECIMENTO E DA TECNOLOGIA: UMA DAS NECESSIDADES PARA O FORTALECIMENTO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA E DA UNIVERSIDADE 1 Benedito Anselmo Martins de Oliveira 2 O movimento de economia solidária

Leia mais

Espaço de Formação ITCP/UFV Introdução à Economia Solidária

Espaço de Formação ITCP/UFV Introdução à Economia Solidária Espaço de Formação ITCP/UFV Introdução à Economia Solidária Fernanda Abreu Nagem Mestranda em Extensão Rural/UFV fernandanagem@yahoo.com.br Viçosa, 19/02/2010 Origem... Experiências cooperativistas do

Leia mais

CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO

CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO DOCUMENTO PROPOSITIVO Página 1 1. IMPORTÂNCIA DO TEMA PARA A II CONFERÊNCIA NACIONAL 1.1. A construção de um novo Brasil pautado na justiça, equidade e

Leia mais

Textos & Contextos (Porto Alegre) E-ISSN: 1677-9509 textos@pucrs.br. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Brasil

Textos & Contextos (Porto Alegre) E-ISSN: 1677-9509 textos@pucrs.br. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Brasil (Porto Alegre) E-ISSN: 1677-9509 textos@pucrs.br Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Brasil Goerck, Caroline Serviço Social e experiências de Economia Popular Solidária: um novo espaço

Leia mais

2 O GOVERNO FEDERAL E A ERRADICAÇÃO DA POBREZA EXTREMA

2 O GOVERNO FEDERAL E A ERRADICAÇÃO DA POBREZA EXTREMA A ECONOMIA SOLIDÁRIA NA ESTRATÉGIA DE ERRADICAÇÃO DA POBREZA EXTREMA NO BRASIL: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA O DEBATE* Sandro Pereira Silva** 1 INTRODUÇÃO O termo economia solidária, enquanto marca política,

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA n 49/13 Esta resolução tem por objetivo aplicar no âmbito da vigilância sanitária as diretrizes e os objetivos do Decreto nº 7.492,

Leia mais

2007 PRODOC BRA 05/028 MDS/PNUD

2007 PRODOC BRA 05/028 MDS/PNUD Instrumento de Solicitação de Manifestação de Interesse- Qualificação de Parceiros para a Implementação de Projetos de Inclusão Produtiva 2007 PRODOC BRA 05/028 MDS/PNUD 1. OBJETO DO INSTRUMENTO CONVOCATÓRIO

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE LEI nº, de de (Projeto de Lei nº 00/04, do Executivo) Institui o Programa Oportunidade Solidária, estabelece princípios fundamentais e objetivos da Política de Fomento à Economia Popular Solidária do Município

Leia mais

POR UMA POLÍTICA PÚBLICA NACIONAL DE FORMAÇÃO EM ECONOMIA SOLIDÁRIA PPNFES

POR UMA POLÍTICA PÚBLICA NACIONAL DE FORMAÇÃO EM ECONOMIA SOLIDÁRIA PPNFES SECRETARIA NACIONAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA MTE/SENAES FÓRUM BRASILEIRO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA ENCONTRO NACIONAL DE FORMAÇÃO/EDUCAÇÃO EM ECONOMIA SOLIDÁRIA POR UMA POLÍTICA PÚBLICA NACIONAL DE FORMAÇÃO EM

Leia mais

Economia Solidária. a produção dos sujeitos (des)necessários

Economia Solidária. a produção dos sujeitos (des)necessários Economia Solidária a produção dos sujeitos (des)necessários 2011 Karen Eidelwein Direitos desta edição reservados à Paco Editorial. Nenhuma parte desta obra pode ser apropriada e estocada em sistema de

Leia mais

Secretaria Nacional de Economia Solidária SENAES Departamento de Estudos e Divulgação - DED

Secretaria Nacional de Economia Solidária SENAES Departamento de Estudos e Divulgação - DED Secretaria Nacional de Economia Solidária SENAES Departamento de Estudos e Divulgação - DED Esplanada dos Ministérios Bloco F, sala 347 Cep: 70.059-900 - Brasília DF Tel.: (61) 3317-6633 Fax: (61) 3317.8293

Leia mais

EDUCAÇÃO CORPORATIVA NO BRASIL NO CONTEXTO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO

EDUCAÇÃO CORPORATIVA NO BRASIL NO CONTEXTO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO EDUCAÇÃO CORPORATIVA NO BRASIL NO CONTEXTO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO Remígio Todeschini 1 1.Introdução O presente texto pretende ser uma contribuição inicial da relação de cooperação entre a Educação

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Termo de Referência Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico No âmbito do Programa Pernambuco Trabalho e Empreendedorismo da Mulher conveniado

Leia mais

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades 1 Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades A Comissão Nacional da Questão da Mulher Trabalhadora da CUT existe desde 1986. Neste período houve muitos avanços na organização das

Leia mais

Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. - Assistente Técnico Local -

Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. - Assistente Técnico Local - Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher - Assistente Técnico Local - No âmbito do Programa Pará - Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial de Políticas para

Leia mais

V Plenária Nacional de Economia Solidária

V Plenária Nacional de Economia Solidária V Plenária Nacional de Economia Solidária Relatório para Plenárias Locais e Estadual de Economia Solidária Escreva abaixo de cada tópico. Nome da Atividade V Plenária de Economia Solidária do Estado da

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA 1. Concepções e diretrizes políticas para áreas; Quando falamos de economia solidária não estamos apenas falando de geração de trabalho e renda através de empreendimentos

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

Políticas Sociales y desarrollo en el contexto neoliberal y los desafíos para el Trabajo Social Trabalho; Economia Solidária; Incubadoras Sociais

Políticas Sociales y desarrollo en el contexto neoliberal y los desafíos para el Trabajo Social Trabalho; Economia Solidária; Incubadoras Sociais Política pública de economia solidária e sua relação com incubadoras sociais 1 Gleny Terezinha Guimarães 2 Karen Eidelwein 3 Fabio Jardel Gaviraghi 4 Anelise Gronitzki Adam 5 Eixo Temático: Palavras-chave:

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

ANEXO I SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES EM ECONOMIA SOLIDÁRIA (SIES) TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES EM ECONOMIA SOLIDÁRIA (SIES) TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES EM ECONOMIA SOLIDÁRIA (SIES) TERMO DE REFERÊNCIA 1. INTRODUÇÃO O Ministério do Trabalho e Emprego, por meio da Secretaria Nacional de Economia Solidária tem entre

Leia mais

São elas: Comercialização e consumo:

São elas: Comercialização e consumo: SISTEMATIZAÇÃO DAS PROPOSTAS ENCAMINHADAS PELAS CONFERÊNCIAS TERRITORIAS (REGIONAIS/MUNICIPAIS) DE ECONOMIA SOLIDÁRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO COM CONTRIBUIÇÕES GERADAS PELA CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ECONOMIA

Leia mais

ECONOMIA POPULAR SOLIDÁRIA NO BRASIL: UM ESPAÇO DE RESISTÊNCIA AS MANIFESTAÇÕES DE DESIGUALDADE DA QUESTÃO SOCIAL

ECONOMIA POPULAR SOLIDÁRIA NO BRASIL: UM ESPAÇO DE RESISTÊNCIA AS MANIFESTAÇÕES DE DESIGUALDADE DA QUESTÃO SOCIAL ECONOMIA POPULAR SOLIDÁRIA NO BRASIL: UM ESPAÇO DE RESISTÊNCIA AS MANIFESTAÇÕES DE DESIGUALDADE DA QUESTÃO SOCIAL Popular Solidarity economy in Brazil: a space of resistance to inequality in social issues

Leia mais

Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares Universidade Estadual de Campinas

Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares Universidade Estadual de Campinas Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares Universidade Estadual de Campinas Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares (ITCP) Programa de extensão universitária vinculada à Pró Reitoria de

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. Ernesto Pereira Galindo* Sandro Pereira Silva**

1 INTRODUÇÃO. Ernesto Pereira Galindo* Sandro Pereira Silva** DISPERSÃO REGIONAL DE EMPREENDIMENTOS COLETIVOS DA AGRICULTURA FAMILIAR A PARTIR DE REGISTROS ADMINISTRATIVOS DO PROGRAMA NACIONAL DE FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR (PRONAF) Ernesto Pereira Galindo*

Leia mais

Edital de Seleção de Pessoal 127.006/2011. EDITAL DE SELEÇÃO Consultores - Unitrabalho/MDA

Edital de Seleção de Pessoal 127.006/2011. EDITAL DE SELEÇÃO Consultores - Unitrabalho/MDA Edital de Seleção de Pessoal 127.006/2011 EDITAL DE SELEÇÃO Consultores - Unitrabalho/MDA PROCESSO SELETIVO DE CONTRATAÇÃO DE CONSULTORES POR TEMPO DETERMINADO A Fundação Interuniversitária de Estudos

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL E PROTEÇÃO DO TRABALHADOR ADOLESCENTE NO CEARÁ - 2007 / 2010

PLANO ESTADUAL DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL E PROTEÇÃO DO TRABALHADOR ADOLESCENTE NO CEARÁ - 2007 / 2010 PROTEÇÃO DO TRABALHADOR ADOLESCENTE NO CEARÁ - 2007 / Eixo Programático nº 01: INTEGRAÇÃO E SISTEMATIZAÇÃO DOS DADOS Eixo Programático 01: Integração e Sistematização dos Dados Objetivo específico: Identificar

Leia mais

Leonardo Pereira Rodrigues dos Santos

Leonardo Pereira Rodrigues dos Santos Leonardo Pereira Rodrigues dos Santos Desenvolvimento de serviços na área de educação: uma aplicação de análise conjunta nos cursos de mestrado em administração de empresas DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DEPARTAMENTO

Leia mais

POLÍTICA PÚBLICA DE APOIO A ECONOMIA SOLIDÁRIA NO BRASIL: CONCEPÇÕES E DIRETRIZES DOS PROGRAMAS E AÇÕES DO GOVERNO NOS ANOS RECENTES

POLÍTICA PÚBLICA DE APOIO A ECONOMIA SOLIDÁRIA NO BRASIL: CONCEPÇÕES E DIRETRIZES DOS PROGRAMAS E AÇÕES DO GOVERNO NOS ANOS RECENTES POLÍTICA PÚBLICA DE APOIO A ECONOMIA SOLIDÁRIA NO BRASIL: CONCEPÇÕES E DIRETRIZES DOS PROGRAMAS E AÇÕES DO GOVERNO NOS ANOS RECENTES Autor (a): Sabrina Carla A. da Silva Departamento de Economia - UFRN

Leia mais

ECONOMIA SOLIDÁRIA e o TRABALHO

ECONOMIA SOLIDÁRIA e o TRABALHO ECONOMIA SOLIDÁRIA e o TRABALHO História do Pensamento Econômico Escolástica Idade Média S T AQUINO D) POR pecadoscometidosnacomprae venda Summa Theologica, de São Tomás de Aquino, [1947], no sacredtexts.com

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PROJETO TÉCNICO: ACESSUAS TRABALHO / PRONATEC EQUIPE RESPONSÁVEL: Proteção Social Básica PERÍODO: Setembro

Leia mais

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero.

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero. Pesquisa O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero. Introdução Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e políticas capazes de ampliar a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Estabelece a forma de organização e regulamenta o funcionamento das unidades administrativas da Secretaria de Trabalho e Geração

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL - PETI

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL - PETI - PETI Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do governo para que adotem medidas

Leia mais

Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária

Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária Nome da Atividade V Plenária Estadual de Economia Solidária de Goiás Data 28 a 30 de agosto de 2012 Local Rua 70, 661- Setor Central -Sede da CUT Goiás

Leia mais

Art. 1º - Fica criado o Programa estadual de Fomento à Economia Popular Solidária no Estado de São Paulo PEFEPS.

Art. 1º - Fica criado o Programa estadual de Fomento à Economia Popular Solidária no Estado de São Paulo PEFEPS. PROJETO DE LEI Nº 806, DE 2004 A Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo decreta: Institui o Programa Estadual de Fomento à Economia Popular Solidária no Estado de São Paulo PEFEPS e dá outras providências.

Leia mais

no Desenvolvimento dos

no Desenvolvimento dos A Importância do Secretaria de Cooperativismo de Crédito no Desenvolvimento dos Territórios rios Rurais do Brasil (Tema X: O Cooperativismo de Crédito Como Agente Transformador) 5º Seminário Banco Central

Leia mais

LEI Nº 3978, de 27 de dezembro de 2005

LEI Nº 3978, de 27 de dezembro de 2005 Carregando a Lei. Aguarde, Por Favor. LEI Nº 3978, de 27 de dezembro de 2005 INSTITUI PROGRAMA OSASCO SOLIDÁRIA, ESTABELECE PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS E OBJETIVOS DA POLÍTICA DE FOMENTO À ECONOMIA POPULAR

Leia mais

MEC/CAPES. Portal de Periódicos

MEC/CAPES. Portal de Periódicos MEC/CAPES Portal de Periódicos A CAPES e a formação de recursos de alto nível no Brasil Criada em 1951, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) é uma agência vinculada ao

Leia mais

INCLUSÃO PRODUTIVA: um desafio à política de assistência social

INCLUSÃO PRODUTIVA: um desafio à política de assistência social INCLUSÃO PRODUTIVA: um desafio à política de assistência social Thiana Orth 1 Patrícia Lane Araújo Reis 2 Gleny Terezinha Duro Guimarães 3 Resumo: O artigo busca refletir sobre o processo de Inclusão Produtiva

Leia mais

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Economia solidária: Uma ferramenta para construção do feminismo

Leia mais

Projeto de Lei 33/2010

Projeto de Lei 33/2010 Projeto de Lei 33/2010 CAPÍTULO 1 Da Política de Apoio e Fomento à Economia Solidária e seus Agentes Art. 1 A Política Municipal de Fomento à Economia Solidaria integra a Política de Desenvolvimento Econômico

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 11.914, DE 20 DE MAIO DE 2003. (publicada no DOE nº 096, de 21 de maio de 2003) Cria o Conselho de Segurança

Leia mais

I Oficina com os Estados: Fortalecer a Gestão para Concretizar a Proteção Social

I Oficina com os Estados: Fortalecer a Gestão para Concretizar a Proteção Social I Oficina com os Estados: Fortalecer a Gestão para Concretizar a Proteção Social OFICINAS DO XIV ENCONTRO NACIONAL DO CONGEMAS ENFRENTAMENTO AO TRABALHO INFANTIL NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA Nivia Maria

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

A CIÊNCIA AGRONÔMICA NA ESCOLA RURAL

A CIÊNCIA AGRONÔMICA NA ESCOLA RURAL A CIÊNCIA AGRONÔMICA NA ESCOLA RURAL CARLOS ALBERTO TAVARES Academia Pernambucana de Ciência Agronômica, Recife, Pernambuco. A história da educação agrícola no meio rural tem sido analisada por diversos

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com.

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Fabio Junior Penteado fabioturvo@gmail.com.

Leia mais

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007).

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). Anexo 1. Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). I. Disciplinas Obrigatórias SOCIOLOGIA CLÁSSICA Os paradigmas sociológicos clássicos (Marx, Weber, Durkheim).

Leia mais

ipea Políticas Públicas de Economia Solidária: novas práticas, novas metodologias

ipea Políticas Públicas de Economia Solidária: novas práticas, novas metodologias Políticas Públicas de Economia Solidária: novas práticas, novas metodologias Sandra Faé Praxedes* Este artigo tem como objetivo oferecer ao leitor um breve balanço acerca do momento atual, das trajetórias

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ DUCHEIKO, Angelina do Rocio 1 RODRIGUES, Camila Moreira

Leia mais

APRENDIZAGEM PROFISSIONAL

APRENDIZAGEM PROFISSIONAL APRENDIZAGEM PROFISSIONAL a LEI promove o Trabalho Decente para a Juventude e desenvolvimento social e econômico para o Brasil Departamento de Políticas Públicas de Trabalho, Emprego e Renda para Juventude

Leia mais

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA.

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. FICHA TÉCNICA Coordenação de População e Indicadores Sociais: Bárbara Cobo Soares Gerente de Pesquisas e Estudos Federativos: Antônio

Leia mais

PLENÁRIA FINAL DELIBERAÇÕES ANÁLISE DE CONTEXTO/DIAGNÓSTICO E VISÃO DE FUTURO

PLENÁRIA FINAL DELIBERAÇÕES ANÁLISE DE CONTEXTO/DIAGNÓSTICO E VISÃO DE FUTURO PLENÁRIA FINAL DELIBERAÇÕES ANÁLISE DE CONTEXTO/DIAGNÓSTICO E VISÃO DE FUTURO 1 ELEMENTOS PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO NACIONAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA ANÁLISE DE CONTEXTO E DIAGNÓSTICO 1. ANÁLISE DAS AMEAÇAS

Leia mais

MEC - MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA

MEC - MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC - MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA UFF - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PURO - PÓLO UNIVERSITÁRIO DE RIO DAS OSTRAS RIR - DEPARTAMENTO INTERDISCIPLINAR DE RIO DAS OSTRAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Uma

Leia mais

TRABALHO E EDUCAÇÃO NAS PRÁTICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA: uma sociabilidade na perspectiva emancipatória?

TRABALHO E EDUCAÇÃO NAS PRÁTICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA: uma sociabilidade na perspectiva emancipatória? Silvia Neves Salazar TRABALHO E EDUCAÇÃO NAS PRÁTICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA: uma sociabilidade na perspectiva emancipatória? Tese de Doutorado Tese apresentada ao Programa de Pós-graduação em Serviço Social

Leia mais

Seminário: Proteção Social e Trabalho Infantil

Seminário: Proteção Social e Trabalho Infantil Seminário: Proteção Social e Trabalho Infantil Enfrentamento ao trabalho infantil no Sistema Único de Assistência Social - SUAS 12 de junho de 2013 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome

Leia mais

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade?

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Natália de Oliveira Fontoura * Roberto Gonzalez ** A taxa de participação mede a relação entre a população

Leia mais

1 APRESENTAÇÃO. Capes Relatório do Acompanhamento Anual 2006 - Ano Base 2005 Área de Avaliação: SERVIÇO SOCIAL

1 APRESENTAÇÃO. Capes Relatório do Acompanhamento Anual 2006 - Ano Base 2005 Área de Avaliação: SERVIÇO SOCIAL 1 APRESENTAÇÃO O Serviço Social vem registrando, a partir dos anos 1990 e, mais especificamente nos anos recentes, um desenvolvimento significativo em relação às três dimensões da Profissão: dimensão acadêmica,

Leia mais

CARTA ABERTA DE INTENÇÕES DO II ENCONTRO DOS MUNICÍPIOS PARA COORDENAÇÃO DO ATENDIMENTO SOCIOEDUCATIVO AO ADOLESCENTE EM CASA

CARTA ABERTA DE INTENÇÕES DO II ENCONTRO DOS MUNICÍPIOS PARA COORDENAÇÃO DO ATENDIMENTO SOCIOEDUCATIVO AO ADOLESCENTE EM CASA CARTA ABERTA DE INTENÇÕES DO II ENCONTRO DOS MUNICÍPIOS PARA COORDEN DO ATENDIMENTO SOCIOEDUCATIVO AO ADOLESCENTE EM CASA Aos trinta dias do mês de novembro do ano de dois mil e sete, reuniram-se no município

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REDAÇÃO DO PROJETO DE LEI Aprova o Plano Municipal de Educação - PME e dá outras providências. O Prefeito do Município de vereadores decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Faço

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO LICITATÓRIO Nº 018/2013

TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO LICITATÓRIO Nº 018/2013 ANEXO 3 TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO LICITATÓRIO Nº 018/2013 CONTRATAÇÃO DE PESSOA JURÍDICA PARA REALIZAR ESTUDO SOBRE ACESSO DAS MULHERES A POLÍTICAS DE CRÉDITO - PRONAF E PRONAF MULHER Projeto UTF/BRA/083/UTF

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Economia Solidária. Alfabetização. Associação de Recicladores.

PALAVRAS-CHAVE Economia Solidária. Alfabetização. Associação de Recicladores. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ESCREVENDO SUA PRÓPRIA HISTÓRIA: UM RELATO DA EXPERIÊNCIA

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

RELATORA: Senadora KÁTIA ABREU

RELATORA: Senadora KÁTIA ABREU PARECER N o, DE 2009 Da COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA, sobre o Projeto de Lei do Senado n o 246, de 2007, que regula o Programa de Seguro- Desemprego Rural, o Abono Salarial Rural, o Programa

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social A PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS - APAE DE PALMEIRA

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social A PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS - APAE DE PALMEIRA VIII Jornada de Estágio de Serviço Social A PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS - APAE DE PALMEIRA Apresentador: Mayara Lucia Martins. MARTINS, Mayara

Leia mais

Agendas Transversais

Agendas Transversais Reunião do Conselho Nacional de Direitos da Mulher - CNDM Agendas Transversais Maria do Rosário Cardoso Andrea Ricciardi 02/10/2013 Ministério do Planejamento 1 AGENDAS TRANSVERSAIS Igualdade Racial, Comunidades

Leia mais

ASSISTENTE SOCIAL. C européia e da Igreja Católica. D política, através do governo Getúlio Vargas e da Igreja Católica.

ASSISTENTE SOCIAL. C européia e da Igreja Católica. D política, através do governo Getúlio Vargas e da Igreja Católica. ASSISTENTE SOCIAL 01. Considerando que o Serviço Social foi introduzido no Brasil nos anos 30, é correto afirmar que a primeira escola de Serviço Social, criada em 1963, no seu inicio sofreu forte influência:

Leia mais

PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL

PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL FICHA TÉCNICA Instituição executora: Fundação Euclides da Cunha / Núcleo de Pesquisas, Informações e Políticas Públicas

Leia mais

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Comentários de Peter Hansen sobre interação Universidade- Empresa no Brasil e Experiências Práticas. VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Apresentação Prof. Peter

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO PROJETO

SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO PROJETO SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO PROJETO ABRIL / 2005 Apresentação SMPDSE SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E A Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento

Leia mais

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias Daiana de Aquino Hilario Machado * RESUMO: Neste artigo estaremos discutindo sobre as repercussões do envelhecimento

Leia mais

BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado. Resumo

BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado. Resumo 1 BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado Álisson Riceto 1 João Cleps Junior 2 Eduardo Rozetti de Carvalho 3 Resumo O presente artigo

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE

BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA TERRITÓRIOS RIOS DA CIDADANIA Objetivos Os Territórios TERRITÓRIOS RIOS Os Territórios Rurais se caracterizam por: conjunto

Leia mais

Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014

Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014 Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014 Eixo I O plano Nacional de Educação e o Sistema Nacional de Educação: organização e regulação. Instituir, em cooperação

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE E SETOR PRODUTIVO

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE E SETOR PRODUTIVO INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE E SETOR PRODUTIVO LIRA, B. B. - belarminolira@ct.ufpb.br Universidade Federal da Paraíba, Centro de Tecnologia, Departamento de Engenharia Civil UFPB/CT/DEC. PONTES, L. R. A. -

Leia mais

Demonstrativo da extrema pobreza: Brasil 1990 a 2009

Demonstrativo da extrema pobreza: Brasil 1990 a 2009 Campinas, 29 de fevereiro de 2012 AVANÇOS NO BRASIL Redução significativa da população em situação de pobreza e extrema pobreza, resultado do desenvolvimento econômico e das decisões políticas adotadas.

Leia mais

Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas

Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas Arnaldo Rezende Setembro/2010. Um pouco da origem... 1543 Implantação da 1ª. Santa Casa de Misericórdia. 1549 - Chegada dos Jesuítas no

Leia mais

AVALIAÇÃO E CREDENCIAMENT DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL

AVALIAÇÃO E CREDENCIAMENT DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL AVALIAÇÃO E CREDENCIAMENT DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL LUCE, Maria-Beatriz (UFRGS, Porto Alegre, BR) MOROSINI, Marília (PUCRS, Porto Alegre, BR) Projeto ALFA-ACRO ACRO Introdução BRASIL território e

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE IEPÊ - SP

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE IEPÊ - SP PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE IEPÊ - SP 1. Trata o presente Relato dos resultados gerenciais dos exames realizados

Leia mais

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento PNE PME LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento locais e nacionais (prova Brasil e IDEB) 10% do

Leia mais

Breves palavras do marco jurídico do cooperativismo brasileiro. An outline of the legal framework concerning the brazilian cooperative system

Breves palavras do marco jurídico do cooperativismo brasileiro. An outline of the legal framework concerning the brazilian cooperative system 2012 JAN/JUN 121 Breves palavras do marco jurídico do cooperativismo brasileiro An outline of the legal framework concerning the brazilian cooperative system Breves palabras acerca del marco jurídico del

Leia mais

DADOS. Histórico de lutas

DADOS. Histórico de lutas MULHERES O partido Solidariedade estabeleceu políticas participativas da mulher. Isso se traduz pela criação da Secretaria Nacional da Mulher e por oferecer a esta Secretaria completa autonomia. Acreditamos

Leia mais

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza FOME ZERO O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza Seminário Internacional sobre Seguro de Emergência e Seguro Agrícola Porto Alegre, RS -- Brasil 29 de junho a 2 de julho de 2005 Alguns

Leia mais

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Art. 1 - A Política Estadual

Leia mais

Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero. Andrea Butto

Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero. Andrea Butto Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero Andrea Butto Ministério do Desenvolvimento Agrário Temas abordados Estados assumiram compromissos que

Leia mais

O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe

O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe 1378 O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe V Mostra de Pesquisa da Pós- Graduação Cristiane Ferraz Quevedo de Mello 1,

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO POR UM CEARÁ MELHOR PRA TODOS A COLIGAÇÃO POR UM CEARA MELHOR PRA TODOS, com o objetivo de atender à Legislação Eleitoral e de expressar os compromissos

Leia mais