SUMÁRIO. 2. Estrutura do comércio exterior 2.1 Introdução 2.2 Classificação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUMÁRIO. 2. Estrutura do comércio exterior 2.1 Introdução 2.2 Classificação"

Transcrição

1 SUMÁRIO 2. Estrutura do comércio exterior 2.1 Introdução 2.2 Classificação 3. Estrutura atual do comércio exterior brasileiro 3.1 CAMEX Câmara de Comércio Exterior 3.2 MDIC Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior 3.3 MF Ministério da Fazenda 3.4 MRE Ministério das Relações Exteriores 3.5 MAPA Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 3.6 MP Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 3.7 APEX BRASIL Agência de Promoção das Exportações 3.8 ECT Empresa de Correios e Telégrafos 3.9 Órgãos Gestores e Anuentes no Comércio Exterior

2 Estrutura do Comércio Exterior Brasileiro 2.1 INTRODUÇÃO Até 1990, os principais órgãos de decisão, controle e administração do comércio exterior brasileiro, o Conselho de Comércio Exterior CONCEX (Lei n.º 5025/66); o Banco Central do Brasil BACEN; a Carteira de Comércio Exterior CACEX do Banco do Brasil S.A; o Conselho de Política Aduaneira CPA; o Conselho de Desenvolvimento Industrial CDI e a Secretaria da Receita Federal SRF, eram vinculadas a um único Ministério, o da Fazenda. Com a extinção da CACEX, da CPA e do CDI, em 1990, suas funções executoras se transferiram para o então Departamento de Comércio Exterior do Ministério da Economia, Fazenda e Planejamento MEFP. O Governo Collor extinguiu ainda outros órgãos com importantes atribuições na estrutura do comércio exterior brasileiro, como a INTERBRAS e a PORTOBRAS. Com a reforma administrativa em 1992, foi criado o MICT, Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo (atual MDIC Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior), transferindo-se as antigas atribuições das extintas CACEX e CPA para a Secretaria de Comércio Exterior SECEX, com seus Departamentos Técnicos de Intercâmbio Comercial DTIC (hoje DECEX) e de Tarifas DTT (o atual DEINT). Ademais também se vinculou ao MICT a Secretaria de Política Industrial SPI (atualmente SDP - Secretaria de Desenvolvimento da Produção do MDIC) que herdou as atribuições do extinto CDI. Continuaram na esfera do Ministério da Fazenda o BACEN e a SRF. 2.2 CLASSIFICAÇÃO Encontramos várias classificações para os órgãos que atuam no comércio exterior brasileiro, por exemplo: Formuladores de políticas e diretrizes: Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, Conselho Monetário nacional - CMN, Câmara de Política Econômica, etc. Operacionais/gerenciais/reguladores, que atuam como gestores: SECEX/DECEX; SRF e BACEN; e como anuentes na importação e na exportação, responsáveis por anuências prévias e verificações. Estrutura do Comércio Exterior 2

3 Defensores dos interesses brasileiros no exterior: Ministério das Relações Exteriores - MRE; Departamento de Defesa Comercial - DECOM e Departamento de Negociações Internacionais - DEINT; Secretaria de Assuntos Internacionais - SAIN/MF, etc. Apoiadores: Banco do Brasil - BB, Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES, Agência de Promoção de Exportações APEX Brasil, Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos - ECT, Seguradora Brasileira de Credito à Exportação SBCE, etc. Estrutura do Comércio Exterior 3

4 3. ESTRUTURA ATUAL DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR CAMEX (http://www.desenvolvimento..gov.br) O Decreto nº 3.756, de 21/02/01, estabelece a nova CAMEX, que além de funcionar como fórum de discussão (como a antiga CAMEX, criada em fevereiro de 1995), detém a capacidade de tomar decisões e deliberar sobre matérias de comércio exterior, incluindo o turismo. A CAMEX é um colegiado de Ministros composto pelos Ministros: do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Presidente); Chefe da Casa Civil da Presidência da República; das Relações Exteriores; da Fazenda; da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e do Planejamento, Orçamento e Gestão. Suas decisões são tomadas por consenso nas reuniões colegiadas e formalizadas por Resoluções CAMEX que são publicadas no Diário Oficial da União. A CAMEX possui um Comitê de Gestão - Gecex, do qual fazem parte o presidente da CAMEX, os Secretários-Executivos de cada um dos Ministérios que a integram, e, ainda, o Subsecretário-Geral de Assuntos de Integração, Econômicos e de Comércio Exterior do Ministério das Relações Exteriores, o Representante Especial do Presidente da República para assuntos do MERCOSUL, o Secretário de Comércio Exterior do MDIC; o Secretário da Receita Federal do MF, o Secretário de Assuntos Internacionais do MF, o Diretor de Assuntos Internacionais do BACEN; e o Presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. A CAMEX conta com uma Secretaria Executiva permanente chefiada por um Secretário-Executivo e integrada por assessores especiais e pessoal técnico e administrativo. Compete à Secretaria Executiva da CAMEX: prestar assistência direta ao Presidente da CAMEX; prepara as reuniões da CAMEX e do Comitê de Gestão; acompanhar a implementação das deliberações e diretrizes fixadas pela CAMEX e pelo Comitê de Gestão; e cumprir outras atribuições que lhe forem conferidas pelo Presidente da CAMEX. A Secretaria Executiva da CAMEX se faz representar, entre outros, nos seguintes órgãos: Comitê Diretor de Promoção Comercial da Agência de Promoção de Exportações (APEX); Comitê Gestor do Seguro de Crédito às Exportações - CFGE, Seções Nacionais da Comissão de Comércio do MERCOSUL, do Grupo Mercado Comum; da coordenação dos Assuntos Relativos à ALCA SENALCA, e dos Assuntos Relativos à Associação Interregional MERCOSUL - União Européia - SENEUROPA; e atua como Secretaria Executiva do Comitê de Crédito às Exportações - CCEX. Estrutura do Comércio Exterior 4

5 Cabe ainda à Secretaria Executiva da CAMEX a Gerência Temática de Gestão Pública do Programa Especial de Exportações PEE. A CAMEX também é assessorada por Grupos Técnicos e Comitês, estabelecidos por proposição de seus membros e coordenados pela Secretaria Executiva. São exemplos: o Grupo Técnico de Defesa Comercial GTDC, instituído pela Resolução CAMEX nº 09, de 22/03/01, com o objetivo de examinar propostas sobre a fixação de direitos antidumping e compensatórios; o Grupo Interministerial de Propriedade Intelectual - GIPI, com a atribuição de propor a ação governamental para o comércio exterior de bens e serviços relativos a propriedade intelectual; o GTAR-69, responsável pelo exame de pleitos de redução tarifária por razões de abastecimento e de risco à saúde; o Comitê de Análise de Ex tarifários CAEX, instituído no âmbito do MDIC, que encaminha à Secretaria Executiva da CAMEX, proposta de Lista de Concessão de Ex tarifários; o Comitê de Acompanhamento de Política de Siderúrgicos; e vários outros Grupos Ad Hoc, que tratam de questões relativas a tarifas de produtos agrícolas, política de financiamento às exportações, controvérsias no MERCOSUL, etc Ministério Do Desenvolvimento, Indústria E Comércio Exterior MDIC (http//:www.desenvolvimento.gov.br) Integram e estrutura do MDIC as Secretarias de Comércio Exterior SECEX; de Desenvolvimento da Produção - SDP; de Tecnologia Industrial - STI, bem como as entidades vinculadas: a) BNDES; b) INMETRO; c) INPI; d) SUFRAMA. Secretaria De Comércio Exterior SECEX Compete à SECEX formular propostas de políticas e programas de comércio exterior, e estabelecer normas necessárias à sua implementação; propor medidas, no âmbito das políticas fiscal e cambial, de financiamento, de recuperação de créditos à exportação, de seguro, de transportes e fretes e de promoção comercial; propor diretrizes que articulem o emprego do instrumento aduaneiro com os objetivos gerais de política de comércio exterior, bem como propor alíquotas para o imposto de importação, e suas alterações; e participar das negociações em acordos ou convênios internacionais relativos ao comércio exterior. À SECEX cabe igualmente a coordenação da aplicação de defesa contra práticas desleais de comércio, bem como de medidas de salvaguardas comerciais; o aperfeiçoamento do sistema operacional do comércio exterior brasileiro, e a disseminação de informações sobre comércio exterior. Secretaria as reuniões do Comitê de Crédito às Exportações CCEX. Estrutura do Comércio Exterior 5

6 A SECEX é um dos órgãos gestores do SISCOMEX (Sistema Integrado do Comércio Exterior), além do BACEN e da SRF. Cabe à SECEX as Gerências Temáticas de Cultura Exportadora e Trading Companies do Programa Especial de Exportações PEE, coordenado pela CAMEX. Dentro de sua estrutura administrativa, a SECEX se subdivide em quatro departamentos: Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior - DEPLA, responsável pelo desenvolvimento de estudos de mercados e produtos estratégicos para a expansão das exportações brasileiras, pela formulação de propostas de planejamento e execução de Programas de Capacitação em comércio exterior dirigidos às pequenas e médias empresas, bem como Programas de Desenvolvimento da Cultura Exportadora, pela proposição de diretrizes para a política de crédito e financiamento às exportações, pela apuração, análise e divulgação de estatísticas de comércio exterior, pelo desenvolvimento e controle operacional do SISCOMEX e pela elaboração e o acompanhamento de estudos sobre a evolução da comercialização de produtos e mercados estratégicos, com base nos parâmetros de competitividade setorial e disponibilidades mundiais. Departamento de Operações de Comércio Exterior - DECEX, responsável pelo acompanhamento e controle das operações de comércio exterior, participando da elaboração de normas de comercialização tanto no que se refere às exportações como às importações brasileiras. Suas principais atribuições são o exame de operações de comércio exterior; formulação para o desenvolvimento do comércio exterior e elaboração de estudos visando o aperfeiçoamento da legislação brasileira relacionada ao comércio exterior. Departamento de Defesa Comercial - DECOM, tem como atribuições o exame da procedência e do mérito de petições de defesa da produção doméstica; a instauração e a condução de investigações para a apuração de dumping ou subsídios nas importações, de dano à produção doméstica causado por tais práticas; o exame e a avaliação interna do mérito de petições de salvaguarda comercial; a instauração e a condução de investigações para aplicação de salvaguardas comerciais mediante a aplicação de medidas previstas (cotas e/ou sobretaxas tarifárias) nos correspondentes dispositivos da OMC; o acompanhamento de investigações de defesa comercial abertas por terceiros países contra exportações brasileiras, a preparação da defesa em processos externos de medidas compensatórias contra exportações brasileiras e a assistência à defesa do exportador em investigações antidumping, em articulação com órgãos governamentais e com o setor privado. Cabe ao DECOM a Secretaria das reuniões do GTDC (Grupo Técnico de Defesa Comercial) instituído pela Resolução CAMEX n.º 09, de 22/03/01,com o objetivo de examinar propostas sobre a fixação de direitos antidumping ou Estrutura do Comércio Exterior 6

7 compensatórios Secretaria provisórios de Comércio ou Exterior definitivos; - SECEX homologação de. compromissos em investigação Departamento de dumping de Planejamento e subsídios, e Desenvolvimento e a aplicação do Comércio de medidas Exterior - DEPLA de salvaguardas provisórias e definitivas. O GTDC é presidido pelo Secretário-Executivo da CAMEX e integrado por um representante de cada órgão que integra a CAMEX Departamento de Negociações Internacionais - DEINT, tem por finalidade promover estudos e iniciativas internas voltadas para apoiar, orientar e informar os trabalhos de preparação brasileira nas negociações de acordos internacionais de comércio. O DEINT participa em negociações no âmbito da Organização Mundial do Comércio - OMC, da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento - UNCTAD, da Associação Latino-Americana de Integração - ALADI, do Mercado Comum do Sul - MERCOSUL, da Área de Livre Comércio das Américas - ALCA, e das negociações do MERCOSUL com a Comunidade Andina CAN, União Européia, entre outras. Tem, ainda, como atribuições, o acompanhamento da aplicação de acordos de comércio do Sistema Global de Preferências Comerciais entre Países em Desenvolvimento - SGPC e do Sistema Geral de Preferências - SGP; a prestação de informações sobre concessões outorgadas e recebidas pelo Brasil nos acordos internacionais; a formulação, no plano interno, de propostas para o aperfeiçoamento das normas e disciplinas comerciais no âmbito dos acordos internacionais, como regime de origem, regimes aduaneiros especiais, incentivos às exportações, restrições nãotarifárias, e solução de controvérsias; e a análise de pedidos de alteração da Nomenclatura Comum do Mercosul - NCM, e da Tarifa Externa Comum - TEC. É o representante do MDIC junto à Comissão de Comércio do Mercosul - CCM, e coordena internamente os Comitês Técnicos nº 01, 03, 08 e 10 da CCM, que tratam respectivamente de Tarifas, Nomenclaturas e Classificação de Mercadorias e de Normas e Disciplinas Comerciais. Apóia a SECEX como representante do MDIC nas reuniões do Grupo Mercado Comum GMC do Mercosul. SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO SDP Cabe a SDP identificar e consolidar demandas que visem o desenvolvimento produtivo dos setores industrial, comercial e de serviços do País; padronizar e disseminar informações que visando o desenvolvimento dos setores industrial, comercial e de serviços; e coordenar as ações e programas relativos à qualidade, desenvolvimento e reciclagem de matérias. Participa do Comitê de Análise de Concessão de Ex-tarifário CAEX. A SDP é responsável pela Gerência Temática de Qualidade para a Exportação do Programa Especial de Exportações PEE, da CAMEX. Cabe destacar o programa Fórum de Competitividade das Cadeias Produtivas, gerenciado pela SDP, com o objetivo de aumentar a participação dos setores produtivos no mercado internacional, mediante capacitação tecnológica, aumento da qualidade, produtividade e inovação. Os Fóruns são criados para permitir a formação de diagnósticos sobre os problemas de cada uma das cadeias produtivas, elo por elo, e a definição de um Plano de Metas e Ações para a solução dos problemas e aproveitamento das oportunidades identificadas. Estrutura do Comércio Exterior 7

8 A SDP é também representante do MDIC no GMC e alterno na CCM e coordena internamente o SGT 07 do MERCOSUL, relativo a questões da Indústria. SECRETARIA DE TECNOLOGIA INDUSTRIAL - STI Compete à STI promover a incorporação de tecnologia ao produto brasileiro, de modo a elevar a agregação de valor no País e torná-lo mais competitivo, nacional e internacionalmente; promover a estruturação e o reforço da infra-estrutura tecnológica de apoio ao setor produtivo; e promover o estabelecimento de parcerias com instituições públicas e privadas, articulando alianças e ações com vistas ao aumento da densidade tecnológica do setor produtivo. INSTITUTO N ACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO (http//www.inmetro.gov.br) Autarquia federal vinculada ao MDIC. É o órgão executor da política nacional de metrologia, normalização e qualidade industrial, encarregado de promover o reconhecimento internacional do Sistema Nacional de Metrologia e do sistema brasileiro de certificação. Está presente em três áreas técnicas importantes para o desenvolvimento nacional: 1. Metrologia Científica e Industrial: responsável pela manutenção das unidades fundamentais de medida no Brasil, adaptando-as a padrões internacionais, provendo o país de padrões metrológicos e repassando-os às entidades técnico-científicas e às indústrias, a fim de que os produtos e serviços no País tenham qualidade. 2. Metrologia Legal: que responde, sobretudo, pelo controle e pela fiscalização das unidades de medida e dos métodos de medição dos instrumentos de medir. 3. Normalização, Qualidade e Produtividade: encarregada da edição, juntamente com outros órgãos de governo, de regulamentos técnicos que se aplicam às áreas de saúde, segurança, meio ambiente e de proteção ao consumidor. Na área de normalização consensual, promove as normas brasileiras e supervisiona seu processo de geração. INSTITUTO N ACIONAL DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL INPI (http//:mdic.gov.br) Também uma autarquia federal vinculada ao MDIC, atua em âmbito nacional nas áreas de propriedade industrial (registros de marcas e concessões de patentes de invenção), e de transferência de tecnologia. O INPI examina os pedidos de concessão para registros de marcas. A marca registrada garante a seu detentor a propriedade e seu uso exclusivo em todo o território nacional. Ademais, é sua atribuição pronunciar-se quanto à conveniência de assinatura, ratificação e denúncia de convenções, tratados, convênios e acordos sobre propriedade industrial. O Instituto agregou às tarefas tradicionais de concessão de marcas e patentes, a responsabilidade pela averbação dos contratos de Estrutura do Comércio Exterior 8

9 transferência de tecnologia e, posteriormente, pelo registro de programas de computador, contratos de franquia empresarial, registro de desenho industrial e de indicação geográficas. O INPI vem disponibilizando as informações tecnológicas de seu acervo de mais de 20 milhões de documentos de patentes a empresas, órgão do governo, através de programas específicos. B ANCO N ACIONAL DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL BNDES (http://www.bndes.gov.br) Empresa Pública Federal vinculada ao MDIC, o BNDES desempenha papel de grande importância para o comércio exterior, sobretudo em função dos financiamentos à exportação. O BNDES possui duas subsidiárias: a BNDESPAR que objetiva fortalecer a estrutura de capital das empresas privadas e desenvolver o mercado de capitais, e a FINAME (Agência Especial de Financiamento Industrial) que financia a comercialização de máquinas e equipamentos e administra as operações de financiamento à exportação. O Programa de Financiamento às exportações de bens e serviços denominado BNDES-EXIM é administrado pela FINAME nas seguintes modalidades: pré-embarque, financia a produção de bens a serem exportados, em embarques específicos, pré-embarque especial, financia a produção nacional de bens exportados, sem vinculação com embarques específicos, mas com período pré-determinado para a sua efetivação; e pós-embarque financia a comercialização de bens e serviços no exterior, através de refinanciamento ao exportador, o através da modalidade buyer s credit. O BNDES se faz representar nos Comitês de Crédito à Exportação CCEX, e Gestor do Seguro de Crédito às Exportações CFGE. Cabe ao BNDES as Gerências Temáticas do programa Especial de Exportações PEE, relativas a Financiamento às Exportações e a Investimento para Exportação MINISTÉRIO DA FAZENDA MF (http://www.fazenda.gov.br) Dentre suas atribuições, é o responsável pela formulação e definição de políticas macroeconômica, fiscal, tributária, monetária e cambial, pela administração tributária e aduaneira, fiscalização e arrecadação; administração das dívidas públicas interna e externa; negociações econômicas e financeiras com governos e entidades nacionais estrangeiras e internacionais, e pela fiscalização e controle do comércio exterior. Na estrutura do Ministério, cabe destacar a atuação de quatro Secretarias na área de Comércio Exterior: SAIN, SEAE, SPE e SRF. SECRETARIA DE ASSUNTOS INTERNACIONAIS - SAIN Estrutura do Comércio Exterior 9

10 Cabe à SAIN cuidar de questões que envolvam a economia brasileira no seu relacionamento com os demais países, blocos econômicos e organismos internacionais, tais como o Fundo Monetário Internacional FMI, a Organização Mundial do Comércio OMC, o MERCOSUL, a ALCA, etc.. Participa do Grupo de Trabalho de Defesa Comercial GTDC; organiza e coordena, em conjunto com o MDIC/SECEX, as reuniões do Comitê de Crédito às Exportações CCEx; coordena o Comitê Gestor do Seguro de Crédito às Exportações CFGE; coordena e acompanha o processo de negociação de programas e projetos junto a fontes multilaterais e bilaterais de financiamento; analisa as políticas de organismos internacionais, a conjuntura econômica internacional e promove a avaliação de projetos financiados com recursos externos. SECRETARIA DE POLÍTICA ECONÔMICA - SPE A SPE é responsável pela formulação, acompanhamento e coordenação da política econômica; monitora, analisa e sugere alternativas de políticas ao setor externo, incluindo política cambial, comercial, balanço de pagamentos e mercado internacional de crédito; elabora relatórios periódicos sobre a evolução da conjuntura econômica; e pronuncia-se sobre a conveniência da participação do Brasil em acordos ou convênios internacionais relacionados com o comércio exterior. SECRETARIA DE ACOMPANHAMENTO ECONÔMICO SEAE Encarregada de acompanhar os preços da economia, subsidiar decisões em matéria de reajustes, revisões de tarifas públicas, bem como apreciar atos de concentração entre empresas e reprimir condutas anticoncorrenciais. Secretaria o GTAR-69, Comitê Interministerial responsável pelo exame de pleitos de redução tarifária por razões de abastecimento e de risco à saúde (objeto da Resolução do Mercosul nº 69/96 e suas alterações). A atuação de SEAE reflete-se em suas três principais esferas de atuação: promoção e defesa comercial; regulação econômica e acompanhamento de mercados. SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL - SRF Dentro da SRF, a Coordenação-Geral do Sistema Aduaneiro - COANA assume grande importância no comércio exterior em função de sua competência de planejar, orientar, supervisionar, controlar e avaliar as atividades aduaneiras, bem como aplicar a legislação aduaneira e correlata, baixando os atos normativos necessários. Sua estrutura administrativa tem, além da COANA, a seguinte composição: Coordenação de Assuntos Tarifários e Comerciais Divisão de Valoração Aduaneira e Merceologia Divisão de Nomenclatura e Classificação Fiscal de Mercadorias Divisão de Assuntos Comerciais Estrutura do Comércio Exterior 10

11 Coordenação de Fiscalização e de Controles Aduaneiros Informatizados Divisão de Pesquisa e Seleção Aduaneira Divisão de Fiscalização Aduaneira Divisão de Controles Aduaneiros Informatizados Coordenação de Regimes, Logística e Auditorias Aduaneiros Divisão de Regimes e Procedimentos Aduaneiros Divisão de Logística Aduaneira Divisão de Auditoria de Procedimentos A SRF é órgão gestor, junto com a SECEX e o BACEN, do Sistema Integrado de Comércio Exterior SISCOMEX, responsável pelo controle de procedimentos aduaneiros e fiscais. No PEE, responde pela gerencia temática de assuntos tributários. Banco Central do Brasil Bacen (htpp://www.bcb.gov.br) É uma autarquia federal vinculada ao Ministério da Fazenda. O BACEN desempenha importante papel no comércio exterior em função de suas atribuições enquanto formulador e executor das políticas cambial e monetária, e enquanto responsável pelo controle das operações de crédito relacionados com os temas de comércio exterior. Encontram-se na Diretoria de Assuntos Internacionais, os seguintes Departamentos: Câmbio (DECAM); Capitais Estrangeiros (FIRCE) e Dívida Externa e Relações Internacionais (DERIN). O DECAM tem como missão gerenciar o funcionamento do mercado de câmbio, contribuindo para sua formulação e aperfeiçoamento. Também integra o Comitê de Crédito às Exportações - CCEX. O FIRCE e o DERIN, respectivamente, são responsáveis pela administração dos fluxos de capitais com o exterior, e pela otimização do relacionamento institucional e financeiro com organismos internacionais e com bancos centrais, sendo ainda o agente do governo para a administração da dívida externa e para a recuperação de créditos oficiais. Cabe ao BACEN a Gerência Temática de Normas Cambiais no âmbito do programa Especial de Exportações PEE da CAMEX. Atua ainda como gestor do SISCOMEX, em conjunto com a SECEX e a SRF responsabilizado-se pelo controle cambial das operações de comércio exterior. Para tanto, conta com o Sistema Integrado de Registro de Operações de Câmbio SISBACEN/CÂMBIO, um sistema on line de teleprocessamento, integrando o BACEN e os bancos autorizados a operar em câmbio, além das corretoras credenciadas. Banco do Brasil (http://www.bancodobrasil.com.br) Estrutura do Comércio Exterior 11

12 O Banco do Brasil é agente financeiro do Tesouro, tem papel fundamental no financiamento das exportações via PROEX, também integrando o CCEX. Compete ao Banco do Brasil, no tocante a assuntos de comércio exterior e câmbio: 1) Ser agente pagador e recebedor fora do País; 2) Realizar operações de compra e venda de moeda estrangeira, nas condições estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional CMN; e 3) Difundir e orientar o crédito, suplementando a ação da rede bancária no financiamento às importações e exportações. Enquanto banco comercial presente em vários países, a rede externa do BB conta com 32 dependências, localizadas nas principais praças financeiras internacionais. Sua rede doméstica tem cerca de 450 pontos de atendimento de operações de câmbio. No exterior há mais de 50 anos, o Banco vem apoiando as relações do Brasil com seus parceiros comerciais, sendo ponto de referência para empresários, investidores, agentes econômicos e governos estrangeiros que mantêm ou queiram manter empreendimentos no Brasil. No que se refere às linhas de crédito com repasse do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES, o Banco do Brasil ocupa lugar de destaque em número e valor de operações, ressaltando-se os empréstimos FINAME. Cabe também destacar o Programa de Geração de Negócios Internacionais - PGNI, ação desenvolvida pelo BB com foco na atividade exportadora. Além da mobilização das unidades do Banco no País e no exterior foram treinados Gerentes de Promoção de Comércio Exterior que atuam como consultores para empresas que não participam da atividade de exportação ou que queiram expandir seus negócios, assessorando-as desde a fase de negociação comercial até o suporte no exterior. Tem como foco de atuação as pequenas e médias empresas com potencial para operar no comércio internacional com ênfase na exportação MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES MRE (htpp//:www.mre.gov.br) Ao Ministério das Relações Exteriores cabe executar no plano externo, a política de comércio exterior, bem como organizar, dirigir e implementar o sistema externo de promoção das exportações e de oportunidades de investimentos. É de sua responsabilidade a participação nas negociações comerciais, econômicas, técnicas e culturais com governos e entidades estrangeiras; os programas de cooperação internacional e de apoio a delegações, comitivas e representações brasileiras em agências, organismos internacionais e multilaterais. Estrutura do Comércio Exterior 12

13 Cabe destacar a atuação da Subsecretaria-Geral de Assuntos de Integração, Econômicos e de Comércio Exterior, órgão de assistência direta e imediata ao Ministro de Estado, e de assessoramento ao Secretário-Geral das Relações Exteriores no que se refere a questões de natureza econômicocomercial relacionadas à integração regional, economia internacional e promoção do comércio exterior. Cabe à esta Subsecretaria a Gerência Temática de Acesso a Mercados do Programa Especial de Exportações PEE. Subordinados a ela estão as Coordenações-Gerais para as negociações da ALCA (COALCA), de Contenciosos (CGC), de Organização Econômica (CORG), e os seguintes Departamentos: Departamento de Cooperação Científica, Técnica e Tecnológica - DCT, a quem compete propor, em coordenação com os Departamentos geográficos, diretrizes de política exterior no âmbito das relações científicas e de cooperação técnica. Departamento Econômico - DEC, a quem compete propor diretrizes de política exterior, em especial relativas às negociações comerciais e econômicas com Governos e Organismos Internacionais, negociações na área agrícola; e negociações em serviços na OMC, em temas de transportes e comunicações; e também temas relacionados com aspectos financeiros e ligados a investimentos de organismos multilaterais. Conta com as seguintes Divisões: Acesso a Mercados, Propriedade Intelectual e Novos Temas, Defesa Comercial e Salvaguardas, Agricultura e Produtos de Base, e Comercio de Serviços e Assuntos Financeiros. Departamento de Promoção Comercial - DPR, encarregado do planejamento e da execução dos programas e atividades de promoção comercial. Apoia o empresariado brasileiro em seus esforços de exportação, por intermédio da divulgação de oportunidades comerciais, de investimento e de transferência de tecnologia e da realização de eventos (feiras, exposições, missões empresariais, seminários de investimento) que contribuam para promover a imagem do País e de sua capacidade produtiva e tecnológica. Suas atividades principais são: planejamento, administração e financiamento das atividades do Sistema Brasileiro de Promoção Comercial; treinamento e capacitação, organização de cursos e seminários sobre conhecimentos básicos e práticas de comércio exterior; orientação e acompanhamento da execução das atividades da rede dos Setores de Promoção Comercial (SECOMS) de Embaixadas e Consulados-Gerais do Brasil; elaboração, execução e acompanhamento de programas, projetos e atividades de cooperação técnica, em matéria de promoção comercial, no Brasil e no exterior; apoio a missões comerciais de exportadores brasileiros em viagem de exploração comercial ao exterior; apoio a visitas e missões de importadores e investidores estrangeiros ao Brasil; apoio a organização de seminários ou outros eventos voltados para a divulgação das realizações do empresariado brasileiro; organização e coordenação da participação brasileira em feiras, exposições e outros eventos promocionais no exterior; apoio à realização de rodadas de negócios, destinadas à expansão das exportações brasileiras ou à atração de investimentos estrangeiros; realização ou orientação de estudos sobre Estrutura do Comércio Exterior 13

14 possibilidades de exportação de produtos brasileiros para mercados específicos; identificação de obstáculos para a importação de produtos ou serviços brasileiros. Cabe ao DPR a Gerência Temática de Inteligência Comercial do Programa Especial de Exportações PEE. Departamento de Integração Latino-Americana - DIN, cujas Divisões de Integração Regional - DIR e do Mercado Comum do Sul - DMC, definem as diretrizes de política exterior no âmbito internacional relativas ao processo de integração latino-americano e, em especial, ao MERCOSUL MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA (http//:www.agricultura.gov.br) Ao MAPA cabe, formular a política de desenvolvimento da agricultura brasileira, auxiliar na definição do correto equilíbrio entre o abastecimento interno e as vendas externas; fiscalizar o cumprimento de normas nacionais e internacionais de inspeção de produtos agropecuários; e participar em negociações internacionais que envolvam esses temas. Dentro de sua estrutura, cabe destacar a atuação das seguintes Secretarias: SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA SPA Conta com os Departamentos de Planejamento Agrícola, Economia Agrícola e Abastecimento Agropecuário. Compete à SPA formular as diretrizes de ação governamental para a política agrícola e para a segurança alimentar; analisar e formular proposições referentes ao setor agropecuário; supervisionar a elaboração de aplicação dos mecanismos de intervenção governamental referentes à comercialização e ao abastecimento agropecuários; promover estudos e diagnósticos sobre o sistema produtivo agropecuário, bem como avaliar os efeitos da política macro-econômica sobre o setor; administrar o sistema de informação agrícola; identificar prioridades, dimensionar e propor o direcionamento dos recursos para custeio ou investimento e para comercialização agrícolas, promover estudos relacionados com o seguro agrícola; promover os serviços de secretaria executiva do Conselho Nacional de Política Agrícola. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA SDA Divide-se nos Departamentos de Defesa Animal; Defesa e Inspeção Vegetal; e Inspeção de Produtos de Origem Animal. Cabe à SDA subsidiar a formulação da política agrícola no que se refere à defesa agropecuária; normatizar e supervisionar, na forma da legislação específica, as atividades de: (a) defesa sanitária animal e vegetal, (b) inspeção de produtos e derivados de origem animal e de bebidas, vinagres, vinhos e derivados do vinho e da uva, (c) fiscalização da produção, da comercialização e da utilização de produtos veterinários e de agrotóxicos, seus componentes e afins, (d) análise laboratorial como suporte às ações de defesa sanitária, de inspeção de produtos de origem animal, de fiscalização de insumos agropecuários e de bebidas, vinagres, vinhos e derivados Estrutura do Comércio Exterior 14

15 do vinho e da uva; implementar as ações decorrentes de decisões de organismos internacionais e acordos com governos estrangeiros relativas aos assuntos de sua competência. Secretaria de Produção e Comercialização SPC Compete a Secretaria de Produção e Comercialização formular e implementar programas de produção e comercialização no setor agropecuário; desenvolver e estimular ações e programas que visem a promoção e a comercialização de produtos agropecuários nos mercados interno e externo; formular propostas de políticas e programas para o setor cafeeiro e para o setor sucroalcooleiro, incluindo o planejamento e o exercício da ação governamental nas atividades do setor agroindustrial canavieiro, previstos em lei, bem como orientar, coordenar e avaliar a execução das medidas aprovadas; formular propostas e participar de eventos sobre negociações de acordos ou convênios internacionais concernentes aos temas agropecuários e da agroindústria; implementar, controlar e supervisionar medidas para incremento da qualidade e competitividade dos setores da agroindústria; e criar instrumentos para promover a utilização eficiente dos meios logísticos para o escoamento da produção de forma eficaz e competitiva. Cabe à SPC a Gerência Temática relativa à Gestão do Agronegócio no âmbito do Programa Especial de Exportações PEE MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO MP (http//: Ao MP cabe auxiliar na formulação da estratégia de comércio exterior, tendo dentro de suas competências legais a de formular o planejamento estratégico nacional; elaborar, acompanhar e avaliar os planos nacionais e regionais de desenvolvimento, acompanhar os gastos públicos federais; e formular diretrizes, avaliar e coordenar negociações com organismos multilaterais e agências governamentais estrangeiras, relativas a financiamentos de projetos públicos. Dentro da estrutura organizacional do MP, os assuntos afetos ao comércio exterior estão sendo tratados pela: ASSESSORIA ECONÔMICA, ligada ao Gabinete do Ministro; e pela SECRETARIA DE ASSUNTOS INTERNACIONAIS - SEAIN Compete à SEAIN acompanhar e avaliar as políticas e diretrizes globais dos organismos financeiros multilaterais, e participar da formulação da política brasileira junto a esses organismos. Cabe ressaltar o incremento da participação de empresas brasileiras em licitações internacionais financiadas por esses Estrutura do Comércio Exterior 15

16 organismos. Compete ainda a SEAIN, o planejamento e o acompanhamento da política de avaliação, negociação e recuperação de créditos governamentais brasileiros concedidos ao exterior AGÊNCIA DE PROMOÇÃO DE EXPORTAÇÕES DO BRASIL APEX BRASIL (http//www.apexbrasil.gov.br) A APEX-Brasil, serviço social autônomo reformulada pela MP nº 106, de 21/01/03, tem como órgãos de direção: o Conselho Deliberativo (composto por sete membros); Conselho Fiscal (composto por três membros) e a Diretoria Executiva (composta por um Presidente e Dois Diretores). A APEX foi criada com o objetivo de apoiar a implementação da política de promoção comercial brasileira, em conformidade com as políticas nacionais de desenvolvimento, particularmente as relativas às áreas industrial, comercial, de serviços e tecnológica. As ações da APEX-Brasil se traduzem no apoio a programas voltados para aumentar as exportações, elevando o volume exportado, o número de empresas exportadoras e o número de produtos exportados. Cabe à APEX-Brasil a Gerência Temática de Promoção Comercial do Programa especial de exportações PEE. São descritos, a seguir, os principais produtos da APEX: 1) Programa Setorial Integrado de Promoção de Exportações, Projetos de apoio à capacitação empresarial, adequação de produtos, informação comercial e promoção comercial. 2) Projetos Horizontais, com foco em empresas de distintos setores, como por exemplo: empresas calçadistas de uma região do Estado. 3) Projetos Isolados, que consistem em ações individuais, como participações em feiras, seminários, ou elaboração de uma pesquisa de mercado; e 4) Consórcios de Exportação, onde a APEX presta apoio à formação, manutenção e às ações de promoção comercial de consórcios formados. 3.8 EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS ECT (http//:www.ect.com.br) Os Correios desenvolveram em parceria com a CAMEX, SECEX, SRF, e outros, o programa EXPORTE FÁCIL, visando fomentar a inserção de pequenas e médias empresas na atividade exportadora. O Programa busca simplificar os processos de exportação, reduzir os custos de transporte e portuários; e solucionar dificuldades no desenvolvimento de embalagens e acondicionamento. Estrutura do Comércio Exterior 16

17 Dentre as facilidades, destacam-se: a utilização de um único formulário com múltiplas funções, faturamento simplificado, contrato de câmbio com boleto simplificado, pagamento do importador por cartão de crédito e utilização da logística dos correios até o importador ÓRGÃOS GESTORES E ANUENTES NO COMÉRCIO EXTERIOR Em janeiro de 1993 foi implantado o Módulo Exportação do Sistema Integrado de Comércio Exterior SISCOMEX, com o objetivo de conferir maior agilidade às operações de comércio exterior, reduzindo-se as exigências por meio de um sistema informatizado de informações, com tratamento padronizado. Diversos processos burocráticos forma substituídos por registros eletrônicos, passando-se a gerar um único documento ao final do processo. Em 1996, foi implantado o Módulo Importação do SISCOMEX. Os órgãos governamentais gestores do comércio exterior no Brasil são: a SECEX/MDIC, a SRF/MF e o BACEN. Atuam de forma integrada por meio do SISCOMEX. A SECEX é responsável pelos controles de natureza comercial; a SRF controla procedimentos aduaneiros e fiscais; e o BACEN efetua o controle cambial das operações. Além dos órgãos gestores e anuentes, participam do processamento das operações com acesso ao SISCOMEX: bancos, corretoras, transportadores, despachantes aduaneiros, exportadores e importadores. Os órgãos anuentes são todos aqueles que efetuam análise complementar de uma operação de exportação ou importação, dentro de uma área de competência, com eventual estabelecimento de normas específicas (exigências) para fins de desembaraço da mercadoria ou licenciamento da operação. São exemplos de órgãos anuentes: DECEX/SECEX, controle da utilização de cota de exportação de açúcar; Banco do Brasil, responsável, por delegação da SECEX, pela Emissão de Certificados de Origem FORM A e Têxteis para a União Européia e pela emissão da Licença de Exportação de Têxteis para a União Européia e Canadá; Departamento da Polícia Federal DPF, autorização prévia de substâncias entorpecentes; IBAMA, fornecimento de autorização exigida no despacho de exportação de madeira em bruto; Estrutura do Comércio Exterior 17

18 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA, certificado de Padronização para produtos hortícolas, frutas, fumos, mármores, algodão, arroz, cacau, etc... Ministério da Defesa certificação e licenciamento para a entrada de bens bélicos; Ministério da Saúde MS autorização prévia para plantas das quais se possa extrair substâncias entorpecentes; glândulas e outros órgãos humanos; Conselho Nacional de Energia Nuclear CNEN, autoriza a importação e exportação de produtos e minerais radioativos; Ministério da Cultura licenciamento da importação de filmes e vídeos e do comércio exterior de obras de arte. Estrutura do Comércio Exterior 18

MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior

MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior O governo brasileiro possui definida uma política voltada para o comércio internacional, onde defende os interesses das empresas nacionais envolvidas,

Leia mais

Órgãos intervenientes no comércio exterior brasileiro. Câmara de Comércio Exterior (Camex) 1

Órgãos intervenientes no comércio exterior brasileiro. Câmara de Comércio Exterior (Camex) 1 Órgãos intervenientes no comércio exterior brasileiro Câmara de Comércio Exterior (Camex) 1 Competências A Câmara de Comércio Exterior (Camex), órgão integrante do Conselho de Governo, tem por objetivo

Leia mais

DECRETO Nº 4.732, DE 10 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre a Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, do Conselho de Governo.

DECRETO Nº 4.732, DE 10 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre a Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, do Conselho de Governo. DECRETO Nº 4.732, DE 10 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre a Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, do Conselho de Governo. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos

Leia mais

órgão nacional interveniente no comércio internacional

órgão nacional interveniente no comércio internacional MDIC órgão nacional interveniente no comércio internacional CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: KEEDI, Samir. ABC DO COMÉRCIO EXTERIOR. São Paulo: Aduaneiras, 2007. www.desenvolvimento.gov.br

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL. Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex COMÉRCIO INTERNACIONAL COMÉRCIO INTERNACIONAL

COMÉRCIO INTERNACIONAL. Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex COMÉRCIO INTERNACIONAL COMÉRCIO INTERNACIONAL Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex Prof.Nelson Guerra Órgãos acima + Ministério das Relações Exteriores. Conheça cada um deles CAMEX: Objetiva a formulação, adoção, implementação

Leia mais

SISTEMA BRASILEIRO DE COMÉRCIO EXTERIOR

SISTEMA BRASILEIRO DE COMÉRCIO EXTERIOR SISTEMA BRASILEIRO DE COMÉRCIO EXTERIOR Professor: Moacir HISTÓRICO Criado no final de 1953 a Carteira de Comercio Exterior conhecida como CACEX, do Banco do Brasil, substituindo a CEXIM. Tinha competências

Leia mais

Estrutura do Comércio Internacional Brasileiro

Estrutura do Comércio Internacional Brasileiro Estrutura do Comércio Internacional Brasileiro 1 Rápido Panorama da Globalização no Brasil Enquanto o restante do mundo abria as fronteiras e integrava as respectivas economias em blocos econômicos, o

Leia mais

A CAMEX e a Facilitação de Comércio

A CAMEX e a Facilitação de Comércio CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR Secretaria-Executiva A CAMEX e a Facilitação de Comércio Ministério das Comunicações 18 de novembro 2009, São Paulo SP. MARIA FÁTIMA B. ARRAES DE OLIVEIRA Assessora Especial

Leia mais

Câmara de Comércio Exterior Secretaria Executiva

Câmara de Comércio Exterior Secretaria Executiva Câmara de Comércio Exterior Secretaria Executiva ALOÍSIO TUPINAMBÁ GOMES NETO Assessor Especial 10 de fevereiro de 2009 Brasília - DF Câmara de Comércio Exterior - CAMEX O papel da CAMEX é coordenar esforços

Leia mais

0267 - Subvenção Econômica para Promoção das Exportações PROEX (Lei nº 10.184, de 2001)

0267 - Subvenção Econômica para Promoção das Exportações PROEX (Lei nº 10.184, de 2001) Programa 2024 - Comércio Exterior Número de Ações 14 0027 - Cobertura das Garantias Prestadas pela União nas Operações de Seguro de Crédito à Exportação (Lei nº 9.818, de 1999) Esfera: 10 - Orçamento Fiscal

Leia mais

V Feira Internacional da Amazônia - FIAM Superintendência da Zona Franca de Manaus - SUFRAMA

V Feira Internacional da Amazônia - FIAM Superintendência da Zona Franca de Manaus - SUFRAMA CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR A CAMEX e a Facilitação de Comércio V Feira Internacional da Amazônia - FIAM Superintendência da Zona Franca de Manaus - SUFRAMA 27 de novembro de 2009, Manaus - AM ALEXANDRE

Leia mais

Painel 01: Sistemas e Órgãos de Defesa Comercial e de Defesa da Concorrência na União Européia e no Brasil

Painel 01: Sistemas e Órgãos de Defesa Comercial e de Defesa da Concorrência na União Européia e no Brasil MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR Painel 01: Sistemas e Órgãos de Defesa Comercial e de Defesa da Concorrência na União Européia e no Brasil Welber

Leia mais

Financiamentos à exportação de bens e serviços através de instituições financeiras credenciadas, nas modalidades:

Financiamentos à exportação de bens e serviços através de instituições financeiras credenciadas, nas modalidades: Linhas de Apoio à Exportação do BNDES Financiamentos à exportação de bens e serviços através de instituições financeiras credenciadas, nas modalidades: Pré-embarque: financia a produção de bens a serem

Leia mais

SOLUÇÕES LOGÍSTICAS MODERNAS PARA O COMÉRCIO EXTERIOR

SOLUÇÕES LOGÍSTICAS MODERNAS PARA O COMÉRCIO EXTERIOR CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR SOLUÇÕES LOGÍSTICAS MODERNAS PARA O COMÉRCIO EXTERIOR 1 Maio de 2010 São Paulo (SP) LOGÍSTICA INTERNACIONAL Idéia inicial limitada a transporte: Local de Produção Local de Consumo

Leia mais

DETALHAMENTO BRASILEIRO DE NOMENCLATURA - DBN

DETALHAMENTO BRASILEIRO DE NOMENCLATURA - DBN DETALHAMENTO BRASILEIRO DE NOMENCLATURA - DBN Sumário: 1. Aspectos gerais. 2. Grupo Especial para Avaliar Impactos Relacionados com o Detalhamento de Nomenclatura (GDN) Resolução CAMEX nº 57, de 07 de

Leia mais

Programas de Apoio à Exportação

Programas de Apoio à Exportação INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASIL / MERCOSUL Programas de Apoio à Exportação ENCOMEX JARAGUÁ DO SUL Flávio Martins Pimentel Coordenação-Geral de Programas de Apoio à Exportação MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO,

Leia mais

ÓRGÃOS RESPONSÁVEIS PELO COMÉRCIO INTERNACIONAL NO BRASIL E O SISTEMA INTEGRA- DO DE COMÉRCIO EXTERIOR (SISCOMEX).

ÓRGÃOS RESPONSÁVEIS PELO COMÉRCIO INTERNACIONAL NO BRASIL E O SISTEMA INTEGRA- DO DE COMÉRCIO EXTERIOR (SISCOMEX). Aula 12 ÓRGÃOS RESPONSÁVEIS PELO COMÉRCIO INTERNACIONAL NO BRASIL E O SISTEMA INTEGRA- DO DE COMÉRCIO EXTERIOR (SISCOMEX). Segundo LOPES VASQUES (2007) as políticas de regulamentação, normatização e execução

Leia mais

Modernização do Sistema Integrado de Informação e Operação para o Comércio Exterior - SISCOMEX

Modernização do Sistema Integrado de Informação e Operação para o Comércio Exterior - SISCOMEX Programa 0412 Desenvolvimento do Comércio Exterior e da Cultura Exportadora Ações Orçamentárias Número de Ações 30 1H200000 Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços - SISCOSERV Produto: Sistema

Leia mais

Flavio Augusto Trevisan Scorza Coordenador-Geral de Normas e Facilitação de Comércio Departamento de Normas e Competitividade no Comércio Exterior

Flavio Augusto Trevisan Scorza Coordenador-Geral de Normas e Facilitação de Comércio Departamento de Normas e Competitividade no Comércio Exterior CERTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA POR REGULAMENTO TÉCNICO DO Flavio Augusto Trevisan Scorza Coordenador-Geral de Normas e Facilitação de Comércio Departamento de Normas e Competitividade no Comércio Exterior Secretaria

Leia mais

Financiamento e Garantia às Exportações Um guia rápido aos exportadores brasileiros

Financiamento e Garantia às Exportações Um guia rápido aos exportadores brasileiros 2015 Financiamento e Garantia às Exportações Um guia rápido aos exportadores brasileiros Sumário Introdução... 2 O Programa PROEX... 2 PROEX Financiamento... 3 Mais Alimentos Internacional... 4 PROEX Equalização...

Leia mais

PREÇOS X CUSTOS CUSTO PREÇO. t C TEMPO. Globalização => vantagem para compradores => quedas nos preços (também provocadas pela ampliação do comércio)

PREÇOS X CUSTOS CUSTO PREÇO. t C TEMPO. Globalização => vantagem para compradores => quedas nos preços (também provocadas pela ampliação do comércio) $ PREÇOS X CUSTOS Globalização => vantagem para compradores => quedas nos preços (também provocadas pela ampliação do comércio) CUSTO PREÇO Sobrevivência das empresas depende de redução de custos t C TEMPO

Leia mais

CURSOS ON-LINE COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO REGULAR PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIA AULA 07

CURSOS ON-LINE COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO REGULAR PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIA AULA 07 AULA 07 INSTITUIÇÕES INTERVENIENTES NO COMÉRCIO EXTERIOR Olá pessoal. Esse item sempre consta nos programas de AFRF na parte de Aduana. A atividade de comércio exterior no Brasil é regulamentada e controlada

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012 Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios Curitiba, 20 de novembro de 2012 PBM: Dimensões Dimensão Estruturante: diretrizes setoriais

Leia mais

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade III Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Lembrando da aula anterior Conceitos e Funções da Moeda Política Monetária Política Fiscal Política Cambial

Leia mais

Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto de 2010

Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto de 2010 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Comércio Exterior Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto

Leia mais

Inovar para competir. Competir para crescer.

Inovar para competir. Competir para crescer. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 sumário Plano Brasil Maior...7 Dimensões do Plano...8 Dimensão Estruturante...11

Leia mais

Reunião do Grupo Técnico do Siscoserv com setores de serviços

Reunião do Grupo Técnico do Siscoserv com setores de serviços Reunião do Grupo Técnico do Siscoserv com setores de serviços Cenário do comércio exterior de serviços: Déficits crescentes na conta de serviços do balanço de pagamentos Carência de informações detalhadas

Leia mais

SISTEMÁTICA DAS EXPORTAÇÕES

SISTEMÁTICA DAS EXPORTAÇÕES SISTEMÁTICA DAS EXPORTAÇÕES CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo, Atlas, 2004. SILVA, Luiz Augusto

Leia mais

CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES

CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES Ser Júnior é ser gigante pela própria natureza. Brasil Júnior Mensagem do presidente Capacitar membros, promover o Movimento Empresa Júnior e causar impacto da sociedade,

Leia mais

Guia Prático de Aplicação de Salvaguardas O caso CHINA Capítulo 5 O Mapa da Defesa Comercial do Brasil Aspectos Institucionais

Guia Prático de Aplicação de Salvaguardas O caso CHINA Capítulo 5 O Mapa da Defesa Comercial do Brasil Aspectos Institucionais Guia Prático de Aplicação de Salvaguardas O caso CHINA Capítulo 5 O Mapa da Defesa Comercial do Brasil Aspectos Institucionais Vera Sterman Kanas vkanas@tozzini.com. @tozzini.com.br Enquadramento institucional

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013.

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. PALMAS-TO MARÇO 2013 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 2 DA CATEGORIA... 2 FINALIDADE E OBJETIVOS...

Leia mais

Portaria da Secretaria de Comércio Exterior SECEX n. 36, de 22 de novembro de 2007. (publicada no DOU de 26/11/2007)

Portaria da Secretaria de Comércio Exterior SECEX n. 36, de 22 de novembro de 2007. (publicada no DOU de 26/11/2007) Portaria da Secretaria de Comércio Exterior SECEX n. 36, de 22 de novembro de 2007. (publicada no DOU de 26/11/2007) O SECRETÁRIO DE COMÉRCIO EXTERIOR DO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Leia mais

ANEXO I REGIMENTO INTERNO DO GABINETE DO MINISTRO CAPITULO I CATEGORIA E FINALIDADE

ANEXO I REGIMENTO INTERNO DO GABINETE DO MINISTRO CAPITULO I CATEGORIA E FINALIDADE (Portaria GM-MP nº 220, de 25 de junho de 2014 ) ANEXO I REGIMENTO INTERNO DO GABINETE DO MINISTRO CAPITULO I CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º O Gabinete do Ministro, órgão subordinado diretamente ao Ministro

Leia mais

OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR LICENÇAS DE IMPORTAÇÃO COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS

OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR LICENÇAS DE IMPORTAÇÃO COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR LICENÇAS DE IMPORTAÇÃO COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS 1 LEGISLAÇÃO Portaria SECEX Nº 23/11 - Tratamento Administrativo Portaria DECEX nº 08/91 - Material Usado Decreto nº 6.759/09

Leia mais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais Relações Internacionais Finanças Internacionais Prof. Dr. Eduardo Senra Coutinho Tópico 1: Sistema Financeiro Nacional ASSAF NETO, A. Mercado financeiro. 8ª. Ed. São Paulo: Atlas, 2008. Capítulo 3 (até

Leia mais

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas.

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. BRB 2011 Cespe Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. A respeito da estrutura do Sistema Financeiro Nacional (SFN),julgue os itens a seguir. 1. Ao Conselho Monetário

Leia mais

Rede CIN CIN MS. Centro Internacional de Negócios FIEMS

Rede CIN CIN MS. Centro Internacional de Negócios FIEMS Rede CIN CIN MS Centro Internacional de Negócios FIEMS O que é a REDE CIN? Coordenada pela Confederação Nacional da Indústria - CNI, e criada com o apoio da Agência Nacional de Promoção de Exportações

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.102, DE 6 DE SETEMBRO DE 2013 Aprova a Estrutura Regimental e o Quadro Demonstrativo dos Cargos em Comissão e das Funções

Leia mais

Ações Orçamentárias 0027 Cobertura das Garantias Prestadas pela União nas Operações de Seguro de Crédito à Exportação (Lei nº 9.

Ações Orçamentárias 0027 Cobertura das Garantias Prestadas pela União nas Operações de Seguro de Crédito à Exportação (Lei nº 9. Programa 0412 Desenvolvimento do Comércio Exterior e da Cultura Exportadora Numero de Ações 19 Ações Orçamentárias 0027 Cobertura das Garantias Prestadas pela União nas Operações de Seguro de Crédito à

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2047 - Micro e Pequenas Empresas Número de Ações 10 Tipo: Operações Especiais 0473 - Honra de Aval decorrente de Garantia do Risco das Operações de Financiamento a Micro, Pequenas e Médias Empresas

Leia mais

Seminário Prospectiva CEBRI

Seminário Prospectiva CEBRI MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR Secretaria de Comércio Exterior - SECEX Seminário Prospectiva CEBRI Articulações Institucionais para o Investimento Brasileiro no Exterior São

Leia mais

Controle Aduaneiro das Medidas de Defesa Comercial

Controle Aduaneiro das Medidas de Defesa Comercial Controle Aduaneiro das Medidas de Defesa Comercial Oswaldo Moraes 26.09.2013 AGENDA I. Instrumentos de Controle Aduaneiro Licenciamento Não Automático Regras de Origem Não Preferencial Controle e Investigação

Leia mais

Financiamentos ao Comércio Exterior e Apoio aos Negócios Internacionais

Financiamentos ao Comércio Exterior e Apoio aos Negócios Internacionais Financiamentos ao Comércio Exterior e Apoio aos Negócios Internacionais Diretoria de Negócios Internacionais Setembro/2013 Banco do Brasil. Do Brasil para o mundo. Do mundo para o Brasil O Banco do Comércio

Leia mais

Encontros Técnicos SISCOSERV. Novembro de 2009. Secretaria de Comércio e Serviços

Encontros Técnicos SISCOSERV. Novembro de 2009. Secretaria de Comércio e Serviços Encontros Técnicos SISCOSERV Novembro de 2009 SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS, INTANGÍVEIS E OUTRAS OPERAÇÕES QUE PRODUZEM VARIAÇÕES NO PATRIMÔNIO DAS ENTIDADES Sistema que possibilitará

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

Política de comércio exterior brasileira. Welber Barral

Política de comércio exterior brasileira. Welber Barral Política de comércio exterior brasileira. Welber Barral Agosto de 2013 Efeitos da taxa de câmbio: Trilema: inflação, taxa de juros, taxa de câmbio Redução do superávit comercial e déficit estrutural em

Leia mais

0267 - Equalização de Juros para Promoção das Exportações - PROEX (Lei nº 10.184, de 2001)

0267 - Equalização de Juros para Promoção das Exportações - PROEX (Lei nº 10.184, de 2001) Programa 2024 - Comércio Exterior Número de Ações 13 Tipo: Operações Especiais 0027 - Cobertura das Garantias Prestadas pela União nas Operações de Seguro de Crédito à Exportação (Lei nº 9.818, de 1999)

Leia mais

Formação de Analista em Comércio Exterior

Formação de Analista em Comércio Exterior Formação de Analista em Comércio Exterior com Pós Graduação Objetivo: Habilitar os participantes para exercer a profissão de Analista de Comércio Exterior e trabalhar com a análise das operações, planejamento,

Leia mais

ANEXO XI REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES DE TRABALHO NO SERVIÇO PÚBLICO CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE

ANEXO XI REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES DE TRABALHO NO SERVIÇO PÚBLICO CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE (Portaria GM-MP nº 220, de 25 de junho de 2014 ) ANEXO XI REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES DE TRABALHO NO SERVIÇO PÚBLICO CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º A Secretaria de Relações de

Leia mais

Plano BrasilMaior 2011/2014

Plano BrasilMaior 2011/2014 Plano BrasilMaior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Agenda de Ações para a Competitividade dos Pequenos Negócios Dimensões do Plano Brasil Maior -Quadro Síntese Dimensão Estruturante:

Leia mais

REDEAGENTES - Proposta Metodológica -

REDEAGENTES - Proposta Metodológica - MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DO COMÉRCIO EXTERIOR REDEAGENTES - Proposta Metodológica - PREMISSAS

Leia mais

TRIBUTOS INCIDENTES SOBRE OPERAÇÕES DO COMÉRCIO EXTERIOR

TRIBUTOS INCIDENTES SOBRE OPERAÇÕES DO COMÉRCIO EXTERIOR TRIBUTOS INCIDENTES SOBRE OPERAÇÕES DO COMÉRCIO EXTERIOR Expositor: AFRFB JUVÊNCIO SOUSA FERREIRA (ALF/FOR/SADAD) SEMINÁRIO: A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE ADUANEIRO NA PROTEÇÃO DA SOCIEDADE E NO PROCESSO DE

Leia mais

Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam

Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam 3.1 Cosméticos Diagnóstico Os países desenvolvidos dominam o mercado mundial do setor de cosméticos, perfumaria e artigos

Leia mais

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE MADEIRA E MÓVEIS

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE MADEIRA E MÓVEIS Programas para fortalecer a PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE MADEIRA E MÓVEIS Legenda: branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho = destaques para novas

Leia mais

A Implantação do Operador Econômico Autorizado no Brasil: Papel dos Anuentes

A Implantação do Operador Econômico Autorizado no Brasil: Papel dos Anuentes CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR Secretaria-Executiva A Implantação do Operador Econômico Autorizado no Brasil: Papel dos Anuentes 25 de setembro de 2009 Instituto Aliança Procomex - SP LYTHA SPÍNDOLA Secretária-Executiva

Leia mais

Administração. Mercado a atuar. Profª Mestre Patricia Brecht Innarelli. Exportação Noções, Documentos e Despacho Aduaneiro.

Administração. Mercado a atuar. Profª Mestre Patricia Brecht Innarelli. Exportação Noções, Documentos e Despacho Aduaneiro. Administração Profª Mestre Patricia Brecht Innarelli Exportação Noções, Documentos e Despacho Aduaneiro. Mercado a atuar Ao decidir atuar no comércio internacional, a empresa deverá desenvolver um planejamento

Leia mais

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA 1. INTRODUÇÃO 1.1 A CAIXA A Caixa Econômica Federal é uma instituição financeira sob a forma de empresa pública, vinculada ao Ministério da Fazenda. Instituição integrante do Sistema Financeiro Nacional

Leia mais

BANCOS INTERMEDIÁRIOS CORRETORES DE CÂMBIO

BANCOS INTERMEDIÁRIOS CORRETORES DE CÂMBIO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O MERCADO DE CÂMBIO E SEUS AGENTES C.M.N BACEN BANCOS INTERMEDIÁRIOS CORRETORES DE CÂMBIO SISTEMA CAMBIAL VIGENTE NO BRASIL. O regime cambial brasileiro é um regime controlado

Leia mais

Exercício para fixação

Exercício para fixação Exercício para fixação Quando o Banco Central deseja baratear os empréstimos e possibilitar maior desenvolvimento empresarial, ele irá adotar uma Política Monetária Expansiva, valendo-se de medidas como

Leia mais

Prof. Rodrigo Luz Prova de ACE/2002 COMÉRCIO EXTERIOR

Prof. Rodrigo Luz Prova de ACE/2002 COMÉRCIO EXTERIOR 1 COMÉRCIO EXTERIOR 41- Sobre a Câmara de Comércio Exterior (CAMEX), é correto afirmar-se que: a) é órgão vinculado à Presidência da República incumbido de promover e divulgar oportunidades comerciais

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

DECRETO LEI 509 DECRETO-LEI Nº 509, DE 20 DE MARÇO DE 1969.

DECRETO LEI 509 DECRETO-LEI Nº 509, DE 20 DE MARÇO DE 1969. DECRETO LEI 509 DECRETO-LEI Nº 509, DE 20 DE MARÇO DE 1969. Dispõe sobre a transformação do Departamento dos Correios e Telégrafos em empresa pública, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

SILBRAN Comércio Exterior. 13/1/2009 Silbran Comércio Exterior

SILBRAN Comércio Exterior. 13/1/2009 Silbran Comércio Exterior SILBRAN Comércio Exterior 1 Decisões em Negócios Globalizados Importadores Exportadores 2 SILBRAN Comércio Exterior Desafio Global Distância Documentos Diversidade Demanda Disponibilidade Velocidade Consistência

Leia mais

SISCOMEX, DOCUMENTOS e FORMAS DE PAGAMENTOS

SISCOMEX, DOCUMENTOS e FORMAS DE PAGAMENTOS CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO ESPÍRITO SANTO SISCOMEX, DOCUMENTOS e FORMAS DE PAGAMENTOS Prof.: Leonardo Ribeiro 1 Siscomex O Sistema Integrado de Comércio Exterior - SISCOMEX, é um instrumento

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS O PREFEITO DE MANAUS LEI DELEGADA N 10, DE 31 DE JULHO DE 2013 (D.O.M. 31.07.2013 N. 3221 Ano XIV) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS, TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

PAINEL SETORIAL INMETRO/ANVISA/BNDES FÁRMACOS E MEDICAMENTOS: ASPECTOS METROLÓGICOS

PAINEL SETORIAL INMETRO/ANVISA/BNDES FÁRMACOS E MEDICAMENTOS: ASPECTOS METROLÓGICOS PAINEL SETORIAL INMETRO/ANVISA/BNDES FÁRMACOS E MEDICAMENTOS: ASPECTOS METROLÓGICOS Lauro D. Moretto 23 de agosto de 2004 2 INMETRO Situação atual As atividades estabelecidas e exercidas As necessidades

Leia mais

Ferramentas de Apoio às Exportações

Ferramentas de Apoio às Exportações INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASIL / MERCOSUL Ferramentas de Apoio às Exportações Roberto Dantas Diretor do Departamento de Planejamento Apresentação 1 Estrutura da SECEX 2 Portal Brasileiro de Comércio Exterior

Leia mais

ANEXO X REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE

ANEXO X REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE (Portaria GM-MP nº 220, de 25 de junho de 2014 ) ANEXO X REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º À Secretaria de Logística e Tecnologia

Leia mais

Programas para consolidar e expandir a liderança. PDP setembro/09 PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA CELULOSE E PAPEL

Programas para consolidar e expandir a liderança. PDP setembro/09 PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA CELULOSE E PAPEL Programas para consolidar e expandir a liderança PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA CELULOSE E PAPEL 1 Estratégias: liderança mundial e conquista de mercados Objetivos: consolidar a liderança

Leia mais

Resolução n o 01, de 6 de abril de 2011

Resolução n o 01, de 6 de abril de 2011 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR CONSELHO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL CONMETRO Resolução n o 01, de 6 de abril de 2011

Leia mais

CESA Comitê de Apoio ao Comércio Exterior

CESA Comitê de Apoio ao Comércio Exterior A ALCA E OS INTERESSES BRASILEIROS Thomas Benes Felsberg Agnes Borges O Brasil no Mercado Internacional Respondemos hoje por menos de 1% do comércio mundial. Exportações brasileiras não superam a marca

Leia mais

Medidas de política econômica

Medidas de política econômica Medidas de política econômica Medidas relacionadas ao sistema financeiro e ao mercado de crédito Resolução nº 2.673, de 21.12.1999 - Estabeleceu novas características das Notas do Banco Central do Brasil

Leia mais

CAMEX- CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR

CAMEX- CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR CAMEX- CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR Anita Pereira ANDRADE 1 Carlos Augusto P. ANDRADE 2 Fellipe Oliveira ULIAM³ RESUMO: O presente trabalho aborda como tema central a Câmara de Comercio Exterior, bem como

Leia mais

LIFE SCIENCES NO BRASIL

LIFE SCIENCES NO BRASIL LIFE SCIENCES NO BRASIL L IFE S CIENCES NO B R A presença da iniciativa privada no setor da saúde é cada vez mais relevante para a indústria de medicamentos e para as áreas de assistência à saúde, serviços

Leia mais

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO.

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO. 1 2 2. COMO IMPORTAR 2.1. FLUXOGRAMA DE IMPORTAÇÃO 1 PLANEJAMENTO A fase de planejamento das importações é geralmente parte integrante do planejamento geral da empresa para atender sua necessidade de máquinas,

Leia mais

Programas para fortalecer a competitividade. PDP setembro/09 PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE TRIGO

Programas para fortalecer a competitividade. PDP setembro/09 PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE TRIGO Programas para fortalecer a competitividade PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE TRIGO 1 Estratégias: Diferenciação e ampliação do acesso. Objetivos: (i) Aumentar a produção interna do trigo e de

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 13/2010 Aprova o Regimento Interno do Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia

Leia mais

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA 12.4 SISTEMA DE GESTÃO PROPOSTO 12.4.1 ASPECTOS GERAIS O Sistema de Gestão proposto para o PERH-PB inclui órgãos da Administração Estadual, Administração Federal, Sociedade Civil e Usuários de Água, entre

Leia mais

NOTA TÉCNICA 0036_V1_2014 REALIZAÇÃO DO ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR ENCOMEX 2014 JARAGUÁ DO SUL

NOTA TÉCNICA 0036_V1_2014 REALIZAÇÃO DO ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR ENCOMEX 2014 JARAGUÁ DO SUL NOTA TÉCNICA 0036_V1_2014 REALIZAÇÃO DO ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR Jaraguá do Sul (SC), Junho de 2014. ALINHAMENTO ESTRATÉGICO Jaraguá Ativa: Cidade inteligente e sustentável, cidade para pessoas.

Leia mais

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Institui a Política Nacional de Participação Social - PNPS e o Sistema Nacional de Participação

Leia mais

Banco Central Bacen Conhecimentos Bancários

Banco Central Bacen Conhecimentos Bancários Banco Central Bacen Conhecimentos Bancários BANCO CENTRAL DO BRASIL O Banco Central do Brasil, criado pela Lei 4.595, de 31.12.1964, é uma autarquia federal, vinculada ao Ministério da Fazenda, que tem

Leia mais

IV Reunião das Administradoras de ZPE. Brasília, 15 de abril de 2015

IV Reunião das Administradoras de ZPE. Brasília, 15 de abril de 2015 IV Reunião das Administradoras de ZPE Brasília, 15 de abril de 2015 I. Atuação da RENAI Roteiro: II. Possibilidades de parceria RENAI - ZPEs Parte I RENAI O que é a RENAI? Rede Nacional de Informações

Leia mais

CARREIRA DE ANALISTA DE COMÉRCIO EXTERIOR (ACE) Olá, pessoal, tudo bem? É sempre uma grande satisfação estar aqui com vocês!

CARREIRA DE ANALISTA DE COMÉRCIO EXTERIOR (ACE) Olá, pessoal, tudo bem? É sempre uma grande satisfação estar aqui com vocês! CARREIRA DE ANALISTA DE COMÉRCIO EXTERIOR (ACE) Olá, pessoal, tudo bem? É sempre uma grande satisfação estar aqui com vocês! Meu nome é Ricardo Vale e, atualmente, exerço o cargo de Analista de Comércio

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL Políticas Comerciais. Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial

COMÉRCIO INTERNACIONAL Políticas Comerciais. Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial Prof.Nelson Guerra Políticas Comerciais Conceito: São formas e instrumentos de intervenção governamental sobre o comércio exterior, e sempre

Leia mais

Disciplina: Comércio Internacional

Disciplina: Comércio Internacional COORDENADORIA DE TRANSPORTES Sumário 2 Disciplina: Comércio Internacional CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE COMÉRCIO INTERNACIONAL Exportação e Importação Conceitos Cambiais, Aduaneiros e Comerciais Formas de

Leia mais

Novas perspectivas e abordagens para os processos de importação e distribuição no Brasil

Novas perspectivas e abordagens para os processos de importação e distribuição no Brasil Introdução Há alguns anos as trading companies brasileiras têm se mostrado uma alternativa segura e economicamente atrativa para empresas estrangeiras que desejam exportar ou distribuir seus produtos no

Leia mais

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Thayne Garcia, Assessora-Chefe de Comércio e Investimentos (tgarcia@casacivil.rj.gov.br) Luciana Benamor, Assessora de Comércio e Investimentos

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA DE SUCESSO PARA O AGRONEGÓCIO SUSTENTÁVEL - PROGRAMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO DA CACHAÇA.

UMA EXPERIÊNCIA DE SUCESSO PARA O AGRONEGÓCIO SUSTENTÁVEL - PROGRAMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO DA CACHAÇA. 2, 3 e 4 de Julho de 2009 ISSN 1984-9354 UMA EXPERIÊNCIA DE SUCESSO PARA O AGRONEGÓCIO SUSTENTÁVEL - PROGRAMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO DA CACHAÇA. Cláudio Jorge Martins de Souza (Independente) Resumo Em

Leia mais

Mesa Redonda: Mecanismos de Controle de Entrada e Saída de Bens Sensíveis no Brasil

Mesa Redonda: Mecanismos de Controle de Entrada e Saída de Bens Sensíveis no Brasil 8º Seminário de Ciência, Tecnologia e Inovação do Ministério da Defesa Os Bens Sensíveis e sua Importância Estratégica para a Defesa Nacional Mesa Redonda: Mecanismos de Controle de Entrada e Saída de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA FACILITAÇÃO NO COMÉRCIO EXTERIOR COMÉRCIO MUNDIAL

A IMPORTÂNCIA DA FACILITAÇÃO NO COMÉRCIO EXTERIOR COMÉRCIO MUNDIAL CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR A IMPORTÂNCIA DA FACILITAÇÃO NO COMÉRCIO EXTERIOR Março de 2010 São Paulo (SP) 1 COMÉRCIO MUNDIAL GLOBALIZAÇÃO Informação instantânea (conectividade( conectividade) Adequação

Leia mais

Levantamento da Base. Industrial de Defesa. Levantamento da Base. Industrial de Defesa (BID) Reunião Plenária do COMDEFESA

Levantamento da Base. Industrial de Defesa. Levantamento da Base. Industrial de Defesa (BID) Reunião Plenária do COMDEFESA Levantamento da Base Industrial de Defesa (BID) Levantamento da Base Reunião Plenária do COMDEFESA Industrial de Defesa São Paulo, 05 de março de 2012 (BID) Reunião Ordinária ABIMDE São Bernardo do Campo,

Leia mais

O papel do Banco do Brasil na exportação de produtos agropecuários. Maicon Bertuol

O papel do Banco do Brasil na exportação de produtos agropecuários. Maicon Bertuol O papel do Banco do Brasil na exportação de produtos agropecuários Maicon Bertuol Passo Fundo, 26/05/2011 Vantagens da Exportação diversificação de mercados e de riscos; melhoria da qualidade e produtividade;

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 3: O ambiente operacional do administrador financeiro e da própria empresa Qualquer que seja o tipo de empreendimento empresa industrial, comercial, prestadora de serviços

Leia mais

Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX. Tratamento Administrativo na Importação e atuação do DECEX

Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX. Tratamento Administrativo na Importação e atuação do DECEX Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX Tratamento Administrativo na Importação e atuação do DECEX Controle Administrativo - Definição Controle exercido por órgãos da Administração Federal

Leia mais

O Sistema Financeiro Nacional

O Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional 1 O Sistema Financeiro Nacional Foi constituído com base nas leis: 4595 de 31-12-64 Estrutura o Sistema Financeiro Nacional 4728 de 14-7- 65 Lei do Mercado de Capitais O Sistema

Leia mais

Conjuntura do Comércio Exterior - Crise Mundial

Conjuntura do Comércio Exterior - Crise Mundial BANCO DO BRASIL S/A Gerência Regional de Apoio ao Comércio Exterior Belo Horizonte MG Conjuntura do Comércio Exterior - Crise Mundial América do Norte Miami Nova Iorque Chicago Los Angeles Washington México

Leia mais

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE MADEIRA E MÓVEIS

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE MADEIRA E MÓVEIS Programas para fortalecer a PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE MADEIRA E MÓVEIS 1 Madeira e Móveis Estratégias: conquista de mercados, focalização, diferenciação e ampliação do acesso Objetivos:

Leia mais