Estufas para o Brasil: túneis híbridos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estufas para o Brasil: túneis híbridos"

Transcrição

1 Estufas para o Brasil: túneis híbridos Marca de Higuerillas ou bandera Mexico Engenheiro Agrónomo : Ramiro Zúñiga Pelayo Agrícola Las Higuerillas (México) Traduçao: Andrés da Silva, Eng. Agricola, M.Sc. EACEA

2 Estufas para o Brasil: túneis híbridos Marca de Higuerillas ou bandera Mexico Sr. Ramiro Zúñiga Pelay, Eng. Agrônomo EMPRESA: Agrícola Las Higuerillas (México) Traduçao: Andrés da Silva, Eng. Agricola, M.Sc. EACEA

3 V VITEC EACEA MÉXICO 2014 AGRICOLA LAS HIGUERILLAS 13 DE NOVEMBRO 2014

4 AGRCOLA LAS HIGUERILLAS (FCO. MEZA) BRISEÑAS DE MATAMOROS MICHOACAN MEX. ALTURA 1520 MTS. TEMP C LOCALIZAÇAO GEOGRÁFICA

5 CASO DE SUCESSO 10 ANOS PRODUZINDO EM CAMPO ABERTO E 10 ANOS EN INVERNADEROS RENDIMENTO MÉDIO 30 kg/m 2 CUSTOS DE PRODUÇAO POR KILO 5 a 6 PESOS MEX 1,16 a 1,39 R$/kg PREÇO MÉDIO DE VENDA 8 a 12 PESOS MEX POR KILO 1,86 a 2,79 R$/kg CUSTOS MERCADO NACIONAL EMBALAGEM 20% FERTIRRIGAÇAO 20% Nota traduçao: $1,00 REAL = $ 4,3 PESOS MEX (12/09/2015) MAO DE OBRA 40% AGROQUIMICOS 20%

6 AGRICULTURA PROTEGIDA A AGRICULTURA DO FUTURO INCREMENTO SIGNIFICATIVO DO RENDIMENTO E DA QUALIDADE PERMITE CULTIVAR EM QUALQUER ÉPOCA DO ANO PROTEÇAO CONTRA, VENTO, CHUVA, GRANIZO E BAIXAS TEMPERATURAS REDUÇAO DE QUEIMADURAS E MANCHAS DOS FRUTOS DIMINUIÇAO DO USO DE INSETICIDAS PERMITE IMPLEMENTAR O MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS PERMITE O CULTIVO ORGANICO GARANTIA DE COLHEITA MELHORA A CAPACIDADE DE COMERCIALIZAÇAO DO PRODUTOR

7 PORQUE ESCOLHER OS TÚNEIS HÍBRIDOS Impacto na comunidade de agricultores em todo o mundo tem sido emocionante Milhares de hectares construídas com túneis híbridos altos para diversos cultivos Cerejas, morango, mirtilho, ameixas, flores, ervas, plantas ornamentais, e hortaliças de alto valor agregado como os tomates PIMENTA HABANERO PIMENTAO TOMATE REDONDO TOMATE ITALIANO PEPINO

8 RENDIMENTO : 5-6 KGS/m kg/m 2 QUALIDADE : % EXPORT % EXPORT CICLO DE CULTIVO : TEMPO DE COLHEITA : CONTROLE DE PRAGAS : CULTIVO ORGÂNICO : 4-5 MESES 2-3 MESES COMPLEXO MUITO DIFICIL 9-11 MESES 7-9 MESES SIMPLES MAIS FÁCIL

9 VANTAGENS DOS TUNEIS HÍBRIDOS BAIXO CUSTO FACIL DE CONSTRUIR BOA VENTILACAO LATERAL E ARCOS COM JANELAS DUPLASVENTILA CALHA COM AMPLA CAPACIADE DE DESAGUE EFICIENTE 1- COLOCAÇAO DOS SUPORTES 2- COLOCAÇAO DOS ARCOS 3- PRONTO PARA A COLOCAÇAO DO PLASTICO E TELA

10 TUNEL HIBRIDO PRONTO PARA INICIAR O CULTIVO MANIVELAS PARA ABRIR E FECHAR AS CORTINAS TUNEL HIBRIDO TERMINADO

11 PLANIFICAÇAO PROGRAMA DE COMERCIALIZAÇAO SUPERFICIE TIPO E VARIEDAD DE TOMATE (ANIBAL, 7705, CID) ORÇAMENTOS E CUSTOS DE CULTIVO PROGRAMA DE SEMEO E TRANSPLANTE

12 PRODUÇAO DE TOMATE DE MESA EM TUNEIS HIBRIDOS (AGRICOLA LAS HIGUERILLAS) TRASPLANTE DESENVOLVIMENTO COLHEITA

13 PREPARO DO TERRENO TERRENO PRONTO PARA COLOCAR CINTAS DE IRRIGAÇAO INCORPORANDO O COMPOSTO

14 COLOCAÇAO DA CINTA E MULCH COLO COLOCAÇAO DA CINTA DUPLA COLOCAÇAO DO MULCH

15 TELAS E COLOCAÇAO DE ARMADILHAS MONOCROMATICAS FECHAMENTO TELA RASGADA MOSCA BRANCA ARMADILHAS COLANTES

16 PRODUÇAO DAS MUDAS CAIXA PARA TRANSPORTE BOM SISTEMA RADICULAR TAMANHO ÓTIMO cm

17 PRÁTICAS CULTURAIS 4-6 DIA POR ha TRASPLANTE TERMINADO VIDEO TRASPLANTE MANUAL 2 a 2,5 PLANTAS/m 2

18 COLOCAÇAO DOS GANCHOS E SUPORTES 8 a 12 m de fitilho por gancho SUPORTE PARA O CAULE DISTANCIA (a cada 1 a 2 m) COLOCAÇAO DE GANCHOS COM FITILHO DUPLO ( DISTÂNCIA DE 50 cm)

19 FITILHO E CLIPS PLANTAS COM DUAS HASTES CLIPS

20 TUTOREANDO A PLANTA O MOMENTO CERTO PLANTA DE 35 DIAS TUTOREADA CORRETAMENTE

21 EQUIPAMENTOS PARA MEDIÇAO DA TEMPERATURA E UMIDADE REALATIVA TERMO HIGROMETRO TERMOMETRO

22 POLINIZAÇAO UR: 60 a 70 % E TEMPERATURA: 22 a 28 C COM AR COM VARA COM ABELHAS

23 FORMAÇAO DE FRUTOS FRUTO PEGO CACHO COM PEGAMENTO FRUTOS BEM FORMADOS

24 DESFOLHA ELIMINAR SOMENTE 2 a 3 FOLHAS A CADA DESFOLHA PLANTA JOVEM DESFOLHA ANTES DA COLHEITA PLANTA EM PLENA PRODUÇAO

25 POSIÇAO DOS GANCHOS NO CABO DE CULTIVO GANCHOS COM A ABERTURA PARA DENTRO DAS LINHAS DE CULTIVO

26 USO DAS PERNAS DE PAU VIDEO PERNAS DE PAU BAIXAS

27 BAIXAR A PLANTA PERNAS DE PAU BAIXAS VIDEO

28 EQUIPAMENTOS BÁSICOS PARA MEDIÇAO DE ph, CE, NITRATOS E UMIDADE DO SOLO PREPARAÇAO COLOCAÇAO MEDIÇAO TESTE NITRATOS E NITRITOS

29 FERTIRRIGAÇAO SISTEMA DE FILTROS SISTEMA COMPUTARIZADO TANQUES PARA MISTURA

30 EQUIPAMENTOS PARA APLICAÇAO DE AGROQUÍMICOS TANQUE DE MISTURA ASPERSORA MOTORIZADA APLICAÇAO

31 CULTIVOS PRONTO PARA COLHEITA 65 a 95 DIAS DE COLHEITA

32 EQUIPAMENTOS PARA COLHEITA CAIXAS PLÁSTICAS DE 20 kg CAiXAS SOBRE PLASTICO BALDES PLÁSTICOS DE 19 l

33 COLHEITA CORTE TRASVIDANDO CAIXAS CHEIAS

34 TRANSPORTE DO PRODUTO PARA A EMBALAGEM VEHÍCULO PARA TRANSPORTE CARREGANDO AS CAIXAS PALLETS

35 RECEPCIÓN DE PRODUCTO EN EMPAQUE CHEGADA NO PACKING HOUSE MECANIZAÇAO CARREGAMENTO NA SELECIONADORA

36 PACKING HOUSE LIMPEZA E ORDEM PRONTO PARA INICIAR O DIA

37 SELEÇAO DAS QUALIDADES QUALIDADES SELECIONADORA SATISFAÇAO TOTAL

38 PRODUTO TERMINADO CAIXAS 13 KG MONTANDO OS PALETS FIXANDO OS PALETS

39 TRANSPORTE PALLET COMPLETO 80 CAIXA C/U CARREGANDO NO CAMINHAO PRONTO PARA ENVIO AO CENTRO DE DISTRIBUIÇAO

40

Tomate Hidropônico em Vaso. Victor de Souza Almeida MSc. Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa - UFV

Tomate Hidropônico em Vaso. Victor de Souza Almeida MSc. Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa - UFV Tomate Hidropônico em Vaso Victor de Souza Almeida MSc. Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa - UFV Sumário Introdução Variedades (Grupos) Estruturas para Cultivo Cultivo em Vaso Solução Nutritiva

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Produtos Hortícolas Da fazenda ao consumidor M.Sc. Gustavo Quesada Roldán Universidad de Costa Rica Doutorando em Fitotecnia ESALQ/USP

Leia mais

DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO VEGETAL

DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO VEGETAL DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO VEGETAL CHEFE DO DEPARTAMENTO: PROF. PEDRO CHRISTOFOLLETTI DISCIPLINA LPV 0480 FLORICULTURA E PLANTAS ORNAMENTAIS : PROF. PAULO HERCÍLIO OLERICULTURA : PROF. PAULO CESAR PROF.

Leia mais

18/09/2010 PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOLANÁCEAS SISTEMÁTICA CENTRO DE ORIGEM TOMATE. Família Solanaceae. Tomate: Solanum lycopersicum

18/09/2010 PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOLANÁCEAS SISTEMÁTICA CENTRO DE ORIGEM TOMATE. Família Solanaceae. Tomate: Solanum lycopersicum IMPORTÂNCIA DAS SOLANÁCEAS PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOLANÁCEAS Vanessa Neumann Silva Fonte: ABCSem, 2007 SISTEMÁTICA CENTRO DE ORIGEM TOMATE Família Solanaceae Tomate: Solanum lycopersicum Pimentão: Capsicum

Leia mais

Planejamento e Instalação de Pomares

Planejamento e Instalação de Pomares Universidade Federal do Vale do São Francisco Campus de Ciências Agrárias Curso de Engenharia Agronômica Disciplina: Fruticultura I Planejamento e Instalação de Pomares Docente responsável: Prof. Dr. Ítalo

Leia mais

PCS 503 Parte Prática de Nutrição Mineral de Plantas

PCS 503 Parte Prática de Nutrição Mineral de Plantas PCS 503 Parte Prática de Nutrição Mineral de Plantas PRÁTICA 1: CULTIVO DE PLANTAS EM AMBIENTE PROTEGIDO Notas de aula: TRABALHO PRÁTICO: EXERCÍCIOS (CENTRO XEROGRÁFICO) TRÊS PARTES I CULTIVO DE PLANTAS

Leia mais

Linha Horta Familiar e Jardim

Linha Horta Familiar e Jardim Saco de Plantação para vaso de vime Sacola de polipropileno preto com furos laterais para permitir a drenagem de água sem perda de terra. 38 x 38 x 48 cm (pack 4 unidades) 68 x 33 x 28 cm (pack 2 unidades)

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo, em quantidade necessária, de forma econômica,

Leia mais

FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra.

FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra. FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra. Requisitos para o cultivo de algodoeiro GlyTol LibertyLink, além de boas práticas de manejo integrado de plantas daninhas. Cap 1: Descrição do Produto

Leia mais

FLÁVIO FAVARO BLANCO Engenheiro Agrônomo. Orientador: Prof. Dr. MARCOS VINÍCIUS FOLEGATTI

FLÁVIO FAVARO BLANCO Engenheiro Agrônomo. Orientador: Prof. Dr. MARCOS VINÍCIUS FOLEGATTI TOLERÂNCIA DO TOMATEIRO À SALINIDADE SOB FERTIRRIGAÇÃO E CALIBRAÇÃO DE MEDIDORES DE ÍONS ESPECÍFICOS PARA DETERMINAÇÃO DE NUTRIENTES NA SOLUÇÃO DO SOLO E NA PLANTA FLÁVIO FAVARO BLANCO Tese apresentada

Leia mais

MANEJO DAS PLANTAS INFESTANTES EM PLANTIOS DE ABACAXI EM PRESIDENTE TANCREDO NEVES, MESORREGIÃO DO SUL BAIANO

MANEJO DAS PLANTAS INFESTANTES EM PLANTIOS DE ABACAXI EM PRESIDENTE TANCREDO NEVES, MESORREGIÃO DO SUL BAIANO MANEJO DAS PLANTAS INFESTANTES EM PLANTIOS DE ABACAXI EM PRESIDENTE TANCREDO NEVES, MESORREGIÃO DO SUL BAIANO Aristoteles Pires de Matos 1 ; Quionei Silva Araújo 2 ; Fábio José Pereira Galvão 3 ; Antônio

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO CULTIVO DO TOMATEIRO IRRIGADO *

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO CULTIVO DO TOMATEIRO IRRIGADO * VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO CULTIVO DO TOMATEIRO IRRIGADO * VIEIRA, T.A. 1 ; SANTANA, M.J. 2 ; BARRETO, A.C. 2 * Projeto financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG).

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DAS CULTIVARES DE ARROZ IRRIGADO INDICADAS PARA SEMEIO NA SAFRA 2009/10 EM RORAIMA

CARACTERÍSTICAS DAS CULTIVARES DE ARROZ IRRIGADO INDICADAS PARA SEMEIO NA SAFRA 2009/10 EM RORAIMA CARACTERÍSTICAS DAS CULTIVARES DE ARROZ IRRIGADO INDICADAS PARA SEMEIO NA SAFRA 2009/10 EM RORAIMA Antonio Carlos Centeno Cordeiro Eng. Agr. Dr. Pesquisador da Embrapa Roraima Em Roraima, o agronegócio

Leia mais

ALGARVE EXPORTA FRAMBOESAS PARA TODA A EUROPA (COM GALERIA DE FOTOS)

ALGARVE EXPORTA FRAMBOESAS PARA TODA A EUROPA (COM GALERIA DE FOTOS) N20120326n ALGARVE EXPORTA FRAMBOESAS PARA TODA A EUROPA (COM GALERIA DE FOTOS) No dia 26 de Março de 2012, a convite de um amigo, Mendes Bota teve a inesperada oportunidade de descobrir um dos melhores

Leia mais

AUTOMAÇÃO DE ESTUFAS AGRÍCOLAS. 1. Introdução. 2. Estufas Agrícolas. Automação de estufas agrícolas. Ronaldo Tadeu Murguero Junior

AUTOMAÇÃO DE ESTUFAS AGRÍCOLAS. 1. Introdução. 2. Estufas Agrícolas. Automação de estufas agrícolas. Ronaldo Tadeu Murguero Junior AUTOMAÇÃO DE ESTUFAS AGRÍCOLAS Ronaldo Tadeu Murguero Junior 1. Introdução A utilização de estufas no plantio vem crescendo a cada ano, pois através da utilização de estufas consegue-se ter um controle

Leia mais

ESTUDO DE CASO: ANÁLISE ECONÔMICA ENTRE O CUSTO DE PRODUÇÃO DE MORANGO ORGÂNICO E CONVENCIONAL

ESTUDO DE CASO: ANÁLISE ECONÔMICA ENTRE O CUSTO DE PRODUÇÃO DE MORANGO ORGÂNICO E CONVENCIONAL ESTUDO DE CASO: ANÁLISE ECONÔMICA ENTRE O CUSTO DE PRODUÇÃO DE MORANGO ORGÂNICO E CONVENCIONAL Alceu Donadelli Econ., PqC do Polo Regional Leste Paulista/APTA donadelli@apta.sp.gov.br Cristiaini Kano Eng.

Leia mais

A Melancia FRUTAS. Benefícios

A Melancia FRUTAS. Benefícios A fruta e os hortícolas são ricos em vitaminas e minerais. Como nenhuma fruta tem, sozinha, todos nutrientes de que precisas, deves variar o tipo e cor de frutas que comes. FRUTAS A Melancia Variedades

Leia mais

ÁGUA NA HORTICULTURA: NOVAS ATITUDES E USO SUSTENTÁVEL

ÁGUA NA HORTICULTURA: NOVAS ATITUDES E USO SUSTENTÁVEL 49º CONGRESSO BRASILEIRO DE OLERICULTURA ÁGUA NA HORTICULTURA: NOVAS ATITUDES E USO SUSTENTÁVEL José Geraldo Eugênio de França Diretor-Executivo Águas de Lindóia - SP Agosto/2009 OS DEZ MAIORES PROBLEMAS

Leia mais

DIFERENTES MÉTODOS DE CULTIVO HIDROPÔNICOS E SEUS MANEJOS

DIFERENTES MÉTODOS DE CULTIVO HIDROPÔNICOS E SEUS MANEJOS DIFERENTES MÉTODOS DE CULTIVO HIDROPÔNICOS E SEUS MANEJOS Paulo Cesar de Almeida Técnico em Agropecuária CREA MG 26.995/TD PATROCINIO-MG DEFINIÇÃO DE CULTIVO HIDROPONICO O sistema de cultivo em que as

Leia mais

DominiSolo. Empresa. A importância dos aminoácidos na agricultura. Matérias-primas DominiSolo para os fabricantes de fertilizantes

DominiSolo. Empresa. A importância dos aminoácidos na agricultura. Matérias-primas DominiSolo para os fabricantes de fertilizantes DominiSolo Empresa A DominiSolo é uma empresa dedicada à pesquisa, industrialização e comercialização de inovações no mercado de fertilizantes. Está localizada no norte do Estado do Paraná, no município

Leia mais

PLANO DE ENSINO EMENTA

PLANO DE ENSINO EMENTA PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR : Olericultura e Plantas Medicinais Curso: Curso Superior de Tecnologia em Agroecologia Série/Período: 2015.2 Carga Horária:

Leia mais

SISTEMA DE TUTORAMENTO COM FITA PLÁSTICA PARA TOMATEIROS CULTIVADOS NO CAMPO

SISTEMA DE TUTORAMENTO COM FITA PLÁSTICA PARA TOMATEIROS CULTIVADOS NO CAMPO N 3, dezembro 1998, p.1-5 SISTEMA DE TUTORAMENTO COM FITA PLÁSTICA PARA TOMATEIROS CULTIVADOS NO CAMPO Claudio Lucas Capeche 1 José Ronaldo de Macedo 1 Adoildo da Silva Melo 2 Leonardo Vicente da Silva

Leia mais

Desafios do setor de florestas plantadas para o manejo de plantas daninhas. José Eduardo Petrilli Mendes Fibria S.A. Proteção Florestal

Desafios do setor de florestas plantadas para o manejo de plantas daninhas. José Eduardo Petrilli Mendes Fibria S.A. Proteção Florestal Desafios do setor de florestas plantadas para o manejo de plantas daninhas José Eduardo Petrilli Mendes Fibria S.A. Proteção Florestal Roteiro A Fibria O setor de florestas plantadas Área de expansão Prejuízos

Leia mais

Mudas Enxertadas com Qualidade. Resistências

Mudas Enxertadas com Qualidade. Resistências Mudas Enxertadas com Qualidade Resistências Qualidade Produtividade Pesquisador: Sebastião Márcio de Azevedo Sakata Seed Sudamerica Ltda (sebastiao.azevedo@sakata.com.br) Produtividade; Resistências a

Leia mais

Geologia e conservação de solos. Luiz José Cruz Bezerra

Geologia e conservação de solos. Luiz José Cruz Bezerra Geologia e conservação de solos Luiz José Cruz Bezerra SOLO É a parte natural e integrada à paisagem que dá suporte às plantas que nele se desenvolvem. Parte mais superficial e fina da crosta terrestre.

Leia mais

Autor: Eng.-Agr. Eduardo Pagot Emater/RS Ascar - Vacaria

Autor: Eng.-Agr. Eduardo Pagot Emater/RS Ascar - Vacaria FRAMBOESA Autor: Eng.-Agr. Eduardo Pagot Emater/RS Ascar - Vacaria Características da espécie Família das rosáceas Espécie - Rubus ideaus Abustos estoloníferos - talos subterrâneos Frutos oblongos ou cônicos

Leia mais

Rastreabilidade e recall no mundo das frutas e hortaliças frescas

Rastreabilidade e recall no mundo das frutas e hortaliças frescas Rastreabilidade e recall no mundo das frutas e hortaliças frescas Anita de Souza Dias Gutierrez Centro de Qualidade, Pesquisa e Desenvolvimento da CEAGESP 24 de novembro de 2015 Frutas e hortaliças frescas

Leia mais

6º Encontro Regional dos Produtores de Maracujá Núcleo Rural Pipiripau Planaltina-DF

6º Encontro Regional dos Produtores de Maracujá Núcleo Rural Pipiripau Planaltina-DF Secretaria de Estado de Agricultura e Desenvolvimento Rural do DF - SEAGRI 6º Encontro Regional dos Produtores de Maracujá Núcleo Rural Pipiripau Planaltina-DF BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NA PRODUÇÃO DE MARACUJÁ

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Mandioca e Fruticultura Tropical Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Mandioca e Fruticultura Tropical Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Mandioca e Fruticultura Tropical Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento A CULTURA DA MANGA 2 a edição revisada e ampliada Embrapa Informação

Leia mais

INFORMAÇOES IMPORTANTES SOBRE O CULTIVO E TRANSPLANTE DE PLANTAS ORNAMENTAIS ADULTAS.

INFORMAÇOES IMPORTANTES SOBRE O CULTIVO E TRANSPLANTE DE PLANTAS ORNAMENTAIS ADULTAS. INFORMAÇOES IMPORTANTES SOBRE O CULTIVO E TRANSPLANTE DE PLANTAS ORNAMENTAIS ADULTAS. A implantação de novos jardins e novas configurações paisagísticas com plantas adultas agrega grande valor estético

Leia mais

IRRIGAÇÃO LOCALIZADA POR MANGUEIRA PLÁSTICA PERFURADA TRIPAS

IRRIGAÇÃO LOCALIZADA POR MANGUEIRA PLÁSTICA PERFURADA TRIPAS IRRIGAÇÃO LOCALIZADA POR MANGUEIRA PLÁSTICA PERFURADA TRIPAS Jarbas Honorio de Miranda 1 Manoel Alves de Faria 1 Giuliano da Silva Igarashi 2 1 O que é Irrigação Localizada? A irrigação localizada nada

Leia mais

6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS

6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS 6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS Prejuízos: -Competição por água; -Competição por luz; -Competição por nutrientes; -Hospedeiros de pragas e doenças; -Interferência na operação de colheita. Período de competição:

Leia mais

Ministério da Agricultura

Ministério da Agricultura Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento Avaliação de Cultivares de Milho Visando à Produção de Minimilho na Região Norte do Estado de Minas Gerais ISSN 0100-9915 131 O minimilho é o nome dado

Leia mais

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA CURSO DE ENFERMAGEM DISCIPLINA: FITOTERAPIA PROF.ª DANIELLA KOCH DE CARVALHO

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA CURSO DE ENFERMAGEM DISCIPLINA: FITOTERAPIA PROF.ª DANIELLA KOCH DE CARVALHO UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA CURSO DE ENFERMAGEM DISCIPLINA: FITOTERAPIA PROF.ª DANIELLA KOCH DE CARVALHO COLHEITA, SECAGEM ARMAZENAMENTO E CONTROLE DE QUALIDADE DE PLANTAS MEDICINAIS COLHEITA:

Leia mais

TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES

TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES 1 TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES 1. Introdução Silvio Moure Cicero Instalação de campos de produção de sementes requer planejamento muito criterioso: diferentes espécies requerem técnicas especiais;

Leia mais

ESALQ. Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo. Prof. Dr. Walter F. Molina Jr Depto de Eng. de Biossistemas 2015

ESALQ. Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo. Prof. Dr. Walter F. Molina Jr Depto de Eng. de Biossistemas 2015 ESALQ Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo Prof. Dr. Walter F. Molina Jr Depto de Eng. de Biossistemas 2015 www.ler.esalq.usp.br/molina.htm Walter Molina: wfmolina@usp.br

Leia mais

A agricultura: Atividade económica do setor primário; A palavra agricultura significa a cultura do campo;

A agricultura: Atividade económica do setor primário; A palavra agricultura significa a cultura do campo; A agricultura A agricultura: Atividade económica do setor primário; A palavra agricultura significa a cultura do campo; Paisagem agrária: É a forma de cultivo e a divisão dos campos; É condicionada por

Leia mais

Critério de Classificação Cymbidium Vaso.

Critério de Classificação Cymbidium Vaso. Critério de Classificação Cymbidium Vaso. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que

Leia mais

Estratégias de colheita e beneficiamento para fibra de alta qualidade Engº Agrônomo Édio Brunetta Dir. Agroindustrial Grupo Itaquerê

Estratégias de colheita e beneficiamento para fibra de alta qualidade Engº Agrônomo Édio Brunetta Dir. Agroindustrial Grupo Itaquerê Estratégias de colheita e beneficiamento para fibra de alta qualidade Engº Agrônomo Édio Brunetta Dir. Agroindustrial Grupo Itaquerê Introdução: A qualidade da fibra do algodão é influenciada direta e

Leia mais

Implantação e Manutenção de Canteiros. Professora Juliana

Implantação e Manutenção de Canteiros. Professora Juliana Implantação e Manutenção de Canteiros Professora Juliana Implantação de Canteiros Como começar? Estudo preliminar: Levantamento de todos os dados técnicos do ambiente: Construções, acessos, iluminação,

Leia mais

ROSA DE CORTE. É determinado pelo tamanho da haste desde a sua base até a ponta do botão, obedecendo à tabela abaixo.

ROSA DE CORTE. É determinado pelo tamanho da haste desde a sua base até a ponta do botão, obedecendo à tabela abaixo. ROSA DE CORTE Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica a comunicação entre

Leia mais

Concimi Speciali TOMATE. Uso dos Produtos Biolchim em Tomaticultura Jorge Lucas Nunes de Mendonça; Bruno Gherardi

Concimi Speciali TOMATE. Uso dos Produtos Biolchim em Tomaticultura Jorge Lucas Nunes de Mendonça; Bruno Gherardi Concimi Speciali TOMATE Uso dos Produtos em Tomaticultura Jorge Lucas Nunes de Mendonça; Bruno Gherardi 179 Uso dos Produtos em Tomaticultura Jorge Lucas Nunes de Mendonça; Bruno Gherardi 1. Introdução

Leia mais

LINHA CONDOR. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

LINHA CONDOR. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650 17580000 Pompeia SP Tel. (14) 3405 2100 Fax. (14) 3452 1916 Email: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS. www.jacto.com.br

Leia mais

Critérios de Classificação Ixora.

Critérios de Classificação Ixora. Critérios de Classificação Ixora. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica

Leia mais

Informações básicas sobre os tratos culturais do maracujá

Informações básicas sobre os tratos culturais do maracujá Informações básicas sobre os tratos culturais do maracujá Clima e solo Escolha da cultivar Fábio Gelape Faleiro Posso utilizar sementes de plantios anteriores? Tecnologia do mudão Correção e preparo do

Leia mais

Critérios de Classificação Peperômia.

Critérios de Classificação Peperômia. Critérios de Classificação Peperômia. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica

Leia mais

Horta Biológica uma estratégia para a inclusão e a sustentabilidade

Horta Biológica uma estratégia para a inclusão e a sustentabilidade Horta Biológica uma estratégia para a inclusão e a sustentabilidade Escola Secundária Dr. João Carlos Celestino Gomes Ílhavo Coordenadora do projeto Eco-Escolas: Maria de Fátima Seabra Projeto Eco-Escolas:

Leia mais

Eng. Agrônomo Ricardo Moacir Konzen Coordenador de departamento Departamento de Meio Ambiente de Vera Cruz

Eng. Agrônomo Ricardo Moacir Konzen Coordenador de departamento Departamento de Meio Ambiente de Vera Cruz Eng. Agrônomo Ricardo Moacir Konzen Coordenador de departamento Departamento de Meio Ambiente de Vera Cruz agronomia@veracruz-rs.gov.br dema@veracruz-rs.gov.br 51 37183778 Vera Cruz - RS Distância de Porto

Leia mais

Oroplus FILMES PLASTICOS PARA COBERTURA DE VIDEIRAS

Oroplus FILMES PLASTICOS PARA COBERTURA DE VIDEIRAS Oroplus FILMES PLASTICOS PARA COBERTURA DE VIDEIRAS Oroplus Resistência Mecânica Proteção contra chuva e granizo Alta transmissão de luz Resistência aos raios ultravioletas Difusão de luz: Fotoseletividade:

Leia mais

371 - AVALIAÇÃO TÉCNICA E ECONÔMICA DE SISTEMA DE PRODUÇÃO DE HORTALIÇAS ORGÂNICA: UM ESTUDO DE CASO NA ILHA DOS MARINHEIROS

371 - AVALIAÇÃO TÉCNICA E ECONÔMICA DE SISTEMA DE PRODUÇÃO DE HORTALIÇAS ORGÂNICA: UM ESTUDO DE CASO NA ILHA DOS MARINHEIROS Desenvolvimento Rural Monferrer 371 - AVALIAÇÃO TÉCNICA E ECONÔMICA DE SISTEMA DE PRODUÇÃO DE HORTALIÇAS ORGÂNICA: UM ESTUDO DE CASO NA ILHA DOS MARINHEIROS RESUMO Lírio José Reichert 1 ; Paulo José Timm

Leia mais

Sistema Ecoparede. Jardim de Parede. Canguru

Sistema Ecoparede. Jardim de Parede. Canguru Sistema Ecoparede Jardim de Parede Canguru 2 Especificação O Sistema Jardim de Parede Canguru é o conjunto dos seguintes elementos: Jardim de Parede Canguru Cremalheira 100 mm branco Grade de Jardim de

Leia mais

RELAÇÃO SOLO, ÁGUA, PLANTA. Engº Agrº Nilton Brittos da Silva ESREG- ESTRELA JUNHO/07

RELAÇÃO SOLO, ÁGUA, PLANTA. Engº Agrº Nilton Brittos da Silva ESREG- ESTRELA JUNHO/07 RELAÇÃO SOLO, ÁGUA, PLANTA Engº Agrº Nilton Brittos da Silva ESREG- ESTRELA JUNHO/07 RELAÇÃO SOLO-ÁGUA-CLIMA E PLANTA A irrigação não deve ser considerada, apenas, como a captação, condução e o fornecimento

Leia mais

INFLUÊNCIA DO SISTEMA DE CULTIVO SOBRE A PRODUÇÃO DE ALFACE

INFLUÊNCIA DO SISTEMA DE CULTIVO SOBRE A PRODUÇÃO DE ALFACE INFLUÊNCIA DO SISTEMA DE CULTIVO SOBRE A PRODUÇÃO DE ALFACE Matheus D. LAIRA 1 ; Marcos C. RIBEIRO 2 ; Sindynara FERREIRA 3 ; RESUMO A Hidroponia é uma técnica agrícola onde cultiva-se plantas sem a necessidade

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Produção e Tecnologia de Sementes Código da Disciplina: AGR 271 Curso: Agronomia Semestre de oferta da disciplina: 6 Faculdade responsável: Agronomia Programa em vigência

Leia mais

Comunicado. Técnico. Conservação de sementes de hortaliças na agricultura familiar. Introdução

Comunicado. Técnico. Conservação de sementes de hortaliças na agricultura familiar. Introdução Comunicado 54 Técnico ISSN 1414-9850 Junho, 2008 Brasília, DF Conservação de sementes de hortaliças na agricultura familiar Warley Marcos Nascimento 1 Raquel Alves de Freitas 2 Mariana Dierings Croda 3

Leia mais

Características biométricas de cafeeiro intercalado com diferentes sistemas de produção de abacaxizeiro para agricultura familiar do Projeto Jaíba

Características biométricas de cafeeiro intercalado com diferentes sistemas de produção de abacaxizeiro para agricultura familiar do Projeto Jaíba Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 8., 2011, Belo Horizonte Características biométricas de cafeeiro intercalado com diferentes sistemas de produção de abacaxizeiro para agricultura familiar

Leia mais

Experiências Agroflorestais na Comunidade de Boqueirão. Renato Ribeiro Mendes Eng. Florestal, Msc

Experiências Agroflorestais na Comunidade de Boqueirão. Renato Ribeiro Mendes Eng. Florestal, Msc Experiências Agroflorestais na Comunidade de Boqueirão Renato Ribeiro Mendes Eng. Florestal, Msc Localização da área de estudo Dados Climáticos da Região Clima Tropical semi-úmido, com 4 a 5 meses de seca

Leia mais

HORIZONTAL DE ALUMÍNIO

HORIZONTAL DE ALUMÍNIO HORIZONTAL DE ALUMÍNIO Junho/0 Acionamentos Padrão e mm 0 9. Trilho superior em aluzinco: (CCO00xxx). Trilho inferior em aluzinco: (CCO00xxx). Tampa lateral do trilho superior: (CCO0xxx). Tampa lateral

Leia mais

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE 16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE EM RELAÇÃO AO FORMULADO PADRÃO O objetivo deste trabalho foi avaliar o desempenho do fertilizante Farture (00-12-12) em diferentes dosagens em relação ao

Leia mais

Estrutura para produção de mudas de hortícolas

Estrutura para produção de mudas de hortícolas CAPÍTULO 6 6.1 Introdução Estrutura para produção de mudas de hortícolas Hipólito Alberto Malia Henoque R. da Silva Francisco Vilela Resende A produção de mudas em estufas é uma prática fundamental para

Leia mais

MELANCIA GUADALUPE HÍBRIDO F1

MELANCIA GUADALUPE HÍBRIDO F1 MELANCIA GUADALUPE HÍBRIDO F1 TIPO: ICE BOX Farroupilha, 26 de Agosto de 2011. Cicr A Feltrin Sementes lança em sua linha a Melancia Guadalupe Híbrido F1, tipo Ice Box, sem sementes, que se destaca pela

Leia mais

MUDAS ENXERTADAS COM QUALIDADE

MUDAS ENXERTADAS COM QUALIDADE Resistências Qualidade MUDAS ENXERTADAS COM QUALIDADE Produtividade Por que realizar a enxertia? Quais as vantagens da enxertia? Qual a importância no Brasil e no Mundo? Qual o custo/benefício da enxertia?

Leia mais

IT AGRICULTURA IRRIGADA

IT AGRICULTURA IRRIGADA 4 Manejo da irrigação 4.1 Introdução A água é fator limitante para o desenvolvimento agrícola, sendo que tanto a falta ou excesso afetam o crescimento, a sanidade e a produção das plantas. O manejo racional

Leia mais

Cultivo ao ar livre e cultivo protegido. Prof a. Jocleita Peruzzo Ferrareze, Dr a

Cultivo ao ar livre e cultivo protegido. Prof a. Jocleita Peruzzo Ferrareze, Dr a Cultivo ao ar livre e cultivo protegido Prof a. Jocleita Peruzzo Ferrareze, Dr a Horticultura Horticultura: É a parte da agricultura que diz respeito as culturas de jardins. A horticultura trata de uma

Leia mais

Sistema Ecoparede. Jardim de Parede. Canguru

Sistema Ecoparede. Jardim de Parede. Canguru Sistema Ecoparede Jardim de Parede Canguru 2 Especificação O Sistema Jardim de Parede Canguru é o conjunto dos seguintes elementos para proporcionar a colocação de vegetação em paredes: Módulos Jardim

Leia mais

MANEJO DE IRRIGAÇÃO PARA PLANTAS OLEAGINOSAS. Daniel Vieira Silva

MANEJO DE IRRIGAÇÃO PARA PLANTAS OLEAGINOSAS. Daniel Vieira Silva MANEJO DE IRRIGAÇÃO PARA PLANTAS OLEAGINOSAS Daniel Vieira Silva Plantas Oleaginosas Aumento no uso dos óleos vegetais para a produção de biodiesel. Políticas de incentivo ao cultivo. Necessidade de farelos

Leia mais

Material Refletivo 3M Scotchlite Tecido Prata Antichama 8935 para lavagem industrial

Material Refletivo 3M Scotchlite Tecido Prata Antichama 8935 para lavagem industrial Boletim Técnico Material Refletivo 3M Scotchlite Material Refletivo 3M Scotchlite Tecido Prata Antichama 8935 para lavagem industrial Descrição industrial foi desenvolvido para uso em vestuários de segurança

Leia mais

Critério de Classificação Begônia Vaso.

Critério de Classificação Begônia Vaso. Critério de Classificação Begônia Vaso. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que

Leia mais

Sementes de. A Linha de Sementes de Soja Dow AgroSciences avança sem parar. Com um portifólio adaptado para as principais regiões do país e variedades

Sementes de. A Linha de Sementes de Soja Dow AgroSciences avança sem parar. Com um portifólio adaptado para as principais regiões do país e variedades Sementes de SOJA A Linha de Sementes de Soja Dow AgroSciences avança sem parar. Com um portifólio adaptado para as principais regiões do país e variedades de alto potencial produtivo, os produtores têm

Leia mais

MÉTODOS DE MANEJO DA IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DA ALFACE AMERICANA

MÉTODOS DE MANEJO DA IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DA ALFACE AMERICANA MÉTODOS DE MANEJO DA IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DA ALFACE AMERICANA VIEIRA, T.A. 1 ; SANTANA, M.J. 2 ; BIULCHI, P.A. 2 ; VASCONCELOS, R.F. 3 1 Estudante de Agronomia do CEFET Uberaba MG, bolsista FAPEMIG, e-mail:

Leia mais

Gestão dos solos em viticultura de encosta

Gestão dos solos em viticultura de encosta Workshop Gestão dos solos em viticultura de encosta Pinhão, 28 de outubro de 2013 Sérgio Vieira Inicio de atividade no ano de 2005 Localizada na Zona Industrial de Vila Real Atua na comercialização de

Leia mais

I - NATURAL II - ESTRUTURAL. Os problemas estruturais que caracterizam a agricultura nacional podem ser de ordem:

I - NATURAL II - ESTRUTURAL. Os problemas estruturais que caracterizam a agricultura nacional podem ser de ordem: Os problemas estruturais que caracterizam a agricultura nacional podem ser de ordem: I - NATURAL Relacionados com condicionalismos naturais, já que a atividade agrícola está muito dependente de fatores

Leia mais

Agentes causadores. Mecanização agrícola. Compactação sob as rodas dos veículos distribuição de pressão no solo.

Agentes causadores. Mecanização agrícola. Compactação sob as rodas dos veículos distribuição de pressão no solo. Agentes causadores Mecanização agrícola Compactação sob as rodas dos veículos distribuição de pressão no solo. Peso do veículo que determinará o total da força exercida Tamanho da área de contato entre

Leia mais

Nutrição Mineral de Plantas-PPGHT. Manejo de nutrientes em cultivo protegido. Aula 2 Prof. Josinaldo L. Araujo

Nutrição Mineral de Plantas-PPGHT. Manejo de nutrientes em cultivo protegido. Aula 2 Prof. Josinaldo L. Araujo Nutrição Mineral de Plantas-PPGHT Manejo de nutrientes em cultivo protegido Aula 2 Prof. Josinaldo L. Araujo APLICAÇÃO DO CULTIVO PROTEGIDO A) Pesquisa - Pesquisa básica em solos e nutrição de plantas

Leia mais

Cultivo de Plantas em Ambiente Protegido. (Aula 4)

Cultivo de Plantas em Ambiente Protegido. (Aula 4) Cultivo de Plantas em Ambiente Protegido (Aula 4) APLICAÇÃO CULTIVO PROTEGIDO A) Pesquisa - Pesquisa básica em solos e nutrição de plantas - Estudos de biotecnologia e biologia molecular B) Prática - Hidroponia

Leia mais

TELADO PARA PRODUÇÃO DE FOLHOSAS MODELO PESAGRO RIO

TELADO PARA PRODUÇÃO DE FOLHOSAS MODELO PESAGRO RIO 1 Informe Técnico 31 ISSN 0101-3769 TELADO PARA PRODUÇÃO DE FOLHOSAS MODELO PESAGRO RIO Marco Antonio de Almeida Leal Introdução A produção de hortaliças folhosas é uma importante fonte de renda para muitos

Leia mais

PRAZER DE COMER E BEBER BEM: A ESSÊNCIA DA MARCA RAR.

PRAZER DE COMER E BEBER BEM: A ESSÊNCIA DA MARCA RAR. PRAZER DE COMER E BEBER BEM: A ESSÊNCIA DA MARCA RAR. A marca RAR é sinônimo de qualidade, sabor, tradição, inovação, procedência. Em todas as suas ações com os seus clientes, fornecedores, consumidores

Leia mais

Critérios de Classificação Hortênsia Vaso.

Critérios de Classificação Hortênsia Vaso. Critérios de Classificação Hortênsia Vaso. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento

Leia mais

ARBUS 2000 TP. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) www. jacto.com.br

ARBUS 2000 TP. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) www. jacto.com.br Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - www. jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS. Imagens

Leia mais

Estratégias municipais para o setor primário no Distrito de Moreno, Buenos Aires

Estratégias municipais para o setor primário no Distrito de Moreno, Buenos Aires Estratégias municipais para o setor primário no Distrito de Moreno, Buenos Aires E. Craig, L. Falco e L. Sabatte IMDEL, Prefeitura de Moreno, Universidade de Luján, Buenos Aires, Argentina Introdução O

Leia mais

VIOLETA DE VASO. Mín. de 08 flores abertas e demais botões

VIOLETA DE VASO. Mín. de 08 flores abertas e demais botões VIOLETA DE VASO Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica a comunicação entre

Leia mais

E-BOOK PDF ISBN Preço 9,50

E-BOOK PDF ISBN Preço 9,50 E-BOOK PDF ISBN 978-88-98268-56-6 Preço 9,50 Cultivar uma horta 007205 Bruno Del Medico Ilustrações de Elisabetta Del Medico. Como cultivar uma horta excepcional Pequenos truques e segredos antigos 3 Copyright

Leia mais

Sistema Laminar Médio. Ecotelhado. ECOTELHADO : Fone: (51) site:

Sistema Laminar Médio. Ecotelhado. ECOTELHADO : Fone: (51) site: - Sistema Laminar Médio Ecotelhado Fone: (51) 3242.8215 2 Especificações O Sistema Laminar Médio Ecotelhado é o conjunto dos seguintes elementos: Módulo Piso Nuvem Membrana de Absorção Substrato Leve Ecotelhado

Leia mais

Comunicado Técnico 09

Comunicado Técnico 09 Comunicado Técnico 09 ISSN 2177-854X Maio. 2011 Uberaba - MG Regulagem de Pulverizadores Agrícolas de Barras Responsável: Paulo Roberto Pala Martinelli E-mail: prpmartinelli@yahoo.com.br Engenheiro Agrônomo;

Leia mais

Manejo de pragas da cana-de-açúcar ao longo do ciclo de produção

Manejo de pragas da cana-de-açúcar ao longo do ciclo de produção Manejo de pragas da cana-de-açúcar ao longo do ciclo de produção Eng. Agr. Jesus Carmo Desenvolvimento Tecnico de Mercado Cana-de-Açúcar Syngenta jesus.carmo@syngenta.com O atual cenário Os desafios no

Leia mais

Critério de Classificação Poensettia Vaso.

Critério de Classificação Poensettia Vaso. Critério de Classificação Poensettia Vaso. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento

Leia mais

BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS O CICLO DA AGRICULTURA PARA A VIDA. Soluções para um Mundo em Crescimento

BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS O CICLO DA AGRICULTURA PARA A VIDA. Soluções para um Mundo em Crescimento BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS O CICLO DA AGRICULTURA PARA A VIDA Soluções para um Mundo em Crescimento 02 BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS: O CICLO DA AGRICULTURA PARA A VIDA Unir e beneficiar agricultores, comunidade

Leia mais

SELO DE QUALIDADE DA GRAMA: UMA PROPOSTA

SELO DE QUALIDADE DA GRAMA: UMA PROPOSTA SELO DE QUALIDADE DA GRAMA: UMA PROPOSTA Prof. Dr. Roberto Lyra Villas Bôas Prof. Dr. Leandro Jose Grava de Godoy Botucatu Maio/2010 Conceito de qualidade Conjunto de características que compõe o produto

Leia mais

SISTEMAS DE SOMBREAMENTO

SISTEMAS DE SOMBREAMENTO SISTEMAS DE SOMBREAMENTO DESCRIÇÃO DO PRODUTO S i s t e m a O sistema, é um estore sólido e elegante desenhado para coberturas grandes envidraçadas horizontais ou enclinadas. Quando montado no exterior

Leia mais

SISTEMA DE PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS - UNIDADE DE REFERÊNCIA DA ILHA DOS MARINHEIROS RIO GRANDE, RS

SISTEMA DE PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS - UNIDADE DE REFERÊNCIA DA ILHA DOS MARINHEIROS RIO GRANDE, RS SISTEMA DE PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS - UNIDADE DE REFERÊNCIA DA ILHA DOS MARINHEIROS RIO GRANDE, RS LÍRIO JOSÉ REICHERT 1 INTRODUÇÃO A Ilha dos Marinheiros está localizada na margem oeste da Lagoa

Leia mais

EFEITO DE SOLARIZAÇÃO SOBRE A PRODUÇÃO DE TOMATE DE MESA E DE INDUSTRIA EM UMA ESTUFA MODELO CAPELA

EFEITO DE SOLARIZAÇÃO SOBRE A PRODUÇÃO DE TOMATE DE MESA E DE INDUSTRIA EM UMA ESTUFA MODELO CAPELA EFEITO DE SOLARIZAÇÃO SOBRE A PRODUÇÃO DE TOMATE DE MESA E DE INDUSTRIA EM UMA ESTUFA MODELO CAPELA REIS, N.V.B. 1 CHARCHAR, J.M. 2 CARRIJO, O.A. 3 Termos para indexação: tomate, Lycopersicon esculentum,

Leia mais

Manejo de água em cultivo orgânico de banana nanica

Manejo de água em cultivo orgânico de banana nanica Manejo de água em cultivo orgânico de banana nanica Water management in organic cultivation of banana nanica PINTO, José Maria. Embrapa Semiárido, Petrolina, PE, jmpinto@cpatsa.embrapa.br; GALGARO, Marcelo.

Leia mais

CIMIS CALIFORNIA IRRIGATION MANAGEMENT INFORMATION SYSTEM

CIMIS CALIFORNIA IRRIGATION MANAGEMENT INFORMATION SYSTEM APOIO AO IRRIGANTE: O MANEJO DA IRRIGAÇÃO COM O CIMIS CALIFORNIA IRRIGATION MANAGEMENT INFORMATION SYSTEM Discentes: Maria Eliza Falaschi Nucci Patrícia Helena Junqueira Prof. Dr. Fernando Braz Tangerino

Leia mais

Viveiricultura e Sementes florestais Profa. Cristiana C. Miranda

Viveiricultura e Sementes florestais Profa. Cristiana C. Miranda Viveiricultura e Sementes florestais Profa. Cristiana C. Miranda Adaptado de Érika Cortinez- UFRRJ Contextualizando Cadeia Produtiva da Restauração Florestal SEA, 2010 Viveiros florestais permanentes Tem

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÃO. Indicado para uso em ambientes como salas de estar, dormitório, salas de estudos, etc.

MANUAL DE INSTRUÇÃO. Indicado para uso em ambientes como salas de estar, dormitório, salas de estudos, etc. MANUAL DE INSTRUÇÃO DESIDRAT PLUS Principais funções: 1. Retira até 10 litros/dias de água. Indicado para uso em ambientes como salas de estar, dormitório, salas de estudos, etc. Capacidade máxima de acúmulo

Leia mais

Otimização do Uso da Água na Agricultura Irrigada

Otimização do Uso da Água na Agricultura Irrigada São Mateus, ES 02 de setembro de 2016 Otimização do Uso da Água na Agricultura Irrigada Prof. Ds. Robson Bonomo Programa de Pós-graduação em Agricultura Tropical Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas

Leia mais

18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA

18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA 18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO DE MACRONUTRIENTES EM PÓS- EMERGÊNCIA DA CULTURA O objetivo neste trabalho foi avaliar a aplicação de macronutrientes de diversas fontes e épocas de aplicação

Leia mais

Cultivo do Morango Orgânico em Unidade Demonstrativa com agricultores familiares do Município de Sete Lagoas MG

Cultivo do Morango Orgânico em Unidade Demonstrativa com agricultores familiares do Município de Sete Lagoas MG Cultivo do Morango Orgânico em Unidade Demonstrativa com agricultores familiares do Município de Sete Lagoas MG CARVALHO, Érika. R., EMATER-MG erika.carvalho@emater.mg.gov.br ; SMÕES, Juliana C., EPAMG,

Leia mais

AGRONOMIA. COORDENADOR Carlos Alberto de Oliveira

AGRONOMIA. COORDENADOR Carlos Alberto de Oliveira AGRONOMIA COORDENADOR Carlos Alberto de Oliveira calberto@ufv.br 42 Currículos dos Cursos UFV Engenheiro Agrônomo ATUAÇÃO Compete ao Engenheiro Agrônomo desempenhar as atividades profissionais previstas

Leia mais

CULTIVARES DE SOJA (2005/06) Unidades Demonstrativas

CULTIVARES DE SOJA (2005/06) Unidades Demonstrativas CULTIVARES DE SOJA (2005/06) Unidades Demonstrativas Cultivares da Embrapa Soja: Embrapa 48 Grupo de Maturação: Precoce/Semiprecoce; *Semeadura: a partir de 25/10 até 10/12; Substituiu a cv. BR-16; *Alto

Leia mais