Rede ethernet. Eng. Alessandro Coneglian Bianchini

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rede ethernet. Eng. Alessandro Coneglian Bianchini"

Transcrição

1 Rede ethernet Eng. Alessandro Coneglian Bianchini

2 Apresentação Alessandro Coneglian Bianchini exerce a função de engenheiro na NEC Brasil, atuando na elaboração de projetos e implantação de VoIP, Wireless, Redes e Segurança da informação; formado em engenharia elétrica com ênfase em telecomunicações pela Escola de Engenharia Mauá-SP, pós-graduado em segurança da informação pelo IBTA-SP e também pós-graduado em engenharia de rede e sistema de telecomunicações pelo INATEL-MG; Possui certificações de fabricantes como Cisco,Allied Telesyn, Fortinet e Vmware. 2

3 Certificações VCP 4 Vmware Certified Professional 4.0 VCP 3 Vmware Certified Professional 3.0 ITIL v3 Foundation CCNP - Cisco Certified Network Professional CCDP - Cisco Certified Design Professional CCVP - Cisco Certified Voice Professional CCSP - Cisco Certified Security Professional CCNA - Cisco Certified Network Associate CCDA - Cisco Certified Design Associate CAWDS Cisco Advanced Wireless Design Specialist CAWFS Cisco Advanced Wireless Field Specialist CISS - Cisco Information Security Specialist CIOSSS - Cisco IOS Security Specialist CFWS - Cisco Firewall Specialist CIPSS - Cisco IPS Specialist FCNSA- Fortinet Certified Network Security Administrator CAIR Certified Allied installation Router CAIS Certified Allied installation switch CASE Certified Allied system engineer 4011 Recognition - CNSS (Committee on National Security Systems) 4013 Recognition CNSS (Committee on National Security Systems) 3

4 AGENDA Design Modelo Hierárquico Cisco Exemplos Configuração básica do Switch Cisco VLANs VTP SPANNING TREE Etherchannel Segurança em Redes Ethernet Gerenciamento QoS 4

5 DESIGN REDE Alta Disponibilidade (5-9 s) Escalabilidade 5

6 MODELO HIERÁRQUICO CISCO Criação de topologia modular Cada camada tem função especifica 6

7 MODELO HIERÁRQUICO CISCO CAMADA DE ACESSO Switches que fazem conexão com dispositivos de rede (pcs, impressoras, etc) Camada onde são configuradas grande parte das funcionalidades rede (QoS, 802.1x, supressão broadcast,etc) Geralmente Switches Layer 2 7

8 MODELO HIERÁRQUICO CISCO CAMADA DE DISTRIBUIÇÃO Agregam switches de acesso Prover disponibilidade, balanceamento, QoS Swiches Layer 2 ou 3 HSRP/GLBP 8

9 MODELO HIERÁRQUICO CISCO CORE Agregam switches de distribuição Poucas funcionalidades implementadas nesta camada Equipamentos de alto desempenho Redundância, balanceamento e convergência rápida Switches Layer3 9

10 PROTOCOLO ROTEAMENTO Core Core Core Distribuição Por que usar: - Rápida convergência - Contingência: construção de caminhos redundantes - Eliminação de spanning-tree nestas camadas da rede 10

11 PROTOCOLO ROTEAMENTO NÃO há tempo de recovergência da rede 11

12 EXEMPLO: TOPOLOGIA PROPOSTA LAN MACRO Secretarias Catalyst TT LAYER 2 Acesso 1Gbps UTP Catalyst 3560G-24T Catalyst 3560G-24T Catalyst 3560G-24T Catalyst 3560G-24T LAYER 2 ou 3 Distribution 1Gbps FO multimodo Catalyst 6509 Catalyst 6509 LAYER 3 Core 1Gbps UTP 1Gbps FO SX Server Farm 12

13 REDUNDÂNCIA PREVISTA Switches Core Redundância da placa supervisora e Fonte de Alimentação 2 pares de fibra em link agregation entre switches Core e Distribution 2 pares de fibra para Interligação entre Swiches Core em placas supervisoras distintas Tempo previsto de indisponibilidade da rede será igual ao tempo para que a placa supervisora back-up assuma o controle, que é de aproximadamente 3 segundos. Interligação entre switches Core e Distribution: HSRP ou protocolo roteamento Funcionamento da rede mesmo em caso de falha em um dos switches Core sem que haja intervenção manual. 13

14 INTERFACE CONFIGURAÇÃO DO SWITCH 14

15 INTERFACE DE CONFIGURAÇÃO Cisco IOS (CLI) Interface Web 15

16 CISCO IOS COMAND LINE INTERFACE User EXEC: comandos monitoração Privileged EXEC: comandos configuração e gerenciamento 16

17 CISCO IOS COMAND LINE INTERFACE User EXEC Mode Prompt (>) Privileged (or Enabled) EXEC Mode Prompt (#) Entrar/sair modo privilegiado: hostname> enable hostname# disable 17

18 CISCO IOS COMAND LINE INTERFACE CONFIGURATION MODE Global Configuration Mode Interface Configuration Mode Configuração armazenada na running-config (DRAM Dynamic Random Access Memory) Para salvar configuração na startup-config (NVRAM Non-Volatile Random Access Memory): 18

19 CISCO IOS COMAND LINE INTERFACE CONFIGURAÇÃO INICIAL Setup wizard 19

20 CISCO IOS COMAND LINE INTERFACE CONFIGURAÇÃO BÁSICA Hostname do switch Endereço IP para switch Default-gateway Habilitar roteamento no switch (Catalyst 3750/3560) 20

21 HOSTNAME - EXEMPLO 21

22 CISCO IOS COMAND LINE INTERFACE CONFIGURAÇÃO BÁSICA Banner EXEC banner exec ^C Location: Centro Administrativo, 2AND - Datacenter Hostname: $(hostname) ^C Banner Login banner login & *************************************************************************************** * * AVISO * * ACESSO PERMITIDO SOMENTE A PESSOAS AUTORIZADAS. * TODAS AS CONEXOES ESTAO SENDO MONITORADAS. * A UTILIZACAO INAPROPRIADA E/OU NAO AUTORIZADA PODE * RESULTAR EM PENALIDADES PREVISTAS EM LEI. * *************************************************************************************** * Warning * * ACCESS PERMITTED ONLY TO AUTHORIZED PEOPLE. * ALL ACTIVITIES AND CONNECTIONS ARE BEEN MONITORED. * INAPPROPRIATE OR NOT AUTHORIZED ACCESS MAY RESULT IN * LAW PENALTIES. **************************************************************************************** & 22

23 CISCO IOS COMAND LINE INTERFACE CONFIGURAÇÃO BÁSICA Banner MOTD banner motd ^C Manutencão preventiva sabado dia 10/10/2009 ^C Variaveis motd login exec $(hostname) YES YES YES $(domain) YES YES YES $(line) YES YES YES $(line-desc) YES YES YES 23

24 CISCO IOS COMAND LINE INTERFACE CONFIGURAÇÃO BÁSICA Versão switch 24

25 CISCO IOS COMAND LINE INTERFACE CONFIGURAÇÃO BÁSICA Mostrar configuração corrente do switch 25

26 CISCO IOS COMAND LINE INTERFACE CONFIGURAÇÃO BÁSICA Mostrar estatísticas das interfaces 26

27 CISCO IOS COMAND LINE INTERFACE CONFIGURAÇÃO BÁSICA Senhas Senha de Enable Switch(config)#enable password cisco Switch(config)#enable secret cisco Senha de Console Switch(config)#line console 0 Switch(config)#exec-timeout 5 0 Switch(config-line)#password cisco 27

28 CISCO IOS COMAND LINE INTERFACE CONFIGURAÇÃO BÁSICA Senhas Senha de Telnet Switch(config)#line vty 0 15 Switch(config-line)#password cisco Switch(config-line)#exec-timeout 5 0 Criptografa Senha Router(config)#service password-encryption 28

29 AUTENTICAÇÂO CENTRALIZADA 29

30 EXEMPLO DE CONFIGURAÇÂO username ADMIN password senha1234 radius-server host auth-port 1812 key <senha> radius-server host auth-port 1812 key <senha> Ou tacacs-server host single-connection key <senha> tacacs-server host <acs2> single-connection key <senha> aaa new-model aaa authentication login default group tacacs+ local aaa authorization exec default group tacacs+ local aaa accounting exec default group tacacs+ local line con 0 exec-timeout 0 0 login authentication default line vty 0 15 exec-timeout 3 0 login authentication default 30

31 Cisco Discovery Protocol (CDP) Protocolo Proprietário Cisco Coletar informações dos dispositivos diretamente conectados Informações Hardware Informações Protocolo Troubleshooting e Documentação da rede Habilitado por default Desabilitar o CDP em todo dispositivo: Switch(config)#no cdp run Desabilitar o CDP em um única interface: Switch(config)# int fa0/1 Switch(config)# no cdp enable 31

32 Cisco Discovery Protocol (CDP) CDP Timers & Holdtime Information CDP Timer: frequencia que CDPs são transmitidos para todas as interfaces ativas CDP Holdtime: Tempo que o dispositivo irá manter os pacotes recebidos dos dispositivos vizinhos Switch#sh cdp Global CDP information Sending CDP packets every 60 seconds Sending a holdtime value of 180 seconds Ajustando os paramentros Switch#config t Switch(config)#cdp timer 90 Switch(config)#cdp holdtime

33 Cisco Discovery Protocol (CDP) Neighbor Information Mostra informações dos dispositivos diretamente conectados Pacotes CDP não passam através switches Switch#show cdp neigbors or Switch#show cdp neighbor detail Detailed information; hostname, IP address, etc 33

34 Cisco Discovery Protocol (CDP) Neighbor Information 34

35 Virtual LAN (VLAN) 35

36 Virtual LAN (VLAN) Agrupamento lógico de usuários da rede e recursos conectados no switch. Criação de Domínios de Broadcast Organizado por: Localização Função Departamento Aplicação ou protocolo 36

37 VLANs - BENEFÍCIOS Simplifica gerenciamento da rede Provê um maior nível de segurança em relalação à rede flat Flexibilidade e Escalabilidade Reduz dominio de Broadcast 37

38 VLAN PORTAS DE ACESSO Associado à uma única VLAN 38

39 CONFIGURAÇÃO DE VLANs PORTA ACESSO 39

40 show interfaces show vlan VERIFICANDO VLANs Nota: se a porta não esta associado a nenhuma VLAN é por que está Em TRUNK 40

41 VLAN PORTA TRUNK Várias vlans no mesmo link Identificador único em cada frame 41

42 VLAN: TRUNK 802.1Q e ISL ISL: Proprietário Cisco, encapsulamento de frame 802.1Q: Não-proprietário (Padrão IEEE), adiciona campo (tag) no cabeçalho do frame (exceto para vlan nativa) 42

43 TRUNK 802.1Q: VLAN NATIVA Frames da vlan nativa trafegam no trunk sem tag 43

44 VLAN: RANGE 44

45 CONFIGURAÇÃO DE TRUNK Trunk pode ser configurado manualmente ou via DTP (Dynamic Trunk Protocol) DTP negocia trunk na porta 45

46 NEGOCIAÇÃO DE TRUNK (DTP) Negociação do trunk via DTP ocorre quando habilitado nas duas pontas da conexão show dtp interface Para verificar negociação do trunk 46

47 CONFIGURAÇÃO DE TRUNK: 802.1Q 47

48 VERIFICANDO CONFIGURAÇÕES DE TRUNK 802.1Q: COMANDOS 48

49 VERIFICANDO CONFIGURAÇÕES DE DYNAMIC TRUNK 802.1Q (DTP): COMANDOS 49

50 CONFIGURAÇÃO DE TRUNK: ISL 50

51 VERIFICANDO CONFIGURAÇÕES DE TRUNK ISL: COMANDOS 51

52 TROUBLESHOOTING - TRUNK - Configuração DTP inconsistente - Encapsulamento do trunk (ISL, 802.1Q) diferentes - Domínio de VTP diferentes - Capacidade de hardware das portas 52

53 TROUBLESHOOTING TRUNK (CONT.) Para portas que não requerem trunk, DTP deve ser desabilitada Para portas que requerem trunk, configurar trunk e nonnegociate 53

54 VLAN Trunk Protocol (VTP) Grupo de switches que trocam informações de VLAN VLANs administrados centralmente por um determinado switch 54

55 PROTOCOLO VTP Anúncio com informação de configuração de VLAN Mantêm consistência de configuração de VLAN no domínio VTP Envia anúncios somente em portas trunk 55

56 MODOS DE OPERAÇÃO DO VTP SERVER (default) -Cria, modifica, apaga VLANs -Envia e encaminha anúncios VTP -Sincroniza configuração de VLANs -Salva configuração na NVRAM CLIENT - Não pode criar, modificar ou apagar VLANs - Encaminha anúncios VTP - Sincroniza configuração de VLANs - Não salva configuração na NVRAM TRANSPARENT - Cria, modifica, apaga VLANs - Encaminha anúncios VTP - Não sincroniza configuração de VLANs - Salva configuração na NVRAM 56

57 VTP PRUNING VTP Pruning utiliza banda com maior eficiência Flooding de broadcast é encaminhado somente para portas associadas àquela vlan. 57

58 OPERAÇÃO DO VTP Anúncio VTP enviado em multicast VTP Server e Client são atualizados para o último revision number Anúncios VTP enviados a cada 5 minutos ou quando tiver alguma alteração 58

59 CONFIGURAÇÃO DE VTP Configurando VTP: vtp mode vtp domain vtp password Verificando VTP: show vtp status show vtp counters 59

60 CONFIGURANDO VTP S1(config)#vtp mode server S1(config)#vtp domain cisco S1(config)#vtp password cisco S2(config)#vtp mode client S2(config)#vtp domain cisco S2(config)#vtp password cisco S3(config)#vtp mode transparent S3(config)#vtp domain cisco S3(config)#vtp password cisco 60

61 VERIFICANDO VTP 61

62 VERIFICANDO VTP (Cont.) 62

63 TROUBLESHOOTING VTP Problemas comuns: Updates não recebidos - domínio de VTP e senha devem ser iguais - versão VTP deve ser compatível com outros switches do domínio - deve haver pelo menos um VTP Server - checar se há conexão trunk com VTP Server VLANs faltando na configuração - configuração foi sobrescrita por outro switch - Vlan foi apagada do switch VTP Server - modelo do switch não entende vlan estendida (acima 1005) Muitas VLANs configuradas nos switches - Separar em domínios de VTP 63

64 ROTEAMENTO ENTRE VLANs 64

65 ROTEAMENTO ENTRE VLANs CONFIGURAÇÃO: ip routing Interface vlan 10 - ip address Router eigrp 50 - network

66 ROTEAMENTO ENTRE VLANs ip routing!habilita roteamento no switch interface vlan10 ip address interface vlan20 ip address interface fa0/1!routed Port no switchport ip address ip route Verificando tabela roteamento: show ip route 66

67 EXEMPLO DE ENDEREÇAMENTO 10. X. Y. Z Octeto que representa a filial Octeto que representa o VLAN ID Octeto que representa o Host Ex Filial 1, VLAN Filial 2, VLAN 20 67

68 EXEMPLO DE ENDEREÇAMENTO Filial Rede Vlan RIO DEJANEIRO FORTALEZA /24 SERVIDOR /24 GERENCIA /24 RECEPCAO /24 TECNICO /24 ADMINISTRATIVO /24 VOIP /24 VIDEO /24 VISITANTE /24 SERVIDOR /24 GERENCIA /24 TECNICO /24 SELECAO /24 ADMINISTRATIVO /24 VOIP /24 VIDEO /24 VISITANTE 68

69 DHCP 69

70 DHCP SERVER Switch(config)#ip dhcp excluded-address Switch(config)# ip dhcp pool DHCP-APS Switch(dhcp-config)# network Switch(dhcp-config)# domain-name nec.com.br Switch(dhcp-config)# default-router Switch(dhcp-config)# option 60 ascii "Cisco AP c1130" Switch(dhcp-config)# option 43 hex f108.0afe.fd04.0afe.fd06 Switch(dhcp-config)# lease 1 DHCP RELAY Switch(config)#interface vlan 10 Switch(config-if)# ip address Switch(config-if)# ip helper-address

71 IP HELPER-ADDRESS Serviço Porta Time 37 TACACS 49 DNS 53 BOOTP/DHCP Server 67 BOOTP/DHCP Client 68 TFTP 69 NetBIOS name service 137 NetBIOS datagram service 138 Exemplo RTA(config-if)#ip helper-address RTA(config-if)#exit RTA(config)#ip forward-protocol udp 517 RTA(config)#no ip forward-protocol udp 37 RTA(config)#no ip forward-protocol udp 49 RTA(config)#no ip forward-protocol udp 137 RTA(config)#no ip forward-protocol udp

72 ETHERCHANNEL 72

73 Agregação lógica links ETHERCHANNEL Balanceamento Redundância 73

74 ETHERCHANNEL Apenas portas com características idênticas podem ser agregadas. Configuração: Automática: PAgP: Port Aggregation Protocol (Cisco) LACP: Link Aggregation Control Protocol (IEEE 802.3) Manual: On: sem protocolo de negociação Usado apenas para compatibilidade entre switches que não suportam os protocolos de negociação. 74

75 ETHERCHANNEL PAgP Port Aggregation Protocol Protocolo proprietário da cisco Agrupa automaticamente portas com as mesmas caracterísiticas: Velocidade, modo duplex, native VLAN, VLAN range, trunking status. Porta Access devem pertencer a mesma VLAN Portas Trunk devem pertencer a mesma native VLAN O grupo de portas é passado ao protocolo Spanning-Tree como sendo uma porta única. Permite agregar até 8 portas. 75

76 ETHERCHANNEL LACP - Link Aggregation Protocol Padrão IEEE 802.3ad Modos de operação: Passivo Similar ao modo auto PAgP Ativo Similar ao modo desirable PAgP Permite agregar até 16 portas, mas apenas 8 estão ativas num dado instante. 76

77 ETHERCHANNEL - CONFIGURAÇÃO interface port-channel [channel-group-number] channel-protocol [pagp lacp] channel-group 2 mode [active auto desirable on passive] active Enable LACP unconditionally auto Enable PAgP only if a PAgP device is detected desirable Enable PAgP unconditionally on Enable Etherchannel only passive Enable LACP only if a LACP device is detected Verificando Etherchannel: show interfaces fastethernet 0/1 Show etherchannel 2 port-channel Show etherchannel 2 summary 77

78 ETHERCHANNEL (LAYER 2) CONFIGURAÇÃO interface Port-channel2 switchport access vlan 10 switchport mode access interface GigabitEthernet1/0 switchport access vlan 10 switchport mode access channel-group 2 mode active interface GigabitEthernet1/1 switchport access vlan 10 switchport mode access channel-group 2 mode active 78

79 ETHERCHANNEL (LAYER 2) CONFIGURAÇÃO interface Port-channel2 switchport mode trunk interface GigabitEthernet1/0 switchport mode trunk channel-group 2 mode active interface GigabitEthernet1/1 switchport mode trunk channel-group 2 mode active 79

80 ETHERCHANNEL (LAYER 3) CONFIGURAÇÃO interface port-channel 5 no switchport ip address interface range gigabitethernet1/0 no ip address no switchport channel-group 5 mode active interface range gigabitethernet1/0 no ip address no switchport channel-group 5 mode active 80

81 SPANNING TREE 81

82 SPANNING TREE (STP) Protocolo de camada 2 utilizado para prevenir ocorrência de loops Princípio: Somente um caminho ativo pode existir entre 2 estações na rede Bloquear as portas que impliquem em loops Escolha de um switch como Root e Construção de uma árvore como o menor caminho até o Root. 82

83 BRIDGE PROTOCOL DATA UNIT (BPDU) O STP utiliza um protocolo chamado BPDU para troca informações entre switches 83

84 SPANNING TREE Estado das Portas 84

85 SPANNING TREE - Operação Selecionando Root Bridge bridge ID Selecionando Designated Port 85

86 SPANNING TREE - Operação 1 Root Bridge por rede 1 Root Port por nonroot bridge 1 Designated Port por segmento Nondesignated Port em Blocking 86

87 SPANNING TREE Exemplo 87

88 SPANNING TREE Comandos Força o switch a ser root Força o switch a ser root secundário ou Configura manualmente a priority 88

89 SPANNING-TREE 89

90 EXEMPLO DE CONFIGURAÇÃO 802.1S Core1 spanning-tree mode mst spanning-tree extend system-id spanning-tree mst configuration name Exemplo revision 1 instance 1 vlan 2, 10, 14 instance 2 vlan 12, 16,20 instance 3 vlan 13,15,17 instance 4 vlan 19,21,23 spanning-tree mst 0-2 root secondary spanning-tree mst 3-4 root primary Core2 spanning-tree mode mst spanning-tree extend system-id spanning-tree mst configuration name Exemplo revision 1 instance 1 vlan 2, 10, 14 instance 2 vlan 12, 16,20 instance 3 vlan 13,15,17 instance 4 vlan 19,21,23 spanning-tree mst 0-2 root primary spanning-tree mst 3-4 root secondary 90

91 SPANNING TREE PORTFAST Habilita portfast em uma interface: Habilita portfast em todas as interfaces que não sejam trunk Verificando configuração: 91

92 SEGURANÇA EM REDES ETHERNET 92

93 Ameaças à segurança da LAN SEGURANÇA NA LAN S 2 Ataque MAC Address Flooding Ferramentas de Hackers: macof (parte do dsniff) Gera uma série de endereços MAC falsos Quando a tabela CAM lota (32K entradas), o tráfego é enviado para todas as portas DHCP Starvation Ferramentas de Hackers : gobbler Utiliza todo range de endereços do servidor DHCP Ataque Falso Servidor DHCP Ferramentas de Hackers : gobbler ou um servidor de DHCP falso Possibilita ataques tipo Man in the middle usando o Default Gateway ARP Spoofing Ferramentas de Hackers : ettercap, dsniff, arpspoof Possibilita ataques tipo Man in the middle em Layer 2 93

94 S 2 Ameaças PORT à segurança SECURITY da LAN Port Security restringe porta de acesso do switch por MAC address 94

95 S 2 PORT SECURITY - CONFIGURAÇÃO Habilitar Port security Configurar limite mac-address aprendidas para àquela porta Especificar Mac Address permitido - mac address configurado manualmente - mac address configurado dinamicamente (Stick mac address) Definir ação em caso de violação - shutdown: porta desabilitada e log e SNMP trap gerados - restrict: frames descartados e log e SNMP trap gerados - protect: frames descartados, sem log 95

96 S 2 Ameaças à segurança da LAN PORT SECURITY CONFIGURAÇÃO (Cont.) Verificando Port Security: 96

97 S 2 Ameaças à segurança da LAN PORT SECURITY CONFIGURAÇÃO (Cont.) Verificando Port Security: 97

98 Funcionamento do DHCP DHCP Client DHCP Server DHCP Discover (Broadcast) DHCP Offer (Unicast) DHCP Request (Broadcast) DHCP Ack (Unicast) 98

99 Ataque DHCP Starvation DHCP Client DHCP Server Gobbler DHCP Discover (Broadcast) x (Tamanho do pool DHCP) DHCP Offer (Unicast) x (Tamanho do pool DHCP) DHCP Request (Broadcast) x (Tamanho do pool DHCP) DHCP Ack (Unicast) x (Tamanho do pool DHCP) 99

100 Ataque DHCP - MiM DHCP Client DHCP Server Servidor Falso DHCP Discover (Broadcast) DHCP Offer (Unicast) Do servidor falso DHCP Request (Broadcast) DHCP Ack (Unicast) Do servidor falso, com Def GW alterado 100

101 DHCP SNOOPING DHCP Snooping: Trust e Untrusted ports Untrusted Ports: Não respondem às Requisições do DHCP Configurar DHCP snooping nos Uplinks com Servidor DHCP Não configurar DHCP snooping em portas de usuários 101

102 DHCP SNOOPING - CONFIGURAÇÃO Habilita DHCP Snooping globalmente Habilita DHCP Snooping em uma ou mais vlan Permite inserção do DHCP option 82 Configura um interface como trusted Limita número pacotes por segundo na porta (OPCIONAL) 102

103 DHCP SNOOPING CONFIGURAÇÃO (Cont.) 103

104 DHCP SNOOPING CONFIGURAÇÃO (Cont.) Verificando DHCP Snooping: 104

105 ARP INSPECTION 105

106 ARP INSPECTION Switch(config)# ip arp inspection vlan 1 Switch(config)# interface Gigabitethernet1/0/1 Switch(config-if)# ip arp inspection trust 106

107 PROTEGENDO OPERAÇÃO STP BPDU GUARD Evita que switches sejam conectados em portas configuradas em PortFast. BPDU Guard gera log ou desabilita porta (porta entra no modo ErrDisable) BPDU Filter: ação a ser tomada quando BPDU é recebido. 107

108 PROTEGENDO OPERAÇÃO STP BPDU GUARD - CONFIGURAÇÃO Habilita BPDU Guard Mostra configuração BPDU Guard 108

109 PROTEGENDO OPERAÇÃO STP BPDU FILTERING - CONFIGURAÇÃO Habilita BPDU Filtering Mostra informações de configuração BPDU Filtering 109

110 PROTEGENDO OPERAÇÃO STP UDLD Unidirectional Link Failure 110

111 PROTEGENDO OPERAÇÃO STP SEM LOOP GUARD 111

112 PROTEGENDO OPERAÇÃO STP COM LOOP GUARD 112

113 PROTEGENDO OPERAÇÃO STP UDLD e LOOP GUARD - CONFIGURAÇÃO Configurando UDLD: Configurando Loop Guard: 113

114 PROTEGENDO OPERAÇÃO STP UDLD - CONFIGURAÇÃO Habilita UDLD globalmente em todas interfaces de fibra-optica Habilita UDLD na interface Reseta todas as interfaces que foram desabilitadas pelo UDLD Mostra informações de UDLD de determinada interface 114

115 PROTEGENDO OPERAÇÃO STP LOOP GUARD - CONFIGURAÇÃO 115

116 HSRP - 116

117 EXEMPLO DE CONFIGURAÇÂO Core-1 interface vlan 10 description ADMINISTRACAO ip address standby 1 ip standby 1 priority 150 standby 1 preempt no shutdown interface vlan 11 description TECNICO ip address standby 1 ip standby 1 priority 140 standby 1 preempt no shutdown Core-2 interface vlan 10 description ADMINISTRACAO ip address standby 1 ip standby 1 priority 140 standby 1 preempt no shutdown interface vlan 11 description TECNICO ip address standby 1 ip standby 1 priority 150 standby 1 preempt no shutdown 117

118 Serviços de Identificação RADIUS 802.1x Protege o acesso à rede através da autenticação do usuário via servidor de RADIUS, habilitando ou impedindo o acesso à rede Identity Based Networking Services (IBNS) User ok? Wiring Closet Através de extensões ao protocolo 802.1x, IBNS possibilita uma nova geração de controle de acesso à rede, em que serviços inteligentes são aplicados dinamicamente à porta do Switch, aumentando a segurança, mobilidade e produtividade. User ok. Assign VLAN3 and ACL14 to port x Switched LAN Requires 802.1x Clients 118

119 IBSN Como Funciona Aplica políticas e habilita a porta do Switch Configurar porta para VLAN 5 Agora o usuário tem acesso à rede, na sua própria VLAN Login Request Credenciais Login Válido! Aplicar políticas Verifica Usuário no DB SERVIDOR RADIUS Este é o Zé Mané! Ele vai para VLAN 5 119

120 Rede Cabeada 802.1x Rede sem fio 120

121 802.1x (Cont.) Suplicante: a entidade que quer ter acesso Autenticador: a entidade que controla o acesso Servidor de autenticação: a entidade que autoriza ou nega o acesso 121

122 TIPOS DE EAP EAP-MD5 EAP-TLS EAP-PEAP EAP-LEAP EAP-TTLS EAP-FAST 122

123 Fluxo das mensagens EAP 123

124 802.1x CONFIGURAÇÃO Exemplo: 802.1x com associação de Vlan dinâmica 1- Habilitar AAA authorization Switch(config)#usarname admin privilege 15 password cisco Switch(config)#aaa new-model Switch(config)#aaa authentication dot1x default group radius Switch(config)#aaa authorization dot1x default group radius Switch(config)#radius-server host key cisco 124

125 802.1x CONFIGURAÇÃO (Cont.) 2- Habilitar 802.1x Switch(config)# dot1x system-auth-control 3- Configurar atributos no servidor RADIUS. Servidor RADIUS deverá retornar os seguintes atributos para o switch: [64] Tunnel-Type=VLAN [65] Tunnel-Medium-Type=IEEE 802 [81] Tunnel-Private-Group-ID= VLAN name ou VLAN ID 125

126 802.1x CONFIGURAÇÃO (Cont.) 126

127 802.1x CONFIGURAÇÃO (Cont.) 4- Habilitar 802.1x nas interfaces Switch(config)#interface range FastEthernet1/0/1-24 Switch(config-if)# dot1x port-control auto Switch(config-if)# dot1x guest-vlan 20 Switch(config-if)# dot1x auth-fail vlan

128 802.1x CONFIGURAÇÃO (Cont.) Verificando 802.1x: Mostra status do 802.1x Mostra status do 802.1x para todas as interfaces ou um interfaces especifica 128

129 SSH Switch(config)# ip domain-name nec.com.br Switch(config)# access-list 10 permit host Switch(config)# crypto key generate rsa NEC_BRASIL 1024 Switch(config)# ip ssh version 2 Switch(config)# ip ssh time-out 60 Switch(config)# ip ssh authentication-retries 2 Switch(config)# line vty 0 15 Switch(config-line)# transport input ssh Switch(config-line)# access-class 10 in 129

130 Gerenciamento 130

131 SNMP SNMP V1 e V2c Switch(config)#access-list 90 permit Switch(config)# access-list 90 remark CISCO-WORKS Switch(config)# snmp-server community snmprw RW 90 Switch(config)# snmp-server community snmpro RO 90 Switch(config)# snmp-server ifindex persist Switch(config)# snmp-server contact ramal Switch(config)# snmp-server location Cispro Switch(config)# snmp-server trap link ietf Switch(config)# snmp-server trap-source Vlan600 SNMP V3 autenticado Switch(config)# snmp-server group admsw v3 auth Switch(config)# snmp-server user admin admsw v3 auth md5 admpass SNMP V3 autenticado e criptografado Switch(config)# snmp-server group admsw v3 auth Switch(config)# snmp-server user admin admsw v3 auth md5 admpass priv des56 admpass 131

132 SINCRONISMO DE DATA/HORA 132

133 NTP Switch(config)#clock timezone GMT-3 Switch(config)# clock summer-time GMT-2 date Oct :00 Feb :00 ntp server Com autenticação Switch(config)# ntp server key 5 Switch(config)# ntp authenticate Switch(config)# ntp authentication-key 5 md

134 CENTRALIZAÇÂO DOS LOGs 134

135 SYSLOG switch(config)# logging

136 QoS Qualidade de Serviço 136

137 QoS Qualidade de Serviço CONCEITO 137

138 QoS MODELO OSI 138

139 QoS MARCAÇÃO CAMADA 2 Bits de prioridade dos TAGs IEEE 802.1Q Campo CoS: Class of Service (IEEE 802.1p) 139

140 QoS MARCAÇÃO CAMADA 3 Campos TOS Campo ToS (Type of Service) 140

141 MECANISMO DE QoS 141

142 PERFIL DE TRÁFEGO X REQUISITOS DE QoS 142

143 QoS Switches 2960/3560/3750 INGRESS 2 FILAS ENTRADA POR PORTA EGRESS 4 FILAS SAÍDA POR PORTA 4Q3T or 1P3Q3T Fila 1 pode ser configurada como Priority-Queue 143

144 QoS Switches 2960/3560/3750 HABILITAR QoS Habilitar qos no switch; Switch(config)# mls qos Switch(config)# show mls qos OBS: Alterar tabela de mapeamento cos-dscp se necessário (mapeamento default do switch converte cos=5 para dscp=40) Switch#sh mls qos maps cos-dscp Cos-dscp map: cos: dscp: Switch(config)# mls qos map

145 QoS Switches 2960/3560/3750 CLASSIFICAÇÃO E MARCAÇÃO PACOTES - Switches Catalyst: QoS em hardware (ASIC) - Marcação dos pacotes devem ser feitos o mais próximo da camada de acesso - Interconexão dos switches: Confiar na marcação ( trust ) para não perder a marcação QoS - Criar ACLs para classificar e marcar os pacotes 145

146 QoS Marcação de pacotes 146

147 QoS Switches 2960/3560/3750 CLASSIFICAÇÃO E MARCAÇÃO PACOTES Exemplo 1) Classificar tráfegos: Voz classe Voz Sinalização de voz classe Sinalização Banco de Dados classe BcoDados 2) Marcar Pacotes: Voz Já marcado pelo PABX (ef), confiar na marcação Sinalização de Voz Já marcado pelo PABX (CS3), confiar na marcação Banco de Dados Marcar como af21 147

148 QoS Switches 2960/3560/3750 CLASSIFICAÇÃO E MARCAÇÃO PACOTES ip access-list extended Bco_Dados permit ip any any eq 1521 permit ip any any eq 1810 permit ip any any eq 2481 permit ip any any eq 7778 class-map Voz match ip dscp ef! Classifica tráfego Voz class-map Sinalizacao match ip dscp cs3! Classifica tráfego Sinalizaçao Voz class-map BancoDados match access-group name Bco_Dados! Classifica tráfego Banco Dados policy-map Exemplo_QoS class Voz trust dscp! Confia na marcação class Sinalizacao trust dscp! Confia na marcação class BancoDados set dscp af21! Marca tráfego Banco Dados para af21 Interface gigabitethernet 1/0 service-policy input Exemplo_QoS! Aplica politica Exemplo_QoS criada na interface 148

149 QoS Switches 2960/3560/3750 POLICING Permite adequar o tráfego em torno de uma taxa média, com rajadas de intensidade controlada Ação: - Descartar excedente (exceed action drop) - Marcar com prioridade menor (exceed action dscp) EXEMPLO: Policiar tráfego de Dados em 10Mbps com DSCP AF11. Descartar excedente policy-map Exemplo_QoS class Dados set ip dscp af11 police exceed-action drop 149

150 QoS Switches 2960/3560/3750 QUEUING Configuração Default para as Filas de Entrada e Saída 150

151 QoS Switches 2960/3560/3750 QUEUING fila mls qos srr-queue output cos-map queue 1 threshold 3 5 mls qos srr-queue output cos-map queue 2 threshold mls qos srr-queue output cos-map queue 3 threshold cos mls qos srr-queue output cos-map queue 4 threshold 2 1 mls qos srr-queue output cos-map queue 4 threshold 3 0 mls qos srr-queue output dscp-map queue 1 threshold mls qos srr-queue output dscp-map queue 2 threshold mls qos srr-queue output dscp-map queue 2 threshold mls qos srr-queue output dscp-map queue 2 threshold mls qos srr-queue output dscp-map queue 3 threshold mls qos srr-queue output dscp-map queue 3 threshold mls qos srr-queue output dscp-map queue 4 threshold 1 8 mls qos srr-queue output dscp-map queue 4 threshold mls qos srr-queue output dscp-map queue 4 threshold dscp 151

Projeto e Desempenho de Redes - aula 1 e 2. Eng. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com

Projeto e Desempenho de Redes - aula 1 e 2. Eng. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com Projeto e Desempenho de Redes - aula 1 e 2 Eng. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com Apresentação Alessandro Coneglian Bianchini exerce a função de engenheiro na NEC Brasil, atuando na elaboração

Leia mais

Switch>: User mode Limitado a comandos básicos de monitoramento.

Switch>: User mode Limitado a comandos básicos de monitoramento. Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Laboratório de Redes I Professor Eduardo Maroñas Monks Resumo de Comandos Cisco IOS (Switch 2960) versão 1b Modos

Leia mais

Tecnologia 802.1X. Eng. Alessandro C. Bianchini alessanc@gmail.com

Tecnologia 802.1X. Eng. Alessandro C. Bianchini alessanc@gmail.com Tecnologia 802.1 Eng. Alessandro C. Bianchini alessanc@gmail.com Apresentação Alessandro Coneglian Bianchini exerce a função de engenheiro na NEC Brasil, atuando na elaboração de projetos e implantação

Leia mais

Segurança da Informação Parte 3. Eng. Alessandro C. Bianchini alessanc@gmail.com

Segurança da Informação Parte 3. Eng. Alessandro C. Bianchini alessanc@gmail.com Segurança da Informação Parte 3 Eng. Alessandro C. Bianchini alessanc@gmail.com Apresentação Alessandro Coneglian Bianchini exerce a função de engenheiro na NEC Brasil, atuando na elaboração de projetos

Leia mais

Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs

Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs Roteamento e Switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers Presentation_ID

Leia mais

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch Fast Ethernet com as seguintes configurações mínimas: capacidade de operação em camada 2 do modelo OSI; 24 (vinte e quatro) portas

Leia mais

Teste de invasão. alessanc@gmail.com

Teste de invasão. alessanc@gmail.com Teste de invasão alessanc@gmail.com Apresentação Alessandro Coneglian Bianchini exerce a função de engenheiro na NEC Brasil, atuando na elaboração de projetos e implantação de VoIP, Wireless, Redes e Segurança

Leia mais

Resumo Apresentação : Orador

Resumo Apresentação : Orador Resumo Apresentação : Orador Formador Sénior (1999-2010) CCSI - Certified Cisco System Instructor CCNA Security, Voice, Wireless CCDA, CCDP, CCNP, CCIP, CCSP IPS, NAC, Firewall, Wireless Specialist Coordenador

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES. VIRTUAL LANs & VTP

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES. VIRTUAL LANs & VTP GESTÃO DE SISTEMAS E REDES VIRTUAL LANs & VTP OUTLINE VIRTUAL LAN IEEE802.1Q FORMATO DA FRAME ENCAMINHAMENTO DE FRAMES INTERNETWORKING VLAN TRUNKING PROTOCOL DOMÍNIOS MODOS ANÚNCIOS PRUNING VTP- CDP IMPLEMENTAÇÃO

Leia mais

Curso de extensão em Administração de Redes

Curso de extensão em Administração de Redes Curso de extensão em Administração de Redes Italo Valcy da Silva Brito1,2 1 Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia 2 Ponto de Presença

Leia mais

Laboratório 3.5.1: Configuração de VLAN básica

Laboratório 3.5.1: Configuração de VLAN básica Diagrama de topologia Tabela de endereçamento Dispositivo (Nome do host) Interface Endereço IP Máscara de sub-rede Gateway padrão S1 VLAN 99 172.17.99.11 255.255.255.0 N/A S2 VLAN 99 172.17.99.12 255.255.255.0

Leia mais

Sumário 1 Introdução... 1 2 O Modelo OSI... 13 3 Switching e VLANs... 53

Sumário 1 Introdução... 1 2 O Modelo OSI... 13 3 Switching e VLANs... 53 Sumário 1 Introdução... 1 1.1 Um Resumo da História da Cisco Systems... 1 1.2 Sobre a Certificação Cisco Certified Network Associate CCNA... 2 1.2.1 Por que Tornar-se um CCNA?... 3 1.2.2 Perguntas Freqüentes...

Leia mais

Laboratório - Configuração de um endereço de gerenciamento do switch

Laboratório - Configuração de um endereço de gerenciamento do switch Laboratório - Configuração de um endereço de gerenciamento do switch Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway Padrão Objetivos S1 VLAN 1 192.168.1.2

Leia mais

Infra-estrutura de telefonia IP. Eng. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com

Infra-estrutura de telefonia IP. Eng. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com Infra-estrutura de telefonia IP Eng. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com Apresentação Alessandro Coneglian Bianchini exerce a função de engenheiro na NEC Brasil, atuando na elaboração de

Leia mais

Guia de Laboratório de Redes Switches: Spanning Tree e VLANs

Guia de Laboratório de Redes Switches: Spanning Tree e VLANs Guia de Laboratório de Redes Switches: Spanning Tree e VLANs 1 Introdução Este trabalho tem como objectivo familiarizar os alunos com os switches e respectivos protocolos. Com este intuito são apresentadas

Leia mais

Application Notes: DHCP Relay. Funcionamento do DHCP Relay

Application Notes: DHCP Relay. Funcionamento do DHCP Relay Application Notes: DHCP Relay Funcionamento do DHCP Relay Application Notes: DHCP Relay Funcionamento do DHCP Relay. Data 29/10/2009 Parecer Introdução Desenvolvimento Funcionamento do DHCP Funcionamento

Leia mais

VOIP H323 e SIP. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com

VOIP H323 e SIP. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com VOIP H323 e SIP Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com Apresentação Alessandro Coneglian Bianchini exerce a função de engenheiro na NEC Brasil, atuando na elaboração de projetos e implantação

Leia mais

Redes convergentes de alta velocidade. Eng. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com www.alessandrobianchini.com.br

Redes convergentes de alta velocidade. Eng. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com www.alessandrobianchini.com.br Redes convergentes de alta velocidade Eng. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com www.alessandrobianchini.com.br Apresentação Alessandro Coneglian Bianchini exerce a função de engenheiro na

Leia mais

Relató rió. Gestão de equipamento activo de rede

Relató rió. Gestão de equipamento activo de rede Relató rió INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO Gestão de equipamento activo de rede Trabalho realizado por: Tiago Conceição Nº 11903 Tiago Maques Nº 11904 Paulo Martins

Leia mais

Sumário 1 Introdução... 19 2 O Modelo OSI... 33

Sumário 1 Introdução... 19 2 O Modelo OSI... 33 Sumário 1 Introdução... 19 1.1 Um Resumo da História da Cisco Systems... 19 1.2 Sobre a Certificação Cisco Certified Network Associate CCNA Routing and Switching (R&S)... 20 1.2.1 Por que Tornar-se um

Leia mais

Exercício Prático: Conexão Router 1841 Fa0/0 192.168.1.1 255.255.255.0 Switch (PRINCIPAL) Fa0/1 trunk ------ Router (EMPRESA

Exercício Prático: Conexão Router 1841 Fa0/0 192.168.1.1 255.255.255.0 Switch (PRINCIPAL) Fa0/1 trunk ------ Router (EMPRESA UNISUL UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIDADE DIBI MUSSI DISCIPLINA/UA REDE DE COMPUTADORES PROFª ANA LÚCIA R. WIGGERS Exercício Prático: Fa 0/0 IP 192.168.1.1/24 Dispositivo

Leia mais

VLANs e Redes IP (segundo trabalho laboratorial)

VLANs e Redes IP (segundo trabalho laboratorial) VLANs e Redes IP (segundo trabalho laboratorial) FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2009/10 José Ruela Bancada de trabalho Virtual LANs (VLANs) No primeiro trabalho laboratorial foi configurada uma única

Leia mais

Parte 2 Usando o CLI do Roteador

Parte 2 Usando o CLI do Roteador Parte 2 Usando o CLI do Roteador O acesso à CLI Comand Line Interface, é feita pelo usuário no roteador com um terminal ou remotamente. Quando acessamos um roteador, devemos efetuar login nele antes de

Leia mais

VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL

VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL VLAN Trunking Protocol O VLAN Trunking Protocol (VTP) foi criado pela Cisco (proprietário) para resolver problemas operacionais em uma rede comutada com VLANs. Só deve ser utilizado

Leia mais

Guia Básico para Configuração de Switches Cisco

Guia Básico para Configuração de Switches Cisco RD Press Guia Básico para Configuração de Switches Cisco Diego Dias R D PR E S S Guia Básico para Configuração de Switches Cisco 2014 RD Press Rotadefault.com.br Comutadores.com.br Autor: Diego Dias Revisão:

Leia mais

Sumário. CAPÍTULO 1: Introdução às Certificações Cisco... 1

Sumário. CAPÍTULO 1: Introdução às Certificações Cisco... 1 Sumário Sumário IX CAPÍTULO 1: Introdução às Certificações Cisco... 1 Por que Ser um Profissional Certificado... 2 Por que Cisco?... 3 CCNA Routing and Switching (200-120)... 4 Como é a Prova?... 6 As

Leia mais

Switch de Borda - 48 portas de 1 Gbps

Switch de Borda - 48 portas de 1 Gbps CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA Switch de Borda - 48 portas de 1 Gbps Especificações Técnicas Característica/Configurações/Requisitos mínimos: Descrição do Material Switch

Leia mais

Virtual Local Area Network VLAN

Virtual Local Area Network VLAN Virtual Local Area Network VLAN 1 Domínios de broadcast com VLANs e Roteadores Permite a criação de Redes Lógicas distintas e independentes em uma mesma rede física Configuração por software (Switch) Hosts

Leia mais

Interconexão redes locais (LANs)

Interconexão redes locais (LANs) Interconexão redes locais (LANs) Descrever o método de funcionamento dos dispositivos bridge e switch, desenvolver os conceitos básicos de LANs intermediárias, do uso do protocolo STP e VLANs. Com o método

Leia mais

Wireless 802.11n. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com

Wireless 802.11n. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com Wireless 802.11n Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com Apresentação Alessandro Coneglian Bianchini exerce a função de engenheiro na NEC Brasil, atuando na elaboração de projetos e implantação

Leia mais

Aplicando segurança em redes locais através de gerenciamento de ativos de redes.

Aplicando segurança em redes locais através de gerenciamento de ativos de redes. Aplicando segurança em redes locais através de gerenciamento de ativos de redes. Nome do Aluno: Anderson Rauber da Silva Daniel Devegili Descrição da Contribuição: Anderson Rauber da Silva: Introdução

Leia mais

Introdução Fourth level à Tecnologia Cisco

Introdução Fourth level à Tecnologia Cisco Instituto Federal do Ceará IFCE Campus de Canindé Prof. DSc. Rodrigo Costa - rodrigo.costa@ifce.edu.br Introdução à Tecnologia Cisco Definições Básicas Mercado em Redes Componentes Básicos Funcionamento

Leia mais

Semestre 4 do CCNA Prova final baseada em habilidades Treinamento do aluno Diretrizes para o instrutor Visão geral e administração da prova

Semestre 4 do CCNA Prova final baseada em habilidades Treinamento do aluno Diretrizes para o instrutor Visão geral e administração da prova Semestre 4 do CCNA Prova final baseada em habilidades Treinamento do aluno Diretrizes para o instrutor Visão geral e administração da prova Esta prova deve ser utilizada nas aulas regulares do CCNA ministradas

Leia mais

Application Notes: VRRP. Aplicabilidade do Virtual Router Redundancy Protocol no DmSwitch

Application Notes: VRRP. Aplicabilidade do Virtual Router Redundancy Protocol no DmSwitch Application Notes: VRRP Aplicabilidade do Virtual Router Redundancy Protocol no DmSwitch Parecer Introdução Desenvolvimento inicial Setup básico Setup com roteamento dinâmico Explorando possibilidades

Leia mais

Software EMS Manual do usuário. CTS2780

Software EMS Manual do usuário. CTS2780 Software EMS Manual do usuário. CTS2780 V2-11/07/2014 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 4 GERENCIAMENTO DO OLT CTS2780... 4 1. ADICIONANDO A OLT NO EMS... 4 2. GERENCIAMENTO DO CHASSI... 7 2.1. Device Information...

Leia mais

Link Aggregation IEEE 802.3ad Uma Visão Geral

Link Aggregation IEEE 802.3ad Uma Visão Geral Link Aggregation IEEE 802.3ad Uma Visão Geral Marcelo Fernandes Systems Engineer Dezembro, 2013 Introdução Link Aggregation (LA): Combinação de múltiplos enlaces físicos funcionando como um único enlace

Leia mais

SWITCH CORE 1.1. - Chassi/Slots. 1.2. - Controle

SWITCH CORE 1.1. - Chassi/Slots. 1.2. - Controle SWITCH CORE 1.1. - Chassi/Slots 1.1.1. Deve possuir no mínimo 06 slots para inserção de módulos de I/O, ou seja, 06 além dos slots para supervisoras; 1.1.2. Deve vir acompanhado de kit de suporte específico

Leia mais

PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS CAR. 48 Hosts Link C 6 Hosts

PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS CAR. 48 Hosts Link C 6 Hosts CTRA C U R S O SUPERIOR EM REDES E AMBIENTES OPERACIONAIS CAR Componentes Ativos de Rede Prof.: Roberto J.L. Mendonça PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS CAR 1. De acordo com a figura abaixo determine os endereços

Leia mais

Unidade Curricular Laboratório de Redes III Prof. Eduardo Maroñas Monks Roteiro de Laboratório Funcionalidades de Switches Gerenciáveis

Unidade Curricular Laboratório de Redes III Prof. Eduardo Maroñas Monks Roteiro de Laboratório Funcionalidades de Switches Gerenciáveis Unidade Curricular Laboratório de Redes III Prof. Eduardo Maroñas Monks Roteiro de Laboratório Funcionalidades de Switches Gerenciáveis Objetivo: Analisar as funcionalidades avançadas de switches gerenciáveis.

Leia mais

Eng. Alessandro Coneglian Bianchini

Eng. Alessandro Coneglian Bianchini Eng. Alessandro Coneglian Bianchini Apresentação Alessandro ConeglianBianchiniexerce a função de engenheiro na NEC Brasil, atuando na elaboração de projetos e implantação de VoIP, Wireless, Redes e Segurança

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

Laboratório - Gerenciamento de arquivos de configuração de roteador com software de emulação de terminal

Laboratório - Gerenciamento de arquivos de configuração de roteador com software de emulação de terminal Laboratório - Gerenciamento de arquivos de configuração de roteador com software de emulação de terminal Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway

Leia mais

VLAN (Virtual Local Area Network)

VLAN (Virtual Local Area Network) ISEP - Administração de Sistemas 2007/2008 1/6 VLAN (Virtual Local Area Network) É um grupo de dispositivos de rede no mesmo domínio de broadcast Segmenta de uma forma lógica em contraste com a segmentação

Leia mais

PROAPPS Security Data Sheet Professional Appliance / Apresentação

PROAPPS Security Data Sheet Professional Appliance / Apresentação O ProApps Security O ProApps Security é um componente da suíte de Professional Appliance focada na segurança de sua empresa ou rede. A solução pode atuar como gateway e como solução IDS/IPS no ambiente.

Leia mais

Laboratório 5.5.1: Listas de controle de acesso básico

Laboratório 5.5.1: Listas de controle de acesso básico Diagrama de topologia Tabela de endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP R1 R2 R3 Máscara de sub-rede Gateway padrão Fa0/0 192.168.10.1 255.255.255.0 N/A Fa0/1 192.168.11.1 255.255.255.0 N/A S0/0/0

Leia mais

QoS em roteadores Cisco

QoS em roteadores Cisco QoS em roteadores Cisco Alberto S. Matties 1, André Moraes 2 1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Rua Gonçalves Chaves 602 96.015-000 Pelotas RS Brasil 2 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC

Leia mais

CS e exemplo da configuração inicial do módulo de serviços SSL

CS e exemplo da configuração inicial do módulo de serviços SSL CS e exemplo da configuração inicial do módulo de serviços SSL Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Configurar Diagrama de Rede Configurações Verificar Troubleshooting

Leia mais

Aditamento nº 01 Pregão Eletrônico nº 15/01526 Objeto: CELESC DISTRIBUIÇÃO S/A - Aquisição de Ativos de Rede. Data: 04/05/2015

Aditamento nº 01 Pregão Eletrônico nº 15/01526 Objeto: CELESC DISTRIBUIÇÃO S/A - Aquisição de Ativos de Rede. Data: 04/05/2015 Aditamento nº 01 Pregão Eletrônico nº 15/01526 Objeto: CELESC DISTRIBUIÇÃO S/A - Aquisição de Ativos de Rede. Data: 04/05/2015 1. Por meio deste aditamento, inserimos o Anexo I Especificações Técnicas.

Leia mais

Configuração de VLANS em ambientes CISCO

Configuração de VLANS em ambientes CISCO Configuração de VLANS em ambientes CISCO Vanderlei Lemke Kruger, André Moraes 1 Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas (FATEC - Senac) Rua Gonçalves Chaves, 602 Centro Curso Superior de Tecnologia em Redes

Leia mais

Marco Aurélio Filippetti. Cisco CCNA 4.1. (Exame 640-802) Guia de Estudo Completo. Visual. Books

Marco Aurélio Filippetti. Cisco CCNA 4.1. (Exame 640-802) Guia de Estudo Completo. Visual. Books Marco Aurélio Filippetti Cisco CCNA 4.1 (Exame 640-802) Guia de Estudo Completo Visual Books Sumário Apresentação... 9 1 Introdução... 19 1.1 Um Resumo da História da Cisco Systems... 19 1.2 Sobre a Certificação

Leia mais

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 3 - Configurando um Roteador 1 Objetivos do Capítulo Dar nome a um roteador; Definir senhas; Examinar comandos show; Configurar uma interface

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Especificaça o Te cnica

Especificaça o Te cnica Especificaça o Te cnica Esta especificação técnica tem como objetivo possibilitar a implantação da infraestrutura de rede lógica (nível de acesso) na nova sede da DME Distribuição. A solução deverá ser

Leia mais

Laboratório - Acesso a dispositivos de rede com SSH

Laboratório - Acesso a dispositivos de rede com SSH Topologia Tabela de endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de subrede Gateway padrão Objetivos R1 G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 ND S1 VLAN 1 192.168.1.11 255.255.255.0 192.168.1.1 PC-A

Leia mais

O conteúdo Cisco Networking Academy é protegido e a publicação, distribuição ou compartilhamento deste exame é proibida.

O conteúdo Cisco Networking Academy é protegido e a publicação, distribuição ou compartilhamento deste exame é proibida. O conteúdo Cisco Networking Academy é protegido e a publicação, distribuição ou compartilhamento deste exame é proibida. 1 Quando protocolos sem conexão são implementados nas camadas mais inferiores do

Leia mais

Application Notes: DmSwitch AAA. Uso do TACACS

Application Notes: DmSwitch AAA. Uso do TACACS Application Notes: DmSwitch AAA Uso do TACACS Application Notes: DmSwitch AAA Uso do TACACS. Data 11/06/2010, Revisão 1.0 1. Introdução 2. Instalação do tacplus 2.1. Instalação do tacplus 2.1.1. Atualizar

Leia mais

Gerenciamento de rede. Alessandro C. Bianchini

Gerenciamento de rede. Alessandro C. Bianchini Gerenciamento de rede Alessandro C. Bianchini Apresentação Alessandro Coneglian Bianchini exerce a função de engenheiro na NEC Brasil, atuando na elaboração de projetos e implantação de VoIP, Wireless,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Item I Switch Tipo 1 10/100 Mbps Layer 2 24 Portas

TERMO DE REFERÊNCIA. Item I Switch Tipo 1 10/100 Mbps Layer 2 24 Portas TERMO DE REFERÊNCIA Item I Switch Tipo 1 10/100 Mbps Layer 2 24 Portas Deve ser montável em rack padrão EIA 19 (dezenove polegadas) e possuir kits completos para instalação; Deve possuir, no mínimo, 24

Leia mais

Cisco ASA Firewall Guia Prático

Cisco ASA Firewall Guia Prático Cisco ASA Firewall Guia Prático 2014 v1.0 Renato Pesca 1 Sumário 2 Topologia... 3 3 Preparação do Appliance... 3 3.1 Configurações de Rede... 7 3.2 Configurações de Rotas... 8 3.3 Root Básico... 9 3.4

Leia mais

Expansão da rede local do CSS Equipamentos para Blocos do Sesc/DN

Expansão da rede local do CSS Equipamentos para Blocos do Sesc/DN Expansão da rede local do CSS Equipamentos para Blocos do Sesc/DN Objeto: Aquisição de infraestrutura de Tecnologia da Informação (TI) para expansão da rede loca do CSS (aumento de pontos de rede) em atendimento

Leia mais

Trabalho de VLANs e Redes IP

Trabalho de VLANs e Redes IP Trabalho de VLANs e Redes IP FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2008/09 José Ruela Bancada de trabalho Configuração inicial Inicialmente todos os computadores gnuxy devem estar configurados na mesma

Leia mais

Redes de Computadores IEEE 802.3

Redes de Computadores IEEE 802.3 Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 8 IEEE 802.3 Ethernet Half-Duplex e Full-Duplex Full-duplex é um modo de operação opcional, permitindo a comunicação nos dois sentidos simultaneamente

Leia mais

SWITCH DE BORDA CAMADA 2 24 PORTAS GIGABIT RJ-45 SEM POE E 2 PORTAS 10 GIGABITS PARA FIBRA. Subitem Característica Especificação Exigência

SWITCH DE BORDA CAMADA 2 24 PORTAS GIGABIT RJ-45 SEM POE E 2 PORTAS 10 GIGABITS PARA FIBRA. Subitem Característica Especificação Exigência SWITCH DE BORDA CAMADA 2 24 PORTAS GIGABIT RJ-45 SEM POE E 2 PORTAS 10 GIGABITS PARA FIBRA Subitem Característica Especificação Exigência CONEXÕES DESEMPENHO 1.1 Portas RJ-45 1.2 Portas GBIC 1.3 Autoconfiguraçã

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Spanning Tree Protocol O STP é executado em bridges e switches compatíveis com 802.1D. O STP foi projetado para contornar os problemas de bridging em redes redundantes. O objetivo

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. implantação e conectividade da rede de dados da EBSERH. 3 Módulo e cabo stack para switch de borda 12

TERMO DE REFERÊNCIA. implantação e conectividade da rede de dados da EBSERH. 3 Módulo e cabo stack para switch de borda 12 TERMO DE REFERÊNCIA I DEFINIÇÃO DO OBJETO O presente Projeto Básico tem por objeto a aquisição de equipamentos para implantação e conectividade da rede de dados da EBSERH. ITEM DESCRIÇÃO QUANTIDADE 1 Switch

Leia mais

Laboratório 9.3.6 Configurando o roteamento Inter-VLAN

Laboratório 9.3.6 Configurando o roteamento Inter-VLAN Laboratório 9.3.6 Configurando o roteamento Inter-VLAN Objetivo Criar uma configuração básica de switch e verificá-la. Criar várias VLANs, nomeá-las e atribuir várias portas a elas. Criar uma configuração

Leia mais

Laboratório - Identificação e Solução de Problemas de Configuração de VLAN

Laboratório - Identificação e Solução de Problemas de Configuração de VLAN Laboratório - Identificação e Solução de Problemas de Configuração de VLAN Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-rede Gateway padrão S1 VLAN 1 192.168.1.2 255.255.255.0

Leia mais

1. LOTE 1 SWITCH REDE OPTICA

1. LOTE 1 SWITCH REDE OPTICA 1. LOTE 1 SWITCH REDE OPTICA Switch de 10 portas, Quantidade unidades. 1.1.1. Deve ser montável em rack padrão EIA 19 (dezenove polegadas) e possuir kits completos para instalação e deve ocupar uma unidade

Leia mais

Spanning Tree Protocol: Evoluções

Spanning Tree Protocol: Evoluções Spanning Tree Protocol: Evoluções Fast Switching PVST Per VLAN Spanning Tree (Cisco) PVST+ Per VLAN Spanning Tree plus (Cisco) MSTP Multiple Spanning Tree Protocol - IEEE 802.1s RSTP Rapid Spanning Tree

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

Especificação de Referência Switch de Acesso I

Especificação de Referência Switch de Acesso I 1 Especificação de Referência Switch de Acesso I Código do Objeto Descrição do Objeto Aplicação do Objeto Data da Especificação de Referência Validade da Especificação de Referência AC0000045 Switch de

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº 4

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº 4 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº 4 Configuração Básica de um Switch; Configuração de VLANs 1 Objectivo Criar e verificar

Leia mais

Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco

Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco Disciplina: Dispositivos de Rede I Professor: Jéferson Mendonça de Limas 3º Semestre Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco 2014/1 Roteiro de Aula Correção Exercícios Aula Anterior O que é o Roteador? Componentes

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Antes de começar a configurar o seu switch, você deve estabelecer suas conexões. Existem dois tipos de conexões: através da porta de console e através da porta Ethernet. A porta

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Sumário 1. Fundamentos e Infraestrutura de Redes de Computadores... 5 1.1. Laboratório 01 IP... 6 1.2. Laboratório 02 IP... 8 1.3. Laboratório 03 DHCP... 10 1.4. Laboratório 04 NAT... 13 1.5. Laboratório

Leia mais

Segurança de Rede Prof. João Bosco M. Sobral 1

Segurança de Rede Prof. João Bosco M. Sobral 1 1 Sinopse do capítulo Problemas de segurança para o campus. Soluções de segurança. Protegendo os dispositivos físicos. Protegendo a interface administrativa. Protegendo a comunicação entre roteadores.

Leia mais

Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch)

Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch) Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch) Roteamento e Switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers

Leia mais

Laboratórios de Tecnologias. Cisco. em Infraestrutura de Redes. 2a Edição. Samuel Henrique Bucke Brito. Novatec

Laboratórios de Tecnologias. Cisco. em Infraestrutura de Redes. 2a Edição. Samuel Henrique Bucke Brito. Novatec Laboratórios de Tecnologias Cisco em Infraestrutura de Redes 2a Edição Samuel Henrique Bucke Brito Novatec Copyright 2012, 2014 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei

Leia mais

Acesso Ethernet com Hubs

Acesso Ethernet com Hubs Acesso Ethernet com Hubs O dado é enviado de um por vez Cada nó trafega a 10 Mbps Acesso Ethernet com Bridges Bridges são mais inteligentes que os hubs Bridges reuni os quadros entre dois segmentos de

Leia mais

Troubleshooting e Configuração Inicial do Wireless Services Module (WiSM)

Troubleshooting e Configuração Inicial do Wireless Services Module (WiSM) Troubleshooting e Configuração Inicial do Wireless Services Module (WiSM) Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Informações de Apoio Configuração da Comunicação

Leia mais

Laboratório - Configuração de NAT dinâmico e estático

Laboratório - Configuração de NAT dinâmico e estático Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway padrão Objetivos Gateway G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/1 209.165.201.18 255.255.255.252 N/A ISP

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes Locais Virtuais - VLANs Paulo Coelho 005 Versão 1.0 1 Segmentação de LANs As redes são normalmente segmentadas de modo a reflectir a estrutura administrativa da empresa aumentar

Leia mais

CST em Redes de Computadores

CST em Redes de Computadores CST em Redes de Computadores Dispositivos de Rede I Aula 03 Configuração Básica Cisco IOS Prof: Jéferson Mendonça de Limas O que é um Roteador? O roteador é composto de: CPU (Processador) RAM ROM Sistema

Leia mais

LANs, VLANs e redes IP. Laboratório I 321 bancada de trabalho

LANs, VLANs e redes IP. Laboratório I 321 bancada de trabalho 1 LANs, VLANs e redes IP (2º trabalho laboratorial) FEUP/DEEC Redes de Computadores MIEEC 2010/11 José Ruela Laboratório I 321 bancada de trabalho 2 Bancada de trabalho (lab I 321) equipamento 3 Existem

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GTL 10 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA SISTEMAS

Leia mais

Montagem e Configuração de Redes de Computadores

Montagem e Configuração de Redes de Computadores Montagem e Configuração de Redes de Computadores Roteadores Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Apresentação Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Ementa Introdução a redes de computadores

Leia mais

Application Notes: SNMP. Configuração do protocolo SNMP

Application Notes: SNMP. Configuração do protocolo SNMP Application Notes: SNMP Configuração do protocolo SNMP Application Notes: SNMP Configuração do protocolo SNMP. Data 10/05/2010, Revisão 1.1 Introdução Desenvolvimento Configurando o Protocolo SNMP Traps

Leia mais

Este documento é propriedade intelectual 2013 do Núcleo de Educação a distância da NRsystem e distribuído sob os seguintes termos:

Este documento é propriedade intelectual 2013 do Núcleo de Educação a distância da NRsystem e distribuído sob os seguintes termos: NRSYSTEM SOLUÇÕES Fundamentos de Design de Interfaces para Internet Este documento é propriedade intelectual 2013 do Núcleo de Educação a distância da NRsystem e distribuído sob os seguintes termos: 1.

Leia mais

Conceitos de RF e Wireless Outdoor. Eng. Alessandro C. Bianchini alessanc@gmail.com

Conceitos de RF e Wireless Outdoor. Eng. Alessandro C. Bianchini alessanc@gmail.com Conceitos de RF e Wireless Outdoor Eng. Alessandro C. Bianchini alessanc@gmail.com Apresentação Alessandro Coneglian Bianchini exerce a função de engenheiro na NEC Brasil, atuando na elaboração de projetos

Leia mais

Equipamentos de Interconexão

Equipamentos de Interconexão Equipamentos de Interconexão Hubs, Pontes e Switches Prof. José Gonçalves Departamento de Informática UFES zegonc@inf.ufes.br Interconexão de Redes Repetidor Um repetidor ( repeater ) é um dispositivo

Leia mais

CENTRO DE INFORMATICA CCNA. Cisco Certified Network Associate

CENTRO DE INFORMATICA CCNA. Cisco Certified Network Associate CENTRO DE INFORMATICA CCNA Cisco Certified Network Associate E ste currículo ensina sobre redes abrange conceitos baseados em tipos de redes práticas que os alunos podem encontrar, em redes para residências

Leia mais

Capítulo 4 - Aprendendo sobre Outros Dispositivos

Capítulo 4 - Aprendendo sobre Outros Dispositivos CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 4 - Aprendendo sobre Outros Dispositivos 1 Objetivos do Capítulo Aprender a ativar e desativar o CDP; Usar o comando show cdp neighbors; Determinar

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Laboratório - Configuração de NAT Dinâmico e Estático

Laboratório - Configuração de NAT Dinâmico e Estático Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-rede Gateway padrão Objetivos Gateway G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/1 209.165.201.18 255.255.255.252 N/A ISP

Leia mais

ÓRGÃO: UASG: ENDEREÇO DE ENTREGA: RESPONSÁVEL TÉCNICO:

ÓRGÃO: UASG: ENDEREÇO DE ENTREGA: RESPONSÁVEL TÉCNICO: ÓRGÃO: UASG: ENDEREÇO DE ENTREGA: RESPONSÁVEL TÉCNICO: GRUPO 1 Item Quant. Descrição item R$ unitário R$ total 01 123 SWITCH TIPO 01: Equipamento tipo Switch Gigabit Ethernet com capacidade de operação

Leia mais

Objetivos: i) Verificar o impacto de loops em redes locais ii) Configurar o protocolo STP para remover loops da rede

Objetivos: i) Verificar o impacto de loops em redes locais ii) Configurar o protocolo STP para remover loops da rede Laboratório de Redes de Computadores 2 8 o experimento Objetivos: i) Verificar o impacto de loops em redes locais ii) Configurar o protocolo STP para remover loops da rede Introdução A interligação de

Leia mais

VoIP com QoS (Linux e Cisco)

VoIP com QoS (Linux e Cisco) VoIP com QoS (Linux e Cisco) Sistemas Telemáticos, 2005 costa@di.uminho.pt, macedo@di.uminho.pt Sumário l Caso de estudo: VoIP Telefone VoIP com sinalização SIP l Definição de uma política de QoS adequada

Leia mais

ARP. Tabela ARP construída automaticamente. Contém endereço IP, endereço MAC e TTL

ARP. Tabela ARP construída automaticamente. Contém endereço IP, endereço MAC e TTL ARP Protocolo de resolução de endereços (Address Resolution Protocol) Descrito na RFC 826 Faz a tradução de endereços IP para endereços MAC da maioria das redes IEEE 802 Executado dentro da sub-rede Cada

Leia mais

Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus

Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus Edson Rodrigues da Silva Júnior. Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Fevereiro

Leia mais