Ensaio Sobre a Mentira e a Inveja

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ensaio Sobre a Mentira e a Inveja"

Transcrição

1 Ensaio Sobre a Mentira e a Inveja O Caso Moçambicano Filimone Meigos homini mendax ab initio (o Homem é mentiroso desde o início) 1.Amentiraeainvejasua irmã siamesa A mentira ocorre nas re l a ç õ e s sociais diárias. Ela pode ocorrer na dimensão do senso comum, da re l i- gião, da fil o s o fia, da arte ou mesmo da ciência, essa outra crença em que todos confiamos e supomos v i rgem e imaculada. Do ponto de vista teórico o estatuto de tais f o rmas de conhecimento é equivalente. Quer dizer que nenhuma das f o rmas de conhecimento mencionadas vale mais que a outra. Esta não é a discussão que me pro p o n h o f a z e r, mas é um parêntesis que reputo pertinente porque, penso, ajuda a entender o meu ar gumento. Neste caso, quero fazer re f e r ê n- cia à mentira de senso comum que, ao sê-lo, engloba todas as outras f o rmas de conhecimento enquanto mentiras, exactamente porq u e gozam do mesmo estatuto. Aliás, em última análise, qualquer uma das formas de conhecimento se comumsensoaliza. Isto é, o conhecimento da realidade que nos c i rcunda, ou falar dela, passa a ser sensitivo, s ubjectivo e valorativo. Deste modo, todos nós temos algo a dizer, sem que necessariamente tenhamos que seguir grandes métodos. Basta ouvir dizer, ou simplesmente criar um facto, para animar a conversa. Diz-se que... ouvi dizer que... porque o vi, porque o senti... porque toda a gente o diz... consta que... Assim, o senso comum acaba sendo veículo do r u m o r, mentira e inveja que, dada a dependência funcional entre si, pode ser objecto duma sociologia especial, a sociologia do rumor e da inveja. P a rece-me que a mentira e a inveja, sua irmã siamesa, são mais dois entre os vários sapatos sujos que podem explicar tentativamente, o nosso quotidiano. Mentir é uma atitude para com a vida e, por conseguinte, para com os outro s. Escusado será dizer que é uma atitude má, feia e repugnante. Te r inveja de outrem, se bem que humano, não se coaduna com uma atitude de relação para com os valores na vida. Se assim é, porque é que as pessoas mentem? Porque é que as pessoas têm inveja das outras? O que é que estará por detrás das mentiras e invejas que povoam as nossas relações sociais? Não se exige de todos uma racionalidade instrumental, portanto, factual, contingente, sistemática, verificável e apro x i m a d a m e n t e exacta. Todavia, no mínimo, é justo que se exija de cada um de nós uma racionalidade com relação a valores, entendida na acepção do sociólogo alemão Max We b e r. Isto significa dizer que, pelo menos, temos que ter em conta a nossa cultura, que abomina a mentira. Temos que revisitar as nossas re l i- giões que, tal como rezam os seus mandamentos, condenam a mentira. Temos que repensar a ética que institucionaliza a verdade. E temos que rever a nossa noção de estética que, no mínimo, diz que é feio m e n t i r, seja no plano do senso comum, da religião, da ciência, da arte ou da filosofi a. P roponho-me, pois, fazer uma sociologia do rumor tendo por base o estudo das suas correntes mentirogéneas e invejoséneas 1 n e o l o- gismos que são, aliás, o pilar do meu argumento neste trabalho O senso comum essa inesgotável fonte primária de corre n t e s mentirógenas e invejoséneas Ndzeru Mbawiri 2 O conceito de senso comum captei-o na UFICS. Devo-o à professora Conceição Osório, das aulas de introdução às Ciências Sociais, e às discussões que tínhamos na cantina, hoje feita secretaria por força de um acto administrativo. A o tempo estudantes, chamávamos a tais encontros à mesa com cerveja à mistura, o círculo de Viena, em honra ao real Círculo, espaço de discussão de ideias que se fez paradigma. O meu interesse aqui é apenas o senso comum e suas corre n t e s m e n t i rogéneas e invejoséneas. P retendo ver o quão pernicioso o senso comum pode ser para as nossas vidas como pessoas e como comunidade imaginada que somos, este barco no alto mar, a nação moçambicana, quando tal senso comum se tor na mentira e inveja. No entender do senso comum, o que parece é, não precisa de p rova, pois é. É como algumas opiniões que aparecem nas cartas de leitores dos nossos jornais, ou nas páginas da internet, que nada mais são se n ão uma forma de criar f a c t o s i r reais, de construir inexistências, só para lixar algum visado, p o rque, o(a) gajo(a) tem mania, ginga muito, é machangana e sacou-me a dama(o). Na verdade, o que está por detrás de tais lixanços, são a inveja, o discurso de desqualificação do outro, p reconceitos, rotulagens, e, claro está, o teor mentiro g é n e o e invejoséneo. Poderia f alar de muitos mais palavrões, mas, já que estamos na era de descalçar sapatos (Mia Couto) e de limpeza das nossas más maneiras (Elísio Macamo), ficome por aqui, esperando que tudo isso seja um transe passadiço, fugaz e processual, pois, parafraseando Juliyus Nyere re, Moçambique está no alto mar. Estou em crer que o 21

2 mau tempo um dia passará e, consequentemente, os t s u n a m i s d a s nossas más maneiras dissipe. De modo geral, o que suscita tais comportamentos no barco em pleno mar alto é a sensação causada pelo ciclone e consequente turbilhão do sucesso de terc e i ros, o que de im ediato acciona nos passageiros mentirosos e invejosos os mecanismos daquilo a q ue os sociólogos chamam de preconceito e de teoria da ro t u l a ç ã o / rotulagem. Uma espécie de náusea motivada pelas ondas do sucesso alheio. Chegados aqui, talvez caibam alguns truísmos explicativos já que, as massas de ar quente abundam, a ponto de causar mal estar geral no b a rco nacional, quanto menos não seja só pelo cheiro nauseabundo. Primeiro truísmo: A inveja Kukhuta kwa njiri, nkhumba nkhabe sekera bi 3 A inveja é definida como um sentimento de desgosto e ódio simultâneos provocados pelo bem ou pela felicidade de alguém. Numa outra dimensão, a inveja é o sentimento que se traduz pelo desejo de possuir aquilo que outrem possui ou de o igualar ou superar em alguma coisa. A inveja é um misto de desgosto e raiva por aquilo que outra pessoa tem ou é. No fundo trata-se de despeito. Há quem diga que a inveja não é má. No entanto, eu entendo que, se a acção de cada um de nós for levada a cabo nos quadros de v a l o res mínimos para com o outro, p a rece-me que a inveja não tem razão de ser e t ão pouco tem lugar nas nossas acções. Se estivermos a falar de inveja praticada em espaços partilhados, aliás só assim ela tem razão de ser, a inveja é simplesmente repugnante, embora muitos de nós persistam em en veredar por ela. De qualquer modo ela é um potencial motor para a mentira, ou vice-versa. Segundo truísmo: O preconceito e a rotulagem Pya nkamwene pinadzipa kulonga, pya tebzala pinalongwa na ani? O preconceito Segundo o dicionário de sociologia de Allan Johnson, pre c o n- ceito é a teoria da desigualdade racial, étnica, entre outras formas, e discriminação é a sua prática. P reconceito é uma atitude cultural positiva ou negativa dirigida a m e m b ros de um grupo ou categoria social. Como uma atitude, combina crenças e juízos de valor com predisposições emocionais positivas ou negativas. O preconceito é sociologicamente importante porque fundamenta a discriminação, o tratamento desigual de indivíduos que pertencem a um grupo ou categoria partic u l a r. Daqui resulta que, bastas vezes, tudo o que é diferente é julgado com base nos nossos p r ó p r i o s valores. Isso me parece ser sociologicamente injusto, já que, embora haja valores universais, também os há locais e pessoais que não chocam necessariamente com os primeiros, são apenas difere n t e s. Este é também, outro potente motor que acciona a mentira e a inveja, o não aceitar a diferença, ou melhor, abominar a diferença. A pro d u ç ã o da diferença é uma questão que tem a ver com as identidades. Melhor, a identidade também se define como sendo a produção da difere n ç a. Para os invejosos, o facto de eu o c o r rer de forma diferente, como me visto, como falo, como como, e todo o meu modo/estilo de vida ser d i f e rente, é forte motivo para debate no sentido de desqualificação, inveja e rótulo. 2.2 a r otulação/rotulagem O rótulo define o indivíduo como sendo um determinado tipo de pessoa. Portanto, a ro t u l a g e m quer dizer mesmo isso: pôr um rótulo. No entanto, tal rótulo pode c o r responder à verdade ou não. De qualquer forma, o rótulo é um estatuto director no sentido em que, o b s c u rece todos os outros estatutos ostentados pelo indivíduo rotulado. Nós compramos a cerveja 2M pelo rótulo que nos foi vendido a n t e r i o rmente, a marca, a imagem. F a z e n d o - o, supomos que o conteúdo é mesmo 2M. Mas há quem se deleite vendendo gato por lebre. Se, por exemplo, alguém é ro t u- lado de drogado, ou tribalista, ou racista, ou armalhão, esse rótulo supera o seu estatuto de pai, irm ã o, vizinho e provavelmente de b om cidadão, no sentido de indivíduo que pensa e age pelos seus e pela República. O rótulo supera a sua qualidade de ser social arreigado a v a l o res do bem comum e de dignidade que, provavelmente, ostenta. Assim, o i ndivíduo é automaticamente encaixado no padrão dos desviantes, uma subcultura que por definição é contra a norma e a regra. Cá está o gato e a legitima p e rgunta: quem leva o gato ao guizo, já que vai ser vendido por lebre? Mais grave, é o facto do indivíduo, pobre lebre, ser tido por desviante, e, como se não bastasse, internaliza essa presunção e, desde então, supõe-se desviante e marg i- nal, o que afecta a sua conduta, as suas acções e relações sociais. Há no entanto, a prerrogativa da agência ( a g e n c y ). Isto é, a possibilidade que os a ctores sociais têm de, independentemente do que é dito sobre si, agirem diferentemente e de acordo com o seu estado volitivo-emocional, com vista a in flu e n- ciar sistemas/ estruturas sociais. Todavia, não nos esqueçamos que, tal como o diz o sociólogo francês Émile Durkheim, os actores sociais são pressionados por um duplo constrangimento, duplo laço:d o u b l e b i n d. Tal significa dizer que, por um lado, os actores sociais são constrangidos pelas normas e valores que são parte do sistema/estrutura. Por outro, o mesmo actor social i n t e rn a l i z a - a s, o que acaba sendo uma espécie de autocensura. É verdade que eu não me comporto de qualquer maneira, caem-me logo em cima as manas, os amigos e os colegas, os pro f e s- s o res, os estudantes e os cinzentinhos. Para não falar dos meus s u p e r i o res hierárquicos e das próprias normas que habitam as minhas condutas. Por outro lado, só de pensar no que me dirão em resultado desse comportamento impensado nem sequer me atre v o a levá-lo a cabo. Aliás eu próprio constranjo essa ignóbil ideia, mal de mim se assim não fosse. 22 LATITUDES n 25-décembre2005

3 Chegados aqui penso ter ficado c l a ro que o preconceito e a ro t u l a- ção são atributos que estruturam as c o r rentes mentirogéneas e in vejoséneas. O passo seguinte é acasalar tais atributos veiculados pelo senso comum à sociologia do rumor que os estuda, olhando para as consequências funcionais e p ara as variáveis explicativas estruturadas pela mentira e pela inveja. Partidos que estão os ovos agora vou pôr tudo na batedeira e fazer o bolo. 3. Acasalando o senso comum à sociologia do rumor A primeira vez que ouvi a formulação sociologia do rumor foi da minha professora de i ntrodução à Sociologia, a Dra. Maria do Céu do Carmo Reis. Entendi que ela se referia à maneira como os discursos c i rculam através das redes sociais, e nos chegam via rádio boca e em cadeia nacional, sendo ou não v e rdade, no entanto fazendo jus ao dito segredo é aquilo que se diz baixinho de ouvido em ouvido : Diz-se que... ouvi dizer que..., e lá vai a má nova corroendo os tímpanos dos mais incautos, dos menos prevenidos. Numa explicação dum parágrafo a sociologia trata de alojar os fenômenos, os processos, no espaço e no tempo, traçando as suas características estruturantes, padronizandoos e tipificando-os. A sociologia p rocura compreender para explicar tais fenômenos ( v e r s e t e h e n ). A sociologia do rumor seria, então, uma sociologia especial. Por conseguinte, seria a sociologia que explica a acção mentirosa, seus atributos e suas nuances estruturantes tentando c o m p reender para explicar as correntes mentirogéneas. No meu entender, o senso comum e a sociologia do rumor têm uma relação funcional, porque, se, para o senso comum, aquilo que p a rece é, a sociologia do rumor é o ramo da sociologia que operacionaliza e estuda o primeiro. Sabido que a sociologia é o estudo da interdependência, é justo aventarm o s algumas hipóteses de trabalho sobre essa interdependência, ou que dela resultam. Primeira hipótese: A mentira, e a inveja sua correlata, podem ter várias funções. Neste caso a primeira é a possibilidade de semear ou não a coesão social nessa interdependência de actores sociais. Segunda hipótese: Paralelamente, a mentira e a inveja estabelecem as balizas do espaço social que ocupamos em interacção. Isto é, tal espaço é estrutura do pela mentira e pela inveja. Ou seja, a mentira e a inveja criam um espaço social cujo denominador comum e a glutinador está ancorado nas correntes mentirogéneas e invejoséneas. Portanto, somos postos perante uma re a l i- dade social mentida, mentirosa e invejosa, pois só faz sentido mentir s o b re gente que nos diz re s p e i t o, os nossos aos quais temos acesso. Ou, por outra, através da mentira e da inveja é possível construir e destruir o nosso espaço social! Não sei se d aí resulta uma sociedade de m e n t i rosos e invejosos e se isso constitui problema: mas daí re s u l- tam coisas que nos deviam pre o c u- p a r, principalmente no que toca a (des)confiança no nosso seio. Se pensarmos como Fukuyama (1996), haverá que ter em conta o facto das lições morais serem passadas, transmitidas, não de form a Samate, sem título, acrílico sobre tela, racional, mas através de imagens, de costumes e de opiniões sociais. Portanto, se a nossa opinião é mentira e mentirosa, então, estamos a criar um sólido mundo mentiroso, sem carácter, e amoral que se incrusta nos nossos costumes e hábitos que se tornam h a b i t u s, portanto, um conjunto de pre d i s p o- sições que explicaremos mais adiante. Te rceira hipótese: Não terá a (des)confiança e o receio de dizer, ou de produzir diferença a ver com o facto de que a mentira nos habituou a não confiar, e de re c e a rm o s sanções sociais, decorrentes do referido duplo constrangimento, mesmo que o que se diz sobre nós resulte de correntes mentiro g é n e a s e invejoséneas? Quero sublinhar que a confiança pode ser usada como variável explicativa para múltiplas acções ou não acções, seja no plano político, económico, cultural, ou mesmo nas simples relações s ociais do nosso quotidiano, já de si dramatúrg i c o ( G o ffman). Tal como o diz Hollis (1998), a confiança pode ser um p o d e roso activo incrustado no mundo da racionalidade. Isto quer dizer tão somente que a confiança nos põe a agir em ralenti, pela i n é rcia, pelo hábito, pela experiência assumida de que o outro é 23

4 alguém em que se pode fazer fé, portanto, em quem se pode confi ar. Na verdade, nenhuma sociedade é possível sem doses elevadas de confiança entre os seus membro s, seja ela tácita ou implícita, seja ela f o rmalizada e contratual: A confia n ç a m a rca s empre uma articulação de jogos de expectativas que se t r a v a m e n t re nós e um outro. A confia n ç a é um adensador ou um acelerador das relações sociais. Segundo Rafael M a rq u e s (2003): Nas margens do risco e do sacrifício, a confiança surge como um operador social de p recipitação so cial, um óleo de sistema que garante que as r e l a ç õ e s se acelerem (...) aquele que confia descentra-se de si e mergulha no o u t ro, pre c i p i t a n d o - s e para alguém que figura como elemento capital. A relação de confiança estabelece como garantia a figura do o u t ro e a entrega do eu ao outro, o que implica a ausência de garantias, certificados e suportes externos. N o fundo, confiança significa entregar um cheque em branco ao outro n a s relações quotidianas. A questão que se nos impõe de imediato é: O que é que se passa quando esse outro não está, tal como nós, nos nossos quadros de referência, nos nossos q u a d ros decisionais, e por conseguinte, age de f o rma anormal do nosso ponto de vista, portanto, mente imbuído em correntes mentirogéneas e invejoséneas, isto é, mente com base em motivos ocultos e intenções estranhas (Jorg e Rebelo)? No mínimo esse alguém pega nesse cheque e, ao invés de pre e n- cher o montante corre s p o n d e n t e, abusa da nossa confiança e faz das suas, tornando uma simples c o n fiança num caso de PIC (Polícia de Investigação Criminal). Quarta hipótese: Se este é o nosso comportamento tal dá azo a uma quarta e, por enquanto, última hipótese re l a- cionada com o conceito deh a b i t u s entendido na acepção de Bourd i e u. Na verdade, o termo h a b i t u s é bastante antigo, vem dos tempos de Aristóteles, se bem que Bourdieu o use de forma distinta. Para B o u rdieu (1994), tais disposições geram práticas, percepções e atitudes que são regulares mesmo sem Bela Rocha, Segredo. s e rem conscientemente coord e n a- das, ou governadas por quaisquer regras. As disposições que constituem o h a b i t u s são inculcadas, estruturadas, duráveis, t ransponíveis ( t r a n s p o s a b l e ) e g enerativas. Estas disposições merecem uma pequena explicação. Elas são adquiridas, segundo B ourdieu, através dum processo gradual de inculcação onde a socialização primária é p a r t i c u l a rmente importante. Através duma série de processos de apre n- dizagem mimética nós intern a l i z a- mos o h a b i t u s. Tal é o caso, por exemplo, das boas maneiras á mesa (não falar com a boca cheia, não comer com os olhos, etc.). Assim os indivíduos adquirem um naip de disposições que enformam, estruturam o seu quadro de re f e r ê n c i a s. Um individuo que cresceu num ambiente e mbebido em corre n t e s m e n t i rogéneas e invejoséneas é mais propenso a re p roduzir tal a m b i e n t e social. As disposições estruturadas são duráveis, uma vez inculcadas deixam celeumas para o resto da história de vida do indivíduo operando de modo préconsciente o que torn a a sua mudança difícil à luz duma consciência reflexiva. Finalmente, as disposições são generativas e transponíveis no sentido em que elas são p ropensas a gerar uma multiplicidade de práticas e percepções noutro s campos que não sejam os da sua pro v e n i ê n c i a. Ou seja, se me ensinaram a mentir em política, tal se reflecte, sem que eu dê por isso no meu quotidiano com a namorada, com os colegas e com o cobrador do c h a p a, por exemplo. Se me ensinaram a mentir, a batotar no futebol, tal se re flecte no meu dia a dia, já que a vida é também um jogo, se bem que suposto ser limpo (fair play). O habitus p ro v i- dencia os indivíduos com estratégias de como vão agir e re s p o n d e r aos estímulos diários na sua vida. Por conseguinte, mentindo e tendo inveja dos outros, estamos a passar um mau legado, um h a b i t u s d e c o r rentes mentirogéneas e invejoséneas às gerações vindouras. O resultado dessa equação é uma juventude mentirosa, passe o exagero e salvas as devidas excepções. Por conseguinte, ver-nos-emos confro n- 24 LATITUDES n 25-décembre2005

5 tados com uma juventude sem compromisso com a verdade e valores correlatos. Na verdade, trata-se de uma juventude fruto desse p rocesso mimético que é a socialização incrustada pela intriga, fruto da mentira e da inveja, que nós os mais velhos ensinamos através dos nossos actos e discursos mentiro s o s e invejosos. Perg u n t a r-me-ão: Não será exagerado pensar assim, e só por isso culpar toda uma geração mais velha sobre o porvir? Em resposta direi que nunca é demais re c o rdar o adágio: as palavras levam-nas o vento. Assim, daqui decorre uma série de contra perguntas: - Como fazer dissipar equívocos, mentiras e invejas pro p a l a d a s pelos mais velhos, aos sete ventos, pelos quatro cantos do mundo, se tudo o vento levou? - Quem acarreta com os danos morais, por vezes materiais, se o rumor acaba sendo imputado a um autor/actor colectivo i nominado? - Onde começa e onde acaba a nossa responsabilidade? - Não terá o nosso fraco sentido de responsabilidade a ver com o facto de que lidamos com um mundo social que consideramos i m p revisível, incerto, mentiroso e invejoso? Penso que aqui cabe muito bem alusão à sociologia do risco, da incerteza. - Não terá o espírito do deixa andar de alguns a ver com o facto de não quere rem sofre r re p resálias, fruto de corre n t e s m e n t i rogéneas e invejoséneas d e c o r rentes de comportamentos e atitudes organizacionais anteriormente enraizados? A incerteza e a impre v i s i b i l i d a d e são extensíveis a todas as esferas da acção social. O campo económico não lhes escapa, evidência disso, por exemplo, são os anúncios publicitários. Atentemos para a ambiguidade deste anúncio: quer parecer mais bonita? use... o melhor produto do mundo; ou o produto X custa Y, e no acto do pagamento afinal custa Z e lá está uma menina de sorriso aberto a explicar que o preço Z é com o IVA incluído! Ou os pre ç o s do tipo 2,999! Não serão estas, mentiras da gr ossa? Na esfera política são os p rogramas eleitoralistas que não definem nada, omitindo, ou, mentindo: faremos isto mais a q u e l o u t ro ; construiremos um estádio de futebol em cada pro v í n- cia; quando eu ganhar ninguém pagará impostos! Estes são um arrolamento de mentiras desmedidas, vontades e x p ressas que vão ao encontro dos desejos do já de si depauperado nosso povo. Não será isto mentira e anti-ética da grossa? As correntes mentiro g é n e a s atingem as nossas instituições políticas; o rumor e a intriga andam e t resandam pelos meandros da política. Não é sem razão que o actual chefe do Estado fez questão de dizer no seu primeiro discurso, após sua proclamação, que não vai tolerar a intriga. Tal significa no mínimo que os meandros da nossa política, p a r t i c u l a rmente do partido no p o d e r, não escapam às corre n t e s m e n t i rogéneas, e que, por isso, o aviso à navegação passa por uma mudança a t i t u d i n a l e de cultura o rganizativa. Aqui cabe papel p reponderante ao partido Fre l i m o que, no meu entender, deve continuar a desempenhar papel de nave mãe dos processos s ó c i o - e c o n ó m i c o - político-culturais em Moçambique. Portanto, se assim é, assim deve ser: a Frelimo deve levar avante a chama da verdade, combatendo a mentira e a sua irmã a inveja, primeiro entre os seus membros. Depois, tal como nos anos posteriores a 75, estender a luta do Rovuma ao Maputo através dum trabalho político de base, tal como a chama da unidade acende a nação inteira. Por tudo isto, me parece legítimo citar Jorge Rebelo: Não basta que seja pura e justa a nossa causa, é necessário que a pureza e a justiça existam dentro de nós. Se queremos, tal como Jorg e Rebelo o escreveu, i n t e rn a l i z a r a nossa pureza e a justiça, que é, p r i m e i ro que tudo, a luta pela verdade que é a liberdade, a produção da diferença e o bem-estar do nosso povo, então temos que, desde já, mentir menos e, paulatinamente, pautarmos só e só pela v e rdade. De contrário, estamos a passar um legado que, tanto quanto eu saiba, não corresponde nem à ciência, tão pouco à arte, muito menos à filosofia e tão pouco ao mito. Contrariamente, estaremos a dizer que o que deve vingar são as c o r rentes mentirogéneas e invejoséneas, o que não parece ser apanágio do povo moçambicano. O povo moçambicano é sério e abomina a mentira e a inveja. Quanto menos não seja só pela nossa tradição enraizada na verdade l 1 No seu estudo O Suicídio, Durkheim refere-se às correntes suicidogéneas como sendo aquele conjunto de pré condições conducentes ao acto do suicídio. Por analogia, corrente mentirogéneas seria o conjunto de pré requisitos (predisposições) que impelem à mentira. Analogamente, e na mesma lógica, corrente invejosénea seria o conjunto de condições pré criadas conducentes à inveja. 2 Ndzeru mbawiri quer dizer literalmente o juízo são dois, isto é, o bom juízo é o de duas pessoas. Tal como o diz José Pampalk, o sentido é uma pessoa sòzinha engana-se, é preciso contrastar opiniões, consultar, ouvir os outros. A palavra e sabedoria de várias pessoas merece atenção, respeito - contrariamente à mentalidade do sabe-tudo. 3 O porco não se contenta com a saciedade do javali. Ridículo não é? 4 Provérbio Sena cuja tradução livre é: Sabe bem comentar as coisas do genro (desqualificando-o) e as coisas do sogro por quem serão comentadas? Moral: não desqualifiques o outro sob pena que tu também sejas desqualificado. 25

PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE.

PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE. PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE. 1. Teorias que consideram que a sociedade é uma instância que se impõe aos indivíduos sendo estes produto dessa

Leia mais

EFA NS C P 5 _ D E O N T O L O G I A E P R I N C Í P I O S É T I C O S

EFA NS C P 5 _ D E O N T O L O G I A E P R I N C Í P I O S É T I C O S Ética e Moral EFA NS C P 5 _ D E O N T O L O G I A E P R I N C Í P I O S É T I C O S 2009/2010 Valores No mundo contemporâneo o Homem já não segue valores modelos mas cria os seus próprios valores em função

Leia mais

Tal como aprendemos um jogo, jogando o, também aprendemos a viver, vivendo. Peter Worsley ( ) Sociólogo

Tal como aprendemos um jogo, jogando o, também aprendemos a viver, vivendo. Peter Worsley ( ) Sociólogo Socialização Tal como aprendemos um jogo, jogando o, também aprendemos a viver, vivendo. Peter Worsley (1924 2013) Sociólogo As pessoas não são mais do que indivíduos socializados Todos os homens nascem

Leia mais

CONCEPÇÕES ÉTICAS Mito, Tragédia e Filosofia

CONCEPÇÕES ÉTICAS Mito, Tragédia e Filosofia CONCEPÇÕES ÉTICAS Mito, Tragédia e Filosofia O que caracteriza a consciência mítica é a aceitação do destino: Os costumes dos ancestrais têm raízes no sobrenatural; As ações humanas são determinadas pelos

Leia mais

FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA

FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA Governo da República Portuguesa Descrição e interpretação da atividade cognoscitiva 1.1 Estrutura do ato de conhecer 1.2 Análise

Leia mais

Escritos de Max Weber

Escritos de Max Weber Escritos de Max Weber i) 1903-1906 - A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo (1ª parte, em 1904; 2ª parte em 1905; introdução redigida em 1920); - A objetividade do conhecimento nas Ciências Sociais

Leia mais

Dicas Crie um estilo pessoal

Dicas Crie um estilo pessoal Introdução Esse mini ebook foi feito especialmente para você que deseja conquistar lindas mulheres. Nas próximas páginas será compartilhado dicas práticas para que você conquiste mulheres de forma mais

Leia mais

como diz a frase: nois é grossa mas no fundo é um amor sempre é assim em cima da hora a pessoa muda numa hora ela fica com raiva, triste, feliz etc.

como diz a frase: nois é grossa mas no fundo é um amor sempre é assim em cima da hora a pessoa muda numa hora ela fica com raiva, triste, feliz etc. SEGUIR EM FRENTE seguir sempre em frente, nunca desistir dos seus sonhos todos nós temos seu nivel ou seja todos nós temos seu ponto fraco e siga nunca desistir e tentar até voce conseguir seu sonho se

Leia mais

A tristeza. A tristeza

A tristeza. A tristeza E a leitura continua..."o Principezinho" - quarta-feira, 6 de Fevereiro de 2013 No capítulo V, o Principezinho demonstra muita tristeza nas suas palavras. Após a leitura, foi proposto aos alunos escreverem

Leia mais

Conceito De Liberdade Pessoal Tânia Fernandes

Conceito De Liberdade Pessoal Tânia Fernandes Conceito De Liberdade Pessoal Tânia Fernandes 24-11-2010 Tânia Fernandes Página 1 Índice Índice Conceito De Liberdade Pessoal... 1 Índice... 2 Conceito De Liberdade Pessoal... 3 Segue alguns artigos do

Leia mais

Descartando Descartes

Descartando Descartes Descartando Descartes Este livro foi criado com o proposito de ser independente e de ser, pessoalmente, o meu primeiro trabalho como escritor. Isaac Jansen - 2015 Quem foi René Descartes? Dono da razão,

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA DISCIPLINAS DE PESQUISA PROF. DR. LUÍS EDUARDO ALMEIDA

REFLEXÕES SOBRE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA DISCIPLINAS DE PESQUISA PROF. DR. LUÍS EDUARDO ALMEIDA REFLEXÕES SOBRE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA DISCIPLINAS DE PESQUISA 2016-2 PROF. DR. LUÍS EDUARDO ALMEIDA CIÊNCIA Etimologia: Ciência vem da palavra latina scientia, que significa conhecimento;

Leia mais

Sobre Kant. Kant nasceu em Konigsberg, no ano de 1724 e morreu em 1804 sem nunca ter saído da sua cidade natal.

Sobre Kant. Kant nasceu em Konigsberg, no ano de 1724 e morreu em 1804 sem nunca ter saído da sua cidade natal. Sobre Kant Kant nasceu em Konigsberg, no ano de 1724 e morreu em 1804 sem nunca ter saído da sua cidade natal. Foi um dos últimos europeus a dominar toda a ciência do seu tempo, incluindo a física, a geografia,

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE. O que é Ciência?

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE. O que é Ciência? CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE O que é Ciência? O QUE É CIÊNCIA? 1 Conhecimento sistematizado como campo de estudo. 2 Observação e classificação dos fatos inerentes a um determinado grupo de fenômenos

Leia mais

Objetividade do conhecimento nas ciências sociais. - primeiro passo: evitar confusões entre juízos de fato e juízos de valor.

Objetividade do conhecimento nas ciências sociais. - primeiro passo: evitar confusões entre juízos de fato e juízos de valor. Objetividade do conhecimento nas ciências sociais Objetividade +> rejeição à posição positivista no que se refere à neutralidade valorativa: rígida separação entre fatos e valores; => demarcação entre

Leia mais

SOMOS LIVRES AO DECIDIR

SOMOS LIVRES AO DECIDIR FILOSOFIA 2º ano Partindo do principio de que liberdade é LIBERDADE DE ESCOLHER Afinal, até onde alcança o poder da nossa liberdade? Nossas escolhas estão ligadas aos princípios morais da nossa sociedade;

Leia mais

Magistério profético na construção da Igreja do Porto

Magistério profético na construção da Igreja do Porto Magistério profético na construção da Igreja do Porto Excertos do pensamento de D. António Ferreira Gomes entre 1969-1982 A liberdade é sem dúvida um bem e um direito, inerente à pessoa humana, mas é antes

Leia mais

Professora: Susana Rolim S. Silva

Professora: Susana Rolim S. Silva Professora: Susana Rolim S. Silva Sociólogo, filósofo e antropólogo francês. Conferiu a Sociologia o reconhecimento acadêmico. Considerado por muitos o pai da Sociologia. Sua grande preocupação: estabelecer

Leia mais

Conceito de Moral. O conceito de moral está intimamente relacionado com a noção de valor

Conceito de Moral. O conceito de moral está intimamente relacionado com a noção de valor Ética e Moral Conceito de Moral Normas Morais e normas jurídicas Conceito de Ética Macroética e Ética aplicada Vídeo: Direitos e responsabilidades Teoria Exercícios Conceito de Moral A palavra Moral deriva

Leia mais

22/08/2014. Tema 7: Ética e Filosofia. O Conceito de Ética. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes

22/08/2014. Tema 7: Ética e Filosofia. O Conceito de Ética. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes Tema 7: Ética e Filosofia Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes O Conceito de Ética Ética: do grego ethikos. Significa comportamento. Investiga os sistemas morais. Busca fundamentar a moral. Quer explicitar

Leia mais

O Consumo e a Televisão Por Pedro Luiz O. Costa Bisneto 17/09/1995

O Consumo e a Televisão Por Pedro Luiz O. Costa Bisneto 17/09/1995 O Consumo e a Televisão Por Pedro Luiz O. Costa Bisneto 17/09/1995 Assistimos, hoje em dia, a uma multiplicidade de anúncios na televisão, desde simples produtos, até coisas que, teoricamente não são vendáveis,

Leia mais

Sociedade e indivíduo. Cultura e socialização: cultura.

Sociedade e indivíduo. Cultura e socialização: cultura. Sociedade e indivíduo Cultura e socialização: cultura. Todo este património de artefactos materiais ou espirituais em que o Homem se movimenta e de que se serve para satisfazer as suas necessidades físicas,

Leia mais

Resumo dos 4 primeiros capítulos de Ética para um jovem de SAVATER, Fernando

Resumo dos 4 primeiros capítulos de Ética para um jovem de SAVATER, Fernando Capitulo 1 No capitulo um Fernando Savater faz-nos uma pequena introdução ao que é a Etica, por palavras suas a ética é aquilo que nos convem. Neste capitulo também é-nos contada a historia de Heitor e

Leia mais

Boatos são notícias que uma pessoa conta para outra, contando fatos distorcidos (em sua maioria aumentados, ou inverdades ou ainda, tira conclusões

Boatos são notícias que uma pessoa conta para outra, contando fatos distorcidos (em sua maioria aumentados, ou inverdades ou ainda, tira conclusões Boatos são notícias que uma pessoa conta para outra, contando fatos distorcidos (em sua maioria aumentados, ou inverdades ou ainda, tira conclusões de algumas palavras que ouviu. É uma hipótese baseada

Leia mais

1º AULÃO ENEM Sociologia 1) SAS. 2 ENEM

1º AULÃO ENEM Sociologia 1) SAS.  2 ENEM 1º AULÃO 2016 1) SAS 2 1º AULÃO 2016 Na tirinha, Mafalda, após ler o conceito de democracia, não consegue mais parar de rir. Dentre várias interpretações sociológicas sobre as razões do riso contínuo da

Leia mais

Moscovici (2011) propõe um conjunto de habilidades de comunicação a serem desenvolvidas para o processo de feedback:

Moscovici (2011) propõe um conjunto de habilidades de comunicação a serem desenvolvidas para o processo de feedback: Moscovici (2011) propõe um conjunto de habilidades de comunicação a serem desenvolvidas para o processo de feedback: Entre as principais habilidades de comunicação interpessoal podem ser indicadas a paráfrase,

Leia mais

Quem criou o termo e desenvolveu a sociologia como ciência autônoma foi Auguste Comte. Sua obra inicia-se no início do século XIX e é central a noção

Quem criou o termo e desenvolveu a sociologia como ciência autônoma foi Auguste Comte. Sua obra inicia-se no início do século XIX e é central a noção Quem criou o termo e desenvolveu a sociologia como ciência autônoma foi Auguste Comte. Sua obra inicia-se no início do século XIX e é central a noção de evolução social na compreensão deste sociólogo sobre

Leia mais

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Cursos Científico-Humanísticos Ano Letivo 2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL SOCIOLOGIA (12º ano) Página 1 de 6 Competências Gerais Desenvolver a consciência dos direitos e

Leia mais

Os Sociólogos Clássicos Pt.2

Os Sociólogos Clássicos Pt.2 Os Sociólogos Clássicos Pt.2 Max Weber O conceito de ação social em Weber Karl Marx O materialismo histórico de Marx Teoria Exercícios Max Weber Maximilian Carl Emil Weber (1864 1920) foi um intelectual

Leia mais

filosofia contemporânea

filosofia contemporânea filosofia contemporânea carlos joão correia 2014-2015 1ºSemestre 2000 1999 sentimento de si nuclear - consciência de si aqui e agora imagem corporal condição necessária sentimento de si sim não reconhecimento

Leia mais

O DIREITO E A MORAL GUSTAVO GUSMÃO

O DIREITO E A MORAL GUSTAVO GUSMÃO O DIREITO E A MORAL GUSTAVO GUSMÃO O DIREITO E A MORAL Um dos temas mais interessantes abordados pela Filosofia Jurídica abrange a questão da relação entre o direito e a moral, permitindo uma infinita

Leia mais

Respeito pela História dos outros. Série: Os Dez Mandamentos - Não Matarás

Respeito pela História dos outros. Série: Os Dez Mandamentos - Não Matarás Gernando Costa Respeito pela História dos outros Série: Os Dez Mandamentos - Não Matarás Arrume um bom emprego Arrume um bom emprego Entenda que eu não gosto de Você Arrume um bom emprego Entenda que

Leia mais

Ética aplicada: ética, moral, valores e virtudes. Professora Renata Lourdes.

Ética aplicada: ética, moral, valores e virtudes. Professora Renata Lourdes. Ética aplicada: ética, moral, valores e virtudes Professora Renata Lourdes. renatalourdesrh@hotmail.com CONCEITO DE ÉTICA Estudo dos juízos de apreciação referentes à conduta humana suscetível de qualificação

Leia mais

Aula 2: Cultura e Sociedade: Objeto e método das Ciências Sociais.

Aula 2: Cultura e Sociedade: Objeto e método das Ciências Sociais. Aula 2: Cultura e Sociedade: Objeto e método das Ciências Sociais. CCJ0001 - Fundamentos das Ciências Sociais Profa. Ivana Schnitman Centro Universitário Estácio da Bahia Conteúdo O contexto histórico

Leia mais

Fórum da OIT Trabalho Digno para uma Globalização Justa

Fórum da OIT Trabalho Digno para uma Globalização Justa Fórum da OIT Trabalho Digno para uma Globalização Justa Abertura pelo Senhor Primeiro Ministro Lisboa, FIL (Junqueira), 31 de Outubro de 2007, 17H00 Senhor Director-Geral do BIT, Senhoras e Senhores, Saúdo

Leia mais

Sigilo. Coleguismo Honra. Justiça. Responsabilidade. Zelo. Honestidade. Igualdade. Respeito. Competência Liberdade. Solidariedade.

Sigilo. Coleguismo Honra. Justiça. Responsabilidade. Zelo. Honestidade. Igualdade. Respeito. Competência Liberdade. Solidariedade. O QUE É ÉTICA? Coleguismo Honra Sigilo Justiça Igualdade Zelo Responsabilidade Honestidade Competência Liberdade Respeito Lealdade Solidariedade Etimologia: Ética= ethos (grego) = costumes, modo de ser,

Leia mais

Ao longo deste ano, fizeram-me muitas perguntas sobre temas variados relacionados com a sexualidade, perguntas essas feitas em diferentes contextos,

Ao longo deste ano, fizeram-me muitas perguntas sobre temas variados relacionados com a sexualidade, perguntas essas feitas em diferentes contextos, INTRODUÇÃO Falemos de Sexo sem Tabus, de uma forma simples, directa e de fácil compreensão, a todos os portugueses, homens e mulheres, curiosos e interessados em melhorar a sua sexualidade. Falar sobre

Leia mais

INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA PROVA 344 INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 12º Ano de Escolaridade CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS SOCIOLOGIA ANO LECTIVO 2011/2012 Tipo de prova: Escrita Duração (em minutos): 90 TEMAS CONTEÚDOS

Leia mais

Centro Conjunto de Operações de Paz do Brasil. Centro Sergio Vieira de Mello

Centro Conjunto de Operações de Paz do Brasil. Centro Sergio Vieira de Mello Centro Conjunto de Operações de Paz do Brasil Centro Sergio Vieira de Mello Unidade 4 Parte 3 Respeito pela Diversidade Valores Organizacionais Essenciais da ONU Integridade Profissionalismo Respeito pela

Leia mais

A fé. Deus. acredita em. Porque é que. Se algumas pessoas não acreditam. nem toda a gente

A fé. Deus. acredita em. Porque é que. Se algumas pessoas não acreditam. nem toda a gente A fé Porque é que nem toda a gente acredita em Deus? A fé Se algumas pessoas não acreditam em Deus, é talvez porque ainda não encontraram crentes felizes que tivessem vontade de dar testemunho da sua fé.

Leia mais

Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. Teste Intermédio de Filosofia Teste Intermédio Filosofia Duração do Teste: 90 minutos 22.02.2011 10.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Utilize apenas caneta ou esferográfica

Leia mais

Os Deveres dos Pais. Letras. Editora. J. C. Ryle. Tradução Rodrigo Silva

Os Deveres dos Pais. Letras. Editora. J. C. Ryle. Tradução Rodrigo Silva Os Deveres dos Pais Os Deveres dos Pais J. C. Ryle Tradução Rodrigo Silva Editora Letras Título Original: The Duties of Parents por J. C. Ryle Copyright Editora Letras 1ª edição em português: outubro

Leia mais

Educação Difusa: a tradição oral

Educação Difusa: a tradição oral Educação Difusa: a tradição oral A educação existe onde não há escola e por toda parte podem haver redes e estruturas sociais de transferência de saber de uma geração a outra, onde ainda não foi sequer

Leia mais

Salmo 23.

Salmo 23. Anésio Rodrigues Salmo 23 www.bible.com/pt-br Bondade e Misericórdia me seguirão (Estudo sobre o Salmo 23) Salmo 23 Nova Versão Internacional Salmo 23 O Senhor é o meu pastor; de nada terei falta. Salmo

Leia mais

SEXUALIDADE - definição

SEXUALIDADE - definição A sexualidade SEXUALIDADE - definição É uma energia que nos motiva a procurar o amor, contacto, ternura, intimidade; que se integra no modo como nos sentimos, movemos, tocamos, e somos tocados; é ser-se

Leia mais

SOCIOLOGIA PRINCIPAIS CORRENTES.

SOCIOLOGIA PRINCIPAIS CORRENTES. SOCIOLOGIA PRINCIPAIS CORRENTES Augusto Comte 1798-1 857 Lei dos três estados: 1ª) Explicação dos fenômenos através de forças comparáveis aos homens. 2ª) Invocação de entidades abstratas (natureza). 3ª)

Leia mais

EU CREIO NA PALAVRA DE DEUS (1 Rs ; Lc 5.1-6)

EU CREIO NA PALAVRA DE DEUS (1 Rs ; Lc 5.1-6) EU CREIO NA PALAVRA DE DEUS (1 Rs 17.8-16; Lc 5.1-6) 1 Comentar Elias e a viúva de Sarepta As palavras têm muito poder. Sua boca tem que falar palavra de Deus, não palavra religiosa. Tens que dizer: a

Leia mais

FILOSOFIA - 2 o ANO MÓDULO 14 O POSITIVISMO DE COMTE

FILOSOFIA - 2 o ANO MÓDULO 14 O POSITIVISMO DE COMTE FILOSOFIA - 2 o ANO MÓDULO 14 O POSITIVISMO DE COMTE Fixação 1) Para Comte, o que define a sociedade? Fixação 2) A filosofia de Comte considera a humanidade como uma unidade essencial; para compreender

Leia mais

Versão A. Grupo I (10 x 3 = 30 pontos) Assinala a alternativa correta

Versão A. Grupo I (10 x 3 = 30 pontos) Assinala a alternativa correta Versão A Grupo I (10 x 3 = 30 Assinala a alternativa correta 1.A filosofia não é uma ciência: a) Porque a filosofia consiste na procura do conhecimento factual. b) Porque os problemas e métodos da filosofia

Leia mais

29/11/2009. Entrevista do Presidente da República

29/11/2009. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na chegada ao hotel Villa Itália Cascais-Portugal, 29 de novembro de 2009 Jornalista: (incompreensível) Presidente:

Leia mais

BONS Dias. Ano Pastoral Educativo Colégio de Nossa Senhora do Alto. Com Maria Desperta a. Luz. que há em TI

BONS Dias. Ano Pastoral Educativo Colégio de Nossa Senhora do Alto. Com Maria Desperta a. Luz. que há em TI BONS Dias Com Maria Desperta a Luz que há em TI 2ª feira, dia 12 de dezembro de 2016 III Semana (11 de dezembro): ALEGRAR Ontem, a Igreja celebrou o domingo da alegria: Jesus está para chegar e só Ele

Leia mais

Hans Kelsen. Prof. Nogueira. O que é Justiça?

Hans Kelsen. Prof. Nogueira. O que é Justiça? Hans Kelsen Prof. Nogueira O que é Justiça? Biografia Básica 1881 1973 Austríaco Judeu Biografia Básica 1 ed. Teoria Pura do Direito 1934 O que é Justiça? 1957 2 ed. Teoria Pura do Direito 1960 Histórico

Leia mais

LOGOTIPO OU LOGOMARCA?

LOGOTIPO OU LOGOMARCA? E-book para Empreendedores LOGOTIPO OU LOGOMARCA? Dicas para criar um( a ) logo de sucesso www.logovia.com.br A equipe do Logovia deseja que a leitura deste e-book seja agravável e que expanda seu entendimento

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE DIREITO

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE DIREITO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE DIREITO AULA 1 MORAL, ÉTICA E DIREITO OBJETIVO Distinguir Direito, de Ética e de Moral MECANISMOS DE CONTROLE SOCIAL - MORAL - ÉTICA - REGRAS DE TRATO SOCIAL - RELIGIÃO SÓ DESCREVEM

Leia mais

Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente Senhora e Senhores Membros do Governo

Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente Senhora e Senhores Membros do Governo Intervenção do Deputado Sérgio Ferreira no período legislativo de Novembro de 2006. Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente Senhora e Senhores Membros do Governo Mais milhão,

Leia mais

VERDADES E MENTIRAS. Quem está mentindo e quem está dizendo a verdade. Quantas pessoas estão mentindo e quantas estão dizendo a verdade

VERDADES E MENTIRAS. Quem está mentindo e quem está dizendo a verdade. Quantas pessoas estão mentindo e quantas estão dizendo a verdade VERDADES E MENTIRAS Chamamos de a um tipo específico de questão, cujo enunciado nos apresenta uma situação qualquer, envolvendo normalmente alguns personagens, que irão declarar algo. O ponto principal

Leia mais

ESPAÇO, MATÉRIA E TEMPO

ESPAÇO, MATÉRIA E TEMPO ESPAÇO, MATÉRIA E TEMPO O Livro dos Espíritos 82. Será certo dizer-se que os Espíritos são imateriais? Como se pode definir uma coisa, quando faltam termos de comparação e com uma linguagem deficiente?

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA Prova: 344 / 2015 12.º Ano de Escolaridade Formação

Leia mais

Abc de Fernando Pessoa. Citações em verso e prosa

Abc de Fernando Pessoa. Citações em verso e prosa Abc de Fernando Pessoa Citações em verso e prosa ABDICAR. Abdicar da vida para não abdicar de si próprio. ABUSAR. A essência do uso é o abuso. ACONSELHAR. Dar bons conselhos é insultar a faculdade de

Leia mais

EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM

EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM Segunda-feira da 12ª Semana do Tempo Comum 1) Oração Senhor,

Leia mais

Linguagem e Ideologia

Linguagem e Ideologia Linguagem e Ideologia Isabela Cristina dos Santos Basaia Graduanda Normal Superior FUPAC E-mail: isabelabasaia@hotmail.com Fone: (32)3372-4059 Data da recepção: 19/08/2009 Data da aprovação: 31/08/2011

Leia mais

TÉCNICA S. para um estudo eficaz

TÉCNICA S. para um estudo eficaz TÉCNICA S para um estudo eficaz Planeamento e organização do estudo O aluno capaz de estabelecer horários adequados e de organizar os seus estudos obterá melhores resultados escolares, terá tempo para

Leia mais

O Sistema de Exame de Acesso é electrónico (feito no computador) de múltiplas escolhas, igualmente designado por Sistema Americano;

O Sistema de Exame de Acesso é electrónico (feito no computador) de múltiplas escolhas, igualmente designado por Sistema Americano; INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO TOCOÍSTA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS Curso de Sociologia O Sistema de Exame de Acesso é electrónico (feito no computador) de múltiplas escolhas, igualmente

Leia mais

CORRENTES DE PENSAMENTO DA FILOSOFIA MODERNA

CORRENTES DE PENSAMENTO DA FILOSOFIA MODERNA CORRENTES DE PENSAMENTO DA FILOSOFIA MODERNA O GRANDE RACIONALISMO O termo RACIONALISMO, no sentido geral, é empregado para designar a concepção de nada existe sem que haja uma razão para isso. Uma pessoa

Leia mais

Alice Mendonça Universidade da Madeira INTERCULTURALIDADE. O QUE É?

Alice Mendonça Universidade da Madeira INTERCULTURALIDADE. O QUE É? Alice Mendonça Universidade da Madeira INTERCULTURALIDADE. O QUE É? Apartheid sistema de segregação social Até há uma década, cada sul africano era classificado numa destas categorias: Branco, pessoa de

Leia mais

RELAÇÕES RACIAIS NA PERSPECITIVA CURRICULAR E EDUCACIONAL

RELAÇÕES RACIAIS NA PERSPECITIVA CURRICULAR E EDUCACIONAL RELAÇÕES RACIAIS NA PERSPECITIVA CURRICULAR E EDUCACIONAL "Que a água seja refrescante. Que o caminho seja suave. Que a casa seja hospitaleira. Que o Mensageiro conduza em paz nossa Palavra." Benção Yoruba

Leia mais

Ética e Relações Interpessoais. Professora Nancy Assad

Ética e Relações Interpessoais. Professora Nancy Assad Ética e Relações Interpessoais Professora Nancy Assad O que é ética? Etimologia: Ética: ethos (grego): costumes, modo de ser, caráter. Ética é reflexão sobre a própria conduta para saber como agir; Ética

Leia mais

Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural. O Brasil é um País Multirracial. Contextualização. Teleaula 1.

Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural. O Brasil é um País Multirracial. Contextualização. Teleaula 1. Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural Teleaula 1 Profa. Dra. Marcilene Garcia de Souza tutorialetras@grupouninter.com.br O Brasil é um País Multirracial Letras Contextualização

Leia mais

Versão B. Grupo I (10 x 3 = 30 pontos) Assinala a alternativa correta

Versão B. Grupo I (10 x 3 = 30 pontos) Assinala a alternativa correta Versão B Grupo I (10 x 3 = 30 Assinala a alternativa correta 1.Dizer que a filosofia é uma atividade reflexiva é afirmar que: a) A filosofia é um saber puramente racional. b) A filosofia é um método puramente

Leia mais

A política de Saúde na Ilha de São Jorge. Petição sobre o Centro de Saúde das Velas O PANFLETO DA AGONIA

A política de Saúde na Ilha de São Jorge. Petição sobre o Centro de Saúde das Velas O PANFLETO DA AGONIA Intervenção proferida no Plenário de Maio de 2003. Deputado Mark Marques Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente e membros do Governo. A política de Saúde na Ilha de São Jorge

Leia mais

I N F O R M A Ç Ã O PROVA DE E Q U I V A L Ê N C I A À F R E Q U Ê N C I A

I N F O R M A Ç Ã O PROVA DE E Q U I V A L Ê N C I A À F R E Q U Ê N C I A Ministério da Educação e Ciência Agrupamento de Escolas de Anadia Ano letivo de 2015-2016 I N F O R M A Ç Ã O PROVA DE E Q U I V A L Ê N C I A À F R E Q U Ê N C I A CICLO CÓDIGO - DISCIPLINA ANO DE ESCOLARIDADE

Leia mais

Disciplina de Filosofia. Prof.ª Ana Paula

Disciplina de Filosofia. Prof.ª Ana Paula Disciplina de Filosofia Prof.ª Ana Paula Eixo: Ética Tema: Moral e Ética Objetivo Geral: Refletir sobre os conceitos de Moral e Ética. Reflexão... A Fábula da Convivência [Leitura e Discussão] Imagem ilustrativa

Leia mais

FEEDBACK DICAS PRATICAS. Prof. Taís Brenner Oesterreich Administração Faculdade Anglicana de Erechim

FEEDBACK DICAS PRATICAS. Prof. Taís Brenner Oesterreich Administração Faculdade Anglicana de Erechim FEEDBACK DICAS PRATICAS Prof. Taís Brenner Oesterreich Administração Faculdade Anglicana de Erechim SAIBA COMO FORNECER FEEDBACK SEJA DESCRITIVO Relate, o mais objetivamente possível, o que viu ou o que

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 31 Discurso em jantar comemorativo

Leia mais

Filosofia Iluminista. Profª Karina Oliveira Bezerra Unidade 01. Capítulo 04: p Unidade 08. Capítulo 05: pg

Filosofia Iluminista. Profª Karina Oliveira Bezerra Unidade 01. Capítulo 04: p Unidade 08. Capítulo 05: pg Filosofia Iluminista Profª Karina Oliveira Bezerra Unidade 01. Capítulo 04: p.57-58 Unidade 08. Capítulo 05: pg. 442-446 Filosofia da Ilustração ou Iluminismo (meados do século XVIII ao começo do século

Leia mais

SOCIALIZAÇÃO E CULTURA

SOCIALIZAÇÃO E CULTURA SOCIALIZAÇÃO E CULTURA CULTURA Sentido comum Sentido sociológico -indivíduo com conhecimentos em vários domínios do saber -quando o indivíduo é portador de cultura, que varia de grupo social -cada grupo

Leia mais

PRONUNCIAMENTO SOBRE REGULAMENTAÇÃO DOS DIREITOS DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS

PRONUNCIAMENTO SOBRE REGULAMENTAÇÃO DOS DIREITOS DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS PRONUNCIAMENTO SOBRE REGULAMENTAÇÃO DOS DIREITOS DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Senadores, Amigos que nos assistem e nos ouvem pela Rádio Senado e pela TV Senado O Congresso

Leia mais

Uma Boa Prenda. Uma boa prenda a ofertar É a doação do amor É estar pronto a ajudar Quem vive com uma dor.

Uma Boa Prenda. Uma boa prenda a ofertar É a doação do amor É estar pronto a ajudar Quem vive com uma dor. Uma Boa Prenda Uma boa prenda a ofertar É a doação do amor É estar pronto a ajudar Quem vive com uma dor. Prenda essa que pode Ser dada por um qualquer Seja rico ou seja pobre Simples homem ou mulher.

Leia mais

DIFERENÇA ENTRE MORAL E ÉTICA. Ms Karla Carioca

DIFERENÇA ENTRE MORAL E ÉTICA. Ms Karla Carioca DIFERENÇA ENTRE MORAL E ÉTICA CONHECENDO O PROFESSOR Karla Jeanny Falcão Carioca Mestre em Controladoria pela Universidade Federal do Ceará (UFC), com MBA em Gestão de Negócios de Energia Elétrica pela

Leia mais

Daniel Sampaio (D. S.) Bom dia, João.

Daniel Sampaio (D. S.) Bom dia, João. Esfera_Pag1 13/5/08 10:57 Página 11 João Adelino Faria (J. A. F.) Muito bom dia. Questionamo- -nos muitas vezes sobre quando é que se deve falar de sexo com uma criança, qual é a idade limite, como é explicar

Leia mais

A teoria do conhecimento

A teoria do conhecimento conhecimento 1 A filosofia se divide em três grandes campos de investigação. A teoria da ciência, a teoria dos valores e a concepção de universo. Esta última é na verdade a metafísica; a teoria dos valores

Leia mais

Atenção >> Este é um momento para você ser sincero consigo mesmo. Responda

Atenção >> Este é um momento para você ser sincero consigo mesmo. Responda Como usar essa autoanálise: Sempre que marcar uma característica na coluna da esquerda (sucesso), some mais um pontinho... sempre que marcar na coluna da direita (estagnação), subtraia um ponto. No final

Leia mais

Ficha de filosofia. A necessidade de fundamentação da moral Análise comparativa de duas perspectivas filosóficas. Fundamento e critérios da moralidade

Ficha de filosofia. A necessidade de fundamentação da moral Análise comparativa de duas perspectivas filosóficas. Fundamento e critérios da moralidade Ficha de filosofia A necessidade de fundamentação da moral Análise comparativa de duas perspectivas filosóficas Fundamento e critérios da moralidade Ética deontológica Ética consequencialista Respeito

Leia mais

Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas

Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas 1 Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas Os seres humanos sempre buscaram formas de compreender os fenômenos que ocorrem em seu dia a dia, de modo a procurar soluções para

Leia mais

Administração. Arte, Ideologia, Ciência ou Costume Moral

Administração. Arte, Ideologia, Ciência ou Costume Moral Administração Arte, Ideologia, Ciência ou Costume Moral Administração como Arte Os administradores possuem habilidade inatas, uma espécie de talento com o qual já nascem. A administração pode ser aperfeiçoada

Leia mais

Teorias do conhecimento. Profª Karina Oliveira Bezerra

Teorias do conhecimento. Profª Karina Oliveira Bezerra Teorias do conhecimento Profª Karina Oliveira Bezerra Teoria do conhecimento ou epistemologia Entre os principais problemas filosóficos está o do conhecimento. Para que investigar o conhecimento? Para

Leia mais

CSO 001 Introdução à Sociologia. Aula 6 16/05/2016 auladesociologia.wordpress.com

CSO 001 Introdução à Sociologia. Aula 6 16/05/2016 auladesociologia.wordpress.com CSO 001 Introdução à Sociologia Aula 6 16/05/2016 dmitri.fernandes@udf.edu.br auladesociologia.wordpress.com As Regras do Método Sociológico Sociólogos haviam se preocupado pouco com a questão do método

Leia mais

Tema IV Conhecimento e Racionalidade Científica e Tecnológica

Tema IV Conhecimento e Racionalidade Científica e Tecnológica Tema IV Conhecimento e Racionalidade Científica e Tecnológica 2. ESTATUTO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO 2.3 A Racionalidade Científica e a Questão da Objectividade IV Conhecimento e Racionalidade Científica

Leia mais

Cotações. Prova Escrita de Filosofia. 10.º Ano de Escolaridade Março de Duração da prova: 90 minutos. 3 Páginas

Cotações. Prova Escrita de Filosofia. 10.º Ano de Escolaridade Março de Duração da prova: 90 minutos. 3 Páginas Prova Escrita de Filosofia Versão A 10.º Ano de Escolaridade Março de 2016 Duração da prova: 90 minutos 3 Páginas Leia atentamente o enunciado Para cada resposta, identifique o grupo e o item. Apresente

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 11

Transcrição de Entrevista nº 11 Transcrição de Entrevista nº 11 E Entrevistador E11 Entrevistado 11 Sexo Masculino Idade 25anos Área de Formação Engenharia Informática E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante o

Leia mais

COISAS QUE VOCÊ PRECISA ABANDONAR PARA SER FELIZ. Supervisão IBC José Roberto Marques Janeiro 2014

COISAS QUE VOCÊ PRECISA ABANDONAR PARA SER FELIZ. Supervisão IBC José Roberto Marques Janeiro 2014 COISAS QUE VOCÊ PRECISA ABANDONAR PARA SER FELIZ Supervisão IBC José Roberto Marques Janeiro 2014 1. Desista da sua necessidade de estar sempre certo Há tantos de nós que não podem suportar a ideia de

Leia mais

Painel 1 : LUZ PAZ CONHECIMENTO

Painel 1 : LUZ PAZ CONHECIMENTO Painel 1 : PAZ LUZ CONHECIMENTO LUZ LUZ QUENTE, LUZ FRIA VISÍVEL E INVISÍVEL COLORIDA, INCOLOR QUE INSPIRA E ILUMINA QUE DÁ VIDA E FAZ VIVER Querem uma Luz Melhor que a do Sol! AH! QUEREM uma luz melhor

Leia mais

Não Fale com Estranhos

Não Fale com Estranhos Não Fale com Estranhos Texto por: Aline Santos Sanches PERSONAGENS Cachorro, Gato, Lobo, Professora, Coelho SINOPSE Cachorro e Gato são colegas de classe, mas Gato é arisco e resolve falar com um estranho.

Leia mais

Por Fernanda Cintra Lauriano Silva. 1 Ética

Por Fernanda Cintra Lauriano Silva. 1 Ética Analisa a ética enquanto influenciadora da conduta ideal e da conduta real dos indivíduos. Demonstra divergência doutrinária entre os conceitos de moral e ética, juízo de fato e juízo de valor e analisa

Leia mais

Exemplos de frases e expressões que não são proposições:

Exemplos de frases e expressões que não são proposições: Matemática Discreta ESTiG\IPB Lógica: Argumentos pg 1 Lógica: ramo da Filosofia que nos permite distinguir bons de maus argumentos, com o objectivo de produzirmos conclusões verdadeiras a partir de crenças

Leia mais

REGRAS DO MÉTODO encontrar por si mesmo uma solução evidente que permita reorganizar nossos juízos e separar neles o falso do verdadeiro;

REGRAS DO MÉTODO encontrar por si mesmo uma solução evidente que permita reorganizar nossos juízos e separar neles o falso do verdadeiro; René Descartes REGRAS DO MÉTODO Primeira parte: encontrar por si mesmo uma solução evidente que permita reorganizar nossos juízos e separar neles o falso do verdadeiro; REGRAS DO MÉTODO Método: Meta por,

Leia mais

2 In: Queloz (2004) [T= 273] Que ideia tem actualmente da Criminologia?

2 In: Queloz (2004) [T= 273] Que ideia tem actualmente da Criminologia? 1 INTRODUÇÃO À CRIMINOLOGIA 22 e 28 de Setembro de 2009 2 In: Queloz (2004) [T= 273] Que ideia tem actualmente da Criminologia? 3 In: Queloz (2004) [T= 153] Que expectativas de desenvolvimento futuro em

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOBRE OS VALORES PESSOAIS

QUESTIONÁRIO SOBRE OS VALORES PESSOAIS QUESTIONÁRIO SOBRE OS VALORES PESSOAIS Shalom H. Schwartz; Tradução e Adaptação: Menezes & Campos, 989 Recriação: Prioste, Narciso, & Gonçalves (00) Neste questionário deve perguntar-se a si próprio: "Que

Leia mais

Link para animação do mito da caverna. https://www.youtube.com/watch?v=xswmnm _I7bU

Link para animação do mito da caverna. https://www.youtube.com/watch?v=xswmnm _I7bU Link para animação do mito da caverna https://www.youtube.com/watch?v=xswmnm _I7bU A DOUTRINA DAS IDEIAS OU TEORIA DOS DOIS MUNDOS Para Platão existem, literalmente, dois mundos O mundo das ideias O mundo

Leia mais

PRINCÍPIOS ÉTICOS FUNDAMENTAIS Fábio Konder Comparato. I Introdução

PRINCÍPIOS ÉTICOS FUNDAMENTAIS Fábio Konder Comparato. I Introdução 1 A felicidade PRINCÍPIOS ÉTICOS FUNDAMENTAIS Fábio Konder Comparato I Introdução Objetivo supremo da vida humana: aquele que escolhemos por si mesmo, não como meio de alcançar outros fins. A felicidade

Leia mais