Apoio Execução Realização MEIOS DE HOSPEDAGEM ESTRUTURA DE CONSUMO E IMPACTOS NA ECONOMIA. Relatório Final

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Apoio Execução Realização MEIOS DE HOSPEDAGEM ESTRUTURA DE CONSUMO E IMPACTOS NA ECONOMIA. Relatório Final"

Transcrição

1

2 Apoio Execução Realização MEIOS DE HOSPEDAGEM ESTRUTURA DE CONSUMO E IMPACTOS NA ECONOMIA Relatório Final São Paulo Abril 2006

3 República Federativa do Brasil LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA Presidente da República Ministério do Turismo WALFRIDO DOS MARES GUIA Ministro de Estado Instituto Brasileiro de Turismo - Embratur EDUARDO SANOVICZ Presidente Departamento de Estudos e Pesquisas JOSÉ FRANCISCO DE SALLES LOPES Diretor Secretaria Nacional de Políticas de Turismo AIRTON NOGUEIRA PERREIRA Secretário Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico TÂNIA BRIZOLLA Diretora Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - SEBRAE PAULO TARCÍSIO OKAMOTTO Diretor-Presidente Diretor Técnico LUIZ CARLOS BARBOZA Diretor 1

4 EQUIPE TÉCNICA Instituto Brasileiro de Turismo EMBRATUR NEIVA DUARTE Gerente de Estudos e Pesquisas MUDESTINO CARVALHO BARROSO Coordenador de Economia de Turismo Ministério do Turismo DOROTI COLLARES Coordenação Geral de Qualificação de Serviços Turísticos Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - SEBRAE Unidade de Apoio Coletivo Comércio e Serviços VINICIUS LAGES Gerente DANIELA BITENCOURT Coordenadora Técnica ELISÂNGELA BARROS SILVA Consultoria Técnica EMBRATUR Diretoria de Estudos e Pesquisas SCN QUADRA 2 BLOCO G 2 º Andar Brasília - DF Tel. : (61) / Fax.: (61) E.mail: Internet: 2

5 EQUIPE TÉCNICA FIPE Coordenação Wilson Abrahão Rabahy Coordenação Adjunta Décio K. Kadota Consultores Carlos Roberto Azzoni Eduardo Haddad José Ernesto Marino Neto Wilma Bolsoni Supervisores das Pesquisas Ewerton Monti Glauber Eduardo de Oliveira Santos Silvia Maria L. Abrahão Rabahy Ellen Nakayama José Augusto Ligabue F. da Silva Processamento de Dados Moisés Vassalo Leopoldo Zortéa Analistas Críticos de Dados Grace Skajko Sales Klaus William Ludeman Lara Baggi Rodrigues Gonzales Mariana Abbate Mariana Oliveira e Silva Rodrigo Campos Shiratsu Thiago Carlomagno Carlos Viviane Tartaroti Secretaria Executiva Jussara Silveira Novaes Rodrigues Marlei Suman 3

6 AGRADECIMENTOS ABIH - Associação Brasileira da Indústria Hoteleira FOHB - Fórum dos Operadores Hoteleiros no Brasil FNHRBS Federação Nacional de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística SINDRIO - Sindicato de Hotéis, Bares e Restaurantes do Rio de Janeiro 4

7 Apresentação A pesquisa Meios de Hospedagem representa um instrumento importante para subsidiar as ações do Ministério do Turismo na implementação de políticas para o setor. Os números são impressionantes e dão a dimensão do peso dos hotéis, pousadas e similares como agentes de desenvolvimento econômico e social. Os meios de hospedagem têm tido um papel de destaque na geração de empregos, com cerca de 300 mil postos de trabalho ofertados pelos diversos atores desta cadeia produtiva. E aparecem também como grandes consumidores de bens industriais. São milhares de televisores, aparelhos elétricos e eletrônicos, roupas de cama e banho e tantos outros itens, que movimentam as economias dos estados e municípios. Por isso, o Ministério do Turismo defende tratamento diferenciado para o setor em relação a tributação para que os empreendedores sejam incentivados. O imposto que o hoteleiro paga ao adquirir um produto não pode ser o mesmo cobrado do consumidor comum. É importante que os equipamentos adquiridos pelos hotéis e similares sejam tratados como insumos e não como bens utilitários. Diminuir os custos para o segmento significa dinamizar ainda mais o turismo. Os resultados vão aparecer, com certeza, no aumento de encomendas para a indústria, na ampliação da oferta de empregos e de hospedagem com custos menores para a população. Um ciclo saudável e de fundamental importância para o desenvolvimento do País. Walfrido dos Mares Guia Ministro do Turismo 5

8 A Pesquisa sobre Meios de Hospedagem traz importantes informações sobre a participação dos micro e pequenos estabelecimentos neste setor que se destaca como uma das atividades que mais contribui para melhorar a distribuição regional de renda no país. Expressivo o dado que aponta que 90% das empresas de hospedagem são micros e pequenos estabelecimentos. Aqueles com até 19 pessoas ocupadas, principais compradores de equipamentos e mercadorias duráveis, são responsáveis pela aquisição de mais da metade do estoque de 615 mil unidades de TVs, contrapondo-se aos empreendimentos com mais de 100 funcionários, que detêm apenas 46 mil desses equipamentos. Outra vertente importante é que o custo da geração de emprego na hotelaria é um dos mais baixos da economia brasileira, exigindo um valor de produção de R$ 16 mil. Se compararmos com outros setores como o da construção civil ou o têxtil, observamos que o valor para gerar emprego requer quase o dobro (cerca de R$ 28 mil). O setor da siderurgia é outro exemplo, apresentando um custo quatro vezes maior (R$ 68 mil). Os dados fornecidos pela pesquisa serão de grande valia para o Sebrae, que pretende utilizar-se dos dados para discutir a formulação de políticas públicas que estimulem o desenvolvimento deste setor. Uma delas é avaliar de que forma os donos de pousadas e hotéis podem fazer compras conjuntas, como fazer a interação com os arranjos produtivos locais de móveis e confecções, por exemplo, para abastecer hotéis e pousadas como forma de dinamizar os arranjos produtivos de turismo. Luiz Carlos Barboza Diretor Técnico do SEBRAE Nacional 6

9 Sumário 1 PLANO DE PESQUISA 8 2 AMOSTRAGEM DA PESQUISA DE CAMPO 8 3 CADASTRO DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM 10 4 ESTIMAÇÃO DAS QUANTIDADES DE EQUIPAMENTOS E MERCADORIAS DURÁVEIS NO SETOR DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM NÚMEROS DE EQUIPAMENTOS POR ESTABELECIMENTO NÚMEROS DE EMPRESAS VIDA ÚTIL DOS EQUIPAMENTOS RESULTADOS OBTIDOS 23 5 ESTIMAÇÃO DO CONSUMO DE SERVIÇOS DE UTILIDADE PÚBLICA PELO SETOR DE HOSPEDAGEM 82 6 ESTIMATIVAS DOS IMPACTOS DO SETOR DE HOSPEDAGEM NA ECONOMIA BRASILEIRA POR QUE FAZER ANÁLISE DE IMPACTO ECONÔMICO? ASPECTOS METODOLÓGICOS TRATAMENTO DAS INFORMAÇÕES RESULTADOS 88 ANEXO - GLOSSÁRIO 97 7

10 1 PLANO DE PESQUISA A análise econômica das atividades de hospedagem no País foi realizada por meio de dois grandes módulos. Modulo 1: envolvendo o levantamento detalhado das principais características de uma amostra de estabelecimentos dos meios públicos de hospedagem, discriminado por porte e localização geográfica desses estabelecimentos. Módulo 2: compreendendo a análise da estrutura do processo produtivo do setor de hospedagem e das suas inter-relações com os demais setores produtivos da economia brasileira. Por meio desta análise se propôs avaliar a natureza e magnitude dos impactos que esse setor gera na economia em termos de renda e de emprego. Para levar a cabo as análises propostas tornou-se necessário coligir dados por meio de pesquisas em fontes secundárias, bem como de pesquisas de campo diretas, relativas aos empreendimentos hoteleiros no território nacional. Apresenta-se a seguir a descrição dos procedimentos metodológicos adotados para a realização da pesquisa de campo, bem como para obtenção do conjunto dos resultados obtidos neste estudo.as estimativas. 2 AMOSTRAGEM DA PESQUISA DE CAMPO A proposta inicial para o levantamento de campo concentrava-se nas regiões metropolitanas das capitais das 11 unidades da federação mais importantes, em termos de número de estabelecimentos e de pessoal empregado no setor de serviços de alojamento. Após análise e discussão dessa proposta com a equipe do SEBRAE e da EMBRATUR, esta última responsável pelo acompanhamento técnico do projeto, bem como com técnicos do IBGE, envolvidos com o desenvolvimento da Conta Satélite do Turismo do País 1, aquela 1 Os contatos com esses técnicos foram coordenados pela Diretoria de Estudos e Pesquisas da EMBRATUR, com a preocupação de tornar esta pesquisa do setor de alojamento também numa fonte 8

11 proposta inicial foi ampliada para incluir as capitais dos estados do Amazonas e do Pará, bem como Brasília, importante centro do chamado turismo de negócios. Dado esse universo das empresas, a questão da distribuição da amostra de estabelecimentos prevista na proposta deste estudo, em relação aos estratos definidos pela localidade e pelo porte dos estabelecimentos, envolveu o seguinte problema. Caso se adotasse o critério de que a amostra devesse refletir exatamente a distribuição dos estabelecimentos existentes, ter-se-ia então a seguinte estrutura de amostra, vista em relação à sua distribuição entre as classes de tamanho: Quadro 1 Classes de Tamanho dos Estabelecimentos (por número de empregados) Até 4 5 a 9 10 a a a ou mais Como se pode constatar nesse caso, ter-se-ia que as duas últimas classes, as de maiores tamanhos dos estabelecimentos 2, representariam poucas empresas entrevistadas, em números absolutos, aumentando as possibilidades de erros de estimativas da amostra. Assim sendo, e considerando-se principalmente o aspecto do tipo de representatividade que a amostra do estudo deve atender, exposto mais adiante, resolveu-se estruturar a amostra com base nos seguintes critérios: a) buscar cobrir todos os elementos da população dos estabelecimentos das duas últimas classes de tamanho; b) escolher aleatoriamente metade adicional de informações para a elaboração das Contas Satélite do Turismo do País, que vem sendo desenvolvida no âmbito do IBGE. 2 E trata-se justamente das classes mais importantes para os interesses da presente pesquisa, dados que envolvem os estabelecimentos que, por oferecerem maior gama de tipos de serviços aos seus hospedes, necessitam dispor de uma maior e mais ampla infra-estrutura física e de equipamentos. 9

12 dos estabelecimentos da população com tamanhos entre 5 a 49 empregados; e c) escolher aleatoriamente na primeira classe de tamanho, o número de estabelecimentos necessários para completar o total de entrevistados da amostra. Com base nesse critério, obteve-se então a amostra estratificada planejada para o presente estudo, apresentada no Quadro 2. Quadro 2 AMOSTRA PLANEJADA Estados Classes de Tamanho (número de empregados) ATE 4 DE 5 A 9 DE 10 A 19 DE 20 A 49 DE 50 A ou mais Manaus Regiao Metropolitana de Belém Regiao Metropolitana de Fortaleza Regiao Metropolitana de Natal Regiao Metropolitana de Recife Regiao Metropolitana de Salvador Regiao Metropolitana de Belo Horizonte Regiao Metropolitana de Vitória Regiao Metropolitana do Rio de Janeiro Regiao Metropolitana de Sao Paulo Regiao Metropolitana de Curitiba Regiao Metropolitana de Florianópolis Regiao Metropolitana de Porto Alegre Regiao Metropolitana de Goiania Brasília CADASTRO DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM A primeira relação de meios de hospedagem selecionados para serem entrevistados foi disponibilizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE, com base no Cadastro Central de Empresas CEMPRE, que congrega as informações atualizadas de todas as empresas formalmente constituídas no País. Deste cadastro, foram listadas todas as empresas, das localidades selecionadas, que possuíssem o código CNAE 55.1, relativo ao setor de Alojamento. Esta listagem apresentou problemas, pois, foi verificado que parte desses estabelecimentos não se enquadravam na concepção de meios de hospedagem, definida pelo escopo do projeto, que privilegia os estabelecimentos ligados de alguma forma às atividades do turismo. 10

13 Dessa maneira, foi necessário identificar outras fontes para se obter o cadastro de estabelecimentos que se adequassem aos critérios do projeto. Sendo assim, os meios de hospedagem foram selecionados a partir de cadastro formado pelas seguintes fontes: o o o o Cadastro de Meios de Hospedagem do Ministério do Turismo; Órgãos Oficiais de Turismo dos Estados e Municípios, onde a pesquisa estava sendo realizada; Associação Brasileira da Indústria de Hotéis ABIH; Fórum dos Operadores Hoteleiros do Brasil FOHB; o Guia 4 Rodas Brasil 2005; o Guia 4 Rodas Viajar Bem e Barato 2004; o o BSH International; Diretório de Hotéis da Maringá Turismo. O número de estabelecimentos hoteleiros assim cadastrados, relativos às localidades selecionadas, não perfaz o tamanho requerido. Assim, com vistas a completar os meios de hospedagem previstos, foram realizadas pesquisas complementares, com base no cadastro inicialmente admitido, incluindo-se aleatoriamente outros estabelecimentos, das cidades de São Paulo e do Rio de Janeiro, do cadastro do IBGE. A par disso, tal critério de complementação, permitiu que se obtenha a proporção de estabelecimentos cadastrados no IBGE, que se encaixam no perfil de meios de hospedagem delimitado por este estudo, assim como a das demais categorias. Tal informação é utilizada na expansão dos resultados da pesquisa, ao lado daquelas da pesquisa PAS, no que tange à desagregação dos dados. Os resultados dessa pesquisa complementar são dispostos no quadro abaixo. Quadro 3 Resultados da Pesquisa Complementar com Cadastro do IBGE Amostra Aleatória de Rio de Janeiro e São Paulo - IBGE Categoria Rio de Janeiro São Paulo % Já pesquisados ,9 Adequados ao estudo ,0 Inadequados ao estudo ,1 TOTAL ,0 Inconclusivos (Recusas)

14 Conforme quadro 3 acima, os resultados da pesquisa complementar, feita a partir da seleção aleatória do cadastro de meios de hospedagem do IBGE, apontam que 182 estabelecimentos correspondendo a 19,9% do total já haviam sido pesquisados na principal fase de levantamento de dados desse estudo. Além destes, a pesquisa identificou que 705 estabelecimentos não eram adequados à pesquisa, por referirem-se a estabelecimentos de hospedagem de curtíssima permanência, motéis, pensões, casas de repouso, drive-in, etc, correspondendo a 77,1% do total, bem como outros 28 estabelecimentos não puderam ser também considerados, devido à impossibilidade de avaliação das suas adequações, pela recusa dos mesmos em fornecer as informações solicitadas. Assim sendo, apenas 27 dos estabelecimentos incluídos na pesquisa complementar, correspondendo a 3,0% dessa amostra adicional, mostraram-se adequados aos objetivos do estudo, indicando que a despeito do fato do cadastro montado não atingir a cota planejada dos estabelecimentos, de fato o mesmo atende perfeitamente os propósitos do presente estudo. O quadro a seguir sumariza a quantidade de estabelecimentos de hospedagem constantes no cadastro, agrupando-os por Estados e Municípios. ESTADO CIDADE TOTAL AM MANAUS 56 AM 56 BA SALVADOR 57 BA 57 CE FORTALEZA 100 CE 100 DF BRASÍLIA 43 DF 43 VILA VELHA 8 ES VITÓRIA 27 ES 35 GO GOIÂNIA 44 GO 44 BELO HORIZONTE 121 BETIM 1 MG RIO ACIMA 1 SANTA LUZIA 2 MG 125 PA BELÉM 28 PA 28 12

15 ESTADO CIDADE TOTAL ABREU E LIMA 2 CABO DE SANTO AGOSTINHO 7 CAMARAGIBE 1 IPOJUCA 47 PE ITAMARACÁ 3 JABOATAO DOS GUARARAPES 3 OLINDA 9 PAULISTA 1 RECIFE 90 PE 163 ARAUCÁRIA 1 CAMPO LARGO 2 CURITIBA 109 PR QUATRO BARRAS 1 SÃO JOSÉ DOS PINHAIS 7 TIJUCAS DO SUL 1 PR 121 DUQUE DE CAXIAS 1 NITEROI 8 RJ PARACAMBI 2 RIO DE JANEIRO 244 RJ 255 RN NATAL 60 RN 60 RS PORTO ALEGRE 63 RS 63 SC FLORIANÓPOLIS 417 SC 417 BARUERI 6 COTIA 1 EMBU 2 GUARAREMA 2 GUARULHOS 13 ITAPECERICA DA SERRA 2 JUQUITIBA 3 SP MAIRIPORÃ 2 MAUA 2 MOGI DAS CRUZES 8 SALESÓPOLIS 2 SANTO ANDRÉ 4 SÃO BERNARDO DO CAMPO 7 SÃO CAETANO DO SUL 1 SÃO PAULO 494 SP 549 TOTAL GERAL

16 4 ESTIMAÇÃO DAS QUANTIDADES DE EQUIPAMENTOS E MERCADORIAS DURÁVEIS NO SETOR DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM Nesta seção do relatório, apresenta-se a descrição dos procedimentos utilizados e os resultados obtidos na estimação das quantidades de equipamentos e mercadorias duráveis utilizados no setor dos meios de hospedagem, bem como das compras médias anuais associadas à reposição dos mesmos. Em consonância com o que consta da proposta deste estudo, a geração daquelas estimativas baseou-se num processo relativamente simples e direto. Em primeiro lugar, conforme já exposto anteriormente, coletou-se no questionário da pesquisa de campo com a amostra dos meios de hospedagem, dois conjuntos de informações para esse fim: a) números de unidades de equipamentos e mercadorias duráveis que cada estabelecimento possui; e b) vida útil ou tempo média de reposição de cada um desses bens. Em segundo lugar, gerou-se com os dados da contagem dos equipamentos, padrões médios das quantidades de cada um desses itens por estabelecimento, padrões esses estratificados por região geográfica e por classes de tamanho dos meios de hospedagem. Em seguida, utilizando-se dos dados do universo das empresas desse setor obtidos na Pesquisa Anual de Serviços-PAS de 2002, do IBGE, obteve-se as quantidades totais dos equipamentos da seguinte forma: Q = n.q t,u t,u i t,u i onde: t,u Q i = quantidade total do equipamento i, na classe de tamanho t, no Estado u; n t,u = número de empresas na localidade u, na classe de tamanho t; t,u q i = quantidade média por estabelecimento do equipamento do tipo i, na classe de tamanho t, no Estado u. Finalmente, como último passo, aplicou-se sobre as quantidades totais estimadas no item anterior, a vida útil média dos respectivos tipos dos equipamentos, obtendo-se as quantidades médias anuais de compra dos equipamentos para reposição, da seguinte forma: 14

17 onde: R t,u i Q = v t,u i t,u i t,u R i = quantidade média anual de reposição do equipamento i, na classe de tamanho t, no Estado u.; t,u Q i = quantidade total do equipamento i, na classe de tamanho t, no Estado u; t,u v i = vida útil média do equipamento do tipo i, por classe de tamanho t, no Estado u. Feita essa breve exposição do procedimento metodológico utilizado, é apresentado a seguir a descrição da forma pela qual obteve-se cada um dos subconjuntos de dados envolvidos nessa metodologia. 4.1 NÚMEROS DE EQUIPAMENTOS POR ESTABELECIMENTO As informações relativas às quantidades dos equipamentos possuídos por cada estabelecimento pesquisado, junto com aquelas associadas à vida útil dos mesmos equipamentos e as de natureza econômico-financeira, foram as que tiveram o menor índice de respostas. Esse problema foi especialmente severo no presente contexto, dada a necessidade de ter que se trabalhar com estratificação da amostra por região geográfica e por classe de tamanho. Frente a isso, não restou outra alternativa a não ser proceder ajustes nos planos originalmente previstos, a serem destacados a seguir. Nesses ajustes, contudo, procurou-se preservar ao máximo a manutenção da estratificação por tamanho das empresas e, também, de algum nível de diferenciação regional, dada a convicção de que esses critérios de classificação e tratamento das informações da amostra são muito importantes para refletir adequadamente a distribuição dos equipamentos entre as diferentes empresas do setor. 15

18 O primeiro tipo de ajuste consistiu em proceder a agregação das informações em relação a algumas das regiões metropolitanas pesquisadas, dado que isoladamente as mesmas não apresentaram números de respostas suficientes para gerar estimativas confiáveis. Assim sendo, resolveu-se calcular os padrões médios dos números de equipamentos por estabelecimentos, para os agrupamentos de regiões metropolitanas listados a seguir, padrões esses utilizados como representativos das unidades das federações às quais as regiões metropolitanas pertençam ou que localizam-se em estados próximos: Regiões Metropolitanas de Manaus e Belém, sendo os resultados aplicados para todos os Estados da Região Norte; Regiões Metropolitanas de Fortaleza, Natal, Recife e Salvador, com os resultados aplicados para todos os estados da Região Nordeste; Regiões Metropolitanas de Belo Horizonte, Goiânia e Distrito Federal, sendo os resultados aplicados para Minas Gerais na região Sudeste, Goiás, Distrito Federal e todos os Estados da Região Centro-Oeste 3 ; Regiões Metropolitanas do Rio de Janeiro e Vitória, com os resultados aplicados para os Estados do Rio de Janeiro e Espírito Santo. Regiões Metropolitanas de Porto Alegre e Curitiba, com os resultados aplicados para o Paraná e o Rio Grande do Sul; Região Metropolitana de Florianópolis, com resultados aplicados para Santa Catarina. Região Metropolitana de São Paulo, com resultados aplicados para o Estado de São Paulo. O segundo tipo de ajuste teve relação com a questão da estratificação dos resultados em relação ao tamanho dos estabelecimentos. Tendo em vista as naturais diferenças que se 3 A razão para incluir a Região Metropolitana de Belo Horizonte, junto com as Regiões Metropolitanas de Goiânia e Brasília, para representar os padrões dos Estados da Região Centro-Oeste deveu-se ao fato de Goiânia ter apresentado um número muito reduzido de estabelecimentos informantes, o que aliado com a especificidade de Brasília, poderia distorcer significativamente os resultados dessa região. Assim, não obstante o fato de Belo Horizonte pertencer à região Sudeste, entendeu-se que a 16

19 pode esperar nos padrões das quantidades de equipamentos de acordo com o porte dos estabelecimentos de hospedagem, para cada um dos agrupamentos de regiões metropolitanas, estratificou-se os dados de segundo as seguintes classes de tamanho das empresas, baseadas no número de pessoas ocupadas: até 19 pessoas; de 20 a 49 pessoas; de 50 a 99 pessoas; e 100 ou mais pessoas 4. E a despeito do fato do já mencionado agrupamento das regiões metropolitanas terem evidentemente aumentado o número de respostas em cada um dos agrupamentos, isso não foi suficiente para evitar que ocorressem problemas de insuficiência de respostas válidas para algumas das classes de tamanho. Especificamente, as seguintes classes de tamanho de empresas apresentaram menos do que 5 respostas válidas para vários dos itens pesquisados: Regiões Metropolitanas de Manaus e Belém: classes de 20 a 49; de 50 a 99 e mais de 100 pessoas ocupadas; Regiões Metropolitanas de Belo Horizonte, Goiânia e Distrito Federal: classes de 50 a 99 e mais de 100 pessoas ocupadas; Regiões Metropolitanas do Rio de Janeiro e Vitória: classe de 100 ou mais pessoas ocupadas; Regiões Metropolitanas de Porto Alegre e Curitiba: classe de 100 ou mais pessoas ocupadas; Região Metropolitana de Florianópolis: classes de 50 a 99 e mais de 100 pessoas ocupadas. sua relativa proximidade com Goiânia e, mais importante, as similaridades destas duas importantes cidades fora da faixa litorânea do pais poderia reduzir aquela possível distorção. 4 Embora fosse desejável que a classificação de tamanho dos estabelecimentos pudesse ter sido muito mais detalhada, infelizmente aquela foi a possível, basicamente imposta pelos dados complementares também necessários da Pesquisa Anual de Serviços-PAS, do IBGE, que não puderam ser disponibilizados num nível de detalhamento maior. 17

20 Todos esses problemas foram contornados utilizando-se para cada uma das classes de tamanho que apresentaram insuficiência de informações, os resultados das quantidades médias calculadas para as mesmas classes, utilizando todas as informações da amostra. Ou seja, utilizou-se as médias de cada classe de tamanho representativas das empresas do país como um todo. Finalmente, o terceiro tipo de ajuste referiu-se à necessidade de proceder uma correção nos resultados da primeira classe de tamanho das empresas (até 19 pessoas ocupadas), devido a um problema de representatividade em relação aos pequenos estabelecimentos, da amostra das empresas que efetivamente responderam os quesitos das quantidades dos equipamentos. Especificamente, verificou-se que entre o subconjunto das empresas que apresentaram respostas válidas para as questões relativas aos equipamentos, aquelas com até 5 pessoas ocupadas, que sem dúvida são as mais numerosas também no setor de hospedagem, apareceram com muito pouca freqüência. Na ausência de qualquer tipo de ajuste, a distorção implicada por esse problema é clara: as quantidades médias de equipamentos calculadas para a classe de empresas com até 19 pessoas ocupadas (mas que na realidade são representativas das empresas entre 6 a 19 pessoas ocupadas), quando aplicadas em relação ao número de empresas desta primeira classe (onde se sabe que o maior número é daquelas com até 5 pessoas ocupadas), evidentemente irá superestimar as quantidades totais de equipamentos. Assim sendo, procedeu-se o seguinte ajuste em relação ao cálculo das quantidades médias de equipamentos da classe de empresas com até 19 pessoas ocupadas. Para cada um dos já mencionados agrupamentos das regiões metropolitanas, calculou-se inicialmente as quantidades média dos equipamentos por estabelecimentos com tamanhos de 6 a 19 pessoas ocupadas. Em seguida, devido ao problema da baixa incidência das empresas com até 5 pessoas ocupadas na maioria das regiões metropolitanas pesquisadas, calculou-se as quantidades médias de equipamentos destas no âmbito de todas as regiões pesquisadas. Finalmente, os resultados regionais das quantidade médias de equipamentos da primeira classe de até 19 pessoas ocupadas, foram então obtidas como médias ponderadas daqueles dois conjuntos de quantidades médias: da classe de 6 a 19 pessoas ocupadas da mesma região e da classe com até 5 pessoas ocupadas, nacional. Ou seja: 18

21 Q = n.q + n q r r r r i (1,5) i (6,19) i onde r Q i = quantidade média de equipamento do tipo i, na região r, da classe de empresas com até 19 pessoas ocupadas; q i = quantidade média de equipamento do tipo i, no país como um todo, da classe de empresas com até 5 pessoas ocupadas; r q i = quantidade média de equipamento do tipo i, na região r, da classe de empresas com 6 a 19 5 pessoas ocupadas; r n (1,5) = proporção do número de empresas com até 5 pessoas ocupadas, em relação ao total de empresas da classe com até 19 pessoas ocupadas, presentes na região r; r n (6,19) = proporção do número de empresas com 6 a 19 pessoas ocupadas, em relação ao total de empresas da classe com até 19 pessoas ocupadas,presentes na região r NÚMEROS DE EMPRESAS As informações relativas à distribuição das empresas do setor de Alojamento, por Unidades da Federação e por classes de tamanho das mesmas segundo o número de pessoas ocupadas foram obtidas através de uma tabulação especial da Pesquisa Anual de Serviços- PAS de 2002, do IBGE. Como é possível observar na tabela a seguir, o principal aspecto que chama atenção nessa distribuição da empresas de Alojamento refere-se à grande predominância das pequenas e médias empresas nesse setor, sendo que cerca de 90% do total das empresas possuem menos do que 20 pessoas ocupadas. 5 Considerando-se que essas proporções das empresas com até 5 e de 6 a 19 pessoas ocupadas não foram disponibilizadas pelo IBGE em termos regionais, utilizou-se como aproximação dessas proporções as percentagens análogas obtidas através das estatísticas da RAIS, envolvendo empresas com até 4 e de 5 a 19 empregados com carteira assinada. 19

22 Número de Empresas por Classes de Tamanha Unidades da Federação Classes de Tamanho (Número de Pessoal Ocupado) Até a a e mais Rondonia Acre Amazonas Roraima Pará Amapá Tocantins Região Norte Maranhão Piauí Ceará Rio Grande do Norte Pernambuco Paraíba Alagoas Sergipe Bahia Região Nordeste Minas Gerais Espírito Santo Rio de Janeiro São Paulo Região Sudeste Paraná Santa Catarina Rio Grande do Sul Região Sul Mato Grosso do Sul Mato Grosso Goiás Distrito Federal Região Centro-Oeste Brasil Fonte: PAS-IBGE 20

23 4.3 VIDA ÚTIL DOS EQUIPAMENTOS Tendo em vista que, em geral, apenas as grandes empresas fazem planejamento e constituem fundos programados para a reposição periódica dos seus equipamentos, as questões que tiveram menores índices de respostas válidas em toda a pesquisa foram justamente as relativas ao levantamento das informações sobre a vida útil ou o tempo de duração dos diversos tipos de equipamentos e mercadorias duráveis utilizados pelas empresas de hospedagem. Em função disso, o objetivo inicial de também analisar esses aspecto da utilização dos equipamentos através da estratificação da amostra de acordo com os critérios de localização e de tamanho das empresas ficou prejudicado. Considerando-se que, em princípio, existem razões para suspeitar que a duração dos equipamentos hoteleiros possam variar significativamente em função do tamanho dos estabelecimentos 6, procurou-se pelos menos preservar a estratificação sob esse critério e testar aquela hipótese. Os resultados obtidos são apresentados na tabela a seguir, onde em primeiro lugar é pertinente destacar a grande diferença dos índices de respostas segundo os tipos dos equipamentos e mercadorias duráveis analisados. De um lado destacam-se os itens mais comuns como enxoval de cama e mesa, televisores, frigobar, telefones, etc, que apresentaram os maiores índices de resposta válidas. De outro lado, dentre os itens que tiveram os menores números de respostas, destacam-se os itens de fato peculiares como a banheira japonesa ofuro, sistema de esterilização atmosférica refrigerado, caixa eletrônica, adegas climatizadas, etc. Assim sendo, vale a pena ressaltar que, do ponto de vista da qualidade das estimativas aqui apresentadas, são justamente os resultados associados aos itens mais comuns que apresentam maior qualidade e robustez. Feita essa consideração prévia, a principal conclusão que se pode tirar dos resultados apresentados é da inexistência de diferenças significativas de duração para a maioria dos equipamentos utilizados pelos estabelecimentos de diferentes tamanhos. Por exemplo, no caso da televisão, os resultados mostram que em relação à duração média geral obtida de 6 Em função das diferenças e exigências dos padrões dos serviços entre os grandes e luxuosos hotéis e os pequenos estabelecimentos, bem como pelo fato destes últimos, em geral, não utilizarem os mecanismos de planejamento e de viabilização programada dos investimentos utilizados pelos primeiros, através da constituição de fundos com reservas para reposição dos investimentos. 21

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA -

Leia mais

Inventar com a diferenca,

Inventar com a diferenca, Inventar com a diferenca, cinema e direitos humanos PATROCÍNIO APOIO REALIZAÇÃO Fundação Euclides da Cunha O que é Inventar com a diferença: cinema e direitos humanos O projeto visa oferecer formação e

Leia mais

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 0 0,00 0 0 0 0,00 Rondônia

Leia mais

OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012

OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 (Estudo Técnico nº 175) François E. J. de Bremaeker Salvador, julho de 2012 2 OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 François E. J. de Bremaeker Economista e Geógrafo Associação

Leia mais

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008 (continua) Produção 5 308 622 4 624 012 4 122 416 3 786 683 3 432 735 1 766 477 1 944 430 2 087 995 2 336 154 2 728 512 Consumo intermediário produtos 451 754 373 487 335 063 304 986 275 240 1 941 498

Leia mais

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos Unidades da Federação 1980 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO

Leia mais

As Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) nas MPEs brasileiras. Observatório das MPEs SEBRAE-SP

As Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) nas MPEs brasileiras. Observatório das MPEs SEBRAE-SP As Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) nas MPEs brasileiras Observatório das MPEs SEBRAE-SP 2008 1 Características da pesquisa Objetivos: Identificar o grau de utilização de equipamentos das

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Análise Demográfica das Empresas da IBSS

Análise Demográfica das Empresas da IBSS CAPÍTULO 4 Análise Demográfica das Empresas da IBSS Apresentação A demografia de empresas investiga a estrutura do estoque de empresas em dado momento e a sua evolução, como os movimentos de crescimento,

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014 16 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014 16 Retratos da Sociedade Brasileira: Problemas e Prioridades do Brasil para 2014 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA

Leia mais

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX SUMÁRIO 1 ICMS 1.1 CONTRIBUINTE 1.2 FATO GERADOR DO IMPOSTO 1.3 BASE DE CÁLCULO DO IMPOSTO 1.4 REDUÇÃO DA BASE DE CÁLCULO 1.5 CARTA DE CORREÇÃO 1.6 CÓDIGO DA SITUAÇÃO TRIBUTÁRIA

Leia mais

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Cobertura de Plano de Saúde Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Cobertura de Plano de Saúde Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Cobertura de Plano de Saúde Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 2 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 3 Variáveis de conteúdo... 3 %Pessoas

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Informações do Domicílio Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Informações do Domicílio Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Informações do Domicílio Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4 Média moradores/domicílios...

Leia mais

Impactos da Lei Geral (LG) nas Micro e Pequenas Empresas no Brasil

Impactos da Lei Geral (LG) nas Micro e Pequenas Empresas no Brasil Impactos da Lei Geral (LG) nas Micro e Pequenas Empresas no Brasil Observatório das MPEs SEBRAE-SP Março/2008 1 Características da pesquisa Objetivos: Identificar o grau de conhecimento e a opinião dos

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

COORDENAÇÃO DE SERVIÇOS E COMÉRCIO

COORDENAÇÃO DE SERVIÇOS E COMÉRCIO COORDENAÇÃO DE SERVIÇOS E COMÉRCIO PESQUISA DE SERVIÇOS DE HOSPEDAGEM - PSH Pesquisa realizada em parceria com o Ministério do Turismo OBJETIVO Quantificar os estabelecimentos de hospedagem localizados

Leia mais

A EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE 2009 A 2012

A EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE 2009 A 2012 A EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE 2009 A 2012 BRASIL Série Estudos e Pesquisas A EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DE 2009 A 2012 Junho/2014 Estudos e Pesquisas

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Saúde Bucal Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Saúde Bucal Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Saúde Bucal Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4 %Escova dentes 2x ou + p/dia...

Leia mais

MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015

MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015 MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015 Situação da microcefalia no Brasil Até 21 de novembro, foram notificados 739 casos suspeitos de microcefalia, identificados em 160 municípios de nove

Leia mais

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Total de profissionais, independentemente da escolaridade 2003 2007 2008 Professores da Ed Básica (públicas não

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Atendimento Médico Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Atendimento Médico Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Atendimento Médico Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4 %Sentiram discriminação...

Leia mais

Boletim Informativo* Agosto de 2015

Boletim Informativo* Agosto de 2015 Boletim Informativo* Agosto de 2015 *Documento atualizado em 15/09/2015 (Erratas páginas 2, 3, 4 e 9) EXTRATO GERAL BRASIL 1 EXTRATO BRASIL 396.399.248 ha 233.712.312 ha 58,96% Número de Imóveis Cadastrados²:

Leia mais

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA RODOVIÁRIAS Quadro 13 - UF: ACRE Ano de 211 82 5 6 8 9 5 3 14 4 11 9 4 4 63 2 4 7 6 6 9 4 8 4 4 3 6 68 4 2 8 3 1 8 4 9 2 6 7 5 63 3 6 3 2 13 9 8 7 5 1 5 1 67 4 2 9 6 8 5 5 7 6 6 4 5 85 3 7 1 1 4 7 9 6

Leia mais

Interior de SP. Mailing Jornais

Interior de SP. Mailing Jornais São Paulo AGORA SÃO PAULO BRASIL ECONÔMICO D.C.I. DESTAK (SP) DIÁRIO DO COMMERCIO (SP) DIÁRIO DE SÃO PAULO DIÁRIO DO GRANDE ABC EMPREGO JÁ (SP) EMPREGOS & CONCURSOS (SP) EMPRESAS & NEGÓCIOS (SP) FOLHA

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO Nota Técnica elaborada em 01/2014 pela CGAN/DAB/SAS. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NOTA TÉCNICA Nº15/2014-CGAN/DAB/SAS/MS

Leia mais

PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA

PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA ( 44.ª EDIÇÃO ) AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA PRESIDENTE Ronaldo Mota Sardenberg CONSELHEIROS Emília

Leia mais

PESQUISA de HONORÁRIOS e TENDÊNCIAS da CONSULTORIA no BRASIL 11ª edição- 2011 / 2012

PESQUISA de HONORÁRIOS e TENDÊNCIAS da CONSULTORIA no BRASIL 11ª edição- 2011 / 2012 Member of ICMCI International Council of Management Consulting Institutes PESQUISA de HONORÁRIOS e TENDÊNCIAS da CONSULTORIA no BRASIL 11ª edição 2011 / 2012 Av. Paulista, 326 Conj. 77 Bela Vista CEP 01310902

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL 11/1/2010

ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL 11/1/2010 ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL PROFESSORES DAS REDES ESTADUAIS NO BRASIL A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO SINDICATO APEOC DE CONSTRUIR A ADEQUAÇÃO DO PLANO DE CARREIRA DOS TRABALHADORES

Leia mais

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr Imagem: Santa Casa de Santos fundada em 1543 Atualização: 26/outubro Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr ópicos Filantró Hospitais e Entidades Filantrópicas - CMB Objetivos do Projeto Governança

Leia mais

Página 1 de 8 IPI - Jurisdição - Regiões fiscais 18 de Maio de 2012 Em face da publicação da Portaria MF nº 203/2012 - DOU 1 de 17.05.2012, este procedimento foi atualizado (novas disposições - tópico

Leia mais

O Financiamento das Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Brasil. Julho de 2009

O Financiamento das Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Brasil. Julho de 2009 O Financiamento das Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Brasil Julho de 2009 Introdução Objetivos: - Avaliar as principais características do universo das micro e pequenas empresas (MPEs) brasileiras quanto

Leia mais

Resultados da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Inverno 2014

Resultados da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Inverno 2014 Resultados da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Inverno 2014 EQUIPE TÉCNICA DO IPETURIS Coordenação: Mariana Nery Pesquisadores: César Melo Tamiris Martins Viviane Silva Suporte: Gerson

Leia mais

Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy

Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy Tabulação dos Resultados da Pesquisa Objetivos: Diagnosticar a situação atual dos municípios

Leia mais

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia Sublimites estaduais de enquadramento para o ICMS no Simples Nacional 2012/2013 Vamos acabar com essa ideia 4 CNI APRESENTAÇÃO Os benefícios do Simples Nacional precisam alcançar todas as micro e pequenas

Leia mais

Figura 1: Distribuição de CAPS no Brasil, 25. RORAIMA AMAPÁ AMAZONAS PARÁ MARANHÃO CEARÁ RIO GRANDE DO NORTE PAIUÍ PERNAMBUCO ACRE ALAGOAS SERGIPE TOCANTINS RONDÔNIA PARAÍBA BAHIA MATO GROSSO DISTRITO

Leia mais

50 cidades com as melhores opções para aberturas de franquias

50 cidades com as melhores opções para aberturas de franquias 50 cidades com as melhores opções para aberturas de franquias Pesquisa realizada pela Rizzo Franchise e divulgada pela revista Exame listou as 50 cidades com as melhores oportunidades para abertura de

Leia mais

FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 29 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 29 E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS,

Leia mais

Aspec Informática - Tecnologia da Informação Plano de Numeração dos Ramais. Revisão 07/07/2015 12:02:36

Aspec Informática - Tecnologia da Informação Plano de Numeração dos Ramais. Revisão 07/07/2015 12:02:36 UF Estado Capital DDD SP São Paulo São Paulo 11 RJ Rio de Janeiro Rio de Janeiro 21 ES Espírito Santo Vitória 27 MG Minas Gerais Belo Horizonte 31 PR Paraná Curitiba 41 SC Santa Catarina Florianópolis

Leia mais

Endereços das Secretarias Estaduais de Educação

Endereços das Secretarias Estaduais de Educação Endereços das Secretarias Estaduais de Educação ACRE MARIA CORRÊA DA SILVA Secretária de Estado da Educação do Acre Rua Rio Grande do Sul, 1907- Aeroporto Velho CEP: 69903-420 - Rio Branco - AC Fone: (68)

Leia mais

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009)

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) População Ocupada 5 a 17 anos 2008 Taxa de Ocupação 2008 Posição no Ranking 2008 População Ocupada 5 a 17

Leia mais

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Departamento de Pesquisas Judiciárias RELATÓRIO DE DADOS ESTATÍSTICOS. SEMANA PELA CONCILIAÇÃO META 2 Período: 14 a 18 de setembro de 2009

Departamento de Pesquisas Judiciárias RELATÓRIO DE DADOS ESTATÍSTICOS. SEMANA PELA CONCILIAÇÃO META 2 Período: 14 a 18 de setembro de 2009 RELATÓRIO DE DADOS ESTATÍSTICOS SEMANA PELA CONCILIAÇÃO META 2 Período: 14 a 18 de setembro de 2009 1. Introdução O presente relatório objetiva apresentar os resultados estatísticos obtidos durante o período

Leia mais

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade C.1 Taxa de mortalidade infantil O indicador estima o risco de morte dos nascidos vivos durante o seu primeiro ano de vida e consiste em relacionar o número de óbitos de menores de um ano de idade, por

Leia mais

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação detrabalho e Rendimento Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Gabinete do Ministro Assessoria Internacional

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Gabinete do Ministro Assessoria Internacional COORDENADORES REGIONAIS ACRE Josenir de Araújo Calixto Coordenador do Ensino Médio Coordenação de Ensino Médio Secretaria de Estado da Educação do Acre Rua Rio Grande do Sul, 1907 Aeroporto Velho 69903-420

Leia mais

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES Brasília, janeiro/2011 Objetivos específicos da pesquisa 2 Avaliar a quantidade e a qualidade da rede credenciada. Avaliar os serviços oferecidos: o Plano CASSI Família

Leia mais

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr Imagem: Santa Casa de Santos fundada em 1543 Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr ópicos Filantró Hospitais e Entidades Filantrópicas - CMB Objetivos do Projeto Governança Metodologia Seleção

Leia mais

Boletim Informativo. Junho de 2015

Boletim Informativo. Junho de 2015 Boletim Informativo Junho de 2015 Extrato Geral Brasil 1 EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 227.679.854 ha 57,27% Número de Imóveis cadastrados: 1.727.660 Observações: Dados obtidos do Sistema de Cadastro

Leia mais

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

COORDENAÇÕES ESTADUAIS DO ARTESANATO

COORDENAÇÕES ESTADUAIS DO ARTESANATO COORDENAÇÕES ESTADUAIS DO ARTESANATO ACRE Secretaria de Estado de Turismo e Lazer Endereço: Av. Chico Mendes, s/n - Arena da Floresta - Bairro Areal. CEP: 69.906-119 - Rio Branco - AC TEL: (68) 3901-3027/

Leia mais

FLUXO CONSTRUÇÃO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA CONSTRUÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO CONSTRUÇÃO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA CONSTRUÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados

Leia mais

ANUÁRIO DO TRABALHO. namicro e. Pequena. Empresa

ANUÁRIO DO TRABALHO. namicro e. Pequena. Empresa ANUÁRIO DO TRABALHO namicro e Pequena Empresa 2013 SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Diretor-Presidente Luiz

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Estado do Rio de Janeiro JULHO DE 2014 BRASIL O mês de julho de 2014 fechou com um saldo líquido positivo de 11.796 novos empregos em todo país, segundo dados do Cadastro

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Pessoas com Deficiências Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Pessoas com Deficiências Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Pessoas com Deficiências Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4 %Pessoas c/alguma

Leia mais

Panorama do emprego no turismo

Panorama do emprego no turismo Panorama do emprego no turismo Por prof. Wilson Abrahão Rabahy 1 Emprego por Atividade e Região Dentre as atividades do Turismo, as que mais se destacam como geradoras de empregos são Alimentação, que

Leia mais

ANUÁRIO DO TRABALHO. namicro e. Pequena 2010 / 2011. Empresa

ANUÁRIO DO TRABALHO. namicro e. Pequena 2010 / 2011. Empresa ANUÁRIO DO TRABALHO namicro e Pequena Empresa 2010 / 2011 SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Diretor-Presidente

Leia mais

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Boletim Informativo Maio de 2015 * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Extrato Geral Brasil EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 212.920.419 ha 53,56 % Número de Imóveis cadastrados: 1.530.443

Leia mais

(continua) TABELA 1.1 Composição e População da Aglomeração Urbana (AUPOA) e Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPOA)

(continua) TABELA 1.1 Composição e População da Aglomeração Urbana (AUPOA) e Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPOA) 1 INTRODUÇÃO Este relatório consolida os principais resultados obtidos com a pesquisa sobre acidentes de trânsito nas aglomerações urbanas brasileiras pesquisa Renavam, efetuada como parte integrante do

Leia mais

Unidade I: SEPN 515 - Bloco B - Ed. Ômega CEP: 70770-502 - Brasília - DF Telefone: (61) 3448-1000

Unidade I: SEPN 515 - Bloco B - Ed. Ômega CEP: 70770-502 - Brasília - DF Telefone: (61) 3448-1000 5. órgãos do Sistema Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) Unidade I: SEPN 515 - Bloco B - Ed. Ômega CEP: 70770-502 - Brasília - DF Telefone: (61) 3448-1000

Leia mais

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2012

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2012 Contas Regionais do Brasil 2012 (continua) Brasil Agropecuária 5,3 Indústria 26,0 Indústria extrativa 4,3 Indústria de transformação 13,0 Construção civil 5,7 Produção e distribuição de eletricidade e

Leia mais

FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing

FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing Edson José de Lemos Júnior Ermeson Gomes da Silva Jardson Prado Coriolano da Silva Marcos Antonio Santos Marinho Rosinaldo Ferreira da Cunha RELATÓRIO GERENCIAL

Leia mais

NOTA TÉCNICA 63 2011 PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DO PROJETO VIDA NO TRÂNSITO

NOTA TÉCNICA 63 2011 PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DO PROJETO VIDA NO TRÂNSITO NOTA TÉCNICA 63 2011 PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DO PROJETO VIDA NO TRÂNSITO Repasse financeiro do Fundo Nacional de Saúde aos Fundos de Saúde Estaduais, Municipais e do Distrito Federal, por meio do Piso Variável

Leia mais

Cursos de Graduação a Distância

Cursos de Graduação a Distância de Graduação a Distância 427 428 7 - de Graduação a Distância 7.1 -,,, por Vestibular e Outros Processos Seletivos (*), e nos de Graduação a Distância, segundo as Instituições Brasil 2004 (continua) Instituições

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (Setembro/14) Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda larga fixa (SCM)

Leia mais

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil Número 24 Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 29 de julho de 2009 COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 2 1. Apresentação Este

Leia mais

SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS

SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS ESTUDOS & pesquisas INFORMAÇÃO DEMOGRÁFICA E SOCIoeconômica 5 SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS 2000 IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Presidente da República Fernando Henrique Cardoso

Leia mais

SUFICIÊNCIA DE REDE: Ligia Bahia Ronir Raggio Luiz Maria Lucia Werneck Vianna. Edital 005/2014 ANS/OPAS

SUFICIÊNCIA DE REDE: Ligia Bahia Ronir Raggio Luiz Maria Lucia Werneck Vianna. Edital 005/2014 ANS/OPAS SUFICIÊNCIA DE REDE: UM ESTUDO ECOLÓGICO SOBRE BENEFICIÁRIOS E REDES DE CUIDADOS À SAÚDE A PARTIR DE ANÁLISES EXPLORATÓRIAS DAS PROPORÇÕES DE PARTOS CESARIANOS E TAXAS DE MORTALIDADE POR CÂNCER DE MAMA

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Doenças Crônicas hipertensão arterial Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Doenças Crônicas hipertensão arterial Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Doenças Crônicas hipertensão arterial Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo...

Leia mais

Expectativas da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Verão 2014-2015

Expectativas da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Verão 2014-2015 Expectativas da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Verão 2014-2015 PRESIDENTE: Marciano Gianerini Freire EQUIPE TÉCNICA: Coordenação: Mariana Nery Pesquisadores: Heike Duske César Melo

Leia mais

Apresentação. A AMIB (Associação de Medicina Intensiva. Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa. apresentar uma visão do cenário das Unidades

Apresentação. A AMIB (Associação de Medicina Intensiva. Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa. apresentar uma visão do cenário das Unidades Apresentação A AMIB (Associação de Medicina Intensiva Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa apresentar uma visão do cenário das Unidades de Terapias Intensivas (UTI) no país. Objetivos Elaborar

Leia mais

Sistema de informações sobre. o mercado de trabalho no setor turismo O EMPREGO NO TURISMO NAS REGIÕES METROPOLITANAS

Sistema de informações sobre. o mercado de trabalho no setor turismo O EMPREGO NO TURISMO NAS REGIÕES METROPOLITANAS Sistema de informações sobre o mercado de trabalho no setor turismo O EMPREGO NO TURISMO NAS REGIÕES METROPOLITANAS Outubro 2010 1 SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO DE TRABALHO DO SETOR TURISMO NO

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA DE BARRAGENS. Lei 12.334/2010. Carlos Motta Nunes. Dam World Conference. Maceió, outubro de 2012

POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA DE BARRAGENS. Lei 12.334/2010. Carlos Motta Nunes. Dam World Conference. Maceió, outubro de 2012 POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA DE BARRAGENS Lei 12.334/2010 Carlos Motta Nunes Dam World Conference Maceió, outubro de 2012 Características da barragem para enquadramento na Lei 12.334/10 I - altura do

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012 CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012 Tributos incluídos no Simples Nacional Brasília 19 de setembro de 2013 ROTEIRO 1 2 3 4 O PROJETO RESULTADOS DIFERENÇA NAS ALÍQUOTAS

Leia mais

14ª Avaliação de Perdas no Varejo Brasileiro Supermercados

14ª Avaliação de Perdas no Varejo Brasileiro Supermercados 14ª Avaliação de Perdas no Varejo Brasileiro Supermercados Apresentação Este relatório apresenta os resultados da 14ª Avaliação de Perdas realizada com os principais supermercados do Brasil. As edições

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Percepção do estado de saúde Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Percepção do estado de saúde Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Percepção do estado de saúde Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4 %Autoavaliação

Leia mais

2014 DEZEMBRO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos

2014 DEZEMBRO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos 2014 DEZEMBRO Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários, Operadoras e Planos Elaboração, distribuição e informações: MINISTÉRIO DA SAÚDE Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) Diretoria

Leia mais

Regiões Metropolitanas do Brasil

Regiões Metropolitanas do Brasil Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia IPPUR/UFRJ CNPQ FAPERJ Regiões Metropolitanas do Brasil Equipe responsável Sol Garson Luiz Cesar de Queiroz Ribeiro Juciano Martins Rodrigues Regiões Metropolitanas

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (dezembro/13) Janeiro de 2014 Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (Junho/14) Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda larga fixa (SCM)

Leia mais

REFORMULAÇÃO DAS PESQUISAS ESTATÍSTICAS DA PECUÁRIA

REFORMULAÇÃO DAS PESQUISAS ESTATÍSTICAS DA PECUÁRIA REFORMULAÇÃO DAS PESQUISAS ESTATÍSTICAS DA PECUÁRIA PESQUISA TRIMESTRAL DO ABATE DE ANIMAIS AVALIAÇÃO DE CORTES NO UNIVERSO DA PESQUISA 2º versão Octávio Costa de Oliveira 1 AVALIAÇÃO DE CORTES NO UNIVERSO

Leia mais

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil...

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil... ...... PRODUÇÃO DAS LAVOURAS EM MARÇO DE 2012 SUMÁRIO 1 - Lavouras... 5 TABELAS DE RESULTADOS Safra 2012 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra

Leia mais

A venda do conceito Outer. está acima da venda de nossos produtos. Breno Bulus - sócio e designer

A venda do conceito Outer. está acima da venda de nossos produtos. Breno Bulus - sócio e designer Tudo começou a partir do sonho de desenvolver uma marca sólida e de personalidade única no cenário carioca, com o objetivo de fornecer lazer e bem estar. E foi com essa ideia na cabeça que em 2004 foi

Leia mais

1. DISTRIBUIÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR NO TERRITÓRIO NACIONAL POR REGIÕES

1. DISTRIBUIÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR NO TERRITÓRIO NACIONAL POR REGIÕES Nº 72 Fevereiro 2014 Análise da Distribuição Espacial das Instituições de Ensino Superior Brasileiras a partir dos Dados do Censo da Educação Superior de 2011 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes

Leia mais

namicro e Pequena Anuário do Trabalho Empresa

namicro e Pequena Anuário do Trabalho Empresa Anuário do Trabalho namicro e Pequena Empresa 2014 SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Presidente do Conselho Deliberativo Robson Braga de Andrade Diretor-Presidente Luiz

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS Nota Técnica 7/13 (7 de Maio) Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Núcleo de Assuntos Econômico-Fiscais NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS IMPACTOS DA DIVISÃO DO

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015. Perspectivas da economia / Comprometimento de renda. Novembro/2015. Copyright Boa Vista SCPC 1

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015. Perspectivas da economia / Comprometimento de renda. Novembro/2015. Copyright Boa Vista SCPC 1 Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Perspectivas da economia / Comprometimento de renda Novembro/2015 Copyright Boa Vista SCPC 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: Pesquisa para

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Estilo de Vida Consumo de alimentos Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Estilo de Vida Consumo de alimentos Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Estilo de Vida Consumo de alimentos Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4

Leia mais

Relatório Gerencial TECNOVA

Relatório Gerencial TECNOVA Relatório Gerencial TECNOVA Departamento de Produtos Financeiros Descentralizados - DPDE Área de Apoio à Ciência, Inovação, Infraestrutura e Tecnologia - ACIT Fevereiro de 2015 Marcelo Nicolas Camargo

Leia mais

Informe Econômico N 3

Informe Econômico N 3 Conjuntura Econômica Gerente Legislativa: Sheila Tussi da Cunha Barbosa Analista Legislativa: Cláudia Fernanda Silva Almeida Assistente Administrativa: Quênia Adriana Camargo Ferreira Estagiário: Tharlen

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 7.938 0,37 0 0,00-7.938 0,37

Leia mais

INDICADORES CORK SERVICES ABRIL 2014

INDICADORES CORK SERVICES ABRIL 2014 Página1 1. APRESENTAÇÃO INDICADORES CORK SERVICES ABRIL 2014 Os indicadores Cork Services contemplam os principais números de referência para a gestão de frotas, incluindo índices de inflação e variação

Leia mais

Emissão de Nota Fiscal Eletrônica

Emissão de Nota Fiscal Eletrônica Emissão de Nota Fiscal Eletrônica DANFE - Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica. É um documento que serve para acobertar a circulação da mercadoria. Impresso em via única; Validade em meio digital

Leia mais

Índice de Moradia Rural e Urbana - 2012 BRASIL

Índice de Moradia Rural e Urbana - 2012 BRASIL Índice de Moradia Rural e Urbana - 2012 BRASIL confederação da agricultura E PEcuÁRia do BRaSil cna Diretoria Executiva Triênio 2011-2014 Presidente Senadora Kátia Abreu (TO) 1º VicePresidente João Martins

Leia mais

AGRADECIMENTOS... 4 PREFÁCIO... 5 SUMÁRIO EXECUTIV O...

AGRADECIMENTOS... 4 PREFÁCIO... 5 SUMÁRIO EXECUTIV O... ÍNDICE AGRADECIMENTOS... 4 PREFÁCIO... 5 SUMÁRIO EXECUTIV O... 6 1 O ATUAL ESTÁGIO DE IMPLANTAÇÃO DA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NO SETOR PÚBLICO... 7 2 VARIÁVEIS E DADOS UTILIZADOS... 8 VARIÁVEL I... 8 VARIÁVEL

Leia mais