QUARTA REGIÃO R. Trib. Reg. Fed. 4ª Reg. Porto Alegre, a. 14, n. 50, p , 2003

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUARTA REGIÃO R. Trib. Reg. Fed. 4ª Reg. Porto Alegre, a. 14, n. 50, p. 1-348, 2003"

Transcrição

1 QUARTA REGIÃO

2

3 QUARTA REGIÃO R. Trib. Reg. Fed. 4ª Reg. Porto Alegre, a. 14, n. 50, p , 2003

4 Ficha Técnica Direção: Desa. Federal Maria Lúcia Luz Leiria Assessoria: Isabel Cristina Lima Selau Chefia de Gabinete: Adriana Ardenghy da Rosa Coordenação: Eliane Maria Salgado Assumpção Análise e Indexação: Eliana Raffaelli Maria Lenice Pinheiro Bertoni Marta Freitas Heemann Revisão, Formatação e Layout: Maria Aparecida C. de Barros Berthold Maria de Fátima de Goes Lanziotti Rodrigo Meine Revista do Tribunal Regional Federal da 4ª Região. Vol. 1, n. 1 (jan./mar. 1990). Porto Alegre: O Tribunal, 1990 v. Trimestral. ISSN Direito Periódicos. 2. Direito Jurisprudência. 1. Brasil. Tribunal Regional Federal 4ª Região. CDU 34(051) 34(094.9) TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL 4ª Região Rua Otávio Francisco Caruso da Rocha, 300 CEP Porto Alegre - RS PABX: 0 XX Tiragem: 750 exemplares

5 QUARTA REGIÃO MARIA LÚCIA LUZ LEIRIA Desa. Federal Diretora da Escola da Magistratura

6

7 TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL 4ª Região JURISDIÇÃO Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná COMPOSIÇÃO Em dezembro de 2003 PLENÁRIO Des. Federal Vladimir Passos de Freitas - Presidente Desa. Federal Marga Inge Barth Tessler - Vice-Presidente Des. Federal Vilson Darós - Corregedor-Geral Des. Federal Fábio Bittencourt da Rosa Des. Federal Nylson Paim de Abreu Desa. Federal Silvia Maria Gonçalves Goraieb Desa. Federal Maria Lúcia Luz Leiria - Diretora da Escola da Magistratura Des. Federal Élcio Pinheiro de Castro Des. Federal José Luiz Borges Germano da Silva Des. Federal João Surreaux Chagas - Vice-Corregedor-Geral Des. Federal Amaury Chaves de Athayde Desa. Federal Maria de Fátima Freitas Labarrère - Conselheira da Escola da Magistratura Des. Federal Edgard Antônio Lippmann Júnior Des. Federal Valdemar Capeletti Des. Federal Luiz Carlos de Castro Lugon - Conselheiro da Escola da Magistratura Des. Federal Tadaaqui Hirose Des. Federal Dirceu de Almeida Soares Des. Federal Wellington Mendes de Almeida Des. Federal Paulo Afonso Brum Vaz Des. Federal Luiz Fernando Wowk Penteado Des. Federal Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz Des. Federal Antônio Albino Ramos de Oliveira Des. Federal Néfi Cordeiro Des. Federal Victor Luiz dos Santos Laus

8 Juiz Federal Álvaro Eduardo Junqueira (convocado) Juiz Federal Ricardo Teixeira do Valle Pereira (convocado) Juiz Federal Fernando Quadros da Silva (convocado) PRIMEIRA SEÇÃO Desa. Federal Marga Inge Barth Tessler - Presidente Des. Federal Fábio Bittencourt da Rosa Desa. Federal Maria Lúcia Luz Leiria Des. Federal João Surreaux Chagas Des. Federal Dirceu de Almeida Soares Des. Federal Wellington Mendes de Almeida Des. Federal Antônio Albino Ramos de Oliveira SEGUNDA SEÇÃO Desa. Federal Marga Inge Barth Tessler - Presidente Desa. Federal Silvia Maria Gonçalves Goraieb Des. Federal Amaury Chaves de Athayde Des. Federal Edgard Antônio Lippmann Júnior Des. Federal Valdemar Capeletti Des. Federal Luiz Carlos de Castro Lugon Des. Federal Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz TERCEIRA SEÇÃO Desa. Federal Marga Inge Barth Tessler - Presidente Des. Federal Nylson Paim de Abreu Des. Federal Néfi Cordeiro Des. Federal Victor Luiz dos Santos Laus Juiz Federal Álvaro Eduardo Junqueira (convocado) Juiz Federal Ricardo Teixeira do Valle Pereira (convocado) Juiz Federal Fernando Quadros da Silva (convocado) QUARTA SEÇÃO Desa. Federal Marga Inge Barth Tessler - Presidente Des. Federal Élcio Pinheiro de Castro Des. Federal José Luiz Borges Germano da Silva Desa. Federal Maria de Fátima Freitas Labarrère Des. Federal Tadaaqui Hirose

9 Des. Federal Paulo Afonso Brum Vaz Des. Federal Luiz Fernando Wowk Penteado PRIMEIRA TURMA Desa. Federal Maria Lúcia Luz Leiria - Presidente Des. Federal Wellington Mendes de Almeida Des. Federal Antônio Albino Ramos de Oliveira SEGUNDA TURMA Des. Federal Fábio Bittencourt da Rosa - Presidente Des. Federal João Surreaux Chagas Des. Federal Dirceu de Almeida Soares TERCEIRA TURMA Desa. Federal Silvia Maria Gonçalves Goraieb - Presidente Des. Federal Luiz Carlos de Castro Lugon Des. Federal Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz QUARTA TURMA Des. Federal Amaury Chaves de Athayde - Presidente Des. Federal Edgard Antônio Lippmann Júnior Des. Federal Valdemar Capeletti QUINTA TURMA Des. Federal Néfi Cordeiro - Presidente Juiz Federal Ricardo Teixeira do Valle Pereira (convocado) Juiz Federal Fernando Quadros da Silva (convocado) SEXTA TURMA Des. Federal Nylson Paim de Abreu - Presidente Des. Federal Victor Luiz dos Santos Laus Juiz Federal Álvaro Eduardo Junqueira (convocado) SÉTIMA TURMA Des. Federal José Luiz Borges Germano da Silva - Presidente Desa. Federal Maria de Fátima Freitas Labarrère Des. Federal Tadaaqui Hirose OITAVA TURMA

10 10 R. Trib. Reg. Fed. 4ª Reg. Porto Alegre, a. 14, n. 50, p , 2003

11 EDITORIAL O ano de 2003 é o décimo quinto ano de existência do Tribunal Regional Federal da 4ª Região e, coincidentemente, termina com a publicação do número 50 da sua Revista. Cinqüenta representa fase importante tanto na vida individual como na história de qualquer instituição. Representa muitas vezes o nascimento e a alteração de posturas, paradigmas em todas as áreas de uma sociedade organizada. Por isso, em face da manutenção ao longo deste período de nossa Revista como repositório da jurisprudência de nosso Tribunal, é, sem sombra de dúvida, necessário que se reapresente em nome da memória destas publicações algumas palavras de seus diretores até o número 50. Mister, outrossim, que se historie a sua existência. Em 1990, circulou o primeiro volume, tendo como Diretor do Gabinete da Revista o Desembargador Federal Teori Albino Zavascki, atualmente Ministro do Superior Tribunal de Justiça. Em 1991, na sexta edição, a Direção passou a ser exercida pelo Desembargador Federal Manoel Lauro Volkmer de Castilho, atual Consultor-Geral da União. Em 1993, no número 14, a função de Diretor foi assumida pelo Desembargador Federal Fábio Bittencourt da Rosa, único magistrado em exercício da configuração original deste Tribunal. Em 1995, o número 20 contou com a Direção do Desembargador Federal Ari Pargendler, hoje Ministro do Superior Tribunal de Justiça. Ainda, em 1995, no número 21, a Direção foi assumida pela Desembargadora Federal Luiza Dias Cassales, hoje, aposentada. R. Trib. Reg. Fed. 4ª Reg. Porto Alegre, a. 14, n. 50, p ,

12 Em 1997, no número 27, esteve à frente da Direção o Desembargador Federal Vladimir Passos de Freitas, atual Presidente desta Corte. Em 1999, na edição de número 34, a Direção foi ocupada pela Desembargadora Federal Marga Inge Barth Tessler, atual Vice-Presidente desta Corte. Em 2001, foi criada a Escola da Magistratura, que incorporou a estrutura administrativa do Gabinete da Revista e as funções da extinta Comissão de Estudos e Cursos, mantendo como sua primeira Diretora a Desembargadora Federal Marga Inge Barth Tessler. Em 2003, na edição de número 47, passei a exercer a direção da Escola da Magistratura EMAGIS, que, desde o ano de 2001, assumiu, também, a responsabilidade pela edição da Revista deste Tribunal. Assim, repassando, em breves linhas, a história de nossa Revista, espero que a mesma continue a desvelar o direito aplicado pelos magistrados do Tribunal Regional Federal da 4ª Região. A seguir, republicam-se algumas palavras dos eminentes diretores da Revista em homenagem aos seus esforços. Ao fim, desejo que continuem iluminados os caminhos dos integrantes deste Tribunal para que a nossa prestação de contas à sociedade permaneça firme, atual e efetiva. Desa. Federal Maria Lúcia Luz Leiria Diretora da EMAGIS 12 R. Trib. Reg. Fed. 4ª Reg. Porto Alegre, a. 14, n. 50, p , 2003

13 AS PALAVRAS DOS DIRETORES: Revista nº 1 A Jurisprudência dos Tribunais representa, do ponto de vista institucional, o resultado de uma das funções estatais básicas: a função jurisdicional, de solver querelas e julgar as lides, dando a lei ao caso concreto. Envolvem-se, nesta atividade, órgãos político-constitucionais, os juízes, que têm como instrumento e guia o direito positivo e como meta apaziguar os litigantes com decisões justas. A jurisprudência traduz, por isso, a face concreta da lei, seus acertos e desacertos, sua conveniência ou inconveniência social. Expõe, também, a alma dos juízes, suas virtudes e suas limitações, sua inteligência e seu coração. A publicação dos julgados atende, assim, a duas finalidades. Uma, institucional e regimental, de oferecer ao conhecimento público os precedentes da Corte, ensejando sua invocação, em caráter oficial, na interposição de recursos, na sustentação de razões, ou na prolação de sentenças. E outra, não menos importante, de revelar à sociedade, numa espécie de prestação de contas, o direito concretizado, facultando-lhe, desta maneira, as mudanças de rumos, quiçá reclamadas pelo interesse comum. É para atender a tais propósitos que surge a Revista do Tribunal Regional Federal da 4ª Região. Teori Albino Zavascki Juiz-Diretor da Revista R. Trib. Reg. Fed. 4ª Reg. Porto Alegre, a. 14, n. 50, p ,

14 Revista nº 6 Ao assumir as funções de novo Diretor da Revista do Tribunal, juntamente com a administração que se renova, quero, neste momento, logo à abertura do 6º número, render a mais justa homenagem ao Juiz Teori Albino Zavascki, primeiro Diretor deste órgão de divulgação e seu criador. Merece louvor o esforço deste competente e dedicado colega que soube nele lançar bases sólidas, seja pela agilidade editorial, seja por ter encontrado, com inteligência, as soluções inadiáveis para a sua publicação pontual, seja, ainda, pelo elevado apuro técnico que fez impor, culminando na elaboração de um valioso Ementário, que, por certo, auxiliará à compreensão dos trabalhos desta Corte. Cumpre-me daqui por diante o encargo difícil de seguir esta linha com a mesma eficiência e propósito de revelar o espírito dinâmico dos julgadores, oferecendo à opinião pública uma verdadeira prestação de contas de suas responsabilidades. Afinal, o Poder Judiciário, enquanto instituição essencial ao Estado Democrático de Direito, só cumpre bem as suas altas funções, à medida em que conquista, transparentemente, o respeito e acatamento por parte dos jurisdicionados. No intuito de aprimorar os modos e os próprios fins da prestação da tutela jurisdicinal, tal aproximação democrática continuará sendo um dos objetivos precípuos e fundamentais desta Revista. Manoel Lauro Volkmer de Castilho Juiz-Diretor da Revista Revista nº 16 Nossa Revista, neste e no próximo número, dedica-se a atender à justa demanda da comunidade jurídica por Ementários que espelhem o conjunto da produção desta Corte, na desafiadora prestação da tutela jurisdicional. Com esse desiderato, procurou-se distribuir a matéria por ramos (na presente edição, Direito Administrativo, Direito Constitucional, Direito 14 R. Trib. Reg. Fed. 4ª Reg. Porto Alegre, a. 14, n. 50, p , 2003

15 Previdenciário e Direito Tributário), tendo em vista o mais fácil acesso aos leitores, a par de uma indexação analítico-remissiva semelhante ao de uma edição normal, porém, em lugar da página, com expressa referência à ordem numérica específica do Ementário (0001 a 0776). É de dizer, outrossim, que, em face de uma imprescindível seleção dentro de um universo de julgados (da instalação do Tribunal, em março de 1989, até abril de 1994), preferiu-se adotar um critério misto, de maneira a: (a) privilegiar a contemporaneidade máxima possível, razão pela qual, dentre as ementas não publicadas na Revista, concentrou-se a seleção basicamente nos julgados de 1993; (b) registrar a grande maioria das ementas de acórdãos publicados na Revista, desde o último Ementário (RTRF-4ª, ano 2, n. 5), assinalando-se, nesses casos, os indicativos necessários, inclusive o Relator, o órgão julgador (Plenário, Turmas Reunidas ou Turmas), além da informação sobre o resultado, se unânime ou não. Espera-se com o presente trabalho cumprir a missão precípua desta Revista, qual seja, a de ampliar a transparência de nossas decisões. Fábio Bittencourt da Rosa Juiz-Diretor da Revista Revista nº 20 A partir deste volume, a Revista passa a refletir a nova fase do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, agora integrado por vinte e três juízes. Desde 9 de dezembro de 1994, ele está organizado em Turmas, Seções e Plenário. À 1ª Seção, constituída das 1ª e 2ª Turmas, compete o processo e julgamento de ações e recursos que versem matéria penal e tributária. À 2ª Seção, reunindo as 3ª, 4ª e 5ª Turmas, incumbe o processo e julgamento de ações e recursos que tratem de outras matérias. Ao Plenário, no âmbito jurisdicional, está reservado basicamente o julgamento dos incidentes de inconstitucionalidade de lei. R. Trib. Reg. Fed. 4ª Reg. Porto Alegre, a. 14, n. 50, p ,

16 Ari Pargendler Juiz-Diretor da Revista Revista nº 21 Assumo a Direção da Revista do Tribunal Regional Federal da Quarta Região após transcorridos mais de 5 anos do início de sua circulação. Nesse lustro, a Revista, sob a sábia e competente orientação dos Diretores que me antecederam, atingiu sua maturidade. Sem qualquer interrupção, a divulgação da jurisprudência, especialmente no que se refere a matérias mais polêmicas, vem sendo feita dentro dos critérios regimentalmente estabelecidos. Para facilitar a pesquisa, foi editado um EMENTÁRIO. Diante da excelência das Direções passadas e dos Funcionários que compõem seu quadro editorial, o desafio decorrente da expansão desta Corte, que, com a criação de mais 9 cargos de Juízes, passou de 14 a 23 membros, foi enfrentado e resolvido sem dificuldades. Agora, parece-me, está na hora de ousar e partir, quem sabe, para a tentativa de, junto com a publicação dos julgados, ainda que na forma de adendo, apresentar, por amostragem, o posicionamento Doutrinário dos Juízes deste Tribunal, sobre as matérias que têm polemizado este fim de século. Luiza Dias Cassales Juíza-Diretora da Revista Revista nº 38 O número especial da Revista do Tribunal Regional Federal da 4ª Região nasce com o propósito de constituir um marco e um veículo para a divulgação dos trabalhos doutrinários dos Eminentes Juízes do Colendo Tribunal Regional Federal da 4ª Região e Juízes Federais. Vem, este especial, com a inestimável e valiosíssima colaboração de uma plêiade de notáveis juristas brasileiros e estrangeiros. A questão do Poder Judiciário como poder político é magistralmente desenvolvida pelo Eminente Ministro Carlos Mário da Silva Velloso. O preclaro Ministro José Néri da 16 R. Trib. Reg. Fed. 4ª Reg. Porto Alegre, a. 14, n. 50, p , 2003

17 Silveira aborda o tema da Fazenda Pública em Juízo, mas sob o ângulo do advogado público, cuja tarefa nem sempre é bem compreendida, mas essencial e valiosa quando exercida com dedicação e eficiência. O Eminente Ministro Ari Pargendler trata da questão da autoridade coatora no mandado de segurança, esclarecendo definitivamente as dúvidas que pairavam sobre alguns aspectos, especialmente, a questão do ordenador de despesas. Os juristas estrangeiros, Prof. Dr. Ernest Benda e Prof. Dr. Heinrich Scholler desenvolvem temas relacionados ao Direito Constitucional e Administrativo de grande atualidade, a saber, o espírito da lei fundamental e o princípio da proporcionalidade no Direito Constitucional e Administrativo na Alemanha. Os Juízes do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, cumprindo o dever constitucional de aperfeiçoamento e estudos contínuos e atividade reflexiva desenvolvem diversas questões relacionadas com a esfera da competência federal e o direito público. O número especial agrega também um Ementário dos n os 31 a 37, muito útil para os trabalhos de pesquisa jurisprudencial. Finalmente, esperando as inestimáveis contribuições futuras de todos, é fundamental e indispensável agradecer aos Eminentes Ministros e Doutores os valiosíssimos trabalhos que substanciam este primeiro volume especial. R. Trib. Reg. Fed. 4ª Reg. Porto Alegre, a. 14, n. 50, p ,

18

19 SUMÁRIO ACÓRDÃOS...21 Direito Administrativo e Direito Civil...23 Direito Penal e Direito Processual Penal Direito Previdenciário Direito Processual Civil Direito Tributário ÍNDICE NUMÉRICO ÍNDICE ANALÍTICO ÍNDICE LEGISLATIVO...341

20 20 R. Trib. Reg. Fed. 4ª Reg. Porto Alegre, a. 14, n. 50, p , 2003

21 ACÓRDÃOS R. Trib. Reg. Fed. 4ª Reg. Porto Alegre, a. 14, n. 49, p ,

22 22 R. Trib. Reg. Fed. 4ª Reg. Porto Alegre, a. 14, n. 50, p , 2003

23 DIREITO ADMINISTRATIVO E DIREITO CIVIL R. Trib. Reg. Fed. 4ª Reg. Porto Alegre, a. 14, n. 50, p ,

24 24 R. Trib. Reg. Fed. 4ª Reg. Porto Alegre, a. 14, n. 50, p , 2003

25 APELAÇÃO EM AÇÃO CIVIL PÚBLICA Nº /SC Relator: O Exmo. Sr. Juiz Federal Joel Ilan Paciornik Relator p/acórdão: O Exmo. Sr. Des. Federal Valdemar Capeletti Apelante: União Federal Advogado: Dr. José Diogo Cyrillo da Silva Apelante: Ministério Público Advogado: Dr. Luís Alberto d Azevedo Aurvalle Apelado: Mauro Antonio Molossi Advogados: Drs. Cícero Hartmann e outros Apelado: Município de Porto Belo/SC Advogada: Dra. Angie Mari Bitencourt Leonardo Apelado: Sérgio Luiz Biehler Advogados: Drs. João Omar Macagnan e outros Remetente: Juízo Federal da 6ª Vara Federal de Florianópolis/SC EMENTA Administrativo. Ambiental. Ação civil pública promovida pela União. Construção de hotel. Município de Porto Belo. Zona de promontório. Área de preservação permanente. Non aedificandi. Licença nula. Descumprimento da legislação ambiental. Inexistência de avaliação R. Trib. Reg. Fed. 4ª Reg. Porto Alegre, a. 14, n. 50, p ,

26 ambiental. Princípio da prevenção. Desfazimento da obra. 1. O empreendimento está localizado em área de promontório, considerada de preservação permanente pela legislação estadual (Lei nº 5.793/80 e Decreto nº /81) e pela legislação municipal (Lei Municipal nº 426/84), e, por conseqüência, área non aedificandi, razão pela qual a licença concedida pela FATMA é nula, visto que não respeitou critério fundamental, a localização do empreendimento. 2. A FATMA não possuía competência para autorizar construção situada em terreno de marinha, Zona Costeira, esta considerada como patrimônio nacional pela Carta Magna, visto tratar-se de bem da União, configurando interesse nacional, ultrapassando a competência do órgão estadual. 3. Ante o princípio da prevenção, torna-se imperiosa a adoção de alguma espécie de avaliação prévia ambiental. 4. Os interesses econômicos de uma determinada região devem estar alinhados ao respeito à natureza e aos ecossistemas, pois o que se busca é um desenvolvimento econômico vinculado ao equilíbrio ecológico. 5. Um meio ambiente sadio e ecologicamente equilibrado representa um bem e interesse transindividual, garantido constitucionalmente a todos, estando acima de interesses privados. 6. Apelos providos. ACÓRDÃO Vistos e relatados estes autos entre as partes acima indicadas, decide a Quarta Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, por maioria, vencido o Relator, dar provimento aos apelos e à remessa oficial, nos termos do relatório, voto e notas taquigráficas que ficam fazendo parte integrante do presente julgado. Porto Alegre, 18 de dezembro de Des. Federal Valdemar Capeletti, Relator p/acórdão. RELATÓRIO O Exmo. Sr. Juiz Federal Joel Ilan Paciornik: A União ingressou com ação civil pública contra Mauro Molossi e Silvio Luiz Molossi, Sérgio Luiz Biehler, José Antonio Rocha e contra o Município de Porto Belo, 26 R. Trib. Reg. Fed. 4ª Reg. Porto Alegre, a. 14, n. 50, p , 2003

27 visando à demolição da construção de um hotel pousada em Porto Belo/ SC, iniciada em setembro de 1993, visto que prejudicial ao meio ambiente e lesiva ao patrimônio público. Alegou na exordial de fls. 03/16 que a referida obra encontra-se rigorosamente dentro do mar, visto que efetuado um aterro e erguido um muro de proteção, o que acarreta agressão ao meio ambiente e prejuízo ao paisagismo e turismo da região. Aduziu também que, em razão da inexistência de rede pública de esgoto e da impossibilidade da construção de uma fossa séptica no local, todos os dejetos de 160 (cento e sessenta) hóspedes, assim como dos funcionários do hotel, poderão ser lançados diretamente no mar. Ressaltou, por outro lado, que a construção do aterro acabou por bloquear o curso natural das correntes marítimas, o que ocasiona o acúmulo de detritos naquelas águas. Destacou ainda que o muro que cerca o aterro fez desaparecer a faixa de areia e interrompeu a praia, impedindo a passagem e circulação de veranistas, turistas e da própria população. Ponderou que os réus Sérgio e José Antonio, respectivamente Prefeito e Secretário de Obras de Porto Belo, bem como o referido Município, também devem ser responsabilizados porque aprovaram o projeto de construção de tal hotel em área pertencente ao domínio público contra todas as leis federais, estaduais e municipais e também porque não limitaram, embargaram ou pediram a adequação da obra. Ratificou que o conhecimento da obra por parte das autoridades executivas municipais é impossível de ser negado, tendo em vista que a obra se situa a 400 metros de distância da sede da Prefeitura Municipal, na mesma rua e que fica em ponto único de passagem para outras localidades. Requereu, por fim, a demolição da construção, a anulação do ato que aprovou referida edificação, bem como a cassação de eventual direito de ocupação dos réus Mauro Antonio Molossi e Silvio Molossi sobre aquela área de marinha. Ingressou a União com medida cautelar, obtendo liminar para a suspensão da obra sob pena de multa diária (fl. 90), a qual foi confirmada pela sentença de fls. 512/517. Através do despacho saneador às fls. 353/354, os réus José Antonio Rocha e Sílvio Luiz Molossi foram excluídos do pólo passivo da ação pelo reconhecimento de sua ilegitimidade passiva. O MM. Juiz a quo, em sentença de fls. 572/590, julgou extinto o R. Trib. Reg. Fed. 4ª Reg. Porto Alegre, a. 14, n. 50, p ,

28 processo sem julgamento do mérito em relação ao demandado Sérgio Luiz Biehler, reconhecendo sua ilegitimidade passiva ad causam e julgou improcedente o pedido em relação aos demandados Mauro Antonio Molossi e Município de Porto Belo. À fl. 597, Mauro Antonio Molossi ingressou com petição requerendo a autorização para a realização de atividades de manutenção da obra, o que restou deferido à fl A União Federal interpôs recurso de apelação às fls. 594/597, requerendo a reforma de sentença, sob o fundamento de que a área objeto do litígio é de propriedade da União e que qualquer empreendimento nela a ser realizado irá danificar a orla marítima e agredir o meio ambiente, com prejuízo ao Poder Público e a comunidade de Porto Belo. Ressaltou ainda a inexistência de estudo prévio de impacto ambiental, consoante determinação contida no art. 225, 1º, IV, da CF/88. O Ministério Público Federal ofereceu embargos de declaração às fls. 599/601, aduzindo a existência de omissão no que se refere ao questionamento do memorial de fls. 561/570, relativo à necessidade de prévia EIA/RIMA para a viabilidade do empreendimento, como também de contradição quando afirma ser possível a construção em promontório desde que autorizadas pelos órgãos municipais ou federais. Após terem sido rejeitados os embargos de declaração da União às fls. 604/606, o Ministério Público Federal interpôs recurso de apelação às fls. 609/622, alegando que o Sr. Mauro Molossi sequer tem a regular ocupação da totalidade do imóvel e que a prova pericial concluiu ser do mesmo a responsabilidade pela construção do muro de arrimo. Afirmou ainda que o imóvel (terreno de marinha) pertence em sua integralidade ao patrimônio público. Ponderou que o vício originário que macula o alvará de construção não pode ser sanado pela ocorrência de aterro hidráulico realizado pelo Município de Porto Belo. Ressaltou que, inobstante isto, a violação ambiental subsiste no que concerne à efetiva utilização da praia artificialmente criada, posto que o terreno permanece avançado sobre o bem público de uso comum. Destacou ainda que, como a área em questão constitui zona de preservação permanente, deveria ser precedida de estudo de impacto ambiental e do respectivo relatório de impacto ambiental, consoante disposição da Lei nº 7.661/88 e da Resolução do CONAMA 01/86. Asseverou que no plano estadual os promontórios constituem 28 R. Trib. Reg. Fed. 4ª Reg. Porto Alegre, a. 14, n. 50, p , 2003

29 áreas de proteção especial, por força de disposição contida no Decreto nº /81, que regulamentou a Lei Estadual nº 5.793/81. Ressaltou ainda que a autorização para a construção em promontório prevista no parágrafo único do referido decreto não afasta a exigência de relatório de impacto ambiental, o que tornaria inválida a autorização da FATMA. Aduziu que a legitimidade da intervenção municipal na concessão do alvará é duvidosa, eis que o Secretário de Planejamento e Urbanismo, subscritor do referido alvará, é o engenheiro responsável pela obra. Ponderou que por se tratar de bem pertencente à União, mostrava-se imprescindível a autorização do órgão federal responsável pelo patrimônio da União, DSPU. Argumentou, por fim, serem objetivos os critérios para avaliar os impactos da obra sobre o meio ambiente, especialmente no que se refere à edificação sobre fauna marinha. À fl. 624, a União manifesta ter conhecimento da interposição da apelação pelo Ministério Público Federal, nada requerendo. Em contra-razões de fls. 627/635, Mauro A. Molossi requereu, em preliminar, a intempestividade do recurso de apelação do Ministério Público Federal. No mérito, pugnou pela manutenção da sentença recorrida. À fl. 637, o Ministério Público Federal refuta a alegação de intempestividade de sua apelação, aduzindo que os embargos de declaração interrompem o prazo para a interposição de outros recursos. Remetidos os autos a esta Corte, também por força do reexame necessário, Marco Antônio Molossi requereu, por meio da petição de fls. 641/642, a juntada do projeto arquitetônico do local para comprovar que, antes de ter adquirido o direito de ocupação do terreno onde iniciou a construção de um hotel pousada, a área ocupada já tinha as características físicas atuais. Ao se manifestar sobre referido documento, a União aduziu que sequer restou demonstrado que o referido projeto tenha sido aprovado, uma vez que o carimbo do Ministério do Interior, Departamento de Obras de Saneamento, contém tão-somente a expressão visto. Ressaltou ainda que a juntada do projeto arquitetônico foi feita de forma extemporânea, não podendo ser aceita a tese de que tal documento não era de conhecimento do autor/apelado e que apenas recentemente foi encontrado, posto que o proprietário no projeto arquitetônico Sr. Nilo Pio Marcelino, foi ouvido como testemunha. (fls. 524/526) R. Trib. Reg. Fed. 4ª Reg. Porto Alegre, a. 14, n. 50, p ,

30 À fl. 648, o Ministério Público Federal requereu o desentranhamento do documento de fls. 643, alegando ter sido intempestivamente juntado aos autos. Em parecer de fls. 657/658, a Procuradoria Regional da República da 4ª Região opinou pelo provimento das apelações. É o relatório. Ao revisor. VOTO O Exmo. Sr. Juiz Federal Joel Ilan Paciornik: Trata-se de ação civil pública proposta pela União objetivando a demolição de um hotel pousada edificado na praia de Porto Belo/SC, em setembro de 1993, reputada como lesiva ao patrimônio público e ao meio ambiente, bem como a anulação do ato pelo qual o Município autorizou a construção e a cassação do direito de ocupação do réu Mauro Antonio Molossi. Primeiramente, por força do reexame necessário, cumpre destacar que a legitimidade passiva do Município de Porto Belo/SC decorre do fato de que o mesmo foi quem concedeu o alvará para construção do hotel, o qual foi deferido pelo Secretário de Planejamento e Urbanismo (doc. de fl. 216), Secretaria esta pertencente à Prefeitura Municipal de Porto Belo/SC. Assim, como o Município de Porto Belo autorizou a edificação do hotel pousada em terreno de marinha, contribuíram seus agentes para a prática da atividade alegada como prejudicial ao meio ambiente, daí decorrendo a legitimidade passiva para a causa. Neste sentido inclusive já se posicionou Hugo Nigro Mazzili, em seu livro A defesa dos interesses difusos em juízo, 13ª edição, 2001, p. 256: União, Estados, Municípios ou Distrito Federal podem ser legitimados passivos para a ação civil pública, pois que, quando não parta deles o ato lesivo, muitas vezes para ele concorrem quando licenciam ou permitem a atividade nociva, ou então deixam de coibi-la quando obrigados a tanto. (grifo nosso) De igual maneira leciona Rodolfo de Camargo Mancuso, em seu livro Ação Civil Pública Em defesa do Meio Ambiente, do Patrimônio Cultural e dos Consumidores, 7ª edição, 2001, p. 170/171: É claro que esta responsabilidade objetiva colocará no pólo passivo da ação todos 30 R. Trib. Reg. Fed. 4ª Reg. Porto Alegre, a. 14, n. 50, p , 2003

31 os que, por ação ou omissão, contribuíram para o evento danoso à sociedade. É a socialização do risco e do prejuízo, a que se referia Savatier. A propósito, já escreveu Sergio Ferraz: Creio que, em termos de dano ecológico, não se pode pensar em outra colocação que não seja a do risco integral. Não se pode pensar em outra malha senão a malha realmente bem apertada que possa, na primeira jogada da rede, colher todo e qualquer responsável pelo prejuízo ambiental. (...) Ordinariamente, como já se fez referência, a responsabilidade dos Poderes e órgãos públicos resulta de conduta omissiva (devem agir e não o fazem) ou da faute du service (agem, mas fazem-no mal). Nesse ponto merecem transcritas as palavras de H. N. Mazzili: Co-legitimado à propositura das ações civis públicas e coletivas, por paradoxo, o Estado muitas vezes é diretamente responsável ou co-responsável pelas lesões a interesses metaindividuais. Muitos danos ambientais decorrem de atividades concedidas, permitidas ou autorizadas pelo Poder Público. (grifo nosso) Por outro lado, não há como se sustentar a ilegitimidade passiva do Município pelo fato de ter o Secretário de Planejamento e Urbanismo atendido à legislação municipal (Lei Municipal nº 533/89), que lhe confere competência para aprovar o projeto de construção em apreço com a expedição do respectivo alvará. Isto porque, conforme muito bem salientado na decisão recorrida (fl. 578), em sede de Direito Ambiental e de Direito Urbanístico, a competência legiferante é concorrente entre a União, Estados e Distrito Federal (art. 24 da CR). Ainda que tenha sido respeitada a legislação municipal, e mesmo que ao Município compita dispor sobre assuntos de interesse local (art. 30 da CR) pode haver ofensa às legislações estadual e nacional, e até antinomias (entre preceitos da legislação municipal em face das outras duas) e, neste caso, em tese, justifica-se a inclusão do Município no pólo passivo. Passo à análise dos recursos de apelação interpostos pela União e pelo Ministério Público Federal, visto que ambos preenchem os requisitos de admissibilidade. Impende destacar que a alegada intempestividade do recurso de apelação do Ministério Público Federal resta afastada em virtude da disposição contida no artigo 538 do Código de Processo Civil no sentido de que os embargos de declaração interrompem os prazos para a interposição de outros recursos. Assim, como no caso sub judice o Ministério Público foi intimado da sentença de fls. 604/606 que decidiu os embargos de declaração em , consoante se infere da certidão de fl. 606, verso, e tendo sido o recurso de apelação por ele interposto em , conforme se observa R. Trib. Reg. Fed. 4ª Reg. Porto Alegre, a. 14, n. 50, p ,

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 119427-CE (0014160-68.2011.4.05.0000) AGRTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL AGRDO : CARLOS FLÁVIO OLIVEIRA SILVEIRA ADV/PROC : JOÃO OLIVARDO MENDES ORIGEM : 18ª Vara Federal do Ceará

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO JUIZ FRANCISCO CAVALCANTI

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO JUIZ FRANCISCO CAVALCANTI APELAÇÃO / REEXAME NECESSÁRIO Nº 3302 RN (2007.84.00.010762-9) APELANTE : IBAMA - INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS REPTE : PROCURADORIA REPRESENTANTE DA ENTIDADE

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 31.648 - MT (2010/0037619-1) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO PROCURADOR : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES : AMAGGI EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO LTDA : EUCLIDES RIBEIRO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 972.075 - SC (2007/0178356-6) RELATOR : MINISTRO TEORI ALBINO ZAVASCKI ADVOGADO : DANTE AGUIAR AREND E OUTRO(S) EMENTA PROCESSUAL CIVIL E TRIBUTÁRIO. RECURSO ESPECIAL. VIOLAÇÃO AO ART.

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Decisão sobre Repercussão Geral DJe 23/10/2012 Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 11 30/08/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 684.169 RIO GRANDE DO SUL RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S)

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 966.736 - RS (2007/0152846-0) RELATOR : MINISTRO NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO RECORRENTE : PAULO GILBERTO ALTMANN ADVOGADO : ANDRE ROBERTO MALLMANN RECORRIDO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR : MINISTRO CASTRO MEIRA AGRAVANTE : INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA - INCRA INTERES. : MARIA DE HOLANDA E SILVA E OUTROS EMENTA ADMINISTRATIVO. AGRAVO REGIMENTAL. DESAPROPRIAÇÃO.

Leia mais

RELATÓRIO. TRF/fls. E:\acordaos\200381000251972_20080211.doc

RELATÓRIO. TRF/fls. E:\acordaos\200381000251972_20080211.doc *AMS 99.905-CE (2003.81.00.025197-2) APTE: INSS-INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL ADV/PROC: PROCURADORIA REPRESENTANTE DA ENTIDADE APDO: LAR ANTÔNIO DE PÁDUA ADV/PROC: LEONARDO AZEVEDO PINHEIRO BORGES

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 781.703 - RS (2005/0152790-8) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO ARNALDO ESTEVES LIMA : UNIÃO : MARCOS ROBERTO SILVA DE ALMEIDA E OUTROS : WALDEMAR MARQUES E OUTRO EMENTA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 716.939- RN(2005/0005605-5) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN RECORRENTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL RECORRIDO : SIBRA EMPREENDIMENTOS S/A ADVOGADO : RAULINO SALES SOBRINHO E OUTRO

Leia mais

RELATÓRIO. O Sr. Des. Fed. FRANCISCO WILDO (Relator):

RELATÓRIO. O Sr. Des. Fed. FRANCISCO WILDO (Relator): APELAÇÃO CÍVEL Nº 511146/AL (0002840-14.2010.4.05.8000) APTE : CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS DA 6ª REGIÃO (AL/PE/PB/RN/CE/PI/MA) ADV/PROC : ALINE JANISZEWSKI LINS APDO : SHBRS/AL - SINDICATO DOS

Leia mais

(6^_ê0â1R0) (D=:A5) - Nº Lote: 2013101705-2_1 - REEXAME NECESSÁRIO N. 2008.34.00.006506-3/DF - TR14403 V O T O RELATÓRIO

(6^_ê0â1R0) (D=:A5) - Nº Lote: 2013101705-2_1 - REEXAME NECESSÁRIO N. 2008.34.00.006506-3/DF - TR14403 V O T O RELATÓRIO (6^_ê0â1R0) PODER JUDICIÁRIO RELATÓRIO Trata-se de reexame necessário de sentença em que o magistrado da 9ª Vara Federal da Seção Judiciária do Distrito Federal, em ação de mandado de segurança, concedeu

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso.

AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso. AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso. Por que se diz instrumento: a razão pela qual o recurso se chama agravo de

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR : MINISTRO CASTRO MEIRA ADVOGADO : LUIZ ANTÔNIO MUNIZ MACHADO E OUTRO(S) EMENTA DIREITO SINDICAL. CONTRIBUIÇÃO SINDICAL RURAL. ART. 8º, IV, DA CF/88. COMPETÊNCIA DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. PUBLICAÇÃO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 864.760 - GO (2006/0145586-0) RELATORA : MINISTRA JANE SILVA (DESEMBARGADORA CONVOCADA DO TJ/MG) RECORRENTE : UNIÃO RECORRIDO : SALVADOR LAUREANO DE ASSUNÇÃO ADVOGADO : LÁZARO SOBRINHO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg nos EDcl no AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 694.688 - SP (2005/0121691-5) RELATOR : MINISTRO FELIX FISCHER AGRAVANTE : ANELINO ANTONIO RODRIGUES ADVOGADO : HERTZ JACINTO COSTA AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 475.003 - RJ (2014/0024859-8) RELATOR : MINISTRO BENEDITO GONÇALVES : BEATRIZ CRISTINA DE ARAÚJO GÔES MARTINEZ E OUTRO(S) HÉLIO MARTINEZ MONTEIRO EMENTA ADMINISTRATIVO.

Leia mais

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados São Paulo, 17 de maio de 2012 I. Apresentação II. Legislação Federal Básica III. Responsabilidade Ambiental

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL

INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL 1. NOMENCLATURA DA DISCIPLINA JURÍDICA Direito ambiental, direito do meio ambiente, direito do desenvolvimento sustentável, direito verde, direito ecológico, direito de

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Decisão sobre Repercussão Geral DJe 04/10/2012 Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 12 20/09/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 688.223 PARANÁ RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S) : MIN.

Leia mais

COMUNICADO nº 10/2014. Aos: Senhores Prefeitos, Assessores Jurídicos, Secretários dos Municípios e Executivos de Associações de Municípios.

COMUNICADO nº 10/2014. Aos: Senhores Prefeitos, Assessores Jurídicos, Secretários dos Municípios e Executivos de Associações de Municípios. COMUNICADO nº 10/2014 Aos: Senhores Prefeitos, Assessores Jurídicos, Secretários dos Municípios e Executivos de Associações de Municípios. Referente: Área de Preservação Permanente - APP em área urbana

Leia mais

*00741706* Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL n 200.7 61-5/9-00, da Comarca de GUARULHOS, em

*00741706* Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL n 200.7 61-5/9-00, da Comarca de GUARULHOS, em / TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO h ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N *00741706* Vistos, relatados e discutidos estes autos de APELAÇÃO CÍVEL n 200.7 61-5/9-00, da Comarca de GUARULHOS,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 712.998 - RJ (2004/0180932-3) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN RECORRENTE : MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO PROCURADOR : MARIANA RODRIGUES KELLY E SOUSA E OUTRO(S) RECORRIDO : ADELINO

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2011.0000155492 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 0065389-49.2011.8.26.0000, da Comarca de Santa Branca,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.171.486 - SP (2009/0239644-0) RELATOR AGRAVANTE AGRAVADO : MINISTRO MARCO BUZZI EMENTA AGRAVO REGIMENTAL - AÇÃO DE COBRANÇA - ASSOCIAÇÃO DE MORADORES - PAGAMENTO DE TAXA DE

Leia mais

ASSOCIACAO DE RADIO COMUNITARIA AMIGOS DO CASSINO ADVOGADO : Humberto da Silva Alves e outro REMETENTE : JUÍZO SUBSTITUTO DA 02A VF DE PORTO ALEGRE

ASSOCIACAO DE RADIO COMUNITARIA AMIGOS DO CASSINO ADVOGADO : Humberto da Silva Alves e outro REMETENTE : JUÍZO SUBSTITUTO DA 02A VF DE PORTO ALEGRE APELAÇÃO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 2004.71.00.045184-6/RS RELATORA Juíza VÂNIA HACK DE ALMEIDA APELANTE AGENCIA NACIONAL DE TELECOMUNICACOES - ANATEL ADVOGADO Guilherme Andrade Lucci APELADO ASSOCIACAO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 963.454 - SC (2007/0143805-5) RELATOR RECORRENTE ADVOGADOS RECORRIDO PROCURADOR INTERES. : MINISTRO PAULO DE TARSO SANSEVERINO : LIBERTY PAULISTA SEGUROS S/A : SÉRGIO ALEXANDRE SODRÉ

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Ementa e Acórdão Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 6 18/11/2014 PRIMEIRA TURMA AG.REG. NO AGRAVO DE INSTRUMENTO 804.674 SÃO PAULO RELATOR : MIN. ROBERTO BARROSO AGTE.(S) :MUNICÍPIO DE SANTOS PROC.(A/S)(ES)

Leia mais

PROCESSO: 0000108-40.2010.5.01.0482 - RTOrd A C Ó R D Ã O 4ª Turma

PROCESSO: 0000108-40.2010.5.01.0482 - RTOrd A C Ó R D Ã O 4ª Turma Multa de 40% do FGTS A multa em questão apenas é devida, nos termos da Constituição e da Lei nº 8.036/90, no caso de dispensa imotivada, e não em qualquer outro caso de extinção do contrato de trabalho,

Leia mais

Incidente de Uniformização JEF Nº 5003501-33.2012.404.7104/RS

Incidente de Uniformização JEF Nº 5003501-33.2012.404.7104/RS Incidente de Uniformização JEF Nº 5003501-33.2012.404.7104/RS RELATOR : ANDRÉ LUÍS MEDEIROS JUNG RECORRENTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS RECORRIDO : MARCOS CARLOS DOS SANTOS ADVOGADO :

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal AÇÃO CÍVEL ORIGINÁRIA 2.475 RIO GRANDE DO SUL RELATOR AUTOR(A/S)(ES) PROC.(A/S)(ES) RÉU(É)(S) PROC.(A/S)(ES) : MIN. ROBERTO BARROSO :MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL :PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA :MINISTÉRIO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL MINUTA DE JULGAMENTO FLS. *** TERCEIRA TURMA ***

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL MINUTA DE JULGAMENTO FLS. *** TERCEIRA TURMA *** TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL MINUTA DE JULGAMENTO FLS. *** TERCEIRA TURMA *** ANOTAÇÕES: DUPLO GRAU 2004.61.00.022513-2 274205 AMS-SP PAUTA: 22/03/2006 JULGADO: 22/03/2006 NUM. PAUTA: 00182 BONORA RELATOR:

Leia mais

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DESEMB - DAIR JOSÉ BREGUNCE DE OLIVEIRA 26 de agosto de 2014

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DESEMB - DAIR JOSÉ BREGUNCE DE OLIVEIRA 26 de agosto de 2014 ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DESEMB - DAIR JOSÉ BREGUNCE DE OLIVEIRA 26 de agosto de 2014 REEXAME NECESSÁRIO Nº 0031154-87.2008.8.08.0024 (024080311541) - VITÓRIA

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL LUIZ ALBERTO GURGEL DE FARIA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL LUIZ ALBERTO GURGEL DE FARIA AGTR Nº 74178 - PB (2007.05.00.005494-7) AGRAVANTE(S) : CEF CAIXA ECONÔMICA FEDERAL ADVOGADO(S) : ISAAC MARQUES CATÃO e outros AGRAVADO(S) : ANA PATRÍCIA SAMPAIO DE ALMEIDA e cônjuge ADVOGADO(S) : JAIRO

Leia mais

I iimi mil mil um um um um um mi mi

I iimi mil mil um um um um um mi mi TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N I iimi mil mil um um um um um mi mi *02886388* Vistos, relatados e discutidos estes

Leia mais

TERCEIRA CÂMARA CÍVEL RECURSO DE APELAÇÃO CÍVEL Nº 13563/2000 - CLASSE II - 19 - COMARCA CAPITAL ELIAS VIEIRA DA SILVA JÚNIOR

TERCEIRA CÂMARA CÍVEL RECURSO DE APELAÇÃO CÍVEL Nº 13563/2000 - CLASSE II - 19 - COMARCA CAPITAL ELIAS VIEIRA DA SILVA JÚNIOR APELANTE(S): APELADO(S): ELIAS VIEIRA DA SILVA JÚNIOR MINISTÉRIO PÚBLICO Número do Protocolo: 13563/2000 Data de Julgamento: 24-05-2005 EMENTA MEIO AMBIENTE AÇÃO CIVIL PÚBLICA ARÉA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 437.853 - DF (2002/0068509-3) RELATOR : MINISTRO TEORI ALBINO ZAVASCKI RECORRENTE : FAZENDA NACIONAL PROCURADOR : DANIEL AZEREDO ALVARENGA E OUTROS RECORRIDO : ADVOCACIA BETTIOL S/C

Leia mais

SEGUNDA CÂMARA CÍVEL AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 32721/2011 - CLASSE CNJ - 202 - COMARCA DE RONDONÓPOLIS ANIVALDO CORREIA DE MELLO

SEGUNDA CÂMARA CÍVEL AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 32721/2011 - CLASSE CNJ - 202 - COMARCA DE RONDONÓPOLIS ANIVALDO CORREIA DE MELLO AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 32721/2011 CLASSE CNJ 202 COMARCA DE Fls. AGRAVANTE: AGRAVADO: ANIVALDO CORREIA DE MELLO LUIZ CARLOS FANELLI Número do Protocolo: 32721/2011 Data de Julgamento: 2262011 EMENTA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.423.457 - PR (2013/0400739-4) RELATOR : MINISTRO HUMBERTO MARTINS AGRAVANTE : ZR IMPORTAÇÕES LTDA ADVOGADOS : CRISTIANO LISBOA YAZBEK E OUTRO(S) FERNANDO SOLÁ SOARES TAILANE

Leia mais

DECISÃO DO STJ NO RECURSO ESPECIAL Nº 1196671 Relatora Ministra ASSUSETE MAGALHÃES Trata-se de Recurso Especial interposto por MARIA ALICE MARQUES

DECISÃO DO STJ NO RECURSO ESPECIAL Nº 1196671 Relatora Ministra ASSUSETE MAGALHÃES Trata-se de Recurso Especial interposto por MARIA ALICE MARQUES DECISÃO DO STJ NO RECURSO ESPECIAL Nº 1196671 Relatora Ministra ASSUSETE MAGALHÃES Trata-se de Recurso Especial interposto por MARIA ALICE MARQUES RIPOLL DE MACEDO e OUTROS, com fundamento no art. 105,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça EDcl no AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.157.106 - MT (2009/0162827-3) RELATOR EMBARGANTE EMBARGADO : MINISTRO BENEDITO GONÇALVES : ROGÉRIO LUIZ GALLO E OUTRO(S) : DANIELA ALLAM GIACOMET GUSTAVO DO AMARAL

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.371.922 - SP (2013/0060257-8) RELATOR : MINISTRO HUMBERTO MARTINS AGRAVANTE : FAZENDA DO ESTADO DE SÃO PAULO PROCURADOR : DENISE FERREIRA DE OLIVEIRA CHEID E OUTRO(S) AGRAVADO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 1.218.980 - RS (2009/0152036-0) RELATOR : MINISTRO CASTRO MEIRA EMENTA PROCESSUAL CIVIL E ADMINISTRATIVO. AÇÃO CIVIL PÚBLICA. AGRAVO REGIMENTAL. VIOLAÇÃO DO ART. 535, INCISO

Leia mais

Poder Judiciário Tribunal Regional Federal da 5ª Região Gabinete do Desembargador Federal Rogério Fialho Moreira

Poder Judiciário Tribunal Regional Federal da 5ª Região Gabinete do Desembargador Federal Rogério Fialho Moreira APELANTE : FAZENDA NACIONAL APELADO : SESC/CE - SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO (ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DO ESTADO DO CEARÁ) E OUTROS ADV/PROC : REBECA VALENÇA AQUINO E OUTROS REMTE : JUÍZO DA 5ª VARA FEDERAL

Leia mais

AUTO DE INFRAÇÃO. NULIDADE

AUTO DE INFRAÇÃO. NULIDADE A C Ó R D Ã O (2ª Turma) GDCVF/AM/mrm AGRAVO DE INSTRUMENTO. AUTO DE INFRAÇÃO. NULIDADE. A Corte Regional, com base no conjunto fático-probatório, concluiu que não estavam presentes os requisitos configuradores

Leia mais

Embargos de Declaração da reclamante a fls. 634/643, julgados improcedentes a fls. 644/645.

Embargos de Declaração da reclamante a fls. 634/643, julgados improcedentes a fls. 644/645. PROCESSO 00472-2009-024-03-00-2 RO DATA DE PUBLICAÇÃO 09/11/2009 ÓRGÃO JULGADOR QUARTA TURMA RELATOR ANTÔNIO ÁLVARES DA SILVA REVISOR LUIZ OTÁVIO LINHARES RENAULT RECORRENTES: SHIRLEY MARIA FRANCISCO COMPANHIA

Leia mais

Poder Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região

Poder Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região AGRAVANTE(S): AGRAVADO(S): AGROPECUARIA NOVA TRES PONTAS LTDA. UNIAO FEDERAL (FAZENDA NACIONAL) EMENTA: AUTOS DE INFRAÇÃO LAVRADOS POR AUDITOR FISCAL DO TRABALHO. PRESUNÇÃO DE VERACIDADE. Os autos de infração,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.045.616 - DF (2008/0069652-2) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADA : MINISTRO ALDIR PASSARINHO JUNIOR : NEUZA JOSE RIBEIRO : MARCOS ATAIDE CAVALCANTE E OUTRO(S) : BRB CLUBE

Leia mais

PARECER 02/0650/2015 MANDADO DE SEGURANÇA N. 383598-59.2014.8.09.0000 (201493835980) GOVERNADOR DO ESTADO DE GOIÁS

PARECER 02/0650/2015 MANDADO DE SEGURANÇA N. 383598-59.2014.8.09.0000 (201493835980) GOVERNADOR DO ESTADO DE GOIÁS PARECER 02/0650/2015 MANDADO DE SEGURANÇA N. 383598-59.2014.8.09.0000 (201493835980) COMARCA IMPETRANTE IMPETRADO ÓRGÃO JULGADOR DESEMBARGADOR RELATOR SUBPROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA PARA ASSUNTOS JURÍDICOS

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL AÇÃO: 99.001.149975-9 AÇÃO CIVIL PÚBLICA ORIGEM: 4ª VARA DE FAZENDA PÚBLICA DA COMARCA DA CAPITAL AGRAVANTE: MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO AGRAVADO: MINISTÉRIO PÚBLICO RELATOR: DES. ROBERTO GUIMARÃES AGRAVO

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa

ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa Agravo de Instrumento n 2 073.2012.001287-4 /001 Relator: Des. José Di Lorenzo Serpa Agravante: Marina Jacaré Clube Advogado:

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR : MINISTRO JOÃO OTÁVIO DE NORONHA RECORRENTE : E L DOS S E OUTRO ADVOGADO : JULIANO FONSECA DE MORAIS EMENTA RECURSO ESPECIAL. PROCESSUAL CIVIL. AÇÃO DE DIVÓRCIO DIRETO CONSENSUAL. CASAMENTO REALIZADO

Leia mais

ACÓRDÃO. Ao contrário do que afirma a apelante, não existem provas de que o condutor do veículo de propriedade do segundo promovido

ACÓRDÃO. Ao contrário do que afirma a apelante, não existem provas de que o condutor do veículo de propriedade do segundo promovido ESTADO DA PARAIBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gah. Des. Genésio Gomes Pereira Filho ACÓRDÃO APELAÇÃO Cá/EL N 016.2009.000727-5/ 001 RELATOR: Des. Genésio Gomes Pereira Filho APELANTE: Nikanora

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ RELATOR DO EGRÉGIO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO AMAZONAS. PROCESSO N. 220-95.2011.6.04.0000 - Classe 30 AUTOS:

Leia mais

O NOVO CPC E OS PRECEDENTES EM MATÉRIA TRIBUTÁRIA

O NOVO CPC E OS PRECEDENTES EM MATÉRIA TRIBUTÁRIA O NOVO CPC E OS PRECEDENTES EM MATÉRIA TRIBUTÁRIA Fernando Facury Scaff Professor de Direito Financeiro da USP. Doutor e Livre Docente pela mesma Universidade. Sócio de Silveira, Athias, Soriano de Melo,

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal AGRAVO DE INSTRUMENTO 854.226 MINAS GERAIS RELATORA AGTE.(S) ADV.(A/S) AGDO.(A/S) PROC.(A/S)(ES) : MIN. ROSA WEBER :INDÚSTRIA DE MÓVEIS PYA LTDA :MARCELO TOSTES DE CASTRO MAIA :UNIÃO :PROCURADOR-GERAL

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 26.044 - MS (2008/0000154-1) RELATORA RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO PROCURADOR : MINISTRA MARIA THEREZA DE ASSIS MOURA : MÁRCIA ARAÚJO LIMA : IGOR NAVARRO RODRIGUES CLAURE

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL ACÓRDÃO

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL ACÓRDÃO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL ACÓRDÃO MANDADO DE SEGURANÇA N 4.079 - CLASSE 22 a PARANÁ. - LONDRINA Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Impetrante: Ibope Inteligência Pesquisa e Consultoria Ltda. Advogados:

Leia mais

EMENTA ACÓRDÃO RELATÓRIO

EMENTA ACÓRDÃO RELATÓRIO D.E. Publicado em 11/09/2008 EMENTA Previdenciário. Tempo Especial. Vigia. Uso de arma de fogo. Requisito. A atividade de vigia/vigilante somente tem caráter especial quando o segurado efetivamente portava

Leia mais

RELATÓRIO. Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL

RELATÓRIO. Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Órgão: TURMA REGIONAL DE UNIFORMIZAÇÃO DE JURISPRUDÊNCIA N. Processo: 0500029-74.2008.4.05.8103 Origem: Primeira Turma Recursal do Estado do Ceará Recorrente: João Ferreira

Leia mais

JI WrIlei. ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho

JI WrIlei. ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho ).,, JI WrIlei ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho ACÓRDÃO AGRAVO DE INSTRUMENTO n 041.2007.001993-4/001 RELATOR: Eduardo José de Carvalho Soares

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO DECISÃO 2012 PROCESSO : 36098-81.2012.4.01.3400 IMPETRANTE : SINDICATO DOS TRABALHADORES EM SAÚDE TRABALHO E PREVIDÊNCIA SOCIAL NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO IMPETRADO : SECRETARIO DE GESTÃO PÚBLICA DO MINISTÉRIO

Leia mais

PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual.

PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual. PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Legitimidade - art. 499 CPC: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual. Preposto é parte? Pode recorrer? NÃO.

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 125447-PB (0006137-02.2012.4.05.0000) AGRTE : PAULO ROBERTO JACQUES COUTINHO FILHO ADV/PROC : CARLOS FREDERICO NÓBREGA FARIAS e outros AGRDO : INCRA - INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR : MINISTRO ARNALDO ESTEVES LIMA EMENTA PREVIDENCIÁRIO. APOSENTADORIA. CONTAGEM DE TEMPO DE SERVIÇO EXERCIDO EM CONDIÇÕES ESPECIAIS. COMPROVAÇÃO POR MEIO DE FORMULÁRIO PRÓPRIO. POSSIBILIDADE ATÉ

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 9 06/12/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 701.511 SÃO PAULO RELATOR RECTE.(S) PROC.(A/S)(ES) : MIN.

Leia mais

4ª Câmara Cível AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 55413-2/180 (200701476731) COMARCA DE URUANA

4ª Câmara Cível AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 55413-2/180 (200701476731) COMARCA DE URUANA 4ª Câmara Cível AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 55413-2/180 (200701476731) COMARCA DE URUANA AGRAVANTE MAFRE VERA CRUZ SEGURADORA S/A AGRAVADA MARIA FRANCISCA DE OLIVEIRA RELATOR Juiz GILMAR LUIZ COELHO RELATÓRIO

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL 1 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL Nº 0038505-77.2008.8.19.0001 APELANTE: OFC CONSULTORES ASSOCIADOS LTDA APELADO: MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

Número: 0020259-07.2013.5.04.0751

Número: 0020259-07.2013.5.04.0751 Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região - 2º Grau PJe - Processo Judicial Eletrônico Consulta Processual Número: 0020259-07.2013.5.04.0751 Classe: RECURSO ORDINÁRIO - Relator: JURACI GALVAO JUNIOR 09/07/2014

Leia mais

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO JUIZ FRANCISCO CAVALCANTI

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO JUIZ FRANCISCO CAVALCANTI APELAÇÃO / REEXAME NECESSÁRIO Nº 15708 CE (0007321-11.2010.4.05.8100) APELANTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL APELADO : UFC - UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ REPTE : PROCURADORIA REGIONAL FEDERAL - 5ª REGIÃO

Leia mais

PROCESSO Nº TST-RR-144000-70.2005.5.15.0036 - FASE ATUAL: E-ED

PROCESSO Nº TST-RR-144000-70.2005.5.15.0036 - FASE ATUAL: E-ED A C Ó R D Ã O SESBDI-1 VMF/ots/pcp/mmc RECURSO DE EMBARGOS EM RECURSO DE REVISTA IRREGULARIDADE DE REPRESENTAÇÃO ALTERAÇÃO DA RAZÃO SOCIAL DA EMPRESA NOVO MANDATO NECESSIDADE SÚMULA Nº 164 DO TST. Embora

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO Acórdão 10a Turma PODER JUDICIÁRIO FEDERAL CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA. DECADÊNCIA. PRESCRIÇÃO. PRAZO INICIAL. O processo do trabalho guarda perfeita simetria ao processo administrativo tributário posto

Leia mais

02/10/2014 PLENÁRIO : MIN. GILMAR MENDES

02/10/2014 PLENÁRIO : MIN. GILMAR MENDES Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 10 02/10/2014 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 704.520 SÃO PAULO RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S) : MIN.

Leia mais

Dados Básicos. Ementa. Íntegra

Dados Básicos. Ementa. Íntegra Dados Básicos Fonte: 0011879-16.2011.8.26.0132 Tipo: Acórdão CSM/SP Data de Julgamento: 18/10/2012 Data de Aprovação Data não disponível Data de Publicação:17/01/2013 Estado: São Paulo Cidade: Catanduva

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal )1( oãdróca atneme86242 DE-SM Diário da Justiça de 09/06/2006 03/05/2006 TRIBUNAL PLENO RELATOR : MIN. GILMAR MENDES EMBARGANTE(S) : UNIÃO ADVOGADO(A/S) : ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO EMBARGADO(A/S) : FERNANDA

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ. EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ. Assunto: Desconto da Contribuição Sindical previsto no artigo 8º da Constituição Federal, um dia de trabalho em março de 2015.

Leia mais

RECURSO ORDINÁRIO: O artigo 895 parece ser taxativo, em suas alíneas a) e b) ao afirmarem que é cabível o recurso de revista quando:

RECURSO ORDINÁRIO: O artigo 895 parece ser taxativo, em suas alíneas a) e b) ao afirmarem que é cabível o recurso de revista quando: RECURSO ORDINÁRIO: Está previsto no artigo 893 da Consolidação das Leis do trabalho e é disciplinado no artigo 895 da mesma lei. Pode ser interposto, no prazo de 8 dias, tanto das sentenças terminativas,

Leia mais

O Exmº. Sr. Desembargador Federal EDILSON PEREIRA NOBRE JÚNIOR (Relator):

O Exmº. Sr. Desembargador Federal EDILSON PEREIRA NOBRE JÚNIOR (Relator): PROCESSO Nº: 0802543-39.2013.4.05.8300 - APELAÇÃO APELANTE: ELIZABETH VIRGINIA MACHADO MOURA DE PAIVA (e outro) ADVOGADO: LOUISE MARIE BRUÈRE DE CARVALHO PAIVA (e outros) APELADO: CAIXA ECONOMICA FEDERAL

Leia mais

VISTOS, relatados e discutidos os autos acima referenciados.

VISTOS, relatados e discutidos os autos acima referenciados. 4* 'L, Á `4'INI ~nu Pd Estado da Paraíba Poder Judiciário Tribunal de Justiça Gabinete do Des. Marcos Antônio Souto Maior ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL N 001.2008.001148-7/001 - CAMPINA GRANDE RELATOR : Juiz

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.374.048 - RS (2013/0073161-8) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO HUMBERTO MARTINS : FAZENDA NACIONAL : PROCURADORIA-GERAL DA FAZENDA NACIONAL : EMERSON DA SILVA

Leia mais

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO EMBTE : INSS-INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL ADV/PROC : PROCURADORIA REPRESENTANTE DA ENTIDADE EMBGDO : RIVADALVI BORBA DA SILVA ADV/PROC : FÁBIO CORREA RIBEIRO E OUTROS REMTE RELATOR : JUÍZO DA 3ª

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Ministro Relator,

Excelentíssimo Senhor Ministro Relator, Parecer nº 2092/2007 - SC Recurso Extraordinário nº 511.961-1 Recorrentes : Sindicato das Empresas de Rádio e Televisão no Estado de São Paulo SERTESP e Ministério Público Federal Recorridos : União Federal,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 468.333 - MS (2002/0108270-6) RELATOR : MINISTRO LUIS FELIPE SALOMÃO RECORRENTE : BANCO DO BRASIL S/A ADVOGADO : GILBERTO EIFLER MORAES E OUTRO(S) RECORRIDO : LEODARCY DA SILVA ANGELIERI

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 447.888 - RO (2002/0084713-3) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI RECORRENTE : ADMINISTRADORA E CORRETORA DE SEGUROS - RONSEG ADVOGADO : ODAILTON KNORST RIBEIRO RECORRENTE : SUL AMÉRICA

Leia mais

- A PBPREV é autarquia previdenciária estadual

- A PBPREV é autarquia previdenciária estadual AC no 200.2010.039908-4/001 1 Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete da Desembargadora Maria das Neves do Egito de A. D. Ferreira ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL No 200.2 010.039908-4/001

Leia mais

ACÓRDÃO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA. Apelação Cível ri 026.2006.000553-0/001 Origem : 2 4 Vara da Comarca de naná

ACÓRDÃO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA. Apelação Cível ri 026.2006.000553-0/001 Origem : 2 4 Vara da Comarca de naná ACÓRDÃO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA Apelação Cível ri 026.2006.000553-0/001 Origem : 2 4 Vara da Comarca de naná TRIBUNAL DE JUSTIÇA Relator : Desembargador Frederico Martinho da NObrega Coutinho

Leia mais

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR : MIN. GILMAR MENDES REQUERENTE(S) : PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA REQUERIDO(A/S) : UNIÃO ADVOGADO(A/S) : ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO REQUERIDO(A/S) :

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no CONFLITO DE COMPETÊNCIA Nº 112.956 - MS (2010/0125033-8) AGRAVANTE : APARECIDA CALVIS AGRAVADO : CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF ADVOGADO : CLEONICE JOSÉ DA SILVA HERCULANO E OUTRO(S) SUSCITANTE

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Saulo Henriques de Sá e Benevides. Vistos, etc.

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Saulo Henriques de Sá e Benevides. Vistos, etc. ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Saulo Henriques de Sá e Benevides APELAÇÃO CÍVEL n 2 073.2003.012900-8/001 Comarca de Cabedelo RELATOR: João Benedito da Silva Juiz Convocado

Leia mais

22/10/2015 https://pje.tjdft.jus.br/pje/consultapublica/detalheprocessoconsultapublica/documentosemloginhtml.seam?ca=e7a42b30ee6f6d0ff5bb5ab6f2d34

22/10/2015 https://pje.tjdft.jus.br/pje/consultapublica/detalheprocessoconsultapublica/documentosemloginhtml.seam?ca=e7a42b30ee6f6d0ff5bb5ab6f2d34 Poder Judiciário da União TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS 2JEFAZPUB 2º Juizado Especial da Fazenda Pública do DF Número do processo: 0706261 95.2015.8.07.0016 Classe judicial:

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.311.383 - RS (2012/0041009-1) RELATOR : MINISTRO NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO AGRAVANTE : ANTONIO CHAGAS DE ANDRADE ADVOGADOS : MARCELO LIPERT E OUTRO(S) ROBERTO DE FIGUEIREDO

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Decisão sobre Repercussão Geral DJe 18/09/2012 Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 13 06/09/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 651.703 PARANÁ RELATOR : MIN. LUIZ FUX RECTE.(S)

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2012 (Do Sr. Romero Rodrigues) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI N o, DE 2012 (Do Sr. Romero Rodrigues) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI N o, DE 2012 (Do Sr. Romero Rodrigues) Permite ao terceiro prejudicado intentar ação diretamente contra o segurador. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei faculta ao terceiro prejudicado

Leia mais

TURMA RECURSAL. 1 Juizados Especiais Federais Seção Judiciária do Paraná. I Relatório

TURMA RECURSAL. 1 Juizados Especiais Federais Seção Judiciária do Paraná. I Relatório 1 Autos n.º 2003.70.09.003006-3 Recorrente: Luiz Carlos Bucholdz Recorrido: Instituto Nacional do Seguro Social INSS Origem: Juizado Especial Federal de Ponta Grossa - SJPR Relator: Juiz Federal Marcos

Leia mais

LABORATÓRIO 3. VI EXAME DE ORDEM UNIFICADO 2ª FASE DIREITO DO TRABALHO LABORATÓRIO 3 PROFA. Maria Eugênia Conde @mageconde.

LABORATÓRIO 3. VI EXAME DE ORDEM UNIFICADO 2ª FASE DIREITO DO TRABALHO LABORATÓRIO 3 PROFA. Maria Eugênia Conde @mageconde. Caso Prático Emerson Lima propôs reclamação trabalhista, pelo rito ordinário, em face de Rancho dos Quitutes, alegando que trabalhava como atendente em uma loja de conveniência localizada em um posto de

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Ementa e Acórdão Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 11 10/02/2015 PRIMEIRA TURMA AG.REG. NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 805.859 RIO DE JANEIRO RELATOR AGTE.(S) PROC.(A/S)(ES) AGDO.(A/S) ADV.(A/S)

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL MINUTA DE JULGAMENTO FLS. *** SEXTA TURMA ***

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL MINUTA DE JULGAMENTO FLS. *** SEXTA TURMA *** TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL MINUTA DE JULGAMENTO FLS. *** SEXTA TURMA *** 89.03.005998-0 4442 AMS-SP PAUTA: 07/02/2007 JULGADO: 07/02/2007 NUM. PAUTA: 00267 RELATOR: JUIZ CONV. MIGUEL DI PIERRO PRESIDENTE

Leia mais

Precedente da Câmara. APELAÇÃO DESPROVIDA. EDUARDO SANTOS DA SILVA

Precedente da Câmara. APELAÇÃO DESPROVIDA. EDUARDO SANTOS DA SILVA APELAÇÃO CÍVEL. REINTEGRAÇÃO DE POSSE. HOMOLOGAÇÃO DE ACORDO APRESENTADO EM JUÍZO. RECURSO DO RÉU. A transação em juízo não exige a intervenção de advogados, restando válido o acordo pactuado no presente

Leia mais

Athayde Filho e outros) Vistos etc.

Athayde Filho e outros) Vistos etc. ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa DECISÃO MONOCRÁTICA APELAÇÃO CÍVEL N2 107.2009.000348-7/001 Relator: Des. José Di Lorenzo Serpa Apelante: Município de Lagoa

Leia mais

02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS:

02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS: PARECER Nº 02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS: DIVERSOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS. ASSUNTOS: BASE DE CÁLCULO DO ADICIONAL DE INSALUBRIDADE DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS. DA CONSULTA: Trata-se de consulta

Leia mais