Marcos Alede Nunes Davel. REPRESENTACOES SOBRE 0 ENSINO DE INGLES POR PARTE DOS PROFESSORES.DE LiNGUA INGLESA EM CO LEG los DA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Marcos Alede Nunes Davel. REPRESENTACOES SOBRE 0 ENSINO DE INGLES POR PARTE DOS PROFESSORES.DE LiNGUA INGLESA EM CO LEG los DA"

Transcrição

1 Marcos Alede Nunes Davel REPRESENTACOES SOBRE 0 ENSINO DE INGLES POR PARTE DOS PROFESSORES.DE LiNGUA INGLESA EM CO LEG los DA REDE ESTADUAL DE CURITIBA Trabalho de Conclusao de Curso apresentado 80 curso de lelras da Faculdade de Ciimcias Humanas, Letras e Artes da Universidade Tuiuli do Parana como requisite parcial para obtencao do grau de licenciado em Letras. Orientadora: Ms. Denise Akemi Hibarino CURITIBA 2011

2 RESUMO o objetivo deste trabalho e investigar as repre5enta~6es que professores de lingua inglesa que atuam em colegias da rede publica estadual em Curitiba constroem a respeite do ensino-aprendizagem da Iingu<;:I inglesa. Para isso, sera apresentado primeiramente urn apanhado bibliografico sabre questoes relevantes atualmente discutidas sabre a idioma como a concep9a.o global ou imperialista do ingles e suas implicac;:oes na sociedade e na educac;:ao. 0 trabalho analisa tambem como as Orientac;:6es Curricula res Nacionais para 0 Ensino Media (OeEM), as Parametros Curriculares Nacionais (pen) e as Diretrizes Curriculares Estaduais de Lingua Inglesa do Estado do Parana (OCE) concebem 0 ingles como lingua estrangeira e propoem reflexoes que irao nortear a trabalho do professor. Investiga-se qualitativamente neste trabalho, par meio de entrevistas baseadas em questionarios semi-estruturados, as representavoes de cinco professoras sobre 0 ensino de ingles e como estas questoes estao articuladas ou nao com as questoes presentes nos documentos norteadores do Estado sobre 0 ensino do idioma. Por meio da pesquisa apresentada, e possivel perceber alguns fatores importantes a respeito dos problemas enfrentados pelas professoras em seu dia-a-dia como 0 desinteresse dos alunos e a falta de recursos. Foi possivel tambem notar que as participantes apresentam certa consciencia sabre seu papel transformador de realidades Nota-se, por meio dessa pesquisa, que ha necessidade de que os professores leiam e se interem de forma mais aprofundada com os documentos norteadores do Estado para que possam articular melhor sua pratica com as objetivos do ensino de ingles na escola publica, porem nao se descarta 0 papel do professor como sujeito no processo, capaz de atuar de forma significativa. Palavras-chave: representavoes de professores; ensino de ingles; lingua inglesa.

3 SUMARIO RESUMO 1. INTRODUi;AO lingua INGLESA E CONCEPi;OES DE ENSINO INGLES: LINGUA FRANCA OU IMPERIALlSTA? ENSINO DO INGLES NO CONTEXTO DA ESCOLA PUBLICA LINGUA INGLESA E SUAS REPRESENTAi;OES NA ESCOLA REFLEXOES COM PROFESSORES DA ESCOLA PUBLICA CONSIDERAi;OES FINAlS.48 REFERENCIAS ANEXOS

4 1. INTRODUV.A.O Estudar ingles tornou-se urn fenomeno mundial. E a principal lingua estrangeira estudada em muitos paises desenvolvidos e em desenvolvimento (PAIVA 2005) como e a case do Br~.sil e tant05 Qutros que precisam do idioma em suas rela90es comerciais, para fins turisticos e cientrficos. Tai5 paises interessam-se em promover 0 ens ina desse idioma como uma forma de ter acesso a ciemcia e a tecnojogia, ao comercio e turismo internacional e a ajuda militar e econ6mica. E passivel perceber a lingua inglesa como a lingua do poder, do progresso e do prestigio apesar de que nem sempre, segundo Rajagopalan (2003), 0 individuo que aprende ingles aumenta seu status au prestigio social. Ao me sma tempo, a lingua interve!rn na cultura, na medida em que insere seus trac;:6es culturais em contextos culturais distintos pois, quando S9 leva em considerac;:ao que todo idioma, na perspectiva do discurso" carrega uma carga ideol6gica e cultural. Com isso, ao aprender ingles, 0 indivlduo entra em contato com essa carga ideol6gica e cultural que VaG interierir na construc;:ao de sua identidade. Para 0 professor, 0 ensino desse idioma pode ser visto como uma possibilidade de conscientizac;:ao do individuo, de ac;:ao e consequente 1 Entende-se aqui como discurso toda interat;:ao por meio da linguagem e, como coloca Fairclough e Wodar (citado por Van Oijk, 2010) 0 discurso e hist6rico, e uma forma de at;:ao social, constitui a sociedade e a cultura. As DCEs colocam 0 discurso da seguinte forma: Segundo 6akhtin (1988), toda enunciayao envolve a present;:a de pelo menos duas vozes, a voz do eu e do oulro. Para esle fi1osofo, nao ha discurso individual, no sentido de que todo discurso se conslr6i no processo de inlerat;:ao e em funyao de oulro. E e no espat;:o discursivo criado na relayao entre 0 eu e 0 outro que os sujeitos se constituem socialmente. E no engajamento discursivo com 0 outr~ que damos forma ao que dizemos e ao que somos. Dai a lingua Eslrangeira apresentar-se como espat;:o para ampliar 0 contato com outras formas de conhecer, com outros procedimentos interpretativos de construc;:ao da realidade. (PARANA, p.53)

5 2 transformava.o social. Paiva (2005) afirma que 0 professor pode, ao mesma tempo em que ensina a lingua inglesa, promover urna discussao sabre suas implicac;6es sociais, culturais e ideol6gicas, contribuindo assim para a processo educacional global. Oesta forma, a pesquisa adeta esse foco ao investigar as representac;6es dos professores sabre 0 ensina da lingua inglesa. o ensina de ingles, segundo Paiva (2005), como lingua estrangeira traz implicac;6es sociais e politicas e este assunto tern sido motivolobjetivo de pesquisas. Rajagopalan e Yves Lacoste, par exemplo, sao autores que discutem 0 assunto em A Geopolitica do ingles (2006) e tern chamado atenc;;30 para esta questao. Segundo Lacoste, a lingua inglesa e 'ouvida nas novelas de televisao, nos documentarios, propagandas, programas de radio. 0 ingles aparece no rock estrangeiro e tambem no naciona!. Esta presente nos adesivos dos carros, nas marcas de carro, nos names de casas comerciais, nos produtos, nas picha es de muros. Isso revela como 0 idioma tem sa disseminado palo planata. Alem da considera9ao de que a ingles tem uma abrangencia muito grande devido aos produtos que circulam em lingua inglesa, como as citados no paragrafo anterior, outro fatar importante para a divulga9ao de uma lingua e, inegavelmente, a eduea,aa de um pava (PAIVA, 2005). No easa da lingua inglesa, tanto a Inglaterra quanto as Estados Unidos contribuem para a prom09ao da lingua atraves de organismos internacionais que promovem intercambios academicos, proporcionando oportunidades para que pessoas do mundo inteiro estudem em seus paises e enviando seus especialistas para assessorias, cursos e palestras mundo afora. Os parses considerados como subdesenvolvidos vao aos Estados Unidos para aprender e americanos, par sua vez, vao aos paises em desenvolvimento para ensinar, contribuindo para a utiliza9ao da lingua inglesa em diversos contextos e sua

6 permanencia em um status importante mundialmente. Na medida em que esta vem sen do simbolizada como "a lingua universal" (ROSA, 2003, p10), a necessidade e a importancia de se aprender ingles vao sendo apresentadas nos discursos sabre a mundia.liza~ao do capital nao apenas no Brasil, mas em muitos paises onde a poder hegemonico da lingua inglesa estiver instaurado. Atualmente, a concep~ao do ensino de Ifnguas apresentado pelo estado do Parana adota a discurso como pratica sociar e a apresenta~ao de conteudos formais par meio de generos textuais. Levando em conta as reflexoes apresentadas pelas DCEs, DeEM e PCN, este trabalho debruc;:a-se sabre as concep~oes do ensino de lingua inglesa e investiga como os professores das escolas publicas estaduais articulam seus conhecimentos cam a pratica de sala de aula, auxiliando a aluno em seu processo de aprendizagem. Aborda-se tambem a estado da arte dos estudos em lingua inglesa e as representac;:oes dos professores, que permeiam a processa de ensina e aprendizagem na escola. Como bases bibliograficas complementares aos documentos oficiais norteadores da educa,ao que seraa anal isados (DCE, OCEM e PCN) serao utilizados trabalhos de autores que tambem discutem a ensino de lingua inglesa e a importancia do Ingles no mundo como Rajagopalan (2003), Rajagopalan e Lacoste (2005), Paiva (2005), Celani (2002, 2010), Barcelos e Abrahao (2010), entre outros que, no decorrer da pesquisa auxiliam no entendimento da:; questoes discutidas e que puderam ser observados durante a desenvolvimento do capitulo intitulado Segundo a DeE: [... J Ao tomar a lingua como interayao verbal, como espa~ de produ~ao de sentidos, buscou-se urn conteudo que atendesse a essa perspectiva. Sendo assim, define-se como Conteudo Estruturante da Lingua Estrangeira Modema 0 Discurso como pratica social. A lingua sera tralada de forma dinamica, por meio de leitura, de oralidade e de escrita que sao as praticas que efetivam o discurso (PARANA, 2008, p.61).

7 4 Lingua Inglesa e Concepr;oes de Ensino. Como problema norteador de pesquisa esta a investigay8.o de qual a representay8.o au quais as representa<;6es que 0 professor de lingua inglesa controi sabre as quest6es relacionadas a sua atua<;:c3oe concep9ao'de ensine discutidas no ensina da disciplina. Busca-se investigar no capitulo Reflexoes entre professores da esco/a publica ate que ponto, dentro do contexte educativo atua! as professores de lingua inglesa tern dificuldade em articular conhecimentos te6rico-metodol6gicos com a pratica de sala de aula e como i550 se reflete no processo educativq dos alunos que apresentam dificuldade de aprendizagem e nao conseguem perceber 0 papel do aprendizado de ingles no ensina regular. Ah m disso, pretende-se investigar tambem as crengas dos professores acerca do ensino-aprendizagem do ingles e como elas podem se tornar grandes barreiras para 0 bom aproveitamento do aprendizado em sala, assim como podem dificultar 0 seu trabalho. Tais crengas podem tambem se transformar em ponto de partida para uma reflexao a respeito de como se ensina/aprende e como os individuos se percebem dentro do contexto escolar. Como fios condutores da pesquisa, o~ procedimentos investigativos levam em conta a analise da lingua inglesa; a investigag.3o dos conceitos e crengas que professores possuem com relag.3o ao ensino e aprendizagem de lingua inglesa; a analise dos documentos oficiais que norteiam 0 ensino publico brasileiro (DCE, OCEM e PCN) com relag.3o ao objetivo do ensino de lingua inglesa, aos conceitos de lingua, autonomia do professor, etc.. o procedimento metodol6gico utilizado pelo pesquisador foi primeiramente a pesquisa bibliografica para investigar como 0 tema vem sendo abordado e discutido no meio academico e por autores!pesquisadores do assunto. A partir da primeira

8 etapa, foi passive I apresentar urn apanhado de forma escrita para embasar a pesquisa de campo, que entrou num segundo momento como instrumento de investigagao das representagoes dos professores da rede estadual de ensino do Parana relacionados com os objetivos da pesquisa. Para melhor organizay:ao do trabalho, 0 capitulo Lingua Ing/esa e concep90es de Ensino esta dividido em tres sey:oes. A primeira - Ingles: lingua franca ou imperialista - discute questoes relacionadas ao posicionam.ento que autores como Rajagopalan (2005), Lacoste (2005) e Breton (2005) apresentam em rela,ao ao ingles. Busea-se analisar a importancia do ingles e seus reflexos culturais enquanto idioma imperialista au global e tambem como esse idioma tornou-se tao importante mundialmente. Segue-se com a segao 0 Ensino do Ingl8s no Contexto da Escola Publica, no qual sao apresentadas algumas das as discussoes que estao coloeadas nos documentos do estado, ou seja, DeE, pen e OCEM, e como tais documentos articulam 0 ensino de lingua inglesa e concebem a lingua. Parte-se, par fim, para a se1(ao seguinte intitulada A lingua Inglesa e Suas Representat;aes na Escola, na qual aborda-se algumas questoes referentes ao ensino de lingua inglesa na escola e ao conceito de crengas. ~ importante ressaltar que para este trabalho crengas e representagoes sao definidos da mesma maneira e que, em alguns momentos aparecerao com 0 nome de crengas e em outros representagoes, sem prejulzo ao entendimento do conceito. o trabalho segue, depois de investigar questoes referentes a concepyao de lingua inglesa, reflexoes sobre as orientaryoes pedag6gicas norteadoras do Estado e de urna breve investigaryao sobre as representa1(oes/crengas com a pesquisa com os professores, apresentada no capitulo seguinte: Reflexaes com professores da esco/a publica.

9 A pesquisa de campo (oi realizada por meio de queslionario baseado em urn roteiro semi-estruturando com base na pesquisa bibliografica e aplicado a cinco professoras de lingua inglesa colegios publicos da rede estadual de ensino em Curitiba. 0 roteiro de perguntas (vide anexos 1 e 2) contempla questoes referentes a formayao do professor, aos ~esafios que encontrou e ainda encontra em sala, ao conhecimento que possui dos documentos norte adores da educac;:ao (DCE, PCN e OCEM), e as representac;:6es que os professores apresentam sobre 0 aluno que aprende ingles. As respostas fcram analisadas e apresentadas em forma de analise e discussao sobre os resultados obtidos, levando em considerac;:ao a bibliografia estudada e as hip6teses levantadas nesta pesquisa. A reflexao com professores de colegios da rede estadual de ensino em Curitiba contribui para a com preen sao do que esta acontecendo nas escolas atualmente. 0 professor, a quem cabe grande responsabilidade no processo educativo e cobrado constantemente pcr resultados, tala-se bastante no papel do professor em sala, porem torna-se importante olhar para esse profissional e compreender que, como sujeito, como indivlduo, ele traz consigo representac;:oes que influenciarao todo 0 processo, e que ele tambem esta permeado par representayoes culturais e socia is.

10 2. lingua INGLESA E CONCEP\;OES DE ENSINO 2.1. INGLES: LiNGUA FRANCA OU IMPERIALISTA? Considerar a lingua inglesa na 8tualidade signifiea levar em conta algumas quest5es como a geopolitica do idioma que analisa as rela90es de poder e de influ mcia sobre territ6rios. culturas e processos identitarios, segundo disgute Lacoste (2005), ge6grafo frances em seu livro A Geopolltica do Ingles. Para 0 autor, a geografia tern urn papel social muito importante relacionado as novas formas de interay80 das na90es e neste livro, apresenta discuss6es sobre as consequencias da nova organiz89ao des espayos sobre as popula90es, levando em considerar;ao principal mente a lingua inglesa. ~A abordagem geopolltica de urna lingua nao se limita a examinar no mapa 0 alcance de sua exlens20 e seus limites com outras IInguas, a coincidencia (ou a nao-coincid~ncia) com as fronteiras desse ou daquele Estado" (LACOSTE, 2005, p.7). Isso se deve, no caso de um estudo linguistico, p~r causa das variar;:6es linguisticas apresentadas pelas popular;:oes que habitam um mesmo pais, pois dentro de uma nar;:ao podem existir linguas e/ou variar;:oes do idioma oficial falado p~r grupos ou comunidades e -que nao vao necessariamente apresentar-se de forma escrita. Segundo 0 mesmo autor (LACOSTE, 2005) a difusao de uma lingua por determinados territorios durante seculas se deu par meio de rivalidades, par meio da construr;:ao de Eslados-Nar;:ao 3 com propagar;:ao de Ifnguas nacionais em detrimento Enlende-se Estado-Na~2o como uma denomina~ao utilizada pela Hist6ria para determinar grandes areas territariais unidas par um exercito. Esses territories muitas vezes eram farmades par diferentes povas e manlinham a unidade por meio do poderio mititar de seus lideres.

11 das linguas regionais. 0 dominio das nayoes se refletia na lingua, que tambem se caracterizava como urn instrumento de dominayao territorial. A dominayao territorial significa tambem a dominayao/imposiyao da lingua do dominador e esta pratica vem dos povos antigos. Surge, por meio da domina9ao territorial, 0 termo imperialismo, que agora e aplicado a idiomas como e 0 caso do ingles. Breton (2005) afirma que as rela90es de forya e poder reveladas pel a geopolitica fazem com que uma lingua imperial, de grande difusao, desempenhe papel politico de destaque e imprima seus tra90s caracteristicos as outras civiliza90es. A autora endente ainda que, no caso do ingles, nao existem precedentes do exito do idioma, no que tange seu alcance e receptividade mundiais. 0 termo imperial relacionado ao idioma, ainda segundo Breton (2005), remete a ling.uas de nayoes como a China e 0 Imperio Romano e esta relacionado a como tais imperios impuseram suas Unguas nacionais, diferente do que acontece com 0 ingles nos dias atuais. Consequentemente, utilizar 0 termo imperial para a lingua inglesa retoma 0 conceito de lingua imposta. Durante a expansao imperialista europeia que ocorreu entre os seculos XV e XVIII, paises como Portugal, Espanha, Inglaterra, Fran,a e Holanda propagaram suas linguas entre as popula90es que dominavam. As na90es que foram durante alguns seculos colonias de paises europeus, depois de sua independencia, nao adotaram exclusivamente 0 idiom a do colonizador, e excluiram de sua cultura as linguas e dialetos ja falados por seus povos. Segundo Lacoste (2005), cada um dos territorios colonia is, transformados atualmente em Estados independentes, mantiveram suas linguas aut6ctones em maior ou menor grau, mesmo que a lingua do ex-colonizador tenha permanecido como lingua oficial. Isso se deve a forya das culturas locals que nao sao facilmente transformadas pelo contato com outra lingua,

12 como pode-se observar em muitos palses da Africa. No entanto, quais sao os fatores que fizeram do Ingles uma lingua mundialmente falada? Ao se analisar alguns fatos que ocorreram durante 0 seculo XX, podem-se identificar alguns que favoreceram 0 desenvolvimento do poder do ingles. Durante 0 periodo pas-guerra, a bipolaridade promovida entre EUA e URSS favoreceu a aceitayao do ingles, visto que: segundo Giblin (2005) de um lado os Estados Unidos eram vistos como os grandes vencedores do conflito e ja se apresentavam como a principal potencia economica mundial. No outro polo, a cortina de ferro era pouco atrativa aos olhos dos jovens. cheios de expectativas e que encontraram na cultura norte-americana reflexos de sua identidade cultural e ideologica, vend ida pelo American Way of Life. Para Breton (2005), 0 ingles nao estava estabelecido como lingua cientifica ate 0 fim da Segunda Guerra, pais ate a fim do sec. XIX alemaes, japoneses e franceses cantribuiam muitq. para a progresso da ciencia. Depois da Segunda Guerra, as Estados Unidos abriram as partas de suas universidades e laboratorios para estudantes e pesquisadores da Europa e de outros paises. Durante a periodo pas-guerra, muitos dentistas e pesquisadores se refugiaram nos EUA. Com isso, 0 pais se viu repleto de grandes mentes que, com 0 tempo, comeyaram a utilizar 0 idioma nadonal. A autora afirma que essa politica contribuiu para trazer para a lingua inglesa muitos triunfos, como se pode observar, por exemplo, no grande numera de premios Nobel lotados em solo americano que sao de pessoas que vieram de palses da Europa e Asia. Muitas das grandes descobertas cientificas, as ciencias informaticas, a origem da internet, e tantas outra~ tecnologias produzidas em solo americana foram

13 10 desenvolvidas per pessoas das mais diversas nacionalidades, habitantes dos Estados Unidos. Esse movimento influenciou as esperas cientificas de Qutros paises que tiveram seus pesquisadores instigados a participar desse desenvolvimento, e para isso, era preciso talar ingles (LACOSTE, 2005). Atualmente, ao pensar em termos de poder e influencia de urn idioma mais do que na sua simples imposiyao par quest6es imperialistas, a lingua inglesa torna-s9 muito relevante. 0 que precisa ser mais bern esclarecido e como ela pode constituirse como urn instrumento de dominayao. Rajagopalan traz 0 conceito de imperialismo IingOistico como sendo "a forma mais nefasta pela qual as pavos mais variados, principalmente dos paises em desenvolvirnento, estao sendo colonizados rnentalrnente em nome da globaliza9ao e do acesso universal a lingua inglesa" (2005, p.37). Nesses termos, 0 imperialismo nao se configura mais como conquista de territorios, pois tal dominio se da na esfera economica e cultural. o lermo imperial aplicado ao ingles (BRETON, 2005) se do pela sua difusao planetaria. 0 idioma apresenta-se como lingua materna em mais de urn continente (Europa, Africa, Asia, Australia, America), e lingua falada com mais ou menos representatividade em todo 0 mundo como lingua estrangeira. Mesmo assim, dentro dos proprios Estados Unidos, durante muito tempo, questionou-se 0 uso de outros idiomas como 0 alemao, falado por mais de 42 milh5es de pessoas (LACOSTE, 2005), au a frances e espanhol, que tarnbem tiveram e ainda tem grande representatividade naquele pais. Ve-se que, rnesrno dentro do Estado de maior influencia quando se fala em lingua imperialista - por meio das rela96es economicas globais e produ9ao cultural de massa na perspectiva de Lacoste (2005) abordada acima - 0 ingles sofre interferencia de outros idiomas em determinados grupos populacionais. Neste senti do, Rajagopalan (2003) defende

14 11 a ideia de que nao ha mais como sustentar 0 conceito classico de lingua, de lingua auto-suficiente, pais vive-sa atualmente grande heterogeneidade marcando todas as comunidades de fala. Em contrapartida, Lopez e Strada (2005) reforyam a poder da lingua inglesa dentro dos Estados Unidos ao considerarem 0 pais como uma das na90es do mundo menes bilingues, que apresentam a menor diversidade linguistica e tambern afirmam que a conhecimento das linguas provindas da grande migrayao da Europa e fragi!. Segundo as autores, linguas como 0 alemao, italiano e frances estao extrema mente inexpressivos na atualidade, assim como sua utiliza9ao e valor cultural, politico e econ6mico. Nao e passive I analis~r. a processd de expansao da lingua inglesa sem levar em considera9ao as duas grandes linhas de pensamento, au seja, a concep~ao de lingua inglesa enquanto idioma global ou imperialista. Rajagopalan defende que essas escolhas passam pel a esfera politica, tornando dificil perceber 0 poder da representa~ao linguistica: A tentaltao e pensar que e a linguagem que representa 0 mundo, sendo que nos, enquanto, usuarios da lingua, estamos inteiramente amerce das representa0es que nossa linguagem nos imp6e. Ademais, existe a crenlta de que, sob condiltoes ideais, linguagem possa ser a total mente transparente. Como podemos, entao, falar em escolhas no interior da relar;ao representacional entre linguagem e 0 mundo? (RAJAGOPALLAN, 2003, p.34) a No mundo globalizado, essas escolhas estao permeadas par diversos fatores, como par exemplo a grande mobilidade de pessoas, pensamentos, comportamentos e pn3ticas sociais que diferentes popula~6es na esfera global possuem e que cad a vez encontram-se rna is interligados uns. aos oulros. Esse fenomeno vai ser classificado como transnacionalizaq8o par Robins (apud RAJAGOPALAN, 2003, p.57), e abrange nao s6 a esfera economica e politica como a cultura. Tambem 0

15 12 fen6meno da desterritorializa~ao das pessoas vern aumentando, au seja, a aumento do numero de pessoas que se consideram cidadaos do mundo per diversos motivqs e tern suas relac;:6es e representac;:5es globalizadas. Surge, entad, uma nova relac;:ao entre pessoas de diferentes lugares no planeta com as mais variadas linguas, etnias e tradic;oes culturais que rompem tais barreiras. Esse fenomeno que, ate pouco tempo era inimaginavel e que durante muito tempo apresentava se como a grande barreira entre as pav~s, esta se dissipando com grande rapidez. Nao se pode dizer, entretanto, que surgira a partir dai, uma nova ordem mundial baseada na comunicac;:ao em lingua inglesa (RAJAGOPALAN, 2003). Percebe-se que, ao mesmo tempo em que existe de urn lado a transnacionaliza98o de alguns aspectos culturais que tornam as grandes metropoles mundiais ate certo ponto parecidas, par outro lado, reforyam-se as culturas menores, as regionalismos tornam-se importantes e marcam culturalmente a populayao onde se apresentam. E possivel perceber uma coexistemcia entre a cultura global e a local sem que uma necessaria mente se imponha sabre a outra. Tanto as pensadores que defend em 0 ingles como idioma global como as que a defendem como lingua imperialista possuem bons argumentos em seu favor, como e a caso de Breton: o ingles ocupa 0 campo do digital. A densidade dos inlernautas acompanha os avantros do ingles. A internel e um indice revelador da potencia cultural americana - islo e, da lingua inglesa. Realmenle a ingl13s se impoe como a lingua da inovatrao. Naluralmente, nao se Irata de ocupar tolalmente esse campo, mas uma especie de vacuo favorece 0 usc do ingles: quanto mais difusao, melhor imagem. 0 ingles lantra suas redes muilo alem do que a geografia ensina. Numerosos paises induslrializados, cuja capacidade de inovatrao e imensa e cuja lingua e vigorosa, nao deixam de pagar um tributo notavel ao ingles, em consequencia das positr6es conquistadas na abertura do mercado. Contudo, essa atitude e consciente (ao menos se pode pensar que seja). Mas se passa muito rapidamente do mercado, legitimo no quadro da economia, para uma oulra dimensao, que e a do proveito individual e 0 da ascensao social (BRETON., ~005. p.23) o usa dos termos "0 ingles se impoe" ou "0 ingles lan,a suas redes" sugere

16 13 que a autora posiciona-se numa perspectiva imperialista do idioma. Olhando por esse foco, e passivel notar que 0 ingles, por meio de a<;:6esconscientes dos Estados Unidos, se transformou nurn idioma imperialista. Ah~m do avanyo cientifico, na esfera das produ<;:oes Gutturais as Estados Unidos fcram palco de fenomenos midiciticos como e 0 casa do cinema, da musica. o rock foi, por exemple, urn meio de propagar 0 idioma mundialmente (GIBLIN, 2005), pois todos as paises, per meio do radio e da televisao cantavam can<;:oes em lingua inglesa, mesma nao compreendendo muitas palavras - fen6meno que aconteee ate as dias de hoje. Rajagopalan (2003) revela ainda que certos discursos sabre a lingua inglesa ten ham servido para camunar as verdadeiras inten90es de governantes que perseguem a politica expansionista, disfan;:ada de altruismo. 0 mesmo autor coloca que as rela90es internacionais continuam como sempre foram, ou seja, ainda persistem as lutas por poder. A identidade lingoistica, como todo processo identitario, esta se transformando e mostra marcas da globaliza9ao, porem Rajagopalan vai defender que esse fenomeno "[... J nao passa de urn eufemismo para a "estaduniza9ao" ou uma nova ordem mundial sob a egide da "Pax Norte- Americana'''' (2003, p.60). Nao se pode deixar de lado 0 fato de que qualquer intera9ao entre Unguas gera uma rela9aa de for9as eantradit6rias em que uma aeaba prevaleeendo. Esse e o easa da lingua inglesaque, ao ser eleita como idioma de camunica9ao internacional, afeta as demais linguas do planeta, pais passa a ser existir um cantato maior dos falantes de outras linguas com 0 estuda da lingua inglesa. Alguns autores vaa chamar esse fenomeno de imperialismo Iinguistico,. enquanto oulros vao

17 14 classifica-io como invasao Iinguistica 4 Como citado anteriormente, nad ha precedentes na historia da humanidade de outro idioma que seja utilizado como esse e 0 seu processo de expansao vai alem da ex pan sao territorial que fizeram, em Qutros tempos, linguas como 0 latim e a chines idiomas de representatividade. Levanta-se entao, a partir das considera es acima, a problematica de como pensar 0 ingles dentro de urn paradigma imperialista de lin~ua e como professores de lingua inglesa podem certificar-se de que, ao ensinarem 0 idioma, nao estao repassando valores contriuios ao interesse nacional. Rajagopalan (2005, p. 37) levanta varios questionamentos sabre isso: "e passivel adotar posturas concretas na sala de aula que, sem prejudicar a qualidade do ensino, possam assegurar que os alunos nao percam seus pr6prios valores? E possivel, enfim, resistir ao imperialismo linguistico hoje representado pela lingua inglesa?" Os questionamentos acima sao discutidos pel a educac;ao no Brasil em documentos como as Orientac;6es Curriculares Nacionais (OCEM). as Parametros Curriculares Nacionais (PCN) e, no Estado do Parana, pelas Diretrizes Curriculares Estaduais de Lingua Inglesa (DCE), que serao discutidos na proxima sec;ao. 4 Grifo do autor (RAJAGOPALAN, 2003)

18 ENSINO DO INGLES NO CONTEXTO DA ESCOLA PUBLICA No Brasil, as discussoes sobre 0 ensino de lingua inglesa vern acontecendo e produzindo analises e posicionamentos importantes para 0 ensina brasileiro. Essas discuss5es vern culminar com a publicac;ao de documentos norteadores para a educay80 brasileira. Em 1996, surge a Lei de Diretrizes e Bases da Educay80 que, dentre Qutras demand as, origina as Parametros Curriculares Nacionais para a Ensino Fundamentat de Lingua Estrangeira (pen) de 1998, pautado na concep9ao de lingua como pratica social fundamentada na abordagem comunicativa (PARANA, 2008). Os principais documentos norteadores da educac;8o basica no Brasil abordados aqui sao tres: as Orienta90es Curriculares Nacionais para 0 Ensino Media (OeEM) que abrangem a Ensino Media e discutem quest5es relacionadas ao curricula e sua formulacao; os Para metros Curriculares Nacionais (PCN) possuem a mesmo papel da OCEM, porem abrange as anos finais do Ensino Fundamental e as Diretrizes Curriculares Estaduais de Lingua lnglesa (DCE) que apresentam urn apanhado das discuss5es dos dais documentos anteriores, citandowos e adaptandoos para 0 Estado do Parana, levando em considerac;ao a realidade do ensino no estado. Segundo as Orientac5es Curriculares para a Ensino Medio de Lingua Inglesa (2006), as objetivos do ens ina de idiom as na escola regular sao diferentes dos objetivos de um curso de idioma, pois as finalidades de tais instituic;:5es sao diferenciadas. Esse rator deve ser levado em considerac;ao, apesar de muitas vezes gerar interpretac5es equivocadas colocando a ingles como uma disciplina de lingua

19 16 instrumental, concentrando esforyos em contelidos, "[...] como se tal idiom a pudesse ser aprendido isoladamente de seus valores sociais, cutturais, politicos e ideol6gico" (MEC, 2006, p.90), e renegando 0 papel dos aprendizes e sua forma,2o. open recomenda, segundo as Diretrizes Curriculares do Estado do Parana (DeE), 0 trabalho base ado. em leituras, posta que a oralidade e a escrita, no contexto brasileiro da escola publica, tern pouca oportunidade de usa pelos alunos. Ja as Parametros Curriculares Nacionais de Lingua Estrangeira para 0 Ensine Media (PCN), publicados em 1999 pelo Ministerio da Educa,ao (MEC) abordam de forma diferente 0 ensina do ingles, enfatizando a comunicay3o oral e escrita para ravereeer o aluno em sua demanda de formay3o academica, pessoal e profissional. Cabe ressaltar que a OCEM publicada em 2006 ressalta que a pratica da escrita e comunica9ao oral devem ser contextualizadas (EDUCACAO, 2006, p.87). Ainda no mesmo documento, ha um esclarecimento sobre 0 ambito da leitura ressaltado nos PCNs: Alem da compreensao geral, dos pontos principais e das informayoes detalhadas (rases da leitura amplamente divulgadas em orientayaes anleriores. como no primeiro Para metros Gurriculares Nacionais do Ensino Fundamental), 0 exercicio de leitura desse texlo deve, segundo as teorias sabre letramento, desenvolverjvauar-se para a habilidade de conslruy8o de sentidos, inclusive a partir de informayoes que nao constam no texto. Poderia, por exemplo, preyer perguntas ou renexoes como: quais sao as possiveis significados e leituras a serem conslru[dos a partir desse lexlo? Quem sao os brasileiras descritos no texto como usuarios da Internet? Quem nao esla incluido nessa eslatlstica e por que? Os dois numeros 19.7 milmes e 14.3 milhoes referem-se aos brasileiros. 0 que descrevem? Que diferenyas apresentam e por que? 0 que e necessario para ser um usuario da Internet? (MEG, 2006, p.93) A discussao sobre ensino de lingua inglesa nao esta presente somente nos documentos oficiais. Moita Lopes (2005) tambem participa dessa discussao ao abordar 0 processo de aceita9ao e implanta.yao da competencia comunicativa dentro do processo de ensino de idiom as com a formula9ao do conceito Hymesiano de competencia Gomunicativa, que proporcionou arcabou90 te6rico para as regras de

20 17 usa da lingua que relacionava 0 usa do idioma com as praticas sociais focalizando 0 usuario e suas praticas socio-culturais. Como resultado da valoriz898o da competencia comunicativa, a aprendizagem de frases como I'm sorry, thank yolf. entre Qutras, passaram a ser ensinadas como urn meio de dar conta das regras s6cio-culturais do ingles, fon;:ando a criac;ao de representa90es nem sempre relacionadas com a realidade da cultura da lingua, ou seja, a alune aprendia apenas algumas frases isoladas e era [evado a pensar que jil. possuia habilidade para S8 comunicar em lingua inglesa: Nao e nessa perspectiva que as documentos oficiais tentarn propor 0 ensina de ingles, pais consideram que 0 professor deve proporcionar algo que vai alem do que aborda Moita Lopes (2005), pois defendem que a lingua inglesa deve auxiliar a reduyao das desigualdades sociais e apresentar as relayoes de poder existentes na sociedade. Com isso, as DCEs de lingua inglesa subsidia-se dessa visao para se estabelecer no estado do Parana. A partir das reflexoes propostas pelos documentos nacionais, as Diretrizes Estaduais (PARANA, 2008) fundamentam-se te6rica e metodotogicamente sobre 0 entendimento das necessidades da sociedade contemporanea e a equidade entre todas as disciplinas do curriculo da educa9ao basica; busca 0 resgate da funyao social e educacional da lingua inglesa na educa9ao basica e 0 respeito a diversidade cultural, identitaria e linguistica pautada no ensino que nao prioriza a manutenyao de hegemonia cultural. As DCEs tambem ressaltam a importancia do professor reconhecer a relayao entre lingua e pedagogia critica, nurn ensina baseado na media9ao do conhecimento 5 Grifodo aulor

Representações sobre o ensino de inglês por parte dos professores de Língua Inglesa em colégios da rede estadual de Curitiba 1

Representações sobre o ensino de inglês por parte dos professores de Língua Inglesa em colégios da rede estadual de Curitiba 1 Revista Alpha, n. 16, dez. 2015, 294-308 Centro Universitário de Patos de Minas http://alpha.unipam.edu.br Representações sobre o ensino de inglês por parte dos professores de Língua Inglesa em colégios

Leia mais

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA Fabiane Caron Novaes 1 Roberta Aparecida Diadio 2 Resumo: Considerando as recomendações contidas no referencial teórico dos Parâmetros Curriculares Nacionais

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

o meu trabalho e resultante das reflexoes que

o meu trabalho e resultante das reflexoes que A APRENDIZAGEM DE LfNGUA PORTUGUESA NA 5~ S~- RIE DO ENSINO DE PRIMEIRO GRAU: UMA EXPERIBNCIA E PRIN- CfPIOS PARA UMA PROPOSTA DE ENSINO. Esta comunicacao pretende expor as linhas gerais de minha dissertacao

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA Adriana Zanela Nunes (UFRJ) zannelli@bol.com.br, zannelli@ig.com.br zannelli@ibest.com.br

Leia mais

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 761 CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Fabiana Gonçalves Monti 1, Sérgio

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Março 2015 REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS ANEXO II DA RESOLUÇÃO CEPEC nº 680 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DISCIPLINAS DA ÁREA DE PORTUGUÊS: Introdução aos estudos da Linguagem Panorama geral dos fenômenos da linguagem e suas abordagens científicas.

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) COMPREENSÃO E PRODUÇÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA I C/H 102 (2358) intermediário de proficiência

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE Conceitos Diversos Estado É uma organização políticoadministrativa da sociedade. Estado-nação - Quando um território delimitado é composto de um governo e uma população

Leia mais

ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA

ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA Dayane Ribeiro da Silva (PICV/PRPPG/ UNIOESTE), Greice da Silva Castela (Orientadora), e-mail: greicecastela@yahoo.com.br

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC

A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC ALVES,S.S.S 1 A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA - LICENCIATURA. Lia Gonçalves Gurgel. Projeto de pesquisa

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA - LICENCIATURA. Lia Gonçalves Gurgel. Projeto de pesquisa 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA - LICENCIATURA Lia Gonçalves Gurgel Projeto de pesquisa AQUISIÇÃO DA LÍNGUA DE SINAIS A PARTIR DE UMA PERSPECTIVA BILÍNGÜE

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

O ENSINO DA LÍNGUA ESPANHOLA: UM DESAFIO PARA UMA LINGUAGEM COMUNICATIVA

O ENSINO DA LÍNGUA ESPANHOLA: UM DESAFIO PARA UMA LINGUAGEM COMUNICATIVA O ENSINO DA LÍNGUA ESPANHOLA: UM DESAFIO PARA UMA LINGUAGEM COMUNICATIVA BRUTTI, Elizane Aparecida 1 CONTRI, Andréia Mainardi 2 ZAMBERLAN, Eliane Luiza 3 Resumo do trabalho: Considerando a importância

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica O BOM PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA E A SUA RELAÇÃO COM OS MÉTODOS DE ENSINO Ângela Cristina de Jesus Jancitsky 1 ; Marília Moreira de Souza 1 ; Pollyanna Morais Espíndola 2 ; Ms. Marcelo da Silva Pericoli

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA. Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA. Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler REPRESENTAÇÕES DE EDUCAÇÃO E DE MEIO AMBIENTE O QUE ENTENDEMOS POR EDUCAÇÃO? O QUE

Leia mais

Motivação para aprender línguas

Motivação para aprender línguas RESENHA: QUERER É PODER? MOTIVAÇÃO, IDENTIDADE E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Gisele da Cruz Rosa 1 O artigo Querer é poder? Motivação, identidade e aprendizagem de língua estrangeira, escrito por

Leia mais

O Ensino da Língua Estrangeira nas Escolas Públicas e a Distância 1.

O Ensino da Língua Estrangeira nas Escolas Públicas e a Distância 1. O Ensino da Língua Estrangeira nas Escolas Públicas e a Distância 1. Antonio Veras Nunes 2 RESUMO - O presente artigo pretende compreender o que são crenças no ensino de Língua Estrangeira, nas escolas

Leia mais

ALUNOS CULTURAL E LINGUISTICAMENTE DIVERSOS EM ESCOLAS PARTICULARES DE SÃO PAULO: O QUE DIZEM OS PROFESSORES QUE OS RECEBEM NA SALA DE AULA

ALUNOS CULTURAL E LINGUISTICAMENTE DIVERSOS EM ESCOLAS PARTICULARES DE SÃO PAULO: O QUE DIZEM OS PROFESSORES QUE OS RECEBEM NA SALA DE AULA ALUNOS CULTURAL E LINGUISTICAMENTE DIVERSOS EM ESCOLAS PARTICULARES DE SÃO PAULO: O QUE DIZEM OS PROFESSORES QUE OS RECEBEM NA SALA DE AULA Marina Rito Brenha Universidade Presbiteriana Mackenzie Felipe

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais

DEFININDO OBJETIVOS PARA O ENSINO DE INGLÊS NA EDUCAÇÃO BÁSICA

DEFININDO OBJETIVOS PARA O ENSINO DE INGLÊS NA EDUCAÇÃO BÁSICA DEFININDO OBJETIVOS PARA O ENSINO DE INGLÊS NA EDUCAÇÃO BÁSICA Mayara de Melo Santana Ana Lucia Galacini Vieira Prof. Telma Gimenez (Orientadora) RESUMO Nas últimas décadas o ensino de línguas estrangeiras

Leia mais

ANAIS ELETRÔNICOS ISSN 235709765

ANAIS ELETRÔNICOS ISSN 235709765 UMA ABORDAGEM REFLEXIVA SOBRE AS PRATICAS DE PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO ESCOLAR SILVA, Ana Raquel Henriques 1. (UFCG) ARAÙJO, Gérssica Xavier Brito de 2. (UFCG) RAFAEL, Edmilson Luiz 3. (Orientador) RESUMO

Leia mais

Geografia 8º Ano - Prof. Beto Filho

Geografia 8º Ano - Prof. Beto Filho Regionalização DO ESPAÇO MUNDIAL Unidade 1 Geografia 8º Ano - Prof. Beto Filho Neste capítulo vamos estudar uma forma de regionalizar o mundo fundamentada, principalmente, em fatores físicos ou naturais:

Leia mais

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLAR NA PRÁTICA PEDAGÓGICA

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLAR NA PRÁTICA PEDAGÓGICA O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLAR NA PRÁTICA PEDAGÓGICA Autora: GASPAR, Magna Lúcia Furlanetto gasparzinha@seed.pr.gov.br Orientadora: LEVANDOVSKI, Ana Rita anarita.faficop@yahoo.com.br A

Leia mais

REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA

REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA MARIA ANDRÉIA SILVA LELES (UNEC- CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA). Resumo As variadas metodologias do ensino aprendizagem

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA ATUAÇÃO EM AMBIENTE INFORMATIZADO: RELATO DE EXPERIÊNCIA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA ATUAÇÃO EM AMBIENTE INFORMATIZADO: RELATO DE EXPERIÊNCIA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA ATUAÇÃO EM AMBIENTE INFORMATIZADO: RELATO DE EXPERIÊNCIA Resumo BALADELI, Ana Paula Domingos UEM annapdomingos@yahoo.com.br ALTOÉ, Anair UEM aaltoe@uem.br Eixo temático: Comunicação

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

A LITERATURA COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO DA LÍNGUA INGLESA: O GÊNERO POEMA

A LITERATURA COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO DA LÍNGUA INGLESA: O GÊNERO POEMA A LITERATURA COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO DA LÍNGUA INGLESA: O GÊNERO POEMA Adailton Almeida Barros adailton.almeida.barros@gmail.com (UNESPAR/FECILCAM) Maiara Rodrigues - terror-rodrigues18@hotmail.com

Leia mais

LICENCIATURA DUPLA EM ESPANHOL E PORTUGUES E RESPECTIVAS LITERATURAS

LICENCIATURA DUPLA EM ESPANHOL E PORTUGUES E RESPECTIVAS LITERATURAS LICENCIATURA DUPLA EM ESPANHOL E PORTUGUES E RESPECTIVAS LITERATURAS Curso 1/20D Ingresso a partir de 2007 NÍVEL I Introdução à Pesquisa em Letras Codicred: 1216A-02 Ementa: Compreensão da linguagem como

Leia mais

ANÁLISE DA RELAÇÃO HOMEM NATUREZA NOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS TEMAS TRANSVERSAIS: EDUCAÇÃO AMBIENTAL

ANÁLISE DA RELAÇÃO HOMEM NATUREZA NOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS TEMAS TRANSVERSAIS: EDUCAÇÃO AMBIENTAL ANÁLISE DA RELAÇÃO HOMEM NATUREZA NOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS TEMAS TRANSVERSAIS: EDUCAÇÃO AMBIENTAL Resumo FILVOCK, F. Solange TEIXEIRA, F. Cristina UFPR sfilvock@gmail.com A presente pesquisa

Leia mais

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO 1 POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO SOUSA, Grazielle de Jesus Leal de 1 RESUMO O ensino de língua portuguesa ainda é visto por muitas pessoas como um ensino mecânico, cheio de regras e

Leia mais

Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos

Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos Renata de Souza Ribeiro (UERJ/FFP) Thiago Jeremias Baptista (UERJ/FFP) Eixo: Fazendo escola com múltiplas linguagens Resumo Este texto relata

Leia mais

A TRAJETÓRIA EDUCACIONAL NA APRENDIZAGEM DE LÍNGUAS

A TRAJETÓRIA EDUCACIONAL NA APRENDIZAGEM DE LÍNGUAS A TRAJETÓRIA EDUCACIONAL NA APRENDIZAGEM DE LÍNGUAS CITON, Jocielly Marques 1 GRANETTO, Julia Cristina 2 SUCHECKI, Inês 3 O ensino de Línguas Estrangeiras no Brasil vem sofrendo constantes mudanças e apresentando

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS ATRAVÉS DAS ESCOLAS BILÍNGUES NO BRASIL: UMA NOVA REALIDADE 1

O ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS ATRAVÉS DAS ESCOLAS BILÍNGUES NO BRASIL: UMA NOVA REALIDADE 1 O ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS ATRAVÉS DAS ESCOLAS BILÍNGUES NO BRASIL: UMA NOVA REALIDADE 1 Iasmin Araújo Bandeira Mendes Universidade Federal de Campina Grande, email: iasminabmendes@gmail.com INTRODUÇÃO

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

NAP NÚCLEO DE ASSESSORIA PEDAGÓGICA: PROPOSIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUA INGLESA NA UEPG

NAP NÚCLEO DE ASSESSORIA PEDAGÓGICA: PROPOSIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUA INGLESA NA UEPG 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA NAP NÚCLEO DE ASSESSORIA PEDAGÓGICA: PROPOSIÇÕES PARA

Leia mais

Carlos Fabiano de Souza IFF (carlosfabiano.teacher@gmail.com; carlos.souza@iff.edu.br) Mestrando em Estudos de Linguagem (UFF)

Carlos Fabiano de Souza IFF (carlosfabiano.teacher@gmail.com; carlos.souza@iff.edu.br) Mestrando em Estudos de Linguagem (UFF) RELAÇÕES DICOTÔMICAS NO ENSINO DE INGLÊS EM CURSOS DE IDIOMAS: as implicaturas da (de)formação do professor de línguas que atua nesse contexto de ensinoaprendizagem de língua estrangeira Carlos Fabiano

Leia mais

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Brasília, 25 de novembro de 2009 1 POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO,

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUA INGLESA: RELATOS DO NAP NÚCLEO DE ASSESSORIA PEDAGÓGICA - UEPG

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUA INGLESA: RELATOS DO NAP NÚCLEO DE ASSESSORIA PEDAGÓGICA - UEPG 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA FORMAÇÃO DE

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

Novos textos no ensino da Geografia

Novos textos no ensino da Geografia Novos textos no ensino da Geografia Renata de Souza Ribeiro (UERJ/ FFP) Thiago Jeremias Baptista (UERJ/ FFP) Resumo Este texto relata a experiência desenvolvida no curso Pré-vestibular Comunitário Cidadania

Leia mais

O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente

O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente BARCELOS-COELHO, Lenir de Jesus 155* BUENO, Ivonete 156** RESUMO: No contexto atual são patentes as dificuldades relacionadas

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

O USO DO RECURSO DE TECNOLOGIA ASSISTIVA POR ALUNOS COM PARALISIA CEREBRAL NO AMBIENTE ESCOLAR NA VISÃO DOS CUIDADORES. Resumo

O USO DO RECURSO DE TECNOLOGIA ASSISTIVA POR ALUNOS COM PARALISIA CEREBRAL NO AMBIENTE ESCOLAR NA VISÃO DOS CUIDADORES. Resumo O USO DO RECURSO DE TECNOLOGIA ASSISTIVA POR ALUNOS COM PARALISIA CEREBRAL NO AMBIENTE ESCOLAR NA VISÃO DOS CUIDADORES Ana Lidia Penteado Urban Universidade Federal de São Carlos Centro de Educação e Ciências

Leia mais

Língua e Cultura Inglesa

Língua e Cultura Inglesa Língua e Cultura Inglesa Autor Orlando Vian Jr. 1.ª edição 2008 IESDE Brasil S.A. É proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer processo, sem autorização por escrito dos autores e do detentor dos

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PROJETO DE EXTENSÃO IFPR ENGLISH STEPS: CRIANÇAS DA VILA MATILDE APRENDENDO A LÍNGUA INGLESA

RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PROJETO DE EXTENSÃO IFPR ENGLISH STEPS: CRIANÇAS DA VILA MATILDE APRENDENDO A LÍNGUA INGLESA RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PROJETO DE EXTENSÃO IFPR ENGLISH STEPS: CRIANÇAS DA VILA MATILDE APRENDENDO A LÍNGUA INGLESA Resumo Simara Cristiane Braatz 1 - IFPR Câmpus Irati Grupo de Trabalho Formação de

Leia mais

O SIGNIFICADO DO ENSINO DE BIOLOGIA PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

O SIGNIFICADO DO ENSINO DE BIOLOGIA PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS O SIGNIFICADO DO ENSINO DE BIOLOGIA PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Maikon dos Santos Silva 1 Mirian Pacheco Silva 2 RESUMO: Muitos alunos da Educação de Jovens e Adultos não relacionam

Leia mais

RELACIONANDO CIDADANIA FEMININA E GEOGRAFIA: COMO MEDIAR NO ENSINO FUNDAMENTAL?

RELACIONANDO CIDADANIA FEMININA E GEOGRAFIA: COMO MEDIAR NO ENSINO FUNDAMENTAL? RELACIONANDO CIDADANIA FEMININA E GEOGRAFIA: COMO Resumo MEDIAR NO ENSINO FUNDAMENTAL? ALMEIDA, Andressa Cristiane Colvara FURG andressacolvara@yahoo.com.br MARTINS, Everton Bandeira - FURG evertonmartins@furg.br

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL Jair Bevenute Gardas Isabel Corrêa da Mota Silva RESUMO A presente pesquisa objetiva um conhecimento amplo sobre a temática interdisciplinaridade, idealizando

Leia mais

7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa

7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa 7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa As críticas ao ensino tradicional de língua portuguesa não são recentes. Nos anos trinta, Olavo Bilac já se posicionava contra o

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE A INSERÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO/TIC NA PRÁTICA DOCENTE

A PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE A INSERÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO/TIC NA PRÁTICA DOCENTE 399 A PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE A INSERÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO/TIC NA PRÁTICA DOCENTE Maryana Barrêtto Pereira¹; Solange Mary Moreira Santos² e Kamilla de Fátima Magalhães

Leia mais

A Educação Artística na Escola do Século XXI

A Educação Artística na Escola do Século XXI A Educação Artística na Escola do Século XXI Teresa André teresa.andre@sapo.pt Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Caldas da Rainha, 1 de Junho de 2009 1. A pós-modernidade provocou

Leia mais

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS 1ª FASE LLE 931 Introdução aos Estudos da Linguagem Total h/a Introdução aos conceitos de língua e língua(gem); características da língua(gem) humana; a complexidade da língua(gem)

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO MÉTODO TRADICIONAL E A ABORDAGEM COMUNICATIVA NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA SALA DE AULA DO ENSINO MÉDIO

REFLEXÕES ACERCA DO MÉTODO TRADICIONAL E A ABORDAGEM COMUNICATIVA NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA SALA DE AULA DO ENSINO MÉDIO REFLEXÕES ACERCA DO MÉTODO TRADICIONAL E A ABORDAGEM COMUNICATIVA NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA SALA DE AULA DO ENSINO MÉDIO SILVA, Wellington Jhonner D. B da¹ Universidade Estadual de Goiás - Unidade

Leia mais

BAILLY, Danielle. Elements de didactique des langues. Paris: Les langues Modernes, 1984. BESSE, Henri & PORQUIER, Remy. Grammaires et didactique des

BAILLY, Danielle. Elements de didactique des langues. Paris: Les langues Modernes, 1984. BESSE, Henri & PORQUIER, Remy. Grammaires et didactique des ABSTRACT: The objective of this paper is to discuss the way linguistic knowledge should be transmitted to language teachers, pointing to the necessary modifications and to the difficulties found in this

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL APRESENTAÇÃO Segundo as Diretrizes Curricular o ensino da Língua Estrangeira na Educação Básica esta pautado

Leia mais

Palavras-chave: Ensino e aprendizagem. Projetos. Língua Espanhola.

Palavras-chave: Ensino e aprendizagem. Projetos. Língua Espanhola. O ENSINO DE LÍNGUA ESPANHOLA ATRAVÉS DE PROJETOS: TRABALHANDO A DIVERSIDADE LINGUÍSTICA E CULTURAL Ivoneide Aires Alves do Rego Universidade do Estado do Rio Grande do Norte/UERN ivoneideaires@gmail.com

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC em Espanhol Básico. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC em Espanhol Básico. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

IDENTIDADE DOCENTE: REPRESENTAÇÕES E SIGNIFICADOS DE PROFESSORES DE LÍNGUA INGLESA

IDENTIDADE DOCENTE: REPRESENTAÇÕES E SIGNIFICADOS DE PROFESSORES DE LÍNGUA INGLESA IDENTIDADE DOCENTE: REPRESENTAÇÕES E SIGNIFICADOS DE PROFESSORES DE LÍNGUA INGLESA Karla Rodrigues de Almeida; Gilberto Ivens de Araújo Tavares Universidade Federal de Campina Grande karlaalmeida.1@hotmail.com;

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO NO ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO NO ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO NO ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA Elisa Cristina Amorim Ferreira Universidade Federal de Campina Grande elisacristina@msn.com RESUMO: O trabalho docente é uma atividade

Leia mais

CONCEPÇÕES DE ALUNOS DO NÍVEL MÉDIO SOBRE O ENSINO- APRENDIZAGEM DE INGLÊS

CONCEPÇÕES DE ALUNOS DO NÍVEL MÉDIO SOBRE O ENSINO- APRENDIZAGEM DE INGLÊS CONCEPÇÕES DE ALUNOS DO NÍVEL MÉDIO SOBRE O ENSINO- APRENDIZAGEM DE INGLÊS Larisse Carvalho Oliveira; Tiago Alves Nunes; Jorge Luis Queiroz Carvalho. Universidade Federal do Ceará larisse_carvalhodeoliveira@hotmail.com

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA/IRATI - EAD (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA/IRATI - EAD (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA/IRATI - EAD (Currículo iniciado em 2010) COMUNICAÇÃO, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA C/H 68 (D0031/I) Informação e conhecimento no processo educativo. Recursos de

Leia mais

Memória e discurso: reflexões sobre a trajetória do ensino de espanhol a. partir da análise de textos oficiais

Memória e discurso: reflexões sobre a trajetória do ensino de espanhol a. partir da análise de textos oficiais Memória e discurso: reflexões sobre a trajetória do ensino de espanhol a partir da análise de textos oficiais Maria Cecília do Nascimento Bevilaqua (UERJ) Apresentação Quem não se lembra da ênfase dada

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

tempo da escola, a formação dos professores, as novas práticas pedagógicas, os discursos, ações administrativas e outras.

tempo da escola, a formação dos professores, as novas práticas pedagógicas, os discursos, ações administrativas e outras. O USO DO COMPUTADOR NA ESCOLA: DIÁLOGOS ENTRE A TECNOLOGIA EDUCACIONAL E A CULTURA ESCOLAR QUILES, Cláudia Natália Saes UFMS / PPGEdu natalia@uems.br GT: Educação e Comunicação / n.16 Agência Financiadora:

Leia mais

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NA REGIÃO DE LONDRINA

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NA REGIÃO DE LONDRINA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NA REGIÃO DE LONDRINA Catya Marques Agostinho de Araujo Amanda Pérez Montanéz (Orientadora) RESUMO Esta investigação tem por objetivos pesquisar, estudar e

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA NA EDUCAÇÃO BÁSICA BRASILEIRA: NOVOS CAMINHOS

O ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA NA EDUCAÇÃO BÁSICA BRASILEIRA: NOVOS CAMINHOS O ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA NA EDUCAÇÃO BÁSICA BRASILEIRA: NOVOS CAMINHOS Resumo MALVEZZI, Karina Falcioni 1 - FATEC/ FACINTER Grupo de Trabalho: Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora:

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA Josenilson Felizardo dos Santos 1 INTRODUÇÃO É possível compreender o papel da escola diante de todo o processo de ensino aprendizagem. E

Leia mais

A LEITURA E ESCRITA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA. Palavras Chave: Leitura; Escrita; Ensino de Língua Portuguesa.

A LEITURA E ESCRITA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA. Palavras Chave: Leitura; Escrita; Ensino de Língua Portuguesa. 1 A LEITURA E ESCRITA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Darlan Machado DORNELES 1 Universidade Federal do Acre (UFAC) darlan.ufac@yahoo.com.br Resumo: A partir de observações assistemáticas feitas durante

Leia mais

Ensino de inglês no Brasil: mitos, crenças e desafios1

Ensino de inglês no Brasil: mitos, crenças e desafios1 Fabiana Diniz Kurtz Coordenadora do curso de letras língua inglesa da Unijuí. Mestre em letras pela UFSM e doutoranda em educação nas ciências pela Unijuí. Ensino de inglês no Brasil: mitos, crenças e

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE EDUCADORES NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ: AS CONTRIBUIÇÕES NA ÁREA DE MATEMÁTICA

FORMAÇÃO CONTINUADA DE EDUCADORES NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ: AS CONTRIBUIÇÕES NA ÁREA DE MATEMÁTICA FORMAÇÃO CONTINUADA DE EDUCADORES NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ: AS CONTRIBUIÇÕES NA ÁREA DE MATEMÁTICA Emma Gnoatto AMOP emmagnoatto2009@hotmail.com Heliane Mariza Grzybowski Ripplinger SEED liaripp@hotmail.com

Leia mais

O DISCURSO SOBRE A OBRIGAÇÃO EM APRENDER UMA LÍNGUA ESTRANGEIRA

O DISCURSO SOBRE A OBRIGAÇÃO EM APRENDER UMA LÍNGUA ESTRANGEIRA O DISCURSO SOBRE A OBRIGAÇÃO EM APRENDER UMA LÍNGUA ESTRANGEIRA ROGERIA DE AGUIAR (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ). Resumo Este trabalho tem por objetivo verficar, em uma perspectiva da Análise do Discurso

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º MU096- CANTO 1A OBRIG 0 60 60 2.0 Fórmula: MU055 MU055- PERCEPCAO RITMICA MU271- CANTO CORAL 1 OBRIG 0 30 30 1.0 Fórmula: MU096 MU096- CANTO 1A PRÁTICA DA POLIFONIA VOCAL A DUAS E TRÊS VOZES.

Leia mais

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos.

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Elizabeth Sarates Carvalho Trindade 1 Resumo: A utilização e articulação das tecnologias e mídias pela educação no processo de aprendizagem

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR

CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR 1 CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR Loraine Vidigal LISBOA Universidade Gama Filho loraine_vidigal@yahoo.com.br Resumo: O artigo apresenta

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 APRENDENDO COM A PRÁTICA REFLEXIVA DE LÍNGUA ESTRANGEIRA PARA FINS ESPECÍFICOS Mônica de Souza Coimbra (UFF e CPII) 19 coimbra.nit@gmail.com Ana Paula Moreira Duro 20 Joyce Ferreira de Oliveira 21 Kelly

Leia mais

Cursos de Licenciatura

Cursos de Licenciatura DLLM Cursos de Licenciatura 2009-2010 1 Cursos de Licenciatura 2009/2010 1º Ciclo Bolonha DLLM Departamento de Línguas e Literaturas Modernas 2 Cursos de Licenciatura 2009-2010 DLLM DLLM Cursos de Licenciatura

Leia mais

A MODELAÇÃO DO CURRÍCULO DE HISTÓRIA PARA O ENSINO MÉDIO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

A MODELAÇÃO DO CURRÍCULO DE HISTÓRIA PARA O ENSINO MÉDIO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A MODELAÇÃO DO CURRÍCULO DE HISTÓRIA PARA O ENSINO MÉDIO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS FURTADO, Claudia Mendes de Abreu Graduada em História pela UFPE, Especialista em Educação de Jovens e Adultos pela

Leia mais

Pós graduação EAD Área de Educação

Pós graduação EAD Área de Educação Pós graduação EAD Área de Educação Investimento: a partir de R$ 109,00 mensais. Tempo de realização da pós graduação: 15 meses Investimento: R$109,00 (acesso ao portal na internet e livros em PDF). Ou

Leia mais

Guerra fria (o espaço mundial)

Guerra fria (o espaço mundial) Guerra fria (o espaço mundial) Com a queda dos impérios coloniais, duas grandes potências se originavam deixando o mundo com uma nova ordem tanto na parte política quanto na econômica, era os Estados Unidos

Leia mais

A Prática do Inglês nas Escolas Públicas Brasileiras

A Prática do Inglês nas Escolas Públicas Brasileiras A Prática do Inglês nas Escolas Públicas Brasileiras Luciana Virgília Amorim de Souza¹ RESUMO O trabalho busca questionar os métodos ensinados para praticar a Língua Inglesa nas escolas. O inglês, no Brasil,

Leia mais

LÍNGUA INGLESA I LÍNGUA INGLESA II LÍNGUA INGLESA III LÍNGUA INGLESA IV LÍNGUA INGLESA V EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO

LÍNGUA INGLESA I LÍNGUA INGLESA II LÍNGUA INGLESA III LÍNGUA INGLESA IV LÍNGUA INGLESA V EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO 1. CONTEÚDOS BÁSICOS PROFISSIONAIS LÍNGUA INGLESA I Ementa: Consolidação do estudo das estruturas simples da Língua Inglesa I em seus aspectos

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

A EDUCAÇÃO SEXUAL NA PRIMEIRA INFÂNCIA: FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DE EDUCAÇÃO INFANTIL EM UMA PROPOSTA DE RESPEITO ÀS DIFERENÇAS.

A EDUCAÇÃO SEXUAL NA PRIMEIRA INFÂNCIA: FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DE EDUCAÇÃO INFANTIL EM UMA PROPOSTA DE RESPEITO ÀS DIFERENÇAS. A EDUCAÇÃO SEXUAL NA PRIMEIRA INFÂNCIA: FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DE EDUCAÇÃO INFANTIL EM UMA PROPOSTA DE RESPEITO ÀS DIFERENÇAS. Michele Ignacio Pires Orientadora: Profª Drª Aura Helena Ramos

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes

Universidade Estadual de Maringá Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes R E P U B L I C A Ç Ã O R E S O L U Ç Ã O N.º 143/2011 CI / CCH CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, neste Centro, no dia 27/08/2012. João Carlos Zanin, Secretário

Leia mais

GÊNEROS TEXTUAIS E ENSINO DE LÍNGUA INGLESA: UM BREVE ESTUDO

GÊNEROS TEXTUAIS E ENSINO DE LÍNGUA INGLESA: UM BREVE ESTUDO GÊNEROS TEXTUAIS E ENSINO DE LÍNGUA INGLESA: UM BREVE ESTUDO Analine Bueno Scarcela Cuva Faculdade da Alta Paulista, Tupã/SP e-mail: analine.bueno@gmail.com Pôster Pesquisa Concluída Introdução Toda disciplina

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais