ISSN REVITALIZAÇÃO DO ENSINO DE FRANCÊS NO BRASIL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ISSN 1982-0283 REVITALIZAÇÃO DO ENSINO DE FRANCÊS NO BRASIL"

Transcrição

1 ISSN REVITALIZAÇÃO DO ENSINO DE FRANCÊS NO BRASIL Ano XXIV - Boletim 3 - MAIO 2014

2 Revitalização do Ensino de Francês no Brasil SUMÁRIO Apresentação... 3 Rosa Helena Mendonça Introdução... 4 Telma Pereira Texto 1: Francês como Língua Estrangeira e como Língua Adicional: a diferença que multiplica... 6 Joice Armani Galli Texto 2: Política linguística para o ensino de línguas estrangeiras: o impacto no programa de mobilidade acadêmica Ciências sem Fronteiras Marina Souza Telma Pereira Texto 3: Diversidade cultural, material didático e prática na sala de aula de FLE (Francês Língua Estrangeira)...24 Christianne Benatti Rochebois

3 Revitalização do Ensino de Francês no Brasil Apresentação A publicação Salto para o Futuro complementa as edições televisivas do programa de mesmo nome da TV Escola (MEC). Este aspecto não significa, no entanto, uma simples dependência entre as duas versões. Ao contrário, os leitores e os telespectadores professores e gestores da Educação Básica, em sua maioria, além de estudantes de cursos de formação de professores, de Faculdades de Pedagogia e de diferentes licenciaturas poderão perceber que existe uma interlocução entre textos e programas, preservadas as especificidades dessas formas distintas de apresentar e debater temáticas variadas no campo da educação. Na página eletrônica do programa, encontrarão ainda outras funcionalidades que compõem uma rede de conhecimentos e significados que se efetiva nos diversos usos desses recursos nas escolas e nas instituições de formação. Os textos que integram cada edição temática, além de constituírem material de pesquisa e estudo para professores, servem também de base para a produção dos programas. A edição 3 de 2014 traz o tema Revitalização do Ensino de Francês no Brasil, e conta com a consultoria de Telma Pereira, Professora do Departamento de Línguas Estrangeiras e Modernas (GLE) e do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagem da Universidade Federal Fluminense (UFF); Vice- -Coordenadora do Laboratório de Pesquisas em Contato Linguístico (LABPEC) da UFF e Consultora desta Edição Temática. Os textos que integram essa publicação são: 1. Francês como Língua Estrangeira e como Língua Adicional: a diferença que multiplica 2. Política linguística para o ensino de línguas estrangeiras: o impacto no programa de mobilidade acadêmica Ciências sem Fronteiras 3. Diversidade cultural, material didático e prática na sala de aula de FLE (Francês Língua Estrangeira). Boa leitura! 3 Rosa Helena Mendonça 1 1 Supervisora Pedagógica do programa Salto para o Futuro (TV Escola/MEC).

4 Introdução Língua Francesa e inclusão acadêmica nos programas de mobilidade Telma Pereira 1 Esta edição discute o histórico, a função, as condições e as perspectivas do ensino do Francês como Língua Estrangeira no país. São analisados aspectos de sua inserção na tradição de trocas culturais entre o Brasil e os países francófonos, como no caso dos programas de mobilidade acadêmica, além do aproveitamento deste aprendizado na vida dos alunos, no futuro exercício de diversas profissões. O cenário nacional, a partir de algumas mudanças, sobretudo de ordem econômica, tem acolhido a ideia cidadã do plurilinguismo, contemplando outras línguas além das consagradas pelo mercado de trabalho. Iniciativa considerável se entendermos que é responsabilidade do poder público, entre outras atribuições, antecipar e promover transformações sociais. A temática sobre o ensino de línguas estrangeiras implica necessariamente discorrer sobre políticas linguísticas, conforme se apresenta no texto 1, Francês como Língua Estrangeira e como Língua Adicional: a diferença que multiplica, de autoria de Joice Armani Galli 2. Nos cursos de licenciatura em Letras (Português-Francês), além dos aspectos didáticos relacionados ao ensino da língua, os professores procuram destacar a importância da língua francesa no contexto político linguístico-educacional brasileiro. É preciso salientar que, desde a exclusão da língua francesa do ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio), a ideia pode parecer um tanto descolada da realidade, mas a vitalidade da língua francesa como língua estrangeira segue forte e continua sempre associada a representações linguísticas positivas. Uma das razões para tal vitalidade é, não somente a longa tradição que mantemos com o pensamento francês, como também, na atualidade, os programas de mobilidade acadêmica para países francófonos. 4 1 Professora Doutora do Departamento de Línguas Estrangeiras e Modernas (GLE) e do programa de Pós- Graduação em Estudos de Linguagem da Universidade Federal Fluminense, Vice-Coordenadora do Laboratório de Pesquisas em Contato Linguístico (LBPEC) da UFF e Consultora desta Edição Temática. 2 Doutora em Letras pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Professora e Coordenadora do Curso de Letras Português-Francês da Universidade Federal de Pernambuco.

5 Dentre os países escolhidos pelos estudantes, destacamos aqueles de língua francesa. O programa CsF (Ciência sem Fronteiras), assim como os demais programas de mobilidade, exige que o estudante possua um nível de competências linguísticas e culturais, mensurados através de exames de proficiência linguística baseados em parâmetros internacionais (DELF e DALF, no caso francês). Porém, desde a implementação da Lei /2005, criada no âmbito dos acordos políticos e econômicos do MERCOSUL, a oferta do ensino da língua francesa na grande maioria das escolas públicas declinou bastante. Dessa forma, como conciliar as metas do Programa CsF com a formação linguística dos estudantes? Cabe avaliar se a política linguística vigente no Brasil para o ensino de línguas estrangeiras (LE) está de acordo com a política de internacionalização das universidades. Esse é o tema do texto 2, Política linguística para o ensino de línguas estrangeiras: o impacto no programa de mobilidade acadêmica Ciências sem Fronteiras, de Marina Souza 3 e Telma Pereira 4. francês? Qual é o impacto dessa internacionalização em sua formação? O texto 3, Diversidade cultural, material didático e prática na sala de aula de FLE (Francês como Língua Estrangeira), de Christianne Benatti Rochebois 5 descreve da seguinte forma o cenário pedagógico: de um lado, um público aprendiz receptor que tem todas as informações ao alcance das mãos e que testemunha um modelo mundial de coabitação cultural; do outro, um material didático que se pretende vetor do ensino/aprendizagem de uma língua/cultura no começo do século XXI, mas que ignora a amplitude e a complexidade das relações humanas. A tarefa de analisar as possibilidades pedagógicas advindas de todas estas circunstâncias constitui um dos maiores desafios do ensino de Francês na contemporaneidade. 5 E quanto aos futuros professores de 3 Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagem, da Universidade Federal Fluminense. 4 Professora Doutora do Departamento de Línguas Estrangeiras e Modernas (GLE) e do programa de Pós- Graduação em Estudos de Linguagem da Universidade Federal Fluminense, Vice-Coordenadora do Laboratório de Pesquisas em Contato Linguístico (LBPEC) da UFF e Consultora desta Edição Temática. 5 Doutora em Didática de Línguas e Culturas pela Université Paris 3 Sorbonne-Nouvelle. Professora de Língua Francesa do Departamento de Letras da Universidade Federal de Viçosa.

6 texto 1 Francês como Língua Estrangeira e como Língua Adicional: a diferença que multiplica Joice Armani Galli 1 A temática sobre o ensino de línguas estrangeiras implica necessariamente discorrer sobre políticas linguísticas. O cenário nacional, a partir de algumas mudanças, sobretudo de ordem econômica, tem acolhido a ideia cidadã do plurilinguismo, contemplando outras línguas além das consagradas pelo mercado de trabalho. Iniciativa considerável se entendermos que é responsabilidade do poder público prover, não somente o que é previsto pela lógica capitalista, mas antecipar e promover transformações sociais. Nesse sentido, cabe comentar o emprego epistemológico de línguas na presente reflexão, já que a aparente escolha arbitrária do termo, seja Língua Estrangeira (doravante LE, segundo GALLI, 2011), seja Língua Adicional, poderia representar tão simplesmente a correspondência de uma nova demanda educacional. Em nossa proposta, tal escolha acarreta igualmente o entendimento conceitual para efetivas políticas linguísticas, conforme Galli: O viés plurilinguista deste trabalho busca, assim, a não fragmentação do saber pela hegemonia de uma ou de outra língua. Na esfera pública, ensinar línguas não deve ser um exercício elitista do conhecimento, mas a possibilidade de viver dignamente como sujeitos de um mundo globalizado, através da educação pela linguagem. (GALLI, 2011:20). O presente conceito está incorporado, tanto no emprego consciente e plural de LE, quanto nas ações inclusivas e de irradiação das línguas, já que o conhecimento de outra língua que não a do contexto de origem, permite que se vislumbrem valores relativos à cultura da paz, da tolerância e da diversidade. Assim, relacionamos o pensamento freiriano na proposição de políticas linguísticas para o ensino de LE. De acordo com Paulo Freire: 6 1 Doutora em Letras pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Professora e Coordenadora do Curso de Letras Português-Francês da Universidade Federal de Pernambuco.

7 A questão da violência não é só física, direta, mas sub-reptícia, simbólica. Violência e fome, violência e interesses econômicos das grandes potências, violência e religião, violência e política, violência e racismo, violência e sexismo, violência e classes sociais. A luta pela paz, que não significa a luta pela Abolição, sequer pela negação dos conflitos, mas pela confrontação justa, crítica dos mesmos, e a procura de soluções corretas para eles, é uma exigência imperiosa de nossa época. A paz, porém, não precede a justiça. Por isso, a melhor maneira de falar pela paz é fazer justiça. (FREIRE, 2000: 131, grifo nosso). Entendemos que o processo de aquisição de uma LE, aliás muito mais amplo que o de ensino, situa-se neste contexto de inserção das línguas como fonte de cidadania, de diversidade e de inclusão, preceitos estes que são proclamados pela francofonia, mas compreendidos aqui para o ensino de toda e qualquer LE. Sob tal perspectiva, é preciso conhecer a história subjacente a uma ciência para entender sua situação em determinados contextos de atuação, contextos estes que passam pelo imaginário local e nacional, pela representação especialmente de uma LE plena de simbolismo, como a Língua Francesa. Assim, na obra referencial de Christian Puren, Histoire des Méthodologies de l Enseignement des Langues 2, o mesmo afirma, muito oportunamente, que Quand une discipline perd son passé, elle perd aussi son avenir [...] 3 (PUREN, 1988), temos quatro grandes escolas que caracterizam épocas, como: la Méthodologie Traditionnelle/a Metodologia Tradicional (MT), la Méthodologie Directe/a Metodologia Direta (MD), la Méthodologie Active/a Metodologia Ativa (MA) e la Méthodologie Structuro-Globale Audio- -Visuelle/a Metodologia Estruturo-Global audiovisual (MSGAV). Em tais movimentos, o espaço das LEs caracterizou-se pela constante circunstância de inquietação e questionamento. Inicialmente, na MT (XVI-XVIII), o ensino de línguas restringia-se à reprodução de textos latinos e gregos. A imagem desta época foi bem ilustrada na figura dos copistas através da obra O Nome da Rosa (ECO, 1980). A competência escrita era, portanto, a competência por excelência deste período, ao privilegiar o método grammaire-traduction/gramática-tradução. Sendo previsível a alternância, a escola seguinte priorizará a competência oral, tornando obrigatório o uso direto da LE, sem passar pela intermediação da língua materna (LM). 7 2 História das metodologias do ensino das línguas. Optou-se por manter o título, bem como todas as expressões no referencial francês, uma vez que inicialmente esta é a língua alvo deste trabalho, opção ratificada pelo entendimento de que políticas linguísticas podem ser desenvolvidas nas menores ações, especialmente quando há o desejo de comunicação em uma LE. Assim, sob nossa responsabilidade, será feita a tradução de todas as referidas menções, seja nas notas de rodapé, seja no corpo do trabalho. 3 Quando uma disciplina perde seu passado, perde também seu futuro.

8 Sob tal ponto de vista, é possível imaginar o conflito desencadeado por esse processo durante a MD, uma vez que a língua de origem tornava-se então a grande vilã, a ponto de ser proibida em sala de aula. A MA terá a pretensão de ser um movimento de equilíbrio, aproveitando apenas os benefícios de uma e de outra das escolas anteriores, daí sua alcunha de Metodologia Eclética ou Mista. a Análise do Discurso e a Pragmática nas décadas de 60 e 70, época em que se tornou conhecido o enunciado: É proibido proibir, instaurado pelos movimentos de Mai/Maio de 68, particularmente na França, incluindo-se aí esta terminologia. É neste contexto que surge a Abordagem Comunicativa (AC), a qual anuncia desde já a efetiva mudança que inaugura a perspectiva de abordagem e não mais a de metodologia A AC. A grande mudança começa, no entanto, a ser anunciada pela MSGAV, também conhecida como Metodologia Audiovisual (MAOV). Não discorreremos aqui sobre época. A língua não é mais meramente código, mas passa a ser essencialmente função, já que a noção de comunicação é maior do que a de gramaticalidade. Os EUA serão responsáveis, através da Méthode de l Armée, pela ideia então difundida de que é preciso conhecer a língua do inimigo para vencê-lo. Porém, para o presente trabalho, serão os pensamentos desenvolvidos, principalmente pelo Círculo de Praga, que orientarão nossa escrita. Ao considerar o sujeito como ser da linguagem, prioriza-se o conteúdo em detrimento da forma, daí o nome estruturo-global, antecedendo a propagação dos efeitos da cultura audiovisual, vinculada ao período da II Guerra Mundial. O signo da mudança será efetivamente traçado no período relativo ao nascimento das ciências da linguagem, tais como Ao privilegiar a comunicação, esta perspectiva inova pela apresentação de competências linguísticas como, a título de exemplo, a competência discursiva e a sociolinguística. A AC redimensiona o contexto das LEs ao trazer inovações para as ciências da linguagem, particularmente para a Didática de Línguas Estrangeiras ou Didactologie, para usar um termo francês. O Brasil, ao valorizar com pertinência este período de inovações, acabou por estabilizar-se de certa forma nos referenciais da AC, a qual idealizava, por exemplo, o espaço do ensino de uma LE, prevendo de 15 a 20 alunos, no máximo, em uma sala de aula. Esse ideal não corresponde absolutamente ao real das escolas públicas brasileiras, cujo número de alunos chega a duplicar nas salas de aula. Acrescente-se a este critério outros dois, agora de cunho subjetivo, mas igualmente questionáveis em nosso contexto nacional. Um, que vem ao lado do idealismo de um native speaker; 8

9 e outro, que diz respeito à obrigatoriedade de sair falando a língua para justificar seu aprendizado. Ora, os propósitos do ensino de uma LE na escola pública merecem ser devidamente discutidos, uma vez que entendemos ser o papel primeiro desta disciplina escolar, especialmente na educação básica, sensibilizar os alunos para culturas distintas e para o processo cognitivo diferenciado, que é oportunizado pelo conhecimento de uma LE. Dando continuidade ao ensaio de uma linha cronológica, a qual nunca é precisa e objetiva, como não o são as ciências humanas, após a AC, um novo aspecto vem somar-se ao conceito comunicacional. Trata- -se da importância da interação. A Abordagem Acional (AA) contextualiza a pertinência das competências comunicativas em um processo de troca permanente, ou seja, o reconhecimento de todos os elementos que compõem a cena comunicativa, tais como os atores sociais que definem a ação linguística em relação às suas necessidades, realizando uma analyse de besoin/análise de necessidades, para efetuação de projetos pedagógicos. Instaura-se então, entre as décadas de 80 e 90, a época da pedagogia dos projetos, marcada também pela elaboração de um parâmetro internacional para validar os conhecimentos de uma LE. O Cadre/Quadro, do nome Cadre Européen Commun de Référence pour les Langues CECRL, representa uma tentativa de estabelecimento de parâmetros (como o próprio nome indica) para as línguas. Ainda que bastante criticado, como são todas as uniformizações, le Cadre será publicado efetivamente no início do século XXI, servindo de referencial para os avanços nas avaliações das LEs. O que nos interessa aqui diz respeito ao valor que as LEs adquirem neste panorama histórico. A LE não é mais regida pela consciência eurocentrista de outrora, mas pelas ideias de diversidade, inclusão, respeito mútuo e alteridade, valores que integram, não somente as clássicas quatro competências das linguagens, mas que se somam a uma quinta e fundamental competência, a interculturalidade. Nesse sentido, a Abordagem Sociodidática (AS), preconizada pelo Guide pour la recherche en didactique des langues et des cultures. Approches Contextualisées 4, obra organizada por Blanchet & Chardenet, em 2011, acrescenta um elemento bastante pertinente para políticas linguísticas mundiais. Além de ser oportuna para ações de implementação de LE e Línguas Adicionais, a AS reforça o aspecto intercultural, ao contemplar as necessidades específicas de um determinado local, considerando também um princípio 9 4 Guia para a pesquisa em didática das línguas e das culturas. Abordagens Contextualizadas.

10 contemporâneo universal da sustentabilidade, ao reafirmar a importância de ter pés na região e olhos no mundo, já que Produire une connaissance, c est, pour les humains, chercher à comprendre leur environnement (naturel et socioculturel), à se comprendre eux-mêmes (en tant qu individus et qu êtres sociaux c est-à-dire interagissant entre eux) [...] et que le sens que nous attribuons au monde nous permette d agir sur ce monde. (BLANCHET, 2011, grifo nosso) 5. Apesar das dificuldades que a realidade nos apresenta, o estudo da Língua Espanhola na Educação Básica pública é um enorme salto qualitativo à formação global de nossos alunos, se considerarmos, como mencionamos anteriormente, que durante algumas décadas do século XX, o ensino de línguas estrangeiras era considerado apenas uma atividade e quase nunca se estudava a Língua Espanhola. Desnecessário discorrer aqui sobre a influência das novas tecnologias para o crescimento de todo este processo de atualização da LE. A propósito, não é sem razão que se fala em novas tecnologias, pois as LEs foram as precursoras no emprego das tecnologias para o ensino desta área do saber. As línguas evoluíram de um lugar de código, de instrumento (como amplamente difundido pelo Francês Instrumental, durante a AC, na década de 70, para assumirem o poder de sua metalinguagem como fonte de conhecimento. O progresso das LEs irradiou-se assim em diferentes direções, mas especialmente no conceito de que a aquisição de uma LE não é um processo imediatista, demandando investimentos de médio e longo prazo. A democratização do saber através do conhecimento de uma LE implica o reconhecimento de que a alteridade, por meio da experiência linguística, é muito mais efetiva e autêntica quando referendada pela cultura local. Sob tal perspectiva, a amplitude deste país continental, que é o Brasil, apresenta um complexo e rico mosaico para inserção das LEs, pois, segundo Galli: [...] os saberes pedagógicos em suas reflexões teóricas e práticas no mundo da escola e na escola do mundo, além do caráter investigativo que as línguas propõem, possibilitam vislumbrar diversidade, inclusão, letramento e plurilinguismo em políticas públicas linguísticas. (GALLI, 2011, texto de contracapa do livro, grifo nosso) Produzir um conhecimento, é, para os homens, buscar compreender seu meio (natural e sociocultural), compreendendo a si próprios (enquanto indivíduos e seres sociais isto é, interagindo entre si) [...] já que o sentido que atribuímos ao mundo é o que nos permite agir neste mundo.

11 no processo de construção de sua cidadania. Segundo Puren, Les théories cognitives actuelles amènent à considérer que la réflexion de l apprenant sur son propre processus d apprentissage améliore celui-ci 6. (PUREN, 2009), o que vem a corroborar nosso entendimento sobre a contribuição das LEs em políticas linguísticas. Dessa forma, a aquisição de uma língua contempla um processo cognitivo ímpar, oportunizado pela aprendizagem das LEs, advindo daí um novo conhecimento, que, aliás, não pode ser transmitido, mas somente adquirido, apropriado, isto é, tornado próprio de quem o incorpora a seus conceitos enciclopédicos, adicionando-o a estes. É aí que vêm a somar-se uma leitura de mundo proporcionada pelo conhecimento de uma LE. Para além da alfabetização, deve-se romper com o caráter utilitarista, outrora atribuído ao ensino de LE, (...) a aquisição de uma língua contempla um processo cognitivo ímpar, oportunizado pela aprendizagem das LEs, advindo daí um novo conhecimento. Nesse breve panorama histórico do processo de educação das línguas, é possível entender que a língua estranha, que não é, nem sua língua de ori- adicionando saberes, multiplicando olhares gem, tampouco sua língua segunda (o que e realizando, enfim, o letramento em outra seria o caso do bilinguismo), será obrigatoriamente uma língua estrangeira, podendo língua, que não a LM. ou não vir a tornar-se adicional. Adicional 11 De acordo com Galli (2008), é neste contexto que se inscreve o letramento em LE, pois deve-se envolver os alunos em situações reais de oralidade, fazendo, de suas leituras de mundo, motivo para conduzi-los a leituras de outros mundos, resgatando necessidades comunicativas ao oportunizar insumos linguísticos valorosos, sob o ponto de vista da descoberta e do prazer da leitura e da escrita interculturais, implicando-os porque soma, porque adiciona ao corpus linguístico do falante uma outra visão de mundo, organizada em um código linguístico diferente do seu de origem, implicando uma série de nuances, variedades e aspectos culturais de apurada compreensão. Assim, adiciona-se à diferença, porque é da natureza humana buscar compreender o que lhe é desconhecido, fazendo multiplicar o horizonte de expectativa e de atuação de um 6 As teorias cognitivas atuais apontam que a reflexão do aluno durante sua aprendizagem torna o processo mais efetivo.

12 sujeito não meramente alfabetizado em LE. Ao tornar-se leitor do mundo, o sujeito então cidadão, torna-se pleno e capaz de diálogos múltiplos e plurais em uma sociedade globalizada, cuja cultura bidimensional do ensino de línguas dá margem ao que lhe é intrínseco: o entendimento não sistemático, tampouco linear, de outra expressão humana tão bem experimentada pelo mergulho na sociedade de informação plurilíngue do século XXI. Tal entendimento é condição sine qua non para a realização de práticas positivas, particularmente em um país cuja herança colonial e período de regime militar foram decisivos para a criação de políticas públicas nas mais diversas áreas. Voltando- -nos mais uma vez para a orientação plurilíngue, é preciso considerar que efetivas políticas linguísticas não são exclusivas de um país, mas de um conjunto de nações dispostas a comunicarem-se, em outras palavras, com desejo de compreensão. Assim, a língua francesa não se restringe unicamente à França, mas a todos os países francófonos que têm nesta língua a primeira variante para o acesso às trocas interculturais e internacionais. Previsto pela legislação brasileira na LDB 7, em que se aponta a obrigatoriedade de uma LE a partir do quinto ano do ensino fundamental, concebemos como válidos os projetos que estejam inseridos na proposta político-pedagógica da escola, enquanto, a exemplo do francês, esta e outras LEs ainda não forem incorporadas ao Currículo oficial do sistema público nacional. Entende-se por fim que políticas linguísticas, para toda e qualquer LE, devem estar em sintonia com seu contexto, não unicamente pela mobilidade social que representam, mas pela liberdade de pensamento que encerram e pelas possibilidades curriculares que ampliam, já que [...] s ouvrir à une autre culture, c est approfondir sa propre culture, développer son esprit d analyse et son sens critique. 8 (PUREN, 1988, 366) Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de [...] abrir-se para uma nova cultura significa aprofundar a sua própria, desenvolvendo espírito de análise e senso crítico.

13 REFERÊNCIAS AUBIN, Simone; GALLI, Joice Armani. O ensino de Francês Língua Estrangeira nas escolas públicas: ações para políticas linguísticas na rede municipal de Recife. index.php?option=com_content&view=article&id=36&itemid=119, BÉRARD, Evelyne. L Approche Communicative. Paris: CLE INTERNATIONAL, BLANCHET, Philippe; CHARDENET, Patrick (Orgs). Guide pour la recherche en didactique des langues et des cultures. Approches Contextualisées. Paris: Editions des Archives Contemporaines, Université de Rennes et Agence Universitaire de la Francophonie (AUF), BRASIL. LEI Nº 9.394, de 20 de dezembro de Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. In: 22 abr CONSEIL DE LA COOPÉRATION CULTURELLE - Comité de l Éducation. Un Cadre Européen Commun de Référence pour les Langues: apprendre, enseigner, évaluer. Strasbourg: Didier, GALLI, Joice Armani. As línguas estrangeiras como política de educação pública plurilíngue. In: GALLI, J.A. Línguas que botam a boca no mundo: reflexões sobre teorias e práticas de línguas. Recife: Editora Universitária EDUFPE, p Letramento Cultura e diversidade em políticas de ensino de LE. In: KURTZ dos Santos, Sílvia Costa, MOZILLO, Isabela. Cultura e diversidade na Sala de Aula de Língua Estrangeira. Pelotas: Ed. da Universidade UFPEL, p Sobre políticas públicas de ensino de línguas estrangeiras: um estudo sobre a formação leitora em língua francesa no Rio Grande do Sul, relações entre ensino fundamental e médio. In: Tecendo aprendizagem com a Rede Municipal de Ensino de Porto Alegre. Porto Alegre: SMED, (Conversações Pedagógicas na Cidade que Aprende, v. 2), p PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS. In: Acesso em 21 de abril 2013.

14 PUREN, Christian. La nouvelle perspective actionnelle et ses implications sur la conception des manuels de langue. In: LIONS-OLIVIERI, Marie-Laure; LIRIA, Philippe. L approche actionnelle dans l enseignement de langues. Paris: Maison de Langues, P L Histoire des Méthodologies de l Enseignement des Langues. Paris: Cle International, ROY, Jean-Louis. Qual o futuro da língua francesa? Francofonia e concorrência cultural no século XXI. Porto Alegre: Ed. Sulinas,

15 texto 2 Política linguística para o ensino de línguas estrangeiras: o impacto no programa de mobilidade acadêmica Ciências sem Fronteiras Telma Pereira 1 Marina Souza 2 A importância de uma boa formação em línguas estrangeiras ficou bastante evidente a partir do ano de 2010, quando o Governo brasileiro decidiu intensificar suas ações em programas de mobilidade acadêmica para o exterior, com a justificativa de melhorar o ensino e a pesquisa no país. Em um desses programas, o Ciência sem Fronteiras (CsF), os principais sujeitos visados passaram a ser estudantes de graduação das áreas de estudos consideradas prioritárias pelo governo. O Programa estipulou por meta a oferta de bolsas, com um investimento na marca de R$ 3,2 bilhões. A França figura entre os países que mais possuem acordos acadêmicos com o Brasil e um dos que mais acolhem estudantes brasileiros, inclusive do CsF. Aliás, os dados disponibilizados pelo programa CsF apontam para uma tendência de centralização de intercâmbio acadêmico voltado para países da América do Norte e da Europa e destacam a pouca mobilidade para países vizinhos da América Latina que fazem parte do MERCOSUL. Os programas de mobilidade exigem dos candidatos um determinado perfil linguístico em línguas estrangeiras, o qual abarque competências linguísticas e culturais, mensuradas através de exames de proficiência. Nesse sentido, cabe avaliar se a política linguística vigente no Brasil para o ensino de línguas estrangeiras (LE) está de acordo com a política de internacionalização das universidades. Política Linguística como política pública No Brasil, o conceito de política linguística não figura explicitamente nas questões relacionadas às demais orientações governamentais de interesse público, como ocorre com a política financeira, a política 15 1 Professora Doutora do Departamento de Línguas Estrangeiras e Modernas (GLE) e do programa de Pós- Graduação em Estudos de Linguagem da Universidade Federal Fluminense, Vice-Coordenadora do Laboratório de Pesquisas em Contato Linguístico (LBPEC) da UFF e Consultora desta Edição Temática. 2 Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagem da Universidade Federal Fluminense (UFF).

16 fiscal, a política externa, a política educacional, a política social, etc. Mas o termo utilizado por linguistas, assim como as políticas citadas, indicam procedimentos relativos ao adjetivo latino polis (politikós), que tem relação com a cidade, o urbano, o público, o civil e o social. Ou seja, para os linguistas, as políticas e as decisões sobre o uso da língua dentro da sociedade têm a sua significação ligada à existência da relação entre o poder e as línguas (BOBBIO; MATTEUCCI; PASQUINO, 2000, p. 954). O fato de não ser nomeada não significa que não haja, na prática, uma política linguística para o ensino de línguas no Brasil, nem que essa política não seja, afinal, permeada pelo contexto sociopolítico no qual é elaborada e implementada. Na história mais recente do Brasil, podemos dividir a política linguística para o ensino de LE em dois grandes momentos históricos: antes e depois da Constituição de Antes de 1988, observamos medidas que reduziram a oferta do ensino de LE, modificando o status da LE como disciplina, posto que seu ensino passou a fazer parte do núcleo complementar, e sua obrigatoriedade, retirada, cabendo aos Estados a inteira responsabilidade de incluir, ou não, tal ensino nos currículos da escola. A LDB de 1971, por exemplo, ao priorizar a formação profissional do aluno, reduziu um ano do tempo de escolaridade. Esses e outros aspectos geraram uma redução ainda maior do ensino de LE. Algumas escolas passaram a oferecer essa disciplina durante o período de um ano, não mais do que por uma hora semanal, e outras simplesmente pararam de oferecer esse tipo de instrução (LEFFA, 1999, p.13-14). Esse período corresponde à implementação do acordo MEC-USAID, estabelecido entre o Ministério da Educação (MEC) e o United States Agency for International Development (USAID), que delineou a reforma do sistema educacional brasileiro. Para a implantação desse acordo, o programa previa a obrigatoriedade do ensino da Língua Inglesa em todos os níveis de ensino. Com a estrutura dos currículos alterada, restrições foram impostas ao ensino de LE, fazendo com que este quase desaparecesse. Permanecia o ensino do Inglês e, em menor escala, o ensino do Francês. O processo de redemocratização do país, a partir dos anos de 1980, e a criação do Mercado Comum do Sul (MERCOSUL), modificaram as políticas linguísticas vigentes até então. No final dos anos 1990, além da educação bilíngue em línguas indígenas, a política linguística brasileira passou a destacar dois eixos principais de atuação: a promoção da Língua Portuguesa e, com o advento do MERCOSUL, o ensino do Espanhol como Língua Estrangeira no sistema de ensino (Lei nº /2005). 16

17 Por meio de uma leitura glotopolítica, Lagarez (2010, p.186) explicita que a promulgação da lei responde também a questões políticas ocultas, como o fato desta se constituir em uma forma de pagamento da dívida externa brasileira para com a Espanha. Para o autor, trata-se de uma medida estratégica do ponto de vista político, mas apresenta falhas do ponto de vista educacional, posto que a sua aprovação não significa efetivamente a sua aplicação. Isso ocorre porque, apesar de pertencer ao acervo de leis federais, a sua aplicação é de âmbito estadual, a quem cabe efetuar o cumprimento. Assim, se a LDB não especifica qual LE deva ser oferecida obrigatoriamente na grade curricular, percebemos que, na realidade, no imaginário coletivo, o Inglês se tornou sinônimo de língua estrangeira moderna. O mesmo não ocorre com a Língua Espanhola, visto que a lei do espanhol responde a outros interesses geopolíticos, ocultados por um discurso positivo de integração regional. Esse preâmbulo histórico é necessário para que possamos avaliar a qualidade do ensino de LE no país e compreender a formação linguística dos estudantes que chegam às universidades, sobretudo daqueles oriundos de escolas públicas, e que demandam uma bolsa no programa CsF. O processo avaliativo das políticas linguísticas é discutido por especialistas do tema (BLANCHET, 2009; CALVET, 2009; e CO- OPER, 1977). Blanchet propõe um critério de avaliação de políticas linguísticas baseado em cinco pontos básicos: a) avaliação da situação sociolinguística de partida; b) avaliação a priori da pertinência da situação sociolinguística pretendida de chegada; c) avaliação das intervenções realizadas; d) avaliação dos efeitos das mudanças provocadas; e) avaliação a posteriori da nova situação, a situação de chegada. Cooper (1997) descreve a necessidade de avaliação do grau de eficiência de uma política oficializada. Para esse autor, é preciso levar em conta as seguintes questões ao se elaborar uma política linguística: quem adota o quê, quando, onde, por que e como. Tais perguntas são de grande valor, pois a velocidade e a aceitação de uma determinada inovação dependem da resposta a esses questionamentos (COOPER, 1997, p.75-77). Nesse sentido, diante de um programa de mobilidade acadêmica inédito no Brasil, é importante que se avalie e, sendo necessário, se reformule a política linguística responsável pela formação dos estudantes em LE. 17

18 POLÍTICAS LINGUÍSTICAS APÓS A CONSTITUIÇÃO DE 1988 No encontro da Associação de Linguística Aplicada do Brasil (Alab), em 1996, os especialistas produziram um documento conhecido como Carta de Florianópolis, cidade onde foi realizado o evento. Nesse documento, lia-se: Todo brasileiro tem direito à plena cidadania. No mundo globalizado e poliglota de hoje, isso inclui a aprendizagem de línguas estrangeiras. Alguns meses depois, foi aprovada pelo Congresso Nacional, e posteriormente promulgada, a LDB de Esta lei ainda está em vigor. Sancionada pelo presidente Fernando Henrique Cardoso no dia 20 de dezembro de 1996, possui 92 artigos que preveem o chamado Ensino Básico, abarcando o Ensino Fundamental obrigatório (8 anos) e o Ensino Médio (3 anos). Como complementação à LDB explicitada, que vigora ainda hoje, criaram- -se os Parâmetros Curriculares de Diretrizes e Bases (PCNs). Os PCNs reconhecem ensino de LE como um direito de todos os cidadãos, conforme expresso na Lei de Diretrizes e Bases (LDB) e na Declaração Universal dos Direitos Linguísticos, e advogam que seu aprendizado não deve fazer parte de uma atividade extracurricular, mas de uma obrigação das instituições de ensino (BRASIL, 1998; BRASIL, 1999). Em relação ao Ensino Médio, os PCNs enfatizam que a grande meta do ensino de LE é a formação do aluno como cidadão e entende a comunicação como uma ferramenta imprescindível no mundo moderno, com vistas à formação profissional, acadêmica ou pessoal por meio da aquisição de competências abrangentes (BRASIL, 1998, p.30-31). A partir do final dos anos 1990, além da educação bilíngue em línguas indígenas, a política linguística brasileira passa a destacar dois eixos principais de atuação: a promoção da Língua Portuguesa e, com o advento do MERCOSUL, o ensino do Espanhol como língua estrangeira no sistema de ensino (Lei nº ). Esta última institui a oferta obrigatória, por parte da escola, do ensino do Espanhol, e de matrícula facultativa para o aluno, dentro da carga horária normal de aula no Ensino Médio, facultando ainda sua inclusão no Ensino Fundamental. Buscando atualizar discussões pertinentes à educação brasileira, o Ministério de Educação e Cultura (MEC) publicou, em 2006, as Orientações Curriculares para o Ensino Médio (OCEM). Destinada ao Ensino Médio, as OCEM possuem dois capítulos destinados às LE - o terceiro e o quarto - sendo o último dedicado exclusivamente ao ensino da Língua Espanhola, em decorrência da Lei /05 (BRASIL, 2006). As OCEM, ao falar sobre o ensino de LE, se referindo principalmente à Língua Inglesa, cita que o seu principal compromisso continua sendo contri- 18

19 buir para a formação de indivíduos, por exemplo, e para a compreensão do conceito de cidadania, mas também contempla a aquisição das competências de leitura, comunicação oral e - LEITURA SEGUNDO ANO DO - COMUNICAÇÃO ORAL ENSINO MÉDIO - PRÁTICA ESCRITA - LEITURA TERCEIRO ANO DO - COMUNICAÇÃO ORAL ENSINO MÉDIO - PRÁTICA ESCRITA QUADRO 1: Habilidades a serem desenvolvidas em LE de acordo com a OCEM. Fonte: OCEM 3 Embora as habilidades comunicativas orais, de escrita e leitura sejam agora incluídas no ensino de LE para o Nível Médio em um novo documento, cabe salientar que a simples recomendação, ou menção a elas, não garante sua efetivação. Ou seja, o fato de haver uma propos- prática escrita, a serem desenvolvidas ao longo dos três anos previstos para o Ensino Médio (BRASIL, 2006). Política linguística e perfil linguístico desejado nos programas de mobilidade Considerando o contexto de mobilidade acadêmica, não só o conhecimento de língua, como também o de cultura, se fazem indispensáveis. ta não modifica ou revoluciona o sistema, de tal forma que se caracterizem os níveis linguísticos exigidos pelos programas de mobilidade acadêmica em vigor. Considerando o novo contexto de mobilida- Segundo a proposta da OCEM, o ensino de LE no Brasil deve delinear as seguintes habilidades linguísticas: de acadêmica, não só o conhecimento de língua, como também o de cultura, se fazem indispensáveis, visto que a incompreensão 19 PRIMEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO - LEITURA - COMUNICAÇÃO ORAL - PRÁTICA ESCRITA de uma língua engloba também a ausência de conhecimento do contexto cultural em que ela se insere (CICCHELLI, 2012, p.124). Assim, surge outro fator que aponta para mais uma incoerência presente nas políticas linguísticas brasileiras. Ela se destaca nos dizeres dos próprios PCNs sobre os objetivos do Ensino Médio: [...] é imprescindível incorporar as necessidades da realidade ao currículo escolar, de forma que os alunos tenham acesso... àqueles conhecimen- 3. Orientações Curriculares para o Ensino Médio. OCEM/06. Conhecimentos de Espanhol. Secretaria de Educação Básica. Brasília: Ministério de Educação, 2006, p

20 tos que serão exigidos no mercado de trabalho (BRASIL,1999, p. 149). e para a realidade da Europa. Ou seja, essas línguas e esses níveis (geralmente B1 e B2 referentes ao QECRL) não se encontram previstos na LDB ou em qualquer outra lei existente no Podemos observar quer, apesar de os PCNs, as OCEM e outros documentos, destacarem a importância do ensino de línguas, o mesmo não ocorre na vida real das escolas. As políticas linguísticas empregadas atualmente não correspondem às necessidades geradas pelos Programas de Mobilidade Acadêmica, que exigem uma proficiência linguística que não faz parte do contexto educacional brasileiro. Impacto da política linguística brasileira vigente nos programas de mobilidade acadêmica Além de um bom desempenho acadêmico, os candidatos ao Programa CsF devem comprovar proficiência no idioma do país onde se localiza a universidade para a qual se candidatam. Para comprovar sua qualificação na LE, o estudante deve se submeter a um exame originado de uma instituição autorizada. Esses exames se baseiam no Quadro Europeu Comum de Referências para as Línguas (QECRL), abarcando diferentes níveis e competências. No entanto, o QECRL foi elaborado na Europa Brasil, o que faz com que haja a necessidade de os estudantes procurarem cursos de línguas 4. Porém, os cursos para o aprendizado de uma língua estrangeira e os exames exigidos são pagos e possuem preços demasiadamente elevados 5. Abaixo apresentamos o nível para aceitação em um Programa Governamental como o CsF de acordo com QECRL. Os níveis descritos são exigidos pelas instituições estrangeiras e, neles, os estudantes devem ser capazes de serem utilizadores independentes da língua estrangeira escolhida. NÍVEL B1 NÍVEL B2 O ESTUDANTE DEVE SER CAPAZ DE: O ESTUDANTE DEVE SER CAPAZ DE: 1 - COMPREENDER O 1 - COMPREENDER AS CONTEÚDO ESSENCIAL IDEIAS PRINCIPAIS PRE- DE TEMAS QUE LHE SÃO SENTES EM TEXTOS COM- FAMILIARES (TRABALHO, PLEXOS, CONCRETOS E ESCOLA, LAZER, ETC.) ABSTRATOS, INCLUINDO QUANDO UTILIZADA DISCUSSÕES TÉCNICAS UMA LINGUAGEM CLA- EM SUA ESPECIALIDADE. RA E ESTANDARDIZADA Alguns editais do CsF, referentes a certos países que compõem o programa, fazem referência a possíveis cursos de poucos meses a serem realizados no país ativo da LE e outros a serem oferecidos sob critério da CAPES e do CNPq. 5 A Embaixada da França é a única instituição que oferece, gratuitamente, para os 300 primeiros inscritos do programa Ciência sem Fronteiras do ano de 2013 o teste de proficiência no idioma francês CAPES/CNPq/ Aliança Francesa.

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X DA INVISIBILIDADE AFROBRASILEIRA À VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL A língua espanhola na Educação Básica A implantação da língua espanhola por meio da lei federal 11.161, que diz respeito à sua oferta

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

de manuais concebidos segundo a Perspectiva Acional

de manuais concebidos segundo a Perspectiva Acional 1. NOME COMPLETO: HYANNA C. DIAS DE MEDEIROS 2. E-MAIL: hyanna.medeiros@usp.br 3. ALUNO: X EX-ALUNO: 4. PESQUISA : X INICIAÇÃO CIENTÍFICA MESTRADO DOUTORADO 5. ÁREA DE PESQUISA: X LÍNGUA, LINGUÍSTICA E

Leia mais

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Ensino PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO:

Leia mais

Língua francesa para deficientes visuais em Diadema, São Paulo: uma proposta de ensino de. inclusão social concebida segundo a abordagem acional

Língua francesa para deficientes visuais em Diadema, São Paulo: uma proposta de ensino de. inclusão social concebida segundo a abordagem acional Língua francesa para deficientes visuais em Diadema, São Paulo: uma proposta de ensino de Mestranda: Michelle A. G. Honório inclusão social concebida segundo a abordagem acional Orientadora: Profa. Dra.

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 Educação e Sustentabilidade Tatiana Feitosa de Britto A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) tem como tema o futuro que queremos,

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA Fabiane Caron Novaes 1 Roberta Aparecida Diadio 2 Resumo: Considerando as recomendações contidas no referencial teórico dos Parâmetros Curriculares Nacionais

Leia mais

O que é o projeto político-pedagógico (PPP)

O que é o projeto político-pedagógico (PPP) O que é o projeto político-pedagógico (PPP) 1 Introdução O PPP define a identidade da escola e indica caminhos para ensinar com qualidade. Saiba como elaborar esse documento. sobre ele: Toda escola tem

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

e-mail: simoneperes2@yahoo.com.br 1 CONCEPÇÕES DE CURRÍCULO e-mail: simoneperes2@yahoo.com.br 2 CONVERSANDO SOBRE CURRÍCULO Diferentes concepções Conteúdos e competências Sobre aprendizagens Projetos alternativos

Leia mais

A Educação Artística na Escola do Século XXI

A Educação Artística na Escola do Século XXI A Educação Artística na Escola do Século XXI Teresa André teresa.andre@sapo.pt Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Caldas da Rainha, 1 de Junho de 2009 1. A pós-modernidade provocou

Leia mais

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009.

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Resenhas 161 ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Márcia Moreira Pereira* marcia.moreirapereira@gmail.com *Possui graduação em Letras pela Universidade

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO Thiago Tavares Borchardt Universidade Federal de Pelotas thiago tb@hotmail.com Márcia Souza da Fonseca Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 Rita Vieira de Figueiredo 2 Gosto de pensar na formação de professores (inspirada no poema de Guimarães) Rosa

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este?

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este? Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL maria.schlickmann@unisul.br Palavras iniciais... As reflexões que apresento neste texto são um recorte de estudo que venho realizando na minha tese de doutorado.

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE Autora: Lorena Valin Mesquita Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) - lm_valin@hotmail.com Coautora: Roberta Souza

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

Sua Escola, Nossa Escola

Sua Escola, Nossa Escola Sua Escola, Nossa Escola Episódio: Andréa Natália e o Ensino na Fronteira Ponta Porã Resumo Esse vídeo integra a série Sua Escola, Nossa Escola, composta por dezessete programas, os quais mostram experiências

Leia mais

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos RESUMO PDI PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL, PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL E PPC PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO, ENTRE O DITO E O FEITO ESTUDOS DE CASO MÚLTIPLOS / IES/ RS BRASIL 2007/2008. Autora

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

ENSINO JURÍDICO DEMOCRÁTICO EDITAL PARA SELEÇÃO DE CANDIDATOS AO PROJETO ENSINO JURÍDICO DEMOCRÁTICO A PARTIR DE CURSO DE APRIMORAMENTO DOCENTE

ENSINO JURÍDICO DEMOCRÁTICO EDITAL PARA SELEÇÃO DE CANDIDATOS AO PROJETO ENSINO JURÍDICO DEMOCRÁTICO A PARTIR DE CURSO DE APRIMORAMENTO DOCENTE ENSINO JURÍDICO DEMOCRÁTICO EDITAL PARA SELEÇÃO DE CANDIDATOS AO PROJETO ENSINO JURÍDICO DEMOCRÁTICO A PARTIR DE CURSO DE APRIMORAMENTO DOCENTE SÃO PAULO JULHO DE 2015 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Aprendizagem da Matemática: um estudo sobre Representações Sociais no curso de Administração

Aprendizagem da Matemática: um estudo sobre Representações Sociais no curso de Administração Aprendizagem da Matemática: um estudo sobre Representações Sociais no curso de Administração Eixo temático 2: Formação de professores e cultura digital SALERNO, Daniela Prado 1 VIEIRA, Vania Maria de Oliveira

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero.

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero. PNLD 2011: ANÁLISE DE UMA COLEÇÃO DE LIVRO DIDÁTICO DE INGLÊS Universidade Federal de Goiás Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística Mestranda: Maria Letícia Martins Campos FERREIRA mleticiaf@hotmail.com

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Revista Eletrônica de Educação de Alagoas - REDUC ISSN 2317-1170 V. 01, N. 02 (2013) A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Patrícia

Leia mais

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo Ministério da Educação Primavera 2014 Atualização do Redesenho do Currículo Em 2010, o Ministério da Educação começou a transformar o sistema educacional de British Columbia, Canadá, Ensino Infantil Médio

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

Formação de professores do Ensino Médio

Formação de professores do Ensino Médio Formação de professores do Ensino Médio Etapa I Caderno VI Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio A Avaliação no Ensino Médio Ocimar Alavarse Gabriel Gabrowski Mediadora: Viviane Aparecida

Leia mais

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Pela sua importância destacam-se aqui alguns dos seus princípios: Todos/as os/ssujeitos, de ambos os sexos, têm direito fundamental à educação, bem como a oportunidade

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES PARECER CNE/CES 1.302/2001 - HOMOLOGADO Despacho do Ministro em 4/3/2002, publicado no Diário Oficial da União de 5/3/2002, Seção 1, p. 15. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO:

Leia mais

DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Alciene Ribeiro Feitoza da SILVA 1 Módulo Centro Universitário Ao atuar na formação de professores de

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária

Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária Apresentação Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária A Vice-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pósgraduação da Universidad Arturo Prat del Estado de Chile, ciente da importância dos estudos

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

A Interdisciplinaridade e a Transversalidade na abordagem da educação para as Relações Étnico-Raciais

A Interdisciplinaridade e a Transversalidade na abordagem da educação para as Relações Étnico-Raciais CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS LEILA MARIA DE OLIVEIRA Mestre em Educação: Currículo pelo Programa de Pós Graduação da PUC-SP; professora de educação física; e integrante do Grupo

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

CONSTITUINDO REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O TRABALHO COM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

CONSTITUINDO REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O TRABALHO COM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO CONSTITUINDO REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O TRABALHO COM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Bruna Mendes Muniz 1 Gislaine Aparecida Puton Zortêa 2 Jéssica Taís de Oliveira Silva

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO

O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO Flávia Fernanda Vasconcelos Alves Faculdades Integradas de Patos FIP flaviavasconcelos.edu@hotmail.com INTRODUÇÃO Observa-se

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO.

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO. LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR Agnaldo da Conceição Esquincalha PUC-SP/PUC-Rio/Fundação CECIERJ aesquincalha@gmail.com Resumo: Neste texto elenca-se um

Leia mais

AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM

AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM MARÇO/ABRIL/2012 Considerações sobre as Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio Resolução CNE/CEB

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA Luís Armando Gandin Neste breve artigo, trato de defender a importância da construção coletiva de um projeto político-pedagógico nos espaços

Leia mais

CURSOS ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS

CURSOS ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES ANO 2007 CURSOS ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS INTRODUÇÃO: Tendo como objetivo propiciar ao aluno um conjunto de oportunidades que se refletirão, de forma direta

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE

AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE Juliana Stedille 1 Richelly de Macedo Ramos 2 Edi Jussara Candido Lorensatti 3 Resumo Este artigo busca verificar quais os procedimentos adotados por professores da disciplina

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) COMPREENSÃO E PRODUÇÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA I C/H 102 (2358) intermediário de proficiência

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br. Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás rose.cead@ucg.

Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br. Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás rose.cead@ucg. CURSO DE LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS LIBRAS ON-LINE: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LAMBARI D OESTE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA MATOS, Alaíde Arjona de 1 OLIVEIRA, Sônia Fernandes de 2 Professora da rede municipal de ensino

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná.

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. O Curso de Formação de Docentes Normal, em nível médio, está amparado

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

EXPLORANDO ALGUMAS IDEIAS CENTRAIS DO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO FUNDAMENTAL. Giovani Cammarota

EXPLORANDO ALGUMAS IDEIAS CENTRAIS DO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO FUNDAMENTAL. Giovani Cammarota UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA PRÁTICA DE ENSINO DE MATEMÁTICA III EXPLORANDO ALGUMAS IDEIAS CENTRAIS DO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO FUNDAMENTAL Giovani Cammarota

Leia mais