Biologia Física Geografia História Língua Estrangeira Língua Portuguesa Literatura Brasileira Matemática Química. Prova Seletiva.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Biologia Física Geografia História Língua Estrangeira Língua Portuguesa Literatura Brasileira Matemática Química. Prova Seletiva."

Transcrição

1 2 Biologi Físi Gogrfi Históri Língu Estrngir Língu Portugus Litrtur Brsilir Mtmáti Quími Prov Sltiv Insrição nº:

2 02

3 Qustão 01 Com o vnço intífio o séulo XIX, m spil, om s sorts o químio iólogo frnês Louis Pstur ( ), iêni méi muou ompltmnt. [...] Pstur fni qu miori [s onçs] tinh origm m mirorgnismos [...]. O mior vnço pr o omt ção trnsmissão os miróios téris s u om o snvolvimnto ténis ntisséptis strilizção [...]. Font: VAINFAS, Ronlo outros. Históri: o longo séulo XIX. SP: Sriv, p A prtir o txto, po-s onluir qu o snvolvimnto onomi pitlist, no séulo XIX, foi ompnho por trnsformçõs intífis ténis qu moifirm o xríio miin iminuírm s txs mortli. onflitos ns is rltivos à sú púli, hj vist inxistêni rs sgoto águ nliz ns grns is uropis. formção prtios polítios, ntros no plnjmnto s is n orgnizção o sistm púlio sú, m trimnto s qustõs onômis polítis. luts fvor mortizção os vnços miin, hj vist qu o sistm sú púli xistnt não ontmplv oprários mponss. primormnto os srviços púlios rltivos o snmnto ásio à miin oltiv, rsultno n rição o Esto o Bm-Estr Soil. Qustão 02 Em mos os séulo XIX s situ o omço s miors migrçõs humns históri. [...] Por qu s migrv? Priniplmnt por rzõs onômis [...]. Não há úvi qu os pors rm mis inlinos migrr qu os rios qu stvm mis ispostos fzê-lo s su vi triionl s hvi fito ifíil ou impossívl. Font: HOBSBAWN pu PESAVENTO, Snr (org.). 500 nos Améri. POA: E. UFRGS, p. 82. A grn migrção uropi pr Améri, ntr os nos , stá rlion om ris mográfi prouzi pls gurrs muniis uropis, omin om s novs possiilis trlho inustril surgis n Améri. s trnsformçõs provos nos mpos uropus, vio à xpnsão pitlist à nssi mão or rn livr n Améri. rssão onomi uropi provo pl Rvolução Inustril rtrção s frontirs gríols pstoris n Améri. políti rmnto os mpos pr introução novs ténis gríols possiili quisição propri rurl n Améri. rro o pitlismo uropu, o vnço polítio lss trlhor uropi s novs oniçõs vi trlho n Améri. 03

4 Txto Pr rsponr às qustõs númros 03 04, li o txto sguir. Sujinho suávl Psquiss onfirmm qu não s v lvr xtrmos os uios om higin s rinçs, so pn xpô-ls lrgis infçõs Um séri psquiss fits s o fim os nos 80 lv os intists ritrm qu [...] o xgro o sforço mntr s rinçs fsts s téris om qu ls s prm no su i i po minr s rsistênis o orgnismo rir minho pr s onçs qu s qur vitr. A mis rnt sss psquiss, snvolvi pl Univrsi Clifórni ivulg há três smns, onlui qu s téris Stphyloous pirmiis, prsnts n suprfíi pl humn, gm sor s éluls pirm pr loqur os prossos inflmtórios. Ess ção vit qu pqunos frimntos infionm. Oorr qu sss téris são struís por sinftnts, trgnts sõs. A srtári gúh Anri Gri rit qu s mãs hoj são xssivmnt proups om higin s rinçs. Su filho Guilhrm, 4 nos, or nr slço rinr n trr té fir nrio, ms nun lv ron. "Aho qu um pouo vitmin S, Sujir, rforç s fss o orgnismo", l iz. A psquis mrin onfirm tori tiz plos intists hipóts higin. Sguno l, té os 5 nos i, quno o sistm imunológio rinç stá m fs murimnto, o ontto om téris trz ois nfíios: prpr o orpo ontr lrgis prvin onçs utoimuns. [...]. "Nosso orgnismo pris trinr tolrâni os gnts xtrnos", iz o imunologist Vitor Nulmn, o Hospitl Alrt Einstin, São Pulo. A téni m riologi Mríli Mrr, Lonrin, triui sú os filhos Mtus, 10 nos, Gril, 2, à lir qu têm pr rinr n trr. "Dixo s rinçs livrs. S ls m ou ingrm lgo qu não vm, não m sspro", l iz. Font: BUTTI, Ntháli. Sujinho suávl. Vj, Sú, 16 z p (pto). Qustão 03 Consir s sguints firmçõs: I - A intrminção o sujito gnt ns struturs "s prm" ( l. 3) "s qur vitr" ( l. 4-5) sugr qu o nunio é prouto um sr oltivo. II - São usos rgumntos utori xmplifição xpriêni otiin omo strtégis pronfirmrvlihipótshigin. III - O mprgo s vírguls qu intrlm s xprssõs " Sujir" ( l. 15) " z nos" ( l.23) justifi-s pl msm rgr qu trmin o mprgo vírgul ntnt "trgnts" ( l. 10). 04

5 Está(ão) orrt(s) pns I. pns I III. pns II III. pns II. pns III. Qustão 04 Com rlção à strutur frsl rursos osivos prsnts no txto, ssinl vrir (V) ou fls (F) ns firmçõs sguir. ( ) ( ) ( ) No sutítulo, sustituição "ls" por "lhs" é qu so o ponto vist norm-prão, hj vist itrnsitivi o vro xpor. Em " su i i" ( l. 3) " Su filho" ( l. 12), os trmos sulinhos rtomm o msmo rfrnt no txto. Os lmntos "ls" ( l. 3) "qu" ( l. 4) rfrm-s, rsptivmnt, "téris" ( l. 3) "onçs" ( l. 4). A squêni orrt é F V F. V F V. F F F. V V F. F V V. Qustão 05 O álool tílio é onsiro um sinftnt ntisséptio, om finli higinizção s mãos, pr prvnir grip H1N1. Ess álool po sr otio pl frmntção çúrs, omo glios: C H O 2C H OH l + 2CO (s) 2 5 ( ) 2 (g) ΔH = - 68 kj mol -1 Entlpi-prão formção um mol sustâni n tmprtur 25ºC 1 tm Sustâni CH O (s) CO 2 (g) 0-1 ΔH (kj mol ) f A ntlpi-prão formção um mol álool tílio, m kj mol, é, proximmnt,

6 Qustão 06 Font: VINCENT, Brnr. 1492: Dsort ou Invsão?. RJ: Jorg Zhr, p.119. (pto) Anlis o quro: Evolução populção o Méxio (m milhõs hitnts) , , , , , , ,0 O ntuo línio populionl os sts o Méxio, no séulo XVI, stá rliono, ntr outros, om os sguints ftors: I - utilizção rms fogo ltmnt strutivs urnt os prossos onquist militr. II - s pimis ltis trzis plos onquistors, omo grip, vríol, o srmpo. III - intnsifição srvião inígn o tráfio srvos ínios pr mtrópol. IV-violêniolonilltmortlivioogrvmnto s oniçõs vi os ínios. Está(ão) orrt(s) pns I. pns II. pns III IV. pns I, II IV. I, II, III IV. Qustão 07 O sngu é um xmplo fluio rl, rsponsávl plo trnsport s sustânis nssáris à vi m grn prt os srs vivos. Um propri hiroinâmi importnt é prssão xri plo sngu sor os vsos snguínos. Ess grnz vri grnmnt o longo o iruito vsulr, tl qu, m srs humnos suávis, l tm um vlor máximo 120 mmhg quno si o orção i 4 mmhg o rtornr ss órgão. A qu po sr triuí qu prssão oorri o longo o iruito vsulr? Ao trito ntr o sngu s prs os vsos. À rução vzão snguín o longo o iruito. À rução ár sção rt os vsos. À trnsição o rgim somnto lminr pr turulnto. Ao umnto nsi o sngu. 06

7 Qustão 08 A tl mostr o rsulto um psquis sor tipos snguínos m qu form tsts 600 pssos. R$ Tipo 220,00 (prnso sngu limpo) O + A + B + AB + O - A - B - AB - Númro R$ 220,00 (prnso pssos limpo) Qul é proili um psso solhi o so tr sngu o tipo A ou A?

8 Qustão 09 Li o txto sguir pr rsponr à qustão. Chkup x invstigção Os méios mprgm o trmo hkup pr s rfrir xms qu vlim onição spífi o sto s mms ou o prfil olstrol nts prsnç sintoms. Ms, quno s quixs já prm, fl-s invstigção ignósti tsts são soliitos pr sorir o qu n rro. Um xmplo é nosopi, qu é prsrit int rlmçõs omo quimção ors stômgo. A sguir, prsnt-s um slção tsts inispnsávis m lgum momnto vi Prssão rtril É onfrêni prssão o pint por mio um prlho. O xm ostum sr fito prtir os 18 nos ms vri sr rquisito in n infâni. Pris sr rptio, no mínimo, um vz por no. Dtt ltrçõs n prssão rtril ignosti hiprtnsão, ftor riso pr infrtos rrms. Hmogrm É o xm sngu qu rgistr o stoqu éluls vrmlhs rns. É soliito s infâni. A mnos qu hj lgum motivo, po sr rfito nulmnt. Sinliz o sto o sngu o sistm imunológio, usno prolms omo infçõs. 45 Colstrol glimi São tsts snguínos qu vlim onntrção gorurs çúr n irulção. Pom sr ritos s infâni, ms pois os 18 nos inição gnh in mis onsistêni. Dpois os 40 nos, romn-s rpti-los nulmnt. Flgrm ltos nívis olstrol trigliéris, qu fvorm s pls pzs ostruir os vsos. Já mi glios us propnsão o it. Font: SPONCHIATO, Diogo. O qu é um hkup intlignt. Sú! é vitl, mr. 2011, p (pto) 08

9 Com rlção os proimntos linguístios usos no txto à strutur omposiionl, ltrntiv qu prsntumnálisinadequadaésguint: As informçõs sor os xms itos stão orgnizs nst squêni: finição, prioii motivo. O mprgo vros no prsnt o initivo orroor xposição firmçõs gris qu pom sr vális pr sos prtiulrs. A usêni primir psso o singulr nutrliz figur o nunior, inino qu o ontúo o txto não é mr opinião. O uso s struturs pssivs "são soliitos" ( l. 12) "é prsrit" ( l. 15) inlui os méios omo sujito pint. A prsntção os motivos pr rlizção os xms é introuzi por vros qu prtnm o msmo prão frsl. Qustão 10 Lgn Normis Aftos A figur rprsnt o hrogrm um fmíli m qu oorr o ltonismo. A psso intifi om um st s trt um mulhr ft qu tm os ois romossomos X om o gn rssivo pr ltonismo. um mulhr ft qu tm pns um os romossomos X om o gn rssivo pr ltonismo. um homm qu trá snnts ftos, já qu o ltonismo stá ligo o romossomo X. um mulhr qu não trá snnts ftos plo ltonismo, o qul stá ligo o romossomo Y. um homm, já qu não xistm mulhrs fts, pois o ltonismo stá ligo o romossomo Y. 09

10 Qustão 11 As onçs riovsulrs são prinipl us mort m too muno. D oro om os os Orgnizção Munil Sú, 17,3 milhõs pssos morrrm m 2012, vítims sss onçs. A stimtiv é qu, m 2030, ss númro sj 23,6 milhõs. Suponh qu stimtiv pr 2030 sj tingi onsir ( ), n Є N, squêni qu rprsnt o númro morts (m milhõs pssos) por onçs riovsulrs no muno, om n=1 orrsponno 2012, om n=2 orrsponno 2013 ssim por int. S ( ) é um progrssão ritméti, ntão o 8 trmo ss squêni, m milhõs pssos, é igul n n 19,59. 19,61. 19,75. 20,10. 20,45. Qustão 12 O mrgulho profuno po usr prolms sú o mrgulhor vio à lt prssão. Num mr águs lms, I - prssão sor o mrgulhor umnt proximmnt 1 tm 10 m profuni. II - o móulo forç mpuxo qu tu sor o mrgulhor rs linrmnt om profuni. III - ifrnç prssão ntr os pés ç o mrgulhor, num mrgulho vrtil, é prtimnt inpnnt profuni. Está(ão) orrt(s) pns I. pns I III. I, II III. pns II. pns II III. 10

11 Qustão 13 O sttosópio é um instrumnto utilizo plos méios pr sutr sons orporis onsist um Pç Auriulr pç usultor, tuos onutors som pçs uriulrs, qu s ptm o nl uitivo o Ar Tuo Flxívl Tuos Mtálios méio. Mmrn Então, nlis s firmtivs: I - To on om frquêni ntr 20 Hz Hz é um on sonor. II - On é nrgi qu s propg virtorimnt. III - Num on longituinl, nrgi s propg o longo irção propgção on. Está(ão) orrts(s) pns I. pns I II. I, II III. pns II. pns III. Qustão 14 O nfism pulmonr é um onç rôni qu ft os lvéolos, ltrno sus onfigurçõs. A figur rprsnt lvéolos suávis nfismtosos. Dí, po-s firmr qu 1 2 o nfism intrfr pns n sorção oxigênio, não prjuino liminção ióxio rono, já qu s tros gsoss oorrm por trnsport tivo pssivo, rsptivmnt. s tros gsoss oorrm por ifusão imgm 2 rprsnt os lvéolos onts uj iltção mpli ár ontto o lvéolo, ruzino pi rspirtóri. s tros gsoss oorrm por trnsport tivo os lvéolos s imgns 12ifrnim-spns m tmnho têm msm pi tro gsos. pi inspirção, nos lvéolos imgm 2, é prjui nqunto xpirção s mntém fiint, um vz qu s tros gsoss oorrm por trnsport tivo, om gsto nrgi. s tros gsoss oorrm por ifusão imgm 2 rprsnt os lvéolos onts uj inflmção iminui ár tro gsos, ruzino fiiêni rspirtóri. 11

12 Qustão 15 O invrno é rtrizo pl oorrêni ixs tmprturs, spilmnt ns rgiõs o sul o Brsil. Por ss rzão, é lto o íni iniêni onçs rspirtóris, moo qu primir romnção é mntr-s rigo smpr qu possívl gslhr-s qumnt. Consirno os sptos trmoinâmios os fnômnos nvolvios, nlis s firmçõs: I - Os quors vm sr mntios próximos o piso o mint, porqu onutivi térmi o r é mior quno próxim à suprfíi Trr. II - Enrgi é trnsfri ontinumnt ntr o orpo s sus vizinhnçs por mio ons ltromgnétis. III - O to nolhr-s prmit às pssos iminuir su ár xpost o mint, onsquntmnt, iminuir pr nrgi. Está(ão) orrt(s) pns I. pns I III. I, II III. pns II. pns II III. Qustão 16 o o A tmprtur o orpo humno onsir il vri ntr 36 C 36,7 C. Num sistm físio mis simpls, omo um gás il m quilírio, tmprtur stá ssoi à nrgi méi por prtíul. o gru osilção s prtíuls. o lor spífio. à qunti lor intrno. à nrgi sorvi ou pri. Qustão 17 Em Váris Históris, Mho Assis fz um spéi riogrfi lm, pr ifrr o orção sus prsongns, ompono sus rtrs rvlno sus sntimntos srtos. Em "A us srt", qu sntimntos rtrizm Fortunto? O trtmnto io um frio sonhio, om qum sulmnt s pr n ru, monstr soliri proupção om o outro. O xm oo ntomi nimis rvl su voção méi su intrss vriro pl iêni. Os sforços méios o ompnhmnto io à onç o sofrimnto spos rimm prsongm, inino fição, omoção tristz. A sort os sntimntos srtos qu o migo Gri nutri por su spos us iúm sspro m Fortunto. O intrss por um pç ttrl om ns violêni lns olorosos sugr su przr stisfção int or o sofrimnto lhios. 12

13 Qustão 18 Pr uir sú, muits pssos usm tnimnto m is miors on há ntros méios spilizos hospitis mis quipos. Muits vzs, o trnsport té sss is é fito por vns isponiilizs pls prfiturs. Em um vn om 10 ssntos, vijrão 9 pssgiros o motorist. D quntos moos istintos os 9 pssgiros pom oupr sus poltrons n vn? Qustão 19 Pr mlhorr s oniçõs ssiili um líni méi, foi onstruí um rmp onform inio n figur. 16 m º O omprimnto horizontl rmp, m mtros, po sr xprsso por 4(2-3) (2+ 3)

14 Qustão 20 Um limntção suávl, om muits fruts, trz inontávis nfíios à sú o m-str. Contuo, ingstão frut vr ix um sor stringnt n o. Por isso, o gás tno é utilizo pr lrr o murimnto s fruts, omo nn. Inustrilmnt, o tno é otio pl sirognção o tno, m lts tmprturs (500ºC) n prsnç um tlisor (óxio vnáio), onform mostro n rção sguir. H H H C C H H H H H C H C + H H ΔH = kj mol -1 H Enrgi ligção (kj mol -1 ) Ligção Enrgi C C C H C C O vlor soluto nrgi ligção H H, m kj mol, é, proximmnt,

15 Qustão 21 As fruts são fonts nturis vitmins sis minris uxilim n prvnção onçs. Suponh qu s quçõs o sistm 70 x + y = 260 x + y + 7 z = x + 12 z = 84 rprsntm, rsptivmnt, qunti vitmin C, álio fósforo, quno são ingris s porçõs x, y z três tipos fruts ifrnts. S-s qu o sistm tm omo solução x = 3, y = 1 z=2. Qul é o trminnt mtriz os ofiints o sistm? Qustão 22 O vinho tinto o lit são néfios à sú humn, pois são ótims fonts ntioxint (rsvrtrol) álio, rsptivmnt. Os vinhos zm mis rpimnt, quno rmznos m lois mis qunts. O lit glo (5ºC) s onsrv mlhor o qu o guro n tmprtur mint (25ºC). Esss ftos otiinos rvlm qu há um rlção irt ntr tmprtur oxição o vinho tinto omposição o lit. Anlis s sguints firmtivs m rlção o fito tmprtur sor vloi s rçõs: I - Qunto mnor tmprtur, mnor vloi um rção, pois há um mnor qunti moléuls om nrgi sufiint pr prtiipr rção. II - O umnto tmprtur umnt somnt vloi s rçõs notérmis. III - Qunto mior tmprtur, mior vloi um rção, pois há um iminuição nrgi tivção. Está(ão) orrt(s) pns I. pns III. pns II III. pns II. pns I II. 15

16 Qustão 23 O onsumo munil rn vm umntno, o qu trz imptos não só à sú omo o mio mint. Plo mnos mt s missõs rsilirs gss o fito stuf é us pl puári ovin, ini um stuo intrisiplinr o INPE (Instituto Nionl Psquiss Espiis). A mior prt o prolm s v o smtmnto pr rir pstgns n Amzôni no Crro, firm o trlho, ms frmntção ntéri o go s quims ns árs pstgm ão um imnsão mior o prolm. O plno ort missõs o Brsil, porém, não tm um orgm spífi pr uir os ois. Font: Folh S. Pulo, 11/12/2009. (pto) Emissõs puári rsilir m milhõs tonls CO 2 quivlnt, m 2008, por iom AMAZÔNIA CERRADO OUTROS 54,3% 7% 0,01% 16,8% 11,3% 0,04% 10,3% 0,006% smt igstão quim priói smt igstão quim priói igstão quim priói Font: Folh S. Pulo, 11/12/2009. (pto) Consirno sss informçõs, nlis s firmtivs: I - O smtmnto postrior quim volvm à tmosfr o rono rtio ns plnts, mitino monóxio ióxio rono, gss fito stuf. II - O smtmnto o Crro ontriui pouo om missão gss fito stuf no Brsil. III - Um form iminuir missão mtno é trnsfrir too rnho Amzôni o Crro pr outros ioms. IV - A frmntção o limnto no trto igstório o go gr o gás mtno, um poroso gás fito stuf. Estão orrts pns I II. pns II III. pns III IV. pns I IV. pns II IV. 16

17 Qustão 24 Osrv notíi: FAO romn limntção om instos pr omtr fom Instos são rios m nutrints, têm ixo usto proução, são ológios liiosos FOTO: MARK RALSTON/AFP Instos omstívis m Pquim Font: Disponívl m: <www.zh.om.r>. Asso m: 29 mi (pto) Assinl vrir (V) ou fls (F) m firmtiv. ( ) ( ) ( ) A rição instos é um opção os prolms mintis orrnts griultur puári xtnsiv, qu usm muit águ prouzm gss o fito stuf. Os instos são unnts m too o muno um ri font protíns minris. Muits ulturs o ror o muno utilizm, há muito tmpo, os instos pr limntção populção pr fins miinis. A squêni orrt é V V V. V F F. F V F. V F V. F F V. 17

18 Qustão 25 Osrv o gráfio: Totl ortos Aortos lgis Mortli mtrn Aortos ilgis Aorto não riminlizo Aorto riminlizo Aorto não riminlizo Font: Aortmnto omo prolm sú púli. Rvist Sú Sxul Rproutiv. Eição númro 18, julho Disponívl m: <http://www.s.org.r/rvist/julho05.html>. Asso m: 31 mi (pto) Em rlção o visulizo no gráfio, ssinl vrir (V) ou fls (F) m um s firmçõs. ( ) A riminlizção o orto onstitui um mi qu promov iminuição s txs mortli mtrn. ( ) O orto não riminlizo onstitui-s m um grn rsponsávl pl mortli mtrn, pois s osrv um rlção ntr s txs ortmnto mort mtrn. ( ) Quno o orto é riminlizo, há umnto nos ortos ilgis no totl ortos, m omo n mortli mtrn. A squêni orrt é V V F. F V F. F F V. V F F. F V V. Qustão 26 A lts é nzim rsponsávl pl igstão ltos o lit, su usêni no orgnismo humno us intolrâni o prouto os sus rivos. A tl prsnt, m ifrnts rgiõs o plnt, porntgm populção ult qu sofr ss intolrâni. Grupo % ultos intolrnts à ltos Nort-Europus 2 15 Amrinos Brnos 6 22 Cntro-Europus 9 12 Nort-Ininos Sul-Ininos Hispânios Ngros Ínios Amrinos Asiátios Font: Disponívl m:<http://www.milkpoint.om.r/mn/lit_su/fotos/ls_260905_4.gif>. Asso m 14 go (pto) 18

19 A igstão o lit n miori os mmífros só oorr n infâni, urnt o príoo mmntção. No ntnto, m populçõs om um trição puári litir, um form mutnt o gn lts ontinu tiv n i ult: glios o álio provnints sss limntos trzm vntgns rproutivs os ultos tolrnts. O stuo prsnç lts m ifrnts tnis populçõs muniis po lvr firmr: Em um urto przo, intolrâni à ltos m siátios ínios mrinos tn umntr, n mi m qu sss populçõs pssrm rir go. A slção nturl não oorr mis n spéi humn, s prssõs volutivs já não rsultm m ifrnçs signifitivs ntr s pssos. A volução n spéi humn oorru, há milhrs nos, pns m lgums populçõs qu snvolvrm griultur puári. A slção nturl tn xtinguir ultos om intolrâni à ltos, já qu sts não trão susso rproutivo. As munçs soioonômis ulturis são prt no prosso volutivo spéi humn, ontinu-s so influêni slção nturl. Qustão 27 A xpnsão os pioniros nort-mrinos, nos trritórios ost o Rio Mississípi, provoou ns omo ilustr o lo: inígns onsumino i loóli. A rspito xpnsão trritoril os Estos Unios, é possívl firmr: Os inígns tivrm possiili s tornrm iãos os Estos Unios, o qu ontriuiu pr mnutnção sus moos triis. Os inígns form prjuios pl xpnsão os pioniros, o onsumo álool ontriuiu, ssim omo s onçs, pr ilitá-los o ponto vist sú. Os trtos fitos ntr os inígns os govrnos nort-mrinos ssgurrm tnto xpnsão os pioniros qunto prsrvção s trios inígns. Os inígns otrm ivrsos ostums ivilizção rn, ntr ls o onsumo álool, sss háitos os onilirm om su ultur triçõs. Font: HOBSBAWN pu PESAVENTO, Snr (org.). 500 nos Améri. POA: E. UFRGS, A xpnsão os pioniros oorru rgi plo prinípio mortizção propri trr irito o sso à trr púli soup tmém foi grnti propri oltiv o inígn. 19

20 Qustão 28 Prts or José Alnr Gonçlvs Dis ontrium pr rir um imgm o inígn rsiliro, su rlção om o olonizor português s onsquênis ss rlção. Tl imgm, no ntnto, nm smpr é lr úni, prmitino ifrnts intrprtçõs. Sno ssim, tos s intrprtçõs sguir são plusívis, EXCETO: A mnir omo onvrsão Poti à rligião ristã é rprsnt, no finl Irm, xpliit um vlição ngtiv sujição os inígns à rligião tóli, omo s tl itção rsultss n orrupção morl o inígn. Quno Irm firm "Tu és Moir, o nsio o mu sofrimnto", po str sugrino qu, pr um povo mstiço nsr, fruto união us rçs us ulturs, foi nssário o srifíio o sofrimnto ntivos rsiliros. O nrror xlt, m Irm Poti, f "iviliz" os ntivos, fiéis, hospitliros migos o rno uropu, ms não ix str tmém orgm rvur quls qu lutm por sus trrs pl trição inígn, opono-s o invsor português, omo Irpuã. O pom "Mrá", m qu um mstiç, filh ínio rno, lmnt o sprzo os homns su trio por não possuir o prão lz qu ls vlorizm, sugr o onflito, o sntimnto inqução quls qu nsrm ss fusão trços étnios ulturis istintos. Gonçlvs Dis onstrói um imgm iliz o inígn, muito próxim os molos hroios o mivlismo uropu, não ix ritir inirtmnt, m lguns os sus poms, invsão o olonizor s onsquênis sstross l pr o olonizo. Qustão 29 Osrv o mp: Muno: prinipis fluxos o tráfio rogs zons proução onsumo Prinipis zons proução Cnnis stiv (monh) Co Ópio Prinipis zons onsumo Prinipis fluxos o tráfio Cntro onsumo ou tráfio Font: As, Mlhm; As, Sérgio. Expiçõs Gográfis. São Pulo: Morn, p. 79. Figur 21. (pto) 20

21 D oro om o mp, é orrto firmr qu I - o mior númro rots fornimnto rogs ilíits tm omo origm lguns píss Améri o Sul Sust Asiátio. II - miori s is lssifis omo prinipis zons onsumo stão lolizs m píss snvolvios. III - o tráfio rogs stá rstrito às grns is o muno. IV - s zons proução munil rogs onntrm monh, ópio o. Estão orrts pns I II. pns II III. pns I, II IV. pns I III. pns III IV. Qustão 30 A intnsifição o prosso urnizção promov o nsimnto grns glomrçõs urns. Assim, o mio m qu viv mior prt populção vm xprimntno grns trnsformçõs, o qu impli, vz mis, o fstmnto s oniçõs ológis nturis o mint, prouzino rflxos sor sú quli vi s pssos. Font: TERRA, Lygi; ARAÚJO,Rgin; GUIMARÃES, Rul Borgs. Conxõs: stuos gogrfi grl o Brsil.1.. São Pulo: Morn, 2008.p (pto) Nss sntio, o rfltir sor um molo gstão urn sustntávl, o mprgo Sistms Informção Gográfi (SIG) é funmntl, porqu rtir os mps função omunição, informção orgnizção os. ruz o potnil utilizção os mps omo instrumntos nális spil. miori s nssis informçõs os gstors stá rlion om um lolizção gográfi. srtiul os os onvnionis xprssão spil os strutur m sls rprsntção omptívl om s árs urns. mntém proporção ustos tulizção, sustituição, ição, uplição imprssão os proutos gros, quno há omprção om os métoos triionis lvntmnto informçõs. 21

22 Qustão 31 Osrv figur: Porz A prtir osrvção figur sus onhimntos, é orrto firmr: Dsnutrição Font: MONTEIRO, Crlos Augusto. Fom, snutrição porz: lém smânti. Sú Soi. V.12,n.1, p.9, jn-jun (pto) I - Porz orrspon à onição não stisfção nssis ásis, omo omi, rigo, vstuário, ução ssistêni à sú. II - Dsnutrição po sr motiv pl porz pl fom; ntrtnto, nm smpr stá rlion om sss prolms. III - Emor porz, fom snutrição sjm prolms nturz imnsão istints, porz promov fom, fom lv à snutrição. Fom Está(ão) orrt(s) pns I. pns I II. I, II III. pns III. pns II III. Qustão 32 A rsistêni os ngros à srvião já s mnifstv n própri Áfri. Em Angol, por xmplo, milhrs ngros runirm-s m mpmntos fortifios nominos kilomos, on prtim, rmos, pr tntr struir s trios qu fornim srvos pr os uropus. Font: FARIA, R.; MIRANDA, M.; CAMPOS, H. Estuos Históri, 1. São Pulo: FTD, 2009, p N Históri os Ngros no Brsil, lém prmnnt "rsistêni sur" trvés ssssintos snhors, fugs, suiíios infntiíios, houv tiv xprssiv prtiipção políti lírs rvoltosos ngros m movimntos, omo rvolt Bkmn no Mrnhão, no séulo XVII gurr os Emos, n rgião s Mins, no séulo XVIII. gurr os Msts m Prnmuo rvolt Flip os Sntos m Vil Ri, ms no séulo XVIII. Inonfiêni Minir, no séulo XVIII, Rvolução Prnmun, no séulo XIX. Conjurção Bin, no séulo XVIII, Rvolt os Mlês n Bhi, no séulo XIX. Gurr os Frrpos, no sul o Brsil, Rvolt "Sin" n Bhi, ms no séulo XIX. 22

23 Qustão 33 Osrv figur: Font: As, Mlhm; As, Sérgio. Expiçõs Gográfis. São Pulo: Morn, p (pto) Algums çõs humnitáris n Áfri Açõs Cruz Vrmlh 1 - Distriuição mtril gríol ps. 2 - Sminário sor iritos os tios, higin sú. 3 - Distriuição limntos águ potávl. 4 - Distriuição limntos utnsílios oméstios ssniis. 5 - Envio mtril mrgnil vários ntros méios D oro om o mp, é possívl firmr qu s çõs humnitáris n Áfri, ntr , ontrm nos píss on xistm mulhrs vítims violêni sxul mutilção, pssos snutris portors DSTs. pns nos píss lolizos ntro os grns srtos. priniplmnt n Somáli, vio à oorrêni grns furõs m m píss muçulmnos, qu não prmitm utilizção miin ointl m su populção. nos píss mis pors o ontinnt frino. Açõs os Méios sm frontirs 6 - Assistêni mulhrs vítims violêni sxul s rs tráfio pssos. 7 - Assistêni nutriionl rinçs trtmnto mlári. 8 - Progrms pr trtmnto vítims turulos Ais. 9 - Projto piloto pr trtmnto vítims turulos multirrsistnt Implntção pquns línis ruris pr trtr vítims Ais turulos multirrsistnt. Qustão 34 Osrv o gráfio: Númro méios (por 100 mil hitnts) Font: Disponívl m: <http://www.silo.l/>. Asso m: 02 jun (pto) Cu Conform o gráfio, é orrto firmr: 500 I- Há um tnêni qu rvl rlção ntr o númro méios por Estos Congo Unios Argntin hitnt o Íni Dsnvolvimnto Humno os píss. 200 Cná II - Intifim-s grupos píss qu prsntm istriuição ltóri m Ingltrr 100 Brsil rlção númro méios por hitnt Íni Dsnvolvimnto Chin Chil Íni Hiti 0 Cori o Sul Humno III - Estos Unios, Cná Ingltrr Íni Dsnvolvimnto Humno (IDH) são xmplos píss qu pr- sntm rlção signifitiv ntr númro méios por hitnt Íni Dsnvolvimnto Humno. Está(ão) orrt(s) pns I. pns I II. I, II III. pns III. pns II III. 23

24 Font: ARRUDA, J. Nov Históri Morn Contmporân. Buru, SP : Eus, 2005, v. 2, p. 40. Qustão 35 Anlis os txtos: A inústri foi morniz n Ingltrr, urnt o séulo XIX, ms os vlhos métoos xplorção o trlho não murm: s Quno xmini s três ns rro qu srvm hospitl os ntivos m Lopolvill, tos triors us om o jorns trlho form prolongs os tto plh prtimnt struío, slários iminuíos, fzno rsr os nontri zsst pints om onç luros, spilmnt ns mins rvão, o sono, homns mulhrs, jogos n pior om o trlho infntil. Os srúpulos sujir. A miori jzi no hão nu - muitos humnitários rsumirm-s às ss pr trlhors svlios, sor s quis srvu Chrls Dikns, m Olivr Twist: 'os pors têm us solhs, morrr o lo for, m frnt às ss, pouo nts minh hg, um mulhr m stágio finl insnsiili tinh ío no fogo s quimo horrivlmnt. fom lntmnt s prmnm no pósito, ou rpnt, s sm lá. Os txtos rltm us mnifstçõs o() rismo os uropus m rlção os ntivos frinos. Font: FARIA, R.; MIRANDA, M.; CAMPOS, H. Estuos Históri, 2. São Pulo: FTD, 2009, p (pto) spolição os trlhors n tp imprilist o pitlismo. flêni s polítis ssistniis proposts plos soilists. sprpro s utoris pr lir om moléstis pouo onhis. insufiiêni missão ivilizor rstringi à imnsão rligios. Qustão 36 Osrv o mp: Gogrfi os ssntmntos prários Font: TERRA, Lygi; ARAÚJO, Rgin; GUIMARÃES, Rul Borgs. Conxõs: stuos gogrfi grl o Brsil. 1.. São Pulo:Morn, 2008.p.404. Aproximmnt um m sis pssos no muno viv m hitçõs informis, ou sj, hitçõs improviss ou ins, onstruís om rstos mtriis lvnri ou pplão. A ONU (Orgnizção s Nçõs Unis) s fin omo ssntmntos prários list, ns prinipis rtrístis sss ssntmntos, o sso inquo à águ potávl, ix quli struturl os omiílios, o nsmnto xssivo insgurnç. Font: TERRA, Lygi; ARAÚJO, Rgin; GUIMARÃES, Rul Borgs. Conxõs: stuos gogrfi grl o Brsil. 1..São Pulo:Morn, p.404. (pto) 24

25 D oro om o txto om s informçõs o mp, é orrto firmr: Entr toos os ontinnts, Áfri prsnt mlhor situção, ou sj, mnor proporção ntr populção urn totl populção urn hitnt os ssntmntos prários. A mlhor situção stá prsnt no ontinnt siátio, pois ss ontinnt prsnt lv proporção ntr populção urn totl populção urn rsint m ssntmntos prários. A mior proporção ntr populção urn totl populção urn rsint nos ssntmntos prários stá no ontinnt uropu. N Áfri susrin no sul Ási, stão s piors situçõs, ou sj, sss árs prsntm s miors proporçõs ntr populção urn totl populção urn hitnt ssntmntos prários. Oorr um quilírio n proporção ntr populção urn totl populção urn rsint nos ssntmntos prários, onsirno os ivrsos ontinnts. Qustão 37 Anlis os txtos: Com tos s sus fiiênis, s primirs Lis Fris [Grã-Brtnh, ] form os primiros iritos soiis lglmnt onquistos n r o pitlismo inustril. A limitção i pr o trlho infntil jorn trlho pr rinçs olsnts são intrvnçõs signifitivs o Esto no funionmnto [...] o mro trlho. Esss lis lrm qu lir ontrtr não é ilimit qu o limit épsso humn, uj intgri físi mntl tm sr prsrv. Font: SINGER, Pul. A ini pr toos. In: PINSKY, J. (org.). Históri Cini. SP: Contxto, p A prtir o txto, ssinl ltrntiv orrt. Intrssos n intgri m-str os trlhors, os inustriis o Esto ritânio, s o, fvorrm um mpl lgislção trlhist. Ds Rvolução Inustril, os pitãs inústris s proupm om implntção um lgislção trlhist stli plo Esto, pois só ssim s onrtizm os iis o lirlismo. As lis qu ssgurm limits às rlçõs trlho são importnts pr o movimnto oprário, porém, historimnt, não grntirm su ftivção, xigino moilizção os trlhors. Do ponto vist o movimnto oprário, s o iníio Rvolução Inustril, r importnt fnr livr ontrtção os mprgos plos ptrõs, ssim omo não intrmição o Esto ns ngoiçõs slriis. Os intrsss o Cpitl os o Trlho form hrmonizos plo Esto ritânio, tno m vist os pritos liris qunto à intrvnção sttl n sfr s rlçõs trlhists. 25

26 Txto Pr rsponr às qustõs númros 38 39, li o txto sguir Supr-hróis jum rinçs itr quimiotrpi Hospitl ri trtmnto infntil om ssórios Lig Justiç ofr gii sor lut o Btmn ontr o ânr omo inspirção rinçs om onç s Font: ARANHA, Frnn. Minh Sú. ig São Pulo. Disponívl m: <www.su.ig.om.r/ /supr-hrois-jum-rins--itr-quimiotrpi.html> Asso m: 06. jun (pto)

27 Qustão 38 Assinl vrir (V) ou fls (F) ns firmtivs sguir. ( ) ( ) ( ) No título sutítulo notíi, o uso os vros no prsnt o initivo sugr qu o trtmnto rio plo hospitl AC.Cmrgo prur no momnto nunição. As xprssõs "vi juá-los" ( l. 22) "vão m jur" ( l. 39) prsntm um strutur grmtil frqunt n lingugm informl pr inir futuri, o qu orrsponri, n normprão, "os jurá" "m jurão" rsptivmnt. Os sptos vris "omçou rr" ( l. 6) "pssrm tr sso" ( l. 13) inim ifrnts oniçõs sú m qu s nontrm o supr-hrói s rinçs om ânr intrns no AC.Cmrgo. A squêni orrt é F F V. F V F. V V V. V F F. V V F. Qustão 39 Assinl ltrntiv orrt qunto o ppl smântio xrio pl prposição no xrto m stqu, tno m vist o ontxto m qu foi mprg no txto. "Suprfórmul ontr onç" ( l. 6-7) proximi " HQ om trjtóri vitorios" ( l. 21) ompnhi "onologi piátri o AC.Cmrgo" ( l. 28) "prsntr o ânr às rinçs" ( l ) poss us "fz to ifrnç pr os mninos s mnins" ( l ) lugr Qustão 40 O isótopo 60 o olto o isótopo 131 o ioo são utilizos n miin pr o trtmnto éluls nross. O imnto ritivo sss rioisótopos pom sr rprsntos por: 60 27Co 60 28Ni + X Assinl s s firmçõs sguir são vrirs (V) ou flss (F). ( ) As prtíuls X Y mitis urnt os imntos não prsntm rg. ( ) O isótopo 131 o ioo mit rição gm. ( ) No imnto ritivo o olto, o nulío "pi" o nulío "filho" prsntm o msmo númro mss. A squêni orrt é I X + Y V F F. F F V. V V F. F V V. F V F. 27

Biologia Física Geografia História Língua Estrangeira Língua Portuguesa Literatura Brasileira Matemática Química. Prova Seletiva.

Biologia Física Geografia História Língua Estrangeira Língua Portuguesa Literatura Brasileira Matemática Química. Prova Seletiva. 2 Biologi Físi Gogrfi Históri Língu Estrngir Língu Portugus Litrtur Brsilir Mtmáti Quími Prov Sltiv Insrição nº: 02 Qustão 01 Com o vnço intífio o séulo XIX, m spil, om s sorts o químio iólogo frnês Louis

Leia mais

CASA DE DAVI CD VOLTARÁ PARA REINAR 1. DEUS, TU ÉS MEU DEUS. E B C#m A DEUS, TU ÉS MEU DEUS E SENHOR DA TERRA

CASA DE DAVI CD VOLTARÁ PARA REINAR 1. DEUS, TU ÉS MEU DEUS. E B C#m A DEUS, TU ÉS MEU DEUS E SENHOR DA TERRA S VI VOLTRÁ PR RINR 1. US, TU ÉS MU US #m US, TU ÉS MU US SNHOR TRR ÉUS MR U T LOUVRI #m SM TI NÃO POSSO VIVR M HGO TI OM LGRI MOR NST NOV NÇÃO #m #m OH...OH...OH LVNTO MINH VOZ #m LVNTO MINHS MÃOS #m

Leia mais

NESS-A TOUCH SCREEN 7" C/ MODEM

NESS-A TOUCH SCREEN 7 C/ MODEM 6 7 8 9 0 QUIPMNTOS ONTROLOS OMPRSSOR LTRNTIVO // LTRÇÃO LYOUT-IM MUTI PR SOPOST OTÃO MRÊNI LLN9 0 07/0/ LTRÇÃO O MOM O LYOUT LOUV 7 0 06// INLUSÃO O ORINTTIVO O LÇO OMUNIÇÃO IO V. 00 8/0/ INIIL TOS R.

Leia mais

ORION 6. Segunda Porta USB. Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda.

ORION 6. Segunda Porta USB. Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. ORION 6 Sgun Port USB Hnry Equipmntos Eltrônios Sistms Lt. Ru Rio Piquiri, 400 - Jrim Wissópolis Cóigo Postl: 83.322-010 Pinhis - Prná - Brsil Fon: +55 41 3661-0100 INTRODUÇÃO: Pr orrto unionmnto, é nssário

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO EXXA -SL

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO EXXA -SL 3 4 7 8 9 0 QUIPMNTOS ONTROLOS XX SL (L44) - RJ4- /SNSORS - IM SOPOR 30.400.83.7 XX SL (L44) - RJ4- /SNSORS - IM MUTIR 30.400.84. IRM INTRLIÇÃO UTOMÇÃO XX -SL 3 0// INTIIÇÃO OS SNSORS UMI PRSSÃO /03/4

Leia mais

CD CORAÇÃO DA NOIVA - 1. O SENHOR É BOM INTR:E D A/C# C7+ B E D A/C# O SENHOR É BOM C7+ B E SEU AMOR DURA PARA SEMPRE ELE É BOM...

CD CORAÇÃO DA NOIVA - 1. O SENHOR É BOM INTR:E D A/C# C7+ B E D A/C# O SENHOR É BOM C7+ B E SEU AMOR DURA PARA SEMPRE ELE É BOM... C CORÇÃO NOIV - 1. O SNHOR É OM INTR: /C# C7+ /C# O SNHOR É OM C7+ SU MOR UR PR SMPR L É OM... Letra e Música: avi Silva C CORÇÃO NOIV - 2. SNTO É O TU NOM M TO TRR S OUVIRÁ UM NOVO SOM UM CNÇÃO MOR PRCORRRÁ

Leia mais

BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2

BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 LEIA, COM ATENÇÃO, AS SEGUINTES INSTRUÇÕES 1. CARTÃO-RESPOSTA stino à mrção s rsposts s 56 qustõs ojtivs. 2. Confir su nom, númro insrição

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Orçmnto Emprsri Copyrit Prir, F. I. Pro. Isiro MINI CASE # 12

Leia mais

Teoria dos Grafos Aula 11

Teoria dos Grafos Aula 11 Tori dos Gros Aul Aul pssd Gros om psos Dijkstr Implmntção Fil d prioridds Hp Aul d hoj MST Algoritmos d Prim Kruskl Propridds d MST Dijkstr (o próprio) Projtndo um Rd $ $ $ $ $ Conjunto d lolidds (x.

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 2ª ETAPA

BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 2ª ETAPA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 2ª ETAPA LEIA, COM ATENÇÃO, AS SEGUINTES INSTRUÇÕES 1. Est Boltim Qustõs é onstituío 60 qustõs ojtivs. 2. Voê rrá, tmém um CARTÃO-RESPOSTA

Leia mais

Índia Até o bicho separa o lixo

Índia Até o bicho separa o lixo Opror Máquins Agríols Nº Insrição: Pró-Ritori Gstão Pssos Univrsi Frl Snt Mri Prt I Língu Portugus Pr rsponr às qustõs númros 01 10, li os txtos sguir. Txto I Txto II Txto III OBICHO Vi ontm um iho N imuníi

Leia mais

ANEXO II MODELO DE PROPOSTA

ANEXO II MODELO DE PROPOSTA Plnih01 ANEXO II MODELO DE PROPOSTA Lot Itm Dsrição Uni 1 2 3 4 5 Imprssão CARTAZ: Formto A4, 21x29,7 m, Ppl rilo, 120 g/m² Nº ors: 4/0 ors. Qunti Rgistrr: 6.000 Imprssão CARTAZ: Formto A4, 21x29,7 m Ppl

Leia mais

1. Introdução. . Nessa relação, conhecida com a

1. Introdução. . Nessa relação, conhecida com a m pgou n port s m ixou no sritório. ) Eu tinh bo sir s quno toou o lulr pri pr tnê-lo. Er mu hf, izno qu u stv trso pr um runião. Minh sort é qu nss momnto stv pssno um táxi. Ani pr l pouos minutos pois

Leia mais

Germinação de Sementes

Germinação de Sementes Grminção Smnts Monootilôns Euiotilôns rminção pí rminção hipó Smnts nospémis Smnts não nospémis rof. Mrlo F. omplli Dr. m Fisioloi Vtl Fisioloi Vtl BO248 turm L1 hsolus vulris L. Z mys L. Grminção smnt:

Leia mais

+12V. 0.1uF/ 100V RL4 :A ULN2003A C3 3 U1:D LIGA/ DESLIGA CARREGADOR. 10uF/ 16V C2 4 1N4148 D1 1 1N K GND 10K BC337 R2 5 CRISTAL DE 2 0 MHZ

+12V. 0.1uF/ 100V RL4 :A ULN2003A C3 3 U1:D LIGA/ DESLIGA CARREGADOR. 10uF/ 16V C2 4 1N4148 D1 1 1N K GND 10K BC337 R2 5 CRISTAL DE 2 0 MHZ ДХILUIR P/ LRR RL_ R To l. er a l es. Num. QU M PRVR IOO P O RROR MIOR V R LMJ U: UZZR R 0 ILUIR P M PRLLO OM ONTTO O RL 0.u/ 00V V R 0 0 R 0 verm elho U: ULN00 U: LMJ 0 ULN00 U: LI/ LI RROR V N R 0u/

Leia mais

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO NESS LRC MULTILINHAS C/ IHM

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO NESS LRC MULTILINHAS C/ IHM 4 5 6 7 8 9 0 QUIPNOS ONROLOS 5 LINS RSRIOS OU LINS ONLOS LIN RSRIOS IR INRLIÇÃO UOÇÃO NSS LR ULILINS O I 8 0/0/5 URÇÃO LRÇÃO OS UNIUS, RPOSIIONNO O POLI LRÇÂO N LIS RIIS LOUV 7 7 0/0/5 LRO O LYOU, SUSIUIO

Leia mais

COMPASSO Consultoria Multidisciplinar em Políticas Sociais CONCURSO PÚBLICO Nº. 001/2009 - MODALIDADE - EMPREGO PÚBLICO

COMPASSO Consultoria Multidisciplinar em Políticas Sociais CONCURSO PÚBLICO Nº. 001/2009 - MODALIDADE - EMPREGO PÚBLICO CONCURSO PÚBLICO Nº. 001/2009 - MODALIDADE - EMPREGO PÚBLICO PREFEITURA MUNICIPAL DE GASPAR-SC Srtri Muniipl Sú PROVA Crgo: AUXILIAR DE SERVIÇOS GERAIS LIMPEZA PROCESSO DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA AUXILIAR

Leia mais

1ª eliminatória 2012. Ex.: A B C D E

1ª eliminatória 2012. Ex.: A B C D E 1ª limintóri 2012 Est tst é onstituío por 30 qustõs qu orm ivrss tmátis Biologi. Li s qustõs tntmnt slion opção orrt unimnt n Folh Rsposts, mrno- om um X no quro rsptivo. O tst tm urção máxim 90 minutos.

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia www.smorsplvr.om.r Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã Do Homm PG. HOMEM. DOUTRINA CRISTÃ DO 03 INTRODUÇÃO. 03 I, A CRIAÇÃO DO HOMEM. 03 II, A CONSTITUIÇÃO

Leia mais

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Física e Química A Prova Escrita

Leia mais

Biologia Filosofia Física Geografia História Língua Portuguesa Literatura Brasileira Matemática Química. Prova Seletiva.

Biologia Filosofia Física Geografia História Língua Portuguesa Literatura Brasileira Matemática Química. Prova Seletiva. 3 Biologi Filosofi Físi Gogrfi Históri Língu Portugus Litrtur Brsilir Mtmáti Quími Prov Sltiv Insrição nº: Qustão 01 No omço o séulo XX, os Estos Unios Améri stnrm su ár influêni pr s Améris Cntrl o Sul,

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia www.smorsplvr.om.r Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã D Dus DE DE Ministério Smors Plvr PG. = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = =DOUTRINA

Leia mais

(BIS) GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS,

(BIS) GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS, P á g i n a 57 LÓRI US (TOM: Ó) 4/4 PLO SOL QU RILH, LÓRI US PL LOR QU NS, LÓRI US PLOS MONTS LTOS, LÓRI US PLO MR TMÉM, LÓRI US PLOS PSSRINHOS, LÓRI US PL NOIT O I, LÓRI US PL RIS LR, LÓRI US QU LON VM,

Leia mais

Biologia Filosofia. Física Geografia História Língua Portuguesa. Literatura Brasileira Matemática Química

Biologia Filosofia. Física Geografia História Língua Portuguesa. Literatura Brasileira Matemática Química 3 Biologi Filosofi Físi Gogrfi Históri Língu Portugus Litrtur Brsilir Mtmáti Quími Insrição nº: Pr rsponr às qustõs 01 02, li o txto sguir. Um rvolução m ino minutos 1 5 10 15 20 25 Usr tnologi pr onstruir

Leia mais

9. MODELAGEM DE CONVERSORES: MODELO DA CHAVE PWM

9. MODELAGEM DE CONVERSORES: MODELO DA CHAVE PWM Fns Chs C. 9 Mlgm nrsrs: ml h PWM J. A. Pml 9. MOEAGEM E CONERSORES: MOEO A CHAE PWM As lgs báss nrsrs CCCC ssum um h nrl ur nãnrl sss lmns lnrs nrns n m. A njun ss us hs r nm h PWM [9.]. O bj ns íul é

Leia mais

Fabiano Gontijo. fgontijo@hotmail.com. Graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro

Fabiano Gontijo. fgontijo@hotmail.com. Graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro UZIEL, Ann Pul. Rio Homossxulid Jniro: Grmond, ção. 2007. Fbino Gontijo Doutor m Antropologi m pl Scincs Écol s Socils Huts Frnç. Étus Profssor Adjunto Bolsist Antropologi Produtivid d m Univrsid Psquis

Leia mais

3 PS1 2013 PS2 2014 S R. Artes Biologia Educação Física Filosofia. Física Geografia História Língua Portuguesa

3 PS1 2013 PS2 2014 S R. Artes Biologia Educação Física Filosofia. Física Geografia História Língua Portuguesa S R E I 3 PS1 2013 PS2 2014 A D O Arts Biologi Eução Físi Filosofi Físi Gogrfi Históri Língu Portugus Litrtur Brsilir Mtmáti Quími Soiologi Insrição nº: 2015 Txto Pr rsponr às qustõs númros 01 02, li o

Leia mais

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7 1) É tã bnit n tr (ntrd) cminh cm Jesus (Miss d Temp mum cm crinçs) & 2 4 m œ É tã b ni t n_ tr me s s gr d, & œ t h brn c, ve ce s. & _ Mis s vi c me çr n ns s_i gre j; _u & j im c ris ti cm e gri, v

Leia mais

BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 3ª ETAPA

BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 3ª ETAPA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 3ª ETAPA LEIA, COM ATENÇÃO, AS SEGUINTES INSTRUÇÕES 1. Est oltim qustõs é onstituío : - Rção - 54 qustõs ojtivs. 2. Confir s, lém ss oltim

Leia mais

======================== ˆ_ ˆ«

======================== ˆ_ ˆ« Noss fest com Mri (Miss pr os simpes e pequenos, inspirdo em Jo 2,112) ( Liturgi I Puus) 1) eebremos n egri (bertur) Rgtime & c m m.. _ m m.. _ e e bre mos n_ e gri, nos s fes t com M ri : & _.. _ º....

Leia mais

Artes Biologia Educação Física Filosofia. Física Geografia História Língua Estrangeira Língua Portuguesa

Artes Biologia Educação Física Filosofia. Física Geografia História Língua Estrangeira Língua Portuguesa 1 Arts Biologi Eução Físi Filosofi Físi Gogrfi Históri Língu Estrngir Língu Portugus SERIADO Litrtur Brsilir Mtmáti Quími Soiologi Insrição nº: Vstiulno, o prov! 02 01 Consirno o trmo ultur omo um onito

Leia mais

1 A ELE A GLÓRIA 2 AINDA QUE A FIGUEIRA 3 AO ERGUERMOS 4 ATRAI O MEU CORAÇÃO 5 DEUS É BOM 6 EM ESPÍRITO, EM VERDADE 7 EM TODO TEMPO 8 EU TE QUERO

1 A ELE A GLÓRIA 2 AINDA QUE A FIGUEIRA 3 AO ERGUERMOS 4 ATRAI O MEU CORAÇÃO 5 DEUS É BOM 6 EM ESPÍRITO, EM VERDADE 7 EM TODO TEMPO 8 EU TE QUERO 1 L GLÓRI 2 IND QU FIGUIR 3 O RGURMOS 4 TRI O MU CORÇÃO 5 DUS É OM 6 M SPÍRITO, M VRDD 7 M TODO TMPO 8 U T QURO 9 LOUV 10 LOUV TI 11 MIS QU UM MIGO 12 M DLITO M TI 13 ND LÉM DO SNGU 14 O LÃO D TRIO D JUDÁ

Leia mais

ANEXO II. (Ato da Mesa nº 98, de 2001) ÁREA I

ANEXO II. (Ato da Mesa nº 98, de 2001) ÁREA I NXO II (to da Mesa nº 98, de 2001) ÁR I IRITO ONSTITUIONL. PRINÍPIOS ONSTITUIONIS UNMNTIS, GRIS STORIIS. IRITOS GRNTIS UNMNTIS. STO IRITO STO IRITO MORÁTIO. POR ONSTITUINT: ORIGINÁRIO, RIVO ORRNT. MN,

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia www.smorsplvr.om.r Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã Ar Do io PG. io. DOUTRINA CRISTÃ ACERCA o 03 INTRODUÇÃO. 03 I, A FONTE DE INFORMAÇÕES SOBRE

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 27 stmro 01 outuro 2010 ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS DA ÁGUA CONSUMIDA PELA POPULAÇÃO DA ZONA RURAL DO MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO VERMELHO-MG GABRIELA LÚCIA PINHEIRO 1, CELSO RICARDO CARVALHO 2 ; LÍVIA BOTELHO

Leia mais

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES Luiz Frncisco d Cruz Drtmnto d Mtmátic Uns/Buru CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES O lno, tmbém chmdo d R, ond R RR {(,)/, R}, ou sj, o roduto crtsino d R or R, é o conjunto d todos os rs ordndos (,), R El

Leia mais

Missa Ave Maris Stella

Missa Ave Maris Stella Missa Av Maris Stlla Para coro a calla a quatro vozs SATB Notas sobr a comosição A rsnt comosição constituis a artir d um ordinário da missa m latim ara coro a quatro vozs a calla, sm divisi Sorano, Alto,

Leia mais

Treino de Liderança Saúde Quatro Disciplinas Essenciais Perguntas de Avaliação

Treino de Liderança Saúde Quatro Disciplinas Essenciais Perguntas de Avaliação Trino Lirnç Sú Qutro Disiplins Essniis Prgunts Avlição Romnmos qu voê srv sus rsposts m um pço ppl pr qu voê poss pssr sus olgs trlho migos st urso. MÓDULO 1: INTRODUÇÃO 1. Qul os sguints são ojtivos prinipis

Leia mais

ÚNICO. Biologia. Física Geografia. História Língua Estrangeira Língua Portuguesa. Literatura Brasileira Matemática Química.

ÚNICO. Biologia. Física Geografia. História Língua Estrangeira Língua Portuguesa. Literatura Brasileira Matemática Química. 2 Biologi Físi Gogrfi ÚNICO Históri Língu Estrngir Língu Portugus Litrtur Brsilir Mtmáti Quími Insrição nº: 01 Está(ão) orrt(s) (s) firmtiv(s) Potimnt, o sl mtforiz o mr, s lágrims, forç vivr. Cstro Alvs,

Leia mais

AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇOS UTILIZANDO UMA ABORDAGEM MULTICRITÉRIO

AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇOS UTILIZANDO UMA ABORDAGEM MULTICRITÉRIO AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇOS UTILIZANDO UMA ABORDAGEM MULTICRITÉRIO Anré Luís Polini Frits Esol Téni Frl Cmpos UNED Mé RJ mil: polini@unf.r v.5, n.3, p. 272-283, z. 1998 Hlr Goms

Leia mais

+ fotos e ilustrações técnicas de outras usinas

+ fotos e ilustrações técnicas de outras usinas Imgns problms mbintis no sul Snt Ctrin, corrnts s tivis minrção crvão, su lvgm su uso m usin trmlétric + fotos ilustrçõs técnics outrs usins Fotos fits por Oswl Svá ntr 1992 2001, durnt visits fits juntmnt

Leia mais

GÁLATAS. Não Há Outro Evangelho 6

GÁLATAS. Não Há Outro Evangelho 6 GÁLATAS Cpítulo Pulo, póstolo nvio, não prt homns nm por mio psso lgum, ms por Jsus Cristo por Dus Pi, qu o rssusitou os mortos, toos os irmãos qu stão omigo, às igrjs Glái: A voês, grç pz prt Dus nosso

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO DIRETOR. Senhor(a) Diretor(a),

QUESTIONÁRIO DO DIRETOR. Senhor(a) Diretor(a), 2013 QUSTONÁRO O RTOR Senhor(a) iretor(a), s avaliações do Sistema Nacional de valiação da ducação ásica (S) são compostas por dois tipos de instrumentos de avaliação: as provas aplicadas aos estudantes

Leia mais

Gabarito - Química - Grupo A

Gabarito - Química - Grupo A 1 a QUESTÃO: (1,5 ponto) Avaliador Revisor A estrutura dos compostos orgânicos começou a ser desvendada nos meados do séc. XIX, com os estudos de ouper e Kekulé, referentes ao comportamento químico do

Leia mais

Borboletas da vida. Direção de Vagner de Almeida. Rio de Janeiro: Abia, 2004, 38 min.

Borboletas da vida. Direção de Vagner de Almeida. Rio de Janeiro: Abia, 2004, 38 min. Borbolts d vid. Dirção Vgnr Almid. Rio Jniro: Abi, 2004, 38 min. BASTA um di. Dirção Vgnr Almid. Rio Jniro: Abi, 2006, 55min. Brnic Bnto Univrsid Doutor m Brclon. Sociologi Autor pl Univrsid s livr A Rinvnção

Leia mais

BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 1

BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 1 LEIA, COM ATENÇÃO, AS SEGUINTES INSTRUÇÕES 1. Est Boltim Qustõs é onstituío 60 qustõs ojtivs. 2. Voê rrá, tmém um CARTÃO-RESPOSTA stino à

Leia mais

E NINGUÉM PODE TIRAR O QUE MEU DEUS ME DÁ A D B SUAS PROMESSAS EM MIM SE CUMPRIRÃO E JÁ POSSO CELEBRAR

E NINGUÉM PODE TIRAR O QUE MEU DEUS ME DÁ A D B SUAS PROMESSAS EM MIM SE CUMPRIRÃO E JÁ POSSO CELEBRAR LÓRI ÚLTIM S Intro: ON HVI SURIÃO LUZ US M MIM RILHOU ON STV SO SUS ÁUS RRMOU MINH OR ULP SOR SI L LVOU UM NOVO NTINO M MUS LÁIOS OLOOU # U VOU, VOU LRR VOU TRNSOR LRI # PORQU LÓRI ÚLTIM S JÁ É MIOR QU

Leia mais

Quem falou foi Henrieta, toda arrumada com a camisa de goleira. E tinha mais um monte de gente: Alice, Cecília, Martinha, Edilene, Luciana, Valdete,

Quem falou foi Henrieta, toda arrumada com a camisa de goleira. E tinha mais um monte de gente: Alice, Cecília, Martinha, Edilene, Luciana, Valdete, Cpítul 3 N ã p! Abu! On já viu? Et qu é n! Cê minh mã? Qun mnin chgm p jg nqul ming, qu ncntm? Um gup mnin. D cmit, têni, clçã muit ipiçã. E g? Afinl, qum tinh ti qul ii mluc? D qun vcê gtm futl? pguntu

Leia mais

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem Quadro de conteúdos Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano Língua Portuguesa Matemática História Geografia Ciências Naturais Arte Inglês ABC da passarinhada O alfabeto Quantidade A ideia de quantidade Eu, criança

Leia mais

IFC Câmpus Santa Rosa do Sul capacita 18 profissionais locais para elaboração do Cadastro Ambiental Rural CAR

IFC Câmpus Santa Rosa do Sul capacita 18 profissionais locais para elaboração do Cadastro Ambiental Rural CAR IFC Câmpus Snt Ros do Sul cpcit 18 profissionis locis pr lborção do Cstro Ambintl Rurl CAR No di 10 bril 2015, no Cntro Trinmnto Arrnguá (CETRAR), foi rlizdo um curso cpcitção profissionis rgião pr lborção

Leia mais

SERIADO. Biologia Filosofia. Física Geografia História Língua Estrangeira Língua Portuguesa. Literatura Brasileira Matemática Química.

SERIADO. Biologia Filosofia. Física Geografia História Língua Estrangeira Língua Portuguesa. Literatura Brasileira Matemática Química. 2 Biologi Filosofi Físi Gogrfi Históri Língu Estrngir Língu Portugus SERIADO Litrtur Brsilir Mtmáti Quími Insrição nº: 01 N Bíli (Mt 5.13) é ito qu os ristãos são "o sl trr luz o muno". Ess pssgm tm um

Leia mais

ANEXO IX DO EDITAL Nº 015/2012 PROCESSO SELETIVO DAS BOLSAS AUXÍLIO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL QUESTIONÁRIO DE PERFIL SOCIOECONÔMICO

ANEXO IX DO EDITAL Nº 015/2012 PROCESSO SELETIVO DAS BOLSAS AUXÍLIO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL QUESTIONÁRIO DE PERFIL SOCIOECONÔMICO ANEXO IX DO EDITAL Nº 015/2012 PROCESSO SELETIVO DAS BOLSAS AUXÍLIO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL QUESTIONÁRIO DE PERFIL SOCIOECONÔMICO LEIA COM ATENÇÃO: O PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA

Leia mais

Plugues e Tomadas Industriais

Plugues e Tomadas Industriais Plugues e Toms Inustriis Linh Inustril Instlções mis onfiáveis e segurs. CARACTERÍSTICAS GERAIS A Linh e Plugs e Toms Inustriis Soprno é ini pr onexão e iversos equipmentos, em mientes sujeitos pó, águ,

Leia mais

soluções sustentáveis soluções sustentáveis

soluções sustentáveis soluções sustentáveis soluções sustentáveis 1 1 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 2 2 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 3 3 APRES ENTAÇÃO A KEYAS S OCIADOS a tu a d e s d e 1

Leia mais

Verifique se este Caderno contém 12 questões discursivas, distribuídas de acordo com o quadro a seguir:

Verifique se este Caderno contém 12 questões discursivas, distribuídas de acordo com o quadro a seguir: 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Se, em qualquer outro local deste Caderno, você assinar, rubricar, escrever

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

Versão 2. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Versão 2. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. Teste Intermédio de Física e Química A Versão Teste Intermédio Física e Química A Versão Duração do Teste: 90 minutos 30.05.01 10.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/004, de 6 de março Na folha de

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia wwwsmorsplvromr Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã Do Po PG PECADO DOUTRINA CRISTÃ DO 03 INTRODUÇÃO 03 I, PECADO, O QUE É? 04 II, O ROTEIRO DO PECADO,

Leia mais

Medicina. Prova Discursiva. Caderno de Prova. Instruções. Informações Gerais. Boa prova! 16/12/2012

Medicina. Prova Discursiva. Caderno de Prova. Instruções. Informações Gerais. Boa prova! 16/12/2012 Prova Discursiva Medicina 16/12/2012 Caderno de Prova Este caderno, com 16 páginas numeradas sequencialmente, contém 5 questões de Biologia e 5 questões de Química. A Classificação Periódica dos Elementos

Leia mais

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR O Sonho de Renato O Sonho de Renato a e i o u A E I O U so nho de Re na to Eu sou Renato Valadares Batista. Tenho 14 anos. Sou filho de Pedro Batista e Luzia Valadares.

Leia mais

Si, Ge, SiO 2, ZnS, etc. PF s e dureza elevados Insolúveis Isolantes (ou semicondutores)

Si, Ge, SiO 2, ZnS, etc. PF s e dureza elevados Insolúveis Isolantes (ou semicondutores) Sólidos covalentes C, diamante C, grafite Si, Ge, SiO 2, ZnS, etc. PF s e dureza elevados Insolúveis Isolantes (ou semicondutores) Sólidos covalentes TEV: rede 3D de ligações covalentes C, diamante (sp

Leia mais

Notas de Aula de Física

Notas de Aula de Física rsão rlmnr rl Nots ul Fís. ENOPI E SEGUN LEI EMOINÂMI... POESSOS EESÍEIS E IEESÍEIS... MÁUINS ÉMIS... Um máqun rnot... Eên um máqun rnot...6 EFIGEOES...6 EOEM E LUSIUS...7 SEGUN LEI EMOINÂMI...9 Enuno

Leia mais

Eu só quero um xodó. Música na escola: exercício 14

Eu só quero um xodó. Música na escola: exercício 14 Eu só qu u xdó Músic n scl: xcíci 14 Eu só qu u xdó Ptitus Mi, hni lt Aut: Dinguinhs stáci Rgiã: Pnbuc : 1973 Fix: 14 Anj: Edsn Jsé Alvs Músics: Edsn Jsé Alvs vilã Pvt clints, sx t Jsé Alvs Sbinh Zzinh

Leia mais

Apenas 5% dos Brasileiros sabem falar Inglês

Apenas 5% dos Brasileiros sabem falar Inglês Apns 5% ds Brsilirs sb flr Inglês D crd cm um lvntmnt fit pl British Cncil pns 5% d ppulçã sb fl r Dvs lbrr stms épcs pré-vnts sprtivs s lhs d mund td cmçm s vltr cd vz mis pr Brsil pr iss nã bst dminr

Leia mais

HALLIDAY, RESNICK, WALKER, FUNDAMENTOS DE FÍSICA, 8.ED., LTC, RIO DE JANEIRO, 2008. FÍSICA 1 CAPÍTULO 3 VETORES

HALLIDAY, RESNICK, WALKER, FUNDAMENTOS DE FÍSICA, 8.ED., LTC, RIO DE JANEIRO, 2008. FÍSICA 1 CAPÍTULO 3 VETORES Polems Resolvios e Físi Pof. Aneson Cose Guio Depto. Físi UFES HALLIDAY, RESNICK, WALKER, FUNDAMENTOS DE FÍSICA, 8.ED., LTC, RIO DE JANEIRO, 008. FÍSICA 1 CAPÍTULO 3 VETORES 16. N som A + = C, o veto A

Leia mais

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I 1 3Mr P e re s, R e s e r h D i re t r I D C B rs i l Br 0 0metr Cis e Bn L rg n Brsil, 2005-201 0 R e s l t s P ri m e i r T ri m e s t re e 2 0 0 7 Prer r Prer r Met e Bn Lrg em 2 0 1 0 n Brs i l : 10

Leia mais

Y Zr Nb Mo Tc Ru Rh Pd Ag Cd In Sn Sb Te I Xe

Y Zr Nb Mo Tc Ru Rh Pd Ag Cd In Sn Sb Te I Xe A H,0 Li 7,0 Na 2,0 9 K 9,0 7 Rb 85,5 55 Cs,0 87 Fr (22) 2 2A Be 9,0 2 Mg 2,0 20 Ca 0,0 8 Sr 88,0 56 Ba 7,0 88 Ra (226) Elementos de Transição B B 5B 6B 7B 8B B 2B 5 6 7 A A 5A 6A 7A 78,5 8,0 8,0 86,0

Leia mais

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação 1 Fuldde de súde Públi Universidde de São Pulo HEP-5705 Epidemiologi I Estimndo Riso e Assoição 1. De 2.872 indivíduos que reeberm rdioterpi n infâni em deorrêni de presentrem o timo umentdo, 24 desenvolverm

Leia mais

Calendário de Treinamentos 2014 Academia Grundfos. Bem-vindos a Academia Grundfos

Calendário de Treinamentos 2014 Academia Grundfos. Bem-vindos a Academia Grundfos Clnário Trinmntos 24 Acmi Grunfos Bm-vinos Acmi Grunfos Grunfos Brsil Acmi Grunfos Clnário 24 1 2008 2006 7 200 i m c A s r o t u r t s n I p i Equ 2004 Ds 2004 Acmi Grunfos nftiz importânci qu tribuimos

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia www.smorsplvr.om.r Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã D Orção PG. ORAÇÃO. DOUTRINA CRISTÃ DA 04 INTRODUÇÃO. 04 I, O QUE É ORAÇÃO CRISTÃ? 06 II, COMO

Leia mais

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte Vi vijr pr? Situ-s com nosss dics roportos trns mtrôs Chgd m Avião: Aroporto Hthrow: Situdo crc 20 km ost um dos mis movim ntdos d Europ possui cinco trminis Dpois pssr pls formlids imigrção pgr su bggm

Leia mais

PR O CESSO SE L ET I VO 20 0 0 I O HOMEM VIVE E PROCURA VIVER EM PLENITUDE

PR O CESSO SE L ET I VO 20 0 0 I O HOMEM VIVE E PROCURA VIVER EM PLENITUDE I O HOMEM VIVE E PROCURA VIVER EM PLENITUDE NAS QUESTÕES NUMERADAS DED 01 A13. ASSINALE ALATERNATIVA QUE, CORRETAMENTE, COMLETA O ENUNCIADO DE CADA UMA DELAS. 01. 1) Avriili gnéti s onstitui no prinipl

Leia mais

Faturamento WEB IAMSPE v20130424.docx. Manual de Faturamento

Faturamento WEB IAMSPE v20130424.docx. Manual de Faturamento Fturmnto WEB IAMSPE v20130424.dox Mnul d Fturmnto Fturmnto WEB IAMSPE v20130424.dox ÍNDICE CARO CREDENCIADO, LEIA COM ATENÇÃO.... 3 SUPORTE DA MEDLINK VIA LINK DÚVIDAS... 3 MOVIMENTO MANUAL... 3 IMPOSSIBILIDADE

Leia mais

MONITORAMENTO DE INFORMAÇÃO

MONITORAMENTO DE INFORMAÇÃO Consórcio muda d ndrço Corrio Lagano - 20/01/2016 5 - Colunista - Olivt Salmória Mídia Imprssa Co m d n 1 Içara prd vantagm comptitiva 9/01) Diário d Notícias/Criciúma - 20/01/2016 7 - Gral Mídia Imprssa

Leia mais

QUESTIONÁRIO. Senhor(a) Professor(a),

QUESTIONÁRIO. Senhor(a) Professor(a), 2013 QUSTIONÁRIO O PROSSOR Senhor(a) Professor(a), O Sistema Nacional de valiação da ducação ásica, S, é composto por dois tipos de instrumentos de avaliação: as provas aplicadas aos estudantes e os questionários

Leia mais

SUAVIZAÇÃO DA FRONTEIRA DEA: O CASO BCC N-DIMENSIONAL COM MULTIPLICIDADE SIMULTÂNEA DOS INPUTS E DOS OUTPUTS

SUAVIZAÇÃO DA FRONTEIRA DEA: O CASO BCC N-DIMENSIONAL COM MULTIPLICIDADE SIMULTÂNEA DOS INPUTS E DOS OUTPUTS SUAVIZAÇÃO DA FRONTEIRA DEA: O CASO BCC N-DIMENSIONAL COM MULTIPLICIDADE SIMULTÂNEA DOS INPUTS E DOS OUTPUTS Flávi Bini Ni Mstro Ennhri Proução Univrsi Frl Fluminns Ru Psso Pátri, 5, São Dominos, CEP:

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia www.smorsplvr.om.r Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã D Jsus Cristo CRISTO DESOBEDECESSE Ministério Smors Plvr PG. DOUTRINA CRISTÃ DE JESUS CRISTO.

Leia mais

4. APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO DIFERENCIAL À PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA

4. APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO DIFERENCIAL À PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA lever Pereir 4. PLÇÃO D PROTEÇÃO DFEREL À PROTEÇÃO DE TRSFORMDORES DE POTÊ 4.. Prinípio ásio s orrentes primáris e seundáris de um trfo de potêni gurdm entre si um relção onheid em ondições de operção

Leia mais

3 Proposição de fórmula

3 Proposição de fórmula 3 Proposição fórmula A substituição os inos plos juros sobr capital próprio po sr um important instrumnto planjamnto tributário, sno uma rução lgal a tributação sobr o lucro. Nos últimos anos, a utilização

Leia mais

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 06-06-10

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 2010 JUNHO/2010 RESOLUÇÃO DAS 10 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA TARDE - MÓDULO DISCURSIVO São curiosos os números. Às vezes é mis útil rredondá-los do que trblhr com seu vlor

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

Guia para instalação e utilização

Guia para instalação e utilização Gui pr instlção utilizção Aprlho r oniiono om sistm VRV IV RYYQ8T7Y1B RYYQ10T7Y1B RYYQ12T7Y1B RYYQ14T7Y1B RYYQ16T7Y1B RYYQ18T7Y1B RYYQ20T7Y1B RYMQ8T7Y1B RYMQ10T7Y1B RYMQ12T7Y1B RYMQ14T7Y1B RYMQ16T7Y1B

Leia mais

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA 1 2 3 4 5 6 7 1 1 1, 00 2 3 4 Li Be 6, 94 9, 01 11 12 Na Mg 22, 99 24, 31 19 20 K Ca 39, 10 40, 08 37 38 Rb Sr 85, 47 87, 62 55 56 Cs Ba 132, 91 137, 33 87 88 Fr Ra 223,

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS

CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS 1 1 1 H 1, 00 2 3 4 2 Li 6, 94 Be 9, 01 11 12 3 Na Mg 22, 99 24, 31 19 20 4 K 39, 10 Ca 40, 08 37 38 5 Rb Sr 85, 47 87, 62 55 56 6 Cs 132, 91 Ba 137, 33 87 88 7 Fr Ra 223, 02 226, 03 CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

Datas das próximas viagens da UFMG. Sondagem do solo em Lagedo e Riacho

Datas das próximas viagens da UFMG. Sondagem do solo em Lagedo e Riacho Ano 2 Lagdo, Domingo, 31 d maio d 2015 N o 12 Datas das próximas viagns da UFMG Data Casa 12 29 d maio a 31 d maio d 2015 Alcion/Paulo 13 26 d junho a 28 d junho d 2015 Gralda/Antônio 14 24 d julho a 26

Leia mais

6ª LISTA DE EXERCÍCIOS - DINÂMICA

6ª LISTA DE EXERCÍCIOS - DINÂMICA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE FÍSICA DEPARTAMENTO DE FÍSICA DA TERRA E DO MEIO AMBIENTE CURSO: FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL I E SEMESTRE: 2008.1 6ª LISTA DE EXERCÍCIOS - DINÂMICA Considr g=10

Leia mais

Associação de Resistores e Resistência Equivalente

Associação de Resistores e Resistência Equivalente Associção d sistors sistêci Equivlt. Itrodução A ális projto d circuitos rqurm m muitos csos dtrmição d rsistêci quivlt prtir d dois trmiis quisqur do circuito. Além disso, pod-s um séri d csos práticos

Leia mais

Código PE-ACSH-2. Título:

Código PE-ACSH-2. Título: CISI Ctro Itrção Srvços Iformtc rão Excução Atv Itr o CISI Cóo Emto por: Grêc o Stor 1. Objtvo cmpo plcção Est ocumto tm como fl fr o prão brtur chmos suport o CISI. A brtur chmos é rlz o sstm hlpsk, qu

Leia mais

1 PEDRO. Capítulo 1. Louvor a Deus por uma Esperança Viva 3

1 PEDRO. Capítulo 1. Louvor a Deus por uma Esperança Viva 3 PEDRO Pro, póstolo Jsus Cristo, Cpítulo os litos Dus, prgrinos isprsos no Ponto, n Glái, n Cpói, n províni Ási n Bitíni, 2 solhios oro om o pré-onhimnto Dus Pi, pl or sntiior o Espírito, pr oiêni Jsus

Leia mais

Instruções para uma impressora conectada localmente no Windows

Instruções para uma impressora conectada localmente no Windows Página 1 6 Guia onxão Instruçõs para uma imprssora ontaa loalmnt no Winows Nota: Ao instalar uma imprssora ontaa loalmnt, s o sistma opraional não or suportao plo CD Sotwar oumntação, o Assistnt para aiionar

Leia mais

ÚNICO. Biologia. Física Geografia. História Língua Estrangeira Língua Portuguesa. Literatura Brasileira Matemática Química.

ÚNICO. Biologia. Física Geografia. História Língua Estrangeira Língua Portuguesa. Literatura Brasileira Matemática Química. 1 Biologi Físi Gogrfi ÚNICO Históri Língu Estrngir Língu Portugus Litrtur Brsilir Mtmáti Quími Insrição nº: Vstiulno, o prov! 02 01 C rgião rsilir possui háitos limntrs próprios prtos mlmátios, qu srvm

Leia mais

A atual relevância do ensino do inglês jurídico nos cursos de graduação em Direito

A atual relevância do ensino do inglês jurídico nos cursos de graduação em Direito A tul rlvânci nsino nos cursos grdução m Brv rflxão crc d ncssid s pssr lcionr o nos cursos grdução m sort mlhor prprr os futuros profissionis r pr o xrcício d dvocci mgistrtur promotori Cro migo litor:

Leia mais

Projeto de extensão Judô Escolar certifica alunos da Escola de Ensino Básico Professor Mota Pires

Projeto de extensão Judô Escolar certifica alunos da Escola de Ensino Básico Professor Mota Pires Projto xtnsão Judô Escolr crtific lunos d Escol Ensino Básico Profssor Mot Pirs No di 7 julho 2015 form crtificdos os lunos d Escol Ensino Básico Profssor Mot Pirs, Arrnguá, qu prticiprm do curso Judô

Leia mais

003. Ciências da Natureza e Matemática

003. Ciências da Natureza e Matemática VESTIBULAR 2013 Prova de Conhecimentos Específicos e Redação 16.12.2012 Assinatura do candidato 003. Ciências da Natureza e Matemática (Questões 13-24) Confira seus dados impressos neste caderno. Assine

Leia mais